1
A DOUTRINA ESCRITURAL DO REINO MESSIÂNICO
“Vivo eu, diz o Senhor DEUS, que com mão forte, e com braço estendido, e com i...
2
 Jó 23:13 "Ele é de uma mente, e que pode transforma-Lo? E o que a sua alma quiser, isso fará."
 Salmos 33:11 "o conse...
3
A diferença nos originais está no fato de que, em primeira instância, o grego tem simplesmente
panta, mas no segundo ta ...
4
Com referência aos demônios, em primeiro lugar, dizem-nos muito no Novo Testamento, apesar de
que sua origem não é clara...
5
categoricamente em Jó 1:12, por exemplo. Em Apocalipse 20:10 Satanás está finalmente roubado mesmo
dessa liberdade.
Em C...
6
Um ponto é muito importante é deixar bem claro que Deus tem o que pode ser chamado de um
Plano Diretor, do qual as grand...
7
as grandes realizações associadas com o seu nome, então Deus o reduziu para algo menos do que um
homem para que ele "com...
8
Mais tarde encontramos um outro imperador, Ciro, que nunca reconheceu Deus e ainda encontrou-
se chamado a cumprir a Sua...
9
Davi diz: "Levanta-te, Senhor, livra a minha alma...dos ímpios que é Tua espada: de homens que são
a Tua mão, ó Senhor, ...
10
Não é difícil acreditar que Deus tenha anulado reis e príncipes em um tipo geral de forma; iste
parece remoto e impesso...
11
Ao longo do tempo, Jacó levantou uma grande família, incluindo doze filhos famosos. Quando os
dez mais antigos desses f...
12
o mal em um e ao mesmo tempo (Isaías 41:23). Deus queria lhes ensinar a ter dependência Dele e de sua
Palavra.
Quando I...
13
Israel, se reuniram para fazer exatamente o que tua mão e o teu conselho tinham anteriormente
determinado que devia ser...
14
É claro que tais heresias não desenvolver para além dos indivíduos que os introduzidas, e, sem
dúvida, aqueles cedo san...
15
1e) A soberania de Deus e a responsabilidade humana
 Isaías 10:5-18 “Ai da Assíria, cetro da minha ira! A vara em sua ...
16
sua posição como o sumo sacerdote naquele ano, embora a julgar pelo seu entusiástico apoio daqueles que
procuravam dest...
17
ele não tomou prazer em que ele foi chamado para fazer. O ato mal que ele fez não foi, portanto, um
pecado, porém, foi,...
18
Considere Lamentações 3:37,38: "Quem é aquele que diz, e assim acontece, quando o Senhor o não
mande?Acaso, não procede...
19
na era por vir. Por isso, a época atual é disciplinar ao invés de executiva. Somos discípulos, isto é, os alunos,
mais ...
20
2) A COMPOSIÇÃO DO GOVERNO MESSIÂNICO
As Escrituras têm algumas coisas a dizer sobre como será a distribuição do poder ...
21
cavalos de Jerusalém, e o arco de guerra será destruído. Ele anunciará paz às nações; o seu domínio se
estenderá de mar...
22
vossos pais habitaram; habitarão nela, eles e seus filhos e os filhos de seus filhos, para sempre; e Davi, meu
servo, s...
23
 Mateus 5:22 “Eu, porém, vos digo que todo aquele que [sem motivo] se irar contra seu irmão estará sujeito a
julgament...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

O Reino Messiânico 9 - O Governo Messiânico

441 visualizações

Publicada em

A continuação do estudo bíblico da doutrina do Reino Messiânico, apresentando a base escriturística que fala sobre o governo que Jesus Cristo exercerá do seu trono de glória durante seu governo messiânico aqui na terra a partir de Jerusalém. Para mais conteúdo visite: http://profeciasmessianicas.blogspot.com.br/

Os primeiros estudos podem ser encontrados no blog http://profeciasmessianicas.blogspot.com.br/

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
441
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
74
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O Reino Messiânico 9 - O Governo Messiânico

  1. 1. 1 A DOUTRINA ESCRITURAL DO REINO MESSIÂNICO “Vivo eu, diz o Senhor DEUS, que com mão forte, e com braço estendido, e com indignação derramada, hei de reinar sobre vós.” “E eu, o Senhor, lhes serei por Deus, e o meu servo Davi será príncipe no meio deles; Eu, o Senhor, o disse.” Ezequiel 20:33/34:24 D) O GOVERNO MESSIÂNICO 1) A SOBERANIA DE DEUS 1a) A soberania de Deus no universo “Aleluia! Pois o Senhor Deus onipotente reina!” - Apocalipse 19:16 A origem do universo pode apenas ser atribuída a acidente puro ou a criação deliberada com um propósito. É realmente sem sentido falar de puro acidente, porque não se pode, eventualmente, conceber o tipo de acidente que teria de ocorrer para dar conta da aparência dos materiais a partir dos quais o universo se formou. É possível argumentar que esse material sempre existiu, o que implica a eternidade da matéria. Mas esta novamente realmente não resolve nenhum problema, para a eternidade da matéria não é algo que podemos afirmar: tal concepção está além da informação que dispomos. Racionalmente realmente ficamos com apenas uma alternativa, ou seja, que o universo foi criado, e uma criação significa um Criador, e o Criador deve ter tido o poder, a vontade, e um plano. Estes três requisitos são resumidos simplesmente e sinteticamente na Palavra de Deus: o primeiro versículo do Gênesis leva em conta o tempo ("no início"), a vontade ("Deus"), o poder ("criou"), o espaço ("os céus"), e os materiais ("e a terra") envolvidos na origem do universo. Mas o que sabemos sobre o Criador? Deus tem falado em termos inequívocos sobre suas próprias relações com a ordem criada, alegando ser o Designer e Sustentador do universo, desde o início através de cada estágio. Além disso, é revelada nas Escrituras que esta atividade criativa e sustentável sempre esteve em mãos da Palavra de Deus, o Filho do Pai. Gênesis 1:1 nos diz simplesmente que "no princípio Deus criou os céus e a terra", mas Hebreus 1:8- 10 nos diz que "com relação ao Filho, Ele disse...Tu, Senhor, no início lançou as bases da terra, e os céus são obras de tuas mãos." Isto é o que está por trás da declaração de João: "No princípio era o Verbo...Todas as coisas foram feitas por Ele, e sem Ele não era nada do que foi feito." (João 1:1,3). Em Hebreus 1:1-2 nos é dito que "pelo qual também fez o universo." Essas passagens são refletidas no Antigo Testamento, como, por exemplo, onde nos é dito no Salmo 33:6 que "pela Palavra do Senhor foram feitos os céus". "Meu Pai trabalha até agora, e eu trabalho também" - João 5:17 Não só tem um plano de Deus para este universo, mas Ele em nenhum momento foi forçado por qualquer circunstância, qualquer que seja, a desviar no menor grau o seu curso pretendido e planejado. Do ponto de vista de Deus, não há tais coisas como acidentes ou coisas inesperadas, imponderadas. Não só podemos dizer que Deus nunca alterou o seu plano, mas podemos ir um passo além e dizer que ao longo da história Ele tem guiado continuamente eventos, de acordo com este plano.
  2. 2. 2  Jó 23:13 "Ele é de uma mente, e que pode transforma-Lo? E o que a sua alma quiser, isso fará."  Salmos 33:11 "o conselho do Senhor permanece para sempre, os pensamentos do seu coração por todas as gerações."  Salmos 62:11 "Deus falou uma vez, duas vezes tenho ouvido isto: que o poder pertence a Deus."  Provérbios 21:30 “Não há sabedoria, nem inteligência, nem conselho contra o Senhor.”  Isaías 14:24,27 "O Senhor dos exércitos jurou, dizendo: Certamente como pensei, assim será vir a passar, e como determinei, assim se efetuará....Porque o Senhor dos exércitos o determinou, e quem o invalidará?"  Isaías 40:28 “Não sabes, não ouviste que o eterno Deus, o SENHOR, o Criador dos fins da terra, nem se cansa, nem se fatiga? Não se pode esquadrinhar o seu entendimento.”  Isaías 46:10 “Que anuncio o fim desde o princípio, e desde a antiguidade as coisas que ainda não sucederam; que digo: O meu conselho será firme, e farei toda a minha vontade.”  Jeremias 32:19 “Grande em conselho, e magnífico em obras.”  Efésios 1:11 “conforme o propósito daquele que faz todas as coisas, segundo o conselho da sua vontade.” Há muitas afirmações genéricas nas Escrituras que revelam o funcionamento da providência soberana do Senhor dentro do compasso de Sua criação, ordenando e orientando sua multiplicidade de formas inter-relacionadas em uma bela harmonia. Que tipo de "providência" isto é que estamos em uma posição mais confortante saber, para este Criador, o Senhor Jesus Cristo, tem sido claramente revelado a nós no Novo Testamento e da experiência pessoal confirma Seu cuidado por Suas criaturas.  Deuteronômio 11:12 “Terra de que o Senhor teu Deus tem cuidado; os olhos do Senhor teu Deus estão sobre ela continuamente, desde o princípio até ao fim do ano.”  Salmos 116:6 “O Senhor guarda aos símplices”  Lucas 12:6,27 “Não se vendem cinco passarinhos por dois ceitis? E nenhum deles está esquecido diante de Deus, e nenhum deles cairá em terra sem a vontade de vosso Pai. E até os cabelos da vossa cabeça estão todos contados. Não temais pois; mais valeis vós do que muitos passarinhos...Considerai os lírios, como eles crescem; não trabalham, nem fiam; e digo-vos que nem ainda Salomão, em toda a sua glória, se vestiu como um deles.”  Ezequiel 34:11 com Isaías 40:11 “Porque assim diz o Senhor DEUS: Eis que eu, eu mesmo, procurarei pelas minhas ovelhas, e as buscarei...entre os seus braços recolherá os cordeirinhos e os levará no seio; as que amamentam ele guiará mansamente.” Talvez a reivindicação mais abrangente é feita em Efésios 1:11, onde se afirma que Ele efetivamente “faz todas as coisas, segundo o conselho da sua vontade." No original, esta afirmação é ainda mais explícita, o grego do Novo Testamento tem duas frases que parecem muito semelhantes e são traduzidos como se fossem sinônimos, mas que são essencialmente diferentes em sua significado. A frase simples “todas as coisas”, de modo recorrente em versões do Novo Testamento, é usado para traduzir dois conceitos gregos bastante distintos representados pela palavra (panta) sozinha, e (ta panta) com o artigo definido. O primeiro é equivalente a nossa palavra tudo, mas o segundo significa o universo, um conceito muito diferente e mais amplo... O primeiro conceito (panta) é encontrado, por exemplo, em Filipenses 4:13 ("Posso todas as coisas em Cristo que me fortalece"), e difere do segundo (ta panta), que é encontrado, por exemplo, em Colossenses 1:16 ("Por Ele todas as coisas subsistem, todas as coisas foram criadas por Ele e para Ele."). No entanto, ambos são meramente traduzido “todas as coisas”.
