SlideShare uma empresa Scribd logo
Fonte: www.youtube.com.br Caso não consiga assistir ao filme, clique no link  http://www.youtube.com/watch?v=KJ5SC5tQx7Q Língua Portuguesa  CONTOS FLOR, TELEFONE, MOÇA
Língua Portuguesa  CONTOS A história que acabamos de ler e ouvir é um famoso conto do mineiro Carlos Drummond de Andrade. Uma  narrativa bela, melancólica e que perpassa pelo sobrenatural, relatando um episódio na vida de uma moça que retira uma flor de um jazigo e passa a receber estranhos telefonemas. O que vocês acharam do conto que acabamos de ler? Que sensações vocês tiveram ao ler o conto?  - De medo? - De estranheza? - De angústia? - De desassossego? Na sua opinião, que sensação o autor queria nos fazer sentir ao escrever este conto?
Língua Portuguesa  CONTOS Breve análise do texto  “Flor, telefone e moça” 1. Personagens: a moça, a voz que pede a flor e o pai da moça. 2. Foco narrativo em 3ª pessoa. 3. Espaço: o cemitério e a casa da moça. 4. Predominância de coloquialismo. 5. Os diálogos são importantes porque criam ritmo e apresentam a evolução do conflito que se dá entre a moça e a voz. 6. Desperta medo e talvez um mal-estar no leitor.
Língua Portuguesa  CONTOS 7. O texto inicia com o recurso da metalinguagem: “Não, não é um conto. Sou apenas um sujeito que escuta algumas vezes, que outras não escutam, e vai passando.”  8. Esse conto faz parte de uma atmosfera em que a linguagem mais sugere do que descreve, e o leitor se vê obrigado a participar da obra para tentar descobrir as mais íntimas intenções do autor. 9. O conto mexe com o fantástico: a voz de uma pessoa que está morta atormenta a moça que rouba uma flor de uma sepultura (e que, aliás, não era uma sepultura qualquer... A voz sabia que a flor foi tirada de  sua  sepultura).
Língua Portuguesa  CONTOS 10. Desfecho carregado de tensão: o autor utiliza de superstições do imaginário coletivo. 11. O conto causa perturbação e a tensão vai aumentando à medida que avançamos na leitura. 12. O final do conto é previsível.
Língua Portuguesa  CONTOS Narrativas que apresentam características como as que acabamos de enumerar são conhecidas como  CONTO.   Segundo Afrânio Coutinho, em sua obra  Notas de teoria literária ,  “o contista oferece uma amostra, através de um episódio, um flagrante ou um instantâneo, um momento singular e representativo. Procura obter a unidade de impressão rapidamente, à custa da máxima concentração e economia de meios.”
Língua Portuguesa  CONTOS Veja a seguir as características do CONTO: Geralmente são narrativas curtas, tanto em extensão quanto no tempo em que passam; A linguagem é direta e simples, não requer muitas figuras ou funções de linguagem na tentativa de evitar a pluralidade de sentido; O desfecho quase sempre é carregado de tensão, sendo muitas vezes enigmático até o último instante; todas as ações narradas se encaminham diretamente para a sua compreensão;
Língua Portuguesa  CONTOS Envolve um número pequeno de personagens, e todos eles estão envolvidos em uma mesma ação;  As ações narradas se passam no mesmo espaço, constitutindo um único conflito; As palavras são muito importantes; há que se cuidar sempre de como utilizá-las melhor e com habilidade, pois elas sugerem ao leitor o desfecho e a solução do conflito presente na narrativa. Não tem compromisso com o real; pode fazer alusões tanto ao real quanto ao fantástico; Não exige uma linguagem culta ou padronizada; pode ser contado com as próprias palavras do narrador buscando manter a sua forma mais simples;
