VIDIGUEIRA-A
DESCOBERTA DA
NOSSA TERRA
Trabalho de investigação realizado pelos alunos do 3º ano Turma E
ANOLETIVO 2015/20...
VIDIGUEIRA-À DESCOBERTA DA NOSSA TERRA
Ano lectivo 2015/2016 3ºE Página 1
INTRODUÇÃO
O objectivo deste trabalho é ficarmos...
VIDIGUEIRA-À DESCOBERTA DA NOSSA TERRA
Ano lectivo 2015/2016 3ºE Página 2
HISTÓRIA DA VIDIGUEIRA
A Vidigueira é uma vila q...
VIDIGUEIRA-À DESCOBERTA DA NOSSA TERRA
Ano lectivo 2015/2016 3ºE Página 3
humana até aos tempos pré-históricos, o que perm...
VIDIGUEIRA-À DESCOBERTA DA NOSSA TERRA
Ano lectivo 2015/2016 3ºE Página 4
testemunha a escritura então lavrada, a vila da ...
VIDIGUEIRA-À DESCOBERTA DA NOSSA TERRA
Ano lectivo 2015/2016 3ºE Página 5
os vinhos do Alentejo (Borda, Vidigueira, Viana ...
VIDIGUEIRA-À DESCOBERTA DA NOSSA TERRA
Ano lectivo 2015/2016 3ºE Página 6
Arqueólogos Portugueses, sobre a constituição he...
VIDIGUEIRA-À DESCOBERTA DA NOSSA TERRA
Ano lectivo 2015/2016 3ºE Página 7
ESCUDO
Escudo de Ouro.
Coroa Mural de prata de t...
VIDIGUEIRA-À DESCOBERTA DA NOSSA TERRA
Ano lectivo 2015/2016 3ºE Página 8
PERSONAGENS ILUSTRES
FREI ANTÓNIO DAS CHAGAS
Fre...
VIDIGUEIRA-À DESCOBERTA DA NOSSA TERRA
Ano lectivo 2015/2016 3ºE Página 9
Como poeta e prosador, escreveu nos mais diverso...
VIDIGUEIRA-À DESCOBERTA DA NOSSA TERRA
Ano lectivo 2015/2016 3ºE Página 10
Nasceu provavelmente em 1469,] em Sines,[ na co...
VIDIGUEIRA-À DESCOBERTA DA NOSSA TERRA
Ano lectivo 2015/2016 3ºE Página 11
Em 1519 foi feito primeiro Conde da Vidigueira ...
VIDIGUEIRA-À DESCOBERTA DA NOSSA TERRA
Ano lectivo 2015/2016 3ºE Página 12
após a sua viagem, com os primeiros lucros do c...
VIDIGUEIRA-À DESCOBERTA DA NOSSA TERRA
Ano lectivo 2015/2016 3ºE Página 13
desde sempre um local ideal para romarias e fes...
VIDIGUEIRA-À DESCOBERTA DA NOSSA TERRA
Ano lectivo 2015/2016 3ºE Página 14
Esta ermida de planta quadrangular e arquitectu...
VIDIGUEIRA-À DESCOBERTA DA NOSSA TERRA
Ano lectivo 2015/2016 3ºE Página 15
ERMIDA DE Sta.CLARA
É a mais antiga das ermidas...
VIDIGUEIRA-À DESCOBERTA DA NOSSA TERRA
Ano lectivo 2015/2016 3ºE Página 16
Torre do Relógio
Esta torre de forma quadrangul...
VIDIGUEIRA-À DESCOBERTA DA NOSSA TERRA
Ano lectivo 2015/2016 3ºE Página 17
O castelo
Do castelo da vila, apenas resta uma ...
VIDIGUEIRA-À DESCOBERTA DA NOSSA TERRA
Ano lectivo 2015/2016 3ºE Página 18
Sem contudo haver uma certeza, tudo leva a crer...
VIDIGUEIRA-À DESCOBERTA DA NOSSA TERRA
Ano lectivo 2015/2016 3ºE Página 19
Lateral dos lados da praça da República. Segund...
VIDIGUEIRA-À DESCOBERTA DA NOSSA TERRA
Ano lectivo 2015/2016 3ºE Página 20
Museu Municipal da Vidigueira
Sala de aula
Esta...
VIDIGUEIRA-À DESCOBERTA DA NOSSA TERRA
Ano lectivo 2015/2016 3ºE Página 21
O Barbeiro
O barbeiro era o local onde se ia fa...
VIDIGUEIRA-À DESCOBERTA DA NOSSA TERRA
Ano lectivo 2015/2016 3ºE Página 22
A MERCEARIA
A mercearia era o local onde se com...
VIDIGUEIRA-À DESCOBERTA DA NOSSA TERRA
Ano lectivo 2015/2016 3ºE Página 23
A PADARIA
Existiam muitas padarias na Vidigueir...
VIDIGUEIRA-À DESCOBERTA DA NOSSA TERRA
Ano lectivo 2015/2016 3ºE Página 24
FESTIVIDADES
O trabalho no campo
(agricultura)
...
VIDIGUEIRA-À DESCOBERTA DA NOSSA TERRA
Ano lectivo 2015/2016 3ºE Página 25
Utilizavam-se enxadas e charruas puxadas por an...
VIDIGUEIRA-À DESCOBERTA DA NOSSA TERRA
Ano lectivo 2015/2016 3ºE Página 26
O ABEGÃO
O abegão é uma profissão em extinção p...
