SlideShare uma empresa Scribd logo
TEXTO NARRATIVO
Professora Hélia Coelho Mello Cunha
2013
TEXTO NARRATIVO
O termo “narrar” vem do latim “narratio” e quer
dizer o ato de narrar acontecimentos reais ou fictícios.
Surgiu dentro do gênero épico (narrativa feita
em versos, num longo poema que ressalta os feitos de
um herói ou as aventuras de um povo ).
O gênero narrativo apresenta concepções de prosa
com características diferentes, o que fez com que
surgissem divisões de outros gêneros literários .
Todas as obras narrativas possuem elementos
estruturais e estilísticos em comum e devem
responder a questionamentos como: quem?, o quê?
quando? onde? por quê?
Os Lusíadas, de Luís de Camões, Ilíada e Odisseia, de Homero.
ROMANCE
Tempo, espaço e personagens bem definidos
Origens - Idade Média (Dom Quixote de
Cervantes)
Forma atual desenvolveu-se a partir do século
XVII
Narrativa longa, geralmente dividida em
capítulos
Personagens variadas em torno das quais
acontece a estória principal e estórias paralelas a
esta
NOVELA
Texto caracterizado por ser intermediário
entre a longevidade do romance e a
brevidade do conto. Ex: O Alienista,
de Machado de Assis.
É dividida em episódios, são contínuos e
não têm interrupções.
Há a valorização de um evento, um corte
mais limitado da vida, a passagem do tempo
é mais rápida e o narrador assume uma maior
importância como contador de um fato
passado.
CONTO
É um texto narrativo breve, e de ficção,
geralmente em prosa, que conta situações
rotineiras
Gira em torno de um só conflito, com
poucos personagens.
Inicialmente, fazia parte da literatura oral.
Boccacio foi o primeiro a reproduzi-lo de
forma escrita com a publicação
de Decamerão.
FÁBULA
 Texto de caráter fantástico que busca ser
inverossímil.
 Une o lúdico e o pedagógico (com fundo
didático, que tem como objetivo transmitir
uma lição moral).
 animais como personagens
 Apólogo- personagens são seres inanimados,
objetos.
 o primeiro grande nome da fábula foi Esopo,
um escravo grego que teria vivido no século
VI a.C.
O primeiro grande nome da fábula foi
Esopo, um escravo grego que teria vivido no
século VI a.C.
La Fontaine, poeta francês que viveu de
1621 a 1695- retomada de várias fábulas de
Esopo.
Brasil: Monteiro Lobato .
CRÔNICA
Origem: grego “Chronos” (tempo).
Narrativa informal .
Linguagem coloquial.
Humor e crítica.
Relato pessoal do autor sobre determinado
fato da vida cotidiana.
CRÔNICA
“ A crônica é um jeito que o brasileiro descobriu
para fazer poesia à paisana, contos à paisana,
romances à paisana. É um golpe civil. Crônica
tem uma superficialidade enganosa: por ser
curta e de temas prosaicos, parece que é
inofensiva. Sua profundidade reside no tom
baixo de amizade. Sua agressividade é a ternura.
Escrever crônicas é fazer amizades, contar
segredos e confidências, é ajudar
verdadeiramente as pessoas a não se
conformarem”.
Fabrício Carpinejar- 05/01/2012
LENDA
 Narrativa fantasiosa transmitida pela tradição
oral através dos tempos.
Combinam fatos reais e históricos com fatos
irreais que são meramente produto da
imaginação humana.
Geralmente fornecem explicações plausíveis, e
até certo ponto aceitáveis, para coisas que não
têm explicações científicas comprovadas, como
acontecimentos misteriosos ou sobrenaturais.
Pelo fato de serem repassadas oralmente de
geração a geração, sofrem alterações à medida
que vão sendo recontadas.
Miniconto, microconto
ou nanoconto
Muito mais importante que mostrar, é
sugerir, deixando ao leitor a tarefa de
"preencher" as elipses narrativas e entender
a estória por trás da estória escrita.
Exemplos:
•Quando acordou o dinossauro ainda estava
lá”.(Augusto Monterroso- 37 letras)
•:”Vende-se: sapatos de bebê, sem
uso”.(Ernest Hemingway- 26 letras)
Miniconto
Brasil : Ah,é? (1994, Dalton Trevisan) - ponto de
partida do miniconto no seu formato contemporâneo.
Também se destaca João Gilberto Noll que apresenta
obras voltadas para o tema.
Características :
• Concisão
•Narratividade (muitos dos ditos minicontos são, na
verdade, tiradas líricas)
•Totalidade (um miniconto não é uma story line)
•Subtexto
•Ausência de descrição
•Retrato de "pedaços da vida"
Dez dicas para escrever minicontos
1. Miniconto é um conto pequeno, portanto deve ter
as características do conto: narratividade, ou seja,
narrador, personagens, espaço e tempo. Efeito.
Intensidade. Tensão.
2. Isso tudo em um número limitado de caracteres.
Muitos autores chamam de minicontos aqueles com
até 200 caracteres, microcontos com até 150
caracteres e nanocontos com até 50 caracteres.
3. Caracter é qualquer letra, sinal de pontuação ou
espaço em branco. O título não entra na contagem.
4. Os minicontos são ficção e têm como objetivo
envolver o leitor no enredo.
5. Use um bom título, ele é uma isca para seu leitor.
6. Pode ter humor, mas não é uma piada.
7. O subtexto é o melhor do miniconto, é o que
não está dito, aquilo que cabe ao leitor
descobrir, imaginar.
8. Quanto mais leituras possíveis, melhor o
miniconto.
9. Qualquer assunto pode ser inspiração para um
bom miniconto: contos maiores, notícias de
jornal, a observação da própria vida. Mas
sobretudo a leitura, o conhecimento.
10. Para finalizar, faça tudo diferente, tente,
invente, o miniconto é também a síntese da
criatividade.
http://minicontosanamello.blogspot.com.br/2010/03/dez-dicas-para-escrever-
minicontos.html
CARACTERÍSTICAS DO TEXTO NARRATIVO
Contado por um narrador, que pode ser
um narrador-personagem ou um narrador-
observador.
Os fatos contados são vividos por
personagens em um determinado espaço e
tempo.
 Normalmente costuma caracterizar as
personagens de uma estória, uma
paisagem, uma cena, objetos etc.
ELEMENTOS DO TEXTO NARRATIVO
1 - Foco narrativo: presença de um elemento que
relata a história como participante (1ª pessoa)ou
