SlideShare uma empresa Scribd logo
Escalas em Topografia e
Conversão de Unidades
Engenharia Civil
Disciplina – Topografia I
2016
DAAULAANTERIOR
Unidade Sexagesimal
Grau
1 grau = 1/360 da circunferência
grau ° 1° = (π /180) rad
minuto ’ 1’ = 1°/60 = (π /10800) rad
segundo ” 1” = 1°/3600 = (π /648000) rad
REVISÃO MATEMÁTICA
Unidade Decimal
Grado
1 grado =1/400 da circunferência
Um grado é dividido em 100’ e cada minuto tem 100”.
REVISÃO MATEMÁTICA
Exercícios
1) Transformação de ângulos:
Transforme os seguintes ângulos em graus, minutos e segundos para graus e frações
decimais de grau.
a) 32º 28’ 59” =
b) 17º 34’ 18,3” =
c) 125º 59’ 57” =
d) 200º 08’ 06” =
REVISÃO MATEMÁTICA
Exercícios
2) Soma e subtração de ângulos:
30º20’ + 20º 52’ =
28º41’ + 39°39’ =
42º30’ - 20°40’ =
Revisão de Trigonometria Plana
Relações Trigonométricas no Triângulo Retângulo
A soma dos ângulos internos de um triângulo é igual a 180°. A partir da podem ser
estabelecidas as seguintes relações:
Seno
Cosseno
Tangente
Revisão de Trigonometria Plana
Relações Trigonométricas no Triângulo Retângulo
Teorema de Pitágoras
“O quadrado do comprimento da hipotenusa é igual a soma
dos quadrados dos comprimentos dos catetos.”
Revisão de Trigonometria Plana
Relações Trigonométricas no Triângulo Retângulo
Exercícios
1) No triângulo abaixo, determinar as relações solicitadas.
Revisão de Trigonometria Plana
Relações Trigonométricas no Triângulo Retângulo
Exercícios
2) Um observador na margem de um rio vê o topo de uma torre na outra margem segundo um
ângulo de 56º00’00”. Afastando-se de 20,00m, o mesmo observador vê a mesma torre segundo
um ângulo de 35º 00’00”. Calcule a largura do rio.
Revisão de Trigonometria Plana
Relações Trigonométricas no Triângulo Retângulo
Exercícios
3) Para determinar a largura de um rio, um topógrafo mediu, a partir de uma base de 20,00 m de
comprimento os ângulos em A e B, conforme figura. Calcule valor de h.
Revisão de Trigonometria Plana
Relações Métricas com o Triângulo Retângulo
Para um triângulo retângulo ABC pode-se estabelecer algumas relações entre as
medidas de seus elementos:
Onde:
b, c: catetos;
h: altura relativa à hipotenusa;
a: hipotenusa;
m, n: projeções ortogonais dos catetos
sobre a hipotenusa.
a) O quadrado de um cateto é igual ao produto
da hipotenusa pela projeção desse cateto sobre
a hipotenusa. b) O produto dos catetos é igual ao produto da
hipotenusa pela altura relativa à hipotenusa.
b × c = a × h
c) O quadrado da altura é igual ao produto das
projeções dos catetos sobre a hipotenusa.
d) O quadrado da hipotenusa é igual a
soma dos quadrados dos catetos.
Revisão de Trigonometria Plana
Relações Métricas com o Triângulo Retângulo
Exercício
A partir da primeira relação métrica, deduzir o Teorema de Pitágoras.
Revisão de Trigonometria Plana
Triângulo Qualquer
Lei dos Senos
“Num triângulo qualquer a razão entre cada lado e o seno do ângulo oposto é constante
e igual ao diâmetro da circunferência circunscrita”.
Revisão de Trigonometria Plana
Triângulo Qualquer
Lei dos Cossenos
“Num triângulo qualquer, o quadrado da medida de um lado é igual à soma dos
quadrados das medidas dos outros dois, menos o dobro do produto das medidas dos dois lados
pelo cosseno do ângulo que eles formam”.
Revisão de Trigonometria Plana
Exercício
Um topógrafo, a partir dos pontos A e B, distantes de 20 m, realiza a medição dos
ângulos horizontais a duas balizas colocadas em D e C, com o auxílio de um teodolito. Calcule a
distância entre as balizas.
UNIDADES DE MEDIDA
Em Topografia, são medidas duas espécies de grandezas, as lineares e as angulares,
mas, na verdade, outras duas espécies de grandezas são também trabalhadas, as de superfície e as
de volume.
O sistema de unidades utilizado no Brasil é o Métrico Decimal, porém, em função dos
equipamentos e da bibliografia utilizada, na sua grande maioria importada, algumas unidades
relacionadas abaixo apresentarão seus valores correspondentes no sistema Americano, ou seja,
em Pés/Polegadas.
UNIDADES DE MEDIDA
A seguir encontram-se as unidades mais comumente utilizadas para expressar cada
uma das grandezas mencionadas.
Unidades de Medida Linear
μm(E-06), mm(E-03), cm(E-02), dm(E-01), m e Km(E+03)
polegada = 2,75 cm = 0,0275 m
polegada inglesa = 2,54 cm = 0,0254 m
pé = 30,48cm = 0,3048 m
jarda = 91,44cm = 0,9144m
milha brasileira = 2200 m
milha terrestre/inglesa = 1609,31 m
UNIDADES DE MEDIDA
Unidades de Medida de Superfície
cm2(E-04), m2 e Km2(E+06)
are = 100 m2
acre = 4.046,86 m2
hectare (ha) = 10.000 m2
alqueire paulista (menor) = 2,42 ha = 24.200 m2
alqueire mineiro (geométrico) = 4,84 ha = 48.400 m2
Unidades de Medida de Volume
1 m3 = 1000 litros
litro = 0,001 m3
UNIDADES DE MEDIDA
Exercícios
1.Tem-se para a medida da distância horizontal entre dois pontos o valor de 1.290,9078
polegadas. Qual seria o valor desta mesma medida em quilômetros?
2.O lado de um terreno mede 26,50 metros. Qual seria o valor deste mesmo lado em polegadas
inglesas?
3.Determine o valor em milhas inglesas, para uma distância horizontal entre dois pontos de 74,9
milhas brasileiras.
Conversão entre Unidades Lineares
UNIDADES DE MEDIDA
Exercícios
Conversão entre Unidades de Superfície
1.Determine o valor em alqueires menor, para um terreno de área igual a 1224,567 metros
quadrados.
2.Determine o valor em hectares, para um terreno de área igual a 58.675,5678 metros
quadrados.
3.Determine o valor em acres, para um terreno de área igual a 18,15 alqueires paulista.
UNIDADES DE MEDIDA
Exercícios
Conversão entre Unidades Angulares
1.Determine o valor em grados centesimais (centésimos e milésimos de grado) e em radianos
para o ângulo de 157°17'30,65".
2.Para um ângulo de 1,145678 radianos, determine qual seria o valor correspondente em graus
sexagesimais.
3.Para um ângulo de 203,456789 grados decimais, determine qual seria o valor correspondente
em graus decimais.
UNIDADES DE MEDIDA
Exercícios
Conversão entre Unidades de Volume
1.Determine o valor em litros, para um volume de 12,34 m3.
2.Determine o valor em m3, para um volume de 15.362,56 litros.
ESCALA
Conceito
É o resultado da relação entre os tamanhos dos objetos reais e suas representações
gráficas, mantendo sua proporcionalidade. Para serem estudados, alterados, incluídos e excluídos,
os objetos necessitam ser representados numa folha de papel ou digitalizados através de software
numa determinada escala. Objetos grandes necessitam ser reduzidos, pois ficaria inviável ou
impossível trabalhar com sua representação gráfica do mesmo tamanho, enquanto que objetos
muito pequenos devem ser ampliados por conta da dificuldade de serem trabalhados com o
tamanho original.
Condições para que a escala seja aplicada de maneira correta
a) As relações entre todos os lados correspondentes do objeto real e de suas representações
gráficas devem ter a mesma razão.
ESCALA
Na Figura a relação entre as razões dos lados do objeto real e sua representação gráfica
são iguais. Sua escala é igual a 1/1000, pois para 1 (uma) parte gráfica correspondem 1000 partes
o real.
Relação entre o tamanho real e tamanho de sua representação gráfica.
ESCALA
Na Figura abaixo observa-se que a relação entre os lados do objeto real e sua
representação gráfica não são iguais. Portanto, essa representação gráfica não está em escala.
Relação entre o tamanho real e tamanho de sua representação gráfica.
ESCALA
Os ângulos devem ser iguais (Figura), não existindo aplicação de escalas para eles.
Relação entre os ângulos do objeto real e de sua representação gráfica.
ESCALA
Representação da escala
As escalas poderão ser representadas, numericamente, de duas maneiras:
a) 1/300; 1/5000
b) 1:300; 1:5000
Relação tamanho real do objeto x representação gráfica
Quanto ao tamanho do objeto real e sua representação gráfica, as escalas dividem-se
em: natural, ampliação e redução. A escala natural é aquela em que tanto o tamanho real do
objeto (D), quanto sua representação gráfica (d) têm os mesmos tamanhos, como por exemplo,
D=15 cm, d= 15 cm, onde D/d = 1, ou seja, escala de 1:1. A escala de redução é aquela em que o
tamanho real do objeto (D) é maior que sua representação gráfica (d), como por exemplo,
D=1500 cm, d= 15 cm, onde D/d = 100, ou seja, escala de 1:100. A escala de ampliação é aquela
em que o tamanho real do objeto (D) é menor que sua representação gráfica (d), como por
