SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 62
Doenças Trabalho de Biologia – Prafª Ionnara 2º TA Aline Merki - 09002 Amanda Berti – 09003 Bárbara Dias – 09007 Letícia Kis – 09026 Marina Duarte – 09030 Najla Morandi – 09035
* Amebíase
Causador e Transmissão ,[object Object],[object Object],3.bp.blogspot.com/ www.acsmedchem.org/module www.med-chem.com
Ciclo Patogênico Fonte: http://www.supletivo.com.br/materias/biologia
Ciclo biológico   Em seqüência, ocorrem a partir da ingestão dos cistos maduros, estes passam pelo estômago e resistem a ação do sulco gástrico daí vão para o intestino grosso onde ocorre o desencistamento, surge o metacisto que sofre sucessivas divisões do núcleo e do citoplasma, dando origem a 4 e depois 8 trofozóitos metacísticos. Estes trofozóitos colonizam-se no intestino grosso vivendo como comensais. TROFOZÓITO – PRÉ-CISTO – CISTO – METACISTO . http://3.bp.blogspot.com
Sintomas   ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Diagnóstico e Tratamento O exame de fezes detecta o parasita com alguma facilidade. Algumas vezes para confirmação diagnóstica , além do exame de imagem os médicos usam agulhas finas para puncionar os abscessos. Nas formas mais invasivas, quando o diagnóstico não for possível por identificação do cisto utiliza-se exames de sangue para a detecção da presença de anticorpos contra o parasita.  No tratamento, o mais utilizado pelos médicos é um antimicrobiano com nome de metronidazol, além de existirem outros, recomendados para situações mais específicas.  www.normon.es/99_marcas.cfm?id=37
Profilaxia ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Epidemiologia  Segundo a OMS, há 50 milhões de novas infecções por ano e 70.000 mortes. A amebiase é mais prevalente nos países tropicais mas também ocorre nas zonas temperadas e mesmo frias. A falta de condições higiênicas adequadas é a responsável por sua disseminação, no Brasil estima-se que a prevalência média de infecção pela Entamoeba, sintomática ou não, é de aproximadamente 23% da população, no entanto, o país exibe áreas de endemicidade onde esta taxa pode estar dobrada e regiões onde praticamente não há casos. A infecção assintomática é mais encontrada em países como Estados Unidos, Canadá e países da Europa. As formas graves de disenteria amebiana têm sido registradas com mais freqüência na América do Sul, na Índia, no Egito e no México.
* Candidíase
Candidíase ,[object Object],[object Object],[object Object]
O intertrigo atinge mais freqüentemente as dobras cutâneas, nuca, virilha e regiões axilares. A infecção mucocutânea crônica pode estar associada com doenças endócrinas, como diabetes melittus, tratamento com antibióticos de amplo espectro ou imunodeficiência, sendo freqüente na infecção por HIV.  ,[object Object]
Fatores que auxiliam o crescimento do fungo: antibióticos, gravidez, diabetes, infecções, deficiência imunológica, medicamentos como anticoncepcionais, corticoides e remédios para acne. ,[object Object],[object Object]
http://www.clinicando.hpg.ig.com.br/candidiase.jpg ,[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Vigilância Epidemiológica Objetivo - Diagnosticar e tratar precocemente os casos para evitar Complicações e nas gestantes reduzir o risco de transmissão perinatal.   Notificação  - Não é uma doença de notificação compulsória. Medidas de Controle Tratamento precoce dos indivíduos atingidos. Orienta-se a desinfecção concorrente das secreções e artigos contaminados. Sempre que possível, deverá ser evitada antibioticoterapia prolongada de amplo espectro. Cuidados específicos devem ser tomados com uso de cateter venoso, como troca de curativos a cada 48 horas e uso de solução à base de iodo e povidine.  . 1998.  Ministério da Saúde. Fundação Nacional de Saúde
* Botulismo
Causador e transmissor ,[object Object]
Transmissão ,[object Object],[object Object],[object Object]
Ciclo de vida ,[object Object]
Sintomas principais ,[object Object],[object Object],[object Object]
Profilaxia ,[object Object],[object Object]
Dados epidemiológicos http://br.merial.com/pecuaristas/doencas/clostridioses/images/botulismo_situacaobrasil.gif No Brasil se registraram casos nos últimos anos (1995-2007) em conserva de palmito, torta de frango, patê de fígado e tofu em conserva (importação da China, clandestina). Se desenvolve nas conservas, produz a toxina, a qual é destruída pelo calor. Por isso ocorre sempre em conservas não aquecidas. No Estado de São Paulo, nos últimos três anos há o relato de 3 casos confirmados, de origem alimentar
* Febre Amarela
Febre Amarela ,[object Object],[object Object],[object Object],http://www.jornalcomunicacao.ufpr.br/files/images/capa_dengue.materia.jpg
Contágio ,[object Object]
Ciclo  ,[object Object],O período de incubação da febre amarela é de três a seis dias. O sangue dos doentes é infectante para os mosquitos muito pouco antes de começar a febre e durante os primeiros três a cinco dias da doença.
Sintomas Principais   ,[object Object],http:/www.febreamarela.org.br/sintomas.html
