SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 35
Os Livros Poéticos
Jó
Pr. Handerson Xavier
Introdução ao Antigo Testamento
Os livros Poéticos
Os livros do cânon classificados
como poéticos são:
• Jó
• Salmos
• Provérbios
• Eclesiastes
• Cantares
Introdução ao Antigo Testamento
Os livros Poéticos
Convém dizer:
 Essa classificação não contempla a
riqueza literária destes livros;
 Não há poesia apenas nestes livros;
 Esses livros contém apenas parte
da poesia hebraica (1 Rs 4:32).
Introdução ao Antigo Testamento
Os livros Poéticos
A poesia hebraica pode ser:
 Lírica: cânticos, como nos Salmos;
 Proverbial: como o livro de
Provérbios;
 Dramática: como o livro de Jó;
 Elegíaco: como no livro de
Lamentações.
Introdução ao Antigo Testamento
Os livros Poéticos
O paralelismo na poesia hebraica:
 É uma combinação de ideias;
 “Rimam-se” ideias e não palavras;
 Existem 5 tipos de paralelismos.
Introdução ao Antigo Testamento
Os livros Poéticos
1. Paralelismo sinônimo:
 A segunda linha repete a ideia da
primeira:
“Os céus proclamam a glória de Deus
E o firmamento as obras de suas mãos.” (Sl. 19:1)
“Filho meu, ouve a instrução do teu pai, e não te
esqueças do ensino da tua mãe.” (Pv. 1:8)
Introdução ao Antigo Testamento
Os livros Poéticos
2. Paralelismo antitético:
 A segunda linha contrasta a ideia da
primeira linha:
“Pois o Senhor conhece o caminho dos justos, mas o
caminho dos ímpios perecerá.” (Sl. 1:6)
“O filho sábio alegra o seu pai, mas o filho insensato
é a tristeza da sua mãe.” (Pv 10:1)
A maioria dos provérbios são paralelismo antitéticos.
Introdução ao Antigo Testamento
Os livros Poéticos
3. Paralelismo sintético:
 A segunda linha desenvolve a ideia da
primeira:
“Bem aventurado o homem que não anda no
conselho dos ímpios, nem se detém no caminho dos
pecadores, nem se assenta na roda dos
escarnecedores.” (Sl. 1:1)
“Não maquines o mal contra o teu próximo, pois
habita junto de ti confiadamente.” (Pv. 3:29)
Introdução ao Antigo Testamento
Os livros Poéticos
4. Paralelismo simbólico:
 A segunda linha ilustra a ideia da
primeira:
“Como suspira a corça pelas correntes de água,
assim, por ti, ó Deus, suspira a minha alma.” (Sl.
42:1)
Introdução ao Antigo Testamento
Os livros Poéticos
5. Paralelismo gradativo:
 A segunda linha amplia a primeira:
“Tributai ao Senhor, filhos de Deus, tributai ao
Senhor glória e força.” (Sl. 29:1)
O livro de Jó
Introdução ao Antigo Testamento
O livro de Jó
 Autoria não é certa. Alguns sugerem Jó,
Eliú, Moisés ou Salomão;
 Também não se conhece a data da
escrita;
 Jó viveu na época dos patriarcas (1700
a.C.);
 Drama épico de um homem que não
sabe as razões do seu infortúnio;
 Drama existencial e teológico.
Introdução ao Antigo Testamento
O livro de Jó
 O que chama atenção no livro:
A discussão é sempre atual;
O livro é demasiadamente humano;
O debate é profundamente sincero;
O tema é assustadoramente inquietante.
Introdução ao Antigo Testamento
O livro de Jó
I. Prólogo (1 e 2):
 Apresentadas as características de Jó:
Morador de Uz
“íntegro e reto, temente a Deus e que desviava do
mal” (1:1);
Possuía uma família numerosa e unida;
Era o homem mais importante do oriente (1:3).
 A causa do infortúnio de Jó:
Satanás se apresenta a Deus;
Jó era conhecido por Deus e por Satanás;
O início da prova (1:9-19);
Uma sucessão inimaginável de tragédias;
Da riqueza ao desprezo (2:1-10).
Introdução ao Antigo Testamento
O livro de Jó
II. O primeiro ciclo de discursos (3:1-14:22):
 O desabafo de Jó (3):
“Pereça o dia em que nasci e a noite em que se disse: Foi
concebido um homem!” (3:3);
 A primeira intervenção de Elifaz (4 e 5):
“Bem-aventurado é o homem a quem Deus disciplina; não
desprezes, pois, a disciplina do Todo-Poderoso” (5:17);
 A resposta de Jó (6 e 7):
“Tornai a julgar, vos peço, e não haja iniquidade; tornai a
julgar, e a justiça da minha causa triunfará” (6:29);
 A primeira intervenção de Bildade (8):
“Eis que Deus não rejeita ao íntegro, nem toma pela mão
os malfeitores” (8:20);
Introdução ao Antigo Testamento
O livro de Jó
II. O primeiro ciclo de discursos (3:1-14:22):
 A resposta de Jó (9 e 10):
“Ainda que eu seja justo, a minha boca me condenará;
embora seja eu íntegro, ele me terá por culpado” (9:20);
“Bem sabes tu que eu não sou culpado; todavia, ninguém
há que me livre da tua mão” (10:7);
 A acusação de Zofar (11):
“Se dispuseres o coração e estenderes as mãos para Deus;
se lançares para longe a iniquidade da tua mão e não
permitires habitar na tua tenda a injustiça, então, levantarás
o rosto sem mácula, estarás seguro e não temerás. Pois te
esquecerás dos teus sofrimentos e deles só terás
lembrança como de águas que passaram” (11:13ss)
Introdução ao Antigo Testamento
O livro de Jó
II. O primeiro ciclo de discursos (3:1-14:22):
 Jó defende sua integridade (12-14):
“Na verdade, vós sois o povo, e convosco morrerá a
sabedoria” (12:1);
“Não! Com Deus está a sabedoria e a força; ele tem
conselho e entendimento” (12:13);
“Quantas culpas e pecados tenho eu? Notifica-me a minha
transgressão e o meu pecado” (13:23);
Introdução ao Antigo Testamento
O livro de Jó
III. O segundo ciclo de discursos (15:1-21:34):
 Jó é acusado por Elifaz (15):
“A tua própria boca te condena, e não eu; os teus lábios
testificam contra ti” (15:6);
 A queixa de Jó contra Deus (16 e 17):
“Na verdade, as minhas forças estão exaustas; tu, ó Deus,
destruíste a minha família toda” (16:7);
“O meu rosto está afogueado de chorar, e sobre as minhas
pálpebras está a sombra da morte, embora não haja
violência nas minhas mãos, e seja pura a minha oração”
(16:16,17);
Introdução ao Antigo Testamento
O livro de Jó
III. O segundo ciclo de discursos (15:1-21:34):
 A resposta de Bildade sobre a sorte do perverso (18):
“Não terá filho nem posteridade entre seu povo, nem
sobrevivente algum ficará nas suas moradas” (18:19);
 A esperança de Jó (19):
“Arruinou-me de todos os lados, e eu me vou; e arrancou-
me a esperança, como a uma árvore” (19:10);
“Porque eu sei que o meu Redentor vive, e por fim se
levantará sobre a terra” (19:25);
 Zofar e o sofrimento dos perversos (20):
“Na plenitude de sua abastança, ver-se-á angustiado; toda
a força da miséria virá sobre ele” (20:22);
Introdução ao Antigo Testamento
O livro de Jó
III. O segundo ciclo de discursos (15:1-21:34):
 Considerações de Jó sobre os perversos (21):
Não se observa na prática o que disse Zofar
“As suas casas têm paz, sem temor, e a vara de Deus não
os fustiga” (21:9);
“Passam eles os seus em prosperidade e em paz descem à
sepultura. E são estes os que disseram a Deus: Retira-te de
nós! Não desejamos conhecer os teus caminhos” (21:13,
14);
“Deus, dizei vós, guarda a iniquidade do perverso para seus
filhos. Mas é a ele que deveria Deus dar o pago, para que o
sinta” (21:19);
Introdução ao Antigo Testamento
O livro de Jó
IV. O terceiro ciclo de discursos (22:1-31:40):
 Elifaz acusa Jó (22):
Tomar por penhor as vestes de um pobre (v. 6);
Não dar de beber ao cansado e pão ao faminto (v. 7);
Favorecer alguns e outros não (v. 8);
Não cuidar de órfãos e viúvas (v. 9);
“Se te converteres ao Todo-Poderoso, serás restabelecido”
(v. 23a);
 A contestação de Jó (23, 24):
Jó não teme ser julgado por Deus;
“Mas ele sabe o meu caminho; se ele me provasse, sairia
