SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 16
Escola Secundária D. Afonso Henriques Ano Lectivo 2009/2010 “O Padre e a Moça” Antologia Poética de Carlos Drummond de Andrade Literatura Brasileira Literaturas de Língua Portuguesa 12º ano Docente: Maria Isabel Cosme Ferreira Alexandre e Helena, 12º H
Introdução Em mais um trabalho da disciplina de Literaturas de Língua Portuguesa vamos, desta vez, tratar um poema do autor brasileiro Carlos Drummond de Andrade: “o Padre e a Moça”. Um dos poemas mais carismáticos de Carlos Drummond tendo sido adaptado para o cinema em 1965. Vamos explorar a vertente religiosa do povo brasileiro e a povoação de Minas Gerais.
Carlos Drummond de Andrade Nasceu em Minas Gerais, numa cidade cuja memória viria a permear parte de sua obra, Itabira. Posteriormente, foi estudar em Belo Horizonte e Nova Friburgo com os Jesuítas no colégio Anchieta. Formado em farmácia, com Emílio Moura e outros companheiros, fundou "A Revista", para divulgar o modernismo no Brasil. Durante a maior parte da sua vida foi funcionário público, embora tenha começado a escrever cedo e prosseguido até seu falecimento, que se deu em 1987 no Rio de Janeiro, doze dias após a morte de sua única filha, a escritora Maria Julieta Drummond de Andrade. Além de poesia, produziu livros infantis, contos e crónicas.
O Brasil Capital Brasília Cidade mais populosa São Paulo Língua oficial Português Governo Repúblicafederativapresidencialista  Presidente Luiz Inácio Lula da Silva Vice-presidente José Alencar Gomes da Silva Presidente da Câmara dos Deputados Michel Elias Temer Lulia Presidente do Senado Federal José Sarney de Araújo Costa Presidente do Supremo Tribunal Federal(STF) Gilmar Ferreira Mendes
O Brasil e  a Religião O Brasil é um dos países do mundo com maior percentagem de Cristãos-Católicos. Vivem e assumem as suas crenças de forma muito aberta e franca, aplicando várias normas teológico-morais no quotidiano. Rosto Visível desta religiosidade declarada é a estátua do Cristo do Corcovado ou Cristo-Rei um dos maiores do mundo, o que deixa os brasileiros muito orgulhosos da sua fé. “Adveniat Regnum Tuum”
Minas Gerais e as Revoltas Coloniais - a inconfidência mineira Desde o início da colonização portuguesa o Brasil foi palco de revoltas, da resistência das nações indígenas à luta colectiva dos africanos escravizados por meio da organização dos quilombos, representada principalmente pelo Quilombo dos Palmares, que lidou com os ataques da metrópole desde sua fundação, em 1580, até seu fim, com o assassinato de Zumbi. No final do século XVII, a insatisfação dos colonos acarreta no surgimento dos primeiros movimentos contra a Coroa Portuguesa. Parte dessas rebeliões foi gerada por insatisfação económica, como foi o caso da Revolta de Beckman, a Guerra dos Mascates e a Guerra dos Emboabas, conflito entre 1707 e 1709 que colocou em oposição os bandeirantes paulistas e todos os demais exploradores, denominados por aqueles de "emboabas", quanto à posse das Minas Gerais. Porém, dois movimentos ficaram marcados por terem a intenção de proclamar a independência: a Inconfidência Mineira e a Conjuração Baiana.
A inconfidência mineira A Inconfidência Mineira foi um movimento que partiu da elite de Minas Gerais. Com a decadência da mineração na segunda metade do século XVIII, tornou-se difícil pagar os impostos exigidos pela Coroa Portuguesa. Além do mais, o governo português pretendia promulgar a derrama, um imposto que exigia que toda a população, inclusive quem não fosse mineiro, contribuísse com a arrecadação de 20% do valor do ouro retirado. Os colonos se revoltaram e passaram a conspirar contra Portugal.
Em Vila Rica (actual Ouro Preto), participavam do grupo, entre outros, os poetas Cláudio Manuel da Costa e Tomás António Gonzaga, os coronéis Domingos de Abreu Vieira e Francisco António de Oliveira Lopes, o padre Rolim, o cónego Luís Vieira da Silva, o minerador Inácio José de Alvarenga Peixoto e alferes Joaquim José da Silva Xavier, apelidado Tiradentes. A conspiração pretendia eliminar a dominação portuguesa e criar um país livre. A forma de governo escolhida foi o estabelecimento de uma República, inspirados pelas ideias iluministas da França e da recente independência norte-americana. Traídos por Joaquim Silvério dos Reis, que delatou os inconfidentes para o governo, os líderes do movimento foram detidos e enviados para o Rio de Janeiro, onde responderam pelo crime de inconfidência (falta de fidelidade ao rei), pelo qual foram condenados. Em 21 de Abril de 1792, Tiradentes, de mais baixa condição social, foi o único condenado à morte por enforcamento. Sua cabeça foi cortada e levada para Vila Rica. O corpo foi esquartejado e espalhado pelos caminhos de Minas Gerais. Era o cruel exemplo que ficava para qualquer outra tentativa de questionar o poder de Portugal.
