SlideShare uma empresa Scribd logo
Melhoramento genético na Produção
    de Bovinos Corte no Brasil

  Gerson Barreto Mourão
     Zootecnista pela Universidade Federal de Lavras
    Mestre pela Universidade Federal de Minas Gerais
  Livre Docente e Doutor pela Universidade de São Paulo
         Professor Associado do LZT - ESALQ/USP
O direcionamento:
                                             2


 Quais são os objetivos? Qual o mercado?
 Criar animais “puros” ou fazer cruzamentos?
 Qual a melhor raça?
 Qual o melhor cruzamento?
 O que fazer com as fêmeas F1 (“meio-sangue”),
  abater todas ou utilizá-las na reprodução?
 Quais são nossos sistemas de produção?
 Vamos continuar usando as DEPs?
 Genômica e marcadores moleculares?

Prof. Dr. Gerson Bareto Mourão - ESALQ/USP
A resposta a cada uma dessas questões
       passa pelo aumento de produtividade, de
           lucratividade e sustentabilidade.
                                              3




Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
Qual é o produto? Qual o sistema?
                                             4




Prof. Dr. Gerson Barreto Murão - ESALQ/USP
Qual é o produto? Qual o sistema?
                                              5




Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
Qual é o produto? Qual o sistema?
                                              6




Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
Qual é o produto? Qual o sistema?
                                              7




Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
Qual é o produto? Qual o sistema?
                                              8




Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
Qual é o produto? Qual o sistema?
                                              9




Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
O que o consumidor deseja?
                                              10




Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
No fundo o produto é...
                                              11




Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
Conhecendo o produto e o cliente . . .
                                              12




Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
Não era
                                  comercial!

                         190

                                   150

                                              99




                                                   (2010)




Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
Produção Mundial de Carne Bovina
                               (em milhares de toneladas)
                                                          14


                             AINDA FALTA EFICIÊNCIA NA PRODUÇÃO




              Fontes: USDA
              (1) Estimativa (2) Incluí Carne de Búfalo




Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
Para produzir:
                                              15


 Portanto:
   Para serem obtidos esses ganhos, é necessário agir em todos os
    pontos da cadeia produtiva.

      O uso de material genético de alta qualidade é uma
       NECESSIDADE




Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
Para que servem os reprodutores e matrizes?
                                              16


        São nossas máquinas
        Devem produzir os nossos produtos, os bezerros
        Esses produtos devem ser adequados aos sistemas de
         produção e às condições de ambiente que temos
        Os reprodutores e matrizes são máquinas de fazer
         gametas (espermatozóides e óvulos), portanto, valem
         o valor de seus gametas
        Se valem o valor de seus gametas, temos que
         conhecer isso....



Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
O que influencia o desempenho dos animais?


                                              Alimentação
              Instalações                                   Nutrição


     Qualidade de
     Mão-de-Obra
                                                                Manejo


             Outros efeitos                                  Saúde
              de ambiente
                                              Genética

Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP      17
Precoces x Tardios

                     600

                     500                                            Precoces
                     400                                            Tardios
          Peso, kg




                     300

                     200

                     100

                      0
                           40   240     440   640       840       1040   1240   1440

                                                    Idade, dias

Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
A avaliação genética
                                              19

                              P = A + D + I + E + GE

 Procedimento de análise dos dados de produção dos
   animais, com uso de metodologia estatística
   adequada, para:
      Separar os efeitos genéticos aditivos (A) dos dos demais efeitos
       (D+I+E)
      Ordenar (rankear) os animais segundo o valor genético aditivo
       de cada um, para fins de seleção




Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
DEP: O que significa?

                              P = A + D + I + E + GE

 DEP = diferença esperada na progênie
 Ferramenta AUXILIAR de seleção
 Exemplo:
      Touro A = +12 kg x Touro B= -3 kg de peso ao abate
      Diferença entre eles: 15 kg/filho (em média)
      Se for peso ao abate = 15 kg/filho x 5 anos x 30 filhos/ano = 2250
       kg de peso vivo x R$3,00
      R$6.750,00 de receita adicional na vida útil do touro= Valor
       diferencial do touro A, em relação ao touro B
 DEP significa dinheiro no bolso do criador!


Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP   20
A evolução das metodologias de estimação do
                valor genético
                       21


 História
      Avaliação visual (>1.000 anos)
      Medições (pesos, dimensões, tempos, etc.) (>100 anos)
      Medições ajustadas (>60 anos)
      Índices (desvios de grupos, > 40 anos)
      DEPs com baixa acurácia (“Quad. Mínimos”, >30 anos)
      DEPs com média acurácia (“Modelos touro”, >25 anos)
      DEPs com alta acurácia (“Modelos Animais”, ~10 anos)
      Auxiliares de seleção, seleção assistida por marcadores
       genéticos, biologia molecular, finalmente, ficando disponível
      Seleção genômica
 Aumento da Confiança



Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
Seleção - Sumário de Touros
            DEP = diferença Esperada na Progênie
                                              22


 O valor genético de um animal
   É calculado separadamente para cada característica

   Depende de medidas tomadas no próprio animal, nos parentes
    e outros animais com eles relacionados.
 A determinação do valor genético
   muito mais acurada para touros com muitos filhos em
    diferentes rebanhos.
 O cálculo do mérito genético de vacas
   é deficiente: em geral, vivem dentro de um só rebanho

   produzem um número limitado de filhos




Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
Seleção - Sumário de Touros
            DEP = diferença Esperada na Progênie
                                              23


 Efeitos do meio ambiente
   provocam um desvio na expressão do genótipo, que o touro
    imprime nas filhos, fenotipicamente, positivo ou negativo, em
    relação a uma base genética predeterminada.
 A base genética
   Ponto de referência usado para avaliar o mérito dos animais

   Quase nunca conhecida!

 O objetivo básico da DEP
   Ordenar os touros de acordo com o seu genótipo




Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
Seleção - Sumário de Touros
            DEP = diferença Esperada na Progênie
                                              24


 Um touro com um DEP de +20 kg para PD não dará
  origem a filhos que produzirão +20 kg a mais do que
  os demais bezerros do rebanho/raça.
 A interpretação correta é a de que seus filhos
  produzirão em média +20 kg a mais do que a média
  dos filhos dos touros usados na base genética.
 Acurácia
      É o grau de confiança das DEPs
      Um touro precisa ter cerca de 50 filhos em 50 rebanhos para
       ter cerca 80% de acurácia para PD.


Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
Seleção - Sumário de Touros
            DEP = diferença Esperada na Progênie
                                              25


 Se a acurácia da DEP for >90%
   A DEP do touro apresentará pequenas variações no futuro.

   Se for menor que 70% mudará mais (ex.: touros Jovens).

