SlideShare uma empresa Scribd logo
IMPORTANTE! LEIA!
O material ora apresentado, foi inicialmente produzido
para ser apresentado no
III Congresso Brasileiro de História da Educação – da SBHE,
realizado em 2004 na Pontifícia Universidade Católica – Curitiba/PR.
Porém, diante de solicitação do próprio orientador na época
julgá-lo de menor importância o mesmo foi arquivado .
Fatos posteriores no entanto vão sendo analisados e o referido trabalho foi
considerado próprio para os estudantes do Fundamental I e II e até mesmo
de estudantes de Pedagogia e História como base de pesquisas ou
de tópicos de estudos, voltando então a luz novamente
é hoje material básico para quem queira entender de
forma mais fácil a História da cidade de Sorocaba.
Este aviso é dessa forma importante e explica
o por quê do texto inicial citar o referido
Congresso da SBHEe a Universidade de Sorocaba – Uniso.
Professor Dagoberto Mebius
Sorocaba, julho de 2013
III CONGRESSO BRASILEIRO DE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO
SOCIEDADE BRASILEIRA DE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO
SBHE / PUC – CURITIBA – PR – NOV. 2004
Texto e Pesquisa do Prof. Dagoberto Mebius
Mestrando em História da Educação pela
Universidade de Sorocaba – UNISO
®©-Dagoberto Mebius – Sorocaba – jun/2004
APONTAMENTOS PARA
A HISTÓRIA DE
SOROCABA
E REGIÃO
Dagoberto Mebius
A geografia e antropogênese
sorocabana
•A bacia hidrográfica da região
•A depressão periférica
•As serras e morros
•Os campos de cerrados
•Os homens que aqui estavam
•Os homens que aqui chegaram
•Como ocorreu a fixação na terra
•O arraial, a primeira comunidade e suas ações
sociais
Macro-visão
da “linha do tempo”
•Da Pré-história até o século XVI
•Bandeirismo – 1580 a 1732
•Tropeirismo – 1733 a 1897
•Industrialização – 1875 a 1980
•A atualidade sorocabana
Pré-história – 4 mil anos atrás
4 mil anos atrás aproximadamente era passagem e
campo de caça de pequenos grupos nômades que
seguiam em direção ao sul do continente.
•Os rios da região provavelmente serviram de limites
para os índios – Tupis (Rio Tietê) – Tupiniquins e
Guaianazes (área inicial do altiplanalto paulista) –
Carijós (Campos Gerais/Curitiba) –Guaranis e
Guaianazes (Rio Paranapanema)
•O grande “Peabiru” ou “Caminho de São Tomé” –
bifurcação – oeste em direção a serra de Botucatu e
para o sul em direção ao Paraná
Bandeirantes – 1580/1732
•Heróis ou bandidos?
•Conceito – momento histórico dos fatos
•Quase 200 anos de Bandeiras e Entradas
•1580 - Início da presença do homem branco
•1733 - A expansão rumo ao sul
O arraial – 1580 – 1670
•1580 - Affonso Sardinha – fornos catalães e a aventura do ferro
•1589 - D. Francisco de Souza – 7° governador Geral do Brasil ordena a
criação da “villa de N.S. do Monte Serrat”
•1611 - O pelourinho muda para a “Fellipa Villa” ou Arraial de S. Felipe
•1630 - Destruição de Guairá pelos bandeirantes paulistas – os padres
Mazzeta e Masília passam por Itavuvu a caminho de Madri e Roma – irão
queixar-se ao Papa Urbano VIII da crueldade dos paulista de Sorocaba.
•André Fernandes – Santana de Parnaíba, Domingos Fernandes – Itu,
Baltazar Fernandes - Sorocaba – filhos de Manuel Fernandes e Suzana Dias
– neta de João Ramalho e Bartira
•Fusão de famílias castelhanas em Guairá (Paraguai)– Zuñega e Fernandes
•Família de Baltazar Fernandes
1ª esposa: Maria de Riquelme de Gusmon – faleceu no Guairá
2ª esposa: Isabel de Proença – faleceu em Sorocaba
•1641 – a mudança para o local onde surgiria o arraial de Sorocaba
•1654 – a transferência do pelourinho da Vila de São Felipe
•1661 - o Governador da Capitanias do Sul, Salvador Correia de Sá y
Benevides autoriza a instalação da Câmara de Sorocaba
Bandeirantes sorocabanos - 1733
•Nos confins dos “certoins desconhecidos”
os primeiros sorocabanos deixam suas mulheres no “arraial” e
saem em “estrepulias” a caçar índios, descobrindo ouro
e fundando cidades.
Os Moreira Cabral
•Paschoal Moreira Cabral – o velho, vindo de Santana do
Parnaiba recebe terras de Baltazar, nos altos da Serra de
São Francisco e estabelece sua sede onde hoje está a
fábrica de cimento em Santa Helena - Votorantin.
•Participou ativamente das investidas ao sul no preamento
de índios e destruição de “Reduciones del sur”
•Paschoal Moreira Cabral – o filho, nasceu em Santa
Helena e com André de Zuñega foi um grande caçador de
índios. Em 1715 descobre ouro as margens do rio Coxipó-
Mirim e 1719 funda o arraial de Forquilha no Mato
Grosso
Os irmãos Sutil de Oliveira
Sebastião Sutil de Oliveira – explorou a região do sertão bravio da
alta Araraquara e grande parte do oeste do estado de São Paulo.
•Miguel Sutil de Oliveira – Fundador da cidade de Cuiabá – foi o
mais ricos de todos os bandeirantes, morreu pobre numa
choupana onde hoje é a Vila Barão.
A “feroz” família Maciel
•João Antunes Maciel – estabelece uma fazenda nos campos do
Pirapora pouco antes de chegar ao rio Sarapuí, ali nascem seus cinco
filhos. Tinham fama de guerreiros e “mui honrada palavra”.
•Miguel – Depois de participar de duas bandeiras vai lutar contra os
índios Paiaguás em 1725 e encontra a morte. Tinha menos de 16 anos.
•João – honrando a palavra dada, luta contra os paulistas na Guerra
dos Emboabas, nunca mais voltará tendo caído morto no rio das
Mortes.
•Gabriel – planejou abrir uma estrada ligando Sorocaba ao rio Paraná
– Esteve nos combates contra os Paiaguás e descobriu diamantes no rio
Paraguai, foi Capitão-mor de Sorocaba, onde faleceu em 1734
•Antônio – eufórico com a descoberta entra aos berros na pequena
“villa de São Paulo”: Ouro! Ouro! Para quem quiser! A notícia deixa a
“villa” as moscas, somente velhos e doentes e algumas mulheres ficam
em São Paulo. Foi o caos!
•Felipe –caçou índios Parecis e lutou na guerra contra os Paiaguás.
Os Paes de Barros e os outros
•Arthur e Fernão Paes de Barros - fundam em 1734 Vila Bela do Mato
Grosso – hoje patrimônio Cultural da Humanidade. Por ela, abriu-se o
caminho para a conquista da Amazônia e a ligação do norte com sul do
Brasil.
•Braz Esteves Leme – Era mameluco, depois de “correrias pelos
sertões” caçando índios, se estabelece com sua fazenda de escravos
vermelhos nos campos do Itapeva (serra de São Francisco, onde hoje
está o bairro do Carafá). Teve seis filhos legítimos e catorze ilegítimos
com suas escrava índias carijós.
•Manoel Correia – procurou e encontrou ouro no Araguaia. Voltando a
Sorocaba fez com o primeiro ouro de Goiás, uma coroazinha para a
imagem de N.S. do Pilar que ficava no mosteiro de São Bento. Esse
raro tesouro encontra-se “perdido”.
A única monção sorocabana
1727 – O comerciante João Antunes Cabral Camelo, parte
