Documento assinado digitalmente em 22/01/2015 17:05:29 conforme MP nº 2.200-2/2001 de 24/06/2001.
Signatário: EURICO MONTE...
Documento assinado digitalmente em 22/01/2015 17:05:29 conforme MP nº 2.200-2/2001 de 24/06/2001.
Signatário: EURICO MONTE...
Documento assinado digitalmente em 22/01/2015 17:05:29 conforme MP nº 2.200-2/2001 de 24/06/2001.
Signatário: EURICO MONTE...
Documento assinado digitalmente em 22/01/2015 17:05:29 conforme MP nº 2.200-2/2001 de 24/06/2001.
Signatário: EURICO MONTE...
Documento assinado digitalmente em 22/01/2015 17:05:29 conforme MP nº 2.200-2/2001 de 24/06/2001.
Signatário: EURICO MONTE...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Integra

272 visualizações

Publicada em

Valter

Publicada em: Internet
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
272
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
115
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Integra

  1. 1. Documento assinado digitalmente em 22/01/2015 17:05:29 conforme MP nº 2.200-2/2001 de 24/06/2001. Signatário: EURICO MONTENEGRO JUNIOR:1010077 Número Verificador: 2000.0241.6320.1582.2000-0361082 Pág. 1 de 5 DESPACHO DO RELATOR Habeas Corpus Número do Processo : 0000241-63.2015.8.22.0000 Processo de Origem : 0008584-05.2012.8.22.0501 Paciente: Valter Araujo Gonçalves Impetrante(Advogado): Antônio Cândido de Oliveira(OAB/RO 2311) Impetrante(Advogada): Magally de Oliveira(OAB/DF 41069) Impetrante(Advogado): Antônio Nabor Areias Bulhões(OAB/DF 1465A) Impetrado: Juízo de Direito da 1ª Vara Criminal da Comarca de Porto Velho - RO Relator: Des. Eurico Montenegro Vistos. VALTER ARAÚJO GONÇAVES, qualificado na inicial, impetra ordem de habeas corpus por meio de seus advogados, apontando como autoridade coatora o Juiz da 1ª Vara Criminal da comarca de Porto Velho, que indeferiu seu pedido de revogação da prisão preventiva nos autos da ação penal n. 0008584-05.2012.8.22.0501. Alega que, em decorrência da operação Termópilas, foram originadas em seu desfavor 22 (vinte e duas) ações penais que, após decisão do Habeas Corpus n. 0003398-15.2013.8.22.0000, foi concedida a ordem para reconhecer e declarar que todas as demandas, por guardarem relação de conexidade, deveriam ser julgadas em conjunto, sendo estabelecida a competência para análise a 1ª Vara Criminal, bem como a reunião de todos os processos, que foram apensados aos autos n. 0001119-42.2012.8.22.0501. Argumenta que, muito embora em 1º grau os crimes estejam sendo analisados pelo mesmo juízo, persistiu no âmbito do Tribunal uma “anomalia”, consistente na especialização da competência das Câmaras, ante a diferença entre os crimes funcionais praticados contra a administração
  2. 2. Documento assinado digitalmente em 22/01/2015 17:05:29 conforme MP nº 2.200-2/2001 de 24/06/2001. Signatário: EURICO MONTENEGRO JUNIOR:1010077 Número Verificador: 2000.0241.6320.1582.2000-0361082 Pág. 2 de 5 pública e os crimes comuns. Afirma que em todos os processos os decretos de prisão expedidos tinham os mesmos fundamentos: o paciente encontrava-se foragido e exerceu o papel de liderança na suposta quadrilha. Nesse contexto, ao julgar o HC n. 0010758-64.2014.8.22.0000, a 1ª Câmara Especial, em relatoria do Desembargador Relator Gilberto Barbosa, aos 20.11.2014, denegou o writ com argumentos rasos sobre todas as circunstâncias supervenientes que redundaram na superação dos motivos que teriam autorizado a adoção da medida extrema com relação ao paciente. Além disso, acresceu motivos novos e insubsistentes para manter a prisão. Todavia, diferentemente do que ocorreu na 1ª Câmara Especial, ao julgar o HC n. 0010891-09.2014.8.22.0000, tendo por objeto os demais e idênticos decretos de prisão envolvendo as ações penais unificadas em primeira instância, a 1ª Câmara Criminal, em relatoria do Desembargador Hiram Marques, aos 4.12.2014, considerando os mesmos fundamentos, concedeu a ordem para revogar as prisões preventivas decretadas, estimando necessário apenas impor as medidas cautelares diversas da prisão, levando em conta, inclusive, o estado de saúde do paciente. Após o proferimento desse acórdão, o único decreto de prisão que não restou expressamente desconstituído foi o relacionado à ação penal n. 0008584-05.2012.8.22.0501 (objeto do presente HC). Ao analisar o pedido de revogação da prisão preventiva, o juiz a quo indeferiu o pedido, ao fundamento de que a competência para julgamento de recursos relacionados ao feito é da 1ª Câmara Especial, razão pela qual aplicou a decisão do HC n. 0010758-64.2014.8.22.0501 que havia denegado a
