SlideShare uma empresa Scribd logo
1
Aula 14
A América Espanhola.
Nesta aula, trataremos da colonização espanhola na América, do
processo de independência e da formação dos Estados Nacionais.
Colonização espanhola na América.
A conquista espanhola data de 1519, quando Hernan Cortez
conquistou o Império Asteca (México). No ano de 1531, foi a vez de
Francisco Pizarro conquistar o Império Inca (Peru). O processo de
conquista foi extremamente violento, contribuindo para a dizimação das
populações nativas. O uso da violência deveu-se à ânsia da descoberta
dos metais preciosos e da vontade de escravizar os nativos da América.
Após a conquista dos territórios, a Espanha iniciou a organização
de seu imenso Império Colonial na América, através da imposição de
estruturas políticas, econômicas e administrativas que atendessem o seu
interesse mercantilista, qual seja, a acumulação de capitais.
ESTRUTURAS SOCIAIS, ECONÔMICAS E ADMINISTRATIVAS.
Organização político-administrativa-
Divisão da área colonial em quatro vice-reinados ( Nova Espanha,
Nova Granada, Peru e Prata ) e quatro capitanias-gerais ( Cuba,
Guatemala, Venezuela e Chile ).
O Conselho das Índias, ligado diretamente ao rei, ficava
encarregado da administração geral das colônias e a Casa de
Contratação era encarregada da fiscalização, da regulamentação do
comércio e da cobrança dos tributos.
O poder local era exercido através dos Cabildos, as Câmaras
Municipais. A administração espanhola era bastante descentralizada,
estando cada unidade colonial subordinada diretamente à metrópole.
2
Organização da economia colonial-
Como se sabe, o sentido da colonização era, através da
exploração, obter produtos valiosos que pudessem auxiliar os Estados
europeus na acumulação de capitais, ficando a área colonial obrigada a
comprar os excedentes produzidos na Europa. Desta forma, a atividade
econômica principal foi a mineração ( ouro e prata ). A grande
quantidade de ouro e prata, retirada da América e enviada para a
Europa, comprometeu o desenvolvimento industrial da Espanha e gerou
uma enorme inflação na Europa, processo conhecido como a "revolução
dos preços", em virtude da desvalorização da moeda e pelo aumento
geral dos preços.
O comércio dos metais preciosos era controlado pela Casa de
Contratação, que adotou o sistema de porto único - todo metal precioso
deveria ser enviado para Sevilha.
O trabalho adotado nas minas foi o trabalho compulsório dos
indígenas, sob a forma da encomienda: o colono tinha o direito de
explorar o trabalho indígena, em troca de sua cristianização. Havia
também uma outra forma de exploração do nativo, exercida pela
Metrópole, que realizava o recrutamento em massa do indígena,
obrigando-o a realizar obras públicas, era o repartimiento. Esta
exploração era semelhante a Mita, uma forma de trabalho compulsória
que existia na época pré-colombiana.
Organização social-
A sociedade colonial na América Hispânica estava assim
estruturada: os chapetones, espanhóis que vinham para a colônia e
ocupavam os cargos burocráticos e administrativos; os crillos,
constituída por espanhóis nascidos na América. Eram os grandes
proprietários de terras e escravos, formavam a elite econômica, muito
embora ficassem excluídos das funções políticas; os mestiços,
resultado da miscigenação do branco com o índio e os escravos
negros.
Independência da América espanhola.
3
A CRISE DO IMPÉRIO COLONIAL ESPANHOL.
O processo de independência das colônias espanholas está
relacionado ao desenvolvimento das idéias liberais no século XVIII, tais
como o Iluminismo, a Independência dos Estados Unidos, a Revolução
Industrial e a Revolução Francesa.
No final do século XVIII e início do século XIX, a Espanha já não é
mais uma grande potência européia. Tanto a Inglaterra como a França,
passaram a ter acessos às áreas coloniais da Espanha.
Em 1713, a Inglaterra passa a ter o direito sobre o asiento, ou
seja, sobre o fornecimento de escravos para as colônias) e o chamado
permisso, quer dizer, comércio direto com as colônias. No ano de 1797,
com o decreto da abertura dos portos, as colônias espanholas passaram
a manter relações comercias diretamente com as nações amigas da
Espanha. No ano de 1799, o governo procurou anular o decreto,
provocando uma forte reação colonial.
O PROCESSO DA INDEPENDÊNCIA.
O processo da independência da América Hispânica está
diretamente relacionado com a deposição de Fernando VII em 1808,
quando as tropas francesas ocuparam a Espanha. Napoleão Bonaparte
nomeia seu irmão, José Bonaparte, como o novo rei da Espanha,
desencadeando uma forte reação nas colônias, que passaram a formar
as Juntas Governativas - com caráter separatistas e lideradas pelos
criollos.
ETAPAS
Antes dos movimentos separatistas ocorreram revoltas coloniais
contra o domínio espanhol, destacando-se a revolta dos índios do Peru,
liderados por Tupac Amaru.
Entre os precursores da independência das colônias hispânicas,
destaque para Francisco Miranda, que planejou a independência da
Venezuela, movimento que fracassou.
O movimento emancipacionista contou com a liderança dos
chamados "libertadores da América" - Simón Bolívar, José de San