de Sorocaba e chega a Cuiabá depois de 9 meses de
peripécias e aventuras.
•1730, no retorno ocorre a trágica emboscada dos índios
Paiaguás, onde morre entre outros o ouvidor-real Antônio
Lanhas Peixoto. Esse episódio vai dar origem a guerra de
extermínio dos índios Paiaguás no qual a família Maciel
tanto se empenhou. A atitude de vingança da família
Maciel contra os índios foi levada ao extremo. Um de seus
filhos adolescente morre em combate.
“...homens do mato e gentes da
villa de Sorocaba em guerra
contra os castelhanos...”
•Braz Mendes Paes, veio para Sorocaba em 1682 de onde
parte com sua bandeira para os sertões de Vacaria - RS, com
ele o ituano Pedro Leme da Silva, que por ser caolho era
chamado de “Torto”. Próximo aos Campos Gerais se
defrontam com os espanhóis que exigem que os mesmos
reconheçam aquelas terras como do rei de Espanha. Não o
fazem e mesmo estando em número inferior, os bandeirantes
vencem a guarnição espanhola, cujo comandante ao se retirar
diz: - “Mirem el tuerto!”, ao que acrescenta Pedro Leme em
voz alta: “...y coxo tambien!”
Declínio do ciclo bandeirantista...
•As tropas estão chegando...são bois, vacas, cavalos, mulas e um
bando de peões.
•De 1733 a 1897 – um “capitalismo” meio caipira dá início ao
ciclo tropeiro.
•Sorocabano não é tropeiro e Sorocaba não é uma cidade
tropeira! É na verdade um “grande entreposto”!
•1733 – Cristovão Pereira de Abreu passa pela vila de Sorocaba
alvoroçando a quietude e a apatia do arraial.
•Correria de pessoas para ver o inusitado arranchamento nas
margens do rio Sorocaba para se abastecerem de água e
suprimentos
•O sorocabano continua na sua lavoura... mas a “villa” é sede das
famosas, barulhentas e mal cheirosas “Feiras de Muares”.
1750 - Marco oficial do ciclo
econômico tropeiro
•Com a instalação do primeiro registro de muares, a “villa” de
Sorocaba passa a viver em função dele, com a produção
artesanal e caseira de arreios, facões, redes, comidas, vida
artística... mas pouco intelectual.
•Estabelecido o comércio interno, a vila começa a se modificar
em função dos comerciantes que antes eram temporários e
agora passam a se fixar na vila
•A arquitetura e o urbanismo da vila passa por modificações
•Desenvolve-se a lavoura canavieira e algodoeira
•O século XVIII está terminando
O século XIX começa com um fato que
muda a vida da Colônia
•Até então nem sabíamos que éramos brasileiros!
•O Bloqueio Continental por Napoleão, traz a família Real para o Brasil – Somos
elevados a Reino Unido em 1808.
•Em 1810, D. João, o príncipe regente determina a construção - do Real
Estabelecimento Montanístico das Minas de Ferro de São João do Ipanema , a
Fábrica de Ferro de Ipanema - nossa primeira grande indústria – o primeiro
investimento de capital misto também no Brasil.
•As primeiras escolas e um grande mestre: O Professor Toledo e o “Collégio do
Lageado”.
•Outros empreendimentos virão em razão de algumas novidades. A Guerra de
Secessão nos Estados Unidos – 1860/1865 – exportamos algodão para a Inglaterra.
•Poucos escravos e libertados bem antes da Lei Áurea. Somos irmãos!
•Surge a máquina a vapor e as locomotivas – O sorocabano começa a ter pressa -
Mailasky e outros fundam a União Sorocabana de Estradas de Ferro em 1876.
•O ciclo tropeiro está em franco declínio. Em 1897 realiza-se a última e derradeira
feira sem muito interesse.
•A gênese sorocabana estava formada.
Século XX – O interior é aqui!
•O século das grandes transformações.
•O mundo está em transformação. O homem agora anda de rodas e faz
fumaça. Alguns até voam!
•Como a maioria das cidades interioranas no Brasil, Sorocaba tem uma
agricultura rudimentar, suas indústrias familiares empregam um enorme
contingente de imigrantes italianos, espanhóis... Mas pouca gente da terra.
•Mas um evento avassalador está por vir – ¼ da população da cidade
sucumbe a peste ou gripe espanhola nos anos de 1917 a 1918.
•Somente após os anos 30 , Sorocaba começa novamente a figurar nas
estatísticas de produção e nos anos 70 tem sua maior e mais significativa
transformação como cidade industrial.
•Sorocaba atualmente é sede de um grande número de indústrias de ponta
e conhecida internacionalmente. Somos “high-tec” - nada de poluição!
•A qualidade de vida de seus habitantes é considerada de boa para
excelente, apesar dos muitos problemas sociais, culturais e urbanos ainda
aguardarem uma solução.
O século XXI já começou!
•Qual será a previsão para a cidade de Sorocaba para este
século novinho em folha!
•Apesar de considerada como cidade histórica não preservou
nada de suas construções e tão pouco guardou seus locais
históricos. É uma cidade sem memória.
•Seus museus permanecem caóticos e mal administrados.
Não temos teatros e as bibliotecas públicas são insipientes.
Não temos um Sistema de Arquivo Municipal.
•E a história não pára.
•Quem estará pronto para reunir a grande memória
sorocabana e suas raízes e dar-lhe o devido valor?
•Alguém se habilita? Será que nossa população universitária
estará disposta e pronta para esse trabalho?
•Fica o desafio a essa nova “gene” sorocabana!
BIBLIOGRAFIA E FONTES
História de Sorocaba
No Tempo dos Bandeirantes
Cadernos de Arqueologia
História da Siderurgia de São Paulo
Minhas Memórias
Um Educador de Outrora
A Pré História Brasileira
O Indígena no Vale do Paraíba
O Esconderijo do Sol
História da Fábrica de Ipanema
Cartilha de História de Sorocaba para Crianças
Professor Toledo e o Colégio do Lageado
Cartas Tropeiras
Arquivo da Marinha e Ultramar
Cadernos da Academia Sorocabana de Letras
Aluísio de Almeida
Belmonte
Francis Celoria
Jesuino Felicíssimo Junior
Francisco Gaspar
João Lourenço Rodrigues
Josué de Camargo Mendes
Paulo Pereira dos Reis
José Monteiro Salazar
Nicolau Pereira de Campos Vergueiro
Dagoberto Mebius
Dagoberto Mebius
Dagoberto Mebius
Portugal
Sorocaba
Dagoberto Mebius é professor e pesquisador de História – nascido
em São Paulo, radicou-se em Sorocaba em fins de 1970, mas passou
grande parte de sua vida em contato com Sorocaba ,
pois é filho de mãe e neto de sorocabanos.
É também ilustrador e tem feito um trabalho de preservação da
Memória sorocabana
através de desenhos em bico-de-pena e
de uma Cartilha elaborada exclusivamente
para alunos do ensino fundamental I.
Como psicopedagogo clínico atua na área do desenvolvimento das
habilidades situada no brincar. Esta atividade soma-se as oficinas
de experimentos e iniciação científica para crianças.
Por mais de 40 anos tem se dedicado a educação por acreditar que
esta é uma das ferramentas necessárias para fazer um Brasil Novo.
Contatos podem ser feitos através do e.mail :
dagmebius@hotmail.com .

