SlideShare uma empresa Scribd logo
Grupo:            Luana- 20
                  Laura- 17
Andressa- 01
Isabele- 38
Maria Elisa- 26
                  7°A
Introdução

Historiadores afirmam que antes da chegada dos
europeus à América havia aproximadamente 100
milhões de índios no continente. Só em território
brasileiro, esse número chegava 5 milhões de
nativos, aproximadamente. Estes índios brasileiros
estavam divididos em tribos, de acordo com o
tronco lingüístico ao qual pertenciam: tupi-guaranis
(região do litoral), macro-jê ou tapuias (região do
Planalto Central), aruaques (Amazônia) e caraíbas
(Amazônia).
Cultura
Há grande diversidade cultural entre os povos indígenas no Brasil, mas há
também características comuns:
• A habitação coletiva, .Em cada habitação morava de setenta a oitenta
  casais com suas famílias que, à noite, acendiam fogueiras e dormiam em
  redes.
• A vida cerimonial como base da cultura de cada grupo, com as festas
  que reúnem pessoas de outras aldeias, os ritos de passagem dos
  adolescentes de ambos os sexos, os rituais de cura e outros
• O amplo conhecimento da produção de bebidas fermentadas a partir
  de tubérculos, raízes, folhas, sementes e frutos
• A arte como parte da vida diária, encontrada nos potes, nas redes e
  esteiras, nos bancos para homens e mulheres, e na pintura
  corporal, sempre presente nos homens
• A educação das crianças era compartilhada por todos os habitantes da
  aldeia.
• Quanto à família, esta podia ser monogâmica(uma só mulher) ou
  poligâmica(muitas mulheres)
• Deixaram forte herança na culinária brasileira
Conflito
Estimativas da população indígena na época do descobrimento apontam
que existiam no território Brasileiro, mais de mil povos, sendo cinco
milhões de indígenas.Outras estimativas variam entre 2 milhões e
meio de indígenas em 1500 a até 6 milhões.
Durante o século XIX, com os avanços em epidemiologia, casos
documentados começaram a aparecer, de brasileiros usando epidemias
de varíola como arma biológica contra os índios. Um caso "clássico",
segundo antropólogo Mércio Pereira Gomes, é o da vila de Caxias, no
Sul do Maranhão, por volta de 1816. Fazendeiros, para conseguir mais
terras, resolveram "presentear" os índios timbira com roupas de
pessoas infectadas pela doença (que normalmente são queimadas para
evitar contaminação). Os índios levaram as roupas para as aldeias e
logo os fazendeiros tinham muito mais terra livre para a criação de
gado. Casos similares ocorreram por toda América do Sul.As "doenças
do homem branco" ainda afetam tribos indígenas no Amazonas.
O encontro com os europeus
A imagem do índio se modificou ao longo da História brasileira. Nos
primeiros séculos, o índio era retratado como um selvagem, um "quase-
animal" que deveria ser domesticado ou derrotado. No século XIX houve
uma reviravolta, por meio do "indianismo romântico". O índio passou a ser
tratado como o "bom selvagem". Essa concepção adentrou o século XX,
trazendo a ideia de que o índio era dono de uma moral intangível, sendo
ele uma vítima indefesa da crueldade europeia, sendo seu destino
combater os europeus ou se submeter a eles. Nessa concepção, os índios
viviam em harmonia nas Américas, até que chegaram os portugueses e
semearam guerras, destruíram pessoas, culturas e plantas. Esse discurso
até hoje produz eco nos meios popular e escolar brasileiros. Porém, nas
últimas décadas, as novas produções históricas têm dado visibilidade a
uma outra análise da questão indígena. Sem negar a violência com que
muitos europeus trataram os indígenas, a História têm passado a tratar o
índio não como uma vítima passiva da colonização europeia, mas também
como um agente que interferiu e teve papel fundamental nesse processo.
Religião Indígena
Cada nação indígena possuía crenças e rituais religiosos
diferenciados. Porém, todas as tribos acreditavam nas forças da
natureza e nos espíritos dos antepassados. Para estes deuses e
espíritos, faziam rituais, cerimônias e festas. O pajé era o
responsável por transmitir estes conhecimentos aos habitantes da
tribo. Algumas tribos chegavam a enterrar o corpo dos índios em
grandes vasos de cerâmica, onde além do cadáver ficavam os objetos
pessoais. Isto mostra que estas tribos acreditavam numa vida após a
morte.Eles acreditavam em vários deuses :
• Do Céu;
• Da Terra;
• Do inferno;
• Da Água doce e salgada;
• Das Florestas;
• E do Amor.
Canibalismo
Algumas tribos eram canibais como, por
exemplo, os tupinambás que habitavam o
litoral da região sudeste do Brasil. A
antropofagia era praticada, pois acreditavam
que ao comerem carne humana do inimigo
estariam incorporando a sabedoria, valentia e
conhecimentos. Desta forma, não se
alimentavam da carne de pessoas fracas ou
covardes. A prática do canibalismo era feira
em rituais simbólicos.
A organização social dos índios

