SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 9
Sociedade Germânica
Introdução Nesse trabalho será apresentado sobre os povos  Germânicos que são um grupo de povos  falantes de língua indo – européias originários da Europa Setentrional e identificados pelo uso comum das línguas germânicas.
Sociedade Germânica Os povos germânicos não estavam organizados socialmente em Estados, mas em comunidades tribais, não eram sedentários, para eles o nomadismo estava relacionado à busca de melhores recursos e, especialmente eram guerreiros, em busca de comunidades e vilarejos para serem saqueados.
Sociedade Germânica A organização da sociedade germânica era simples ou “primitiva”  e estava fundamentada principalmente sobre normas consuetudinárias, o que se refere a ausência de um poder. O órgão público mais importante de cada tribo era a "Assembléia dos Guerreiros", que deliberava sobre assuntos como a declaração de guerra ou de paz, a libertação de prisioneiros, os crimes de traição e a expulsão de membros da tribo.
Características da Sociedade Germânica A Sociedade germânica pode ser caracterizada da seguinte forma: Nobreza: ocupava postos de direção na tribo; Homens livres: classe composta pelos guerreiros portadores de armas e com direito de expressar suas opiniões nas assembléias; Homens semi-livres: classe constituída por membros de populações vencidas em guerra, excluídas do povo livre pelo fato de não pertencerem aos clãs tribais; Escravos: formados por prisioneiros de guerra, por filhos de escravos e por devedores insolventes. A base da organização social das tribos era a "sipe", espécie de clã formada por famílias ligadas por laços de parentesco. Os seus membros protegiam-se mutuamente e a ofensa a um deles atingia toda a sipe, que praticava a vingança coletiva. Na guerra, o exército era recrutado entre os homens da tribo, maiores de 16 anos.
Atividades Econômicas  Entre as principais atividades econômicas, destacavam-se a agricultura (trigo, cevada, centeio, legumes etc.) e a pecuária (bois, carneiros). A principio, a propriedade da terra pertencia a todo o clã, sendo que seus membros tinham o direito de usufruir determinadas áreas. Entretanto, em função das necessidades coletivas, os bosques, os pastos e a água eram explorados de forma comunitária.
Religião Entre as principais atividades econômicas, destacavam-se a agricultura (trigo, cevada, centeio, legumes etc.) e a pecuária (bois, carneiros). A principio, a propriedade da terra pertencia a todo o clã, sendo que seus membros tinham o direito de usufruir determinadas áreas. Entretanto, em função das necessidades coletivas, os bosques, os pastos e a água eram explorados de forma comunitária.
Conclusão Concluímos que a sociedade germânica é formada por tribos e não como os povos romanos que eram divididos em Estados , são nômades, pois são povos guerreiros em busca de comunidades e vilarejos para serem saqueados. Para eles a relação pessoais e de parentesco tinham um papel decisivo nesta sociedade, pois determinava a coexistência do diversos momentos de agregação da sociedade, um exemplo “SIPE”.
Alunos: José Paulo e GustavoSérie: 1º 04.Matéria: Sociologia

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Invasões bárbaras e formação da europa moderna
Invasões bárbaras e formação da europa modernaInvasões bárbaras e formação da europa moderna
Invasões bárbaras e formação da europa modernaFatima Freitas
 
A queda do império romano bárbaros
A queda do império romano bárbarosA queda do império romano bárbaros
A queda do império romano bárbarosJoão Paulo
 
Povos Barbaros
Povos BarbarosPovos Barbaros
Povos BarbarosAnuque
 
Invasões bárbaras
Invasões bárbarasInvasões bárbaras
Invasões bárbarasEdgar Rego
 
Invasões bárbaras e império carolíngio
Invasões bárbaras e império carolíngioInvasões bárbaras e império carolíngio
Invasões bárbaras e império carolíngioFatima Freitas
 
1 invasões bárbaras
1 invasões bárbaras1 invasões bárbaras
1 invasões bárbarasKerol Brombal
 
História feudalismo
História   feudalismoHistória   feudalismo
História feudalismoEduardo Souza
 
História Medieval aula 03 Bárbaros. ppt
História Medieval aula 03 Bárbaros. pptHistória Medieval aula 03 Bárbaros. ppt
História Medieval aula 03 Bárbaros. pptMarcelo Abreu Gomes
 
Invasões bárbaras02
Invasões bárbaras02Invasões bárbaras02
Invasões bárbaras02DeaaSouza
 

Mais procurados (20)

A formação dos reinos bárbaros
A formação dos reinos bárbarosA formação dos reinos bárbaros
A formação dos reinos bárbaros
 
Povos bárbaros
Povos bárbarosPovos bárbaros
Povos bárbaros
 
Povos Bárbaros.
Povos Bárbaros.Povos Bárbaros.
Povos Bárbaros.
 
