SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 41
Redação no Enem
Por Ana Cleide Batista
TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO
Dissertar é debater, discutir, questionar...
Temos liberdade de defender qualquer opinião,
entretanto precisamos fundamentá-la, justificar,
exemplificar, convencer, isto é: precisamos
argumentar.
TEMA
TESE

ARGUMENTOS

PROPOSTA DE INTERVENÇÃO
TEMA

É assunto que você irá discutir.
Exemplos: *O poder de transformação da
leitura.
*Adoção, um ato de amor e
solidariedade.
*O direito de votar.
TESE

É a ideia que você vai defender em sua redação.
Ela deve estar relacionada ao tema e apoiada
em argumentos ao longo do texto.
ARGUMENTAÇÃO

É a justificativa que você usa para convencer o leitor
de que tem razão sobre o que está defendendo. É
nesse campo que o redator deve usar estratégias de
exemplificação comprovando seu ponto de vista. Isso
transforma o texto, apenas, dissertativo em um texto
dissertativo-argumentativo.
PROPOSTA DE INTERVENÇÃO

É a solução para o problema e deve contemplar cada
ponto abordado na argumentação. Esta proposta deve
ser clara e inovadora, relacionada à tese e bem
articulada com a discussão desenvolvida no texto. Os
meios utilizados para a solução do problema devem ser
explicitados respondendo as perguntas QUEM? e
COMO? (solucionar).
ESTRUTURA FÍSICA DO TEXTO
(Texto de 20 a 30 linhas)

INTRODUÇÃO
de 4 a 6 linhas

Tem o objetivo de apresentar
a tese a ser defendida de modo
claro sem argumentar.

DESENVOLVIMENTO
2 ou 3 parágrafos

CONCLUSÃO
de 5 a 7 linhas

VEJA:

Tem o objetivo de apresentar
os
argumentos,
opiniões,
contra-argumentos e exemplos.

O objetivo aqui é apontar uma solução viável para
o problema exposto na introdução e discutido no
desenvolvimento.

INTRODUÇÃO + CONCLUSÃO < OU = DESENVOLVIMENTO
TIPOS DE INTRODUÇÕES
A palavra introdução tem origem latina:
intro (dentro) ducere (conduzir). Sendo
assim, o nosso objetivo é produzir uma
introdução que conduza o leitor para dentro
do texto de forma sedutora. Segue agora
alguns tipos de introduções existentes.
Percurso histórico: “Desde seus primeiros
passos, o Brasil caminhou com dificuldade. A
estratificação social, manifestada sobretudo no
binômio senhores e escravos, explica os
motivos de o Brasil ser hoje um país desigual e
preconceituoso”.

Desfazendo uma ideia incorreta: “ Não
são as chuvas escassas o principal problema dos
que vivem no sertão. O maior empecilho é a falta
de interesse político, haja vista a conveniência de
existirem eleitores miseráveis e persuasíveis, que
se tornaram presas fáceis aos objetivos
meramente eleitoreiros dos candidatos da
região.”
Citando um especialista: “Um dos mais
respeitados cientistas brasileiros, Eneas
Salati, concluiu em suas pesquisas que a
Amazônia produz a maior parte de sua própria
chuva e que o desmatamento pode degradar o
ciclo hidrológico.”

Declaração inicial + justificativa:

“É
condenável a postura de muitos políticos em
nosso país. Escândalos acontecem, denúncias são
feitas, comissões de inquérito são formadas,
contudo, ainda assim, a situação não muda. O
povo parece estar de mãos atadas diante desse
problema tão recorrente.”
Trechos narrativos (flashes):
“Escândalos constantes. Desvios de verbas.
Condutas antiéticas. Décadas se passam e a
situação política brasileira só parece piorar. A
corrupção tornou-se algo corriqueiro e os
cidadãos parecem ter se acostumado a isso. É
preciso respeitar os direitos de todos para que
aconteçam mudanças em nosso país.”

Conceito moral: “O envelhecimento é
inerente ao homem o que, ao longo dos anos,
acarreta profundas transformações físicas e
psicológicas. O sistema imunológico também
apresenta mais fragilidade, entretanto nada pode
ser mais difícil do que ser vítima de preconceito.”
Exposição de ponto de vista opostos:
Tema: o provão

“O ministro da Educação se esforça para
convencer de que o provão é fundamental para a
melhoria da qualidade do ensino superior. Para
isso, vem ocupando generosos espaços na mídia e
fazendo
milionária
campanha
publicitária,
ensinando como gastar mal o dinheiro que deveria
ser investido na educação.”

Adjetivação:

“Equivocada e pouco racional.
Esta é a verdadeira adjetivação para a política
educacional do governo. De um lado professores
mal remunerados e desestimulados, de outro
objetos eletrônicos de alta tecnologia. É um
verdadeiro paradoxo existente.”
Perguntas a serem respondidas: “É
possível imaginar o Brasil como um país
desenvolvido e com justiça social enquanto existir
tanta violência contra o menor de idade? Há
formas adequadas de retirar das ruas crianças e
adolescentes marginalizados?”

Por enumeração:

“Partindo da afirmativa de
que a vida começa no ventre da mãe é que o
aborto deve ser discutido em três distintos níveis:
cultural, penal e médico. O primeiro rege o
comportamento de cada sociedade, o segundo a
questão da criminalidade e o terceiro o plano da
ética.”
O DESENVOLVIMENTO
TÓPICO FRASAL: ideia central do parágrafo.
JUSTIFICATIVA: explicação, exemplificação.

GANCHOS SEMÂNTICOS: correlações entre parágrafos.
Fórmula:

A + I = F

argumento

ideia fundamentada
Lembre-se de que...
o desenvolvimento é a explanação da ideia principal
do texto. Há diversos processos que variam conforme
a natureza do assunto e a finalidade da exposição de
argumentos. Entretanto, qualquer que seja ele, a
preocupação maior do autor deve ser sempre a de
fundamentar de maneira clara e convincente as
ideias que defende ou expõe, servindo-se de recursos
costumeiros, tais como:
TIPOS DE DESENVOLVIMENTO
1º) Comparação;
2º) Exemplificação;
3º) Alusão histórica;
4º) Enumeração;
5º) Definição;
6º) Causa e consequência;
7º) Citação ou testemunho (ou argumento de
autoridade);
8º) Argumentos consensuais;
9º) Provas concretas.
Treine: identifique o(s) nome(s) do procedimento
argumentativo representado(s) em cada parágrafo
de desenvolvimento proposto. Não se esqueça de
que há parágrafos que podem representar mais de
um tipo de argumento.
1) Na África, por exemplo, existe uma mulher fumante para cada sete
homens, mas entre jovens de 13 a 15 anos a proporção é bem maior:
uma para cada 2,2. Tendências semelhantes são verificadas em outros
continentes. Na Europa, 33,9% dos garotos e 29% das garotas fumam.
Nas Américas, os índices são de 16,6% e 12,2%, respectivamente. Os
números mundiais para jovens são 15% e 6,6%. Na população adulta, as
taxas são de 47% e 12%.
(Mulheres fumantes. Editorial da Folha de S. Paulo de 14/08/2003)
RESPOSTA: ____________________________________________
Treine: Identifique o(s) nome(s) do procedimento
argumentativo representado(s) em cada parágrafo
de desenvolvimento proposto. Não se esqueça de
que há parágrafos que podem representar mais de
um tipo de argumento.
1) Na África, por exemplo, existe uma mulher fumante para cada sete
homens, mas entre jovens de 13 a 15 anos a proporção é bem maior:
uma para cada 2,2. Tendências semelhantes são verificadas em outros
continentes. Na Europa, 33,9% dos garotos e 29% das garotas fumam.
Nas Américas, os índices são de 16,6% e 12,2%, respectivamente. Os
números mundiais para jovens são 15% e 6,6%. Na população adulta, as
taxas são de 47% e 12%.
(Mulheres fumantes. Editorial da Folha de S. Paulo de 14/08/2003)
RESPOSTA:

exemplificação, comparação e provas concretas.
2) Em 69% dos casos de violência sexual, a vítima é menor de idade, e,
em apenas 6% das vezes, o abusador é um desconhecido. Ou seja, em
94% das denúncias feitas, o acusado é alguém próximo ao jovem – às
vezes, é o pai, o irmão, um primo ou um amigo próximo.
(É proibido fazer silêncio. Folha de S. Paulo, 13/10/2003. Folhateen.)
RESPOSTA: ______________________________

