Andréa Pere Leinat
Leitura Deleite
Beleleu e os Números
ANALISAR OS PERFIL DE
ENTRADA DE
MATEMATICA E LINGUAGEM
PERFIL DAS TURMAS DO 1º CICLO
DA 1 FASE DO MUNICIPIO DE
PONTES E LACERDA
ESCOLAS – Vale do Guaporé
Antonio Carlos de Brito...
0 50 100 150 200 250 300
Associa a contagem de objetos…
Associa a contagem de…
Compara e ordena números…
Compõe e decompõe...
0 100 200 300 400
Escreve o próprio nome
Reconhece e nomeia as letras…
Diferencia letras de números…
Conhece a ordem alfab...
CADERNO 2
QUANTIFICAÇÃO, REGISTROS
E AGRUPAMENTOS
Eixo Abordado: Números e Operações
OBJETIVOS
• Identificar números em diferentes contextos e
funções;
• Quantificar elementos de uma coleção, utilizando
dife...
• Representar graficamente quantidades
e compartilhar, confrontar, validar e
aprimorar seus registros nas atividades
que e...
• Estabelecer relações de semelhança e de
ordem, utilizando critérios diversificados
para classificar, seriar e ordenar co...
NÚMERO se refere à ideias de quantidade
O NUMERAL é a forma (falada, escrita,
pictória, etc) de se representar essa
quantidade
O ALGARISMO é a representação dessa
quantidade, o símbolo de um sistema de
numeração escrita.
PORTANDO...
Devemos provocar reflexões sobre a ideia de
número e seus usos em situações do
cotidiano.
PARA QUE SERVE A
MATEMÁTICA NA PERSPECTIVA
DAS CRIANÇAS
SERVE CONTAR
SERVE FAZER CONTINHAS
SERVE MEDIR
SOBRE A CONSTRUÇÃO DO
NÚMERO
O ser humano
sempre precisou
contar?
Houve épocas em que não se contava
porque não havia nece...
VÍDEO
O NÚMERO E SEUS
SIGNIFICADOS
Quais os significados que um número
pode ter?
(Caderno 2 p. 30)
Receita de Bolo Simples
INGREDIENTES
2 xícaras de açúcar
3 xícaras de farinha de trigo
4 colheres de margarina bem cheias
...
4 kg
IDENTIFICAR OS NÚMEROS EM
DIFERENTES CONTEXTOS E
FUNÇÕES
333.555.999-22
3
3x1
PR- CURITIBA
ABC- 234
3042-71 65
SENSO NUMÉRICO
O senso numérico é a capacidade que
permite diferenciar, sem contar, pequenas
quantidades de grandes quanti...
SENSO NUMÉRICO
Sugestão: Assistir o Vídeo com seus alunos
- Discutir sobre o enredo e o
sobre o fato de que no filme
aparecem muitos cach...
CORRESPONDÊNCIA “UM A UM”
é a relação que se estabelece na comparação
unidade a unidade entre os elementos de duas
coleçõe...
CORRESPONDÊNCIA “UM A UM”
Para solucionar
problemas de controle de
quantidades, as primeiras
formas que o ser humano
criou...
POR EXEMPLO...
3
Andar de ônibus (bancos e pessoas);
No cinema (bancos e pessoas);
Sala de aula (carteiras e alunos, materiais e
alunos, la...
AGRUPAMENTOS
Ao longo do tempo o ser humano superou a
correspondência um a um, e organizou
“montes” ou “grupos” de quantid...
São ações que permitem controlar, comparar
e representar quantidades. Por isso a
importância de propor atividades para seu...
O AGRUPAMENTO NA ORGANIZAÇÃO DA CONTAGEM
E NA ORIGEM DOS SISTEMAS DE NUMERAÇÃO
“[...] a necessidade de contar grandes
quan...
POR EXEMPLO...
A contagem
por
agrupamento
- Supera a correspondência um
a um;
- Organiza o que é contado;
- Ajuda a não esquecer de
nenhu...
ALGUNS OBJETOS E
AGRUPAMENTOS
PAREAMENTO
O pareamento ocorre a partir da relação entre duas
coleções.
O trabalho com o pareamento possibilita melhor com...
Afinal, o que é contar?
Contar os objetos de uma coleção significa atribuir a