Profilaxia Vacina em dose única deve se recebida 10 dias antes da viagem para áreas endêmicas: Região Norte e Centro-Oeste. A vacina imuniza por um período de 10 anos.   Informar a população sobre a doença e como evitar a proliferação dos mosquitos transmissores, como não deixando água parada se acumular em cisternas, caixas d’água, latas, pneus e vasos de plantas são essenciais. O uso de repelentes e roupas especiais quando estiver em ambiente silvestre ou rural também são medidas importantes.
Dados Epidemiológicos ,[object Object]
* Herpes
Causador e transmissor A herpes é uma doença viral recorrente, geralmente benigna, causada pelos vírus Herpes simplex 1 e 2, que afeta principalmente a mucosa da boca ou região genital, mas pode causar graves complicações neurológicas. Os HSV1 e HSV2 são muito semelhantes, mas apresentam algumas diferenças significativas. O HSV1 tem características que o levam a ser particularmente infeccioso e virulento para as células da mucosa oral. O HSV2 tem características de maior virulência e infecciosidade para a mucosa genital. No entanto, o HSV1 também pode causar herpes genital e o HSV2, herpes bucal. http://descobrir.files.wordpress.com/2009/01/herpes-1.jpg
Transmissão ,[object Object],[object Object]
Ciclo de vida   http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/ameba/imagens/ciclo-de-vida-da-entamoeba-histolytica.gif O ciclo de vida do herpes pode durar até dez dias, dependendo de cada organismo. O enfermo começa a sentir coceira no lábio. Logo depois, vem o inchaço e a formação de bolhas (período de grande contágio do vírus).  No herpes genital ocorre o mesmo, porém a coceira é na área genital.
Sintomas principais ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Profilaxia ,[object Object],[object Object]
Dados Epidemiológicos ,[object Object],[object Object],[object Object]
http://www.medicinanet.com.br/imagens/20090812125514.jpg
* Histoplasmose
Causador e Transmissor (http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/ O agente causador é o fungo  Histoplasma capsulatum  que se desenvolve principalmente nos excrementos de aves e morcegos, que são os grandes transmissores.   http://cdn-flac.ficfiles.com/sites http://www.infectologia.org.br
Ciclo de vida Tipo de fungo que existe em forma de esporo, no solo de áreas endêmicas, e a exposição ocorre geralmente pela inalação desse esporo. Após inalado, ele germina e dá origem ao fungo, que pode provocar a histoplasmose pulmonar primária (um tipo de pneumonia) ou disseminar-se a partir dos pulmões para outras partes do corpo.  Tipo de fungo que existe em forma de esporo, no solo de áreas endêmicas, e a exposição ocorre geralmente pela inalação desse esporo. Após inalado, ele germina e dá origem ao fungo, que pode provocar a histoplasmose pulmonar primária (um tipo de pneumonia) ou disseminar-se a partir dos pulmões para outras partes do corpo.  www.mayoclinic.com/health/histoplasmosis
Sintomas ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
(revista da sociedade brasileira de medicina tropical- Print version  ISSN 0037-8682-Rev. Soc. Bras. Med. Trop. vol.42 no.2 Uberaba Mar./Apr. 2009)
Profilaxia ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Epidemiologia Os focos de infecção são comuns em amplas áreas geográficas, havendo casos autóctones em mais de 60 países. A enfermidade clínica é muito pouco freqüente e a forma progressiva grave é rara; entretanto, em áreas onde a infecção é prevalente, a hipersensibilidade à histoplasmina indica infecção prévia que pode chegar, às vezes, a 80% da população. Essa prevalência aumenta da infância até os 15 anos de idade, não existindo diferença entre os sexos. Já se detectou surtos em famílias, estudantes e trabalhadores, residentes em áreas endêmicas que foram expostos a excrementos de aves ou terra contaminada, recentemente removida. Ocorre, na América do Sul, na bacia do Rio da Prata e na Serra do Mar.
* Meningite Bacteriana
Meningite *  Meningite bacteriana é uma inflamação das meninges,  pequenas membranas que protegem e revestem o nosso sistema nervoso central. * É causada por infecção viral ou bacteriana. Saber se a meningite foi causada por vírus ou bactéria e é importante porque a gravidade da doença e tratamento diferem.   * Meningite viral é geralmente menos grave e cura-se sem tratamento específico * Meningite bacteriana pode ser muito séria e resultar em danos ao cérebro. Para a meningite bacteriana também é importante saber que tipo de bactéria a causou porque antibióticos podem prevenir alguns tipos de se espalharem e infectarem ouras pessoas.  http://biologiacrns.files.wordpress.com/2009/11/meningite.jpg
Causador e Transmissor ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],A transmissão se dá pelo contato da saliva ou secreção nasal da pessoa doente com os órgãos respiratórios de um indivíduo saudável.   http://www.presenteparahomem.com.br/wp-content/uploads/2009/11/meningite-tratamento-prevencao.jpg http://www.sbinfecto.org.br/media/image/noticias/Haemophilus_influenzae_coccobacillus.jpg
Os sintomas principais da meningite são:   - febre;  - dor de cabeça;  - rigidez do pescoço;  - dor de garganta;  - vômito.   * O quadro pode evoluir para paralisia, coma e chegando até a morte. Sintomas Pinça retirando meninge  http://www.mdsaude.com/2009/05/meningite.html