O Padre e a Moça                  " … E torturando-me, e virgemno desvairado recatoque sucedia de chofreá visão dos seios claros,qua pulcra rosa pretacomo que se enovelava,crespa, intata, inacessível,abre-que-fecha-que-foge,e a fêmea, rindo, negavao que eu tanto lhe pedia,o que devia ser dadoe mais que dado, comido.Ai, que a moça me matavatornando-me assim a vidaesperança consumidano que, sombrio, faiscava.      A moça mostrava a coxaA moça mostrava a coxa,a moça mostrava a nádega,só não mostrava aquilo– concha, berilo, esmeralda –que se entreabre, quatrifólio,e encerrra o gozo mais lauto,aquela zona hiperbórea,misto de mel e de asfalto,porta hermética nos gonzosde zonzos sentidos presos,ara sem sangue de ofícios,a moça não me mostrava.
      Roçava-lhe a perna. Os dedosdescobriam-lhe segredoslentos, curvos, animais,porém o maximo arcano,o todo esquivo, noturno,a tríplice chave de urna,essa a louca sonegava,não me daria nem nada.Antes nunca me acenasse.Viver não tinha propósito,andar perdera o sentido,o tempo não desatavanem vinha a morte render-meao luzir da estrela-d'alva,que nessa hora já primeira,violento, subia o enjoode fera presa no Zôo.         Como lhe sabia a pele,em seu côncavo e convexo,em seu poro, em seu douradopêlo de ventre! mas sexoera segredo de Estado.Como a carne lhe sabiaa campo frio, orvalhado,onde uma cobra despertavai traçando seu desenhonum frêmito, lado a lado!Mas que perfume teriaa gruta invisa? que visgo,que estreitura, que doçume,que linha prístina, pura,me chamava, me fugia?Tudo a bela me ofertava,e que eu beijasse ou mordesse,fizesse sangue: fazia.
Mas seu púbis recusava.Na noite acesa, no dia,sua coxa se cerrava.Na praia, na ventania,quando mais eu insistia,sua coxa se apertava.Na mais erma hospedariafechada por dentro a aldrava,sua coxa se selava,se encerrava, se salvava,e quem disse que eu podiafazer dela minha escrava?De tanto esperar, porfiasem vislumbre de vitória,já seu corpo se delia,já se empana sua glória,já sou diverso daqueleque por dentro se rasgava,e não sei agora ao certose minha sede mais bravaera nela que pousava. Outras fontes, outras fomes,outros flancos: vasto mundo,e o esquecimento no fundo.Talvez que a moça hoje em dia...Talvez. O certo é que nunca.E se tanto se furtaracom tais fugas e arabescose tão surda teimosia,por que hoje se abriria?Por que viria ofertar-mequando a noite já vai fria,sua nívea rosa pretanunca por mim visitada,inacessível naveta?Ou nem teria naveta...
Tema e Assunto Tema: O Erotismo e o celibato. Assunto: Neste poema o “eu” poético fala de um padre seduzido e encantado por uma “moça”, que por sua vez se retrai e demora a revelar-se, a “abrir-se para ele”. Assim a febre sexual do padre é interrompida pela castidade da moça e é assim durante todo o longo poema, constituindo o assunto que é tratado, numa linguagem fortemente metafórica com conotação sexual e erótica.
Recursos Estilísticos Anáfora: “A moça mostrava a coxa/a moça mostrava a nádega” (v. 1 e 2) Enumeração: “concha, berilo, esmeralda” (v.4). “crespa, intacta, inacessível” (v.19) Metáfora: “misto de mel e asfalto” (v.8) Hipérbole: “e torturando-me” (v.13) Aliteração: “abre-que-fecha-que-foge”
Reflexão Este poema de Carlos Drummond de Andrade serviu de inspiração para o filme “O Padre e a Moça” realizado em 1965 no Brasil. Um filme polémico surgido no ano de encerramento do 2º Concílio do Vaticano, de onde sairia o documento que autorizaria as celebrações na língua nativa, numa altura em que os mais conservadores viam com maus olhos a liberalização da vida sacerdotal. Este filme parece quase um “prenúncio daquilo que os padres poderiam fazer uma vez livres”. Mesmo para um país de maioria católica como o Brasil, este filme fez grande sucesso.
Conclusão Este poema foi um dos que mais gostamos de analisar até agora por ter uma temática muito interessante e fora da comum-poesia que estudamos até este ano. O padre e a moça é uma história que desperta corações e almas mais desatentas para os problemas do celibato e da sedução a que as criaturas celibatárias estão sujeitas.
Fontes: www.wikipedia.org/wiki/brasil www.filmesdoseculo.br Imagens do Google e fotogramas do filme “O Padre e a Moça”.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a O Padre E A MoçA, Carlos Drummond De Andrade

