SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 6
Baixar para ler offline
EB1/JI Casal do Marco




História do Seixal




      Vasco e William

           3ºano

         2009/2010
História do Seixal

Da história remota da sede do Município pouco se sabe. Contudo, esta
cidade terá tido origem, muito provavelmente, num pequeno núcleo de
pescadores e o seu nome poderá estar associado à grande quantidade de
seixos existentes nas praias ribeirinhas que seriam utilizados como lastro
nas embarcações.

Foi no Seixal que os irmãos Vasco e Paulo da Gama construíram as
embarcações para a viagem até à Índia. Enquanto Vasco da Gama estava
em Lisboa a preparar a viagem, Paulo da Gama comandava os carpinteiros
e calafates na construção das naus. Estêvão da Gama, pai dos
navegadores, foi comendador do Seixal.

No início do século XVI, a população rondava as três dezenas de fogos e no
início do séc. XVIII, o número de habitantes ascendia a cerca de 400
pessoas. Actualmente, o Concelho tem 180 mil habitantes.

A Freguesia de Amora foi então integrada no concelho de Almada e as de
Arrentela, Aldeia de Paio Pires e Seixal no concelho do Barreiro. Três anos
mais tarde, o concelho do Seixal foi de novo instituído, passando também
a abranger a freguesia de Corroios, criada em 1976.

 O Terramoto de 1755 fez-se sentir violentamente no Seixal, tendo
obrigado as populações ribeirinhas a procurar refúgio nas barrocas do
Conde de Vila Nova. A reconstrução foi lenta.

A partir da segunda metade do séc. XIX, começou a registar-se um
significativo surto de desenvolvimento económico e industrial, com a
instalação de diversas unidades fabris (têxtil, vidro e cortiça). Ficaram
conhecidas a Companhia de Lanifícios de Arrentela, a vidreira Fábrica da
Amora e as corticeiras Mundet e Wicander. Há cerca de 100 anos, o Seixal
era o principal centro corticeiro do País.

Nos anos sessenta, a instalação da Siderurgia Nacional (inaugurada em
1961) e a ponte sobre o Tejo (1966) deram um novo impulso ao
desenvolvimento económico do Concelho, com grande incidência no
crescimento demográfico e na alteração profunda das suas características
urbanísticas.

A presença do Tejo neste concelho, nomeadamente da Baía do Seixal,
condiciona o aparecimento de um conjunto de profissões - pescadores,
marinheiros, moleiros, calafates, carpinteiros de machado - que, durante
anos, constituíram o principal modo de vida das populações.

A fisionomia urbana do Concelho foi também definitivamente marcada
pela presença do rio, com a construção de moinhos de maré, estaleiros
navais e de actividades ligadas à pesca, tais como a antiga seca do
bacalhau na Ponta dos Corvos.

Nos últimos 27 anos, o município do Seixal tem vindo a ser projectado
para uma posição avançada onde lhe é reconhecida uma dinâmica de
progresso, em grande medida consequência de um acentuado e assumido
investimento cultural
A lenda que deu nome a Paio Pires


A lenda que deu nome à povoação de Paio Pires fica a três quilómetros do
Seixal à beira da estrada entre Cacilhas e Setúbal.



No princípio do século XIII, apesar de Lisboa estar já nas mãos dos
portugueses, havia ainda alguns grupos de mouros a vaguear pela zona.
Assaltando e matando. O jovem Abu, revoltado, jurou a si mesmo que iria
recuperar aquelas terras e vingar a morte do seu avô e do seu pai. Mas os
seus companheiros não estavam para aí voltados, pois desde a queda de
Almada que tinham vontade de se tornar vassalos do monarca português.
Abu considerava isso uma traição. E, desesperado, arranjou um bando de
jovens mouros para atacar tudo o que fosse cristão nos arredores de
Almada.