Língua Portuguesa  CONTOS Os diálogos costumam ter grande importância, pois expõem os personagens aos conflitos e discussões apresentados na narrativa; Apresenta unidade de ação, ritmo, concisão; Trabalha o conceito de “imprevisível” mas dentro de um parâmetro previsto, ou seja, não é porque é imprevisível que tudo se torna possibilidade; Causa um efeito singular no leitor, provocando-o  até o seu desfecho; Todos os seus detalhes desempenham um papel importante na narrativa.
Língua Portuguesa  CONTOS Em sua manifestação oral, o conto surgiu nas antigas civilizações por meio de narrativas imaginárias e fantásticas, constituindo uma das grandes expressões folclóricas de boa parte dos países ocidentais.  Uma grande obra do gênero é a coletânea  As Mil e Uma Noites,  uma das mais famosas de todo o mundo. Já como gênero literário escrito, o conto começaria a fixar-se a partir do século XVIII, com textos de Voltaire, estabelecendo-se definitivamente no século XIX com obras de Merimée, Balzac, Daudet, Poe, Hoffmann, Gogol, sendo mais tarde cultivado por Tchekhov, Machado de Assis, Eça de Queirós e Camilo Castelo Branco. Já no século XX, Monteiro Lobato e Clarice Lispector são considerados grandes contistas.
Língua Portuguesa  CONTOS Discussões acerca do conto e de suas características segundo o jornalista e crítico literário Hohlfeldt: Conto rural:  a ação dramática está voltada ao espaço rural; Conto alegórico:  tem dois elementos comuns: a alegoria e a ironia, esta última como sendo um dos seus principais instrumentos; Conto psicológico:  este é centrado no discurso dos personagens; Conto de costumes:  representação da  realidade;
Língua Portuguesa  CONTOS Conto de atmosfera:  desenvolve-se através da psicologia dos personagens  e estrutura-se em torno deles; Conto sócio-documental:  preocupação com as classes sociais mantidas à força na subalternidade da estrutura social. Geralmente trabalha com tema polêmicos.   Observação: a classificação apresentada pode ter variações.  Os autores costumam produzir seus  textos mesclando essas e outras características.
Língua Portuguesa  CONTOS Tipos de discursos presentes em  contos: Direto :  as personagens conversam, daí a marca de travessões. É um dos discursos mais presentes em contos. Indireto:   a personagem conta como o diálogo aconteceu, reproduzindo-o, muitas vezes, com detalhes.  Indireto livre:  nota-se a presença do narrador, mas como complementação do que diz o autor, percebe-se também os diálogos indiretos da personagem. Esse discurso expõe os pensamentos da personagem sem tirar do narrador o seu papel de mediador na narrativa.   Monólogo interior:  é o relato do que se passa no mundo psíquico da personagem; ela fala consigo mesma.
Língua Portuguesa  CONTOS Veja o vídeo abaixo e responda às perguntas que se seguem: Fonte: www.youtube.com.br Caso não consiga assistir ao filme, clique no link  http://www.youtube.com/watch?v=rT7Ql3gXPlM
Língua Portuguesa  CONTOS Em grupo ou sozinho, relacione os itens a seguir ao conto que você acabou de ouvir. Fale sobre: a. Narrador: b. Personagens: c. Tempo: d. Espaço: e. Discurso: Discorra sobre  o desfecho do conto. Se você tivesse que dar-lhe um outro final, qual seria? O conto trabalha o real ou o fantástico? Justifique.
Língua Portuguesa  CONTOS "Façamos sempre contos", escreveu Diderot. Pois, "O tempo passa e o conto da vida se completa sem disso darmos conta”.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ceifeira
CeifeiraCeifeira
O heteronimo Alberto Caeiro
O heteronimo Alberto CaeiroO heteronimo Alberto Caeiro
O heteronimo Alberto Caeiro
guest155834
 