Martin, José Sucre, Bernardo O'Higgins, Augustin Itúrbide, Miguel
Hidalgo e José Artigas.
4
A primeira tentativa de emancipação ocorreu no México, em 1810,
sob a liderança do padre Miguel Hidalgo. No ano de 1821, o General
Augustin Itúrbide proclama a independência do México.
A partir de 1823, e seguindo e exemplo mexicano, foi a vez das
colônias da América Central proclamarem a independência, surgindo as
Províncias Unidas da América Central, que fragmentou-se em diversas
Repúblicas: Costa Rica, Honduras, El Salvador, Guatemala e Nicarágua.
Cuba e São Domingos só tiveram a independência no final do século
XIX.
No ano de 1818, sob a liderança de Símon Bolívar surge a Grã-
Colombia, que em 1830 se separam, formando a Colômbia e a
Venezuela. Em 1822 é proclamada a independência do Equador ( Sucre
e Bolívar).
Bernardo O'Higgins liberta o Chile, com a ajuda de San Martín, no
ano de 1817; San Martin e Bolívar libertam o Peru em 1821; em 1825
foia vez da Bolívia, sob o comando de Sucre.
Na região do Prata o grande libertador foi San Martín ( Argentina,
1816; Paraguai 1811 e Uruguai em 1828).
O processo de independência da América Hispânica contou com
forte participação popular e com o apoio da Inglaterra, interessada em
ampliar seu mercado consumidor. Uma outra característica foi a grande
fragmentação territorial, em virtude do choque entre os diversos
interesses das elites coloniais.
Do ponto vista econômico, a independência não rompeu com os
laços de dependência em relação às potências européias. As novas
nações continuavam a ser exportadoras de matérias-primas e
importadoras de produtos manufaturados. No plano político, os novos
dirigentes excluíram qualquer forma de participação popular nas
decisões políticas.
Organização dos Estados Nacionais.
5
Entre os libertadores da América, Símon Bolívar defendia a
unidade política interamericana, com a proposta da criação de uma
Confederação de países latino-americanos. Este sonho de unidade
territorial é conhecido como Bolivarismo, que contou com a oposição
da Inglaterra e dos Estados Unidos. A este, a fragmentação política
contribuiria para a consolidação norte-americana sobre a região (
Doutrina Monroe); já para a Inglaterra, a fragmentação consolidaria sua
hegemonia econômica. Ou seja, dividir para melhor controlar.
Na organização dos Estados Nacionais na América Hispânica duas
tendências de governo se apresentam: a Monarquia e a República - com
vitória dos movimentos republicanos. A seguir, novos conflitos quanto a
organização do regime republicano- federalista ou centralista.
O federalismo propunha umas ampla autonomia em relação ao
poder central, exprimindo os princípios do liberalismo econômico. Já o
centralismo era defendido como forma de manter a unidade nacional e a
manutenção de privilégios.
O principal fenômeno político destas novas nações americanas foi
o surgimento do caudilhismo. O caudilho era um chefe político local,
grande proprietário de terra e que procurava manter as mesmas
estruturas sociais e econômicas herdadas do período colonial. Foi
responsável pela grande instabilidade na formação dos Estados
Nacionais.
O caudilhismo contribui, de maneira decisiva, para a fragmentação
política e territorial da América Hispânica. Outros fatores para a
fragmentação: ausência de vínculos econômicos entre as colônias e
atividades econômicas voltadas para atenderem as exigências do
mercado externo.
6
Exercícios
1) (UCSAL) - A decadência do colonialismo na América e a
conseqüente aceleração do processo de independência do
continente americano deveu-se, entre outras causas:
a) ao crescente desenvolvimento do capitalismo comercial,
que tinha no monopólio uma barreira para se expandir;
b) à política expansionista de Napoleão e ao crescente
desenvolvimento industrial da Inglaterra;
c) ao desenvolvimento econômico das colônias inglesas, que
passaram a defender s interesses europeus;
d) ao crescimento da economia das colônias americanas, que
pretendiam concorrer no comércio internacional;
e) à adoção do neoliberalismo pelos países europeus, que
provocou um aumento de controle na área colonial.
2) (UFAL) - Entre as causas políticas imediatas de eclosão das
lutas de independência das colônias espanholas da América,
pode apontar:
a) a derrota de Napoleão Bonaparte na Batalha de Waterloo;
b) a formação da Santa Aliança;
c) a imposição de José Bonaparte no trono espanhol;
d) as decisões do Congresso de Viena;
e) a invasão de Napoleão Bonaparte a Portugal e a coroação
de D. João VI no Brasil.
3) Sobre o caudilhismo na América Latina durante o século XIX:
a) contribuiu para o processo de industrialização das antigas
áreas coloniais na América Latina;
b) os caudilhos realizaram uma ampla reforma agrária e
governavam obedecendo a vontade popular;
7
c) foi responsável pela manutenção do equilíbrio da balança
comercial favorável, fator que explica a rápida
industrialização dos novos países;
d) manteve as estruturas coloniais e contribuiu para o atraso
econômico e fragmentação territorial da América Latina;
e) de origem chapetone, os caudilhos auxiliaram a Espanha
em sua tentativa de recolonizar a América.
Respostas- 1- B 2-C 3-D