Um dia resolveu assaltar uma quinta às portas de Almada. As pessoas que
lá viviam e trabalhavam fugiram, mas o dono, um velho capitão, e a sua
filha lutaram até ao fim para defender a sua propriedade. Mas Abu e os
seus conseguiram vencê-los e entrar na casa. O mouro ficou espantado e
sensibilizado com aquelas gentes frágeis e corajosas que o haviam
enfrentado. Não teve coragem de os matar e rendeu-se à beleza de Alda -
a filha do capitão. Rezou a Alá para que o inspirasse e ajudasse a tomar a
decisão certa.
Entretanto, o cavaleiro Paio Peres Correia e os seus homens,
regressados de Mértola, entraram na casa e enfrentaram os mouros. Paio
Peres ficou espantado quando viu Alda pois ela era muito parecida com a
Nossa Senhora da Anunciação. O cavaleiro venceu Abu e preparava-se
para matá-lo quando Alda lhe pediu que o poupasse tal como ele tinha
poupado a sua vida e a de seu pai.

Paio Peres sorriu ao ler nos olhos de Abu e Alda a paixão que sentiam um
pelo outro. Propôs, então, poupar-lhe a vida se ele se convertesse. Abu
aceitou.


Paio Peres apadrinhou o casamento, que teve lugar na capela da casa. No
final da cerimónia decidiram que aquelas terras receberiam o nome de
Paio Peres. Ainda hoje é Paio Pires a vila que cobriu o espaço da quinta do
capitão.
Quem foi D. Paio Peres Correia



D. Paio Peres Correia, nobre conquistador, a quem a nossa freguesia deve
o seu nome, Camões recorda-o nos Lusíadas, local ao qual fui retirar uma
parte do canto VIII.

D. Paio foi responsável por inúmeras conquistas Alcácer, Mértola, Lagos,
Tavira e Sevilha, foram somente algumas das inúmeras localidades em que
acção de D. Paio e seus homens se revelaram determinantes para a
reconquista do território ibérico e porquê o seu nome ter sido dado à
nossa Aldeia e não a qualquer outro território bem isso e sem grandes
bases históricas, somente com o que nos foi dito pelos mais antigos, diz-se
que por D. Paio Peres Correia ter montado acampamento por terrenos
que são hoje da nossa Freguesia antes de ter partido para a batalha.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Primeiros povos e formação de portugal
Primeiros povos e formação de portugalPrimeiros povos e formação de portugal
Primeiros povos e formação de portugalHugo Ferreira
 
43548929 teste-cavaleiro-dinamarca
43548929 teste-cavaleiro-dinamarca43548929 teste-cavaleiro-dinamarca
43548929 teste-cavaleiro-dinamarcaFernanda Antunes
 
Principais atividades produtivas nacionais
Principais atividades produtivas nacionaisPrincipais atividades produtivas nacionais
Principais atividades produtivas nacionaisMarileneCunha1
 
Sílabas Métricas
Sílabas MétricasSílabas Métricas
Sílabas Métricas713773
 
O senhor do seu nariz
O senhor do seu narizO senhor do seu nariz
O senhor do seu nariz12_A
 
ctic5_propriedadesRochas.pptx
ctic5_propriedadesRochas.pptxctic5_propriedadesRochas.pptx
ctic5_propriedadesRochas.pptxgorety
 
lab7_teste_avaliacao_6a.docx
lab7_teste_avaliacao_6a.docxlab7_teste_avaliacao_6a.docx
lab7_teste_avaliacao_6a.docxMarisa Miranda
 
Ficha sobre funções sintáticas
Ficha sobre funções sintáticasFicha sobre funções sintáticas
Ficha sobre funções sintáticasTeresa Oliveira
 
Família de palavras e Campo lexical
Família de palavras e Campo lexicalFamília de palavras e Campo lexical
Família de palavras e Campo lexicalgifamiliar
 
Reconquista Cristã
Reconquista CristãReconquista Cristã
Reconquista Cristãcattonia
 
Ficha de trabalho sobre determinantes
Ficha de trabalho sobre determinantesFicha de trabalho sobre determinantes
Ficha de trabalho sobre determinantesCristina Sabino
 
Povos da Península Ibérica
Povos da Península IbéricaPovos da Península Ibérica
Povos da Península IbéricaHelena Rocha
 
Escrever carta aviso e convite
Escrever carta aviso e conviteEscrever carta aviso e convite
Escrever carta aviso e conviteAna Paula Santos
 
"Saga", de Sophia de Mello Breyner
"Saga", de Sophia de Mello Breyner "Saga", de Sophia de Mello Breyner
"Saga", de Sophia de Mello Breyner inessalgado
 
