SlideShare uma empresa Scribd logo
Definição
Estratégia de negócios que busca resultados pela redução drástica da
variabilidade dos processos. São utilizadas ferramentas estatísticas e de
qualidade para aumentar a capacidade e desempenho do processo sem
elevar investimentos.
DMAIC
Metodologia utilizada para condução de projetos Seis Sigma (iniciais em
inglês para Definir, Medir, Analisar, Melhorar e Controlar). O grande
diferencial está na forte ênfase dado ao planejamento, que auxilia no
direcionamento correto dos esforços para a solução de problemas.
Lean Seis Sigma
2
Objetivo
Baseado no conteúdo recomendado pela ASQ (American Society for
Quality) e alinhado com a ISO 13053 -Six Sigma, o treinamento de Yellow
Belt em Lean Seis Sigma visa formar profissionais capazes de auxiliar Green e
Black Belts no andamento de projetos Seis Sigma, assim como na
manutenção dos resultados obtidos.
Público Alvo
Profissionais das mais variadas áreas de atuação que desejem conhecer
conceitos básicos da metodologia Lean Seis Sigma (fluxo DMAIC) para
melhoria de processos.
Não existem pré-requisitos obrigatórios para o treinamento. Sugere-se que
os alunos tenham perfil para liderar equipes de projeto e sejam motivados
pelo desafio de promover mudanças na organização.
Yellow Belt em Lean Seis Sigma
3
Conteúdo Programático
Módulo 1 – Fundamentos Seis Sigma
A Metodologia Seis Sigma e seu histórico
O Lean Manufacturing e sua interação com o Seis Sigma
As responsabilidades e certificações dos Belts
Consolidação do Conhecimento
Módulo 2 - Metodologia DMAIC
O Método
O Seis Sigma e o Sistema de Gestão
Consolidação do Conhecimento
Módulo 3 - Fase de Definição
Identificação do Projeto
Identificando a Voz do Cliente e definindo metas
Gerenciamento do Projeto
Consolidação do Conhecimento
4
Conteúdo Programático
Módulo 4 – Fase Medição
Mapeamento do Processo
Levantamento e Priorização das Causas
Distribuição Normal
Consolidação do Conhecimento
Módulo 5 - Fase de Análise
Análise do Processo
Análise de Causa Raiz
Consolidação do Conhecimento
Módulo 6 – Fase de Melhoria
A Priorização de Dados
Formulação do Plano de Ação
Cultura do Kaizen
Consolidação do Conhecimento
5
Conteúdo Programático
Módulo 7 - Fase de Controle
Controlando o Processo
As Ferramentas de Controle
Consolidação do Conhecimento
6
Fundamentos Seis Sigma
 Lição 1: Visão Histórica
 Lição 2: A Metodologia Seis Sigma
 Lição 3: Visão Geral do Lean Manufacturing
 Lição 4: Integração Lean e Seis Sigma;
 Lição 5: Responsabilidades e certificações dos
Belts;
Módulo 1
Visão Histórica
As primeiras iniciativas Seis Sigma nasceram nos anos 80, com o
objetivo de capacitar a Motorola a enfrentar os seus concorrentes,
que fabricavam produtos com maior qualidade e preços menores.
No início dos anos 90, o surgimento de novas tecnologias e o
avanço no desenvolvimento de softwares proporcionou maior
aplicação da estatística nas empresas, para análises de dados mais
avançadas.
Em meados dos anos 90, a Allied Signal e a General Eletric
comprovaram o poder do Seis Sigma através da implementação de
um programa corporativo, transformando o enfoque da melhoria
de qualidade em melhoria dos negócios, obtendo inacreditáveis
ganhos financeiros.
No final dos anos 90, o Seis Sigma deixou de ter o foco apenas na
indústria e produção e tornou-se um dos métodos mais poderosos
que conduzem à melhoria contínua. Atualmente, muitas
organizações apostam em sua implantação devido ao cenário de
crise.
Visão Histórica
Fundamentos Seis Sigma
 Lição 1: Visão Histórica
 Lição 2: A Metodologia Seis Sigma
 Lição 3: Visão Geral do Lean Manufacturing
 Lição 4: Integração Lean e Seis Sigma;
 Lição 5: Responsabilidades e certificações dos
Belts;
Módulo 1
A metodologia Seis Sigma é quantitativa, estruturada, disciplinada e focada
na melhoria de processos já existentes com pouco ou nenhum investimento.
Utiliza-se de um método estruturado (método DMAIC) e ferramentas
estatísticas para atacar diversas oportunidades nas empresas.
Os principais objetivos do Seis Sigma estão ligados à gestão do negócio, ou
seja, projetos de redução de custos, otimização de processos e incremento da
satisfação dos clientes.
Lucratividade
Redução de custos
Otimização de produtos e processos
Incremento da satisfação do cliente
O que é Seis Sigma?
Seis Sigma em Termos Estatísticos
O Seis Sigma é uma metodologia que depende de métricas (indicadores) e
dados confiáveis. Para verificar a qualidade de um processo em termos
estatísticos, a metodologia Seis Sigma avalia se os itens produzidos estão
dentro da especificação do cliente.
Fora da meta e com
grande dispersão
Processo centrado e
com pouca variabilidade
Tarefa Prática – Avaliando o Processo
Um processo que tenha 99% de rendimento é bom o suficiente?
O Hospital Albert Einstein realiza cerca de 280 partos normais por
mês. Quantos partos apresentariam falhas médicas? (Fonte:
www.eisntein.br – 2014)
A fábrica da Ambev em Uberlândia possui capacidade de produzir 65
milhões de litros de cerveja por mês. Qual a quantidade de produto
perdido? (Fonte: www.valor.com.br - 2014)
O Aeroporto Internacional de Viracopos realiza cerca de 11.000
pousos e decolagens por mês. Qual seria o número de acidentes
aéreos? (Fonte: Aeroportos Brasil Viracopos – 2014)
110
Acidentes
650.000
Litros
3 Falhas
Nível de Qualidade Sigma
Nível da
qualidade Defeitos por milhão
Percentual de
conformidade
1 Sigma 691.463 30,85%
1,5 Sigma 500.000 50%
2 Sigma 308.537 69,15%
3 Sigma 66.807 93,32%
4 Sigma 6.210 99,38%
5 Sigma 233 99,97%
6 Sigma 3,4 99,9966%
Fornecedores Entradas Processo Saídas Clientes
x1, x2, x3, ... , xn
Causas
Entradas do processo
Y1, Y2, ... ,Yn
Efeitos
Saídas do processo
CLIENTE
EMPRESA
Definição de Processo
Fundamentos Seis Sigma
 Lição 1: Visão Histórica
 Lição 2: A Metodologia Seis Sigma
 Lição 3: Visão Geral do Lean Manufacturing
 Lição 4: Integração Lean e Seis Sigma;
 Lição 5: Responsabilidades e certificações dos
Belts;
Módulo 1
Lean Manufacturing (Manufatura Enxuta)
Cliente
Desperdício
Fornecedor
Fornecedor Cliente
Busca por lead time menores para entregar produtos e serviços com elevada
qualidade e baixo custo, via eliminação dos desperdícios ao longo do fluxo
de valor.
Eliminação de Desperdício
Redução do lead time
Os 8 Desperdícios
Para obter as vantagens do Lean Manufacturing é necessário atuar em
atividades que não agregam valor, ou seja, eliminar desperdícios.
Estoque Espera
Transportes
desnecessários
Defeitos e
Retrabalho
Excesso de
Produção
Processamento
Impróprio
Movimentos
desnecessários
Intelectual
(Pessoas)
Fundamentos Seis Sigma
 Lição 1: Visão Histórica
 Lição 2: A Metodologia Seis Sigma
 Lição 3: Visão Geral do Lean Manufacturing
 Lição 4: Integração Lean e Seis Sigma;
 Lição 5: Responsabilidades e certificações dos
Belts;
Módulo 1
Integração Lean e Seis Sigma
Antes
Depois
Depois
Antes
Seis Sigma Lean Manufacturing
Foco do Seis Sigma
 Tornar o processo eficaz;
 Reduzir a variabilidade;
 Reduzir os defeitos.
Foco do Lean Manufacturing
 Tornar o processo eficiente;
 Reduzir os desperdícios;
 Aumentar velocidade.
Integração Lean e Seis Sigma
- Alta variabilidade;
- Alto Tempo;
- Baixa variabilidade;
- Alto Tempo;
- Baixa variabilidade;
- Baixo Tempo;
Fundamentos Seis Sigma
 Lição 1: Visão Histórica
 Lição 2: A Metodologia Seis Sigma
 Lição 3: Visão Geral do Lean Manufacturing
 Lição 4: Integração Lean e Seis Sigma;
 Lição 5: Responsabilidades e certificações dos
Belts;
Módulo 1
Papeis e Responsabilidades
White Belt Yellow Belt
Green Belt
Black Belt
Master
Black Belt
Champion
Acionistas e
Sponsor
Champion
Acionistas e
Sponsor
- Gestores cuja responsabilidade é apoiar os projetos e
remover possíveis barreiras para o seu
desenvolvimento;
- Participação nas reuniões periódicas dos projetos;
- Geralmente são gerentes da alta administração.
- Participação na formação da carteira de oportunidades
e da consequente aprovação dos projetos;
- Participação de eventos de sustentação do programa,
tais como a cerimônias de certificação ou início de
sessões de treinamento;
- Facilitação e viabilização da disponibilidade de
recursos financeiros e humanos.
Papeis e Responsabilidades
Papeis e Responsabilidades
Black Belt
Master
Black Belt
- São profissionais com cargo efetivo na hierarquia da empresa,
respondendo diretamente ou indiretamente ao MBB;
- Direta ou funcionalmente, está ligado à área de gestão da
organização;
- Disponibiliza, preferencialmente, 100% de seu tempo ao programa
Seis Sigma, principalmente na execução e no mentoramento de
projetos (há casos em que o profissional dedica uma certa parte de
seu tempo a atividades de gestão da rotina).
- São profissionais com cargo efetivo na hierarquia da empresa,
respondendo diretamente à alta administração;
- Direta ou funcionalmente, está ligado à área de gestão da
organização;
- Disponibiliza, preferencialmente, 100% de seu tempo ao
no mentoramento de
programa Seis Sigma, principalmente
projetos;
- Em algumas empresas, exercem também funções executivas nas
áreas de Gestão ou Qualidade.
Papeis e Responsabilidades
White Belt
Green Belt
- São profissionais que dedicam parte de seu tempo (geralmente
cerca de 20-30% do tempo) a atividades de melhoria contínua e
execução de projetos Seis Sigma, respondendo hierarquicamente a
seu superior imediato (não existe relação hierárquica entre Black
Belt e Green Belt, apenas relações funcionais no desenvolvimento
de projetos).
Yellow Belt
- São profissionais do nível operacional da empresa, treinados nos
fundamentos do Seis Sigma para que possam dar suporte aos Black
Belts e Green Belts na implementação dos projetos.
Papeis e Responsabilidades
Nº Projetos Prazo
1 projeto de curto prazo Cerca de 3 a 4 meses
1 projeto de curto prazo
1 projeto de médio prazo
Cerca de 3 a 4 meses
Cerca de 4 a 6 meses
Certificação Seis Sigma - Requisitos
1. Fazer o treinamento de Green/Black Belt [Concluído]
2. Ser o líder Green Belt de um Projeto Seis Sigma
3. Apresentar projeto e se certificar Green Belt
Certificação
4. Ser o líder Black Belt de um Projeto Seis Sigma
5. Apresentar projeto e se certificar Black Belt
Módulo 2
Metodologia DMAIC
 Lição 1: O Método
 Lição 2: O Seis Sigma e o Sistema de Gestão
O Método DMAIC
C D
I
Controlar (Control)
Melhorar (Improve)
Analisar (Analyze)
Medir (Measure)
Definir (Define)
M
A
O Método DMAIC
D
C DEFINIÇÃO – Definir o escopo do projeto com
precisão, identificar o processo gerador do
problema, definir uma meta global
contrato do projeto.
e elaborar o
I M
A
O Método DMAIC
D
C MEDIÇÃO – Analisar quantitativamente os
dados, avaliar as causas potenciais no processo
mapeado e definir os focos do projeto.
I M
A
O Método DMAIC
D
C ANÁLISE – Identificar as causas raiz do problema
com fatos e dados.
I M
A
O Método DMAIC
D
C MELHORIA – Propor soluções, avaliar o risco
implementação, elaborar e executar o plano
ação.
de
de
I
A
M
O Método DMAIC
C D
CONTROLE – Medir os resultados e definir
mecanismos que garantam a sustentabilidade
I das melhorias alcançadas.
M
A
Módulo 2
Metodologia DMAIC
 Lição 1: O Método
 Lição 2: O Seis Sigma e o Sistema de Gestão
Seis Sigma e Sistemas de Gestão
Nível
Estratégico Metas
Estratégicas
Sistema de
Gestão
Lean
Seis Sigma
Nível
Tático
Nível
Operacional Gestão da Rotina do trabalho
Relação PDCA x DMAIC
C Verificação
C
A Padronização e conclusão
P
Identificação do problema D
Análise do fenômeno M
Análise do processo
A
Elaboração de Plano de Ação
I
D Execução
Módulo 3
Fase de Definição
 Lição 1: Identificação do Projeto
 Lição 2: Voz do Cliente
 Lição 3: Definindo a Meta
 Lição 4: Gerenciamento do Projeto
Fase de Definição
Objetivo:
Definir claramente o escopo do projeto, avaliando o histórico do problema, o
processo onde ocorre e acordando os principais pontos do projeto
contrato do projeto.
através do
Perguntas de orientação:
 Qual é o problema a ser resolvido no projeto?
 Quem são os clientes e fornecedores afetados pelo processo?
 Qual a meta se pretende atingir e qual o ganho financeiro correspondente?
 Qual processo está relacionado com o problema descrito?
Fase de Definição
Ferramentas:
Mapa de Raciocínio, Voz do Cliente (definir CTQs), Matriz de Escopo,
SIPOC e Contrato de Projeto (Project Charter).
Tempo estimado: 2 semanas.
Identificação do Projeto LSS
Para definir qual o problema ou oportunidade será trabalhada na
metodologia Lean Seis Sigma é necessário compreender como identificar
um bom projeto.
Existem muitas fontes que uma companhia pode usar a fim de procurar
potenciais projetos Lean Seis Sigma. Veja alguns exemplos abaixo:
 Desdobramento de metas (exemplo: indicadores financeiros,
processo, clientes e aprendizagem);
 Mapeamento de processos;
 Identificação de desperdícios;
 Necessidade de clientes internos e externos;
 Benchmarking.
por
de
Identificação do Projeto LSS
Características de um bom projeto Lean Seis Sigma:
 O tema do projeto se relaciona aos objetivos estratégicos da empresa e
pode ser trabalhado na rotina do dia-a-dia;
 O escopo do projeto permite sua conclusão em 3 a 4 meses (para o GB);
 Impacto significativo na performance da Organização, ganho de qualidade
e principalmente ganho financeiro;
Identificação do Projeto LSS
Características de um bom projeto Lean Seis Sigma:
 Possui uma base de dados confiável e um indicador mensurável, sendo
possível quantificar os resultados;
 Existe uma lacuna de performance entre o valor atual do indicador e o
desejado;
 Soluções necessárias para eliminar o problema não são conhecidas ou não
são óbvias para a Organização.
Identificação do Projeto LSS
Exemplos de projetos Lean Seis Sigma:
Redução do custo de armazenagem de produtos.
Diminuição do custo de frete.
Redução dos custos com estoques.
Redução do índice de reclamações dos clientes.
Redução da variabilidade do processo de fabricação de produtos.
Redução do índice de turnover dos colaboradores.
Redução do tempo total para execução dos processos.
Redução do índice de retrabalho de produtos no final da linha de montagem.
Eliminar a ocorrência de erros em Notas Fiscais emitidas.
Crescimento da venda de um segmento de produto.
Aumento da margem de um segmento de produto.











