SlideShare uma empresa Scribd logo
QUEM FOI NAPOLEÃO
BONAPARTE?
Napoleão foi um general do exército francês
que se destacou na campanha da Itália, em
1796 durante a fase do Diretório. Ele impôs aos
italianos pesados impostos que salvaram o
governo francês da falência. Participou junto ao
Diretório do Golpe do 18 Brumário em 1799
pelo qual chegou ao poder na França e
permaneceu até 1815.
Golpe 18 Brumário ⇒ No fim do período do Diretório e
início do Consulado. A França passava por um
momento de crise financeira e política. Era um momento
de muita instabilidade. De um lado os radicais jacobinos
desejavam retornar ao poder, de outro nações da
Coligação (Inglaterra, Prússia, Holanda, Sardenha,
Rússia) queriam pôr fim à Revolução na França.
A burguesia e os políticos do Diretório identificaram em
Napoleão a personalidade ideal para consolidar o novo
Regime e pôr fim a crise generalizada. Estes grupos dão
o golpe e Napoleão tornou-se Cônsul francês. Ele unia
nacionalismo, glórias militares e o ideal de “igualdade”,
itens que os franceses de maneira geral queriam para o
novo Estado francês.
A ascensão de Napoleão assegurou à burguesia
a estabilidade política e pôs fim aos distúrbios
provocados pela “esquerda” igualitária e pela
reação monarquista sua personalidade gerou a
confiança dos franceses e em 1802 obteve o
consentimento popular num plebiscito para tornar
vitalício o cargo de Primeiro Cônsul. Em 1804
outro plebiscito deu-lhe permissão para
transformar o Consulado em Império.
Aos poucos Napoleão,
através da confiança
popular, ia mostrando
suas intenções
imperialistas e ditatoriais.
Golpe 18
Brumário
Burguesia e
políticos do
Diretório
Fim da crise generalizada
Conquista
confiança
dos
franceses
Transforma o
Consulado em
Império
Na Catedral de Notre Dame, o militar nascido na Córsega
colocou uma coroa na própria cabeça e assumiu o título
de Napoleão I, Imperador dos Franceses.
POLÍTICA
EXTERNA
POLÍTICA
INTERNA
POLÍTICA
INTERNA
POLÍTICA
INTERNA
Código Civil Napoleônico Atendeu às
perspectivas burguesas:
• autoridade do patrão sobre o empregado.
• garantiu a liberdade individual, a
igualdade de todos perante a lei e o direito
à propriedade.
• proibiu a organização de sindicatos
operários, prevendo severas punições para
os grevistas.
Concordata de 1801
Foi um acordo entre governo
francês e o papa Pio VI, que
estabelecia a nomeação de
bispos pelo Consulado e a
liberdade de culto, reconhecendo
o catolicismo como a religião da
maioria dos franceses, embora o
Estado se declarasse laico
Educação
Reorganização do ensino com
a implantação de escolas
primárias, secundárias e
superiores, sob o controle do
Estado
Economia
Criação da sociedade de Fomento à Indústria,
para incentivar o desenvolvimento da indústria
francesa numa tentativa de equipará-la à
indústria inglesa.
Código civil
napoleônico
Código civil
napoleônico
Atendeu às
perspectivas
burguesas
Atendeu às
perspectivas
burguesas
Liberdade individual;
igualdade perante à lei;
direito à propriedade; proibiu
os sindicatos; punição aos
grevistas.
Liberdade individual;
igualdade perante à lei;
direito à propriedade; proibiu
os sindicatos; punição aos
grevistas.
Política internaPolítica interna
POLÍTICA
EXTERNA
Guerras Napoleônicas
Inúmeras guerras foram travadas neste período para consolidar na Europa o
Império francês:
• Conflito França/Espanha contra a Terceira coligação (Inglaterra, Rússia, Áustria
e Suécia). A Terceira Coligação foi derrotada provocando seu fim e a ruína da
Áustria que foi obrigada a ceder à França a região de Veneza.
• A expansão napoleônica prosseguiu em 1806, quando Bonaparte recebeu o
apoio de 16 príncipes alemães, criando a Confederação do Reno, que destruiu o
Sacro Império Romano-Germânico.
Bloqueio Continental
O bloqueio proibiu a introdução de
produtos britânicos no continente. O
governo imperial acreditava que a
eliminação de seu maior concorrente
daria à França o predomínio nos
mercados europeus.
Se o Bloqueio Continental abalou a
economia britânica, também
submeteu a hegemonia francesa no
continente a forte desgaste. A
Inglaterra tentando garantir mercado
na Península Ibérica fez acordo com
Portugal e tentava se aproximar da
Espanha.
Napoleão invadiu-a colocando seu irmão José Bonaparte no trono espanhola. O
avanço das tropas francesas para Portugal fez a família real com o apoio inglês,
evadir-se para sua colônia sul-americana. Isso causou desgaste à imagem de
Napoleão, fora e dentro da França.
Na maioria dos países aliados aos franceses, a base da economia era a
agricultura, portanto dependentes de exportar suas matéria prima aos ingleses. Por
estes motivos o Bloqueio começou a perder força.
Política
externa
Guerras
napoleônicas
Bloqueio
Continental
Proibiu produtos
ingleses na Europa
continental
Inglaterra tentou garantir
mercado fazendo acordo
com Portugal
Consolidar o
império francês
REAÇÃO DOS FRANCESES
Nos últimos anos do governo imperial,
boa parte da sociedade francesa passou
a temer os rumos do excessivo
autoritarismo de Napoleão. Suas
iniciativas seguiam caminhos contrários
aos ideais da revolução e mesmo da fase
inicial do seu governo. O Império havia se
tornado uma imitação do Antigo Regime.
O estadista que reorganizou a
administração e criou o Código
Napoleônico viu-se obrigado a
desperdiçar recursos financeiros e
homens para sustentar suas ideias
expansionistas.
(...) Bonaparte praticou uma traição
(...). Se ele houvesse exercido seus
poderes honestamente para
estabelecer e fortalecer um governo
livre em seu país, a França gozaria
agora da liberdade e tendo seu
exemplo atuado diretamente, cada
nação da Europa se beneficiaria de
um regime sobre o qual a vontade
do povo exerceria um certo
controle. Austin – 1816.
REAÇÃO EXTERNA
Aproveitando-se da crise, a Grã-Bretanha,
a Áustria, a Prússia, a Rússia e a Suécia,
potências hostis a Napoleão, organizaram
uma coligação que venceu a França em
1813, na batalha de Leipzig.
A ruína definitiva de Napoleão veio após a
batalha de Waterloo, na Bélgica (1815),
quando o exército coligado de ingleses e
prussianos venceu as tropas imperiais.
Napoleão voltou a Paris e abdicou do cargo
de Imperador.
CONGRESSO DE VIENA, A REAÇÃO CONSERVADORA
O Congresso de Viena foi organizado logo após a derrocada de Napoleão pelas grandes
potências européias da época: Grã-Bretanha, França, Prússia, Rússia e Áustria-Hungria.
Em Viena redigiram um tratado de paz e redesenharam o mapa do Continente, em proveito
das potências vencedoras. Os congressistas sentiam-se responsáveis pela implantação da
ordem na Europa. Na verdade precisavam restabelecer a velha ordem e apagar com as
conquistas da Revolução Francesa. Embora alguns estadistas tivessem a consciência de que
não poderiam reimplantar o Antigo Regime. Para isso seria necessário contornar alguns
setores da sociedade, principalmente a burguesia.
No entanto, a luta contra os efeitos da Revolução resultaram num pacto de ajuda mútua
entre os congressistas, com exceção da Grã-Bretanha. Este grupo foi chamado de Santa
Aliança.
Outro aspecto importante do Congresso de Viena foi a restauração monárquica. Na França,
por exemplo, a coroa foi entregue a Luís XVIII.