como observador (3ª pessoa). E também há o
narrador onisciente.
2 - Enredo: é a sequência de fatos, podendo seguir a
ordem cronológica em que eles ocorrem (sucessão
temporal dos fatos), ou a ordem psicológica (sucessão
dos fatos, seguindo as lembranças ou evocações das
personagens, apresentando, muitas vezes flashbacks
ou voltas ao passado).
3- Personagens: seres criados pelo autor com
características físicas e psicológicas determinadas.
4 - Campo e espaço: o momento e o local em que os
fatores são narrados e onde se desenrolam.
ELEMENTOS DO TEXTO NARRATIVO
5- Conflito: situação de tensão entre os
elementos da narrativa.
6 - Clímax: a situação criada pelo narrador vai
progressivamente aumentando sua
dramaticidade até que chega ao clímax, ao
ponto máximo.
7 - Desfecho: momento que recebe o clímax,
no qual se finaliza a história e cada
personagem se encaminha para seu "destino
“Abriu a janela no exato momento em
que a garrafa com a mensagem passava,
levada pelo vento. Pegou-a pelo gargalo e,
sem tirar a rolha, examinou-a
cuidadosamente. Não tinha endereço, não
tinha remetente.
Certamente, pensou, não era para ele”.
Fonte: COLASANTI, Marina. Contos de amor rasgados. Rio de Janeiro:
Rocco, 1986.
“Quando Ana me deixou, eu fiquei muito tempo parado na sala do
apartamento, cerca de oito horas da noite, com o bilhete dela nas mãos.
No horário de verão, pela janela aberta da sala, à luz das oito horas da
noite podiam-se ainda ver uns restos de dourado e vermelho deixados
pelo sol atrás dos edifícios, nos lados de Pinheiros. Eu fiquei muito
tempo parado no meio da sala do apartamento, o último bilhete de Ana
nas mãos, olhando pela janela os vermelhos e os dourados do céu. E
lembro que pensei agora o telefone vai tocar, e o telefone não tocou, e
depois de algum tempo em que o telefone não tocou, e podia ser
Lucinha da agência ou Paulo do cineclube ou Nelson de Paris ou minha
mãe do Sul, [...] então pensei agora a campainha vai tocar. Podia ser o
porteiro entregando alguma correspondência, a vizinha de cima à
procura da gata persa que costumava fugir pela escada, ou mesmo
alguma dessas criancinhas meio monstros de edifício, que adoram
apertar as campainhas alheias, depois sair correndo. Ou simples engano,
podia ser. Mas a campainha também não tocou, e eu continuei por
muito tempo sem salvação parado ali no centro da sala que começava a
ficar azulada pela noite, feito o interior de um aquário, o bilhete de Ana
nas mãos, sem fazer absolutamente nada além de respirar”.
Fonte: ABREU, Caio Fernando. Sem Ana, Blues. In: CAIO 3D: o essencial da
década de 1980. Rio de Janeiro: Agir, 2005
MINICONTO
Ela procurava o príncipe. Ele procurava a
próxima. Ela olhava pra ele. Ele olhava pra
todas. Ela queria ELE. Ele queria UMA. Ela
fazia planos. Ele destruía . Ela pensou que ele
era único. Ele pensou que ela era só mais
uma. Ela sonhava acordada. Ele tinha insônia.
Ela desistiu. Ele se arrependeu. Então, Ela
descobriu que Ele era só mais um... E Ele
descobriu que ela era ÚNICA.
O COVEIRO
Millôr Fernandes
Ele foi cavando, cavando, cavando, pois sua profissão - coveiro -
era cavar. Mas, de repente, na distração do ofício que amava, percebeu
que cavara demais.Tentou sair da cova e não conseguiu. Levantou o olhar
para cima e viu que sozinho não conseguiria sair. Gritou. Ninguém
atendeu. Gritou mais forte. Ninguém veio. Enrouqueceu de gritar, cansou
de esbravejar, desistiu com a noite. Sentou-se no fundo da cova,
desesperado. A noite chegou, subiu, fez-se o silêncio das horas tardias.
Bateu o frio da madrugada e, na noite escura, não se ouviu um som
humano, embora o cemitério estivesse cheio de pipilos e coaxares
naturais dos matos. Só pouco depois da meia-noite é que vieram uns
passos. Deitado no fundo da cova o coveiro gritou. Os passos se
aproximaram. Uma cabeça ébria apareceu lá em cima, perguntou o que
havia: -O que é que há? O coveiro então gritou, desesperado:- Tire-me
daqui, por favor. Estou com um frio terrível! -Mas, coitado! - condoeu-se
o bêbado - Tem toda razão de estar com frio. Alguém tirou a terra de
cima de você, meu pobre mortinho! E, pegando a pá, encheu-a e pôs-se a
cobri-lo cuidadosamente.
Reflexão: Nos momentos graves é preciso verificar muito bem para quem
se apela.
DISCURSO DIRETO XDISCURSO INDIRETO
• Presente
A enfermeira afirmou:
-É uma menina
• Futuro do presente
Pedrinho gritou:
- Não sairei do carro.
• Pretérito perfeito
-Já esperei demais,
retrucou com indignação.
• Pretérito imperfeito
A enfermeira afirmou que
era uma menina.
• Futuro do pretérito
Pedrinho gritou que não
sairia do carro.
•Pretérito mais-que-
perfeito
Retrucou com indignação
que já esperara (ou tinha
esperado) demais.
DISCURSO DIRETO XDISCURSO INDIRETO
•Imperativo
Olhou-a e disse
secamente:
- Deixe-me em paz.
• Primeira ou segunda
pessoa
Maria disse:
- Não quero sair com
Roberto
•
• Pretérito imperfeito do
subjuntivo
Olhou-a e disse
secamente que ela o
deixasse em paz.
• Terceira pessoa
Maria disse que não
queria sair com Roberto.
DISCURSO DIRETO XDISCURSO INDIRETO
• DEMONSTRATIVO ESTE OU ESSE
Retirou o livro da estante e
acrescentou:
- Este é o melhor
• VOCATIVO
-Você quer café, João?
-Perguntou a prima
• FORMA INTERROGATIVA OU
IMPERATIVA
Abriu o estojo, contou os lápis
e depois perguntou ansiosa:
- E o amarelo?
• DEMONSTRATIVO AQUELE
Retirou o livro da estante e
acrescentou que aquele era o
melhor.
• OBJETO INDIRETO NA ORAÇÃO
PRINCIPAL
A prima perguntou a João se ele
queria café.
• FORMA DECLARATIVA
Abriu o estojo, contou os lápis e
depois perguntou ansiosa pele
amarelo.
.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Slides sobre reportagem
Slides sobre reportagemSlides sobre reportagem
Slides sobre reportagem
Nastrilhas da lingua portuguesa
 