Profilaxia * A profilaxia reduz em 95% a chance de infecção além de eliminar o estado de portador assintomático da bactéria, reduzindo a assim, a cadeia de transmissão - Aqueles que tiveram contato prolongado ou íntimo com um paciente com meningite devem iniciar tratamento profilático com antibióticos nas primeiras 24 horas após a identificação do primeiro caso.E  devem procurar atendimento médico ao surgimento de qualquer sintoma. - Tomar principalemente a vacina contra meningite do tipo  Haemophilus influenzae, que  já faz parte do calendário básico de vacinação.
Epidemiologia ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],* A meningite pode ser causada por mais de um tipo de bactéria, por isso, não existe uma vacina única que previna todos os casos. Porém, há vacinas contra as principais bactérias, contra  Haemophilus influenzae e t ambém já existe vacina para o  Streptococcus pneumoniae , bactéria muito associada a pneumonia, otites e sinusites, mas que frequentemente é causa de meningite l
* Tétano
Causador ,[object Object],[object Object],http://www.brasilescola.com/doenças/tetano.htm
Transmissão ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Ciclo de Vida O esporo é resistente e permite que a célula bacteriana ou bacilo sobreviva, quer no intestino humano quer no meio externo, como foi citado anteriormente. Já o bacilo, sem a proteção do esporo, é muito sensível e não muito resistente, morrendo logo. É uma bactéria anaeróbia; um sopro de ar fresco sobre uma ferida superficial é suficiente para matá-lo. Podemos observar também o seu desaparecimento quando passamos água oxigenada (H2O2) sobre o local ferido, o que é um ótimo costume, pois enzimas presentes no local do ferimento liberam O2 da água oxigenada, suficiente para matar os bacilos tetânicos que ali se encontram.
Sintomas Principais Os sintomas se manifestam normalmente entre 5 e 10 dias devido às toxinas liberadas pelos bacilos tetânicos. Inicialmente, caracteriza-se por irritabilidade, cefaléia, febre e dificuldade de deglutição. Além de a contratura provocar deformações fisionômicas no rosto, o “riso sardônico”, a rigidez muscular, ao chegar à nuca, projeta a cabeça para trás; no abdômen, provoca o que se chama de “abdômen-tábua”; na língua e na faringe, torna quase impossível o paciente engolir até mesmo água. Muitas vezes o espasmo gótico pode ser causa de asfixia. Se o processo não puder ser controlado, a pessoa poderá morrer asfixiada. http://www.saberweb.com.br/
Profilaxia Vacinação das crianças, a partir dos 2 ou 3 meses de idade, em geral associada à vacinação contra coqueluche e difteria (vacina tríplice). Devem ser feitas, no mínimo, três doses com intervalos de 30 a 60 dias. A dose de reforço ou revacinação deve ser repetida a cada 10 anos. Caso a criança tenha tido a vacinação completa, com cinco doses, não é necessário revaciná-la antes dos 14 anos.  Uma pessoa com algum ferimento que possa levar ao tétano, se não foi devidamente vacinada na infância ou se já foi vacinada a mais de 10 anos, pode e deve receber a vacina.
[object Object],Conforme o caso, pode haver também a necessidade de administração de soro antitetânico ou imunoglobulina antitetânica humana. Portanto, recomenda-se levar a pessoa a um posto de saúde para orientação. Outra recomendação importante é lavar os ferimentos com água e sabão, complementar a limpeza com água oxigenada 10 volumes e usar anti-séptico tópico, como, por exemplo, tintura de iodo. Importante é não usar pós-cicatrizantes em feridas recentes. http://www.abcdasaude.com.br/artigo.php?410
Dados Epidemiológicos ,[object Object],[object Object]
http://www.todabiologia.com/doencas/amebiase.htm http://www.bioatividade.hpg.ig.com.br/amebiase.htm http ://www.abcdasaude.com.br/artigo.php?20 http ://www.inf.furb.br/sias/parasita/Textos/histoplasmose.htm ) http ://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/saude/vigilancia_em_saude/controle_de_zoonoses/lab_zoonoses/index.php?p=5586 ) http ://www.infectologia.org.br/publicoleigo/default.asp?site_Acao=&paginaId=14&mNoti_Acao=mostraNoticia&noticiaId=4311 )  http:/www.febreamarela.org.br http:/libertaria.pro.br/d_ressurgentes_intro.htm http://www.brasilescola.com/doencas/tetano.htm Referências Bibliográficas
http://www.minsaude.gov.cv/ http://www.abcdasaude.com.br/artigo.php?410 http://pt.wikipedia.org/wiki/Herpes http://www.aids.gov.br/data/Pages/LUMIS41C28ECDPTBRIE.htm http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/herpes/herpes-labial.php http://pt.wikipedia.org/wiki/Botulismo http://www.cve.saude.sp.gov.br/htm/hidrica/If_54bot.htm http://www.brasilescola.com/doencas/candidiase.htm Guia Brasileiro de Vigilância Epidemiológica 1998 http://www.ibvivavida.org.br/DST_AIDS_Doencas_Oportunistas2.asp http://www.tudoemfoco.com.br/meningite-bacteriana.html http://www.tuasaude.com/meningite-bacteriana/
http://scielo.iec.pa.gov.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-49742004000100004&lng=pt&nrm=iso http://www.copacabanarunners.net/meningite.html http://www.fmt.am.gov.br/manual/meningite.htm http://www.praticahospitalar.com.br/pratica%2027/paginas/materia%203-27.html Revista Super Interessante - nº 149. 2000. Livro de Biologia-J.Laurence-Editora Nova Geração-página 278