Módulo 3
Fase de Definição
 Lição 1: Identificação do Projeto
 Lição 2: Voz do Cliente
 Lição 3: Definindo a Meta
 Lição 4: Gerenciamento do Projeto
Voz do Cliente (VOC)
A “Voz do Cliente” (VOC) é usada, no Lean Seis Sigma, para descrever as
necessidades do cliente interno e externo e suas percepções sobre o produto
ou serviço entregue a ele. Em um projeto de melhoria, os dados da
ajudam a equipe a:
 Identificar as características críticas do processo, produto ou serviço;
 Identificar uma métrica de medição das características definidas
cliente, para orientar e focar o projeto.
VOC
pelo
[Voz do Cliente]
Ouvir o Cliente Identificar a CTQ Definir a medição
Voz do Cliente (VOC)
Na etapa Definir do método DMAIC é importante identificar os principais
clientes do projeto de modo a conhecer as principais necessidades e
expectativas dos mesmos. A Voz do Cliente será útil para validar a relevância
do tema do projeto e para ajudar a descrever o problema no contrato do
projeto (Project Charter).
Voz do Cliente (VOC)
Existem dois tipos principais de clientes do projeto:
 Clientes internos (Voz do Negócio): indivíduos ou áreas da empresa que
recebem o produto ou serviço em estágio intermediário ou como um
produto acabado.
processo.
Geralmente conseguem avaliar características do
 Clientes externos (Voz do Consumidor): indivíduos ou organizações que
consomem o produto ou serviço oferecido pela empresa. Geralmente
conseguem avaliar características do produto ou serviço pelo qual pagaram.
Voz do Cliente (VOC)
entregas varia muito
Refrigerante quente.
T
emperatura
máxima do
refrigerante (oC)
%pizzas
defeituosas
Pizza com
ingredientes errados
Consumidores
T
empo até a
entrega (min)
Entrega muito
demorada
Reduzir as
reclamações na
entrega da
pizzaria delivery
T
empo ocioso
(min)
T
empo de espera
na pizzaria é alto
Motoboy
Distância entre
Raio máximo
entre entregas
(km)
CTQs/CTPs
Direcionadores
Clientes
Necessidade
Módulo 3
Fase de Definição
 Lição 1: Identificação do Projeto
 Lição 2: Voz do Cliente
 Lição 3: Definindo a Meta
 Lição 4: Gerenciamento do Projeto
Definição de Meta
Sobre a definição de metas, podemos usar como referência os ensinamentos
do Prof. Vicente Falconi, que diz:
 Todos os Diretores, Gerentes e Supervisores devem ser treinados para
determinar, em suas respectivas áreas de trabalho, as suas lacunas de
performance.
 Estas lacunas correspondem à diferença entre o valor atual de um
indicador e um valor ideal. Este valor ideal pode ser o melhor valor
encontrado em outras empresas, pode ser um número ideal como “zero
atraso”, “zero defeito”, ou “zero perda”, pode ser um desvio padrão bom
para certa variável.
 A meta é estabelecida dentro da lacuna. Podemos estabelecer como
meta anual no mínimo 50% da lacuna.
Definição de Meta
Nos projetos Lean Seis Sigma, toda meta deve ser escrita com OBJETIVO,
VALOR e PRAZO.
 Reduzir a quantidade de sucata gerada para 25kg/ton, até dezembro de
2016.
 Reduzir o turnover de 9,5% para 4,8% em 6 meses.
VALOR PRAZO META
OBJETIVO
Módulo 3
Fase de Definição
 Lição 1: Identificação do Projeto
 Lição 2: Voz do Cliente
 Lição 3: Definindo a Meta
 Lição 4: Gerenciamento do Projeto
Escopo do Projeto
Antes de elaborar o contrato do projeto, deve ser definido claramente qual o
escopo do projeto, ou seja, o que será realizado neste.
1
Contrato de Projeto (Project Charter)
O Contrato de Projeto é um documento que firma um acordo entre a equipe
executora do projeto, o Belt e os gestores da empresa (Champions e Sponsors)
e deve apresentar os seguintes objetivos:
 Apresentar claramente os objetivos que são esperados da equipe;
 Manter a equipe alinhada aos objetivos do projeto;
 Formalizar as principais definições do início do projeto como cronograma,
escopo e meta;
 Garantir o comprometimento dos envolvidos.
Modelo: Contrato de Projeto
Projeto: Redução das perdas por parada de linha.
Na Cervejaria Cevada, estão ocorrendo paradas de linha, provocando a falha no planejamento das
operações diárias. No ano de 2014, o valor médio mensal das perdas decorrentes de paradas de linha foi
10% superior
ao mesmo período do ano anterior. T
otalizando as paradas, o prejuízo anual foi de US$ 1.800.000,00.
Reduzir em 50% das perdas por parada até dezembro/2015
*Recorrer a dados históricos da organização.
-
-
-
Os membros da equipe do projeto devem dedicar apenas 50% das suas horas de trabalho para o projeto;
Será necessário suporte de um especialista do setor de manutenção;
T
odos os custos envolvidos no projeto devem ser aprovados pelo Champion.
Daniel Fonseca (Black Belt – Líder do Projeto), Leonel Marques (Operações), Felipe Lopes (Manutenção),
Gabriel Couto (Champion – Gerente de Fábrica) e Alfredo Portugal (Sponsor).
Definição (09/08/2015), Medição (20/09/2015), Análise (17/10/2015), Melhoria (28/11/2015), Controle (14/12/2015).
Cronograma Preliminar (Data Limite)
Equipe do Projeto e Responsabilidades
Restrições e Suposições
Avaliação do Histórico do Problema
Definição da Meta
Descrição do Problema
Exercícios de Fixação – Módulo 3
1. Sobre os objetivos da fase de Definição, é incorreto afirmar:
a)
b)
c)
Definição do escopo do projeto.
Definição da meta a ser atingida.
Definição das causas raízes do problema.
22
Exercícios de Fixação – Módulo 3
1. Sobre os objetivos da fase de Definição, é incorreto afirmar:
a)
b)
c)
Definição do escopo do projeto.
Definição da meta a ser atingida.
Definição das causas raízes do problema.
23
Exercícios de Fixação – Módulo 3
2. São características de um bom projeto Seis sigma, exceto:
a)
b)
Projetos que tenham alto impacto na organização, com ganhos financeiros e em qualidade.
As soluções para eliminação dos problemas relatados no projeto são conhecidas pela
organização.
c) A existência de uma lacuna de performance entre o valor atual e o desejado.
24
Exercícios de Fixação – Módulo 3
2. São características de um bom projeto Seis sigma, exceto:
a)
b)
Projetos que tenham alto impacto na organização, com ganhos financeiros e em qualidade.
As soluções para eliminação dos problemas relatados no projeto são
organização.
conhecidas pela
c) A existência de uma lacuna de performance entre o valor atual e o desejado.
25
Exercícios de Fixação – Módulo 3
3. Quais perguntas devem ser respondidas na Fase de Definição?
a) Como medir os indicadores? Quais as causas raiz da má performance? Como evitar que as
variáveis saiam do controle novamente?
Qual o processo a ser melhorado? Qual produto do processo? Quais são as etapas do processo?
O que é feito para o produto? Quais as expectativas para o cliente?
b)
c) Como manter as variáveis de entrada controladas nos limites especificados?
indicadores? Qual processo a ser melhorado? Quais são as etapas do processo?
Como medir os
26
Exercícios de Fixação – Módulo 3
3. Quais perguntas devem ser respondidas na Fase de Definição?
a) Como medir os indicadores? Quais as causas raiz da má performance? Como evitar que as
variáveis saiam do controle novamente?
Qual o processo a ser melhorado? Qual produto do processo? Quais são as etapas do
processo? O que é feito para o produto? Quais as expectativas para o cliente?
b)
c) Como manter as variáveis de entrada controladas nos limites especificados? Como
indicadores? Qual processo a ser melhorado? Quais são as etapas do processo?
medir os
27
Exercícios de Fixação – Módulo 3
4. Sobre o Contrato de Projeto:
a) É um documento que formaliza as
seus objetivos.
principais definições do projeto, apresentando claramente
b)
c)
Documento que registra a finalização do Projeto Seis Sigma.
Documento que mantém a equipe alinhada sobre os objetivos do projeto.
28
Exercícios de Fixação – Módulo 3
4. Sobre o Contrato de Projeto, é incorreto afirmar:
a) É um documento que formaliza as principais definições
seus objetivos.
do projeto, apresentando claramente
b)
c)
Documento que registra a finalização do Projeto Seis Sigma.
Documento que mantém a equipe alinhada sobre os objetivos do projeto.
29
Módulo 4
Fase de Medição
 Lição 1: Mapeamento do Processo
 Lição 2: Levantamento, Esforço e impacto
 Lição 3: Distribuição Normal
Fase de Medição
Objetivo:
Analisar o processo e analisar o fenômeno, conhecer o estado atual do
analisar
processo, levantar as causas potenciais do problema e
quantitativamente a base de dados (variável Y).
Perguntas de orientação:
 Qual é o estado atual do processo?
 Quais as potencias causas (fontes de variação) do processo?
 Os dados são confiáveis?
 Qual o comportamento dos dados históricos (variável Y)?
Tempo estimado: 6 a 8 semanas.
Fase de Medição
Ferramentas Qualitativas:
 Mapa de Processo;
 Espinha de Peixe;
 Matriz Causa e Efeito;
 Matriz Esforço x Impacto.
Ferramentas Quantitativas:
 Conceitos estatísticos básicos;
 Estatística Descritiva;
 Histograma;
 Boxplot;
 Pareto;
 Gráfico Sequencial;
 Capabilidade.
Mapa de Processo
O que é esta Ferramenta?
Ilustração gráfica do processo. Deve documentar como o processo
realmente opera, incluindo as etapas que agregam e não agregam valor.
O que será identificado por esta ferramenta?
 Todas as etapas do processo que agregam e não agregam valor;
 As principais saídas de cada etapa (produto em processo);
 Principais entradas/parâmetros de processo (X’s);
 Principais requisitos das saídas/entregas do processo (Y´s).
Quando usar Mapas de Processos?
Sempre que se precisa de uma visualização rápida e mais detalhada das etapas
do processo.
Mapa de Processo
CORTE
(GUILHOTINA)
ALMOXARIFADO
PRODUTOS
PCP
PLANEJAMENTO
DESING E
VENDAS
INICIO
ANALISAR ORDEM
DE SERVIÇO E
PROGRAMAR
SERVIÇO
LAVAGEM DA
MÁQUINA
CALIBRAR TINTEIRO TROCAR CHAPAS
CHAPA ESTÁ EM
CONDIÇÕES DE
USO?
TEM COMO
APROVEITAR?
LIMPAR
BLANQUETAS
ABASTECER
MÁQUINA
ACERTAR
PRÉ-REGISTRO
ACERTAR
TINTAGEM
TEM
AMOSTRA?
ACERTAR COR
LIMPEZA DAS
BLANQUETAS
PARA
IMPRESSÃO
IMPRESSÃO
QUANTIDADE
FINAL
CORRETA?
TIRAR
IMPRESSOS DA
MÁQUINA
PREENCHER
CHECK-LIST
LOGÍSTICA
FINALIZAR
ORDEM DE
SERVIÇO NO
SISTEMA
SIM
SIM
NÃO
NÃO
TOMAR AÇÃO
NECESSÁRIA
SIM
SIM
NÃO
NÃO
VERIFICAR
TAMANHO DO
PAPEL SE ESTÁ EM
CONFORMIDADE
COM A CHAPA
DAR INICIO DO
TRABALHO NO
SISTEMA
CLIENTE
Módulo 4
Fase de Medição
 Lição 1: Mapeamento do Processo
 Lição 2: Levantamento, Esforço e
impacto
 Lição 3: Distribuição Normal
Espinha de Peixe
Também conhecido como Diagrama de Ishikawa ou Diagrama de Causa
Efeito, proporciona uma análise de causas para um determinado efeito.
e
As categorias das causas podem seguir o método 6M:
 Material;
 Mão de Obra;
 Meio Ambiente;
 Máquina;
 Medida;
 Método.
Matriz de Esforço e impacto
É utilizada para priorizar as entradas do processo (causas/X´s) de
acordo com o impacto que provoca em cada uma das saídas (Y´s)
ou requerimentos do cliente.
Recomenda-se inclusive que sejam identificadas as principais entradas
levantadas no Mapa de Processo e na Espinha de Peixe para
desenvolvimento da ferramenta.
E
S
F
O
R
Ç
O
IMPACTO
ALTO ESFORÇO
BAIXO IMPACTO
BAIXO ESFORÇO
BAIXO IMPACTO
BAIXO ESFORÇO
ALTO IMPACTO
ALTO ESFORÇO
ALTO IMPACTO
Matriz de Esforço e impacto
Módulo 4
Fase de Medição
 Lição 1: Mapeamento do Processo
 Lição 2: Levantamento, Esforço e impacto
 Lição 3: Distribuição Normal
Distribuição Normal
 A distribuição normal é uma das mais importantes distribuições
estatísticas.
 Apresenta-se em formato de sino, simétrica em relação a sua média.
 Conseguimos desenhar uma Curva Normal tendo apenas dois parâmetros:
média e desvio padrão.
Distribuição Normal
 Ela representa o comportamento de diversos processos nas empresas e
muito fenômenos comuns como, por exemplo, altura ou peso de uma
população, a pressão sanguínea de um grupo de pessoas, o tempo que
um grupo de estudantes gasta para realizar uma prova.
 Considerando a probabilidade de ocorrência de um fenômeno, a área sob
a curva representa 100%. Isso quer dizer que a probabilidade de uma
observação assumir um valor entre dois pontos quaisquer é igual à área
compreendida entre esses dois pontos.
Exercícios de Fixação – Módulo 4
1. Sobre a Fase de Medição, é correto afirma:
a) Mapa de Processo, Espinha de Peixe e Matriz de Causa e Efeito são ferramentas quantitativas
utilizadas na fase.
É a fase em que são levantadas as potenciais causas do problema.
b)
c) Na fase, é
estatísticos.
recomendado apenas a utilização de ferramentas quantitativas, como conceitos
16
Exercícios de Fixação – Módulo 4
1. Sobre a Fase de Medição, é correto afirma:
a) Mapa de Processo, Espinha de Peixe e Matriz de Causa e Efeito são ferramentas quantitativas
utilizadas na fase.
É a fase em que são levantadas as potenciais causas do problema.
b)
c) Na fase, é
estatísticos.
recomendado apenas a utilização de ferramentas quantitativas, como conceitos
17
Exercícios de Fixação – Módulo 4
2. O Mapa de Processo é:
a)
b)
c)
Uma representação gráfica do fluxo de processos.
Representação de todas as operações que não agregam valor ao processo.
Ilustração
processo.
gráfica de como o processo deveria ocorrer, apenas com etapas que agregam valor ao
18
Exercícios de Fixação – Módulo 4
2. O Mapa de Processo é:
a)
b)
c)
Uma representação gráfica do fluxo do processo.
Representação de todas as operações que não agregam valor ao processo.
Ilustração
processo.
gráfica de como o processo deveria ocorrer, apenas com etapas que agregam valor ao
19
Exercícios de Fixação – Módulo 4
3) Sobre as ferramentas utilizadas na fase de Medição, é incorreto afirmar:
a) Na Matriz de Causa e Efeito as entradas do processo são priorizadas de acordo com o grau de
impacto sobre as saídas.
b) O Diagrama de Ishikawa é uma ferramenta qualitativa que permite levantar as causas
problema.
Somente média e desvio padrão não são suficientes para desenhar uma curva normal.
de um
c)
20
Exercícios de Fixação – Módulo 4
3) Sobre as ferramentas utilizadas na fase de Medição, é incorreto afirmar:
a) Na Matriz de Causa e Efeito as entradas do processo são priorizadas de acordo com o grau de
impacto sobre as saídas.
b) O Diagrama de Ishikawa é uma ferramenta qualitativa que permite levantar as causas de
problema.
Somente média e desvio padrão não são suficientes para desenhar uma curva normal.
um
c)
21
Exercícios de Fixação – Módulo 4
4) Quais perguntas devem ser respondidas na Fase de Medição?
a)
b)
c)
Quais são as variáveis a serem medidas? Como medir as variáveis?
Qual o processo a ser melhorado? Qual o produto do processo?
Como manter
do processo?
as variáveis de entrada controladas nos limites especificados? Quais são as etapas
22
Exercícios de Fixação – Módulo 4
4) Quais perguntas devem ser respondidas na Fase de Medição?
a)
b)
c)
Quais são as variáveis a serem medidas? Como medir as variáveis?
Qual o processo a ser melhorado? Qual o produto do processo?
Como manter
do processo?
as variáveis de entrada controladas nos limites especificados? Quais são as etapas
23
Fase de Análise
 Lição 1: Análise do Processo
 Lição 2: Análise de Causa Raiz
Módulo 5
Fase de Análise
Objetivo:
Identificar as causas raiz (X´s vitais) que afetam o processo de forma significativa e geram
variabilidade no resultado de interesse (variável Y). Comprova-las, com fatos e dados,
utilizando gráficos, análise estatística e ferramentas qualitativas (análise de risco).
Perguntas de orientação:
 Quais são as variáveis X prioritárias (X´s vitais) que devemos atacar para melhor o
resultado de interesse (variabilidade do processo)?
 Quais são as causas raiz (X´s vitais) que podemos identificar e comprovar com os
gráficos básicos?
 Quais são as causas raiz (X´s vitais) que podemos identificar e comprovar com a análise
estatística?
 Quais são as causas raiz (X´s vitais) que podemos identificar através de uma análise de
risco?
Fase de Análise
Tempo estimado: 2 a 4 semanas.
Ferramentas:
FMEA, Estratificação, Gráfico de Pareto, Diagrama de Dispersão, Regressão Linear,
Testes de Hipóteses, Análise de Variância (ANOVA).
FMEA – Failure Mode and Effect Analysis
O FMEA (Análise de Modos de Falhas e seus Efeitos) é uma ferramenta que
tem como objetivo identificar, hierarquizar e prevenir as falhas em potencial de
um produto ou processo.
Ao utilizar o FMEA identificamos potencias falhas ou deficiências em produtos e
processos. Portanto, é uma ferramenta que ajuda aumentar a confiabilidade e
facilitar a rastreabilidade das ações necessárias para a mitigação dos riscos.
Por que utilizar o FMEA?
No Lean Seis Sigma, os motivos para a utilização do FMEA são:
 Identificar as potenciais falhas e deficiências de um produto ou processo;
 Ser capaz de quantificar a severidade do efeito das falhas;
 Identificar as causas das falhas e deficiências e quantificar sua frequência;
 Trabalhar de forma preventiva e focar na eliminação dos problemas potenciais;
 Facilitar a documentação e rastreabilidade das ações.
POSTURA PREVENTIVA VS. POSTURA REATIVA
Fase de Análise
 Lição 1: Análise do Processo
 Lição 2: Análise de Causa Raiz