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 06 absolutismo mercantilismo
Aula 06   absolutismo mercantilismoAula 06   absolutismo mercantilismo
Aula 06 absolutismo mercantilismo
Jonatas Carlos
 
Aula 04 baixa idade média
Aula 04   baixa idade médiaAula 04   baixa idade média
Aula 04 baixa idade média
Jonatas Carlos
 
5 04 a implantacao do liberalismo em portugal
5 04 a implantacao do liberalismo em portugal5 04 a implantacao do liberalismo em portugal
5 04 a implantacao do liberalismo em portugal
Vítor Santos
 
Estudos CACD Missão Diplomática - História do Brasil Aula Resumo 02 - Process...
Estudos CACD Missão Diplomática - História do Brasil Aula Resumo 02 - Process...Estudos CACD Missão Diplomática - História do Brasil Aula Resumo 02 - Process...
Estudos CACD Missão Diplomática - História do Brasil Aula Resumo 02 - Process...
missaodiplomatica
 
Estudos CACD Missão Diplomática - História do Brasil Aula Resumo 03 - Império
Estudos CACD Missão Diplomática - História do Brasil Aula Resumo 03 - ImpérioEstudos CACD Missão Diplomática - História do Brasil Aula Resumo 03 - Império
Estudos CACD Missão Diplomática - História do Brasil Aula Resumo 03 - Império
missaodiplomatica
 
Estudos CACD Missão Diplomática - História do Brasil Aula Resumo 01 - Período...
Estudos CACD Missão Diplomática - História do Brasil Aula Resumo 01 - Período...Estudos CACD Missão Diplomática - História do Brasil Aula Resumo 01 - Período...
Estudos CACD Missão Diplomática - História do Brasil Aula Resumo 01 - Período...
missaodiplomatica
 
3ão - Revoluções e Unificações na Europa séc XIX
3ão - Revoluções e Unificações na Europa séc XIX3ão - Revoluções e Unificações na Europa séc XIX
3ão - Revoluções e Unificações na Europa séc XIX
Daniel Alves Bronstrup
 
Unificação da Itália e da Alemanha 2020
Unificação da Itália e da Alemanha 2020Unificação da Itália e da Alemanha 2020
Unificação da Itália e da Alemanha 2020
Celso Firmino História, Filosofia, Sociologia
 
Aula 11 rev. industrial e socialismo
Aula 11   rev. industrial e socialismoAula 11   rev. industrial e socialismo
Aula 11 rev. industrial e socialismo
Jonatas Carlos
 
Aula 08 sistema colonial
Aula 08   sistema colonialAula 08   sistema colonial
Aula 08 sistema colonial
Jonatas Carlos
 
Estudos CACD Missão Diplomática - História Mundial Aula Resumo 01 (1776 a 1815)
Estudos CACD Missão Diplomática - História Mundial Aula Resumo 01 (1776 a 1815)Estudos CACD Missão Diplomática - História Mundial Aula Resumo 01 (1776 a 1815)
Estudos CACD Missão Diplomática - História Mundial Aula Resumo 01 (1776 a 1815)
missaodiplomatica
 
3ão - Séc. XIX - Europa e América.
3ão - Séc. XIX - Europa e América.3ão - Séc. XIX - Europa e América.
3ão - Séc. XIX - Europa e América.
Daniel Alves Bronstrup
 
Neocolonialismo ou Imperialismo
Neocolonialismo ou ImperialismoNeocolonialismo ou Imperialismo
Neocolonialismo ou Imperialismo
Celso Firmino História, Filosofia, Sociologia
 
3ºão - resumão - imperialismos
3ºão - resumão - imperialismos3ºão - resumão - imperialismos
3ºão - resumão - imperialismos
Daniel Alves Bronstrup
 
Brasil período joanino e Independência 2020
Brasil período joanino e Independência 2020Brasil período joanino e Independência 2020
Brasil período joanino e Independência 2020
Celso Firmino História, Filosofia, Sociologia
 
3ºano - Revoluções na França
3ºano - Revoluções na França3ºano - Revoluções na França
3ºano - Revoluções na França
Daniel Alves Bronstrup
 
Unidade 6 revoluções e estados_liberais_e_conservadores
Unidade 6 revoluções e estados_liberais_e_conservadoresUnidade 6 revoluções e estados_liberais_e_conservadores
Unidade 6 revoluções e estados_liberais_e_conservadores
Vítor Santos
 
Revoluções de 1830 e 1848 2020
Revoluções de 1830 e 1848 2020Revoluções de 1830 e 1848 2020
Revoluções de 1830 e 1848 2020
Celso Firmino História, Filosofia, Sociologia
 
Resumo de História B
Resumo de História BResumo de História B
Resumo de História B
André Torres
 
Cronologia prec
Cronologia precCronologia prec
Cronologia prec
Vítor Santos
 

Mais procurados (20)

Aula 06 absolutismo mercantilismo
Aula 06   absolutismo mercantilismoAula 06   absolutismo mercantilismo
Aula 06 absolutismo mercantilismo
 
Aula 04 baixa idade média
Aula 04   baixa idade médiaAula 04   baixa idade média
Aula 04 baixa idade média
 
5 04 a implantacao do liberalismo em portugal
5 04 a implantacao do liberalismo em portugal5 04 a implantacao do liberalismo em portugal
5 04 a implantacao do liberalismo em portugal
 
Estudos CACD Missão Diplomática - História do Brasil Aula Resumo 02 - Process...
Estudos CACD Missão Diplomática - História do Brasil Aula Resumo 02 - Process...Estudos CACD Missão Diplomática - História do Brasil Aula Resumo 02 - Process...
Estudos CACD Missão Diplomática - História do Brasil Aula Resumo 02 - Process...
 