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Resumo de História do Paraná.
Resumo de História do Paraná.Resumo de História do Paraná.
Resumo de História do Paraná.aroudus
 
Relatório visita técnica Centro RJ e Museu Histórico Nacional
Relatório visita técnica Centro RJ e Museu Histórico Nacional Relatório visita técnica Centro RJ e Museu Histórico Nacional
Relatório visita técnica Centro RJ e Museu Histórico Nacional Maira Teixeira
 
Jaguarão, nossa cidade maravilhosa.
Jaguarão, nossa cidade maravilhosa.Jaguarão, nossa cidade maravilhosa.
Jaguarão, nossa cidade maravilhosa.Jauna Cañizares
 
Revista 01 de 2011
Revista 01 de 2011Revista 01 de 2011
Revista 01 de 2011glopesli
 
Genealogia do Acaraú -parte 01 - Nicodemos Araújo-Fonte: Municipio de Acaraú-...
Genealogia do Acaraú -parte 01 - Nicodemos Araújo-Fonte: Municipio de Acaraú-...Genealogia do Acaraú -parte 01 - Nicodemos Araújo-Fonte: Municipio de Acaraú-...
Genealogia do Acaraú -parte 01 - Nicodemos Araújo-Fonte: Municipio de Acaraú-...Acaraú pra Recordar
 