 A direção dessa mudança é desconhecida, podendo
  melhorar, piorar ou permanecer inalterada.
 O uso de touros jovens representa risco e
  oportunidade.
      A acurácia define o número de doses de sêmen a serem
       utilizadas.



Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
Seleção - Sumário de Touros
            DEP = diferença Esperada na Progênie
                                              26


 Os valores das DEPs
   Tendem a mudar na medida em que mais filhos são avaliados

   Quanto maior o número de filhos
        Maior a confiança nas DEPs
        Menor mudança no futuro.

 Sumários de touros
   são publicações periódicas (anuais) e atualizadas.

   Touro positivo/negativo. Por que?




Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
Seleção - Sumário de Touros
            DEP = diferença Esperada na Progênie
                                              27


 A Base Genética
      ponto de referência para o cálculo da DEP
        É sempre atualizada
        Muda com o processo genético: implica em valores crescentes de
         produção.
 A alteração da base genética
      não modifica o mérito biológico dos touros, mas facilita a
       comparação entre eles
 É importante salientar que uma base atualizada inclui
   animais de maior mérito genético.
      Portanto, alguns animais com DEP positiva antes da mudança,
       podem se tornar negativos.
      O valor genético biológico do animal não muda, o que muda é o
       ponto de referência a partir do qual esse valor é calculado.


Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
Relação entre acurácia de uma estimativa de valor genético de um animal
e o risco de utilizar-se ou não tal animal como reprodutor na propriedade.
                                              28


  Acurácia                                    Causa                      Risco

                    Poucas informações a respeito do animal, animal em
0,30 a 0,50            geral muito jovem (acurácia baixa, diminui o      Alto
                                  intervalo de gerações)

                    Número razoável de informações, reprodutor jovem,
0,51 a 0,90            com 10 a 20 filhos testados (acurácia média,   Médio
                              intervalo de gerações médio)

                    Número suficiente de informações, animal com mais
  acima de             de 20 filhos ou filhas testados (acurácia alta,   Baixo
    0,90                 aumenta muito o intervalo de gerações)




Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
Os resultados na fazenda e na
                         indústria
                                              29




Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
30




Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
31




Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
32




Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
33




Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
34




Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
35




Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
36




Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
37




Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
Como selecionar?
                                              38


 De acordo com o “olho” do proprietário?
    [observando o fenótipo dos animais (padrão racial,
    pelagem, tamanho, conformação)]?
   Pelo “Pedigree”?
   Pelo peso?
   Outra forma?
   Que tal conhecermos mais, um pouco antes de
    decidir?!!!!



Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
E como se deve selecionar um reprodutor?
                                              39


 Para que servem as avaliações genéticas, as DEPs, os
   sumários de touros e vacas?
      São as verdadeiras “especificações técnicas”de nossas
       máquinas;
      São nossas ferramentas auxiliares, nossos critérios de escolha;
      Dão uma idéia, quando comparadas aos estimativas dos outros
       reprodutores disponíveis, do valor médio dos gametas de um
       reprodutor, comparado aos demais.




Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
E como se deve selecionar um reprodutor?
                                              40


 Quais são os pontos fortes do seu rebanho?
   Reforce-os, usando reprodutores ou sêmen com DEPs
    adequadas ao rebanho e ao sistema de produção. Exemplo:
    precocidade sexual e ambiente


 Quais são os pontos fracos de seu rebanho?
   Use reprodutores ou sêmen que “consertem” os defeitos de
    suas matrizes, sempre lembrando que os reprodutores devem
    ser adequados ao sistema de produção.




Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
A colheita de dados fenotípicos
                                              41



                 ESSENCIAL!


Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
Colheita de pesos e mensuração com
                  aparelhos de ultrassom
                                                42

 Medidas na “entrada” do
 confinamento
    Peso
    EGS e AOL




  Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
Coleta de amostras pós-abate
                                                43




                                                     Leitura de PH


                                       Identificação da
                                           Carcaça




Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
Coleta de amostras pós-abate
                                              44




                                                   AOL na 5ª e 12ª costela



Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
Coleta de amostras pós-abate
                                              45

 Mensuração da área de
   olho de lombo (AOL)




Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
Coleta de amostras pós-abate
                                              46




 MEDIÇÃO DA ESPESSURA
  DE GORDURA (EGS) EM
      MILÍMETROS
Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
Coleta de amostras pós-abate
                                              47
                                                   Avaliação de marmoreio,
                                                     com base em cartões
                                                           referência




Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
Coleta de amostras pós-abate
                                              48




     PORCIONAMENTO DE 4 AMOSTRAS DO CONTRA PARA TEMPOS DISTINTOS DE
      MATURAÇÃO: 7, 14 e 21 DIAS MAIS UMA AMOSTRA PARA COMPOSIÇÃO DA
                                    CARNE
Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
Atividades em laboratórios de carne
                                              49




                                                   Assado de forma padronizada
                                                          (71ºC interno)
                                                       Pesagem pós assar
                                                      (Com e Sem exsudato)
                                                      Resfriamento até 20ºC

Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
Atividades em laboratórios de carne
                “Shear Force” ou Força de Cisalhamento
                                              50




                                                   8 réplicas
                                                   (medidas)
Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
Análises Quantitativas

 Após as coletas dos dados, o processo é seguido de
   análises estatísticas sejam sob abordagem tradicional
   em genética quantitativa ou para descoberta e
   identificação de marcadores genéticos




Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
                                                           51
Distribuição dos valores mensurados
                                                                                  52




                          AOL - in vivo ("entrada" confinamento) - 21m Nel
              25

              20

              15
         No




              10

              5

              0
                   39,0
                          46,0
                                 49,2
                                        51,8
                                               53,9
                                                      56,0
                                                             58,1
                                                                    60,2
                                                                           62,3
                                                                                   64,4
                                                                                          66,5
                                                                                                 68,6
                                                                                                        70,7
                                                                                                               72,8
                                                                                                                      74,9
                                                                                                                             77,1
                                                                                                                                    79,3
                                                                                                                                           81,8
                                                                                                                                                  85,4
                                                                                  Valor




Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
Distribuição dos valores mensurados
                                                                                      53
                                                                                                          Marmoreio Carcaça
                                        AOL Carcaça                                        350
     50                                                                                    300
                                                                                           250
     40
                                                                                           200
     30
                                                                                           150
     20                                                                                    100
No




     10                                                                                     50
      0                                                                                      0
                                                                                                 SL SL SL SL SL SL SM SM SM SM SM MT MT MT
 -10
     56