VIDIGUEIRA-À DESCOBERTA DA NOSSA TERRA
Ano lectivo 2015/2016 3ºE Página 27
O CANTAR DOS REIS
É uma tradição muito antiga n...
VIDIGUEIRA-À DESCOBERTA DA NOSSA TERRA
Ano lectivo 2015/2016 3ºE Página 28
FESTAS RELIGIOSAS
As festas religiosas na Vidig...
VIDIGUEIRA-À DESCOBERTA DA NOSSA TERRA
Ano lectivo 2015/2016 3ºE Página 29
Tradições
Antigamente, as pessoas juntavam-se e...
VIDIGUEIRA-À DESCOBERTA DA NOSSA TERRA
Ano lectivo 2015/2016 3ºE Página 30
meio rural isto era um divertimento especialmen...
VIDIGUEIRA-À DESCOBERTA DA NOSSA TERRA
Ano lectivo 2015/2016 3ºE Página 31
O burrinho é fraco, a cavalo num macaco,
O maca...
VIDIGUEIRA-À DESCOBERTA DA NOSSA TERRA
Ano lectivo 2015/2016 3ºE Página 32
BRINCADEIRAS DE CARNAVAL
Pelo Carnaval, as pess...
VIDIGUEIRA-À DESCOBERTA DA NOSSA TERRA
Ano lectivo 2015/2016 3ºE Página 33
DANÇAS DE RODA
Rapazes e raparigas faziam uma r...
VIDIGUEIRA-À DESCOBERTA DA NOSSA TERRA
Ano lectivo 2015/2016 3ºE Página 34
RECEITAS
FATIAS DOURADAS
INGREDIENTES PARA 6 PE...
VIDIGUEIRA-À DESCOBERTA DA NOSSA TERRA
Ano lectivo 2015/2016 3ºE Página 35
À parte, bata ovos (gemas e claras) em quantida...
VIDIGUEIRA-À DESCOBERTA DA NOSSA TERRA
Ano lectivo 2015/2016 3ºE Página 36
Numa tigela batem-se muito bem com uma colher d...
VIDIGUEIRA-À DESCOBERTA DA NOSSA TERRA
Ano lectivo 2015/2016 3ºE Página 37
1 colher de chá de canela
Começa-se por amassar...
VIDIGUEIRA-À DESCOBERTA DA NOSSA TERRA
Ano lectivo 2015/2016 3ºE Página 38
2 tomates médios
1/2 pepino
1 pimento verde
1/2...
VIDIGUEIRA-À DESCOBERTA DA NOSSA TERRA
Ano lectivo 2015/2016 3ºE Página 39
4 a 6 tomates maduros
4 a 6 batatas pequenas ou...
VIDIGUEIRA-À DESCOBERTA DA NOSSA TERRA
Ano lectivo 2015/2016 3ºE Página 40
6) Estando a cebola loura adiciona-se-lhe o tom...
VIDIGUEIRA-À DESCOBERTA DA NOSSA TERRA
Ano lectivo 2015/2016 3ºE Página 41
AGRADECIMENTOS
No final do trabalho gostaríamos...
VIDIGUEIRA-À DESCOBERTA DA NOSSA TERRA
Ano lectivo 2015/2016 3ºE Página 42
Também agradecemos a disponibilidade mostrada p...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Vidigueira - à descoberta da nossa terra.

1.148 visualizações

Publicada em

Trabalho de investigação realizado pelos alunos do 3º E do Agrupamento de Escolas de Vidigueira no âmbito do conteúdo da área de Estudo do Meio

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.148
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
588
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Vidigueira - à descoberta da nossa terra.

  1. 1. VIDIGUEIRA-A DESCOBERTA DA NOSSA TERRA Trabalho de investigação realizado pelos alunos do 3º ano Turma E ANOLETIVO 2015/2016 AGRUPAMENTODE ESCOLAS DE VIDIGUEIRA
  2. 2. VIDIGUEIRA-À DESCOBERTA DA NOSSA TERRA Ano lectivo 2015/2016 3ºE Página 1 INTRODUÇÃO O objectivo deste trabalho é ficarmos a conhecer melhor a nossa terra. Vamos investigar, fazendo entrevistas, pesquisando na internet, fazendo perguntas aos mais velhos e visitando o Museu Municipal da Vidigueira. No final, esperamos ter ficado a saber mais sobre a Vidigueira e sobre o seu património.