Atividade para iniciar o texto descritivo
Atividade para iniciar o texto descritivoAtividade para iniciar o texto descritivo
Atividade para iniciar o texto descritivo
Cláudia Santos
 
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURAAULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
Marcelo Cordeiro Souza
 
Tudo sobre POEMAS
Tudo sobre POEMASTudo sobre POEMAS
Tudo sobre POEMAS
Jaicinha
 
Plano de aula gêneros literários adirce ativ. módulo iii
Plano de aula gêneros literários adirce ativ. módulo iiiPlano de aula gêneros literários adirce ativ. módulo iii
Plano de aula gêneros literários adirce ativ. módulo iii
ADIRCE01
 
FICHA - GÊNEROS LITERÁRIOS - EXERCÍCIOS - Gabarito.pdf
FICHA - GÊNEROS LITERÁRIOS - EXERCÍCIOS - Gabarito.pdfFICHA - GÊNEROS LITERÁRIOS - EXERCÍCIOS - Gabarito.pdf
FICHA - GÊNEROS LITERÁRIOS - EXERCÍCIOS - Gabarito.pdf
Natália Moura
 
SLIDES – PARÓDIA.
SLIDES – PARÓDIA.SLIDES – PARÓDIA.
SLIDES – PARÓDIA.
Tissiane Gomes
 
O conto maravilhoso
O conto maravilhosoO conto maravilhoso
O conto maravilhoso
Marilza Fuentes
 
Texto literário e não literário
Texto literário e não literárioTexto literário e não literário
Texto literário e não literário
Fábio Guimarães
 
Cruzadinha generos[1]
Cruzadinha generos[1]Cruzadinha generos[1]
Cruzadinha generos[1]
Ana De Paula
 
Gêneros Textuais
Gêneros TextuaisGêneros Textuais
Gêneros Textuais
Edna Brito
 
Elementos da Narrativa - 6º ano
Elementos da Narrativa - 6º anoElementos da Narrativa - 6º ano
Elementos da Narrativa - 6º ano
Tânia Regina
 
Avaliação 7º ano paradidático 1 gabarito
Avaliação 7º ano   paradidático 1 gabaritoAvaliação 7º ano   paradidático 1 gabarito
Avaliação 7º ano paradidático 1 gabarito
Karla Costa
 
Anáfora, contexto e coesão textual
Anáfora, contexto e coesão textualAnáfora, contexto e coesão textual
Anáfora, contexto e coesão textual
Miquéias Vitorino
 
Crônica
CrônicaCrônica
Crônica
Valeria Nunes
 
O que é miniconto?
O que é miniconto?O que é miniconto?
O que é miniconto?
Fernanda Maite dos Passos
 
O gênero textual entrevista
O gênero textual   entrevistaO gênero textual   entrevista
O gênero textual entrevista
Renally Arruda
 
Gênero notícia
Gênero notíciaGênero notícia
Gênero notícia
Joyce Micielle
 
Atividades complementares 7 série
Atividades complementares 7 sérieAtividades complementares 7 série
Atividades complementares 7 série
SHEILA MONTEIRO
 
Gênero Textual: histórias em quadrinhos
Gênero Textual: histórias em quadrinhosGênero Textual: histórias em quadrinhos
Gênero Textual: histórias em quadrinhos
Alice Nogueira
 

Mais procurados (20)

Slides sobre reportagem
Slides sobre reportagemSlides sobre reportagem
Slides sobre reportagem
 
Atividade para iniciar o texto descritivo
Atividade para iniciar o texto descritivoAtividade para iniciar o texto descritivo
Atividade para iniciar o texto descritivo
 
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURAAULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
 
Tudo sobre POEMAS
Tudo sobre POEMASTudo sobre POEMAS
Tudo sobre POEMAS
 
Plano de aula gêneros literários adirce ativ. módulo iii
Plano de aula gêneros literários adirce ativ. módulo iiiPlano de aula gêneros literários adirce ativ. módulo iii
Plano de aula gêneros literários adirce ativ. módulo iii
 
FICHA - GÊNEROS LITERÁRIOS - EXERCÍCIOS - Gabarito.pdf
FICHA - GÊNEROS LITERÁRIOS - EXERCÍCIOS - Gabarito.pdfFICHA - GÊNEROS LITERÁRIOS - EXERCÍCIOS - Gabarito.pdf
FICHA - GÊNEROS LITERÁRIOS - EXERCÍCIOS - Gabarito.pdf
 
SLIDES – PARÓDIA.
SLIDES – PARÓDIA.SLIDES – PARÓDIA.
SLIDES – PARÓDIA.
 
O conto maravilhoso
O conto maravilhosoO conto maravilhoso
O conto maravilhoso
 
Texto literário e não literário
Texto literário e não literárioTexto literário e não literário
Texto literário e não literário
 
Cruzadinha generos[1]
Cruzadinha generos[1]Cruzadinha generos[1]
Cruzadinha generos[1]
 
Gêneros Textuais
Gêneros TextuaisGêneros Textuais
Gêneros Textuais
 
Elementos da Narrativa - 6º ano
Elementos da Narrativa - 6º anoElementos da Narrativa - 6º ano
Elementos da Narrativa - 6º ano
 
Avaliação 7º ano paradidático 1 gabarito
Avaliação 7º ano   paradidático 1 gabaritoAvaliação 7º ano   paradidático 1 gabarito
Avaliação 7º ano paradidático 1 gabarito
 
Anáfora, contexto e coesão textual
Anáfora, contexto e coesão textualAnáfora, contexto e coesão textual
Anáfora, contexto e coesão textual
 
Crônica
CrônicaCrônica
Crônica
 
O que é miniconto?
O que é miniconto?O que é miniconto?
O que é miniconto?
 
