SlideShare uma empresa Scribd logo
Noções básicas sobre POEMA
A poesia é uma arte muito antiga e sabe-se que todas as literaturas começaram com textos em versos. Quando ouvimos dizer um poema, sentimos logo que se trata de um texto especial, que nos comove de maneira diferente de todos os outros, pelo que se diz e, sobretudo, como o diz.
No  texto poético   há um “eu” que fala das suas  emoções , do que sente em relação ao que o rodeia.  É o  eu lírico . É um texto onde há  subjetividade  e  linguagem figurada  e, normalmente, aparece escrito em  verso .
VERSO :   linha de um texto poético, dotada de ritmo e musicalidade. ESTROFE : grupo de versos que formam, geralmente, sentido completo num poema.  As estrofes do mesmo poema são separadas umas das outras por um espaço em branco.  POEMA :  conjunto de estrofes.
O Texto Poético . Na análise de um texto poético há que ter conta: » o nº de versos e estrofes; » as figuras de linguagem; » a rima (quanto à disposição, acentuação e riqueza); » os recursos expressivos; » o tema e o assunto.  Rima Disposição Emparelhada  (ex: a b b a)   Cruzada  (ex:  a   b   a   b )‏ Interpolada  (ex: a b b a)   Encadeada (  a última palavra do verso rima com uma palavra do meio verso seguinte)‏ 1º vs............... qui nta  a 2ºvs............... c ão  b 3ºvs............... p ão  b 4ºvs............... m inta  a Rima emparelhada Rima interpolada
Classificação da rima quanto ao seu lugar no verso As horas pela alam eda Arrastam vestes de s eda ,  Vestes de seda sonh ada   Pela alameda along ada .   a A rima é  emparelhada   porque rimam dois seguidos a b b
Nunca julgues que quem c anta É  feliz porque  é  ilus ão : Nem sempre diz a garg anta O que sente o cora ç ão .   a b a b A rima é  cruzada   porque os versos rimam alternadamente
Ó  meu rel ó gio de s ol , Agulha de mar e ar . Minha rota sobre o m ar , Faixa da luz do far ol !  a b b a A rima é  interpolada   nos 1º e 4º versos  porque estão separados por dois (ou mais) versos de rima diferente
Rima Acentuação o verso termina numa palavra oxítona o verso termina numa palavra paroxítona o verso termina numa palavra proparoxítona Riqueza Pobre  (as palavras que rimam pertencem à mesma classe gramatical; -ar, -inho...)‏ Rica Toante  (apenas rimam vogais)‏
Metro  –  é a medida do verso.   Escansão  –  A medição dos versos através da contagem de sílabas métricas . As sílabas métricas  podem não corresponder às sílabas gramaticais, pois  contam-se até à sílaba tônica da última palavra de cada verso. Há  elisão , ou seja, só se conta como  uma sílaba métrica, sempre que duas ou  três vogais puderem ser pronunciadas numa  só emissão de som. Ex.:  Ela ouviu... = e/l a / ou /viu > e/ l ou /viu).
Exemplificando: O/ po/e/ta/ é/ um/ fin/gi/dor  -   9 sílabas gramaticais Fin/ge/ tão/ com/ple/ta/men/te –  8 sílabas gramaticais Que/ che/ga/ a/ fin/gir/ que/ é/ dor –  9 sílabas gramaticais A/ dor/ que/ de/ve/ras/ sen/te. –  8 sílabas gramaticais O/ poe/ta é/ um/ fin/gi/dor   -  7 sílabas  métricas Fin/ge/ tão/ com/ple/ta/men/te  –  7 sílabas métricas  Que/ che/ga a/ fin/gir/ que é/ dor -  7 sílabas métricas A/ dor/ que/ de/ve/ras/ sen/te.  -  7 sílabas  métricas
FIGURAS DE HARMONIA  Chamam-se figuras de som ou de harmonia os efeitos produzidos na linguagem quando há repetição de sons ou, ainda, quando se procura "imitar"sons produzidos por coisas ou seres. As figuras de harmonia ou de som são: a) aliteração  c) assonância b) paronomásia  d) onomatopeia
Aliteração  Ocorre aliteração quando há repetição da mesma consoante ou de consoantes similares, geralmente em posição inicial da palavra. Exemplo: "Toda  g ente homena g eia  J anuária na  j anela." (Chico Buarque)‏
Assonância  Ocorre assonância quando há repetição da mesma vogal ao longo de um verso ou poema. Exemplo: "Sou  A na, da c a m a d a  c a n a , ful a n a , bac a n a Sou  A n a  de  A msterd a m." (Chico Buarque)‏
Paronomásia  Ocorre paronomásia quando há reprodução de sons semelhantes em palavras de significados diferentes.  Exemplo: "B erro  pelo at erro  pelo desterro b erro  por seu b erro  pelo seu  erro que ro  que  você g anhe  que você me ap anhe sou o seu bez erro  gritando mamãe." (Caetano Veloso)‏
