SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 33
Baixar para ler offline
AULA 04
MEDIDAS DIRETAS DE DISTÂNCIAS
Universidade Federal do Ceará
Centro de Ciências Agrárias
Departamento de Engenharia Agrícola
Disciplina: Topografia Básica
Facilitadores: Nonato, Julien e Fabrício
Medição Direta de Distâncias
Em Topografia, a distância entre dois pontos significa a
distância horizontal. As distâncias inclinadas são reduzidas às
dimensões de sua projeção horizontal equivalente.
Medidas lineares num levantamento topográfico
 Lineares:
 Distâncias horizontais;
 Distâncias verticais ou diferenças de nível.
Medição Direta e Indireta
• Direta: Quando o instrumento de medida é aplicado
diretamente sobre o terreno;
• Indireta: Quando se obtém o valor da distância com
auxílio do cálculo trigonométrico.
Materiais utilizados na medição direta
 Diastímetros: Todo e qualquer instrumento destinado à
medição direta de distânciais. Os mais usuais em Topografia
são: Trenas, Fitas de aço e a corrente do agrimensor.
 Obs.: Os pequenos produtores (agricultores) utilizam em
geral medidas padrão (braça: 2,2 m) para medir os seus
terrenos. 1,0 Tarefa equivale a 625 braças quadradas.
Principais acessórios
 Acessórios: São instrumentos que irão auxiliar na medida
direta da distância.
 Principais acessórios: piquetes, estacas testemunhas,
balizas, nível de cantoneira, nível de mangueira e
cadernetas de campo.
Materialização dos pontos
Detalhe de Piquete e Estaca Testemunha
Descrição de acessórios
 Piquetes:
1. Permitem a materialização do ponto topográfico no
terreno;
2. Fabricados de madeira roliça ou de seção quadrada com a
superfície no topo plana;
3. Marcados na sua parte superior com pregos ou outras
formas de marcações que sejam permanentes;
4. Comprimento de 15 a 30 cm e diâmetro de 3 a 5 cm;
5. Cravado no solo, porém, com 3 a 5cm visível.
Descrição de acessórios
 Estacas Testemunhas:
1. Utilizadas ao lado de cada piquete (30 a 50 cm) com a
finalidade de facilitar a localização dos piquetes;
2. Chanfradas na parte superior para conter o número de
ordem do piquete;
3. Devem ficar aproximadamente 50 cm fora do terreno.
Descrição de acessórios
 Balizas:
1. Materializam a ordenada vertical de um ponto do terreno;
2. Utilizadas para manter o alinhamento entre pontos;
3. São hastes de ferro pintadas alternadamente nas cores
branca e vermelha para permitir que sejam facilmente
visualizadas à distância; São roscáveis para facilitar o
transporte;
4. Comprimento de 2,0 m e diâmetro de 16 a 20 mm;
5. Apresentam uma ponta a ser colocada sobre o piquete.
Descrição de acessórios
 Nível de cantoneira:
Equipamento em forma de cantoneira e dotado de bolha
circular que permite ao auxiliar segurar a baliza na posição
vertical sobre o piquete ou sobre o alinhamento a medir.
Descrição de acessórios
Nível de Mangueira:
- É uma mangueira d'água transparente que permite, em
função do nível de água das extremidades, proceder a
medida de distâncias com o diastímetro na posição
horizontal. Utiliza o princípio físico dos vasos comunicantes.
Caderneta de campo
 Documento onde são registrados todos os elementos
levantados no campo.
Cuidados e precisão nas medidas
 Cuidados na medição de distância:
o Manutenção do alinhamento a medir;
o Horizontalidade da trena;
o Tensão uniforme nas extremidades.
 Precisão na medição de distância:
o Dispositivo de medição utilizado;
o Acessórios;
o Cuidados tomados durante a operação.
Medição Direta de Distâncias
Fontes de erros nas medidas
1. Catenária;
2. Tensão;
3. Temperatura;
4. Diastímetro não na horizontal ou desvio vertical;
5. Verticalidade da baliza;
6. Alinhamento incorreto ou desvio lateral;
7. Comprimento incorreto do diastímetro.
Fontes de erros nas medidas
 Catenária: É a curvatura do diastímetro que aparece devido
ao seu peso e ao comprimento medido. Para evitá-la, é
necessário utilizar diastímetros leves, não muito longos e
aplicar tensão apropriada (segundo normas do fabricante) às
suas extremidades.
Fontes de erros nas medidas
 Tensão: As tensões aplicadas nas extremidades dos
diastímetros dificilmente se mantêm uniformes, o que
ocasiona variação na flecha da catenária.
Fontes de erros nas medidas
 Temperatura: A temperatura influi ocasionando a
dilatação dos diastímetros metálicos. É um erro desprezível.
 Diastímetro não na horizontal ou desvio vertical: É
um erro cometido quando o diastímetro não é colocado em
nível; ocorre principalmente, devido à inclinação do terreno.
Fontes de erros nas medidas
 Verticalidade da baliza: Ocasionado por uma
inclinação da baliza. Este tipo de erro só poderá ser evitado
se for feito uso do nível de cantoneira.
Fontes de erros nas medidas
 Alinhamento incorreto ou desvio lateral: É um
erro cometido quando o balizeiro não é observado com
precisão. A extremidade do diastímetro fica fora do
alinhamento.
Fontes de erros nas medidas
 Comprimento incorreto do diastímetro: Afetado
pela tensão aplicada em suas extremidades e também pela
temperatura ambiente. A correção é função dos coeficientes
de elasticidade e de dilatação do material.
Métodos de Medida com Diastímetros
Métodos de Medida com Diastímetros
Métodos de Medida com Diastímetros
Traçado de perpendiculares
Traçado de perpendiculares: 3-4-5
Transposição de obstáculos
Transposição de obstáculos
Medição de ângulos por meio de diastímetros
 Lei dos Cossenos: Num triângulo qualquer, o quadrado
da medida de um lado é igual à soma dos quadrados das
medidas dos outros dois, menos o dobro do produto das
medidas dos dois lados pelo cosseno do ângulo que eles
formam. a2 = b2 + c2 – 2.b.c. cos A
Levantamento planimétrico com diastímetro
Alinhamento DH AL (m) L1 e L2 (m) Corda (m) Ângulo
AC b 2,0 C1 ACB
CB a 2,0 C2 CBA
BA c 2,0 C3 BAC
Erros na medida direta de distâncias - Exercícios
1. Uma linha medida por uma corrente deu 284,4m, mas a
corrente devia ter 20m e tem 20,05m. Achar o
comprimento certa da linha.
2. Uma linha medida por uma trena de aço deu 382,74m.
A trena devia ter 20m, mas é mais curta 0,03m. Achar o
comprimento verdadeiro da linha.
Erros na medida direta de distâncias - Exercícios
3. Numa trenada de 20m, um ponto está mais baixo do que o
outro 0,40m. Achar o erro ocasionado pelo desvio vertical.
4. Numa linha, uma estaca intermediária está fora do
alinhamento 0,5m. Achar o erro total, sabendo-se que as
estacas foram colocadas de 20 em 20m e foram realizadas
duas trenadas.
Correção ou erro devido ao desvio vertical ou lateral (Cdv):