Estudos CACD Missão Diplomática - História do Brasil Aula Resumo 03 - Império
Estudos CACD Missão Diplomática - História do Brasil Aula Resumo 03 - ImpérioEstudos CACD Missão Diplomática - História do Brasil Aula Resumo 03 - Império
Estudos CACD Missão Diplomática - História do Brasil Aula Resumo 03 - Império
 
Estudos CACD Missão Diplomática - História do Brasil Aula Resumo 01 - Período...
Estudos CACD Missão Diplomática - História do Brasil Aula Resumo 01 - Período...Estudos CACD Missão Diplomática - História do Brasil Aula Resumo 01 - Período...
Estudos CACD Missão Diplomática - História do Brasil Aula Resumo 01 - Período...
 
3ão - Revoluções e Unificações na Europa séc XIX
3ão - Revoluções e Unificações na Europa séc XIX3ão - Revoluções e Unificações na Europa séc XIX
3ão - Revoluções e Unificações na Europa séc XIX
 
Unificação da Itália e da Alemanha 2020
Unificação da Itália e da Alemanha 2020Unificação da Itália e da Alemanha 2020
Unificação da Itália e da Alemanha 2020
 
Aula 11 rev. industrial e socialismo
Aula 11   rev. industrial e socialismoAula 11   rev. industrial e socialismo
Aula 11 rev. industrial e socialismo
 
Aula 08 sistema colonial
Aula 08   sistema colonialAula 08   sistema colonial
Aula 08 sistema colonial
 
Estudos CACD Missão Diplomática - História Mundial Aula Resumo 01 (1776 a 1815)
Estudos CACD Missão Diplomática - História Mundial Aula Resumo 01 (1776 a 1815)Estudos CACD Missão Diplomática - História Mundial Aula Resumo 01 (1776 a 1815)
Estudos CACD Missão Diplomática - História Mundial Aula Resumo 01 (1776 a 1815)
 
3ão - Séc. XIX - Europa e América.
3ão - Séc. XIX - Europa e América.3ão - Séc. XIX - Europa e América.
3ão - Séc. XIX - Europa e América.
 
Neocolonialismo ou Imperialismo
Neocolonialismo ou ImperialismoNeocolonialismo ou Imperialismo
Neocolonialismo ou Imperialismo
 
3ºão - resumão - imperialismos
3ºão - resumão - imperialismos3ºão - resumão - imperialismos
3ºão - resumão - imperialismos
 
Brasil período joanino e Independência 2020
Brasil período joanino e Independência 2020Brasil período joanino e Independência 2020
Brasil período joanino e Independência 2020
 
3ºano - Revoluções na França
3ºano - Revoluções na França3ºano - Revoluções na França
3ºano - Revoluções na França
 
Unidade 6 revoluções e estados_liberais_e_conservadores
Unidade 6 revoluções e estados_liberais_e_conservadoresUnidade 6 revoluções e estados_liberais_e_conservadores
Unidade 6 revoluções e estados_liberais_e_conservadores
 
Revoluções de 1830 e 1848 2020
Revoluções de 1830 e 1848 2020Revoluções de 1830 e 1848 2020
Revoluções de 1830 e 1848 2020
 
Resumo de História B
Resumo de História BResumo de História B
Resumo de História B
 
Cronologia prec
Cronologia precCronologia prec
Cronologia prec
 

Semelhante a Aula 14 américa espanhola

Resenha origens da independencia da américa espanhola-bethel
Resenha origens da independencia da américa espanhola-bethelResenha origens da independencia da américa espanhola-bethel
Resenha origens da independencia da américa espanhola-bethel
Sandra Kroetz
 
Resenha origens da independencia da américa espanhola-bethel
Resenha origens da independencia da américa espanhola-bethelResenha origens da independencia da américa espanhola-bethel
Resenha origens da independencia da américa espanhola-bethel
Sandra Kroetz
 
A independência da américa espanhola
A independência da américa espanholaA independência da américa espanhola
A independência da américa espanhola
Nelia Salles Nantes
 
A independência da américa espanhola
A independência da américa espanholaA independência da américa espanhola
A independência da américa espanhola
Nelia Salles Nantes
 
America colonial espanhola.filé
America colonial espanhola.filéAmerica colonial espanhola.filé
America colonial espanhola.filé
mundica broda
 
A independência da américa espanhola
A independência da américa espanholaA independência da américa espanhola
A independência da américa espanhola
historiando
 
Independência da América Espanhola
Independência da América EspanholaIndependência da América Espanhola
Independência da América Espanhola
Luciano Emanuel Silva
 
História 2 em-independência-espanhola-2º-ano-em1
História 2 em-independência-espanhola-2º-ano-em1História 2 em-independência-espanhola-2º-ano-em1
História 2 em-independência-espanhola-2º-ano-em1
Privada
 
Ind a espanhola_texto 9_2007
Ind a espanhola_texto 9_2007Ind a espanhola_texto 9_2007
Ind a espanhola_texto 9_2007
Jorge Marcos Oliveira
 
Ind a espanhola_texto 9_2007
Ind a espanhola_texto 9_2007Ind a espanhola_texto 9_2007
Ind a espanhola_texto 9_2007
Jorge Marcos Oliveira
 
Resumo historia geral i
Resumo historia geral iResumo historia geral i
Resumo historia geral i
jersonvieira
 
A independência da américa espanhola
A independência da américa espanholaA independência da américa espanhola
A independência da américa espanhola
Nelia Salles Nantes
 