3) O abortamento provocado, pelos riscos que traz, não é
evidentemente uma opção recomendável. Casamentos por
conveniência frequentemente acabam em separação e, quando não,
levam a um convívio infeliz. Finalmente, num meio preconceituoso
como o nosso, ser mãe solteira adolescente é uma condição
extremamente penosa. Assim, nenhuma dessas três soluções é a ideal,
cada uma delas cria novos problemas.
(Trecho do texto Gravidez na adolescência)
RESPOSTA: _______________________________________
2) Em 69% dos casos de violência sexual, a vítima é menor de idade, e,
em apenas 6% das vezes, o abusador é um desconhecido. Ou seja, em
94% das denúncias feitas, o acusado é alguém próximo ao jovem – às
vezes, é o pai, o irmão, um primo ou um amigo próximo.
(É proibido fazer silêncio. Folha de S. Paulo, 13/10/2003. Folhateen.)
RESPOSTA: : Enumeração e

provas concretas.

3) O abortamento provocado, pelos riscos que traz, não é
evidentemente uma opção recomendável. Casamentos por
conveniência frequentemente acabam em separação e, quando não,
levam a um convívio infeliz. Finalmente, num meio preconceituoso
como o nosso, ser mãe solteira adolescente é uma condição
extremamente penosa. Assim, nenhuma dessas três soluções é a ideal,
cada uma delas cria novos problemas.
(Trecho do texto Gravidez na adolescência)
RESPOSTA: Argumentos consensuais.
4) Há exatos 150 anos, numa saleta da Sociedade Lineana de Londres,
um grupo de naturalistas anunciava ao público ali presente os
contornos de uma teoria que alteraria para sempre o modo de
compreender a origem e a variedade de vida em nosso planeta. Era a
teoria da evolução por seleção natural, concebida de forma
independente por Charles Darwin e Alfred Wallace.
RESPOSTA: _______________________________________

(Folha de S. Paulo, 1º/6/2008.)

5) Analogia é um fenômeno de ordem psicológica, que consiste na
tendência para nivelar palavras ou construções que de certo modo se
aproximam pela forma ou pelo sentido, levando uma delas a se
modelar pela outra. Quando uma criança diz fazi e cabeu, conjuga essas
formas verbais por outras já conhecidas, como dormi e correu.
RESPOSTA:
_______________________________________
4) Há exatos 150 anos, numa saleta da Sociedade Lineana de Londres,
um grupo de naturalistas anunciava ao público ali presente os
contornos de uma teoria que alteraria para sempre o modo de
compreender a origem e a variedade de vida em nosso planeta. Era a
teoria da evolução por seleção natural, concebida de forma
independente por Charles Darwin e Alfred Wallace.
RESPOSTA:

Alusão histórica

(Folha de S. Paulo, 1º/6/2008.)

5) Analogia é um fenômeno de ordem psicológica, que consiste na
tendência para nivelar palavras ou construções que de certo modo se
aproximam pela forma ou pelo sentido, levando uma delas a se
modelar pela outra. Quando uma criança diz fazi e cabeu, conjuga essas
formas verbais por outras já conhecidas, como dormi e correu.
RESPOSTA:

Definição e exemplificação
6) As drogas, no início do século XX, eram consumidas, quase
exclusivamente pela elite dominante, principalmente o ópio e a
heroína. O século XXI começa com a popularização da droga,
sobretudo maconha, cocaína e crack. Isso certamente é o mais
contundente e deplorável elo entre classes sociais.
Resposta: _________________________________

7) Apesar dos esforços das autoridades competentes para erradicar as
drogas, é possível perceber que a guerra está declarada em vários
estágios da sociedade: a família, que perde seu filho para o tráfico; a
sociedade, que perde o cidadão de bem; o Estado, que perde sua
credibilidade diante dos olhos do mundo.
Resposta: _______________________________
6) As drogas, no início do século XX, eram consumidas, quase
exclusivamente pela elite dominante, principalmente o ópio e a
heroína. O século XXI começa com a popularização da droga,
sobretudo maconha, cocaína e crack. Isso certamente é o mais
contundente e deplorável elo entre classes sociais.
Resposta: Alusão

histórica e comparação

7) Apesar dos esforços das autoridades competentes para erradicar as
drogas, é possível perceber que a guerra está declarada em vários
estágios da sociedade: a família, que perde seu filho para o tráfico; a
sociedade, que perde o cidadão de bem; o Estado, que perde sua
credibilidade diante dos olhos do mundo.
Resposta:

Enumeração
8) Enquanto países como Inglaterra e Canadá têm leis que protegem
as crianças da exposição ao sexo e à violência na televisão, no Brasil
não há nenhum controle efetivo sobre a programação. Não é de
surpreender que muitos brasileiros estejam defendendo alguma
forma de censura sobre a televisão.
Resposta: _________________________________

9) Algumas pessoas refugiam-se nas drogas na tentativa de esquecer
seus problemas. Acabam formando-se dependentes psicóticos dos
quais se utilizam e, na maioria das vezes, transformam-se em pessoas
inúteis para si mesmas e para a comunidade.
Resposta: ______________________
8) Enquanto países como Inglaterra e Canadá têm leis que protegem
as crianças da exposição ao sexo e à violência na televisão, no Brasil
não há nenhum controle efetivo sobre a programação. Não é de
surpreender que muitos brasileiros estejam defendendo alguma
forma de censura sobre a televisão.
Resposta:

Comparação

9) Algumas pessoas refugiam-se nas drogas na tentativa de esquecer
seus problemas. Acabam formando-se dependentes psicóticos dos
quais se utilizam e, na maioria das vezes, transformam-se em pessoas
inúteis para si mesmas e para a comunidade.
Resposta:

Causa e consequência
10) É imprescindível insistir no fato de que como bem se expressou
Guimarães Rosa, na obra Grande sertão: veredas, “ amizade dada é
amor ”. O afeto, a admiração e o respeito entre as pessoas devem
acontecer de forma recíproca e, sobretudo, espontânea. Desse modo,
gratuita inteiramente, a amizade torna-se sinônimo perfeito de amor.
Resposta: ________________________________________

11) Percebe-se claramente que no Brasil existe um grande número de
correntes migratórias que se deslocam do campo para as pequenas ou
grandes cidades.
Haja vista
os inúmeros
problemas
que
dificultam a permanência do homem no campo. Em virtude disso, os
meios de sobrevivência nos centros urbanos estão cada vez mais
complicados, pois as cidades encontram-se despreparadas para
absorver esses migrantes
e
oferecer-lhes condições de
subsistência e de trabalho.
Resposta: ________________________________________
10) É imprescindível insistir no fato de que como bem se expressou
Guimarães Rosa, na obra Grande sertão: veredas, “ amizade dada é
amor ”. O afeto, a admiração e o respeito entre as pessoas devem
acontecer de forma recíproca e, sobretudo, espontânea. Desse modo,
gratuita inteiramente, a amizade torna-se sinônimo perfeito de amor.
Resposta:

Citação

11) Percebe-se claramente que no Brasil existe um grande número de
correntes migratórias que se deslocam do campo para as pequenas ou
grandes cidades.
Haja vista
os inúmeros
problemas
que
dificultam a permanência do homem no campo. Em virtude disso, os
meios de sobrevivência nos centros urbanos estão cada vez mais
complicados, pois as cidades encontram-se despreparadas para
absorver esses migrantes
e
oferecer-lhes condições de
subsistência e de trabalho.
Resposta: Causa

e consequência
Além da seca
Não são as chuvas escassas o principal problema dos que vivem no sertão. O maior
empecilho é a falta de interesse político, haja vista a conveniência de existirem eleitores
miseráveis e persuasíveis, que se tornaram presas fáceis aos objetivos meramente eleitoreiros
dos candidatos da região.
Convém observar que o nordeste não é um total deserto. Possui uma grande faixa
litorânea e, em seus vales e chapadas, existem muitas fontes de água potável. O que falta,
como já mencionado, é a ação política em relação à distribuição dessa água seguida de
propaganda positiva da região após uma administração séria.
É imprescindível insistir no fato de que a má conduta dos políticos e certos
cidadãos, sem consciência do próprio voto, só agravam, ainda mais, o problema que vai além
da seca. Percebe-se, nitidamente, que essa questão não é levada a sério pelas autoridades e,
assim como acontece na obra Vidas secas, de Graciliano Ramos, a seca é, e sempre foi, um
círculo que não tem fim, terminando sempre onde começa.
Um outro fator que adquire importância nessa discussão é a falta de discernimento
de muitos eleitores os quais possuem, já arraigadas, a cultura de que cada período de
eleição os mesmos terão a oportunidade de obter dinheiro ou “presentes” em troca do voto,
dessa forma, fomentando uma indústria de pobreza e descaso.
Logo, para acabar com o mito de que o sertão é sinônimo de seca, os políticos
devem acreditar no nordeste e investirem em tecnologias que favoreçam a irrigação e
armazenamento de águas em açudes e barragens com o objetivo de uma melhor
transposição e distribuição. Já aos indivíduos comuns cabe a responsabilidade de votar e,
sobretudo, não vender nem trocar o voto por pequenos favores.
Além da seca
Não são as chuvas escassas o principal problema dos que
vivem no sertão. O maior empecilho é a falta de interesse político,
haja vista a conveniência de existirem eleitores miseráveis e
persuasíveis, que se tornaram presas fáceis aos objetivos
meramente eleitoreiros dos candidatos da região.
Convém observar que o nordeste não é um total deserto.
Possui uma grande faixa litorânea e, em seus vales e chapadas, existem
muitas fontes de água potável. O que falta, como já mencionado, é a
ação política em relação à distribuição dessa água seguida de
propaganda positiva da região após uma administração séria.
É imprescindível insistir no fato de que a má conduta dos
políticos e certos cidadãos, sem consciência do próprio voto, só
agravam, ainda mais, o problema que vai além da seca. Percebe-se,
nitidamente, que essa questão não é levada a sério pelas autoridades .
Um outro fator que adquire importância nessa discussão é a
falta de discernimento de muitos eleitores os quais possuem, já
arraigadas, a cultura de que a cada período de eleição os mesmos
terão a oportunidade de obter dinheiro ou “presentes” em troca do
voto, dessa forma, fomentando uma indústria de pobreza e descaso.
Convém observar que o nordeste não é um total deserto.
Possui uma grande faixa litorânea e, em seus vales e chapadas,
existem muitas fontes de água potável. O que falta, como já
mencionado, é a ação política em relação à distribuição dessa água
seguida de propaganda positiva da região após uma administração
séria.
É imprescindível insistir no fato de que a má conduta dos
políticos e certos cidadãos, sem consciência do próprio voto, só
agravam, ainda mais, o problema que vai além da seca. Percebe-se,
nitidamente, que essa questão não é levada a sério pelas
autoridades e, assim como acontece na obra Vidas secas, de
Graciliano Ramos, a seca é, e sempre foi, um círculo que não tem
fim, terminando sempre onde começa.
Um outro fator que adquire importância nessa discussão é a
falta de discernimento de muitos eleitores os quais possuem, já
arraigadas, a cultura de que a cada período de eleição os mesmos
terão a oportunidade de obter dinheiro ou “presentes” em troca do
voto, dessa forma, fomentando uma indústria de pobreza e descaso.
A CONCLUSÃO
É a parte final do texto, em que há o fechamento
das ideias discutidas, com a retomada do assunto
principal de forma finalizadora. É onde se deve
acrescenta, imprescindivelmente, a proposta de solução
do problema discutido ao longo do texto, conforme se
pede no edital do Enem:
200 pontos: O participante elabora proposta de
intervenção clara e inovadora, relacionada à tese e bem
articulada com a discussão desenvolvida no texto. São
explicitados os meios para realizá-la.
OS DEZ ERROS MAIS FREQUENTES NA CONSTRUÇÃO DA CONCLUSÃO

I- Conclusões com apenas uma frase, porque não há mais
linhas ou tempo para o aprofundamento das ideias;
II- conclusão desconectada: apontando uma solução para
problemas não discutidos no desenvolvimento;
III- soluções utópicas, mágicas, vagas, não viáveis;
IV- transição abrupta entre desenvolvimento e conclusão;
V- confundir as atribuições de cada órgão ou poder
(seguimentos sociais);
VI- desrespeito aos direitos humanos;
VII- iniciar a conclusão com conjunções adversativas;
VIII- mandar recado direcionando o texto;
IX- exagero enfático: interrogações e exclamações;
X- não apresentar proposta de intervenção deixando o texto
aberto.
Fique atento!
De nada adianta uma conclusão bem escrita, se
não for compatível com a argumentação anterior,
se contrariar ou ignorar a tese ou desviar-se dela,
acrescentando ideias novas que criem expectativas
para o leitor.
Logo, para acabar com o mito de que o sertão é
sinônimo de seca, os políticos deveriam investir em
indústrias e escolas para que os que residem no campo
possam sair da pobreza e caminharem com os próprios
pés, sem depender de ajudas do governo em forma de
variados tipos de bolsa- ajuda.
Logo, para acabar com o mito de que o sertão é
sinônimo de seca, os políticos devem acreditar no
nordeste e investir em tecnologias que favoreçam a
irrigação e armazenamento de águas em açudes e
barragens com o objetivo de uma melhor transposição
e distribuição. Já aos indivíduos comuns cabe a
responsabilidade de votar e, sobretudo, não vender
nem trocar o voto por pequenos favores.
Lembre-se!
O parágrafo de conclusão é o
último
a ser lido pelos
corretores,
gerando
a
impressão final antes de a
nota ser lançada. Assim, é de
suma importância caprichar
nesse fechamento, de modo a
impressionar os corretores no
último momento de eles
atribuírem um valor a seu
texto.
“ Não ensino meus alunos. Crio a condição para
que aprendam.”
Albert Einstein

O dia 27 de outubro espera muito de
você e eu vou estar orando a Deus pra
que todo esse esforço nosso não seja
em vão! Deus os abençoe!
Ana Cleide

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação - PRONTO
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação  - PRONTOAULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação  - PRONTO
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação - PRONTOMarcelo Cordeiro Souza
 
Figuras de linguagem completo
Figuras de linguagem completoFiguras de linguagem completo
Figuras de linguagem completoCDIM Daniel
 
Artigo de opinião slides
Artigo de opinião slidesArtigo de opinião slides
Artigo de opinião slidesIsis Barros
 
LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP06)
LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP06)LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP06)
LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP06)GernciadeProduodeMat
 