O Congresso de Viena foi orientado pelo princípio da legitimidade e pelo ideal de
equilíbrio europeu. O Princípio da legitimidade determinava que as antigas
dinastias reinantes no período pré-revolucionário deveriam se restauradas,
recebendo de volta os territórios que possuíam em 1789. A ideia de equilíbrio
europeu propunha a redistribuição territorial entre as potências vencedoras.
O Congresso colocou a ordem acima da liberdade, dando prioridade aos
interesses dos grupos e, principalmente, do Estado em detrimento ao indivíduo.
O espírito conservador do Congresso contribuiu para o desenvolvimento de uma
política agressiva contra o que havia sido conquistado com a Revolução.
Assim como Napoleão passou a ser questionado ao ignorar as conquistas
revolucionárias, o legado do Congresso de Viena também seria questionado nas
revoluções de 1820, 1830 e 1848.
Congresso
de Viena
Princípio de
legitimidade e
equilíbrio europeu
Antigas dinastias
deveriam ser
restauradas
Redigiram um
tratado de paz e
redesenharam o
mapa europeu
Apagar as
conquistas
revolucionárias
Santa Aliança
Questão 1- (PUC/MG) - A era Napoleônica de 1799 a 1815, permitiu que
muitas das conquistas sociais e políticas da Revolução Francesa fossem
difundidas em outros países europeus. O Código Civil Napoleônico,
promulgado em 1804, inspirado no Direito Romano, garantia as seguintes
conquistas burguesas, exceto:
a) Igualdade dos indivíduos perante a lei.
b) Proibição de organização de sindicatos de trabalhadores.
c) Direito de propriedade assegurado aos cidadãos.
d) Manutenção do direito de greve para as classes trabalhadoras.
e) Restabelecimento da escravidão nas colônias.
EXERCÍCIO
a) Igualdade dos indivíduos perante a lei.
b) Proibição de organização de sindicatos de trabalhadores.
c) Direito de propriedade assegurado aos cidadãos.
d) Manutenção do direito de greve para as classes trabalhadoras.
e) Restabelecimento da escravidão nas colônias
RESOLUÇÃO:
Questão 2 - (Mackenzie) - O Bloqueio Continental, ao invés de contribuir
para o fortalecimento da posição de Napoleão Bonaparte, colaborou para o
seu declínio, Isto porque:
a) Ao restaurar a união entre Estado e a Igreja Católica, esta passou a
ocupar uma posição nitidamente vantajosa, que a capacitou a aumentar o
seu poder nos anos seguintes.
b) Napoleão não conseguiu eliminar a Terceira Coligação composta pela
Inglaterra, Áustria, Suécia, e Rússia, apesar do acordo firmado com o czar
Alexandre I, com o objetivo de ajuda mútua entre a França e a Rússia.
c) Patenteou-se a impossibilidade de forçar a exclusão dos produtos
britânicos do continente, uma vez que a maioria dos países dominados
pela França eram nações agrícolas que insistiam na troca de seus
produtos pelas mercadorias manufaturadas inglesas.
d) Apesar de o Bloqueio ser proposto como uma política de
reconciliação, na realidade visava garantir somente a segurança dos
franceses, o que ocasionou a formação de revolta espanhola, devido aos
problemas econômicos que se acumulavam neste país.
e) Devido ao Bloqueio, a Prússia viu-se subtraída de metade de seu
território e obrigada a pagar grande indenização, e isto levou-a a unir-se
à Áustria e à Inglaterra na Guerra de Libertação
RESOLUÇÃO:
a) Ao restaurar a união entre Estado e a Igreja Católica, esta passou a
ocupar uma posição nitidamente vantajosa, que a capacitou a aumentar o
seu poder nos anos seguintes.
b) Napoleão não conseguiu eliminar a Terceira Coligação composta pela
Inglaterra, Áustria, Suécia, e Rússia, apesar do acordo firmado com o czar
Alexandre I, com o objetivo de ajuda mútua entre a França e a Rússia.
c) Patenteou-se a impossibilidade de forçar a exclusão dos produtos britânicos do
continente, uma vez que a maioria dos países dominados pela França eram nações
agrícolas que insistiam na troca de seus produtos pelas mercadorias manufaturadas
inglesas.
d) Apesar de o Bloqueio ser proposto como uma política de reconciliação, na
realidade visava garantir somente a segurança dos franceses, o que ocasionou a
formação de revolta espanhola, devido aos problemas econômicos que se
acumulavam neste país.
e) Devido ao Bloqueio, a Prússia viu-se subtraída de metade de seu território e
obrigada a pagar grande indenização, e isto levou-a a unir-se à Áustria e à Inglaterra
na Guerra de Libertação
Questão 3 - (UGF) - O período napoleônico (1799 – 1814) transformou as estruturas
da Europa através da atuação político, militar e econômica da França pós-
revolucionaria em suas relações com o restante das sociedades européias, no inicio
do século XIX. Em seu conjunto, o período napoleônico marcou o (a):
• Retorno da nobreza fundiária e provincial ao poder político na França estamental.
• Apogeu das estruturas políticas absolutas do Antigo Regime, expressas com a
confirmação de Napoleão como Imperador dos franceses.
• Fim dos avanços no processo de construção da cidadania e dos Direitos do
Homem, definidos pelos jacobinos durante a Revolução Francesa.
• União política e institucional entre o clero e o Império como fundamento do Estado
clerical francês estabelecido nesse período.
• Expansão e a consolidação do ideário liberal burguês através das intervenções
napoleônicas em diversos Estado monárquicos da Europa.
a) Retorno da nobreza fundiária e provincial ao poder político na França
estamental.
b) Apogeu das estruturas políticas absolutas do Antigo Regime, expressas
com a confirmação de Napoleão como Imperador dos franceses.
c) Fim dos avanços no processo de construção da cidadania e dos Direitos
do Homem, definidos pelos jacobinos durante a Revolução Francesa.
d) União política e institucional entre o clero e o Império como fundamento
do Estado clerical francês estabelecido nesse período.
e) Expansão e a consolidação do ideário liberal burguês através das
intervenções napoleônicas em diversos Estado monárquicos da Europa.
RESOLUÇÃO:
Questão 4 - (UFMG) - A ideia básica do Congresso de Viena (1814/1815)
– o principio da legitimidade – estabelecia que:
a) As monarquias absolutistas seriam substituídas por governos liberais.
b)Os princípios feudais da nobreza precisariam ser eliminados segundo a
filosofia da Revolução Francesa.
c) As nações orientariam sua política econômica de acordo com os
postulados do mercantilismo.
d) As dinastias reinantes antes da Revolução de 1789 deveriam ser
restauradas.
e) Os princípios políticos das monarquias constitucionais basear-se-iam no
liberalismo.
a) As monarquias absolutistas seriam substituídas por governos liberais.
b) Os princípios feudais da nobreza precisariam ser eliminados segundo a
filosofia da Revolução Francesa.
c) As nações orientariam sua política econômica de acordo com os
postulados do mercantilismo.
d) As dinastias reinantes antes da Revolução de 1789 deveriam ser
restauradas.
e) Os princípios políticos das monarquias constitucionais basear-se-iam no
liberalismo.
RESOLUÇÃO:
PAZZINATO, Alceu L.; SENISE, Maria Helena V. O Império Napoleônico. In.
“História Moderna e Contemporânea”. 14ª.ed. Editora Ática, São Paulo: 2006
MOTA, Myriam Becho; BRAICK, Patrícia Ramos. Napoleão: Mito ou realidade?;
A política do equilíbrio multipolar. In.: História das Cavernas ao Terceiro Milênio.
1ª. Ed. Editora Moderna, São Paulo: 2000.
BIBLIOGRAFIA