Ricardo Reis
Ricardo ReisRicardo Reis
Ricardo Reis
guestde10d2
 
Uma análise da obra amor de perdição de
Uma análise da obra amor de perdição deUma análise da obra amor de perdição de
Uma análise da obra amor de perdição de
Fernanda Pantoja
 
Cesário verde
Cesário verdeCesário verde
Cesário verde
ameliapadrao
 
Autopsicografia e Isto
Autopsicografia e IstoAutopsicografia e Isto
Autopsicografia e Isto
Paula Oliveira Cruz
 
Os maias a intriga
Os maias   a intrigaOs maias   a intriga
Os maias a intriga
margaridafelisberto
 
"Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade""Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade"
MiguelavRodrigues
 
Antero de Quental.docx
Antero de Quental.docxAntero de Quental.docx
Antero de Quental.docx
silviaelisabete
 
Análise do poema "O menino de sua mãe", de Fernando Pessoa - Ortónimo
Análise do poema "O menino de sua mãe", de Fernando Pessoa - OrtónimoAnálise do poema "O menino de sua mãe", de Fernando Pessoa - Ortónimo
Análise do poema "O menino de sua mãe", de Fernando Pessoa - Ortónimo
João Barreira
 
Ficha de gramática12º
Ficha de gramática12ºFicha de gramática12º
Ficha de gramática12º
quintaldasletras
 
Quadro_hume vs descartes
Quadro_hume vs descartesQuadro_hume vs descartes
Quadro_hume vs descartes
Isabel Moura
 
Noite Fechada, de Cesário Verde
Noite Fechada, de Cesário VerdeNoite Fechada, de Cesário Verde
Noite Fechada, de Cesário Verde
Dina Baptista
 
Análise do Poema - A Última Nau
Análise do Poema - A Última NauAnálise do Poema - A Última Nau
Análise do Poema - A Última Nau
Maria Freitas
 
Álvaro de Campos
Álvaro de CamposÁlvaro de Campos
Álvaro de Campos
Ana Isabel
 
Dona tareja
Dona tarejaDona tareja
Dona tareja
GonaloNuno2
 
Pessoa ortónimo e heterónimos
Pessoa   ortónimo e heterónimosPessoa   ortónimo e heterónimos
Pessoa ortónimo e heterónimos
António Fraga
 
A formosura desta fresca serra
A formosura desta fresca serraA formosura desta fresca serra
A formosura desta fresca serra
Helena Coutinho
 
Ficha verificação leitura memorial
Ficha verificação leitura memorialFicha verificação leitura memorial
Ficha verificação leitura memorial
Fernanda Pereira
 
Aquela cativa Poema e Análise
Aquela cativa Poema e AnáliseAquela cativa Poema e Análise
Aquela cativa Poema e Análise
Bruno Jardim
 

Mais procurados (20)

Ceifeira
CeifeiraCeifeira
Ceifeira
 
O heteronimo Alberto Caeiro
O heteronimo Alberto CaeiroO heteronimo Alberto Caeiro
O heteronimo Alberto Caeiro
 
Ricardo Reis
Ricardo ReisRicardo Reis
Ricardo Reis
 
Uma análise da obra amor de perdição de
Uma análise da obra amor de perdição deUma análise da obra amor de perdição de
Uma análise da obra amor de perdição de
 
Cesário verde
Cesário verdeCesário verde
Cesário verde
 
Autopsicografia e Isto
Autopsicografia e IstoAutopsicografia e Isto
Autopsicografia e Isto
 
Os maias a intriga
Os maias   a intrigaOs maias   a intriga
Os maias a intriga
 
"Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade""Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade"
 
Antero de Quental.docx
Antero de Quental.docxAntero de Quental.docx
Antero de Quental.docx
 
Análise do poema "O menino de sua mãe", de Fernando Pessoa - Ortónimo
Análise do poema "O menino de sua mãe", de Fernando Pessoa - OrtónimoAnálise do poema "O menino de sua mãe", de Fernando Pessoa - Ortónimo
Análise do poema "O menino de sua mãe", de Fernando Pessoa - Ortónimo
 
Ficha de gramática12º
Ficha de gramática12ºFicha de gramática12º
Ficha de gramática12º
 
Quadro_hume vs descartes
Quadro_hume vs descartesQuadro_hume vs descartes
Quadro_hume vs descartes
 
Noite Fechada, de Cesário Verde
Noite Fechada, de Cesário VerdeNoite Fechada, de Cesário Verde
Noite Fechada, de Cesário Verde
 
Análise do Poema - A Última Nau
Análise do Poema - A Última NauAnálise do Poema - A Última Nau
Análise do Poema - A Última Nau
 
Álvaro de Campos
Álvaro de CamposÁlvaro de Campos
Álvaro de Campos
 
Dona tareja
Dona tarejaDona tareja
Dona tareja
 
Pessoa ortónimo e heterónimos
Pessoa   ortónimo e heterónimosPessoa   ortónimo e heterónimos
Pessoa ortónimo e heterónimos
 