exemplo, D=12 mm, d= 1200 cm, onde D/d = 0,01, ou seja, escala de 100:1.
ESCALA
Relação Mapa, Carta e Planta
A diferença entre mapa, carta e planta irá variar de acordo com o tamanho da escala,
e, consequentemente, com os níveis de detalhe. As plantas são caracterizadas por escalas
maiores que 1:10000 (entre 1:1 e 1:10000), onde apresentam maiores detalhes dos objetos em
interesse abrangendo uma menor área. Enquanto as cartas são caracterizadas por escalas entre
1:10000 e 1:500000, possuindo menores detalhes e abrangendo maior área que as plantas. Já
os mapas possuem escalas menores que 1:500000, abrangendo menores detalhes e maior área
que as cartas. Lembrando-se que para a Topografia o conceito de maior e menor é de acordo
com a razão da escala, e não com relação ao denominador da razão ou módulo da escala.
Portanto 1:100 (0,01) é maior que 1:10000 (0,0001).
ESCALA
Tipos de escalas
Escala numérica
A escala numérica fornece a relação entre os tamanhos real de um objeto e o
correspondente tamanho de sua representação gráfica, em forma de razão. Ela é composta pelo
Módulo (M) que equivale a quantas vezes o tamanho real do objeto é maior que sua
representação gráfica (escala de redução) ou a representação gráfica é maior que o tamanho real
do objeto (escala de ampliação).
Escala de ampliação: E=M:1; Escala de redução: E=1:M
A fórmula da escala pode ser em função do módulo sendo igual à razão do tamanho
real do objeto e da sua representação gráfica.
M= D/d
ESCALA
Tipos de escalas
Escala numérica
Como exemplo, tem-se na Figura abaixo um campo de futebol, com sua representação gráfica ao
lado direito. Observa-se que um dos lados do campo de futebol mede 11000 cm (110 m) e sua correspondente
representação gráfica mede 110 cm. Então, M=11000/110, que resultará em M=100, pois o comprimento do
objeto real é 100 vezes maior que sua representação gráfica. Como resultado sua escala será 1:100.
Dimensões de um campo de
futebol (esquerda) e sua
respectiva representação
gráfica à direita.
Quando trata-se de área, a fórmula da escala varia um pouco, mas
mantém o mesmo significado.
M2 = S/s
ESCALA
Tipos de escalas
Escala numérica
Quando trata-se de área, a fórmula da escala varia um pouco, mas mantém o mesmo significado.
M2 = S/s
Para o mesmo exemplo da Figura
ao lado, a área (S) do objeto real é
de 82.500.000 cm2 ou 8.250 m2 e a
área da representação gráfica (s) é
8250 cm2. Utilizando-se a fórmula
tem-se que M2=82500000/8250,
onde M= 100, ou seja, a escala é de
1:100.
ESCALA
Tipos de escalas
Escala gráfica
A escala gráfica é formada por uma linha ou barra dividida em partes iguais, em preto e
branco, sendo que cada uma delas representa a relação do tamanho ocorrido em campo e sua
respectiva representação gráfica a partir da escala numérica.
Este tipo de escala, permite facilmente, compreender as dimensões dos objetos na
planta/carta/mapa. O uso da escala gráfica tem vantagem sobre o uso da numérica, pois poderá a
planta/carta/mapa ser reduzida ou ampliada através de métodos xerográficos e fotográficos,
podendo-se sempre saber a escala do documento com o qual se está trabalhando. Também poderá
haver dilatação do papel em função da idade e da temperatura ambiente.
ESCALA
Tipos de escalas
Escala gráfica
Como mostra a Figura, na esquerda, a planta está num papel sem dilatação e na direita houve a
dilatação do tamanho em duas vezes. Note que na esquerda a figura tem 1 cm de lado que
equivale no real a 10 m, pois a escala é de 1:1000.
ESCALA
Tipos de escalas
Escala gráfica
Com a ampliação ou dilatação apresentada na figura da direita, como observado pelas
mudanças nas escalas gráficas, o lado passará a medir 2 cm, mas a escala numérica mudará para
1:500, o que permitirá a manutenção do valor da medida real do lado da área igual a 10 m, pois a
escala gráfica acompanhou a dilatação. Se fosse observada somente a escala numérica de 1:1000,
a área teria o lado com 20 m, o que estaria errado.
Poder-se-ia indagar se a área
aumentou de tamanho no real ou apenas no
gráfico? Logicamente que houve aumento
apenas no papel e a escala gráfica é a que
representa a realidade.
ESCALA
Tamanho do papel x escolha da escala
Um momento bastante importante é o da escolha do formato ou tamanho do papel a ser
usado para o desenho da planta, pois dependerá da escala e tamanho da área levantada. No
mercado existem diversas opções. Por isso deve-se verificar se o desenho vai caber
adequadamente no papel, podendo ficar menor ou maior que o papel, como mostra a Figura.
Na esquerda e no meio
houve mau planejamento na escolha
do papel. Na direita houve bom
planejamento.
ESCALA
Tamanho do papel x escolha da escala
Para a representação de uma determinada área, terão que ser levadas em consideração
as máximas dimensões x e y reais da área, bem como as dimensões x e y do papel. Assim, ao se
aplicar a relação M=D/d, ter-se-ão como resultados duas escalas, uma para cada eixo (Figura).
A escala escolhida para melhor
representar a área em questão e o papel, deve ser
aquela de maior módulo, pois se for usada a de
menor módulo, não caberá parte do desenho no
papel. Ao final, caso não se tenha encontrado
uma escala ideal (1:10, 1:20, 1:25, 1:30, 1:50, 1:
75 e seus múltiplos) arredonda-se a escala para o
maior valor.
ESCALA
Tamanho do papel x escolha da escala
Em x: Em y:
M= D/d; M= D/d
M= 1000 cm/ 21 cm; M= 5000 cm/ 27,9 cm
M= 47,6; M= 168,38
E= 1/47,6; E= 1/168,38
A escala escolhida foi: E=1/168,38
A escala ideal a ser utilizada é 1/200
ESCALA
Exercícios de fixação
1) Um canal com 450 m de extensão está representado por um segmento de reta de 0,45 m. Ache
a escala desta planta.
2) Uma planta topográfica está desenhada na escala 1: 5000. Calcule o comprimento de uma
estrada que nesta planta possui 15,00 cm.
3) Calcular o comprimento no desenho de uma rua com 1000 m de comprimento, nas escalas de
1:200; 1:250; 1:500 e 1:1500.
4) Construa uma escala gráfica a partir da escala numérica de 1:5000, sabendo-se que sua divisão
principal deve ser igual a 4 cm.
5) Num mapa, cuja escala é 1:1.000.000, uma estrada apresenta 200 km de extensão. Quanto
equivale o comprimento gráfico?
6) Um loteamento está representado em uma planta na escala de 1: 2500 por um triângulo de
perímetro igual a 120 cm, cujos dois de seus lados medem 40 e 30 cm. Calcule a área real do
loteamento em m2 e em hectares.
ESCALA
Exercícios de fixação
7) Uma propriedade rural está representada em uma planta na escala de 1:5000. Sabendo-se que
sua área gráfica corresponde a 0,200 m2, pede-se: a) A sua área real em hectares; b) Se sua forma
é quadrada e o seu relevo é plano, calcule o comprimento da cerca que a limita.
8) Em uma planta topográfica projetou-se um loteamento de forma retangular cujas dimensões
são de 1,14 km e 0,64 km de lados. Sabendo-se que o mesmo deve ser representado numa folha
de papel cujas dimensões úteis são 0,57 m e 0,32 m, pede-se a escala mais conveniente para o
melhor aproveitamento do papel.
9) Um loteamento de forma circular está desenhado numa escala de 1:7000. Se sua área gráfica
corresponde a 0,3500 m2, pede-se: a) Sua área real em hectares; b) Se este terreno é plano, qual
perímetro da cerca que a limita?
ESCALA
Exercícios de fixação
10) Chamando-se de precisão gráfica a menor distância que podemos desenhar em uma planta
topográfica (risco do lápis, caneta), e admitindo-se que este valor seja igual a 0,15 mm, será que
uma casa com as dimensões reais de 20 m x 20 m pode ser representada em escala de 1:20000?
11) A escala tem unidade de medida?
12) Um lago possui 34.000 m3 de água, onde sua profundidade em toda extensão é de 2 metros.
A escala escolhida é de 1:1000. Qual a área gráfica do lago?
13) Um campo de futebol possui uma área de 700 m2. Qual a área gráfica sabendo-se que sua
escala é de 1:1000. 1
14) Mediu-se em planta um trecho de coletor de um sistema de esgotamento sanitário,
apresentando o valor de 70 cm. Sendo a escala da planta de 1:2000, o comprimento desse trecho
no terreno é: a) 1400 cm; b) 70 m; c) 700 m; d) 140 cm; e) 1400 m; f) 14000 m
ESCALA
Exercícios de fixação
15) Em uma poligonal, medida em campo por Estação Total, mediu-se os alinhamentos 01 = 10
m, 12=25 m; 23=12 m e 30=24,5 m. O azimute magnético do alinhamento 01 foi de 45º. Qual
seria o azimute magnético do alinhamento 01 da poligonal, sabendo-se que a planta ficou 10
vezes menor que o tamanho real?

