SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 18
Baixar para ler offline
Avaliar para conhecer
Examinar para excluir
Juan Manuel Álvarez Méndez
Claudia
Olden
Marília
CAPÍTULO I

O Campo Semântico da Avaliação:
Mais além das definições
Delimitação conceitual
As urgências levam com demasiada frequência
a perguntar como fazer a avaliação, antes de
averiguar ou de refletir sobre o porquê e o para
quê.
Delimitação conceitual
“(…) avaliar com intenção formativa não é o mesmo que
medir, nem qualificar e nem sequer corrigir; avaliar
tampouco é classificar, examinar, aplicar testes.
Paradoxalmente, a avaliação tem a ver com atividades de
qualificação, medição, correção, classificação, certificação,
exame, aplicação de prova, mas não se confunde com
elas.”
A partir do interesse da racionalidade prática e
crítica,
caracterizada
pela
busca
de
entendimento, pela participação e pela
emancipação dos sujeitos, na educação não
pode ocorrer a avaliação sem o sujeito
avaliado, dando por suposta a presença do
avaliador.
No âmbito educativo, a avaliação deve
entendida
como
atividade
crítica
aprendizagem, porque se assume
avaliação é aprendizagem no sentido de
por meio dela adquirimos conhecimento.

ser
de
que
que
Apenas quando asseguramos a aprendizagem
também podemos assegurar a avaliação – a
boa avaliação que forma – transformada ela
mesma em meio de aprendizagem e em
expressão de saberes. Só então poderemos
falar com propriedade em avaliação formativa.
Caracterização da avaliação educativa
- Democrática: participação ativa de professor e alunos.
- Deve estar a serviço daqueles que aprendem.
- Negociação dos critérios de avaliação.
- Transparência nos critérios aplicados.
- Deve ser contínua, processual e integrada no currículo.
- A intenção sancionadora fica longe dessa avaliação.
- Técnicas de triangulação.
A importância do contexto de elaboração
Poucas obras questionam a natureza, o sentido, a
existência e a presença da avaliação, a sua necessidade, o
poder de união que adquire e o poder de estimulação que
implica, seja como instrumento de controle ou de exercício
de autoridade, seja como meio educativo de
aprendizagem.
O contexto social e histórico no qual surgem conceitos e
práticas educativas e a que interesses eles responder
devem ser objetos de reflexão e análise cuidadosas.
Novos conceitos, velhas funções: a complicação das
práticas de avaliação
- Confusão: mescla de funções atribuídas à avaliação;
- expansão da educação - complexidade e multiplicidade
- Reflexão evitaria: criar palavras novas para explicar conceitos que já têm uma
terminologia tradicional e a criação de novos conceitos que ocultam ou
“distraem” a mesma realidade que querem transformar.
Questionamentos do autor - p. 26 (segundo parágrafo)
- Para a transformação da realidade - conhecer os conteúdos, não basta
colocar rótulos - novas propostas e argumentos que sustentem
CAPÍTULO II

A natureza e o sentido da
avaliação em educação
A visão positivista do conhecimento

- Racionalidade técnica / Modelo de provas objetivas
- O professor tem respostas precisas e inequívocas
- Aprendizagem reduzida a condutas observáveis
- Ensino que visa mudar a conduta e não o raciocínio
- Inibe natureza exploradora dos processos de ensino
- Medição das características da personalidade
- A aprendizagem é algo que se pode manipular e prever
O conhecimento como construção sócio-histórica

- Racionalidade prática e crítica
- Participação ativa do sujeito em construção
- Incentivo à curiosidade pela exploração do conhecimento
- Professor como propiciador da descoberta da aprendizagem
A coerência epistemológica
- A avaliação reflete a concepção de conhecimento de quem avalia.
- Muitos professores não têm consciência epistemológica de sua prática.
- A escola fala sobre a autonomia de pensamento, mas passa a maior parte do
tempo ensinando saberes acadêmicos.
A avaliação a serviço da aprendizagem
- A aprendizagem e a avaliação devem ser
orientadas pelo currículo.
-Quem aprende tem muito o que dizer do que
aprende e da forma como o faz, sem que sobre
a sua palavra gravite constantemente o peso
do olho do avaliador que tudo vê e tudo julga.
Currículo e práticas avaliativas
- A avaliação através de testes não propicia a
aprendizagem cooperativa, crítica e autônoma.
-A maneira como o sujeito aprende é mais
importante que aquilo que aprende.
Mudar as práticas, mudar a mentalidade
Se considerarmos que a aprendizagem é
construção, é participação, é compreensão, é
assimilação, é apropriação e integração dos
próprios esquemas de raciocínio, e não mera
verbalização
de
palavra
emprestada
conservada
em
forma
de
memória
insignificante, é porque por trás disso há uma
visão epistemológica do que é conhecimento.
BONS ESTUDOS!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A organização Escola
A organização EscolaA organização Escola
A organização Escola
viviprof
 