Independência da Argentina e do México
Independência da Argentina e do MéxicoIndependência da Argentina e do México
Independência da Argentina e do México
luisamartinsrc
 
Independência das americas
Independência das americasIndependência das americas
Independência das americas
profabiorodrigues
 
Crise do sistema_colonial
Crise do sistema_colonialCrise do sistema_colonial
Crise do sistema_colonial
Uelder Santos
 
A emancipação Política da América Espanhola.pptx
A emancipação Política da América Espanhola.pptxA emancipação Política da América Espanhola.pptx
A emancipação Política da América Espanhola.pptx
DANILOARAUJOSANTANA
 
Processo de Independência da América
Processo de Independência da AméricaProcesso de Independência da América
Processo de Independência da América
Lú Carvalho
 
Capitulo 08 indep da america espanhola
Capitulo 08  indep da america espanholaCapitulo 08  indep da america espanhola
Capitulo 08 indep da america espanhola
Educandário Imaculada Conceição
 
Independência da América Espanhola
Independência da América EspanholaIndependência da América Espanhola
Independência da América Espanhola
Carlos Zaranza
 
Celso blog oitavo ano atv 3
Celso blog oitavo ano atv 3Celso blog oitavo ano atv 3
Celso blog oitavo ano atv 3
DiedNuenf
 

Semelhante a Aula 14 américa espanhola (20)

Resenha origens da independencia da américa espanhola-bethel
Resenha origens da independencia da américa espanhola-bethelResenha origens da independencia da américa espanhola-bethel
Resenha origens da independencia da américa espanhola-bethel
 
Resenha origens da independencia da américa espanhola-bethel
Resenha origens da independencia da américa espanhola-bethelResenha origens da independencia da américa espanhola-bethel
Resenha origens da independencia da américa espanhola-bethel
 
A independência da américa espanhola
A independência da américa espanholaA independência da américa espanhola
A independência da américa espanhola
 
A independência da américa espanhola
A independência da américa espanholaA independência da américa espanhola
A independência da américa espanhola
 
America colonial espanhola.filé
America colonial espanhola.filéAmerica colonial espanhola.filé
America colonial espanhola.filé
 
A independência da américa espanhola
A independência da américa espanholaA independência da américa espanhola
A independência da américa espanhola
 
Independência da América Espanhola
Independência da América EspanholaIndependência da América Espanhola
Independência da América Espanhola
 
História 2 em-independência-espanhola-2º-ano-em1
História 2 em-independência-espanhola-2º-ano-em1História 2 em-independência-espanhola-2º-ano-em1
História 2 em-independência-espanhola-2º-ano-em1
 
Ind a espanhola_texto 9_2007
Ind a espanhola_texto 9_2007Ind a espanhola_texto 9_2007
Ind a espanhola_texto 9_2007
 
Ind a espanhola_texto 9_2007
Ind a espanhola_texto 9_2007Ind a espanhola_texto 9_2007
Ind a espanhola_texto 9_2007
 
Resumo historia geral i
Resumo historia geral iResumo historia geral i
Resumo historia geral i
 
A independência da américa espanhola
A independência da américa espanholaA independência da américa espanhola
A independência da américa espanhola
 
Independência da Argentina e do México
Independência da Argentina e do MéxicoIndependência da Argentina e do México
Independência da Argentina e do México
 
Independência das americas
Independência das americasIndependência das americas
Independência das americas
 
Crise do sistema_colonial
Crise do sistema_colonialCrise do sistema_colonial
Crise do sistema_colonial
 
A emancipação Política da América Espanhola.pptx
A emancipação Política da América Espanhola.pptxA emancipação Política da América Espanhola.pptx
A emancipação Política da América Espanhola.pptx
 
Processo de Independência da América
Processo de Independência da AméricaProcesso de Independência da América
Processo de Independência da América
 
Capitulo 08 indep da america espanhola
Capitulo 08  indep da america espanholaCapitulo 08  indep da america espanhola
Capitulo 08 indep da america espanhola
 
Independência da América Espanhola
Independência da América EspanholaIndependência da América Espanhola
Independência da América Espanhola
 
Celso blog oitavo ano atv 3
Celso blog oitavo ano atv 3Celso blog oitavo ano atv 3
Celso blog oitavo ano atv 3
 

Mais de Jonatas Carlos

Aula 27 produções contemporâneas em portugal e no brasil
Aula 27   produções contemporâneas em portugal e no brasilAula 27   produções contemporâneas em portugal e no brasil
Aula 27 produções contemporâneas em portugal e no brasil
Jonatas Carlos
 
Aula 26 modernismo no brasil - 3ª fase
Aula 26   modernismo no brasil - 3ª faseAula 26   modernismo no brasil - 3ª fase
Aula 26 modernismo no brasil - 3ª fase
Jonatas Carlos
 
Aula 25 modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Aula 25   modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)Aula 25   modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Aula 25 modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Jonatas Carlos
 
Aula 24 modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
Aula 24   modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)Aula 24   modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
Aula 24 modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
Jonatas Carlos
 
Aula 23 modernismo no brasil - 1ª fase
Aula 23   modernismo no brasil - 1ª faseAula 23   modernismo no brasil - 1ª fase
Aula 23 modernismo no brasil - 1ª fase
Jonatas Carlos
 
Aula 22 modernismo no brasil
Aula 22   modernismo no brasilAula 22   modernismo no brasil
Aula 22 modernismo no brasil
Jonatas Carlos
 