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Glauco exercicios resolvidos (1)
Glauco exercicios resolvidos (1)Glauco exercicios resolvidos (1)
Glauco exercicios resolvidos (1)
Amália Ribeiro
 
Mecânicas dos Solos (exercícios)
Mecânicas dos Solos (exercícios)Mecânicas dos Solos (exercícios)
Mecânicas dos Solos (exercícios)
Danilo Max
 
Aula 5 - Projeções Ortogonais
Aula 5 - Projeções OrtogonaisAula 5 - Projeções Ortogonais
Aula 5 - Projeções Ortogonais
Gutierry Prates
 
Exercicios resolvidos de_hidraulica
Exercicios resolvidos de_hidraulicaExercicios resolvidos de_hidraulica
Exercicios resolvidos de_hidraulica
Sérgio Lessa
 
Calculo de rumos e azimutes2
Calculo de rumos e azimutes2Calculo de rumos e azimutes2
Calculo de rumos e azimutes2
botelho_19
 
Aula 07 topografia UFPI 2018.1
Aula 07 topografia UFPI 2018.1Aula 07 topografia UFPI 2018.1
Aula 07 topografia UFPI 2018.1
Martins Neto
 
Topografia unidade 2 planimetria
Topografia unidade 2 planimetriaTopografia unidade 2 planimetria
Topografia unidade 2 planimetria
vanilsonsertao01
 
Simetria
SimetriaSimetria
Simetria
guest19460a
 
Sistema unificado-de-classificacao-dos-solos (s.u.c.s)
Sistema unificado-de-classificacao-dos-solos (s.u.c.s)Sistema unificado-de-classificacao-dos-solos (s.u.c.s)
Sistema unificado-de-classificacao-dos-solos (s.u.c.s)
Samuel Nolasco
 
Relatório de levantamento topográfico planimétrico
Relatório de levantamento topográfico planimétricoRelatório de levantamento topográfico planimétrico
Relatório de levantamento topográfico planimétrico
luancaio_aguas
 
Sólidos e suas planificações
Sólidos  e suas planificaçõesSólidos  e suas planificações
Sólidos e suas planificações
gomesnelma
 
Nivelamento taqueométrico: o que é, fórmulas e aplicações
Nivelamento taqueométrico: o que é, fórmulas e aplicaçõesNivelamento taqueométrico: o que é, fórmulas e aplicações
Nivelamento taqueométrico: o que é, fórmulas e aplicações
Adenilson Giovanini
 
Aula 04 topografia UFPI 2018.1
Aula 04 topografia UFPI 2018.1Aula 04 topografia UFPI 2018.1
Aula 04 topografia UFPI 2018.1
Martins Neto
 
Exercícios de rumos e azimutes
Exercícios de rumos e azimutesExercícios de rumos e azimutes
Exercícios de rumos e azimutes
Marcondes Dantas Cardoso
 
96893253 tabela-centroides-de-areas
96893253 tabela-centroides-de-areas96893253 tabela-centroides-de-areas
96893253 tabela-centroides-de-areas
João Ferreira
 
Pluviometria
PluviometriaPluviometria
Pluviometria
Ronaldo Conceição
 
Topografia basica
Topografia basicaTopografia basica
Topografia basica
Thalles Barbosa
 
Relatório pêndulo simples turma t5
Relatório pêndulo simples   turma t5Relatório pêndulo simples   turma t5
Relatório pêndulo simples turma t5
Roberto Leao
 
Teorema de Tales
Teorema de TalesTeorema de Tales
Teorema de Tales
Marcela Miranda
 
Exercicios resolvidos
Exercicios resolvidosExercicios resolvidos
Exercicios resolvidos
Douglas Póvoas
 

Mais procurados (20)

Glauco exercicios resolvidos (1)
Glauco exercicios resolvidos (1)Glauco exercicios resolvidos (1)
Glauco exercicios resolvidos (1)
 
Mecânicas dos Solos (exercícios)
Mecânicas dos Solos (exercícios)Mecânicas dos Solos (exercícios)
Mecânicas dos Solos (exercícios)
 
Aula 5 - Projeções Ortogonais
Aula 5 - Projeções OrtogonaisAula 5 - Projeções Ortogonais
Aula 5 - Projeções Ortogonais
 
Exercicios resolvidos de_hidraulica
Exercicios resolvidos de_hidraulicaExercicios resolvidos de_hidraulica
Exercicios resolvidos de_hidraulica
 
Calculo de rumos e azimutes2
Calculo de rumos e azimutes2Calculo de rumos e azimutes2
Calculo de rumos e azimutes2
 
Aula 07 topografia UFPI 2018.1
Aula 07 topografia UFPI 2018.1Aula 07 topografia UFPI 2018.1
Aula 07 topografia UFPI 2018.1
 
Topografia unidade 2 planimetria
Topografia unidade 2 planimetriaTopografia unidade 2 planimetria
Topografia unidade 2 planimetria
 