          59

               62

                    65
                          68

                                   71

                                         74

                                              77

                                                   80

                                                        83

                                                              86

                                                                       89

                                                                            92

                                                                                 95

                                                                                      98
                                                                                           Total 288 88 102 1 82 5 41 13 5 11 4   3   4   1
 -20
Valor
                                                                                                    Dias Mat. % < 4,54
                                    EGS Carcaça
 200                                                                                                  7 dias   16%
 150                                                                                                 14 dias   38%
 100                                                                                                 21 dias   58%
No




     50
                                                                                                  Touros         No         %
      0
                                                                                                  Macio           6       13,6%
                                                                                                  Médio          12       27,3%
 -50
          0    1     2         3        4     5    6     7         8        9    10   11          Duro           26       59,1%
 Total    2    14    88    156 127 105             66    40    32           9    8     2          Total          44
Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
Distribuição: Maciez aos 7 dias
                                              54




                     Carne macia




                                                   Fonte: Rezende, 2008

Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
Distribuição: Maciez aos 14 dias
                                                 55



                                   Carne macia



                     Carne macia




                                                      Fonte: Rezende, 2008

Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
Distribuição: Maciez aos 21 dias
                                                     56

                                       Carne macia




                     Carne macia




                                                          Fonte: Rezende, 2008

Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
Distribuição: Colesterol
                                              57




                                                   Fonte: Rezende, 2008

Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
Avaliações genéticas atuais
                                                    58

                     Pedigree                             Avaliação
                                                            Av.
                                                          Genética
                                                            Gen.
                                              Fenótipos


                                                                             Avaliação do
                                              Fenótipos               DEPs      Mérito
                                                                              Genético


                                              Fenótipos
                        Progênie




Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
O futuro das avaliações genéticas
                                                    59
                     Pedigree                              Avaliação
                                                           Genética
                                          Fenótipos
                                          Testes DNA

                                                                                Avaliação
                                                                              mais precisa
                                              Fenótipos
                                              Testes DNA
                                                                       DEPs   (precoce) do
                                                                                 Mérito
                                                                                Genético
                                              Fenótipos
                                              Testes
                        Progênie
                                              DNA




Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
Considerações
                                              60


 Seleção e acasalamentos
   Fundamental para o aumento de produção!

 Genômica
   Traz mais um conjunto de valor para o criador aumentar a
    velocidade de ganho
   Identificação de paternidade
   Permitirá escolher com maior precisão os animais que servirão
    como reprodutores
 Podem se tornar
   Fonte apoio ao manejo
   Uniformização dos lotes




Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
Considerações

 Marcadores SNPs
   poderão ser utilizados amplamente em novas aplicações, que
    agreguem valor ao produto
 O grande perigo no uso dessa ferramenta!
   Utilização de marcadores não validados nas populações e nas
    condições de criação existentes no Brasil
   Isso também vale para os valores das DEPs e PTAs

 A seleção genômica chegou para ficar!




Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
                                                                  61
Bibliografia

 LUCHIARI FILHO, A.; MOURÃO, G. B. Melhoramento, raças
   e seus cruzamentos na pecuária de corte brasileira.
   Pirassununga: Albino Luchiari Filho, 2006, 142 p.

 BOURDON, R.M. Understanding Animal Breeding, 2ª Ed., Prentice-
  Hall, 2000, 538 p.
 ELER, J.P. Teorias e Métodos em Melhoramento Genético Animal II.
  Seleção, FZEA, 2008, 210 p.
 KINGHORN B. et al. Melhoramento Animal: Uso de novas tecnologias.
  1ª. Ed., FEALQ, 2006, 367 p.
 PEREIRA, J.C.C. Melhoramento genético aplicado à produção animal.
  4ª. ed., FEPMVZ Editora, 2008, 555 p.




Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
Muito obrigado!
Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão
Universidade de São Paulo - USP
Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” - ESALQ
Departamento de Zootecnia – LZT
Cx. Postal 9 - 13.418-900
Piracicaba, SP

e.mail:
                                                                                 Melhoramento
gbmourao@usp.br                                                                    genético




            Agradecimentos: Prof. Dr. José Bento Sterman Ferraz (FZEA/USP) e Fernanda Marcondes de Rezende (FZEA/USP) pela cessão de fotos e dados.




Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Introdução zootecnia bovinocultura de corte - 2012
Introdução zootecnia   bovinocultura de corte - 2012Introdução zootecnia   bovinocultura de corte - 2012
Introdução zootecnia bovinocultura de corte - 2012
Universidade de São Paulo
 
Fisiologia da reprodução - fêmeas
Fisiologia da reprodução - fêmeasFisiologia da reprodução - fêmeas
Fisiologia da reprodução - fêmeas
José Alcides C M Ribeiro
 
Agentes de Melhoramento Genético e Lucratividade
Agentes de Melhoramento Genético e LucratividadeAgentes de Melhoramento Genético e Lucratividade
Agentes de Melhoramento Genético e Lucratividade
ANCP Ribeirão Preto
 
Manejo nutricional de ovinos de corte e leite
Manejo nutricional de ovinos de corte e leiteManejo nutricional de ovinos de corte e leite
Manejo nutricional de ovinos de corte e leite
Marília Gomes
 
Aula 4 bioclimatologia animal ecologia animal
Aula 4 bioclimatologia animal ecologia animalAula 4 bioclimatologia animal ecologia animal
Aula 4 bioclimatologia animal ecologia animal
James Pinho Ladislau Pinho
 
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinosManejo reprodutivo de caprinos e ovinos
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos
Killer Max
 
Aula ezoogenosia
Aula ezoogenosia Aula ezoogenosia
Aula ezoogenosia
Rodrigo Padilha
 
Panorama da suinocultura no Brasil e no mundo
Panorama da suinocultura no Brasil e no mundoPanorama da suinocultura no Brasil e no mundo
Panorama da suinocultura no Brasil e no mundo
Marília Gomes
 
Sistemas de criação para ovinos e caprinos
Sistemas de criação para ovinos e caprinosSistemas de criação para ovinos e caprinos
Sistemas de criação para ovinos e caprinos
Killer Max
 
Aula1 -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]
Aula1  -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]Aula1  -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]
Aula1 -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]
Rômulo Alexandrino Silva
 
Bioclimatologia e comportamento animal
Bioclimatologia e comportamento animalBioclimatologia e comportamento animal
Bioclimatologia e comportamento animal
Vanderlei Holz Lermen
 
NUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃO
NUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃONUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃO
NUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃO
HenriqueKanada
 
Caprinos e Ovinos
Caprinos e OvinosCaprinos e Ovinos
Caprinos e Ovinos
Sheila Cassenotte
 
Aula 1 panorama_geral_da_suinocultura_brasileira
Aula 1 panorama_geral_da_suinocultura_brasileiraAula 1 panorama_geral_da_suinocultura_brasileira
Aula 1 panorama_geral_da_suinocultura_brasileira
Hugomar Elicker
 