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Relatório final de topografia
Relatório final de topografiaRelatório final de topografia
Relatório final de topografia
Nuno Almeida
 
Aula04 geo pg
Aula04 geo pgAula04 geo pg
Aula04 geo pg
railano
 
Aula Sensoriamento Remoto
Aula Sensoriamento RemotoAula Sensoriamento Remoto
Aula Sensoriamento Remoto
carlieden
 

Mais procurados (20)

11ª e 12ª Aula - Equipamentos Topograficos.pdf
11ª e 12ª Aula - Equipamentos Topograficos.pdf11ª e 12ª Aula - Equipamentos Topograficos.pdf
11ª e 12ª Aula - Equipamentos Topograficos.pdf
 
RELATÓRIO DE ATIVIDADES DE CAMPO SOBRE NIVELAMENTO GEOMÉTRICO SIMPLES
RELATÓRIO DE ATIVIDADES DE CAMPO SOBRE NIVELAMENTO GEOMÉTRICO SIMPLESRELATÓRIO DE ATIVIDADES DE CAMPO SOBRE NIVELAMENTO GEOMÉTRICO SIMPLES
RELATÓRIO DE ATIVIDADES DE CAMPO SOBRE NIVELAMENTO GEOMÉTRICO SIMPLES
 
Exercicios-topografia-corrigidos
 Exercicios-topografia-corrigidos Exercicios-topografia-corrigidos
Exercicios-topografia-corrigidos
 
