SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 66
Necropsia
FENÔMENOS CONSERVADORES
DOS CADÁVERES
 O embalsamamento foi instituído nos
tempos antigos para preservar os restos
mortais dos falecidos.
 A preservação era desejada por muitos
motivos:
I. Os egípcios, povos politeístas, acreditavam
na vida eterna após a morte, em que o
espírito do falecido voltava para tomar seu
corpo.
II. Para abrigar o cadáver, construíram as
pirâmides.
III. E para preservar o corpo (enquanto o
espírito não retornava) inventaram a
mumificação. 
 Em consequência deste processo, os
egípcios iniciaram os estudos da anatomia e
descobriram várias substâncias químicas, na
busca de substâncias para a preservação do
corpo.
 A palavra múmia tem origem no idioma árabe (mumia ou
mumiya), que quer dizer breu ou betume, substância
escura, semelhante ao asfalto que escorria do monte
Mumia, situado na Pérsia, e à qual se associavam
propriedades medicinais capazes de curar diversas
enfermidades.
 No antigo Egito, acreditava-se que o corpo, depois de
impregnado com esta substância, seria capaz de chegar
ao além em bom estado, esta é a razão do aspecto escuro
das múmias egípcias.
 O processo tinham seis passos e demoravam cerca
de 40 á 70 dias, dependendo da condição financeira
do familiar do morto. (3 tipos de munificação)
 Primeiramente o corpo era levado para as tendas ao
ar livre local de purificação ao oeste Rio Nilo onde
ficavam os cemitérios.
 Eram entregues aos sacerdotes, eles (mortos), eram
lavados com vinho de palmas e água do rio Nilo
 Primeiramente, todas as vísceras do cadáver
eram retiradas.
 Um corte era feito na altura do abdômen, de
onde era retirado o coração, o fígado, o
intestino, os rins, o estômago, a bexiga, o baço,
etc.
 O coração era colocado em um recipiente à
parte. Algumas literatura (divergem) neste
tópico.
 O cérebro também era retirado.
 Para retirar o cérebro Aplicavam uma espécie
de ácido por (via nasal) que o derretia-o
facilmente facilitando assim a sua extração.
DESIDRATAÇÃO DO CORPO
 Em seguida,
deixavam o
corpo
repousando em
um vasilhame
com água e sal
(para desidratá-
lo e matar as
bactérias)
durante setenta
dias.
 Após a desidratação, o corpo era lavado
novamente preenchido com serragem,
ervas aromáticas (para evitar sua
deterioração) e alguns textos sagrados.
 Depois de todas essas etapas, o corpo
estava pronto para ser enfaixado.
ENFAIXAMENTO
 Ataduras de
linho branco
eram
passadas ao
redor do
corpo,
seguidas de
uma cola
especial.
 Após esse processo,
o corpo era
colocado em um
sarcófago (espécie
de caixão) e
abrigado dentro de
pirâmides (faraó) ou
sepultado em
mastabas, uma
espécie de túmulo
(nobres e
sacerdotes).
 No Antigo Egito, o processo de
embalsamamento era mais ou menos
complexo, e, portanto, caro, de acordo
com a posição social do defunto.
 Hoje o embalsamento não tem a
mesma conotação, isto é (transformar-
se em múmias), e sim transporta-lo
 Atualmente, a preservação de corpos de pessoas
mortas é feita retirando sangue e outros fluidos e
injetando uma solução de água e formaldeído para
interromper o processo de decomposição.
 Até hoje essa técnica é empregada, mas não para
fazer múmias, e sim para transportar corpos e
conservá-los durante o velório.
I. Para questões de higiene – presumia-se que os
restos mortais frescos eram um risco à saúde.
II. Por motivos sentimentais – a família desejava
impedir a deterioração do corpo físico como uma
ilusão reconfortante de que o falecido ainda vivia.
III. Para apresentação – para evitar sinais visíveis de
deterioração enquanto o falecido estava sendo
visitado pelo público antes do funeral
 Para um enterro tradicional, o corpo pode ser
embalsamado para o aumento do tempo de
duração do um velório ou quando será
transportado este corpo para sua cidade natal
(por exemplo) ou outro país.
 Este processo preserva o corpo através da
substituição de fluidos corporais, que
retardarão o processo de decomposição.
 A tanatopraxia foi criada entre os anos de 1861- 1865
nos USA durante a guerra civil onde os corpos dos
militares tinham que ser armazenados na linha de
fogo e transportados por centenas de milhares de km.
 verificando-se o seu desenvolvimento generalizado
após a II Guerra Mundial. Em 1963 foi criado o
Instituto Francês de Tanatopraxia, e desde dessa data
a Tanatopraxia desenvolveu-se instalando-se
rapidamente nos hábitos e rituais fúnebres.
 No Brasil, chegou na década de 1990 e era tido como
desnecessária, mas hoje se tornou um serviço
indispensável para as funerárias.
 A tanatopraxia ou embalsamento corresponde a
aplicação correta de produtos químicos em corpos
falecidos, visando a desinfecção e o retardamento do
processo biológico de decomposição.
 Como a decomposição age rápido, quanto
antes for iniciado o processo de
embalsamento melhor.
 A limpeza do corpo é feita com ele colocado
em uma mesa cirúrgica, despido e lavado
com desinfetantes e germicidas.
 Depois, é preciso tirar a rigidez do corpo (rigor
mortis), massageando os músculos e a face
 No Brasil, os sepultamentos existiram até a década de 20,
quando foram construídos os primeiros cemitérios.
 Antes disso, apenas os índios, escravos e indigentes eram
enterrados, enquanto os homens livres eram sepultados nas
igrejas.
 Devido a esse costume, era possível “medir” o tamanho de
uma cidade pela quantidade de igrejas que ela possuía.
 Hoje enterrar um corpo em terreno privado, e não no cemitério,
é considerado crime de ocultação de cadáver.
 