A avaliação da aprendizagem e o princípio da continuidade da
A avaliação da aprendizagem e o princípio da continuidade daA avaliação da aprendizagem e o princípio da continuidade da
A avaliação da aprendizagem e o princípio da continuidade da
Eliana Zati
 
Planejamento, organização, direcao e controle
Planejamento, organização, direcao e controlePlanejamento, organização, direcao e controle
Planejamento, organização, direcao e controle
Rodrigo Ribeiro
 

Mais procurados (20)

12. Pensamento pedagógico e gestão escolar na história da educação = Prof. Dr...
12. Pensamento pedagógico e gestão escolar na história da educação = Prof. Dr...12. Pensamento pedagógico e gestão escolar na história da educação = Prof. Dr...
12. Pensamento pedagógico e gestão escolar na história da educação = Prof. Dr...
 
Monitoramento de Processos Educacionais e Avaliação Institucional
Monitoramento de Processos Educacionais e Avaliação InstitucionalMonitoramento de Processos Educacionais e Avaliação Institucional
Monitoramento de Processos Educacionais e Avaliação Institucional
 
Slides gestão escolar
Slides gestão escolarSlides gestão escolar
Slides gestão escolar
 
Professores reflexivos em uma escola reflexiva
Professores reflexivos em uma escola reflexivaProfessores reflexivos em uma escola reflexiva
Professores reflexivos em uma escola reflexiva
 
4. avaliação
4. avaliação4. avaliação
4. avaliação
 
Avaliação
AvaliaçãoAvaliação
Avaliação
 
Avaliação da aprendizagem
Avaliação da aprendizagemAvaliação da aprendizagem
Avaliação da aprendizagem
 
Da disciplina à autoridade - um experiência em sala de aula
Da disciplina à autoridade - um experiência em sala de aulaDa disciplina à autoridade - um experiência em sala de aula
Da disciplina à autoridade - um experiência em sala de aula
 
A avaliação da aprendizagem como processo
A avaliação da aprendizagem como processoA avaliação da aprendizagem como processo
A avaliação da aprendizagem como processo
 
AVALIAÇÃO EDUCACIONAL: PESPECTIVIAS
AVALIAÇÃO EDUCACIONAL: PESPECTIVIASAVALIAÇÃO EDUCACIONAL: PESPECTIVIAS
AVALIAÇÃO EDUCACIONAL: PESPECTIVIAS
 
A organização Escola
A organização EscolaA organização Escola
A organização Escola
 
Avaliação Escolar
Avaliação EscolarAvaliação Escolar
Avaliação Escolar
 
Avaliação Escolar - Texto de Libâneo (1994)
Avaliação Escolar - Texto de Libâneo (1994)Avaliação Escolar - Texto de Libâneo (1994)
Avaliação Escolar - Texto de Libâneo (1994)
 
A avaliação da aprendizagem e o princípio da continuidade da
A avaliação da aprendizagem e o princípio da continuidade daA avaliação da aprendizagem e o princípio da continuidade da
A avaliação da aprendizagem e o princípio da continuidade da
 
DESAFIO COTIDIANO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA
DESAFIO COTIDIANO DA PRÁTICA PEDAGÓGICADESAFIO COTIDIANO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA
DESAFIO COTIDIANO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA
 
Gestão por Competencias
Gestão por CompetenciasGestão por Competencias
Gestão por Competencias
 
Planejamento, organização, direcao e controle
Planejamento, organização, direcao e controlePlanejamento, organização, direcao e controle
Planejamento, organização, direcao e controle
 
Princípios fundamentais da administração pública
Princípios fundamentais da administração públicaPrincípios fundamentais da administração pública
Princípios fundamentais da administração pública
 
Apresentação planejamento e avaliação
Apresentação   planejamento e avaliaçãoApresentação   planejamento e avaliação
Apresentação planejamento e avaliação
 
Didática relação professor /aluno
Didática relação professor /alunoDidática relação professor /aluno
Didática relação professor /aluno
 

Destaque

Apresentação disciplina avaliação 03-10 (1)
Apresentação disciplina avaliação   03-10 (1)Apresentação disciplina avaliação   03-10 (1)
Apresentação disciplina avaliação 03-10 (1)
claudia murta
 
