SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 15
LP Cristina Seiça
Deus quer, o Homem sonha, a obra
nasce.
Deus quis que a terra fosse toda uma,
Que o mar unisse, já não separasse.
Sagrou-te e foste desvendando a
espuma,
E a orla branca foi de ilha em
continente,
Clareou, correndo, até ao fim do
mundo,
E viu-se a terra inteira, de repente,
Surgir redonda, do azul profundo.
Quem te sagrou criou-te português.
Do mar em nós em ti nos deu sinal.
Cumpriu-se o Mar, e o Império se
desfez.
Senhor, falta cumprir-se Portugal!
Fernando Pessoa, Mensagem
LP Cristina Seiça
Luís de Camões (1524? /1580 )
“Chamar-te génio é justo, mas é pouco.
Chamar-te herói, é dar-te um só poder.
Poeta dum império que era louco,
Foste louco a cantar e louco a
combater.”
Miguel Torga, Poemas Ibéricos
Publicação de “Os Lusíadas”
1572
LP Cristina Seiça
O QUE É UMA EPOPEIA?
A poesia épica, ou epopeia, ou ainda poema
épico
é uma das mais remotas manifestações
artísticas do homem.
era o género mais elevado que os antigos
cultivavam; daí, constituir a aspiração máxima
do poeta clássico, renascentista.
LP Cristina Seiça
É UMA NARRATIVA,
geralmente em estrutura de poema,
que enaltece os feitos ilustres de um
herói ou de um povo, com interesse
histórico.
As epopeias primitivas foram longas narrativas
orais de feitos considerados heróicos realizados
por homens dotados de força superior
demonstrada no campo das batalhas.
Trata-se de uma variedade do modo narrativo.
EPOPEIAS PRIMITIVAS
apresentam
As aventuras de um herói
porque
- não está ainda definida a noção de Estado
- existe o grupo étnico em expansão
- os deuses são tidos como realidades que ajudam ou
prejudicam o herói
assim
O herói destaca-se e torna-se imortal
LP Cristina Seiça
LP Cristina Seiça
Epopeias da Antiguidade
Civilização Grega
“Ilíada”
séc. VIII
a.C.
de HOMERO
Narração das aventuras de Aquiles,
o mais famoso dos
heróis gregos, durante o último ano
da guerra de Tróia.
“Odisseia” de HOMERO séc. VIII
a.C.
Narração das aventuras
de Ulisses
no regresso da guerra
de Tróia até chegar
a Itaca,
sua Pátria, onde o
esperava
Penélope,
a esposa modelo
de fidelidade.
LP Cristina Seiça
LP Cristina Seiça
Civilização Romana
“Eneida” de VIRGÍLIO
séc. I
a.C.
Narração das aventuras de
Eneias e de seus companheiros,
desde a queda de Tróia até
à fundação de Roma.
Virgílio imita a Odisseia nos
seis primeiros cantos e a Ilíada
nos seis últimos.
EPOPEIAS DE IMITAÇÃO
apresentam
Os feitos heróicos passados ou
futuros de um povo
porque
- existe o estado, uma vida civil organizada
- existe uma história da Pátria
- os deuses são apenas mitos ou ficções
assim
O herói apaga-se como individualidade;
o povo imortaliza-se.
LP Cristina Seiça
deve obedecer a certos requisitos:
Esta variedade do modo narrativo
 a utilização do verso e de um estilo
elevado;
 incluir NARRADOR, PERSONAGENS,
ACÇÃO, TEMPO.
LP Cristina Seiça
A estrutura interna deve estar dividida em
Proposição, Invocação e NarraçãoProposição, Invocação e Narração;
Facultativamente, a estrutura interna de
uma epopeia pode também incluir uma
DedicatóriaDedicatória,
referindo a figura a quem se dedica o poema.
LP Cristina Seiça
Estrutura InternaEstrutura Interna
OS LUSÍADASOS LUSÍADAS
Proposição Invocação Dedicatória Narração
O autor
apresenta
o assunto
O poeta pede
inspiração
às musas
para levar
a cabo o
seu projecto
O poeta
dedica o seu
poema a
D. Sebastião
Narração da
acção
LP Cristina Seiça
Estrutura ExternaEstrutura Externa
LP Cristina Seiça
Do ponto de vista formal, estrutura
externa, o poema:
 é constituído por 10 Cantos, com um
total de 1102 estrofes,
constituída por estrofes de 8 versos
(oitavas)
 verso decassílabo heróico (acentuação
nas 6ª e 10ª sílabas métricas),
com rima cruzada e emparelhada:
A B A B A B C C
A VIAGEM À ÍNDIA
LP Cristina Seiça