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Revolução Francesa e Governo Napoleônico
Revolução Francesa e Governo NapoleônicoRevolução Francesa e Governo Napoleônico
Revolução Francesa e Governo Napoleônico
alunoitv
 
O império napoleônico
O império napoleônicoO império napoleônico
O império napoleônico
Edenilson Morais
 
Revolução Francesa e Império Napoleônico
Revolução Francesa e Império NapoleônicoRevolução Francesa e Império Napoleônico
Revolução Francesa e Império Napoleônico
alunoitv
 
Revolução francesa e Era Napoleônica
Revolução francesa e Era NapoleônicaRevolução francesa e Era Napoleônica
Revolução francesa e Era Napoleônica
alunoitv
 
O período napoleônico (1799 1815)
O período napoleônico (1799 1815)O período napoleônico (1799 1815)
O período napoleônico (1799 1815)
Vitor Ferreira
 
Congresso de viena, santa aliança e revoluções de 1820
Congresso de viena, santa aliança e revoluções de 1820Congresso de viena, santa aliança e revoluções de 1820
Congresso de viena, santa aliança e revoluções de 1820
Celine Bernardo
 
5 02 a revolução francesa_blogue
5 02 a revolução francesa_blogue5 02 a revolução francesa_blogue
5 02 a revolução francesa_blogue
Vítor Santos
 
Trabalho de História
Trabalho de HistóriaTrabalho de História
Trabalho de História
alunoitv
 
As fases da revolução
As fases da revoluçãoAs fases da revolução
As fases da revolução
Carla Teixeira
 
11 ha m4 u4 3
11 ha m4 u4 311 ha m4 u4 3
11 ha m4 u4 3
Carla Freitas
 
RevoluçõEs Liberais
RevoluçõEs LiberaisRevoluçõEs Liberais
RevoluçõEs Liberais
Maria Flora Sousa Douteiro
 
Trabalho De HistóRia
Trabalho De HistóRiaTrabalho De HistóRia
Trabalho De HistóRia
zucolandia
 
Era napoleónica
Era napoleónicaEra napoleónica
Era napoleónica
Vagner Roberto
 
Aula 17 1ª guerra mundial e rev. russa
Aula 17   1ª guerra mundial e rev. russaAula 17   1ª guerra mundial e rev. russa
Aula 17 1ª guerra mundial e rev. russa
Jonatas Carlos
 
Aula 13 e.u.a. nos séculos xviii e xix
Aula 13   e.u.a. nos séculos xviii e xixAula 13   e.u.a. nos séculos xviii e xix
Aula 13 e.u.a. nos séculos xviii e xix
Jonatas Carlos
 
Período napoleônico 2º C
Período napoleônico 2º CPeríodo napoleônico 2º C
Período napoleônico 2º C
Victoria Reis
 
2º ano revolução francesa - parte 2
2º ano   revolução francesa - parte 22º ano   revolução francesa - parte 2
2º ano revolução francesa - parte 2
Daniel Alves Bronstrup
 
3. a geografia dos movimentos revolucionários
3. a geografia dos movimentos revolucionários3. a geografia dos movimentos revolucionários
3. a geografia dos movimentos revolucionários
cattonia
 
Aula 14 américa espanhola
Aula 14   américa espanholaAula 14   américa espanhola
Aula 14 américa espanhola
Jonatas Carlos
 

Mais procurados (19)

Revolução Francesa e Governo Napoleônico
Revolução Francesa e Governo NapoleônicoRevolução Francesa e Governo Napoleônico
Revolução Francesa e Governo Napoleônico
 
O império napoleônico
O império napoleônicoO império napoleônico
O império napoleônico
 
Revolução Francesa e Império Napoleônico
Revolução Francesa e Império NapoleônicoRevolução Francesa e Império Napoleônico
Revolução Francesa e Império Napoleônico
 
Revolução francesa e Era Napoleônica
Revolução francesa e Era NapoleônicaRevolução francesa e Era Napoleônica
Revolução francesa e Era Napoleônica
 
O período napoleônico (1799 1815)
O período napoleônico (1799 1815)O período napoleônico (1799 1815)
O período napoleônico (1799 1815)
 
Congresso de viena, santa aliança e revoluções de 1820
Congresso de viena, santa aliança e revoluções de 1820Congresso de viena, santa aliança e revoluções de 1820
Congresso de viena, santa aliança e revoluções de 1820
 
5 02 a revolução francesa_blogue
5 02 a revolução francesa_blogue5 02 a revolução francesa_blogue
5 02 a revolução francesa_blogue
 
Trabalho de História
Trabalho de HistóriaTrabalho de História
Trabalho de História
 
As fases da revolução
As fases da revoluçãoAs fases da revolução
As fases da revolução
 
11 ha m4 u4 3
11 ha m4 u4 311 ha m4 u4 3
11 ha m4 u4 3
 
RevoluçõEs Liberais
RevoluçõEs LiberaisRevoluçõEs Liberais
RevoluçõEs Liberais
 
Trabalho De HistóRia
Trabalho De HistóRiaTrabalho De HistóRia
Trabalho De HistóRia
 
Era napoleónica
Era napoleónicaEra napoleónica
Era napoleónica
 
Aula 17 1ª guerra mundial e rev. russa
Aula 17   1ª guerra mundial e rev. russaAula 17   1ª guerra mundial e rev. russa
Aula 17 1ª guerra mundial e rev. russa
 
Aula 13 e.u.a. nos séculos xviii e xix
Aula 13   e.u.a. nos séculos xviii e xixAula 13   e.u.a. nos séculos xviii e xix
Aula 13 e.u.a. nos séculos xviii e xix
 
Período napoleônico 2º C
Período napoleônico 2º CPeríodo napoleônico 2º C
Período napoleônico 2º C
 
2º ano revolução francesa - parte 2
2º ano   revolução francesa - parte 22º ano   revolução francesa - parte 2
2º ano revolução francesa - parte 2
 