  3. 3. VIDIGUEIRA-À DESCOBERTA DA NOSSA TERRA Ano lectivo 2015/2016 3ºE Página 2 HISTÓRIA DA VIDIGUEIRA A Vidigueira é uma vila que está situada no extremo Norte do Baixo Alentejo. A freguesia de Vidigueira é sede do concelho de Vidigueira, no Distrito de Beja. A padroeira da freguesia é Nossa Senhora das Relíquias, que é celebrada todos os anos, na Quinta- Feira de Ascensão. O nome próprio da povoação Vidigueira é um derivado de Vidigal que vem do latim viticale cujo significado é terreno onde cresce o vitex, uma espécie de arbusto aromático. A existência da Vidigueira como povoação, só se encontra documentada a partir de meados do Século XIII , porém, não se exclui a hipótese de presença humana no território da freguesia em épocas muito anteriores. Isto porque o seu concelho possui numerosos dados, sobretudo de natureza arqueológica, que tornam possível detetar a presença
  4. 4. VIDIGUEIRA-À DESCOBERTA DA NOSSA TERRA Ano lectivo 2015/2016 3ºE Página 3 humana até aos tempos pré-históricos, o que permite traçar um panorama de evolução histórica desta região. Todos estes vestígios pré–históricos e outros que se vão descobrindo, mostram a importância que teve esta região, sobretudo no período neolítico período da Pedra Polida, e dão um forte testemunho sobre um povoamento que já se estende por vários milénios. Os povos antigos eram atraídos pelo bom clima e pelas riquezas naturais da região. Estas boas condições atraíram os romanos que aqui se fixaram. Vidigueira A primeira referência documental sobre a vila da Vidigueira até agora conhecida, data de 1255, altura em que com a fundação do Monteiro de S. Cucufate foi instituída a respectiva paróquia e estabelecidos os limites da mesma, fazendo-se já nessa escritura menção da mesma. É natural que as suas origens remontem a período anterior ao da última conquista, que se situa em 1235, não havendo contudo nenhum documento que esclareça este ponto. O primeiro donatário desta vila foi Mestre Tomé, tesoureiro da sé de Braga e leal servidor do Rei D. Afonso Em conformidade com o encargo que receberam ao ser-lhe feita a doação, Mestre Tomé terá mandado povoar o local que depressa se desenvolveu, tendo-lhe sido igualmente atribuída a edificação da igreja consagrada a Santa Clara, que foi a primeira matriz. De 1304 a 1315, segundo
  5. 5. VIDIGUEIRA-À DESCOBERTA DA NOSSA TERRA Ano lectivo 2015/2016 3ºE Página 4 testemunha a escritura então lavrada, a vila da Vidigueira pertenceu ao rei D. Dinis e em 1285, D. João I doou-a ao condestável D. Nuno Álvares Pereira. Estes factos documentam a importância que a vila teria na altura. Em 1496, foi fundado na Vidigueira o Convento de Nossa Senhora das Relíquias, pertence à Ordem do Carmo. Na várzea do Zambujal, locar onde segundo a lenda, a Virgem Maria fez a sua aparição a uma pastorinha, foi erigida uma ermida que mais tarde foi entregue aos monges carmelitas de Moura, para que aqui estabelecessem um convento. A sua fundação encontra-se documentada por alvará expedido em Montemor pelo Rei D. Manuel a 7 de Janeiro de 1496. Tendo estado por duas vezes na posse da Casa de Bragança, a vila da Vidigueira recebeu o seu foral a 1 de Janeiro de 1512, concedido pelo rei D. Manuel. Durante o reinado desde monarca, esta vila conheceu ainda outro momento alto da sua história. Por carta passada em Évora a 29 de Dezembro de 1519, D. Manuel concede D. Vasco da Gama, almirante da índia, o título de conde da Vidigueira, com todos as honras, graças e privilégio que tinham os condes do reino. A casa da Vidigueira, fundada pelo ilustre Navegador, levou decerto a que a povoação se desenvolvesse e que o seu nome ganhasse prestígio. Para a prosperidade do concelho que então se limitava à freguesia actual, contribuiu também a atividade agrícola que tinha característica muito particulares. Os vinhos da Vidigueira já então eram famosos. No séc. XVIII, « A preponderância cabia às províncias da Beira, Estremadura e Alentejo, já então gozando de renome
  6. 6. VIDIGUEIRA-À DESCOBERTA DA NOSSA TERRA Ano lectivo 2015/2016 3ºE Página 5 os vinhos do Alentejo (Borda, Vidigueira, Viana e Avis)…» A última década do século passado e o princípio desde século foram marcados por uma personalidade cuja ação ainda hoje permanece viva em terras da Vidigueira: o visconde da Ribeira Brava. Eleito duas vezes Presidente da Câmara, respetivamente de 1890 a 1898 e de 1899 a 1902, Ribeira Brava realizou importantes obras, tendo em vista o melhoramento das condições de vida da população. A ele se devem: o abastecimento de água a Vidigueira e Vila de Frades, a criação do Hospital Civil, o melhoramento das ruas e praças da vila e a construção do edifício da Câmara Municipal. Sempre ligada a homens, feitos e tradições que o tempo jamais apagará, a vila da Vidigueira é possuidora de um património arquitetónico e artístico de grande valor. BRASÃO DO CONCELHO DA VIDIGUEIRA O brasão que a Vila da Vidigueira usou até 1938 era composto apenas pelas armas antigas a torre envolvida pela videira. Em 1937 é apresentada pela Câmara Municipal do concelho da Vidigueira , uma proposta para parecer à Associação dos
  7. 7. VIDIGUEIRA-À DESCOBERTA DA NOSSA TERRA Ano lectivo 2015/2016 3ºE Página 6 Arqueólogos Portugueses, sobre a constituição heráldica das armas, bandeira e selo do Município. Tendo em consideração o parecer da comissão de heráldica que a seguir se transcreve , foi publicada em 7 de Junho de 1938 , pela Direcção Geral da Administração Politica e Civil do Ministério do Interior a portaria n.º9:012. Armas: de negro com uma torre torreada de prata aberta e iluminada do campo ,envolvida por uma videira troncada da sua cor, folhada de verde e frutada de púrpura. Coroa mural de prata de quatro torres. Listel branco com os dizeres “ Vila da Vidigueira” em negro. Bandeira: esquartelada de branco e de verde .Cordões e borlas de prata e de verde. Haste e lança douradas. Selo: circular , tendo ao centro as peças das armas sem indicação dos esmaltes. Em volta, dentro de círculos concêntricos , os dizeres ”Câmara Municipal da Vidigueira”. BANDEIRA DO CONCELHO DA VIDIGUEIRA
  8. 8. VIDIGUEIRA-À DESCOBERTA DA NOSSA TERRA Ano lectivo 2015/2016 3ºE Página 7 ESCUDO Escudo de Ouro. Coroa Mural de prata de três torres. LISTEL Listel branco com a legenda a negro. “FREGUESIA DE VIDIGUEIRA” “GAMA” GAMA DE VERMELHO- Representa os Condes da Vidigueira, donatários da povoação, dos quais se destaca o grande navegador D. Vasco da Gama, o primeiro a usar o titulo . RAMO DE OLIVEIRA E BACELO DE VIDE EM ORLA, RAMO DE OLIVEIRA DE VERDE, FRUTADO DE NEGRO E BACELO DE VERDE, FRUTADO DE PÚRPURA COM OS PÉS PASSADOS EM ASPA.- Representa as atividades económicas, com destaque para a agricultura e as suas principais produções.