O gênero textual entrevista
O gênero textual   entrevistaO gênero textual   entrevista
O gênero textual entrevista
 
Gênero notícia
Gênero notíciaGênero notícia
Gênero notícia
 
Atividades complementares 7 série
Atividades complementares 7 sérieAtividades complementares 7 série
Atividades complementares 7 série
 
Gênero Textual: histórias em quadrinhos
Gênero Textual: histórias em quadrinhosGênero Textual: histórias em quadrinhos
Gênero Textual: histórias em quadrinhos
 

Destaque

Textos narrativos contos e crônicas
Textos narrativos contos e crônicasTextos narrativos contos e crônicas
Textos narrativos contos e crônicas
Marcia Oliveira
 
Texto narrativo
Texto narrativoTexto narrativo
Texto narrativo
Cynthia Funchal
 
As Três Pequenas Árvores (História narrativa)
As Três Pequenas Árvores (História narrativa)As Três Pequenas Árvores (História narrativa)
As Três Pequenas Árvores (História narrativa)
Adilson P Motta Motta
 
Texto narrativo
Texto narrativoTexto narrativo
Texto narrativo
mariaanliaf
 
Slides narração
Slides narraçãoSlides narração
Slides narração
blogdoalunocefa
 
Conto narrativo
Conto narrativoConto narrativo
Conto narrativo
Blairvll
 
Texto narrativo
Texto narrativoTexto narrativo
Texto narrativo
Ana Arminda Moreira
 
Texto narrativo
Texto narrativoTexto narrativo
Texto narrativo
Sónia Fernandes
 
Miniconto ou microconto
Miniconto ou microcontoMiniconto ou microconto
Miniconto ou microconto
Otávia Vieira
 
O texto narrativo ppt
O texto narrativo pptO texto narrativo ppt
O texto narrativo ppt
Salomé Raposo
 
Categorias Da Narrativa
Categorias Da NarrativaCategorias Da Narrativa
Categorias Da Narrativa
Maria Fonseca
 
O texto narrativo
O texto narrativoO texto narrativo
O texto narrativo
Goretti Campos
 
A HISTORIA DE UMA ARVORE
A HISTORIA DE UMA ARVOREA HISTORIA DE UMA ARVORE
A HISTORIA DE UMA ARVORE
Marisa Seara
 
Texto Narrativo Categorias
Texto Narrativo CategoriasTexto Narrativo Categorias
Texto Narrativo Categorias
Elsa Maximiano
 
Estrutura Narrativa
Estrutura NarrativaEstrutura Narrativa
Estrutura Narrativa
Faell Vasconcelos
 
La narración
La narraciónLa narración
La narración
Noe Mí
 
Iracema
IracemaIracema
Iracema
Seduc/AM
 
Texto Narrativo E De Teatro
Texto Narrativo E De TeatroTexto Narrativo E De Teatro
Texto Narrativo E De Teatro
teresamendes
 
Produção de-texto-9º-ano-narrativa (1)
Produção de-texto-9º-ano-narrativa (1)Produção de-texto-9º-ano-narrativa (1)
Produção de-texto-9º-ano-narrativa (1)
Julia Nogueira
 
Crônica e Conto
Crônica e ContoCrônica e Conto
Crônica e Conto
Patrícia Soares
 

Destaque (20)

Textos narrativos contos e crônicas
Textos narrativos contos e crônicasTextos narrativos contos e crônicas
Textos narrativos contos e crônicas
 
Texto narrativo
Texto narrativoTexto narrativo
Texto narrativo
 
As Três Pequenas Árvores (História narrativa)
As Três Pequenas Árvores (História narrativa)As Três Pequenas Árvores (História narrativa)
As Três Pequenas Árvores (História narrativa)
 
Texto narrativo
Texto narrativoTexto narrativo
Texto narrativo
 
Slides narração
Slides narraçãoSlides narração
Slides narração
 
Conto narrativo
Conto narrativoConto narrativo
Conto narrativo
 
Texto narrativo
Texto narrativoTexto narrativo
Texto narrativo
 
Texto narrativo
Texto narrativoTexto narrativo
Texto narrativo
 
Miniconto ou microconto
Miniconto ou microcontoMiniconto ou microconto
Miniconto ou microconto
 
O texto narrativo ppt
O texto narrativo pptO texto narrativo ppt
O texto narrativo ppt
 
Categorias Da Narrativa
Categorias Da NarrativaCategorias Da Narrativa
Categorias Da Narrativa
 
O texto narrativo
O texto narrativoO texto narrativo
O texto narrativo
 
A HISTORIA DE UMA ARVORE
A HISTORIA DE UMA ARVOREA HISTORIA DE UMA ARVORE
A HISTORIA DE UMA ARVORE
 
Texto Narrativo Categorias
Texto Narrativo CategoriasTexto Narrativo Categorias
Texto Narrativo Categorias
 
Estrutura Narrativa
Estrutura NarrativaEstrutura Narrativa
Estrutura Narrativa
 
La narración
La narraciónLa narración
La narración
 
Iracema
IracemaIracema
Iracema
 
Texto Narrativo E De Teatro
Texto Narrativo E De TeatroTexto Narrativo E De Teatro
Texto Narrativo E De Teatro
 
Produção de-texto-9º-ano-narrativa (1)
Produção de-texto-9º-ano-narrativa (1)Produção de-texto-9º-ano-narrativa (1)
Produção de-texto-9º-ano-narrativa (1)
 
Crônica e Conto
Crônica e ContoCrônica e Conto
Crônica e Conto
 

Semelhante a Texto narrativo

3° ano - Contos e crônicas
3° ano - Contos e crônicas3° ano - Contos e crônicas
3° ano - Contos e crônicas
ProfFernandaBraga
 
Gêneros Literários 2.0
Gêneros Literários 2.0Gêneros Literários 2.0
Gêneros Literários 2.0
José Ricardo Lima
 
Novela Literária
Novela LiteráriaNovela Literária
Novela Literária
Ianka Targino
 
Modernismo geração de 45: Clarice Lispector e Guimarães Rosa
Modernismo geração de 45: Clarice Lispector e Guimarães RosaModernismo geração de 45: Clarice Lispector e Guimarães Rosa
Modernismo geração de 45: Clarice Lispector e Guimarães Rosa
Tamara Amaral
 
Resumão gêneros literários.pptx
Resumão gêneros literários.pptxResumão gêneros literários.pptx
Resumão gêneros literários.pptx
ssuser36fc8b
 
Contos
ContosContos
Crônicas e contos
Crônicas e contosCrônicas e contos
Crônicas e contos
ProfFernandaBraga
 
Lirismo e surrealismo em joão ternura, de aníbal machado
Lirismo e surrealismo em joão ternura, de aníbal machadoLirismo e surrealismo em joão ternura, de aníbal machado
Lirismo e surrealismo em joão ternura, de aníbal machado
ma.no.el.ne.ves
 
Gêneros literários - 1º Ano do Ensino Médio
Gêneros literários - 1º Ano do Ensino MédioGêneros literários - 1º Ano do Ensino Médio
Gêneros literários - 1º Ano do Ensino Médio
Elaine Chiullo
 