Aula de Literatura: Do Trovadorismo ao Barroco
Aula de Literatura: Do Trovadorismo ao  Barroco Aula de Literatura: Do Trovadorismo ao  Barroco
Aula de Literatura: Do Trovadorismo ao Barroco Nivaldo Marques
 
Arcadismo - Profª Vivian Trombini
Arcadismo - Profª Vivian TrombiniArcadismo - Profª Vivian Trombini
Arcadismo - Profª Vivian TrombiniVIVIAN TROMBINI
 
Sinopse UIM Carnaval 2012 - Una Bella Storia
Sinopse UIM Carnaval 2012 - Una Bella StoriaSinopse UIM Carnaval 2012 - Una Bella Storia
Sinopse UIM Carnaval 2012 - Una Bella Storiababibalbis
 
Sinopse UIM Carnaval 2012- Una Bella Storia
Sinopse UIM Carnaval 2012- Una Bella StoriaSinopse UIM Carnaval 2012- Una Bella Storia
Sinopse UIM Carnaval 2012- Una Bella Storiababibalbis
 
Jb news informativo nr. 1175
Jb news   informativo nr. 1175Jb news   informativo nr. 1175
Jb news informativo nr. 1175JBNews
 
Período Moderno: contos e mentalidade
Período Moderno: contos e mentalidade Período Moderno: contos e mentalidade
Período Moderno: contos e mentalidade Juliana
 
Rio de sangue parte i
Rio de sangue parte iRio de sangue parte i
Rio de sangue parte iAna Paula
 
Resumão da escola literária BARROCO SLIDE
Resumão da escola literária BARROCO SLIDEResumão da escola literária BARROCO SLIDE
Resumão da escola literária BARROCO SLIDECamilaOliveira83116
 
EscravidãO Av 70 Maio 2009
EscravidãO Av 70 Maio 2009EscravidãO Av 70 Maio 2009
EscravidãO Av 70 Maio 2009Nelson Silva
 
A escravidão e formas de resistência indígena e africana na América.pdf
A escravidão e formas de resistência indígena e africana na América.pdfA escravidão e formas de resistência indígena e africana na América.pdf
A escravidão e formas de resistência indígena e africana na América.pdfGabrielaDuarte699486
 
Garrett, thomaz de almeida. administracao colonial
Garrett, thomaz de almeida. administracao colonialGarrett, thomaz de almeida. administracao colonial
Garrett, thomaz de almeida. administracao colonialSindique
 
História Secreta do Brasil IV - Gustavo Barroso
História Secreta do Brasil IV -    Gustavo BarrosoHistória Secreta do Brasil IV -    Gustavo Barroso
História Secreta do Brasil IV - Gustavo BarrosoMarcelo Matias
 
Romantismo no brasil
Romantismo no brasilRomantismo no brasil
Romantismo no brasilJohn Joseph
 
História Geral do Brasil 018187 1 completo
História Geral do Brasil 018187 1 completoHistória Geral do Brasil 018187 1 completo
História Geral do Brasil 018187 1 completoCelma Marotta
 
IntroduçãO2
IntroduçãO2IntroduçãO2
IntroduçãO2rogerio
 
Jb news informativo nr. 2202
Jb news   informativo nr. 2202Jb news   informativo nr. 2202
Jb news informativo nr. 2202JB News
 
Apostila quinhentismo (1)
Apostila quinhentismo (1)Apostila quinhentismo (1)
Apostila quinhentismo (1)espanhol1979a
 

Semelhante a O Padre E A MoçA, Carlos Drummond De Andrade (20)

Caderno diário Sociedade de Ordens
Caderno diário Sociedade de OrdensCaderno diário Sociedade de Ordens
Caderno diário Sociedade de Ordens
 
manifesto-antropofago.pdf
manifesto-antropofago.pdfmanifesto-antropofago.pdf
manifesto-antropofago.pdf
 