cada um deles uma palavra ou símbolo que cor...
CONTAR
Contar pode ser também a enunciação de
nomes atribuídos aos números.
Ex.: Quando a criança, apesar de ainda não
rec...
SUGESTÕES DE ATIVIDADES
DE CONTAGEM
MAMÃE POSSO IR?
Desenvolvimento: Escolher uma criança
para ser a “mãe”, posicionando-a a uma certa
distância das outras cr...
AMARELINHA
Desenvolvimento: Desenhar com giz o jogo de
amarelinha e pedir para que as crianças coloquem os
números de um a...
TRILHA
Desenvolvimento: Organizar os alunos em equipes
pequenas. Em roda, converar com as crianças sobre regras
e diferent...
A GALINHA DO VIZINHO
A GALINHA DO VIZINHO
BOTA OVO AMARELINHO
BOTA UM,
BOTA DOIS,
BOTA TRÊS,
BOTA QUATRO,
BOTA CINCO,
BOTA...
ELEFANTE
UM ELEFANTE INCOMODA MUITA GENTE.
DOIS ELEFANTES INCOMODAM, INCOMODAM MUITO MAIS.
TRÊS ELEFANTES INCOMODAM MUITA ...
INDIOZINHOS
1,2,3 INDIOZINHOS
4,5,6 INDIOZINHOS
7,8,9 INDIOZINHOS
10 UM PEQUENO BOTE
IAM NAVEGANDO PELO RIO ABAIXO
QUANDO ...
4
USO E FUNÇÕES DO NÚMERO
EM SITUAÇÕES DO COTIDIANO
[...] desde muito cedo somos capazes de
discriminar quantidades pequenas...
É inquestionável o papel desempenhado
pelas experiências sociais na construção do
conhecimento matemático, uma vez que os
...
DESENVOLVER UM SENTIDO NUMÉRICO
E TORNAR-SE NUMERALIZADO
SENTIDO NUMÉRICO: HABILIDADE QUE PERMITE QUE O
INDIVÍDUO LIDE DE ...
INDICADORES DE SENTIDO NUMÉRICO:
Realizar cálculo mental
flexível
Realizar estimativas e usar
pontos de referência
Fazer j...
ALINA GALVÃO SPINILLO (p.22)
Estabelecer relações
matemáticas
Usar e reconhecer que um
instrumento ou suporte de
represent...
O NÚMERO: COMPREENDENDO
AS PRIMEIRAS NOÇÕES
1, 2 feijão com arroz
3, 4 feijão no prato
5, 6 falar inglês
7, 8 comer biscoito
9, 10 comer pastéis
Vamos recitar
Se uma criança recita este poema, sem
erros, podemos afirmar que ela apropriou-se
dos números de 1 a 10?
É possível, a par...
O NÚMERO: DA ORALIDADE PARA
A ESCRITA
Uma característica da contagem é a enunciação de palavras,
nomes dos números, numa d...
ORALIDADE
Relação entre cada elemento da contagem e a
quantidade de objetos que ela significa
Propiciar que os
alunos perc...
Vamos trabalhar...
Grupo 1: ler o relato : Objetos e Quantidades,
(08 a 10)
Atividade desenvolvida pela professora Nadia
Beatriz Casani Belin...
Grupo 2: ler o relato Jogo Pega Varetas
(págs 12 a 14), desenvolvida pela
professora Naise Pereira Cardoso, discutir
no gr...
Grupo 3: ler o relato O Sítio Animado (págs 16 a 18),
Atividade desenvolvida pela professora Gisele Tamara
Bittencourt, di...
Grupo 4: ler o relato Matematica e Língua
Portuguesa: Integrando textos e Números (págs 69 e
70) Com base na atividade, cr...
Grupo 5: ler o relato O Varal (págs 78 e 81), que
utiliza de um pequeno varal, com grampos de roupa,
pra o trabalho com a ...
TAREFA DE CASA
DESENVOLVER UM SEQUENCIA DE ATIVIDADES
COM SUA TURMA QUE ENVOLVA CONTAGEM
UTILIANDOOS DIREITOSEIXOSCAPACIDA...
Caderno2 140520215042-phpapp02
Caderno2 140520215042-phpapp02
Caderno2 140520215042-phpapp02
Caderno2 140520215042-phpapp02
Caderno2 140520215042-phpapp02
Caderno2 140520215042-phpapp02
Caderno2 140520215042-phpapp02
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Caderno2 140520215042-phpapp02