  3. 3. 3 A diferença nos originais está no fato de que, em primeira instância, o grego tem simplesmente panta, mas no segundo ta panta . O primeiro significa "tudo", uma frase um tanto indefinida em definição de abrangência; o segundo "o todas as", ou a partir de seu significado básico "o universo". Assim Colossenses 1:16 realmente diz: "Por Ele, o universo se mantém junto, o universo foi criado por Ele e para Ele". Isto está em perfeita harmonia com o significado mais amplo de Efésios 1:11 que acabamos de citar, que o universo efetivamente funciona, segundo o conselho da sua vontade. Há muitas, muitas afirmações categóricas no sentido de que, na opinião geral, Deus é onipotente. Assim, em Deuteronômio 4:35,39: "A ti te foi mostrado para que soubesses que o Senhor, Ele é Deus: não há outro além dele...Por isso hoje saberás, e considerá-lo no teu coração! que o Senhor é Deus em cima no céu e embaixo na terra; não há outro.". Assim também no Salmo 135:6: "Tudo o que o Senhor quis, fez, nos céus e na terra, nos mares e em todos os abismos", e no Salmo 115:3: "Mas o nosso Deus está nos céus: Ele fez tudo o que lhe agradou." No Salmo 103:19 está escrito: "O Senhor preparou o seu trono nos céus, e o seu reino domina sobre tudo" e Daniel 4:34,35: "Ao que vive para sempre, cujo domínio é um domínio sempiterno, e o seu reino é de geração em geração, e todos os habitantes da terra são reputados em nada, e ele o faz de acordo com a Sua vontade no exército do céu e os moradores da terra: não há quem possa deter a sua mão, nem lhe dizer: Que fazes?" O inquestionável domínio que ele agora exerce no céu e na terra é a última afirmação que o Senhor Jesus fez: "Todo o poder é dado a mim no céu e na terra" (Mateus 28:18,19) O padrão que emerge da revelação leva a se tabular tais passagens na forma de uma espécie de árvore genealógica: Começando com o Universo como um todo, pode-se construir uma simples divisão composta pelo mundo espiritual invisível, em oposição ao nosso mundo. Subdividindo a primeira destas divisões, podemos discernir Anjos e Demônios. Sob o título geral dos Anjos, temos três subdivisões, ou seja, anjos caídos, Satanás, e Anjos não caídos: Considerando o mundo espiritual, temos duas categorias de seres: Anjos e Demônios.
  4. 4. 4 Com referência aos demônios, em primeiro lugar, dizem-nos muito no Novo Testamento, apesar de que sua origem não é claramente revelada. Alguns teólogos acreditam que eles vieram a existir quando anjos coabitaram com as filhas dos homens e criaturas sobrenaturais nasceram, mas que posteriormente morreram no Dilúvio (Gênesis 6:1-7). Com relação ao assunto da destinação intermediária e final de cada criatura consciente que existe no universo, podemos resumir as Escrituras dizendo que os homens perdidos vão para o Sheol/Hades e depois do trono branco para o Lago de Fogo; os anjos caídos ou ficam livres para atuar ao lado de Satanás ou ficam aprisionados no abismo aguardando para finalmente irem para o Lago de Fogo. Mas e os demônios? Não são homens mas tiveram corpos, não podem ir para o Hades/Sheol...Não são anjos mas têm a opção de servir ao lado de Satanás, que os idealizou. Deu-se-lhes a opção de liberdade no planeta desde que se mantenham cada um circunscrito dentro de uma área de atuação, um distrito, sob pena de ir para o abismo, pois são espíritos, para finalmente irem para o Lago de Fogo junto a Satanás, seus anjos e os perdidos. Uma vez que essas criaturas já possuíram um corpo têm agora uma compulsão para ocupar outro corpo novamente. Sua grande força quando na posse de um corpo leva a refletir a tradição de gigantes resultantes da primeira união de anjos e homens, e seu medo de água (veja Mateus 12:43) também é resultado do julgamento que trouxe sua desencarnação. Eles, portanto, estão na escala dos seres a meio caminho entre os anjos e os homens, não sendo nem uma coisa nem outra. Dos anjos não caídos, temos as palavras de Hebreus 1:14 que dizem ser ministros. Há um número de ocasiões em que os anjos ministraram às necessidades dos homens e do próprio Senhor; e quando, no final do Seu ministério terreno, o Senhor parecia em perigo imediato da multidão e, quando Pedro sacou a espada para defendê-lo, Ele disse - como se fosse uma coisa não menos surpreendente - que Ele poderia ter chamados doze legiões de anjos para defendê-lo (Mateus 26:53). Considerando-se que uma legião era composta de seis mil pessoas, doze legiões seria um exército muito considerável para chamar instantaneamente por sua ajuda. Em uma ocasião no Antigo Testamento (2 Reis 6:17), um profeta foi protegido por um enorme exército de seres espirituais. Na realidade a Bíblia declara que ele são inumeráveis, “e era o número deles milhões de milhões, e milhares de milhares” (Apocalipse 5:11) Parece haver duas classes de anjos caídos: aqueles que deixaram o seu principado e trouxe ao mundo o julgamento do dilúvio, e aqueles a quem Satanás convenceu a acompanhá-lo quando ele se rebelou contra o céu em um período muito mais anterior (e, como eu acredito, trouxe ao mundo o juízo refletido em Gênesis 1:2, que necessitou de uma re-criação e re-ordenamento da terra). A primeira destas categorias, dizem-nos, agora está acorrentada (Judas 6) e, portanto, claramente completamente sob o controle de Deus. A segunda classe de anjos, embora sejam aparentemente ainda livres para impedir a obra de Deus (Daniel 10:13), são, no entanto, sujeitos a permissão de Deus sempre que Ele assim o desejar, conforme indicado no Salmo 78:49 e, possivelmente, em 1 Reis 22:23. Em ambos os casos, Deus os usou para realizar tarefas que um anjo não caído não poderia ter realizado. De Satanás temos algumas sugestões limitadas, mas significativas. Em Isaías 54:16, há uma declaração de conclusão, que foi tomada por alguns comentaristas a ser uma referência a Satanás. Está escrito: "E eu criei o assolador, para destruir." Pode parecer uma coisa estranha que alguém suponha que o Senhor por ter criado um ser que parece sempre estar impedindo o cumprimento de Seus propósitos. No entanto, há indícios de que isso pode ser assim em outras Escrituras - como, talvez, em Isaías 45:7. Este não é um comunicado solitário: é repetido por toda a Escritura em muitas ocasiões e com igual ênfase. De qualquer forma, Satanás traz, sem dúvida, a sua oposição com a permissão de Deus. Isto é afirmado
  5. 5. 5 categoricamente em Jó 1:12, por exemplo. Em Apocalipse 20:10 Satanás está finalmente roubado mesmo dessa liberdade. Em Colossenses 1:16,17, é revelado que o universo foi criado não só pelo Senhor, mas também para o Senhor, isto é, para servir os seus propósitos. Poderes de cada categoria, e tanto aqueles que são visíveis, bem como aqueles que não são visíveis, foram criados "por ele e para ele." Uma vez que Satanás, como os outros anjos, é uma criatura de Deus, a sua continuidade como uma criatura viva é dependente inteiramente da Fonte de toda vida. Embora Satanás tem o poder da morte, aparentemente, no que diz respeito ao homem (Hebreus 2:14), ele não tem o poder de sustentar a sua própria existência, pois ele é uma criatura de Deus. Que ele é autorizado a continuar só pode significar que tal continuidade serve o propósito de Deus. Deus está no comando, no mundo espiritual. Em verdade, afirma-se, em termos inequívocos, que é quem faz a Sua vontade no exército do céu e entre os homens e ninguém pode impedir. 1b) A soberania de Deus em nosso mundo Os maiores agregados de homens com os quais a Bíblia lida são os impérios mundiais: babilônios, persas, gregos e romanos. Descemos então para as nações que os compõem. Acima dessas nações estão os reis. Os reis são governadores e os generais líderes de seus exércitos. E, finalmente, descemos para o povo comum. Dentro deste povo estão os salvos e os não salvos. As Escritura tem um número surpreendente de coisas a dizer sobre a onipotência de Deus na vida dos salvos e dos não-salvos. Podemos ilustrar o que foi dito acima fixando-o na forma de uma árvore genealógica:
  6. 6. 6 Um ponto é muito importante é deixar bem claro que Deus tem o que pode ser chamado de um Plano Diretor, do qual as grandes linhas são reveladas na Bíblia até mesmo a ponto de mostrar o futuro de uma forma geral. Onde quer que um evento ou de uma decisão está relacionada (como Deus vê as coisas) com o Plano Diretor, a esses pontos ele governa ou anula, conforme necessário. Em 1 Samuel 23:1-13 temos um episódio que pode bem ilustrar estas interferências divinas na história humana afim de preservar o Seu Plano: Após uma batalha em Queila, Davi consulta ao Senhor quanto a que decisão tomar, se fugia de lá ou se ficava, pois Saul o perseguia. Caso Deus não o tivesse respondido (como não respondeu a Saul também em uma consulta – 1 Samuel 14:37*) Davi teria sido morto, o que afetaria os planos de Deus para a vida de Davi, de seus descendentes (inclusive Jesus...), da nação de Israel, do mundo e do projeto da redenção da humanidade (!). Então Ele respondeu e livrou Davi, a quem era importante que continuasse vivo. * (Ao episódio citado, podemos acrescentar um outro mais intenso na demonstração da interferência de Deus nas ações humanas: 1 Reis 22:19-23 “Vi o SENHOR assentado no seu trono, e todo o exército do céu estava junto a ele, à sua direita e à sua esquerda. Perguntou o SENHOR: Quem enganará a Acabe, para que suba e caia em Ramote-Gileade? Um dizia desta maneira, e outro, de outra Então, saiu um espírito, e se apresentou diante do SENHOR, e disse: Eu o enganarei. Perguntou-lhe o SENHOR: Com quê? Respondeu ele: Sairei e serei espírito mentiroso na boca de todos os seus profetas. Disse o SENHOR: Tu o enganarás e ainda prevalecerás; sai e faze-o assim. Eis que o SENHOR pôs o espírito mentiroso na boca de todos estes teus profetas e o SENHOR falou o que é mau contra ti." A consequência foi a morte de Acabe o rei de Israel, ainda que ele tenha tomado todas as precauções para se proteger...