Aula de Literatura: Do Trovadorismo ao Barroco
Aula de Literatura: Do Trovadorismo ao  Barroco Aula de Literatura: Do Trovadorismo ao  Barroco
Aula de Literatura: Do Trovadorismo ao Barroco
 
O Pre Modernismo No Brasl
O Pre Modernismo No BraslO Pre Modernismo No Brasl
O Pre Modernismo No Brasl
 
Arcadismo - Profª Vivian Trombini
Arcadismo - Profª Vivian TrombiniArcadismo - Profª Vivian Trombini
Arcadismo - Profª Vivian Trombini
 
Sinopse UIM Carnaval 2012 - Una Bella Storia
Sinopse UIM Carnaval 2012 - Una Bella StoriaSinopse UIM Carnaval 2012 - Una Bella Storia
Sinopse UIM Carnaval 2012 - Una Bella Storia
 
Sinopse UIM Carnaval 2012- Una Bella Storia
Sinopse UIM Carnaval 2012- Una Bella StoriaSinopse UIM Carnaval 2012- Una Bella Storia
Sinopse UIM Carnaval 2012- Una Bella Storia
 
Jb news informativo nr. 1175
Jb news   informativo nr. 1175Jb news   informativo nr. 1175
Jb news informativo nr. 1175
 
Período Moderno: contos e mentalidade
Período Moderno: contos e mentalidade Período Moderno: contos e mentalidade
Período Moderno: contos e mentalidade
 
Rio de sangue parte i
Rio de sangue parte iRio de sangue parte i
Rio de sangue parte i
 
Resumão da escola literária BARROCO SLIDE
Resumão da escola literária BARROCO SLIDEResumão da escola literária BARROCO SLIDE
Resumão da escola literária BARROCO SLIDE
 
EscravidãO Av 70 Maio 2009
EscravidãO Av 70 Maio 2009EscravidãO Av 70 Maio 2009
EscravidãO Av 70 Maio 2009
 
A escravidão e formas de resistência indígena e africana na América.pdf
A escravidão e formas de resistência indígena e africana na América.pdfA escravidão e formas de resistência indígena e africana na América.pdf
A escravidão e formas de resistência indígena e africana na América.pdf
 
Garrett, thomaz de almeida. administracao colonial
Garrett, thomaz de almeida. administracao colonialGarrett, thomaz de almeida. administracao colonial
Garrett, thomaz de almeida. administracao colonial
 
História Secreta do Brasil IV - Gustavo Barroso
História Secreta do Brasil IV -    Gustavo BarrosoHistória Secreta do Brasil IV -    Gustavo Barroso
História Secreta do Brasil IV - Gustavo Barroso
 
Romantismo no brasil
Romantismo no brasilRomantismo no brasil
Romantismo no brasil
 
História Geral do Brasil 018187 1 completo
História Geral do Brasil 018187 1 completoHistória Geral do Brasil 018187 1 completo
História Geral do Brasil 018187 1 completo
 
IntroduçãO2
IntroduçãO2IntroduçãO2
IntroduçãO2
 
Jb news informativo nr. 2202
Jb news   informativo nr. 2202Jb news   informativo nr. 2202
Jb news informativo nr. 2202
 
Apostila quinhentismo (1)
Apostila quinhentismo (1)Apostila quinhentismo (1)
Apostila quinhentismo (1)
 

Mais de catiasgs

Amor, Pois Que é Palavra Essencial; Carlos Drummond De Andrade
Amor, Pois Que é Palavra Essencial; Carlos Drummond De AndradeAmor, Pois Que é Palavra Essencial; Carlos Drummond De Andrade
Amor, Pois Que é Palavra Essencial; Carlos Drummond De Andradecatiasgs
 
Consolo Na Praia, Carlos Drummond De Andrade
Consolo Na Praia, Carlos Drummond De AndradeConsolo Na Praia, Carlos Drummond De Andrade
Consolo Na Praia, Carlos Drummond De Andradecatiasgs
 
Quando Te Propus, HéLder ProençA
Quando Te Propus, HéLder ProençAQuando Te Propus, HéLder ProençA
Quando Te Propus, HéLder ProençAcatiasgs
 
Nas Noites De N’Djimpol, HéLder ProençA
Nas Noites De N’Djimpol, HéLder ProençANas Noites De N’Djimpol, HéLder ProençA
Nas Noites De N’Djimpol, HéLder ProençAcatiasgs
 