Módulo 5
Estratificação
Processo que permite separar, criteriosamente, o conjunto de dados em categorias ou grupos mais
específicos, fornecendo condições para uma análise mais detalhada e pormenorizada dos vários
aspectos ou variáveis relacionados a uma situação.
Gráfico de Pareto
O Gráfico de Pareto é uma ferramenta estatística que auxilia na tomada de decisão, permitindo uma
empresa priorizar problemas, quando esses se apresentam em grande número.
O princípio de Pareto classifica os problemas relacionados à qualidade em duas categorias:
 Poucos vitais;
 Muitos triviais.
Pelo princípio de Pareto devemos concentrar nossa atenção sobre os poucos vitais, já que estes
resultam em grandes perdas para a empresa, apesar de representarem um pequeno número de
problemas.
Exemplo: 80% dos defeitos relacionam-se à 20% das causas potenciais.
Cinco “Porquês”
Utilizada para determinar a causa raiz de determinado problema, ou seja, a causa que
realmente deve ser tratada na solução de um problema.
Problema Por que? Por que? Por que? Por que? Por que? Causa raiz
Exemplo
1
2
3
4
5
Por que a máquina parou?
Trocar Fusível
Porque o fusível queimou.
Por que o fusível queimou?
Reclamar com a CEMIG e colocar fusível
de maior amperagem.
Porque houve sobrecarga.
Por que houve sobrecarga?
Completar óleo e colocar filtro na bomba.
Porque a lubrificação do rolamento foi inadequada.
Por que a lubrificação do rolamento foi inadequada?
Reciclar o mecânico
Porque o mecânico não verificou o nível do óleo.
Por que o mecânico não verificou o nível do óleo?
Porque não havia uma Instrução de Trabalho no local e
o mecânico não foi treinado
Solução real
Criar Instrução de Trabalho, afixar no local de trabalho e treinar mecânico e todos
envolvidos no processo.
Exercícios de Fixação – Módulo 5
1. A Fase de Análise:
análises estatísticas e outras
a)Tem como objetivo levantar as causas que afetam o processo.
b)Identifica as causas raiz do problema, por meio de gráficos,
ferramentas.
c) Define um plano de ação para as causas raiz encontradas.
Exercícios de Fixação – Módulo 5
1. A Fase de Análise:
a)Tem como objetivo a definição do problema que afeta o processo.
b)Identifica as causas raiz do problema, por meio de gráficos, análises estatísticas e outras
ferramentas.
c) Define um plano de ação para as causas raiz encontradas.
Exercícios de Fixação – Módulo 5
2. Um FMEA :
a) Atuar preventivamente na identificação de potenciais modos de falhas.
b) Pode ser aplicado apenas para produtos.
c) Deve ser desenvolvido na etapa inicial do projeto e não necessita de atualizações.
Exercícios de Fixação – Módulo 5
2. Um FMEA :
a) Atuar preventivamente na identificação de potenciais modos de falhas.
b) Pode ser aplicado apenas para produtos.
c) Deve ser desenvolvido na etapa inicial do projeto e não necessita de atualizações.
Exercícios de Fixação – Módulo 5
3. Sobre a Análise de Causas Raiz, é incorreto afirmar:
a) A Estratificação permite uma análise mais detalhada de um conjunto de dados em categorias
específicas.
b) O Gráfico de Pareto é uma ferramenta que possibilita a priorização das causas por meios
estatísticos, auxiliando a tomada de decisão.
c) No Método dos Cinco “Porquês” devem ser utilizados necessariamente 5 questionamentos para chegar a
causa raiz do problema.
Exercícios de Fixação – Módulo 5
3. Sobre a Análise de Causas Raiz, é incorreto afirmar:
a) A Estratificação permite uma análise mais detalhada de um conjunto de dados em categorias
específicas.
b) O Gráfico de Pareto é uma ferramenta que possibilita a priorização das causas por meios
estatísticos, auxiliando a tomada de decisão.
c) No Método dos Cinco “Porquês” devem ser utilizados necessariamente 5 questionamentos
para chegar a causa raiz do problema.
Fase de Melhoria
 Lição 1: Priorização dos Dados
 Lição 2: Plano de Ação
 Lição 3: Cultura do Kaizen
Módulo 6
Fase de Melhoria
Objetivo:
 Propor, priorizar, testar e executar as soluções para o problema. Para cada causa raiz estudada e comprovada na
Fase de Análise, identificamos uma solução adequada que será implementada através de um Plano de Ação.
Além disso, iniciamos a verificação do impacto e os resultados obtidos com as melhorias implementadas.
Perguntas de orientação:
 Quais são as possíveis ações de melhoria?
 T
odas as melhorias propostas podem ser transformadas em soluções com elevado potencial de
implementação?
 Como testar as soluções escolhidas afim de garantir o alcance da meta sem efeitos colaterais indesejáveis?
 Como medir os resultados financeiros e no processo assim que o plano de ação for implementado.
Fase de Melhoria
Tempo estimado: 4 a 6 semanas
Ferramentas:
 Brainstorming;
 Diagrama de Árvore;
 Matriz de Priorização;
 Plano de Ação – 5W2H;
 Ferramentas Lean (5S, SMED e Kaizen).
Matriz de Priorização
Na Fase de Melhoria, é comum termos muitas ideias de melhoria o que reflete em um Plano de Ação
inchado e difícil de executar dentro do tempo previsto no projeto. Logo, precisamos de uma
ferramenta que nos ajude a identificar quais ideias de melhoria são viáveis para o projeto e de fato
geram impacto positivo no resultado de interesse.
A Matriz de Priorização é a ferramenta que ajudará a identificar quais ideias de melhoria serão
levadas adiante no projeto. Ela utiliza –se de escores para fazer a correlação entre as soluções
propostas e critérios de priorização. Os critérios mais utilizados na Matriz de Priorização são:
baixo custo, facilidade, rapidez, impacto sobre a causa raiz e baixa probabilidade de gerar
efeitos colaterais indesejados.
Matriz de Priorização
Fase de Melhoria
 Lição 1: Priorização dos Dados
 Lição 2: Plano de Ação
 Lição 3: Cultura do Kaizen
Módulo 6
Plano de Ação – 5W2H
Após a priorização das ações de melhoria, devemos desdobrá-las em informações mais tangíveis.
Para isso, utilizaremos a metodologia 5W2H:
 O que será feito? (What)
 Quando será feito? (When)
 Quem fará? (Who)
 Onde será feito? (Where)
 Por que será feito? (Why)
 Como será feito? (How)
 Impacto financeiro, quantidade ou valor numérico? (How Much)
O que? Quem? Onde? Por quê? Quando? Como? Quanto?
Aumentar a
temperatura
do forno José
Forno
2W5C
Diminuição da
duração do
processo 01/maio
Aumentar
potência do
motor
Para
1100°C
Incluir
inspeção
durante o
processo
Carlos Linha 17
Diminuir
refugo
05/junho
Aumentar um
operador
Um
operador
Reunião de
segurança
no início do
turno
Larissa
Unidade
de BH
Diminuição de
acidentes
07/maio
Reunião com
o supervisor
de segurança
5 minutos
iniciais do
turno
Comprar
novo
sistema de
manutenção
Roberto
Unidade
SP
Muitos dias
fora da meta
de produção 01/março
Implantação
de novo
sistema pela
Manutenção
R$
20.000,00
Plano de Ação – 5W2H
Fase de Melhoria
 Lição 1: Priorização dos Dados
 Lição 2: Plano de Ação
 Lição 3: Cultura do Kaizen
Módulo 6
Kaizen
KAI = Mudança
ZEN = Coisas boas, melhores
善
改
Ensinar as pessoas
a terem recursos
Perseguir
uma Meta
Transferência de
Conhecimento
Saber quando reduzir,
eliminar ou modificar
uma atividade
Cultura do Kaizen
 Kaizen é uma atitude de estar constantemente melhorando, em essência significando rodar
continuamente o PDCA ou DMAIC.
 Deve ser parte da filosofia da empresa de desafiar sempre seus processos e melhorar o tempo
todo, com olhos no cliente.
 Deve estar na mentalidade dos colaboradores da empresa em todos os níveis e funções. Para isso
ser efetivo, o trabalho prévio de estabilização e padronização precisa estar sólido.
Kaizen sempre, todo dia, por todos. Mesmo que pequenas melhorias!
Exercícios de Fixação – Módulo 6
1. Quais as perguntas que podem ser respondidas na Fase de Melhoria?
a) Qual processo a ser melhorado? Qual o produto do processo?
b) Quais as causas raiz da má performance? Quais as variáveis que mais afetam as saídas?
c) Qual a relação de custo-benefício de cada ação de melhoria? Quanto tempo vai levar?
Exercícios de Fixação – Módulo 6
1. Quais as perguntas que podem ser respondidas na Fase de Melhoria?
a) Qual processo a ser melhorado? Qual o produto do processo?
b) Quais as causas raiz da má performance? Quais as variáveis que mais afetam as saídas?
c) Qual a relação de custo-benefício de cada ação de melhoria? Quanto tempo vai levar?
Exercícios de Fixação – Módulo 6
2. Podemos afirmar sobre a Fase de Melhoria, exceto:
a) É a fase em que o plano de ação é desenvolvido para atacar as causas raiz identificadas na fase
de análise.
b) Brainstorming, Matriz de Priorização e Diagrama da Árvore são algumas ferramentas utilizadas.
c) Na fase devemos executar todas as ideias de melhoria que forem identificadas, o que resultará
em melhores resultados.
Exercícios de Fixação – Módulo 6
2. Podemos afirmar sobre a Fase de Melhoria, exceto:
a) É a fase em que o plano de ação é desenvolvido para atacar as causas raiz identificadas na fase
de análise.
b) Brainstorming, Matriz de Priorização e Diagrama da Árvore são algumas ferramentas utilizadas.
c) Na fase devemos executar todas as ideias de melhoria que forem identificadas, o que
resultará em melhores resultados.
Exercícios de Fixação – Módulo 6
3. Sobre a Matriz de Priorização, é correto afirmar, exceto:
a) É uma importante ferramenta da fase pois prioriza as ideias de melhoria que terão resultados
imediatos na empresa.
b) Facilidade, rapidez e baixa probabilidade em gerar efeitos colaterais são alguns dos critérios mais
utilizados na ferramenta.
c) Ajuda a identificar as ideias de melhoria que realmente geram impacto positivo no projeto.
Exercícios de Fixação – Módulo 6
3. Sobre a Matriz de Priorização, é correto afirmar, exceto:
as ideias de melhoria que terão
a) É uma importante ferramenta da fase pois prioriza
resultados imediatos na empresa.
b) Facilidade, rapidez e baixa probabilidade em gerar efeitos colaterais são alguns dos critérios mais
utilizados na ferramenta.
c) Ajuda a identificar as ideias de melhoria que realmente geram impacto positivo no projeto.
Exercícios de Fixação – Módulo 6
4. É correto afirmar:
a) O 5W2H torna as ações de melhoria em informações mais tangíveis, apontando o que será feito,
por quem e quando deverá ser finalizado.
b) O Kaizen é uma cultura que deve estar na mentalidade de todos os colaboradores da empresa e
visa a correção imediata de erros ocorridos no processo.
c) O Plano de Ação é um tipo de planejamento realizado para identificar os potenciais projetos Seis Sigma na
empresa.
Exercícios de Fixação – Módulo 6
4. É correto afirmar:
a) O 5W2H torna as ações de melhoria em informações mais tangíveis, apontando o que será
feito, por quem e quando deverá ser finalizado.
b) O Kaizen é uma cultura que deve estar na mentalidade de todos os colaboradores da empresa e
visa a correção imediata de erros ocorridos no processo.
c) O Plano de Ação é um tipo de planejamento realizado para identificar os potenciais projetos Seis Sigma na
empresa.
Módulo 7
Fase de Controle
 Lição 1: Controle do Processo
 Lição 2: Ferramentas de Controle
Fase de Controle
Objetivo:
Monitorar os resultados alcançados após a implementação das melhorias, estabelecer controles que
garantam a sustentabilidade dos resultados, definir o “dono do processo” e como será monitorado
processo no dia a dia.
Perguntas de orientação:
 A meta e os resultados financeiros foram alcançados?
 Quais controles foram estabelecidos para garantir a sustentabilidade das melhorias feitas?
 Quem será o “dono do processo” e como ele fará o acompanhamento do processo?
 Será necessário criar ou atualizar padrões e procedimentos? Quem são os envolvidos que serão
treinados?
Fase de Controle
Tempo estimado: 2 a 4 semanas.
Ferramentas:
 Cartas de Controle;
 OCAP;
 Procedimento Operacional Padrão;
 Poka Yoke.
Por que controlar um processo?
 O que pode ser dito sobre um processo instável? Muito pouco!!!
Se existem causas especiais de variação,
a saída do processo não é estável e não
previsível ao decorrer do tempo.
Não temos como saber o que acontecerá:
- Amanhã
- Entre amostras
Se apenas as causas comuns de variação
estão presentes, a saída de um processo
forma uma distribuição que é estável e
previsível ao decorrer do tempo.
Por que controlar um processo?
O controle ajuda
melhores práticas.
a manter as melhorias conquistadas, e estabelece um novo patamar para as
M
C
M
C
M M
M M
M
M
Tempo
(Padronização)
Melhoria
C- Controle
M – Melhoria
Módulo 7
Fase de Controle
 Lição 1: Controle do Processo
 Lição 2 Ferramentas de Controle
Cartas de Controle
É um conjunto de pontos (amostras) ordenados, no tempo, que são interpretados em função
linhas horizontais, chamadas de LSC (limite superior de controle) e LIC (limite inferior de controle).
de
LIMITE SUPERIOR DE
CONTROLE
LSC=29,35
X=22,00
LINHA CENTRAL
LIMITE INFERIOR DE
CONTROLE
Valor
Individual
Carta de Controle para valores individuais
30,0
27,5
25,0
22,5 _
20,0
17,5
15,0 LIC=14,65
1 5 9 13 17 21 25 29 33
Observação
Procedimento Operacional Padrão
O Procedimento Operacional Padrão (POP) é a forma como a padronização é registrada. Seu objetivo
é a utilização nas operações da empresa, facilitando a execução e também
operadores e supervisores.
o treinamento de
Pontos Importantes:
 Devem ter as informações em linguagem adequada para quem vai utilizá-los;
 Deve conter instruções e não contar histórias;
 Pode conter: instruções, fluxogramas, fotos, possíveis ações corretivas;
 Aprovação formal do responsável pelo processo.
Procedimento Operacional Padrão
Poka-Y
oke
Moldes de peças em oficinas
de usinagem
Encaixes e cores padrões dos
cartuchos de tinta de
impressoras
Hospital: encaixe para ar comprimido
tem diâmetro diferente do oxigênio
Expedição de produtos: Leitor
de Código de barras em linhas
de produção
Guias na montagem de peças
Exercícios de Fixação – Módulo 7
1. É incorreto afirmar sobre a Fase de Controle:
a) É a fase em que são estabelecidos os controles que irão garantir a manutenção dos resultados
obtidos.
Determina a pessoa responsável pelo processo e a forma como o mesmo será monitorado.
b)
c) É uma fase onde apenas o Black Belt
sobre as atitudes a serem tomadas.
e Green Belt do projeto devem ter conhecimento e decidir
13
Exercícios de Fixação – Módulo 7
1. É incorreto afirmar sobre a Fase de Controle:
a) É a fase em que são estabelecidos os controles que irão garantir a manutenção dos resultados
obtidos.
Determina a pessoa responsável pelo processo e a forma como o mesmo será monitorado.
b)
c) É uma fase onde apenas o Black Belt e Green
decidir sobre as atitudes a serem tomadas.
Belt do projeto devem ter conhecimento e
14
Exercícios de Fixação – Módulo 7
2. Aponte qual das alternativas abaixo não se refere aos
aplicados nas empresas:
tipos de controles que podem ser
a)
b)
c)
Dispositivo de segurança, dispositivo de inspeção e controle estatístico do processo.
Inspeção, auditorias e Poka-yoke.
FMEA, Brainstorming e trabalho em equipe.
15
Exercícios de Fixação – Módulo 7
2. Aponte qual das alternativas abaixo não se refere aos
aplicados nas empresas:
tipos de controles que podem ser
a)
b)
c)
Dispositivo de segurança, dispositivo de inspeção e controle estatístico do processo.
Inspeção, auditorias e Poka-yoke.
FMEA, Brainstorming e trabalho em equipe.
16
Exercícios de Fixação – Módulo 7
3. É possível afirmar:
a) O POP é um documento formal destinado aos cargos de supervisão, que deve conter
informações sobre a execução de operações complexas do processo.
O Poka-Yoke é um termo japonês que significa “à prova de erros”, que garante a variabilidade
controlada do processo.
b)
c) A Fase de Controle utiliza
melhorias alcançadas.
apenas ferramentas qualitativas para garantir a sustentabilidade das
17
Exercícios de Fixação – Módulo 7
3. É possível afirmar:
a) O POP é um documento formal destinado aos cargos de supervisão, que deve conter
informações sobre a execução de operações complexas do processo.
b) O Poka-Yoke é um termo japonês que significa “à
variabilidade controlada do processo.
prova de erros”, que garante a
c) A Fase de Controle utiliza apenas ferramentas
melhorias alcançadas.
qualitativas para garantir a sustentabilidade das
18
Exercícios de Fixação – Módulo 7
4. Quais perguntas devem ser respondidas na Fase de Controle?
a) Após as ações tomadas, como as variáveis escolhidas para
Como evitar que elas saiam do controle novamente?
Quais as causas raiz da má performance? Quais as variáveis de
controle estão se comportando?
b)
c)
saída?
Qual o processo a ser melhorado? Qual o produto do processo?
19
Exercícios de Fixação – Módulo 7
4. Quais perguntas devem ser respondidas na Fase de Controle?
a) Após as ações tomadas, como as variáveis escolhidas para
Como evitar que elas saiam do controle novamente?
Quais as causas raiz da má performance? Quais as variáveis de
controle estão se comportando?
b)
c)
saída?
Qual o processo a ser melhorado? Qual o produto do processo?
20
Yellow Belt.pptx