 No início, os velórios eram realizados nas casas das
famílias e todos os parentes e pessoas próximas
compareciam e entregavam flores.
 Com o surgimento de lugares próprios para isso,
muitos não podiam se deslocar até o local do velório
e passaram a enviar as flores e cartas, que muitas
vezes, na emoção do momento, não eram lidas. 
 Pensando em diminuir o
impacto ambiental, já que
o caixão, as roupas e o
líquido tóxico da
decomposição do corpo
podem atingir os lençóis
freáticos, foram criados
caixões de material
biodegradável.
 Porém, são pouco
solicitados por sua
aparência. 
INUMAÇÃO TRANSLADAÇÃO
 Consiste na colocação de
cadáver em sepultura,
jazigo ou local de
consumação aeróbia.
 É o sepultamento do
cadáver, sendo cadáver, o
corpo morto enquanto
conservar a aparência
humana
 Consiste no transporte de
cadáver inumado em jazigo,
ou de ossadas, para local
diferente daquele em que se
encontram, a fim de serem
de novo inumados,
cremados ou colocados em
ossário.
 Quando uma pessoa morre,
seu corpo pode, através de
processos naturais, apodrecer
e ter sua carne consumida
pela "flora cadavérica" até se
tornar um esqueleto;
 Mumificar-se pela ação físico-
química do ambiente ou se
transformar simplesmente em
sabão também por ações
físico-químicas
 Este processo pelo qual um corpo se transforma numa
espécie de sabão é chamado de saponificação cadavérica.
Consiste na transformação da gordura dos tecidos
em adipocera - substância amarelo-clara, semelhante a cera
ou queijo, com um odor rançoso e desagradável.
 Os lipídios são transformados em sabão e o corpo
transforma-se numa massa pastosa e, em muitos, casos sem
forma. Há uma transformação gordurosa e calcária do
cadáver. 
 Calcificação – Fenômeno que se caracteriza pela
petrificação ou calcificação do cadáver,
frequentemente observado em fetos mortos e
retidos na cavidade uterina nos dois primeiros
meses de gestação.
 A Medicina Legal é uma especialidade
concomitantemente médica e jurídica que utiliza
conhecimentos técnico-científicos da medicina para o
esclarecimento de fatos de interesse da justiça.
 O especialista médico praticante é denominado
médico legista.
 Calendário tanatológico tem como objetivo
uma aproximação do tempo da morte.
 Quando a vítima fatal é encontrada segue-se,
rigorosamente, a cronologia, a fim de
estabelecermos o momento do óbito:
 Fauna cadavérica: início 08 dias
 Fauna cadavérica: final 36 meses
 Esqueletização +36 meses
FENÔMENOS ABIÓTICOS
IMEDIATOS
FENÔMENOS ABIÓTICOS
MEDIATOS (CONSECUTIVOS)
 Cessação
cardiorespiratória;ƒ
 Ausência de circulação;
 ƒPerda de consciência.
 Desidratação cadavérica;
 Esfriamento do cadáver;
 Hipostática (manchas
arroxeadas)
 Rigidez cadavéricas.
 Fenômenos
conservadores:
 Mumificação;
 Petrificação;
 Saponificação;
 Coreificação.
CAUSAS MORTIS MÉDICA CAUSAS MORTIS JURÍDICAS
 Podem manifestar-se de
diversas formas.
 Anemia aguda;
 Asfixia;
 FV/ TV/ IAM/ Assisitolia;
 Choques: (metabólicos,
cardiogênico, anafiláticos,
neurogênico, hipovolêmico
 Depressão Respiratória;
 Envenenamento;
 Sincope;
 TCE – Traumatismo Crânio
Encefálico.
São causas
violentas:
 Homicídios;
 Suicídios;
 Acidentes.
 Reação vital;
 Sinais de macroscópicos;
 Hemorragias;
 Coagulação sanguínea;
 Retração de tecidos;
 Reações inflamatórias;
 Eritemas;(coloração
vermelha da pele
vasodilatação).
 Flictemas- (bolhas)
 Cogumelo de espuma;
 Fuligens nas vias
respiratórias;
 Aspiração de materiais;
 Embolias gasosas ou
gordurosas;
 Bolsas linfáticas;
 Gás carbônico do
sangue;
 Espasmos cadavéricos.
 É a área cientifica que estuda
os ossos, resultado da
aplicação de conhecimentos
antropológicos as questões de
direito no que diz respeito à
identificação de restos
cadavéricos
[necroidentificação].
 Atraves dos ossos podemos
abter dados sobre sexo, idade,
eatatuta do falecido e
pormenores [hábitos
alimentares, algumas
doenças, lesões etc].
 o trabalho de um antropólogo começa no local de
crime e se estende até o laboratório e divide-se em
três etapas:
 1ª Etapa: ARQUEOLOGIA FORENSE: é feita uma
escavação do local onde se encontra o corpo.
 2ª Etapa: ANTROPOLOGIA SOCIAL: consiste na
recolha de informações em redor da área do crime
[entrevistar ás pessoas da região, consulta em
órgãos e arquivos municipal, eclesiásticos, militares
etc]
3ª Etapa: INVESTIGAÇÃO LABORATORIAL:
há uma aplicação de técnicas como: OSTEOLOGIA
HUNANA [área que se debruça sobre o estudo dos
ossos em decomposição/ esqueleto].
PALEOPATOLOGIA [área da ciência que se dedica ao
estudo das doenças do passado]. TAFONOMIA [Estudo
sistemático da evolução de fósseis], pode ainda ser
feita uma reconstrução facial do cadáver e
superposição fotográficas. O objetivo da antropologia
forense é a determinação da identidade do individuo.
 há uma aplicação de técnicas como: OSTEOLOGIA
HUNANA [área que se debruça sobre o estudo dos
ossos em decomposição/ esqueleto].
 PALEOPATOLOGIA [área da ciência que se dedica ao
estudo das doenças do passado].
 TAFONOMIA [Estudo sistemático da evolução de
fósseis], pode ainda ser feita uma reconstrução facial
do cadáver e superposição fotográficas. O objetivo da
antropologia forense é a determinação da identidade
do individuo.
 Cada serviço de Patologia tem sua própria
técnica de necrópsia, que na verdade é
variante de uma das quatro técnicas básicas
[técnica de virchow]
 Virchow,
 Ghon,
 M. Letulle
 Rokitansky
 Em 1874, o Dr  Rudolf L. K. Virchow, médico polonês,
 padronizou a técnica de necrópsia, cuja base é utilizada até os
dias atuais. Ele fundou as disciplinas de patologia e patogia
celular.
 Na técnica de Virchow os órgãos são retirados um a um, são
pesados e examinados  separadamente.
 A abertura do tórax e abdome é a padrão (biacrômio esterno
pubiana) e a do crânio, também (bimastóidea vertical). Após o
exame dos órgãos, eles são colocados novamente dentro do
cadáver.
 Carl Rokitansky (1804-1878) estabeleceu as bases
estruturais das doenças e a técnica de necropsia com
o estudo sistemático de cada órgão.
 Em 1866, já tinha feito mais de 30 mil necropsias. Na
sua técnica, os órgãos são examinados “in situ”ou
seja, dentro do cadáver, um a um.
 Desta forma, nesta técnica são realizados vários cortes
em todos os órgãos internos, para depois eles serem
retirados, um por um.
 Observe que esta técnica possui uma grande
semelhança com técnica de Virchow,  com a diferença
de que na TÉCNICA de Virchow os órgãos são
retirados um a um para depois serem examinados.
 Enquanto na TÉCNICA de Rokitansky  os órgãos  são
examinados ainda dentro do cadáver, para depois
serem retirados , também um por um.
 Na técnica de M. Letulle, é feita a evisceração
(retirada das vísceras do cadáver) através de um
único bloco.
 Esta retirada se dá, na parte torácica e abdominal da
seguinte forma:
 A pele abaixo da região mentoniana é rebatida,
juntamente com os planos musculares, e é feito um
corte nos músculos localizados abaixo da língua.
 Na técnica de Ghon, a evisceração se dá através de
monoblocos de órgãos anatomicamente e/ou
funcionalmente relacionados. 
 Remoção do cérebro: A incisão no couro cabeludo
deve se iniciar a 1-2 cm atrás da borda inferior da
orelha direita, se estendendo ao crânio até alcançar o
ponto correspondente contralateral
 No ato da
profissão deve-se
tratar aqueles que
nos foi confiado
com respeito,
assim como
gostaríamos de
ser tratados.
 Ter consciência e
responsabilidade
em nossos atos.
 “Devemos promover a
coragem onde há medo,
promover o acordo onde
existe conflito, e inspirar
esperança onde há
desespero”
 Para negar às pessoas seu
direito humano é desafiar a
sua própria humanidade
Nleson Mandela
 Internet
 Sites especializados
 Livros de medicina forense

