SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 38
TANATOLOGIA
 É O RAMO DA MEDICINA LEGAL QUE
ESTUDA O MORTO E A MORTE, ASSIM
COMO OS FENÔMENOS DELA
DECORRENTE
CONCEITO DE MORTE
 É a cessação dos processos vitais,
por parada das funções cerebral,
respiratória e circulatória, e o
surgimento dos fenômenos
abióticos, lentos e progressivos, que
lesam irreversivelmente os órgão e
tecidos.
TIPOS DE MORTE
 MORTE APARENTE – É o estado em
que na verdade o indivíduo apenas
parece morto em razão da baixa
atividade metabólica e circulatória –
 Há inconsciência, relaxamento
muscular, respiração diminuída –
 Lei exige o decurso de 24h antes da
inumação.
TIPOS DE MORTE
 MORTE ANATÔMICA ( REAL) – É a
parada total e permanente de todas
as grandes funções do organismo -
parada total de todas as funções
orgânicas.
TIPOS DE MORTE
 MORTE HISTOLÓGICA – É a morte
das células que compõem os vários
tecidos e órgão – é perfeitamente
possível encontrar células vivas no
cadáver mesmo após dias de
inumação.
TIPOS DE MORTE
 MORTE RELATIVA – É o estado de
parada cardíaca reversível em que o
organismo ainda não ultrapassou o
ponto de não retorno – massagem
cardíaca oportuna retorna à vida.
TANATOGNOSE/
CRONOTANATOGNOSE
 É a parte da tanatologia que estuda a
realidade da morte.
 É a parte da tanatologia que se ocupa
com o tempo que a morte ocorreu.
FENÔMENOS CADAVÉRICOS
 ABIÓTICOS IMEDIATOS – Conjunto
de sinais precoces sugestivos de
morte, embora não sejam totalmente
convincente:
 Perda de consciência;
 Imobilidade;
 Parada cardíaca;
 Ausência de pulso;
 Parada respiratória
FENÔMENOS CADAVÉRICOS
 ABIÓTICOS CONSECUTIVOS –
determinam o momento da morte.
 RESFRIAMENTO DO CORPO – Com
o advento da morte cessam as
queimas metabólicas e,
conseqüentemente, o organismo já
sem vida não consegue manter a
temperatura usual.
Cadáver resfriado
FENÔMENOS CADAVÉRICOS
 RIGIDEZ CADAVÉRICA – É proveniente de uma
reação química de acidificação nos músculos com o
aumento do ácido lático.
 Inicia-se de 3 a 5 horas após o óbito, instala-se
completamente entre 8 e 12 horas e permanece por
um período de até 24 horas, quando a musculatura
retorna ao estado de flacidez
FENÔMENOS CADAVÉRICOS
 HIPOTASES – Com a morte cessa circulação
sanguínea e, pela ação da gravidade o sangue tende-se
a deposita-se nas partes mais baixas do corpo, de
acordo com a posição do cadáver.
 Surgem em geral em torno de 2 ou 3 hora após a
morte e passadas 8 a 12 horas, fixam-se em razão da
coagulação do sangue – importante na determinação
da posição do corpo no momento do óbito.
FENÔMENOS CADAVÉRICOS
 DESIDRATAÇÃO – Ocorre a
evaporação da água dos tecidos,
além da perda de peso, ocorre um
apergaminhamento da pele, ou seja,
a pele se desseca, endurece.
FENÔMENOS CADAVÉRICOS
TRANSFORMATIVOS
 DESTRUTIVOS:
 AUTÓLISE – É a destruição das células pela ação
descontrolada de suas enzimas.
 Ocorre a alteração do Ph e pela ação da pressão
osmótica, as membranas celulares rompem-se,
desintegrando os tecidos. – Primeiramente no
sistema digestivo.
FENÔMENOS CADAVÉRICOS
TRANSFORMATIVOS
 DESTRUTIVOS:
 PUTREFAÇÃO – Começa logo após
a autólise, pela ação de germes
aeróbicos e anaeróbicos. – Inicia-se
geralmente no intestino grosso.
