SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 3
“Pedro Alecrim”
Capítulo 1
Luís era um menino alto e gordo, de cabelos compridos e encaracolados, que nunca estava
calado e gostava de contar anedotas e adivinhas. Para as fichas de avaliação vestia-se a rigor (
camisa, cinto largo e gravata), onde escondia os copianços.
Quando terminavam as aulas, os alunos saíam a correr da escola para conseguirem arranjar
lugar sentados no autocarro.
Pedro Alecrim não gostava muito do Luís, porque certo dia este começou a gozar com ele no
autocarro, dizendo que o lugar dele era junto dos meninos da primária, tendo- se envolvido numa
zaragata.
Capítulo 2
A Rita, a Joana, o Nicolau, o Martinho e o Pedro eram os últimos a sair do autocarro.
A casa da Joana ficava logo lá. A Rita ia com o irmão de moto. O irmão, Afonso, andava com muita
velocidade. O Martinho também morava perto da paragem.
O Pedro e o Nicolau tinham de andar muito até chegar à sua aldeia- Pragal.
A aldeia tinha 20 casas, 5 lâmpadas públicas, 2 fontanários, um lavadouro público, uma capela e
uma venda.
Certo dia, no caminho para casa, os dois amigos viram uma poça com muitos cabeçudos e o Nicolau
explicou que eram peixinhos acabados de nascer de um peixe que um pássaro deixara cair ali. Mas
um dia descobriram que afinal eram rãs pequeninas e começaram a rir da sua ignorância.
Capítulo 3
O Martinho ajudava a mãe na loja e à noite a mãe obrigava-o a estudar.
O Pedro, quando chegava a casa, tinha de tratar das tarefas do campo: apanhar erva, dar de comer
aos animais… e só depois do jantar é que fazia os deveres. Não era um bom aluno, mas tem conseguido.
Os pais queixavam-se do dinheiro que gastavam para lhe comprar as coisas para a escola e achavam
que não tinha utilidade nenhuma. A mãe dizia mesmo que já estava arrependida por o ter posto a estudar.
Capítulo 4
Nicolau e Pedro resolveram fazer uma sociedade. Começaram por vender agriões, depois nabos e
seguiram-se castanhas, grelos e pencas. Tudo isto era vendido à mãe do Martinho. O dinheiro ganho era
guardado numa lata de leite em pó vazia e escondido no buraco do tronco dum carvalho velho que ficava
perto do caminho.
Quando viram que já tinham muito dinheiro, compraram 4 frações do bilhete da lotaria do Natal,
contando que iriam ficar ricos. Contudo, isso não aconteceu, e mais um sonho se desfez e a sociedade
também.
Capítulo 5
Um dia, ao chegar a casa, Pedro encontrou o seu pai doente. Aqui, também ficamos a saber que ele
tinha uma irmã chamada Rosália e um irmão, que era gago, chamado Jacinto.
Com o pai doente, Pedro tinha de fazer todas as tarefas em casa para ajudar a mãe, mas ainda
arranjava tempo para “brincar” com Jacinto.
Capítulo 6
Pedro e Nicolau receberam os livros da escola, que eram muitos e, portanto, pesavam muito. Pensaram
em ir buscar o cavalo do tio Zé Maria Coxo, para lhes levar os livros, mas não o encontraram.
Capítulo 7
Começa por falar das dificuldades que Pedro sentiu quando chegou à escola.
O pai continuava doente e cada vez pior: vomitava sangue.
O Luís andava ensonado na escola devido às muitas festas que tinha em casa.
Capítulo 8
Na ida para a escola, Pedro e Nicolau tinham que andar muito e, quando estava temporal, molhavam-
se e ficavam doentes. O pai do Pedro comprou-lhe uma roupa – “um equipamento antichuva” para o
proteger e Nicolau gozava com ele.
O pai do Pedro estava cada vez mais doente e a mãe tinha envelhecido.
Capítulo 9
Pedro Alecrim narra mais algumas peripécias da escola:
- a ida dos alunos para a sala de aula comparada à ida dos animais para o matadouro;
- a partida que o Luís faz à professora de matemática;
Pedro diz também que um bom professor deve explicar sempre o porquê das coisas.
Capítulo 10
O pai do Pedro acabou por ser internado.
Quando chegou a casa, o Pedro teve que ajudar a mãe nas lides e ainda explicar ao irmão mais