  9. 9. VIDIGUEIRA-À DESCOBERTA DA NOSSA TERRA Ano lectivo 2015/2016 3ºE Página 8 PERSONAGENS ILUSTRES FREI ANTÓNIO DAS CHAGAS Frei António das Chagas foi um frade franciscano e poeta português. Este homem chamado António da Fonseca Soares, também era conhecido por Padre António da Fonseca . António da Fonseca Soares destacou-se na história portuguesa mais pela sua faceta literária do que propriamente pela sua faceta eclesiástica . António da Fonseca Soares nasceu na Vidigueira, a 25 de Junho de 1631 e faleceu em Varatojo, Torres Vedras, a 20 de Outubro de 1682 . O seu pai era um fidalgo e juiz português, enquanto a sua mãe era de nacionalidade Irlandesa . Este homem passou a sua infância e juventude no Alentejo e estudou no Colégio dos Jesuítas em Évora. Quando tinha 18 anos o seu pai faleceu , por isso, não concluiu os estudos e foi forçado a regressar à Vidigueira. Então, alistou-se no exército, em plena em Guerra da Restauração, iniciando uma carreira militar promissora. António da Fonseca Soares participou na Guerra da Restauração, mas ficou famoso pela sua veia poética, ficando conhecido pela associação das armas e das letras como o “ Capitão das Boninas”.
  10. 10. VIDIGUEIRA-À DESCOBERTA DA NOSSA TERRA Ano lectivo 2015/2016 3ºE Página 9 Como poeta e prosador, escreveu nos mais diversos géneros poéticos: sonetos, madrigais, romances, décimas, glosas e dois poemas heróicos – Mourão Restaurado e Canto Panegírico à Vitória de Elvas . Em 1653 com 22 anos de idade, fugiu para o Brasil porque foi perseguido pela justiça por ter causado a morte de um rival, em duelo. Passou três anos na Baía, sem alterar o seu modo de vida irreverente. Um texto de Frei Luís de Granada sensibilizou-o para a fé e para Deus. VASCO DA GAMA
  11. 11. VIDIGUEIRA-À DESCOBERTA DA NOSSA TERRA Ano lectivo 2015/2016 3ºE Página 10 Nasceu provavelmente em 1469,] em Sines,[ na costa sudoeste de Portugal, possivelmente numa casa perto da Igreja de Nossa Senhora das Salvas de Sines. Sines, um dos poucos portos da costa alentejana, era então uma pequena povoação habitada por pescadores. Era filho legítimo de Estêvão da Gama, que em 1460 era cavaleiro da casa de D. Fernando de Portugal, Duque de Viseu e Mestre da Ordem de Cristo. D. Fernando nomeara-o alcaide-mor de Sines e permitira-receber uma pequena receita de impostos sobre a fabricação de sabão em Estremoz. Estêvão da Gama era casado com Dona Isabel Sodré, filha de João Sodré (também conhecido como João de Resende).Sodré, que era de ascendência Inglesa, tinha ligações à casa de D. Diogo, Duque de Viseu, filho de Fernando de Portugal, Duque de Viseu. Em 1492, João II de Portugal enviou-o ao porto de Setúbal, a sul de Lisboa, e ao Algarve para capturar navios franceses em retaliação por depredações feitas em tempo de paz contra a navegação portuguesa – uma tarefa que Vasco da Gama executou rápida e eficazmente. D. Manuel I de Portugal confiou a Vasco da Gama o cargo de capitão-mor da frota que, num sábado 8 de Julho de 1497, zarpou de Belém em demanda da Índia. Em 20 de Maio de 1498, a frota alcançou Kappakadavu, próxima a Calecute, no actual estado indiano de Kerala, ficando estabelecida a Rota do Cabo e aberto o caminho marítimo dos Europeus para a Índia.