Evaluar para conocer, examinar para excluir
Evaluar para conocer, examinar para excluirEvaluar para conocer, examinar para excluir
Evaluar para conocer, examinar para excluir
Dianitha Blake
 
Evaluar para conocer examinar para excluir
Evaluar para conocer examinar para excluirEvaluar para conocer examinar para excluir
Evaluar para conocer examinar para excluir
Haide Godines
 
Psicogênese da língua escrita segundo maria emilia ferreiro
Psicogênese da língua escrita segundo maria emilia ferreiroPsicogênese da língua escrita segundo maria emilia ferreiro
Psicogênese da língua escrita segundo maria emilia ferreiro
RoseParre
 

Destaque (13)

Apresentação disciplina avaliação 03-10 (1)
Apresentação disciplina avaliação   03-10 (1)Apresentação disciplina avaliação   03-10 (1)
Apresentação disciplina avaliação 03-10 (1)
 
Resumo história da educação e da pedagogia
Resumo   história da educação e da pedagogiaResumo   história da educação e da pedagogia
Resumo história da educação e da pedagogia
 
Educar é uma preocupação constante de muitos pais
Educar é uma preocupação constante de muitos paisEducar é uma preocupação constante de muitos pais
Educar é uma preocupação constante de muitos pais
 
Evaluar para conocer, examinar para excluir
Evaluar para conocer, examinar para excluirEvaluar para conocer, examinar para excluir
Evaluar para conocer, examinar para excluir
 
Evaluar para conocer examinar para excluir
Evaluar para conocer examinar para excluirEvaluar para conocer examinar para excluir
Evaluar para conocer examinar para excluir
 
Múltiplas Inteligências
Múltiplas InteligênciasMúltiplas Inteligências
Múltiplas Inteligências
 
Pedagogia progressista libertadora
Pedagogia progressista libertadoraPedagogia progressista libertadora
Pedagogia progressista libertadora
 
Apresentação - Portugal
Apresentação - PortugalApresentação - Portugal
Apresentação - Portugal
 
Qualidade da educação - Pedro Demo
Qualidade da educação - Pedro DemoQualidade da educação - Pedro Demo
Qualidade da educação - Pedro Demo
 
Avaliação
AvaliaçãoAvaliação
Avaliação
 
Psicogênese da língua escrita segundo maria emilia ferreiro
Psicogênese da língua escrita segundo maria emilia ferreiroPsicogênese da língua escrita segundo maria emilia ferreiro
Psicogênese da língua escrita segundo maria emilia ferreiro
 
Identificação dos níveis silábicos Emília Ferreiro
Identificação dos níveis silábicos Emília Ferreiro Identificação dos níveis silábicos Emília Ferreiro
Identificação dos níveis silábicos Emília Ferreiro
 
Formas De Avaliação
Formas De AvaliaçãoFormas De Avaliação
Formas De Avaliação
 

Semelhante a Texto alvarez

Planejamento e avaliação na educação
Planejamento e avaliação na educaçãoPlanejamento e avaliação na educação
Planejamento e avaliação na educação
SimoneHelenDrumond
 
Avaliando De Acordo Com Um CurríCulo Integrado
Avaliando  De Acordo Com Um CurríCulo IntegradoAvaliando  De Acordo Com Um CurríCulo Integrado
Avaliando De Acordo Com Um CurríCulo Integrado
Elizabethe Gomes Pinheiro
 
REVISTA
REVISTAREVISTA
REVISTA
Ped55
 
A avaliação como prática pedagógica diferenciada
A avaliação como prática pedagógica diferenciadaA avaliação como prática pedagógica diferenciada
A avaliação como prática pedagógica diferenciada
Gilvandenys Leite Sales
 
Avaliacao da-parendizagem
Avaliacao da-parendizagemAvaliacao da-parendizagem
Avaliacao da-parendizagem
heliane
 

Semelhante a Texto alvarez (20)

Avaliacao jussara
Avaliacao jussaraAvaliacao jussara
Avaliacao jussara
 
Avaliação ppt
Avaliação pptAvaliação ppt
Avaliação ppt
 
Planejamento e avaliação na educação
Planejamento e avaliação na educaçãoPlanejamento e avaliação na educação
Planejamento e avaliação na educação
 
Concepção Curricular
Concepção Curricular Concepção Curricular
Concepção Curricular
 
A avaliação da aprendizagem como principio da autoria
A avaliação da aprendizagem como principio da autoriaA avaliação da aprendizagem como principio da autoria
A avaliação da aprendizagem como principio da autoria
 