738 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
738
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
14
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Houve épocas em que ele não contava porque não havia necessidade. A matemática desenvolveu-se ao longo dos tempos como uma linguagem que partiu da necessidade do ser humano de manter-se vivo e confortável. Mas esta necessidade não foi individual. Vários educadores matemáticos, como por exemplo Moura (2012), entendem a Matemática como um conhecimento que atende objetivos do coletivo e o indivíduo aprende as novas sínteses geradas na solução de problemas sociais. Dessa forma, pode-se compreender a produção do conhecimento matemático como o modo humano de construir respostas para as suas necessidades básicas construídas nas relações sociais... (p.6).

    O senso numérico é a capacidade que permite diferenciar, sem contar, pequenas quantidades de grandes quantidades; perceber onde há mais e onde há menos, assim como permite perceber quando há “tantos quantos”, uma situação de igualdade entre dois grupos. O senso numérico é a capacidade natural que os seres humanos e alguns animais possuem para apropriar-se de quantidades. Ou seja, num golpe de vista consegue-se indicar quantidades pequenas, de um a cinco, mesmo que estas se refiram a objetos ou seres que podem estar em movimento, como animais ou aves em um pasto... (p.6).

    Correspondência um a um é a relação que se estabelece na comparação unidade a unidade entre os elementos de duas coleções. Nessa comparação, é possível determinar se duas coleções têm a mesma quantidade de objetos ou não e, então, qual tem mais ou qual tem menos (...). Por exemplo, na necessidade de controlar o seu rebanho de ovelhas, o pastor precisou criar outra coleção que lhe permitiu representar cada ovelha do rebanho por uma pedra. Assim, a quantidade associada à coleção de pedras é equivalente à quantidade de ovelhas do rebanho (...). No controle de quantidades por meio da correspondência um a um, para cada elemento de uma coleção que se deseja contar, existe outro elemento de outra coleção que assume o papel de contador. Ao carregar consigo a quantidade de pedras, o pastor conserva a quantidade de ovelhas através de um registro prático, uma vez que existe a possibilidade de ser guardado... (p.11).

    Historicamente, embora a correspondência um a um não permitisse ao ser humano saber exatamente quanto tinha, dava-lhe condições de ter controle sobre as quantidades. Inicialmente, essa correspondência era feita com a utilização de recursos materiais encontrados na natureza como pedras, pedaços de madeira, conchas, frutos secos... Esses instrumentos serviram para controlar as quantidades dos animais que se multiplicavam ou se moviam. Mas, com o passar do tempo, esses materiais tornaram-se pouco práticos para manusear, principalmente, quando não permitiam o controle de grandes quantidades (...). Com isto, o ser humano colocou-se em uma situação em que precisava encontrar outras formas de controlar as correspondências que estabelecia e, então, passou a fazer registros em paus, ossos, nós em cordas. Da mesma forma, a criança na escola pode fazer registros de quantidades sem conhecer os símbolos numéricos que utilizamos atualmente... (p.12).
  • http://www.youtube.com/watch?v=ntylzQWvzCA
  • Indagar os Cursistas: há quais contextos esses números correspondem?
    Realizar a leitura do texto “Para que serve a Matemática na Perspectiva das Crianças” (Caderno 2, p. 30-31). OBS.: O Texto será copiado para todos os cursistas.

    No controle de quantidades por meio da correspondência um a um, para cada elemento de uma coleção que se deseja contar, existe outro elemento de outra coleção que assume o papel de contador. Ao carregar consigo a quantidade de pedras, o pastor conserva a quantidade de ovelhas através de um registro prático, uma vez que existe a possibilidade de ser guardado... (p.11).


    Historicamente, embora a correspondência um a um não permitisse ao ser humano saber exatamente quanto tinha, dava-lhe condições de ter controle sobre as quantidades. Inicialmente, essa correspondência era feita com a utilização de recursos materiais encontrados na natureza como pedras, pedaços de madeira, conchas, frutos secos... Esses instrumentos serviram para controlar as quantidades dos animais que se multiplicavam ou se moviam. Mas, com o passar do tempo, esses materiais tornaram-se pouco práticos para manusear, principalmente, quando não permitiam o controle de grandes quantidades... (p.12).

    Com isto, o ser humano colocou-se em uma situação em que precisava encontrar outras formas de controlar as correspondências que estabelecia e, então, passou a fazer registros em paus, ossos, nós em cordas. Da mesma forma, a criança na escola pode fazer registros de quantidades sem conhecer os símbolos numéricos que utilizamos atualmente... (p.12).

    (p.06, Cad. 02 – PNAIC de Matemática)
  • SACOLA 2 – 2 POTES COM DIFERENTES OBJETOS DENTRO. QUANTOS OBJETOS TÊM DENTRO? QUAL TEM MAIS?

    O senso numérico é a capacidade natural que os seres humanos e alguns animais possuem para apropriar-se de quantidades. Ou seja, num golpe de vista consegue-se indicar quantidades pequenas, de um a cinco, mesmo que estas se refiram a objetos ou seres que podem estar em movimento, como animais ou aves em um pasto... (p.6).
  • Por exemplo, na necessidade de controlar o seu rebanho de ovelhas, o pastor precisou criar outra coleção que lhe permitiu representar cada ovelha do rebanho por uma pedra. Assim, a quantidade associada à coleção de pedras é equivalente à quantidade de ovelhas do rebanho... (p.11).

    No controle de quantidades por meio da correspondência um a um, para cada elemento de uma coleção que se deseja contar, existe outro elemento de outra coleção que assume o papel de contador. Ao carregar consigo a quantidade de pedras, o pastor conserva a quantidade de ovelhas através de um registro prático, uma vez que existe a possibilidade de ser guardado... (p.11).