eu como ouro” (23:10);
Introdução ao Antigo Testamento
O livro de Jó
IV. O terceiro ciclo de discursos (22:1-31:40):
- Jó sabe que não sofre por causa do pecado.
“Pois ele cumprirá o que está ordenado a meu respeito e
muitas coisas como estas ainda tem consigo. Por isso, me
perturbo perante ele; e quando o considero, temo-o. Deus é
quem me faz desmaiar o coração, e o Todo-Poderoso quem
me perturbou, porque não estou desfalecido por causa das
trevas, nem porque a escuridão cobre o meu rosto” (23:14-
17);
- Nem sempre os ímpios são castigados (24:18-25):
“Se não é assim, quem me desmentirá e anulará as minhas
razões” (24:25);
Introdução ao Antigo Testamento
O livro de Jó
IV. O terceiro ciclo de discursos (22:1-31:40):
 A intervenção de Bildade (25):
“Como, pois, seria justo o homem perante Deus, e como
seria puro aquele que nasce de mulher?” (25:4);
 O longo discurso de Jó (26-31):
1. Reafirma a soberania de Deus (26);
“Ele estende o norte sobre o vazio e faz pairar a terra sobre
o nada” (26:7);
2. Reafirma o destino dos injustos (27);
“Porque qual será a esperança do ímpio, quando lhe for
cortada a vida, quando Deus lhe arrancar a alma?” (27:8);
Introdução ao Antigo Testamento
O livro de Jó
IV. O terceiro ciclo de discursos (22:1-31:40):
3. Afirma donde vem a sabedoria (28);
“E disse ao homem: Eis que o temor do Senhor é a
sabedoria, e o apartar-se do mal é o entendimento” (28:28);
4. Deus é o fator determinante de sua felicidade (29);
“Ah! Quem me dera ser como fui nos meses passados,
como nos dias em que Deus me guardava” (29:2);
- Lembra dos seus filhos (v. 5);
- Lembra de sua riqueza (v. 6);
- Era respeitado (v. 7-10);
- Ajudava os necessitados (v. 11-13);
- Lutava pela justiça (v. 14-16);
- Era um homem sábio (v. 21-25);
Introdução ao Antigo Testamento
O livro de Jó
IV. O terceiro ciclo de discursos (22:1-31:40):
5. Lamenta pelo seu estado atual (30);
- Desprezado pelos mais fracos (v. 1);
- Desprezado pelos desprezados (v. 2-8);
- Uns fogem, outros agridem (v. 10);
- Deus lhe tirou as condições de defesa (v. 11);
- Os inimigos se levantam (v. 12-15);
- A alma de Jó está quebrada (v. 16-18);
- Deus é o responsável pelo infortúnio (v. 19);
- Deus vê mas não faz nada (v. 20-23):
“Clamo a ti, e não me respondes; estou em pé, mas apenas
olhas para mim. Tu foste cruel comigo; com a força da tua
mão tu me combates” (v. 20, 21).
Introdução ao Antigo Testamento
O livro de Jó
IV. O terceiro ciclo de discursos (22:1-31:40):
6. Jó faz a sua defesa (31);
“Acaso, não é a perdição para o iníquo, e o infortúnio, para
os que praticam a maldade? Ou não vê Deus os meus
caminhos e não conta todos os meus passos?” (v. 3, 4);
“Tomara eu tivesse quem me ouvisse! Eis aqui a minha
defesa assinada! Que o Todo-Poderoso me responda! Que
o meu adversário escreva a sua acusação!” (v. 35);
Introdução ao Antigo Testamento
O livro de Jó
V. A intervenção de Eliú (32-37):
- Não é citado em 2:11;
- Era o mais novo, por isso fala por último (32:4, 6);
- Ira-se contra Jó e os 3 amigos (32:2, 3);
- Seu discurso é permeado pela ira (32:5);
“Atentando, pois, para vós outros, eis que nenhum de vós
houve que refutasse a Jó, nem que respondesse às suas
razões” (32:12);
- Apresenta os argumentos de Jó (33:1-11);
“Por que contendes com ele, afirmando que não dá contas
de nenhum dos teus atos?” (33:13);
Introdução ao Antigo Testamento
O livro de Jó
V. A intervenção de Eliú (32-37):
- Eliú acusa Jó;
“Porque Jó disse: Sou justo, e Deus tirou o meu direito.
Apesar do meu direito, sou tido por mentiroso; a minha
ferida é incurável sem que haja pecado em mim” (34:5, 6);
- Eliú defende Deus;
“Na verdade, Deus não procede maliciosamente; nem o
Todo-Poderoso perverte o juízo” (34:12);
“Abre-lhes também os ouvidos para a instrução e manda-
lhes que se convertam da iniquidade. Se o ouvirem e o
servirem, acabarão seus dias em felicidade e os seus anos
em delícias. Porém, ser não o ouvirem serão traspassados
pela lança e morrerão na cegueira” (36:10-12);
Introdução ao Antigo Testamento
O livro de Jó
V. O Senhor responde a Jó (38-41):
- Deus desafia Jó:
“Quem é este que escurece os meus desígnios com
palavras sem conhecimento? Cinge, pois, os lombos como
homem, pois eu te perguntarei e tu me fará saber” (38:2, 3);
- De 38:1-40:2 Deus faz 48 perguntas a Jó;
- Jó não sabe o que responder e se cala (40:4);
- Jó deve ter lembrado do que dissera em 13:22:
“Interpela-me, e te responderei ou deixa-me falar e tu me
responderas”;
-
Introdução ao Antigo Testamento
O livro de Jó
V. O Senhor responde a Jó (38-41):
- Deus questiona Jó;
“Acaso, anularás tu, de fato, o meu juízo? Ou me
condenarás, para te justificares?” (40:8);
- Dois animais criados por Deus (40:15-41:34);
Introdução ao Antigo Testamento
O livro de Jó
VI. A resposta de Jó à Deus (42:1-6):
- Uma mudança radical:
1. Confiante:
“Bem sei que tudo podes, e nenhum dos teus planos pode
ser frustrado” (v. 2);
2. Humilde:
“Quem é aquele, como disseste, que sem conhecimento
encobre o conselho? Na verdade, falei do que não
entendia; coisas maravilhosas demais para mim, coisas que
não conhecia” (v. 3);
3. Iluminado:
“Eu te conhecia só de ouvir, mas agora os meus olhos te
vêem” (v. 5);
Introdução ao Antigo Testamento
O livro de Jó
VI. A resposta de Jó à Deus (42:1-6):
4. Arrependido:
“Por isso, me abomino e me arrependo no pó e na cinza” (v.
6);
Introdução ao Antigo Testamento
O livro de Jó
VII. Epílogo (42:7-17):
Deus repreende os 3 amigos (v. 7-9):
- Eliú novamente não é citado;
- A ira de Deus se acendeu contra eles porque “não
dissestes de mim o que era reto, como o meu servo Jó”;
- O sacrifício pelo pecado de não falar corretamente
acerca de Deus para outra pessoa;
A restauração de Jó (v. 10-17):
- Tão repentina quanto a destruição, foi a
restauração: “Mudou o Senhor a sorte de Jó, quando este
orava pelos seus amigos”;
- Foi o início de uma mudança a partir da
transformação familiar (v. 11);
Introdução ao Antigo Testamento
O livro de Jó
VII. Epílogo (42:7-17):
 Deus repreende os 3 amigos (v. 7-9):
- Eliú novamente não é citado;
- A ira de Deus se acendeu contra eles porque “não
dissestes de mim o que era reto, como o meu servo Jó”;
- O sacrifício pelo pecado de não falar corretamente
acerca de Deus para outra pessoa;
 A restauração de Jó (v. 10-17):
- Tão repentina quanto a destruição, foi a
restauração: “Mudou o Senhor a sorte de Jó, quando este
orava pelos seus amigos”;
- Foi o início de uma mudança a partir da
transformação familiar (v. 11).
Introdução ao Antigo Testamento
O livro de Jó
Alguns ensinamentos:
 O sofrimento nem sempre pode ser explicado;
 Coisas ruins acontecem à pessoas boas, assim como
coisas boas acontecem à pessoas ruins;
 Amigos e conselhos podem não ser suficientes;
 Todo sofrimento é uma escola para santidade;
 Deus sempre está no controle de tudo;
 O maior de todos os ganhos é conhecer a Deus.
Quando lemos a Bíblia, estamos vendo a Deus;
Quando olhamos para Jesus, olhamos para o Pai;
Não há riqueza maior do que essa.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Livros Poéticos - Estudo do livro de salmos
Livros Poéticos - Estudo do livro de salmosLivros Poéticos - Estudo do livro de salmos
Livros Poéticos - Estudo do livro de salmosRODRIGO FERREIRA
 