A formosura desta fresca serra
A formosura desta fresca serraA formosura desta fresca serra
A formosura desta fresca serra
 
Ficha verificação leitura memorial
Ficha verificação leitura memorialFicha verificação leitura memorial
Ficha verificação leitura memorial
 
Aquela cativa Poema e Análise
Aquela cativa Poema e AnáliseAquela cativa Poema e Análise
Aquela cativa Poema e Análise
 

Destaque

Gênero de texto conto
Gênero de texto contoGênero de texto conto
Gênero de texto conto
guestd9a4ef3c
 
Texto teatral 2
Texto teatral 2Texto teatral 2
Texto teatral 2
Amanda Damasceno
 
Conto
ContoConto
04. contos de aprendiz
04. contos de aprendiz04. contos de aprendiz
04. contos de aprendiz
ma.no.el.ne.ves
 
www.AulasDePortuguesApoio.com - Português - Contos e Crônicas
www.AulasDePortuguesApoio.com  - Português -  Contos e Crônicaswww.AulasDePortuguesApoio.com  - Português -  Contos e Crônicas
www.AulasDePortuguesApoio.com - Português - Contos e Crônicas
Videoaulas De Português Apoio
 
O texto teatral
O texto teatralO texto teatral
O texto teatral
ProfFernandaBraga
 
Gênero Textual: Conto
Gênero Textual: ContoGênero Textual: Conto
Gênero Textual: Conto
Myllenne Abreu
 
1.conto, características
1.conto, características1.conto, características
1.conto, características
Helena Coutinho
 
Categorias da Narrativa
Categorias da NarrativaCategorias da Narrativa
Categorias da Narrativa
Sofia Carreira
 
Desenvolvimento de Personagens (animação)
Desenvolvimento de Personagens (animação)Desenvolvimento de Personagens (animação)
Desenvolvimento de Personagens (animação)
Rita Silva
 
Soldadito de chumbo
Soldadito de chumboSoldadito de chumbo
Soldadito de chumbo
Helder Martinho
 
O rapaz de pedra
O rapaz de pedraO rapaz de pedra
O rapaz de pedra
Zulmira Lima
 
Trabalhando os gêneros argumentativos pibid
Trabalhando os gêneros argumentativos  pibidTrabalhando os gêneros argumentativos  pibid
Trabalhando os gêneros argumentativos pibid
Renally Arruda
 
Sequência didática conto pausa
Sequência didática   conto pausaSequência didática   conto pausa
Sequência didática conto pausa
luizakak
 
O nsoladinho de chumbo
O nsoladinho de chumboO nsoladinho de chumbo
O nsoladinho de chumbo
Maria Aparecida de Almeida
 
Apresentação soldadinho-de-chumbo-wav
Apresentação soldadinho-de-chumbo-wavApresentação soldadinho-de-chumbo-wav
Apresentação soldadinho-de-chumbo-wav
Biblioteia
 
Slide Predicação
Slide PredicaçãoSlide Predicação
Slide Predicação
Jomari
 
Questões fechadas sobre contos de aprendiz
Questões fechadas sobre contos de aprendizQuestões fechadas sobre contos de aprendiz
Questões fechadas sobre contos de aprendiz
ma.no.el.ne.ves
 
Predicação verbal
Predicação verbal Predicação verbal
Predicação verbal
Sâmara Souza de Azevedo
 
Ficha de requisição
Ficha de requisiçãoFicha de requisição
Ficha de requisição
Biblioteca Escolar Vimioso
 

Destaque (20)

Gênero de texto conto
Gênero de texto contoGênero de texto conto
Gênero de texto conto
 
Texto teatral 2
Texto teatral 2Texto teatral 2
Texto teatral 2
 
Conto
ContoConto
Conto
 
04. contos de aprendiz
04. contos de aprendiz04. contos de aprendiz
04. contos de aprendiz
 
www.AulasDePortuguesApoio.com - Português - Contos e Crônicas
www.AulasDePortuguesApoio.com  - Português -  Contos e Crônicaswww.AulasDePortuguesApoio.com  - Português -  Contos e Crônicas
www.AulasDePortuguesApoio.com - Português - Contos e Crônicas
 