Entre os indígenas não há classes sociais como a do homem
branco. Todos têm os mesmo direitos e recebem o mesmo
tratamento. A terra, por exemplo, pertence a todos e
quando um índio caça, costuma dividir com os habitantes de
sua tribo. Apenas os instrumentos de trabalho (machado,
arcos, flechas, arpões) são de propriedade individual. O
trabalho na tribo é realizado por todos, porém possui uma
divisão por sexo e idade. As mulheres são responsáveis pela
comida, crianças, colheita e plantio. Já os homens da tribo
ficam encarregados do trabalho mais pesado: caça, pesca,
guerra e derrubada das árvores.
Reservas indígenas
Ver artigo principal: Lista de povos indígenas do Brasil
Marechal Cândido Rondon
A definição de áreas de proteção às comunidades indígenas foram
lideradas por Orlando Villas Bôas que em 1941 lançou a expedição
chamada Roncador-Xingu. Em 1961 foi criada a primeira reserva,
o Parque Indígena do Xingu com forte atuação de Villas Bôas, seus
irmãos Leonardo, Cláudio, Marechal Rondon, Darcy Ribeiro, entre
outros, para que a natureza, os povos nativos da região, suas
culturas e costumes fossem preservados. O modelo de criação das
reservas indígenas mostrou-se como um dos únicos meios para que
a cultura, os povos pré-coloniais remanescentes e mesmo a
natureza sejam preservados nessas reservas. Em 1967 foi criada
a Fundação Nacional do Índio(FUNAI), que passou a definir
políticas de proteção às comunidades indígenas brasileiras.
Parque Indígena do Xingu, uma das reservas indígenas brasileiras.
A demarcação de reservas indígenas é muitas vezes
cercada de críticas favoráveis e desfavoráveis por vários
setores da mídia e pela população afetada . O modelo das
reservas indígenas demarcadas pela FUNAI difere no
modelo norte-americano onde as terras passam a pertencer
aos povos indígenas. No Brasil as reservas indígenas
demarcadas pela FUNAI pertencem ao governo brasileiro
para usufruto vitalício dos índios, não havendo portanto
como associá-las a uma perda de soberania. Uma crítica
comum sobre as reservas indígenas brasileiras considera a
atuação de ONGs nacionais e internacionais junto às
comunidades indígenas sem que se tenha o conhecimento
preciso da natureza da atuação dessas organizações. Nesse
sentido controles mais rígidos sobre a atuação das ONGs
junto às comunidades indígenas estão sendo estudados.
Povos indigenas brasil 2
Povos indigenas brasil 2
Povos indigenas brasil 2

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

3º ano Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
3º ano   Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)3º ano   Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
3º ano Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
Daniel Alves Bronstrup
 
Brasil colônia4 revoltas nativistas
Brasil colônia4 revoltas nativistasBrasil colônia4 revoltas nativistas
Brasil colônia4 revoltas nativistas
dmflores21
 
Expansão territorial
Expansão territorialExpansão territorial
Expansão territorial
Edenilson Morais
 
Independência do brasil
Independência do brasilIndependência do brasil
Independência do brasil
Marilia Pimentel
 
AFRICANOS NO BRASIL
AFRICANOS NO BRASILAFRICANOS NO BRASIL
AFRICANOS NO BRASIL
Isabel Aguiar
 
A Escravidão no Brasil colonial
A Escravidão no Brasil colonialA Escravidão no Brasil colonial
A Escravidão no Brasil colonial
Alex Ferreira dos Santos
 
Imperialismo
ImperialismoImperialismo
Imperialismo
eiprofessor
 
Mineração no Brasil Colônia
Mineração no Brasil ColôniaMineração no Brasil Colônia
Mineração no Brasil Colônia
Jerry Guimarães
 
Economia mineradora século XVIII
Economia mineradora século XVIIIEconomia mineradora século XVIII
Economia mineradora século XVIII
Lú Carvalho
 
A independência do haiti
A independência do haitiA independência do haiti
A independência do haiti
historiando
 
América portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilAmérica portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasil
Douglas Barraqui
 
Expansão colonial na américa portuguesa
Expansão colonial na américa portuguesaExpansão colonial na américa portuguesa
Expansão colonial na américa portuguesa
Professora Natália de Oliveira
 
Primeiros Povoadores da América
Primeiros Povoadores da AméricaPrimeiros Povoadores da América
Primeiros Povoadores da América
edna2
 
Primeiros habitantes do brasil
Primeiros habitantes do brasilPrimeiros habitantes do brasil
Primeiros habitantes do brasil
Profdaltonjunior
 
America pré-colombiana
America pré-colombianaAmerica pré-colombiana
America pré-colombiana
Edenilson Morais
 
Independência dos EUA
Independência dos EUAIndependência dos EUA
Independência dos EUA
Portal do Vestibulando
 
Revisão 6º ano ASSUNTO : Roma Antiga
Revisão 6º ano ASSUNTO : Roma AntigaRevisão 6º ano ASSUNTO : Roma Antiga
Revisão 6º ano ASSUNTO : Roma Antiga
Janaína Bindá
 