Onomatopeia  Ocorre quando uma palavra ou conjunto de palavras imita um ruído ou som.  Exemplo: "O silêncio fresco despenca das árvores. Veio de longe, das planícies altas, Dos cerrados onde o guaxe passe rápido... Vvvvvvvv.. . passou." (Mário de Andrade)  "Ó rodas, ó engrenagens,  r-r-r-r-r-r-r  eterno." (Fernando Pessoa)‏
ANÁLISE COLETIVA DE ALGUNS POEMAS
Soneto da Fidelidade (Vinícius de Morais)‏ De tudo, ao meu amor serei atento Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto Que mesmo em face do maior encanto Dele se encante mais meu pensamento. Quero vivê-lo em cada vão momento E em seu louvor hei de espalhar meu canto E rir meu riso e derramar meu pranto Ao seu pesar ou seu contentamento. E assim quando mais tarde me procure Quem sabe a morte, angústia de quem vive Quem sabe a solidão, fim de quem ama. Eu possa me dizer do amor (que tive)‏ Que não seja imortal, posto que é chama Mas que seja infinito enquanto dure. Glossário:  Zelo:grande cuidado e preocupação que se dedica a alguém ou algo. Vão:que é falto de conteúdo ou se encontra vazio, oco.
Mãe (Mário Quintana)‏ Mãe... São três letras apenas As desse nome bendito: Também o Céu tem três letras... E nelas cabe o infinito. Para louvar nossa mãe, Todo o bem que se disse Nunca há de ser tão grande Como o bem que ela nos quer... Palavra tão pequenina, Bem sabem os lábios meus Que és do tamanho do Céu E apenas menor que Deus!
Ou Isto Ou Aquilo (Cecília Meireles)‏ Ou se tem chuva e não se tem sol, ou se tem sol e não se tem chuva! Ou se calça a luva e não se põe o anel, ou se põe o anel e não se calça a luva! Quem sobe nos ares não fica no chão, quem fica no chão não sobe nos ares. É uma grande pena que não se possa estar ao mesmo tempo nos dois lugares! Ou guardo o dinheiro e não compro o doce, ou compro o doce e gasto o dinheiro. Ou isto ou aquilo: ou isto ou aquilo... e vivo escolhendo o dia inteiro! Não sei se brinco, não sei se estudo, se saio correndo ou fico tranquilo. Mas não consegui entender ainda qual é melhor: se é isto ou aquilo.
Ouvir Estrelas (Olavo Bilac)‏ "Ora (direis) ouvir estrelas! Certo Perdeste o senso!" E eu vos direi, no entanto, Que, para ouvi-las, muitas vezes desperto E abro as janelas, pálido de espanto... E conversamos toda a noite, enquanto A Via-Láctea, como um pálio aberto, Cintila. E, ao vir do sol, saudoso e em pranto, Inda as procuro pelo céu deserto. Direis agora: "Tresloucado amigo! Que conversas com elas? Que sentido Tem o que dizem, quando estão contigo?" E eu vos direi: "Amai para entendê-las! Pois só quem ama pode ter ouvido Capaz de ouvir e de entender estrelas." Glossário: Inda: ainda Direis: você dirá, você vai dizer. Senso: juízo, sensatez. Tresloucado: louco, amalucado, desvairado.
Deus (Casimiro de Abreu)‏ “  Eu me lembro, eu me lembro! Era pequeno E brincava na praia; o mar bramia E, erguendo o dorso altivo, sacudia A branca escuma para o céu sereno. E eu disse à minha mãe nesse momento: “ Que dura orquestra! Que furor insano! Que pode haver maior do que o oceano,  Ou que seja mais forte do que o vento ?” Minha mãe a sorrir olhou p´ros céus E respondeu : “Um ser que nós não vemos É maior do que o mar, que nós tememos,  Mais forte que o tufão! Meu filho, é... Deus!”  Glossário: bramia:gritava colericamente, exaltado. dorso: face superior ou posterior de qualquer parte do corpo. altivo: alto, dotado de brio, de dignidade; ilustre.  furor: manifestação de ira extrema; ação violenta; cólera.  insano: louco.
Mar Português (Fernando Pessoa)‏ Ó mar salgado, quanto do teu sal São lágrimas de Portugal! Por te cruzarmos, quantas mães choraram, Quantos filhos em vão rezaram! Quantas noivas ficaram por casar Para que fosses nosso, ó mar! Valeu a pena? Tudo vale a pena Se a alma não é pequena. Quem quer passar além do Bojador Tem que passar além da dor. Deus ao mar o perigo e o abismo deu, Mas nele é que espelhou o céu. Glossário: Bojador: na época das Grandes Navegações, o Cabo Bojador era conhecido como Cabo do Medo e considerado bem longe. Ele fica na costa do Saara, na África.
FIM