A Bíblia (Aula 7): Livros Poéticos
A Bíblia (Aula 7): Livros PoéticosA Bíblia (Aula 7): Livros Poéticos
A Bíblia (Aula 7): Livros PoéticosGustavo Zimmermann
 
Lição 1 - O Livro de Jó
Lição 1 - O Livro de Jó Lição 1 - O Livro de Jó
Lição 1 - O Livro de Jó Éder Tomé
 
Estudo dos livros Poéticos - Cantares de Salomão
Estudo dos livros Poéticos - Cantares de SalomãoEstudo dos livros Poéticos - Cantares de Salomão
Estudo dos livros Poéticos - Cantares de SalomãoRODRIGO FERREIRA
 
Estudo dos livros Poéticos - Eclesiastes
Estudo dos livros Poéticos - EclesiastesEstudo dos livros Poéticos - Eclesiastes
Estudo dos livros Poéticos - EclesiastesRODRIGO FERREIRA
 
EBD PIB Araruama - A Conquista da Terra Prometida (Josué)
EBD PIB Araruama - A Conquista da Terra Prometida (Josué)EBD PIB Araruama - A Conquista da Terra Prometida (Josué)
EBD PIB Araruama - A Conquista da Terra Prometida (Josué)Andre Nascimento
 
Aula 11 - Josué
Aula 11 - JosuéAula 11 - Josué
Aula 11 - Josuéibrdoamor
 
15 salmos cap 51 ao 100
15   salmos cap 51 ao 10015   salmos cap 51 ao 100
15 salmos cap 51 ao 100PIB Penha
 
31 livro de lamentações de jeremias (rev ildemar berbert)
31 livro de lamentações de jeremias (rev ildemar berbert)31 livro de lamentações de jeremias (rev ildemar berbert)
31 livro de lamentações de jeremias (rev ildemar berbert)Igreja Presbiteriana de Dourados
 

Mais procurados (20)

38. O Profeta Jonas
38. O Profeta Jonas38. O Profeta Jonas
38. O Profeta Jonas
 
Livros Poéticos - Estudo do livro de salmos
Livros Poéticos - Estudo do livro de salmosLivros Poéticos - Estudo do livro de salmos
Livros Poéticos - Estudo do livro de salmos
 
A Bíblia (Aula 7): Livros Poéticos
A Bíblia (Aula 7): Livros PoéticosA Bíblia (Aula 7): Livros Poéticos
A Bíblia (Aula 7): Livros Poéticos
 
21. o livro de neemias
21. o livro de neemias21. o livro de neemias
21. o livro de neemias
 
Lição 1 - O Livro de Jó
Lição 1 - O Livro de Jó Lição 1 - O Livro de Jó
Lição 1 - O Livro de Jó
 
Estudo dos livros Poéticos - Cantares de Salomão
Estudo dos livros Poéticos - Cantares de SalomãoEstudo dos livros Poéticos - Cantares de Salomão
Estudo dos livros Poéticos - Cantares de Salomão
 
32. O Profeta Ezequiel
32. O Profeta Ezequiel32. O Profeta Ezequiel
32. O Profeta Ezequiel
 
Estudo dos livros Poéticos - Eclesiastes
Estudo dos livros Poéticos - EclesiastesEstudo dos livros Poéticos - Eclesiastes
Estudo dos livros Poéticos - Eclesiastes
 
Salmos -AULA 03
Salmos -AULA 03Salmos -AULA 03
Salmos -AULA 03
 
29. O profeta Isaías
29. O profeta Isaías29. O profeta Isaías
29. O profeta Isaías
 
Aula 13 - Livros Proféticos
Aula 13 - Livros ProféticosAula 13 - Livros Proféticos
Aula 13 - Livros Proféticos
 
EBD PIB Araruama - A Conquista da Terra Prometida (Josué)
EBD PIB Araruama - A Conquista da Terra Prometida (Josué)EBD PIB Araruama - A Conquista da Terra Prometida (Josué)
EBD PIB Araruama - A Conquista da Terra Prometida (Josué)
 
Aula 11 - Josué
Aula 11 - JosuéAula 11 - Josué
Aula 11 - Josué
 
Panorama do AT - Jó
Panorama do AT - JóPanorama do AT - Jó
Panorama do AT - Jó
 
30. O Livro do profeta Jeremias
30. O Livro do  profeta Jeremias30. O Livro do  profeta Jeremias
30. O Livro do profeta Jeremias
 
15 salmos cap 51 ao 100
15   salmos cap 51 ao 10015   salmos cap 51 ao 100
15 salmos cap 51 ao 100
 
Panorama do NT - 1João
Panorama do NT - 1JoãoPanorama do NT - 1João
Panorama do NT - 1João
 
31 livro de lamentações de jeremias (rev ildemar berbert)
31 livro de lamentações de jeremias (rev ildemar berbert)31 livro de lamentações de jeremias (rev ildemar berbert)
31 livro de lamentações de jeremias (rev ildemar berbert)
 
Introduçã..
Introduçã..Introduçã..
Introduçã..
 