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Doenças Causadas por Vírus
Doenças Causadas por VírusDoenças Causadas por Vírus
Doenças Causadas por Vírus
 
Esquistossomose
EsquistossomoseEsquistossomose
Esquistossomose
 
Tricomoníase
TricomoníaseTricomoníase
Tricomoníase
 
HIV vs. AIDS
HIV vs. AIDSHIV vs. AIDS
HIV vs. AIDS
 
Ascaris lumbricoides
Ascaris lumbricoidesAscaris lumbricoides
Ascaris lumbricoides
 
Trabalho de parasitologia: Toxoplasma gondii.
Trabalho de parasitologia: Toxoplasma gondii.Trabalho de parasitologia: Toxoplasma gondii.
Trabalho de parasitologia: Toxoplasma gondii.
 
Candidiase - tratamento candidiase vulvovaginal
Candidiase - tratamento candidiase vulvovaginalCandidiase - tratamento candidiase vulvovaginal
Candidiase - tratamento candidiase vulvovaginal
 
Ascaridíase - Lombriga - Ascaris Lumbricoides
Ascaridíase - Lombriga - Ascaris LumbricoidesAscaridíase - Lombriga - Ascaris Lumbricoides
Ascaridíase - Lombriga - Ascaris Lumbricoides
 
Doença de Chagas - um problema sanitário
Doença de Chagas - um problema sanitárioDoença de Chagas - um problema sanitário
Doença de Chagas - um problema sanitário
 
Amebíase
AmebíaseAmebíase
Amebíase
 
Ascaridíase
Ascaridíase Ascaridíase
Ascaridíase
 
Apresentação dst
Apresentação dstApresentação dst
Apresentação dst
 
Ancilostomose
AncilostomoseAncilostomose
Ancilostomose
 
Parasitologia
ParasitologiaParasitologia
Parasitologia
 
Hepatites a, b e c
Hepatites a, b e cHepatites a, b e c
Hepatites a, b e c
 
Toxoplasmose
ToxoplasmoseToxoplasmose
Toxoplasmose
 
Doenças causadas por bacterias
Doenças  causadas por bacteriasDoenças  causadas por bacterias
Doenças causadas por bacterias
 
Hepatite
HepatiteHepatite
Hepatite
 
Bacterias
BacteriasBacterias
Bacterias
 
Geardíase
GeardíaseGeardíase
Geardíase
 

Semelhante a Trabalho pronto

Cocos de interesse em patologia humana
Cocos de interesse em patologia humanaCocos de interesse em patologia humana
Cocos de interesse em patologia humananaiellyrodrigues
 
Cuidados basicos de higiene
Cuidados basicos de higieneCuidados basicos de higiene
Cuidados basicos de higieneJoanaPaiva16
 
Microbiologia: Bactérias Patogênicas de Interesse Médico
Microbiologia: Bactérias Patogênicas de Interesse MédicoMicrobiologia: Bactérias Patogênicas de Interesse Médico
Microbiologia: Bactérias Patogênicas de Interesse MédicoNanaxara da Silva
 