Exercícios de rumos e azimutes
Exercícios de rumos e azimutesExercícios de rumos e azimutes
Exercícios de rumos e azimutes
 
Relatório de levantamento topográfico altimétrico - Sistematização de terrenos
Relatório de levantamento topográfico altimétrico - Sistematização de terrenosRelatório de levantamento topográfico altimétrico - Sistematização de terrenos
Relatório de levantamento topográfico altimétrico - Sistematização de terrenos
 
Aula3 planimetria
Aula3 planimetriaAula3 planimetria
Aula3 planimetria
 
Unidades de Medidas e Angulares
Unidades de Medidas e AngularesUnidades de Medidas e Angulares
Unidades de Medidas e Angulares
 
Relatório final de topografia
Relatório final de topografiaRelatório final de topografia
Relatório final de topografia
 
Aula topografia 1 - módulo 2 - Engenharia civil
Aula topografia 1 - módulo 2 - Engenharia civilAula topografia 1 - módulo 2 - Engenharia civil
Aula topografia 1 - módulo 2 - Engenharia civil
 
Aula04 geo pg
Aula04 geo pgAula04 geo pg
Aula04 geo pg
 
Topografia{altimetria}
Topografia{altimetria}Topografia{altimetria}
Topografia{altimetria}
 
Aula azimute e rumo7
Aula azimute e rumo7Aula azimute e rumo7
Aula azimute e rumo7
 
Apresentação topografia
Apresentação topografiaApresentação topografia
Apresentação topografia
 
Nivelamento taqueométrico: o que é, fórmulas e aplicações
Nivelamento taqueométrico: o que é, fórmulas e aplicaçõesNivelamento taqueométrico: o que é, fórmulas e aplicações
Nivelamento taqueométrico: o que é, fórmulas e aplicações
 
Aula Sensoriamento Remoto
Aula Sensoriamento RemotoAula Sensoriamento Remoto
Aula Sensoriamento Remoto
 
AULA-03 - Nivelamento geométrico.pdf
AULA-03 - Nivelamento geométrico.pdfAULA-03 - Nivelamento geométrico.pdf
AULA-03 - Nivelamento geométrico.pdf
 
Relatório de atividade prática de topografia sobre o uso do GPS
Relatório de atividade prática de topografia sobre o uso do GPSRelatório de atividade prática de topografia sobre o uso do GPS
Relatório de atividade prática de topografia sobre o uso do GPS
 
Conheça os Instrumentos Topográficos Existentes
Conheça os  Instrumentos Topográficos ExistentesConheça os  Instrumentos Topográficos Existentes
Conheça os Instrumentos Topográficos Existentes
 
RELATÓRIO  DE  ATIVIDADES  DE  CAMPO  DA  DISCIPLINA  DE  TOPOGRAFIA -  Medi...
RELATÓRIO  DE  ATIVIDADES  DE  CAMPO  DA  DISCIPLINA  DE  TOPOGRAFIA  -  Medi...RELATÓRIO  DE  ATIVIDADES  DE  CAMPO  DA  DISCIPLINA  DE  TOPOGRAFIA  -  Medi...
RELATÓRIO  DE  ATIVIDADES  DE  CAMPO  DA  DISCIPLINA  DE  TOPOGRAFIA -  Medi...
 
Topografia unidade 2 planimetria
Topografia unidade 2 planimetriaTopografia unidade 2 planimetria
Topografia unidade 2 planimetria
 

Semelhante a Topografia aula04

Apostila_5_TOPO_Leituras-Angulares.pdf
Apostila_5_TOPO_Leituras-Angulares.pdfApostila_5_TOPO_Leituras-Angulares.pdf
Apostila_5_TOPO_Leituras-Angulares.pdf
Facul4
 
Levantamentos-Topograficos-II_aplicacao-terraplanagem.pdf
Levantamentos-Topograficos-II_aplicacao-terraplanagem.pdfLevantamentos-Topograficos-II_aplicacao-terraplanagem.pdf
Levantamentos-Topograficos-II_aplicacao-terraplanagem.pdf
Glaudes Moreira
 

Semelhante a Topografia aula04 (20)

CÁPITULO_3_MEDIÇÃO DE DISTÂNCIA Na CADEIRA DE TOPOGRAFIA
CÁPITULO_3_MEDIÇÃO DE DISTÂNCIA Na CADEIRA DE TOPOGRAFIACÁPITULO_3_MEDIÇÃO DE DISTÂNCIA Na CADEIRA DE TOPOGRAFIA
CÁPITULO_3_MEDIÇÃO DE DISTÂNCIA Na CADEIRA DE TOPOGRAFIA
 