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Poema 6º ano
Poema 6º anoPoema 6º ano
Poema 6º ano
Andrea Dutra
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
Zenia Ferreira
 
LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP06)
LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP06)LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP06)
LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP06)
GernciadeProduodeMat
 
LÍNGUA PORTUGUESA | 3ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP04) D4
LÍNGUA PORTUGUESA | 3ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP04) D4LÍNGUA PORTUGUESA | 3ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP04) D4
LÍNGUA PORTUGUESA | 3ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP04) D4
GernciadeProduodeMat
 
Oficina de descritores português 9º ano
Oficina de descritores português 9º anoOficina de descritores português 9º ano
Oficina de descritores português 9º ano
ClaudiaAdrianaSouzaS
 
Metrificação e escansão
Metrificação e escansãoMetrificação e escansão
Metrificação e escansão
Flavio Maia Custodio
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
Andriane Cursino
 
Descritores spaece - língua portuguesa
Descritores   spaece - língua portuguesaDescritores   spaece - língua portuguesa
Descritores spaece - língua portuguesa
PacatubaLei
 
Conteúdos Programáticos 2º ano do Ensino Médio
Conteúdos Programáticos 2º ano do Ensino MédioConteúdos Programáticos 2º ano do Ensino Médio
Conteúdos Programáticos 2º ano do Ensino Médio
Jomari
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
Francis Paula
 
Paralelismo sintático e semântico
Paralelismo sintático e semânticoParalelismo sintático e semântico
Paralelismo sintático e semântico
Ana Lúcia Moura Neves
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
Andriane Cursino
 
Análise da estrutura e conteúdo dos poemas
Análise da estrutura e conteúdo dos poemasAnálise da estrutura e conteúdo dos poemas
Análise da estrutura e conteúdo dos poemas
Péricles Penuel
 
Conjunções
ConjunçõesConjunções
Conjunções
guest6e3949
 
COESÃO E COERÊNCIA - 8 ANO - VR.pdf
COESÃO E COERÊNCIA - 8 ANO - VR.pdfCOESÃO E COERÊNCIA - 8 ANO - VR.pdf
COESÃO E COERÊNCIA - 8 ANO - VR.pdf
JosVeniciusRamosdaSi
 
FICHA - TIPOLOGIAS TEXTUAIS - Gabarito.pdf
FICHA - TIPOLOGIAS TEXTUAIS - Gabarito.pdfFICHA - TIPOLOGIAS TEXTUAIS - Gabarito.pdf
FICHA - TIPOLOGIAS TEXTUAIS - Gabarito.pdf
Natália Moura
 
Conjunções exercícios de fixação
Conjunções   exercícios de fixaçãoConjunções   exercícios de fixação
Conjunções exercícios de fixação
Suellen87
 
LÍNGUA PORTUGUESA | SEMANA 36 |3ª SÉRIE | TESE E ARGUMENTOS NOS TEXTOS OPINAT...
LÍNGUA PORTUGUESA | SEMANA 36 |3ª SÉRIE | TESE E ARGUMENTOS NOS TEXTOS OPINAT...LÍNGUA PORTUGUESA | SEMANA 36 |3ª SÉRIE | TESE E ARGUMENTOS NOS TEXTOS OPINAT...
LÍNGUA PORTUGUESA | SEMANA 36 |3ª SÉRIE | TESE E ARGUMENTOS NOS TEXTOS OPINAT...
GoisBemnoEnem
 
JOGO DA MEMÓRIA (FIGURAS DE LINGUAGEM).docx
JOGO DA MEMÓRIA (FIGURAS DE LINGUAGEM).docxJOGO DA MEMÓRIA (FIGURAS DE LINGUAGEM).docx
JOGO DA MEMÓRIA (FIGURAS DE LINGUAGEM).docx
Paula Meyer Piagentini
 
Plano de aula crônica
Plano de aula crônicaPlano de aula crônica
Plano de aula crônica
LucianaProf
 

Mais procurados (20)

Poema 6º ano
Poema 6º anoPoema 6º ano
Poema 6º ano
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
 
LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP06)
LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP06)LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP06)
LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP06)
 
LÍNGUA PORTUGUESA | 3ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP04) D4
LÍNGUA PORTUGUESA | 3ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP04) D4LÍNGUA PORTUGUESA | 3ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP04) D4
LÍNGUA PORTUGUESA | 3ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP04) D4
 
Oficina de descritores português 9º ano
Oficina de descritores português 9º anoOficina de descritores português 9º ano
Oficina de descritores português 9º ano
 
Metrificação e escansão
Metrificação e escansãoMetrificação e escansão
Metrificação e escansão
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
 