    Historicamente, embora a correspondência um a um não permitisse ao ser humano saber exatamente quanto tinha, dava-lhe condições de ter controle sobre as quantidades. Inicialmente, essa correspondência era feita com a utilização de recursos materiais encontrados na natureza como pedras, pedaços de madeira, conchas, frutos secos... Esses instrumentos serviram para controlar as quantidades dos animais que se multiplicavam ou se moviam. Mas, com o passar do tempo, esses materiais tornaram-se pouco práticos para manusear, principalmente, quando não permitiam o controle de grandes quantidades... (p.12).

    Com isto, o ser humano colocou-se em uma situação em que precisava encontrar outras formas de controlar as correspondências que estabelecia e, então, passou a fazer registros em paus, ossos, nós em cordas. Da mesma forma, a criança na escola pode fazer registros de quantidades sem conhecer os símbolos numéricos que utilizamos atualmente... (p.12).

    (p.06, Cad. 02 – PNAIC de Matemática)
  • Por exemplo, na necessidade de controlar o seu rebanho de ovelhas, o pastor precisou criar outra coleção que lhe permitiu representar cada ovelha do rebanho por uma pedra. Assim, a quantidade associada à coleção de pedras é equivalente à quantidade de ovelhas do rebanho... (p.11).

    No controle de quantidades por meio da correspondência um a um, para cada elemento de uma coleção que se deseja contar, existe outro elemento de outra coleção que assume o papel de contador. Ao carregar consigo a quantidade de pedras, o pastor conserva a quantidade de ovelhas através de um registro prático, uma vez que existe a possibilidade de ser guardado... (p.11).


    Historicamente, embora a correspondência um a um não permitisse ao ser humano saber exatamente quanto tinha, dava-lhe condições de ter controle sobre as quantidades. Inicialmente, essa correspondência era feita com a utilização de recursos materiais encontrados na natureza como pedras, pedaços de madeira, conchas, frutos secos... Esses instrumentos serviram para controlar as quantidades dos animais que se multiplicavam ou se moviam. Mas, com o passar do tempo, esses materiais tornaram-se pouco práticos para manusear, principalmente, quando não permitiam o controle de grandes quantidades... (p.12).

    Com isto, o ser humano colocou-se em uma situação em que precisava encontrar outras formas de controlar as correspondências que estabelecia e, então, passou a fazer registros em paus, ossos, nós em cordas. Da mesma forma, a criança na escola pode fazer registros de quantidades sem conhecer os símbolos numéricos que utilizamos atualmente... (p.12).

    (p.06, Cad. 02 – PNAIC de Matemática)
  • SACOLA 3 – POST IT E CARTOLINA PARA PLANTA BAIXA DA SALA

    Questionar a turma: “Que outras relações podemos estabelecer, considerando a ideia de correspondência um a um?”

    Fazer com as professoras a maquete da nossa sala de aula, com o uso de post it.
  • SACOLA 3 – POST IT E CARTOLINA PARA PLANTA BAIXA DA SALA

    Questionar a turma: “Que outras relações podemos estabelecer, considerando a ideia de correspondência um a um?”

    Fazer com as professoras a maquete da nossa sala de aula, com o uso de post it.

  • Agrupar é uma estratégia de contagem que organiza o que é contado, ajudando a não esquecer de contar nenhum objeto e evitando que um mesmo objeto seja contado mais de uma vez.

    Os dois agrupamentos apresentam a mesma quantidade, em qual deles é mais fácil contar?
  • O trabalho com o pareamento possibilita melhor compreensão do conceito a mais. É possível propor diferentes problematizações. Em qual caixa há mais bolinhas.? Quantas bolinhas a mais tem na caixa 1... Lembrar as situações do slide 19 (Correspondência “um a um” no cotidiano), que também são situações que requerem o pareamento.
  • SACOLA 4 – SULFITE PARA FAZER O DESENHO DAS MÃOS, 1000 PALITOS DE SORVETE, ELÁSTICO DE DINHEIRO, DADOS (6),

    Fundamentação de Estudos: PNAIC – CADERNO DE JOGOS, Jogos na Alfabetização Matemática.


    Regras:

    – Cada um, na sua vez, lança o dado.
    – A quantidade que aparecer na face superior do dado após seu lançamento, corresponderá ao número de palitos que devem ser recolhidos pelo jogador e colocados no tabuleiro sobre a ilustração que reproduz os dedos das mãos.
    – Passa a vez para o próximo jogador.
    – Na rodada seguinte, pega-se novamente a quantidade de palitos de picolé que sair na jogada do dado, colocando um em cada dedo das mãos do seu tabuleiro, não podendo colocar dois palitos em um mesmo dedo.
    – Os palitos que porventura sobrarem devem ser colocados novamente, em cada um dos dedos.
    – A cada rodada, continua-se colocando um palito em cada dedo, de acordo com os números que saírem no dado.
    – Quando em todos os dedos houver um palito, deve-se recolher os 10 palitos e enlaçá-los com uma liguinha elástica, formando um grupo com 10 pontos e colocando-o no espaço indicado no tabuleiro.
    – Ganha o jogo quem fizer mais pontos após 10 rodadas.
  • Fundamentação de Estudos: PNAIC – CADERNO DE JOGOS, Jogos na Alfabetização Matemática.