Aula 21 modernismo em portugal
Aula 21   modernismo em portugalAula 21   modernismo em portugal
Aula 21 modernismo em portugal
Jonatas Carlos
 
Aula 20 vanguarda européia
Aula 20   vanguarda européiaAula 20   vanguarda européia
Aula 20 vanguarda européia
Jonatas Carlos
 
Aula 19 pré - modernismo - brasil
Aula 19   pré - modernismo - brasilAula 19   pré - modernismo - brasil
Aula 19 pré - modernismo - brasil
Jonatas Carlos
 
Aula 18 simbolismo em portugal e no brasil
Aula 18   simbolismo em portugal e no brasilAula 18   simbolismo em portugal e no brasil
Aula 18 simbolismo em portugal e no brasil
Jonatas Carlos
 
Aula 17 parnasianismo
Aula 17   parnasianismoAula 17   parnasianismo
Aula 17 parnasianismo
Jonatas Carlos
 
Aula 16 machado de assis
Aula 16   machado de assisAula 16   machado de assis
Aula 16 machado de assis
Jonatas Carlos
 
Aula 15 realismo - naturalismo no brasil
Aula 15   realismo - naturalismo no brasilAula 15   realismo - naturalismo no brasil
Aula 15 realismo - naturalismo no brasil
Jonatas Carlos
 
Aula 14 eça de queiroz e o realismo
Aula 14   eça de queiroz e o realismoAula 14   eça de queiroz e o realismo
Aula 14 eça de queiroz e o realismo
Jonatas Carlos
 
Aula 13 realismo - naturalismo em portugal
Aula 13   realismo - naturalismo em portugalAula 13   realismo - naturalismo em portugal
Aula 13 realismo - naturalismo em portugal
Jonatas Carlos
 
Aula 12 romantismo no brasil - prosa
Aula 12   romantismo no brasil - prosaAula 12   romantismo no brasil - prosa
Aula 12 romantismo no brasil - prosa
Jonatas Carlos
 
Aula 11 gerações românticas no brasil
Aula 11   gerações românticas no brasilAula 11   gerações românticas no brasil
Aula 11 gerações românticas no brasil
Jonatas Carlos
 
Aula 10 romantismo no brasil e em portugal
Aula 10   romantismo no brasil e em portugalAula 10   romantismo no brasil e em portugal
Aula 10 romantismo no brasil e em portugal
Jonatas Carlos
 
Aula 09 romantismo
Aula 09   romantismoAula 09   romantismo
Aula 09 romantismo
Jonatas Carlos
 
Aula 08 arcadismo no brasil
Aula 08   arcadismo no brasilAula 08   arcadismo no brasil
Aula 08 arcadismo no brasil
Jonatas Carlos
 

Mais de Jonatas Carlos (20)

Aula 27 produções contemporâneas em portugal e no brasil
Aula 27   produções contemporâneas em portugal e no brasilAula 27   produções contemporâneas em portugal e no brasil
Aula 27 produções contemporâneas em portugal e no brasil
 
Aula 26 modernismo no brasil - 3ª fase
Aula 26   modernismo no brasil - 3ª faseAula 26   modernismo no brasil - 3ª fase
Aula 26 modernismo no brasil - 3ª fase
 
Aula 25 modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Aula 25   modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)Aula 25   modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Aula 25 modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
 
Aula 24 modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
Aula 24   modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)Aula 24   modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
Aula 24 modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
 
Aula 23 modernismo no brasil - 1ª fase
Aula 23   modernismo no brasil - 1ª faseAula 23   modernismo no brasil - 1ª fase
Aula 23 modernismo no brasil - 1ª fase
 
Aula 22 modernismo no brasil
Aula 22   modernismo no brasilAula 22   modernismo no brasil
Aula 22 modernismo no brasil
 
Aula 21 modernismo em portugal
Aula 21   modernismo em portugalAula 21   modernismo em portugal
Aula 21 modernismo em portugal
 
Aula 20 vanguarda européia
Aula 20   vanguarda européiaAula 20   vanguarda européia
Aula 20 vanguarda européia
 
Aula 19 pré - modernismo - brasil
Aula 19   pré - modernismo - brasilAula 19   pré - modernismo - brasil
Aula 19 pré - modernismo - brasil
 
Aula 18 simbolismo em portugal e no brasil
Aula 18   simbolismo em portugal e no brasilAula 18   simbolismo em portugal e no brasil
Aula 18 simbolismo em portugal e no brasil
 
Aula 17 parnasianismo
Aula 17   parnasianismoAula 17   parnasianismo
Aula 17 parnasianismo
 
Aula 16 machado de assis
Aula 16   machado de assisAula 16   machado de assis
Aula 16 machado de assis
 
Aula 15 realismo - naturalismo no brasil
Aula 15   realismo - naturalismo no brasilAula 15   realismo - naturalismo no brasil
Aula 15 realismo - naturalismo no brasil
 
Aula 14 eça de queiroz e o realismo
Aula 14   eça de queiroz e o realismoAula 14   eça de queiroz e o realismo
Aula 14 eça de queiroz e o realismo
 
Aula 13 realismo - naturalismo em portugal
Aula 13   realismo - naturalismo em portugalAula 13   realismo - naturalismo em portugal
Aula 13 realismo - naturalismo em portugal
 
Aula 12 romantismo no brasil - prosa
Aula 12   romantismo no brasil - prosaAula 12   romantismo no brasil - prosa
Aula 12 romantismo no brasil - prosa
 