Estudos regionais primeiras comunidades do maranhão
Estudos regionais   primeiras comunidades do maranhãoEstudos regionais   primeiras comunidades do maranhão
Estudos regionais primeiras comunidades do maranhãoprofmarloncardozo
 
Genealogia do Acaraú -parte 02 - Nicodemos Araújo - Fonte: Municipio de Acara...
Genealogia do Acaraú -parte 02 - Nicodemos Araújo - Fonte: Municipio de Acara...Genealogia do Acaraú -parte 02 - Nicodemos Araújo - Fonte: Municipio de Acara...
Genealogia do Acaraú -parte 02 - Nicodemos Araújo - Fonte: Municipio de Acara...Acaraú pra Recordar
 
Belezas do Brasil - Minas Gerais, terra querida!
Belezas do Brasil - Minas Gerais, terra querida!Belezas do Brasil - Minas Gerais, terra querida!
Belezas do Brasil - Minas Gerais, terra querida!Aristides Monteiro
 
Historia da paraiba rodrigo
Historia da paraiba rodrigoHistoria da paraiba rodrigo
Historia da paraiba rodrigonilmarfgalvao
 
História da paraiba - PIBID História UEPB Campus I
História da paraiba - PIBID História UEPB Campus IHistória da paraiba - PIBID História UEPB Campus I
História da paraiba - PIBID História UEPB Campus INaldo Stithi
 
O Bandeirante - n.192 - Novembro de 2008
O Bandeirante - n.192 - Novembro de 2008O Bandeirante - n.192 - Novembro de 2008
O Bandeirante - n.192 - Novembro de 2008Marcos Gimenes Salun
 
História da Paraíba - Aula 1- Concurso PM PB 2018
História da Paraíba - Aula 1- Concurso PM PB 2018História da Paraíba - Aula 1- Concurso PM PB 2018
História da Paraíba - Aula 1- Concurso PM PB 2018Gilbert Patsayev
 
História regional povoamento primeiros tempos
História     regional   povoamento primeiros temposHistória     regional   povoamento primeiros tempos
História regional povoamento primeiros temposMarcelo Abreu Gomes
 

Mais procurados (18)

Resumo de História do Paraná.
Resumo de História do Paraná.Resumo de História do Paraná.
Resumo de História do Paraná.
 
Relatório visita técnica Centro RJ e Museu Histórico Nacional
Relatório visita técnica Centro RJ e Museu Histórico Nacional Relatório visita técnica Centro RJ e Museu Histórico Nacional
Relatório visita técnica Centro RJ e Museu Histórico Nacional
 
Jaguarão, nossa cidade maravilhosa.
Jaguarão, nossa cidade maravilhosa.Jaguarão, nossa cidade maravilhosa.
Jaguarão, nossa cidade maravilhosa.
 
Revista 01 de 2011
Revista 01 de 2011Revista 01 de 2011
Revista 01 de 2011
 
Genealogia do Acaraú -parte 01 - Nicodemos Araújo-Fonte: Municipio de Acaraú-...
Genealogia do Acaraú -parte 01 - Nicodemos Araújo-Fonte: Municipio de Acaraú-...Genealogia do Acaraú -parte 01 - Nicodemos Araújo-Fonte: Municipio de Acaraú-...
Genealogia do Acaraú -parte 01 - Nicodemos Araújo-Fonte: Municipio de Acaraú-...
 
O escravo gaúcho
O escravo gaúchoO escravo gaúcho
O escravo gaúcho
 
Estudos regionais primeiras comunidades do maranhão
Estudos regionais   primeiras comunidades do maranhãoEstudos regionais   primeiras comunidades do maranhão
Estudos regionais primeiras comunidades do maranhão
 
Indicações de livros de História da Paraíba
Indicações de livros de História da ParaíbaIndicações de livros de História da Paraíba
Indicações de livros de História da Paraíba
 
Novo histórico da cidade
Novo histórico da cidadeNovo histórico da cidade
Novo histórico da cidade
 
A HISTÓRIA DA MOOCA . . .
A HISTÓRIA DA MOOCA  . . .A HISTÓRIA DA MOOCA  . . .
A HISTÓRIA DA MOOCA . . .
 
Genealogia do Acaraú -parte 02 - Nicodemos Araújo - Fonte: Municipio de Acara...
Genealogia do Acaraú -parte 02 - Nicodemos Araújo - Fonte: Municipio de Acara...Genealogia do Acaraú -parte 02 - Nicodemos Araújo - Fonte: Municipio de Acara...
Genealogia do Acaraú -parte 02 - Nicodemos Araújo - Fonte: Municipio de Acara...
 
Belezas do Brasil - Minas Gerais, terra querida!
Belezas do Brasil - Minas Gerais, terra querida!Belezas do Brasil - Minas Gerais, terra querida!
Belezas do Brasil - Minas Gerais, terra querida!
 