Aula 02 topografia UFPI 2018.1
Aula 02 topografia UFPI 2018.1Aula 02 topografia UFPI 2018.1
Aula 02 topografia UFPI 2018.1
 
Topografia 2
Topografia 2Topografia 2
Topografia 2
 
Topografia 2
Topografia 2Topografia 2
Topografia 2
 
Topografia modulo ii
Topografia modulo iiTopografia modulo ii
Topografia modulo ii
 
Apostila_7_TOPO_Nivelamento.pdf
Apostila_7_TOPO_Nivelamento.pdfApostila_7_TOPO_Nivelamento.pdf
Apostila_7_TOPO_Nivelamento.pdf
 
Aula de topografia 1 - módulo 3
Aula de topografia 1 - módulo 3Aula de topografia 1 - módulo 3
Aula de topografia 1 - módulo 3
 
07 usinagem
07   usinagem07   usinagem
07 usinagem
 
Apostila_5_TOPO_Leituras-Angulares.pdf
Apostila_5_TOPO_Leituras-Angulares.pdfApostila_5_TOPO_Leituras-Angulares.pdf
Apostila_5_TOPO_Leituras-Angulares.pdf
 
Topografia basica
Topografia basicaTopografia basica
Topografia basica
 
CAPITULO_1_INTRODUÇÃO À TOPOGRAFIA, ESTUDO DE AZIMUTES , RUMO
CAPITULO_1_INTRODUÇÃO À TOPOGRAFIA, ESTUDO DE AZIMUTES , RUMOCAPITULO_1_INTRODUÇÃO À TOPOGRAFIA, ESTUDO DE AZIMUTES , RUMO
CAPITULO_1_INTRODUÇÃO À TOPOGRAFIA, ESTUDO DE AZIMUTES , RUMO
 
Apostila_4_TOPO_Escalas,-Erros-e-Eqpuip.pdf
Apostila_4_TOPO_Escalas,-Erros-e-Eqpuip.pdfApostila_4_TOPO_Escalas,-Erros-e-Eqpuip.pdf
Apostila_4_TOPO_Escalas,-Erros-e-Eqpuip.pdf
 
Levantamentos-Topograficos-II_aplicacao-terraplanagem.pdf
Levantamentos-Topograficos-II_aplicacao-terraplanagem.pdfLevantamentos-Topograficos-II_aplicacao-terraplanagem.pdf
Levantamentos-Topograficos-II_aplicacao-terraplanagem.pdf
 
Sistema internacional de unidades
Sistema internacional de unidadesSistema internacional de unidades
Sistema internacional de unidades
 
TCM_aula04_05_Paquímetrogian.pdf
TCM_aula04_05_Paquímetrogian.pdfTCM_aula04_05_Paquímetrogian.pdf
TCM_aula04_05_Paquímetrogian.pdf
 
TCM_aula04_05_Paquímetrogian.pdf
TCM_aula04_05_Paquímetrogian.pdfTCM_aula04_05_Paquímetrogian.pdf
TCM_aula04_05_Paquímetrogian.pdf
 
Apostila 3 topografia
Apostila 3 topografiaApostila 3 topografia
Apostila 3 topografia
 
Apostila de topografia
Apostila de topografiaApostila de topografia
Apostila de topografia
 
Apostila de topografia
Apostila de topografiaApostila de topografia
Apostila de topografia
 
Nivelamento Geometrico
Nivelamento GeometricoNivelamento Geometrico
Nivelamento Geometrico
 

Mais de Cleide Soares

Mais de Cleide Soares (20)

Topografia aula03
Topografia aula03Topografia aula03
Topografia aula03
 
Topografia aula02
Topografia aula02Topografia aula02
Topografia aula02
 
Apostila de topografia
Apostila de topografiaApostila de topografia
Apostila de topografia
 
Apostilaescoamentoemcondutosforados 120822120337-phpapp02
Apostilaescoamentoemcondutosforados 120822120337-phpapp02Apostilaescoamentoemcondutosforados 120822120337-phpapp02
Apostilaescoamentoemcondutosforados 120822120337-phpapp02
 
Introducao hidrologia
Introducao hidrologiaIntroducao hidrologia
Introducao hidrologia
 