“Então, um homem entesou o arco e, atirando ao acaso, feriu o rei de Israel por entre as juntas da sua armadura” - verso 34) Antes de examinar as passagens que dizem respeito ao quadro acima, deve ser feita referência a um aspecto do assunto que tende a ser esquecido. Uma parte importante do nosso mundo é o reino da Natureza. Este reino é na verdade uma parte essencial do reino de Deus. Certamente o domínio do Senhor Jesus Cristo na natureza foi ilustrado dramaticamente no Novo Testamento, quando os discípulos descobriram que até os ventos e as ondas obedeceram instantaneamente (Mateus 8:27). Há muitos indícios de Seu senhorio, como por exemplo, a figueira que secou em seu comando (Mateus 21:20); a água que se tornou vinho (João 2:3.); e os animais selvagens, que compartilharam seu deserto sem molestá-lo (Marcos 1:13). Estamos certos de que nenhum pardal é esquecido. No Antigo Testamento, um corvo foi ordenado para alimentar Elias; um grande peixe, foi ordenado para salvar Jonas; e um mudo jumento, foi ordenado a repreender Balaão; e até um peixe que trouxe uma moeda para Pedro! (Mateus 17:27). Os Salmos estão cheios de passagens que refletem o que certamente deve ser descrita como a "adoração" que a natureza oferece ao seu Criador. Nos assuntos dos impérios e das nações, há momentos em que esta soberania pode ser discernida. As Escrituras deixam claro que na ascensão e queda dos grandes impérios mundiais da antiguidade, Deus tinha uma mão direta. Esta revelação se liga mais particularmente para o primeiro império mundial (Babilônia) e para o último (Europa Confederada), como se para indicar o padrão. O primeiro império mundial foi o da Babilônia, e seu monarca mais conhecido foi Nabucodonosor. Ele nos deixou abundantes evidências do fato de que seu poder era absoluto aos seus próprios olhos; e ainda em Daniel 4:17,24-26 ele foi avisado em termos inequívocos: “serás tirado dentre os homens...até que conheças que o Altíssimo tem domínio sobre o reino dos homens, e o dá a quem quer...o céu reina.” E assim novamente em Daniel 5:21: "E foi expulso do meio dos filhos dos homens...até que ele soubesse que o Deus Altíssimo governa no reino dos homens, e que Ele constitui sobre ele quem quer." Não é certo exatamente qual a doença acometeu o imperador, mas duas coisas são muito claras nas Escrituras em relação a isso. A primeira é que, logo que Nabucodonosor atribuía inteiramente a si mesmo
  7. 7. 7 as grandes realizações associadas com o seu nome, então Deus o reduziu para algo menos do que um homem para que ele "comesse palha como o boi". A segunda é que, quando de alguma forma estranha, em sua condição de demente, ele veio a perceber que havia apenas um Senhor do universo, então ele foi imediatamente restaurado à sua antiga posição de autoridade e ele não tinha nenhuma hesitação em reconhecer esta circunstância. As Escrituras revelam que o Senhor estava anulando estes homens, e por estranho que pareça, eles eram, por vezes, bastante cientes disso. Era uma espécie de direito divino dos reis. Tudo o que está em perfeita harmonia com o fato de que o último império mundial aparecerá num momento em que Deus deve ter "colocado nos corações (dos reis) para cumprir a Sua vontade, e a entrarem em acordo, e dar o seu reino à besta, até as palavras de Deus será cumprida" (Apocalipse 17:17). Do começo ao fim, nos principais aspectos da história do mundo, Deus é claramente onipotente e atuante. Em última análise, é claro, no Milênio: "todos os confins da terra se lembrarão e se converterão ao Senhor, e todas as famílias das nações se prostrarão diante de ti Porque o reino é do Senhor, e Ele é governador entre as nações." (Salmos 22:27,28). Deus determina a ascensão e queda de nações como Jó o disse (12:23): "Multiplica as nações e as faz perecer; dispersa-as e de novo as congrega.” E assim também no Salmo 47:6-8: "Cantai louvores a Deus que é o Rei de toda a terra. Cantai louvores com entendimento, Deus reina sobre as nações. Deus está assentado sobre o trono da sua santidade”. Sobre essas nações estão reis que, em certa medida, determinam o destino e o caráter das nações que governam. A este nível, Deus começa a ser ainda mais explícito em sua revelação. Por exemplo, "o coração do rei na mão do Senhor, como os rios de água Ele o inclina para onde ele vai" (Provérbios 21:01). O que está em harmonia com o Salmo 75:7: "Deus é o juiz; a um abate, a outro exalta" e Daniel 2:21: "é Ele quem muda o tempo e as estações, remove reis e estabelece reis." Muitos são os exemplos específicos de soberania de Deus nas histórias de reis individuais. O exemplo óbvio que brota imediatamente à mente é o de "Faraó", o faraó do Êxodo. A imagem gráfica de vacilação e covardia, de resolução e de decisão, por parte do rei é tão claramente desenhados. É-nos dada uma visão sobre os pensamentos de um homem movido por forças muito maiores do que ele. Ele teria deixado os filhos de Israel ir, teria sido feliz em ver o último deles, depois de cada exibição de poder por parte de Moisés. Mas, como os milagres se tornaram cada vez mais estupendos, ele encontrou o seu coração fortalecido, mesmo quando ele estava mais com medo das consequências da recusa! Este é claramente o que está por trás do comentário de Paulo quando ele observa em Romanos 9:17, "Porque a Escritura revela com respeito ao Faraó, mesmo para esse propósito que eu te fiz assim...para que eu possa mostrar meu poder em ti, e que o meu nome seja anunciado em toda a terra." Assim, em Êxodo 10:20: "Mas o Senhor endureceu o coração de Faraó, para que ele não deixasse ir os filhos de Israel." E Êxodo 8:10: "Que tu [Faraó] podes saber que não há outro semelhante ao Senhor nosso Deus." Faraó era um peão na mão de um Deus onipotente. A justiça, ou não, da ação de Deus à luz do final infeliz de Faraó temos de lidar com reverência e temor, sem dúvida, o Senhor o puniu por fazer a Sua vontade! Mas basta dizer que este homem estava inteiramente nas mãos de Deus e era, por assim dizer, "dirigido" para fazer o que ele fez por um poder superior, ainda que cada decisão sua foi fruto de seu arbítrio e escolha, a quem no entanto, sempre se recusou a reconhecer. É curioso como muitas vezes os egípcios foram utilizados para cumprir os propósitos de Deus em relação a Israel, em um papel punitivo. Quando Roboão deixou a lei do Senhor, e todo o Israel com ele, o Senhor ameaçou-os com a punição pelos egípcios sob Sisaque. (2 Crônicas 12:2-12). Foi a mão de Sisaque, de acordo com a história, que despojou o Templo, mas era na verdade a mão do Senhor, de acordo com a revelação bíblica. Sisaque estava apenas servindo ao Senhor, embora não o soubesse.
  8. 8. 8 Mais tarde encontramos um outro imperador, Ciro, que nunca reconheceu Deus e ainda encontrou- se chamado a cumprir a Sua vontade: "que digo de Ciro: Ele é meu pastor e cumprirá tudo o que me apraz... Assim diz o SENHOR ao seu ungido, a Ciro, a quem tomo pela mão direita, para abater as nações ante a sua face, e para descingir os lombos dos reis, e para abrir diante dele as portas, que não se fecharão. Eu irei adiante de ti, endireitarei os caminhos tortuosos, quebrarei as portas de bronze e despedaçarei as trancas de ferro; dar-te-ei os tesouros escondidos e as riquezas encobertas, para que saibas que eu sou o SENHOR, o Deus de Israel, que te chama pelo teu nome. Eu sou o SENHOR, e não há outro; além de mim não há Deus; eu te cingirei, ainda que não me conheces." (Isaías 44:28-45:5). Nabucodonosor foi igualmente um instrumento na promoção dos propósitos de Deus. "E agora eu entreguei todas estas terras na mão de Nabucodonosor, rei de Babilônia meu servo, (Jeremias 25:9 e 43:10) e os animais do campo lhe dei, para que o sirvam e tudo. As nações o servirão a ele e seu filho, e o filho de seu filho, até que o tempo da sua própria terra vier, e então muitas nações e grandes reis se servirão dele."(Jeremias 27:6,7). No caso de Aitofel, encontramos outro exemplo de como Deus rejeitou as intenções de um homem. Este exemplo é bem impressionante pois que Aitofel tinha boas intenções. Em 2 Samuel 17:14 está escrito: "Porque o Senhor tinha designado para aniquilar o bom conselho de Aitofel com a intenção de que o Senhor pode trazer o mal sobre Absalão." É difícil quando lemos tais passagens para resistir à tentação de fazer comentários sobre a estranheza das ações de Deus. Mas aqui temos de apontar para o como um homem é vencido para que os propósitos de Deus, ficassem firmes, mesmo quando as intenções eram intrinsecamente boas! Na bondade "natural" de seu coração, Pilatos teria deixado Jesus ir, e seria elogiável a sua determinação em enfrentar o status quo judaico. Mas teria sido errado do ponto de vista de Deus - o único ponto de vista que poderia contar. E assim, Jesus respondeu: "nenhum poder terias sobre mim, não te fosse dado do alto" (João 19:11). Pilatos pensou que ele tinha o poder (v. 10), e assim ele fez! Mas foi emprestado de Deus, o único que poderia sustentá-la. É por isso que Pedro diz simplesmente, "Temei a Deus. Honrai o rei" (1 Pedro 2:17). Você sabe quem foi rei quando Pedro escreveu estas instruções? A data de sua epístola está em algum lugar por volta dos anos 60, e Nero era o imperador em Roma! É duvidoso se há já existiu uma besta tão desumana. E Pedro ainda escreve estas palavras! Não podemos, não devemos, divorciar esses dois comandos. Eles permanecem ou caem juntos por tudo o que já foi declarado a partir da Palavra de Deus. Deus nomeia reis. É a afirmação clara das Escrituras, que "todos são Seus servos" (Salmo 119:91). Assim, nos primeiros dias da igreja, quando eram poucos e os seus recursos, humanamente falando, eram muito pequenos, poder-se-ia ter pensado que Deus iria providenciar um benevolente Constantino para ser imperador.Mas pelo contrário, Ele achou por bem nomear homens completamente corruptos e que perseguiram a Igreja incessantemente e ferozmente. Da mesma forma, quando Israel entrou pela primeira vez a Terra Prometida, a eles se opunham inimigos poderosos a quem o Senhor poderia ter facilmente removido com antecedência , mas não o fez. Estes inimigos foram usados para servir os propósitos de Deus de duas maneiras muito específicas, um propósito logístico (Deuteronômio 7:22) e um propósito espiritual (Juízes 2:22). Em 2 Samuel 7:14 os homens do mundo são referidos como "a vara" de Deus: em Isaías 7:20 o rei da Assíria é "navalha alugada" de Deus; em Jeremias 47:6,7 Faraó é denominado a "espada do Senhor" (da mesma forma que em Romanos 13:4); em Isaías 10:26 a Assíria é mencionada como o "flagelo de Deus" Por tais agências são os santos aperfeiçoados, pois "a quem o Senhor ama, Ele açoita" (Hebreus 12:6).