Historia da paraiba rodrigo
Historia da paraiba rodrigoHistoria da paraiba rodrigo
Historia da paraiba rodrigo
 
História da paraiba - PIBID História UEPB Campus I
História da paraiba - PIBID História UEPB Campus IHistória da paraiba - PIBID História UEPB Campus I
História da paraiba - PIBID História UEPB Campus I
 
História de curitibanos
História de curitibanosHistória de curitibanos
História de curitibanos
 
O Bandeirante - n.192 - Novembro de 2008
O Bandeirante - n.192 - Novembro de 2008O Bandeirante - n.192 - Novembro de 2008
O Bandeirante - n.192 - Novembro de 2008
 
História da Paraíba - Aula 1- Concurso PM PB 2018
História da Paraíba - Aula 1- Concurso PM PB 2018História da Paraíba - Aula 1- Concurso PM PB 2018
História da Paraíba - Aula 1- Concurso PM PB 2018
 
História regional povoamento primeiros tempos
História     regional   povoamento primeiros temposHistória     regional   povoamento primeiros tempos
História regional povoamento primeiros tempos
 

Semelhante a Apontamentos para história de sorocaba e região

HISTORIA DE MATO GROSSO - UNEMAT.pptx
HISTORIA DE MATO GROSSO - UNEMAT.pptxHISTORIA DE MATO GROSSO - UNEMAT.pptx
HISTORIA DE MATO GROSSO - UNEMAT.pptxMarsellus Cardousous
 
História do Paraná
História do ParanáHistória do Paraná
História do Paranásissapb
 
Santo andré, a vila perdida na borda do campo
Santo andré, a vila perdida na borda do campoSanto andré, a vila perdida na borda do campo
Santo andré, a vila perdida na borda do campoVictor Cardoso
 
História do ceará voliii
História do ceará voliiiHistória do ceará voliii
História do ceará voliiibrenda timbo
 
HISTÓRIA DO MATO GROSSO COLONIAL
HISTÓRIA DO MATO GROSSO COLONIALHISTÓRIA DO MATO GROSSO COLONIAL
HISTÓRIA DO MATO GROSSO COLONIALcarlosbidu
 
Pedro Cacunda e os Primeiros Eleitores de Conceição do Castelo
Pedro Cacunda e os Primeiros Eleitores de Conceição do CasteloPedro Cacunda e os Primeiros Eleitores de Conceição do Castelo
Pedro Cacunda e os Primeiros Eleitores de Conceição do CasteloDiogo Andrade França
 
História de MT - OPERAÇÃO UNEMAT 2014
História de MT - OPERAÇÃO UNEMAT 2014História de MT - OPERAÇÃO UNEMAT 2014
História de MT - OPERAÇÃO UNEMAT 2014Carlos Benjoino Bidu
 
Espírito santo colonial
Espírito  santo colonialEspírito  santo colonial
Espírito santo colonialYara Ribeiro
 
Projeto Cidade em Debate - Cidade de Pirenópolis II
Projeto Cidade em Debate - Cidade de Pirenópolis IIProjeto Cidade em Debate - Cidade de Pirenópolis II
Projeto Cidade em Debate - Cidade de Pirenópolis IIJornalculturanet
 
OcupaçãO De Mato Grosso
OcupaçãO De Mato GrossoOcupaçãO De Mato Grosso
OcupaçãO De Mato GrossoPaticx
 
História de Mato Grosso No Período Colonial
História de Mato Grosso No Período ColonialHistória de Mato Grosso No Período Colonial
História de Mato Grosso No Período ColonialJoão Pereira
 
Sistema colonial - Questões dos últimos vestibulares do Sul do Brasil
Sistema colonial - Questões dos últimos vestibulares do Sul do BrasilSistema colonial - Questões dos últimos vestibulares do Sul do Brasil
Sistema colonial - Questões dos últimos vestibulares do Sul do BrasilValeria Kosicki
 

Semelhante a Apontamentos para história de sorocaba e região (20)

A história sp periodo colonial
A história sp periodo colonialA história sp periodo colonial
A história sp periodo colonial
 
HISTORIA DE MATO GROSSO - UNEMAT.pptx
HISTORIA DE MATO GROSSO - UNEMAT.pptxHISTORIA DE MATO GROSSO - UNEMAT.pptx
HISTORIA DE MATO GROSSO - UNEMAT.pptx
 
Expansão colonial na américa portuguesa
Expansão colonial na américa portuguesaExpansão colonial na américa portuguesa
Expansão colonial na américa portuguesa
 
História do Paraná
História do ParanáHistória do Paraná
História do Paraná
 
Capítulo 7 - Expansão e ouro na américa portuguesa
Capítulo 7 - Expansão e ouro na américa portuguesaCapítulo 7 - Expansão e ouro na américa portuguesa
Capítulo 7 - Expansão e ouro na américa portuguesa
 
Santo andré, a vila perdida na borda do campo
Santo andré, a vila perdida na borda do campoSanto andré, a vila perdida na borda do campo
Santo andré, a vila perdida na borda do campo
 
Evolucão economia brasil
Evolucão economia brasilEvolucão economia brasil
Evolucão economia brasil
 
Mato grosso
Mato grossoMato grosso
Mato grosso
 
História do ceará voliii
História do ceará voliiiHistória do ceará voliii
História do ceará voliii
 
HISTÓRIA DO MATO GROSSO COLONIAL
HISTÓRIA DO MATO GROSSO COLONIALHISTÓRIA DO MATO GROSSO COLONIAL
HISTÓRIA DO MATO GROSSO COLONIAL
 
Historia da paraiba
Historia da paraibaHistoria da paraiba
Historia da paraiba
 
Pedro Cacunda e os Primeiros Eleitores de Conceição do Castelo
Pedro Cacunda e os Primeiros Eleitores de Conceição do CasteloPedro Cacunda e os Primeiros Eleitores de Conceição do Castelo
Pedro Cacunda e os Primeiros Eleitores de Conceição do Castelo
 