Contos-Português
Contos-PortuguêsContos-Português
Contos-Português
sala703
 
C:\Fakepath\CóPia (3) De Elementos Para A AnáLise Da Narrativa
C:\Fakepath\CóPia (3) De Elementos Para A AnáLise Da NarrativaC:\Fakepath\CóPia (3) De Elementos Para A AnáLise Da Narrativa
C:\Fakepath\CóPia (3) De Elementos Para A AnáLise Da Narrativa
Eneida da Rosa
 
Elementos para a análise da narrativa
Elementos para a análise da narrativaElementos para a análise da narrativa
Elementos para a análise da narrativa
Eneida da Rosa
 
C:\Fakepath\Elementos Para A AnáLise Da Narrativa
C:\Fakepath\Elementos Para A AnáLise Da NarrativaC:\Fakepath\Elementos Para A AnáLise Da Narrativa
C:\Fakepath\Elementos Para A AnáLise Da Narrativa
Eneida da Rosa
 
Projeto de leitura (12.º ano) - O Conto "Mortos à mesa" de António Tabucchi
Projeto de leitura (12.º ano) - O Conto "Mortos à mesa" de António Tabucchi Projeto de leitura (12.º ano) - O Conto "Mortos à mesa" de António Tabucchi
Projeto de leitura (12.º ano) - O Conto "Mortos à mesa" de António Tabucchi
Dina Baptista
 
2 Ano narrativa de ficção
2 Ano narrativa de ficção2 Ano narrativa de ficção
2 Ano narrativa de ficção
marcelocaxias
 
O+conto+brasileiro
O+conto+brasileiroO+conto+brasileiro
O+conto+brasileiro
Martielly Cavalcanti
 
Slide conto e crônica 7ºano.pdf
Slide conto e crônica 7ºano.pdfSlide conto e crônica 7ºano.pdf
Slide conto e crônica 7ºano.pdf
thaisayumi2
 
A crônica
A crônicaA crônica
A crônica
Marcia Oliveira
 
Era uma vez - O Conto e a Oralidade
Era uma vez - O Conto e a OralidadeEra uma vez - O Conto e a Oralidade
Era uma vez - O Conto e a Oralidade
Denise Oliveira
 
10460TEORIA_LITERARIA.pdf
10460TEORIA_LITERARIA.pdf10460TEORIA_LITERARIA.pdf
10460TEORIA_LITERARIA.pdf
AdrianaAssumpo5
 

Semelhante a Texto narrativo (20)

3° ano - Contos e crônicas
3° ano - Contos e crônicas3° ano - Contos e crônicas
3° ano - Contos e crônicas
 
Gêneros Literários 2.0
Gêneros Literários 2.0Gêneros Literários 2.0
Gêneros Literários 2.0
 
Novela Literária
Novela LiteráriaNovela Literária
Novela Literária
 
Modernismo geração de 45: Clarice Lispector e Guimarães Rosa
Modernismo geração de 45: Clarice Lispector e Guimarães RosaModernismo geração de 45: Clarice Lispector e Guimarães Rosa
Modernismo geração de 45: Clarice Lispector e Guimarães Rosa
 
Resumão gêneros literários.pptx
Resumão gêneros literários.pptxResumão gêneros literários.pptx
Resumão gêneros literários.pptx
 
Contos
ContosContos
Contos
 
Crônicas e contos
Crônicas e contosCrônicas e contos
Crônicas e contos
 
Lirismo e surrealismo em joão ternura, de aníbal machado
Lirismo e surrealismo em joão ternura, de aníbal machadoLirismo e surrealismo em joão ternura, de aníbal machado
Lirismo e surrealismo em joão ternura, de aníbal machado
 
Gêneros literários - 1º Ano do Ensino Médio
Gêneros literários - 1º Ano do Ensino MédioGêneros literários - 1º Ano do Ensino Médio
Gêneros literários - 1º Ano do Ensino Médio
 
Contos-Português
Contos-PortuguêsContos-Português
Contos-Português
 
C:\Fakepath\CóPia (3) De Elementos Para A AnáLise Da Narrativa
C:\Fakepath\CóPia (3) De Elementos Para A AnáLise Da NarrativaC:\Fakepath\CóPia (3) De Elementos Para A AnáLise Da Narrativa
C:\Fakepath\CóPia (3) De Elementos Para A AnáLise Da Narrativa
 
Elementos para a análise da narrativa
Elementos para a análise da narrativaElementos para a análise da narrativa
Elementos para a análise da narrativa
 
C:\Fakepath\Elementos Para A AnáLise Da Narrativa
C:\Fakepath\Elementos Para A AnáLise Da NarrativaC:\Fakepath\Elementos Para A AnáLise Da Narrativa
C:\Fakepath\Elementos Para A AnáLise Da Narrativa
 
Projeto de leitura (12.º ano) - O Conto "Mortos à mesa" de António Tabucchi
Projeto de leitura (12.º ano) - O Conto "Mortos à mesa" de António Tabucchi Projeto de leitura (12.º ano) - O Conto "Mortos à mesa" de António Tabucchi
Projeto de leitura (12.º ano) - O Conto "Mortos à mesa" de António Tabucchi
 
2 Ano narrativa de ficção
2 Ano narrativa de ficção2 Ano narrativa de ficção
2 Ano narrativa de ficção
 
O+conto+brasileiro
O+conto+brasileiroO+conto+brasileiro
O+conto+brasileiro
 
Slide conto e crônica 7ºano.pdf
Slide conto e crônica 7ºano.pdfSlide conto e crônica 7ºano.pdf
Slide conto e crônica 7ºano.pdf
 
A crônica
A crônicaA crônica
A crônica
 
Era uma vez - O Conto e a Oralidade
Era uma vez - O Conto e a OralidadeEra uma vez - O Conto e a Oralidade
Era uma vez - O Conto e a Oralidade
 
10460TEORIA_LITERARIA.pdf
10460TEORIA_LITERARIA.pdf10460TEORIA_LITERARIA.pdf
10460TEORIA_LITERARIA.pdf
 

Mais de Helia Coelho Mello

Progymnasmata um presente dos gregos
Progymnasmata   um presente dos gregosProgymnasmata   um presente dos gregos
Progymnasmata um presente dos gregos
Helia Coelho Mello
 
IV Congresso da Sociedade Brasileira de Retórica
IV Congresso da Sociedade Brasileira de RetóricaIV Congresso da Sociedade Brasileira de Retórica
IV Congresso da Sociedade Brasileira de Retórica
Helia Coelho Mello
 
A Retórica das Mil e Uma Utilidades da Bom Bril
A Retórica das Mil e Uma Utilidades da Bom BrilA Retórica das Mil e Uma Utilidades da Bom Bril
A Retórica das Mil e Uma Utilidades da Bom Bril
Helia Coelho Mello
 