Invasões bárbaras e formação da europa moderna
Invasões bárbaras e formação da europa modernaInvasões bárbaras e formação da europa moderna
Invasões bárbaras e formação da europa moderna
 
Barbaros
BarbarosBarbaros
Barbaros
 
A queda do império romano bárbaros
A queda do império romano bárbarosA queda do império romano bárbaros
A queda do império romano bárbaros
 
Povos Barbaros
Povos BarbarosPovos Barbaros
Povos Barbaros
 
Invasões bárbaras
Invasões bárbarasInvasões bárbaras
Invasões bárbaras
 
Invasões bárbaras e império carolíngio
Invasões bárbaras e império carolíngioInvasões bárbaras e império carolíngio
Invasões bárbaras e império carolíngio
 
1 invasões bárbaras
1 invasões bárbaras1 invasões bárbaras
1 invasões bárbaras
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
 
História feudalismo
História   feudalismoHistória   feudalismo
História feudalismo
 
Reino franco
Reino francoReino franco
Reino franco
 
Feudalismo europeu
Feudalismo europeuFeudalismo europeu
Feudalismo europeu
 
História Medieval aula 03 Bárbaros. ppt
História Medieval aula 03 Bárbaros. pptHistória Medieval aula 03 Bárbaros. ppt
História Medieval aula 03 Bárbaros. ppt
 
Invasões bárbaras02
Invasões bárbaras02Invasões bárbaras02
Invasões bárbaras02
 
A sociedade feudal
A sociedade feudalA sociedade feudal
A sociedade feudal
 
Burgundios e alamanos
Burgundios e alamanosBurgundios e alamanos
Burgundios e alamanos
 
1° ano aula slide - feudalismo
1° ano   aula slide - feudalismo1° ano   aula slide - feudalismo
1° ano aula slide - feudalismo
 
Invasões
InvasõesInvasões
Invasões
 

Destaque

Os Povos Bárbaros - Os Francos - Prof. Medeiros
Os Povos Bárbaros - Os Francos - Prof. MedeirosOs Povos Bárbaros - Os Francos - Prof. Medeiros
Os Povos Bárbaros - Os Francos - Prof. MedeirosJoão Medeiros
 
EF - 7º ano - Invasões bárbaras
EF - 7º ano - Invasões bárbarasEF - 7º ano - Invasões bárbaras
EF - 7º ano - Invasões bárbarasGuilherme Drumond
 
Formação da europa feudal
Formação da europa feudalFormação da europa feudal
Formação da europa feudalJosé Gomes
 
O Feudalismo Prof Medeiros 2015
O Feudalismo Prof Medeiros 2015O Feudalismo Prof Medeiros 2015
O Feudalismo Prof Medeiros 2015João Medeiros
 
As InvasõEs BáRbaras Vi
As InvasõEs BáRbaras ViAs InvasõEs BáRbaras Vi
As InvasõEs BáRbaras Viguestfe54e6
 
História Idade Média (Francos)
História Idade Média (Francos)História Idade Média (Francos)
História Idade Média (Francos)Giorgia Marrone
 
A formação do império feudal 7º anos
A formação do império feudal   7º anosA formação do império feudal   7º anos
A formação do império feudal 7º anosÍris Ferreira
 
Aula 1 idade média “bárbaros”, bizantinos e império carolíngio
Aula 1   idade média “bárbaros”, bizantinos e império carolíngioAula 1   idade média “bárbaros”, bizantinos e império carolíngio
Aula 1 idade média “bárbaros”, bizantinos e império carolíngioDalton Lopes Reis Jr.
 