História de MT - OPERAÇÃO UNEMAT 2014
História de MT - OPERAÇÃO UNEMAT 2014História de MT - OPERAÇÃO UNEMAT 2014
História de MT - OPERAÇÃO UNEMAT 2014
 
Espírito santo colonial
Espírito  santo colonialEspírito  santo colonial
Espírito santo colonial
 
Fazendas do café
Fazendas do caféFazendas do café
Fazendas do café
 
Pirabeiraba 150 anos
Pirabeiraba 150 anosPirabeiraba 150 anos
Pirabeiraba 150 anos
 
Projeto Cidade em Debate - Cidade de Pirenópolis II
Projeto Cidade em Debate - Cidade de Pirenópolis IIProjeto Cidade em Debate - Cidade de Pirenópolis II
Projeto Cidade em Debate - Cidade de Pirenópolis II
 
OcupaçãO De Mato Grosso
OcupaçãO De Mato GrossoOcupaçãO De Mato Grosso
OcupaçãO De Mato Grosso
 
História de Mato Grosso No Período Colonial
História de Mato Grosso No Período ColonialHistória de Mato Grosso No Período Colonial
História de Mato Grosso No Período Colonial
 
Sistema colonial - Questões dos últimos vestibulares do Sul do Brasil
Sistema colonial - Questões dos últimos vestibulares do Sul do BrasilSistema colonial - Questões dos últimos vestibulares do Sul do Brasil
Sistema colonial - Questões dos últimos vestibulares do Sul do Brasil
 