FASES DA PUTREFAÇÃO
 I - FASE DE COLORAÇÃO – Surge
entre 20 e 24 horas após a morte e
pode durar até 7 dias.
 II - FASE GASOSA – Decorre dos
gases de putrefação, faz com que o
cadáver adquira uma aparência de
agigantamento. – Tem início de 2 a 7
dias após o óbito e pode durar até 30
dias – O odor decorre ao
aparecimento do gás sulfídrico.
FASES DA PUTREFAÇÃO
 III – FASE COLIQUATIVA – É a
dissolução pútrida das partes moles
do cadáver pela ação conjunta das
bactérias e da fauna necrófaga ou
cadavérica. – Pode durar de um mês a
2 ou 3 anos. (fauna fechada)
 IV – FASE DE ESQUELETIZAÇÃO –
Tem início entre a terceira e quarta
semana, quando os osso vão ficando
expostos.
FENÔMENOS CADAVÉRICOS
TRANSFORMATIVOS
 DESTRUTIVOS:
 MACERAÇÃO – Ocorre quando o cadáver fica
imerso em líquidos. Ocorre com os afogados e com
o feto retido no útero.
FENÔMENOS CADAVÉRICOS
TRANSFORMATIVOS
 CONSERVADORES:
 MUMIFICAÇÃO – Natural ocorre no
cadáver insepulto, em regiões de
clima quente e seco e de arejamento
intensivo suficiente para impedir a
ação microbiana, provocadora dos
fenômenos putrefativos. – Artificial.
FENÔMENOS CADAVÉRICOS
TRANSFORMATIVOS
 CONSERVADORES:
 SAPONIFICAÇÃO – O cadáver
adquire consistência untuosa e mole
como sabão e cera.
 CALCIFICAÇÃO – Ocorre em fetos
retidos na cavidade uterina e que
passam por uma incrustação de sais
e cálcio, aparência pétrea(
Litopédio).
FENÔMENOS CADAVÉRICOS
TRANSFORMATIVOS
 CONSERVADORES:
 CORIFICAÇÃO – Observados em corpos
encerrados em caixões metálicos.
 – A pele adquire o aspecto de couro
curtido.
 – As vísceras permanecem conservadas,
mas amolecidas.
 CONGELÃÇÃO – (- 40ºc)
FAUNA CADAVÉRICA
 Em cadáveres expostos ao ar livre, as
legiões de larvas necrófagas surgem
em certa seqüência regular em 8
etapas:
 1º legião – 8º e o 15º dia
 2º legião – de 15 a 20
 3º legião – 3 a 6 meses
 4º legião – 10 meses
 7º legião – 1 e 2 anos
 8º legião – cerca de 3 anos
FAUNA CADAVÉRICA
 Um cadáver em uma semana ao ar livre
é igual a duas na água e oito na terra.
 DESTINO DO CADÁVER:
 Inumação simples – 24h após a morte,
até 36 horas.
 Cremação – Nas mortes violentas para
que se proceda à cremação é
necessária a autorização da autoridade
judiciária.
 Embalsamamento – Casos em que o
sepultamento será realizado superior a
4 dias.
DIAGNÓSTICO JURÍDICO DA
MORTE
 É toda e qualquer causa violenta
(homicídio, suicídio ou acidente),
capaz de determinar a morte do
indivíduo, revestindo-se sua
elucidação de fundamental
importância.
DIAGNÓSTICO JURÍDICO DA
MORTE
 Os óbitos provocados por causas
naturais, sejam rápidos ou lentos,
não oferecem dificuldades aos
peritos ou à justiça.
 A dificuldade repousa nos casos em
que a violência não é evidente, são
os casos de morte suspeita.
MODALIDADES DE MORTE
 MORTE SÚBITA – São aquelas em
que não há manifesta violência, e
são consideradas suspeitas apenas
por serem inesperadas,
imprevisíveis, atingindo pessoa de
que nada se suspeitava.
 Ex: distúrbios cardiovasculares,
respiratórios.
MODALIDADES DE MORTE
 MORTE SUSPEITA:
 Por violência oculta – O corpo não
apresenta lesões externas, mas
podem ocultar algum tipo de lesão. –
Traumatismo, envenenamento, sinais
que comprovado por perícia médico-
legal, alteram a natureza jurídica da