    Regras:

    – Cada um, na sua vez, lança o dado.
    – A quantidade que aparecer na face superior do dado após seu lançamento, corresponderá ao número de palitos que devem ser recolhidos pelo jogador e colocados no tabuleiro sobre a ilustração que reproduz os dedos das mãos.
    – Passa a vez para o próximo jogador.
    – Na rodada seguinte, pega-se novamente a quantidade de palitos de picolé que sair na jogada do dado, colocando um em cada dedo das mãos do seu tabuleiro, não podendo colocar dois palitos em um mesmo dedo.
    – Os palitos que porventura sobrarem devem ser colocados novamente, em cada um dos dedos.
    – A cada rodada, continua-se colocando um palito em cada dedo, de acordo com os números que saírem no dado.
    – Quando em todos os dedos houver um palito, deve-se recolher os 10 palitos e enlaçá-los com uma liguinha elástica, formando um grupo com 10 pontos e colocando-o no espaço indicado no tabuleiro.
    – Ganha o jogo quem fizer mais pontos após 10 rodadas.
  • Considerando que a leitura do texto “ Desenvolver um sentido numérico e tornar-se numeralizado” (enviado via e-mail como tarefa de casa) foi previamente realizada pelos Cursistas, mediar a discussão sobre as diferenças entre “senso numérico”, “sentido numérico” e “er numeralizado”.
  • Considerando que a leitura do texto “ Desenvolver um sentido numérico e tornar-se numeralizado” (enviado via e-mail como tarefa de casa) foi previamente realizada pelos Cursistas, mediar a discussão sobre as diferenças entre “senso numérico”, “sentido numérico” e “ser numeralizado”.
  • Recitar o poema com o grupo e questionar: “Se uma criança recita este poema, sem erros, podemos afirmar que ela apropriou-se dos números de 1 a 10?” É possível, a partir de cantigas e parlendas, levar a criança a se apropriar dos números? Explorar outros exemplos de uso informal dos números pelas crianças, incluindo casos de exploração informal de números escritos. Em seguida, “a” pergunta: “Quando a criança começa a usar números de maneira formal?” Fundamentação de estudo: p.33-34.
  • Recitar o poema com o grupo e questionar: “Se uma criança recita este poema, sem erros, podemos afirmar que ela apropriou-se dos números de 1 a 10?” É possível, a partir de cantigas e parlendas, levar a criança a se apropriar dos números? Explorar outros exemplos de uso informal dos números pelas crianças, incluindo casos de exploração informal de números escritos. Em seguida, “a” pergunta: “Quando a criança começa a usar números de maneira formal?” Fundamentação de estudo: p.33-34.
  • Caderno2 140520215042-phpapp02