Elementos da narrativa
Elementos da narrativaElementos da narrativa
Elementos da narrativaAna Castro
 
redação - dissertativa argumentativa
redação - dissertativa argumentativa redação - dissertativa argumentativa
redação - dissertativa argumentativa Luciene Gomes
 
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURAAULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURAMarcelo Cordeiro Souza
 
Plano de aula / Produção de textos: reportagem
Plano de aula / Produção de textos: reportagemPlano de aula / Produção de textos: reportagem
Plano de aula / Produção de textos: reportagemNéia Capitu
 

Mais procurados (20)

Diferença entre fato e opinião
Diferença entre fato e opiniãoDiferença entre fato e opinião
Diferença entre fato e opinião
 
Gênero poesia
Gênero poesiaGênero poesia
Gênero poesia
 
Gêneros literários
Gêneros literáriosGêneros literários
Gêneros literários
 
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação - PRONTO
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação  - PRONTOAULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação  - PRONTO
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação - PRONTO
 
Figuras de linguagem completo
Figuras de linguagem completoFiguras de linguagem completo
Figuras de linguagem completo
 
Artigo de opinião slides
Artigo de opinião slidesArtigo de opinião slides
Artigo de opinião slides
 
Estrutura do-artigo-de-opinião
Estrutura do-artigo-de-opiniãoEstrutura do-artigo-de-opinião
Estrutura do-artigo-de-opinião
 
LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP06)
LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP06)LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP06)
LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP06)
 
Elementos da narrativa
Elementos da narrativaElementos da narrativa
Elementos da narrativa
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
redação - dissertativa argumentativa
redação - dissertativa argumentativa redação - dissertativa argumentativa
redação - dissertativa argumentativa
 
Tipologia textual
Tipologia textualTipologia textual
Tipologia textual
 
Genero textual charge
Genero textual chargeGenero textual charge
Genero textual charge
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
 
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURAAULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
 
4. generos textuais aula 3
4. generos textuais   aula 34. generos textuais   aula 3
4. generos textuais aula 3
 
Generos textuais
Generos textuaisGeneros textuais
Generos textuais
 
Slides cartas
Slides  cartasSlides  cartas
Slides cartas
 
Uso dos porquês
Uso dos porquêsUso dos porquês
Uso dos porquês
 
Plano de aula / Produção de textos: reportagem
Plano de aula / Produção de textos: reportagemPlano de aula / Produção de textos: reportagem
Plano de aula / Produção de textos: reportagem
 

Destaque

Introdução de texto dissertativo argumentativo
Introdução de texto dissertativo  argumentativoIntrodução de texto dissertativo  argumentativo
Introdução de texto dissertativo argumentativoMiquéias Vitorino
 
Conclusão de texto dissertativo-argumentativo
Conclusão de texto dissertativo-argumentativoConclusão de texto dissertativo-argumentativo
Conclusão de texto dissertativo-argumentativo7 de Setembro
 
DISSERTAÇÃO: flashes e sequencias interrogativas
DISSERTAÇÃO: flashes e sequencias interrogativasDISSERTAÇÃO: flashes e sequencias interrogativas
DISSERTAÇÃO: flashes e sequencias interrogativasVictor Linard
 
2015 tipos-de-introdução-texto-dissertativo-argumentativo--1
2015 tipos-de-introdução-texto-dissertativo-argumentativo--12015 tipos-de-introdução-texto-dissertativo-argumentativo--1
2015 tipos-de-introdução-texto-dissertativo-argumentativo--1Davi Ávila
 
Introdução à apresentação
Introdução à apresentaçãoIntrodução à apresentação
Introdução à apresentaçãocelizgeo
 

Destaque (6)

Introdução de texto dissertativo argumentativo
Introdução de texto dissertativo  argumentativoIntrodução de texto dissertativo  argumentativo
Introdução de texto dissertativo argumentativo
 
Conclusão de texto dissertativo-argumentativo
Conclusão de texto dissertativo-argumentativoConclusão de texto dissertativo-argumentativo
Conclusão de texto dissertativo-argumentativo
 
Introdução
IntroduçãoIntrodução
Introdução
 
DISSERTAÇÃO: flashes e sequencias interrogativas
DISSERTAÇÃO: flashes e sequencias interrogativasDISSERTAÇÃO: flashes e sequencias interrogativas
DISSERTAÇÃO: flashes e sequencias interrogativas
 
2015 tipos-de-introdução-texto-dissertativo-argumentativo--1
2015 tipos-de-introdução-texto-dissertativo-argumentativo--12015 tipos-de-introdução-texto-dissertativo-argumentativo--1
2015 tipos-de-introdução-texto-dissertativo-argumentativo--1
 
Introdução à apresentação
Introdução à apresentaçãoIntrodução à apresentação
Introdução à apresentação
 

Semelhante a Texto dissertativo argumentativo

ARGUMENTAÇÃO - Enem (Competência 3)
ARGUMENTAÇÃO - Enem (Competência 3)ARGUMENTAÇÃO - Enem (Competência 3)
ARGUMENTAÇÃO - Enem (Competência 3)Cynthia Funchal
 
Curso Básico de Redação - Fernanda Braga
Curso Básico de Redação - Fernanda BragaCurso Básico de Redação - Fernanda Braga
Curso Básico de Redação - Fernanda BragaProfFernandaBraga
 
Conversa filosófica 2015
Conversa filosófica 2015Conversa filosófica 2015
Conversa filosófica 2015Elisangela Zati
 
18 formas de começar um texto
18 formas de começar um texto18 formas de começar um texto
18 formas de começar um textoFabio Dos Santos
 
Cilp 2014 slides 4
Cilp 2014 slides 4Cilp 2014 slides 4
Cilp 2014 slides 4jasonrplima
 
CILP 2014 - slides 4 - Redação - aula 05/03/2014
CILP 2014  - slides 4 - Redação - aula 05/03/2014CILP 2014  - slides 4 - Redação - aula 05/03/2014
CILP 2014 - slides 4 - Redação - aula 05/03/2014jasonrplima
 
Tipos de argumentacao
Tipos de argumentacaoTipos de argumentacao
Tipos de argumentacaoEstude Mais
 
DissertaçãO
DissertaçãODissertaçãO
DissertaçãOilk Sala4
 
18 formas para_voce_comecar_um_texto
18 formas para_voce_comecar_um_texto18 formas para_voce_comecar_um_texto
18 formas para_voce_comecar_um_textoMaria das Dores Justo
 
Texto argumentativo dissertação escolar..ppt
Texto argumentativo dissertação escolar..pptTexto argumentativo dissertação escolar..ppt
Texto argumentativo dissertação escolar..pptALEXANDRELIZ1
 
Unicamp 1 vestibular 2012 gênero artigo de opinião
Unicamp 1 vestibular 2012 gênero   artigo de opiniãoUnicamp 1 vestibular 2012 gênero   artigo de opinião
Unicamp 1 vestibular 2012 gênero artigo de opiniãoKatcavenum
 
Dissertação organização e apresentação da tese
Dissertação organização e apresentação da teseDissertação organização e apresentação da tese
Dissertação organização e apresentação da tesemarlospg
 
Dissertação apresentação
Dissertação apresentaçãoDissertação apresentação
Dissertação apresentaçãoCoreyTaylorFDP
 
Aual03 introduo-diversasformasdeiniciarumaredao-pronto-130529182620-phpapp02
Aual03 introduo-diversasformasdeiniciarumaredao-pronto-130529182620-phpapp02Aual03 introduo-diversasformasdeiniciarumaredao-pronto-130529182620-phpapp02
Aual03 introduo-diversasformasdeiniciarumaredao-pronto-130529182620-phpapp02veraravagnani1
 