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Estratégia de Negócios
Estratégia de NegóciosEstratégia de Negócios
Estratégia de Negócios
Wagner Gonsalez
 
Apresentação fmea
Apresentação fmeaApresentação fmea
Apresentação fmea
emc5714
 
Conscientização e motivação qualidade
Conscientização e motivação qualidadeConscientização e motivação qualidade
Conscientização e motivação qualidade
Sergio Canossa
 
Lean Manufacturing
Lean ManufacturingLean Manufacturing
Lean Manufacturing
Daisy Marschalk
 
Kanban, o Método - Melhorando seu fluxo de trabalho de forma realmente eficiente
Kanban, o Método - Melhorando seu fluxo de trabalho de forma realmente eficienteKanban, o Método - Melhorando seu fluxo de trabalho de forma realmente eficiente
Kanban, o Método - Melhorando seu fluxo de trabalho de forma realmente eficiente
thiagodacosta
 
Inventários
InventáriosInventários
Inventários
Jeverson Perin
 
2012 11-05 - aula 13 - as normas da qualidade
2012 11-05 - aula 13 - as normas da qualidade2012 11-05 - aula 13 - as normas da qualidade
2012 11-05 - aula 13 - as normas da qualidade
Fernando Monteiro D'Andrea
 
Gerenciamento da Qualidade em Projetos
Gerenciamento da Qualidade em ProjetosGerenciamento da Qualidade em Projetos
Gerenciamento da Qualidade em Projetos
Cristiano Rodrigues Barcellos
 
Apostila administração da produção 1º semestre
Apostila administração da produção 1º semestreApostila administração da produção 1º semestre
Apostila administração da produção 1º semestre
vivianepga
 
Masp
MaspMasp
Aula 1 conceitos básicos
Aula 1   conceitos básicosAula 1   conceitos básicos
Aula 1 conceitos básicos
Adilson Paradella
 
Gestão da qualidade - ISO 9001:2015
Gestão da qualidade - ISO 9001:2015Gestão da qualidade - ISO 9001:2015
Gestão da qualidade - ISO 9001:2015
Alisson Sena, MBA
 
Custos da Não Qualidade
Custos da Não QualidadeCustos da Não Qualidade
Custos da Não Qualidade
Antonino Silva
 
1 slides - diagrama de causa e efeito (ishikawa)
1   slides - diagrama de causa e efeito (ishikawa)1   slides - diagrama de causa e efeito (ishikawa)
1 slides - diagrama de causa e efeito (ishikawa)
Caio Roberto de Souza Filho
 
Apresentação pdca
Apresentação pdcaApresentação pdca
Apresentação pdca
emc5714
 
Six Sigma 2014
Six Sigma 2014Six Sigma 2014
Six Sigma 2014
CLT Valuebased Services
 
Gestão da qualidade
Gestão da qualidadeGestão da qualidade
Gestão da qualidade
Adriano Pereira
 
Aula+10+ +fmea
Aula+10+ +fmeaAula+10+ +fmea
Aula+10+ +fmea
Rafael Cruz
 
PDCA
PDCAPDCA
Lean Manufacturing Nova Visão
Lean Manufacturing Nova VisãoLean Manufacturing Nova Visão
Lean Manufacturing Nova Visão
Jose Donizetti Moraes
 

Mais procurados (20)

Estratégia de Negócios
Estratégia de NegóciosEstratégia de Negócios
Estratégia de Negócios
 
Apresentação fmea
Apresentação fmeaApresentação fmea
Apresentação fmea
 
Conscientização e motivação qualidade
Conscientização e motivação qualidadeConscientização e motivação qualidade
Conscientização e motivação qualidade
 
Lean Manufacturing
Lean ManufacturingLean Manufacturing
Lean Manufacturing
 
Kanban, o Método - Melhorando seu fluxo de trabalho de forma realmente eficiente
Kanban, o Método - Melhorando seu fluxo de trabalho de forma realmente eficienteKanban, o Método - Melhorando seu fluxo de trabalho de forma realmente eficiente
Kanban, o Método - Melhorando seu fluxo de trabalho de forma realmente eficiente
 
Inventários
InventáriosInventários
Inventários
 
2012 11-05 - aula 13 - as normas da qualidade
2012 11-05 - aula 13 - as normas da qualidade2012 11-05 - aula 13 - as normas da qualidade
2012 11-05 - aula 13 - as normas da qualidade
 
Gerenciamento da Qualidade em Projetos
Gerenciamento da Qualidade em ProjetosGerenciamento da Qualidade em Projetos
Gerenciamento da Qualidade em Projetos
 
Apostila administração da produção 1º semestre
Apostila administração da produção 1º semestreApostila administração da produção 1º semestre
Apostila administração da produção 1º semestre
 
Masp
MaspMasp
Masp
 
Aula 1 conceitos básicos
Aula 1   conceitos básicosAula 1   conceitos básicos
Aula 1 conceitos básicos
 
Gestão da qualidade - ISO 9001:2015
Gestão da qualidade - ISO 9001:2015Gestão da qualidade - ISO 9001:2015
Gestão da qualidade - ISO 9001:2015
 
Custos da Não Qualidade
Custos da Não QualidadeCustos da Não Qualidade
Custos da Não Qualidade
 
1 slides - diagrama de causa e efeito (ishikawa)
1   slides - diagrama de causa e efeito (ishikawa)1   slides - diagrama de causa e efeito (ishikawa)
1 slides - diagrama de causa e efeito (ishikawa)
 