novo, o Jacinto, que o pai não ia morrer.
Capítulo 11
Pedro apercebeu-se que o Luís andava diferente. Então, o Luís desabafou com ele e contou-lhe
sobre como se foi apercebendo das constantes ausências do pai às refeições, que acabaram por ser
definitivas, pois o pai foi viver com outra mulher. Luís contou que ficou com muita raiva do pai e que,
recentemente, o tinha encontrado na rua e combinaram um encontro para conversarem.
No dia da conversa, foram almoçar a um restaurante “chique” e depois foram passear para a mata
(local onde costumavam fazer piqueniques em família). Aí, o pai explicou-lhe que continuava a gostar da
mãe, mas de maneira diferente e que a sua nova mulher se chamava Adelaide.
Pedro acabou por sentir que até gostava do Luís.
Capítulo 12
Na casa do Pedro não era costume haver discussões; a mãe não gostava de gritarias. Quando
andava mais nervoso, o pai ia “arejar” ou descarregava no gato. Mas, um dia, houve uma grande discussão
e a mãe do Pedro saiu porta fora. Como nunca mais voltava, o pai começou a ficar preocupado e acabaram
por ir procurá-la. Chegaram mesmo a pensar que a mãe teria feito alguma asneira. Não a encontraram e,
ao chegar a casa, a mãe estava tranquilamente a lavar a louça; apenas tinha ido apanhar a roupa ao
estendal por causa do temporal.
Capítulo 13
O pai do Pedro tocava Cavaquinho e, às vezes, ia tocar a bailes. Pedro foi uma vez com ele, apesar
dos protestos da mãe.
O Pedro gostava de aprender a tocar cavaquinho.
Capítulo 14
O Pedro e a mãe visitaram o pai no hospital.
O pai prometeu ao Pedro que, quando saísse do hospital, o ensinava a tocar cavaquinho.
Capítulo 15
As aulas estavam quase a terminar. Pedro e Nicolau falaram sobre as tarefas que teriam de fazer
nas férias. Nicolau disse que não ia continuar a estudar, pois tinha de ajudar os pais que já eram velhotes.
Nicolau também achou que o Pedro não ia continuar a estudar, agora com o pai doente.
Capítulo 16
O Luís conheceu a nova mulher do pai. Chamava-se Adelaide. A mãe do Luís também falou em
casar-se novamente.
Capítulo 17
Acabaram as aulas. Pedro foi à escola no último dia e regou a tília, que ele e o Nicolau tinham
plantado no Dia da Árvore.
Da turma deles só passou ele e o Nicolau e poucos mais. A maior parte, como o Luís, reprovou.
Capítulo 18
O pai do Pedro foi operado. A Mãe foi de táxi para o hospital. A Fatinha disse ao Pedro que devia
estar preparado para tudo, pois o pai estava muito doente.
Capítulo 19
O pai do Pedro faleceu. No funeral, Pedro ficou no velório e acompanhou o funeral até ao cemitério.
Depois, fugiu e atirou-se a um ribeiro para se lavar da sujidade e dos cheiros.
Capítulo 20
Pedro andava na rega dos campos quando surgiu o Nicolau. Este informou-o sobre a sua partida para
casa do irmão, em Vila Nova de Gaia, onde ia começar a trabalhar num café. O Pedro ficou triste com a
partida do amigo.
Capítulo 21
Pedro recebeu uma carta do amigo Nicolau, que lhe contava sobre as suas aventuras na casa do
irmão. Nicolau estava desapontado, pois até àquele momento apenas tinha lavado garrafas no café.
Capítulo 22
Pedro respondeu a Nicolau, informando-o que também tinha recebido um postal do Luís, o gordo
Luís, todo escrito em código. Pedro disse ainda que andava à procura de emprego.
Capítulo 23
Pedro recebeu o cavaquinho que era do pai. Como estava com as cordas partidas, procurou o tio
Trindade para o ajudar. O tio Trindade, que era ferreiro, pediu ao Pedro que o ajudasse e, no fim, fez-lhe
uma proposta: o Pedro ia para casa dele aprender a ser ferreiro e depois aprendia a tocar cavaquinho.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cavaleiro da dinamarca resumo
Cavaleiro da dinamarca   resumoCavaleiro da dinamarca   resumo
Cavaleiro da dinamarca resumoCristina Marques
 