O texto teatral
O texto teatralO texto teatral
O texto teatral
 
Gênero Textual: Conto
Gênero Textual: ContoGênero Textual: Conto
Gênero Textual: Conto
 
1.conto, características
1.conto, características1.conto, características
1.conto, características
 
Categorias da Narrativa
Categorias da NarrativaCategorias da Narrativa
Categorias da Narrativa
 
Desenvolvimento de Personagens (animação)
Desenvolvimento de Personagens (animação)Desenvolvimento de Personagens (animação)
Desenvolvimento de Personagens (animação)
 
Soldadito de chumbo
Soldadito de chumboSoldadito de chumbo
Soldadito de chumbo
 
O rapaz de pedra
O rapaz de pedraO rapaz de pedra
O rapaz de pedra
 
Trabalhando os gêneros argumentativos pibid
Trabalhando os gêneros argumentativos  pibidTrabalhando os gêneros argumentativos  pibid
Trabalhando os gêneros argumentativos pibid
 
Sequência didática conto pausa
Sequência didática   conto pausaSequência didática   conto pausa
Sequência didática conto pausa
 
O nsoladinho de chumbo
O nsoladinho de chumboO nsoladinho de chumbo
O nsoladinho de chumbo
 
Apresentação soldadinho-de-chumbo-wav
Apresentação soldadinho-de-chumbo-wavApresentação soldadinho-de-chumbo-wav
Apresentação soldadinho-de-chumbo-wav
 
Slide Predicação
Slide PredicaçãoSlide Predicação
Slide Predicação
 
Questões fechadas sobre contos de aprendiz
Questões fechadas sobre contos de aprendizQuestões fechadas sobre contos de aprendiz
Questões fechadas sobre contos de aprendiz
 
Predicação verbal
Predicação verbal Predicação verbal
Predicação verbal
 
Ficha de requisição
Ficha de requisiçãoFicha de requisição
Ficha de requisição
 

Semelhante a Contos-Português

Crônicas e contos
Crônicas e contosCrônicas e contos
Crônicas e contos
ProfFernandaBraga
 
3° ano - Contos e crônicas
3° ano - Contos e crônicas3° ano - Contos e crônicas
3° ano - Contos e crônicas
ProfFernandaBraga
 
Slide conto e crônica 7ºano.pdf
Slide conto e crônica 7ºano.pdfSlide conto e crônica 7ºano.pdf
Slide conto e crônica 7ºano.pdf
thaisayumi2
 
Textos narrativos contos e crônicas
Textos narrativos contos e crônicasTextos narrativos contos e crônicas
Textos narrativos contos e crônicas
Marcia Oliveira
 
Texto narrativo
Texto narrativoTexto narrativo
Texto narrativo
Helia Coelho Mello
 
Era uma vez - O Conto e a Oralidade
Era uma vez - O Conto e a OralidadeEra uma vez - O Conto e a Oralidade
Era uma vez - O Conto e a Oralidade
Denise Oliveira
 
Texto narrativo
Texto narrativoTexto narrativo
Noções básicas de linguagem cinematográfica
Noções básicas de linguagem cinematográficaNoções básicas de linguagem cinematográfica
Noções básicas de linguagem cinematográfica
designuna
 
Teoria do texto literário
Teoria do texto literárioTeoria do texto literário
Teoria do texto literário
Herlan Ribeiro de Souza
 
Literatura
LiteraturaLiteratura
O Fantástico, o Estranho e o Maravilhoso na Literatura Brasileira: Sequência ...
O Fantástico, o Estranho e o Maravilhoso na Literatura Brasileira: Sequência ...O Fantástico, o Estranho e o Maravilhoso na Literatura Brasileira: Sequência ...
O Fantástico, o Estranho e o Maravilhoso na Literatura Brasileira: Sequência ...
José Humberto dos Santos Santana
 
O jarro de prata
O jarro de prataO jarro de prata
O jarro de prata
Rejiane Dos Santos
 