Aula 1 Zootecnia Geral.ppt
Aula 1 Zootecnia Geral.pptAula 1 Zootecnia Geral.ppt
Aula 1 Zootecnia Geral.ppt
RodrigoMenck2
 
Aula 1 - Introdução - Ruminantes.ppt
Aula 1 - Introdução - Ruminantes.pptAula 1 - Introdução - Ruminantes.ppt
Aula 1 - Introdução - Ruminantes.ppt
MirianFernandes15
 
Livro nutricao de monogastricos bertechini ufla
Livro nutricao de monogastricos bertechini uflaLivro nutricao de monogastricos bertechini ufla
Livro nutricao de monogastricos bertechini ufla
Júnior Oliveira
 
Aula 1 alimentos concentrados proteicos de origem animal (1)
Aula 1  alimentos concentrados proteicos de origem animal (1)Aula 1  alimentos concentrados proteicos de origem animal (1)
Aula 1 alimentos concentrados proteicos de origem animal (1)
Glaucia Moraes
 
Bovinos manejo reprodutivo
Bovinos manejo reprodutivoBovinos manejo reprodutivo
Bovinos manejo reprodutivo
Fmodri3
 
Prova n2
Prova n2Prova n2
Prova n2
Rogger Wins
 

Mais procurados (20)

Introdução zootecnia bovinocultura de corte - 2012
Introdução zootecnia   bovinocultura de corte - 2012Introdução zootecnia   bovinocultura de corte - 2012
Introdução zootecnia bovinocultura de corte - 2012
 
Fisiologia da reprodução - fêmeas
Fisiologia da reprodução - fêmeasFisiologia da reprodução - fêmeas
Fisiologia da reprodução - fêmeas
 
Agentes de Melhoramento Genético e Lucratividade
Agentes de Melhoramento Genético e LucratividadeAgentes de Melhoramento Genético e Lucratividade
Agentes de Melhoramento Genético e Lucratividade
 
Manejo nutricional de ovinos de corte e leite
Manejo nutricional de ovinos de corte e leiteManejo nutricional de ovinos de corte e leite
Manejo nutricional de ovinos de corte e leite
 
Aula 4 bioclimatologia animal ecologia animal
Aula 4 bioclimatologia animal ecologia animalAula 4 bioclimatologia animal ecologia animal
Aula 4 bioclimatologia animal ecologia animal
 
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinosManejo reprodutivo de caprinos e ovinos
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos
 
Aula ezoogenosia
Aula ezoogenosia Aula ezoogenosia
Aula ezoogenosia
 
Panorama da suinocultura no Brasil e no mundo
Panorama da suinocultura no Brasil e no mundoPanorama da suinocultura no Brasil e no mundo
Panorama da suinocultura no Brasil e no mundo
 
Sistemas de criação para ovinos e caprinos
Sistemas de criação para ovinos e caprinosSistemas de criação para ovinos e caprinos
Sistemas de criação para ovinos e caprinos
 
Aula1 -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]
Aula1  -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]Aula1  -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]
Aula1 -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]
 
Bioclimatologia e comportamento animal
Bioclimatologia e comportamento animalBioclimatologia e comportamento animal
Bioclimatologia e comportamento animal
 
NUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃO
NUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃONUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃO
NUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃO
 
Caprinos e Ovinos
Caprinos e OvinosCaprinos e Ovinos
Caprinos e Ovinos
 
Aula 1 panorama_geral_da_suinocultura_brasileira
Aula 1 panorama_geral_da_suinocultura_brasileiraAula 1 panorama_geral_da_suinocultura_brasileira
Aula 1 panorama_geral_da_suinocultura_brasileira
 
Aula 1 Zootecnia Geral.ppt
Aula 1 Zootecnia Geral.pptAula 1 Zootecnia Geral.ppt
Aula 1 Zootecnia Geral.ppt
 
Aula 1 - Introdução - Ruminantes.ppt
Aula 1 - Introdução - Ruminantes.pptAula 1 - Introdução - Ruminantes.ppt
Aula 1 - Introdução - Ruminantes.ppt
 
Livro nutricao de monogastricos bertechini ufla
Livro nutricao de monogastricos bertechini uflaLivro nutricao de monogastricos bertechini ufla
Livro nutricao de monogastricos bertechini ufla
 
Aula 1 alimentos concentrados proteicos de origem animal (1)
Aula 1  alimentos concentrados proteicos de origem animal (1)Aula 1  alimentos concentrados proteicos de origem animal (1)
Aula 1 alimentos concentrados proteicos de origem animal (1)
 
Bovinos manejo reprodutivo
Bovinos manejo reprodutivoBovinos manejo reprodutivo
Bovinos manejo reprodutivo
 
Prova n2
Prova n2Prova n2
Prova n2
 

Semelhante a Aula melhoramento bovinos corte parte 1 2012

DEP - Diferença Esperada na Progênie
DEP - Diferença Esperada na ProgênieDEP - Diferença Esperada na Progênie
DEP - Diferença Esperada na Progênie
Apoio Genética
 
Palestra Marcos Vinicius Silva - Seminário ANCP 2014
Palestra Marcos Vinicius Silva - Seminário ANCP 2014Palestra Marcos Vinicius Silva - Seminário ANCP 2014
Palestra Marcos Vinicius Silva - Seminário ANCP 2014
ANCP Ribeirão Preto
 
Melhoramento genético de bovinos.pdf
Melhoramento genético de bovinos.pdfMelhoramento genético de bovinos.pdf
Melhoramento genético de bovinos.pdf
ssuseree6f78
 
[Palestra] Professor Bento Ferraz: Como o melhoramento genético impacta no se...
[Palestra] Professor Bento Ferraz: Como o melhoramento genético impacta no se...[Palestra] Professor Bento Ferraz: Como o melhoramento genético impacta no se...
[Palestra] Professor Bento Ferraz: Como o melhoramento genético impacta no se...
AgroTalento
 
Interpretação e aplicação das características no processo de seleção
Interpretação e aplicação das características no processo de seleçãoInterpretação e aplicação das características no processo de seleção
Interpretação e aplicação das características no processo de seleção
ANCP Ribeirão Preto
 
Seleção assistida por marcadores genéticos de características de carcaça em b...
Seleção assistida por marcadores genéticos de características de carcaça em b...Seleção assistida por marcadores genéticos de características de carcaça em b...
Seleção assistida por marcadores genéticos de características de carcaça em b...
Roulber Carvalho
 
1º BeefPoint Live Day - palestra - Rogerio Balani - Gene Tatuapé
1º BeefPoint Live Day - palestra - Rogerio Balani - Gene Tatuapé1º BeefPoint Live Day - palestra - Rogerio Balani - Gene Tatuapé
1º BeefPoint Live Day - palestra - Rogerio Balani - Gene Tatuapé
AgroTalento
 