ocorrência. ( morte a esclarecer).
MODALIDADES DE MORTE
 MORTE SUSPEITA:
 Por violência indefinida – Nestes
casos, a violência existe e é evidente,
mas o exame externo não permite
determinar com precisão a causa da
lesão, e por conseqüência a causa
jurídica do evento. – Casos onde a
grande extensão das lesões podem
mascarar outras. – Atropelamento por
trem, por ônibus, porém o indivíduo já
estava morto antes do evento.
MODALIDADES DE MORTE
 MORTE SUSPEITA:
 Por violência definida – O corpo
mostra lesões externas perfeitamente
definidas quanto à sua causa, mas a
etiologia jurídica do evento
permanece obscura. – O encontro de
um corpo na água, afogado, embora
aponte sentido de morte acidental,
não permite que se descarte as
hipóteses de homicídio ou suicídio.
MODALIDADES DE MORTE
 MORTE DE INFORTÚNIO DO
TRABALHO – Aquela ocorrida no
ambiente de trabalho, tendo como
causa o desempenho da atividade
laboral.
 MORTE NATURAL
MORTES VIOLENTAS
 São consideradas mortes violentas,
aquelas decorrentes de homicídio,
suicídio e acidentes. (aeroviário,
marítimo, ferroviário, domésticos e de
trânsito).
 Todas essa modalidades de morte
interessam a medicina legal, pois
necessitarão da realização de
necropsia pelo médico legista, antes da
liberação do corpo e expedição da
declaração de óbito.
NECROPSIA
 É o exame que se realiza no cadáver,
interna e externamente, com a
finalidade de determinar a causa da
morte.
 Depois de minucioso exame e coleta
de material, o corpo é recomposto
para ser entregue aos familiares e
inumado.
 Necropsia em cadáver baleado.
NECROPSIA
 A necropsia é realizada pelo IML:
os cadáveres que entram como
desconhecidos são fotografados e
submetidos a exames de
identificação.
 Os cadáveres não reclamados pro
seu familiares, serão mantidos em
conservação por um prazo de 30 a 60
dias, após, através de autorização
judicial serão inumados.
EXAMES REALIZADOS PELO
IML
 EXAME DE LESÃO CORPORAL ( art. 129,
CP, § 1º, 2º, 3º);
 EXAME COMPLEMENTAR DE LESÃO;
 EXAME DE CONJUNÇÃO CARNAL;
 EXAME DE ATO LIBIDINOSO;
NECROPSIA
 No caso de ossadas não
identificadas e não reclamadas por
seus familiares, serão inumadas em
15 dias.
 Os cadáveres identificados ou não
que não forem oriundos de morte
violenta e, não reclamados por
familiares, poderão ser doados para
instituições de estudo e pesquisa.(lei
8.501/92).
DECLARAÇÃO E CERTIDÃO DE
ÓBITO
 DO - É documento fornecido pelo médico,
informando as causas da morte.
 – em casos de morte não violenta, será
emitido pelo Serviço de Verificação de
Óbitos (SVO), não possuindo na localidade
o SVO, será emitido por médico da rede
pública.
 – Em casos de mortes violentas , pelo
médico-legista do IML ou DML
DECLARAÇÃO E CERTIDÃO DE
ÓBITO
 CO – É a prova cabal e incontestável
do desaparecimento do indivíduo do
meio natural e jurídico.
 O registro de óbito é obrigatório no
assentamento dos cartórios de
pessoas naturais.
 A DO e CO, no caso de perdas fetais
serão emitidas quando a gestação
tiver duração igual ou superior a 20
semanas ou o feto tiver peso
corporal igual ou superior a 500g e
estatura igual ou superior a 25cm.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a ATS_TANATOLOGIA_FENOMENOS CADAVERICOS.pptx