Almossawi - O livro ilustrado dos maus argumentos.pdf
Almossawi - O livro ilustrado dos maus argumentos.pdfAlmossawi - O livro ilustrado dos maus argumentos.pdf
Almossawi - O livro ilustrado dos maus argumentos.pdfVIEIRA RESENDE
 

Semelhante a Texto dissertativo argumentativo (20)

ARGUMENTAÇÃO - Enem (Competência 3)
ARGUMENTAÇÃO - Enem (Competência 3)ARGUMENTAÇÃO - Enem (Competência 3)
ARGUMENTAÇÃO - Enem (Competência 3)
 
Curso Básico de Redação - Fernanda Braga
Curso Básico de Redação - Fernanda BragaCurso Básico de Redação - Fernanda Braga
Curso Básico de Redação - Fernanda Braga
 
Conversa filosófica 2015
Conversa filosófica 2015Conversa filosófica 2015
Conversa filosófica 2015
 
18 formas de começar um texto
18 formas de começar um texto18 formas de começar um texto
18 formas de começar um texto
 
Cilp 2014 slides 4
Cilp 2014 slides 4Cilp 2014 slides 4
Cilp 2014 slides 4
 
CILP 2014 - slides 4 - Redação - aula 05/03/2014
CILP 2014  - slides 4 - Redação - aula 05/03/2014CILP 2014  - slides 4 - Redação - aula 05/03/2014
CILP 2014 - slides 4 - Redação - aula 05/03/2014
 
Argumentação
ArgumentaçãoArgumentação
Argumentação
 
Tipos de argumentacao
Tipos de argumentacaoTipos de argumentacao
Tipos de argumentacao
 
Argumentação
ArgumentaçãoArgumentação
Argumentação
 
DissertaçãO
DissertaçãODissertaçãO
DissertaçãO
 
18 formas para_voce_comecar_um_texto
18 formas para_voce_comecar_um_texto18 formas para_voce_comecar_um_texto
18 formas para_voce_comecar_um_texto
 
Texto argumentativo dissertação escolar..ppt
Texto argumentativo dissertação escolar..pptTexto argumentativo dissertação escolar..ppt
Texto argumentativo dissertação escolar..ppt
 
Unicamp 1 vestibular 2012 gênero artigo de opinião
Unicamp 1 vestibular 2012 gênero   artigo de opiniãoUnicamp 1 vestibular 2012 gênero   artigo de opinião
Unicamp 1 vestibular 2012 gênero artigo de opinião
 
Dissertação organização e apresentação da tese
Dissertação organização e apresentação da teseDissertação organização e apresentação da tese
Dissertação organização e apresentação da tese
 
Redação 1
Redação 1Redação 1
Redação 1
 
Dissertação apresentação
Dissertação apresentaçãoDissertação apresentação
Dissertação apresentação
 
Aual03 introduo-diversasformasdeiniciarumaredao-pronto-130529182620-phpapp02
Aual03 introduo-diversasformasdeiniciarumaredao-pronto-130529182620-phpapp02Aual03 introduo-diversasformasdeiniciarumaredao-pronto-130529182620-phpapp02
Aual03 introduo-diversasformasdeiniciarumaredao-pronto-130529182620-phpapp02
 
Almossawi - O livro ilustrado dos maus argumentos.pdf
Almossawi - O livro ilustrado dos maus argumentos.pdfAlmossawi - O livro ilustrado dos maus argumentos.pdf
Almossawi - O livro ilustrado dos maus argumentos.pdf
 
DISSERTAÇÃO
DISSERTAÇÃODISSERTAÇÃO
DISSERTAÇÃO
 
anglo-redacao-temas
anglo-redacao-temasanglo-redacao-temas
anglo-redacao-temas
 

Mais de Cicero Luciano

2º momento modernista poema
2º momento modernista   poema2º momento modernista   poema
2º momento modernista poemaCicero Luciano
 
Competência leitura (Interpretação de texto)
Competência leitura (Interpretação de texto)Competência leitura (Interpretação de texto)
Competência leitura (Interpretação de texto)Cicero Luciano
 
O Romantismo no Brasil II
O Romantismo no Brasil IIO Romantismo no Brasil II
O Romantismo no Brasil IICicero Luciano
 
Interpretação de texto
Interpretação de textoInterpretação de texto
Interpretação de textoCicero Luciano
 
Lei nº 3713 09 de agosto de 2010
Lei nº 3713 09 de agosto de 2010Lei nº 3713 09 de agosto de 2010
Lei nº 3713 09 de agosto de 2010Cicero Luciano
 
Mensagem nº 29 de 22 de maio de 2013
Mensagem nº 29 de 22 de maio de 2013Mensagem nº 29 de 22 de maio de 2013
Mensagem nº 29 de 22 de maio de 2013Cicero Luciano
 
Projeto de lei complementar que dispoem sobre o empregado domestico
Projeto de lei complementar que dispoem sobre o empregado domesticoProjeto de lei complementar que dispoem sobre o empregado domestico
Projeto de lei complementar que dispoem sobre o empregado domesticoCicero Luciano
 
Certificado 05 31ª corrida padre cicero
Certificado 05   31ª corrida padre ciceroCertificado 05   31ª corrida padre cicero
Certificado 05 31ª corrida padre ciceroCicero Luciano
 
Calendário letivo 2013
Calendário letivo 2013Calendário letivo 2013
Calendário letivo 2013Cicero Luciano
 
Venha ver o por do sol
Venha ver o por do solVenha ver o por do sol
Venha ver o por do solCicero Luciano
 
Calendário letivo 2013
Calendário letivo 2013Calendário letivo 2013
Calendário letivo 2013Cicero Luciano
 
Guiadoparticipanteredacao enem2012
Guiadoparticipanteredacao enem2012Guiadoparticipanteredacao enem2012
Guiadoparticipanteredacao enem2012Cicero Luciano
 
Registro de bens móveis e utensílios em posse da eef dona odorina castelo bra...
Registro de bens móveis e utensílios em posse da eef dona odorina castelo bra...Registro de bens móveis e utensílios em posse da eef dona odorina castelo bra...
Registro de bens móveis e utensílios em posse da eef dona odorina castelo bra...Cicero Luciano
 

Mais de Cicero Luciano (14)

2º momento modernista poema
2º momento modernista   poema2º momento modernista   poema
2º momento modernista poema
 
Competência leitura (Interpretação de texto)
Competência leitura (Interpretação de texto)Competência leitura (Interpretação de texto)
Competência leitura (Interpretação de texto)
 
O Romantismo no Brasil II
O Romantismo no Brasil IIO Romantismo no Brasil II
O Romantismo no Brasil II
 
Interpretação de texto
Interpretação de textoInterpretação de texto
Interpretação de texto
 
Lei nº 3713 09 de agosto de 2010
Lei nº 3713 09 de agosto de 2010Lei nº 3713 09 de agosto de 2010
Lei nº 3713 09 de agosto de 2010
 
PCCR
PCCRPCCR
PCCR
 
Mensagem nº 29 de 22 de maio de 2013
Mensagem nº 29 de 22 de maio de 2013Mensagem nº 29 de 22 de maio de 2013
Mensagem nº 29 de 22 de maio de 2013
 
Projeto de lei complementar que dispoem sobre o empregado domestico
Projeto de lei complementar que dispoem sobre o empregado domesticoProjeto de lei complementar que dispoem sobre o empregado domestico
Projeto de lei complementar que dispoem sobre o empregado domestico
 
Certificado 05 31ª corrida padre cicero
Certificado 05   31ª corrida padre ciceroCertificado 05   31ª corrida padre cicero
Certificado 05 31ª corrida padre cicero
 
Calendário letivo 2013
Calendário letivo 2013Calendário letivo 2013
Calendário letivo 2013
 
Venha ver o por do sol
Venha ver o por do solVenha ver o por do sol
Venha ver o por do sol
 
Calendário letivo 2013
Calendário letivo 2013Calendário letivo 2013
Calendário letivo 2013
 
Guiadoparticipanteredacao enem2012
Guiadoparticipanteredacao enem2012Guiadoparticipanteredacao enem2012
Guiadoparticipanteredacao enem2012
 
Registro de bens móveis e utensílios em posse da eef dona odorina castelo bra...
Registro de bens móveis e utensílios em posse da eef dona odorina castelo bra...Registro de bens móveis e utensílios em posse da eef dona odorina castelo bra...
Registro de bens móveis e utensílios em posse da eef dona odorina castelo bra...
 