7 DISPENSAÇÕES.pptx
7 DISPENSAÇÕES.pptx7 DISPENSAÇÕES.pptx
7 DISPENSAÇÕES.pptx
 

Destaque

PROGRAMACIÓ. PART ESPECÍFICA ÀREA DE MATEMÀTIQUES.
PROGRAMACIÓ. PART ESPECÍFICA ÀREA DE MATEMÀTIQUES.PROGRAMACIÓ. PART ESPECÍFICA ÀREA DE MATEMÀTIQUES.
PROGRAMACIÓ. PART ESPECÍFICA ÀREA DE MATEMÀTIQUES.msero3
 
Search Engine Optimization(SEO)
Search Engine Optimization(SEO)Search Engine Optimization(SEO)
Search Engine Optimization(SEO)Schezarnie Racip
 
Opal at vineyards naples florida
Opal at vineyards naples floridaOpal at vineyards naples florida
Opal at vineyards naples floridaVineyards Naples
 
Agile Process - Developers Perspective on Scrum
Agile Process - Developers Perspective on ScrumAgile Process - Developers Perspective on Scrum
Agile Process - Developers Perspective on ScrumMichael Angelo Rivera
 
Kotlin Developer Starter in Android - STX Next Lightning Talks - Feb 12, 2016
Kotlin Developer Starter in Android - STX Next Lightning Talks - Feb 12, 2016Kotlin Developer Starter in Android - STX Next Lightning Talks - Feb 12, 2016
Kotlin Developer Starter in Android - STX Next Lightning Talks - Feb 12, 2016STX Next
 
¿Qué es control de calidad?
¿Qué es control de calidad?¿Qué es control de calidad?
¿Qué es control de calidad?Wilfredo Gochez
 
Facebook advertising guide for Small Business Owners
Facebook advertising guide for Small Business OwnersFacebook advertising guide for Small Business Owners
Facebook advertising guide for Small Business OwnersBrendan Bowers
 
Áreas de polígonos y sus demostraciones
Áreas de polígonos y sus demostracionesÁreas de polígonos y sus demostraciones
Áreas de polígonos y sus demostracionesMario Vago Marzal
 
Competències bàsiques d'àmbit matemàtic
Competències bàsiques d'àmbit matemàtic Competències bàsiques d'àmbit matemàtic
Competències bàsiques d'àmbit matemàtic msero3
 
Bem vindo a sua vida com Jesus
Bem vindo a sua vida com JesusBem vindo a sua vida com Jesus
Bem vindo a sua vida com JesusViva a Igreja
 
03.Debora Miceli - Planejamento Estratégico: O Processo de Planejamento Estra...
03.Debora Miceli - Planejamento Estratégico: O Processo de Planejamento Estra...03.Debora Miceli - Planejamento Estratégico: O Processo de Planejamento Estra...
03.Debora Miceli - Planejamento Estratégico: O Processo de Planejamento Estra...Debora Miceli
 
Apostila de Introdução ao Antigo Testamento
Apostila de Introdução ao Antigo TestamentoApostila de Introdução ao Antigo Testamento
Apostila de Introdução ao Antigo TestamentoViva a Igreja
 
Aplicaciones del control de calidad en el laboratorio
Aplicaciones del control de calidad en el laboratorioAplicaciones del control de calidad en el laboratorio
Aplicaciones del control de calidad en el laboratorioWilfredo Gochez
 
Presupuesto Santa Catalina´s Grren Market
Presupuesto Santa Catalina´s Grren MarketPresupuesto Santa Catalina´s Grren Market
Presupuesto Santa Catalina´s Grren Marketmvcasado
 
Three Rules Every Mobile Product Needs to Be Successful With The Author Of M...
Three Rules Every Mobile Product Needs  to Be Successful With The Author Of M...Three Rules Every Mobile Product Needs  to Be Successful With The Author Of M...
Three Rules Every Mobile Product Needs to Be Successful With The Author Of M...Product School
 
Discipulado: Uma ideia transformadora
Discipulado: Uma ideia transformadoraDiscipulado: Uma ideia transformadora
Discipulado: Uma ideia transformadoraViva a Igreja
 
Métodos de Estudo Bíblico
Métodos de Estudo BíblicoMétodos de Estudo Bíblico
Métodos de Estudo BíblicoViva a Igreja
 

Destaque (20)

PROGRAMACIÓ. PART ESPECÍFICA ÀREA DE MATEMÀTIQUES.
PROGRAMACIÓ. PART ESPECÍFICA ÀREA DE MATEMÀTIQUES.PROGRAMACIÓ. PART ESPECÍFICA ÀREA DE MATEMÀTIQUES.
PROGRAMACIÓ. PART ESPECÍFICA ÀREA DE MATEMÀTIQUES.
 
Search Engine Optimization(SEO)
Search Engine Optimization(SEO)Search Engine Optimization(SEO)
Search Engine Optimization(SEO)
 
Opal at vineyards naples florida
Opal at vineyards naples floridaOpal at vineyards naples florida
Opal at vineyards naples florida
 
Agile Process - Developers Perspective on Scrum
Agile Process - Developers Perspective on ScrumAgile Process - Developers Perspective on Scrum
Agile Process - Developers Perspective on Scrum
 
Kotlin Developer Starter in Android - STX Next Lightning Talks - Feb 12, 2016
Kotlin Developer Starter in Android - STX Next Lightning Talks - Feb 12, 2016Kotlin Developer Starter in Android - STX Next Lightning Talks - Feb 12, 2016
Kotlin Developer Starter in Android - STX Next Lightning Talks - Feb 12, 2016
 
¿Qué es control de calidad?
¿Qué es control de calidad?¿Qué es control de calidad?
¿Qué es control de calidad?
 
Facebook advertising guide for Small Business Owners
Facebook advertising guide for Small Business OwnersFacebook advertising guide for Small Business Owners
Facebook advertising guide for Small Business Owners
 
Áreas de polígonos y sus demostraciones
Áreas de polígonos y sus demostracionesÁreas de polígonos y sus demostraciones
Áreas de polígonos y sus demostraciones
 
Competències bàsiques d'àmbit matemàtic
Competències bàsiques d'àmbit matemàtic Competències bàsiques d'àmbit matemàtic
Competències bàsiques d'àmbit matemàtic
 
Bem vindo a sua vida com Jesus
Bem vindo a sua vida com JesusBem vindo a sua vida com Jesus
Bem vindo a sua vida com Jesus
 
SOA Doing Right
SOA Doing RightSOA Doing Right
SOA Doing Right
 
Marketing en buscadores. SEM.
Marketing en buscadores. SEM. Marketing en buscadores. SEM.
Marketing en buscadores. SEM.
 
03.Debora Miceli - Planejamento Estratégico: O Processo de Planejamento Estra...
03.Debora Miceli - Planejamento Estratégico: O Processo de Planejamento Estra...03.Debora Miceli - Planejamento Estratégico: O Processo de Planejamento Estra...
03.Debora Miceli - Planejamento Estratégico: O Processo de Planejamento Estra...
 
Apostila de Introdução ao Antigo Testamento
Apostila de Introdução ao Antigo TestamentoApostila de Introdução ao Antigo Testamento
Apostila de Introdução ao Antigo Testamento
 
Crescendo na Fé
Crescendo na FéCrescendo na Fé
Crescendo na Fé
 
Aplicaciones del control de calidad en el laboratorio
Aplicaciones del control de calidad en el laboratorioAplicaciones del control de calidad en el laboratorio
Aplicaciones del control de calidad en el laboratorio
 
Presupuesto Santa Catalina´s Grren Market
Presupuesto Santa Catalina´s Grren MarketPresupuesto Santa Catalina´s Grren Market
Presupuesto Santa Catalina´s Grren Market
 
Three Rules Every Mobile Product Needs to Be Successful With The Author Of M...
Three Rules Every Mobile Product Needs  to Be Successful With The Author Of M...Three Rules Every Mobile Product Needs  to Be Successful With The Author Of M...
Three Rules Every Mobile Product Needs to Be Successful With The Author Of M...
 