Aula 11 gerações românticas no brasil
Aula 11   gerações românticas no brasilAula 11   gerações românticas no brasil
Aula 11 gerações românticas no brasil
 
Aula 10 romantismo no brasil e em portugal
Aula 10   romantismo no brasil e em portugalAula 10   romantismo no brasil e em portugal
Aula 10 romantismo no brasil e em portugal
 
Aula 09 romantismo
Aula 09   romantismoAula 09   romantismo
Aula 09 romantismo
 
Aula 08 arcadismo no brasil
Aula 08   arcadismo no brasilAula 08   arcadismo no brasil
Aula 08 arcadismo no brasil
 

Último

OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Pedro Luis Moraes
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 

Último (20)

OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 

Aula 14 américa espanhola

  • 1. 1 Aula 14 A América Espanhola. Nesta aula, trataremos da colonização espanhola na América, do processo de independência e da formação dos Estados Nacionais. Colonização espanhola na América. A conquista espanhola data de 1519, quando Hernan Cortez conquistou o Império Asteca (México). No ano de 1531, foi a vez de Francisco Pizarro conquistar o Império Inca (Peru). O processo de conquista foi extremamente violento, contribuindo para a dizimação das populações nativas. O uso da violência deveu-se à ânsia da descoberta dos metais preciosos e da vontade de escravizar os nativos da América. Após a conquista dos territórios, a Espanha iniciou a organização de seu imenso Império Colonial na América, através da imposição de estruturas políticas, econômicas e administrativas que atendessem o seu interesse mercantilista, qual seja, a acumulação de capitais. ESTRUTURAS SOCIAIS, ECONÔMICAS E ADMINISTRATIVAS. Organização político-administrativa- Divisão da área colonial em quatro vice-reinados ( Nova Espanha, Nova Granada, Peru e Prata ) e quatro capitanias-gerais ( Cuba, Guatemala, Venezuela e Chile ). O Conselho das Índias, ligado diretamente ao rei, ficava encarregado da administração geral das colônias e a Casa de Contratação era encarregada da fiscalização, da regulamentação do comércio e da cobrança dos tributos. O poder local era exercido através dos Cabildos, as Câmaras Municipais. A administração espanhola era bastante descentralizada, estando cada unidade colonial subordinada diretamente à metrópole.
  • 2. 2 Organização da economia colonial- Como se sabe, o sentido da colonização era, através da exploração, obter produtos valiosos que pudessem auxiliar os Estados europeus na acumulação de capitais, ficando a área colonial obrigada a comprar os excedentes produzidos na Europa. Desta forma, a atividade econômica principal foi a mineração ( ouro e prata ). A grande quantidade de ouro e prata, retirada da América e enviada para a Europa, comprometeu o desenvolvimento industrial da Espanha e gerou uma enorme inflação na Europa, processo conhecido como a "revolução dos preços", em virtude da desvalorização da moeda e pelo aumento geral dos preços. O comércio dos metais preciosos era controlado pela Casa de Contratação, que adotou o sistema de porto único - todo metal precioso deveria ser enviado para Sevilha. O trabalho adotado nas minas foi o trabalho compulsório dos indígenas, sob a forma da encomienda: o colono tinha o direito de explorar o trabalho indígena, em troca de sua cristianização. Havia também uma outra forma de exploração do nativo, exercida pela Metrópole, que realizava o recrutamento em massa do indígena, obrigando-o a realizar obras públicas, era o repartimiento. Esta exploração era semelhante a Mita, uma forma de trabalho compulsória que existia na época pré-colombiana. Organização social- A sociedade colonial na América Hispânica estava assim estruturada: os chapetones, espanhóis que vinham para a colônia e ocupavam os cargos burocráticos e administrativos; os crillos, constituída por espanhóis nascidos na América. Eram os grandes proprietários de terras e escravos, formavam a elite econômica, muito embora ficassem excluídos das funções políticas; os mestiços, resultado da miscigenação do branco com o índio e os escravos negros. Independência da América espanhola.
  • 3. 3 A CRISE DO IMPÉRIO COLONIAL ESPANHOL. O processo de independência das colônias espanholas está relacionado ao desenvolvimento das idéias liberais no século XVIII, tais como o Iluminismo, a Independência dos Estados Unidos, a Revolução Industrial e a Revolução Francesa. No final do século XVIII e início do século XIX, a Espanha já não é mais uma grande potência européia. Tanto a Inglaterra como a França, passaram a ter acessos às áreas coloniais da Espanha. Em 1713, a Inglaterra passa a ter o direito sobre o asiento, ou seja, sobre o fornecimento de escravos para as colônias) e o chamado permisso, quer dizer, comércio direto com as colônias. No ano de 1797, com o decreto da abertura dos portos, as colônias espanholas passaram a manter relações comercias diretamente com as nações amigas da Espanha. No ano de 1799, o governo procurou anular o decreto, provocando uma forte reação colonial. O PROCESSO DA INDEPENDÊNCIA. O processo da independência da América Hispânica está diretamente relacionado com a deposição de Fernando VII em 1808, quando as tropas francesas ocuparam a Espanha. Napoleão Bonaparte nomeia seu irmão, José Bonaparte, como o novo rei da Espanha, desencadeando uma forte reação nas colônias, que passaram a formar as Juntas Governativas - com caráter separatistas e lideradas pelos criollos. ETAPAS Antes dos movimentos separatistas ocorreram revoltas coloniais contra o domínio espanhol, destacando-se a revolta dos índios do Peru, liderados por Tupac Amaru. Entre os precursores da independência das colônias hispânicas, destaque para Francisco Miranda, que planejou a independência da Venezuela, movimento que fracassou. O movimento emancipacionista contou com a liderança dos chamados "libertadores da América" - Simón Bolívar, José de San Martin, José Sucre, Bernardo O'Higgins, Augustin Itúrbide, Miguel Hidalgo e José Artigas.