Apresentação pdca
Apresentação pdcaApresentação pdca
Apresentação pdca
 
Six Sigma 2014
Six Sigma 2014Six Sigma 2014
Six Sigma 2014
 
Gestão da qualidade
Gestão da qualidadeGestão da qualidade
Gestão da qualidade
 
Aula+10+ +fmea
Aula+10+ +fmeaAula+10+ +fmea
Aula+10+ +fmea
 
PDCA
PDCAPDCA
PDCA
 
Lean Manufacturing Nova Visão
Lean Manufacturing Nova VisãoLean Manufacturing Nova Visão
Lean Manufacturing Nova Visão
 

Semelhante a Yellow Belt.pptx

Trabalho isaac 6 sigma e lean final
Trabalho isaac 6 sigma e lean finalTrabalho isaac 6 sigma e lean final
Trabalho isaac 6 sigma e lean final
Guilherme Pereira
 
e book conhea_o_seis_sigma
e book conhea_o_seis_sigmae book conhea_o_seis_sigma
e book conhea_o_seis_sigma
edinilsonfarias
 
6 sigma
6 sigma6 sigma
Trabalho de 6 sigmas administração da produção 2
Trabalho de 6 sigmas   administração da produção 2Trabalho de 6 sigmas   administração da produção 2
Trabalho de 6 sigmas administração da produção 2
Cleverson Carlos Vasconcelos de Souza
 
Artigo sixsigma
Artigo sixsigmaArtigo sixsigma
Artigo sixsigma
Marco Fontes
 
Seis sigma
Seis sigma  Seis sigma
Seis sigma
JOMAR PAULINO
 
Processo seis sigma, uma visão geral
Processo seis sigma, uma visão geralProcesso seis sigma, uma visão geral
Processo seis sigma, uma visão geral
Universidade Federal Fluminense
 
Processo seis sigma, uma visão geral
Processo seis sigma, uma visão geralProcesso seis sigma, uma visão geral
Processo seis sigma, uma visão geral
Universidade Federal Fluminense
 
Seis Sigmas
Seis Sigmas Seis Sigmas
Seis Sigmas
Rodrigo Giacomelli
 
Trabalho 6 sigma
Trabalho 6 sigmaTrabalho 6 sigma
Trabalho 6 sigma
Júlio César Milla
 
7 6 Sigma Dmaic
7 6 Sigma Dmaic7 6 Sigma Dmaic
7 6 Sigma Dmaic
guestcfdccb15
 
Six sigma
Six sigmaSix sigma
Six sigma
danbonfimsouza
 
Six Sigma Como Vantagem Competitiva
Six Sigma Como Vantagem CompetitivaSix Sigma Como Vantagem Competitiva
Six Sigma Como Vantagem Competitiva
kakasound
 
Slideshare green belt
Slideshare green beltSlideshare green belt
Slideshare green belt
Paulo Bandeira
 
White paper lean six sigma portugues
White paper lean six sigma portuguesWhite paper lean six sigma portugues
White paper lean six sigma portugues
Paulo Bandeira
 
PUC Formacao de Green Belts
PUC Formacao de Green BeltsPUC Formacao de Green Belts
PUC Formacao de Green Belts
ejedelmal
 
Six sigma
Six sigmaSix sigma
Six sigma
Lisiane Morais
 
Lean six sigma operations
Lean six sigma operationsLean six sigma operations
Lean six sigma operations
CLT Valuebased Services
 
Noções Básicas Seis Sigma, Lean e Qualidade v3
Noções Básicas Seis Sigma, Lean e Qualidade v3Noções Básicas Seis Sigma, Lean e Qualidade v3
Noções Básicas Seis Sigma, Lean e Qualidade v3
Valor Agregado Consulting
 
Introdução Executiva ao Lean six sigma
Introdução Executiva ao Lean six sigmaIntrodução Executiva ao Lean six sigma
Introdução Executiva ao Lean six sigma
Paulo Bandeira
 

Semelhante a Yellow Belt.pptx (20)

Trabalho isaac 6 sigma e lean final
Trabalho isaac 6 sigma e lean finalTrabalho isaac 6 sigma e lean final
Trabalho isaac 6 sigma e lean final
 
e book conhea_o_seis_sigma
e book conhea_o_seis_sigmae book conhea_o_seis_sigma
e book conhea_o_seis_sigma
 
6 sigma
6 sigma6 sigma
6 sigma
 
Trabalho de 6 sigmas administração da produção 2
Trabalho de 6 sigmas   administração da produção 2Trabalho de 6 sigmas   administração da produção 2
Trabalho de 6 sigmas administração da produção 2
 
Artigo sixsigma
Artigo sixsigmaArtigo sixsigma
Artigo sixsigma
 
Seis sigma
Seis sigma  Seis sigma
Seis sigma
 
Processo seis sigma, uma visão geral
Processo seis sigma, uma visão geralProcesso seis sigma, uma visão geral
Processo seis sigma, uma visão geral
 
Processo seis sigma, uma visão geral
Processo seis sigma, uma visão geralProcesso seis sigma, uma visão geral
Processo seis sigma, uma visão geral
 
Seis Sigmas
Seis Sigmas Seis Sigmas
Seis Sigmas
 
Trabalho 6 sigma
Trabalho 6 sigmaTrabalho 6 sigma
Trabalho 6 sigma
 
7 6 Sigma Dmaic
7 6 Sigma Dmaic7 6 Sigma Dmaic
7 6 Sigma Dmaic
 
Six sigma
Six sigmaSix sigma
Six sigma
 
Six Sigma Como Vantagem Competitiva
Six Sigma Como Vantagem CompetitivaSix Sigma Como Vantagem Competitiva
Six Sigma Como Vantagem Competitiva
 
Slideshare green belt
Slideshare green beltSlideshare green belt
Slideshare green belt
 
White paper lean six sigma portugues
White paper lean six sigma portuguesWhite paper lean six sigma portugues
White paper lean six sigma portugues
 
PUC Formacao de Green Belts
PUC Formacao de Green BeltsPUC Formacao de Green Belts
PUC Formacao de Green Belts
 
Six sigma
Six sigmaSix sigma
Six sigma
 
Lean six sigma operations
Lean six sigma operationsLean six sigma operations
Lean six sigma operations
 
Noções Básicas Seis Sigma, Lean e Qualidade v3
Noções Básicas Seis Sigma, Lean e Qualidade v3Noções Básicas Seis Sigma, Lean e Qualidade v3
Noções Básicas Seis Sigma, Lean e Qualidade v3
 
Introdução Executiva ao Lean six sigma
Introdução Executiva ao Lean six sigmaIntrodução Executiva ao Lean six sigma
Introdução Executiva ao Lean six sigma
 