    1. 1. Andréa Pere Leinat
    2. 2. Leitura Deleite Beleleu e os Números
    3. 3. ANALISAR OS PERFIL DE ENTRADA DE MATEMATICA E LINGUAGEM
    4. 4. PERFIL DAS TURMAS DO 1º CICLO DA 1 FASE DO MUNICIPIO DE PONTES E LACERDA ESCOLAS – Vale do Guaporé Antonio Carlos de Brito Mario Spinelli São José Vale do Guaporé Total de Alunos – 369 alunos
    5. 5. 0 50 100 150 200 250 300 Associa a contagem de objetos… Associa a contagem de… Compara e ordena números… Compõe e decompõe números… Resolve problemas que… Resolve problemas que… Efetua adições e subtrações… Resolve problemas que… Resolve problemas que… Identifica figuras geométricas… Reconhece representações de… Utiliza corretamente as ideias… Compara e ordena comprimentos Identifica cédulas e moedas… Identifica e faz leituras de… Realiza medições e… Identifica informações… NÃO Parcialmente SIM
    6. 6. 0 100 200 300 400 Escreve o próprio nome Reconhece e nomeia as letras… Diferencia letras de números… Conhece a ordem alfabética e… Reconhece diferentes tipos de… Compreende que palavras… Percebe que palavras… Segmenta oralmente as… Identifica semelhanças… Percebe que as vogais estão… Reconhece que as sílabas… Lê, ajustando a pauta sonora… Domina as correspondências… Domina as correspondências… Não Parcialmente Sim
    7. 7. CADERNO 2 QUANTIFICAÇÃO, REGISTROS E AGRUPAMENTOS
    8. 8. Eixo Abordado: Números e Operações
    9. 9. OBJETIVOS • Identificar números em diferentes contextos e funções; • Quantificar elementos de uma coleção, utilizando diferentes estratégias; • Comunicar as quantidades, utilizando a linguagem oral, os dedos das mão ou materiais substitutivos aos da coleção;
    10. 10. • Representar graficamente quantidades e compartilhar, confrontar, validar e aprimorar seus registros nas atividades que envolvem a quantificação; • Reproduzir sequências numéricas em escalas ascendentes e descendentes a partir de qualquer número dado;
    11. 11. • Estabelecer relações de semelhança e de ordem, utilizando critérios diversificados para classificar, seriar e ordenar coleções; • Elaborar, comparar, comunicar, confrontar e validar hipóteses sobre as escritas e leituras numéricas, analisando a posição e a quantidade de algarismos e estabelecendo relações ntre a linguagem escrita e a oral ;
    12. 12. NÚMERO se refere à ideias de quantidade
    13. 13. O NUMERAL é a forma (falada, escrita, pictória, etc) de se representar essa quantidade
    14. 14. O ALGARISMO é a representação dessa quantidade, o símbolo de um sistema de numeração escrita.
    15. 15. PORTANDO...
    16. 16. Devemos provocar reflexões sobre a ideia de número e seus usos em situações do cotidiano.
    17. 17. PARA QUE SERVE A MATEMÁTICA NA PERSPECTIVA DAS CRIANÇAS SERVE CONTAR SERVE FAZER CONTINHAS SERVE MEDIR
    18. 18. SOBRE A CONSTRUÇÃO DO NÚMERO O ser humano sempre precisou contar? Houve épocas em que não se contava porque não havia necessidade... (Caderno 2 p. 06
    19. 19. VÍDEO
    20. 20. O NÚMERO E SEUS SIGNIFICADOS Quais os significados que um número pode ter? (Caderno 2 p. 30)
    21. 21. Receita de Bolo Simples INGREDIENTES 2 xícaras de açúcar 3 xícaras de farinha de trigo 4 colheres de margarina bem cheias 3 ovos 1 1/2 xícara de leite aproximadamente 1 colher (sopa) de fermento em pó bem cheia.
    22. 22. 4 kg
    23. 23. IDENTIFICAR OS NÚMEROS EM DIFERENTES CONTEXTOS E FUNÇÕES 333.555.999-22 3 3x1 PR- CURITIBA ABC- 234 3042-71 65
    24. 24. SENSO NUMÉRICO O senso numérico é a capacidade que permite diferenciar, sem contar, pequenas quantidades de grandes quantidades; perceber onde há mais e onde há menos, assim como permite perceber quando há “tantos quantos”, uma situação de igualdade entre dois grupos.
    25. 25. SENSO NUMÉRICO
    26. 26. Sugestão: Assistir o Vídeo com seus alunos - Discutir sobre o enredo e o sobre o fato de que no filme aparecem muitos cachorros e que, em determinadas cenas, não é possível contá-los, mas que era possível saber quando tem mais ou menos. - Comparar imagens, duas a duas, e desafiar a indicar em qual das duas tem mais cachorros...
    27. 27. CORRESPONDÊNCIA “UM A UM” é a relação que se estabelece na comparação unidade a unidade entre os elementos de duas coleções. Nessa comparação, é possível determinar se duas coleções têm a mesma quantidade de objetos ou não e, então, qual tem mais ou qual tem menos... (p.11).
    28. 28. CORRESPONDÊNCIA “UM A UM” Para solucionar problemas de controle de quantidades, as primeiras formas que o ser humano criou estavam relacionadas ao que chamamos de correspondência um a um.