Hp 50g menor
Hp 50g   menorHp 50g   menor
Hp 50g menor
 
Calculo2lista3
Calculo2lista3Calculo2lista3
Calculo2lista3
 
Calculo2lista2
Calculo2lista2Calculo2lista2
Calculo2lista2
 
Calculo2lista1
Calculo2lista1Calculo2lista1
Calculo2lista1
 
Calculo1 aula20
Calculo1 aula20Calculo1 aula20
Calculo1 aula20
 
Calculo1 aula19
Calculo1 aula19Calculo1 aula19
Calculo1 aula19
 
Calculo1 aula18
Calculo1 aula18Calculo1 aula18
Calculo1 aula18
 
Calculo1 aula17
Calculo1 aula17Calculo1 aula17
Calculo1 aula17
 
Calculo1 aula16
Calculo1 aula16Calculo1 aula16
Calculo1 aula16
 
Calculo1 aula15
Calculo1 aula15Calculo1 aula15
Calculo1 aula15
 
Calculo1 aula14
Calculo1 aula14Calculo1 aula14
Calculo1 aula14
 
Calculo1 aula13
Calculo1 aula13Calculo1 aula13
Calculo1 aula13
 
Calculo1 aula12
Calculo1 aula12Calculo1 aula12
Calculo1 aula12
 
Calculo1 aula11
Calculo1 aula11Calculo1 aula11
Calculo1 aula11
 
Calculo1 aula10
Calculo1 aula10Calculo1 aula10
Calculo1 aula10
 

Topografia aula04

  • 1. AULA 04 MEDIDAS DIRETAS DE DISTÂNCIAS Universidade Federal do Ceará Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Agrícola Disciplina: Topografia Básica Facilitadores: Nonato, Julien e Fabrício
  • 2. Medição Direta de Distâncias Em Topografia, a distância entre dois pontos significa a distância horizontal. As distâncias inclinadas são reduzidas às dimensões de sua projeção horizontal equivalente.
  • 3. Medidas lineares num levantamento topográfico  Lineares:  Distâncias horizontais;  Distâncias verticais ou diferenças de nível.
  • 4. Medição Direta e Indireta • Direta: Quando o instrumento de medida é aplicado diretamente sobre o terreno; • Indireta: Quando se obtém o valor da distância com auxílio do cálculo trigonométrico.
  • 5. Materiais utilizados na medição direta  Diastímetros: Todo e qualquer instrumento destinado à medição direta de distânciais. Os mais usuais em Topografia são: Trenas, Fitas de aço e a corrente do agrimensor.  Obs.: Os pequenos produtores (agricultores) utilizam em geral medidas padrão (braça: 2,2 m) para medir os seus terrenos. 1,0 Tarefa equivale a 625 braças quadradas.
  • 6. Principais acessórios  Acessórios: São instrumentos que irão auxiliar na medida direta da distância.  Principais acessórios: piquetes, estacas testemunhas, balizas, nível de cantoneira, nível de mangueira e cadernetas de campo.
  • 7. Materialização dos pontos Detalhe de Piquete e Estaca Testemunha
  • 8. Descrição de acessórios  Piquetes: 1. Permitem a materialização do ponto topográfico no terreno; 2. Fabricados de madeira roliça ou de seção quadrada com a superfície no topo plana; 3. Marcados na sua parte superior com pregos ou outras formas de marcações que sejam permanentes; 4. Comprimento de 15 a 30 cm e diâmetro de 3 a 5 cm; 5. Cravado no solo, porém, com 3 a 5cm visível.
  • 9. Descrição de acessórios  Estacas Testemunhas: 1. Utilizadas ao lado de cada piquete (30 a 50 cm) com a finalidade de facilitar a localização dos piquetes; 2. Chanfradas na parte superior para conter o número de ordem do piquete; 3. Devem ficar aproximadamente 50 cm fora do terreno.
  • 10. Descrição de acessórios  Balizas: 1. Materializam a ordenada vertical de um ponto do terreno; 2. Utilizadas para manter o alinhamento entre pontos; 3. São hastes de ferro pintadas alternadamente nas cores branca e vermelha para permitir que sejam facilmente visualizadas à distância; São roscáveis para facilitar o transporte; 4. Comprimento de 2,0 m e diâmetro de 16 a 20 mm; 5. Apresentam uma ponta a ser colocada sobre o piquete.
  • 11. Descrição de acessórios  Nível de cantoneira: Equipamento em forma de cantoneira e dotado de bolha circular que permite ao auxiliar segurar a baliza na posição vertical sobre o piquete ou sobre o alinhamento a medir.