Orações coordenadas e subordinadas esquema
Orações coordenadas e subordinadas   esquemaOrações coordenadas e subordinadas   esquema
Orações coordenadas e subordinadas esquemaPaulo Portelada
 
Pronome em adjacencia_verbal
Pronome em adjacencia_verbalPronome em adjacencia_verbal
Pronome em adjacencia_verbalgracacruz
 
Texto dramático - características
Texto dramático - característicasTexto dramático - características
Texto dramático - característicasLurdes Augusto
 
Família de palavras e Campo lexical
Família de palavras e Campo lexicalFamília de palavras e Campo lexical
Família de palavras e Campo lexicalgifamiliar
 
100% música livro de testes
100% música   livro de testes100% música   livro de testes
100% música livro de testesTeresa Rosário
 
Fichas de Avaliação Estudo do Meio_3.º Ano
Fichas de Avaliação Estudo do Meio_3.º AnoFichas de Avaliação Estudo do Meio_3.º Ano
Fichas de Avaliação Estudo do Meio_3.º AnoMarta Viegas
 
Paratextos 8º ano teste 3 com soluções
Paratextos 8º ano teste 3 com soluçõesParatextos 8º ano teste 3 com soluções
Paratextos 8º ano teste 3 com soluçõesZélia fernandes
 
Ficha de verificação de leitura " O cavaleiro da Dinamarca"
Ficha de verificação de leitura " O cavaleiro da Dinamarca"Ficha de verificação de leitura " O cavaleiro da Dinamarca"
Ficha de verificação de leitura " O cavaleiro da Dinamarca"Sandra Gil Miranda
 
Superlativo absoluto sintético irregulares
Superlativo absoluto sintético irregularesSuperlativo absoluto sintético irregulares
Superlativo absoluto sintético irregularesPedro Tadeu
 
Ficha dos determinantes e pronomes possessivos
Ficha dos determinantes e pronomes possessivosFicha dos determinantes e pronomes possessivos
Ficha dos determinantes e pronomes possessivosCélia Gonçalves
 
Leandro, Rei da Helíria
Leandro, Rei da HelíriaLeandro, Rei da Helíria
Leandro, Rei da HelíriaAntónio Pires
 
Gigante Adamastor, d'Os Lusíadas
Gigante Adamastor, d'Os LusíadasGigante Adamastor, d'Os Lusíadas
Gigante Adamastor, d'Os LusíadasDina Baptista
 
Nomes coletivos.doc
Nomes coletivos.docNomes coletivos.doc
Nomes coletivos.docElza Melo
 

Mais procurados (20)

Testes 6º ano etapas
Testes 6º ano etapasTestes 6º ano etapas
Testes 6º ano etapas
 
Cavaleiro da dinamarca resumo
Cavaleiro da dinamarca   resumoCavaleiro da dinamarca   resumo
Cavaleiro da dinamarca resumo
 
Orações coordenadas e subordinadas esquema
Orações coordenadas e subordinadas   esquemaOrações coordenadas e subordinadas   esquema
Orações coordenadas e subordinadas esquema
 
Pronome em adjacencia_verbal
Pronome em adjacencia_verbalPronome em adjacencia_verbal
Pronome em adjacencia_verbal
 
Texto dramático - características
Texto dramático - característicasTexto dramático - características
Texto dramático - características
 
Resumo a saga
Resumo a sagaResumo a saga
Resumo a saga
 
Ulisses teste-6º-ano
Ulisses  teste-6º-anoUlisses  teste-6º-ano
Ulisses teste-6º-ano
 
Família de palavras e Campo lexical
Família de palavras e Campo lexicalFamília de palavras e Campo lexical
Família de palavras e Campo lexical
 
100% música livro de testes
100% música   livro de testes100% música   livro de testes
100% música livro de testes
 
Fichas de Avaliação Estudo do Meio_3.º Ano
Fichas de Avaliação Estudo do Meio_3.º AnoFichas de Avaliação Estudo do Meio_3.º Ano
Fichas de Avaliação Estudo do Meio_3.º Ano
 
Paratextos 8º ano teste 3 com soluções
Paratextos 8º ano teste 3 com soluçõesParatextos 8º ano teste 3 com soluções
Paratextos 8º ano teste 3 com soluções
 
Ficha de verificação de leitura " O cavaleiro da Dinamarca"
Ficha de verificação de leitura " O cavaleiro da Dinamarca"Ficha de verificação de leitura " O cavaleiro da Dinamarca"
Ficha de verificação de leitura " O cavaleiro da Dinamarca"
 