Apontamentos para história de sorocaba e região

  • 1. IMPORTANTE! LEIA! O material ora apresentado, foi inicialmente produzido para ser apresentado no III Congresso Brasileiro de História da Educação – da SBHE, realizado em 2004 na Pontifícia Universidade Católica – Curitiba/PR. Porém, diante de solicitação do próprio orientador na época julgá-lo de menor importância o mesmo foi arquivado . Fatos posteriores no entanto vão sendo analisados e o referido trabalho foi considerado próprio para os estudantes do Fundamental I e II e até mesmo de estudantes de Pedagogia e História como base de pesquisas ou de tópicos de estudos, voltando então a luz novamente é hoje material básico para quem queira entender de forma mais fácil a História da cidade de Sorocaba. Este aviso é dessa forma importante e explica o por quê do texto inicial citar o referido Congresso da SBHEe a Universidade de Sorocaba – Uniso. Professor Dagoberto Mebius Sorocaba, julho de 2013
  • 2. III CONGRESSO BRASILEIRO DE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO SOCIEDADE BRASILEIRA DE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO SBHE / PUC – CURITIBA – PR – NOV. 2004 Texto e Pesquisa do Prof. Dagoberto Mebius Mestrando em História da Educação pela Universidade de Sorocaba – UNISO ®©-Dagoberto Mebius – Sorocaba – jun/2004
  • 3. APONTAMENTOS PARA A HISTÓRIA DE SOROCABA E REGIÃO Dagoberto Mebius
  • 4. A geografia e antropogênese sorocabana •A bacia hidrográfica da região •A depressão periférica •As serras e morros •Os campos de cerrados •Os homens que aqui estavam •Os homens que aqui chegaram •Como ocorreu a fixação na terra •O arraial, a primeira comunidade e suas ações sociais
  • 5. Macro-visão da “linha do tempo” •Da Pré-história até o século XVI •Bandeirismo – 1580 a 1732 •Tropeirismo – 1733 a 1897 •Industrialização – 1875 a 1980 •A atualidade sorocabana
  • 6. Pré-história – 4 mil anos atrás 4 mil anos atrás aproximadamente era passagem e campo de caça de pequenos grupos nômades que seguiam em direção ao sul do continente. •Os rios da região provavelmente serviram de limites para os índios – Tupis (Rio Tietê) – Tupiniquins e Guaianazes (área inicial do altiplanalto paulista) – Carijós (Campos Gerais/Curitiba) –Guaranis e Guaianazes (Rio Paranapanema) •O grande “Peabiru” ou “Caminho de São Tomé” – bifurcação – oeste em direção a serra de Botucatu e para o sul em direção ao Paraná
  • 7. Bandeirantes – 1580/1732 •Heróis ou bandidos? •Conceito – momento histórico dos fatos •Quase 200 anos de Bandeiras e Entradas •1580 - Início da presença do homem branco •1733 - A expansão rumo ao sul
  • 8. O arraial – 1580 – 1670 •1580 - Affonso Sardinha – fornos catalães e a aventura do ferro •1589 - D. Francisco de Souza – 7° governador Geral do Brasil ordena a criação da “villa de N.S. do Monte Serrat” •1611 - O pelourinho muda para a “Fellipa Villa” ou Arraial de S. Felipe •1630 - Destruição de Guairá pelos bandeirantes paulistas – os padres Mazzeta e Masília passam por Itavuvu a caminho de Madri e Roma – irão queixar-se ao Papa Urbano VIII da crueldade dos paulista de Sorocaba. •André Fernandes – Santana de Parnaíba, Domingos Fernandes – Itu, Baltazar Fernandes - Sorocaba – filhos de Manuel Fernandes e Suzana Dias – neta de João Ramalho e Bartira •Fusão de famílias castelhanas em Guairá (Paraguai)– Zuñega e Fernandes •Família de Baltazar Fernandes 1ª esposa: Maria de Riquelme de Gusmon – faleceu no Guairá 2ª esposa: Isabel de Proença – faleceu em Sorocaba •1641 – a mudança para o local onde surgiria o arraial de Sorocaba •1654 – a transferência do pelourinho da Vila de São Felipe •1661 - o Governador da Capitanias do Sul, Salvador Correia de Sá y Benevides autoriza a instalação da Câmara de Sorocaba
  • 9. Bandeirantes sorocabanos - 1733 •Nos confins dos “certoins desconhecidos” os primeiros sorocabanos deixam suas mulheres no “arraial” e saem em “estrepulias” a caçar índios, descobrindo ouro e fundando cidades.
  • 10. Os Moreira Cabral •Paschoal Moreira Cabral – o velho, vindo de Santana do Parnaiba recebe terras de Baltazar, nos altos da Serra de São Francisco e estabelece sua sede onde hoje está a fábrica de cimento em Santa Helena - Votorantin. •Participou ativamente das investidas ao sul no preamento de índios e destruição de “Reduciones del sur” •Paschoal Moreira Cabral – o filho, nasceu em Santa Helena e com André de Zuñega foi um grande caçador de índios. Em 1715 descobre ouro as margens do rio Coxipó- Mirim e 1719 funda o arraial de Forquilha no Mato Grosso
  • 11. Os irmãos Sutil de Oliveira Sebastião Sutil de Oliveira – explorou a região do sertão bravio da alta Araraquara e grande parte do oeste do estado de São Paulo. •Miguel Sutil de Oliveira – Fundador da cidade de Cuiabá – foi o mais ricos de todos os bandeirantes, morreu pobre numa choupana onde hoje é a Vila Barão.
  • 12. A “feroz” família Maciel •João Antunes Maciel – estabelece uma fazenda nos campos do Pirapora pouco antes de chegar ao rio Sarapuí, ali nascem seus cinco filhos. Tinham fama de guerreiros e “mui honrada palavra”. •Miguel – Depois de participar de duas bandeiras vai lutar contra os índios Paiaguás em 1725 e encontra a morte. Tinha menos de 16 anos. •João – honrando a palavra dada, luta contra os paulistas na Guerra dos Emboabas, nunca mais voltará tendo caído morto no rio das Mortes. •Gabriel – planejou abrir uma estrada ligando Sorocaba ao rio Paraná – Esteve nos combates contra os Paiaguás e descobriu diamantes no rio Paraguai, foi Capitão-mor de Sorocaba, onde faleceu em 1734 •Antônio – eufórico com a descoberta entra aos berros na pequena “villa de São Paulo”: Ouro! Ouro! Para quem quiser! A notícia deixa a “villa” as moscas, somente velhos e doentes e algumas mulheres ficam em São Paulo. Foi o caos! •Felipe –caçou índios Parecis e lutou na guerra contra os Paiaguás.
  • 13. Os Paes de Barros e os outros •Arthur e Fernão Paes de Barros - fundam em 1734 Vila Bela do Mato Grosso – hoje patrimônio Cultural da Humanidade. Por ela, abriu-se o caminho para a conquista da Amazônia e a ligação do norte com sul do Brasil. •Braz Esteves Leme – Era mameluco, depois de “correrias pelos sertões” caçando índios, se estabelece com sua fazenda de escravos vermelhos nos campos do Itapeva (serra de São Francisco, onde hoje está o bairro do Carafá). Teve seis filhos legítimos e catorze ilegítimos com suas escrava índias carijós. •Manoel Correia – procurou e encontrou ouro no Araguaia. Voltando a Sorocaba fez com o primeiro ouro de Goiás, uma coroazinha para a imagem de N.S. do Pilar que ficava no mosteiro de São Bento. Esse raro tesouro encontra-se “perdido”.