Invasões Barbaras
Invasões BarbarasInvasões Barbaras
Invasões Barbarasluisaprof
 
Cap. 1 feudalismo no mundo europeu 7º ano
Cap. 1 feudalismo no mundo europeu 7º anoCap. 1 feudalismo no mundo europeu 7º ano
Cap. 1 feudalismo no mundo europeu 7º anoMyMariane
 
QUESTÕES DE HISTÓRIA - BRASIL IMPÉRIO
QUESTÕES DE HISTÓRIA - BRASIL IMPÉRIOQUESTÕES DE HISTÓRIA - BRASIL IMPÉRIO
QUESTÕES DE HISTÓRIA - BRASIL IMPÉRIOIsabel Aguiar
 
A expansão dos francos e o império carolíngio.
A expansão dos francos e o império carolíngio.A expansão dos francos e o império carolíngio.
A expansão dos francos e o império carolíngio.Joemille Leal
 
B. o império romano no seu apogeu
B. o império romano no seu apogeuB. o império romano no seu apogeu
B. o império romano no seu apogeuprofisabelfranco
 

Destaque (20)

Os Povos Bárbaros - Os Francos - Prof. Medeiros
Os Povos Bárbaros - Os Francos - Prof. MedeirosOs Povos Bárbaros - Os Francos - Prof. Medeiros
Os Povos Bárbaros - Os Francos - Prof. Medeiros
 
EF - 7º ano - Invasões bárbaras
EF - 7º ano - Invasões bárbarasEF - 7º ano - Invasões bárbaras
EF - 7º ano - Invasões bárbaras
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
 
Sociedade Antiga
Sociedade AntigaSociedade Antiga
Sociedade Antiga
 
Formação da europa feudal
Formação da europa feudalFormação da europa feudal
Formação da europa feudal
 
Reino franco
Reino francoReino franco
Reino franco
 
O Feudalismo Prof Medeiros 2015
O Feudalismo Prof Medeiros 2015O Feudalismo Prof Medeiros 2015
O Feudalismo Prof Medeiros 2015
 
As InvasõEs BáRbaras Vi
As InvasõEs BáRbaras ViAs InvasõEs BáRbaras Vi
As InvasõEs BáRbaras Vi
 
História Idade Média (Francos)
História Idade Média (Francos)História Idade Média (Francos)
História Idade Média (Francos)
 
A formação do império feudal 7º anos
A formação do império feudal   7º anosA formação do império feudal   7º anos
A formação do império feudal 7º anos
 
Aula 1 idade média “bárbaros”, bizantinos e império carolíngio
Aula 1   idade média “bárbaros”, bizantinos e império carolíngioAula 1   idade média “bárbaros”, bizantinos e império carolíngio
Aula 1 idade média “bárbaros”, bizantinos e império carolíngio
 
Invasões Barbaras
Invasões BarbarasInvasões Barbaras
Invasões Barbaras
 
Idade Média
Idade MédiaIdade Média
Idade Média
 
Cap. 1 feudalismo no mundo europeu 7º ano
Cap. 1 feudalismo no mundo europeu 7º anoCap. 1 feudalismo no mundo europeu 7º ano
Cap. 1 feudalismo no mundo europeu 7º ano
 
QUESTÕES DE HISTÓRIA - BRASIL IMPÉRIO
QUESTÕES DE HISTÓRIA - BRASIL IMPÉRIOQUESTÕES DE HISTÓRIA - BRASIL IMPÉRIO
QUESTÕES DE HISTÓRIA - BRASIL IMPÉRIO
 
Os hunos
Os hunosOs hunos
Os hunos
 
10° reinos bárbaros
10° reinos bárbaros10° reinos bárbaros
10° reinos bárbaros
 
Apresentação4
Apresentação4Apresentação4
Apresentação4
 
A expansão dos francos e o império carolíngio.
A expansão dos francos e o império carolíngio.A expansão dos francos e o império carolíngio.
A expansão dos francos e o império carolíngio.
 
B. o império romano no seu apogeu
B. o império romano no seu apogeuB. o império romano no seu apogeu
B. o império romano no seu apogeu
 

Semelhante a Sociedade Germânica

1ano aulaslide-feudalismo-110603215952-phpapp01
1ano aulaslide-feudalismo-110603215952-phpapp011ano aulaslide-feudalismo-110603215952-phpapp01
1ano aulaslide-feudalismo-110603215952-phpapp01edson lopes diniz
 
1ano-aulaslide-feudalismo-110603215952-phpapp01.pdf
1ano-aulaslide-feudalismo-110603215952-phpapp01.pdf1ano-aulaslide-feudalismo-110603215952-phpapp01.pdf
1ano-aulaslide-feudalismo-110603215952-phpapp01.pdfHelderCastro22
 
Povos Bárbaros e Feudalismo
Povos Bárbaros e FeudalismoPovos Bárbaros e Feudalismo
Povos Bárbaros e FeudalismoREYSDS
 
Sociedade medieval
Sociedade medievalSociedade medieval
Sociedade medievalcattonia
 