Superlativo absoluto sintético irregulares
Superlativo absoluto sintético irregularesSuperlativo absoluto sintético irregulares
Superlativo absoluto sintético irregulares
 
Ficha dos determinantes e pronomes possessivos
Ficha dos determinantes e pronomes possessivosFicha dos determinantes e pronomes possessivos
Ficha dos determinantes e pronomes possessivos
 
Leandro, Rei da Helíria
Leandro, Rei da HelíriaLeandro, Rei da Helíria
Leandro, Rei da Helíria
 
Gigante Adamastor, d'Os Lusíadas
Gigante Adamastor, d'Os LusíadasGigante Adamastor, d'Os Lusíadas
Gigante Adamastor, d'Os Lusíadas
 
Texto de opinião
Texto de opiniãoTexto de opinião
Texto de opinião
 
Nomes coletivos.doc
Nomes coletivos.docNomes coletivos.doc
Nomes coletivos.doc
 
Resumo fada oriana
Resumo fada orianaResumo fada oriana
Resumo fada oriana
 
Teste Português Anne Frank (8ºano)
Teste Português Anne Frank (8ºano)Teste Português Anne Frank (8ºano)
Teste Português Anne Frank (8ºano)
 

Semelhante a Pedro alecrim resumos.

Semelhante a Pedro alecrim resumos. (20)

Letras com rugas
Letras com rugasLetras com rugas
Letras com rugas
 
ficha de leitura O Rapaz de Louredo.docx
ficha de leitura O Rapaz de Louredo.docxficha de leitura O Rapaz de Louredo.docx
ficha de leitura O Rapaz de Louredo.docx
 
lab6_verificacao_pedroalecrim.pptx
lab6_verificacao_pedroalecrim.pptxlab6_verificacao_pedroalecrim.pptx
lab6_verificacao_pedroalecrim.pptx
 
" A vida nas palavras de Inês Tavares" Alice Vieira
"  A vida nas palavras de Inês Tavares" Alice Vieira"  A vida nas palavras de Inês Tavares" Alice Vieira
" A vida nas palavras de Inês Tavares" Alice Vieira
 
A na mendes 2
A na mendes 2A na mendes 2
A na mendes 2
 
Wiki barbara e valesca
Wiki barbara e valescaWiki barbara e valesca
Wiki barbara e valesca
 
Apresentação 2 (2)
Apresentação 2 (2)Apresentação 2 (2)
Apresentação 2 (2)
 
O pequeno polegar
O pequeno polegarO pequeno polegar
O pequeno polegar
 
Trabalho diogo nunes nº6
Trabalho diogo nunes nº6Trabalho diogo nunes nº6
Trabalho diogo nunes nº6
 
Pnl 2 ceb - sonho-ou_realidade
Pnl   2 ceb - sonho-ou_realidadePnl   2 ceb - sonho-ou_realidade
Pnl 2 ceb - sonho-ou_realidade
 
A floresta
A florestaA floresta
A floresta
 
Barbara cartland a cruz do amor
Barbara cartland   a cruz do amorBarbara cartland   a cruz do amor
Barbara cartland a cruz do amor
 
História colectiva final
História colectiva finalHistória colectiva final
História colectiva final
 
aula trovad.
aula trovad.aula trovad.
aula trovad.
 
Flor de mel apresentação Mafalda 1º p
Flor de mel  apresentação Mafalda 1º pFlor de mel  apresentação Mafalda 1º p
Flor de mel apresentação Mafalda 1º p
 
Dia Do Pai
Dia Do PaiDia Do Pai
Dia Do Pai
 
A culpa é toda do rato
A culpa é toda do ratoA culpa é toda do rato
A culpa é toda do rato
 
História da Maria Castanha
História da Maria CastanhaHistória da Maria Castanha
História da Maria Castanha
 
Labir5
Labir5Labir5
Labir5
 
Uma Aventura
Uma AventuraUma Aventura
Uma Aventura
 

Mais de manuela016

Teste outubro- 6.º ano.pdf
Teste outubro- 6.º ano.pdfTeste outubro- 6.º ano.pdf
Teste outubro- 6.º ano.pdfmanuela016
 
Teste outubro- 5.º ano.pdf
Teste outubro- 5.º ano.pdfTeste outubro- 5.º ano.pdf
Teste outubro- 5.º ano.pdfmanuela016
 
