SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 2
ALDEIA - SOLÂNEA/PB
ALDEIA
Em 1718, os índios sucurus solicitaram e obtiveram a concessão de terras, onde
já habitavam há algum tempo, na "Serra da Boa Vista", no lugar do "olho d'água",
para que "pudessem viver e plantar suas lavouras".
A população da aldeia naquela época era de aproximadamente 94 indivíduos, a
maioria pertencente ao mesmo núcleo familiar composto de crianças e
adolescentes.
Segundo consta o local onde se fixaram os sucurus, que vieram para a Paraíba
justamente para combater os tapuias, cujos domínios se estendiam entre os rios
Curimataú e o Araçagi, era muito fértil e abundante em água de boa qualidade -
útil ao ser humano e para a criação de gados.
Uma vez concedidas as terras a aldeia rapidamente prosperou. E, como em todos os
aldeamentos indígenas da época a presença de missionários se fez presente,
embora não sendo certo o ano em que ali chegaram.
A única certeza que se tem, advinda de fontes históricas, é que alguns
religiosos de Santa Tereza marcaram presença durante algum tempo e, são deles a
iniciativa da construção do primeiro oratório, por volta de 1730, cujo orago era
Santo Antonio. Passando o lugar a ser denominado "Aldeia de Santo Antonio da Boa
Vista".
"Aos nove dias do mez de março de mil sete sentos trinta e douz annos na Capela
da Boavista, administração dos sucurus e canindés, em licença minha batizou sem
os santos oléos o Pe Manoel Jorge da Costa a Firmiano, filho natural de Antonia,
tapuya, escrava do tenente Antonio Gomes de Macedo".
Com a fixação de uma grande cruz de madeira na área central da aldeia e algumas
adaptações passaram a impor normas e costumes europeus na comunidade, tais como
a proibição da nudez, construção de palhoças separadas para abrigar casais e sua
prole, além da catequese.
A obrigatoriedade do batismo com nomes portugueses foi uma das práticas
utilizadas que visava acabar com a identidade cultural dos membros da aldeia.
Por outro lado, os religiosos proibiam também que os índios e seus descendentes
fossem chamados de "caboclo", termo que consideravam pejorativo e ofensivo.
Muito embora se saiba que foram assim denominados por muito tempo. Sendo que
passou a ser apelido da família e até sobrenome.
Meu avô paterno LUIZ SEVERIANO DA COSTA, cuja pequena biografia tratei em outra
postagem, era chamado por LUIZ CABOCLO, pois era da "família CABOCLO". Muito
embora até hoje ainda não consegui determinar com precisão sua ascendência
indígena.
O lugar onde foi fixada a cruz virou referência, sendo certo que até meados do
século XIX podemos encontrar registros paroquiais onde o local era designado de
"CRUZ DA ALDEIA".
Em relação ao "olho d'água" citado na concessão de terras, que se tratava de uma
fonte ou nascente, ou seja, a água que surge por afloramento do lençol freático,
podemos dizer que era incomum, já que seu volume era grande, bem diferente de
outras nascentes do brejo paraibano.
Da mesma forma que a cruz virou referência, o olho d'água também, sendo certo
que próximo a ele muitos passaram a residir, passando a ser denominado "OLHO
D'ÁGUA DA ALDEIA".
Cabe ressaltar, que o município de SOLÂNEAPB, além da ALDEIA, tem atualmente em
sua zona rural, algumas localidades cujos nomes datam de pelo menos dois
séculos, tais como: LAGES, BOM SUCESSO, LAGOA DE TANQUES, MATINHAS, JACARÉ,
SALGADO e OLHO D'ÁGUA SECO.
Outras como SANTA TEREZA e FAZENDA VELHA são reminiscências da antiga presença
no local dos religiosos missionários de Santa Tereza na primeira metade do
século XVIII. Desnecessário dizer que no período a quantidade de crianças
batizadas com os prenomes ANTONIO e TEREZA também chama a atenção.
O certo é que o OLHO D'ÁGUA DA ALDEIA era de grande importância naqueles tempos.
Tanto é que não tardou que começaram os conflitos entre os índios aldeados e os
fazendeiros fixados em terras ao redor. A água era vital e, em consequência, bem
precioso.
Com o Diretório dos índios (a partir de 1758) e a política pombalina começam a
surgir mudanças, entre as quais as transferências para outras aldeias. Daí ser
uma consequência natural, que fosse também afetada a ALDEIA DE SANTO ANTONIO DA
BOA VISTA.
Muitos índios já estavam completamente integrados na denominada sociedade local
através de casamentos com o colonizador "português" e haviam pedido totalmente
sua identidade cultural. Os poucos que restavam na aldeia que resistiram foram
transferidos e suas terras quase que imediatamente ocupadas.
Até 1786, encontrei registros de batizados na capela da Boa Vista, como o do
batismo de DAMIÃO, em 24/04/1786, filho de Jozé Barreiro e sua mulher Angela
Maria.
É importante ressaltar que, bem próximo à Aldeia, um agrupamento humano surgiu,
tornando-se próspero, já que era ponto de passagem do caminho que ligava o
litora ao sertão, a "CHÃ DO MORENO". Aliás, é bom destacar que o referido
caminho remontava a época pré-cabralina, muito utilizado pelos índios de várias
etnias.
Chã, Chan ou Xam era como chamavam antigamente uma terra plana na serra, razão
pela qual a localidade tinha uma bela vista da aldeia, embrião do que é hoje a
cidade de SOLÂNEA.
Chã do Moreno prosperou, por outro lado a antiga ALDEIA, apesar de sua
opulência, quase que completamente despareceu dos registro históricos. E, o pior
crime que poderia se cometer ocorreu ao longo dos anos, simplesmente nenhum
estudo sério foi feito no sentido de resgatar sua importância histórica.
Nenhuma investigação arqueológica. Nenhum rastreamento. Nenhum interesse...
Nada. Uma lástima. E, assim tem sido em relação à cultura indígena, fadada ao
esquecimento e degredo.
Felizmente, sobre o antigo olho d'água algumas pessoas deixaram registros, tais
como Tancredo de Carvalho, que em Memórias de um Brejeiro (1975), narra a
alegria que tinha na sua infância (por volta de 1909) de "descer" de Moreno para
tomar banho na "fonte da Aldeia".