  9. 9. 9 Davi diz: "Levanta-te, Senhor, livra a minha alma...dos ímpios que é Tua espada: de homens que são a Tua mão, ó Senhor, dos homens do mundo que têm a sua porção nesta vida". Na verdade, a palavra hebraica paqadh, tem o duplo significado de "visitar, cuidar" e "punir". Asafe diz no Salmo 76:10: "Certamente a cólera do homem redundará em teu louvor. O restante da cólera tu conterás" Ou seja, Deus não permite a hostilidade dos homens, para ir além do ponto em que o resultado do que vai deixar de ser mais para o Seu louvor. Tais "vasos da ira" são também chamadas de "vasos de desonra", possivelmente porque seu trabalho é aquele que eles, sendo pecadores, ter prazer na execução dele, seu fim sempre é a destruição. (Romanos 9:21,22). Deus pode punir os homens em posição de autoridade por sua maldade e, ao mesmo tempo, usá- los como eles são e fazê-los servir seus próprios fins. Deus não é devedor de ninguém. Vamos encontrar na eternidade que a onipotência de Deus é de tal natureza que os atos mais perversos do homem venham a ser a fonte da maior glória de Deus - o exemplo supremo será a crucificação do Filho de Deus. Mas o que a Palavra de Deus revela sobre os mortais comuns, como eu e você, cuja importância individual parece ser tão pequeno? Bem, se nós começamos com um dos primeiros livros da Bíblia, encontramos Jó dizendo: "O homem, nascido de mulher, é de poucos dias e cheio de inquietação...tu ao homem puseste limites além dos quais não passará." (14:1,5,6). A sua própria existência é gasto em cima de tempo emprestado. Ele faz grandes planos e grandes sonhos, e suas energias estão empenhadas, aparentemente à vontade, enquanto ele luta para a meta. De fato, "há muitos planos no coração do homem; mas o conselho do Senhor, esse prevalecerá" (Provérbios 19:21) / "O coração do homem propõe o seu caminho, mas o Senhor lhe dirige os passos" (Provérbios 16:9). Sim, os próprios planos do coração no homem e a sua "resposta" muito são do Senhor (Provérbios 16:1). “Não cabe ao homem determinar o seu caminho, nem ao que caminha o dirigir os seus passos."(Jeremias 10:23) e "Os passos do homem são dirigidos pelo Senhor, como pode um homem, então, entender o seu próprio caminho" (Provérbio 20:24) Quem é livre? Como Deus pode encontrar culpa quando as ações de um homem são predeterminados e ele não pode fazer de outra forma? (Romanos 9:19) Há momentos em que estamos conscientes dessa estranha compulsão, e involuntariamente exclamamos: "Eu realmente não sei por que fiz isso - ou o que deu em mim." É o testemunho universal dos homens em tempos de grande crise que suas ações muitas vezes parecem surgir, por assim dizer, a partir de fontes mais profundas do que eles. Nos planos comuns e os negócios do dia a dia, Jeremias (Lamentações 3:37) nos lembra: "Quem é aquele que manda, e assim acontece, quando o Senhor não comandá-la?" Agimos baseados inteiramente na suposição de que nossas ações são determinadas por nossas próprias vontades e que, portanto, podemos planejar com certeza considerável, o que é condenado no Novo Testamento: "Vá agora, vós que dizeis: Hoje ou amanhã iremos a tal cidade, e lá passaremos um ano, e comprar e vender e conseguir ganhar e que vós não sabeis o que será no dia seguinte...Para isso, deveis antes dizer: Se o Senhor quiser , viveremos e faremos isto ou aquilo " (Tiago 4:13-15). Então Ele, ordenou Seus propósitos tendo em consideração a nossa utilidade na promoção deles, no entanto, pode declarar sem rodeios: "Ainda antes que houvesse dia, Eu era, e nenhum há que possa livrar alguém das minhas mãos; agindo Eu, quem impedirá? " (Isaías 43:13). Ambos, os crentes e os descrentes estão completamente nas mãos de Deus, caso Deus ache necessário Ele anula ou permite suas ações.
  10. 10. 10 Não é difícil acreditar que Deus tenha anulado reis e príncipes em um tipo geral de forma; iste parece remoto e impessoal. Mas quando passamos para baixo da escala, quando somos individualmente atingidos, parece quase como se a Escritura torna-se cada vez mais "fatalista", em sua filosofia. Então problemas surgem que nos colocam na defensiva. Primeiro é o sentimento de injustiça quando somos informados de que Deus tem nos vencido de tal forma que parece que estamos a ser meros autômatos. Se Deus assim governa nossas ações, em que sentido podemos ser considerado moralmente responsáveis? Paulo afirma: "Por que se queixa ele ainda , pois quem tem resistido à sua vontade?" (Romanos 9:19). Agora, o problema levantado aqui é não apenas punir os homens por maus atos, mas também recompensá-los pelos bons atos. Se os homens não devem ser punidos por atos maus, eles podem ser recompensados por bons? Sem dúvida, Deus pune e premia, portanto, os homens são moralmente responsáveis. Ou estaria Ele punindo e premiando aquilo ou aquele sem o devido merecimento? 1c) A soberania de Deus na história de Israel Se excluirmos declarações proféticas que ainda por cumprir, a história de Israel começa e termina com evidências muito claras da onipotência de Deus. A escolha de Jacó ao invés de Esaú é revelada em Romanos 9:11-13 e parece ter sido baseado inteiramente sobre a vontade de Deus e não sobre o mérito ou não das pessoas em causa. A história de Israel termina (com a ressalva acima) com a rejeição de seu Rei, um ato pelo qual eles suicidaram nacionalmente, um estado de "morte", em que eles vão permanecer como uma nação até aquele tempo futuro chega quando eles serão "nascido em um dia" (Salmo 22:31 / Isaías 66:8). Este ato suicida é afirmado em termos inequívocos, ter sido de acordo com a vontade específica e deliberada de Deus (Atos 2:23; 4:27,28). Entre esses dois eventos intervieram cerca de quinze séculos de história, dos quais cerca de mil anos é descrito em detalhes nas Escrituras. É na maior parte, um registro de alta resolução, grandes livramentos, o fracasso repetido e julgamento cada vez mais catastrófico. Essa história remete a uma nação, mas na experiência se aplica agora a cada um de nós pessoalmente. Um estudo da história do povo escolhido de Deus tem uma influência direta sobre as formas em que Deus trata conosco. Tal estudo revela o fato surpreendente que Deus pré-determinou, não só os nossos triunfos, mas também nossas falhas mais críticas. Quando o tempo de sua libertação divinamente prometido chegou, o único homem que poderia assinar o mandado de libertação foi persuadido a não fazê-lo, e Deus disse: "Fui eu que reforçou a sua vacilante ação" Quando eles deveriam ter se unido, eles foram divididos e Deus disse: "Essa coisa é de Mim". Quando eles deviam ter tomado suas posses, eles foram impedidos de fazê-lo, e Deus disse: "Esta é a minha vontade." Quando grandes líderes foram enviadas para restaurar a sua independência tais homens às vezes falhavam miseravelmente, e Deus disse: "Eu trouxe isso para acontecer". De fato Isaías pode ter tido isso em mente quando ele se refere a "sua obra estranha"(Isaías 28:21). Vamos examinar os pontos na história de Israel que refletem esta circunstância. Como já foi dito, a história de Israel começa com a eleição de Jacó e a rejeição de Esaú. A Palavra de Deus diz: "Amei Jacó, mas odiei a Esaú" (Romanos 9:13). Isso é revelado para ser uma decisão tomada pelo Senhor antes de qualquer um dos dois filhos ter nascido. A decisão foi, de fato, uma reversão do procedimento normal, porque Esaú era tecnicamente o primogênito (Gênesis 25:25), mas esta circunstância foi posta de lado através de uma ação por parte de Jacó que era totalmente desprezível, onde ele enganou seu pai envelhecido em dando- lhe uma bênção irrevogável e, assim, tornou-se legalmente o primogênito (Gênesis 27). Parece estranho fato de que os propósitos de Deus deve finalmente ser cumprida por um dispositivo tão perverso; ainda, como veremos, o mesmo padrão de eventos apareceu novamente no final da crucificação.
  11. 11. 11 Ao longo do tempo, Jacó levantou uma grande família, incluindo doze filhos famosos. Quando os dez mais antigos desses filhos cresceram, eles revelaram algo de disposição de seu pai, mostrando pouca hesitação em tirar proveito de uma situação, mesmo à custa de um irmão. Uma oportunidade se apresentou para a venda de José, cuja bondade essencial foi, infelizmente, não reforçada por qualquer grande senso de modéstia. Sua alta opinião de seu próprio destino desafiou seus irmãos para se certificar de que ele seria completamente errado; para ter certeza de que ele nunca iria se tornar mestre deles como ele se gabou ele (Gênesis 37:2 ss.), eles o venderam como escravo para alguns midianitas que estavam em seu caminho para o Egito (Gênesis 37:27,28). A resto da história é bastante familiar, mas o que pode ter esquecido é o fato de que todas as circunstâncias essenciais de atendimento foram divinamente conduzidos. No devido tempo, a fome trouxe os irmãos de José para o Egito, onde ele era agora o primeiro- ministro. Após uma série de incidentes que profundamente agitou suas consciências, José revelou-se a seus irmãos e, em seguida, fez esta observação quando viu a sua preocupação (Gênesis 45:5,7,8): “Assim não fostes vós que me enviastes para cá, senão Deus.” Cada filho de Jacó fez o que quis fazer; no entanto, suas ações cumpriram exatamente os propósitos de Deus, que, assim, trouxe o bem do mal. Mais tarde, José deixou isso claro quando disse: "Vós, na verdade, intentastes o mal contra mim; porém Deus o tornou em bem, para fazer, como vedes agora, que se conserve muita gente em vida." (Gênesis 50:20) A própria fome não foi um acidente. Salmos 105:16,17 revela que Deus não apenas previu mas enviou a fome: "Além disso, chamou a fome sobre toda a terra: retirou-lhes todo o sustento do pão." José morreu, mas os israelitas multiplicaram enormemente em sua nova casa temporária. No entanto, não era o plano de Deus que eles deveriam permanecer ali, e assim como diz o Salmo 105:25, Deus levantou deliberadamente um espírito de anti semitismo no Egito. Parece uma forma tão diabólico de nacionalismo que se hesitaria em imaginar que Deus pudesse ser responsável por ela. No entanto, está escrito: "Ele voltou seu coração para que odiassem o seu povo, e tratassem astutamente aos seus servos." E assim Deus levantou Moisés como seu grande libertador. Depois de uma exibição do Seu poder, Deus dirigiu a Moisés para falar com Faraó para deixar Seu povo ir. Mas Deus não tinha a intenção de tirar Israel facilmente. A fim de mostrar o Seu poder, Ele fortaleceu Faraó para resistir à Sua vontade. Esta foi a razão pela qual o faraó vacilou (Êxodo 9:16). No Novo Testamento (Romanos 9:17), a referência para esse evento deixa bem claro que Deus estava por trás da resistência do Faraó - não Faraó. De fato, a palavra grega traduzida como "te levantei" é mais específico e significa "energizei". Será que Deus tem o direito de puni-lo? A resposta é que Deus não puniu seus atos, embora ele fosse responsável por eles, mas ele puniu os seus motivos. Então Deus libertou Israel com uma grande exibição de poder, uma experiência que serviu de uma maneira muito real para uni-los e dar-lhes um sentimento de nacionalidade. Seguiu-se a viagem através do deserto, um deserto de serpentes abrasadoras e de escorpiões e seca, um grande e terrível deserto de fato, como a experiência era provar. Mas por que tal tribulação, quando afinal foi Deus quem os trouxe? Deuteronômio 8:2,3 dá a resposta: "Recordar-te-ás de todo o caminho pelo qual o SENHOR, teu Deus, te guiou no deserto estes quarenta anos, para te humilhar, para te provar, para saber o que estava no teu coração, se guardarias ou não os seus mandamentos. Ele te humilhou, e te deixou ter fome, e te sustentou com o maná, que tu não conhecias, nem teus pais o conheciam, para te dar a entender que não só de pão viverá o homem, mas de tudo o que procede da boca do SENHOR viverá o homem." Apesar de ter sido sua pecaminosidade que trouxe esses males sobre eles, mas eles vieram por desígnio de Deus para que Ele pudesse fazer-lhes bem. Deus é capaz de fazer o bem e