Sofismas
SofismasSofismas
Redes sociais
Redes sociaisRedes sociais
Redes sociais
Helia Coelho Mello
 
O debate que balança a palavra na rede
O debate que balança a palavra na redeO debate que balança a palavra na rede
O debate que balança a palavra na rede
Helia Coelho Mello
 
O discurso é a estrela
O discurso é a estrelaO discurso é a estrela
O discurso é a estrela
Helia Coelho Mello
 
A Retórica Desmascara o Discurso
A Retórica Desmascara o DiscursoA Retórica Desmascara o Discurso
A Retórica Desmascara o Discurso
Helia Coelho Mello
 
Minicurso Enletrarte 2015
Minicurso Enletrarte 2015Minicurso Enletrarte 2015
Minicurso Enletrarte 2015
Helia Coelho Mello
 
Minicurso Enletrate 2015
Minicurso Enletrate 2015Minicurso Enletrate 2015
Minicurso Enletrate 2015
Helia Coelho Mello
 
DISSERTAÇÃO NÃO É PSICOGRAFIA. É PRECISO PLANEJAR.
DISSERTAÇÃO NÃO É PSICOGRAFIA. É PRECISO PLANEJAR.DISSERTAÇÃO NÃO É PSICOGRAFIA. É PRECISO PLANEJAR.
DISSERTAÇÃO NÃO É PSICOGRAFIA. É PRECISO PLANEJAR.
Helia Coelho Mello
 
DIMINUTIVO: O GRAU QUE AFAGA OU AFASTA
DIMINUTIVO: O GRAU QUE AFAGA OU AFASTADIMINUTIVO: O GRAU QUE AFAGA OU AFASTA
DIMINUTIVO: O GRAU QUE AFAGA OU AFASTA
Helia Coelho Mello
 
ARGUMENTAÇÃO COM DISPOSIÇÃO
ARGUMENTAÇÃO COM DISPOSIÇÃOARGUMENTAÇÃO COM DISPOSIÇÃO
ARGUMENTAÇÃO COM DISPOSIÇÃO
Helia Coelho Mello
 
FIGURA RETÓRICA: FLOR OU ESPADA?
FIGURA RETÓRICA: FLOR OU ESPADA?FIGURA RETÓRICA: FLOR OU ESPADA?
FIGURA RETÓRICA: FLOR OU ESPADA?
Helia Coelho Mello
 
SOFISMAS DA ATUALIDADE
SOFISMAS DA ATUALIDADESOFISMAS DA ATUALIDADE
SOFISMAS DA ATUALIDADE
Helia Coelho Mello
 
RETÓRICA: CHAVE DA LEITURA DE TEXTOS ARGUMENTATIVOS
RETÓRICA: CHAVE DA LEITURA DE TEXTOS ARGUMENTATIVOSRETÓRICA: CHAVE DA LEITURA DE TEXTOS ARGUMENTATIVOS
RETÓRICA: CHAVE DA LEITURA DE TEXTOS ARGUMENTATIVOS
Helia Coelho Mello
 
Falácias
FaláciasFalácias
Estratégias argumentativas1
Estratégias argumentativas1Estratégias argumentativas1
Estratégias argumentativas1
Helia Coelho Mello
 
Coesão textual
Coesão textualCoesão textual
Coesão textual
Helia Coelho Mello
 
Coerência textual
Coerência textualCoerência textual
Coerência textual
Helia Coelho Mello
 

Mais de Helia Coelho Mello (20)

Progymnasmata um presente dos gregos
Progymnasmata   um presente dos gregosProgymnasmata   um presente dos gregos
Progymnasmata um presente dos gregos
 
IV Congresso da Sociedade Brasileira de Retórica
IV Congresso da Sociedade Brasileira de RetóricaIV Congresso da Sociedade Brasileira de Retórica
IV Congresso da Sociedade Brasileira de Retórica
 
A Retórica das Mil e Uma Utilidades da Bom Bril
A Retórica das Mil e Uma Utilidades da Bom BrilA Retórica das Mil e Uma Utilidades da Bom Bril
A Retórica das Mil e Uma Utilidades da Bom Bril
 
Sofismas
SofismasSofismas
Sofismas
 
Redes sociais
Redes sociaisRedes sociais
Redes sociais
 
O debate que balança a palavra na rede
O debate que balança a palavra na redeO debate que balança a palavra na rede
O debate que balança a palavra na rede
 
O discurso é a estrela
O discurso é a estrelaO discurso é a estrela
O discurso é a estrela
 
A Retórica Desmascara o Discurso
A Retórica Desmascara o DiscursoA Retórica Desmascara o Discurso
A Retórica Desmascara o Discurso
 
Minicurso Enletrarte 2015
Minicurso Enletrarte 2015Minicurso Enletrarte 2015
Minicurso Enletrarte 2015
 
Minicurso Enletrate 2015
Minicurso Enletrate 2015Minicurso Enletrate 2015
Minicurso Enletrate 2015
 
DISSERTAÇÃO NÃO É PSICOGRAFIA. É PRECISO PLANEJAR.
DISSERTAÇÃO NÃO É PSICOGRAFIA. É PRECISO PLANEJAR.DISSERTAÇÃO NÃO É PSICOGRAFIA. É PRECISO PLANEJAR.
DISSERTAÇÃO NÃO É PSICOGRAFIA. É PRECISO PLANEJAR.
 
DIMINUTIVO: O GRAU QUE AFAGA OU AFASTA
DIMINUTIVO: O GRAU QUE AFAGA OU AFASTADIMINUTIVO: O GRAU QUE AFAGA OU AFASTA
DIMINUTIVO: O GRAU QUE AFAGA OU AFASTA
 
ARGUMENTAÇÃO COM DISPOSIÇÃO
ARGUMENTAÇÃO COM DISPOSIÇÃOARGUMENTAÇÃO COM DISPOSIÇÃO
ARGUMENTAÇÃO COM DISPOSIÇÃO
 
FIGURA RETÓRICA: FLOR OU ESPADA?
FIGURA RETÓRICA: FLOR OU ESPADA?FIGURA RETÓRICA: FLOR OU ESPADA?
FIGURA RETÓRICA: FLOR OU ESPADA?
 