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Era uma vez, em cabo frio
Era uma vez, em cabo frioEra uma vez, em cabo frio
Era uma vez, em cabo frioadrianahp2
 
Cabo frio – 400 anos - Conhecendo sua história
Cabo frio – 400 anos - Conhecendo sua históriaCabo frio – 400 anos - Conhecendo sua história
Cabo frio – 400 anos - Conhecendo sua históriaTeresa Cristina
 
Filipe e rúben
Filipe e rúbenFilipe e rúben
Filipe e rúben1324658709
 
Caderno Pedagógico Cabo Frio
Caderno Pedagógico Cabo FrioCaderno Pedagógico Cabo Frio
Caderno Pedagógico Cabo Friojaquecgsouza
 
Parazinho - Granja/Ce
Parazinho - Granja/CeParazinho - Granja/Ce
Parazinho - Granja/Ceklauddia
 
Paraty 2009 Dados E InformaçõEs
Paraty 2009   Dados E InformaçõEsParaty 2009   Dados E InformaçõEs
Paraty 2009 Dados E InformaçõEsNelson Silva
 
Folheto VII Festival Folclore - Barreiros - 2012
Folheto VII Festival Folclore - Barreiros - 2012Folheto VII Festival Folclore - Barreiros - 2012
Folheto VII Festival Folclore - Barreiros - 2012rfvlis
 
Turismo em Vila Velha
Turismo em Vila VelhaTurismo em Vila Velha
Turismo em Vila Velhasuelyab
 
Apresentação da Freguesia de Escudeiros
Apresentação da Freguesia de EscudeirosApresentação da Freguesia de Escudeiros
Apresentação da Freguesia de Escudeirosxtemas
 

Mais procurados (18)

A senhora aparecida
A senhora aparecidaA senhora aparecida
A senhora aparecida
 
Alto pajeú
Alto pajeúAlto pajeú
Alto pajeú
 
Era uma vez, em cabo frio
Era uma vez, em cabo frioEra uma vez, em cabo frio
Era uma vez, em cabo frio
 
Cabo frio – 400 anos - Conhecendo sua história
Cabo frio – 400 anos - Conhecendo sua históriaCabo frio – 400 anos - Conhecendo sua história
Cabo frio – 400 anos - Conhecendo sua história
 
Filipe e rúben
Filipe e rúbenFilipe e rúben
Filipe e rúben
 
De petrolina a aracati
De petrolina a aracatiDe petrolina a aracati
De petrolina a aracati
 