Último

Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...LuizHenriquedeAlmeid6
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAElianeAlves383563
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxIlda Bicacro
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfRILTONNOGUEIRADOSSAN
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptxTIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptxMarceloMonteiro213738
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdfdanielagracia9
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaIlda Bicacro
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisIlda Bicacro
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoIlda Bicacro
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalcarlaOliveira438
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfssuserbb4ac2
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfmaria794949
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 

Último (20)

Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptxTIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 

Texto dissertativo argumentativo

  • 1. Redação no Enem Por Ana Cleide Batista
  • 2. TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO Dissertar é debater, discutir, questionar... Temos liberdade de defender qualquer opinião, entretanto precisamos fundamentá-la, justificar, exemplificar, convencer, isto é: precisamos argumentar.
  • 4. TEMA É assunto que você irá discutir. Exemplos: *O poder de transformação da leitura. *Adoção, um ato de amor e solidariedade. *O direito de votar.
  • 5. TESE É a ideia que você vai defender em sua redação. Ela deve estar relacionada ao tema e apoiada em argumentos ao longo do texto.
  • 6. ARGUMENTAÇÃO É a justificativa que você usa para convencer o leitor de que tem razão sobre o que está defendendo. É nesse campo que o redator deve usar estratégias de exemplificação comprovando seu ponto de vista. Isso transforma o texto, apenas, dissertativo em um texto dissertativo-argumentativo.
  • 7. PROPOSTA DE INTERVENÇÃO É a solução para o problema e deve contemplar cada ponto abordado na argumentação. Esta proposta deve ser clara e inovadora, relacionada à tese e bem articulada com a discussão desenvolvida no texto. Os meios utilizados para a solução do problema devem ser explicitados respondendo as perguntas QUEM? e COMO? (solucionar).
  • 8. ESTRUTURA FÍSICA DO TEXTO (Texto de 20 a 30 linhas) INTRODUÇÃO de 4 a 6 linhas Tem o objetivo de apresentar a tese a ser defendida de modo claro sem argumentar. DESENVOLVIMENTO 2 ou 3 parágrafos CONCLUSÃO de 5 a 7 linhas VEJA: Tem o objetivo de apresentar os argumentos, opiniões, contra-argumentos e exemplos. O objetivo aqui é apontar uma solução viável para o problema exposto na introdução e discutido no desenvolvimento. INTRODUÇÃO + CONCLUSÃO < OU = DESENVOLVIMENTO
  • 9. TIPOS DE INTRODUÇÕES A palavra introdução tem origem latina: intro (dentro) ducere (conduzir). Sendo assim, o nosso objetivo é produzir uma introdução que conduza o leitor para dentro do texto de forma sedutora. Segue agora alguns tipos de introduções existentes.
  • 10. Percurso histórico: “Desde seus primeiros passos, o Brasil caminhou com dificuldade. A estratificação social, manifestada sobretudo no binômio senhores e escravos, explica os motivos de o Brasil ser hoje um país desigual e preconceituoso”. Desfazendo uma ideia incorreta: “ Não são as chuvas escassas o principal problema dos que vivem no sertão. O maior empecilho é a falta de interesse político, haja vista a conveniência de existirem eleitores miseráveis e persuasíveis, que se tornaram presas fáceis aos objetivos meramente eleitoreiros dos candidatos da região.”
  • 11. Citando um especialista: “Um dos mais respeitados cientistas brasileiros, Eneas Salati, concluiu em suas pesquisas que a Amazônia produz a maior parte de sua própria chuva e que o desmatamento pode degradar o ciclo hidrológico.” Declaração inicial + justificativa: “É condenável a postura de muitos políticos em nosso país. Escândalos acontecem, denúncias são feitas, comissões de inquérito são formadas, contudo, ainda assim, a situação não muda. O povo parece estar de mãos atadas diante desse problema tão recorrente.”
  • 12. Trechos narrativos (flashes): “Escândalos constantes. Desvios de verbas. Condutas antiéticas. Décadas se passam e a situação política brasileira só parece piorar. A corrupção tornou-se algo corriqueiro e os cidadãos parecem ter se acostumado a isso. É preciso respeitar os direitos de todos para que aconteçam mudanças em nosso país.” Conceito moral: “O envelhecimento é inerente ao homem o que, ao longo dos anos, acarreta profundas transformações físicas e psicológicas. O sistema imunológico também apresenta mais fragilidade, entretanto nada pode ser mais difícil do que ser vítima de preconceito.”
  • 13. Exposição de ponto de vista opostos: Tema: o provão “O ministro da Educação se esforça para convencer de que o provão é fundamental para a melhoria da qualidade do ensino superior. Para isso, vem ocupando generosos espaços na mídia e fazendo milionária campanha publicitária, ensinando como gastar mal o dinheiro que deveria ser investido na educação.” Adjetivação: “Equivocada e pouco racional. Esta é a verdadeira adjetivação para a política educacional do governo. De um lado professores mal remunerados e desestimulados, de outro objetos eletrônicos de alta tecnologia. É um verdadeiro paradoxo existente.”
  • 14. Perguntas a serem respondidas: “É possível imaginar o Brasil como um país desenvolvido e com justiça social enquanto existir tanta violência contra o menor de idade? Há formas adequadas de retirar das ruas crianças e adolescentes marginalizados?” Por enumeração: “Partindo da afirmativa de que a vida começa no ventre da mãe é que o aborto deve ser discutido em três distintos níveis: cultural, penal e médico. O primeiro rege o comportamento de cada sociedade, o segundo a questão da criminalidade e o terceiro o plano da ética.”
  • 15. O DESENVOLVIMENTO TÓPICO FRASAL: ideia central do parágrafo. JUSTIFICATIVA: explicação, exemplificação. GANCHOS SEMÂNTICOS: correlações entre parágrafos. Fórmula: A + I = F argumento ideia fundamentada
  • 16. Lembre-se de que... o desenvolvimento é a explanação da ideia principal do texto. Há diversos processos que variam conforme a natureza do assunto e a finalidade da exposição de argumentos. Entretanto, qualquer que seja ele, a preocupação maior do autor deve ser sempre a de fundamentar de maneira clara e convincente as ideias que defende ou expõe, servindo-se de recursos costumeiros, tais como:
  • 17. TIPOS DE DESENVOLVIMENTO 1º) Comparação; 2º) Exemplificação; 3º) Alusão histórica; 4º) Enumeração; 5º) Definição; 6º) Causa e consequência; 7º) Citação ou testemunho (ou argumento de autoridade); 8º) Argumentos consensuais; 9º) Provas concretas.
  • 18. Treine: identifique o(s) nome(s) do procedimento argumentativo representado(s) em cada parágrafo de desenvolvimento proposto. Não se esqueça de que há parágrafos que podem representar mais de um tipo de argumento. 1) Na África, por exemplo, existe uma mulher fumante para cada sete homens, mas entre jovens de 13 a 15 anos a proporção é bem maior: uma para cada 2,2. Tendências semelhantes são verificadas em outros continentes. Na Europa, 33,9% dos garotos e 29% das garotas fumam. Nas Américas, os índices são de 16,6% e 12,2%, respectivamente. Os números mundiais para jovens são 15% e 6,6%. Na população adulta, as taxas são de 47% e 12%. (Mulheres fumantes. Editorial da Folha de S. Paulo de 14/08/2003) RESPOSTA: ____________________________________________