Simetria
SimetriaSimetria
Simetria
 
Sistema unificado-de-classificacao-dos-solos (s.u.c.s)
Sistema unificado-de-classificacao-dos-solos (s.u.c.s)Sistema unificado-de-classificacao-dos-solos (s.u.c.s)
Sistema unificado-de-classificacao-dos-solos (s.u.c.s)
 
Relatório de levantamento topográfico planimétrico
Relatório de levantamento topográfico planimétricoRelatório de levantamento topográfico planimétrico
Relatório de levantamento topográfico planimétrico
 
Sólidos e suas planificações
Sólidos  e suas planificaçõesSólidos  e suas planificações
Sólidos e suas planificações
 
Nivelamento taqueométrico: o que é, fórmulas e aplicações
Nivelamento taqueométrico: o que é, fórmulas e aplicaçõesNivelamento taqueométrico: o que é, fórmulas e aplicações
Nivelamento taqueométrico: o que é, fórmulas e aplicações
 
Aula 04 topografia UFPI 2018.1
Aula 04 topografia UFPI 2018.1Aula 04 topografia UFPI 2018.1
Aula 04 topografia UFPI 2018.1
 
Exercícios de rumos e azimutes
Exercícios de rumos e azimutesExercícios de rumos e azimutes
Exercícios de rumos e azimutes
 
96893253 tabela-centroides-de-areas
96893253 tabela-centroides-de-areas96893253 tabela-centroides-de-areas
96893253 tabela-centroides-de-areas
 
Pluviometria
PluviometriaPluviometria
Pluviometria
 
Topografia basica
Topografia basicaTopografia basica
Topografia basica
 
Relatório pêndulo simples turma t5
Relatório pêndulo simples   turma t5Relatório pêndulo simples   turma t5
Relatório pêndulo simples turma t5
 
Teorema de Tales
Teorema de TalesTeorema de Tales
Teorema de Tales
 
Exercicios resolvidos
Exercicios resolvidosExercicios resolvidos
Exercicios resolvidos
 

Semelhante a Aula topografia 1 - módulo 2 - Engenharia civil

AULA 3 - SLIDES - Escalas.pptx
AULA 3 - SLIDES - Escalas.pptxAULA 3 - SLIDES - Escalas.pptx
AULA 3 - SLIDES - Escalas.pptx
Karollyna Maciel
 
AULA 3 - Escalas.pptx
AULA 3 - Escalas.pptxAULA 3 - Escalas.pptx
AULA 3 - Escalas.pptx
Karollyna Maciel
 
Unidades
UnidadesUnidades
Unidades de Medidas e Angulares
Unidades de Medidas e AngularesUnidades de Medidas e Angulares
Unidades de Medidas e Angulares
Eduardo Andreoli
 
Topografia aula02
Topografia aula02Topografia aula02
Topografia aula02
Cleide Soares
 
Trigonometria
TrigonometriaTrigonometria
Trigonometria
Biblioteca Tavira
 
isoladas-matematica-do-zero-na-fundatec-aula-15-dudan.pdf
isoladas-matematica-do-zero-na-fundatec-aula-15-dudan.pdfisoladas-matematica-do-zero-na-fundatec-aula-15-dudan.pdf
isoladas-matematica-do-zero-na-fundatec-aula-15-dudan.pdf
DanielaSilvaBraz1
 
Matemática Básica - Aula 7 - Escala.pptx
Matemática Básica - Aula 7 - Escala.pptxMatemática Básica - Aula 7 - Escala.pptx
Matemática Básica - Aula 7 - Escala.pptx
ssuser704b7e
 
Escala geografica x cartografica aula 3
Escala geografica x cartografica   aula 3Escala geografica x cartografica   aula 3
Escala geografica x cartografica aula 3
Luciano Pessanha
 
4- Aula 4 -Unidades e Escalas- 2012.2_turma 1.8421.1M (1).ppt
4- Aula 4 -Unidades e Escalas- 2012.2_turma 1.8421.1M (1).ppt4- Aula 4 -Unidades e Escalas- 2012.2_turma 1.8421.1M (1).ppt
4- Aula 4 -Unidades e Escalas- 2012.2_turma 1.8421.1M (1).ppt
Elderfranklis1
 
Aula de Topografia
Aula de TopografiaAula de Topografia
Aula de Topografia
Gilson Lima
 
ESCALA CARTOGRÁFICA.pptx
ESCALA CARTOGRÁFICA.pptxESCALA CARTOGRÁFICA.pptx
ESCALA CARTOGRÁFICA.pptx
MarcoTlioAbreu1
 
Trigonometria converter de graus para radianos
Trigonometria converter de graus para radianosTrigonometria converter de graus para radianos
Trigonometria converter de graus para radianos
trigono_metria
 
Preparação exame nacional matemática 9.º ano - Parte III
Preparação exame nacional matemática 9.º ano - Parte IIIPreparação exame nacional matemática 9.º ano - Parte III
Preparação exame nacional matemática 9.º ano - Parte III
Maths Tutoring
 
Escalas projetos
Escalas projetosEscalas projetos
Escalas projetos
Rodrigo Pessoa
 
Alguns tópicos de geometria
Alguns tópicos de geometriaAlguns tópicos de geometria
Alguns tópicos de geometria
P Valter De Almeida Gomes
 
Matematica9 grandezas e_medidas_e_estatistica1
Matematica9 grandezas e_medidas_e_estatistica1Matematica9 grandezas e_medidas_e_estatistica1
Matematica9 grandezas e_medidas_e_estatistica1
Luis
 
51 pe trigonometria aplicada
51 pe trigonometria aplicada51 pe trigonometria aplicada
51 pe trigonometria aplicada
Obede Edom do Nascimento
 
Escala cartografica ok.pdf
Escala cartografica ok.pdfEscala cartografica ok.pdf
Escala cartografica ok.pdf
OsneiCecchin
 
Apontamentos_Geomática_Análise_Fisiográfica_1ªPARTE.pdf
Apontamentos_Geomática_Análise_Fisiográfica_1ªPARTE.pdfApontamentos_Geomática_Análise_Fisiográfica_1ªPARTE.pdf
Apontamentos_Geomática_Análise_Fisiográfica_1ªPARTE.pdf
Jorge Antunes
 

Semelhante a Aula topografia 1 - módulo 2 - Engenharia civil (20)

AULA 3 - SLIDES - Escalas.pptx
AULA 3 - SLIDES - Escalas.pptxAULA 3 - SLIDES - Escalas.pptx
AULA 3 - SLIDES - Escalas.pptx
 
AULA 3 - Escalas.pptx
AULA 3 - Escalas.pptxAULA 3 - Escalas.pptx
AULA 3 - Escalas.pptx
 
Unidades
UnidadesUnidades
Unidades
 
Unidades de Medidas e Angulares
Unidades de Medidas e AngularesUnidades de Medidas e Angulares
Unidades de Medidas e Angulares
 
Topografia aula02
Topografia aula02Topografia aula02
Topografia aula02
 
Trigonometria
TrigonometriaTrigonometria
Trigonometria
 
isoladas-matematica-do-zero-na-fundatec-aula-15-dudan.pdf
isoladas-matematica-do-zero-na-fundatec-aula-15-dudan.pdfisoladas-matematica-do-zero-na-fundatec-aula-15-dudan.pdf
isoladas-matematica-do-zero-na-fundatec-aula-15-dudan.pdf
 
Matemática Básica - Aula 7 - Escala.pptx
Matemática Básica - Aula 7 - Escala.pptxMatemática Básica - Aula 7 - Escala.pptx
Matemática Básica - Aula 7 - Escala.pptx
 
Escala geografica x cartografica aula 3
Escala geografica x cartografica   aula 3Escala geografica x cartografica   aula 3
Escala geografica x cartografica aula 3
 
4- Aula 4 -Unidades e Escalas- 2012.2_turma 1.8421.1M (1).ppt
4- Aula 4 -Unidades e Escalas- 2012.2_turma 1.8421.1M (1).ppt4- Aula 4 -Unidades e Escalas- 2012.2_turma 1.8421.1M (1).ppt
4- Aula 4 -Unidades e Escalas- 2012.2_turma 1.8421.1M (1).ppt
 