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Medicina forense usp traumatologia médico-legal
Medicina forense usp   traumatologia médico-legalMedicina forense usp   traumatologia médico-legal
Medicina forense usp traumatologia médico-legalNatália Portinari
 
AULA DE BIOSSEGURANÇA.pdf
AULA DE BIOSSEGURANÇA.pdfAULA DE BIOSSEGURANÇA.pdf
AULA DE BIOSSEGURANÇA.pdfLuana Pereira
 
Fenômenos transformativos cadavéricos tardios
Fenômenos transformativos cadavéricos tardios Fenômenos transformativos cadavéricos tardios
Fenômenos transformativos cadavéricos tardios Adasildo Carvalho
 
SLIDE AÇÃO EDUCATIVA - FERIDAS E CURATIVOS - Copia.pptx
SLIDE AÇÃO EDUCATIVA - FERIDAS E CURATIVOS - Copia.pptxSLIDE AÇÃO EDUCATIVA - FERIDAS E CURATIVOS - Copia.pptx
SLIDE AÇÃO EDUCATIVA - FERIDAS E CURATIVOS - Copia.pptxconferenciamunicipal1
 
4 ASFIXIOLOGIA 2018.pdf
4 ASFIXIOLOGIA 2018.pdf4 ASFIXIOLOGIA 2018.pdf
4 ASFIXIOLOGIA 2018.pdfVaniTeodoro
 
Cicatrização de Feridas em Cirurgia
Cicatrização de Feridas em CirurgiaCicatrização de Feridas em Cirurgia
Cicatrização de Feridas em CirurgiaFrancisco Doria
 
Aula 01 -Clínica Cirúrgica.pptx
Aula 01 -Clínica Cirúrgica.pptxAula 01 -Clínica Cirúrgica.pptx
Aula 01 -Clínica Cirúrgica.pptxAdrianoCosta696471
 
queimaduras-140219173438-phpapp01.pdf
queimaduras-140219173438-phpapp01.pdfqueimaduras-140219173438-phpapp01.pdf
queimaduras-140219173438-phpapp01.pdfArturTelcharov
 
fraturas, entorces e luxações
fraturas, entorces e luxaçõesfraturas, entorces e luxações
fraturas, entorces e luxaçõescristiano Santos
 
Toxicologia forense para medicina 2015 b
Toxicologia forense para medicina 2015 bToxicologia forense para medicina 2015 b
Toxicologia forense para medicina 2015 bfelixkessler
 

Mais procurados (20)

Medicina forense usp traumatologia médico-legal
Medicina forense usp   traumatologia médico-legalMedicina forense usp   traumatologia médico-legal
Medicina forense usp traumatologia médico-legal
 
AULA DE BIOSSEGURANÇA.pdf
AULA DE BIOSSEGURANÇA.pdfAULA DE BIOSSEGURANÇA.pdf
AULA DE BIOSSEGURANÇA.pdf
 
Fenômenos transformativos cadavéricos tardios
Fenômenos transformativos cadavéricos tardios Fenômenos transformativos cadavéricos tardios
Fenômenos transformativos cadavéricos tardios
 
Fraturas Expostas
Fraturas ExpostasFraturas Expostas
Fraturas Expostas
 
SLIDE AÇÃO EDUCATIVA - FERIDAS E CURATIVOS - Copia.pptx
SLIDE AÇÃO EDUCATIVA - FERIDAS E CURATIVOS - Copia.pptxSLIDE AÇÃO EDUCATIVA - FERIDAS E CURATIVOS - Copia.pptx
SLIDE AÇÃO EDUCATIVA - FERIDAS E CURATIVOS - Copia.pptx
 
4 ASFIXIOLOGIA 2018.pdf
4 ASFIXIOLOGIA 2018.pdf4 ASFIXIOLOGIA 2018.pdf
4 ASFIXIOLOGIA 2018.pdf
 
Pé Diabético
Pé DiabéticoPé Diabético
Pé Diabético
 
Fraturas Expostas
Fraturas ExpostasFraturas Expostas
Fraturas Expostas
 
Tratamento de feridas
Tratamento de feridasTratamento de feridas
Tratamento de feridas
 
Fios e suturas
Fios e suturasFios e suturas
Fios e suturas
 
Queimadura Térmica.ppt
Queimadura Térmica.pptQueimadura Térmica.ppt
Queimadura Térmica.ppt
 
Abdome agudo
Abdome agudoAbdome agudo
Abdome agudo
 
Cicatrização de Feridas em Cirurgia
Cicatrização de Feridas em CirurgiaCicatrização de Feridas em Cirurgia
Cicatrização de Feridas em Cirurgia
 
Diagnóstico clínico
Diagnóstico clínicoDiagnóstico clínico
Diagnóstico clínico
 
Aula 01 -Clínica Cirúrgica.pptx
Aula 01 -Clínica Cirúrgica.pptxAula 01 -Clínica Cirúrgica.pptx
Aula 01 -Clínica Cirúrgica.pptx
 
Cateterismo vesical
Cateterismo vesicalCateterismo vesical
Cateterismo vesical
 
queimaduras-140219173438-phpapp01.pdf
queimaduras-140219173438-phpapp01.pdfqueimaduras-140219173438-phpapp01.pdf
queimaduras-140219173438-phpapp01.pdf
 
fraturas, entorces e luxações
fraturas, entorces e luxaçõesfraturas, entorces e luxações
fraturas, entorces e luxações
 
Assepsia+e
Assepsia+eAssepsia+e
Assepsia+e
 
Toxicologia forense para medicina 2015 b
Toxicologia forense para medicina 2015 bToxicologia forense para medicina 2015 b
Toxicologia forense para medicina 2015 b
 

Destaque

Trabajo , blog de windows
Trabajo , blog de windowsTrabajo , blog de windows
Trabajo , blog de windowstate2096
 