Doenças-Biologia-COTUCA
Doenças-Biologia-COTUCADoenças-Biologia-COTUCA
Doenças-Biologia-COTUCAeld09
 
APOSTILÃO MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA PROF FELIPE.pdf
APOSTILÃO MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA PROF FELIPE.pdfAPOSTILÃO MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA PROF FELIPE.pdf
APOSTILÃO MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA PROF FELIPE.pdfProfFelipeSoaresQumi
 
Microbiologia 26.11.2022.pptx
Microbiologia 26.11.2022.pptxMicrobiologia 26.11.2022.pptx
Microbiologia 26.11.2022.pptxKarolynNunes
 
Ascaridiase/ Candidiase
Ascaridiase/ CandidiaseAscaridiase/ Candidiase
Ascaridiase/ Candidiasedulceu
 
Seminário de henrique
Seminário de henriqueSeminário de henrique
Seminário de henriqueRomero Diniz
 
Ascaridíase/ Candidíase
Ascaridíase/ CandidíaseAscaridíase/ Candidíase
Ascaridíase/ Candidíasegilclecia
 
Biologia: Bactérias
Biologia: BactériasBiologia: Bactérias
Biologia: BactériasEstude Mais
 
Parasitologia - Balantidium coli
Parasitologia - Balantidium coliParasitologia - Balantidium coli
Parasitologia - Balantidium colipHrOzEn HeLL
 
Infeccoes intestinais bacterianas
Infeccoes intestinais bacterianasInfeccoes intestinais bacterianas
Infeccoes intestinais bacterianasUFRJ
 
Principais causas de morte no mundo
Principais causas de morte no mundoPrincipais causas de morte no mundo
Principais causas de morte no mundoSofia Antunes
 
Seminário sobre Helmintos
Seminário sobre HelmintosSeminário sobre Helmintos
Seminário sobre HelmintosÁgatha Mayara
 
Aula de bacterias pdf104201112530
Aula de bacterias pdf104201112530Aula de bacterias pdf104201112530
Aula de bacterias pdf104201112530Jerson Dos Santos
 

Semelhante a Trabalho pronto (20)

Cocos de interesse em patologia humana
Cocos de interesse em patologia humanaCocos de interesse em patologia humana
Cocos de interesse em patologia humana
 
Cuidados basicos de higiene
Cuidados basicos de higieneCuidados basicos de higiene
Cuidados basicos de higiene
 
Trabalho de Biologia
Trabalho de BiologiaTrabalho de Biologia
Trabalho de Biologia
 
Microbiologia: Bactérias Patogênicas de Interesse Médico
Microbiologia: Bactérias Patogênicas de Interesse MédicoMicrobiologia: Bactérias Patogênicas de Interesse Médico
Microbiologia: Bactérias Patogênicas de Interesse Médico
 
Amebíase e toxoplasmose
Amebíase e toxoplasmoseAmebíase e toxoplasmose
Amebíase e toxoplasmose
 
Doenças-Biologia-COTUCA
Doenças-Biologia-COTUCADoenças-Biologia-COTUCA
Doenças-Biologia-COTUCA
 
APOSTILÃO MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA PROF FELIPE.pdf
APOSTILÃO MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA PROF FELIPE.pdfAPOSTILÃO MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA PROF FELIPE.pdf
APOSTILÃO MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA PROF FELIPE.pdf
 
Microbiologia 26.11.2022.pptx
Microbiologia 26.11.2022.pptxMicrobiologia 26.11.2022.pptx
Microbiologia 26.11.2022.pptx
 
Botulismo
BotulismoBotulismo
Botulismo
 
Ascaridiase/ Candidiase
Ascaridiase/ CandidiaseAscaridiase/ Candidiase
Ascaridiase/ Candidiase
 
Seminário de henrique
Seminário de henriqueSeminário de henrique
Seminário de henrique
 
Ascaridíase/ Candidíase
Ascaridíase/ CandidíaseAscaridíase/ Candidíase
Ascaridíase/ Candidíase
 
Biologia: Bactérias
Biologia: BactériasBiologia: Bactérias
Biologia: Bactérias
 
Parasitologia - Balantidium coli
Parasitologia - Balantidium coliParasitologia - Balantidium coli
Parasitologia - Balantidium coli
 
Infeccoes intestinais bacterianas
Infeccoes intestinais bacterianasInfeccoes intestinais bacterianas
Infeccoes intestinais bacterianas
 
Parasitoses maila
Parasitoses mailaParasitoses maila
Parasitoses maila
 
Principais causas de morte no mundo
Principais causas de morte no mundoPrincipais causas de morte no mundo
Principais causas de morte no mundo
 