APOSTILA-AVALIAÇÃO-DA-APRENDIZAGEM.pdf
APOSTILA-AVALIAÇÃO-DA-APRENDIZAGEM.pdfAPOSTILA-AVALIAÇÃO-DA-APRENDIZAGEM.pdf
APOSTILA-AVALIAÇÃO-DA-APRENDIZAGEM.pdf
 
Avaliando De Acordo Com Um CurríCulo Integrado
Avaliando  De Acordo Com Um CurríCulo IntegradoAvaliando  De Acordo Com Um CurríCulo Integrado
Avaliando De Acordo Com Um CurríCulo Integrado
 
REVISTA
REVISTAREVISTA
REVISTA
 
Estudar concurso 80 verdetes
Estudar concurso   80 verdetesEstudar concurso   80 verdetes
Estudar concurso 80 verdetes
 
Avaliacao formativa
Avaliacao formativaAvaliacao formativa
Avaliacao formativa
 
Discussao 2
Discussao 2Discussao 2
Discussao 2
 
Avaliação escolar e democratização: o direito de errar
Avaliação escolar e democratização: o direito de errarAvaliação escolar e democratização: o direito de errar
Avaliação escolar e democratização: o direito de errar
 
Seminário discussao coordenada (1)
Seminário   discussao coordenada (1)Seminário   discussao coordenada (1)
Seminário discussao coordenada (1)
 
aprender e ensinar
aprender e ensinaraprender e ensinar
aprender e ensinar
 
Avaliação
AvaliaçãoAvaliação
Avaliação
 
A avaliação como prática pedagógica diferenciada
A avaliação como prática pedagógica diferenciadaA avaliação como prática pedagógica diferenciada
A avaliação como prática pedagógica diferenciada
 
Repensando a avaliação
Repensando a avaliaçãoRepensando a avaliação
Repensando a avaliação
 
Avaliacao da-parendizagem
Avaliacao da-parendizagemAvaliacao da-parendizagem
Avaliacao da-parendizagem
 
A prática educativa
A prática educativaA prática educativa
A prática educativa
 
Avaliação de projetos
Avaliação de projetosAvaliação de projetos
Avaliação de projetos
 

Mais de claudia murta (20)

Competências e habilidades
Competências e habilidadesCompetências e habilidades
Competências e habilidades
 
Texto argumentativo
Texto argumentativoTexto argumentativo
Texto argumentativo
 
Linguagem de especialidade
Linguagem de especialidadeLinguagem de especialidade
Linguagem de especialidade
 
A importância da leitura
A importância da leitura A importância da leitura
A importância da leitura
 
Ideias de Maturana
Ideias de MaturanaIdeias de Maturana
Ideias de Maturana
 
Diários todos
Diários todosDiários todos
Diários todos
 
Instrumento e grade de avaliação estudos sintáticos
Instrumento e grade de avaliação estudos sintáticosInstrumento e grade de avaliação estudos sintáticos
Instrumento e grade de avaliação estudos sintáticos
 
Autoavaliação
AutoavaliaçãoAutoavaliação
Autoavaliação
 
Autoavaliação
AutoavaliaçãoAutoavaliação
Autoavaliação
 
O que é mesmo o ato de avaliar
O que é mesmo o ato de avaliarO que é mesmo o ato de avaliar
O que é mesmo o ato de avaliar
 
Quinhentismo(1)
Quinhentismo(1)Quinhentismo(1)
Quinhentismo(1)
 
Escrita semplagio final
Escrita semplagio finalEscrita semplagio final
Escrita semplagio final
 
Colecao de mapas_conceituais
Colecao de mapas_conceituaisColecao de mapas_conceituais
Colecao de mapas_conceituais
 
Modernismo iii fase(7)
Modernismo iii fase(7)Modernismo iii fase(7)
Modernismo iii fase(7)
 
Figuras linguagem2
Figuras linguagem2Figuras linguagem2
Figuras linguagem2
 
Figuras linguagem
Figuras linguagemFiguras linguagem
Figuras linguagem
 
Metodologia pesquisa
Metodologia pesquisaMetodologia pesquisa
Metodologia pesquisa
 
Romantismo contexto histórico
Romantismo contexto histórico Romantismo contexto histórico
Romantismo contexto histórico
 
Vanguardas Europeias
Vanguardas EuropeiasVanguardas Europeias
Vanguardas Europeias
 
Trabalho de literatura webquest
Trabalho de literatura   webquestTrabalho de literatura   webquest
Trabalho de literatura webquest
 