3. a geografia dos movimentos revolucionários
3. a geografia dos movimentos revolucionários3. a geografia dos movimentos revolucionários
3. a geografia dos movimentos revolucionários
 
Aula 14 américa espanhola
Aula 14   américa espanholaAula 14   américa espanhola
Aula 14 américa espanhola
 

Destaque

Revolucão Industrial
Revolucão IndustrialRevolucão Industrial
Revolucão Industrial
sucupira1
 
A+formação+das+almas
A+formação+das+almasA+formação+das+almas
A+formação+das+almas
Wesley Mendes de Carvalho
 
Trabalho de História
Trabalho de HistóriaTrabalho de História
Trabalho de História
juracyferra
 
Abolição & Imigração
Abolição & ImigraçãoAbolição & Imigração
Abolição & Imigração
Kelly Delfino
 
Os Estados Unidos no século XIX e A América Latina
Os Estados Unidos no século XIX e A América Latina Os Estados Unidos no século XIX e A América Latina
Os Estados Unidos no século XIX e A América Latina
Isaquel Silva
 
História linha de produção 2º médio
História linha de produção 2º médioHistória linha de produção 2º médio
História linha de produção 2º médio
Gilberto Pires
 
Estados Unidos Século XIX
Estados Unidos Século XIXEstados Unidos Século XIX
Estados Unidos Século XIX
brenosassarao
 
A guerra-de-secessão-
A guerra-de-secessão-A guerra-de-secessão-
A guerra-de-secessão-
Rebeca Santos
 
Socialismo e comunismo
Socialismo e comunismo  Socialismo e comunismo
Socialismo e comunismo
Gustavo de Melo
 
Os Estados Unidos e a América Latina no século XIX
Os Estados Unidos e a América Latina no século XIXOs Estados Unidos e a América Latina no século XIX
Os Estados Unidos e a América Latina no século XIX
Edenilson Morais
 
E.U.A no século XIX.
E.U.A no século XIX.E.U.A no século XIX.
E.U.A no século XIX.
Privada
 
Guerra de secessão
Guerra de secessãoGuerra de secessão
Guerra de secessão
turmac11
 
Anarquismo,comunismo e socialismo
Anarquismo,comunismo e socialismo Anarquismo,comunismo e socialismo
Anarquismo,comunismo e socialismo
Michele Macedo
 
Trabalho revolução francesa
Trabalho revolução francesaTrabalho revolução francesa
Trabalho revolução francesa
bbrunasantana
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
edna2
 
Slides revolução industrial
Slides revolução industrialSlides revolução industrial
Slides revolução industrial
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Abolição e República
Abolição e RepúblicaAbolição e República
Abolição e República
Gabriel Caseiro
 

Destaque (17)

Revolucão Industrial
Revolucão IndustrialRevolucão Industrial
Revolucão Industrial
 
A+formação+das+almas
A+formação+das+almasA+formação+das+almas
A+formação+das+almas
 
Trabalho de História
Trabalho de HistóriaTrabalho de História
Trabalho de História
 
Abolição & Imigração
Abolição & ImigraçãoAbolição & Imigração
Abolição & Imigração
 
Os Estados Unidos no século XIX e A América Latina
Os Estados Unidos no século XIX e A América Latina Os Estados Unidos no século XIX e A América Latina
Os Estados Unidos no século XIX e A América Latina
 
História linha de produção 2º médio
História linha de produção 2º médioHistória linha de produção 2º médio
História linha de produção 2º médio
 
Estados Unidos Século XIX
Estados Unidos Século XIXEstados Unidos Século XIX
Estados Unidos Século XIX
 
A guerra-de-secessão-
A guerra-de-secessão-A guerra-de-secessão-
A guerra-de-secessão-
 
Socialismo e comunismo
Socialismo e comunismo  Socialismo e comunismo
Socialismo e comunismo
 
Os Estados Unidos e a América Latina no século XIX
Os Estados Unidos e a América Latina no século XIXOs Estados Unidos e a América Latina no século XIX
Os Estados Unidos e a América Latina no século XIX
 
E.U.A no século XIX.
E.U.A no século XIX.E.U.A no século XIX.
E.U.A no século XIX.
 
Guerra de secessão
Guerra de secessãoGuerra de secessão
Guerra de secessão
 
Anarquismo,comunismo e socialismo
Anarquismo,comunismo e socialismo Anarquismo,comunismo e socialismo
Anarquismo,comunismo e socialismo
 
Trabalho revolução francesa
Trabalho revolução francesaTrabalho revolução francesa
Trabalho revolução francesa
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
Slides revolução industrial
Slides revolução industrialSlides revolução industrial
Slides revolução industrial
 
Abolição e República
Abolição e RepúblicaAbolição e República
Abolição e República
 

Semelhante a www.AulasEnsinoMedio.com.br - História - Império Napoleônico

2º ano capítulo 2 a era napoleonica e seus desdobramentos(1)
2º ano capítulo 2 a era napoleonica e seus desdobramentos(1)2º ano capítulo 2 a era napoleonica e seus desdobramentos(1)
2º ano capítulo 2 a era napoleonica e seus desdobramentos(1)
Gustavo Cuin
 
2º ano capítulo 2 a era napoleonica e seus desdobramentos
2º ano capítulo 2 a era napoleonica e seus desdobramentos2º ano capítulo 2 a era napoleonica e seus desdobramentos
2º ano capítulo 2 a era napoleonica e seus desdobramentos
Gustavo Cuin
 
Periodo napoleonico
Periodo napoleonicoPeriodo napoleonico
Periodo napoleonico
profabiorodrigues
 
Era napoleônica primavera dos povos
Era napoleônica   primavera dos povosEra napoleônica   primavera dos povos
Era napoleônica primavera dos povos
Osmar Oliver
 
Revolução francesa 8° b
Revolução francesa 8° bRevolução francesa 8° b
Revolução francesa 8° b
alunoitv
 
A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A revolução francesa
ceufaias
 
Era napoleonica
Era napoleonicaEra napoleonica
Era napoleonica
Isabel Aguiar
 
Revolução Francesa e Governo Napoleônico
Revolução Francesa e Governo NapoleônicoRevolução Francesa e Governo Napoleônico
Revolução Francesa e Governo Napoleônico
alunoitv
 
A era napoleônica
A era napoleônica A era napoleônica
A era napoleônica
Jalbert Jr
 
A era napoleônica finalizado
A era napoleônica finalizadoA era napoleônica finalizado
A era napoleônica finalizado
Jalbert Jr
 
Questões sobre a rev francesa
Questões sobre a rev francesaQuestões sobre a rev francesa
Questões sobre a rev francesa
Funvic - Fundação de Ensino de Mococa
 
A era napolionica
A era napolionicaA era napolionica
A era napolionica
Kauanna Rodrigues
 
Era napoleônica
Era napoleônica Era napoleônica
Era napoleônica
Carlos Zaranza
 
A era napoleônica
A era napoleônicaA era napoleônica
A era napoleônica
Carlos Zaranza
 
História 2º ano 3º
História   2º ano 3ºHistória   2º ano 3º
História 2º ano 3º
dinicmax
 
Revolução Francesa.pdf
Revolução Francesa.pdfRevolução Francesa.pdf
Revolução Francesa.pdf
RAFAELASCARI1
 
Revolucao francesa
Revolucao francesaRevolucao francesa
Revolucao francesa
Ariel Prado
 
Power Point de História - 8ºA - Nayara Hadad e Pedro Lima
Power Point de História - 8ºA - Nayara Hadad e Pedro LimaPower Point de História - 8ºA - Nayara Hadad e Pedro Lima
Power Point de História - 8ºA - Nayara Hadad e Pedro Lima
alunoitv
 
Idade contemporânea revolução francesa e napoleão
Idade contemporânea   revolução francesa e napoleão Idade contemporânea   revolução francesa e napoleão
Idade contemporânea revolução francesa e napoleão
Wendell Leonardo .
 