Crônica e conto eemh
Crônica e conto eemhCrônica e conto eemh
Crônica e conto eemh
Wannsse Schmidt
 
Novela Literária
Novela LiteráriaNovela Literária
Novela Literária
Ianka Targino
 
Atividade português 7 ano página 38 a 40
Atividade português 7 ano página 38 a 40Atividade português 7 ano página 38 a 40
Atividade português 7 ano página 38 a 40
vitoriaalyce2011
 
Diários de Leitura e Resenhas. Kanavillil Rajagopalan. Machado de Assis.
Diários de Leitura e Resenhas. Kanavillil Rajagopalan. Machado de Assis.Diários de Leitura e Resenhas. Kanavillil Rajagopalan. Machado de Assis.
Diários de Leitura e Resenhas. Kanavillil Rajagopalan. Machado de Assis.
Raira Moura
 
GêNeros LiteráRios
GêNeros LiteráRiosGêNeros LiteráRios
GêNeros LiteráRios
hsjval
 
Animação 1 - Roteiro (1) Narrativa
Animação 1 - Roteiro (1) NarrativaAnimação 1 - Roteiro (1) Narrativa
Animação 1 - Roteiro (1) Narrativa
profealbattaiola
 
Gêneros Literários 2.0
Gêneros Literários 2.0Gêneros Literários 2.0
Gêneros Literários 2.0
José Ricardo Lima
 
Trabalho da Daniela, Laís e Paula - 1º B
Trabalho da Daniela, Laís e Paula - 1º BTrabalho da Daniela, Laís e Paula - 1º B
Trabalho da Daniela, Laís e Paula - 1º B
Vanda Crivillari
 

Semelhante a Contos-Português (20)

Crônicas e contos
Crônicas e contosCrônicas e contos
Crônicas e contos
 
3° ano - Contos e crônicas
3° ano - Contos e crônicas3° ano - Contos e crônicas
3° ano - Contos e crônicas
 
Slide conto e crônica 7ºano.pdf
Slide conto e crônica 7ºano.pdfSlide conto e crônica 7ºano.pdf
Slide conto e crônica 7ºano.pdf
 
Textos narrativos contos e crônicas
Textos narrativos contos e crônicasTextos narrativos contos e crônicas
Textos narrativos contos e crônicas
 
Texto narrativo
Texto narrativoTexto narrativo
Texto narrativo
 
Era uma vez - O Conto e a Oralidade
Era uma vez - O Conto e a OralidadeEra uma vez - O Conto e a Oralidade
Era uma vez - O Conto e a Oralidade
 
Texto narrativo
Texto narrativoTexto narrativo
Texto narrativo
 
Noções básicas de linguagem cinematográfica
Noções básicas de linguagem cinematográficaNoções básicas de linguagem cinematográfica
Noções básicas de linguagem cinematográfica
 
Teoria do texto literário
Teoria do texto literárioTeoria do texto literário
Teoria do texto literário
 
Literatura
LiteraturaLiteratura
Literatura
 
O Fantástico, o Estranho e o Maravilhoso na Literatura Brasileira: Sequência ...
O Fantástico, o Estranho e o Maravilhoso na Literatura Brasileira: Sequência ...O Fantástico, o Estranho e o Maravilhoso na Literatura Brasileira: Sequência ...
O Fantástico, o Estranho e o Maravilhoso na Literatura Brasileira: Sequência ...
 
O jarro de prata
O jarro de prataO jarro de prata
O jarro de prata
 
Crônica e conto eemh
Crônica e conto eemhCrônica e conto eemh
Crônica e conto eemh
 
Novela Literária
Novela LiteráriaNovela Literária
Novela Literária
 
Atividade português 7 ano página 38 a 40
Atividade português 7 ano página 38 a 40Atividade português 7 ano página 38 a 40
Atividade português 7 ano página 38 a 40
 
Diários de Leitura e Resenhas. Kanavillil Rajagopalan. Machado de Assis.
Diários de Leitura e Resenhas. Kanavillil Rajagopalan. Machado de Assis.Diários de Leitura e Resenhas. Kanavillil Rajagopalan. Machado de Assis.
Diários de Leitura e Resenhas. Kanavillil Rajagopalan. Machado de Assis.
 