Ficha formativa outubro
Ficha formativa outubroFicha formativa outubro
Ficha formativa outubromanuela016
 
Ficha formativa outubro
Ficha formativa outubroFicha formativa outubro
Ficha formativa outubromanuela016
 
Regulamento concurso Eco-turma
Regulamento concurso Eco-turmaRegulamento concurso Eco-turma
Regulamento concurso Eco-turmamanuela016
 
Mensagens de natal
Mensagens de natalMensagens de natal
Mensagens de natalmanuela016
 
No dia de natal
No dia de natalNo dia de natal
No dia de natalmanuela016
 
Formative test 2
Formative test 2Formative test 2
Formative test 2manuela016
 
Ficha formativa de Português novembro / 2018
Ficha formativa de Português novembro / 2018Ficha formativa de Português novembro / 2018
Ficha formativa de Português novembro / 2018manuela016
 
Formative test correction November / 2018
Formative test correction  November / 2018Formative test correction  November / 2018
Formative test correction November / 2018manuela016
 
Formative test correction - November 2018
Formative test correction - November 2018Formative test correction - November 2018
Formative test correction - November 2018manuela016
 
Formative test november
Formative test novemberFormative test november
Formative test novembermanuela016
 
Ficha de trabalho discurso direto- indireto
Ficha de trabalho  discurso direto- indiretoFicha de trabalho  discurso direto- indireto
Ficha de trabalho discurso direto- indiretomanuela016
 
Teste formativo outubro
Teste formativo outubroTeste formativo outubro
Teste formativo outubromanuela016
 
Correction of the formative test
Correction of the formative testCorrection of the formative test
Correction of the formative testmanuela016
 
Formative test
Formative testFormative test
Formative testmanuela016
 
5ano portugues criterios
5ano portugues criterios5ano portugues criterios
5ano portugues criteriosmanuela016
 
5ano portugues
5ano portugues5ano portugues
5ano portuguesmanuela016
 
Formative test may 2018
Formative test may 2018Formative test may 2018
Formative test may 2018manuela016
 
Correction of the formative test may 2018
Correction of the formative test may 2018Correction of the formative test may 2018
Correction of the formative test may 2018manuela016
 

Mais de manuela016 (20)

Teste outubro- 6.º ano.pdf
Teste outubro- 6.º ano.pdfTeste outubro- 6.º ano.pdf
Teste outubro- 6.º ano.pdf
 
Teste outubro- 5.º ano.pdf
Teste outubro- 5.º ano.pdfTeste outubro- 5.º ano.pdf
Teste outubro- 5.º ano.pdf
 
Ficha formativa outubro
Ficha formativa outubroFicha formativa outubro
Ficha formativa outubro
 
Ficha formativa outubro
Ficha formativa outubroFicha formativa outubro
Ficha formativa outubro
 
Regulamento concurso Eco-turma
Regulamento concurso Eco-turmaRegulamento concurso Eco-turma
Regulamento concurso Eco-turma
 
Mensagens de natal
Mensagens de natalMensagens de natal
Mensagens de natal
 
No dia de natal
No dia de natalNo dia de natal
No dia de natal
 
Formative test 2
Formative test 2Formative test 2
Formative test 2
 
Ficha formativa de Português novembro / 2018
Ficha formativa de Português novembro / 2018Ficha formativa de Português novembro / 2018
Ficha formativa de Português novembro / 2018
 
Formative test correction November / 2018
Formative test correction  November / 2018Formative test correction  November / 2018
Formative test correction November / 2018
 
Formative test correction - November 2018
Formative test correction - November 2018Formative test correction - November 2018
Formative test correction - November 2018
 
Formative test november
Formative test novemberFormative test november
Formative test november
 
Ficha de trabalho discurso direto- indireto
Ficha de trabalho  discurso direto- indiretoFicha de trabalho  discurso direto- indireto
Ficha de trabalho discurso direto- indireto
 
Teste formativo outubro
Teste formativo outubroTeste formativo outubro
Teste formativo outubro
 
Correction of the formative test
Correction of the formative testCorrection of the formative test
Correction of the formative test
 
Formative test
Formative testFormative test
Formative test
 
5ano portugues criterios
5ano portugues criterios5ano portugues criterios
5ano portugues criterios
 
5ano portugues
5ano portugues5ano portugues
5ano portugues
 
Formative test may 2018
Formative test may 2018Formative test may 2018
Formative test may 2018
 
Correction of the formative test may 2018
Correction of the formative test may 2018Correction of the formative test may 2018
Correction of the formative test may 2018
 

Último

Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdfNoções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdfdottoor
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?MrciaRocha48
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfangelicass1
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptxpamelacastro71
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESpatriciasofiacunha18
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfEyshilaKelly1
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 

Último (20)

Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdfNoções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 

Pedro alecrim resumos.