  12. 12. VIDIGUEIRA-À DESCOBERTA DA NOSSA TERRA Ano lectivo 2015/2016 3ºE Página 11 Em 1519 foi feito primeiro Conde da Vidigueira pelo rei D. Manuel I, com sede num terreno comprado a D. Jaime I, Duque de Bragança, que a 4 de Novembro cedera as vilas da Vidigueira e Vila de Frades a Vasco da Gama, seus herdeiros e sucessores, bem como todos os rendimentos e privilégios relacionados, sendo o primeiro Conde português sem sangue real. Tendo adquirido uma reputação de temível "solucionador" de problemas na Índia, Vasco da Gama foi enviado de novo para o subcontinente indiano em 1524.[O objectivo era o de que ele substituísse o Duarte de Meneses, cujo governo se revelava desastroso, mas Vasco da Gama contraiu malária pouco depois de chegar a Goa. Como vice-rei atuou com rigidez e conseguiu impor a ordem] mas veio a falecer na cidade de Cochim, na véspera de Natal em 1524. Foi sepultado na Igreja de São Francisco (Cochim). Em 1539 os seus restos mortais foram transladados para Portugal, mais concretamente para a Igreja de um convento carmelita, conhecido actualmente como Quinta do Carmo (hoje propriedade privada), próximo da vila alentejana da Vidigueira, como conde da Vidigueira de juro e herdade (ou seja, a si e aos seus descendentes) desde 1519. Aqui estiveram até 1880, data em que ocorreu a trasladação para o Mosteiro dos Jerónimos, que foram construídos logo
  13. 13. VIDIGUEIRA-À DESCOBERTA DA NOSSA TERRA Ano lectivo 2015/2016 3ºE Página 12 após a sua viagem, com os primeiros lucros do comércio de especiarias, ficando ao lado do túmulo de Luís Vaz de Camões. Há quem defenda, porém, que os ossos de Vasco da Gama ainda se encontram na vila alentejana. Como testemunho da trasladação das ossadas, em frente à estátua do navegador na Vidigueira, existe a antiga Escola Primária Vasco da Gama (cuja construção serviu de moeda de troca para obter permissão para efectuar a trasladação à época), onde se encontra instalado o Museu Municipal de Vidigueira. Património Ermida de S.Pedro Situada no cimo de uma colina constituída no século XVII oferece aos visitantes uma panorâmica encantadora. Foi
  14. 14. VIDIGUEIRA-À DESCOBERTA DA NOSSA TERRA Ano lectivo 2015/2016 3ºE Página 13 desde sempre um local ideal para romarias e festejos populares. De arquitetura simples, esta ermida tem à frente um alpendre ao qual se sobe por três degraus. Atrás, o arredondado da abside quebra a linearidade do conjunto, estabelecendo contudo uma certa correspondência com os arcos rasgados do alpendre frontal. A sua origem não está ligada à história nem qualquer lenda, mas sim ao carácter popular de S. Pedro entre as gentes do concelho. Ermida de S. Rafael
  15. 15. VIDIGUEIRA-À DESCOBERTA DA NOSSA TERRA Ano lectivo 2015/2016 3ºE Página 14 Esta ermida de planta quadrangular e arquitectura simples, foi mandada edificar por D. Francisco da Gama, 4º Conde da Vidigueira, com o fim de aí ser colocada a imagem de S. Rafael e o menino Tobias que acompanhou Vasco da Gama e alguns dos seus familiares nas viagens à Índia. Após estas viagens e provavelmente nos seus intervalos a imagem foi colocada nesta capela onde se manteve cerca de dois séculos. No século passado, quando a ermida foi profanada e caiu em ruínas, a imagem foi levada para o Recolhimento do Espírito Santo, onde ficou guardada até à transladação dos restos mortais de Vasco da Gama para o Mosteiro dos Jerónimos. Mais tarde foi levada para o Museu da Marinha , onde se encontra actualmente. Segundo se pode ler na lápide por cima do portal, em 1942 a Câmara Municipal pro cedeu ao restauro desta capela e alguns anos mais tarde foi colocado no seu interior o conjunto S. Rafael-Menino Tobias , sendo este ultimo autêntico e o primeiro a réplica que entretanto fora mandada fazer. Em 1966 a capela foi assaltada e a imagem roubada. Embora tenha sido recuperada não voltou a ser colocada na capela, cujo interior se encontra atualmente vazio.
  16. 16. VIDIGUEIRA-À DESCOBERTA DA NOSSA TERRA Ano lectivo 2015/2016 3ºE Página 15 ERMIDA DE Sta.CLARA É a mais antiga das ermidas existentes na Vidigueira e foi mandada construir em 1555 pelo 2º Conde D. Francisco da Gama e sua mulher D. Guiomar de Vilhena. A construção de planta rectangular coroada de ameias e contrafortes terminadas por pináculos em forma de conetruncado, parece pertencer ao estilo manuelino tendo no entanto já sido classificada de gótico. Na fachada destaca-se o portal em pedra, com dois colunelos providos de capitéis e arco ogival com arquivolta.Acima deste abre-se uma fresta estreita e na parte superior da frontaria eleva-se, a meio, o campanário. Ultimamente esta ermida tem passado por diversas devastações e arrombamentos, razão pela qual o seu interior se encontra vazio e a sua entrada tapada a alvenaria.
  17. 17. VIDIGUEIRA-À DESCOBERTA DA NOSSA TERRA Ano lectivo 2015/2016 3ºE Página 16 Torre do Relógio Esta torre de forma quadrangular cuja data de construção se ignora ,deve a sua importância ao sino que alberga na sua guarita . Segundo o testemunho da inscrição que possui : « Este sino mandou fazer o sr ,conde Dom Vasco Almirante da Índia na Era de mil c/v vinte ,« o sino foi mandado fazer talvez com o propósito de o oferecer a alguma igreja da vila tal como sugere Teixeira de Aragão, tendo sido mais tarde colocado na torre onde actualmente se encontra.
  18. 18. VIDIGUEIRA-À DESCOBERTA DA NOSSA TERRA Ano lectivo 2015/2016 3ºE Página 17 O castelo Do castelo da vila, apenas resta uma torre quadrangular, que hoje serve de miradouro, donde se desfruta um panorama de rara beleza. Esta construção parece datar da primeira metade do séc. xv e deve-se a D . Fernando 2º Duque de Bragança.