Helmintos-2014.pdf
Helmintos-2014.pdfHelmintos-2014.pdf
Helmintos-2014.pdf
 
Seminário sobre Helmintos
Seminário sobre HelmintosSeminário sobre Helmintos
Seminário sobre Helmintos
 
Aula de bacterias pdf104201112530
Aula de bacterias pdf104201112530Aula de bacterias pdf104201112530
Aula de bacterias pdf104201112530
 

Último

Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfmaria794949
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxIlda Bicacro
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"Ilda Bicacro
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfMaiteFerreira4
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASyan1305goncalves
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAElianeAlves383563
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroBrenda Fritz
 
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptx
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptxMovimento Negro Unificado , slide completo.pptx
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptxmariiiaaa1290
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasMonizeEvellin2
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoVALMIRARIBEIRO1
 
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxGeometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxlucivaniaholanda
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Rosana Andrea Miranda
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfMarcianaClaudioClaud
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...Manuais Formação
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitlerhabiwo1978
 

Último (20)

Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptx
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptxMovimento Negro Unificado , slide completo.pptx
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptx
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxGeometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 

Trabalho pronto

  • 1. Doenças Trabalho de Biologia – Prafª Ionnara 2º TA Aline Merki - 09002 Amanda Berti – 09003 Bárbara Dias – 09007 Letícia Kis – 09026 Marina Duarte – 09030 Najla Morandi – 09035
  • 3.
  • 4. Ciclo Patogênico Fonte: http://www.supletivo.com.br/materias/biologia
  • 5. Ciclo biológico   Em seqüência, ocorrem a partir da ingestão dos cistos maduros, estes passam pelo estômago e resistem a ação do sulco gástrico daí vão para o intestino grosso onde ocorre o desencistamento, surge o metacisto que sofre sucessivas divisões do núcleo e do citoplasma, dando origem a 4 e depois 8 trofozóitos metacísticos. Estes trofozóitos colonizam-se no intestino grosso vivendo como comensais. TROFOZÓITO – PRÉ-CISTO – CISTO – METACISTO . http://3.bp.blogspot.com
  • 6.
  • 7. Diagnóstico e Tratamento O exame de fezes detecta o parasita com alguma facilidade. Algumas vezes para confirmação diagnóstica , além do exame de imagem os médicos usam agulhas finas para puncionar os abscessos. Nas formas mais invasivas, quando o diagnóstico não for possível por identificação do cisto utiliza-se exames de sangue para a detecção da presença de anticorpos contra o parasita. No tratamento, o mais utilizado pelos médicos é um antimicrobiano com nome de metronidazol, além de existirem outros, recomendados para situações mais específicas. www.normon.es/99_marcas.cfm?id=37
  • 8.
  • 9. Epidemiologia Segundo a OMS, há 50 milhões de novas infecções por ano e 70.000 mortes. A amebiase é mais prevalente nos países tropicais mas também ocorre nas zonas temperadas e mesmo frias. A falta de condições higiênicas adequadas é a responsável por sua disseminação, no Brasil estima-se que a prevalência média de infecção pela Entamoeba, sintomática ou não, é de aproximadamente 23% da população, no entanto, o país exibe áreas de endemicidade onde esta taxa pode estar dobrada e regiões onde praticamente não há casos. A infecção assintomática é mais encontrada em países como Estados Unidos, Canadá e países da Europa. As formas graves de disenteria amebiana têm sido registradas com mais freqüência na América do Sul, na Índia, no Egito e no México.
  • 11.
  • 12.
  • 13.
  • 14.
  • 15.
  • 16. Vigilância Epidemiológica Objetivo - Diagnosticar e tratar precocemente os casos para evitar Complicações e nas gestantes reduzir o risco de transmissão perinatal. Notificação - Não é uma doença de notificação compulsória. Medidas de Controle Tratamento precoce dos indivíduos atingidos. Orienta-se a desinfecção concorrente das secreções e artigos contaminados. Sempre que possível, deverá ser evitada antibioticoterapia prolongada de amplo espectro. Cuidados específicos devem ser tomados com uso de cateter venoso, como troca de curativos a cada 48 horas e uso de solução à base de iodo e povidine. . 1998. Ministério da Saúde. Fundação Nacional de Saúde