Canto A Sundiata, HéLder ProençA
Canto A Sundiata, HéLder ProençACanto A Sundiata, HéLder ProençA
Canto A Sundiata, HéLder ProençAcatiasgs
 
Mar Me Quer Resumo E Personagens
Mar Me Quer   Resumo E PersonagensMar Me Quer   Resumo E Personagens
Mar Me Quer Resumo E Personagenscatiasgs
 
Mar Me Quer, Mia Couto
Mar Me Quer, Mia CoutoMar Me Quer, Mia Couto
Mar Me Quer, Mia Coutocatiasgs
 
A Montanha Da áGua LiláS, Pepetela (2)
A Montanha Da áGua LiláS, Pepetela (2)A Montanha Da áGua LiláS, Pepetela (2)
A Montanha Da áGua LiláS, Pepetela (2)catiasgs
 
A Montanha Da áGua LiláS, Pepetela
A Montanha Da áGua LiláS, PepetelaA Montanha Da áGua LiláS, Pepetela
A Montanha Da áGua LiláS, Pepetelacatiasgs
 
Vavó Xixi, Luandino Vieira
Vavó Xixi, Luandino VieiraVavó Xixi, Luandino Vieira
Vavó Xixi, Luandino Vieiracatiasgs
 
EstóRia Do LadrãO E Do Papagaio, Luandino Vieira
EstóRia Do LadrãO E Do Papagaio, Luandino VieiraEstóRia Do LadrãO E Do Papagaio, Luandino Vieira
EstóRia Do LadrãO E Do Papagaio, Luandino Vieiracatiasgs
 
EstóRia Da Galinha E Do Ovo, Luandino Vieira
EstóRia Da Galinha E Do Ovo, Luandino VieiraEstóRia Da Galinha E Do Ovo, Luandino Vieira
EstóRia Da Galinha E Do Ovo, Luandino Vieiracatiasgs
 
Quero Ser Tambor, José Craveirinha
Quero Ser Tambor, José CraveirinhaQuero Ser Tambor, José Craveirinha
Quero Ser Tambor, José Craveirinhacatiasgs
 
As Saborosas Tanjarinas De Inhambane
As Saborosas Tanjarinas De InhambaneAs Saborosas Tanjarinas De Inhambane
As Saborosas Tanjarinas De Inhambanecatiasgs
 
Ocorre Me Agora, Eduardo White
Ocorre Me Agora, Eduardo WhiteOcorre Me Agora, Eduardo White
Ocorre Me Agora, Eduardo Whitecatiasgs
 
O Que Voces Nao Sabem Nem Imaginam, Eduardo White
O Que Voces Nao Sabem Nem Imaginam, Eduardo WhiteO Que Voces Nao Sabem Nem Imaginam, Eduardo White
O Que Voces Nao Sabem Nem Imaginam, Eduardo Whitecatiasgs
 
A Palavra Renova Se No Poema, Eduardo White
A Palavra Renova Se No Poema, Eduardo WhiteA Palavra Renova Se No Poema, Eduardo White
A Palavra Renova Se No Poema, Eduardo Whitecatiasgs
 
Regresso, Alda Lara
Regresso, Alda LaraRegresso, Alda Lara
Regresso, Alda Laracatiasgs
 
PrelúDio, Alda Lara
PrelúDio, Alda LaraPrelúDio, Alda Lara
PrelúDio, Alda Laracatiasgs
 
De Longe; Noites Africanas Langorosas, Alda Lara
De Longe; Noites Africanas Langorosas, Alda LaraDe Longe; Noites Africanas Langorosas, Alda Lara
De Longe; Noites Africanas Langorosas, Alda Laracatiasgs
 

Mais de catiasgs (20)

Amor, Pois Que é Palavra Essencial; Carlos Drummond De Andrade
Amor, Pois Que é Palavra Essencial; Carlos Drummond De AndradeAmor, Pois Que é Palavra Essencial; Carlos Drummond De Andrade
Amor, Pois Que é Palavra Essencial; Carlos Drummond De Andrade
 
Consolo Na Praia, Carlos Drummond De Andrade
Consolo Na Praia, Carlos Drummond De AndradeConsolo Na Praia, Carlos Drummond De Andrade
Consolo Na Praia, Carlos Drummond De Andrade
 
Quando Te Propus, HéLder ProençA
Quando Te Propus, HéLder ProençAQuando Te Propus, HéLder ProençA
Quando Te Propus, HéLder ProençA
 