Caderno Pedagógico Cabo Frio
Caderno Pedagógico Cabo FrioCaderno Pedagógico Cabo Frio
Caderno Pedagógico Cabo Frio
 
Parazinho - Granja/Ce
Parazinho - Granja/CeParazinho - Granja/Ce
Parazinho - Granja/Ce
 
Carnaval
Carnaval Carnaval
Carnaval
 
Paraty 2009 Dados E InformaçõEs
Paraty 2009   Dados E InformaçõEsParaty 2009   Dados E InformaçõEs
Paraty 2009 Dados E InformaçõEs
 
Folheto VII Festival Folclore - Barreiros - 2012
Folheto VII Festival Folclore - Barreiros - 2012Folheto VII Festival Folclore - Barreiros - 2012
Folheto VII Festival Folclore - Barreiros - 2012
 
Turismo em Vila Velha
Turismo em Vila VelhaTurismo em Vila Velha
Turismo em Vila Velha
 
Fogaca
FogacaFogaca
Fogaca
 
18 09-2011[1]
18 09-2011[1]18 09-2011[1]
18 09-2011[1]
 
Fogaça
Fogaça Fogaça
Fogaça
 
Folha 187
Folha 187Folha 187
Folha 187
 
Slide- Fotos antigas e atuais
Slide- Fotos antigas e atuaisSlide- Fotos antigas e atuais
Slide- Fotos antigas e atuais
 
Apresentação da Freguesia de Escudeiros
Apresentação da Freguesia de EscudeirosApresentação da Freguesia de Escudeiros
Apresentação da Freguesia de Escudeiros
 

Destaque (20)

Música
MúsicaMúsica
Música
 
UNIBR - MC - Bingo humano - Exercício
UNIBR - MC - Bingo humano - ExercícioUNIBR - MC - Bingo humano - Exercício
UNIBR - MC - Bingo humano - Exercício
 
Estefania
EstefaniaEstefania
Estefania
 
Alguns projectos juntos pelo sucesso dos caboverdeanos
Alguns projectos juntos pelo sucesso dos caboverdeanosAlguns projectos juntos pelo sucesso dos caboverdeanos
Alguns projectos juntos pelo sucesso dos caboverdeanos
 
Lp 6ano
Lp 6anoLp 6ano
Lp 6ano
 
Mosqueteiro 23
Mosqueteiro 23Mosqueteiro 23
Mosqueteiro 23
 
Jornal VOZ ATIVA - DCE UFGD
Jornal VOZ ATIVA - DCE UFGDJornal VOZ ATIVA - DCE UFGD
Jornal VOZ ATIVA - DCE UFGD
 
7. página quatro e cinco
7. página quatro e cinco7. página quatro e cinco
7. página quatro e cinco
 
Pibid
PibidPibid
Pibid
 
Certificado do Curso de SEO Fundamental
Certificado do Curso de SEO FundamentalCertificado do Curso de SEO Fundamental
Certificado do Curso de SEO Fundamental
 
Jornal sg abr 2012
Jornal sg abr 2012Jornal sg abr 2012
Jornal sg abr 2012
 
Jornada 5 - liga2013
Jornada 5 - liga2013Jornada 5 - liga2013
Jornada 5 - liga2013
 
Nomina comerciales en word
Nomina comerciales en wordNomina comerciales en word
Nomina comerciales en word
 
Ata 25 04-2012
Ata 25 04-2012Ata 25 04-2012
Ata 25 04-2012
 
SAHA & CO.
SAHA & CO.SAHA & CO.
SAHA & CO.
 
Jornal sg out 2011
Jornal sg out 2011Jornal sg out 2011
Jornal sg out 2011
 
6. página três
6. página três6. página três
6. página três
 
Tierra de Barros: Corte de Peleas, Entrin Alto y Bajo
Tierra de Barros: Corte de Peleas, Entrin Alto y BajoTierra de Barros: Corte de Peleas, Entrin Alto y Bajo
Tierra de Barros: Corte de Peleas, Entrin Alto y Bajo
 
Franquia com retorno financeiro
Franquia com retorno financeiroFranquia com retorno financeiro
Franquia com retorno financeiro
 
Clandestino
ClandestinoClandestino
Clandestino
 

Semelhante a Aldeia - Solânea/PB

Santo andré, a vila perdida na borda do campo
Santo andré, a vila perdida na borda do campoSanto andré, a vila perdida na borda do campo
Santo andré, a vila perdida na borda do campoVictor Cardoso
 