  12. 12. 12 o mal em um e ao mesmo tempo (Isaías 41:23). Deus queria lhes ensinar a ter dependência Dele e de sua Palavra. Quando Israel finalmente chegou à fronteira da Terra Prometida, alguém poderia ter pensado que Deus lhes daria um camilho livre e fácil para adentrar a terra. Em vez disso, encontraram o rio que tinham que atravessar em dilúvio na época (Josué 3:15)! Para depois encontrar inimigos armados, fortalecidos e dispostos a reagir. Mas Josué 11:20 revela por que: "Foi do Senhor a endurecer o coração [os corações destes reis já na terra], para que viessem à guerra contra Israel, para que pudesse destruí-los totalmente." Isso é justo? Mas esses reis não estavam lá apenas para provar a fé dos israelitas. Deus tinha outros fins também. Enquanto em Juízes 2:20-23 é revelado que alguns destes reis sobreviveram como consequência do fracasso de Israel, também é claro que Deus tinha Seus próprios propósitos em não dar-lhes a vitória total sobre seus inimigos: "Eu também doravante não vou expulsar de diante deles nenhuma das nações que Josué deixou quando morreu; que através deles eu possa provar a Israel." Também é revelado em Êxodo 23:29, no entanto, que Deus tinha se preocupado pelo bem-estar de Israel em outras formas. Havia um perigo imprevisto em qualquer vitória alcançada muito rapidamente: "Eu não os lançarei de diante de ti em um ano, para que a terra não se torne em deserto, e as feras do campo não se multipliquem contra ti." (TODOS OS PRINCÍPIOS DE DEUS SÃO PRINCÍPIOS DE PROTEÇÃO). No devido tempo, sob Salomão nacionalidade foi alcançado e uma verdadeira medida de respeito dos povos ao redor. O templo foi construído e à adoração do único e verdadeiro Deus estabeleceu no meio do politeísmo. Este foi a Idade de Ouro de Israel. Mas foi de curta duração. Uma grave divisão entre as seções do norte e do sul do reino veio à tona, em grande parte por causa da falta de humildade por parte dos Roboão. Em 2 Crônicas 10 os detalhes da loucura deste homem são delineadas. Parece possível que a divisão entre Israel e Judá poderia ter sido evitado, ou pelo menos adiada, se o rei tivesse escutado o conselho dos homens mais velhos e mais sábios da comunidade. Mas ele estava muito orgulhoso e teve seus conselhos como um desafio à sua autoridade. O que é principalmente importante para os nossos propósitos é a declaração do versículo 15, que diz: "Assim o rei não deu ouvidos ao povo, porque isto vinha de Deus". Isto parece uma afirmação estranha...Roboão estava determinado a restabelecer a unidade que seu pai tinha conseguido tão gloriosamente e que deve ter parecido tão apropriado, pois só em um lugar poderia o testemunho do Senhor ser mantida, e que estava em Jerusalém. As tribos do norte não poderiam criar um centro independente de adoração. Mas Deus disse: "Fala a Roboão, filho de Salomão, rei de Judá, e a todo o Israel em Judá e Benjamim, dizendo: Assim diz o SENHOR, não deve subir nem lutar contra seus irmãos; volte cada um para a sua casa, porque eu é que fiz isto." (2 Crônicas 11:3,4) Alguns séculos mais tarde, o palco estava montado para a vinda do Senhor. Havia um ar de expectativa em Israel. Certamente Deus iria finalmente falar com as nações através do povo eleito, que ansiava pelo Rei prometido que iria restaurar a sua independência e missão. Mas a rejeição de seu Messias quando Ele veio foi o equivalente a um suicídio nacional. Para aqueles em Israel que eram crentes, deve ter parecido como que de uma hora para outra dois mil anos de história, de repente perdeu todo o significado. Se Deus tivesse sido forçada a mudar seus planos? Não, Deus não havia mudado seus planos, Ele estava perfeitamente dentro deles: "Ele, que foi entregue pelo determinado conselho e presciência de Deus, vós tomaram, e pelas mãos de injustos O crucificaram e mataram" (Atos 2:23). Observe aqui que era pelo conselho predeterminado, e não apenas a presciência de Deus; e foi pelas mãos de "maus" que foi alcançado o conselho de Deus: “Porque verdadeiramente contra o teu santo Servo Jesus, ao qual ungiste, não só Herodes, mas também Pôncio Pilatos com os gentios e os povos de
  13. 13. 13 Israel, se reuniram para fazer exatamente o que tua mão e o teu conselho tinham anteriormente determinado que devia ser feito.” É difícil pensar em como isso poderia ter sido mais explicitamente declarado. Mesmo as palavras de Pedro de abertura, "porque, na verdade" parecem deliberadamente para sublinhar o que era para ser revelado. Assim terminou a primeira grande era da história do povo eleito. Como Romanos 11:19 nos diz, os ramos originais foram quebrados a fim de que pudéssemos ser enxertados; e para que, no final, a bênção dos gentios pode levar à conciliação de Israel trazendo-os para uma nova relação que de outra forma não teria sido possível. Para o Calvário era tanto uma necessidade - se o pecado era para ser perdoado - ainda impossível, mas por isso mesmo pecado! Se não fosse por sua rejeição de seu próprio Messias pelo povo eleito, não teria havido nenhum motivo para perdoá-los (ou nós) para todos os outros atos de maldade, egoísmo e falta de fé. Então inescrutável são os caminhos de Deus. Como Paulo explodiu em sua maravilhosa conclusão do décimo primeiro capítulo de Romanos: “Ó profundidade da riqueza, tanto da sabedoria como do conhecimento de Deus! Quão insondáveis são os seus juízos, e os seus caminhos últimos descobrir! Para todas as coisas são Dele, e por Ele, e para Ele, a quem seja a glória para sempre. Amém.” 1d) A soberania de Deus na história pessoal Qualquer consideração sobre a onipotência de Deus na vida das pessoas logo se torna uma consideração da predestinação. Para muitas pessoas a idéia de que Deus coagir alguém é repugnante, uma invasão do nosso direito de autodeterminação. Felizmente para nós, Deus não ignora este direito em certos pontos críticos, especialmente em matéria de nossa salvação - caso contrário nenhum de nós seria salvo. As Escrituras deixam claro que Deus tem intenções que estamos predestinados a cumprir exatamente. Sua presciência permite-nos usar para servir a esses propósitos da melhor maneira possível e para o nosso próprio bem melhor, mas esta presciência não é a base de nossa eleição. A base de Sua escolha de um indivíduo para a salvação em vez de outra recai exclusivamente em seu próprio decidir. Supor o contrário é convidar a idéia perigosa e totalmente anti-bíblica de que existe alguma superioridade moral ou espiritual nos eleitos que escolhe-los e torna-los mais particularmente digno do favor de Deus (1 Coríntios 4:7). Mas Romanos 9:18-21 nos assegura que não: “Logo, tem ele misericórdia de quem quer e também endurece a quem lhe apraz... Ou não tem o oleiro direito sobre a massa, para do mesmo barro fazer um vaso para honra e outro, para desonra?” É da mesma massa de matéria-prima que pecador e santo iguais são moldados; a escolha deve descansar inteiramente com Deus, e com base no que está escondido de nós. Mas o que os incrédulos? Eles supõem que estão agindo como agentes totalmente livres, quando na realidade eles são, inspirados por Satanás. (Efésios 2:2b) Eles supõem que eles estão agindo como agentes totalmente livres, quando na realidade eles são, provavelmente indiretamente inspiradas por Satanás. Satanás pode supor que ele está realizando alguma medida de vitória contra o Senhor. As Escrituras levam um passo mais longe e mostra que Satanás está trabalhando apenas com permissão e que tal permissão é concedida por nenhuma outra razão do que a glorificação final de Deus no aperfeiçoamento dos santos. Assim, no Antigo Testamento, os falsos profetas eram, por vezes nomeado para seduzir Israel para servir a outros deuses, e da força do seu apelo foi reforçado por milagres que permitiu o próprio Deus. (Deuteronômio 13:1-3 ) Mas tal permissão não foi dada sem antes uma advertência aos filhos de Israel que a sua devoção ao único e verdadeiro Deus agora e, em seguida, ser testados por este próprio meio. Isso aconteceu também no Novo Testamento, onde foram introduzidas até mesmo heresias para que os que foram aprovados de Deus se manifeste por contraste. (I Coríntios 11:19)
  14. 14. 14 É claro que tais heresias não desenvolver para além dos indivíduos que os introduzidas, e, sem dúvida, aqueles cedo santos nunca teria recebido esses homens tivessem tido conhecimento de seu caráter. Mas Judas diz que estes homens se introduziram com dissimulação - ". Que eram antes de idade, ordenados para esta condenação", mas não sem a permissão de Deus, para (Judas 4) Esses homens se tornaram "uma pedra de tropeço e rocha de escândalo" para os associado com os filhos de Deus que não tinha realmente se humilharam. Foi para fazer essas pessoas manifesto que estes homens foram nomeados. (Pedro 2:8) Para muitos homens o caminho da salvação era ofensivo. Estes homens eram sábios do mundo, sábios a seus próprios conceitos. A partir de tais homens que Deus tenha deliberadamente escondido a verdade durante tanto que parecia bem aos seus olhos. (Mateus 11:25) Israel como uma nação - por razões que podemos apenas vagamente discernir - foi de algum modo cego e endurecido de coração contra qualquer reconhecimento de seu próprio Messias . (João 12:39,40) Essa cegueira continua em nossos dias. A sua continuidade parece ser o resultado de uma ação deliberada da parte de Deus, (Romanos 11:32) que através dela Ele pode, no final, tem misericórdia de um maior número de pessoas, os gentios, no presente, Israel no futuro. Há nunca qualquer palavra falada contra a verdade; nem há qualquer sabedoria ou compreensão ou conselho contra o Senhor, não importa o quão grave a situação pode aparecer a qualquer momento. (Provérbios 1:30 2) Quando o Senhor diz que Ele vai fazer, não há ninguém que possa livrar-me da sua mão e ninguém que possa impedi-lo; quando tais planos envolvem as ações dos homens ímpios, nem todas as orações de todos os santos podem desviar esses homens de completar o seu trabalho mal. (Eclesiastes 7:13) Nada, nada no universo, poderia ter evitado o ato mais cruel da história da humanidade, a crucificação, porque era uma parte essencial do plano de Deus. Mas cada um é responsável por suas escolhas e ações. (Mateus 18:07 e 2 Pedro 2:12) ainda que o planejamento seja divino, como diz Paulo (Romanos 9:22,23): "Que diremos, pois, se Deus, querendo mostrar a sua ira e dar a conhecer o seu poder, suportou com muita longanimidade os vasos de ira, preparados para a perdição, a fim de que também desse a conhecer as riquezas da sua glória em vasos de misericórdia, que para glória preparou de antemão." São homens que, por toda a sua maldade, simplesmente estão cumprindo a Sua vontade. Os “certos indivíduos dissimulados” (Judas 4) que se infiltram no rebanho da Igreja (Atos 20:28-30) para lhe causar dano “desde muito foram antecipadamente pronunciados para esta condenação” pelo próprio Deus! Pedro se refere aos judeus que se recusam a receber a Jesus Cristo como “desobedientes, para o que também foram postos” (1 Pedro 2:8). Estes homens recebem a permissão para liberdade de escolha e ação para que as Escrituras e a vontade de Deus se cumpram: “Estando eu com eles no mundo, guardava-os em teu nome. Tenho guardado aqueles que tu me deste, e nenhum deles se perdeu, senão o filho da perdição, para que a Escritura se cumprisse.” – João 17:12/6:70,71, como é o caso de Judas Iscariotes. Assim, cada déspota ou perseguidor que já tenha buscado o mal ou a destruição, de Israel, da Igreja, do judeu, do crente ou das igrejas, é um agente do mal, a serviço de Satanás e é responsável por suas intenções e disponibilidade para a prática do mal. Mas que no entanto, está sob o decreto predeterminado de Deus para agir daquela forma. Então, além de citar os falsos profetas e os falsos mestres, o Israel incrédulo e Judas, poderíamos acrescentar Jezabel, Atalia, Hamã, os inquisitores, Hitler...o Anticristo. Enfim, todos aqueles que lutaram e lutarão contra Israel e a Igreja, ou melhor contra Deus e o Cordeiro, porque isto dá cumprimento a vontade de Deus em todos os níveis já citados (no universo, no mundo, em Israel e em cada pessoa).