Nas Noites De N’Djimpol, HéLder ProençA
Nas Noites De N’Djimpol, HéLder ProençANas Noites De N’Djimpol, HéLder ProençA
Nas Noites De N’Djimpol, HéLder ProençA
 
Canto A Sundiata, HéLder ProençA
Canto A Sundiata, HéLder ProençACanto A Sundiata, HéLder ProençA
Canto A Sundiata, HéLder ProençA
 
Mar Me Quer Resumo E Personagens
Mar Me Quer   Resumo E PersonagensMar Me Quer   Resumo E Personagens
Mar Me Quer Resumo E Personagens
 
Mar Me Quer, Mia Couto
Mar Me Quer, Mia CoutoMar Me Quer, Mia Couto
Mar Me Quer, Mia Couto
 
A Montanha Da áGua LiláS, Pepetela (2)
A Montanha Da áGua LiláS, Pepetela (2)A Montanha Da áGua LiláS, Pepetela (2)
A Montanha Da áGua LiláS, Pepetela (2)
 
A Montanha Da áGua LiláS, Pepetela
A Montanha Da áGua LiláS, PepetelaA Montanha Da áGua LiláS, Pepetela
A Montanha Da áGua LiláS, Pepetela
 
Vavó Xixi, Luandino Vieira
Vavó Xixi, Luandino VieiraVavó Xixi, Luandino Vieira
Vavó Xixi, Luandino Vieira
 
EstóRia Do LadrãO E Do Papagaio, Luandino Vieira
EstóRia Do LadrãO E Do Papagaio, Luandino VieiraEstóRia Do LadrãO E Do Papagaio, Luandino Vieira
EstóRia Do LadrãO E Do Papagaio, Luandino Vieira
 
EstóRia Da Galinha E Do Ovo, Luandino Vieira
EstóRia Da Galinha E Do Ovo, Luandino VieiraEstóRia Da Galinha E Do Ovo, Luandino Vieira
EstóRia Da Galinha E Do Ovo, Luandino Vieira
 
Quero Ser Tambor, José Craveirinha
Quero Ser Tambor, José CraveirinhaQuero Ser Tambor, José Craveirinha
Quero Ser Tambor, José Craveirinha
 
As Saborosas Tanjarinas De Inhambane
As Saborosas Tanjarinas De InhambaneAs Saborosas Tanjarinas De Inhambane
As Saborosas Tanjarinas De Inhambane
 
Ocorre Me Agora, Eduardo White
Ocorre Me Agora, Eduardo WhiteOcorre Me Agora, Eduardo White
Ocorre Me Agora, Eduardo White
 
O Que Voces Nao Sabem Nem Imaginam, Eduardo White
O Que Voces Nao Sabem Nem Imaginam, Eduardo WhiteO Que Voces Nao Sabem Nem Imaginam, Eduardo White
O Que Voces Nao Sabem Nem Imaginam, Eduardo White
 
A Palavra Renova Se No Poema, Eduardo White
A Palavra Renova Se No Poema, Eduardo WhiteA Palavra Renova Se No Poema, Eduardo White
A Palavra Renova Se No Poema, Eduardo White
 
Regresso, Alda Lara
Regresso, Alda LaraRegresso, Alda Lara
Regresso, Alda Lara
 
PrelúDio, Alda Lara
PrelúDio, Alda LaraPrelúDio, Alda Lara
PrelúDio, Alda Lara
 
De Longe; Noites Africanas Langorosas, Alda Lara
De Longe; Noites Africanas Langorosas, Alda LaraDe Longe; Noites Africanas Langorosas, Alda Lara
De Longe; Noites Africanas Langorosas, Alda Lara
 