Estudo de caracterização e associação de marcadores moleculares relacionados ...
Estudo de caracterização e associação de marcadores moleculares relacionados ...Estudo de caracterização e associação de marcadores moleculares relacionados ...
Estudo de caracterização e associação de marcadores moleculares relacionados ...
Roulber Carvalho
 
Informativo pac2012 01
Informativo pac2012 01Informativo pac2012 01
Informativo pac2012 01
Thais Lopa
 
Relatório 2014
Relatório 2014Relatório 2014
Relatório 2014
Thais Lopa
 
Seminário ANCP 2016 – Carina Ubirajara – Eficiência Alimentar em Bovinos de C...
Seminário ANCP 2016 – Carina Ubirajara – Eficiência Alimentar em Bovinos de C...Seminário ANCP 2016 – Carina Ubirajara – Eficiência Alimentar em Bovinos de C...
Seminário ANCP 2016 – Carina Ubirajara – Eficiência Alimentar em Bovinos de C...
ANCP Ribeirão Preto
 
A Seleção do Nelore Lemgruber na Fazenda Mundo Novo
A Seleção do Nelore Lemgruber na Fazenda Mundo NovoA Seleção do Nelore Lemgruber na Fazenda Mundo Novo
A Seleção do Nelore Lemgruber na Fazenda Mundo Novo
ANCP Ribeirão Preto
 
Relatorio+de+avaliaçao+genetica+pampa plus+embrapa+2012
Relatorio+de+avaliaçao+genetica+pampa plus+embrapa+2012Relatorio+de+avaliaçao+genetica+pampa plus+embrapa+2012
Relatorio+de+avaliaçao+genetica+pampa plus+embrapa+2012
Thais Lopa
 
Zoornal 1
Zoornal 1Zoornal 1
Fórum Expogenética 2013- Provas Desempenho
Fórum Expogenética 2013- Provas DesempenhoFórum Expogenética 2013- Provas Desempenho
Fórum Expogenética 2013- Provas Desempenho
ANCP Ribeirão Preto
 
SOLUTION® 3,5 % LA, da Intervet/Schering-Plough
SOLUTION® 3,5 % LA, da Intervet/Schering-PloughSOLUTION® 3,5 % LA, da Intervet/Schering-Plough
SOLUTION® 3,5 % LA, da Intervet/Schering-Plough
AgriPoint
 
Catalogo Leilão Virtual Marcas Fortes
Catalogo Leilão Virtual Marcas FortesCatalogo Leilão Virtual Marcas Fortes
Catalogo Leilão Virtual Marcas Fortes
brasilcomz® - Zootecnia Tropical
 
Como ler a prova americana e o que priorizar na escolha de um touro.
	 Como ler a prova americana e o que priorizar na escolha de um touro.	 Como ler a prova americana e o que priorizar na escolha de um touro.
Como ler a prova americana e o que priorizar na escolha de um touro.
Rural Pecuária
 
Manual de necropsia
Manual de necropsiaManual de necropsia
Manual de necropsia
Paulo Fernandes Marcusso
 
Prova de Desempenho de Touros Nelore
Prova de Desempenho de Touros NeloreProva de Desempenho de Touros Nelore
Prova de Desempenho de Touros Nelore
brasilcomz® - Zootecnia Tropical
 

Semelhante a Aula melhoramento bovinos corte parte 1 2012 (20)

DEP - Diferença Esperada na Progênie
DEP - Diferença Esperada na ProgênieDEP - Diferença Esperada na Progênie
DEP - Diferença Esperada na Progênie
 
Palestra Marcos Vinicius Silva - Seminário ANCP 2014
Palestra Marcos Vinicius Silva - Seminário ANCP 2014Palestra Marcos Vinicius Silva - Seminário ANCP 2014
Palestra Marcos Vinicius Silva - Seminário ANCP 2014
 
Melhoramento genético de bovinos.pdf
Melhoramento genético de bovinos.pdfMelhoramento genético de bovinos.pdf
Melhoramento genético de bovinos.pdf
 
[Palestra] Professor Bento Ferraz: Como o melhoramento genético impacta no se...
[Palestra] Professor Bento Ferraz: Como o melhoramento genético impacta no se...[Palestra] Professor Bento Ferraz: Como o melhoramento genético impacta no se...
[Palestra] Professor Bento Ferraz: Como o melhoramento genético impacta no se...
 
Interpretação e aplicação das características no processo de seleção
Interpretação e aplicação das características no processo de seleçãoInterpretação e aplicação das características no processo de seleção
Interpretação e aplicação das características no processo de seleção
 
Seleção assistida por marcadores genéticos de características de carcaça em b...
Seleção assistida por marcadores genéticos de características de carcaça em b...Seleção assistida por marcadores genéticos de características de carcaça em b...
Seleção assistida por marcadores genéticos de características de carcaça em b...
 
1º BeefPoint Live Day - palestra - Rogerio Balani - Gene Tatuapé
1º BeefPoint Live Day - palestra - Rogerio Balani - Gene Tatuapé1º BeefPoint Live Day - palestra - Rogerio Balani - Gene Tatuapé
1º BeefPoint Live Day - palestra - Rogerio Balani - Gene Tatuapé
 
Estudo de caracterização e associação de marcadores moleculares relacionados ...
Estudo de caracterização e associação de marcadores moleculares relacionados ...Estudo de caracterização e associação de marcadores moleculares relacionados ...
Estudo de caracterização e associação de marcadores moleculares relacionados ...
 
Informativo pac2012 01
Informativo pac2012 01Informativo pac2012 01
Informativo pac2012 01
 
Relatório 2014
Relatório 2014Relatório 2014
Relatório 2014
 
Seminário ANCP 2016 – Carina Ubirajara – Eficiência Alimentar em Bovinos de C...
Seminário ANCP 2016 – Carina Ubirajara – Eficiência Alimentar em Bovinos de C...Seminário ANCP 2016 – Carina Ubirajara – Eficiência Alimentar em Bovinos de C...
Seminário ANCP 2016 – Carina Ubirajara – Eficiência Alimentar em Bovinos de C...
 