Yellow Belt.pptx

  • 1.
  • 2. Definição Estratégia de negócios que busca resultados pela redução drástica da variabilidade dos processos. São utilizadas ferramentas estatísticas e de qualidade para aumentar a capacidade e desempenho do processo sem elevar investimentos. DMAIC Metodologia utilizada para condução de projetos Seis Sigma (iniciais em inglês para Definir, Medir, Analisar, Melhorar e Controlar). O grande diferencial está na forte ênfase dado ao planejamento, que auxilia no direcionamento correto dos esforços para a solução de problemas. Lean Seis Sigma 2
  • 3. Objetivo Baseado no conteúdo recomendado pela ASQ (American Society for Quality) e alinhado com a ISO 13053 -Six Sigma, o treinamento de Yellow Belt em Lean Seis Sigma visa formar profissionais capazes de auxiliar Green e Black Belts no andamento de projetos Seis Sigma, assim como na manutenção dos resultados obtidos. Público Alvo Profissionais das mais variadas áreas de atuação que desejem conhecer conceitos básicos da metodologia Lean Seis Sigma (fluxo DMAIC) para melhoria de processos. Não existem pré-requisitos obrigatórios para o treinamento. Sugere-se que os alunos tenham perfil para liderar equipes de projeto e sejam motivados pelo desafio de promover mudanças na organização. Yellow Belt em Lean Seis Sigma 3
  • 4. Conteúdo Programático Módulo 1 – Fundamentos Seis Sigma A Metodologia Seis Sigma e seu histórico O Lean Manufacturing e sua interação com o Seis Sigma As responsabilidades e certificações dos Belts Consolidação do Conhecimento Módulo 2 - Metodologia DMAIC O Método O Seis Sigma e o Sistema de Gestão Consolidação do Conhecimento Módulo 3 - Fase de Definição Identificação do Projeto Identificando a Voz do Cliente e definindo metas Gerenciamento do Projeto Consolidação do Conhecimento 4
  • 5. Conteúdo Programático Módulo 4 – Fase Medição Mapeamento do Processo Levantamento e Priorização das Causas Distribuição Normal Consolidação do Conhecimento Módulo 5 - Fase de Análise Análise do Processo Análise de Causa Raiz Consolidação do Conhecimento Módulo 6 – Fase de Melhoria A Priorização de Dados Formulação do Plano de Ação Cultura do Kaizen Consolidação do Conhecimento 5
  • 6. Conteúdo Programático Módulo 7 - Fase de Controle Controlando o Processo As Ferramentas de Controle Consolidação do Conhecimento 6
  • 7. Fundamentos Seis Sigma  Lição 1: Visão Histórica  Lição 2: A Metodologia Seis Sigma  Lição 3: Visão Geral do Lean Manufacturing  Lição 4: Integração Lean e Seis Sigma;  Lição 5: Responsabilidades e certificações dos Belts; Módulo 1
  • 8. Visão Histórica As primeiras iniciativas Seis Sigma nasceram nos anos 80, com o objetivo de capacitar a Motorola a enfrentar os seus concorrentes, que fabricavam produtos com maior qualidade e preços menores. No início dos anos 90, o surgimento de novas tecnologias e o avanço no desenvolvimento de softwares proporcionou maior aplicação da estatística nas empresas, para análises de dados mais avançadas.
  • 9. Em meados dos anos 90, a Allied Signal e a General Eletric comprovaram o poder do Seis Sigma através da implementação de um programa corporativo, transformando o enfoque da melhoria de qualidade em melhoria dos negócios, obtendo inacreditáveis ganhos financeiros. No final dos anos 90, o Seis Sigma deixou de ter o foco apenas na indústria e produção e tornou-se um dos métodos mais poderosos que conduzem à melhoria contínua. Atualmente, muitas organizações apostam em sua implantação devido ao cenário de crise. Visão Histórica
  • 10. Fundamentos Seis Sigma  Lição 1: Visão Histórica  Lição 2: A Metodologia Seis Sigma  Lição 3: Visão Geral do Lean Manufacturing  Lição 4: Integração Lean e Seis Sigma;  Lição 5: Responsabilidades e certificações dos Belts; Módulo 1
  • 11. A metodologia Seis Sigma é quantitativa, estruturada, disciplinada e focada na melhoria de processos já existentes com pouco ou nenhum investimento. Utiliza-se de um método estruturado (método DMAIC) e ferramentas estatísticas para atacar diversas oportunidades nas empresas. Os principais objetivos do Seis Sigma estão ligados à gestão do negócio, ou seja, projetos de redução de custos, otimização de processos e incremento da satisfação dos clientes. Lucratividade Redução de custos Otimização de produtos e processos Incremento da satisfação do cliente O que é Seis Sigma?
  • 12. Seis Sigma em Termos Estatísticos O Seis Sigma é uma metodologia que depende de métricas (indicadores) e dados confiáveis. Para verificar a qualidade de um processo em termos estatísticos, a metodologia Seis Sigma avalia se os itens produzidos estão dentro da especificação do cliente. Fora da meta e com grande dispersão Processo centrado e com pouca variabilidade
  • 13. Tarefa Prática – Avaliando o Processo Um processo que tenha 99% de rendimento é bom o suficiente? O Hospital Albert Einstein realiza cerca de 280 partos normais por mês. Quantos partos apresentariam falhas médicas? (Fonte: www.eisntein.br – 2014) A fábrica da Ambev em Uberlândia possui capacidade de produzir 65 milhões de litros de cerveja por mês. Qual a quantidade de produto perdido? (Fonte: www.valor.com.br - 2014) O Aeroporto Internacional de Viracopos realiza cerca de 11.000 pousos e decolagens por mês. Qual seria o número de acidentes aéreos? (Fonte: Aeroportos Brasil Viracopos – 2014) 110 Acidentes 650.000 Litros 3 Falhas
  • 14. Nível de Qualidade Sigma Nível da qualidade Defeitos por milhão Percentual de conformidade 1 Sigma 691.463 30,85% 1,5 Sigma 500.000 50% 2 Sigma 308.537 69,15% 3 Sigma 66.807 93,32% 4 Sigma 6.210 99,38% 5 Sigma 233 99,97% 6 Sigma 3,4 99,9966%
  • 15. Fornecedores Entradas Processo Saídas Clientes x1, x2, x3, ... , xn Causas Entradas do processo Y1, Y2, ... ,Yn Efeitos Saídas do processo CLIENTE EMPRESA Definição de Processo
  • 16. Fundamentos Seis Sigma  Lição 1: Visão Histórica  Lição 2: A Metodologia Seis Sigma  Lição 3: Visão Geral do Lean Manufacturing  Lição 4: Integração Lean e Seis Sigma;  Lição 5: Responsabilidades e certificações dos Belts; Módulo 1
  • 17. Lean Manufacturing (Manufatura Enxuta) Cliente Desperdício Fornecedor Fornecedor Cliente Busca por lead time menores para entregar produtos e serviços com elevada qualidade e baixo custo, via eliminação dos desperdícios ao longo do fluxo de valor. Eliminação de Desperdício Redução do lead time
  • 18. Os 8 Desperdícios Para obter as vantagens do Lean Manufacturing é necessário atuar em atividades que não agregam valor, ou seja, eliminar desperdícios. Estoque Espera Transportes desnecessários Defeitos e Retrabalho Excesso de Produção Processamento Impróprio Movimentos desnecessários Intelectual (Pessoas)
  • 19. Fundamentos Seis Sigma  Lição 1: Visão Histórica  Lição 2: A Metodologia Seis Sigma  Lição 3: Visão Geral do Lean Manufacturing  Lição 4: Integração Lean e Seis Sigma;  Lição 5: Responsabilidades e certificações dos Belts; Módulo 1
  • 20. Integração Lean e Seis Sigma Antes Depois Depois Antes Seis Sigma Lean Manufacturing Foco do Seis Sigma  Tornar o processo eficaz;  Reduzir a variabilidade;  Reduzir os defeitos. Foco do Lean Manufacturing  Tornar o processo eficiente;  Reduzir os desperdícios;  Aumentar velocidade.
  • 21. Integração Lean e Seis Sigma - Alta variabilidade; - Alto Tempo; - Baixa variabilidade; - Alto Tempo; - Baixa variabilidade; - Baixo Tempo;
  • 22. Fundamentos Seis Sigma  Lição 1: Visão Histórica  Lição 2: A Metodologia Seis Sigma  Lição 3: Visão Geral do Lean Manufacturing  Lição 4: Integração Lean e Seis Sigma;  Lição 5: Responsabilidades e certificações dos Belts; Módulo 1
  • 23. Papeis e Responsabilidades White Belt Yellow Belt Green Belt Black Belt Master Black Belt Champion Acionistas e Sponsor
  • 24. Champion Acionistas e Sponsor - Gestores cuja responsabilidade é apoiar os projetos e remover possíveis barreiras para o seu desenvolvimento; - Participação nas reuniões periódicas dos projetos; - Geralmente são gerentes da alta administração. - Participação na formação da carteira de oportunidades e da consequente aprovação dos projetos; - Participação de eventos de sustentação do programa, tais como a cerimônias de certificação ou início de sessões de treinamento; - Facilitação e viabilização da disponibilidade de recursos financeiros e humanos. Papeis e Responsabilidades
  • 25. Papeis e Responsabilidades Black Belt Master Black Belt - São profissionais com cargo efetivo na hierarquia da empresa, respondendo diretamente ou indiretamente ao MBB; - Direta ou funcionalmente, está ligado à área de gestão da organização; - Disponibiliza, preferencialmente, 100% de seu tempo ao programa Seis Sigma, principalmente na execução e no mentoramento de projetos (há casos em que o profissional dedica uma certa parte de seu tempo a atividades de gestão da rotina). - São profissionais com cargo efetivo na hierarquia da empresa, respondendo diretamente à alta administração; - Direta ou funcionalmente, está ligado à área de gestão da organização; - Disponibiliza, preferencialmente, 100% de seu tempo ao no mentoramento de programa Seis Sigma, principalmente projetos; - Em algumas empresas, exercem também funções executivas nas áreas de Gestão ou Qualidade.
  • 26. Papeis e Responsabilidades White Belt Green Belt - São profissionais que dedicam parte de seu tempo (geralmente cerca de 20-30% do tempo) a atividades de melhoria contínua e execução de projetos Seis Sigma, respondendo hierarquicamente a seu superior imediato (não existe relação hierárquica entre Black Belt e Green Belt, apenas relações funcionais no desenvolvimento de projetos). Yellow Belt - São profissionais do nível operacional da empresa, treinados nos fundamentos do Seis Sigma para que possam dar suporte aos Black Belts e Green Belts na implementação dos projetos.
  • 27. Papeis e Responsabilidades Nº Projetos Prazo 1 projeto de curto prazo Cerca de 3 a 4 meses 1 projeto de curto prazo 1 projeto de médio prazo Cerca de 3 a 4 meses Cerca de 4 a 6 meses
  • 28. Certificação Seis Sigma - Requisitos 1. Fazer o treinamento de Green/Black Belt [Concluído] 2. Ser o líder Green Belt de um Projeto Seis Sigma 3. Apresentar projeto e se certificar Green Belt Certificação 4. Ser o líder Black Belt de um Projeto Seis Sigma 5. Apresentar projeto e se certificar Black Belt
  • 29.
  • 30. Módulo 2 Metodologia DMAIC  Lição 1: O Método  Lição 2: O Seis Sigma e o Sistema de Gestão
  • 31. O Método DMAIC C D I Controlar (Control) Melhorar (Improve) Analisar (Analyze) Medir (Measure) Definir (Define) M A
  • 32. O Método DMAIC D C DEFINIÇÃO – Definir o escopo do projeto com precisão, identificar o processo gerador do problema, definir uma meta global contrato do projeto. e elaborar o I M A
  • 33. O Método DMAIC D C MEDIÇÃO – Analisar quantitativamente os dados, avaliar as causas potenciais no processo mapeado e definir os focos do projeto. I M A
  • 34. O Método DMAIC D C ANÁLISE – Identificar as causas raiz do problema com fatos e dados. I M A
  • 35. O Método DMAIC D C MELHORIA – Propor soluções, avaliar o risco implementação, elaborar e executar o plano ação. de de I A M
  • 36. O Método DMAIC C D CONTROLE – Medir os resultados e definir mecanismos que garantam a sustentabilidade I das melhorias alcançadas. M A
  • 37. Módulo 2 Metodologia DMAIC  Lição 1: O Método  Lição 2: O Seis Sigma e o Sistema de Gestão
  • 38. Seis Sigma e Sistemas de Gestão Nível Estratégico Metas Estratégicas Sistema de Gestão Lean Seis Sigma Nível Tático Nível Operacional Gestão da Rotina do trabalho
  • 39. Relação PDCA x DMAIC C Verificação C A Padronização e conclusão P Identificação do problema D Análise do fenômeno M Análise do processo A Elaboração de Plano de Ação I D Execução
  • 40.
  • 41. Módulo 3 Fase de Definição  Lição 1: Identificação do Projeto  Lição 2: Voz do Cliente  Lição 3: Definindo a Meta  Lição 4: Gerenciamento do Projeto
  • 42. Fase de Definição Objetivo: Definir claramente o escopo do projeto, avaliando o histórico do problema, o processo onde ocorre e acordando os principais pontos do projeto contrato do projeto. através do Perguntas de orientação:  Qual é o problema a ser resolvido no projeto?  Quem são os clientes e fornecedores afetados pelo processo?  Qual a meta se pretende atingir e qual o ganho financeiro correspondente?  Qual processo está relacionado com o problema descrito?
  • 43. Fase de Definição Ferramentas: Mapa de Raciocínio, Voz do Cliente (definir CTQs), Matriz de Escopo, SIPOC e Contrato de Projeto (Project Charter). Tempo estimado: 2 semanas.
  • 44. Identificação do Projeto LSS Para definir qual o problema ou oportunidade será trabalhada na metodologia Lean Seis Sigma é necessário compreender como identificar um bom projeto. Existem muitas fontes que uma companhia pode usar a fim de procurar potenciais projetos Lean Seis Sigma. Veja alguns exemplos abaixo:  Desdobramento de metas (exemplo: indicadores financeiros, processo, clientes e aprendizagem);  Mapeamento de processos;  Identificação de desperdícios;  Necessidade de clientes internos e externos;  Benchmarking. por de
  • 45. Identificação do Projeto LSS Características de um bom projeto Lean Seis Sigma:  O tema do projeto se relaciona aos objetivos estratégicos da empresa e pode ser trabalhado na rotina do dia-a-dia;  O escopo do projeto permite sua conclusão em 3 a 4 meses (para o GB);  Impacto significativo na performance da Organização, ganho de qualidade e principalmente ganho financeiro;
  • 46. Identificação do Projeto LSS Características de um bom projeto Lean Seis Sigma:  Possui uma base de dados confiável e um indicador mensurável, sendo possível quantificar os resultados;  Existe uma lacuna de performance entre o valor atual do indicador e o desejado;  Soluções necessárias para eliminar o problema não são conhecidas ou não são óbvias para a Organização.
  • 47. Identificação do Projeto LSS Exemplos de projetos Lean Seis Sigma: Redução do custo de armazenagem de produtos. Diminuição do custo de frete. Redução dos custos com estoques. Redução do índice de reclamações dos clientes. Redução da variabilidade do processo de fabricação de produtos. Redução do índice de turnover dos colaboradores. Redução do tempo total para execução dos processos. Redução do índice de retrabalho de produtos no final da linha de montagem. Eliminar a ocorrência de erros em Notas Fiscais emitidas. Crescimento da venda de um segmento de produto. Aumento da margem de um segmento de produto.           
  • 48. Módulo 3 Fase de Definição  Lição 1: Identificação do Projeto  Lição 2: Voz do Cliente  Lição 3: Definindo a Meta  Lição 4: Gerenciamento do Projeto
  • 49. Voz do Cliente (VOC) A “Voz do Cliente” (VOC) é usada, no Lean Seis Sigma, para descrever as necessidades do cliente interno e externo e suas percepções sobre o produto ou serviço entregue a ele. Em um projeto de melhoria, os dados da ajudam a equipe a:  Identificar as características críticas do processo, produto ou serviço;  Identificar uma métrica de medição das características definidas cliente, para orientar e focar o projeto. VOC pelo [Voz do Cliente] Ouvir o Cliente Identificar a CTQ Definir a medição
  • 50. Voz do Cliente (VOC) Na etapa Definir do método DMAIC é importante identificar os principais clientes do projeto de modo a conhecer as principais necessidades e expectativas dos mesmos. A Voz do Cliente será útil para validar a relevância do tema do projeto e para ajudar a descrever o problema no contrato do projeto (Project Charter).
  • 51. Voz do Cliente (VOC) Existem dois tipos principais de clientes do projeto:  Clientes internos (Voz do Negócio): indivíduos ou áreas da empresa que recebem o produto ou serviço em estágio intermediário ou como um produto acabado. processo. Geralmente conseguem avaliar características do  Clientes externos (Voz do Consumidor): indivíduos ou organizações que consomem o produto ou serviço oferecido pela empresa. Geralmente conseguem avaliar características do produto ou serviço pelo qual pagaram.
  • 52. Voz do Cliente (VOC) entregas varia muito Refrigerante quente. T emperatura máxima do refrigerante (oC) %pizzas defeituosas Pizza com ingredientes errados Consumidores T empo até a entrega (min) Entrega muito demorada Reduzir as reclamações na entrega da pizzaria delivery T empo ocioso (min) T empo de espera na pizzaria é alto Motoboy Distância entre Raio máximo entre entregas (km) CTQs/CTPs Direcionadores Clientes Necessidade