  • 19. Treine: Identifique o(s) nome(s) do procedimento argumentativo representado(s) em cada parágrafo de desenvolvimento proposto. Não se esqueça de que há parágrafos que podem representar mais de um tipo de argumento. 1) Na África, por exemplo, existe uma mulher fumante para cada sete homens, mas entre jovens de 13 a 15 anos a proporção é bem maior: uma para cada 2,2. Tendências semelhantes são verificadas em outros continentes. Na Europa, 33,9% dos garotos e 29% das garotas fumam. Nas Américas, os índices são de 16,6% e 12,2%, respectivamente. Os números mundiais para jovens são 15% e 6,6%. Na população adulta, as taxas são de 47% e 12%. (Mulheres fumantes. Editorial da Folha de S. Paulo de 14/08/2003) RESPOSTA: exemplificação, comparação e provas concretas.
  • 20. 2) Em 69% dos casos de violência sexual, a vítima é menor de idade, e, em apenas 6% das vezes, o abusador é um desconhecido. Ou seja, em 94% das denúncias feitas, o acusado é alguém próximo ao jovem – às vezes, é o pai, o irmão, um primo ou um amigo próximo. (É proibido fazer silêncio. Folha de S. Paulo, 13/10/2003. Folhateen.) RESPOSTA: ______________________________ 3) O abortamento provocado, pelos riscos que traz, não é evidentemente uma opção recomendável. Casamentos por conveniência frequentemente acabam em separação e, quando não, levam a um convívio infeliz. Finalmente, num meio preconceituoso como o nosso, ser mãe solteira adolescente é uma condição extremamente penosa. Assim, nenhuma dessas três soluções é a ideal, cada uma delas cria novos problemas. (Trecho do texto Gravidez na adolescência) RESPOSTA: _______________________________________
  • 21. 2) Em 69% dos casos de violência sexual, a vítima é menor de idade, e, em apenas 6% das vezes, o abusador é um desconhecido. Ou seja, em 94% das denúncias feitas, o acusado é alguém próximo ao jovem – às vezes, é o pai, o irmão, um primo ou um amigo próximo. (É proibido fazer silêncio. Folha de S. Paulo, 13/10/2003. Folhateen.) RESPOSTA: : Enumeração e provas concretas. 3) O abortamento provocado, pelos riscos que traz, não é evidentemente uma opção recomendável. Casamentos por conveniência frequentemente acabam em separação e, quando não, levam a um convívio infeliz. Finalmente, num meio preconceituoso como o nosso, ser mãe solteira adolescente é uma condição extremamente penosa. Assim, nenhuma dessas três soluções é a ideal, cada uma delas cria novos problemas. (Trecho do texto Gravidez na adolescência) RESPOSTA: Argumentos consensuais.
  • 22. 4) Há exatos 150 anos, numa saleta da Sociedade Lineana de Londres, um grupo de naturalistas anunciava ao público ali presente os contornos de uma teoria que alteraria para sempre o modo de compreender a origem e a variedade de vida em nosso planeta. Era a teoria da evolução por seleção natural, concebida de forma independente por Charles Darwin e Alfred Wallace. RESPOSTA: _______________________________________ (Folha de S. Paulo, 1º/6/2008.) 5) Analogia é um fenômeno de ordem psicológica, que consiste na tendência para nivelar palavras ou construções que de certo modo se aproximam pela forma ou pelo sentido, levando uma delas a se modelar pela outra. Quando uma criança diz fazi e cabeu, conjuga essas formas verbais por outras já conhecidas, como dormi e correu. RESPOSTA: _______________________________________
  • 23. 4) Há exatos 150 anos, numa saleta da Sociedade Lineana de Londres, um grupo de naturalistas anunciava ao público ali presente os contornos de uma teoria que alteraria para sempre o modo de compreender a origem e a variedade de vida em nosso planeta. Era a teoria da evolução por seleção natural, concebida de forma independente por Charles Darwin e Alfred Wallace. RESPOSTA: Alusão histórica (Folha de S. Paulo, 1º/6/2008.) 5) Analogia é um fenômeno de ordem psicológica, que consiste na tendência para nivelar palavras ou construções que de certo modo se aproximam pela forma ou pelo sentido, levando uma delas a se modelar pela outra. Quando uma criança diz fazi e cabeu, conjuga essas formas verbais por outras já conhecidas, como dormi e correu. RESPOSTA: Definição e exemplificação
  • 24. 6) As drogas, no início do século XX, eram consumidas, quase exclusivamente pela elite dominante, principalmente o ópio e a heroína. O século XXI começa com a popularização da droga, sobretudo maconha, cocaína e crack. Isso certamente é o mais contundente e deplorável elo entre classes sociais. Resposta: _________________________________ 7) Apesar dos esforços das autoridades competentes para erradicar as drogas, é possível perceber que a guerra está declarada em vários estágios da sociedade: a família, que perde seu filho para o tráfico; a sociedade, que perde o cidadão de bem; o Estado, que perde sua credibilidade diante dos olhos do mundo. Resposta: _______________________________
  • 25. 6) As drogas, no início do século XX, eram consumidas, quase exclusivamente pela elite dominante, principalmente o ópio e a heroína. O século XXI começa com a popularização da droga, sobretudo maconha, cocaína e crack. Isso certamente é o mais contundente e deplorável elo entre classes sociais. Resposta: Alusão histórica e comparação 7) Apesar dos esforços das autoridades competentes para erradicar as drogas, é possível perceber que a guerra está declarada em vários estágios da sociedade: a família, que perde seu filho para o tráfico; a sociedade, que perde o cidadão de bem; o Estado, que perde sua credibilidade diante dos olhos do mundo. Resposta: Enumeração
  • 26. 8) Enquanto países como Inglaterra e Canadá têm leis que protegem as crianças da exposição ao sexo e à violência na televisão, no Brasil não há nenhum controle efetivo sobre a programação. Não é de surpreender que muitos brasileiros estejam defendendo alguma forma de censura sobre a televisão. Resposta: _________________________________ 9) Algumas pessoas refugiam-se nas drogas na tentativa de esquecer seus problemas. Acabam formando-se dependentes psicóticos dos quais se utilizam e, na maioria das vezes, transformam-se em pessoas inúteis para si mesmas e para a comunidade. Resposta: ______________________
  • 27. 8) Enquanto países como Inglaterra e Canadá têm leis que protegem as crianças da exposição ao sexo e à violência na televisão, no Brasil não há nenhum controle efetivo sobre a programação. Não é de surpreender que muitos brasileiros estejam defendendo alguma forma de censura sobre a televisão. Resposta: Comparação 9) Algumas pessoas refugiam-se nas drogas na tentativa de esquecer seus problemas. Acabam formando-se dependentes psicóticos dos quais se utilizam e, na maioria das vezes, transformam-se em pessoas inúteis para si mesmas e para a comunidade. Resposta: Causa e consequência
  • 28. 10) É imprescindível insistir no fato de que como bem se expressou Guimarães Rosa, na obra Grande sertão: veredas, “ amizade dada é amor ”. O afeto, a admiração e o respeito entre as pessoas devem acontecer de forma recíproca e, sobretudo, espontânea. Desse modo, gratuita inteiramente, a amizade torna-se sinônimo perfeito de amor. Resposta: ________________________________________ 11) Percebe-se claramente que no Brasil existe um grande número de correntes migratórias que se deslocam do campo para as pequenas ou grandes cidades. Haja vista os inúmeros problemas que dificultam a permanência do homem no campo. Em virtude disso, os meios de sobrevivência nos centros urbanos estão cada vez mais complicados, pois as cidades encontram-se despreparadas para absorver esses migrantes e oferecer-lhes condições de subsistência e de trabalho. Resposta: ________________________________________