  15. 15. 15 1e) A soberania de Deus e a responsabilidade humana  Isaías 10:5-18 “Ai da Assíria, cetro da minha ira! A vara em sua mão é o instrumento do meu furor. Envio-a contra uma nação ímpia e contra o povo da minha indignação lhe dou ordens, para que dele roube a presa, e lhe tome o despojo, e o ponha para ser pisado aos pés, como a lama das ruas. Ela, porém, assim não pensa, o seu coração não entende assim; antes, intenta consigo mesma destruir e desarraigar não poucas nações. Porque diz: Não são meus príncipes todos eles reis?...Por isso, acontecerá que, havendo o Senhor acabado toda a sua obra no monte Sião e em Jerusalém, então, castigará a arrogância do coração do rei da Assíria e a desmedida altivez dos seus olhos; porquanto o rei disse: Com o poder da minha mão, fiz isto, e com a minha sabedoria, porque sou inteligente; removi os limites dos povos, e roubei os seus tesouros, e como valente abati os que se assentavam em tronos. Meti a mão nas riquezas dos povos como a um ninho e, como se ajuntam os ovos abandonados, assim eu ajuntei toda a terra, e não houve quem movesse a asa, ou abrisse a boca, ou piasse. Porventura, gloriar-se-á o machado contra o que corta com ele? Ou presumirá a serra contra o que a maneja? Seria isso como se a vara brandisse os que a levantam ou o bastão levantasse a quem não é pau!” Esta passagem é uma bela ilustração de como Deus usa os ímpios para realizar um trabalho mal para o bem final do Seu povo, mas para o qual o executor é justamente punido. Considere algumas das frases nessa passagem que são significativos a este respeito: No versículo 5 Assíria é a vara de Deus, o instrumento pelo qual na sua ira Ele vai castigar Israel. Assim, no versículo 6, é o Senhor que o manda para assolar e humilhar Israel. No entanto, os versículos 7 e 8, salientam de forma muito clara que o monarca assírio não tinha idéia de que ele estava sendo usado como a vara de Deus; em sua própria mente que ele era um rei triunfante agindo como um agente totalmente livre. Mas porque ele escolheu fazer o que ele fez com total disposição, na verdade, com grande prazer, ele estava agindo como um agente livre. Como tal, ele era inteiramente culpado. Então, o que era punível no homem? Seus feitos? Ou os seus motivos? O versículo 12 mostra que ele era o seu motivo; a escolha de palavras para deixar isso claro é importante: "castigará a arrogância do coração do rei da Assíria”. A importância da distinção entre as ações e os motivos não pode ser subestimada. David, que desejava construir um templo para o Senhor, não foi permitido porque ele tinha sido um homem de guerra (1 Crônicas 28:3), mas ele recebeu crédito porque estava em seu coração para fazê-lo (2 Crônicas 6: 8). Jonas pelo contrário se recusou a ir a Nínive; mas ele acabou em Nínive. E, embora ele era responsável perante Deus para o que deve ter sido a campanha evangelística de maior sucesso já concluída no Velho Mundo, Jonas foi depois repreendido como um indivíduo mais indigno. A experiência de Jonas ilustra exatamente uma declaração feita por Paulo a respeito de seu próprio ministério: Em 1 Coríntios 9:16,17 (“Porque, se anuncio o evangelho, não tenho de que me gloriar, pois me é imposta essa obrigação; e ai de mim, se não anunciar o evangelho! Se o faço de livre vontade, tenho galardão; mas, se constrangido, é, então, a responsabilidade de despenseiro que me está confiada.”) Paulo apontou que embora ele pregasse o evangelho com tanto sucesso, ele não tinha nada a se gloriar, esta necessidade foi colocada sobre ele. Então ele disse: "Se eu fizer isso por vontade própria, tenho recompensa; mas, se contra a minha vontade, a dispensação do evangelho me é confiada." A pregação do evangelho era uma responsabilidade atribuída a ele, e ele não podia evitá-lo - se ele fez isso, querendo ou não. Mas, se isso foi feito de boa vontade, então essa responsabilidade tornou-se voluntária e, como agente livre, será recompensado. Paulo se encontrava, em grande parte, na mesma posição que Balaão (Números 23:19 e ss.), ao qual Deus havia dito para dizer o que Ele queria queria que fosse dito (versículo 26). Este incidente ilustra um outro ponto, a saber, que onde quer que Ele achar melhor, Deus não anula apenas as ações dos homens, mas até mesmo as suas palavras. Assim Caifás falou a palavra de Deus (João 11:51) por causa de
  16. 16. 16 sua posição como o sumo sacerdote naquele ano, embora a julgar pelo seu entusiástico apoio daqueles que procuravam destruir seu filho, ele certamente não era amigo de Deus. Isso nos leva a ainda um outro ponto, que é o que o servo pode fazer a vontade de Deus sem compreendê-lo, mas um amigo de Deus pode ir um passo além e escolher a Sua vontade. Mas ele escolhe apenas porque, como um amigo, ele tem permissão para conhecê-lo (João 15:15: "De agora em diante eu chamo você não servos, porque o servo não sabe o que o seu senhor faz, mas tenho-vos chamado amigos.") O ponto é muito bem ilustrado no caso de Abraão, a quem Deus disse: "Devo esconder de Abraão o que eu faço?" (Gênesis 18:17) - que está em perfeita harmonia com o fato de que, de acordo com Tiago 2:23, Abraão foi chamado amigo de Deus. A mesma distinção essencial entre servos e amigos pode ser encontrado também no Salmo 103:7, onde está escrito: "O Senhor deu a conhecer os seus caminhos a Moisés, e os seus feitos aos filhos de Israel." Este não é apenas um jogo de palavras; em Hebreus 3:9-10 o fato é reafirmado, pois está escrito que os israelitas do passado viram suas obras por quarenta anos, mas eles não sabiam Seus caminhos. Moisés, por causa de sua proximidade com o Senhor, era capaz de não ver apenas o que Deus estava fazendo, mas por que Ele estava fazendo isso; com essa visão mais profunda ele podia entrar voluntariamente nos planos de Deus e participar de uma forma que era totalmente diferente. Então, muitas vezes supomos que é o suficiente ter feito a vontade do Senhor, mas aqueles que com aparentemente justificação completa podem dizer: "Fizemos tudo o que foi ordenado" (Lucas 17:10), ainda tiveram que admitir que eram "servos inúteis". É evidente a partir de Mateus que o estrito cumprimento da vontade do Senhor pode não ser suficiente para ganhar o seu louvor. O que a Palavra de Deus ensina no que diz respeito ao Plano Diretor, é que a liberdade do homem não é uma liberdade de ação é uma liberdade de escolha. Existem ações que os homens se determinam a executar e não o conseguem por interferência direta de Deus. Como foi o caso de Saulo a caminho de matar os crentes, como será o caso do Anticristo no final da tribulação e como foi o caso de Senaqueribe (Isaías 37). O pecado do mundo não é que ele deixa de fazer a vontade de Deus; o pecado do mundo é que o homem não escolhe a vontade de Deus. Em Isaías 10, o rei da Assíria estava contente de fazer o que fez porque lhe convinha seus próprios fins, e, nesse sentido, ele foi o escolhido para fazer a vontade de Deus - que era a de punir o povo de Israel. Algumas partes da vontade de Deus, incluem a execução de obras que só podem ser descritas como um mal. Tais ações são tanto uma parte do plano de Deus, como as boas ações. A crucificação era um desses. O que condena o homem não é o fato em si, mas os motivos que lhe deram origem. Eles não tinham nenhuma intenção de cumprir deliberadamente a vontade de Deus: eles procuravam apenas para dar expressão à sua inimizade contra ele. Este foi o motivo. A maldade de uma ação é sempre o motivo, não o próprio ato. O ato em si tanto pode ser mau ou bom, dependendo do efeito que tem sobre os outros. Ele é injusto ou justo, dependendo inteiramente sobre o seu motivo e, portanto, seu efeito sobre o próprio agente. Há uma diferença muito importante entre si uma ação e o motivo por trás dele. O centurião que estava em última análise, responsável pela realização da crucificação do Senhor realizou uma coisa má. Mas, a julgar pelo seu reconhecimento posterior da verdadeira identidade do Senhor, pode-se supor que
  17. 17. 17 ele não tomou prazer em que ele foi chamado para fazer. O ato mal que ele fez não foi, portanto, um pecado, porém, foi, certamente, um mal. É muito importante reconhecer a diferença entre o mal e o pecado, entre a bondade e a justiça; e é igualmente importante reconhecer a diferença entre um bom homem e um homem justo, uma distinção que as Escrituras têm o cuidado de observar. Quando Paulo estava escrevendo aos Romanos, ele disse: "Dificilmente, alguém morreria por um justo; pois poderá ser que pelo bom alguém se anime a morrer." (Romanos 5:7). A experiência nos diz que a maioria das pessoas são muito mais gentilmente dispostas para um homem bom do que para um homem justo. Um homem bom pode proteger um amigo, dizendo uma mentira, e embora saibamos que é uma mentira, ainda pensar no homem como bom. Mas um homem completamente justo seria forçado a dizer a verdade custe o que custar, seja para si mesmo ou seu amigo. No Senhor Jesus, bondade e justiça mistura perfeitamente, de modo que tudo o que era bom nele também era perfeitamente justo. Mas não é assim com o homem. O que parece ser uma boa ação pode não ser reflexo da justiça pois pode ter sido feito com segundas intenções. Da mesma forma não podemos julgar más ações, pois por vezes, os motivos podem ser justos. Consequentemente, o Senhor distingue continuamente entre atos e motivos, elogiando o que os fariseus condenavam, e condenando o que eles pensavam que era justo. Eles não podiam compreender a base do Seu perdão, porque eles estavam pensando em termos de ações. Quando Ele perdoava um ato que para eles era imperdoável. Na realidade, Ele não estava perdoando o ato em todos, mas apenas o agente perdoado em questão, e que Ele estava perdoando foi o motivo que fez o ato de um pecador. Isto é sempre o que condena e isso é sempre o que precisa de perdão. A dificuldade de julgar o verdadeiro significado de qualquer ação à luz da eternidade é tão grande que Paulo foi solicitado a escrever, "Nada julgueis antes do tempo" (1 Coríntios 4:5). Males nem sempre resultam diretamente do pecado. Quando os discípulos encontraram um homem que nasceu cego, eles estavam em um dilema. Deus havia declarado como um simples fato de que os pecados dos pais serão visitados sobre os filhos (Deuteronômio 5:09 e Êxodo 20:5). No entanto, os filhos de Israel vieram a generalizar este conceito, a ponto de acreditar que isso significava que sempre que uma pessoa sofreu, eles devem culpar, não em si, mas a seus pais! Jeremias foi instruído a corrigir isso: "Naqueles dias, já não dirão: Os pais comeram uvas verdes, e os dentes dos filhos é que se embotaram. Cada um, porém, será morto pela sua iniquidade; de todo homem que comer uvas verdes os dentes se embotarão."(Jeremias 31:29,30). Isso explica por que os discípulos estavam tão perplexos: um homem que nasceu cego, obviamente, não tinha feito algo errado se para merecer a condição, e Jeremias tinha dito que seus pais não podiam ser responsabilizados também. Então, quem pecou? Quem foi o responsável? A surpreendente resposta que o Senhor deu é gravado de forma simples e sem desculpas: "Nem ele pecou, nem seus pais, mas que as obras de Deus se manifestem nele." (João 9:1-3) É difícil para nós conceber de Deus impor sobre os homens qualquer tipo de aflição quando eles não merecem. E, no entanto Escritura é cheio de ilustrações do mesmo. Por exemplo, Jó que se recusou a acusar Deus de qualquer injustiça, mesmo insistindo em sua própria inocência. Em resposta a sua esposa, que incentivou a amargura, ele disse: "O quê? Receberemos bom na mão de Deus, e não receberemos o mal?" (Jó 2:10). Será que Deus realmente faz o mal, então? Considere Amos 3:6: "Sucederá algum mal à cidade, sem que o SENHOR o tenha feito?" O verbo é 'asah, "nomear", “designar”, “determinar”.