Descritores spaece - língua portuguesa
Descritores   spaece - língua portuguesaDescritores   spaece - língua portuguesa
Descritores spaece - língua portuguesa
 
Conteúdos Programáticos 2º ano do Ensino Médio
Conteúdos Programáticos 2º ano do Ensino MédioConteúdos Programáticos 2º ano do Ensino Médio
Conteúdos Programáticos 2º ano do Ensino Médio
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
 
Paralelismo sintático e semântico
Paralelismo sintático e semânticoParalelismo sintático e semântico
Paralelismo sintático e semântico
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
 
Análise da estrutura e conteúdo dos poemas
Análise da estrutura e conteúdo dos poemasAnálise da estrutura e conteúdo dos poemas
Análise da estrutura e conteúdo dos poemas
 
Conjunções
ConjunçõesConjunções
Conjunções
 
COESÃO E COERÊNCIA - 8 ANO - VR.pdf
COESÃO E COERÊNCIA - 8 ANO - VR.pdfCOESÃO E COERÊNCIA - 8 ANO - VR.pdf
COESÃO E COERÊNCIA - 8 ANO - VR.pdf
 
FICHA - TIPOLOGIAS TEXTUAIS - Gabarito.pdf
FICHA - TIPOLOGIAS TEXTUAIS - Gabarito.pdfFICHA - TIPOLOGIAS TEXTUAIS - Gabarito.pdf
FICHA - TIPOLOGIAS TEXTUAIS - Gabarito.pdf
 
Conjunções exercícios de fixação
Conjunções   exercícios de fixaçãoConjunções   exercícios de fixação
Conjunções exercícios de fixação
 
LÍNGUA PORTUGUESA | SEMANA 36 |3ª SÉRIE | TESE E ARGUMENTOS NOS TEXTOS OPINAT...
LÍNGUA PORTUGUESA | SEMANA 36 |3ª SÉRIE | TESE E ARGUMENTOS NOS TEXTOS OPINAT...LÍNGUA PORTUGUESA | SEMANA 36 |3ª SÉRIE | TESE E ARGUMENTOS NOS TEXTOS OPINAT...
LÍNGUA PORTUGUESA | SEMANA 36 |3ª SÉRIE | TESE E ARGUMENTOS NOS TEXTOS OPINAT...
 
JOGO DA MEMÓRIA (FIGURAS DE LINGUAGEM).docx
JOGO DA MEMÓRIA (FIGURAS DE LINGUAGEM).docxJOGO DA MEMÓRIA (FIGURAS DE LINGUAGEM).docx
JOGO DA MEMÓRIA (FIGURAS DE LINGUAGEM).docx
 
Plano de aula crônica
Plano de aula crônicaPlano de aula crônica
Plano de aula crônica
 

Destaque

Cecília Meireles
Cecília MeirelesCecília Meireles
Cecília Meireles
josealvesferreira
 
Planificação de poemas de cecilia meireles
Planificação de poemas de cecilia meirelesPlanificação de poemas de cecilia meireles
Planificação de poemas de cecilia meireles
Filomena Claudino
 
Ou isto ou aquilo
Ou isto ou aquiloOu isto ou aquilo
Ou isto ou aquilo
Echirley
 
Ou Isto ou Aquilo - Cecília Meireles
Ou Isto ou Aquilo - Cecília MeirelesOu Isto ou Aquilo - Cecília Meireles
Ou Isto ou Aquilo - Cecília Meireles
Mima Badan
 
Ou Isso Ou Aquilo
Ou Isso Ou AquiloOu Isso Ou Aquilo
Ou Isso Ou Aquilo
miriam catao
 
Poesias De CecíLia Meireles
Poesias De CecíLia MeirelesPoesias De CecíLia Meireles
Poesias De CecíLia Meireles
Romy23
 

Destaque (6)

Cecília Meireles
Cecília MeirelesCecília Meireles
Cecília Meireles
 
Planificação de poemas de cecilia meireles
Planificação de poemas de cecilia meirelesPlanificação de poemas de cecilia meireles
Planificação de poemas de cecilia meireles
 
Ou isto ou aquilo
Ou isto ou aquiloOu isto ou aquilo
Ou isto ou aquilo
 
Ou Isto ou Aquilo - Cecília Meireles
Ou Isto ou Aquilo - Cecília MeirelesOu Isto ou Aquilo - Cecília Meireles
Ou Isto ou Aquilo - Cecília Meireles
 
Ou Isso Ou Aquilo
Ou Isso Ou AquiloOu Isso Ou Aquilo
Ou Isso Ou Aquilo
 
Poesias De CecíLia Meireles
Poesias De CecíLia MeirelesPoesias De CecíLia Meireles
Poesias De CecíLia Meireles
 

Semelhante a Explicação sobre texto poético para Fundamental

Explicacaopoemapp 110926203012-phpapp01
Explicacaopoemapp 110926203012-phpapp01Explicacaopoemapp 110926203012-phpapp01
Explicacaopoemapp 110926203012-phpapp01
Maria De Jesus Soares
 