Teste Final- 6º ano - Matemática
Teste Final- 6º ano - MatemáticaTeste Final- 6º ano - Matemática
Teste Final- 6º ano - Matemáticadmj11122009
 

Mais procurados (20)

Primeiros povos e formação de portugal
Primeiros povos e formação de portugalPrimeiros povos e formação de portugal
Primeiros povos e formação de portugal
 
Citânias ou castros
Citânias ou castrosCitânias ou castros
Citânias ou castros
 
43548929 teste-cavaleiro-dinamarca
43548929 teste-cavaleiro-dinamarca43548929 teste-cavaleiro-dinamarca
43548929 teste-cavaleiro-dinamarca
 
Principais atividades produtivas nacionais
Principais atividades produtivas nacionaisPrincipais atividades produtivas nacionais
Principais atividades produtivas nacionais
 
Sílabas Métricas
Sílabas MétricasSílabas Métricas
Sílabas Métricas
 
O senhor do seu nariz
O senhor do seu narizO senhor do seu nariz
O senhor do seu nariz
 
ctic5_propriedadesRochas.pptx
ctic5_propriedadesRochas.pptxctic5_propriedadesRochas.pptx
ctic5_propriedadesRochas.pptx
 
lab7_teste_avaliacao_6a.docx
lab7_teste_avaliacao_6a.docxlab7_teste_avaliacao_6a.docx
lab7_teste_avaliacao_6a.docx
 
O castanheiro
O castanheiroO castanheiro
O castanheiro
 
Ficha sobre funções sintáticas
Ficha sobre funções sintáticasFicha sobre funções sintáticas
Ficha sobre funções sintáticas
 
Família de palavras e Campo lexical
Família de palavras e Campo lexicalFamília de palavras e Campo lexical
Família de palavras e Campo lexical
 
Reconquista Cristã
Reconquista CristãReconquista Cristã
Reconquista Cristã
 
Ficha de trabalho sobre determinantes
Ficha de trabalho sobre determinantesFicha de trabalho sobre determinantes
Ficha de trabalho sobre determinantes
 
Graus dos adjetivos
Graus dos adjetivosGraus dos adjetivos
Graus dos adjetivos
 
Povos da Península Ibérica
Povos da Península IbéricaPovos da Península Ibérica
Povos da Península Ibérica
 
Escrever carta aviso e convite
Escrever carta aviso e conviteEscrever carta aviso e convite
Escrever carta aviso e convite
 
"Saga", de Sophia de Mello Breyner
"Saga", de Sophia de Mello Breyner "Saga", de Sophia de Mello Breyner
"Saga", de Sophia de Mello Breyner
 
Teste de frances 7º ano
Teste de frances 7º anoTeste de frances 7º ano
Teste de frances 7º ano
 
Ficha contag. tempo
Ficha contag. tempoFicha contag. tempo
Ficha contag. tempo
 
Teste Final- 6º ano - Matemática
Teste Final- 6º ano - MatemáticaTeste Final- 6º ano - Matemática
Teste Final- 6º ano - Matemática
 

Semelhante a História do Seixal

Costa de Caparica minha desconhecida
Costa de Caparica minha desconhecidaCosta de Caparica minha desconhecida
Costa de Caparica minha desconhecidaAna Oliveira
 
6ª A Costa de Caparica que desconhecia
6ª A Costa de Caparica que desconhecia6ª A Costa de Caparica que desconhecia
6ª A Costa de Caparica que desconheciaguestfab0cf
 
História de Alhos Vedros
História de Alhos VedrosHistória de Alhos Vedros
História de Alhos VedrosMaria Moutinho
 
Apontamentos para história de sorocaba e região
Apontamentos para história de sorocaba e regiãoApontamentos para história de sorocaba e região
Apontamentos para história de sorocaba e regiãoDagoberto Mebius
 
A Minha Escola é Mais Rita E Miguel
A Minha Escola é Mais Rita E MiguelA Minha Escola é Mais Rita E Miguel
A Minha Escola é Mais Rita E MiguelEB Vila das Aves
 