  3. 3. Documento assinado digitalmente em 22/01/2015 17:05:29 conforme MP nº 2.200-2/2001 de 24/06/2001. Signatário: EURICO MONTENEGRO JUNIOR:1010077 Número Verificador: 2000.0241.6320.1582.2000-0361082 Pág. 3 de 5 ordem. Aduz que deveria o juiz revogar a prisão preventiva, conforme disposto no art. 316 do CPP, pois não pode ser mantida a prisão do paciente por fundamentos que já foram desconstituídos pelo TJRO, num contexto que se reclama igualdade de tratamento pelo fato do Tribunal ter determinado a reunião dos processos a fim de receberem julgamento único. Por derradeiro, informa que diante do grave estado de saúde do paciente, comprovado através de atestados médicos, devolvê-lo a prisão representaria violação ao princípio da dignidade da pessoa humana. Pede liminar para suspender os efeitos do decreto de prisão preventiva expedido nos autos n. 0008584.05.2012.8.22.0501, com ou sem imposição das medidas cautelares diversas da prisão, e no mérito, que seja confirmada a liminar para desconstituir o decreto de prisão. Estes autos foram então distribuídos inicialmente à relatoria do Des. Gilberto Barbosa, por prevenção ao Habeas Corpus n. 0010836- 58.2014.8.22.0000, conforme termo de distribuição de fl. 205. O paciente peticionou às fls. 208/209, observando que não se aplica a regra de prevenção ao presente caso. O Desembargador Oudivanil de Marins, relator em substituição regimental, verificou que o habeas corpus n. 0010836-58.2014.8.22.0000 de relatoria do Desembargador Gilberto Barbosa decorreu de decisão proferida em ação penal n. 0008691-49.2012.8.22.0501, enquanto o presente remédio constitucional foi impetrado contra decisão dos autos da ação n. 0008584- 05.2012.8.22.0501, não havendo, portanto, relação de dependência (fls.
  4. 4. Documento assinado digitalmente em 22/01/2015 17:05:29 conforme MP nº 2.200-2/2001 de 24/06/2001. Signatário: EURICO MONTENEGRO JUNIOR:1010077 Número Verificador: 2000.0241.6320.1582.2000-0361082 Pág. 4 de 5 216/217). A Vice-Presidência acolheu os argumentos exposados pelo Desembargador Ouvidanil, e determinou a redistribuição dos autos por sorteio (fls. 220). É a síntese. Trata-se de pedido de habeas corpus no qual o paciente se insurge contra o decreto prisional proveniente da ação penal n. 0008584- 05.2012.8.22.0501. Compulsando os autos, verifico que a 1ª Câmara Criminal, nos autos do HC n. 0010891-09.2014.8.22.0000, revogou as prisões preventivas decretadas em desfavor de Valter Araújo Gonçalves dos processos em trâmite na 1ª Vara Criminal, com exceção da ação penal n. 0008584- 05.2012.8.22.0501. Na origem, o referido processo apura a prática de crime previsto no art. 312 c/c art. 70, ambos do CP, cuja competência para julgamento de recursos é da 1ª Câmara Especial. A liminar em habeas corpus somente é cabível em caráter excepcionalíssimo, quando ao exame do decreto preventivo se verificar de plano a sua flagrante ilegalidade. Em um exame prévio de cognição sumária, concluo ser inviável, neste momento, a concessão da medida requerida de plano, mormente ao fato de que a decisão que concedeu a ordem para revogar as demais prisões preventivas, proferida no HC n. 0010891-09.2014.8.22.0000 da 1ª Câmara
  5. 5. Documento assinado digitalmente em 22/01/2015 17:05:29 conforme MP nº 2.200-2/2001 de 24/06/2001. Signatário: EURICO MONTENEGRO JUNIOR:1010077 Número Verificador: 2000.0241.6320.1582.2000-0361082 Pág. 5 de 5 Criminal, garantiu ao paciente, independentemente do início das medidas cautelares, o encaminhamento imediato para atendimento médico em hospital particular, inclusive autorizou sua internação, pelo período de 60 dias, se assim se fizer necessário, segundo critério médico. Por estes motivos, considerando que o paciente está recebendo tratamento médico particular, indefiro o pedido de liminar. Solicitem-se informações ao Juiz indicado como autoridade coatora, encaminhando-se cópias da inicial e documentos, que as deverão prestar no prazo de 72 horas. Com as informações, dê-se vista ao Ministério Público Estadual. Publique-se e cumpra-se. Porto Velho/RO, 22 de janeiro de 2015. Desembargador EURICO MONTENEGRO JÚNIOR Relator

×