Versificação
VersificaçãoVersificação
Versificação
Juliana Lannes
 
Gênero lírico - Profª Vivian Trombini
Gênero lírico - Profª Vivian TrombiniGênero lírico - Profª Vivian Trombini
Gênero lírico - Profª Vivian Trombini
VIVIAN TROMBINI
 
Gênero Lírico
Gênero LíricoGênero Lírico
Gênero Lírico
Ana Cristina Santos
 
Redação: Versificação
Redação: VersificaçãoRedação: Versificação
Redação: Versificação
7 de Setembro
 
Construção de poemas
Construção de poemasConstrução de poemas
Construção de poemas
Eliane Salete Hirt
 
Linguagem poética e versificação
Linguagem poética e versificaçãoLinguagem poética e versificação
Linguagem poética e versificação
Roberta Savana
 
Livrinho Jogando e escrevendo poemas
Livrinho Jogando e escrevendo poemasLivrinho Jogando e escrevendo poemas
Livrinho Jogando e escrevendo poemas
Aline França Russo
 
Texto Lírico - Nocões de Versificação
Texto Lírico - Nocões de VersificaçãoTexto Lírico - Nocões de Versificação
Texto Lírico - Nocões de Versificação
Cristina Seiça
 
Nota iii escansão poemas
Nota iii escansão poemasNota iii escansão poemas
Nota iii escansão poemas
Péricles Penuel
 
Versos e seus recursos musicais (1º ano do Ensino Médio)
Versos e seus recursos musicais (1º ano do Ensino Médio)Versos e seus recursos musicais (1º ano do Ensino Médio)
Versos e seus recursos musicais (1º ano do Ensino Médio)
Cristina Ramos
 
Poesia e poema
Poesia e poemaPoesia e poema
Poesia e poema
ionasilva
 
A poesia - Definições e Característicass
A poesia - Definições e CaracterísticassA poesia - Definições e Característicass
A poesia - Definições e Característicass
Augusto Costa
 
Poema _ aula sobre poema.docx
Poema _ aula sobre poema.docxPoema _ aula sobre poema.docx
Poema _ aula sobre poema.docx
ssusere47050
 
Nota teoria i escansão poemas cecília meire s gaba
Nota  teoria i escansão poemas cecília meire s gabaNota  teoria i escansão poemas cecília meire s gaba
Nota teoria i escansão poemas cecília meire s gaba
Péricles Penuel
 
Nota teoria i escansão poemas cecília meire s gaba
Nota  teoria i escansão poemas cecília meire s gabaNota  teoria i escansão poemas cecília meire s gaba
Nota teoria i escansão poemas cecília meire s gaba
Péricles Penuel
 
O texto poetico2 (1)
O texto poetico2 (1)O texto poetico2 (1)
O texto poetico2 (1)
Belmira Baptista
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
A métrica e a rima
A métrica e a rimaA métrica e a rima
A métrica e a rima
Isabel DA COSTA
 
Texto poético - Noções de versificação
Texto poético - Noções de versificaçãoTexto poético - Noções de versificação
Texto poético - Noções de versificação
Susana Sobrenome
 

Semelhante a Explicação sobre texto poético para Fundamental (20)

Explicacaopoemapp 110926203012-phpapp01
Explicacaopoemapp 110926203012-phpapp01Explicacaopoemapp 110926203012-phpapp01
Explicacaopoemapp 110926203012-phpapp01
 
Versificação
VersificaçãoVersificação
Versificação
 
Gênero lírico - Profª Vivian Trombini
Gênero lírico - Profª Vivian TrombiniGênero lírico - Profª Vivian Trombini
Gênero lírico - Profª Vivian Trombini
 
Gênero Lírico
Gênero LíricoGênero Lírico
Gênero Lírico
 
Redação: Versificação
Redação: VersificaçãoRedação: Versificação
Redação: Versificação
 
Construção de poemas
Construção de poemasConstrução de poemas
Construção de poemas
 
Linguagem poética e versificação
Linguagem poética e versificaçãoLinguagem poética e versificação
Linguagem poética e versificação
 
Livrinho Jogando e escrevendo poemas
Livrinho Jogando e escrevendo poemasLivrinho Jogando e escrevendo poemas
Livrinho Jogando e escrevendo poemas
 
Texto Lírico - Nocões de Versificação
Texto Lírico - Nocões de VersificaçãoTexto Lírico - Nocões de Versificação
Texto Lírico - Nocões de Versificação
 
Nota iii escansão poemas
Nota iii escansão poemasNota iii escansão poemas
Nota iii escansão poemas
 