GêNeros LiteráRios
GêNeros LiteráRiosGêNeros LiteráRios
GêNeros LiteráRios
 
Animação 1 - Roteiro (1) Narrativa
Animação 1 - Roteiro (1) NarrativaAnimação 1 - Roteiro (1) Narrativa
Animação 1 - Roteiro (1) Narrativa
 
Gêneros Literários 2.0
Gêneros Literários 2.0Gêneros Literários 2.0
Gêneros Literários 2.0
 
Trabalho da Daniela, Laís e Paula - 1º B
Trabalho da Daniela, Laís e Paula - 1º BTrabalho da Daniela, Laís e Paula - 1º B
Trabalho da Daniela, Laís e Paula - 1º B
 

Último

EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
Sandra Pratas
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
JocelynNavarroBonta
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdfAdaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
CamilaSouza544051
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
edusegtrab
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 

Último (20)

EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdfAdaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 

Contos-Português

  • 1. Fonte: www.youtube.com.br Caso não consiga assistir ao filme, clique no link http://www.youtube.com/watch?v=KJ5SC5tQx7Q Língua Portuguesa CONTOS FLOR, TELEFONE, MOÇA
  • 2. Língua Portuguesa CONTOS A história que acabamos de ler e ouvir é um famoso conto do mineiro Carlos Drummond de Andrade. Uma narrativa bela, melancólica e que perpassa pelo sobrenatural, relatando um episódio na vida de uma moça que retira uma flor de um jazigo e passa a receber estranhos telefonemas. O que vocês acharam do conto que acabamos de ler? Que sensações vocês tiveram ao ler o conto? - De medo? - De estranheza? - De angústia? - De desassossego? Na sua opinião, que sensação o autor queria nos fazer sentir ao escrever este conto?
  • 3. Língua Portuguesa CONTOS Breve análise do texto “Flor, telefone e moça” 1. Personagens: a moça, a voz que pede a flor e o pai da moça. 2. Foco narrativo em 3ª pessoa. 3. Espaço: o cemitério e a casa da moça. 4. Predominância de coloquialismo. 5. Os diálogos são importantes porque criam ritmo e apresentam a evolução do conflito que se dá entre a moça e a voz. 6. Desperta medo e talvez um mal-estar no leitor.
  • 4. Língua Portuguesa CONTOS 7. O texto inicia com o recurso da metalinguagem: “Não, não é um conto. Sou apenas um sujeito que escuta algumas vezes, que outras não escutam, e vai passando.” 8. Esse conto faz parte de uma atmosfera em que a linguagem mais sugere do que descreve, e o leitor se vê obrigado a participar da obra para tentar descobrir as mais íntimas intenções do autor. 9. O conto mexe com o fantástico: a voz de uma pessoa que está morta atormenta a moça que rouba uma flor de uma sepultura (e que, aliás, não era uma sepultura qualquer... A voz sabia que a flor foi tirada de sua sepultura).
  • 5. Língua Portuguesa CONTOS 10. Desfecho carregado de tensão: o autor utiliza de superstições do imaginário coletivo. 11. O conto causa perturbação e a tensão vai aumentando à medida que avançamos na leitura. 12. O final do conto é previsível.
  • 6. Língua Portuguesa CONTOS Narrativas que apresentam características como as que acabamos de enumerar são conhecidas como CONTO. Segundo Afrânio Coutinho, em sua obra Notas de teoria literária , “o contista oferece uma amostra, através de um episódio, um flagrante ou um instantâneo, um momento singular e representativo. Procura obter a unidade de impressão rapidamente, à custa da máxima concentração e economia de meios.”
  • 7. Língua Portuguesa CONTOS Veja a seguir as características do CONTO: Geralmente são narrativas curtas, tanto em extensão quanto no tempo em que passam; A linguagem é direta e simples, não requer muitas figuras ou funções de linguagem na tentativa de evitar a pluralidade de sentido; O desfecho quase sempre é carregado de tensão, sendo muitas vezes enigmático até o último instante; todas as ações narradas se encaminham diretamente para a sua compreensão;