    29. 29. POR EXEMPLO... 3
    30. 30. Andar de ônibus (bancos e pessoas); No cinema (bancos e pessoas); Sala de aula (carteiras e alunos, materiais e alunos, lanche e alunos e outros); Nas refeições (pratos e pessoas, pratos e copos e outros); “Que outras relações podemos estabelecer, considerando a ideia de correspondência um a um?” 3
    31. 31. AGRUPAMENTOS Ao longo do tempo o ser humano superou a correspondência um a um, e organizou “montes” ou “grupos” de quantidades.
    32. 32. São ações que permitem controlar, comparar e representar quantidades. Por isso a importância de propor atividades para seus alunos que exijam a contagem de coleções de objetos por meio de seu agrupamento em quantidades menores. p. 16
    33. 33. O AGRUPAMENTO NA ORGANIZAÇÃO DA CONTAGEM E NA ORIGEM DOS SISTEMAS DE NUMERAÇÃO “[...] a necessidade de contar grandes quantidades levou o ser humano a superar a correspondência um a um e organizar “montes” ou “grupos” de quantidades, ou seja, a contagem por agrupamento. Esse tipo de contagem é o princípio básico que deu origem aos mais diversos sistemas de numeração.” (p. 15).
    34. 34. POR EXEMPLO...
    35. 35. A contagem por agrupamento - Supera a correspondência um a um; - Organiza o que é contado; - Ajuda a não esquecer de nenhum objeto; - Evita que um mesmo objeto seja contado mais de uma vezes.
    36. 36. ALGUNS OBJETOS E AGRUPAMENTOS
    37. 37. PAREAMENTO O pareamento ocorre a partir da relação entre duas coleções. O trabalho com o pareamento possibilita melhor compreensão do conceito a mais.
    38. 38. Afinal, o que é contar? Contar os objetos de uma coleção significa atribuir a cada um deles uma palavra ou símbolo que corresponde a uma posição na sequência numérica e que indica a quantidade que ele representa nessa posição.
    39. 39. CONTAR Contar pode ser também a enunciação de nomes atribuídos aos números. Ex.: Quando a criança, apesar de ainda não reconhecer os números, nem ser capaz de realizar contagem de objetos, “canta” os números no jogo de “Esconde-esconde” ou “Trinta e um”.
    40. 40. SUGESTÕES DE ATIVIDADES DE CONTAGEM
    41. 41. MAMÃE POSSO IR? Desenvolvimento: Escolher uma criança para ser a “mãe”, posicionando-a a uma certa distância das outras crianças. As crianças perguntam “Mamãe, posso ir?” A criança que está no papel de mãe responde que sim e as outras perguntam: “Quantos passos?” A mãe decide o número de passos que cada criança vai dar. Ganha aquela que alcançar primeiro a mãe.
    42. 42. AMARELINHA Desenvolvimento: Desenhar com giz o jogo de amarelinha e pedir para que as crianças coloquem os números de um a dez. Assim, será mais uma oportunidade de a criança visualizar e iniciar a grafia desses números. É necessário providenciar um saquinho de areia ou algo similar para a brincadeira. Em sala de aula o professor pode entregar uma folha com uma amarelinha já impressa e propor aos alunos numerá-la de um a dez, assim como foi feito na brincadeira.
    43. 43. TRILHA Desenvolvimento: Organizar os alunos em equipes pequenas. Em roda, converar com as crianças sobre regras e diferentes “jeitos” (estratégias) utilizados por elas para contar as quantidades dos dados e as casas que deverão percorrer com seus pinos a cada jogada. Disponibilizar os jogos para cada equipe. Para crianças menores, de acordo com o grau de dificuldade, oferecer trilhas com percursos individuais. Com o decorrer do tempo, as crianças podem fazer diferentes registros do jogo em folha, como por exemplo, os vencedores de cada rodada, a quantidade de jogadores, a pontuação final, entre outros.
    44. 44. A GALINHA DO VIZINHO A GALINHA DO VIZINHO BOTA OVO AMARELINHO BOTA UM, BOTA DOIS, BOTA TRÊS, BOTA QUATRO, BOTA CINCO, BOTA SEIS, BOTA SETE, BOTA OITO, BOTA NOVE, BOTA DEZ!
    45. 45. ELEFANTE UM ELEFANTE INCOMODA MUITA GENTE. DOIS ELEFANTES INCOMODAM, INCOMODAM MUITO MAIS. TRÊS ELEFANTES INCOMODAM MUITA GENTE. QUATRO ELEFANTES INCOMODAM, INCOMODAM, INCOMODAM MUITO MAIS. QUATRO ELEFANTES INCOMODAM MUITA GENTE. CINCO ELEFANTES INCOMODAM, INCOMODAM, INCOMODAM, INCOMODAM MUITO MAIS. SEIS ELEFANTES......MUITO MAIS. SETE ELEFANTES....MUITO MAIS. OITO ELEFANTES...MUITO MAIS.....
    46. 46. INDIOZINHOS 1,2,3 INDIOZINHOS 4,5,6 INDIOZINHOS 7,8,9 INDIOZINHOS 10 UM PEQUENO BOTE IAM NAVEGANDO PELO RIO ABAIXO QUANDO O JACARÉ SE APROXIMOU E O PEQUENO BOTE DOS INDIOZINHOS QUASE VAZIO VIROU
    47. 47. 4