DO ESTADO ANTIGO AO NECESSÁRIO ESTADO DO FUTURO
DO ESTADO ANTIGO AO NECESSÁRIO ESTADO DO FUTURO     DO ESTADO ANTIGO AO NECESSÁRIO ESTADO DO FUTURO
DO ESTADO ANTIGO AO NECESSÁRIO ESTADO DO FUTURO Fernando Alcoforado
 
Povos indigenas brasil 2
Povos indigenas brasil 2Povos indigenas brasil 2
Povos indigenas brasil 2Profgalao
 
As culturas indigenas americanas
As culturas indigenas americanasAs culturas indigenas americanas
As culturas indigenas americanasDilmara Faria
 
indígenas da América do Norte e da América Central.
indígenas da América do Norte e da América Central.indígenas da América do Norte e da América Central.
indígenas da América do Norte e da América Central.felipesavariz
 
A queda do império romano do ocidente
A queda do império romano do ocidenteA queda do império romano do ocidente
A queda do império romano do ocidenteNelia Salles Nantes
 
1 sociedades ind igenas brasileiras no seculo xvi
1 sociedades ind igenas brasileiras no seculo xvi1 sociedades ind igenas brasileiras no seculo xvi
1 sociedades ind igenas brasileiras no seculo xviPaulo Alexandre
 
A sociedade europeia
A sociedade europeiaA sociedade europeia
A sociedade europeiaNTTL98
 

Semelhante a Sociedade Germânica (20)

1ano aulaslide-feudalismo-110603215952-phpapp01
1ano aulaslide-feudalismo-110603215952-phpapp011ano aulaslide-feudalismo-110603215952-phpapp01
1ano aulaslide-feudalismo-110603215952-phpapp01
 
1ano-aulaslide-feudalismo-110603215952-phpapp01.pdf
1ano-aulaslide-feudalismo-110603215952-phpapp01.pdf1ano-aulaslide-feudalismo-110603215952-phpapp01.pdf
1ano-aulaslide-feudalismo-110603215952-phpapp01.pdf
 
1° ano - Idade Média Ocidental
1° ano  - Idade Média Ocidental1° ano  - Idade Média Ocidental
1° ano - Idade Média Ocidental
 
Povos Bárbaros e Feudalismo
Povos Bárbaros e FeudalismoPovos Bárbaros e Feudalismo
Povos Bárbaros e Feudalismo
 
América
AméricaAmérica
América
 
Sociedade medieval
Sociedade medievalSociedade medieval
Sociedade medieval
 
A ocidental roma
A ocidental romaA ocidental roma
A ocidental roma
 
DO ESTADO ANTIGO AO NECESSÁRIO ESTADO DO FUTURO
DO ESTADO ANTIGO AO NECESSÁRIO ESTADO DO FUTURO     DO ESTADO ANTIGO AO NECESSÁRIO ESTADO DO FUTURO
DO ESTADO ANTIGO AO NECESSÁRIO ESTADO DO FUTURO
 
A sociedade medieval
A sociedade medievalA sociedade medieval
A sociedade medieval
 
Povos indigenas brasil 2
Povos indigenas brasil 2Povos indigenas brasil 2
Povos indigenas brasil 2
 
Conflitos na Amazônia
Conflitos na AmazôniaConflitos na Amazônia
Conflitos na Amazônia
 
As culturas indigenas americanas
As culturas indigenas americanasAs culturas indigenas americanas
As culturas indigenas americanas
 
indígenas da América do Norte e da América Central.
indígenas da América do Norte e da América Central.indígenas da América do Norte e da América Central.
indígenas da América do Norte e da América Central.
 
A queda do império romano do ocidente
A queda do império romano do ocidenteA queda do império romano do ocidente
A queda do império romano do ocidente
 
1 sociedades ind igenas brasileiras no seculo xvi
1 sociedades ind igenas brasileiras no seculo xvi1 sociedades ind igenas brasileiras no seculo xvi
1 sociedades ind igenas brasileiras no seculo xvi
 
A ocidental roma
A ocidental romaA ocidental roma
A ocidental roma
 
A sociedade europeia
A sociedade europeiaA sociedade europeia
A sociedade europeia
 
Questoeshist2
Questoeshist2Questoeshist2
Questoeshist2
 
Idade Média
Idade Média Idade Média
Idade Média
 
A história da educação no brasil
A história da educação no brasilA história da educação no brasil
A história da educação no brasil
 