O Padre E A MoçA, Carlos Drummond De Andrade

  • 1. Escola Secundária D. Afonso Henriques Ano Lectivo 2009/2010 “O Padre e a Moça” Antologia Poética de Carlos Drummond de Andrade Literatura Brasileira Literaturas de Língua Portuguesa 12º ano Docente: Maria Isabel Cosme Ferreira Alexandre e Helena, 12º H
  • 2. Introdução Em mais um trabalho da disciplina de Literaturas de Língua Portuguesa vamos, desta vez, tratar um poema do autor brasileiro Carlos Drummond de Andrade: “o Padre e a Moça”. Um dos poemas mais carismáticos de Carlos Drummond tendo sido adaptado para o cinema em 1965. Vamos explorar a vertente religiosa do povo brasileiro e a povoação de Minas Gerais.
  • 3. Carlos Drummond de Andrade Nasceu em Minas Gerais, numa cidade cuja memória viria a permear parte de sua obra, Itabira. Posteriormente, foi estudar em Belo Horizonte e Nova Friburgo com os Jesuítas no colégio Anchieta. Formado em farmácia, com Emílio Moura e outros companheiros, fundou "A Revista", para divulgar o modernismo no Brasil. Durante a maior parte da sua vida foi funcionário público, embora tenha começado a escrever cedo e prosseguido até seu falecimento, que se deu em 1987 no Rio de Janeiro, doze dias após a morte de sua única filha, a escritora Maria Julieta Drummond de Andrade. Além de poesia, produziu livros infantis, contos e crónicas.
  • 4. O Brasil Capital Brasília Cidade mais populosa São Paulo Língua oficial Português Governo Repúblicafederativapresidencialista  Presidente Luiz Inácio Lula da Silva Vice-presidente José Alencar Gomes da Silva Presidente da Câmara dos Deputados Michel Elias Temer Lulia Presidente do Senado Federal José Sarney de Araújo Costa Presidente do Supremo Tribunal Federal(STF) Gilmar Ferreira Mendes
  • 5. O Brasil e a Religião O Brasil é um dos países do mundo com maior percentagem de Cristãos-Católicos. Vivem e assumem as suas crenças de forma muito aberta e franca, aplicando várias normas teológico-morais no quotidiano. Rosto Visível desta religiosidade declarada é a estátua do Cristo do Corcovado ou Cristo-Rei um dos maiores do mundo, o que deixa os brasileiros muito orgulhosos da sua fé. “Adveniat Regnum Tuum”
  • 6. Minas Gerais e as Revoltas Coloniais - a inconfidência mineira Desde o início da colonização portuguesa o Brasil foi palco de revoltas, da resistência das nações indígenas à luta colectiva dos africanos escravizados por meio da organização dos quilombos, representada principalmente pelo Quilombo dos Palmares, que lidou com os ataques da metrópole desde sua fundação, em 1580, até seu fim, com o assassinato de Zumbi. No final do século XVII, a insatisfação dos colonos acarreta no surgimento dos primeiros movimentos contra a Coroa Portuguesa. Parte dessas rebeliões foi gerada por insatisfação económica, como foi o caso da Revolta de Beckman, a Guerra dos Mascates e a Guerra dos Emboabas, conflito entre 1707 e 1709 que colocou em oposição os bandeirantes paulistas e todos os demais exploradores, denominados por aqueles de "emboabas", quanto à posse das Minas Gerais. Porém, dois movimentos ficaram marcados por terem a intenção de proclamar a independência: a Inconfidência Mineira e a Conjuração Baiana.
  • 7. A inconfidência mineira A Inconfidência Mineira foi um movimento que partiu da elite de Minas Gerais. Com a decadência da mineração na segunda metade do século XVIII, tornou-se difícil pagar os impostos exigidos pela Coroa Portuguesa. Além do mais, o governo português pretendia promulgar a derrama, um imposto que exigia que toda a população, inclusive quem não fosse mineiro, contribuísse com a arrecadação de 20% do valor do ouro retirado. Os colonos se revoltaram e passaram a conspirar contra Portugal.
  • 8. Em Vila Rica (actual Ouro Preto), participavam do grupo, entre outros, os poetas Cláudio Manuel da Costa e Tomás António Gonzaga, os coronéis Domingos de Abreu Vieira e Francisco António de Oliveira Lopes, o padre Rolim, o cónego Luís Vieira da Silva, o minerador Inácio José de Alvarenga Peixoto e alferes Joaquim José da Silva Xavier, apelidado Tiradentes. A conspiração pretendia eliminar a dominação portuguesa e criar um país livre. A forma de governo escolhida foi o estabelecimento de uma República, inspirados pelas ideias iluministas da França e da recente independência norte-americana. Traídos por Joaquim Silvério dos Reis, que delatou os inconfidentes para o governo, os líderes do movimento foram detidos e enviados para o Rio de Janeiro, onde responderam pelo crime de inconfidência (falta de fidelidade ao rei), pelo qual foram condenados. Em 21 de Abril de 1792, Tiradentes, de mais baixa condição social, foi o único condenado à morte por enforcamento. Sua cabeça foi cortada e levada para Vila Rica. O corpo foi esquartejado e espalhado pelos caminhos de Minas Gerais. Era o cruel exemplo que ficava para qualquer outra tentativa de questionar o poder de Portugal.