Período napoleônico
Período napoleônicoPeríodo napoleônico
Período napoleônico
Acrópole - História & Educação
 

Semelhante a www.AulasEnsinoMedio.com.br - História - Império Napoleônico (20)

2º ano capítulo 2 a era napoleonica e seus desdobramentos(1)
2º ano capítulo 2 a era napoleonica e seus desdobramentos(1)2º ano capítulo 2 a era napoleonica e seus desdobramentos(1)
2º ano capítulo 2 a era napoleonica e seus desdobramentos(1)
 
2º ano capítulo 2 a era napoleonica e seus desdobramentos
2º ano capítulo 2 a era napoleonica e seus desdobramentos2º ano capítulo 2 a era napoleonica e seus desdobramentos
2º ano capítulo 2 a era napoleonica e seus desdobramentos
 
Periodo napoleonico
Periodo napoleonicoPeriodo napoleonico
Periodo napoleonico
 
Era napoleônica primavera dos povos
Era napoleônica   primavera dos povosEra napoleônica   primavera dos povos
Era napoleônica primavera dos povos
 
Revolução francesa 8° b
Revolução francesa 8° bRevolução francesa 8° b
Revolução francesa 8° b
 
A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A revolução francesa
 
Era napoleonica
Era napoleonicaEra napoleonica
Era napoleonica
 
Revolução Francesa e Governo Napoleônico
Revolução Francesa e Governo NapoleônicoRevolução Francesa e Governo Napoleônico
Revolução Francesa e Governo Napoleônico
 
A era napoleônica
A era napoleônica A era napoleônica
A era napoleônica
 
A era napoleônica finalizado
A era napoleônica finalizadoA era napoleônica finalizado
A era napoleônica finalizado
 
Questões sobre a rev francesa
Questões sobre a rev francesaQuestões sobre a rev francesa
Questões sobre a rev francesa
 
A era napolionica
A era napolionicaA era napolionica
A era napolionica
 
Era napoleônica
Era napoleônica Era napoleônica
Era napoleônica
 
A era napoleônica
A era napoleônicaA era napoleônica
A era napoleônica
 
História 2º ano 3º
História   2º ano 3ºHistória   2º ano 3º
História 2º ano 3º
 
Revolução Francesa.pdf
Revolução Francesa.pdfRevolução Francesa.pdf
Revolução Francesa.pdf
 
Revolucao francesa
Revolucao francesaRevolucao francesa
Revolucao francesa
 
Power Point de História - 8ºA - Nayara Hadad e Pedro Lima
Power Point de História - 8ºA - Nayara Hadad e Pedro LimaPower Point de História - 8ºA - Nayara Hadad e Pedro Lima
Power Point de História - 8ºA - Nayara Hadad e Pedro Lima
 
Idade contemporânea revolução francesa e napoleão
Idade contemporânea   revolução francesa e napoleão Idade contemporânea   revolução francesa e napoleão
Idade contemporânea revolução francesa e napoleão
 
Período napoleônico
Período napoleônicoPeríodo napoleônico
Período napoleônico
 

Mais de AulasEnsinoMedio

www.AulasEnsinoMedio.com.br- Física - Exercícios Reslvidos de Equilíbrio de u...
www.AulasEnsinoMedio.com.br- Física - Exercícios Reslvidos de Equilíbrio de u...www.AulasEnsinoMedio.com.br- Física - Exercícios Reslvidos de Equilíbrio de u...
www.AulasEnsinoMedio.com.br- Física - Exercícios Reslvidos de Equilíbrio de u...
AulasEnsinoMedio
 
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Física - Lentes Esféricas
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Física - Lentes Esféricaswww.AulasEnsinoMedio.com.br - Física - Lentes Esféricas
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Física - Lentes Esféricas
AulasEnsinoMedio
 
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Física - Exercícios resolvidos de Leis de Newton
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Física - Exercícios resolvidos de Leis de Newtonwww.AulasEnsinoMedio.com.br - Física - Exercícios resolvidos de Leis de Newton
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Física - Exercícios resolvidos de Leis de Newton
AulasEnsinoMedio
 
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Física - Exercício calorimetria
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Física - Exercício calorimetriawww.AulasEnsinoMedio.com.br - Física - Exercício calorimetria
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Física - Exercício calorimetria
AulasEnsinoMedio
 
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Física - Trabalho e Energia Mecânica
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Física -  Trabalho e Energia Mecânicawww.AulasEnsinoMedio.com.br - Física -  Trabalho e Energia Mecânica
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Física - Trabalho e Energia Mecânica
AulasEnsinoMedio
 
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Física - Dinâmica e Movimento
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Física -  Dinâmica e Movimentowww.AulasEnsinoMedio.com.br - Física -  Dinâmica e Movimento
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Física - Dinâmica e Movimento
AulasEnsinoMedio
 
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Física - Colisão
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Física -  Colisãowww.AulasEnsinoMedio.com.br - Física -  Colisão
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Física - Colisão
AulasEnsinoMedio
 
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Biologia – Origem da Vida
www.AulasEnsinoMedio.com.br -  Biologia – Origem da Vidawww.AulasEnsinoMedio.com.br -  Biologia – Origem da Vida
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Biologia – Origem da Vida
AulasEnsinoMedio
 
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Biologia - Genética
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Biologia - Genéticawww.AulasEnsinoMedio.com.br - Biologia - Genética
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Biologia - Genética
AulasEnsinoMedio
 
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Biologia - Evolução
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Biologia -  Evoluçãowww.AulasEnsinoMedio.com.br - Biologia -  Evolução
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Biologia - Evolução
AulasEnsinoMedio
 
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Biologia - Teia Alimentar e Cadeia Alimentar
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Biologia -  Teia Alimentar e Cadeia Alimentarwww.AulasEnsinoMedio.com.br - Biologia -  Teia Alimentar e Cadeia Alimentar
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Biologia - Teia Alimentar e Cadeia Alimentar
AulasEnsinoMedio
 
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Química - Química Orgânica
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Química -  Química Orgânicawww.AulasEnsinoMedio.com.br - Química -  Química Orgânica
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Química - Química Orgânica
AulasEnsinoMedio
 
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Química - Cálculo Estequimétrico (Parte 1)
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Química -  Cálculo Estequimétrico (Parte 1)www.AulasEnsinoMedio.com.br - Química -  Cálculo Estequimétrico (Parte 1)
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Química - Cálculo Estequimétrico (Parte 1)
AulasEnsinoMedio
 