Mais de Cristiane Freitas

A NOVA CALIFORNIA - LIMA BARRETO
A NOVA CALIFORNIA - LIMA BARRETOA NOVA CALIFORNIA - LIMA BARRETO
A NOVA CALIFORNIA - LIMA BARRETOCristiane Freitas
 
A história tecida à mão da Palestina e da Jordânia
A história tecida à mão da Palestina e da JordâniaA história tecida à mão da Palestina e da Jordânia
A história tecida à mão da Palestina e da JordâniaCristiane Freitas
 
Tapetes de oraçao islamica e sua simbologia
Tapetes de oraçao islamica e sua simbologiaTapetes de oraçao islamica e sua simbologia
Tapetes de oraçao islamica e sua simbologiaCristiane Freitas
 
Nomes Arabes com significado em Portugues
Nomes Arabes com significado em PortuguesNomes Arabes com significado em Portugues
Nomes Arabes com significado em PortuguesCristiane Freitas
 
O Egito Antigo - da Pre Dinastia ao Novo Reino
O Egito Antigo  - da Pre Dinastia ao Novo ReinoO Egito Antigo  - da Pre Dinastia ao Novo Reino
O Egito Antigo - da Pre Dinastia ao Novo ReinoCristiane Freitas
 
Brasil - 500 anos de povoamento
Brasil - 500 anos de povoamentoBrasil - 500 anos de povoamento
Brasil - 500 anos de povoamentoCristiane Freitas
 
O Egito Antigo - 3500aC - 2005dC
O Egito Antigo - 3500aC - 2005dCO Egito Antigo - 3500aC - 2005dC
O Egito Antigo - 3500aC - 2005dCCristiane Freitas
 
Travel can be fun! leeson plan
Travel can be fun! leeson planTravel can be fun! leeson plan
Travel can be fun! leeson planCristiane Freitas
 
O Alcorao SAgrado em Portugues e Arabe
O Alcorao SAgrado em Portugues e ArabeO Alcorao SAgrado em Portugues e Arabe
O Alcorao SAgrado em Portugues e ArabeCristiane Freitas
 
Risk managment in aviation environment
Risk managment in aviation environmentRisk managment in aviation environment
Risk managment in aviation environmentCristiane Freitas
 
A ultima religiao divina islam
A ultima religiao divina   islamA ultima religiao divina   islam
A ultima religiao divina islamCristiane Freitas
 

Mais de Cristiane Freitas (20)

A NOVA CALIFORNIA - LIMA BARRETO
A NOVA CALIFORNIA - LIMA BARRETOA NOVA CALIFORNIA - LIMA BARRETO
A NOVA CALIFORNIA - LIMA BARRETO
 
A história tecida à mão da Palestina e da Jordânia
A história tecida à mão da Palestina e da JordâniaA história tecida à mão da Palestina e da Jordânia
A história tecida à mão da Palestina e da Jordânia
 
Tapetes de oraçao islamica e sua simbologia
Tapetes de oraçao islamica e sua simbologiaTapetes de oraçao islamica e sua simbologia
Tapetes de oraçao islamica e sua simbologia
 
Nomes Arabes com significado em Portugues
Nomes Arabes com significado em PortuguesNomes Arabes com significado em Portugues
Nomes Arabes com significado em Portugues
 
O Egito Antigo - da Pre Dinastia ao Novo Reino
O Egito Antigo  - da Pre Dinastia ao Novo ReinoO Egito Antigo  - da Pre Dinastia ao Novo Reino
O Egito Antigo - da Pre Dinastia ao Novo Reino
 
Brasil - 500 anos de povoamento
Brasil - 500 anos de povoamentoBrasil - 500 anos de povoamento
Brasil - 500 anos de povoamento
 
O Egito Antigo - 3500aC - 2005dC
O Egito Antigo - 3500aC - 2005dCO Egito Antigo - 3500aC - 2005dC
O Egito Antigo - 3500aC - 2005dC
 
Delicious Dates -
Delicious Dates - Delicious Dates -
Delicious Dates -
 
Travel can be fun! leeson plan
Travel can be fun! leeson planTravel can be fun! leeson plan
Travel can be fun! leeson plan
 
01 - A Sura da Abertura
01 - A Sura da Abertura01 - A Sura da Abertura
01 - A Sura da Abertura
 
O Alcorao SAgrado em Portugues e Arabe
O Alcorao SAgrado em Portugues e ArabeO Alcorao SAgrado em Portugues e Arabe
O Alcorao SAgrado em Portugues e Arabe
 
Risk managment in aviation environment
Risk managment in aviation environmentRisk managment in aviation environment
Risk managment in aviation environment
 