Versos e seus recursos musicais (1º ano do Ensino Médio)
Versos e seus recursos musicais (1º ano do Ensino Médio)Versos e seus recursos musicais (1º ano do Ensino Médio)
Versos e seus recursos musicais (1º ano do Ensino Médio)
 
Poesia e poema
Poesia e poemaPoesia e poema
Poesia e poema
 
A poesia - Definições e Característicass
A poesia - Definições e CaracterísticassA poesia - Definições e Característicass
A poesia - Definições e Característicass
 
Poema _ aula sobre poema.docx
Poema _ aula sobre poema.docxPoema _ aula sobre poema.docx
Poema _ aula sobre poema.docx
 
Nota teoria i escansão poemas cecília meire s gaba
Nota  teoria i escansão poemas cecília meire s gabaNota  teoria i escansão poemas cecília meire s gaba
Nota teoria i escansão poemas cecília meire s gaba
 
Nota teoria i escansão poemas cecília meire s gaba
Nota  teoria i escansão poemas cecília meire s gabaNota  teoria i escansão poemas cecília meire s gaba
Nota teoria i escansão poemas cecília meire s gaba
 
O texto poetico2 (1)
O texto poetico2 (1)O texto poetico2 (1)
O texto poetico2 (1)
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
A métrica e a rima
A métrica e a rimaA métrica e a rima
A métrica e a rima
 
Texto poético - Noções de versificação
Texto poético - Noções de versificaçãoTexto poético - Noções de versificação
Texto poético - Noções de versificação
 

Mais de Aline França Russo

Gabarito livrinho coesao
Gabarito livrinho coesaoGabarito livrinho coesao
Gabarito livrinho coesao
Aline França Russo
 
Roteiro do resumo do capítulo 4: Revolucao Russa
Roteiro do resumo do capítulo 4: Revolucao RussaRoteiro do resumo do capítulo 4: Revolucao Russa
Roteiro do resumo do capítulo 4: Revolucao Russa
Aline França Russo
 
Planejamento paragrafo
Planejamento paragrafoPlanejamento paragrafo
Planejamento paragrafo
Aline França Russo
 
Reportagem desafios de um mundo em crescimento
Reportagem desafios de um mundo em crescimentoReportagem desafios de um mundo em crescimento
Reportagem desafios de um mundo em crescimento
Aline França Russo
 
Folha paragrafo padrao 1
Folha paragrafo padrao 1Folha paragrafo padrao 1
Folha paragrafo padrao 1
Aline França Russo
 
Regras de acentuação - simples
Regras de acentuação - simplesRegras de acentuação - simples
Regras de acentuação - simples
Aline França Russo
 
Jornalzinho do 6 ano pdf
Jornalzinho do 6 ano pdfJornalzinho do 6 ano pdf
Jornalzinho do 6 ano pdf
Aline França Russo
 
Livrinho do 6 ano completo
Livrinho do 6 ano completoLivrinho do 6 ano completo
Livrinho do 6 ano completo
Aline França Russo
 
Livrinho explicacao e atividades de pontuação
Livrinho explicacao e atividades de pontuaçãoLivrinho explicacao e atividades de pontuação
Livrinho explicacao e atividades de pontuação
Aline França Russo
 

Mais de Aline França Russo (9)

Gabarito livrinho coesao
Gabarito livrinho coesaoGabarito livrinho coesao
Gabarito livrinho coesao
 
Roteiro do resumo do capítulo 4: Revolucao Russa
Roteiro do resumo do capítulo 4: Revolucao RussaRoteiro do resumo do capítulo 4: Revolucao Russa
Roteiro do resumo do capítulo 4: Revolucao Russa
 
Planejamento paragrafo
Planejamento paragrafoPlanejamento paragrafo
Planejamento paragrafo
 
Reportagem desafios de um mundo em crescimento
Reportagem desafios de um mundo em crescimentoReportagem desafios de um mundo em crescimento
Reportagem desafios de um mundo em crescimento
 
Folha paragrafo padrao 1
Folha paragrafo padrao 1Folha paragrafo padrao 1
Folha paragrafo padrao 1
 
Regras de acentuação - simples
Regras de acentuação - simplesRegras de acentuação - simples
Regras de acentuação - simples
 
Jornalzinho do 6 ano pdf
Jornalzinho do 6 ano pdfJornalzinho do 6 ano pdf
Jornalzinho do 6 ano pdf
 
Livrinho do 6 ano completo
Livrinho do 6 ano completoLivrinho do 6 ano completo
Livrinho do 6 ano completo
 
Livrinho explicacao e atividades de pontuação
Livrinho explicacao e atividades de pontuaçãoLivrinho explicacao e atividades de pontuação
Livrinho explicacao e atividades de pontuação
 

Último

Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AntonioVieira539017
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 

Último (20)

Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 

Explicação sobre texto poético para Fundamental

  • 2. A poesia é uma arte muito antiga e sabe-se que todas as literaturas começaram com textos em versos. Quando ouvimos dizer um poema, sentimos logo que se trata de um texto especial, que nos comove de maneira diferente de todos os outros, pelo que se diz e, sobretudo, como o diz.
  • 3. No texto poético há um “eu” que fala das suas emoções , do que sente em relação ao que o rodeia. É o eu lírico . É um texto onde há subjetividade e linguagem figurada e, normalmente, aparece escrito em verso .
  • 4. VERSO : linha de um texto poético, dotada de ritmo e musicalidade. ESTROFE : grupo de versos que formam, geralmente, sentido completo num poema. As estrofes do mesmo poema são separadas umas das outras por um espaço em branco. POEMA : conjunto de estrofes.
  • 5. O Texto Poético . Na análise de um texto poético há que ter conta: » o nº de versos e estrofes; » as figuras de linguagem; » a rima (quanto à disposição, acentuação e riqueza); » os recursos expressivos; » o tema e o assunto. Rima Disposição Emparelhada (ex: a b b a) Cruzada (ex: a b a b )‏ Interpolada (ex: a b b a) Encadeada ( a última palavra do verso rima com uma palavra do meio verso seguinte)‏ 1º vs............... qui nta a 2ºvs............... c ão b 3ºvs............... p ão b 4ºvs............... m inta a Rima emparelhada Rima interpolada
  • 6. Classificação da rima quanto ao seu lugar no verso As horas pela alam eda Arrastam vestes de s eda , Vestes de seda sonh ada Pela alameda along ada . a A rima é emparelhada porque rimam dois seguidos a b b
  • 7. Nunca julgues que quem c anta É feliz porque é ilus ão : Nem sempre diz a garg anta O que sente o cora ç ão . a b a b A rima é cruzada porque os versos rimam alternadamente
  • 8. Ó meu rel ó gio de s ol , Agulha de mar e ar . Minha rota sobre o m ar , Faixa da luz do far ol ! a b b a A rima é interpolada nos 1º e 4º versos porque estão separados por dois (ou mais) versos de rima diferente
  • 9. Rima Acentuação o verso termina numa palavra oxítona o verso termina numa palavra paroxítona o verso termina numa palavra proparoxítona Riqueza Pobre (as palavras que rimam pertencem à mesma classe gramatical; -ar, -inho...)‏ Rica Toante (apenas rimam vogais)‏
  • 10. Metro – é a medida do verso. Escansão – A medição dos versos através da contagem de sílabas métricas . As sílabas métricas podem não corresponder às sílabas gramaticais, pois contam-se até à sílaba tônica da última palavra de cada verso. Há elisão , ou seja, só se conta como uma sílaba métrica, sempre que duas ou três vogais puderem ser pronunciadas numa só emissão de som. Ex.: Ela ouviu... = e/l a / ou /viu > e/ l ou /viu).
  • 11. Exemplificando: O/ po/e/ta/ é/ um/ fin/gi/dor - 9 sílabas gramaticais Fin/ge/ tão/ com/ple/ta/men/te – 8 sílabas gramaticais Que/ che/ga/ a/ fin/gir/ que/ é/ dor – 9 sílabas gramaticais A/ dor/ que/ de/ve/ras/ sen/te. – 8 sílabas gramaticais O/ poe/ta é/ um/ fin/gi/dor - 7 sílabas métricas Fin/ge/ tão/ com/ple/ta/men/te – 7 sílabas métricas Que/ che/ga a/ fin/gir/ que é/ dor - 7 sílabas métricas A/ dor/ que/ de/ve/ras/ sen/te. - 7 sílabas métricas
  • 12. FIGURAS DE HARMONIA Chamam-se figuras de som ou de harmonia os efeitos produzidos na linguagem quando há repetição de sons ou, ainda, quando se procura "imitar"sons produzidos por coisas ou seres. As figuras de harmonia ou de som são: a) aliteração c) assonância b) paronomásia d) onomatopeia
  • 13. Aliteração Ocorre aliteração quando há repetição da mesma consoante ou de consoantes similares, geralmente em posição inicial da palavra. Exemplo: "Toda g ente homena g eia J anuária na j anela." (Chico Buarque)‏
  • 14. Assonância Ocorre assonância quando há repetição da mesma vogal ao longo de um verso ou poema. Exemplo: "Sou A na, da c a m a d a c a n a , ful a n a , bac a n a Sou A n a de A msterd a m." (Chico Buarque)‏
  • 15. Paronomásia Ocorre paronomásia quando há reprodução de sons semelhantes em palavras de significados diferentes. Exemplo: "B erro pelo at erro pelo desterro b erro por seu b erro pelo seu erro que ro que você g anhe que você me ap anhe sou o seu bez erro gritando mamãe." (Caetano Veloso)‏