O Caboclo Boiadeiro: O Ser dos pastos sujos por Itamar Pereira de Aguiar
O Caboclo Boiadeiro: O Ser dos pastos sujos por Itamar Pereira de AguiarO Caboclo Boiadeiro: O Ser dos pastos sujos por Itamar Pereira de Aguiar
O Caboclo Boiadeiro: O Ser dos pastos sujos por Itamar Pereira de AguiarCarreiro de Tropa
 
Os aldeamentos indigenas no rio branco eletiva de história
Os aldeamentos indigenas no rio branco eletiva de históriaOs aldeamentos indigenas no rio branco eletiva de história
Os aldeamentos indigenas no rio branco eletiva de históriathunderbold
 
Ziguinchor e o seu passado
Ziguinchor e o seu passadoZiguinchor e o seu passado
Ziguinchor e o seu passadoCantacunda
 
Cabo frio – 400 anos - Conhecendo sua história
Cabo frio – 400 anos - Conhecendo sua históriaCabo frio – 400 anos - Conhecendo sua história
Cabo frio – 400 anos - Conhecendo sua históriaTeresa Cristina
 
Massarelos – de território Periférico a Nova Centralidade
Massarelos – de território Periférico a Nova CentralidadeMassarelos – de território Periférico a Nova Centralidade
Massarelos – de território Periférico a Nova CentralidadeJoaquim Flores
 
Vidigueira - à descoberta da nossa terra.
Vidigueira - à descoberta da nossa terra.Vidigueira - à descoberta da nossa terra.
Vidigueira - à descoberta da nossa terra.Lurdes Féria
 

Semelhante a História do Seixal (20)

Costa de Caparica minha desconhecida
Costa de Caparica minha desconhecidaCosta de Caparica minha desconhecida
Costa de Caparica minha desconhecida
 
Sam, Branding
Sam, BrandingSam, Branding
Sam, Branding
 
6ª A Costa de Caparica que desconhecia
6ª A Costa de Caparica que desconhecia6ª A Costa de Caparica que desconhecia
6ª A Costa de Caparica que desconhecia
 
Quissamã
QuissamãQuissamã
Quissamã
 
História de Alhos Vedros
História de Alhos VedrosHistória de Alhos Vedros
História de Alhos Vedros
 
Alhos
 Alhos Alhos
Alhos
 
Apontamentos para história de sorocaba e região
Apontamentos para história de sorocaba e regiãoApontamentos para história de sorocaba e região
Apontamentos para história de sorocaba e região
 
A Minha Escola é Mais Rita E Miguel
A Minha Escola é Mais Rita E MiguelA Minha Escola é Mais Rita E Miguel
A Minha Escola é Mais Rita E Miguel
 
O Caboclo Boiadeiro: O Ser dos pastos sujos por Itamar Pereira de Aguiar
O Caboclo Boiadeiro: O Ser dos pastos sujos por Itamar Pereira de AguiarO Caboclo Boiadeiro: O Ser dos pastos sujos por Itamar Pereira de Aguiar
O Caboclo Boiadeiro: O Ser dos pastos sujos por Itamar Pereira de Aguiar
 
Ericeira
EriceiraEriceira
Ericeira
 
Os aldeamentos indigenas no rio branco eletiva de história
Os aldeamentos indigenas no rio branco eletiva de históriaOs aldeamentos indigenas no rio branco eletiva de história
Os aldeamentos indigenas no rio branco eletiva de história
 
Fazendas do café
Fazendas do caféFazendas do café
Fazendas do café
 
Cabo Frio pontos turisticos
Cabo Frio pontos turisticosCabo Frio pontos turisticos
Cabo Frio pontos turisticos
 
Ziguinchor e o seu passado
Ziguinchor e o seu passadoZiguinchor e o seu passado
Ziguinchor e o seu passado
 
Cabo frio – 400 anos - Conhecendo sua história
Cabo frio – 400 anos - Conhecendo sua históriaCabo frio – 400 anos - Conhecendo sua história
Cabo frio – 400 anos - Conhecendo sua história
 
Rochedo/MS
Rochedo/MSRochedo/MS
Rochedo/MS
 
Ericeira
EriceiraEriceira
Ericeira
 
Aldeia - Solânea/PB
Aldeia - Solânea/PBAldeia - Solânea/PB
Aldeia - Solânea/PB
 
Massarelos – de território Periférico a Nova Centralidade
Massarelos – de território Periférico a Nova CentralidadeMassarelos – de território Periférico a Nova Centralidade
Massarelos – de território Periférico a Nova Centralidade
 
Vidigueira - à descoberta da nossa terra.
Vidigueira - à descoberta da nossa terra.Vidigueira - à descoberta da nossa terra.
Vidigueira - à descoberta da nossa terra.
 