Sistema Respiratório.
Sistema Respiratório.Sistema Respiratório.
Sistema Respiratório.Zeca Ribeiro
 
Hebrews christ is better
Hebrews christ is betterHebrews christ is better
Hebrews christ is betterSteve Moreland
 
Sistema Esquelético.
Sistema Esquelético.Sistema Esquelético.
Sistema Esquelético.Zeca Ribeiro
 
EL AYUNTAMIENTO INVIERTE 50.000 EUROS EN EL PARQUE DE LA PESETA EN LA ZONA DE...
EL AYUNTAMIENTO INVIERTE 50.000 EUROS EN EL PARQUE DE LA PESETA EN LA ZONA DE...EL AYUNTAMIENTO INVIERTE 50.000 EUROS EN EL PARQUE DE LA PESETA EN LA ZONA DE...
EL AYUNTAMIENTO INVIERTE 50.000 EUROS EN EL PARQUE DE LA PESETA EN LA ZONA DE...Ayuntamiento de Málaga
 
FINALIZA LA TRAMITACIÓN DE LA ORDENANZA DE BIENESTAR, PROTECCIÓN Y TENENCIA R...
FINALIZA LA TRAMITACIÓN DE LA ORDENANZA DE BIENESTAR, PROTECCIÓN Y TENENCIA R...FINALIZA LA TRAMITACIÓN DE LA ORDENANZA DE BIENESTAR, PROTECCIÓN Y TENENCIA R...
FINALIZA LA TRAMITACIÓN DE LA ORDENANZA DE BIENESTAR, PROTECCIÓN Y TENENCIA R...Ayuntamiento de Málaga
 
CIU კავკასიის საერთაშორისო უნივერსიტეტი
CIU კავკასიის საერთაშორისო უნივერსიტეტიCIU კავკასიის საერთაშორისო უნივერსიტეტი
CIU კავკასიის საერთაშორისო უნივერსიტეტიDavid Jafaridze
 
Contenus culturels dans un environnement en ligne : analyse du transfert de v...
Contenus culturels dans un environnement en ligne : analyse du transfert de v...Contenus culturels dans un environnement en ligne : analyse du transfert de v...
Contenus culturels dans un environnement en ligne : analyse du transfert de v...La French Team
 
The 11 steps to productivity improvement
The 11 steps to productivity improvementThe 11 steps to productivity improvement
The 11 steps to productivity improvementZakir Husain
 
Productivity measurement approaches
Productivity measurement approachesProductivity measurement approaches
Productivity measurement approachesAmit Verma
 
APROBADO EL AVANCE DEL PLAN QUE MARCA GESTIÓN DEL ARBOLADO VIARIO PARA LOS PR...
APROBADO EL AVANCE DEL PLAN QUE MARCA GESTIÓN DEL ARBOLADO VIARIO PARA LOS PR...APROBADO EL AVANCE DEL PLAN QUE MARCA GESTIÓN DEL ARBOLADO VIARIO PARA LOS PR...
APROBADO EL AVANCE DEL PLAN QUE MARCA GESTIÓN DEL ARBOLADO VIARIO PARA LOS PR...Ayuntamiento de Málaga
 
Theory audience pro-forma
Theory  audience pro-formaTheory  audience pro-forma
Theory audience pro-formaWill Stewart
 

Destaque (20)

Trabajo , blog de windows
Trabajo , blog de windowsTrabajo , blog de windows
Trabajo , blog de windows
 
Conceptos básicos de metrología
Conceptos básicos de metrologíaConceptos básicos de metrología
Conceptos básicos de metrología
 
Sistema Respiratório.
Sistema Respiratório.Sistema Respiratório.
Sistema Respiratório.
 
Hebrews christ is better
Hebrews christ is betterHebrews christ is better
Hebrews christ is better
 
Sistema Esquelético.
Sistema Esquelético.Sistema Esquelético.
Sistema Esquelético.
 
EL AYUNTAMIENTO INVIERTE 50.000 EUROS EN EL PARQUE DE LA PESETA EN LA ZONA DE...
EL AYUNTAMIENTO INVIERTE 50.000 EUROS EN EL PARQUE DE LA PESETA EN LA ZONA DE...EL AYUNTAMIENTO INVIERTE 50.000 EUROS EN EL PARQUE DE LA PESETA EN LA ZONA DE...
EL AYUNTAMIENTO INVIERTE 50.000 EUROS EN EL PARQUE DE LA PESETA EN LA ZONA DE...
 
Dr Weisi Guo, University of Warwick
Dr Weisi Guo, University of WarwickDr Weisi Guo, University of Warwick
Dr Weisi Guo, University of Warwick
 
FINALIZA LA TRAMITACIÓN DE LA ORDENANZA DE BIENESTAR, PROTECCIÓN Y TENENCIA R...
FINALIZA LA TRAMITACIÓN DE LA ORDENANZA DE BIENESTAR, PROTECCIÓN Y TENENCIA R...FINALIZA LA TRAMITACIÓN DE LA ORDENANZA DE BIENESTAR, PROTECCIÓN Y TENENCIA R...
FINALIZA LA TRAMITACIÓN DE LA ORDENANZA DE BIENESTAR, PROTECCIÓN Y TENENCIA R...
 
hardware Virtualization
hardware Virtualizationhardware Virtualization
hardware Virtualization
 
CIU კავკასიის საერთაშორისო უნივერსიტეტი
CIU კავკასიის საერთაშორისო უნივერსიტეტიCIU კავკასიის საერთაშორისო უნივერსიტეტი
CIU კავკასიის საერთაშორისო უნივერსიტეტი
 
Artificial heart
Artificial heartArtificial heart
Artificial heart
 
Contenus culturels dans un environnement en ligne : analyse du transfert de v...
Contenus culturels dans un environnement en ligne : analyse du transfert de v...Contenus culturels dans un environnement en ligne : analyse du transfert de v...
Contenus culturels dans un environnement en ligne : analyse du transfert de v...
 
The 11 steps to productivity improvement
The 11 steps to productivity improvementThe 11 steps to productivity improvement
The 11 steps to productivity improvement
 
Labs texas mit
Labs texas   mitLabs texas   mit
Labs texas mit
 
Productivity measurement approaches
Productivity measurement approachesProductivity measurement approaches
Productivity measurement approaches
 
APROBADO EL AVANCE DEL PLAN QUE MARCA GESTIÓN DEL ARBOLADO VIARIO PARA LOS PR...
APROBADO EL AVANCE DEL PLAN QUE MARCA GESTIÓN DEL ARBOLADO VIARIO PARA LOS PR...APROBADO EL AVANCE DEL PLAN QUE MARCA GESTIÓN DEL ARBOLADO VIARIO PARA LOS PR...
APROBADO EL AVANCE DEL PLAN QUE MARCA GESTIÓN DEL ARBOLADO VIARIO PARA LOS PR...
 