  • 29. 10) É imprescindível insistir no fato de que como bem se expressou Guimarães Rosa, na obra Grande sertão: veredas, “ amizade dada é amor ”. O afeto, a admiração e o respeito entre as pessoas devem acontecer de forma recíproca e, sobretudo, espontânea. Desse modo, gratuita inteiramente, a amizade torna-se sinônimo perfeito de amor. Resposta: Citação 11) Percebe-se claramente que no Brasil existe um grande número de correntes migratórias que se deslocam do campo para as pequenas ou grandes cidades. Haja vista os inúmeros problemas que dificultam a permanência do homem no campo. Em virtude disso, os meios de sobrevivência nos centros urbanos estão cada vez mais complicados, pois as cidades encontram-se despreparadas para absorver esses migrantes e oferecer-lhes condições de subsistência e de trabalho. Resposta: Causa e consequência
  • 30. Além da seca Não são as chuvas escassas o principal problema dos que vivem no sertão. O maior empecilho é a falta de interesse político, haja vista a conveniência de existirem eleitores miseráveis e persuasíveis, que se tornaram presas fáceis aos objetivos meramente eleitoreiros dos candidatos da região. Convém observar que o nordeste não é um total deserto. Possui uma grande faixa litorânea e, em seus vales e chapadas, existem muitas fontes de água potável. O que falta, como já mencionado, é a ação política em relação à distribuição dessa água seguida de propaganda positiva da região após uma administração séria. É imprescindível insistir no fato de que a má conduta dos políticos e certos cidadãos, sem consciência do próprio voto, só agravam, ainda mais, o problema que vai além da seca. Percebe-se, nitidamente, que essa questão não é levada a sério pelas autoridades e, assim como acontece na obra Vidas secas, de Graciliano Ramos, a seca é, e sempre foi, um círculo que não tem fim, terminando sempre onde começa. Um outro fator que adquire importância nessa discussão é a falta de discernimento de muitos eleitores os quais possuem, já arraigadas, a cultura de que cada período de eleição os mesmos terão a oportunidade de obter dinheiro ou “presentes” em troca do voto, dessa forma, fomentando uma indústria de pobreza e descaso. Logo, para acabar com o mito de que o sertão é sinônimo de seca, os políticos devem acreditar no nordeste e investirem em tecnologias que favoreçam a irrigação e armazenamento de águas em açudes e barragens com o objetivo de uma melhor transposição e distribuição. Já aos indivíduos comuns cabe a responsabilidade de votar e, sobretudo, não vender nem trocar o voto por pequenos favores.
  • 31. Além da seca Não são as chuvas escassas o principal problema dos que vivem no sertão. O maior empecilho é a falta de interesse político, haja vista a conveniência de existirem eleitores miseráveis e persuasíveis, que se tornaram presas fáceis aos objetivos meramente eleitoreiros dos candidatos da região.
  • 32. Convém observar que o nordeste não é um total deserto. Possui uma grande faixa litorânea e, em seus vales e chapadas, existem muitas fontes de água potável. O que falta, como já mencionado, é a ação política em relação à distribuição dessa água seguida de propaganda positiva da região após uma administração séria. É imprescindível insistir no fato de que a má conduta dos políticos e certos cidadãos, sem consciência do próprio voto, só agravam, ainda mais, o problema que vai além da seca. Percebe-se, nitidamente, que essa questão não é levada a sério pelas autoridades . Um outro fator que adquire importância nessa discussão é a falta de discernimento de muitos eleitores os quais possuem, já arraigadas, a cultura de que a cada período de eleição os mesmos terão a oportunidade de obter dinheiro ou “presentes” em troca do voto, dessa forma, fomentando uma indústria de pobreza e descaso.
  • 33. Convém observar que o nordeste não é um total deserto. Possui uma grande faixa litorânea e, em seus vales e chapadas, existem muitas fontes de água potável. O que falta, como já mencionado, é a ação política em relação à distribuição dessa água seguida de propaganda positiva da região após uma administração séria. É imprescindível insistir no fato de que a má conduta dos políticos e certos cidadãos, sem consciência do próprio voto, só agravam, ainda mais, o problema que vai além da seca. Percebe-se, nitidamente, que essa questão não é levada a sério pelas autoridades e, assim como acontece na obra Vidas secas, de Graciliano Ramos, a seca é, e sempre foi, um círculo que não tem fim, terminando sempre onde começa. Um outro fator que adquire importância nessa discussão é a falta de discernimento de muitos eleitores os quais possuem, já arraigadas, a cultura de que a cada período de eleição os mesmos terão a oportunidade de obter dinheiro ou “presentes” em troca do voto, dessa forma, fomentando uma indústria de pobreza e descaso.
  • 34. A CONCLUSÃO É a parte final do texto, em que há o fechamento das ideias discutidas, com a retomada do assunto principal de forma finalizadora. É onde se deve acrescenta, imprescindivelmente, a proposta de solução do problema discutido ao longo do texto, conforme se pede no edital do Enem: 200 pontos: O participante elabora proposta de intervenção clara e inovadora, relacionada à tese e bem articulada com a discussão desenvolvida no texto. São explicitados os meios para realizá-la.
  • 35. OS DEZ ERROS MAIS FREQUENTES NA CONSTRUÇÃO DA CONCLUSÃO I- Conclusões com apenas uma frase, porque não há mais linhas ou tempo para o aprofundamento das ideias; II- conclusão desconectada: apontando uma solução para problemas não discutidos no desenvolvimento; III- soluções utópicas, mágicas, vagas, não viáveis; IV- transição abrupta entre desenvolvimento e conclusão; V- confundir as atribuições de cada órgão ou poder (seguimentos sociais); VI- desrespeito aos direitos humanos; VII- iniciar a conclusão com conjunções adversativas; VIII- mandar recado direcionando o texto; IX- exagero enfático: interrogações e exclamações; X- não apresentar proposta de intervenção deixando o texto aberto.
  • 36. Fique atento! De nada adianta uma conclusão bem escrita, se não for compatível com a argumentação anterior, se contrariar ou ignorar a tese ou desviar-se dela, acrescentando ideias novas que criem expectativas para o leitor.
  • 37. Logo, para acabar com o mito de que o sertão é sinônimo de seca, os políticos deveriam investir em indústrias e escolas para que os que residem no campo possam sair da pobreza e caminharem com os próprios pés, sem depender de ajudas do governo em forma de variados tipos de bolsa- ajuda.
  • 38. Logo, para acabar com o mito de que o sertão é sinônimo de seca, os políticos devem acreditar no nordeste e investir em tecnologias que favoreçam a irrigação e armazenamento de águas em açudes e barragens com o objetivo de uma melhor transposição e distribuição. Já aos indivíduos comuns cabe a responsabilidade de votar e, sobretudo, não vender nem trocar o voto por pequenos favores.
  • 39. Lembre-se! O parágrafo de conclusão é o último a ser lido pelos corretores, gerando a impressão final antes de a nota ser lançada. Assim, é de suma importância caprichar nesse fechamento, de modo a impressionar os corretores no último momento de eles atribuírem um valor a seu texto.
  • 40.
  • 41. “ Não ensino meus alunos. Crio a condição para que aprendam.” Albert Einstein O dia 27 de outubro espera muito de você e eu vou estar orando a Deus pra que todo esse esforço nosso não seja em vão! Deus os abençoe! Ana Cleide