  • 4. 4 A primeira tentativa de emancipação ocorreu no México, em 1810, sob a liderança do padre Miguel Hidalgo. No ano de 1821, o General Augustin Itúrbide proclama a independência do México. A partir de 1823, e seguindo e exemplo mexicano, foi a vez das colônias da América Central proclamarem a independência, surgindo as Províncias Unidas da América Central, que fragmentou-se em diversas Repúblicas: Costa Rica, Honduras, El Salvador, Guatemala e Nicarágua. Cuba e São Domingos só tiveram a independência no final do século XIX. No ano de 1818, sob a liderança de Símon Bolívar surge a Grã- Colombia, que em 1830 se separam, formando a Colômbia e a Venezuela. Em 1822 é proclamada a independência do Equador ( Sucre e Bolívar). Bernardo O'Higgins liberta o Chile, com a ajuda de San Martín, no ano de 1817; San Martin e Bolívar libertam o Peru em 1821; em 1825 foia vez da Bolívia, sob o comando de Sucre. Na região do Prata o grande libertador foi San Martín ( Argentina, 1816; Paraguai 1811 e Uruguai em 1828). O processo de independência da América Hispânica contou com forte participação popular e com o apoio da Inglaterra, interessada em ampliar seu mercado consumidor. Uma outra característica foi a grande fragmentação territorial, em virtude do choque entre os diversos interesses das elites coloniais. Do ponto vista econômico, a independência não rompeu com os laços de dependência em relação às potências européias. As novas nações continuavam a ser exportadoras de matérias-primas e importadoras de produtos manufaturados. No plano político, os novos dirigentes excluíram qualquer forma de participação popular nas decisões políticas. Organização dos Estados Nacionais.
  • 5. 5 Entre os libertadores da América, Símon Bolívar defendia a unidade política interamericana, com a proposta da criação de uma Confederação de países latino-americanos. Este sonho de unidade territorial é conhecido como Bolivarismo, que contou com a oposição da Inglaterra e dos Estados Unidos. A este, a fragmentação política contribuiria para a consolidação norte-americana sobre a região ( Doutrina Monroe); já para a Inglaterra, a fragmentação consolidaria sua hegemonia econômica. Ou seja, dividir para melhor controlar. Na organização dos Estados Nacionais na América Hispânica duas tendências de governo se apresentam: a Monarquia e a República - com vitória dos movimentos republicanos. A seguir, novos conflitos quanto a organização do regime republicano- federalista ou centralista. O federalismo propunha umas ampla autonomia em relação ao poder central, exprimindo os princípios do liberalismo econômico. Já o centralismo era defendido como forma de manter a unidade nacional e a manutenção de privilégios. O principal fenômeno político destas novas nações americanas foi o surgimento do caudilhismo. O caudilho era um chefe político local, grande proprietário de terra e que procurava manter as mesmas estruturas sociais e econômicas herdadas do período colonial. Foi responsável pela grande instabilidade na formação dos Estados Nacionais. O caudilhismo contribui, de maneira decisiva, para a fragmentação política e territorial da América Hispânica. Outros fatores para a fragmentação: ausência de vínculos econômicos entre as colônias e atividades econômicas voltadas para atenderem as exigências do mercado externo.
  • 6. 6 Exercícios 1) (UCSAL) - A decadência do colonialismo na América e a conseqüente aceleração do processo de independência do continente americano deveu-se, entre outras causas: a) ao crescente desenvolvimento do capitalismo comercial, que tinha no monopólio uma barreira para se expandir; b) à política expansionista de Napoleão e ao crescente desenvolvimento industrial da Inglaterra; c) ao desenvolvimento econômico das colônias inglesas, que passaram a defender s interesses europeus; d) ao crescimento da economia das colônias americanas, que pretendiam concorrer no comércio internacional; e) à adoção do neoliberalismo pelos países europeus, que provocou um aumento de controle na área colonial. 2) (UFAL) - Entre as causas políticas imediatas de eclosão das lutas de independência das colônias espanholas da América, pode apontar: a) a derrota de Napoleão Bonaparte na Batalha de Waterloo; b) a formação da Santa Aliança; c) a imposição de José Bonaparte no trono espanhol; d) as decisões do Congresso de Viena; e) a invasão de Napoleão Bonaparte a Portugal e a coroação de D. João VI no Brasil. 3) Sobre o caudilhismo na América Latina durante o século XIX: a) contribuiu para o processo de industrialização das antigas áreas coloniais na América Latina; b) os caudilhos realizaram uma ampla reforma agrária e governavam obedecendo a vontade popular;
  • 7. 7 c) foi responsável pela manutenção do equilíbrio da balança comercial favorável, fator que explica a rápida industrialização dos novos países; d) manteve as estruturas coloniais e contribuiu para o atraso econômico e fragmentação territorial da América Latina; e) de origem chapetone, os caudilhos auxiliaram a Espanha em sua tentativa de recolonizar a América. Respostas- 1- B 2-C 3-D