INFORME NIVEL DE POLEN EN MÁLAGA
INFORME NIVEL DE POLEN EN MÁLAGAINFORME NIVEL DE POLEN EN MÁLAGA
INFORME NIVEL DE POLEN EN MÁLAGA
 
Theory audience pro-forma
Theory  audience pro-formaTheory  audience pro-forma
Theory audience pro-forma
 
Artificial heart
Artificial heartArtificial heart
Artificial heart
 
Inform dovidka
Inform dovidkaInform dovidka
Inform dovidka
 

Semelhante a Tanatologia Necrósia

tanatologia aula 1.pptx
tanatologia aula 1.pptxtanatologia aula 1.pptx
tanatologia aula 1.pptxAluanRios1
 
Nascimento e morte_ok
Nascimento e morte_okNascimento e morte_ok
Nascimento e morte_okeduardoujo
 
O luto em diferentes culturas
O luto em diferentes culturasO luto em diferentes culturas
O luto em diferentes culturasTeresa Andrade
 
Trabalho de sociologia coveiro.pptx
Trabalho de sociologia coveiro.pptxTrabalho de sociologia coveiro.pptx
Trabalho de sociologia coveiro.pptxMaraMagaa4
 
Historia geral-das-religioes-karina-bezerra
Historia geral-das-religioes-karina-bezerraHistoria geral-das-religioes-karina-bezerra
Historia geral-das-religioes-karina-bezerraSandra Helena
 
Mh7 ppt explorar_figuras_votivas
Mh7 ppt explorar_figuras_votivasMh7 ppt explorar_figuras_votivas
Mh7 ppt explorar_figuras_votivasDavid Leça
 
AS MÚMIAS - TEXTO COM EXERCÍCIOS DE INTERPRETAÇÃO
AS MÚMIAS - TEXTO COM EXERCÍCIOS DE INTERPRETAÇÃOAS MÚMIAS - TEXTO COM EXERCÍCIOS DE INTERPRETAÇÃO
AS MÚMIAS - TEXTO COM EXERCÍCIOS DE INTERPRETAÇÃODiego Bian Filo Moreira
 
A caminho da luz cap 4
A caminho da luz   cap 4A caminho da luz   cap 4
A caminho da luz cap 4Gustavo Soares
 
3-Das-Origens-aos-Dias-de-Hoje-Ok.ppt
3-Das-Origens-aos-Dias-de-Hoje-Ok.ppt3-Das-Origens-aos-Dias-de-Hoje-Ok.ppt
3-Das-Origens-aos-Dias-de-Hoje-Ok.pptSandraMeirelles4
 
Teorias da Origem da vida e Evolução das espécies
Teorias da Origem da vida e Evolução das espéciesTeorias da Origem da vida e Evolução das espécies
Teorias da Origem da vida e Evolução das espéciesCarlos Priante
 

Semelhante a Tanatologia Necrósia (20)

tanatologia aula 1.pptx
tanatologia aula 1.pptxtanatologia aula 1.pptx
tanatologia aula 1.pptx
 
Nascimento e morte_ok
Nascimento e morte_okNascimento e morte_ok
Nascimento e morte_ok
 
Cremação
CremaçãoCremação
Cremação
 
O luto em diferentes culturas
O luto em diferentes culturasO luto em diferentes culturas
O luto em diferentes culturas
 
Mumias
MumiasMumias
Mumias
 
VIDA OU MORTE
VIDA OU MORTEVIDA OU MORTE
VIDA OU MORTE
 
Trabalho de sociologia coveiro.pptx
Trabalho de sociologia coveiro.pptxTrabalho de sociologia coveiro.pptx
Trabalho de sociologia coveiro.pptx
 
Historia geral-das-religioes-karina-bezerra
Historia geral-das-religioes-karina-bezerraHistoria geral-das-religioes-karina-bezerra
Historia geral-das-religioes-karina-bezerra
 
Mh7 ppt explorar_figuras_votivas
Mh7 ppt explorar_figuras_votivasMh7 ppt explorar_figuras_votivas
Mh7 ppt explorar_figuras_votivas
 
( Espiritismo) # - amag ramgis - cremacao e transplantes
( Espiritismo)   # - amag ramgis - cremacao e transplantes( Espiritismo)   # - amag ramgis - cremacao e transplantes
( Espiritismo) # - amag ramgis - cremacao e transplantes
 
( Espiritismo) # - amag ramgis - cremacao e transplantes
( Espiritismo)   # - amag ramgis - cremacao e transplantes( Espiritismo)   # - amag ramgis - cremacao e transplantes
( Espiritismo) # - amag ramgis - cremacao e transplantes
 
Pré História
Pré HistóriaPré História
Pré História
 
Egito 03
Egito 03Egito 03
Egito 03
 
AS MÚMIAS - TEXTO COM EXERCÍCIOS DE INTERPRETAÇÃO
AS MÚMIAS - TEXTO COM EXERCÍCIOS DE INTERPRETAÇÃOAS MÚMIAS - TEXTO COM EXERCÍCIOS DE INTERPRETAÇÃO
AS MÚMIAS - TEXTO COM EXERCÍCIOS DE INTERPRETAÇÃO
 
A caminho da luz cap 4
A caminho da luz   cap 4A caminho da luz   cap 4
A caminho da luz cap 4
 
Os essênios
Os essêniosOs essênios
Os essênios
 
MumificaçãO
MumificaçãOMumificaçãO
MumificaçãO
 
3-Das-Origens-aos-Dias-de-Hoje-Ok.ppt
3-Das-Origens-aos-Dias-de-Hoje-Ok.ppt3-Das-Origens-aos-Dias-de-Hoje-Ok.ppt
3-Das-Origens-aos-Dias-de-Hoje-Ok.ppt
 
Programa - Depois da morte
Programa - Depois da mortePrograma - Depois da morte
Programa - Depois da morte
 
Teorias da Origem da vida e Evolução das espécies
Teorias da Origem da vida e Evolução das espéciesTeorias da Origem da vida e Evolução das espécies
Teorias da Origem da vida e Evolução das espécies
 

Mais de Zeca Ribeiro

5a aula eletrocardiograma_(1)
5a aula eletrocardiograma_(1)5a aula eletrocardiograma_(1)
5a aula eletrocardiograma_(1)Zeca Ribeiro
 
Particularidades do centro_cirurgico_(1)
Particularidades do centro_cirurgico_(1)Particularidades do centro_cirurgico_(1)
Particularidades do centro_cirurgico_(1)Zeca Ribeiro
 
Aula do centro cirurgico
Aula do centro cirurgicoAula do centro cirurgico
Aula do centro cirurgicoZeca Ribeiro
 