Aula de Topografia
Aula de TopografiaAula de Topografia
Aula de Topografia
 
ESCALA CARTOGRÁFICA.pptx
ESCALA CARTOGRÁFICA.pptxESCALA CARTOGRÁFICA.pptx
ESCALA CARTOGRÁFICA.pptx
 
Trigonometria converter de graus para radianos
Trigonometria converter de graus para radianosTrigonometria converter de graus para radianos
Trigonometria converter de graus para radianos
 
Preparação exame nacional matemática 9.º ano - Parte III
Preparação exame nacional matemática 9.º ano - Parte IIIPreparação exame nacional matemática 9.º ano - Parte III
Preparação exame nacional matemática 9.º ano - Parte III
 
Escalas projetos
Escalas projetosEscalas projetos
Escalas projetos
 
Alguns tópicos de geometria
Alguns tópicos de geometriaAlguns tópicos de geometria
Alguns tópicos de geometria
 
Matematica9 grandezas e_medidas_e_estatistica1
Matematica9 grandezas e_medidas_e_estatistica1Matematica9 grandezas e_medidas_e_estatistica1
Matematica9 grandezas e_medidas_e_estatistica1
 
51 pe trigonometria aplicada
51 pe trigonometria aplicada51 pe trigonometria aplicada
51 pe trigonometria aplicada
 
Escala cartografica ok.pdf
Escala cartografica ok.pdfEscala cartografica ok.pdf
Escala cartografica ok.pdf
 
Apontamentos_Geomática_Análise_Fisiográfica_1ªPARTE.pdf
Apontamentos_Geomática_Análise_Fisiográfica_1ªPARTE.pdfApontamentos_Geomática_Análise_Fisiográfica_1ªPARTE.pdf
Apontamentos_Geomática_Análise_Fisiográfica_1ªPARTE.pdf
 

Mais de debvieir

PAVIMENTOS PERMEÁVEIS PARA O CONTROLE DE ESCOAMENTO SUPERFICIAL EM ÁREAS URBANAS
PAVIMENTOS PERMEÁVEIS PARA O CONTROLE DE ESCOAMENTO SUPERFICIAL EM ÁREAS URBANASPAVIMENTOS PERMEÁVEIS PARA O CONTROLE DE ESCOAMENTO SUPERFICIAL EM ÁREAS URBANAS
PAVIMENTOS PERMEÁVEIS PARA O CONTROLE DE ESCOAMENTO SUPERFICIAL EM ÁREAS URBANAS
debvieir
 
Ensaios da madeira e telhas fibrocimento - Curso de Engenharia Civil
Ensaios da madeira e telhas fibrocimento - Curso de Engenharia CivilEnsaios da madeira e telhas fibrocimento - Curso de Engenharia Civil
Ensaios da madeira e telhas fibrocimento - Curso de Engenharia Civil
debvieir
 
Alvenaria - Curso de Engenharia civil
Alvenaria - Curso de Engenharia civilAlvenaria - Curso de Engenharia civil
Alvenaria - Curso de Engenharia civil
debvieir
 
O uso de softwares na engenharia civil
O uso de softwares na engenharia civilO uso de softwares na engenharia civil
O uso de softwares na engenharia civil
debvieir
 
Aula de Física Aplicada - Conceitos de eletrodinâmica
Aula de Física Aplicada - Conceitos de eletrodinâmicaAula de Física Aplicada - Conceitos de eletrodinâmica
Aula de Física Aplicada - Conceitos de eletrodinâmica
debvieir
 
Esquadrias - Construção civil
Esquadrias - Construção civilEsquadrias - Construção civil
Esquadrias - Construção civil
debvieir
 
Projeto e anteprojeto, escoramentos, cortinas, paredes diafragma e muros de a...
Projeto e anteprojeto, escoramentos, cortinas, paredes diafragma e muros de a...Projeto e anteprojeto, escoramentos, cortinas, paredes diafragma e muros de a...
Projeto e anteprojeto, escoramentos, cortinas, paredes diafragma e muros de a...
debvieir
 
Estruturas, plasticidade e consistência dos solos
Estruturas, plasticidade e consistência dos solosEstruturas, plasticidade e consistência dos solos
Estruturas, plasticidade e consistência dos solos
debvieir
 
Código de edificações lei complementar nº 026/2.002
Código de edificações lei complementar nº 026/2.002Código de edificações lei complementar nº 026/2.002
Código de edificações lei complementar nº 026/2.002
debvieir
 
Pena de morte - Cultura Religiosa
Pena de morte - Cultura ReligiosaPena de morte - Cultura Religiosa
Pena de morte - Cultura Religiosa
debvieir
 
Aula de topografia 1 - módulo 3
Aula de topografia 1 - módulo 3Aula de topografia 1 - módulo 3
Aula de topografia 1 - módulo 3
debvieir
 
Aula de topografia 1 - módulo 1 - Engenharia civil
Aula de topografia 1 - módulo 1 - Engenharia civilAula de topografia 1 - módulo 1 - Engenharia civil
Aula de topografia 1 - módulo 1 - Engenharia civil
debvieir
 
Casas ecológicas e estudo de caso
Casas ecológicas e estudo de casoCasas ecológicas e estudo de caso
Casas ecológicas e estudo de caso
debvieir
 
Ácidos nucleicos - DNA e RNA
 Ácidos nucleicos - DNA e RNA Ácidos nucleicos - DNA e RNA
Ácidos nucleicos - DNA e RNA
debvieir
 
Composição dos seres vivos e elementos químicos
Composição dos seres vivos e elementos químicosComposição dos seres vivos e elementos químicos
Composição dos seres vivos e elementos químicos
debvieir
 
Egito antigo
Egito antigoEgito antigo
Egito antigo
debvieir
 

Mais de debvieir (16)

PAVIMENTOS PERMEÁVEIS PARA O CONTROLE DE ESCOAMENTO SUPERFICIAL EM ÁREAS URBANAS
PAVIMENTOS PERMEÁVEIS PARA O CONTROLE DE ESCOAMENTO SUPERFICIAL EM ÁREAS URBANASPAVIMENTOS PERMEÁVEIS PARA O CONTROLE DE ESCOAMENTO SUPERFICIAL EM ÁREAS URBANAS
PAVIMENTOS PERMEÁVEIS PARA O CONTROLE DE ESCOAMENTO SUPERFICIAL EM ÁREAS URBANAS
 
Ensaios da madeira e telhas fibrocimento - Curso de Engenharia Civil
Ensaios da madeira e telhas fibrocimento - Curso de Engenharia CivilEnsaios da madeira e telhas fibrocimento - Curso de Engenharia Civil
Ensaios da madeira e telhas fibrocimento - Curso de Engenharia Civil
 
Alvenaria - Curso de Engenharia civil
Alvenaria - Curso de Engenharia civilAlvenaria - Curso de Engenharia civil
Alvenaria - Curso de Engenharia civil
 
O uso de softwares na engenharia civil
O uso de softwares na engenharia civilO uso de softwares na engenharia civil
O uso de softwares na engenharia civil
 
Aula de Física Aplicada - Conceitos de eletrodinâmica
Aula de Física Aplicada - Conceitos de eletrodinâmicaAula de Física Aplicada - Conceitos de eletrodinâmica
Aula de Física Aplicada - Conceitos de eletrodinâmica
 
Esquadrias - Construção civil
Esquadrias - Construção civilEsquadrias - Construção civil
Esquadrias - Construção civil
 
Projeto e anteprojeto, escoramentos, cortinas, paredes diafragma e muros de a...
Projeto e anteprojeto, escoramentos, cortinas, paredes diafragma e muros de a...Projeto e anteprojeto, escoramentos, cortinas, paredes diafragma e muros de a...
Projeto e anteprojeto, escoramentos, cortinas, paredes diafragma e muros de a...
 