Mais de teresacorreiasilva (18)

O H Perdeu Uma Perna
O H Perdeu Uma PernaO H Perdeu Uma Perna
O H Perdeu Uma Perna
 
Poemas de Alunos
Poemas de AlunosPoemas de Alunos
Poemas de Alunos
 
Vestígios do Passado
Vestígios do PassadoVestígios do Passado
Vestígios do Passado
 
Quinta do Rouxinol
Quinta do RouxinolQuinta do Rouxinol
Quinta do Rouxinol
 
Igrejas
IgrejasIgrejas
Igrejas
 
Estatuas e Castelos
Estatuas e CastelosEstatuas e Castelos
Estatuas e Castelos
 
Costumes Tradições
Costumes TradiçõesCostumes Tradições
Costumes Tradições
 
Algumas Batalhas
Algumas BatalhasAlgumas Batalhas
Algumas Batalhas
 
Estados da água
Estados da águaEstados da água
Estados da água
 
Estados Da água
Estados Da águaEstados Da água
Estados Da água
 
Dia E Noite
Dia E NoiteDia E Noite
Dia E Noite
 
Ciclo da água
Ciclo da águaCiclo da água
Ciclo da água
 
Ciclo da água
Ciclo da águaCiclo da água
Ciclo da água
 
Agua
AguaAgua
Agua
 
Familia Pontuacao
Familia PontuacaoFamilia Pontuacao
Familia Pontuacao
 
A Família
A FamíliaA Família
A Família
 
Plano De Acção
Plano De AcçãoPlano De Acção
Plano De Acção
 
Plano De Acção
Plano De AcçãoPlano De Acção
Plano De Acção
 

Último

19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptx
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptxAULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptx
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptxrenatacolbeich1
 
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024SamiraMiresVieiradeM
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptxErivaldoLima15
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptxpamelacastro71
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?MrciaRocha48
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxAntonioVieira539017
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 

Último (20)

19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptx
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptxAULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptx
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptx
 