DVE, DVP, DLE E PVC
DVE, DVP, DLE E PVCDVE, DVP, DLE E PVC
DVE, DVP, DLE E PVCZeca Ribeiro
 
Primeiros socorros SBV
Primeiros socorros SBVPrimeiros socorros SBV
Primeiros socorros SBVZeca Ribeiro
 
O IMPACTO DAS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA FORMAÇÃO DOS A...
O IMPACTO DAS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA FORMAÇÃO DOS A...O IMPACTO DAS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA FORMAÇÃO DOS A...
O IMPACTO DAS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA FORMAÇÃO DOS A...Zeca Ribeiro
 
Sistema Nervoso Central e SNP
Sistema Nervoso Central e SNPSistema Nervoso Central e SNP
Sistema Nervoso Central e SNPZeca Ribeiro
 
Principais Cirurgias
Principais CirurgiasPrincipais Cirurgias
Principais CirurgiasZeca Ribeiro
 
Histologia Tecido Tegumentar.
Histologia Tecido Tegumentar.Histologia Tecido Tegumentar.
Histologia Tecido Tegumentar.Zeca Ribeiro
 
ÉTica x Moral e Bioética
ÉTica x Moral e BioéticaÉTica x Moral e Bioética
ÉTica x Moral e BioéticaZeca Ribeiro
 

Mais de Zeca Ribeiro (11)

5a aula eletrocardiograma_(1)
5a aula eletrocardiograma_(1)5a aula eletrocardiograma_(1)
5a aula eletrocardiograma_(1)
 
Particularidades do centro_cirurgico_(1)
Particularidades do centro_cirurgico_(1)Particularidades do centro_cirurgico_(1)
Particularidades do centro_cirurgico_(1)
 
Saúde do Adulto
Saúde do AdultoSaúde do Adulto
Saúde do Adulto
 
Aula do centro cirurgico
Aula do centro cirurgicoAula do centro cirurgico
Aula do centro cirurgico
 
DVE, DVP, DLE E PVC
DVE, DVP, DLE E PVCDVE, DVP, DLE E PVC
DVE, DVP, DLE E PVC
 
Primeiros socorros SBV
Primeiros socorros SBVPrimeiros socorros SBV
Primeiros socorros SBV
 
O IMPACTO DAS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA FORMAÇÃO DOS A...
O IMPACTO DAS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA FORMAÇÃO DOS A...O IMPACTO DAS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA FORMAÇÃO DOS A...
O IMPACTO DAS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA FORMAÇÃO DOS A...
 
Sistema Nervoso Central e SNP
Sistema Nervoso Central e SNPSistema Nervoso Central e SNP
Sistema Nervoso Central e SNP
 
Principais Cirurgias
Principais CirurgiasPrincipais Cirurgias
Principais Cirurgias
 
Histologia Tecido Tegumentar.
Histologia Tecido Tegumentar.Histologia Tecido Tegumentar.
Histologia Tecido Tegumentar.
 
ÉTica x Moral e Bioética
ÉTica x Moral e BioéticaÉTica x Moral e Bioética
ÉTica x Moral e Bioética
 

Último

Anatomia do Sistema Respiratorio função e movimentos musculares.
Anatomia do Sistema Respiratorio função e movimentos musculares.Anatomia do Sistema Respiratorio função e movimentos musculares.
Anatomia do Sistema Respiratorio função e movimentos musculares.FabioCorreia46
 
Humanização na Enfermagem: o que é e qual a importância?
Humanização na Enfermagem: o que é e qual a importância?Humanização na Enfermagem: o que é e qual a importância?
Humanização na Enfermagem: o que é e qual a importância?carloslins20
 
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdfATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdfWendelldaLuz
 
Treinamento Básico em Primeiros Socorros.ppt
Treinamento Básico em Primeiros Socorros.pptTreinamento Básico em Primeiros Socorros.ppt
Treinamento Básico em Primeiros Socorros.pptFabioSouza270
 
FUNDAMENTOS DA ENFERMAGEM II- FUNDAMENTOS DA ENFERMAGEM II- PREVENÇÃO E CONTR...
FUNDAMENTOS DA ENFERMAGEM II- FUNDAMENTOS DA ENFERMAGEM II- PREVENÇÃO E CONTR...FUNDAMENTOS DA ENFERMAGEM II- FUNDAMENTOS DA ENFERMAGEM II- PREVENÇÃO E CONTR...
FUNDAMENTOS DA ENFERMAGEM II- FUNDAMENTOS DA ENFERMAGEM II- PREVENÇÃO E CONTR...kassiasilva1571
 
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfboxac76813
 

Último (6)

Anatomia do Sistema Respiratorio função e movimentos musculares.
Anatomia do Sistema Respiratorio função e movimentos musculares.Anatomia do Sistema Respiratorio função e movimentos musculares.
Anatomia do Sistema Respiratorio função e movimentos musculares.
 
Humanização na Enfermagem: o que é e qual a importância?
Humanização na Enfermagem: o que é e qual a importância?Humanização na Enfermagem: o que é e qual a importância?
Humanização na Enfermagem: o que é e qual a importância?
 
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdfATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
 
Treinamento Básico em Primeiros Socorros.ppt
Treinamento Básico em Primeiros Socorros.pptTreinamento Básico em Primeiros Socorros.ppt
Treinamento Básico em Primeiros Socorros.ppt
 
FUNDAMENTOS DA ENFERMAGEM II- FUNDAMENTOS DA ENFERMAGEM II- PREVENÇÃO E CONTR...
FUNDAMENTOS DA ENFERMAGEM II- FUNDAMENTOS DA ENFERMAGEM II- PREVENÇÃO E CONTR...FUNDAMENTOS DA ENFERMAGEM II- FUNDAMENTOS DA ENFERMAGEM II- PREVENÇÃO E CONTR...
FUNDAMENTOS DA ENFERMAGEM II- FUNDAMENTOS DA ENFERMAGEM II- PREVENÇÃO E CONTR...
 