Patologia Geral: Aula 04 2009 - Alterações Cadavéricas
Patologia Geral: Aula 04 2009 - Alterações CadavéricasPatologia Geral: Aula 04 2009 - Alterações Cadavéricas
Patologia Geral: Aula 04 2009 - Alterações Cadavéricas
UFPEL
 
35ª Aula- Parte II- 31.10.20.pdf
35ª Aula- Parte II- 31.10.20.pdf35ª Aula- Parte II- 31.10.20.pdf
35ª Aula- Parte II- 31.10.20.pdf
dcrow1
 
Eutanásia feito 11º a
Eutanásia feito 11º aEutanásia feito 11º a
Eutanásia feito 11º a
mluisavalente
 

Semelhante a ATS_TANATOLOGIA_FENOMENOS CADAVERICOS.pptx (13)

37ª Aula- parte I.pdf
37ª Aula- parte I.pdf37ª Aula- parte I.pdf
37ª Aula- parte I.pdf
 
Alteracoescadavericas
AlteracoescadavericasAlteracoescadavericas
Alteracoescadavericas
 
Patologia Geral: Aula 04 2009 - Alterações Cadavéricas
Patologia Geral: Aula 04 2009 - Alterações CadavéricasPatologia Geral: Aula 04 2009 - Alterações Cadavéricas
Patologia Geral: Aula 04 2009 - Alterações Cadavéricas
 
( Espiritismo) # - amag ramgis - morte e retorno à vida espiritual
( Espiritismo)   # - amag ramgis - morte e retorno à vida espiritual( Espiritismo)   # - amag ramgis - morte e retorno à vida espiritual
( Espiritismo) # - amag ramgis - morte e retorno à vida espiritual
 
35ª Aula- Parte II- 31.10.20.pdf
35ª Aula- Parte II- 31.10.20.pdf35ª Aula- Parte II- 31.10.20.pdf
35ª Aula- Parte II- 31.10.20.pdf
 
Palestra Radiologia Forense
Palestra Radiologia ForensePalestra Radiologia Forense
Palestra Radiologia Forense
 
Morte
MorteMorte
Morte
 
Tanatologia ls
Tanatologia   lsTanatologia   ls
Tanatologia ls
 
Eutanásia feito 11º a
Eutanásia feito 11º aEutanásia feito 11º a
Eutanásia feito 11º a
 
FINITUDE, MORTE E MORRER.pdf
FINITUDE, MORTE E MORRER.pdfFINITUDE, MORTE E MORRER.pdf
FINITUDE, MORTE E MORRER.pdf
 
Necropsia Medico Legal
Necropsia Medico LegalNecropsia Medico Legal
Necropsia Medico Legal
 
Tanatologia Necrósia
Tanatologia Necrósia Tanatologia Necrósia
Tanatologia Necrósia
 
O Despertar da Consciência no Além Túmulo e Forma de Viver - TEXTO
O Despertar da Consciência no Além Túmulo e  Forma de Viver - TEXTOO Despertar da Consciência no Além Túmulo e  Forma de Viver - TEXTO
O Despertar da Consciência no Além Túmulo e Forma de Viver - TEXTO
 

Último

O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
VALMIRARIBEIRO1
 

Último (20)

Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
Santa Gemma Galgani, Flor de Lucca, mística italiana 1887-1903 (Portugués).pptx
Santa Gemma Galgani, Flor de Lucca, mística italiana 1887-1903 (Portugués).pptxSanta Gemma Galgani, Flor de Lucca, mística italiana 1887-1903 (Portugués).pptx
Santa Gemma Galgani, Flor de Lucca, mística italiana 1887-1903 (Portugués).pptx
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de língua
 