Discipulado: Uma ideia transformadora
Discipulado: Uma ideia transformadoraDiscipulado: Uma ideia transformadora
Discipulado: Uma ideia transformadora
 
Métodos de Estudo Bíblico
Métodos de Estudo BíblicoMétodos de Estudo Bíblico
Métodos de Estudo Bíblico
 

Semelhante a Livros Poéticos: Jó

O espírito santo e a divindade
O espírito santo e a divindadeO espírito santo e a divindade
O espírito santo e a divindaderoberto5costa
 
Unidade 15 - O fim das Nações
Unidade 15 -  O fim das NaçõesUnidade 15 -  O fim das Nações
Unidade 15 - O fim das NaçõesRamón Zazatt
 
O Coração do Profeta - Jonas 4
O Coração do Profeta - Jonas 4O Coração do Profeta - Jonas 4
O Coração do Profeta - Jonas 4Eliezer Almeida
 
O Reino Messiânico 9 - O Governo Messiânico
O Reino Messiânico 9 - O Governo MessiânicoO Reino Messiânico 9 - O Governo Messiânico
O Reino Messiânico 9 - O Governo MessiânicoCarlos Almeida
 
Curso de escatologia (2) Etapas da consciência escatológica nas Escrituras Ju...
Curso de escatologia (2) Etapas da consciência escatológica nas Escrituras Ju...Curso de escatologia (2) Etapas da consciência escatológica nas Escrituras Ju...
Curso de escatologia (2) Etapas da consciência escatológica nas Escrituras Ju...Afonso Murad (FAJE)
 
JUÍZOS PASSADOS, JUÍZOS FUTUROS .pdf
JUÍZOS PASSADOS, JUÍZOS FUTUROS .pdfJUÍZOS PASSADOS, JUÍZOS FUTUROS .pdf
JUÍZOS PASSADOS, JUÍZOS FUTUROS .pdfNelson Pereira
 
17 jo cap 29 ao 42
17   jo cap 29 ao 4217   jo cap 29 ao 42
17 jo cap 29 ao 42PIB Penha
 
02 profecia clássica e profecia apocalíptica
02   profecia clássica e profecia apocalíptica02   profecia clássica e profecia apocalíptica
02 profecia clássica e profecia apocalípticaDiego Fortunatto
 
A MÚSICA A SERVIÇO DAS TREVAS E A SERVIÇO DA LUZ
A MÚSICA A SERVIÇO DAS TREVAS E A SERVIÇO DA LUZA MÚSICA A SERVIÇO DAS TREVAS E A SERVIÇO DA LUZ
A MÚSICA A SERVIÇO DAS TREVAS E A SERVIÇO DA LUZCristiane Patricio
 
Como posso ser liberto do desânimo # Celso do Rosário Brasil Gonçalves
Como posso ser liberto do desânimo # Celso do Rosário Brasil GonçalvesComo posso ser liberto do desânimo # Celso do Rosário Brasil Gonçalves
Como posso ser liberto do desânimo # Celso do Rosário Brasil GonçalvesCelso do Rozário Brasil Gonçalves
 
Unidade 14 - O Grande e Terrível Dia do Senhor
Unidade 14 - O Grande e Terrível Dia do SenhorUnidade 14 - O Grande e Terrível Dia do Senhor
Unidade 14 - O Grande e Terrível Dia do SenhorRamón Zazatt
 
Comentário: 8° Domingo do Tempo Comum - Ano A
Comentário: 8° Domingo do Tempo Comum - Ano AComentário: 8° Domingo do Tempo Comum - Ano A
Comentário: 8° Domingo do Tempo Comum - Ano AJosé Lima
 
Ebd 29012012
Ebd 29012012Ebd 29012012
Ebd 29012012Correios
 
Comentário: 6° Domingo do Tempo Comum - Ano A
Comentário: 6° Domingo do Tempo Comum - Ano AComentário: 6° Domingo do Tempo Comum - Ano A
Comentário: 6° Domingo do Tempo Comum - Ano AJosé Lima
 
LIÇÃO 5 LIVRO DE APOCALIPSE
LIÇÃO 5 LIVRO DE APOCALIPSELIÇÃO 5 LIVRO DE APOCALIPSE
LIÇÃO 5 LIVRO DE APOCALIPSELuciana Viana
 
DUREZA DA LEI NOS DEIXA SEM GRAÇA - VÓL I
DUREZA DA LEI NOS DEIXA SEM GRAÇA - VÓL IDUREZA DA LEI NOS DEIXA SEM GRAÇA - VÓL I
DUREZA DA LEI NOS DEIXA SEM GRAÇA - VÓL ICristiane Patricio
 

Semelhante a Livros Poéticos: Jó (20)

O espírito santo e a divindade
O espírito santo e a divindadeO espírito santo e a divindade
O espírito santo e a divindade
 
Unidade 15 - O fim das Nações
Unidade 15 -  O fim das NaçõesUnidade 15 -  O fim das Nações
Unidade 15 - O fim das Nações
 
ceia.docx
ceia.docxceia.docx
ceia.docx
 
O Coração do Profeta - Jonas 4
O Coração do Profeta - Jonas 4O Coração do Profeta - Jonas 4
O Coração do Profeta - Jonas 4
 
O Reino Messiânico 9 - O Governo Messiânico
O Reino Messiânico 9 - O Governo MessiânicoO Reino Messiânico 9 - O Governo Messiânico
O Reino Messiânico 9 - O Governo Messiânico
 
Curso de escatologia (2) Etapas da consciência escatológica nas Escrituras Ju...
Curso de escatologia (2) Etapas da consciência escatológica nas Escrituras Ju...Curso de escatologia (2) Etapas da consciência escatológica nas Escrituras Ju...
Curso de escatologia (2) Etapas da consciência escatológica nas Escrituras Ju...
 
A DISTÂNCIA
A DISTÂNCIAA DISTÂNCIA
A DISTÂNCIA
 
JUÍZOS PASSADOS, JUÍZOS FUTUROS .pdf
JUÍZOS PASSADOS, JUÍZOS FUTUROS .pdfJUÍZOS PASSADOS, JUÍZOS FUTUROS .pdf
JUÍZOS PASSADOS, JUÍZOS FUTUROS .pdf
 
17 jo cap 29 ao 42
17   jo cap 29 ao 4217   jo cap 29 ao 42
17 jo cap 29 ao 42
 
02 profecia clássica e profecia apocalíptica
02   profecia clássica e profecia apocalíptica02   profecia clássica e profecia apocalíptica
02 profecia clássica e profecia apocalíptica
 
GUERRA
GUERRAGUERRA
GUERRA
 
A MÚSICA A SERVIÇO DAS TREVAS E A SERVIÇO DA LUZ
A MÚSICA A SERVIÇO DAS TREVAS E A SERVIÇO DA LUZA MÚSICA A SERVIÇO DAS TREVAS E A SERVIÇO DA LUZ
A MÚSICA A SERVIÇO DAS TREVAS E A SERVIÇO DA LUZ
 
Como posso ser liberto do desânimo # Celso do Rosário Brasil Gonçalves
Como posso ser liberto do desânimo # Celso do Rosário Brasil GonçalvesComo posso ser liberto do desânimo # Celso do Rosário Brasil Gonçalves
Como posso ser liberto do desânimo # Celso do Rosário Brasil Gonçalves
 
Uxvofimdasnacoes 091209200019-phpapp01
Uxvofimdasnacoes 091209200019-phpapp01Uxvofimdasnacoes 091209200019-phpapp01
Uxvofimdasnacoes 091209200019-phpapp01
 
Unidade 14 - O Grande e Terrível Dia do Senhor
Unidade 14 - O Grande e Terrível Dia do SenhorUnidade 14 - O Grande e Terrível Dia do Senhor
Unidade 14 - O Grande e Terrível Dia do Senhor
 
Comentário: 8° Domingo do Tempo Comum - Ano A
Comentário: 8° Domingo do Tempo Comum - Ano AComentário: 8° Domingo do Tempo Comum - Ano A
Comentário: 8° Domingo do Tempo Comum - Ano A
 
Ebd 29012012
Ebd 29012012Ebd 29012012
Ebd 29012012
 
Comentário: 6° Domingo do Tempo Comum - Ano A
Comentário: 6° Domingo do Tempo Comum - Ano AComentário: 6° Domingo do Tempo Comum - Ano A
Comentário: 6° Domingo do Tempo Comum - Ano A
 