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Estrutura mensagem
Estrutura mensagemEstrutura mensagem
Estrutura mensagemameliapadrao
 
Portugues pessoa
Portugues pessoaPortugues pessoa
Portugues pessoabalolas
 
Trabalho de portugues quinto imperio+os lusiadas
Trabalho de portugues quinto imperio+os lusiadasTrabalho de portugues quinto imperio+os lusiadas
Trabalho de portugues quinto imperio+os lusiadasDaniel Maia
 
Mensagem Fernando Pessoa
Mensagem   Fernando PessoaMensagem   Fernando Pessoa
Mensagem Fernando Pessoaguest0f0d8
 
Mensagem Fernando Pessoa
Mensagem Fernando PessoaMensagem Fernando Pessoa
Mensagem Fernando PessoaEL Chenko
 
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 17
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 17ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 17
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 17luisprista
 
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 22
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 22ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 22
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 22luisprista
 
Intertextualidade Mensagem e Os Lusíadas
Intertextualidade Mensagem e Os LusíadasIntertextualidade Mensagem e Os Lusíadas
Intertextualidade Mensagem e Os LusíadasAntónio Teixeira
 
A mensagem fernado pessoa
A mensagem fernado pessoa A mensagem fernado pessoa
A mensagem fernado pessoa Pedro Rodrigues
 
Mensagem de Fernando Pessoa: interpretações e símbolos
Mensagem de Fernando Pessoa: interpretações e símbolosMensagem de Fernando Pessoa: interpretações e símbolos
Mensagem de Fernando Pessoa: interpretações e símbolossin3stesia
 
Análise do poema ulisses
Análise do poema ulissesAnálise do poema ulisses
Análise do poema ulissesEL Chenko
 
Apresentação para décimo segundo ano, aula 15
Apresentação para décimo segundo ano, aula 15Apresentação para décimo segundo ano, aula 15
Apresentação para décimo segundo ano, aula 15luisprista
 
Ficha informativa a dedicatória
Ficha informativa   a dedicatóriaFicha informativa   a dedicatória
Ficha informativa a dedicatóriaLúcia Martins
 

Mais procurados (20)

Estrutura mensagem
Estrutura mensagemEstrutura mensagem
Estrutura mensagem
 
Portugues pessoa
Portugues pessoaPortugues pessoa
Portugues pessoa
 
Trabalho de portugues quinto imperio+os lusiadas
Trabalho de portugues quinto imperio+os lusiadasTrabalho de portugues quinto imperio+os lusiadas
Trabalho de portugues quinto imperio+os lusiadas
 
Mensagem Fernando Pessoa
Mensagem   Fernando PessoaMensagem   Fernando Pessoa
Mensagem Fernando Pessoa
 
Mensagem
MensagemMensagem
Mensagem
 
Mensagem Fernando Pessoa
Mensagem Fernando PessoaMensagem Fernando Pessoa
Mensagem Fernando Pessoa
 
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 17
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 17ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 17
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 17
 
«A Mensagem» de Fernando Pessoa
«A Mensagem» de Fernando Pessoa«A Mensagem» de Fernando Pessoa
«A Mensagem» de Fernando Pessoa
 
Mensagem-RaizEd
Mensagem-RaizEdMensagem-RaizEd
Mensagem-RaizEd
 
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 22
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 22ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 22
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 22
 
Mensagem síntese
Mensagem   sínteseMensagem   síntese
Mensagem síntese
 
Intertextualidade Mensagem e Os Lusíadas
Intertextualidade Mensagem e Os LusíadasIntertextualidade Mensagem e Os Lusíadas
Intertextualidade Mensagem e Os Lusíadas
 
Mensagem & Os Lusíadas
Mensagem & Os LusíadasMensagem & Os Lusíadas
Mensagem & Os Lusíadas
 
A mensagem fernado pessoa
A mensagem fernado pessoa A mensagem fernado pessoa
A mensagem fernado pessoa
 
Noite
NoiteNoite
Noite
 
Mensagem de Fernando Pessoa: interpretações e símbolos
Mensagem de Fernando Pessoa: interpretações e símbolosMensagem de Fernando Pessoa: interpretações e símbolos
Mensagem de Fernando Pessoa: interpretações e símbolos
 