  • 18.
  • 19.
  • 20.
  • 21.
  • 22.
  • 23. Dados epidemiológicos http://br.merial.com/pecuaristas/doencas/clostridioses/images/botulismo_situacaobrasil.gif No Brasil se registraram casos nos últimos anos (1995-2007) em conserva de palmito, torta de frango, patê de fígado e tofu em conserva (importação da China, clandestina). Se desenvolve nas conservas, produz a toxina, a qual é destruída pelo calor. Por isso ocorre sempre em conservas não aquecidas. No Estado de São Paulo, nos últimos três anos há o relato de 3 casos confirmados, de origem alimentar
  • 25.
  • 26.
  • 27.
  • 28.
  • 29. Profilaxia Vacina em dose única deve se recebida 10 dias antes da viagem para áreas endêmicas: Região Norte e Centro-Oeste. A vacina imuniza por um período de 10 anos. Informar a população sobre a doença e como evitar a proliferação dos mosquitos transmissores, como não deixando água parada se acumular em cisternas, caixas d’água, latas, pneus e vasos de plantas são essenciais. O uso de repelentes e roupas especiais quando estiver em ambiente silvestre ou rural também são medidas importantes.
  • 30.
  • 32. Causador e transmissor A herpes é uma doença viral recorrente, geralmente benigna, causada pelos vírus Herpes simplex 1 e 2, que afeta principalmente a mucosa da boca ou região genital, mas pode causar graves complicações neurológicas. Os HSV1 e HSV2 são muito semelhantes, mas apresentam algumas diferenças significativas. O HSV1 tem características que o levam a ser particularmente infeccioso e virulento para as células da mucosa oral. O HSV2 tem características de maior virulência e infecciosidade para a mucosa genital. No entanto, o HSV1 também pode causar herpes genital e o HSV2, herpes bucal. http://descobrir.files.wordpress.com/2009/01/herpes-1.jpg
  • 33.
  • 34. Ciclo de vida http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/ameba/imagens/ciclo-de-vida-da-entamoeba-histolytica.gif O ciclo de vida do herpes pode durar até dez dias, dependendo de cada organismo. O enfermo começa a sentir coceira no lábio. Logo depois, vem o inchaço e a formação de bolhas (período de grande contágio do vírus). No herpes genital ocorre o mesmo, porém a coceira é na área genital.
  • 35.
  • 36.
  • 37.
  • 40. Causador e Transmissor (http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/ O agente causador é o fungo Histoplasma capsulatum que se desenvolve principalmente nos excrementos de aves e morcegos, que são os grandes transmissores. http://cdn-flac.ficfiles.com/sites http://www.infectologia.org.br
  • 41. Ciclo de vida Tipo de fungo que existe em forma de esporo, no solo de áreas endêmicas, e a exposição ocorre geralmente pela inalação desse esporo. Após inalado, ele germina e dá origem ao fungo, que pode provocar a histoplasmose pulmonar primária (um tipo de pneumonia) ou disseminar-se a partir dos pulmões para outras partes do corpo. Tipo de fungo que existe em forma de esporo, no solo de áreas endêmicas, e a exposição ocorre geralmente pela inalação desse esporo. Após inalado, ele germina e dá origem ao fungo, que pode provocar a histoplasmose pulmonar primária (um tipo de pneumonia) ou disseminar-se a partir dos pulmões para outras partes do corpo. www.mayoclinic.com/health/histoplasmosis
  • 42.
  • 43. (revista da sociedade brasileira de medicina tropical- Print version  ISSN 0037-8682-Rev. Soc. Bras. Med. Trop. vol.42 no.2 Uberaba Mar./Apr. 2009)
  • 44.
  • 45. Epidemiologia Os focos de infecção são comuns em amplas áreas geográficas, havendo casos autóctones em mais de 60 países. A enfermidade clínica é muito pouco freqüente e a forma progressiva grave é rara; entretanto, em áreas onde a infecção é prevalente, a hipersensibilidade à histoplasmina indica infecção prévia que pode chegar, às vezes, a 80% da população. Essa prevalência aumenta da infância até os 15 anos de idade, não existindo diferença entre os sexos. Já se detectou surtos em famílias, estudantes e trabalhadores, residentes em áreas endêmicas que foram expostos a excrementos de aves ou terra contaminada, recentemente removida. Ocorre, na América do Sul, na bacia do Rio da Prata e na Serra do Mar.
  • 47. Meningite * Meningite bacteriana é uma inflamação das meninges, pequenas membranas que protegem e revestem o nosso sistema nervoso central. * É causada por infecção viral ou bacteriana. Saber se a meningite foi causada por vírus ou bactéria e é importante porque a gravidade da doença e tratamento diferem. * Meningite viral é geralmente menos grave e cura-se sem tratamento específico * Meningite bacteriana pode ser muito séria e resultar em danos ao cérebro. Para a meningite bacteriana também é importante saber que tipo de bactéria a causou porque antibióticos podem prevenir alguns tipos de se espalharem e infectarem ouras pessoas. http://biologiacrns.files.wordpress.com/2009/11/meningite.jpg