  • 8. Língua Portuguesa CONTOS Envolve um número pequeno de personagens, e todos eles estão envolvidos em uma mesma ação; As ações narradas se passam no mesmo espaço, constitutindo um único conflito; As palavras são muito importantes; há que se cuidar sempre de como utilizá-las melhor e com habilidade, pois elas sugerem ao leitor o desfecho e a solução do conflito presente na narrativa. Não tem compromisso com o real; pode fazer alusões tanto ao real quanto ao fantástico; Não exige uma linguagem culta ou padronizada; pode ser contado com as próprias palavras do narrador buscando manter a sua forma mais simples;
  • 9. Língua Portuguesa CONTOS Os diálogos costumam ter grande importância, pois expõem os personagens aos conflitos e discussões apresentados na narrativa; Apresenta unidade de ação, ritmo, concisão; Trabalha o conceito de “imprevisível” mas dentro de um parâmetro previsto, ou seja, não é porque é imprevisível que tudo se torna possibilidade; Causa um efeito singular no leitor, provocando-o até o seu desfecho; Todos os seus detalhes desempenham um papel importante na narrativa.
  • 10. Língua Portuguesa CONTOS Em sua manifestação oral, o conto surgiu nas antigas civilizações por meio de narrativas imaginárias e fantásticas, constituindo uma das grandes expressões folclóricas de boa parte dos países ocidentais. Uma grande obra do gênero é a coletânea As Mil e Uma Noites, uma das mais famosas de todo o mundo. Já como gênero literário escrito, o conto começaria a fixar-se a partir do século XVIII, com textos de Voltaire, estabelecendo-se definitivamente no século XIX com obras de Merimée, Balzac, Daudet, Poe, Hoffmann, Gogol, sendo mais tarde cultivado por Tchekhov, Machado de Assis, Eça de Queirós e Camilo Castelo Branco. Já no século XX, Monteiro Lobato e Clarice Lispector são considerados grandes contistas.
  • 11. Língua Portuguesa CONTOS Discussões acerca do conto e de suas características segundo o jornalista e crítico literário Hohlfeldt: Conto rural: a ação dramática está voltada ao espaço rural; Conto alegórico: tem dois elementos comuns: a alegoria e a ironia, esta última como sendo um dos seus principais instrumentos; Conto psicológico: este é centrado no discurso dos personagens; Conto de costumes: representação da realidade;
  • 12. Língua Portuguesa CONTOS Conto de atmosfera: desenvolve-se através da psicologia dos personagens e estrutura-se em torno deles; Conto sócio-documental: preocupação com as classes sociais mantidas à força na subalternidade da estrutura social. Geralmente trabalha com tema polêmicos.   Observação: a classificação apresentada pode ter variações. Os autores costumam produzir seus textos mesclando essas e outras características.
  • 13. Língua Portuguesa CONTOS Tipos de discursos presentes em contos: Direto : as personagens conversam, daí a marca de travessões. É um dos discursos mais presentes em contos. Indireto: a personagem conta como o diálogo aconteceu, reproduzindo-o, muitas vezes, com detalhes. Indireto livre: nota-se a presença do narrador, mas como complementação do que diz o autor, percebe-se também os diálogos indiretos da personagem. Esse discurso expõe os pensamentos da personagem sem tirar do narrador o seu papel de mediador na narrativa. Monólogo interior: é o relato do que se passa no mundo psíquico da personagem; ela fala consigo mesma.
  • 14. Língua Portuguesa CONTOS Veja o vídeo abaixo e responda às perguntas que se seguem: Fonte: www.youtube.com.br Caso não consiga assistir ao filme, clique no link http://www.youtube.com/watch?v=rT7Ql3gXPlM
  • 15. Língua Portuguesa CONTOS Em grupo ou sozinho, relacione os itens a seguir ao conto que você acabou de ouvir. Fale sobre: a. Narrador: b. Personagens: c. Tempo: d. Espaço: e. Discurso: Discorra sobre o desfecho do conto. Se você tivesse que dar-lhe um outro final, qual seria? O conto trabalha o real ou o fantástico? Justifique.
  • 16. Língua Portuguesa CONTOS "Façamos sempre contos", escreveu Diderot. Pois, "O tempo passa e o conto da vida se completa sem disso darmos conta”.