Análise do poema ulisses
Análise do poema ulissesAnálise do poema ulisses
Análise do poema ulisses
 
Apresentação para décimo segundo ano, aula 15
Apresentação para décimo segundo ano, aula 15Apresentação para décimo segundo ano, aula 15
Apresentação para décimo segundo ano, aula 15
 
Os Planos d'Os Lusíadas
Os Planos d'Os LusíadasOs Planos d'Os Lusíadas
Os Planos d'Os Lusíadas
 
Ficha informativa a dedicatória
Ficha informativa   a dedicatóriaFicha informativa   a dedicatória
Ficha informativa a dedicatória
 

Destaque

Amor amor desliga a televisao
Amor amor desliga a televisaoAmor amor desliga a televisao
Amor amor desliga a televisaoAna Isabel Falé
 
Orações subordinadas completivas-correção
Orações subordinadas completivas-correçãoOrações subordinadas completivas-correção
Orações subordinadas completivas-correçãoAna Isabel Falé
 
Orações subordinadas completivas
Orações subordinadas completivasOrações subordinadas completivas
Orações subordinadas completivasAna Isabel Falé
 

Destaque (6)

Amor amor desliga a televisao
Amor amor desliga a televisaoAmor amor desliga a televisao
Amor amor desliga a televisao
 
Conetores enunciativos
Conetores enunciativosConetores enunciativos
Conetores enunciativos
 
Evolução da Lingua
Evolução da LinguaEvolução da Lingua
Evolução da Lingua
 
História da língua 9.º ano
História da língua 9.º anoHistória da língua 9.º ano
História da língua 9.º ano
 
Orações subordinadas completivas-correção
Orações subordinadas completivas-correçãoOrações subordinadas completivas-correção
Orações subordinadas completivas-correção
 
Orações subordinadas completivas
Orações subordinadas completivasOrações subordinadas completivas
Orações subordinadas completivas
 

Semelhante a Os Lusíadas de Camões

Semelhante a Os Lusíadas de Camões (20)

Narrativa Épica
Narrativa ÉpicaNarrativa Épica
Narrativa Épica
 
A narrativa épica
A narrativa épicaA narrativa épica
A narrativa épica
 
Europa ulisses
Europa ulissesEuropa ulisses
Europa ulisses
 
Os melhores livros que já li 121026171434-phpapp02
Os melhores livros que já li 121026171434-phpapp02Os melhores livros que já li 121026171434-phpapp02
Os melhores livros que já li 121026171434-phpapp02
 
OS MELHORES LIVROS QUE JÁ LI
OS MELHORES LIVROS QUE JÁ LIOS MELHORES LIVROS QUE JÁ LI
OS MELHORES LIVROS QUE JÁ LI
 
Portugues pessoa a mensagem
Portugues pessoa a mensagem Portugues pessoa a mensagem
Portugues pessoa a mensagem
 
A mensagem de fernando pessoa
A mensagem de fernando pessoa A mensagem de fernando pessoa
A mensagem de fernando pessoa
 
Lusiadas resumo2
Lusiadas resumo2Lusiadas resumo2
Lusiadas resumo2
 
Luís vaz de camões
Luís vaz de camõesLuís vaz de camões
Luís vaz de camões
 
Luís vaz de camões
Luís vaz de camõesLuís vaz de camões
Luís vaz de camões
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
 
Camões 2.0
Camões 2.0Camões 2.0
Camões 2.0
 
A Morte do Palhaço
A Morte do PalhaçoA Morte do Palhaço
A Morte do Palhaço
 
Classicismo[1]
Classicismo[1]Classicismo[1]
Classicismo[1]
 
Os lusíadas resumo
Os lusíadas resumoOs lusíadas resumo
Os lusíadas resumo
 
Humanismo português
Humanismo portuguêsHumanismo português
Humanismo português
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
 
Diapositivo do dia do autor sem música
Diapositivo do dia do autor sem músicaDiapositivo do dia do autor sem música
Diapositivo do dia do autor sem música
 

Mais de Ana Isabel Falé

Tópicos de análise do espaço social em memorial do convento
Tópicos de análise do espaço social em memorial do conventoTópicos de análise do espaço social em memorial do convento
Tópicos de análise do espaço social em memorial do conventoAna Isabel Falé
 
Farsa de Inês Pereira de Gil Vicente
Farsa de Inês Pereira de Gil VicenteFarsa de Inês Pereira de Gil Vicente
Farsa de Inês Pereira de Gil VicenteAna Isabel Falé
 