  • 1. “Pedro Alecrim” Capítulo 1 Luís era um menino alto e gordo, de cabelos compridos e encaracolados, que nunca estava calado e gostava de contar anedotas e adivinhas. Para as fichas de avaliação vestia-se a rigor ( camisa, cinto largo e gravata), onde escondia os copianços. Quando terminavam as aulas, os alunos saíam a correr da escola para conseguirem arranjar lugar sentados no autocarro. Pedro Alecrim não gostava muito do Luís, porque certo dia este começou a gozar com ele no autocarro, dizendo que o lugar dele era junto dos meninos da primária, tendo- se envolvido numa zaragata. Capítulo 2 A Rita, a Joana, o Nicolau, o Martinho e o Pedro eram os últimos a sair do autocarro. A casa da Joana ficava logo lá. A Rita ia com o irmão de moto. O irmão, Afonso, andava com muita velocidade. O Martinho também morava perto da paragem. O Pedro e o Nicolau tinham de andar muito até chegar à sua aldeia- Pragal. A aldeia tinha 20 casas, 5 lâmpadas públicas, 2 fontanários, um lavadouro público, uma capela e uma venda. Certo dia, no caminho para casa, os dois amigos viram uma poça com muitos cabeçudos e o Nicolau explicou que eram peixinhos acabados de nascer de um peixe que um pássaro deixara cair ali. Mas um dia descobriram que afinal eram rãs pequeninas e começaram a rir da sua ignorância. Capítulo 3 O Martinho ajudava a mãe na loja e à noite a mãe obrigava-o a estudar. O Pedro, quando chegava a casa, tinha de tratar das tarefas do campo: apanhar erva, dar de comer aos animais… e só depois do jantar é que fazia os deveres. Não era um bom aluno, mas tem conseguido. Os pais queixavam-se do dinheiro que gastavam para lhe comprar as coisas para a escola e achavam que não tinha utilidade nenhuma. A mãe dizia mesmo que já estava arrependida por o ter posto a estudar. Capítulo 4 Nicolau e Pedro resolveram fazer uma sociedade. Começaram por vender agriões, depois nabos e seguiram-se castanhas, grelos e pencas. Tudo isto era vendido à mãe do Martinho. O dinheiro ganho era guardado numa lata de leite em pó vazia e escondido no buraco do tronco dum carvalho velho que ficava perto do caminho. Quando viram que já tinham muito dinheiro, compraram 4 frações do bilhete da lotaria do Natal, contando que iriam ficar ricos. Contudo, isso não aconteceu, e mais um sonho se desfez e a sociedade também. Capítulo 5 Um dia, ao chegar a casa, Pedro encontrou o seu pai doente. Aqui, também ficamos a saber que ele tinha uma irmã chamada Rosália e um irmão, que era gago, chamado Jacinto. Com o pai doente, Pedro tinha de fazer todas as tarefas em casa para ajudar a mãe, mas ainda arranjava tempo para “brincar” com Jacinto. Capítulo 6 Pedro e Nicolau receberam os livros da escola, que eram muitos e, portanto, pesavam muito. Pensaram em ir buscar o cavalo do tio Zé Maria Coxo, para lhes levar os livros, mas não o encontraram. Capítulo 7 Começa por falar das dificuldades que Pedro sentiu quando chegou à escola. O pai continuava doente e cada vez pior: vomitava sangue. O Luís andava ensonado na escola devido às muitas festas que tinha em casa. Capítulo 8 Na ida para a escola, Pedro e Nicolau tinham que andar muito e, quando estava temporal, molhavam- se e ficavam doentes. O pai do Pedro comprou-lhe uma roupa – “um equipamento antichuva” para o proteger e Nicolau gozava com ele. O pai do Pedro estava cada vez mais doente e a mãe tinha envelhecido.