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Português - Sujeito e Vozes do Verbo
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Português -  Sujeito e Vozes do Verbowww.AulasEnsinoMedio.com.br - Português -  Sujeito e Vozes do Verbo
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Português - Sujeito e Vozes do Verbo
AulasEnsinoMedio
 
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Português - Novo Acordo Ortográfico
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Português -  Novo Acordo Ortográficowww.AulasEnsinoMedio.com.br - Português -  Novo Acordo Ortográfico
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Português - Novo Acordo Ortográfico
AulasEnsinoMedio
 
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Português - Contos e Crônicas
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Português -  Contos e Crônicaswww.AulasEnsinoMedio.com.br - Português -  Contos e Crônicas
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Português - Contos e Crônicas
AulasEnsinoMedio
 
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Matemática - Probabilidade
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Matemática -  Probabilidadewww.AulasEnsinoMedio.com.br - Matemática -  Probabilidade
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Matemática - Probabilidade
AulasEnsinoMedio
 
Ciclo trigonométrico e razões trigonométricas
Ciclo trigonométrico e razões trigonométricasCiclo trigonométrico e razões trigonométricas
Ciclo trigonométrico e razões trigonométricas
AulasEnsinoMedio
 
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Matemática - Prismas e Cilindros
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Matemática -  Prismas e Cilindroswww.AulasEnsinoMedio.com.br - Matemática -  Prismas e Cilindros
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Matemática - Prismas e Cilindros
AulasEnsinoMedio
 
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Matemática - Números Complexos
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Matemática -  Números Complexoswww.AulasEnsinoMedio.com.br - Matemática -  Números Complexos
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Matemática - Números Complexos
AulasEnsinoMedio
 

Mais de AulasEnsinoMedio (20)

www.AulasEnsinoMedio.com.br- Física - Exercícios Reslvidos de Equilíbrio de u...
www.AulasEnsinoMedio.com.br- Física - Exercícios Reslvidos de Equilíbrio de u...www.AulasEnsinoMedio.com.br- Física - Exercícios Reslvidos de Equilíbrio de u...
www.AulasEnsinoMedio.com.br- Física - Exercícios Reslvidos de Equilíbrio de u...
 
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Física - Lentes Esféricas
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Física - Lentes Esféricaswww.AulasEnsinoMedio.com.br - Física - Lentes Esféricas
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Física - Lentes Esféricas
 
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Física - Exercícios resolvidos de Leis de Newton
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Física - Exercícios resolvidos de Leis de Newtonwww.AulasEnsinoMedio.com.br - Física - Exercícios resolvidos de Leis de Newton
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Física - Exercícios resolvidos de Leis de Newton
 
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Física - Exercício calorimetria
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Física - Exercício calorimetriawww.AulasEnsinoMedio.com.br - Física - Exercício calorimetria
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Física - Exercício calorimetria
 
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Física - Trabalho e Energia Mecânica
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Física -  Trabalho e Energia Mecânicawww.AulasEnsinoMedio.com.br - Física -  Trabalho e Energia Mecânica
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Física - Trabalho e Energia Mecânica
 
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Física - Dinâmica e Movimento
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Física -  Dinâmica e Movimentowww.AulasEnsinoMedio.com.br - Física -  Dinâmica e Movimento
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Física - Dinâmica e Movimento
 
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Física - Colisão
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Física -  Colisãowww.AulasEnsinoMedio.com.br - Física -  Colisão
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Física - Colisão
 
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Biologia – Origem da Vida
www.AulasEnsinoMedio.com.br -  Biologia – Origem da Vidawww.AulasEnsinoMedio.com.br -  Biologia – Origem da Vida
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Biologia – Origem da Vida
 
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Biologia - Genética
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Biologia - Genéticawww.AulasEnsinoMedio.com.br - Biologia - Genética
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Biologia - Genética
 
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Biologia - Evolução
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Biologia -  Evoluçãowww.AulasEnsinoMedio.com.br - Biologia -  Evolução
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Biologia - Evolução
 
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Biologia - Teia Alimentar e Cadeia Alimentar
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Biologia -  Teia Alimentar e Cadeia Alimentarwww.AulasEnsinoMedio.com.br - Biologia -  Teia Alimentar e Cadeia Alimentar
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Biologia - Teia Alimentar e Cadeia Alimentar
 
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Química - Química Orgânica
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Química -  Química Orgânicawww.AulasEnsinoMedio.com.br - Química -  Química Orgânica
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Química - Química Orgânica
 
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Química - Cálculo Estequimétrico (Parte 1)
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Química -  Cálculo Estequimétrico (Parte 1)www.AulasEnsinoMedio.com.br - Química -  Cálculo Estequimétrico (Parte 1)
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Química - Cálculo Estequimétrico (Parte 1)
 
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Português - Sujeito e Vozes do Verbo
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Português -  Sujeito e Vozes do Verbowww.AulasEnsinoMedio.com.br - Português -  Sujeito e Vozes do Verbo
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Português - Sujeito e Vozes do Verbo
 
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Português - Novo Acordo Ortográfico
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Português -  Novo Acordo Ortográficowww.AulasEnsinoMedio.com.br - Português -  Novo Acordo Ortográfico
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Português - Novo Acordo Ortográfico
 
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Português - Contos e Crônicas
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Português -  Contos e Crônicaswww.AulasEnsinoMedio.com.br - Português -  Contos e Crônicas
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Português - Contos e Crônicas
 
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Matemática - Probabilidade
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Matemática -  Probabilidadewww.AulasEnsinoMedio.com.br - Matemática -  Probabilidade
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Matemática - Probabilidade
 
Ciclo trigonométrico e razões trigonométricas
Ciclo trigonométrico e razões trigonométricasCiclo trigonométrico e razões trigonométricas
Ciclo trigonométrico e razões trigonométricas
 
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Matemática - Prismas e Cilindros
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Matemática -  Prismas e Cilindroswww.AulasEnsinoMedio.com.br - Matemática -  Prismas e Cilindros
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Matemática - Prismas e Cilindros
 
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Matemática - Números Complexos
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Matemática -  Números Complexoswww.AulasEnsinoMedio.com.br - Matemática -  Números Complexos
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Matemática - Números Complexos
 

Último

Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
ElinarioCosta
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
samucajaime015
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
MarceloMonteiro213738
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 

Último (20)

Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 

www.AulasEnsinoMedio.com.br - História - Império Napoleônico

  • 1.
  • 3. Napoleão foi um general do exército francês que se destacou na campanha da Itália, em 1796 durante a fase do Diretório. Ele impôs aos italianos pesados impostos que salvaram o governo francês da falência. Participou junto ao Diretório do Golpe do 18 Brumário em 1799 pelo qual chegou ao poder na França e permaneceu até 1815.
  • 4. Golpe 18 Brumário ⇒ No fim do período do Diretório e início do Consulado. A França passava por um momento de crise financeira e política. Era um momento de muita instabilidade. De um lado os radicais jacobinos desejavam retornar ao poder, de outro nações da Coligação (Inglaterra, Prússia, Holanda, Sardenha, Rússia) queriam pôr fim à Revolução na França. A burguesia e os políticos do Diretório identificaram em Napoleão a personalidade ideal para consolidar o novo Regime e pôr fim a crise generalizada. Estes grupos dão o golpe e Napoleão tornou-se Cônsul francês. Ele unia nacionalismo, glórias militares e o ideal de “igualdade”, itens que os franceses de maneira geral queriam para o novo Estado francês.
  • 5. A ascensão de Napoleão assegurou à burguesia a estabilidade política e pôs fim aos distúrbios provocados pela “esquerda” igualitária e pela reação monarquista sua personalidade gerou a confiança dos franceses e em 1802 obteve o consentimento popular num plebiscito para tornar vitalício o cargo de Primeiro Cônsul. Em 1804 outro plebiscito deu-lhe permissão para transformar o Consulado em Império. Aos poucos Napoleão, através da confiança popular, ia mostrando suas intenções imperialistas e ditatoriais.
  • 6. Golpe 18 Brumário Burguesia e políticos do Diretório Fim da crise generalizada Conquista confiança dos franceses Transforma o Consulado em Império
  • 7. Na Catedral de Notre Dame, o militar nascido na Córsega colocou uma coroa na própria cabeça e assumiu o título de Napoleão I, Imperador dos Franceses.
  • 9. POLÍTICA INTERNA Código Civil Napoleônico Atendeu às perspectivas burguesas: • autoridade do patrão sobre o empregado. • garantiu a liberdade individual, a igualdade de todos perante a lei e o direito à propriedade. • proibiu a organização de sindicatos operários, prevendo severas punições para os grevistas.
  • 10. Concordata de 1801 Foi um acordo entre governo francês e o papa Pio VI, que estabelecia a nomeação de bispos pelo Consulado e a liberdade de culto, reconhecendo o catolicismo como a religião da maioria dos franceses, embora o Estado se declarasse laico Educação Reorganização do ensino com a implantação de escolas primárias, secundárias e superiores, sob o controle do Estado Economia Criação da sociedade de Fomento à Indústria, para incentivar o desenvolvimento da indústria francesa numa tentativa de equipará-la à indústria inglesa.
  • 11. Código civil napoleônico Código civil napoleônico Atendeu às perspectivas burguesas Atendeu às perspectivas burguesas Liberdade individual; igualdade perante à lei; direito à propriedade; proibiu os sindicatos; punição aos grevistas. Liberdade individual; igualdade perante à lei; direito à propriedade; proibiu os sindicatos; punição aos grevistas. Política internaPolítica interna
  • 12. POLÍTICA EXTERNA Guerras Napoleônicas Inúmeras guerras foram travadas neste período para consolidar na Europa o Império francês: • Conflito França/Espanha contra a Terceira coligação (Inglaterra, Rússia, Áustria e Suécia). A Terceira Coligação foi derrotada provocando seu fim e a ruína da Áustria que foi obrigada a ceder à França a região de Veneza. • A expansão napoleônica prosseguiu em 1806, quando Bonaparte recebeu o apoio de 16 príncipes alemães, criando a Confederação do Reno, que destruiu o Sacro Império Romano-Germânico.
  • 13. Bloqueio Continental O bloqueio proibiu a introdução de produtos britânicos no continente. O governo imperial acreditava que a eliminação de seu maior concorrente daria à França o predomínio nos mercados europeus. Se o Bloqueio Continental abalou a economia britânica, também submeteu a hegemonia francesa no continente a forte desgaste. A Inglaterra tentando garantir mercado na Península Ibérica fez acordo com Portugal e tentava se aproximar da Espanha. Napoleão invadiu-a colocando seu irmão José Bonaparte no trono espanhola. O avanço das tropas francesas para Portugal fez a família real com o apoio inglês, evadir-se para sua colônia sul-americana. Isso causou desgaste à imagem de Napoleão, fora e dentro da França. Na maioria dos países aliados aos franceses, a base da economia era a agricultura, portanto dependentes de exportar suas matéria prima aos ingleses. Por estes motivos o Bloqueio começou a perder força.
  • 14. Política externa Guerras napoleônicas Bloqueio Continental Proibiu produtos ingleses na Europa continental Inglaterra tentou garantir mercado fazendo acordo com Portugal Consolidar o império francês
  • 15. REAÇÃO DOS FRANCESES Nos últimos anos do governo imperial, boa parte da sociedade francesa passou a temer os rumos do excessivo autoritarismo de Napoleão. Suas iniciativas seguiam caminhos contrários aos ideais da revolução e mesmo da fase inicial do seu governo. O Império havia se tornado uma imitação do Antigo Regime. O estadista que reorganizou a administração e criou o Código Napoleônico viu-se obrigado a desperdiçar recursos financeiros e homens para sustentar suas ideias expansionistas. (...) Bonaparte praticou uma traição (...). Se ele houvesse exercido seus poderes honestamente para estabelecer e fortalecer um governo livre em seu país, a França gozaria agora da liberdade e tendo seu exemplo atuado diretamente, cada nação da Europa se beneficiaria de um regime sobre o qual a vontade do povo exerceria um certo controle. Austin – 1816.
  • 16. REAÇÃO EXTERNA Aproveitando-se da crise, a Grã-Bretanha, a Áustria, a Prússia, a Rússia e a Suécia, potências hostis a Napoleão, organizaram uma coligação que venceu a França em 1813, na batalha de Leipzig. A ruína definitiva de Napoleão veio após a batalha de Waterloo, na Bélgica (1815), quando o exército coligado de ingleses e prussianos venceu as tropas imperiais. Napoleão voltou a Paris e abdicou do cargo de Imperador.
  • 17. CONGRESSO DE VIENA, A REAÇÃO CONSERVADORA O Congresso de Viena foi organizado logo após a derrocada de Napoleão pelas grandes potências européias da época: Grã-Bretanha, França, Prússia, Rússia e Áustria-Hungria. Em Viena redigiram um tratado de paz e redesenharam o mapa do Continente, em proveito das potências vencedoras. Os congressistas sentiam-se responsáveis pela implantação da ordem na Europa. Na verdade precisavam restabelecer a velha ordem e apagar com as conquistas da Revolução Francesa. Embora alguns estadistas tivessem a consciência de que não poderiam reimplantar o Antigo Regime. Para isso seria necessário contornar alguns setores da sociedade, principalmente a burguesia. No entanto, a luta contra os efeitos da Revolução resultaram num pacto de ajuda mútua entre os congressistas, com exceção da Grã-Bretanha. Este grupo foi chamado de Santa Aliança. Outro aspecto importante do Congresso de Viena foi a restauração monárquica. Na França, por exemplo, a coroa foi entregue a Luís XVIII.