Caspar david friedrich_moonwatchers
Caspar david friedrich_moonwatchersCaspar david friedrich_moonwatchers
Caspar david friedrich_moonwatchersAna Isabel Falé
 
O 25 de Abril na Poesia Portuguesa
O 25 de Abril na Poesia PortuguesaO 25 de Abril na Poesia Portuguesa
O 25 de Abril na Poesia PortuguesaAna Isabel Falé
 
An+ílise sociol+¦gica da indisciplina e viol+¬ncia na escola relat+¦rio fin...
An+ílise sociol+¦gica da indisciplina e viol+¬ncia na escola   relat+¦rio fin...An+ílise sociol+¦gica da indisciplina e viol+¬ncia na escola   relat+¦rio fin...
An+ílise sociol+¦gica da indisciplina e viol+¬ncia na escola relat+¦rio fin...Ana Isabel Falé
 
Linhas de análise ela canta pobre ceifeira
Linhas de análise ela canta pobre ceifeiraLinhas de análise ela canta pobre ceifeira
Linhas de análise ela canta pobre ceifeiraAna Isabel Falé
 
Ft ler folhetos promocionais
Ft ler folhetos promocionaisFt ler folhetos promocionais
Ft ler folhetos promocionaisAna Isabel Falé
 

Mais de Ana Isabel Falé (19)

Matr iculas2017 18
Matr iculas2017 18Matr iculas2017 18
Matr iculas2017 18
 
Matrículas 2017-18
Matrículas 2017-18 Matrículas 2017-18
Matrículas 2017-18
 
Tópicos de análise do espaço social em memorial do convento
Tópicos de análise do espaço social em memorial do conventoTópicos de análise do espaço social em memorial do convento
Tópicos de análise do espaço social em memorial do convento
 
Indicadores de Família
Indicadores de FamíliaIndicadores de Família
Indicadores de Família
 
Indicadores de Família
Indicadores de FamíliaIndicadores de Família
Indicadores de Família
 
Indicadores da Família
Indicadores da Família Indicadores da Família
Indicadores da Família
 
Indicadores da Família
Indicadores da Família   Indicadores da Família
Indicadores da Família
 
Indicadores da Família
Indicadores da FamíliaIndicadores da Família
Indicadores da Família
 
Farsa de Inês Pereira de Gil Vicente
Farsa de Inês Pereira de Gil VicenteFarsa de Inês Pereira de Gil Vicente
Farsa de Inês Pereira de Gil Vicente
 
Critérios valorativos
Critérios valorativosCritérios valorativos
Critérios valorativos
 
Notas dos argumentos
Notas dos argumentosNotas dos argumentos
Notas dos argumentos
 
Degas 1834 - 1917
Degas 1834 - 1917Degas 1834 - 1917
Degas 1834 - 1917
 
Caspar david friedrich_moonwatchers
Caspar david friedrich_moonwatchersCaspar david friedrich_moonwatchers
Caspar david friedrich_moonwatchers
 
Fernando Martinho
Fernando MartinhoFernando Martinho
Fernando Martinho
 
O 25 de Abril na Poesia Portuguesa
O 25 de Abril na Poesia PortuguesaO 25 de Abril na Poesia Portuguesa
O 25 de Abril na Poesia Portuguesa
 
An+ílise sociol+¦gica da indisciplina e viol+¬ncia na escola relat+¦rio fin...
An+ílise sociol+¦gica da indisciplina e viol+¬ncia na escola   relat+¦rio fin...An+ílise sociol+¦gica da indisciplina e viol+¬ncia na escola   relat+¦rio fin...
An+ílise sociol+¦gica da indisciplina e viol+¬ncia na escola relat+¦rio fin...
 
Linhas de análise ela canta pobre ceifeira
Linhas de análise ela canta pobre ceifeiraLinhas de análise ela canta pobre ceifeira
Linhas de análise ela canta pobre ceifeira
 
Fcel - alfabeto pessoal
Fcel - alfabeto pessoalFcel - alfabeto pessoal
Fcel - alfabeto pessoal
 
Ft ler folhetos promocionais
Ft ler folhetos promocionaisFt ler folhetos promocionais
Ft ler folhetos promocionais
 

Último

Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxHlioMachado1
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.HildegardeAngel
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAEdioFnaf
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no textoMariaPauladeSouzaTur
 

Último (20)

Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no texto
 

Os Lusíadas de Camões

  • 2. Deus quer, o Homem sonha, a obra nasce. Deus quis que a terra fosse toda uma, Que o mar unisse, já não separasse. Sagrou-te e foste desvendando a espuma, E a orla branca foi de ilha em continente, Clareou, correndo, até ao fim do mundo, E viu-se a terra inteira, de repente, Surgir redonda, do azul profundo. Quem te sagrou criou-te português. Do mar em nós em ti nos deu sinal. Cumpriu-se o Mar, e o Império se desfez. Senhor, falta cumprir-se Portugal! Fernando Pessoa, Mensagem LP Cristina Seiça
  • 3. Luís de Camões (1524? /1580 ) “Chamar-te génio é justo, mas é pouco. Chamar-te herói, é dar-te um só poder. Poeta dum império que era louco, Foste louco a cantar e louco a combater.” Miguel Torga, Poemas Ibéricos Publicação de “Os Lusíadas” 1572 LP Cristina Seiça
  • 4. O QUE É UMA EPOPEIA? A poesia épica, ou epopeia, ou ainda poema épico é uma das mais remotas manifestações artísticas do homem. era o género mais elevado que os antigos cultivavam; daí, constituir a aspiração máxima do poeta clássico, renascentista. LP Cristina Seiça
  • 5. É UMA NARRATIVA, geralmente em estrutura de poema, que enaltece os feitos ilustres de um herói ou de um povo, com interesse histórico. As epopeias primitivas foram longas narrativas orais de feitos considerados heróicos realizados por homens dotados de força superior demonstrada no campo das batalhas. Trata-se de uma variedade do modo narrativo.
  • 6. EPOPEIAS PRIMITIVAS apresentam As aventuras de um herói porque - não está ainda definida a noção de Estado - existe o grupo étnico em expansão - os deuses são tidos como realidades que ajudam ou prejudicam o herói assim O herói destaca-se e torna-se imortal LP Cristina Seiça
  • 7. LP Cristina Seiça Epopeias da Antiguidade Civilização Grega “Ilíada” séc. VIII a.C. de HOMERO Narração das aventuras de Aquiles, o mais famoso dos heróis gregos, durante o último ano da guerra de Tróia.
  • 8. “Odisseia” de HOMERO séc. VIII a.C. Narração das aventuras de Ulisses no regresso da guerra de Tróia até chegar a Itaca, sua Pátria, onde o esperava Penélope, a esposa modelo de fidelidade. LP Cristina Seiça
  • 9. LP Cristina Seiça Civilização Romana “Eneida” de VIRGÍLIO séc. I a.C. Narração das aventuras de Eneias e de seus companheiros, desde a queda de Tróia até à fundação de Roma. Virgílio imita a Odisseia nos seis primeiros cantos e a Ilíada nos seis últimos.
  • 10. EPOPEIAS DE IMITAÇÃO apresentam Os feitos heróicos passados ou futuros de um povo porque - existe o estado, uma vida civil organizada - existe uma história da Pátria - os deuses são apenas mitos ou ficções assim O herói apaga-se como individualidade; o povo imortaliza-se. LP Cristina Seiça
  • 11. deve obedecer a certos requisitos: Esta variedade do modo narrativo  a utilização do verso e de um estilo elevado;  incluir NARRADOR, PERSONAGENS, ACÇÃO, TEMPO. LP Cristina Seiça
  • 12. A estrutura interna deve estar dividida em Proposição, Invocação e NarraçãoProposição, Invocação e Narração; Facultativamente, a estrutura interna de uma epopeia pode também incluir uma DedicatóriaDedicatória, referindo a figura a quem se dedica o poema. LP Cristina Seiça
  • 13. Estrutura InternaEstrutura Interna OS LUSÍADASOS LUSÍADAS Proposição Invocação Dedicatória Narração O autor apresenta o assunto O poeta pede inspiração às musas para levar a cabo o seu projecto O poeta dedica o seu poema a D. Sebastião Narração da acção LP Cristina Seiça
  • 14. Estrutura ExternaEstrutura Externa LP Cristina Seiça Do ponto de vista formal, estrutura externa, o poema:  é constituído por 10 Cantos, com um total de 1102 estrofes, constituída por estrofes de 8 versos (oitavas)  verso decassílabo heróico (acentuação nas 6ª e 10ª sílabas métricas), com rima cruzada e emparelhada: A B A B A B C C
  • 15. A VIAGEM À ÍNDIA LP Cristina Seiça