  19. 19. VIDIGUEIRA-À DESCOBERTA DA NOSSA TERRA Ano lectivo 2015/2016 3ºE Página 18 Sem contudo haver uma certeza, tudo leva a crer que o seu abandono e arruinamento se tenha verificado no séc.XIX. Em 1758 ainda se inscreve no dicionário geográfico de Portugal que a vila da Vidigueira « tem um castelo antigo, que é a casa dos donatários « (1) não havendo qualquer referência ao seu estado de destruição . Aquando da sua obra de restauro feita pela câmera Municipal , colocou-se-lhe ao lado uma janela manuelina possivelmente do séc .xvi, encontrada em Vila de Frades que se supõe ter pertencido ao antigo palácio dos conde da Vidigueira. Igreja da Misericórdia Erigida em 1592 a Igreja da Misericórdia situa-se no centro da vila , estendendo –se a sua fachada
  20. 20. VIDIGUEIRA-À DESCOBERTA DA NOSSA TERRA Ano lectivo 2015/2016 3ºE Página 19 Lateral dos lados da praça da República. Segundo testemunha a inscrição que hoje ainda se pode ler na pedra do lavatório da sacristia, este edifício foi parcialmente destruído por um incêndio que ocorreu em 1687, pelo que se procedeu à sua reedificação no ano seguinte. No seu interior de uma só nave pode ver-se a meia altura da parede do lado da Epístola uma magnífica tribuna de madeira trabalhada, por baixo da qual se encontra um túmulo brasonado sem qualquer inscrição. O brasão é constituído por um escudo esquartelado, com a cruz de Avis no primeiro e no quarto quartéis e duas torres ladeando um leão no segundo e no terceiro. O altar-mor é uma peça magnífica que se distingue pela altura e pela dilatação do espaço central ocupado pelo trono com a imagem de Cristo crucificado. Esta imagem foi doada por D. Brites de Vilhena em 1691, após a reedificação da igreja.
  21. 21. VIDIGUEIRA-À DESCOBERTA DA NOSSA TERRA Ano lectivo 2015/2016 3ºE Página 20 Museu Municipal da Vidigueira Sala de aula Esta sala de aula existe no Museu porque o edificio do Museu era a antiga Escoa Primária. A sala é muito diferente da nossa as carteiras eram de madeira e os brancos eram ligados às mesas. As pastas eram de pele (para os meninos ricos) de papelão(para os meninos pobres), os alunos escreviam em lousas ou com aparos. Os rapazes e as raparigas andavam separados, nem sequer se viam. Os alunos levavam reguadas com uma régua de madeira bem grossa e vestiam uma bata branca que tinha que estar sempre limpa.
  22. 22. VIDIGUEIRA-À DESCOBERTA DA NOSSA TERRA Ano lectivo 2015/2016 3ºE Página 21 O Barbeiro O barbeiro era o local onde se ia fazer a barba e arrancar dentes. Antigamente não existiam dentistas e era o barbeiro que fazia esse trabalho. O chão era feito de terra batida e os homens cuspiam para o chão,por esse motivo existiam os escarradores.
  23. 23. VIDIGUEIRA-À DESCOBERTA DA NOSSA TERRA Ano lectivo 2015/2016 3ºE Página 22 A MERCEARIA A mercearia era o local onde se comprava de tudo. As pessoas não compravam grandes quantidades porque não tinham muito dinheiro. Existia um «Livro de fiados» que era o livro onde se apontava o nome da pessoa e o que ela levava. Quando recebiam iam pagar e ás vezes deixavam lá todo o dinheiro. Antigamente as pessoas não tinham eletricidade em casa e iam comprar o petróleo á mercearia.
  24. 24. VIDIGUEIRA-À DESCOBERTA DA NOSSA TERRA Ano lectivo 2015/2016 3ºE Página 23 A PADARIA Existiam muitas padarias na Vidigueira, porque a alimentação era à base do pão alentejano. A Vidigueira é a capital do pão alentejano. Os fornos onde se coziam o pão eram de lenha.
  25. 25. VIDIGUEIRA-À DESCOBERTA DA NOSSA TERRA Ano lectivo 2015/2016 3ºE Página 24 FESTIVIDADES O trabalho no campo (agricultura) A agricultura é o trabalho na terra. Os homens e as mulheres trabalhavam do nascer ao pôr do sol e ganhavam pouco.
  26. 26. VIDIGUEIRA-À DESCOBERTA DA NOSSA TERRA Ano lectivo 2015/2016 3ºE Página 25 Utilizavam-se enxadas e charruas puxadas por animais, geralmente mulas. Os trabalhadores levavam conduto ( toucinho e azeitonas)ou levavam o almoço de casa que era aquecido no lume de chão.
  27. 27. VIDIGUEIRA-À DESCOBERTA DA NOSSA TERRA Ano lectivo 2015/2016 3ºE Página 26 O ABEGÃO O abegão é uma profissão em extinção porque as pessoas já quase nãoutilizam carroças.Eles contruiram rodas para as carroças. A PESCA No nosso conelho, os habitantes de Pedrógão, dado que viviam perto do rio Guadiana, dedicavam-se na sua maioria à pesca no rio em contraste com a outra população do concelho que se dedicava à agricultura.