  • 12. Descrição de acessórios Nível de Mangueira: - É uma mangueira d'água transparente que permite, em função do nível de água das extremidades, proceder a medida de distâncias com o diastímetro na posição horizontal. Utiliza o princípio físico dos vasos comunicantes.
  • 13. Caderneta de campo  Documento onde são registrados todos os elementos levantados no campo.
  • 14. Cuidados e precisão nas medidas  Cuidados na medição de distância: o Manutenção do alinhamento a medir; o Horizontalidade da trena; o Tensão uniforme nas extremidades.  Precisão na medição de distância: o Dispositivo de medição utilizado; o Acessórios; o Cuidados tomados durante a operação.
  • 15. Medição Direta de Distâncias
  • 16. Fontes de erros nas medidas 1. Catenária; 2. Tensão; 3. Temperatura; 4. Diastímetro não na horizontal ou desvio vertical; 5. Verticalidade da baliza; 6. Alinhamento incorreto ou desvio lateral; 7. Comprimento incorreto do diastímetro.
  • 17. Fontes de erros nas medidas  Catenária: É a curvatura do diastímetro que aparece devido ao seu peso e ao comprimento medido. Para evitá-la, é necessário utilizar diastímetros leves, não muito longos e aplicar tensão apropriada (segundo normas do fabricante) às suas extremidades.
  • 18. Fontes de erros nas medidas  Tensão: As tensões aplicadas nas extremidades dos diastímetros dificilmente se mantêm uniformes, o que ocasiona variação na flecha da catenária.
  • 19. Fontes de erros nas medidas  Temperatura: A temperatura influi ocasionando a dilatação dos diastímetros metálicos. É um erro desprezível.  Diastímetro não na horizontal ou desvio vertical: É um erro cometido quando o diastímetro não é colocado em nível; ocorre principalmente, devido à inclinação do terreno.
  • 20. Fontes de erros nas medidas  Verticalidade da baliza: Ocasionado por uma inclinação da baliza. Este tipo de erro só poderá ser evitado se for feito uso do nível de cantoneira.
  • 21. Fontes de erros nas medidas  Alinhamento incorreto ou desvio lateral: É um erro cometido quando o balizeiro não é observado com precisão. A extremidade do diastímetro fica fora do alinhamento.
  • 22. Fontes de erros nas medidas  Comprimento incorreto do diastímetro: Afetado pela tensão aplicada em suas extremidades e também pela temperatura ambiente. A correção é função dos coeficientes de elasticidade e de dilatação do material.
  • 23. Métodos de Medida com Diastímetros
  • 24. Métodos de Medida com Diastímetros
  • 25. Métodos de Medida com Diastímetros
  • 30. Medição de ângulos por meio de diastímetros  Lei dos Cossenos: Num triângulo qualquer, o quadrado da medida de um lado é igual à soma dos quadrados das medidas dos outros dois, menos o dobro do produto das medidas dos dois lados pelo cosseno do ângulo que eles formam. a2 = b2 + c2 – 2.b.c. cos A
  • 31. Levantamento planimétrico com diastímetro Alinhamento DH AL (m) L1 e L2 (m) Corda (m) Ângulo AC b 2,0 C1 ACB CB a 2,0 C2 CBA BA c 2,0 C3 BAC
  • 32. Erros na medida direta de distâncias - Exercícios 1. Uma linha medida por uma corrente deu 284,4m, mas a corrente devia ter 20m e tem 20,05m. Achar o comprimento certa da linha. 2. Uma linha medida por uma trena de aço deu 382,74m. A trena devia ter 20m, mas é mais curta 0,03m. Achar o comprimento verdadeiro da linha.
  • 33. Erros na medida direta de distâncias - Exercícios 3. Numa trenada de 20m, um ponto está mais baixo do que o outro 0,40m. Achar o erro ocasionado pelo desvio vertical. 4. Numa linha, uma estaca intermediária está fora do alinhamento 0,5m. Achar o erro total, sabendo-se que as estacas foram colocadas de 20 em 20m e foram realizadas duas trenadas. Correção ou erro devido ao desvio vertical ou lateral (Cdv):