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasPeça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 

ATS_TANATOLOGIA_FENOMENOS CADAVERICOS.pptx

  • 1. TANATOLOGIA  É O RAMO DA MEDICINA LEGAL QUE ESTUDA O MORTO E A MORTE, ASSIM COMO OS FENÔMENOS DELA DECORRENTE
  • 2. CONCEITO DE MORTE  É a cessação dos processos vitais, por parada das funções cerebral, respiratória e circulatória, e o surgimento dos fenômenos abióticos, lentos e progressivos, que lesam irreversivelmente os órgão e tecidos.
  • 3. TIPOS DE MORTE  MORTE APARENTE – É o estado em que na verdade o indivíduo apenas parece morto em razão da baixa atividade metabólica e circulatória –  Há inconsciência, relaxamento muscular, respiração diminuída –  Lei exige o decurso de 24h antes da inumação.
  • 4. TIPOS DE MORTE  MORTE ANATÔMICA ( REAL) – É a parada total e permanente de todas as grandes funções do organismo - parada total de todas as funções orgânicas.
  • 5. TIPOS DE MORTE  MORTE HISTOLÓGICA – É a morte das células que compõem os vários tecidos e órgão – é perfeitamente possível encontrar células vivas no cadáver mesmo após dias de inumação.
  • 6. TIPOS DE MORTE  MORTE RELATIVA – É o estado de parada cardíaca reversível em que o organismo ainda não ultrapassou o ponto de não retorno – massagem cardíaca oportuna retorna à vida.
  • 7. TANATOGNOSE/ CRONOTANATOGNOSE  É a parte da tanatologia que estuda a realidade da morte.  É a parte da tanatologia que se ocupa com o tempo que a morte ocorreu.
  • 8. FENÔMENOS CADAVÉRICOS  ABIÓTICOS IMEDIATOS – Conjunto de sinais precoces sugestivos de morte, embora não sejam totalmente convincente:  Perda de consciência;  Imobilidade;  Parada cardíaca;  Ausência de pulso;  Parada respiratória
  • 9. FENÔMENOS CADAVÉRICOS  ABIÓTICOS CONSECUTIVOS – determinam o momento da morte.  RESFRIAMENTO DO CORPO – Com o advento da morte cessam as queimas metabólicas e, conseqüentemente, o organismo já sem vida não consegue manter a temperatura usual.
  • 11. FENÔMENOS CADAVÉRICOS  RIGIDEZ CADAVÉRICA – É proveniente de uma reação química de acidificação nos músculos com o aumento do ácido lático.  Inicia-se de 3 a 5 horas após o óbito, instala-se completamente entre 8 e 12 horas e permanece por um período de até 24 horas, quando a musculatura retorna ao estado de flacidez
  • 12. FENÔMENOS CADAVÉRICOS  HIPOTASES – Com a morte cessa circulação sanguínea e, pela ação da gravidade o sangue tende-se a deposita-se nas partes mais baixas do corpo, de acordo com a posição do cadáver.  Surgem em geral em torno de 2 ou 3 hora após a morte e passadas 8 a 12 horas, fixam-se em razão da coagulação do sangue – importante na determinação da posição do corpo no momento do óbito.
  • 13. FENÔMENOS CADAVÉRICOS  DESIDRATAÇÃO – Ocorre a evaporação da água dos tecidos, além da perda de peso, ocorre um apergaminhamento da pele, ou seja, a pele se desseca, endurece.
  • 14. FENÔMENOS CADAVÉRICOS TRANSFORMATIVOS  DESTRUTIVOS:  AUTÓLISE – É a destruição das células pela ação descontrolada de suas enzimas.  Ocorre a alteração do Ph e pela ação da pressão osmótica, as membranas celulares rompem-se, desintegrando os tecidos. – Primeiramente no sistema digestivo.
  • 15. FENÔMENOS CADAVÉRICOS TRANSFORMATIVOS  DESTRUTIVOS:  PUTREFAÇÃO – Começa logo após a autólise, pela ação de germes aeróbicos e anaeróbicos. – Inicia-se geralmente no intestino grosso.