  28. 28. VIDIGUEIRA-À DESCOBERTA DA NOSSA TERRA Ano lectivo 2015/2016 3ºE Página 27 O CANTAR DOS REIS É uma tradição muito antiga na nossa terra que se mantém pela altura do vinho novo,no início de janeiro.Os grupos de cantares alentejanos saiam à rua para cantar os Reis. Iam de porta em porta das grandes famílias para juntarem dinheiro para o grupo.No fim da moda cantava-se um verso para mandar dar a esmola pela rosa ou cravo que eram os meninos que tinham em casa. “Senhora dona de casa deixe-se estar que está bem mande-me dar a esmola pela rosa ou cravo que aí tem.” Uma tradição que ainda se mantém.
  29. 29. VIDIGUEIRA-À DESCOBERTA DA NOSSA TERRA Ano lectivo 2015/2016 3ºE Página 28 FESTAS RELIGIOSAS As festas religiosas na Vidigueira, realizam-se na quinta- feira de Ascenção, feriado municipal. Esta festa é organizada pela paróquia em honra de Nossa Senhora das Relíquias. A festa consiste numa missa solene de manhã e numa procissão à tarde. De noite realiza-se a festa tradicional com espetáculos e bailes.
  30. 30. VIDIGUEIRA-À DESCOBERTA DA NOSSA TERRA Ano lectivo 2015/2016 3ºE Página 29 Tradições Antigamente, as pessoas juntavam-se em casa uns dos outros e faziam grandes bailes. A música era tocada com uma flauta ou cantando cantigas enquanto dançavam. No
  31. 31. VIDIGUEIRA-À DESCOBERTA DA NOSSA TERRA Ano lectivo 2015/2016 3ºE Página 30 meio rural isto era um divertimento especialmente para a juventude, que não tinha outra distração. Era habitual, à noite, ao serão os mais velhos entreterem as crianças com lengalengas. Com os dedos da mão dizia-se: --Dedo mindinho, seu vizinho, pai de todos, fura bolos e mata piolhos que era o polegar. Outros diziam: -Este achou um ovo, este pôs-lhe sal, este pôs a assar, este provou e o outro papou. “Zé Godinho" Lá vem o Zé Godinho a cavalo no burrinho,
  32. 32. VIDIGUEIRA-À DESCOBERTA DA NOSSA TERRA Ano lectivo 2015/2016 3ºE Página 31 O burrinho é fraco, a cavalo num macaco, O macaco é valente, a cavalo numa trempe, A trempe é de ferro, a cavalo num rodelo, O rodelo é de sola, a cavalo numa bola, A bola é vermelha, a cavalo numa telha, A telha é de barro, a cavalo num cocharro, O cocharro é de cocha, a cavalo numa floucha, A floucha é de bico, a cavalo num penico, O penico é vidrado, a cavalo num cajado, O cajado é de pinho E lá vai o Zé Godinho a cavalo no burrinho.” Canções Algum dia p’ra te ver Pulava 7 quintais Agora p’ra te não ver Pulo 7 e muito mais. Minha mãe p’ra me casar Prometeu–me uma panela Depois de me ver casada Partiu-me a cara com ela
  33. 33. VIDIGUEIRA-À DESCOBERTA DA NOSSA TERRA Ano lectivo 2015/2016 3ºE Página 32 BRINCADEIRAS DE CARNAVAL Pelo Carnaval, as pessoas divertiam-se pregando partidas uns aos outros. Atavam um fio à aldraba da porta e escondiam-se. Puxavam o fio e quando as pessoas vinham à porta não viam ninguém. Isto repetia-se muitas vezes. Outras vezes quando ficavam janelas abertas deitavam lá para dentro da casa ovos, que faziam uma grande porcaria. Mas as pessoas divertiam-se e diziam, : - No Carnaval ninguém leva a mal. Enterro do bacalhau 1
  34. 34. VIDIGUEIRA-À DESCOBERTA DA NOSSA TERRA Ano lectivo 2015/2016 3ºE Página 33 DANÇAS DE RODA Rapazes e raparigas faziam uma roda com uma menina lá dentro que era a viuvinha. Depois, todos a rodar, cantavam: Olha a triste viuvinha Que anda na roda a chorar Anda a ver se encontra o noivo Para com ela casar. Depois, a viuvinha pedia a um rapaz para casar e ele dizia que não e cantavam: Já lá levas um cabaço Dois ou três hàs-de levar È benfeita,è benfeita Não achares com quem casar À terceira vez ela pedia a outro rapaz em casamento e ele aceitava casar.
  35. 35. VIDIGUEIRA-À DESCOBERTA DA NOSSA TERRA Ano lectivo 2015/2016 3ºE Página 34 RECEITAS FATIAS DOURADAS INGREDIENTES PARA 6 PESSOAS: 400 gr de pão ½ de leite 8 ovos Azeite para fritar Açúcar Canela em pó. Corte o pão em fatias com cercas de 1cm de espessura. Embeba-as no leite, retire-as e depois de escorrido o exessoe sobreponha-as.
  36. 36. VIDIGUEIRA-À DESCOBERTA DA NOSSA TERRA Ano lectivo 2015/2016 3ºE Página 35 À parte, bata ovos (gemas e claras) em quantidade sufiente para embeber as fatias de pão. Mergulhe as fatias nos ovos batidos e leve- as a fritar em azeite a ferver. Quando estiverem bem douradas, polvilhe-as de açúcar e canela ou regue-as com calda de açúcar. Sirva-as mornas ou frias. BOLO DE AMÊNDOA DO CONVENTO DA VIDIGUEIRA Ingredientes: 500 g de açúcar ; 500 g de amêndoas ; 6 ovos inteiros + 6 gemas ; 100 g de farinha ; 1 colher de chá de canela em pó ; açúcar em pó Confecção: Escaldam-se, pelam-se e ralam-se as amêndoas.