  • 48.
  • 49. Os sintomas principais da meningite são:   - febre; - dor de cabeça; - rigidez do pescoço; - dor de garganta; - vômito.  * O quadro pode evoluir para paralisia, coma e chegando até a morte. Sintomas Pinça retirando meninge http://www.mdsaude.com/2009/05/meningite.html
  • 50. Profilaxia * A profilaxia reduz em 95% a chance de infecção além de eliminar o estado de portador assintomático da bactéria, reduzindo a assim, a cadeia de transmissão - Aqueles que tiveram contato prolongado ou íntimo com um paciente com meningite devem iniciar tratamento profilático com antibióticos nas primeiras 24 horas após a identificação do primeiro caso.E devem procurar atendimento médico ao surgimento de qualquer sintoma. - Tomar principalemente a vacina contra meningite do tipo Haemophilus influenzae, que já faz parte do calendário básico de vacinação.
  • 51.
  • 53.
  • 54.
  • 55. Ciclo de Vida O esporo é resistente e permite que a célula bacteriana ou bacilo sobreviva, quer no intestino humano quer no meio externo, como foi citado anteriormente. Já o bacilo, sem a proteção do esporo, é muito sensível e não muito resistente, morrendo logo. É uma bactéria anaeróbia; um sopro de ar fresco sobre uma ferida superficial é suficiente para matá-lo. Podemos observar também o seu desaparecimento quando passamos água oxigenada (H2O2) sobre o local ferido, o que é um ótimo costume, pois enzimas presentes no local do ferimento liberam O2 da água oxigenada, suficiente para matar os bacilos tetânicos que ali se encontram.
  • 56. Sintomas Principais Os sintomas se manifestam normalmente entre 5 e 10 dias devido às toxinas liberadas pelos bacilos tetânicos. Inicialmente, caracteriza-se por irritabilidade, cefaléia, febre e dificuldade de deglutição. Além de a contratura provocar deformações fisionômicas no rosto, o “riso sardônico”, a rigidez muscular, ao chegar à nuca, projeta a cabeça para trás; no abdômen, provoca o que se chama de “abdômen-tábua”; na língua e na faringe, torna quase impossível o paciente engolir até mesmo água. Muitas vezes o espasmo gótico pode ser causa de asfixia. Se o processo não puder ser controlado, a pessoa poderá morrer asfixiada. http://www.saberweb.com.br/
  • 57. Profilaxia Vacinação das crianças, a partir dos 2 ou 3 meses de idade, em geral associada à vacinação contra coqueluche e difteria (vacina tríplice). Devem ser feitas, no mínimo, três doses com intervalos de 30 a 60 dias. A dose de reforço ou revacinação deve ser repetida a cada 10 anos. Caso a criança tenha tido a vacinação completa, com cinco doses, não é necessário revaciná-la antes dos 14 anos. Uma pessoa com algum ferimento que possa levar ao tétano, se não foi devidamente vacinada na infância ou se já foi vacinada a mais de 10 anos, pode e deve receber a vacina.
  • 58.
  • 59.
  • 60. http://www.todabiologia.com/doencas/amebiase.htm http://www.bioatividade.hpg.ig.com.br/amebiase.htm http ://www.abcdasaude.com.br/artigo.php?20 http ://www.inf.furb.br/sias/parasita/Textos/histoplasmose.htm ) http ://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/saude/vigilancia_em_saude/controle_de_zoonoses/lab_zoonoses/index.php?p=5586 ) http ://www.infectologia.org.br/publicoleigo/default.asp?site_Acao=&paginaId=14&mNoti_Acao=mostraNoticia&noticiaId=4311 ) http:/www.febreamarela.org.br http:/libertaria.pro.br/d_ressurgentes_intro.htm http://www.brasilescola.com/doencas/tetano.htm Referências Bibliográficas
  • 61. http://www.minsaude.gov.cv/ http://www.abcdasaude.com.br/artigo.php?410 http://pt.wikipedia.org/wiki/Herpes http://www.aids.gov.br/data/Pages/LUMIS41C28ECDPTBRIE.htm http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/herpes/herpes-labial.php http://pt.wikipedia.org/wiki/Botulismo http://www.cve.saude.sp.gov.br/htm/hidrica/If_54bot.htm http://www.brasilescola.com/doencas/candidiase.htm Guia Brasileiro de Vigilância Epidemiológica 1998 http://www.ibvivavida.org.br/DST_AIDS_Doencas_Oportunistas2.asp http://www.tudoemfoco.com.br/meningite-bacteriana.html http://www.tuasaude.com/meningite-bacteriana/
  • 62. http://scielo.iec.pa.gov.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-49742004000100004&lng=pt&nrm=iso http://www.copacabanarunners.net/meningite.html http://www.fmt.am.gov.br/manual/meningite.htm http://www.praticahospitalar.com.br/pratica%2027/paginas/materia%203-27.html Revista Super Interessante - nº 149. 2000. Livro de Biologia-J.Laurence-Editora Nova Geração-página 278