Estruturas, plasticidade e consistência dos solos
Estruturas, plasticidade e consistência dos solosEstruturas, plasticidade e consistência dos solos
Estruturas, plasticidade e consistência dos solos
 
Código de edificações lei complementar nº 026/2.002
Código de edificações lei complementar nº 026/2.002Código de edificações lei complementar nº 026/2.002
Código de edificações lei complementar nº 026/2.002
 
Pena de morte - Cultura Religiosa
Pena de morte - Cultura ReligiosaPena de morte - Cultura Religiosa
Pena de morte - Cultura Religiosa
 
Aula de topografia 1 - módulo 3
Aula de topografia 1 - módulo 3Aula de topografia 1 - módulo 3
Aula de topografia 1 - módulo 3
 
Aula de topografia 1 - módulo 1 - Engenharia civil
Aula de topografia 1 - módulo 1 - Engenharia civilAula de topografia 1 - módulo 1 - Engenharia civil
Aula de topografia 1 - módulo 1 - Engenharia civil
 
Casas ecológicas e estudo de caso
Casas ecológicas e estudo de casoCasas ecológicas e estudo de caso
Casas ecológicas e estudo de caso
 
Ácidos nucleicos - DNA e RNA
 Ácidos nucleicos - DNA e RNA Ácidos nucleicos - DNA e RNA
Ácidos nucleicos - DNA e RNA
 
Composição dos seres vivos e elementos químicos
Composição dos seres vivos e elementos químicosComposição dos seres vivos e elementos químicos
Composição dos seres vivos e elementos químicos
 
Egito antigo
Egito antigoEgito antigo
Egito antigo
 

Último

POLICORTE.pptx treinamento de policorte.
POLICORTE.pptx treinamento de policorte.POLICORTE.pptx treinamento de policorte.
POLICORTE.pptx treinamento de policorte.
YgorRodrigues11
 
Terraplenagem e Pavimentação um Curso Pratico
Terraplenagem e Pavimentação um Curso PraticoTerraplenagem e Pavimentação um Curso Pratico
Terraplenagem e Pavimentação um Curso Pratico
Vias & Rodovias
 
Apostila M1002-2 BR - Parker - Eletropneumática.pdf
Apostila M1002-2 BR - Parker - Eletropneumática.pdfApostila M1002-2 BR - Parker - Eletropneumática.pdf
Apostila M1002-2 BR - Parker - Eletropneumática.pdf
Elpidiotapejara
 
Purificador Grau D Ar Respirável para Espaços Confinados.pdf
Purificador Grau D Ar Respirável para Espaços Confinados.pdfPurificador Grau D Ar Respirável para Espaços Confinados.pdf
Purificador Grau D Ar Respirável para Espaços Confinados.pdf
Claudinei Machado
 
Concreto_atualização_descobertas_100.pptx
Concreto_atualização_descobertas_100.pptxConcreto_atualização_descobertas_100.pptx
Concreto_atualização_descobertas_100.pptx
BuscaApto
 
Terraplanagem e Pavimentação parte 2 um curso pratico
Terraplanagem e Pavimentação parte 2 um curso praticoTerraplanagem e Pavimentação parte 2 um curso pratico
Terraplanagem e Pavimentação parte 2 um curso pratico
Vias & Rodovias
 
Terraplanagem e Pavimentação parte 3 um cursso pratico
Terraplanagem e Pavimentação parte 3 um cursso praticoTerraplanagem e Pavimentação parte 3 um cursso pratico
Terraplanagem e Pavimentação parte 3 um cursso pratico
Vias & Rodovias
 

Último (7)

POLICORTE.pptx treinamento de policorte.
POLICORTE.pptx treinamento de policorte.POLICORTE.pptx treinamento de policorte.
POLICORTE.pptx treinamento de policorte.
 
Terraplenagem e Pavimentação um Curso Pratico
Terraplenagem e Pavimentação um Curso PraticoTerraplenagem e Pavimentação um Curso Pratico
Terraplenagem e Pavimentação um Curso Pratico
 
Apostila M1002-2 BR - Parker - Eletropneumática.pdf
Apostila M1002-2 BR - Parker - Eletropneumática.pdfApostila M1002-2 BR - Parker - Eletropneumática.pdf
Apostila M1002-2 BR - Parker - Eletropneumática.pdf
 
Purificador Grau D Ar Respirável para Espaços Confinados.pdf
Purificador Grau D Ar Respirável para Espaços Confinados.pdfPurificador Grau D Ar Respirável para Espaços Confinados.pdf
Purificador Grau D Ar Respirável para Espaços Confinados.pdf
 
Concreto_atualização_descobertas_100.pptx
Concreto_atualização_descobertas_100.pptxConcreto_atualização_descobertas_100.pptx
Concreto_atualização_descobertas_100.pptx
 
Terraplanagem e Pavimentação parte 2 um curso pratico
Terraplanagem e Pavimentação parte 2 um curso praticoTerraplanagem e Pavimentação parte 2 um curso pratico
Terraplanagem e Pavimentação parte 2 um curso pratico
 
Terraplanagem e Pavimentação parte 3 um cursso pratico
Terraplanagem e Pavimentação parte 3 um cursso praticoTerraplanagem e Pavimentação parte 3 um cursso pratico
Terraplanagem e Pavimentação parte 3 um cursso pratico
 