  37. 37. VIDIGUEIRA-À DESCOBERTA DA NOSSA TERRA Ano lectivo 2015/2016 3ºE Página 36 Numa tigela batem-se muito bem com uma colher de pau o açúcar, as amêndoas, os ovos inteiros e as gemas. Junta-se a canela em pó e bate-se um pouco mais. Finalmente, junta-se a farinha e mistura-se bem sem bater. Deixa-se esta massa repousar durante cerca de 30 minutos. Em seguida deita-se a massa numa forma untada e polvilhada com farinha e leva-se em forno quente durante cerca de 15 minutos. Desenforma-see, depois de frio, corta-se o bolo em fatias, que se passam pelo açúcar em pó. ” POPIAS ” DA VIDIGUEIRA Ingredientes: 1/2 de massa pão 150g de açúcar 50g de banha 2dl de azeite 1 colher de chá de fermento em pó
  38. 38. VIDIGUEIRA-À DESCOBERTA DA NOSSA TERRA Ano lectivo 2015/2016 3ºE Página 37 1 colher de chá de canela Começa-se por amassar muito bem todos os ingredientes e modelam-se em argolas. Colocam-se num tabuleiro untado com manteiga e polvilhado com farinha. Leva-seao forno. GASPACHO 200 g de pão 9 dl de água 2 dentes de alho 2 colheres de sopa de azeite 2 colheres de sopa de vinagre
  39. 39. VIDIGUEIRA-À DESCOBERTA DA NOSSA TERRA Ano lectivo 2015/2016 3ºE Página 38 2 tomates médios 1/2 pepino 1 pimento verde 1/2 colher de café de oregãos sal e pimenta Num recipiente pisa-se muito bem alho e tomate com sal. Depois junta-se cebola e pepino muito miúdos. Junta-se o pão aos cubos pequenos. Tempera-se com sal, vinagre e azeite e mexe-se tudo muito bem. E por junta-se água. Pode-se adicionar batata cozida aos cubos pequeninos. Normalmente, acompanha-se com peixe frito ou assado. Pode no entanto, ser acompanhado com carne frita ou assada, pastéis ou rissóis. Açorda de tomate à moda de Vidigueira 1 cebola grande ou 1 cebola e meia 3 dentes de alho
  40. 40. VIDIGUEIRA-À DESCOBERTA DA NOSSA TERRA Ano lectivo 2015/2016 3ºE Página 39 4 a 6 tomates maduros 4 a 6 batatas pequenas ou médias 1 cavala grande cortada em três partes ( usei mais uma posta de garoupa para quem não gosta de cavala) um pouco menos que meia linguiça de porco preto e 4 ou 5 fatias de toucinho (do branco, bem gordo), embora eu tenha usado só linguiça desta vez 1 molho de hortelã-da-ribeira azeite q.b. (60 a 100 mL) sal q.b. (entre 2 colheres de chá a 1 colher de sopa) água q.b. (cerca de 1,5 L) 1 ovo por pessoa 1) Descasquemas batatas e cortem-nas às rodelas. Reservem. 2) Lavem os tomates e cortem-nos em cubinhos mais ou menos pequenos. Reservem. 3) Pelem a cebola e os alhos, piquem-nos bem miudinhos. Reservem. 4) Coloquem o azeite numa panela em quantidade suficiente para cobrir o fundo e fritem nele primeiro o toucinho, retirando-o depois do azeite e fritem então a linguiça. A linguiça deve fritar só ligeiramente para não ficar dura. Retira-se do azeite e reserva-se. 5) À gordura quente adiciona-se a cebola e os alho picados. Tapa-se a panela e deixa-se alourar.
  41. 41. VIDIGUEIRA-À DESCOBERTA DA NOSSA TERRA Ano lectivo 2015/2016 3ºE Página 40 6) Estando a cebola loura adiciona-se-lhe o tomate picado. Tapa-se o tacho e deixa-se a estufar em lume médio, mexendo de vez em quando. 7) Quando o tomate se apresenta cozinhado acrescenta-sea água, de preferência morna ou quente. Quando a água começa a ferver adicionam-se as batatas, o sal e a hortelã-da-ribeira. 8) Quando as batatas estão quase cozidas acrescenta-seo peixe. 9) Quando o peixe está cozido coloca-se a restante hortelã-da-ribeira e os ovos, um a um. 10) Quando os ovos estão escalfados apaga-se o lume. Serve-secom sopas de pão alentejano e a linguiça e os toucinho fritos vão à mesa para quem quiser ir picando.
  42. 42. VIDIGUEIRA-À DESCOBERTA DA NOSSA TERRA Ano lectivo 2015/2016 3ºE Página 41 AGRADECIMENTOS No final do trabalho gostaríamos de agradecer a todos aqueles que nos ajudaram, em especial: Às avós: Mariana Goes Francisca Maceta Catarina Guerreiro Ana Lúcio Aos pais: Pedro Rosa Filipe Prego João Luís Ana Mata Ana Guerreiro Carla Capucho Marta Maceta Fátima Lúcio Maria Mota e Antónia Oliveira
  43. 43. VIDIGUEIRA-À DESCOBERTA DA NOSSA TERRA Ano lectivo 2015/2016 3ºE Página 42 Também agradecemos a disponibilidade mostrada pela guia que nos acompanhou na visita ao Museu Municipal de Vidigueira.

×