  18. 18. 18 Considere Lamentações 3:37,38: "Quem é aquele que diz, e assim acontece, quando o Senhor o não mande?Acaso, não procede do Altíssimo tanto o mal como o bem?" Ou Isaías 45:7, onde está escrito: "Eu formo a luz e crio as trevas; faço a paz e crio o mal; eu, o SENHOR, faço todas estas coisas." Uma e outra vez no Antigo Testamento, lemos sobre os males que o Senhor trouxe sobre Israel, ou males que ele planejava fazer se eles continuassem na sua maldade, mas que o seu arrependimento posterior tornou desnecessário. A verdadeira dificuldade em aceitar estas declarações vem a partir de uma confusão de mal com o pecado. O mal é apenas um evento em sua perspectiva histórica - não em sua perspectiva moral. Quando Deus faz o mal nas Escrituras, é o mal, no sentido de que só parece ser uma coisa indesejável. O ponto de todas estas declarações um tanto enigmáticas é que não há nada de injusto da parte de Deus, quando Ele castiga os homens, apesar de sua punição parecer estar associado diretamente com a realização de Sua vontade. A razão pela qual isto é assim deve ser claro a partir do que foi dito acima. Um ato mal em que o homem tem prazer torna-se iníquo. É a maldade que é punido, e não o ato. Isto responde a uma pergunta que Paulo, "Dirás então para mim, Por que se queixa ele ainda? Para quem tem resistido à sua vontade?" (Romanos 9:19). Por uma questão de fato, um homem pode até ser condenado por ter feito um bom trabalho. Os filhos de Israel foram instruídos a destruir alguns dos seus inimigos totalmente. Mas, na "bondade" do seu coração e supondo-se ser mais sábio do que Deus, eles pouparam alguns deles. Eles não os pouparam, porque Deus lhes disse, mas porque eles queriam. Sem dúvida, a partir de um ponto de vista humano, seria julgar tal ação misericordiosa tão bom. Mas é decepcionante para ler em Mateus 7:21- 23 como haverá no julgamento final aqueles que vêm diante de Deus e protestar: "Senhor, Senhor, temos feito muitas boas obras em Teu nome. "Mas Jesus dirá:" Apartai-vos de mim, vós que praticais a iniquidade...Nunca vos conheci." Eles não foram acusados de fazer o mal, mas de agir pecaminosamente, ou seja, trabalhando a iniquidade. Paulo recebeu críticas por oferecer a graça que se baseia exclusivamente na obra consumada de Jesus Cristo, por abrir a oportunidade de licenciosidade e libertinagem diante da exclusividade da ação de Deus no processo da salvação: "se o bem vem do mal por causa da graça de Deus, então vamos fazer o mal que venha o bem" (Romanos 3:8). Paulo também colocá-lo desta maneira: "Se a verdade de Deus abundou mais pela minha mentira à Sua glória - por que, então sou eu para ser julgado como pecador?" (Romanos 3:7). Em outras palavras, se quando fazemos algo mal Deus transforma-lo para o bem e adquire maior glória, assim, como se poderia haver de errado em fazer uma coisa má? Bem, se o juízo de Deus dependia ações, isso pode na verdade ser verdade. E Deus pode ser deixado sem qualquer base para julgar o mundo (v. 6). Mas o julgamento de Deus não é baseada em ações em tudo; ele é baseado em motivos e, portanto, sempre que for necessário para o cumprimento de Seus propósitos para alguma má ação a ser realizada, em sua onipotência Ele pode predeterminar que assim será, sem a menor grau entregando Seu direito de condenar caso ele tenha prazer no mal. Como vimos, por outro lado da razão, há muitas boas ações que fazem parte do Plano Diretor. Para a maior parte, pensar, os filhos de Deus são preordenados a fazer apenas boas ações. Estas são as "boas obras" de Efésios 2:10. Os filhos de Deus devem, em suma, "produzir os frutos". Se quisermos ser rigorosamente exatos, devemos antes dizer que estes frutos serão produzidos pelo Espírito Santo (Gálatas 5:22,23); mas o processo pelo qual o Espírito Santo consegue isso em nós é a nossa resposta ao que Deus aponta para nós fazermos. No entanto, esta não é a única maneira pela qual o caráter cristão é aperfeiçoado. As coisas más que fazemos também são usados sempre que Deus permite que as consequências deles para resultem em nossa edificação. Em seguida, essas consequências não são para ser pensadas como castigos, mas como sendo permitidas por Deus em Sua graça para que possamos ser feitos a semelhança de Cristo. O propósito de Deus em nos chamar para ser cooperadores com Ele durante a presente época não é simplesmente que o trabalho aparente que Ele coloca diante de nós pode ser realizado. É, pelo contrário, que, na realização deste trabalho, podemos estar preparados para o nosso Senhor e para o trabalho final
  19. 19. 19 na era por vir. Por isso, a época atual é disciplinar ao invés de executiva. Somos discípulos, isto é, os alunos, mais do que nós somos trabalhadores no presente. Algumas conclusões 1. A vontade de Deus é feita pelo salvos e os perdidos da mesma forma. 2. A vontade de Deus, nesse sentido, é a Sua intenção. É representada no Novo Testamento pelo substantivo grego thelema como distinta da que ele gostaria, que é representado pelo uso do verbo grego boulomai (contraste, por exemplo, Atos 22:14 e 2 Pedro 3:9). Sua intenção é sempre relacionado com seu plano. 3. Em todas as ocasiões em que as ações de um homem se relacionam com qualquer aspecto deste Plano Diretor, tais ações são anuladas. A liberdade que ele tem é só na atitude que ele leva para o que ele faz. 4. Sempre que as ações do homem não estão interferem negativamente com este Plano Diretor, presumivelmente o homem é um agente livre. 5. Cada indivíduo tem uma contribuição nomeada para fazer, e essa contribuição será feita. Como Agostinho observou com razão: "O homem é imortal até que seu trabalho esteja feito." Isso se reflete em passagens tais como Jó 14:06 e Atos 13:36. 6. Nos desígnios de Deus, há algumas coisas boas e algumas coisas ruins que devem ser feitas. O bem ou o mal da natureza dessas coisas é determinado pelo seu efeito histórico; a justiça ou pecaminosidade dessas ações é determinada pela sua motivação. A responsabilidade moral que atribui a eles está ligada a condição do coração quando eles são feitos. Crédito ou culpa não são determinados pelos próprios atos. Se um homem é recompensado ou punido não é dependente do mal ou o bem que ele é chamado a fazer. 7. Enquanto Deus trabalha no mundo para cumprir a Sua vontade, Ele trabalha no cristão para escolher a Sua vontade. (Filipenses 2:13). 8. O pecado do mundo não é que ele não faz a vontade de Deus, mas que ele não escolhe a vontade de Deus. 9. Uma boa ação feita a partir do coração torna-se também um ato justo. Mesmo os não salvos podem ser recompensados, embora tais recompensas são nesta vida (Mateus 10:42). Uma má ação feito a partir do coração torna-se também um pecado. 10. Quando a maldade do homem já não contribui para a glória de Deus, ele é contido. (Salmo 76:10). Finalmente: Deus opera em seus filhos não só para fazer a Sua vontade, mas também, para escolhê-la (Filipenses 2:13). Nosso novo relacionamento com Ele faz tal conhecimento possível (João 15:15) e quando nós escolhemos o que Deus estabeleceu por decreto, agimos livremente apesar da compulsão. O escravo que escolhe livremente a escravidão continua a ser um homem livre (Deuteronômio 15:16 , 17). Nossa ligação com a vontade de Deus em Cristo torna-se uma nova liberdade, por Sua vontade é perfeita obediência e perfeito para uma perfeita vontade é liberdade perfeita. Definitivamente o Deus politicamente correto criado pelo religioso consenso geral que se baseia no conceito humano caído do bem e do mal não é o Deus que se revela na Bíblia! No entanto, só vemos através de um vidro escuro...