  • 16. FASES DA PUTREFAÇÃO  I - FASE DE COLORAÇÃO – Surge entre 20 e 24 horas após a morte e pode durar até 7 dias.  II - FASE GASOSA – Decorre dos gases de putrefação, faz com que o cadáver adquira uma aparência de agigantamento. – Tem início de 2 a 7 dias após o óbito e pode durar até 30 dias – O odor decorre ao aparecimento do gás sulfídrico.
  • 17.
  • 18. FASES DA PUTREFAÇÃO  III – FASE COLIQUATIVA – É a dissolução pútrida das partes moles do cadáver pela ação conjunta das bactérias e da fauna necrófaga ou cadavérica. – Pode durar de um mês a 2 ou 3 anos. (fauna fechada)  IV – FASE DE ESQUELETIZAÇÃO – Tem início entre a terceira e quarta semana, quando os osso vão ficando expostos.
  • 19. FENÔMENOS CADAVÉRICOS TRANSFORMATIVOS  DESTRUTIVOS:  MACERAÇÃO – Ocorre quando o cadáver fica imerso em líquidos. Ocorre com os afogados e com o feto retido no útero.
  • 20. FENÔMENOS CADAVÉRICOS TRANSFORMATIVOS  CONSERVADORES:  MUMIFICAÇÃO – Natural ocorre no cadáver insepulto, em regiões de clima quente e seco e de arejamento intensivo suficiente para impedir a ação microbiana, provocadora dos fenômenos putrefativos. – Artificial.
  • 21. FENÔMENOS CADAVÉRICOS TRANSFORMATIVOS  CONSERVADORES:  SAPONIFICAÇÃO – O cadáver adquire consistência untuosa e mole como sabão e cera.  CALCIFICAÇÃO – Ocorre em fetos retidos na cavidade uterina e que passam por uma incrustação de sais e cálcio, aparência pétrea( Litopédio).
  • 22. FENÔMENOS CADAVÉRICOS TRANSFORMATIVOS  CONSERVADORES:  CORIFICAÇÃO – Observados em corpos encerrados em caixões metálicos.  – A pele adquire o aspecto de couro curtido.  – As vísceras permanecem conservadas, mas amolecidas.  CONGELÃÇÃO – (- 40ºc)
  • 23. FAUNA CADAVÉRICA  Em cadáveres expostos ao ar livre, as legiões de larvas necrófagas surgem em certa seqüência regular em 8 etapas:  1º legião – 8º e o 15º dia  2º legião – de 15 a 20  3º legião – 3 a 6 meses  4º legião – 10 meses  7º legião – 1 e 2 anos  8º legião – cerca de 3 anos
  • 24. FAUNA CADAVÉRICA  Um cadáver em uma semana ao ar livre é igual a duas na água e oito na terra.  DESTINO DO CADÁVER:  Inumação simples – 24h após a morte, até 36 horas.  Cremação – Nas mortes violentas para que se proceda à cremação é necessária a autorização da autoridade judiciária.  Embalsamamento – Casos em que o sepultamento será realizado superior a 4 dias.
  • 25. DIAGNÓSTICO JURÍDICO DA MORTE  É toda e qualquer causa violenta (homicídio, suicídio ou acidente), capaz de determinar a morte do indivíduo, revestindo-se sua elucidação de fundamental importância.
  • 26. DIAGNÓSTICO JURÍDICO DA MORTE  Os óbitos provocados por causas naturais, sejam rápidos ou lentos, não oferecem dificuldades aos peritos ou à justiça.  A dificuldade repousa nos casos em que a violência não é evidente, são os casos de morte suspeita.
  • 27. MODALIDADES DE MORTE  MORTE SÚBITA – São aquelas em que não há manifesta violência, e são consideradas suspeitas apenas por serem inesperadas, imprevisíveis, atingindo pessoa de que nada se suspeitava.  Ex: distúrbios cardiovasculares, respiratórios.