Origem de Granja
Origem de GranjaOrigem de Granja
Origem de Granjaklauddia
 
VELHAS FAMILIAS DO SERIDÓ.pdf
VELHAS FAMILIAS DO SERIDÓ.pdfVELHAS FAMILIAS DO SERIDÓ.pdf
VELHAS FAMILIAS DO SERIDÓ.pdfJosé Dantas
 
Mons tabosa e sua historias cap 01
Mons tabosa e sua historias cap 01Mons tabosa e sua historias cap 01
Mons tabosa e sua historias cap 01Luiz Mesquita
 
Relatório visita técnica Centro RJ e Museu Histórico Nacional
Relatório visita técnica Centro RJ e Museu Histórico Nacional Relatório visita técnica Centro RJ e Museu Histórico Nacional
Relatório visita técnica Centro RJ e Museu Histórico Nacional Maira Teixeira
 
O Caboclo Boiadeiro: O Ser dos pastos sujos por Itamar Pereira de Aguiar
O Caboclo Boiadeiro: O Ser dos pastos sujos por Itamar Pereira de AguiarO Caboclo Boiadeiro: O Ser dos pastos sujos por Itamar Pereira de Aguiar
O Caboclo Boiadeiro: O Ser dos pastos sujos por Itamar Pereira de AguiarCarreiro de Tropa
 
Resumo - História de Santa Catarina
Resumo - História de Santa CatarinaResumo - História de Santa Catarina
Resumo - História de Santa CatarinaElton Zanoni
 
História do ceará voliii
História do ceará voliiiHistória do ceará voliii
História do ceará voliiibrenda timbo
 
seminario reconcavo.pptx
seminario reconcavo.pptxseminario reconcavo.pptx
seminario reconcavo.pptxUNOPAR, UNEB
 
História de Alto Paraíso - Sociocultural
História de Alto Paraíso - SocioculturalHistória de Alto Paraíso - Sociocultural
História de Alto Paraíso - Socioculturalgrupo1unb
 
Analise socio-historica da comunidade caicara de Conceicaozinha - Guaruja Par...
Analise socio-historica da comunidade caicara de Conceicaozinha - Guaruja Par...Analise socio-historica da comunidade caicara de Conceicaozinha - Guaruja Par...
Analise socio-historica da comunidade caicara de Conceicaozinha - Guaruja Par...Coletivo Alternativa Verde
 
História de cjs ibge - blog
História de cjs   ibge - blogHistória de cjs   ibge - blog
História de cjs ibge - blogtrabalhotrab
 
Congado - Origens, Características e Organização
Congado - Origens, Características e OrganizaçãoCongado - Origens, Características e Organização
Congado - Origens, Características e OrganizaçãoGabriel Resende
 
Esta Terra Tem Dono
Esta Terra Tem DonoEsta Terra Tem Dono
Esta Terra Tem DonoChristian
 
Esta Terra Tem Dono
Esta Terra Tem DonoEsta Terra Tem Dono
Esta Terra Tem DonoChristian
 

Semelhante a Aldeia - Solânea/PB (20)

Santo andré, a vila perdida na borda do campo
Santo andré, a vila perdida na borda do campoSanto andré, a vila perdida na borda do campo
Santo andré, a vila perdida na borda do campo
 
Origem de Granja
Origem de GranjaOrigem de Granja
Origem de Granja
 
A história sp periodo colonial
A história sp periodo colonialA história sp periodo colonial
A história sp periodo colonial
 
VELHAS FAMILIAS DO SERIDÓ.pdf
VELHAS FAMILIAS DO SERIDÓ.pdfVELHAS FAMILIAS DO SERIDÓ.pdf
VELHAS FAMILIAS DO SERIDÓ.pdf
 
Mons tabosa e sua historias cap 01
Mons tabosa e sua historias cap 01Mons tabosa e sua historias cap 01
Mons tabosa e sua historias cap 01
 
Apostila a história de alagoas
Apostila   a história de alagoasApostila   a história de alagoas
Apostila a história de alagoas
 
Relatório visita técnica Centro RJ e Museu Histórico Nacional
Relatório visita técnica Centro RJ e Museu Histórico Nacional Relatório visita técnica Centro RJ e Museu Histórico Nacional
Relatório visita técnica Centro RJ e Museu Histórico Nacional
 