A Seleção do Nelore Lemgruber na Fazenda Mundo Novo
A Seleção do Nelore Lemgruber na Fazenda Mundo NovoA Seleção do Nelore Lemgruber na Fazenda Mundo Novo
A Seleção do Nelore Lemgruber na Fazenda Mundo Novo
 
Relatorio+de+avaliaçao+genetica+pampa plus+embrapa+2012
Relatorio+de+avaliaçao+genetica+pampa plus+embrapa+2012Relatorio+de+avaliaçao+genetica+pampa plus+embrapa+2012
Relatorio+de+avaliaçao+genetica+pampa plus+embrapa+2012
 
Zoornal 1
Zoornal 1Zoornal 1
Zoornal 1
 
Fórum Expogenética 2013- Provas Desempenho
Fórum Expogenética 2013- Provas DesempenhoFórum Expogenética 2013- Provas Desempenho
Fórum Expogenética 2013- Provas Desempenho
 
SOLUTION® 3,5 % LA, da Intervet/Schering-Plough
SOLUTION® 3,5 % LA, da Intervet/Schering-PloughSOLUTION® 3,5 % LA, da Intervet/Schering-Plough
SOLUTION® 3,5 % LA, da Intervet/Schering-Plough
 
Catalogo Leilão Virtual Marcas Fortes
Catalogo Leilão Virtual Marcas FortesCatalogo Leilão Virtual Marcas Fortes
Catalogo Leilão Virtual Marcas Fortes
 
Como ler a prova americana e o que priorizar na escolha de um touro.
	 Como ler a prova americana e o que priorizar na escolha de um touro.	 Como ler a prova americana e o que priorizar na escolha de um touro.
Como ler a prova americana e o que priorizar na escolha de um touro.
 
Manual de necropsia
Manual de necropsiaManual de necropsia
Manual de necropsia
 
Prova de Desempenho de Touros Nelore
Prova de Desempenho de Touros NeloreProva de Desempenho de Touros Nelore
Prova de Desempenho de Touros Nelore
 

Mais de Universidade de São Paulo

Simp esalq 2011 proc grãos bc
Simp esalq 2011   proc grãos bcSimp esalq 2011   proc grãos bc
Simp esalq 2011 proc grãos bc
Universidade de São Paulo
 
Metabolismo2012
Metabolismo2012Metabolismo2012
RevisaoGadoCorte2012
RevisaoGadoCorte2012RevisaoGadoCorte2012
RevisaoGadoCorte2012
Universidade de São Paulo
 
Texto sobre Confinamento
Texto sobre ConfinamentoTexto sobre Confinamento
Texto sobre Confinamento
Universidade de São Paulo
 
Aula Confinamento
Aula ConfinamentoAula Confinamento
Aula Confinamento
Universidade de São Paulo
 
Sup bov corte graduação 05-2012
Sup bov corte   graduação 05-2012Sup bov corte   graduação 05-2012
Sup bov corte graduação 05-2012
Universidade de São Paulo
 
Bovino de corte 2012 volumosos nussio low
Bovino de corte 2012 volumosos nussio lowBovino de corte 2012 volumosos nussio low
Bovino de corte 2012 volumosos nussio low
Universidade de São Paulo
 
Biologia do crescimento low
Biologia do crescimento lowBiologia do crescimento low
Biologia do crescimento low
Universidade de São Paulo
 
Manejo reprodutivo em bovinos de corte low
Manejo reprodutivo em bovinos de corte lowManejo reprodutivo em bovinos de corte low
Manejo reprodutivo em bovinos de corte low
Universidade de São Paulo
 
Agronegócio do boi
Agronegócio do boiAgronegócio do boi
Agronegócio do boi
Universidade de São Paulo
 

Mais de Universidade de São Paulo (10)

Simp esalq 2011 proc grãos bc
Simp esalq 2011   proc grãos bcSimp esalq 2011   proc grãos bc
Simp esalq 2011 proc grãos bc
 
Metabolismo2012
Metabolismo2012Metabolismo2012
Metabolismo2012
 
RevisaoGadoCorte2012
RevisaoGadoCorte2012RevisaoGadoCorte2012
RevisaoGadoCorte2012
 
Texto sobre Confinamento
Texto sobre ConfinamentoTexto sobre Confinamento
Texto sobre Confinamento
 
Aula Confinamento
Aula ConfinamentoAula Confinamento
Aula Confinamento
 
Sup bov corte graduação 05-2012
Sup bov corte   graduação 05-2012Sup bov corte   graduação 05-2012
Sup bov corte graduação 05-2012
 
Bovino de corte 2012 volumosos nussio low
Bovino de corte 2012 volumosos nussio lowBovino de corte 2012 volumosos nussio low
Bovino de corte 2012 volumosos nussio low
 
Biologia do crescimento low
Biologia do crescimento lowBiologia do crescimento low
Biologia do crescimento low
 
Manejo reprodutivo em bovinos de corte low
Manejo reprodutivo em bovinos de corte lowManejo reprodutivo em bovinos de corte low
Manejo reprodutivo em bovinos de corte low
 