  • 53. Módulo 3 Fase de Definição  Lição 1: Identificação do Projeto  Lição 2: Voz do Cliente  Lição 3: Definindo a Meta  Lição 4: Gerenciamento do Projeto
  • 54. Definição de Meta Sobre a definição de metas, podemos usar como referência os ensinamentos do Prof. Vicente Falconi, que diz:  Todos os Diretores, Gerentes e Supervisores devem ser treinados para determinar, em suas respectivas áreas de trabalho, as suas lacunas de performance.  Estas lacunas correspondem à diferença entre o valor atual de um indicador e um valor ideal. Este valor ideal pode ser o melhor valor encontrado em outras empresas, pode ser um número ideal como “zero atraso”, “zero defeito”, ou “zero perda”, pode ser um desvio padrão bom para certa variável.  A meta é estabelecida dentro da lacuna. Podemos estabelecer como meta anual no mínimo 50% da lacuna.
  • 55. Definição de Meta Nos projetos Lean Seis Sigma, toda meta deve ser escrita com OBJETIVO, VALOR e PRAZO.  Reduzir a quantidade de sucata gerada para 25kg/ton, até dezembro de 2016.  Reduzir o turnover de 9,5% para 4,8% em 6 meses. VALOR PRAZO META OBJETIVO
  • 56. Módulo 3 Fase de Definição  Lição 1: Identificação do Projeto  Lição 2: Voz do Cliente  Lição 3: Definindo a Meta  Lição 4: Gerenciamento do Projeto
  • 57. Escopo do Projeto Antes de elaborar o contrato do projeto, deve ser definido claramente qual o escopo do projeto, ou seja, o que será realizado neste. 1
  • 58. Contrato de Projeto (Project Charter) O Contrato de Projeto é um documento que firma um acordo entre a equipe executora do projeto, o Belt e os gestores da empresa (Champions e Sponsors) e deve apresentar os seguintes objetivos:  Apresentar claramente os objetivos que são esperados da equipe;  Manter a equipe alinhada aos objetivos do projeto;  Formalizar as principais definições do início do projeto como cronograma, escopo e meta;  Garantir o comprometimento dos envolvidos.
  • 59. Modelo: Contrato de Projeto Projeto: Redução das perdas por parada de linha. Na Cervejaria Cevada, estão ocorrendo paradas de linha, provocando a falha no planejamento das operações diárias. No ano de 2014, o valor médio mensal das perdas decorrentes de paradas de linha foi 10% superior ao mesmo período do ano anterior. T otalizando as paradas, o prejuízo anual foi de US$ 1.800.000,00. Reduzir em 50% das perdas por parada até dezembro/2015 *Recorrer a dados históricos da organização. - - - Os membros da equipe do projeto devem dedicar apenas 50% das suas horas de trabalho para o projeto; Será necessário suporte de um especialista do setor de manutenção; T odos os custos envolvidos no projeto devem ser aprovados pelo Champion. Daniel Fonseca (Black Belt – Líder do Projeto), Leonel Marques (Operações), Felipe Lopes (Manutenção), Gabriel Couto (Champion – Gerente de Fábrica) e Alfredo Portugal (Sponsor). Definição (09/08/2015), Medição (20/09/2015), Análise (17/10/2015), Melhoria (28/11/2015), Controle (14/12/2015). Cronograma Preliminar (Data Limite) Equipe do Projeto e Responsabilidades Restrições e Suposições Avaliação do Histórico do Problema Definição da Meta Descrição do Problema
  • 60.
  • 61. Exercícios de Fixação – Módulo 3 1. Sobre os objetivos da fase de Definição, é incorreto afirmar: a) b) c) Definição do escopo do projeto. Definição da meta a ser atingida. Definição das causas raízes do problema. 22
  • 62. Exercícios de Fixação – Módulo 3 1. Sobre os objetivos da fase de Definição, é incorreto afirmar: a) b) c) Definição do escopo do projeto. Definição da meta a ser atingida. Definição das causas raízes do problema. 23
  • 63. Exercícios de Fixação – Módulo 3 2. São características de um bom projeto Seis sigma, exceto: a) b) Projetos que tenham alto impacto na organização, com ganhos financeiros e em qualidade. As soluções para eliminação dos problemas relatados no projeto são conhecidas pela organização. c) A existência de uma lacuna de performance entre o valor atual e o desejado. 24
  • 64. Exercícios de Fixação – Módulo 3 2. São características de um bom projeto Seis sigma, exceto: a) b) Projetos que tenham alto impacto na organização, com ganhos financeiros e em qualidade. As soluções para eliminação dos problemas relatados no projeto são organização. conhecidas pela c) A existência de uma lacuna de performance entre o valor atual e o desejado. 25
  • 65. Exercícios de Fixação – Módulo 3 3. Quais perguntas devem ser respondidas na Fase de Definição? a) Como medir os indicadores? Quais as causas raiz da má performance? Como evitar que as variáveis saiam do controle novamente? Qual o processo a ser melhorado? Qual produto do processo? Quais são as etapas do processo? O que é feito para o produto? Quais as expectativas para o cliente? b) c) Como manter as variáveis de entrada controladas nos limites especificados? indicadores? Qual processo a ser melhorado? Quais são as etapas do processo? Como medir os 26
  • 66. Exercícios de Fixação – Módulo 3 3. Quais perguntas devem ser respondidas na Fase de Definição? a) Como medir os indicadores? Quais as causas raiz da má performance? Como evitar que as variáveis saiam do controle novamente? Qual o processo a ser melhorado? Qual produto do processo? Quais são as etapas do processo? O que é feito para o produto? Quais as expectativas para o cliente? b) c) Como manter as variáveis de entrada controladas nos limites especificados? Como indicadores? Qual processo a ser melhorado? Quais são as etapas do processo? medir os 27
  • 67. Exercícios de Fixação – Módulo 3 4. Sobre o Contrato de Projeto: a) É um documento que formaliza as seus objetivos. principais definições do projeto, apresentando claramente b) c) Documento que registra a finalização do Projeto Seis Sigma. Documento que mantém a equipe alinhada sobre os objetivos do projeto. 28
  • 68. Exercícios de Fixação – Módulo 3 4. Sobre o Contrato de Projeto, é incorreto afirmar: a) É um documento que formaliza as principais definições seus objetivos. do projeto, apresentando claramente b) c) Documento que registra a finalização do Projeto Seis Sigma. Documento que mantém a equipe alinhada sobre os objetivos do projeto. 29
  • 69.
  • 70. Módulo 4 Fase de Medição  Lição 1: Mapeamento do Processo  Lição 2: Levantamento, Esforço e impacto  Lição 3: Distribuição Normal
  • 71. Fase de Medição Objetivo: Analisar o processo e analisar o fenômeno, conhecer o estado atual do analisar processo, levantar as causas potenciais do problema e quantitativamente a base de dados (variável Y). Perguntas de orientação:  Qual é o estado atual do processo?  Quais as potencias causas (fontes de variação) do processo?  Os dados são confiáveis?  Qual o comportamento dos dados históricos (variável Y)? Tempo estimado: 6 a 8 semanas.
  • 72. Fase de Medição Ferramentas Qualitativas:  Mapa de Processo;  Espinha de Peixe;  Matriz Causa e Efeito;  Matriz Esforço x Impacto. Ferramentas Quantitativas:  Conceitos estatísticos básicos;  Estatística Descritiva;  Histograma;  Boxplot;  Pareto;  Gráfico Sequencial;  Capabilidade.
  • 73. Mapa de Processo O que é esta Ferramenta? Ilustração gráfica do processo. Deve documentar como o processo realmente opera, incluindo as etapas que agregam e não agregam valor. O que será identificado por esta ferramenta?  Todas as etapas do processo que agregam e não agregam valor;  As principais saídas de cada etapa (produto em processo);  Principais entradas/parâmetros de processo (X’s);  Principais requisitos das saídas/entregas do processo (Y´s). Quando usar Mapas de Processos? Sempre que se precisa de uma visualização rápida e mais detalhada das etapas do processo.
  • 74. Mapa de Processo CORTE (GUILHOTINA) ALMOXARIFADO PRODUTOS PCP PLANEJAMENTO DESING E VENDAS INICIO ANALISAR ORDEM DE SERVIÇO E PROGRAMAR SERVIÇO LAVAGEM DA MÁQUINA CALIBRAR TINTEIRO TROCAR CHAPAS CHAPA ESTÁ EM CONDIÇÕES DE USO? TEM COMO APROVEITAR? LIMPAR BLANQUETAS ABASTECER MÁQUINA ACERTAR PRÉ-REGISTRO ACERTAR TINTAGEM TEM AMOSTRA? ACERTAR COR LIMPEZA DAS BLANQUETAS PARA IMPRESSÃO IMPRESSÃO QUANTIDADE FINAL CORRETA? TIRAR IMPRESSOS DA MÁQUINA PREENCHER CHECK-LIST LOGÍSTICA FINALIZAR ORDEM DE SERVIÇO NO SISTEMA SIM SIM NÃO NÃO TOMAR AÇÃO NECESSÁRIA SIM SIM NÃO NÃO VERIFICAR TAMANHO DO PAPEL SE ESTÁ EM CONFORMIDADE COM A CHAPA DAR INICIO DO TRABALHO NO SISTEMA CLIENTE
  • 75. Módulo 4 Fase de Medição  Lição 1: Mapeamento do Processo  Lição 2: Levantamento, Esforço e impacto  Lição 3: Distribuição Normal
  • 76. Espinha de Peixe Também conhecido como Diagrama de Ishikawa ou Diagrama de Causa Efeito, proporciona uma análise de causas para um determinado efeito. e As categorias das causas podem seguir o método 6M:  Material;  Mão de Obra;  Meio Ambiente;  Máquina;  Medida;  Método.
  • 77. Matriz de Esforço e impacto É utilizada para priorizar as entradas do processo (causas/X´s) de acordo com o impacto que provoca em cada uma das saídas (Y´s) ou requerimentos do cliente. Recomenda-se inclusive que sejam identificadas as principais entradas levantadas no Mapa de Processo e na Espinha de Peixe para desenvolvimento da ferramenta.
  • 78. E S F O R Ç O IMPACTO ALTO ESFORÇO BAIXO IMPACTO BAIXO ESFORÇO BAIXO IMPACTO BAIXO ESFORÇO ALTO IMPACTO ALTO ESFORÇO ALTO IMPACTO Matriz de Esforço e impacto
  • 79. Módulo 4 Fase de Medição  Lição 1: Mapeamento do Processo  Lição 2: Levantamento, Esforço e impacto  Lição 3: Distribuição Normal
  • 80. Distribuição Normal  A distribuição normal é uma das mais importantes distribuições estatísticas.  Apresenta-se em formato de sino, simétrica em relação a sua média.  Conseguimos desenhar uma Curva Normal tendo apenas dois parâmetros: média e desvio padrão.
  • 81. Distribuição Normal  Ela representa o comportamento de diversos processos nas empresas e muito fenômenos comuns como, por exemplo, altura ou peso de uma população, a pressão sanguínea de um grupo de pessoas, o tempo que um grupo de estudantes gasta para realizar uma prova.  Considerando a probabilidade de ocorrência de um fenômeno, a área sob a curva representa 100%. Isso quer dizer que a probabilidade de uma observação assumir um valor entre dois pontos quaisquer é igual à área compreendida entre esses dois pontos.
  • 82.
  • 83. Exercícios de Fixação – Módulo 4 1. Sobre a Fase de Medição, é correto afirma: a) Mapa de Processo, Espinha de Peixe e Matriz de Causa e Efeito são ferramentas quantitativas utilizadas na fase. É a fase em que são levantadas as potenciais causas do problema. b) c) Na fase, é estatísticos. recomendado apenas a utilização de ferramentas quantitativas, como conceitos 16
  • 84. Exercícios de Fixação – Módulo 4 1. Sobre a Fase de Medição, é correto afirma: a) Mapa de Processo, Espinha de Peixe e Matriz de Causa e Efeito são ferramentas quantitativas utilizadas na fase. É a fase em que são levantadas as potenciais causas do problema. b) c) Na fase, é estatísticos. recomendado apenas a utilização de ferramentas quantitativas, como conceitos 17
  • 85. Exercícios de Fixação – Módulo 4 2. O Mapa de Processo é: a) b) c) Uma representação gráfica do fluxo de processos. Representação de todas as operações que não agregam valor ao processo. Ilustração processo. gráfica de como o processo deveria ocorrer, apenas com etapas que agregam valor ao 18
  • 86. Exercícios de Fixação – Módulo 4 2. O Mapa de Processo é: a) b) c) Uma representação gráfica do fluxo do processo. Representação de todas as operações que não agregam valor ao processo. Ilustração processo. gráfica de como o processo deveria ocorrer, apenas com etapas que agregam valor ao 19
  • 87. Exercícios de Fixação – Módulo 4 3) Sobre as ferramentas utilizadas na fase de Medição, é incorreto afirmar: a) Na Matriz de Causa e Efeito as entradas do processo são priorizadas de acordo com o grau de impacto sobre as saídas. b) O Diagrama de Ishikawa é uma ferramenta qualitativa que permite levantar as causas problema. Somente média e desvio padrão não são suficientes para desenhar uma curva normal. de um c) 20
  • 88. Exercícios de Fixação – Módulo 4 3) Sobre as ferramentas utilizadas na fase de Medição, é incorreto afirmar: a) Na Matriz de Causa e Efeito as entradas do processo são priorizadas de acordo com o grau de impacto sobre as saídas. b) O Diagrama de Ishikawa é uma ferramenta qualitativa que permite levantar as causas de problema. Somente média e desvio padrão não são suficientes para desenhar uma curva normal. um c) 21
  • 89. Exercícios de Fixação – Módulo 4 4) Quais perguntas devem ser respondidas na Fase de Medição? a) b) c) Quais são as variáveis a serem medidas? Como medir as variáveis? Qual o processo a ser melhorado? Qual o produto do processo? Como manter do processo? as variáveis de entrada controladas nos limites especificados? Quais são as etapas 22
  • 90. Exercícios de Fixação – Módulo 4 4) Quais perguntas devem ser respondidas na Fase de Medição? a) b) c) Quais são as variáveis a serem medidas? Como medir as variáveis? Qual o processo a ser melhorado? Qual o produto do processo? Como manter do processo? as variáveis de entrada controladas nos limites especificados? Quais são as etapas 23
  • 91.
  • 92. Fase de Análise  Lição 1: Análise do Processo  Lição 2: Análise de Causa Raiz Módulo 5
  • 93. Fase de Análise Objetivo: Identificar as causas raiz (X´s vitais) que afetam o processo de forma significativa e geram variabilidade no resultado de interesse (variável Y). Comprova-las, com fatos e dados, utilizando gráficos, análise estatística e ferramentas qualitativas (análise de risco). Perguntas de orientação:  Quais são as variáveis X prioritárias (X´s vitais) que devemos atacar para melhor o resultado de interesse (variabilidade do processo)?  Quais são as causas raiz (X´s vitais) que podemos identificar e comprovar com os gráficos básicos?  Quais são as causas raiz (X´s vitais) que podemos identificar e comprovar com a análise estatística?  Quais são as causas raiz (X´s vitais) que podemos identificar através de uma análise de risco?
  • 94. Fase de Análise Tempo estimado: 2 a 4 semanas. Ferramentas: FMEA, Estratificação, Gráfico de Pareto, Diagrama de Dispersão, Regressão Linear, Testes de Hipóteses, Análise de Variância (ANOVA).
  • 95. FMEA – Failure Mode and Effect Analysis O FMEA (Análise de Modos de Falhas e seus Efeitos) é uma ferramenta que tem como objetivo identificar, hierarquizar e prevenir as falhas em potencial de um produto ou processo. Ao utilizar o FMEA identificamos potencias falhas ou deficiências em produtos e processos. Portanto, é uma ferramenta que ajuda aumentar a confiabilidade e facilitar a rastreabilidade das ações necessárias para a mitigação dos riscos.
  • 96. Por que utilizar o FMEA? No Lean Seis Sigma, os motivos para a utilização do FMEA são:  Identificar as potenciais falhas e deficiências de um produto ou processo;  Ser capaz de quantificar a severidade do efeito das falhas;  Identificar as causas das falhas e deficiências e quantificar sua frequência;  Trabalhar de forma preventiva e focar na eliminação dos problemas potenciais;  Facilitar a documentação e rastreabilidade das ações. POSTURA PREVENTIVA VS. POSTURA REATIVA
  • 97. Fase de Análise  Lição 1: Análise do Processo  Lição 2: Análise de Causa Raiz Módulo 5
  • 98. Estratificação Processo que permite separar, criteriosamente, o conjunto de dados em categorias ou grupos mais específicos, fornecendo condições para uma análise mais detalhada e pormenorizada dos vários aspectos ou variáveis relacionados a uma situação.
  • 99. Gráfico de Pareto O Gráfico de Pareto é uma ferramenta estatística que auxilia na tomada de decisão, permitindo uma empresa priorizar problemas, quando esses se apresentam em grande número. O princípio de Pareto classifica os problemas relacionados à qualidade em duas categorias:  Poucos vitais;  Muitos triviais. Pelo princípio de Pareto devemos concentrar nossa atenção sobre os poucos vitais, já que estes resultam em grandes perdas para a empresa, apesar de representarem um pequeno número de problemas. Exemplo: 80% dos defeitos relacionam-se à 20% das causas potenciais.