  • 14. A única monção sorocabana 1727 – O comerciante João Antunes Cabral Camelo, parte de Sorocaba e chega a Cuiabá depois de 9 meses de peripécias e aventuras. •1730, no retorno ocorre a trágica emboscada dos índios Paiaguás, onde morre entre outros o ouvidor-real Antônio Lanhas Peixoto. Esse episódio vai dar origem a guerra de extermínio dos índios Paiaguás no qual a família Maciel tanto se empenhou. A atitude de vingança da família Maciel contra os índios foi levada ao extremo. Um de seus filhos adolescente morre em combate.
  • 15. “...homens do mato e gentes da villa de Sorocaba em guerra contra os castelhanos...” •Braz Mendes Paes, veio para Sorocaba em 1682 de onde parte com sua bandeira para os sertões de Vacaria - RS, com ele o ituano Pedro Leme da Silva, que por ser caolho era chamado de “Torto”. Próximo aos Campos Gerais se defrontam com os espanhóis que exigem que os mesmos reconheçam aquelas terras como do rei de Espanha. Não o fazem e mesmo estando em número inferior, os bandeirantes vencem a guarnição espanhola, cujo comandante ao se retirar diz: - “Mirem el tuerto!”, ao que acrescenta Pedro Leme em voz alta: “...y coxo tambien!”
  • 16. Declínio do ciclo bandeirantista... •As tropas estão chegando...são bois, vacas, cavalos, mulas e um bando de peões. •De 1733 a 1897 – um “capitalismo” meio caipira dá início ao ciclo tropeiro. •Sorocabano não é tropeiro e Sorocaba não é uma cidade tropeira! É na verdade um “grande entreposto”! •1733 – Cristovão Pereira de Abreu passa pela vila de Sorocaba alvoroçando a quietude e a apatia do arraial. •Correria de pessoas para ver o inusitado arranchamento nas margens do rio Sorocaba para se abastecerem de água e suprimentos •O sorocabano continua na sua lavoura... mas a “villa” é sede das famosas, barulhentas e mal cheirosas “Feiras de Muares”.
  • 17. 1750 - Marco oficial do ciclo econômico tropeiro •Com a instalação do primeiro registro de muares, a “villa” de Sorocaba passa a viver em função dele, com a produção artesanal e caseira de arreios, facões, redes, comidas, vida artística... mas pouco intelectual. •Estabelecido o comércio interno, a vila começa a se modificar em função dos comerciantes que antes eram temporários e agora passam a se fixar na vila •A arquitetura e o urbanismo da vila passa por modificações •Desenvolve-se a lavoura canavieira e algodoeira •O século XVIII está terminando
  • 18. O século XIX começa com um fato que muda a vida da Colônia •Até então nem sabíamos que éramos brasileiros! •O Bloqueio Continental por Napoleão, traz a família Real para o Brasil – Somos elevados a Reino Unido em 1808. •Em 1810, D. João, o príncipe regente determina a construção - do Real Estabelecimento Montanístico das Minas de Ferro de São João do Ipanema , a Fábrica de Ferro de Ipanema - nossa primeira grande indústria – o primeiro investimento de capital misto também no Brasil. •As primeiras escolas e um grande mestre: O Professor Toledo e o “Collégio do Lageado”. •Outros empreendimentos virão em razão de algumas novidades. A Guerra de Secessão nos Estados Unidos – 1860/1865 – exportamos algodão para a Inglaterra. •Poucos escravos e libertados bem antes da Lei Áurea. Somos irmãos! •Surge a máquina a vapor e as locomotivas – O sorocabano começa a ter pressa - Mailasky e outros fundam a União Sorocabana de Estradas de Ferro em 1876. •O ciclo tropeiro está em franco declínio. Em 1897 realiza-se a última e derradeira feira sem muito interesse. •A gênese sorocabana estava formada.
  • 19. Século XX – O interior é aqui! •O século das grandes transformações. •O mundo está em transformação. O homem agora anda de rodas e faz fumaça. Alguns até voam! •Como a maioria das cidades interioranas no Brasil, Sorocaba tem uma agricultura rudimentar, suas indústrias familiares empregam um enorme contingente de imigrantes italianos, espanhóis... Mas pouca gente da terra. •Mas um evento avassalador está por vir – ¼ da população da cidade sucumbe a peste ou gripe espanhola nos anos de 1917 a 1918. •Somente após os anos 30 , Sorocaba começa novamente a figurar nas estatísticas de produção e nos anos 70 tem sua maior e mais significativa transformação como cidade industrial. •Sorocaba atualmente é sede de um grande número de indústrias de ponta e conhecida internacionalmente. Somos “high-tec” - nada de poluição! •A qualidade de vida de seus habitantes é considerada de boa para excelente, apesar dos muitos problemas sociais, culturais e urbanos ainda aguardarem uma solução.
  • 20. O século XXI já começou! •Qual será a previsão para a cidade de Sorocaba para este século novinho em folha! •Apesar de considerada como cidade histórica não preservou nada de suas construções e tão pouco guardou seus locais históricos. É uma cidade sem memória. •Seus museus permanecem caóticos e mal administrados. Não temos teatros e as bibliotecas públicas são insipientes. Não temos um Sistema de Arquivo Municipal. •E a história não pára. •Quem estará pronto para reunir a grande memória sorocabana e suas raízes e dar-lhe o devido valor? •Alguém se habilita? Será que nossa população universitária estará disposta e pronta para esse trabalho? •Fica o desafio a essa nova “gene” sorocabana!
  • 21. BIBLIOGRAFIA E FONTES História de Sorocaba No Tempo dos Bandeirantes Cadernos de Arqueologia História da Siderurgia de São Paulo Minhas Memórias Um Educador de Outrora A Pré História Brasileira O Indígena no Vale do Paraíba O Esconderijo do Sol História da Fábrica de Ipanema Cartilha de História de Sorocaba para Crianças Professor Toledo e o Colégio do Lageado Cartas Tropeiras Arquivo da Marinha e Ultramar Cadernos da Academia Sorocabana de Letras Aluísio de Almeida Belmonte Francis Celoria Jesuino Felicíssimo Junior Francisco Gaspar João Lourenço Rodrigues Josué de Camargo Mendes Paulo Pereira dos Reis José Monteiro Salazar Nicolau Pereira de Campos Vergueiro Dagoberto Mebius Dagoberto Mebius Dagoberto Mebius Portugal Sorocaba
  • 22. Dagoberto Mebius é professor e pesquisador de História – nascido em São Paulo, radicou-se em Sorocaba em fins de 1970, mas passou grande parte de sua vida em contato com Sorocaba , pois é filho de mãe e neto de sorocabanos. É também ilustrador e tem feito um trabalho de preservação da Memória sorocabana através de desenhos em bico-de-pena e de uma Cartilha elaborada exclusivamente para alunos do ensino fundamental I. Como psicopedagogo clínico atua na área do desenvolvimento das habilidades situada no brincar. Esta atividade soma-se as oficinas de experimentos e iniciação científica para crianças. Por mais de 40 anos tem se dedicado a educação por acreditar que esta é uma das ferramentas necessárias para fazer um Brasil Novo. Contatos podem ser feitos através do e.mail : dagmebius@hotmail.com .