LIÇÃO 5 LIVRO DE APOCALIPSE
LIÇÃO 5 LIVRO DE APOCALIPSELIÇÃO 5 LIVRO DE APOCALIPSE
LIÇÃO 5 LIVRO DE APOCALIPSE
 
DUREZA DA LEI NOS DEIXA SEM GRAÇA - VÓL I
DUREZA DA LEI NOS DEIXA SEM GRAÇA - VÓL IDUREZA DA LEI NOS DEIXA SEM GRAÇA - VÓL I
DUREZA DA LEI NOS DEIXA SEM GRAÇA - VÓL I
 

Mais de Viva a Igreja

Como interpretar a Bíblia 4
Como interpretar a Bíblia 4Como interpretar a Bíblia 4
Como interpretar a Bíblia 4Viva a Igreja
 
Como interpretar a Bíblia 3
Como interpretar a Bíblia 3Como interpretar a Bíblia 3
Como interpretar a Bíblia 3Viva a Igreja
 
Como interpretar a Bíblia 2
Como interpretar a Bíblia 2Como interpretar a Bíblia 2
Como interpretar a Bíblia 2Viva a Igreja
 
Como interpretar a Bíblia 1
Como interpretar a Bíblia 1Como interpretar a Bíblia 1
Como interpretar a Bíblia 1Viva a Igreja
 
Termo de compromisso
Termo de compromissoTermo de compromisso
Termo de compromissoViva a Igreja
 
Curso para novos membros
Curso para novos membrosCurso para novos membros
Curso para novos membrosViva a Igreja
 
Regras Parlamentares
Regras ParlamentaresRegras Parlamentares
Regras ParlamentaresViva a Igreja
 
Estatuto da Igreja Batista do Natal
Estatuto da Igreja Batista do NatalEstatuto da Igreja Batista do Natal
Estatuto da Igreja Batista do NatalViva a Igreja
 
Pacto e Comunhão Batistas
Pacto e Comunhão BatistasPacto e Comunhão Batistas
Pacto e Comunhão BatistasViva a Igreja
 
Uma igreja vivendo em pequenos grupos
Uma igreja vivendo em pequenos gruposUma igreja vivendo em pequenos grupos
Uma igreja vivendo em pequenos gruposViva a Igreja
 
5 Solas da Reforma Protestante
5 Solas da Reforma Protestante5 Solas da Reforma Protestante
5 Solas da Reforma ProtestanteViva a Igreja
 
Discipulado: uma necessidade urgente!
Discipulado: uma necessidade urgente!Discipulado: uma necessidade urgente!
Discipulado: uma necessidade urgente!Viva a Igreja
 
Vivendo em Pequenos Grupos
Vivendo em Pequenos GruposVivendo em Pequenos Grupos
Vivendo em Pequenos GruposViva a Igreja
 
Os livros Apócrifos
Os livros ApócrifosOs livros Apócrifos
Os livros ApócrifosViva a Igreja
 
Hermenêutica III - Hermenêutica especial
Hermenêutica III - Hermenêutica especialHermenêutica III - Hermenêutica especial
Hermenêutica III - Hermenêutica especialViva a Igreja
 
Hermenêutica II - Hermenêutica Geral
Hermenêutica II - Hermenêutica GeralHermenêutica II - Hermenêutica Geral
Hermenêutica II - Hermenêutica GeralViva a Igreja
 
Hermenêutica I - Regras Fundamentais
Hermenêutica I - Regras FundamentaisHermenêutica I - Regras Fundamentais
Hermenêutica I - Regras FundamentaisViva a Igreja
 
Introdução Bíblica - atualizado
Introdução Bíblica - atualizadoIntrodução Bíblica - atualizado
Introdução Bíblica - atualizadoViva a Igreja
 

Mais de Viva a Igreja (20)

Como interpretar a Bíblia 4
Como interpretar a Bíblia 4Como interpretar a Bíblia 4
Como interpretar a Bíblia 4
 
Como interpretar a Bíblia 3
Como interpretar a Bíblia 3Como interpretar a Bíblia 3
Como interpretar a Bíblia 3
 
Como interpretar a Bíblia 2
Como interpretar a Bíblia 2Como interpretar a Bíblia 2
Como interpretar a Bíblia 2
 
Como interpretar a Bíblia 1
Como interpretar a Bíblia 1Como interpretar a Bíblia 1
Como interpretar a Bíblia 1
 
Termo de compromisso
Termo de compromissoTermo de compromisso
Termo de compromisso
 
Curso para novos membros
Curso para novos membrosCurso para novos membros
Curso para novos membros
 
Regimento Interno
Regimento InternoRegimento Interno
Regimento Interno
 
Regras Parlamentares
Regras ParlamentaresRegras Parlamentares
Regras Parlamentares
 
Estatuto da Igreja Batista do Natal
Estatuto da Igreja Batista do NatalEstatuto da Igreja Batista do Natal
Estatuto da Igreja Batista do Natal
 
Pacto e Comunhão Batistas
Pacto e Comunhão BatistasPacto e Comunhão Batistas
Pacto e Comunhão Batistas
 
Uma igreja vivendo em pequenos grupos
Uma igreja vivendo em pequenos gruposUma igreja vivendo em pequenos grupos
Uma igreja vivendo em pequenos grupos
 
5 Solas da Reforma Protestante
5 Solas da Reforma Protestante5 Solas da Reforma Protestante
5 Solas da Reforma Protestante
 
Discipulado: uma necessidade urgente!
Discipulado: uma necessidade urgente!Discipulado: uma necessidade urgente!
Discipulado: uma necessidade urgente!
 
Vivendo em Pequenos Grupos
Vivendo em Pequenos GruposVivendo em Pequenos Grupos
Vivendo em Pequenos Grupos
 
Pode ou não pode?
Pode ou não pode?Pode ou não pode?
Pode ou não pode?
 
Os livros Apócrifos
Os livros ApócrifosOs livros Apócrifos
Os livros Apócrifos
 
Hermenêutica III - Hermenêutica especial
Hermenêutica III - Hermenêutica especialHermenêutica III - Hermenêutica especial
Hermenêutica III - Hermenêutica especial
 
Hermenêutica II - Hermenêutica Geral
Hermenêutica II - Hermenêutica GeralHermenêutica II - Hermenêutica Geral
Hermenêutica II - Hermenêutica Geral
 
Hermenêutica I - Regras Fundamentais
Hermenêutica I - Regras FundamentaisHermenêutica I - Regras Fundamentais
Hermenêutica I - Regras Fundamentais
 
Introdução Bíblica - atualizado
Introdução Bíblica - atualizadoIntrodução Bíblica - atualizado
Introdução Bíblica - atualizado
 

Último

HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfManuais Formação
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduraAdryan Luiz
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxA experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxfabiolalopesmartins1
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresLilianPiola
 
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasRosalina Simão Nunes
 
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxOsnilReis1
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxIsabelaRafael2
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoMary Alvarenga
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfEditoraEnovus
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 

Último (20)

HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditadura
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxA experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
 