  20. 20. 20 2) A COMPOSIÇÃO DO GOVERNO MESSIÂNICO As Escrituras têm algumas coisas a dizer sobre como será a distribuição do poder durante o governo messiânico, antes que exploremos o assunto seria bom visualizar o organograma de poder abaixo: 2a) O Messias será Rei no Milênio  Salmos 2:6 "Eu, porém, constituí o meu Rei sobre o meu santo monte Sião."  Salmos 48:2 “Formoso de sítio, e alegria de toda a terra é o monte Sião sobre os lados do norte, a cidade do grande Rei.” (conforme Mateus 5:35)  Isaías 9:6,7 "o governo está sobre os seus ombros; e o seu nome será: Maravilhoso Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz; para que se aumente o seu governo, e venha paz sem fim sobre o trono de Davi e sobre o seu reino, para o estabelecer e o firmar mediante o juízo e a justiça, desde agora e para sempre. O zelo do SENHOR dos Exércitos fará isto."  Isaías 16:4,5 "Quando o homem violento tiver fim, a destruição for desfeita e o opressor deixar a terra, então, um trono se firmará em benignidade, e sobre ele no tabernáculo de Davi se assentará com fidelidade um que julgue, busque o juízo e não tarde em fazer justiça."  Isaías 24:23 “A lua se envergonhará, e o sol se confundirá quando o SENHOR dos Exércitos reinar no monte Sião e em Jerusalém; perante os seus anciãos haverá glória.”  Isaías 33:22 “Porque o SENHOR é o nosso juiz, o SENHOR é o nosso legislador, o SENHOR é o nosso Rei; ele nos salvará.”  Ezequiel 37:22 “E deles farei uma nação na terra, nos montes de Israel, e um rei será rei de todos eles, e nunca mais serão duas nações; nunca mais para o futuro se dividirão em dois reinos.”  Daniel 7:13,14 “Eu estava olhando nas minhas visões da noite, e eis que vinha com as nuvens do céu um como o Filho do Homem, e dirigiu-se ao Ancião de Dias, e o fizeram chegar até ele. Foi-lhe dado domínio, e glória, e o reino, para que os povos, nações e homens de todas as línguas o servissem; o seu domínio é domínio eterno, que não passará, e o seu reino jamais será destruído.”  Zacarias 9:9,10 "Alegra-te muito, ó filha de Sião; exulta, ó filha de Jerusalém: eis aí te vem o teu Rei, justo e salvador, humilde, montado em jumento, num jumentinho, cria de jumenta. Destruirei os carros de Efraim e os
  21. 21. 21 cavalos de Jerusalém, e o arco de guerra será destruído. Ele anunciará paz às nações; o seu domínio se estenderá de mar a mar e desde o Eufrates até às extremidades da terra."  Zacarias 14:9 “O SENHOR será Rei sobre toda a terra; naquele dia, um só será o SENHOR, e um só será o seu nome.”  Lucas 1:31,32 “Eis que conceberás e darás à luz um filho, a quem chamarás pelo nome de Jesus. Este será grande e será chamado Filho do Altíssimo; Deus, o Senhor, lhe dará o trono de Davi, seu pai; ele reinará para sempre sobre a casa de Jacó, e o seu reinado não terá fim.” 2b) Os santos da Igreja serão co-regentes com Cristo  Marcos 14:25 “Em verdade vos digo que não beberei mais do fruto da vide, até àquele dia em que o beber, novo, no reino de Deus.”  Efésios 5:15 "Porque bem sabeis isto: que nenhum devasso, ou impuro, ou avarento, o qual é idólatra, tem herança no reino de Cristo e de Deus."  1 Tessalonicenses 2:12 “Para que vos conduzísseis dignamente para com Deus, que vos chama para o seu reino e glória.”  2 Timóteo 2:12 “Se sofrermos, também com ele reinaremos.”  Hebreus 12:28 “tendo recebido um reino que não pode ser abalado”  Tiago 2:5 “Ouvi, meus amados irmãos: Porventura não escolheu Deus aos pobres deste mundo para serem ricos na fé, e herdeiros do reino que prometeu aos que o amam?”  Apocalipse 1:6 “E nos fez reis e sacerdotes para Deus e seu Pai; a ele glória e poder para todo o sempre. Amém.”  Apocalipse 2:26-28 “Ao vencedor, que guardar até ao fim as minhas obras, eu lhe darei autoridade sobre as nações, e com cetro de ferro as regerá e as reduzirá a pedaços como se fossem objetos de barro; assim como também eu recebi de meu Pai”  Apocalipse 5:9,10 “com o teu sangue compraste para Deus os que procedem de toda tribo, língua, povo e nação e para o nosso Deus os constituíste reino e sacerdotes; e reinarão sobre a terra.” 2c) Os mártires tribulacionais ressurretos serão co-regentes com Cristo  Daniel 7:13,14 “até que veio o Ancião de Dias e fez justiça aos santos do Altíssimo; e veio o tempo em que os santos possuíram o reino.”  Apocalipse 20:4b “Vi ainda as almas dos decapitados por causa do testemunho de Jesus, bem como por causa da palavra de Deus, tantos quantos não adoraram a besta, nem tampouco a sua imagem, e não receberam a marca na fronte e na mão; e viveram e reinaram com Cristo durante mil anos.” 2d) Davi ressurreto será co-regente com Cristo  Isaías 55:3,4 "porque convosco farei uma aliança perpétua, que consiste nas fiéis misericórdias prometidas a Davi. Eis que eu o dei por testemunho aos povos, como príncipe e governador dos povos."  Jeremias 30:8,9 “Naquele dia, diz o SENHOR dos Exércitos, eu quebrarei o seu jugo de sobre o teu pescoço e quebrarei os teus canzis; e nunca mais estrangeiros farão escravo este povo, que servirá ao SENHOR, seu Deus, como também a Davi, seu rei, que lhe levantarei.”  Ezequiel 34:23,24 “Suscitarei para elas um só pastor, e ele as apascentará; o meu servo Davi é que as apascentará; ele lhes servirá de pastor. Eu, o SENHOR, lhes serei por Deus, e o meu servo Davi será príncipe no meio delas; eu, o SENHOR, o disse.”  Ezequiel 37:24,25 “O meu servo Davi reinará sobre eles; todos eles terão um só pastor, andarão nos meus juízos, guardarão os meus estatutos e os observarão. Habitarão na terra que dei a meu servo Jacó, na qual
  22. 22. 22 vossos pais habitaram; habitarão nela, eles e seus filhos e os filhos de seus filhos, para sempre; e Davi, meu servo, será seu príncipe eternamente.”  Oséias 3:5 "Depois, tornarão os filhos de Israel, e buscarão ao SENHOR, seu Deus, e a Davi, seu rei; e, nos últimos dias, tremendo, se aproximarão do SENHOR e da sua bondade." 2e) Se levantarão Juízes no Milênio  Deuteronômio 16:18 “Juízes e oficiais constituirás em todas as tuas cidades que o SENHOR, teu Deus, te der entre as tuas tribos, para que julguem o povo com reto juízo.”  Isaías 1:26 “Restituir-te-ei os teus juízes, como eram antigamente, os teus conselheiros, como no princípio; depois, te chamarão cidade de justiça, cidade fiel.”  Ezequiel 44:15,24 “Mas os sacerdotes levitas, os filhos de Zadoque, que cumpriram as prescrições do meu santuário, quando os filhos de Israel se extraviaram de mim, eles se chegarão a mim, para me servirem, e estarão diante de mim...Quando houver contenda, eles assistirão a ela para a julgarem; pelo meu direito julgarão; as minhas leis e os meus estatutos em todas as festas fixas guardarão e santificarão os meus sábados.”  Mateus 19:28 “Jesus lhes respondeu: Em verdade vos digo que vós, os que me seguistes, quando, na regeneração, o Filho do Homem se assentar no trono da sua glória, também vos assentareis em doze tronos para julgar as doze tribos de Israel.”  Lucas 22:29,30 “Assim como meu Pai me confiou um reino, eu vo-lo confio, para que comais e bebais à minha mesa no meu reino; e vos assentareis em tronos para julgar as doze tribos de Israel.”  Apocalipse 20:4 “Vi também tronos, e nestes sentaram-se aqueles aos quais foi dada autoridade de julgar.” 2f) Serão constituídas autoridades menores  Isaías 32:1 "Eis aí está que reinará um rei com justiça, e em retidão governarão príncipes."  Isaías 60:17 “os teus exatores.”  Ezequiel 45:8 “Esta terra será a sua possessão em Israel; os meus príncipes nunca mais oprimirão o meu povo; antes, distribuirão a terra à casa de Israel, segundo as suas tribos.”  Lucas 1:12,15-19 “Então, disse: Certo homem nobre partiu para uma terra distante, com o fim de tomar posse de um reino e voltar...Quando ele voltou, depois de haver tomado posse do reino, mandou chamar os servos a quem dera o dinheiro, a fim de saber que negócio cada um teria conseguido. Compareceu o primeiro e disse: Senhor, a tua mina rendeu dez. Respondeu-lhe o senhor: Muito bem, servo bom; porque foste fiel no pouco, terás autoridade sobre dez cidades. Veio o segundo, dizendo: Senhor, a tua mina rendeu cinco. A este disse: Terás autoridade sobre cinco cidades.”  Mateus 8:11 “Mas eu vos digo que muitos virão do oriente e do ocidente, e assentar-se-ão à mesa com Abraão, e Isaque, e Jacó, no reino dos céus”  Mateus 13:43 “Então os justos resplandecerão como o sol, no reino de seu Pai.”  Mateus 25:34 “Então dirá o Rei aos que estiverem à sua direita: Vinde, benditos de meu Pai, possuí por herança o reino que vos está preparado desde a fundação do mundo.”  Lucas 13:28 “Ali haverá choro e ranger de dentes, quando virdes Abraão, e Isaque, e Jacó, e todos os profetas no reino de Deus, e vós lançados fora.”  Mateus 5:25 “Entra em acordo sem demora com o teu adversário, enquanto estás com ele a caminho, para que o adversário não te entregue ao juiz, o juiz, ao oficial de justiça, e sejas recolhido à prisão.”  Mateus 5:19 “Aquele, pois, que violar um destes mandamentos, posto que dos menores, e assim ensinar aos homens, será considerado mínimo no reino dos céus; aquele, porém, que os observar e ensinar, esse será considerado grande no reino dos céus.”
  23. 23. 23  Mateus 5:22 “Eu, porém, vos digo que todo aquele que [sem motivo] se irar contra seu irmão estará sujeito a julgamento; e quem proferir um insulto a seu irmão estará sujeito a julgamento do tribunal.”  Lucas 12:58 “Quando fores com o teu adversário ao magistrado, esforça-te para te livrares desse adversário no caminho; para que não suceda que ele te arraste ao juiz, o juiz te entregue ao meirinho e o meirinho te recolha à prisão.”  Lucas 12:44 “Verdadeiramente, vos digo que lhe confiará todos os seus bens.” 2f) Haverão outros reis e autoridades menores sobre as demais nações  Isaías 60:10-16 " Estrangeiros edificarão os teus muros, e os seus reis te servirão... As tuas portas estarão abertas de contínuo; nem de dia nem de noite se fecharão, para que te sejam trazidas riquezas das nações, e, conduzidos com elas, os seus reis. Porque a nação e o reino que não te servirem perecerão; sim, essas nações serão de todo assoladas...Mamarás o leite das nações e te alimentarás ao peito dos reis; saberás que eu sou o SENHOR, o teu Salvador, o teu Redentor, o Poderoso de Jacó."  Zacarias 8:22 “Virão muitos povos e poderosas nações buscar em Jerusalém ao SENHOR dos Exércitos e suplicar o favor do SENHOR.”  Apocalipse 19:16 “Tem no seu manto e na sua coxa um nome inscrito: REI DOS REIS E SENHOR DOS SENHORES.” ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

×