O Caboclo Boiadeiro: O Ser dos pastos sujos por Itamar Pereira de Aguiar
O Caboclo Boiadeiro: O Ser dos pastos sujos por Itamar Pereira de AguiarO Caboclo Boiadeiro: O Ser dos pastos sujos por Itamar Pereira de Aguiar
O Caboclo Boiadeiro: O Ser dos pastos sujos por Itamar Pereira de Aguiar
 
Resumo - História de Santa Catarina
Resumo - História de Santa CatarinaResumo - História de Santa Catarina
Resumo - História de Santa Catarina
 
História do ceará voliii
História do ceará voliiiHistória do ceará voliii
História do ceará voliii
 
seminario reconcavo.pptx
seminario reconcavo.pptxseminario reconcavo.pptx
seminario reconcavo.pptx
 
História de Alto Paraíso - Sociocultural
História de Alto Paraíso - SocioculturalHistória de Alto Paraíso - Sociocultural
História de Alto Paraíso - Sociocultural
 
Analise socio-historica da comunidade caicara de Conceicaozinha - Guaruja Par...
Analise socio-historica da comunidade caicara de Conceicaozinha - Guaruja Par...Analise socio-historica da comunidade caicara de Conceicaozinha - Guaruja Par...
Analise socio-historica da comunidade caicara de Conceicaozinha - Guaruja Par...
 
História de cjs ibge - blog
História de cjs   ibge - blogHistória de cjs   ibge - blog
História de cjs ibge - blog
 
História de Dores do Indaiá - MG - Brasil
História de Dores do Indaiá - MG - BrasilHistória de Dores do Indaiá - MG - Brasil
História de Dores do Indaiá - MG - Brasil
 
História da cidade de picuí slide
História da cidade de picuí  slideHistória da cidade de picuí  slide
História da cidade de picuí slide
 
Congado - Origens, Características e Organização
Congado - Origens, Características e OrganizaçãoCongado - Origens, Características e Organização
Congado - Origens, Características e Organização
 
Berizal, Minas Gerais
Berizal, Minas GeraisBerizal, Minas Gerais
Berizal, Minas Gerais
 
Esta Terra Tem Dono
Esta Terra Tem DonoEsta Terra Tem Dono
Esta Terra Tem Dono
 
Esta Terra Tem Dono
Esta Terra Tem DonoEsta Terra Tem Dono
Esta Terra Tem Dono
 

Último

ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxIsabelaRafael2
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfdio7ff
 
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino FundamentalCartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamentalgeone480617
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptxpamelacastro71
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdfDemetrio Ccesa Rayme
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirIedaGoethe
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasRicardo Diniz campos
 
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de PartículasRecurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de PartículasCasa Ciências
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfangelicass1
 

Último (20)

ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
 
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino FundamentalCartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
 
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de PartículasRecurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
 