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
 

Tanatologia Necrósia

  • 3.  O embalsamamento foi instituído nos tempos antigos para preservar os restos mortais dos falecidos.  A preservação era desejada por muitos motivos:
  • 4. I. Os egípcios, povos politeístas, acreditavam na vida eterna após a morte, em que o espírito do falecido voltava para tomar seu corpo. II. Para abrigar o cadáver, construíram as pirâmides. III. E para preservar o corpo (enquanto o espírito não retornava) inventaram a mumificação. 
  • 5.  Em consequência deste processo, os egípcios iniciaram os estudos da anatomia e descobriram várias substâncias químicas, na busca de substâncias para a preservação do corpo.
  • 6.
  • 7.  A palavra múmia tem origem no idioma árabe (mumia ou mumiya), que quer dizer breu ou betume, substância escura, semelhante ao asfalto que escorria do monte Mumia, situado na Pérsia, e à qual se associavam propriedades medicinais capazes de curar diversas enfermidades.  No antigo Egito, acreditava-se que o corpo, depois de impregnado com esta substância, seria capaz de chegar ao além em bom estado, esta é a razão do aspecto escuro das múmias egípcias.
  • 8.  O processo tinham seis passos e demoravam cerca de 40 á 70 dias, dependendo da condição financeira do familiar do morto. (3 tipos de munificação)  Primeiramente o corpo era levado para as tendas ao ar livre local de purificação ao oeste Rio Nilo onde ficavam os cemitérios.  Eram entregues aos sacerdotes, eles (mortos), eram lavados com vinho de palmas e água do rio Nilo
  • 9.
  • 10.
  • 11.
  • 12.
  • 13.  Primeiramente, todas as vísceras do cadáver eram retiradas.  Um corte era feito na altura do abdômen, de onde era retirado o coração, o fígado, o intestino, os rins, o estômago, a bexiga, o baço, etc.  O coração era colocado em um recipiente à parte. Algumas literatura (divergem) neste tópico.  O cérebro também era retirado.
  • 14.  Para retirar o cérebro Aplicavam uma espécie de ácido por (via nasal) que o derretia-o facilmente facilitando assim a sua extração.
  • 15.
  • 16.
  • 17.
  • 18. DESIDRATAÇÃO DO CORPO  Em seguida, deixavam o corpo repousando em um vasilhame com água e sal (para desidratá- lo e matar as bactérias) durante setenta dias.
  • 19.  Após a desidratação, o corpo era lavado novamente preenchido com serragem, ervas aromáticas (para evitar sua deterioração) e alguns textos sagrados.  Depois de todas essas etapas, o corpo estava pronto para ser enfaixado.
  • 20. ENFAIXAMENTO  Ataduras de linho branco eram passadas ao redor do corpo, seguidas de uma cola especial.
  • 21.
  • 22.  Após esse processo, o corpo era colocado em um sarcófago (espécie de caixão) e abrigado dentro de pirâmides (faraó) ou sepultado em mastabas, uma espécie de túmulo (nobres e sacerdotes).
  • 23.
  • 24.  No Antigo Egito, o processo de embalsamamento era mais ou menos complexo, e, portanto, caro, de acordo com a posição social do defunto.  Hoje o embalsamento não tem a mesma conotação, isto é (transformar- se em múmias), e sim transporta-lo
  • 25.  Atualmente, a preservação de corpos de pessoas mortas é feita retirando sangue e outros fluidos e injetando uma solução de água e formaldeído para interromper o processo de decomposição.  Até hoje essa técnica é empregada, mas não para fazer múmias, e sim para transportar corpos e conservá-los durante o velório.
  • 26. I. Para questões de higiene – presumia-se que os restos mortais frescos eram um risco à saúde. II. Por motivos sentimentais – a família desejava impedir a deterioração do corpo físico como uma ilusão reconfortante de que o falecido ainda vivia. III. Para apresentação – para evitar sinais visíveis de deterioração enquanto o falecido estava sendo visitado pelo público antes do funeral
  • 27.  Para um enterro tradicional, o corpo pode ser embalsamado para o aumento do tempo de duração do um velório ou quando será transportado este corpo para sua cidade natal (por exemplo) ou outro país.  Este processo preserva o corpo através da substituição de fluidos corporais, que retardarão o processo de decomposição.
  • 28.  A tanatopraxia foi criada entre os anos de 1861- 1865 nos USA durante a guerra civil onde os corpos dos militares tinham que ser armazenados na linha de fogo e transportados por centenas de milhares de km.  verificando-se o seu desenvolvimento generalizado após a II Guerra Mundial. Em 1963 foi criado o Instituto Francês de Tanatopraxia, e desde dessa data a Tanatopraxia desenvolveu-se instalando-se rapidamente nos hábitos e rituais fúnebres.
  • 29.  No Brasil, chegou na década de 1990 e era tido como desnecessária, mas hoje se tornou um serviço indispensável para as funerárias.  A tanatopraxia ou embalsamento corresponde a aplicação correta de produtos químicos em corpos falecidos, visando a desinfecção e o retardamento do processo biológico de decomposição.
  • 30.  Como a decomposição age rápido, quanto antes for iniciado o processo de embalsamento melhor.  A limpeza do corpo é feita com ele colocado em uma mesa cirúrgica, despido e lavado com desinfetantes e germicidas.  Depois, é preciso tirar a rigidez do corpo (rigor mortis), massageando os músculos e a face
  • 31.  No Brasil, os sepultamentos existiram até a década de 20, quando foram construídos os primeiros cemitérios.  Antes disso, apenas os índios, escravos e indigentes eram enterrados, enquanto os homens livres eram sepultados nas igrejas.  Devido a esse costume, era possível “medir” o tamanho de uma cidade pela quantidade de igrejas que ela possuía.  Hoje enterrar um corpo em terreno privado, e não no cemitério, é considerado crime de ocultação de cadáver.  
  • 32.  No início, os velórios eram realizados nas casas das famílias e todos os parentes e pessoas próximas compareciam e entregavam flores.  Com o surgimento de lugares próprios para isso, muitos não podiam se deslocar até o local do velório e passaram a enviar as flores e cartas, que muitas vezes, na emoção do momento, não eram lidas. 
  • 33.  Pensando em diminuir o impacto ambiental, já que o caixão, as roupas e o líquido tóxico da decomposição do corpo podem atingir os lençóis freáticos, foram criados caixões de material biodegradável.  Porém, são pouco solicitados por sua aparência. 
  • 34. INUMAÇÃO TRANSLADAÇÃO  Consiste na colocação de cadáver em sepultura, jazigo ou local de consumação aeróbia.  É o sepultamento do cadáver, sendo cadáver, o corpo morto enquanto conservar a aparência humana  Consiste no transporte de cadáver inumado em jazigo, ou de ossadas, para local diferente daquele em que se encontram, a fim de serem de novo inumados, cremados ou colocados em ossário.