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
 
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 

Livros Poéticos: Jó

  • 1. Os Livros Poéticos Jó Pr. Handerson Xavier
  • 2. Introdução ao Antigo Testamento Os livros Poéticos Os livros do cânon classificados como poéticos são: • Jó • Salmos • Provérbios • Eclesiastes • Cantares
  • 3. Introdução ao Antigo Testamento Os livros Poéticos Convém dizer:  Essa classificação não contempla a riqueza literária destes livros;  Não há poesia apenas nestes livros;  Esses livros contém apenas parte da poesia hebraica (1 Rs 4:32).
  • 4. Introdução ao Antigo Testamento Os livros Poéticos A poesia hebraica pode ser:  Lírica: cânticos, como nos Salmos;  Proverbial: como o livro de Provérbios;  Dramática: como o livro de Jó;  Elegíaco: como no livro de Lamentações.
  • 5. Introdução ao Antigo Testamento Os livros Poéticos O paralelismo na poesia hebraica:  É uma combinação de ideias;  “Rimam-se” ideias e não palavras;  Existem 5 tipos de paralelismos.
  • 6. Introdução ao Antigo Testamento Os livros Poéticos 1. Paralelismo sinônimo:  A segunda linha repete a ideia da primeira: “Os céus proclamam a glória de Deus E o firmamento as obras de suas mãos.” (Sl. 19:1) “Filho meu, ouve a instrução do teu pai, e não te esqueças do ensino da tua mãe.” (Pv. 1:8)
  • 7. Introdução ao Antigo Testamento Os livros Poéticos 2. Paralelismo antitético:  A segunda linha contrasta a ideia da primeira linha: “Pois o Senhor conhece o caminho dos justos, mas o caminho dos ímpios perecerá.” (Sl. 1:6) “O filho sábio alegra o seu pai, mas o filho insensato é a tristeza da sua mãe.” (Pv 10:1) A maioria dos provérbios são paralelismo antitéticos.
  • 8. Introdução ao Antigo Testamento Os livros Poéticos 3. Paralelismo sintético:  A segunda linha desenvolve a ideia da primeira: “Bem aventurado o homem que não anda no conselho dos ímpios, nem se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores.” (Sl. 1:1) “Não maquines o mal contra o teu próximo, pois habita junto de ti confiadamente.” (Pv. 3:29)
  • 9. Introdução ao Antigo Testamento Os livros Poéticos 4. Paralelismo simbólico:  A segunda linha ilustra a ideia da primeira: “Como suspira a corça pelas correntes de água, assim, por ti, ó Deus, suspira a minha alma.” (Sl. 42:1)
  • 10. Introdução ao Antigo Testamento Os livros Poéticos 5. Paralelismo gradativo:  A segunda linha amplia a primeira: “Tributai ao Senhor, filhos de Deus, tributai ao Senhor glória e força.” (Sl. 29:1)
  • 11. O livro de
  • 12. Introdução ao Antigo Testamento O livro de Jó  Autoria não é certa. Alguns sugerem Jó, Eliú, Moisés ou Salomão;  Também não se conhece a data da escrita;  Jó viveu na época dos patriarcas (1700 a.C.);  Drama épico de um homem que não sabe as razões do seu infortúnio;  Drama existencial e teológico.
  • 13. Introdução ao Antigo Testamento O livro de Jó  O que chama atenção no livro: A discussão é sempre atual; O livro é demasiadamente humano; O debate é profundamente sincero; O tema é assustadoramente inquietante.
  • 14. Introdução ao Antigo Testamento O livro de Jó I. Prólogo (1 e 2):  Apresentadas as características de Jó: Morador de Uz “íntegro e reto, temente a Deus e que desviava do mal” (1:1); Possuía uma família numerosa e unida; Era o homem mais importante do oriente (1:3).  A causa do infortúnio de Jó: Satanás se apresenta a Deus; Jó era conhecido por Deus e por Satanás; O início da prova (1:9-19); Uma sucessão inimaginável de tragédias; Da riqueza ao desprezo (2:1-10).
  • 15. Introdução ao Antigo Testamento O livro de Jó II. O primeiro ciclo de discursos (3:1-14:22):  O desabafo de Jó (3): “Pereça o dia em que nasci e a noite em que se disse: Foi concebido um homem!” (3:3);  A primeira intervenção de Elifaz (4 e 5): “Bem-aventurado é o homem a quem Deus disciplina; não desprezes, pois, a disciplina do Todo-Poderoso” (5:17);  A resposta de Jó (6 e 7): “Tornai a julgar, vos peço, e não haja iniquidade; tornai a julgar, e a justiça da minha causa triunfará” (6:29);  A primeira intervenção de Bildade (8): “Eis que Deus não rejeita ao íntegro, nem toma pela mão os malfeitores” (8:20);
  • 16. Introdução ao Antigo Testamento O livro de Jó II. O primeiro ciclo de discursos (3:1-14:22):  A resposta de Jó (9 e 10): “Ainda que eu seja justo, a minha boca me condenará; embora seja eu íntegro, ele me terá por culpado” (9:20); “Bem sabes tu que eu não sou culpado; todavia, ninguém há que me livre da tua mão” (10:7);  A acusação de Zofar (11): “Se dispuseres o coração e estenderes as mãos para Deus; se lançares para longe a iniquidade da tua mão e não permitires habitar na tua tenda a injustiça, então, levantarás o rosto sem mácula, estarás seguro e não temerás. Pois te esquecerás dos teus sofrimentos e deles só terás lembrança como de águas que passaram” (11:13ss)
  • 17. Introdução ao Antigo Testamento O livro de Jó II. O primeiro ciclo de discursos (3:1-14:22):  Jó defende sua integridade (12-14): “Na verdade, vós sois o povo, e convosco morrerá a sabedoria” (12:1); “Não! Com Deus está a sabedoria e a força; ele tem conselho e entendimento” (12:13); “Quantas culpas e pecados tenho eu? Notifica-me a minha transgressão e o meu pecado” (13:23);
  • 18. Introdução ao Antigo Testamento O livro de Jó III. O segundo ciclo de discursos (15:1-21:34):  Jó é acusado por Elifaz (15): “A tua própria boca te condena, e não eu; os teus lábios testificam contra ti” (15:6);  A queixa de Jó contra Deus (16 e 17): “Na verdade, as minhas forças estão exaustas; tu, ó Deus, destruíste a minha família toda” (16:7); “O meu rosto está afogueado de chorar, e sobre as minhas pálpebras está a sombra da morte, embora não haja violência nas minhas mãos, e seja pura a minha oração” (16:16,17);
  • 19. Introdução ao Antigo Testamento O livro de Jó III. O segundo ciclo de discursos (15:1-21:34):  A resposta de Bildade sobre a sorte do perverso (18): “Não terá filho nem posteridade entre seu povo, nem sobrevivente algum ficará nas suas moradas” (18:19);  A esperança de Jó (19): “Arruinou-me de todos os lados, e eu me vou; e arrancou- me a esperança, como a uma árvore” (19:10); “Porque eu sei que o meu Redentor vive, e por fim se levantará sobre a terra” (19:25);  Zofar e o sofrimento dos perversos (20): “Na plenitude de sua abastança, ver-se-á angustiado; toda a força da miséria virá sobre ele” (20:22);
  • 20. Introdução ao Antigo Testamento O livro de Jó III. O segundo ciclo de discursos (15:1-21:34):  Considerações de Jó sobre os perversos (21): Não se observa na prática o que disse Zofar “As suas casas têm paz, sem temor, e a vara de Deus não os fustiga” (21:9); “Passam eles os seus em prosperidade e em paz descem à sepultura. E são estes os que disseram a Deus: Retira-te de nós! Não desejamos conhecer os teus caminhos” (21:13, 14); “Deus, dizei vós, guarda a iniquidade do perverso para seus filhos. Mas é a ele que deveria Deus dar o pago, para que o sinta” (21:19);
  • 21. Introdução ao Antigo Testamento O livro de Jó IV. O terceiro ciclo de discursos (22:1-31:40):  Elifaz acusa Jó (22): Tomar por penhor as vestes de um pobre (v. 6); Não dar de beber ao cansado e pão ao faminto (v. 7); Favorecer alguns e outros não (v. 8); Não cuidar de órfãos e viúvas (v. 9); “Se te converteres ao Todo-Poderoso, serás restabelecido” (v. 23a);  A contestação de Jó (23, 24): Jó não teme ser julgado por Deus; “Mas ele sabe o meu caminho; se ele me provasse, sairia eu como ouro” (23:10);