SOFISMAS DA ATUALIDADE
SOFISMAS DA ATUALIDADESOFISMAS DA ATUALIDADE
SOFISMAS DA ATUALIDADE
 
RETÓRICA: CHAVE DA LEITURA DE TEXTOS ARGUMENTATIVOS
RETÓRICA: CHAVE DA LEITURA DE TEXTOS ARGUMENTATIVOSRETÓRICA: CHAVE DA LEITURA DE TEXTOS ARGUMENTATIVOS
RETÓRICA: CHAVE DA LEITURA DE TEXTOS ARGUMENTATIVOS
 
Falácias
FaláciasFalácias
Falácias
 
Estratégias argumentativas1
Estratégias argumentativas1Estratégias argumentativas1
Estratégias argumentativas1
 
Coesão textual
Coesão textualCoesão textual
Coesão textual
 
Coerência textual
Coerência textualCoerência textual
Coerência textual
 

Texto narrativo

  • 1. TEXTO NARRATIVO Professora Hélia Coelho Mello Cunha 2013
  • 2. TEXTO NARRATIVO O termo “narrar” vem do latim “narratio” e quer dizer o ato de narrar acontecimentos reais ou fictícios. Surgiu dentro do gênero épico (narrativa feita em versos, num longo poema que ressalta os feitos de um herói ou as aventuras de um povo ). O gênero narrativo apresenta concepções de prosa com características diferentes, o que fez com que surgissem divisões de outros gêneros literários . Todas as obras narrativas possuem elementos estruturais e estilísticos em comum e devem responder a questionamentos como: quem?, o quê? quando? onde? por quê? Os Lusíadas, de Luís de Camões, Ilíada e Odisseia, de Homero.
  • 3. ROMANCE Tempo, espaço e personagens bem definidos Origens - Idade Média (Dom Quixote de Cervantes) Forma atual desenvolveu-se a partir do século XVII Narrativa longa, geralmente dividida em capítulos Personagens variadas em torno das quais acontece a estória principal e estórias paralelas a esta
  • 4. NOVELA Texto caracterizado por ser intermediário entre a longevidade do romance e a brevidade do conto. Ex: O Alienista, de Machado de Assis. É dividida em episódios, são contínuos e não têm interrupções. Há a valorização de um evento, um corte mais limitado da vida, a passagem do tempo é mais rápida e o narrador assume uma maior importância como contador de um fato passado.
  • 5. CONTO É um texto narrativo breve, e de ficção, geralmente em prosa, que conta situações rotineiras Gira em torno de um só conflito, com poucos personagens. Inicialmente, fazia parte da literatura oral. Boccacio foi o primeiro a reproduzi-lo de forma escrita com a publicação de Decamerão.
  • 6. FÁBULA  Texto de caráter fantástico que busca ser inverossímil.  Une o lúdico e o pedagógico (com fundo didático, que tem como objetivo transmitir uma lição moral).  animais como personagens  Apólogo- personagens são seres inanimados, objetos.  o primeiro grande nome da fábula foi Esopo, um escravo grego que teria vivido no século VI a.C.
  • 7. O primeiro grande nome da fábula foi Esopo, um escravo grego que teria vivido no século VI a.C. La Fontaine, poeta francês que viveu de 1621 a 1695- retomada de várias fábulas de Esopo. Brasil: Monteiro Lobato .
  • 8. CRÔNICA Origem: grego “Chronos” (tempo). Narrativa informal . Linguagem coloquial. Humor e crítica. Relato pessoal do autor sobre determinado fato da vida cotidiana.
  • 9. CRÔNICA “ A crônica é um jeito que o brasileiro descobriu para fazer poesia à paisana, contos à paisana, romances à paisana. É um golpe civil. Crônica tem uma superficialidade enganosa: por ser curta e de temas prosaicos, parece que é inofensiva. Sua profundidade reside no tom baixo de amizade. Sua agressividade é a ternura. Escrever crônicas é fazer amizades, contar segredos e confidências, é ajudar verdadeiramente as pessoas a não se conformarem”. Fabrício Carpinejar- 05/01/2012
  • 10. LENDA  Narrativa fantasiosa transmitida pela tradição oral através dos tempos. Combinam fatos reais e históricos com fatos irreais que são meramente produto da imaginação humana. Geralmente fornecem explicações plausíveis, e até certo ponto aceitáveis, para coisas que não têm explicações científicas comprovadas, como acontecimentos misteriosos ou sobrenaturais. Pelo fato de serem repassadas oralmente de geração a geração, sofrem alterações à medida que vão sendo recontadas.
  • 11. Miniconto, microconto ou nanoconto Muito mais importante que mostrar, é sugerir, deixando ao leitor a tarefa de "preencher" as elipses narrativas e entender a estória por trás da estória escrita. Exemplos: •Quando acordou o dinossauro ainda estava lá”.(Augusto Monterroso- 37 letras) •:”Vende-se: sapatos de bebê, sem uso”.(Ernest Hemingway- 26 letras)
  • 12. Miniconto Brasil : Ah,é? (1994, Dalton Trevisan) - ponto de partida do miniconto no seu formato contemporâneo. Também se destaca João Gilberto Noll que apresenta obras voltadas para o tema. Características : • Concisão •Narratividade (muitos dos ditos minicontos são, na verdade, tiradas líricas) •Totalidade (um miniconto não é uma story line) •Subtexto •Ausência de descrição •Retrato de "pedaços da vida"
  • 13. Dez dicas para escrever minicontos 1. Miniconto é um conto pequeno, portanto deve ter as características do conto: narratividade, ou seja, narrador, personagens, espaço e tempo. Efeito. Intensidade. Tensão. 2. Isso tudo em um número limitado de caracteres. Muitos autores chamam de minicontos aqueles com até 200 caracteres, microcontos com até 150 caracteres e nanocontos com até 50 caracteres. 3. Caracter é qualquer letra, sinal de pontuação ou espaço em branco. O título não entra na contagem. 4. Os minicontos são ficção e têm como objetivo envolver o leitor no enredo. 5. Use um bom título, ele é uma isca para seu leitor. 6. Pode ter humor, mas não é uma piada.
  • 14. 7. O subtexto é o melhor do miniconto, é o que não está dito, aquilo que cabe ao leitor descobrir, imaginar. 8. Quanto mais leituras possíveis, melhor o miniconto. 9. Qualquer assunto pode ser inspiração para um bom miniconto: contos maiores, notícias de jornal, a observação da própria vida. Mas sobretudo a leitura, o conhecimento. 10. Para finalizar, faça tudo diferente, tente, invente, o miniconto é também a síntese da criatividade. http://minicontosanamello.blogspot.com.br/2010/03/dez-dicas-para-escrever- minicontos.html