  • 100. Cinco “Porquês” Utilizada para determinar a causa raiz de determinado problema, ou seja, a causa que realmente deve ser tratada na solução de um problema. Problema Por que? Por que? Por que? Por que? Por que? Causa raiz
  • 101. Exemplo 1 2 3 4 5 Por que a máquina parou? Trocar Fusível Porque o fusível queimou. Por que o fusível queimou? Reclamar com a CEMIG e colocar fusível de maior amperagem. Porque houve sobrecarga. Por que houve sobrecarga? Completar óleo e colocar filtro na bomba. Porque a lubrificação do rolamento foi inadequada. Por que a lubrificação do rolamento foi inadequada? Reciclar o mecânico Porque o mecânico não verificou o nível do óleo. Por que o mecânico não verificou o nível do óleo? Porque não havia uma Instrução de Trabalho no local e o mecânico não foi treinado Solução real Criar Instrução de Trabalho, afixar no local de trabalho e treinar mecânico e todos envolvidos no processo.
  • 102.
  • 103. Exercícios de Fixação – Módulo 5 1. A Fase de Análise: análises estatísticas e outras a)Tem como objetivo levantar as causas que afetam o processo. b)Identifica as causas raiz do problema, por meio de gráficos, ferramentas. c) Define um plano de ação para as causas raiz encontradas.
  • 104. Exercícios de Fixação – Módulo 5 1. A Fase de Análise: a)Tem como objetivo a definição do problema que afeta o processo. b)Identifica as causas raiz do problema, por meio de gráficos, análises estatísticas e outras ferramentas. c) Define um plano de ação para as causas raiz encontradas.
  • 105. Exercícios de Fixação – Módulo 5 2. Um FMEA : a) Atuar preventivamente na identificação de potenciais modos de falhas. b) Pode ser aplicado apenas para produtos. c) Deve ser desenvolvido na etapa inicial do projeto e não necessita de atualizações.
  • 106. Exercícios de Fixação – Módulo 5 2. Um FMEA : a) Atuar preventivamente na identificação de potenciais modos de falhas. b) Pode ser aplicado apenas para produtos. c) Deve ser desenvolvido na etapa inicial do projeto e não necessita de atualizações.
  • 107. Exercícios de Fixação – Módulo 5 3. Sobre a Análise de Causas Raiz, é incorreto afirmar: a) A Estratificação permite uma análise mais detalhada de um conjunto de dados em categorias específicas. b) O Gráfico de Pareto é uma ferramenta que possibilita a priorização das causas por meios estatísticos, auxiliando a tomada de decisão. c) No Método dos Cinco “Porquês” devem ser utilizados necessariamente 5 questionamentos para chegar a causa raiz do problema.
  • 108. Exercícios de Fixação – Módulo 5 3. Sobre a Análise de Causas Raiz, é incorreto afirmar: a) A Estratificação permite uma análise mais detalhada de um conjunto de dados em categorias específicas. b) O Gráfico de Pareto é uma ferramenta que possibilita a priorização das causas por meios estatísticos, auxiliando a tomada de decisão. c) No Método dos Cinco “Porquês” devem ser utilizados necessariamente 5 questionamentos para chegar a causa raiz do problema.
  • 109. Fase de Melhoria  Lição 1: Priorização dos Dados  Lição 2: Plano de Ação  Lição 3: Cultura do Kaizen Módulo 6
  • 110. Fase de Melhoria Objetivo:  Propor, priorizar, testar e executar as soluções para o problema. Para cada causa raiz estudada e comprovada na Fase de Análise, identificamos uma solução adequada que será implementada através de um Plano de Ação. Além disso, iniciamos a verificação do impacto e os resultados obtidos com as melhorias implementadas. Perguntas de orientação:  Quais são as possíveis ações de melhoria?  T odas as melhorias propostas podem ser transformadas em soluções com elevado potencial de implementação?  Como testar as soluções escolhidas afim de garantir o alcance da meta sem efeitos colaterais indesejáveis?  Como medir os resultados financeiros e no processo assim que o plano de ação for implementado.
  • 111. Fase de Melhoria Tempo estimado: 4 a 6 semanas Ferramentas:  Brainstorming;  Diagrama de Árvore;  Matriz de Priorização;  Plano de Ação – 5W2H;  Ferramentas Lean (5S, SMED e Kaizen).
  • 112. Matriz de Priorização Na Fase de Melhoria, é comum termos muitas ideias de melhoria o que reflete em um Plano de Ação inchado e difícil de executar dentro do tempo previsto no projeto. Logo, precisamos de uma ferramenta que nos ajude a identificar quais ideias de melhoria são viáveis para o projeto e de fato geram impacto positivo no resultado de interesse. A Matriz de Priorização é a ferramenta que ajudará a identificar quais ideias de melhoria serão levadas adiante no projeto. Ela utiliza –se de escores para fazer a correlação entre as soluções propostas e critérios de priorização. Os critérios mais utilizados na Matriz de Priorização são: baixo custo, facilidade, rapidez, impacto sobre a causa raiz e baixa probabilidade de gerar efeitos colaterais indesejados.
  • 114. Fase de Melhoria  Lição 1: Priorização dos Dados  Lição 2: Plano de Ação  Lição 3: Cultura do Kaizen Módulo 6
  • 115. Plano de Ação – 5W2H Após a priorização das ações de melhoria, devemos desdobrá-las em informações mais tangíveis. Para isso, utilizaremos a metodologia 5W2H:  O que será feito? (What)  Quando será feito? (When)  Quem fará? (Who)  Onde será feito? (Where)  Por que será feito? (Why)  Como será feito? (How)  Impacto financeiro, quantidade ou valor numérico? (How Much)
  • 116. O que? Quem? Onde? Por quê? Quando? Como? Quanto? Aumentar a temperatura do forno José Forno 2W5C Diminuição da duração do processo 01/maio Aumentar potência do motor Para 1100°C Incluir inspeção durante o processo Carlos Linha 17 Diminuir refugo 05/junho Aumentar um operador Um operador Reunião de segurança no início do turno Larissa Unidade de BH Diminuição de acidentes 07/maio Reunião com o supervisor de segurança 5 minutos iniciais do turno Comprar novo sistema de manutenção Roberto Unidade SP Muitos dias fora da meta de produção 01/março Implantação de novo sistema pela Manutenção R$ 20.000,00 Plano de Ação – 5W2H
  • 117. Fase de Melhoria  Lição 1: Priorização dos Dados  Lição 2: Plano de Ação  Lição 3: Cultura do Kaizen Módulo 6
  • 118. Kaizen KAI = Mudança ZEN = Coisas boas, melhores 善 改 Ensinar as pessoas a terem recursos Perseguir uma Meta Transferência de Conhecimento Saber quando reduzir, eliminar ou modificar uma atividade
  • 119. Cultura do Kaizen  Kaizen é uma atitude de estar constantemente melhorando, em essência significando rodar continuamente o PDCA ou DMAIC.  Deve ser parte da filosofia da empresa de desafiar sempre seus processos e melhorar o tempo todo, com olhos no cliente.  Deve estar na mentalidade dos colaboradores da empresa em todos os níveis e funções. Para isso ser efetivo, o trabalho prévio de estabilização e padronização precisa estar sólido. Kaizen sempre, todo dia, por todos. Mesmo que pequenas melhorias!
  • 120.
  • 121. Exercícios de Fixação – Módulo 6 1. Quais as perguntas que podem ser respondidas na Fase de Melhoria? a) Qual processo a ser melhorado? Qual o produto do processo? b) Quais as causas raiz da má performance? Quais as variáveis que mais afetam as saídas? c) Qual a relação de custo-benefício de cada ação de melhoria? Quanto tempo vai levar?
  • 122. Exercícios de Fixação – Módulo 6 1. Quais as perguntas que podem ser respondidas na Fase de Melhoria? a) Qual processo a ser melhorado? Qual o produto do processo? b) Quais as causas raiz da má performance? Quais as variáveis que mais afetam as saídas? c) Qual a relação de custo-benefício de cada ação de melhoria? Quanto tempo vai levar?
  • 123. Exercícios de Fixação – Módulo 6 2. Podemos afirmar sobre a Fase de Melhoria, exceto: a) É a fase em que o plano de ação é desenvolvido para atacar as causas raiz identificadas na fase de análise. b) Brainstorming, Matriz de Priorização e Diagrama da Árvore são algumas ferramentas utilizadas. c) Na fase devemos executar todas as ideias de melhoria que forem identificadas, o que resultará em melhores resultados.
  • 124. Exercícios de Fixação – Módulo 6 2. Podemos afirmar sobre a Fase de Melhoria, exceto: a) É a fase em que o plano de ação é desenvolvido para atacar as causas raiz identificadas na fase de análise. b) Brainstorming, Matriz de Priorização e Diagrama da Árvore são algumas ferramentas utilizadas. c) Na fase devemos executar todas as ideias de melhoria que forem identificadas, o que resultará em melhores resultados.
  • 125. Exercícios de Fixação – Módulo 6 3. Sobre a Matriz de Priorização, é correto afirmar, exceto: a) É uma importante ferramenta da fase pois prioriza as ideias de melhoria que terão resultados imediatos na empresa. b) Facilidade, rapidez e baixa probabilidade em gerar efeitos colaterais são alguns dos critérios mais utilizados na ferramenta. c) Ajuda a identificar as ideias de melhoria que realmente geram impacto positivo no projeto.
  • 126. Exercícios de Fixação – Módulo 6 3. Sobre a Matriz de Priorização, é correto afirmar, exceto: as ideias de melhoria que terão a) É uma importante ferramenta da fase pois prioriza resultados imediatos na empresa. b) Facilidade, rapidez e baixa probabilidade em gerar efeitos colaterais são alguns dos critérios mais utilizados na ferramenta. c) Ajuda a identificar as ideias de melhoria que realmente geram impacto positivo no projeto.
  • 127. Exercícios de Fixação – Módulo 6 4. É correto afirmar: a) O 5W2H torna as ações de melhoria em informações mais tangíveis, apontando o que será feito, por quem e quando deverá ser finalizado. b) O Kaizen é uma cultura que deve estar na mentalidade de todos os colaboradores da empresa e visa a correção imediata de erros ocorridos no processo. c) O Plano de Ação é um tipo de planejamento realizado para identificar os potenciais projetos Seis Sigma na empresa.
  • 128. Exercícios de Fixação – Módulo 6 4. É correto afirmar: a) O 5W2H torna as ações de melhoria em informações mais tangíveis, apontando o que será feito, por quem e quando deverá ser finalizado. b) O Kaizen é uma cultura que deve estar na mentalidade de todos os colaboradores da empresa e visa a correção imediata de erros ocorridos no processo. c) O Plano de Ação é um tipo de planejamento realizado para identificar os potenciais projetos Seis Sigma na empresa.
  • 129.
  • 130. Módulo 7 Fase de Controle  Lição 1: Controle do Processo  Lição 2: Ferramentas de Controle
  • 131. Fase de Controle Objetivo: Monitorar os resultados alcançados após a implementação das melhorias, estabelecer controles que garantam a sustentabilidade dos resultados, definir o “dono do processo” e como será monitorado processo no dia a dia. Perguntas de orientação:  A meta e os resultados financeiros foram alcançados?  Quais controles foram estabelecidos para garantir a sustentabilidade das melhorias feitas?  Quem será o “dono do processo” e como ele fará o acompanhamento do processo?  Será necessário criar ou atualizar padrões e procedimentos? Quem são os envolvidos que serão treinados?
  • 132. Fase de Controle Tempo estimado: 2 a 4 semanas. Ferramentas:  Cartas de Controle;  OCAP;  Procedimento Operacional Padrão;  Poka Yoke.
  • 133. Por que controlar um processo?  O que pode ser dito sobre um processo instável? Muito pouco!!! Se existem causas especiais de variação, a saída do processo não é estável e não previsível ao decorrer do tempo. Não temos como saber o que acontecerá: - Amanhã - Entre amostras Se apenas as causas comuns de variação estão presentes, a saída de um processo forma uma distribuição que é estável e previsível ao decorrer do tempo.
  • 134. Por que controlar um processo? O controle ajuda melhores práticas. a manter as melhorias conquistadas, e estabelece um novo patamar para as M C M C M M M M M M Tempo (Padronização) Melhoria C- Controle M – Melhoria
  • 135. Módulo 7 Fase de Controle  Lição 1: Controle do Processo  Lição 2 Ferramentas de Controle
  • 136. Cartas de Controle É um conjunto de pontos (amostras) ordenados, no tempo, que são interpretados em função linhas horizontais, chamadas de LSC (limite superior de controle) e LIC (limite inferior de controle). de LIMITE SUPERIOR DE CONTROLE LSC=29,35 X=22,00 LINHA CENTRAL LIMITE INFERIOR DE CONTROLE Valor Individual Carta de Controle para valores individuais 30,0 27,5 25,0 22,5 _ 20,0 17,5 15,0 LIC=14,65 1 5 9 13 17 21 25 29 33 Observação
  • 137. Procedimento Operacional Padrão O Procedimento Operacional Padrão (POP) é a forma como a padronização é registrada. Seu objetivo é a utilização nas operações da empresa, facilitando a execução e também operadores e supervisores. o treinamento de Pontos Importantes:  Devem ter as informações em linguagem adequada para quem vai utilizá-los;  Deve conter instruções e não contar histórias;  Pode conter: instruções, fluxogramas, fotos, possíveis ações corretivas;  Aprovação formal do responsável pelo processo.
  • 139. Poka-Y oke Moldes de peças em oficinas de usinagem Encaixes e cores padrões dos cartuchos de tinta de impressoras Hospital: encaixe para ar comprimido tem diâmetro diferente do oxigênio Expedição de produtos: Leitor de Código de barras em linhas de produção Guias na montagem de peças
  • 140.
  • 141. Exercícios de Fixação – Módulo 7 1. É incorreto afirmar sobre a Fase de Controle: a) É a fase em que são estabelecidos os controles que irão garantir a manutenção dos resultados obtidos. Determina a pessoa responsável pelo processo e a forma como o mesmo será monitorado. b) c) É uma fase onde apenas o Black Belt sobre as atitudes a serem tomadas. e Green Belt do projeto devem ter conhecimento e decidir 13
  • 142. Exercícios de Fixação – Módulo 7 1. É incorreto afirmar sobre a Fase de Controle: a) É a fase em que são estabelecidos os controles que irão garantir a manutenção dos resultados obtidos. Determina a pessoa responsável pelo processo e a forma como o mesmo será monitorado. b) c) É uma fase onde apenas o Black Belt e Green decidir sobre as atitudes a serem tomadas. Belt do projeto devem ter conhecimento e 14
  • 143. Exercícios de Fixação – Módulo 7 2. Aponte qual das alternativas abaixo não se refere aos aplicados nas empresas: tipos de controles que podem ser a) b) c) Dispositivo de segurança, dispositivo de inspeção e controle estatístico do processo. Inspeção, auditorias e Poka-yoke. FMEA, Brainstorming e trabalho em equipe. 15
  • 144. Exercícios de Fixação – Módulo 7 2. Aponte qual das alternativas abaixo não se refere aos aplicados nas empresas: tipos de controles que podem ser a) b) c) Dispositivo de segurança, dispositivo de inspeção e controle estatístico do processo. Inspeção, auditorias e Poka-yoke. FMEA, Brainstorming e trabalho em equipe. 16
  • 145. Exercícios de Fixação – Módulo 7 3. É possível afirmar: a) O POP é um documento formal destinado aos cargos de supervisão, que deve conter informações sobre a execução de operações complexas do processo. O Poka-Yoke é um termo japonês que significa “à prova de erros”, que garante a variabilidade controlada do processo. b) c) A Fase de Controle utiliza melhorias alcançadas. apenas ferramentas qualitativas para garantir a sustentabilidade das 17
  • 146. Exercícios de Fixação – Módulo 7 3. É possível afirmar: a) O POP é um documento formal destinado aos cargos de supervisão, que deve conter informações sobre a execução de operações complexas do processo. b) O Poka-Yoke é um termo japonês que significa “à variabilidade controlada do processo. prova de erros”, que garante a c) A Fase de Controle utiliza apenas ferramentas melhorias alcançadas. qualitativas para garantir a sustentabilidade das 18
  • 147. Exercícios de Fixação – Módulo 7 4. Quais perguntas devem ser respondidas na Fase de Controle? a) Após as ações tomadas, como as variáveis escolhidas para Como evitar que elas saiam do controle novamente? Quais as causas raiz da má performance? Quais as variáveis de controle estão se comportando? b) c) saída? Qual o processo a ser melhorado? Qual o produto do processo? 19
  • 148. Exercícios de Fixação – Módulo 7 4. Quais perguntas devem ser respondidas na Fase de Controle? a) Após as ações tomadas, como as variáveis escolhidas para Como evitar que elas saiam do controle novamente? Quais as causas raiz da má performance? Quais as variáveis de controle estão se comportando? b) c) saída? Qual o processo a ser melhorado? Qual o produto do processo? 20