Aula topografia 1 - módulo 2 - Engenharia civil

  • 1. Escalas em Topografia e Conversão de Unidades Engenharia Civil Disciplina – Topografia I 2016
  • 2. DAAULAANTERIOR Unidade Sexagesimal Grau 1 grau = 1/360 da circunferência grau ° 1° = (π /180) rad minuto ’ 1’ = 1°/60 = (π /10800) rad segundo ” 1” = 1°/3600 = (π /648000) rad
  • 3. REVISÃO MATEMÁTICA Unidade Decimal Grado 1 grado =1/400 da circunferência Um grado é dividido em 100’ e cada minuto tem 100”.
  • 4. REVISÃO MATEMÁTICA Exercícios 1) Transformação de ângulos: Transforme os seguintes ângulos em graus, minutos e segundos para graus e frações decimais de grau. a) 32º 28’ 59” = b) 17º 34’ 18,3” = c) 125º 59’ 57” = d) 200º 08’ 06” =
  • 5. REVISÃO MATEMÁTICA Exercícios 2) Soma e subtração de ângulos: 30º20’ + 20º 52’ = 28º41’ + 39°39’ = 42º30’ - 20°40’ =
  • 6. Revisão de Trigonometria Plana Relações Trigonométricas no Triângulo Retângulo A soma dos ângulos internos de um triângulo é igual a 180°. A partir da podem ser estabelecidas as seguintes relações: Seno Cosseno Tangente
  • 7. Revisão de Trigonometria Plana Relações Trigonométricas no Triângulo Retângulo Teorema de Pitágoras “O quadrado do comprimento da hipotenusa é igual a soma dos quadrados dos comprimentos dos catetos.”
  • 8. Revisão de Trigonometria Plana Relações Trigonométricas no Triângulo Retângulo Exercícios 1) No triângulo abaixo, determinar as relações solicitadas.
  • 9. Revisão de Trigonometria Plana Relações Trigonométricas no Triângulo Retângulo Exercícios 2) Um observador na margem de um rio vê o topo de uma torre na outra margem segundo um ângulo de 56º00’00”. Afastando-se de 20,00m, o mesmo observador vê a mesma torre segundo um ângulo de 35º 00’00”. Calcule a largura do rio.
  • 10. Revisão de Trigonometria Plana Relações Trigonométricas no Triângulo Retângulo Exercícios 3) Para determinar a largura de um rio, um topógrafo mediu, a partir de uma base de 20,00 m de comprimento os ângulos em A e B, conforme figura. Calcule valor de h.
  • 11. Revisão de Trigonometria Plana Relações Métricas com o Triângulo Retângulo Para um triângulo retângulo ABC pode-se estabelecer algumas relações entre as medidas de seus elementos: Onde: b, c: catetos; h: altura relativa à hipotenusa; a: hipotenusa; m, n: projeções ortogonais dos catetos sobre a hipotenusa. a) O quadrado de um cateto é igual ao produto da hipotenusa pela projeção desse cateto sobre a hipotenusa. b) O produto dos catetos é igual ao produto da hipotenusa pela altura relativa à hipotenusa. b × c = a × h c) O quadrado da altura é igual ao produto das projeções dos catetos sobre a hipotenusa. d) O quadrado da hipotenusa é igual a soma dos quadrados dos catetos.
  • 12. Revisão de Trigonometria Plana Relações Métricas com o Triângulo Retângulo Exercício A partir da primeira relação métrica, deduzir o Teorema de Pitágoras.
  • 13. Revisão de Trigonometria Plana Triângulo Qualquer Lei dos Senos “Num triângulo qualquer a razão entre cada lado e o seno do ângulo oposto é constante e igual ao diâmetro da circunferência circunscrita”.
  • 14. Revisão de Trigonometria Plana Triângulo Qualquer Lei dos Cossenos “Num triângulo qualquer, o quadrado da medida de um lado é igual à soma dos quadrados das medidas dos outros dois, menos o dobro do produto das medidas dos dois lados pelo cosseno do ângulo que eles formam”.
  • 15. Revisão de Trigonometria Plana Exercício Um topógrafo, a partir dos pontos A e B, distantes de 20 m, realiza a medição dos ângulos horizontais a duas balizas colocadas em D e C, com o auxílio de um teodolito. Calcule a distância entre as balizas.
  • 16. UNIDADES DE MEDIDA Em Topografia, são medidas duas espécies de grandezas, as lineares e as angulares, mas, na verdade, outras duas espécies de grandezas são também trabalhadas, as de superfície e as de volume. O sistema de unidades utilizado no Brasil é o Métrico Decimal, porém, em função dos equipamentos e da bibliografia utilizada, na sua grande maioria importada, algumas unidades relacionadas abaixo apresentarão seus valores correspondentes no sistema Americano, ou seja, em Pés/Polegadas.
  • 17. UNIDADES DE MEDIDA A seguir encontram-se as unidades mais comumente utilizadas para expressar cada uma das grandezas mencionadas. Unidades de Medida Linear μm(E-06), mm(E-03), cm(E-02), dm(E-01), m e Km(E+03) polegada = 2,75 cm = 0,0275 m polegada inglesa = 2,54 cm = 0,0254 m pé = 30,48cm = 0,3048 m jarda = 91,44cm = 0,9144m milha brasileira = 2200 m milha terrestre/inglesa = 1609,31 m
  • 18. UNIDADES DE MEDIDA Unidades de Medida de Superfície cm2(E-04), m2 e Km2(E+06) are = 100 m2 acre = 4.046,86 m2 hectare (ha) = 10.000 m2 alqueire paulista (menor) = 2,42 ha = 24.200 m2 alqueire mineiro (geométrico) = 4,84 ha = 48.400 m2 Unidades de Medida de Volume 1 m3 = 1000 litros litro = 0,001 m3
  • 19. UNIDADES DE MEDIDA Exercícios 1.Tem-se para a medida da distância horizontal entre dois pontos o valor de 1.290,9078 polegadas. Qual seria o valor desta mesma medida em quilômetros? 2.O lado de um terreno mede 26,50 metros. Qual seria o valor deste mesmo lado em polegadas inglesas? 3.Determine o valor em milhas inglesas, para uma distância horizontal entre dois pontos de 74,9 milhas brasileiras. Conversão entre Unidades Lineares
  • 20. UNIDADES DE MEDIDA Exercícios Conversão entre Unidades de Superfície 1.Determine o valor em alqueires menor, para um terreno de área igual a 1224,567 metros quadrados. 2.Determine o valor em hectares, para um terreno de área igual a 58.675,5678 metros quadrados. 3.Determine o valor em acres, para um terreno de área igual a 18,15 alqueires paulista.
  • 21. UNIDADES DE MEDIDA Exercícios Conversão entre Unidades Angulares 1.Determine o valor em grados centesimais (centésimos e milésimos de grado) e em radianos para o ângulo de 157°17'30,65". 2.Para um ângulo de 1,145678 radianos, determine qual seria o valor correspondente em graus sexagesimais. 3.Para um ângulo de 203,456789 grados decimais, determine qual seria o valor correspondente em graus decimais.
  • 22. UNIDADES DE MEDIDA Exercícios Conversão entre Unidades de Volume 1.Determine o valor em litros, para um volume de 12,34 m3. 2.Determine o valor em m3, para um volume de 15.362,56 litros.
  • 23. ESCALA Conceito É o resultado da relação entre os tamanhos dos objetos reais e suas representações gráficas, mantendo sua proporcionalidade. Para serem estudados, alterados, incluídos e excluídos, os objetos necessitam ser representados numa folha de papel ou digitalizados através de software numa determinada escala. Objetos grandes necessitam ser reduzidos, pois ficaria inviável ou impossível trabalhar com sua representação gráfica do mesmo tamanho, enquanto que objetos muito pequenos devem ser ampliados por conta da dificuldade de serem trabalhados com o tamanho original. Condições para que a escala seja aplicada de maneira correta a) As relações entre todos os lados correspondentes do objeto real e de suas representações gráficas devem ter a mesma razão.
  • 24. ESCALA Na Figura a relação entre as razões dos lados do objeto real e sua representação gráfica são iguais. Sua escala é igual a 1/1000, pois para 1 (uma) parte gráfica correspondem 1000 partes o real. Relação entre o tamanho real e tamanho de sua representação gráfica.
  • 25. ESCALA Na Figura abaixo observa-se que a relação entre os lados do objeto real e sua representação gráfica não são iguais. Portanto, essa representação gráfica não está em escala. Relação entre o tamanho real e tamanho de sua representação gráfica.
  • 26. ESCALA Os ângulos devem ser iguais (Figura), não existindo aplicação de escalas para eles. Relação entre os ângulos do objeto real e de sua representação gráfica.
  • 27. ESCALA Representação da escala As escalas poderão ser representadas, numericamente, de duas maneiras: a) 1/300; 1/5000 b) 1:300; 1:5000 Relação tamanho real do objeto x representação gráfica Quanto ao tamanho do objeto real e sua representação gráfica, as escalas dividem-se em: natural, ampliação e redução. A escala natural é aquela em que tanto o tamanho real do objeto (D), quanto sua representação gráfica (d) têm os mesmos tamanhos, como por exemplo, D=15 cm, d= 15 cm, onde D/d = 1, ou seja, escala de 1:1. A escala de redução é aquela em que o tamanho real do objeto (D) é maior que sua representação gráfica (d), como por exemplo, D=1500 cm, d= 15 cm, onde D/d = 100, ou seja, escala de 1:100. A escala de ampliação é aquela em que o tamanho real do objeto (D) é menor que sua representação gráfica (d), como por exemplo, D=12 mm, d= 1200 cm, onde D/d = 0,01, ou seja, escala de 100:1.