  • 15. CARACTERÍSTICAS DO TEXTO NARRATIVO Contado por um narrador, que pode ser um narrador-personagem ou um narrador- observador. Os fatos contados são vividos por personagens em um determinado espaço e tempo.  Normalmente costuma caracterizar as personagens de uma estória, uma paisagem, uma cena, objetos etc.
  • 16. ELEMENTOS DO TEXTO NARRATIVO 1 - Foco narrativo: presença de um elemento que relata a história como participante (1ª pessoa)ou como observador (3ª pessoa). E também há o narrador onisciente. 2 - Enredo: é a sequência de fatos, podendo seguir a ordem cronológica em que eles ocorrem (sucessão temporal dos fatos), ou a ordem psicológica (sucessão dos fatos, seguindo as lembranças ou evocações das personagens, apresentando, muitas vezes flashbacks ou voltas ao passado). 3- Personagens: seres criados pelo autor com características físicas e psicológicas determinadas. 4 - Campo e espaço: o momento e o local em que os fatores são narrados e onde se desenrolam.
  • 17. ELEMENTOS DO TEXTO NARRATIVO 5- Conflito: situação de tensão entre os elementos da narrativa. 6 - Clímax: a situação criada pelo narrador vai progressivamente aumentando sua dramaticidade até que chega ao clímax, ao ponto máximo. 7 - Desfecho: momento que recebe o clímax, no qual se finaliza a história e cada personagem se encaminha para seu "destino
  • 18. “Abriu a janela no exato momento em que a garrafa com a mensagem passava, levada pelo vento. Pegou-a pelo gargalo e, sem tirar a rolha, examinou-a cuidadosamente. Não tinha endereço, não tinha remetente. Certamente, pensou, não era para ele”. Fonte: COLASANTI, Marina. Contos de amor rasgados. Rio de Janeiro: Rocco, 1986.
  • 19. “Quando Ana me deixou, eu fiquei muito tempo parado na sala do apartamento, cerca de oito horas da noite, com o bilhete dela nas mãos. No horário de verão, pela janela aberta da sala, à luz das oito horas da noite podiam-se ainda ver uns restos de dourado e vermelho deixados pelo sol atrás dos edifícios, nos lados de Pinheiros. Eu fiquei muito tempo parado no meio da sala do apartamento, o último bilhete de Ana nas mãos, olhando pela janela os vermelhos e os dourados do céu. E lembro que pensei agora o telefone vai tocar, e o telefone não tocou, e depois de algum tempo em que o telefone não tocou, e podia ser Lucinha da agência ou Paulo do cineclube ou Nelson de Paris ou minha mãe do Sul, [...] então pensei agora a campainha vai tocar. Podia ser o porteiro entregando alguma correspondência, a vizinha de cima à procura da gata persa que costumava fugir pela escada, ou mesmo alguma dessas criancinhas meio monstros de edifício, que adoram apertar as campainhas alheias, depois sair correndo. Ou simples engano, podia ser. Mas a campainha também não tocou, e eu continuei por muito tempo sem salvação parado ali no centro da sala que começava a ficar azulada pela noite, feito o interior de um aquário, o bilhete de Ana nas mãos, sem fazer absolutamente nada além de respirar”. Fonte: ABREU, Caio Fernando. Sem Ana, Blues. In: CAIO 3D: o essencial da década de 1980. Rio de Janeiro: Agir, 2005
  • 20. MINICONTO Ela procurava o príncipe. Ele procurava a próxima. Ela olhava pra ele. Ele olhava pra todas. Ela queria ELE. Ele queria UMA. Ela fazia planos. Ele destruía . Ela pensou que ele era único. Ele pensou que ela era só mais uma. Ela sonhava acordada. Ele tinha insônia. Ela desistiu. Ele se arrependeu. Então, Ela descobriu que Ele era só mais um... E Ele descobriu que ela era ÚNICA.
  • 21. O COVEIRO Millôr Fernandes Ele foi cavando, cavando, cavando, pois sua profissão - coveiro - era cavar. Mas, de repente, na distração do ofício que amava, percebeu que cavara demais.Tentou sair da cova e não conseguiu. Levantou o olhar para cima e viu que sozinho não conseguiria sair. Gritou. Ninguém atendeu. Gritou mais forte. Ninguém veio. Enrouqueceu de gritar, cansou de esbravejar, desistiu com a noite. Sentou-se no fundo da cova, desesperado. A noite chegou, subiu, fez-se o silêncio das horas tardias. Bateu o frio da madrugada e, na noite escura, não se ouviu um som humano, embora o cemitério estivesse cheio de pipilos e coaxares naturais dos matos. Só pouco depois da meia-noite é que vieram uns passos. Deitado no fundo da cova o coveiro gritou. Os passos se aproximaram. Uma cabeça ébria apareceu lá em cima, perguntou o que havia: -O que é que há? O coveiro então gritou, desesperado:- Tire-me daqui, por favor. Estou com um frio terrível! -Mas, coitado! - condoeu-se o bêbado - Tem toda razão de estar com frio. Alguém tirou a terra de cima de você, meu pobre mortinho! E, pegando a pá, encheu-a e pôs-se a cobri-lo cuidadosamente. Reflexão: Nos momentos graves é preciso verificar muito bem para quem se apela.
  • 22. DISCURSO DIRETO XDISCURSO INDIRETO • Presente A enfermeira afirmou: -É uma menina • Futuro do presente Pedrinho gritou: - Não sairei do carro. • Pretérito perfeito -Já esperei demais, retrucou com indignação. • Pretérito imperfeito A enfermeira afirmou que era uma menina. • Futuro do pretérito Pedrinho gritou que não sairia do carro. •Pretérito mais-que- perfeito Retrucou com indignação que já esperara (ou tinha esperado) demais.
  • 23. DISCURSO DIRETO XDISCURSO INDIRETO •Imperativo Olhou-a e disse secamente: - Deixe-me em paz. • Primeira ou segunda pessoa Maria disse: - Não quero sair com Roberto • • Pretérito imperfeito do subjuntivo Olhou-a e disse secamente que ela o deixasse em paz. • Terceira pessoa Maria disse que não queria sair com Roberto.
  • 24. DISCURSO DIRETO XDISCURSO INDIRETO • DEMONSTRATIVO ESTE OU ESSE Retirou o livro da estante e acrescentou: - Este é o melhor • VOCATIVO -Você quer café, João? -Perguntou a prima • FORMA INTERROGATIVA OU IMPERATIVA Abriu o estojo, contou os lápis e depois perguntou ansiosa: - E o amarelo? • DEMONSTRATIVO AQUELE Retirou o livro da estante e acrescentou que aquele era o melhor. • OBJETO INDIRETO NA ORAÇÃO PRINCIPAL A prima perguntou a João se ele queria café. • FORMA DECLARATIVA Abriu o estojo, contou os lápis e depois perguntou ansiosa pele amarelo. .