Texto alvarez

  • 1. Avaliar para conhecer Examinar para excluir Juan Manuel Álvarez Méndez Claudia Olden Marília
  • 2. CAPÍTULO I O Campo Semântico da Avaliação: Mais além das definições
  • 3. Delimitação conceitual As urgências levam com demasiada frequência a perguntar como fazer a avaliação, antes de averiguar ou de refletir sobre o porquê e o para quê.
  • 4. Delimitação conceitual “(…) avaliar com intenção formativa não é o mesmo que medir, nem qualificar e nem sequer corrigir; avaliar tampouco é classificar, examinar, aplicar testes. Paradoxalmente, a avaliação tem a ver com atividades de qualificação, medição, correção, classificação, certificação, exame, aplicação de prova, mas não se confunde com elas.”
  • 5. A partir do interesse da racionalidade prática e crítica, caracterizada pela busca de entendimento, pela participação e pela emancipação dos sujeitos, na educação não pode ocorrer a avaliação sem o sujeito avaliado, dando por suposta a presença do avaliador.
  • 6. No âmbito educativo, a avaliação deve entendida como atividade crítica aprendizagem, porque se assume avaliação é aprendizagem no sentido de por meio dela adquirimos conhecimento. ser de que que
  • 7. Apenas quando asseguramos a aprendizagem também podemos assegurar a avaliação – a boa avaliação que forma – transformada ela mesma em meio de aprendizagem e em expressão de saberes. Só então poderemos falar com propriedade em avaliação formativa.
  • 8. Caracterização da avaliação educativa - Democrática: participação ativa de professor e alunos. - Deve estar a serviço daqueles que aprendem. - Negociação dos critérios de avaliação. - Transparência nos critérios aplicados. - Deve ser contínua, processual e integrada no currículo. - A intenção sancionadora fica longe dessa avaliação. - Técnicas de triangulação.
  • 9. A importância do contexto de elaboração Poucas obras questionam a natureza, o sentido, a existência e a presença da avaliação, a sua necessidade, o poder de união que adquire e o poder de estimulação que implica, seja como instrumento de controle ou de exercício de autoridade, seja como meio educativo de aprendizagem. O contexto social e histórico no qual surgem conceitos e práticas educativas e a que interesses eles responder devem ser objetos de reflexão e análise cuidadosas.
  • 10. Novos conceitos, velhas funções: a complicação das práticas de avaliação - Confusão: mescla de funções atribuídas à avaliação; - expansão da educação - complexidade e multiplicidade - Reflexão evitaria: criar palavras novas para explicar conceitos que já têm uma terminologia tradicional e a criação de novos conceitos que ocultam ou “distraem” a mesma realidade que querem transformar. Questionamentos do autor - p. 26 (segundo parágrafo) - Para a transformação da realidade - conhecer os conteúdos, não basta colocar rótulos - novas propostas e argumentos que sustentem
  • 11. CAPÍTULO II A natureza e o sentido da avaliação em educação
  • 12. A visão positivista do conhecimento - Racionalidade técnica / Modelo de provas objetivas - O professor tem respostas precisas e inequívocas - Aprendizagem reduzida a condutas observáveis - Ensino que visa mudar a conduta e não o raciocínio - Inibe natureza exploradora dos processos de ensino - Medição das características da personalidade - A aprendizagem é algo que se pode manipular e prever
  • 13. O conhecimento como construção sócio-histórica - Racionalidade prática e crítica - Participação ativa do sujeito em construção - Incentivo à curiosidade pela exploração do conhecimento - Professor como propiciador da descoberta da aprendizagem
  • 14. A coerência epistemológica - A avaliação reflete a concepção de conhecimento de quem avalia. - Muitos professores não têm consciência epistemológica de sua prática. - A escola fala sobre a autonomia de pensamento, mas passa a maior parte do tempo ensinando saberes acadêmicos.
  • 15. A avaliação a serviço da aprendizagem - A aprendizagem e a avaliação devem ser orientadas pelo currículo. -Quem aprende tem muito o que dizer do que aprende e da forma como o faz, sem que sobre a sua palavra gravite constantemente o peso do olho do avaliador que tudo vê e tudo julga.
  • 16. Currículo e práticas avaliativas - A avaliação através de testes não propicia a aprendizagem cooperativa, crítica e autônoma. -A maneira como o sujeito aprende é mais importante que aquilo que aprende.
  • 17. Mudar as práticas, mudar a mentalidade Se considerarmos que a aprendizagem é construção, é participação, é compreensão, é assimilação, é apropriação e integração dos próprios esquemas de raciocínio, e não mera verbalização de palavra emprestada conservada em forma de memória insignificante, é porque por trás disso há uma visão epistemológica do que é conhecimento.