  • 9. O Padre e a Moça                  " … E torturando-me, e virgemno desvairado recatoque sucedia de chofreá visão dos seios claros,qua pulcra rosa pretacomo que se enovelava,crespa, intata, inacessível,abre-que-fecha-que-foge,e a fêmea, rindo, negavao que eu tanto lhe pedia,o que devia ser dadoe mais que dado, comido.Ai, que a moça me matavatornando-me assim a vidaesperança consumidano que, sombrio, faiscava.  A moça mostrava a coxaA moça mostrava a coxa,a moça mostrava a nádega,só não mostrava aquilo– concha, berilo, esmeralda –que se entreabre, quatrifólio,e encerrra o gozo mais lauto,aquela zona hiperbórea,misto de mel e de asfalto,porta hermética nos gonzosde zonzos sentidos presos,ara sem sangue de ofícios,a moça não me mostrava.
  • 10. Roçava-lhe a perna. Os dedosdescobriam-lhe segredoslentos, curvos, animais,porém o maximo arcano,o todo esquivo, noturno,a tríplice chave de urna,essa a louca sonegava,não me daria nem nada.Antes nunca me acenasse.Viver não tinha propósito,andar perdera o sentido,o tempo não desatavanem vinha a morte render-meao luzir da estrela-d'alva,que nessa hora já primeira,violento, subia o enjoode fera presa no Zôo.         Como lhe sabia a pele,em seu côncavo e convexo,em seu poro, em seu douradopêlo de ventre! mas sexoera segredo de Estado.Como a carne lhe sabiaa campo frio, orvalhado,onde uma cobra despertavai traçando seu desenhonum frêmito, lado a lado!Mas que perfume teriaa gruta invisa? que visgo,que estreitura, que doçume,que linha prístina, pura,me chamava, me fugia?Tudo a bela me ofertava,e que eu beijasse ou mordesse,fizesse sangue: fazia.
  • 11. Mas seu púbis recusava.Na noite acesa, no dia,sua coxa se cerrava.Na praia, na ventania,quando mais eu insistia,sua coxa se apertava.Na mais erma hospedariafechada por dentro a aldrava,sua coxa se selava,se encerrava, se salvava,e quem disse que eu podiafazer dela minha escrava?De tanto esperar, porfiasem vislumbre de vitória,já seu corpo se delia,já se empana sua glória,já sou diverso daqueleque por dentro se rasgava,e não sei agora ao certose minha sede mais bravaera nela que pousava. Outras fontes, outras fomes,outros flancos: vasto mundo,e o esquecimento no fundo.Talvez que a moça hoje em dia...Talvez. O certo é que nunca.E se tanto se furtaracom tais fugas e arabescose tão surda teimosia,por que hoje se abriria?Por que viria ofertar-mequando a noite já vai fria,sua nívea rosa pretanunca por mim visitada,inacessível naveta?Ou nem teria naveta...
  • 12. Tema e Assunto Tema: O Erotismo e o celibato. Assunto: Neste poema o “eu” poético fala de um padre seduzido e encantado por uma “moça”, que por sua vez se retrai e demora a revelar-se, a “abrir-se para ele”. Assim a febre sexual do padre é interrompida pela castidade da moça e é assim durante todo o longo poema, constituindo o assunto que é tratado, numa linguagem fortemente metafórica com conotação sexual e erótica.
  • 13. Recursos Estilísticos Anáfora: “A moça mostrava a coxa/a moça mostrava a nádega” (v. 1 e 2) Enumeração: “concha, berilo, esmeralda” (v.4). “crespa, intacta, inacessível” (v.19) Metáfora: “misto de mel e asfalto” (v.8) Hipérbole: “e torturando-me” (v.13) Aliteração: “abre-que-fecha-que-foge”
  • 14. Reflexão Este poema de Carlos Drummond de Andrade serviu de inspiração para o filme “O Padre e a Moça” realizado em 1965 no Brasil. Um filme polémico surgido no ano de encerramento do 2º Concílio do Vaticano, de onde sairia o documento que autorizaria as celebrações na língua nativa, numa altura em que os mais conservadores viam com maus olhos a liberalização da vida sacerdotal. Este filme parece quase um “prenúncio daquilo que os padres poderiam fazer uma vez livres”. Mesmo para um país de maioria católica como o Brasil, este filme fez grande sucesso.
  • 15. Conclusão Este poema foi um dos que mais gostamos de analisar até agora por ter uma temática muito interessante e fora da comum-poesia que estudamos até este ano. O padre e a moça é uma história que desperta corações e almas mais desatentas para os problemas do celibato e da sedução a que as criaturas celibatárias estão sujeitas.
  • 16. Fontes: www.wikipedia.org/wiki/brasil www.filmesdoseculo.br Imagens do Google e fotogramas do filme “O Padre e a Moça”.