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024
 
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 

História do Seixal

  • 1. EB1/JI Casal do Marco História do Seixal Vasco e William 3ºano 2009/2010
  • 2. História do Seixal Da história remota da sede do Município pouco se sabe. Contudo, esta cidade terá tido origem, muito provavelmente, num pequeno núcleo de pescadores e o seu nome poderá estar associado à grande quantidade de seixos existentes nas praias ribeirinhas que seriam utilizados como lastro nas embarcações. Foi no Seixal que os irmãos Vasco e Paulo da Gama construíram as embarcações para a viagem até à Índia. Enquanto Vasco da Gama estava em Lisboa a preparar a viagem, Paulo da Gama comandava os carpinteiros e calafates na construção das naus. Estêvão da Gama, pai dos navegadores, foi comendador do Seixal. No início do século XVI, a população rondava as três dezenas de fogos e no início do séc. XVIII, o número de habitantes ascendia a cerca de 400 pessoas. Actualmente, o Concelho tem 180 mil habitantes. A Freguesia de Amora foi então integrada no concelho de Almada e as de Arrentela, Aldeia de Paio Pires e Seixal no concelho do Barreiro. Três anos mais tarde, o concelho do Seixal foi de novo instituído, passando também a abranger a freguesia de Corroios, criada em 1976. O Terramoto de 1755 fez-se sentir violentamente no Seixal, tendo obrigado as populações ribeirinhas a procurar refúgio nas barrocas do Conde de Vila Nova. A reconstrução foi lenta. A partir da segunda metade do séc. XIX, começou a registar-se um significativo surto de desenvolvimento económico e industrial, com a
  • 3. instalação de diversas unidades fabris (têxtil, vidro e cortiça). Ficaram conhecidas a Companhia de Lanifícios de Arrentela, a vidreira Fábrica da Amora e as corticeiras Mundet e Wicander. Há cerca de 100 anos, o Seixal era o principal centro corticeiro do País. Nos anos sessenta, a instalação da Siderurgia Nacional (inaugurada em 1961) e a ponte sobre o Tejo (1966) deram um novo impulso ao desenvolvimento económico do Concelho, com grande incidência no crescimento demográfico e na alteração profunda das suas características urbanísticas. A presença do Tejo neste concelho, nomeadamente da Baía do Seixal, condiciona o aparecimento de um conjunto de profissões - pescadores, marinheiros, moleiros, calafates, carpinteiros de machado - que, durante anos, constituíram o principal modo de vida das populações. A fisionomia urbana do Concelho foi também definitivamente marcada pela presença do rio, com a construção de moinhos de maré, estaleiros navais e de actividades ligadas à pesca, tais como a antiga seca do bacalhau na Ponta dos Corvos. Nos últimos 27 anos, o município do Seixal tem vindo a ser projectado para uma posição avançada onde lhe é reconhecida uma dinâmica de progresso, em grande medida consequência de um acentuado e assumido investimento cultural
  • 4. A lenda que deu nome a Paio Pires A lenda que deu nome à povoação de Paio Pires fica a três quilómetros do Seixal à beira da estrada entre Cacilhas e Setúbal. No princípio do século XIII, apesar de Lisboa estar já nas mãos dos portugueses, havia ainda alguns grupos de mouros a vaguear pela zona. Assaltando e matando. O jovem Abu, revoltado, jurou a si mesmo que iria recuperar aquelas terras e vingar a morte do seu avô e do seu pai. Mas os seus companheiros não estavam para aí voltados, pois desde a queda de Almada que tinham vontade de se tornar vassalos do monarca português. Abu considerava isso uma traição. E, desesperado, arranjou um bando de jovens mouros para atacar tudo o que fosse cristão nos arredores de Almada. Um dia resolveu assaltar uma quinta às portas de Almada. As pessoas que lá viviam e trabalhavam fugiram, mas o dono, um velho capitão, e a sua filha lutaram até ao fim para defender a sua propriedade. Mas Abu e os seus conseguiram vencê-los e entrar na casa. O mouro ficou espantado e sensibilizado com aquelas gentes frágeis e corajosas que o haviam enfrentado. Não teve coragem de os matar e rendeu-se à beleza de Alda - a filha do capitão. Rezou a Alá para que o inspirasse e ajudasse a tomar a decisão certa.
  • 5. Entretanto, o cavaleiro Paio Peres Correia e os seus homens, regressados de Mértola, entraram na casa e enfrentaram os mouros. Paio Peres ficou espantado quando viu Alda pois ela era muito parecida com a Nossa Senhora da Anunciação. O cavaleiro venceu Abu e preparava-se para matá-lo quando Alda lhe pediu que o poupasse tal como ele tinha poupado a sua vida e a de seu pai. Paio Peres sorriu ao ler nos olhos de Abu e Alda a paixão que sentiam um pelo outro. Propôs, então, poupar-lhe a vida se ele se convertesse. Abu aceitou. Paio Peres apadrinhou o casamento, que teve lugar na capela da casa. No final da cerimónia decidiram que aquelas terras receberiam o nome de Paio Peres. Ainda hoje é Paio Pires a vila que cobriu o espaço da quinta do capitão.
  • 6. Quem foi D. Paio Peres Correia D. Paio Peres Correia, nobre conquistador, a quem a nossa freguesia deve o seu nome, Camões recorda-o nos Lusíadas, local ao qual fui retirar uma parte do canto VIII. D. Paio foi responsável por inúmeras conquistas Alcácer, Mértola, Lagos, Tavira e Sevilha, foram somente algumas das inúmeras localidades em que acção de D. Paio e seus homens se revelaram determinantes para a reconquista do território ibérico e porquê o seu nome ter sido dado à nossa Aldeia e não a qualquer outro território bem isso e sem grandes bases históricas, somente com o que nos foi dito pelos mais antigos, diz-se que por D. Paio Peres Correia ter montado acampamento por terrenos que são hoje da nossa Freguesia antes de ter partido para a batalha.