  • 18. O Congresso de Viena foi orientado pelo princípio da legitimidade e pelo ideal de equilíbrio europeu. O Princípio da legitimidade determinava que as antigas dinastias reinantes no período pré-revolucionário deveriam se restauradas, recebendo de volta os territórios que possuíam em 1789. A ideia de equilíbrio europeu propunha a redistribuição territorial entre as potências vencedoras. O Congresso colocou a ordem acima da liberdade, dando prioridade aos interesses dos grupos e, principalmente, do Estado em detrimento ao indivíduo. O espírito conservador do Congresso contribuiu para o desenvolvimento de uma política agressiva contra o que havia sido conquistado com a Revolução. Assim como Napoleão passou a ser questionado ao ignorar as conquistas revolucionárias, o legado do Congresso de Viena também seria questionado nas revoluções de 1820, 1830 e 1848.
  • 19. Congresso de Viena Princípio de legitimidade e equilíbrio europeu Antigas dinastias deveriam ser restauradas Redigiram um tratado de paz e redesenharam o mapa europeu Apagar as conquistas revolucionárias Santa Aliança
  • 20. Questão 1- (PUC/MG) - A era Napoleônica de 1799 a 1815, permitiu que muitas das conquistas sociais e políticas da Revolução Francesa fossem difundidas em outros países europeus. O Código Civil Napoleônico, promulgado em 1804, inspirado no Direito Romano, garantia as seguintes conquistas burguesas, exceto: a) Igualdade dos indivíduos perante a lei. b) Proibição de organização de sindicatos de trabalhadores. c) Direito de propriedade assegurado aos cidadãos. d) Manutenção do direito de greve para as classes trabalhadoras. e) Restabelecimento da escravidão nas colônias. EXERCÍCIO
  • 21. a) Igualdade dos indivíduos perante a lei. b) Proibição de organização de sindicatos de trabalhadores. c) Direito de propriedade assegurado aos cidadãos. d) Manutenção do direito de greve para as classes trabalhadoras. e) Restabelecimento da escravidão nas colônias RESOLUÇÃO:
  • 22. Questão 2 - (Mackenzie) - O Bloqueio Continental, ao invés de contribuir para o fortalecimento da posição de Napoleão Bonaparte, colaborou para o seu declínio, Isto porque: a) Ao restaurar a união entre Estado e a Igreja Católica, esta passou a ocupar uma posição nitidamente vantajosa, que a capacitou a aumentar o seu poder nos anos seguintes. b) Napoleão não conseguiu eliminar a Terceira Coligação composta pela Inglaterra, Áustria, Suécia, e Rússia, apesar do acordo firmado com o czar Alexandre I, com o objetivo de ajuda mútua entre a França e a Rússia.
  • 23. c) Patenteou-se a impossibilidade de forçar a exclusão dos produtos britânicos do continente, uma vez que a maioria dos países dominados pela França eram nações agrícolas que insistiam na troca de seus produtos pelas mercadorias manufaturadas inglesas. d) Apesar de o Bloqueio ser proposto como uma política de reconciliação, na realidade visava garantir somente a segurança dos franceses, o que ocasionou a formação de revolta espanhola, devido aos problemas econômicos que se acumulavam neste país. e) Devido ao Bloqueio, a Prússia viu-se subtraída de metade de seu território e obrigada a pagar grande indenização, e isto levou-a a unir-se à Áustria e à Inglaterra na Guerra de Libertação
  • 24. RESOLUÇÃO: a) Ao restaurar a união entre Estado e a Igreja Católica, esta passou a ocupar uma posição nitidamente vantajosa, que a capacitou a aumentar o seu poder nos anos seguintes. b) Napoleão não conseguiu eliminar a Terceira Coligação composta pela Inglaterra, Áustria, Suécia, e Rússia, apesar do acordo firmado com o czar Alexandre I, com o objetivo de ajuda mútua entre a França e a Rússia.
  • 25. c) Patenteou-se a impossibilidade de forçar a exclusão dos produtos britânicos do continente, uma vez que a maioria dos países dominados pela França eram nações agrícolas que insistiam na troca de seus produtos pelas mercadorias manufaturadas inglesas. d) Apesar de o Bloqueio ser proposto como uma política de reconciliação, na realidade visava garantir somente a segurança dos franceses, o que ocasionou a formação de revolta espanhola, devido aos problemas econômicos que se acumulavam neste país. e) Devido ao Bloqueio, a Prússia viu-se subtraída de metade de seu território e obrigada a pagar grande indenização, e isto levou-a a unir-se à Áustria e à Inglaterra na Guerra de Libertação
  • 26. Questão 3 - (UGF) - O período napoleônico (1799 – 1814) transformou as estruturas da Europa através da atuação político, militar e econômica da França pós- revolucionaria em suas relações com o restante das sociedades européias, no inicio do século XIX. Em seu conjunto, o período napoleônico marcou o (a): • Retorno da nobreza fundiária e provincial ao poder político na França estamental. • Apogeu das estruturas políticas absolutas do Antigo Regime, expressas com a confirmação de Napoleão como Imperador dos franceses. • Fim dos avanços no processo de construção da cidadania e dos Direitos do Homem, definidos pelos jacobinos durante a Revolução Francesa. • União política e institucional entre o clero e o Império como fundamento do Estado clerical francês estabelecido nesse período. • Expansão e a consolidação do ideário liberal burguês através das intervenções napoleônicas em diversos Estado monárquicos da Europa.
  • 27. a) Retorno da nobreza fundiária e provincial ao poder político na França estamental. b) Apogeu das estruturas políticas absolutas do Antigo Regime, expressas com a confirmação de Napoleão como Imperador dos franceses. c) Fim dos avanços no processo de construção da cidadania e dos Direitos do Homem, definidos pelos jacobinos durante a Revolução Francesa. d) União política e institucional entre o clero e o Império como fundamento do Estado clerical francês estabelecido nesse período. e) Expansão e a consolidação do ideário liberal burguês através das intervenções napoleônicas em diversos Estado monárquicos da Europa. RESOLUÇÃO:
  • 28. Questão 4 - (UFMG) - A ideia básica do Congresso de Viena (1814/1815) – o principio da legitimidade – estabelecia que: a) As monarquias absolutistas seriam substituídas por governos liberais. b)Os princípios feudais da nobreza precisariam ser eliminados segundo a filosofia da Revolução Francesa. c) As nações orientariam sua política econômica de acordo com os postulados do mercantilismo. d) As dinastias reinantes antes da Revolução de 1789 deveriam ser restauradas. e) Os princípios políticos das monarquias constitucionais basear-se-iam no liberalismo.
  • 29. a) As monarquias absolutistas seriam substituídas por governos liberais. b) Os princípios feudais da nobreza precisariam ser eliminados segundo a filosofia da Revolução Francesa. c) As nações orientariam sua política econômica de acordo com os postulados do mercantilismo. d) As dinastias reinantes antes da Revolução de 1789 deveriam ser restauradas. e) Os princípios políticos das monarquias constitucionais basear-se-iam no liberalismo. RESOLUÇÃO:
  • 30. PAZZINATO, Alceu L.; SENISE, Maria Helena V. O Império Napoleônico. In. “História Moderna e Contemporânea”. 14ª.ed. Editora Ática, São Paulo: 2006 MOTA, Myriam Becho; BRAICK, Patrícia Ramos. Napoleão: Mito ou realidade?; A política do equilíbrio multipolar. In.: História das Cavernas ao Terceiro Milênio. 1ª. Ed. Editora Moderna, São Paulo: 2000. BIBLIOGRAFIA