  • 28. ESCALA Relação Mapa, Carta e Planta A diferença entre mapa, carta e planta irá variar de acordo com o tamanho da escala, e, consequentemente, com os níveis de detalhe. As plantas são caracterizadas por escalas maiores que 1:10000 (entre 1:1 e 1:10000), onde apresentam maiores detalhes dos objetos em interesse abrangendo uma menor área. Enquanto as cartas são caracterizadas por escalas entre 1:10000 e 1:500000, possuindo menores detalhes e abrangendo maior área que as plantas. Já os mapas possuem escalas menores que 1:500000, abrangendo menores detalhes e maior área que as cartas. Lembrando-se que para a Topografia o conceito de maior e menor é de acordo com a razão da escala, e não com relação ao denominador da razão ou módulo da escala. Portanto 1:100 (0,01) é maior que 1:10000 (0,0001).
  • 29. ESCALA Tipos de escalas Escala numérica A escala numérica fornece a relação entre os tamanhos real de um objeto e o correspondente tamanho de sua representação gráfica, em forma de razão. Ela é composta pelo Módulo (M) que equivale a quantas vezes o tamanho real do objeto é maior que sua representação gráfica (escala de redução) ou a representação gráfica é maior que o tamanho real do objeto (escala de ampliação). Escala de ampliação: E=M:1; Escala de redução: E=1:M A fórmula da escala pode ser em função do módulo sendo igual à razão do tamanho real do objeto e da sua representação gráfica. M= D/d
  • 30. ESCALA Tipos de escalas Escala numérica Como exemplo, tem-se na Figura abaixo um campo de futebol, com sua representação gráfica ao lado direito. Observa-se que um dos lados do campo de futebol mede 11000 cm (110 m) e sua correspondente representação gráfica mede 110 cm. Então, M=11000/110, que resultará em M=100, pois o comprimento do objeto real é 100 vezes maior que sua representação gráfica. Como resultado sua escala será 1:100. Dimensões de um campo de futebol (esquerda) e sua respectiva representação gráfica à direita. Quando trata-se de área, a fórmula da escala varia um pouco, mas mantém o mesmo significado. M2 = S/s
  • 31. ESCALA Tipos de escalas Escala numérica Quando trata-se de área, a fórmula da escala varia um pouco, mas mantém o mesmo significado. M2 = S/s Para o mesmo exemplo da Figura ao lado, a área (S) do objeto real é de 82.500.000 cm2 ou 8.250 m2 e a área da representação gráfica (s) é 8250 cm2. Utilizando-se a fórmula tem-se que M2=82500000/8250, onde M= 100, ou seja, a escala é de 1:100.
  • 32. ESCALA Tipos de escalas Escala gráfica A escala gráfica é formada por uma linha ou barra dividida em partes iguais, em preto e branco, sendo que cada uma delas representa a relação do tamanho ocorrido em campo e sua respectiva representação gráfica a partir da escala numérica. Este tipo de escala, permite facilmente, compreender as dimensões dos objetos na planta/carta/mapa. O uso da escala gráfica tem vantagem sobre o uso da numérica, pois poderá a planta/carta/mapa ser reduzida ou ampliada através de métodos xerográficos e fotográficos, podendo-se sempre saber a escala do documento com o qual se está trabalhando. Também poderá haver dilatação do papel em função da idade e da temperatura ambiente.
  • 33. ESCALA Tipos de escalas Escala gráfica Como mostra a Figura, na esquerda, a planta está num papel sem dilatação e na direita houve a dilatação do tamanho em duas vezes. Note que na esquerda a figura tem 1 cm de lado que equivale no real a 10 m, pois a escala é de 1:1000.
  • 34. ESCALA Tipos de escalas Escala gráfica Com a ampliação ou dilatação apresentada na figura da direita, como observado pelas mudanças nas escalas gráficas, o lado passará a medir 2 cm, mas a escala numérica mudará para 1:500, o que permitirá a manutenção do valor da medida real do lado da área igual a 10 m, pois a escala gráfica acompanhou a dilatação. Se fosse observada somente a escala numérica de 1:1000, a área teria o lado com 20 m, o que estaria errado. Poder-se-ia indagar se a área aumentou de tamanho no real ou apenas no gráfico? Logicamente que houve aumento apenas no papel e a escala gráfica é a que representa a realidade.
  • 35. ESCALA Tamanho do papel x escolha da escala Um momento bastante importante é o da escolha do formato ou tamanho do papel a ser usado para o desenho da planta, pois dependerá da escala e tamanho da área levantada. No mercado existem diversas opções. Por isso deve-se verificar se o desenho vai caber adequadamente no papel, podendo ficar menor ou maior que o papel, como mostra a Figura. Na esquerda e no meio houve mau planejamento na escolha do papel. Na direita houve bom planejamento.
  • 36. ESCALA Tamanho do papel x escolha da escala Para a representação de uma determinada área, terão que ser levadas em consideração as máximas dimensões x e y reais da área, bem como as dimensões x e y do papel. Assim, ao se aplicar a relação M=D/d, ter-se-ão como resultados duas escalas, uma para cada eixo (Figura). A escala escolhida para melhor representar a área em questão e o papel, deve ser aquela de maior módulo, pois se for usada a de menor módulo, não caberá parte do desenho no papel. Ao final, caso não se tenha encontrado uma escala ideal (1:10, 1:20, 1:25, 1:30, 1:50, 1: 75 e seus múltiplos) arredonda-se a escala para o maior valor.
  • 37. ESCALA Tamanho do papel x escolha da escala Em x: Em y: M= D/d; M= D/d M= 1000 cm/ 21 cm; M= 5000 cm/ 27,9 cm M= 47,6; M= 168,38 E= 1/47,6; E= 1/168,38 A escala escolhida foi: E=1/168,38 A escala ideal a ser utilizada é 1/200
  • 38. ESCALA Exercícios de fixação 1) Um canal com 450 m de extensão está representado por um segmento de reta de 0,45 m. Ache a escala desta planta. 2) Uma planta topográfica está desenhada na escala 1: 5000. Calcule o comprimento de uma estrada que nesta planta possui 15,00 cm. 3) Calcular o comprimento no desenho de uma rua com 1000 m de comprimento, nas escalas de 1:200; 1:250; 1:500 e 1:1500. 4) Construa uma escala gráfica a partir da escala numérica de 1:5000, sabendo-se que sua divisão principal deve ser igual a 4 cm. 5) Num mapa, cuja escala é 1:1.000.000, uma estrada apresenta 200 km de extensão. Quanto equivale o comprimento gráfico? 6) Um loteamento está representado em uma planta na escala de 1: 2500 por um triângulo de perímetro igual a 120 cm, cujos dois de seus lados medem 40 e 30 cm. Calcule a área real do loteamento em m2 e em hectares.
  • 39. ESCALA Exercícios de fixação 7) Uma propriedade rural está representada em uma planta na escala de 1:5000. Sabendo-se que sua área gráfica corresponde a 0,200 m2, pede-se: a) A sua área real em hectares; b) Se sua forma é quadrada e o seu relevo é plano, calcule o comprimento da cerca que a limita. 8) Em uma planta topográfica projetou-se um loteamento de forma retangular cujas dimensões são de 1,14 km e 0,64 km de lados. Sabendo-se que o mesmo deve ser representado numa folha de papel cujas dimensões úteis são 0,57 m e 0,32 m, pede-se a escala mais conveniente para o melhor aproveitamento do papel. 9) Um loteamento de forma circular está desenhado numa escala de 1:7000. Se sua área gráfica corresponde a 0,3500 m2, pede-se: a) Sua área real em hectares; b) Se este terreno é plano, qual perímetro da cerca que a limita?
  • 40. ESCALA Exercícios de fixação 10) Chamando-se de precisão gráfica a menor distância que podemos desenhar em uma planta topográfica (risco do lápis, caneta), e admitindo-se que este valor seja igual a 0,15 mm, será que uma casa com as dimensões reais de 20 m x 20 m pode ser representada em escala de 1:20000? 11) A escala tem unidade de medida? 12) Um lago possui 34.000 m3 de água, onde sua profundidade em toda extensão é de 2 metros. A escala escolhida é de 1:1000. Qual a área gráfica do lago? 13) Um campo de futebol possui uma área de 700 m2. Qual a área gráfica sabendo-se que sua escala é de 1:1000. 1 14) Mediu-se em planta um trecho de coletor de um sistema de esgotamento sanitário, apresentando o valor de 70 cm. Sendo a escala da planta de 1:2000, o comprimento desse trecho no terreno é: a) 1400 cm; b) 70 m; c) 700 m; d) 140 cm; e) 1400 m; f) 14000 m
  • 41. ESCALA Exercícios de fixação 15) Em uma poligonal, medida em campo por Estação Total, mediu-se os alinhamentos 01 = 10 m, 12=25 m; 23=12 m e 30=24,5 m. O azimute magnético do alinhamento 01 foi de 45º. Qual seria o azimute magnético do alinhamento 01 da poligonal, sabendo-se que a planta ficou 10 vezes menor que o tamanho real?