  • 22. Introdução ao Antigo Testamento O livro de Jó IV. O terceiro ciclo de discursos (22:1-31:40): - Jó sabe que não sofre por causa do pecado. “Pois ele cumprirá o que está ordenado a meu respeito e muitas coisas como estas ainda tem consigo. Por isso, me perturbo perante ele; e quando o considero, temo-o. Deus é quem me faz desmaiar o coração, e o Todo-Poderoso quem me perturbou, porque não estou desfalecido por causa das trevas, nem porque a escuridão cobre o meu rosto” (23:14- 17); - Nem sempre os ímpios são castigados (24:18-25): “Se não é assim, quem me desmentirá e anulará as minhas razões” (24:25);
  • 23. Introdução ao Antigo Testamento O livro de Jó IV. O terceiro ciclo de discursos (22:1-31:40):  A intervenção de Bildade (25): “Como, pois, seria justo o homem perante Deus, e como seria puro aquele que nasce de mulher?” (25:4);  O longo discurso de Jó (26-31): 1. Reafirma a soberania de Deus (26); “Ele estende o norte sobre o vazio e faz pairar a terra sobre o nada” (26:7); 2. Reafirma o destino dos injustos (27); “Porque qual será a esperança do ímpio, quando lhe for cortada a vida, quando Deus lhe arrancar a alma?” (27:8);
  • 24. Introdução ao Antigo Testamento O livro de Jó IV. O terceiro ciclo de discursos (22:1-31:40): 3. Afirma donde vem a sabedoria (28); “E disse ao homem: Eis que o temor do Senhor é a sabedoria, e o apartar-se do mal é o entendimento” (28:28); 4. Deus é o fator determinante de sua felicidade (29); “Ah! Quem me dera ser como fui nos meses passados, como nos dias em que Deus me guardava” (29:2); - Lembra dos seus filhos (v. 5); - Lembra de sua riqueza (v. 6); - Era respeitado (v. 7-10); - Ajudava os necessitados (v. 11-13); - Lutava pela justiça (v. 14-16); - Era um homem sábio (v. 21-25);
  • 25. Introdução ao Antigo Testamento O livro de Jó IV. O terceiro ciclo de discursos (22:1-31:40): 5. Lamenta pelo seu estado atual (30); - Desprezado pelos mais fracos (v. 1); - Desprezado pelos desprezados (v. 2-8); - Uns fogem, outros agridem (v. 10); - Deus lhe tirou as condições de defesa (v. 11); - Os inimigos se levantam (v. 12-15); - A alma de Jó está quebrada (v. 16-18); - Deus é o responsável pelo infortúnio (v. 19); - Deus vê mas não faz nada (v. 20-23): “Clamo a ti, e não me respondes; estou em pé, mas apenas olhas para mim. Tu foste cruel comigo; com a força da tua mão tu me combates” (v. 20, 21).
  • 26. Introdução ao Antigo Testamento O livro de Jó IV. O terceiro ciclo de discursos (22:1-31:40): 6. Jó faz a sua defesa (31); “Acaso, não é a perdição para o iníquo, e o infortúnio, para os que praticam a maldade? Ou não vê Deus os meus caminhos e não conta todos os meus passos?” (v. 3, 4); “Tomara eu tivesse quem me ouvisse! Eis aqui a minha defesa assinada! Que o Todo-Poderoso me responda! Que o meu adversário escreva a sua acusação!” (v. 35);
  • 27. Introdução ao Antigo Testamento O livro de Jó V. A intervenção de Eliú (32-37): - Não é citado em 2:11; - Era o mais novo, por isso fala por último (32:4, 6); - Ira-se contra Jó e os 3 amigos (32:2, 3); - Seu discurso é permeado pela ira (32:5); “Atentando, pois, para vós outros, eis que nenhum de vós houve que refutasse a Jó, nem que respondesse às suas razões” (32:12); - Apresenta os argumentos de Jó (33:1-11); “Por que contendes com ele, afirmando que não dá contas de nenhum dos teus atos?” (33:13);
  • 28. Introdução ao Antigo Testamento O livro de Jó V. A intervenção de Eliú (32-37): - Eliú acusa Jó; “Porque Jó disse: Sou justo, e Deus tirou o meu direito. Apesar do meu direito, sou tido por mentiroso; a minha ferida é incurável sem que haja pecado em mim” (34:5, 6); - Eliú defende Deus; “Na verdade, Deus não procede maliciosamente; nem o Todo-Poderoso perverte o juízo” (34:12); “Abre-lhes também os ouvidos para a instrução e manda- lhes que se convertam da iniquidade. Se o ouvirem e o servirem, acabarão seus dias em felicidade e os seus anos em delícias. Porém, ser não o ouvirem serão traspassados pela lança e morrerão na cegueira” (36:10-12);
  • 29. Introdução ao Antigo Testamento O livro de Jó V. O Senhor responde a Jó (38-41): - Deus desafia Jó: “Quem é este que escurece os meus desígnios com palavras sem conhecimento? Cinge, pois, os lombos como homem, pois eu te perguntarei e tu me fará saber” (38:2, 3); - De 38:1-40:2 Deus faz 48 perguntas a Jó; - Jó não sabe o que responder e se cala (40:4); - Jó deve ter lembrado do que dissera em 13:22: “Interpela-me, e te responderei ou deixa-me falar e tu me responderas”; -
  • 30. Introdução ao Antigo Testamento O livro de Jó V. O Senhor responde a Jó (38-41): - Deus questiona Jó; “Acaso, anularás tu, de fato, o meu juízo? Ou me condenarás, para te justificares?” (40:8); - Dois animais criados por Deus (40:15-41:34);
  • 31. Introdução ao Antigo Testamento O livro de Jó VI. A resposta de Jó à Deus (42:1-6): - Uma mudança radical: 1. Confiante: “Bem sei que tudo podes, e nenhum dos teus planos pode ser frustrado” (v. 2); 2. Humilde: “Quem é aquele, como disseste, que sem conhecimento encobre o conselho? Na verdade, falei do que não entendia; coisas maravilhosas demais para mim, coisas que não conhecia” (v. 3); 3. Iluminado: “Eu te conhecia só de ouvir, mas agora os meus olhos te vêem” (v. 5);
  • 32. Introdução ao Antigo Testamento O livro de Jó VI. A resposta de Jó à Deus (42:1-6): 4. Arrependido: “Por isso, me abomino e me arrependo no pó e na cinza” (v. 6);
  • 33. Introdução ao Antigo Testamento O livro de Jó VII. Epílogo (42:7-17): Deus repreende os 3 amigos (v. 7-9): - Eliú novamente não é citado; - A ira de Deus se acendeu contra eles porque “não dissestes de mim o que era reto, como o meu servo Jó”; - O sacrifício pelo pecado de não falar corretamente acerca de Deus para outra pessoa; A restauração de Jó (v. 10-17): - Tão repentina quanto a destruição, foi a restauração: “Mudou o Senhor a sorte de Jó, quando este orava pelos seus amigos”; - Foi o início de uma mudança a partir da transformação familiar (v. 11);
  • 34. Introdução ao Antigo Testamento O livro de Jó VII. Epílogo (42:7-17):  Deus repreende os 3 amigos (v. 7-9): - Eliú novamente não é citado; - A ira de Deus se acendeu contra eles porque “não dissestes de mim o que era reto, como o meu servo Jó”; - O sacrifício pelo pecado de não falar corretamente acerca de Deus para outra pessoa;  A restauração de Jó (v. 10-17): - Tão repentina quanto a destruição, foi a restauração: “Mudou o Senhor a sorte de Jó, quando este orava pelos seus amigos”; - Foi o início de uma mudança a partir da transformação familiar (v. 11).
  • 35. Introdução ao Antigo Testamento O livro de Jó Alguns ensinamentos:  O sofrimento nem sempre pode ser explicado;  Coisas ruins acontecem à pessoas boas, assim como coisas boas acontecem à pessoas ruins;  Amigos e conselhos podem não ser suficientes;  Todo sofrimento é uma escola para santidade;  Deus sempre está no controle de tudo;  O maior de todos os ganhos é conhecer a Deus. Quando lemos a Bíblia, estamos vendo a Deus; Quando olhamos para Jesus, olhamos para o Pai; Não há riqueza maior do que essa.