Cargo security
Cargo securityCargo security
Cargo security
 
Dicionario arabe egipcio
Dicionario arabe egipcioDicionario arabe egipcio
Dicionario arabe egipcio
 
A oração no islam
A oração no islamA oração no islam
A oração no islam
 
A ultima religiao divina islam
A ultima religiao divina   islamA ultima religiao divina   islam
A ultima religiao divina islam
 
Fundamentos do islam
Fundamentos do islamFundamentos do islam
Fundamentos do islam
 
Uma anfora de agua
Uma anfora de aguaUma anfora de agua
Uma anfora de agua
 
Oracao para ocasioes
Oracao para ocasioesOracao para ocasioes
Oracao para ocasioes
 
O caminho para o alcorao
O caminho para o alcoraoO caminho para o alcorao
O caminho para o alcorao
 

Último

As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....LuizHenriquedeAlmeid6
 
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxSismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxpatriciapedroso82
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxGeometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxlucivaniaholanda
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persaConteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persafelipescherner
 
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptxCONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptxLuana240603
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfMaiteFerreira4
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorialNeuroppIsnayaLciaMar
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"Ilda Bicacro
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxIlda Bicacro
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptxlucioalmeida2702
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Rosana Andrea Miranda
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfmaria794949
 

Último (20)

As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxSismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxGeometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persaConteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
 
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptxCONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 

Sociedade Germânica

  • 2. Introdução Nesse trabalho será apresentado sobre os povos Germânicos que são um grupo de povos falantes de língua indo – européias originários da Europa Setentrional e identificados pelo uso comum das línguas germânicas.
  • 3. Sociedade Germânica Os povos germânicos não estavam organizados socialmente em Estados, mas em comunidades tribais, não eram sedentários, para eles o nomadismo estava relacionado à busca de melhores recursos e, especialmente eram guerreiros, em busca de comunidades e vilarejos para serem saqueados.
  • 4. Sociedade Germânica A organização da sociedade germânica era simples ou “primitiva” e estava fundamentada principalmente sobre normas consuetudinárias, o que se refere a ausência de um poder. O órgão público mais importante de cada tribo era a "Assembléia dos Guerreiros", que deliberava sobre assuntos como a declaração de guerra ou de paz, a libertação de prisioneiros, os crimes de traição e a expulsão de membros da tribo.
  • 5. Características da Sociedade Germânica A Sociedade germânica pode ser caracterizada da seguinte forma: Nobreza: ocupava postos de direção na tribo; Homens livres: classe composta pelos guerreiros portadores de armas e com direito de expressar suas opiniões nas assembléias; Homens semi-livres: classe constituída por membros de populações vencidas em guerra, excluídas do povo livre pelo fato de não pertencerem aos clãs tribais; Escravos: formados por prisioneiros de guerra, por filhos de escravos e por devedores insolventes. A base da organização social das tribos era a "sipe", espécie de clã formada por famílias ligadas por laços de parentesco. Os seus membros protegiam-se mutuamente e a ofensa a um deles atingia toda a sipe, que praticava a vingança coletiva. Na guerra, o exército era recrutado entre os homens da tribo, maiores de 16 anos.
  • 6. Atividades Econômicas Entre as principais atividades econômicas, destacavam-se a agricultura (trigo, cevada, centeio, legumes etc.) e a pecuária (bois, carneiros). A principio, a propriedade da terra pertencia a todo o clã, sendo que seus membros tinham o direito de usufruir determinadas áreas. Entretanto, em função das necessidades coletivas, os bosques, os pastos e a água eram explorados de forma comunitária.
  • 7. Religião Entre as principais atividades econômicas, destacavam-se a agricultura (trigo, cevada, centeio, legumes etc.) e a pecuária (bois, carneiros). A principio, a propriedade da terra pertencia a todo o clã, sendo que seus membros tinham o direito de usufruir determinadas áreas. Entretanto, em função das necessidades coletivas, os bosques, os pastos e a água eram explorados de forma comunitária.
  • 8. Conclusão Concluímos que a sociedade germânica é formada por tribos e não como os povos romanos que eram divididos em Estados , são nômades, pois são povos guerreiros em busca de comunidades e vilarejos para serem saqueados. Para eles a relação pessoais e de parentesco tinham um papel decisivo nesta sociedade, pois determinava a coexistência do diversos momentos de agregação da sociedade, um exemplo “SIPE”.
  • 9. Alunos: José Paulo e GustavoSérie: 1º 04.Matéria: Sociologia