  • 35.  Quando uma pessoa morre, seu corpo pode, através de processos naturais, apodrecer e ter sua carne consumida pela "flora cadavérica" até se tornar um esqueleto;  Mumificar-se pela ação físico- química do ambiente ou se transformar simplesmente em sabão também por ações físico-químicas
  • 36.  Este processo pelo qual um corpo se transforma numa espécie de sabão é chamado de saponificação cadavérica. Consiste na transformação da gordura dos tecidos em adipocera - substância amarelo-clara, semelhante a cera ou queijo, com um odor rançoso e desagradável.  Os lipídios são transformados em sabão e o corpo transforma-se numa massa pastosa e, em muitos, casos sem forma. Há uma transformação gordurosa e calcária do cadáver. 
  • 37.  Calcificação – Fenômeno que se caracteriza pela petrificação ou calcificação do cadáver, frequentemente observado em fetos mortos e retidos na cavidade uterina nos dois primeiros meses de gestação.
  • 38.
  • 39.  A Medicina Legal é uma especialidade concomitantemente médica e jurídica que utiliza conhecimentos técnico-científicos da medicina para o esclarecimento de fatos de interesse da justiça.  O especialista médico praticante é denominado médico legista.
  • 40.  Calendário tanatológico tem como objetivo uma aproximação do tempo da morte.  Quando a vítima fatal é encontrada segue-se, rigorosamente, a cronologia, a fim de estabelecermos o momento do óbito:
  • 41.
  • 42.  Fauna cadavérica: início 08 dias  Fauna cadavérica: final 36 meses  Esqueletização +36 meses
  • 43. FENÔMENOS ABIÓTICOS IMEDIATOS FENÔMENOS ABIÓTICOS MEDIATOS (CONSECUTIVOS)  Cessação cardiorespiratória;ƒ  Ausência de circulação;  ƒPerda de consciência.  Desidratação cadavérica;  Esfriamento do cadáver;  Hipostática (manchas arroxeadas)  Rigidez cadavéricas.  Fenômenos conservadores:  Mumificação;  Petrificação;  Saponificação;  Coreificação.
  • 44. CAUSAS MORTIS MÉDICA CAUSAS MORTIS JURÍDICAS  Podem manifestar-se de diversas formas.  Anemia aguda;  Asfixia;  FV/ TV/ IAM/ Assisitolia;  Choques: (metabólicos, cardiogênico, anafiláticos, neurogênico, hipovolêmico  Depressão Respiratória;  Envenenamento;  Sincope;  TCE – Traumatismo Crânio Encefálico. São causas violentas:  Homicídios;  Suicídios;  Acidentes.
  • 45.  Reação vital;  Sinais de macroscópicos;  Hemorragias;  Coagulação sanguínea;  Retração de tecidos;  Reações inflamatórias;  Eritemas;(coloração vermelha da pele vasodilatação).  Flictemas- (bolhas)  Cogumelo de espuma;  Fuligens nas vias respiratórias;  Aspiração de materiais;  Embolias gasosas ou gordurosas;  Bolsas linfáticas;  Gás carbônico do sangue;  Espasmos cadavéricos.
  • 46.
  • 47.  É a área cientifica que estuda os ossos, resultado da aplicação de conhecimentos antropológicos as questões de direito no que diz respeito à identificação de restos cadavéricos [necroidentificação].  Atraves dos ossos podemos abter dados sobre sexo, idade, eatatuta do falecido e pormenores [hábitos alimentares, algumas doenças, lesões etc].
  • 48.  o trabalho de um antropólogo começa no local de crime e se estende até o laboratório e divide-se em três etapas:  1ª Etapa: ARQUEOLOGIA FORENSE: é feita uma escavação do local onde se encontra o corpo.  2ª Etapa: ANTROPOLOGIA SOCIAL: consiste na recolha de informações em redor da área do crime [entrevistar ás pessoas da região, consulta em órgãos e arquivos municipal, eclesiásticos, militares etc]
  • 49. 3ª Etapa: INVESTIGAÇÃO LABORATORIAL: há uma aplicação de técnicas como: OSTEOLOGIA HUNANA [área que se debruça sobre o estudo dos ossos em decomposição/ esqueleto]. PALEOPATOLOGIA [área da ciência que se dedica ao estudo das doenças do passado]. TAFONOMIA [Estudo sistemático da evolução de fósseis], pode ainda ser feita uma reconstrução facial do cadáver e superposição fotográficas. O objetivo da antropologia forense é a determinação da identidade do individuo.
  • 50.  há uma aplicação de técnicas como: OSTEOLOGIA HUNANA [área que se debruça sobre o estudo dos ossos em decomposição/ esqueleto].  PALEOPATOLOGIA [área da ciência que se dedica ao estudo das doenças do passado].  TAFONOMIA [Estudo sistemático da evolução de fósseis], pode ainda ser feita uma reconstrução facial do cadáver e superposição fotográficas. O objetivo da antropologia forense é a determinação da identidade do individuo.
  • 51.  Cada serviço de Patologia tem sua própria técnica de necrópsia, que na verdade é variante de uma das quatro técnicas básicas [técnica de virchow]  Virchow,  Ghon,  M. Letulle  Rokitansky
  • 52.
  • 53.  Em 1874, o Dr  Rudolf L. K. Virchow, médico polonês,  padronizou a técnica de necrópsia, cuja base é utilizada até os dias atuais. Ele fundou as disciplinas de patologia e patogia celular.  Na técnica de Virchow os órgãos são retirados um a um, são pesados e examinados  separadamente.  A abertura do tórax e abdome é a padrão (biacrômio esterno pubiana) e a do crânio, também (bimastóidea vertical). Após o exame dos órgãos, eles são colocados novamente dentro do cadáver.
  • 54.  Carl Rokitansky (1804-1878) estabeleceu as bases estruturais das doenças e a técnica de necropsia com o estudo sistemático de cada órgão.  Em 1866, já tinha feito mais de 30 mil necropsias. Na sua técnica, os órgãos são examinados “in situ”ou seja, dentro do cadáver, um a um.  Desta forma, nesta técnica são realizados vários cortes em todos os órgãos internos, para depois eles serem retirados, um por um.
  • 55.  Observe que esta técnica possui uma grande semelhança com técnica de Virchow,  com a diferença de que na TÉCNICA de Virchow os órgãos são retirados um a um para depois serem examinados.  Enquanto na TÉCNICA de Rokitansky  os órgãos  são examinados ainda dentro do cadáver, para depois serem retirados , também um por um.
  • 56.  Na técnica de M. Letulle, é feita a evisceração (retirada das vísceras do cadáver) através de um único bloco.  Esta retirada se dá, na parte torácica e abdominal da seguinte forma:  A pele abaixo da região mentoniana é rebatida, juntamente com os planos musculares, e é feito um corte nos músculos localizados abaixo da língua.
  • 57.  Na técnica de Ghon, a evisceração se dá através de monoblocos de órgãos anatomicamente e/ou funcionalmente relacionados.   Remoção do cérebro: A incisão no couro cabeludo deve se iniciar a 1-2 cm atrás da borda inferior da orelha direita, se estendendo ao crânio até alcançar o ponto correspondente contralateral
  • 58.
  • 59.
  • 60.
  • 61.
  • 62.
  • 63.  No ato da profissão deve-se tratar aqueles que nos foi confiado com respeito, assim como gostaríamos de ser tratados.  Ter consciência e responsabilidade em nossos atos.
  • 64.  “Devemos promover a coragem onde há medo, promover o acordo onde existe conflito, e inspirar esperança onde há desespero”  Para negar às pessoas seu direito humano é desafiar a sua própria humanidade Nleson Mandela
  • 65.
  • 66.  Internet  Sites especializados  Livros de medicina forense