Aldeia - Solânea/PB

  • 1. ALDEIA - SOLÂNEA/PB ALDEIA Em 1718, os índios sucurus solicitaram e obtiveram a concessão de terras, onde já habitavam há algum tempo, na "Serra da Boa Vista", no lugar do "olho d'água", para que "pudessem viver e plantar suas lavouras". A população da aldeia naquela época era de aproximadamente 94 indivíduos, a maioria pertencente ao mesmo núcleo familiar composto de crianças e adolescentes. Segundo consta o local onde se fixaram os sucurus, que vieram para a Paraíba justamente para combater os tapuias, cujos domínios se estendiam entre os rios Curimataú e o Araçagi, era muito fértil e abundante em água de boa qualidade - útil ao ser humano e para a criação de gados. Uma vez concedidas as terras a aldeia rapidamente prosperou. E, como em todos os aldeamentos indígenas da época a presença de missionários se fez presente, embora não sendo certo o ano em que ali chegaram. A única certeza que se tem, advinda de fontes históricas, é que alguns religiosos de Santa Tereza marcaram presença durante algum tempo e, são deles a iniciativa da construção do primeiro oratório, por volta de 1730, cujo orago era Santo Antonio. Passando o lugar a ser denominado "Aldeia de Santo Antonio da Boa Vista". "Aos nove dias do mez de março de mil sete sentos trinta e douz annos na Capela da Boavista, administração dos sucurus e canindés, em licença minha batizou sem os santos oléos o Pe Manoel Jorge da Costa a Firmiano, filho natural de Antonia, tapuya, escrava do tenente Antonio Gomes de Macedo". Com a fixação de uma grande cruz de madeira na área central da aldeia e algumas adaptações passaram a impor normas e costumes europeus na comunidade, tais como a proibição da nudez, construção de palhoças separadas para abrigar casais e sua prole, além da catequese. A obrigatoriedade do batismo com nomes portugueses foi uma das práticas utilizadas que visava acabar com a identidade cultural dos membros da aldeia. Por outro lado, os religiosos proibiam também que os índios e seus descendentes fossem chamados de "caboclo", termo que consideravam pejorativo e ofensivo. Muito embora se saiba que foram assim denominados por muito tempo. Sendo que passou a ser apelido da família e até sobrenome. Meu avô paterno LUIZ SEVERIANO DA COSTA, cuja pequena biografia tratei em outra postagem, era chamado por LUIZ CABOCLO, pois era da "família CABOCLO". Muito embora até hoje ainda não consegui determinar com precisão sua ascendência indígena. O lugar onde foi fixada a cruz virou referência, sendo certo que até meados do século XIX podemos encontrar registros paroquiais onde o local era designado de "CRUZ DA ALDEIA". Em relação ao "olho d'água" citado na concessão de terras, que se tratava de uma fonte ou nascente, ou seja, a água que surge por afloramento do lençol freático, podemos dizer que era incomum, já que seu volume era grande, bem diferente de outras nascentes do brejo paraibano. Da mesma forma que a cruz virou referência, o olho d'água também, sendo certo que próximo a ele muitos passaram a residir, passando a ser denominado "OLHO D'ÁGUA DA ALDEIA". Cabe ressaltar, que o município de SOLÂNEAPB, além da ALDEIA, tem atualmente em sua zona rural, algumas localidades cujos nomes datam de pelo menos dois séculos, tais como: LAGES, BOM SUCESSO, LAGOA DE TANQUES, MATINHAS, JACARÉ, SALGADO e OLHO D'ÁGUA SECO. Outras como SANTA TEREZA e FAZENDA VELHA são reminiscências da antiga presença no local dos religiosos missionários de Santa Tereza na primeira metade do século XVIII. Desnecessário dizer que no período a quantidade de crianças batizadas com os prenomes ANTONIO e TEREZA também chama a atenção. O certo é que o OLHO D'ÁGUA DA ALDEIA era de grande importância naqueles tempos. Tanto é que não tardou que começaram os conflitos entre os índios aldeados e os fazendeiros fixados em terras ao redor. A água era vital e, em consequência, bem precioso. Com o Diretório dos índios (a partir de 1758) e a política pombalina começam a surgir mudanças, entre as quais as transferências para outras aldeias. Daí ser uma consequência natural, que fosse também afetada a ALDEIA DE SANTO ANTONIO DA
  • 2. BOA VISTA. Muitos índios já estavam completamente integrados na denominada sociedade local através de casamentos com o colonizador "português" e haviam pedido totalmente sua identidade cultural. Os poucos que restavam na aldeia que resistiram foram transferidos e suas terras quase que imediatamente ocupadas. Até 1786, encontrei registros de batizados na capela da Boa Vista, como o do batismo de DAMIÃO, em 24/04/1786, filho de Jozé Barreiro e sua mulher Angela Maria. É importante ressaltar que, bem próximo à Aldeia, um agrupamento humano surgiu, tornando-se próspero, já que era ponto de passagem do caminho que ligava o litora ao sertão, a "CHÃ DO MORENO". Aliás, é bom destacar que o referido caminho remontava a época pré-cabralina, muito utilizado pelos índios de várias etnias. Chã, Chan ou Xam era como chamavam antigamente uma terra plana na serra, razão pela qual a localidade tinha uma bela vista da aldeia, embrião do que é hoje a cidade de SOLÂNEA. Chã do Moreno prosperou, por outro lado a antiga ALDEIA, apesar de sua opulência, quase que completamente despareceu dos registro históricos. E, o pior crime que poderia se cometer ocorreu ao longo dos anos, simplesmente nenhum estudo sério foi feito no sentido de resgatar sua importância histórica. Nenhuma investigação arqueológica. Nenhum rastreamento. Nenhum interesse... Nada. Uma lástima. E, assim tem sido em relação à cultura indígena, fadada ao esquecimento e degredo. Felizmente, sobre o antigo olho d'água algumas pessoas deixaram registros, tais como Tancredo de Carvalho, que em Memórias de um Brejeiro (1975), narra a alegria que tinha na sua infância (por volta de 1909) de "descer" de Moreno para tomar banho na "fonte da Aldeia".