Agronegócio do boi
Agronegócio do boiAgronegócio do boi
Agronegócio do boi
 

Aula melhoramento bovinos corte parte 1 2012

  • 1. Melhoramento genético na Produção de Bovinos Corte no Brasil Gerson Barreto Mourão Zootecnista pela Universidade Federal de Lavras Mestre pela Universidade Federal de Minas Gerais Livre Docente e Doutor pela Universidade de São Paulo Professor Associado do LZT - ESALQ/USP
  • 2. O direcionamento: 2  Quais são os objetivos? Qual o mercado?  Criar animais “puros” ou fazer cruzamentos?  Qual a melhor raça?  Qual o melhor cruzamento?  O que fazer com as fêmeas F1 (“meio-sangue”), abater todas ou utilizá-las na reprodução?  Quais são nossos sistemas de produção?  Vamos continuar usando as DEPs?  Genômica e marcadores moleculares? Prof. Dr. Gerson Bareto Mourão - ESALQ/USP
  • 3. A resposta a cada uma dessas questões passa pelo aumento de produtividade, de lucratividade e sustentabilidade. 3 Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
  • 4. Qual é o produto? Qual o sistema? 4 Prof. Dr. Gerson Barreto Murão - ESALQ/USP
  • 5. Qual é o produto? Qual o sistema? 5 Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
  • 6. Qual é o produto? Qual o sistema? 6 Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
  • 7. Qual é o produto? Qual o sistema? 7 Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
  • 8. Qual é o produto? Qual o sistema? 8 Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
  • 9. Qual é o produto? Qual o sistema? 9 Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
  • 10. O que o consumidor deseja? 10 Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
  • 11. No fundo o produto é... 11 Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
  • 12. Conhecendo o produto e o cliente . . . 12 Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
  • 13. Não era comercial! 190 150 99 (2010) Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
  • 14. Produção Mundial de Carne Bovina (em milhares de toneladas) 14 AINDA FALTA EFICIÊNCIA NA PRODUÇÃO Fontes: USDA (1) Estimativa (2) Incluí Carne de Búfalo Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
  • 15. Para produzir: 15  Portanto:  Para serem obtidos esses ganhos, é necessário agir em todos os pontos da cadeia produtiva.  O uso de material genético de alta qualidade é uma NECESSIDADE Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
  • 16. Para que servem os reprodutores e matrizes? 16  São nossas máquinas  Devem produzir os nossos produtos, os bezerros  Esses produtos devem ser adequados aos sistemas de produção e às condições de ambiente que temos  Os reprodutores e matrizes são máquinas de fazer gametas (espermatozóides e óvulos), portanto, valem o valor de seus gametas  Se valem o valor de seus gametas, temos que conhecer isso.... Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
  • 17. O que influencia o desempenho dos animais? Alimentação Instalações Nutrição Qualidade de Mão-de-Obra Manejo Outros efeitos Saúde de ambiente Genética Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP 17
  • 18. Precoces x Tardios 600 500 Precoces 400 Tardios Peso, kg 300 200 100 0 40 240 440 640 840 1040 1240 1440 Idade, dias Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
  • 19. A avaliação genética 19 P = A + D + I + E + GE  Procedimento de análise dos dados de produção dos animais, com uso de metodologia estatística adequada, para:  Separar os efeitos genéticos aditivos (A) dos dos demais efeitos (D+I+E)  Ordenar (rankear) os animais segundo o valor genético aditivo de cada um, para fins de seleção Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
  • 20. DEP: O que significa? P = A + D + I + E + GE  DEP = diferença esperada na progênie  Ferramenta AUXILIAR de seleção  Exemplo:  Touro A = +12 kg x Touro B= -3 kg de peso ao abate  Diferença entre eles: 15 kg/filho (em média)  Se for peso ao abate = 15 kg/filho x 5 anos x 30 filhos/ano = 2250 kg de peso vivo x R$3,00  R$6.750,00 de receita adicional na vida útil do touro= Valor diferencial do touro A, em relação ao touro B  DEP significa dinheiro no bolso do criador! Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP 20
  • 21. A evolução das metodologias de estimação do valor genético 21  História  Avaliação visual (>1.000 anos)  Medições (pesos, dimensões, tempos, etc.) (>100 anos)  Medições ajustadas (>60 anos)  Índices (desvios de grupos, > 40 anos)  DEPs com baixa acurácia (“Quad. Mínimos”, >30 anos)  DEPs com média acurácia (“Modelos touro”, >25 anos)  DEPs com alta acurácia (“Modelos Animais”, ~10 anos)  Auxiliares de seleção, seleção assistida por marcadores genéticos, biologia molecular, finalmente, ficando disponível  Seleção genômica  Aumento da Confiança Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
  • 22. Seleção - Sumário de Touros DEP = diferença Esperada na Progênie 22  O valor genético de um animal  É calculado separadamente para cada característica  Depende de medidas tomadas no próprio animal, nos parentes e outros animais com eles relacionados.  A determinação do valor genético  muito mais acurada para touros com muitos filhos em diferentes rebanhos.  O cálculo do mérito genético de vacas  é deficiente: em geral, vivem dentro de um só rebanho  produzem um número limitado de filhos Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
  • 23. Seleção - Sumário de Touros DEP = diferença Esperada na Progênie 23  Efeitos do meio ambiente  provocam um desvio na expressão do genótipo, que o touro imprime nas filhos, fenotipicamente, positivo ou negativo, em relação a uma base genética predeterminada.  A base genética  Ponto de referência usado para avaliar o mérito dos animais  Quase nunca conhecida!  O objetivo básico da DEP  Ordenar os touros de acordo com o seu genótipo Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
  • 24. Seleção - Sumário de Touros DEP = diferença Esperada na Progênie 24  Um touro com um DEP de +20 kg para PD não dará origem a filhos que produzirão +20 kg a mais do que os demais bezerros do rebanho/raça.  A interpretação correta é a de que seus filhos produzirão em média +20 kg a mais do que a média dos filhos dos touros usados na base genética.  Acurácia  É o grau de confiança das DEPs  Um touro precisa ter cerca de 50 filhos em 50 rebanhos para ter cerca 80% de acurácia para PD. Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
  • 25. Seleção - Sumário de Touros DEP = diferença Esperada na Progênie 25  Se a acurácia da DEP for >90%  A DEP do touro apresentará pequenas variações no futuro.  Se for menor que 70% mudará mais (ex.: touros Jovens).  A direção dessa mudança é desconhecida, podendo melhorar, piorar ou permanecer inalterada.  O uso de touros jovens representa risco e oportunidade.  A acurácia define o número de doses de sêmen a serem utilizadas. Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
  • 26. Seleção - Sumário de Touros DEP = diferença Esperada na Progênie 26  Os valores das DEPs  Tendem a mudar na medida em que mais filhos são avaliados  Quanto maior o número de filhos  Maior a confiança nas DEPs  Menor mudança no futuro.  Sumários de touros  são publicações periódicas (anuais) e atualizadas.  Touro positivo/negativo. Por que? Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
  • 27. Seleção - Sumário de Touros DEP = diferença Esperada na Progênie 27  A Base Genética  ponto de referência para o cálculo da DEP  É sempre atualizada  Muda com o processo genético: implica em valores crescentes de produção.  A alteração da base genética  não modifica o mérito biológico dos touros, mas facilita a comparação entre eles  É importante salientar que uma base atualizada inclui animais de maior mérito genético.  Portanto, alguns animais com DEP positiva antes da mudança, podem se tornar negativos.  O valor genético biológico do animal não muda, o que muda é o ponto de referência a partir do qual esse valor é calculado. Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