  • 28. MODALIDADES DE MORTE  MORTE SUSPEITA:  Por violência oculta – O corpo não apresenta lesões externas, mas podem ocultar algum tipo de lesão. – Traumatismo, envenenamento, sinais que comprovado por perícia médico- legal, alteram a natureza jurídica da ocorrência. ( morte a esclarecer).
  • 29. MODALIDADES DE MORTE  MORTE SUSPEITA:  Por violência indefinida – Nestes casos, a violência existe e é evidente, mas o exame externo não permite determinar com precisão a causa da lesão, e por conseqüência a causa jurídica do evento. – Casos onde a grande extensão das lesões podem mascarar outras. – Atropelamento por trem, por ônibus, porém o indivíduo já estava morto antes do evento.
  • 30. MODALIDADES DE MORTE  MORTE SUSPEITA:  Por violência definida – O corpo mostra lesões externas perfeitamente definidas quanto à sua causa, mas a etiologia jurídica do evento permanece obscura. – O encontro de um corpo na água, afogado, embora aponte sentido de morte acidental, não permite que se descarte as hipóteses de homicídio ou suicídio.
  • 31. MODALIDADES DE MORTE  MORTE DE INFORTÚNIO DO TRABALHO – Aquela ocorrida no ambiente de trabalho, tendo como causa o desempenho da atividade laboral.  MORTE NATURAL
  • 32. MORTES VIOLENTAS  São consideradas mortes violentas, aquelas decorrentes de homicídio, suicídio e acidentes. (aeroviário, marítimo, ferroviário, domésticos e de trânsito).  Todas essa modalidades de morte interessam a medicina legal, pois necessitarão da realização de necropsia pelo médico legista, antes da liberação do corpo e expedição da declaração de óbito.
  • 33. NECROPSIA  É o exame que se realiza no cadáver, interna e externamente, com a finalidade de determinar a causa da morte.  Depois de minucioso exame e coleta de material, o corpo é recomposto para ser entregue aos familiares e inumado.  Necropsia em cadáver baleado.
  • 34. NECROPSIA  A necropsia é realizada pelo IML: os cadáveres que entram como desconhecidos são fotografados e submetidos a exames de identificação.  Os cadáveres não reclamados pro seu familiares, serão mantidos em conservação por um prazo de 30 a 60 dias, após, através de autorização judicial serão inumados.
  • 35. EXAMES REALIZADOS PELO IML  EXAME DE LESÃO CORPORAL ( art. 129, CP, § 1º, 2º, 3º);  EXAME COMPLEMENTAR DE LESÃO;  EXAME DE CONJUNÇÃO CARNAL;  EXAME DE ATO LIBIDINOSO;
  • 36. NECROPSIA  No caso de ossadas não identificadas e não reclamadas por seus familiares, serão inumadas em 15 dias.  Os cadáveres identificados ou não que não forem oriundos de morte violenta e, não reclamados por familiares, poderão ser doados para instituições de estudo e pesquisa.(lei 8.501/92).
  • 37. DECLARAÇÃO E CERTIDÃO DE ÓBITO  DO - É documento fornecido pelo médico, informando as causas da morte.  – em casos de morte não violenta, será emitido pelo Serviço de Verificação de Óbitos (SVO), não possuindo na localidade o SVO, será emitido por médico da rede pública.  – Em casos de mortes violentas , pelo médico-legista do IML ou DML
  • 38. DECLARAÇÃO E CERTIDÃO DE ÓBITO  CO – É a prova cabal e incontestável do desaparecimento do indivíduo do meio natural e jurídico.  O registro de óbito é obrigatório no assentamento dos cartórios de pessoas naturais.  A DO e CO, no caso de perdas fetais serão emitidas quando a gestação tiver duração igual ou superior a 20 semanas ou o feto tiver peso corporal igual ou superior a 500g e estatura igual ou superior a 25cm.