    48. 48. USO E FUNÇÕES DO NÚMERO EM SITUAÇÕES DO COTIDIANO [...] desde muito cedo somos capazes de discriminar quantidades pequenas através de uma discriminação visual que nos habilita a detectar até três elementos mesmo sem realizar qualquer tipo de contagem.
    49. 49. É inquestionável o papel desempenhado pelas experiências sociais na construção do conhecimento matemático, uma vez que os números estão em toda parte, nos rodeando e fazendo parte de nossas vidas... (Pág. 20)
    50. 50. DESENVOLVER UM SENTIDO NUMÉRICO E TORNAR-SE NUMERALIZADO SENTIDO NUMÉRICO: HABILIDADE QUE PERMITE QUE O INDIVÍDUO LIDE DE FORMA BEM SUCEDIDA E FLEXÍVEL COM OS VÁRIOS RECURSOS E SITUAÇÕES DO COTIDIANO NUMERALIZADO: SIGNIFICA TER FAMILIARIDADE COM O MUNDO DOS NÚMEROS, EMPREGAR DIFERENTES INSTRUMENTOS E FORMAS DE REPRESENTAÇÃO, COMPREENDER AS REGRAS QUE REGEM OS CONCEITOS MATEMÁTICOS, IMBRICADOS NESSAS SITUAÇÕES
    51. 51. INDICADORES DE SENTIDO NUMÉRICO: Realizar cálculo mental flexível Realizar estimativas e usar pontos de referência Fazer julgamentos quantitativos e inferências
    52. 52. ALINA GALVÃO SPINILLO (p.22) Estabelecer relações matemáticas Usar e reconhecer que um instrumento ou suporte de representação pode ser mais útil ou apropriado que outro.
    53. 53. O NÚMERO: COMPREENDENDO AS PRIMEIRAS NOÇÕES
    54. 54. 1, 2 feijão com arroz 3, 4 feijão no prato 5, 6 falar inglês 7, 8 comer biscoito 9, 10 comer pastéis Vamos recitar
    55. 55. Se uma criança recita este poema, sem erros, podemos afirmar que ela apropriou-se dos números de 1 a 10? É possível, a partir de cantigas e parlendas, levar a criança a se apropriar dos números?
    56. 56. O NÚMERO: DA ORALIDADE PARA A ESCRITA Uma característica da contagem é a enunciação de palavras, nomes dos números, numa determinada sequência fixa, a começar por “um”; Quando crianças recitam mecanicamente a sequência dos números ou quando brincam de esconde-esconde, por exemplo, elas iniciam a contagem a partir do um; Recitar a sequência numérica não é a mesma coisa que saber contar com compreensão elementos de um conjunto. (p. 35)
    57. 57. ORALIDADE Relação entre cada elemento da contagem e a quantidade de objetos que ela significa Propiciar que os alunos percebam a quantidade de objetos que esses nomes representam. Propiciar que os alunos percebam a relação entre cada um dos nomes dos números durante sua enunciação oral na contagem.
    58. 58. Vamos trabalhar...
    59. 59. Grupo 1: ler o relato : Objetos e Quantidades, (08 a 10) Atividade desenvolvida pela professora Nadia Beatriz Casani Belinazo, discutir no grupo sobre a atividade e responder a seguinte pergunta: E vocês, que dinâmicas proporia, a partir das situações anteriores, para dar oportunidades aos seus alunos de fazerem comparações para determinar onde há mais, onde há menos ou há tantos quantos, em comparações de quantidade de objetos?
    60. 60. Grupo 2: ler o relato Jogo Pega Varetas (págs 12 a 14), desenvolvida pela professora Naise Pereira Cardoso, discutir no grupo e responder: Como você desenvolveria esse trabalho envolvendo outras situações que levassem seu alunos a produzir registros de quantidades sem o uso dos números que conhecemos hoje?
    61. 61. Grupo 3: ler o relato O Sítio Animado (págs 16 a 18), Atividade desenvolvida pela professora Gisele Tamara Bittencourt, discutir no grupo e responder: A história apresentada é imaginária, os personagens são animais que falam e contam. Ela seria adequada para os seus alunos? De que outras maneiras você poderia desenvolver um trabalho com outras situações que levassem seus alunos a fazer agrupamentos para facilitar a contagem e representar grandes quantidades com pouco material?
    62. 62. Grupo 4: ler o relato Matematica e Língua Portuguesa: Integrando textos e Números (págs 69 e 70) Com base na atividade, crie um texto ou música contando uma história em que as lacunas deverm ser preenchidas com números.
    63. 63. Grupo 5: ler o relato O Varal (págs 78 e 81), que utiliza de um pequeno varal, com grampos de roupa, pra o trabalho com a contagem e noções elementares. Tratando de materiais simples com um grande potencial para alfabetização matemática. Que outros conceitos podem ser desenvolvidos com está sequência?
    64. 64. TAREFA DE CASA DESENVOLVER UM SEQUENCIA DE ATIVIDADES COM SUA TURMA QUE ENVOLVA CONTAGEM UTILIANDOOS DIREITOSEIXOSCAPACIDADES E PERFIL DA MATEMÁTICA QUE CONTEMPLARÁ E CONFECÇÃO DE UMA CAIXA MATEMÁTICA .

    ×