  • 16. Onomatopeia Ocorre quando uma palavra ou conjunto de palavras imita um ruído ou som. Exemplo: "O silêncio fresco despenca das árvores. Veio de longe, das planícies altas, Dos cerrados onde o guaxe passe rápido... Vvvvvvvv.. . passou." (Mário de Andrade) "Ó rodas, ó engrenagens, r-r-r-r-r-r-r eterno." (Fernando Pessoa)‏
  • 17. ANÁLISE COLETIVA DE ALGUNS POEMAS
  • 18. Soneto da Fidelidade (Vinícius de Morais)‏ De tudo, ao meu amor serei atento Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto Que mesmo em face do maior encanto Dele se encante mais meu pensamento. Quero vivê-lo em cada vão momento E em seu louvor hei de espalhar meu canto E rir meu riso e derramar meu pranto Ao seu pesar ou seu contentamento. E assim quando mais tarde me procure Quem sabe a morte, angústia de quem vive Quem sabe a solidão, fim de quem ama. Eu possa me dizer do amor (que tive)‏ Que não seja imortal, posto que é chama Mas que seja infinito enquanto dure. Glossário: Zelo:grande cuidado e preocupação que se dedica a alguém ou algo. Vão:que é falto de conteúdo ou se encontra vazio, oco.
  • 19. Mãe (Mário Quintana)‏ Mãe... São três letras apenas As desse nome bendito: Também o Céu tem três letras... E nelas cabe o infinito. Para louvar nossa mãe, Todo o bem que se disse Nunca há de ser tão grande Como o bem que ela nos quer... Palavra tão pequenina, Bem sabem os lábios meus Que és do tamanho do Céu E apenas menor que Deus!
  • 20. Ou Isto Ou Aquilo (Cecília Meireles)‏ Ou se tem chuva e não se tem sol, ou se tem sol e não se tem chuva! Ou se calça a luva e não se põe o anel, ou se põe o anel e não se calça a luva! Quem sobe nos ares não fica no chão, quem fica no chão não sobe nos ares. É uma grande pena que não se possa estar ao mesmo tempo nos dois lugares! Ou guardo o dinheiro e não compro o doce, ou compro o doce e gasto o dinheiro. Ou isto ou aquilo: ou isto ou aquilo... e vivo escolhendo o dia inteiro! Não sei se brinco, não sei se estudo, se saio correndo ou fico tranquilo. Mas não consegui entender ainda qual é melhor: se é isto ou aquilo.
  • 21. Ouvir Estrelas (Olavo Bilac)‏ "Ora (direis) ouvir estrelas! Certo Perdeste o senso!" E eu vos direi, no entanto, Que, para ouvi-las, muitas vezes desperto E abro as janelas, pálido de espanto... E conversamos toda a noite, enquanto A Via-Láctea, como um pálio aberto, Cintila. E, ao vir do sol, saudoso e em pranto, Inda as procuro pelo céu deserto. Direis agora: "Tresloucado amigo! Que conversas com elas? Que sentido Tem o que dizem, quando estão contigo?" E eu vos direi: "Amai para entendê-las! Pois só quem ama pode ter ouvido Capaz de ouvir e de entender estrelas." Glossário: Inda: ainda Direis: você dirá, você vai dizer. Senso: juízo, sensatez. Tresloucado: louco, amalucado, desvairado.
  • 22. Deus (Casimiro de Abreu)‏ “ Eu me lembro, eu me lembro! Era pequeno E brincava na praia; o mar bramia E, erguendo o dorso altivo, sacudia A branca escuma para o céu sereno. E eu disse à minha mãe nesse momento: “ Que dura orquestra! Que furor insano! Que pode haver maior do que o oceano, Ou que seja mais forte do que o vento ?” Minha mãe a sorrir olhou p´ros céus E respondeu : “Um ser que nós não vemos É maior do que o mar, que nós tememos, Mais forte que o tufão! Meu filho, é... Deus!” Glossário: bramia:gritava colericamente, exaltado. dorso: face superior ou posterior de qualquer parte do corpo. altivo: alto, dotado de brio, de dignidade; ilustre. furor: manifestação de ira extrema; ação violenta; cólera. insano: louco.
  • 23. Mar Português (Fernando Pessoa)‏ Ó mar salgado, quanto do teu sal São lágrimas de Portugal! Por te cruzarmos, quantas mães choraram, Quantos filhos em vão rezaram! Quantas noivas ficaram por casar Para que fosses nosso, ó mar! Valeu a pena? Tudo vale a pena Se a alma não é pequena. Quem quer passar além do Bojador Tem que passar além da dor. Deus ao mar o perigo e o abismo deu, Mas nele é que espelhou o céu. Glossário: Bojador: na época das Grandes Navegações, o Cabo Bojador era conhecido como Cabo do Medo e considerado bem longe. Ele fica na costa do Saara, na África.
  • 24. FIM