  • 2. Capítulo 9 Pedro Alecrim narra mais algumas peripécias da escola: - a ida dos alunos para a sala de aula comparada à ida dos animais para o matadouro; - a partida que o Luís faz à professora de matemática; Pedro diz também que um bom professor deve explicar sempre o porquê das coisas. Capítulo 10 O pai do Pedro acabou por ser internado. Quando chegou a casa, o Pedro teve que ajudar a mãe nas lides e ainda explicar ao irmão mais novo, o Jacinto, que o pai não ia morrer. Capítulo 11 Pedro apercebeu-se que o Luís andava diferente. Então, o Luís desabafou com ele e contou-lhe sobre como se foi apercebendo das constantes ausências do pai às refeições, que acabaram por ser definitivas, pois o pai foi viver com outra mulher. Luís contou que ficou com muita raiva do pai e que, recentemente, o tinha encontrado na rua e combinaram um encontro para conversarem. No dia da conversa, foram almoçar a um restaurante “chique” e depois foram passear para a mata (local onde costumavam fazer piqueniques em família). Aí, o pai explicou-lhe que continuava a gostar da mãe, mas de maneira diferente e que a sua nova mulher se chamava Adelaide. Pedro acabou por sentir que até gostava do Luís. Capítulo 12 Na casa do Pedro não era costume haver discussões; a mãe não gostava de gritarias. Quando andava mais nervoso, o pai ia “arejar” ou descarregava no gato. Mas, um dia, houve uma grande discussão e a mãe do Pedro saiu porta fora. Como nunca mais voltava, o pai começou a ficar preocupado e acabaram por ir procurá-la. Chegaram mesmo a pensar que a mãe teria feito alguma asneira. Não a encontraram e, ao chegar a casa, a mãe estava tranquilamente a lavar a louça; apenas tinha ido apanhar a roupa ao estendal por causa do temporal. Capítulo 13 O pai do Pedro tocava Cavaquinho e, às vezes, ia tocar a bailes. Pedro foi uma vez com ele, apesar dos protestos da mãe. O Pedro gostava de aprender a tocar cavaquinho. Capítulo 14 O Pedro e a mãe visitaram o pai no hospital. O pai prometeu ao Pedro que, quando saísse do hospital, o ensinava a tocar cavaquinho. Capítulo 15 As aulas estavam quase a terminar. Pedro e Nicolau falaram sobre as tarefas que teriam de fazer nas férias. Nicolau disse que não ia continuar a estudar, pois tinha de ajudar os pais que já eram velhotes. Nicolau também achou que o Pedro não ia continuar a estudar, agora com o pai doente. Capítulo 16 O Luís conheceu a nova mulher do pai. Chamava-se Adelaide. A mãe do Luís também falou em casar-se novamente. Capítulo 17 Acabaram as aulas. Pedro foi à escola no último dia e regou a tília, que ele e o Nicolau tinham plantado no Dia da Árvore. Da turma deles só passou ele e o Nicolau e poucos mais. A maior parte, como o Luís, reprovou. Capítulo 18 O pai do Pedro foi operado. A Mãe foi de táxi para o hospital. A Fatinha disse ao Pedro que devia estar preparado para tudo, pois o pai estava muito doente. Capítulo 19 O pai do Pedro faleceu. No funeral, Pedro ficou no velório e acompanhou o funeral até ao cemitério. Depois, fugiu e atirou-se a um ribeiro para se lavar da sujidade e dos cheiros. Capítulo 20 Pedro andava na rega dos campos quando surgiu o Nicolau. Este informou-o sobre a sua partida para casa do irmão, em Vila Nova de Gaia, onde ia começar a trabalhar num café. O Pedro ficou triste com a partida do amigo. Capítulo 21
  • 3. Pedro recebeu uma carta do amigo Nicolau, que lhe contava sobre as suas aventuras na casa do irmão. Nicolau estava desapontado, pois até àquele momento apenas tinha lavado garrafas no café. Capítulo 22 Pedro respondeu a Nicolau, informando-o que também tinha recebido um postal do Luís, o gordo Luís, todo escrito em código. Pedro disse ainda que andava à procura de emprego. Capítulo 23 Pedro recebeu o cavaquinho que era do pai. Como estava com as cordas partidas, procurou o tio Trindade para o ajudar. O tio Trindade, que era ferreiro, pediu ao Pedro que o ajudasse e, no fim, fez-lhe uma proposta: o Pedro ia para casa dele aprender a ser ferreiro e depois aprendia a tocar cavaquinho.