  • 28. Relação entre acurácia de uma estimativa de valor genético de um animal e o risco de utilizar-se ou não tal animal como reprodutor na propriedade. 28 Acurácia Causa Risco Poucas informações a respeito do animal, animal em 0,30 a 0,50 geral muito jovem (acurácia baixa, diminui o Alto intervalo de gerações) Número razoável de informações, reprodutor jovem, 0,51 a 0,90 com 10 a 20 filhos testados (acurácia média, Médio intervalo de gerações médio) Número suficiente de informações, animal com mais acima de de 20 filhos ou filhas testados (acurácia alta, Baixo 0,90 aumenta muito o intervalo de gerações) Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
  • 29. Os resultados na fazenda e na indústria 29 Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
  • 30. 30 Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
  • 31. 31 Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
  • 32. 32 Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
  • 33. 33 Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
  • 34. 34 Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
  • 35. 35 Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
  • 36. 36 Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
  • 37. 37 Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
  • 38. Como selecionar? 38  De acordo com o “olho” do proprietário? [observando o fenótipo dos animais (padrão racial, pelagem, tamanho, conformação)]?  Pelo “Pedigree”?  Pelo peso?  Outra forma?  Que tal conhecermos mais, um pouco antes de decidir?!!!! Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
  • 39. E como se deve selecionar um reprodutor? 39  Para que servem as avaliações genéticas, as DEPs, os sumários de touros e vacas?  São as verdadeiras “especificações técnicas”de nossas máquinas;  São nossas ferramentas auxiliares, nossos critérios de escolha;  Dão uma idéia, quando comparadas aos estimativas dos outros reprodutores disponíveis, do valor médio dos gametas de um reprodutor, comparado aos demais. Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
  • 40. E como se deve selecionar um reprodutor? 40  Quais são os pontos fortes do seu rebanho?  Reforce-os, usando reprodutores ou sêmen com DEPs adequadas ao rebanho e ao sistema de produção. Exemplo: precocidade sexual e ambiente  Quais são os pontos fracos de seu rebanho?  Use reprodutores ou sêmen que “consertem” os defeitos de suas matrizes, sempre lembrando que os reprodutores devem ser adequados ao sistema de produção. Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
  • 41. A colheita de dados fenotípicos 41 ESSENCIAL! Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
  • 42. Colheita de pesos e mensuração com aparelhos de ultrassom 42  Medidas na “entrada” do confinamento  Peso  EGS e AOL Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
  • 43. Coleta de amostras pós-abate 43 Leitura de PH Identificação da Carcaça Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
  • 44. Coleta de amostras pós-abate 44 AOL na 5ª e 12ª costela Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
  • 45. Coleta de amostras pós-abate 45  Mensuração da área de olho de lombo (AOL) Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
  • 46. Coleta de amostras pós-abate 46 MEDIÇÃO DA ESPESSURA DE GORDURA (EGS) EM MILÍMETROS Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
  • 47. Coleta de amostras pós-abate 47 Avaliação de marmoreio, com base em cartões referência Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
  • 48. Coleta de amostras pós-abate 48 PORCIONAMENTO DE 4 AMOSTRAS DO CONTRA PARA TEMPOS DISTINTOS DE MATURAÇÃO: 7, 14 e 21 DIAS MAIS UMA AMOSTRA PARA COMPOSIÇÃO DA CARNE Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
  • 49. Atividades em laboratórios de carne 49 Assado de forma padronizada (71ºC interno) Pesagem pós assar (Com e Sem exsudato) Resfriamento até 20ºC Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
  • 50. Atividades em laboratórios de carne “Shear Force” ou Força de Cisalhamento 50 8 réplicas (medidas) Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
  • 51. Análises Quantitativas  Após as coletas dos dados, o processo é seguido de análises estatísticas sejam sob abordagem tradicional em genética quantitativa ou para descoberta e identificação de marcadores genéticos Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP 51
  • 52. Distribuição dos valores mensurados 52 AOL - in vivo ("entrada" confinamento) - 21m Nel 25 20 15 No 10 5 0 39,0 46,0 49,2 51,8 53,9 56,0 58,1 60,2 62,3 64,4 66,5 68,6 70,7 72,8 74,9 77,1 79,3 81,8 85,4 Valor Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
  • 53. Distribuição dos valores mensurados 53 Marmoreio Carcaça AOL Carcaça 350 50 300 250 40 200 30 150 20 100 No 10 50 0 0 SL SL SL SL SL SL SM SM SM SM SM MT MT MT -10 56 59 62 65 68 71 74 77 80 83 86 89 92 95 98 Total 288 88 102 1 82 5 41 13 5 11 4 3 4 1 -20 Valor Dias Mat. % < 4,54 EGS Carcaça 200 7 dias 16% 150 14 dias 38% 100 21 dias 58% No 50 Touros No % 0 Macio 6 13,6% Médio 12 27,3% -50 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 Duro 26 59,1% Total 2 14 88 156 127 105 66 40 32 9 8 2 Total 44 Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
  • 54. Distribuição: Maciez aos 7 dias 54 Carne macia Fonte: Rezende, 2008 Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
  • 55. Distribuição: Maciez aos 14 dias 55 Carne macia Carne macia Fonte: Rezende, 2008 Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
  • 56. Distribuição: Maciez aos 21 dias 56 Carne macia Carne macia Fonte: Rezende, 2008 Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
  • 57. Distribuição: Colesterol 57 Fonte: Rezende, 2008 Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
  • 58. Avaliações genéticas atuais 58 Pedigree Avaliação Av. Genética Gen. Fenótipos Avaliação do Fenótipos DEPs Mérito Genético Fenótipos Progênie Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
  • 59. O futuro das avaliações genéticas 59 Pedigree Avaliação Genética Fenótipos Testes DNA Avaliação mais precisa Fenótipos Testes DNA DEPs (precoce) do Mérito Genético Fenótipos Testes Progênie DNA Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
  • 60. Considerações 60  Seleção e acasalamentos  Fundamental para o aumento de produção!  Genômica  Traz mais um conjunto de valor para o criador aumentar a velocidade de ganho  Identificação de paternidade  Permitirá escolher com maior precisão os animais que servirão como reprodutores  Podem se tornar  Fonte apoio ao manejo  Uniformização dos lotes Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
  • 61. Considerações  Marcadores SNPs  poderão ser utilizados amplamente em novas aplicações, que agreguem valor ao produto  O grande perigo no uso dessa ferramenta!  Utilização de marcadores não validados nas populações e nas condições de criação existentes no Brasil  Isso também vale para os valores das DEPs e PTAs  A seleção genômica chegou para ficar! Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP 61
  • 62. Bibliografia  LUCHIARI FILHO, A.; MOURÃO, G. B. Melhoramento, raças e seus cruzamentos na pecuária de corte brasileira. Pirassununga: Albino Luchiari Filho, 2006, 142 p.  BOURDON, R.M. Understanding Animal Breeding, 2ª Ed., Prentice- Hall, 2000, 538 p.  ELER, J.P. Teorias e Métodos em Melhoramento Genético Animal II. Seleção, FZEA, 2008, 210 p.  KINGHORN B. et al. Melhoramento Animal: Uso de novas tecnologias. 1ª. Ed., FEALQ, 2006, 367 p.  PEREIRA, J.C.C. Melhoramento genético aplicado à produção animal. 4ª. ed., FEPMVZ Editora, 2008, 555 p. Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP
  • 63. Muito obrigado! Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão Universidade de São Paulo - USP Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” - ESALQ Departamento de Zootecnia – LZT Cx. Postal 9 - 13.418-900 Piracicaba, SP e.mail: Melhoramento gbmourao@usp.br genético Agradecimentos: Prof. Dr. José Bento Sterman Ferraz (FZEA/USP) e Fernanda Marcondes de Rezende (FZEA/USP) pela cessão de fotos e dados. Prof. Dr. Gerson Barreto Mourão - ESALQ/USP