Cultura afro
Cultura afroCultura afro
Cultura afro
Daniela F Almenara
 
Descobrimento Do Brasil
Descobrimento Do  BrasilDescobrimento Do  Brasil
Descobrimento Do Brasil
Alex Ferreira dos Santos
 
2° ano EM - Revolução Industrial.
2° ano EM - Revolução Industrial.2° ano EM - Revolução Industrial.
2° ano EM - Revolução Industrial.
Daniel Alves Bronstrup
 

Mais procurados (20)

3º ano Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
3º ano   Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)3º ano   Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
3º ano Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
 
Brasil colônia4 revoltas nativistas
Brasil colônia4 revoltas nativistasBrasil colônia4 revoltas nativistas
Brasil colônia4 revoltas nativistas
 
Expansão territorial
Expansão territorialExpansão territorial
Expansão territorial
 
Independência do brasil
Independência do brasilIndependência do brasil
Independência do brasil
 
AFRICANOS NO BRASIL
AFRICANOS NO BRASILAFRICANOS NO BRASIL
AFRICANOS NO BRASIL
 
A Escravidão no Brasil colonial
A Escravidão no Brasil colonialA Escravidão no Brasil colonial
A Escravidão no Brasil colonial
 
Imperialismo
ImperialismoImperialismo
Imperialismo
 
Mineração no Brasil Colônia
Mineração no Brasil ColôniaMineração no Brasil Colônia
Mineração no Brasil Colônia
 
Economia mineradora século XVIII
Economia mineradora século XVIIIEconomia mineradora século XVIII
Economia mineradora século XVIII
 
A independência do haiti
A independência do haitiA independência do haiti
A independência do haiti
 
América portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilAmérica portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasil
 
Expansão colonial na américa portuguesa
Expansão colonial na américa portuguesaExpansão colonial na américa portuguesa
Expansão colonial na américa portuguesa
 
Primeiros Povoadores da América
Primeiros Povoadores da AméricaPrimeiros Povoadores da América
Primeiros Povoadores da América
 
Primeiros habitantes do brasil
Primeiros habitantes do brasilPrimeiros habitantes do brasil
Primeiros habitantes do brasil
 
America pré-colombiana
America pré-colombianaAmerica pré-colombiana
America pré-colombiana
 
Independência dos EUA
Independência dos EUAIndependência dos EUA
Independência dos EUA
 
Revisão 6º ano ASSUNTO : Roma Antiga
Revisão 6º ano ASSUNTO : Roma AntigaRevisão 6º ano ASSUNTO : Roma Antiga
Revisão 6º ano ASSUNTO : Roma Antiga
 
Cultura afro
Cultura afroCultura afro
Cultura afro
 
Descobrimento Do Brasil
Descobrimento Do  BrasilDescobrimento Do  Brasil
Descobrimento Do Brasil
 
2° ano EM - Revolução Industrial.
2° ano EM - Revolução Industrial.2° ano EM - Revolução Industrial.
2° ano EM - Revolução Industrial.
 

Destaque

Povos indigenas brasil
Povos indigenas brasilPovos indigenas brasil
Povos indigenas brasil
Profgalao
 
Índios brasileiros
Índios brasileirosÍndios brasileiros
Índios brasileiros
Paulo Alexandre
 
ÍNDIOS DO BRASIL
ÍNDIOS DO BRASILÍNDIOS DO BRASIL
ÍNDIOS DO BRASIL
Geo
 
Índios- Cultura indígena
Índios- Cultura indígenaÍndios- Cultura indígena
Índios- Cultura indígena
Emef Madalena
 
Índios no Brasil
Índios no BrasilÍndios no Brasil
Índios no Brasil
Diego Henrique
 
Cultura indígena
Cultura indígenaCultura indígena
Cultura indígena
Karoline Rodrigues de Melo
 
POVOS INDIGENAS BRASILEIROS
POVOS INDIGENAS BRASILEIROSPOVOS INDIGENAS BRASILEIROS
POVOS INDIGENAS BRASILEIROS
Antonio Marcos Nunes dos Reis Marcos
 
Povos indígenas.
Povos indígenas.Povos indígenas.
Povos indígenas.
Carlos Gabriel Sa Ramos
 
íNdios
íNdiosíNdios
íNdios
guest991a823b
 
Hábitos indígenas que influenciaram os nossos costumes
Hábitos indígenas que influenciaram os nossos costumesHábitos indígenas que influenciaram os nossos costumes
Hábitos indígenas que influenciaram os nossos costumes
Kau Dubiella
 
Cultura indígena
Cultura indígenaCultura indígena
Cultura indígena
Paula Naranjo
 
Rituais de morte e passagem sociedades indigenas
Rituais de morte e passagem sociedades indigenasRituais de morte e passagem sociedades indigenas
Rituais de morte e passagem sociedades indigenas
Profgalao
 
Influências Indígenas na Cultura Brasileira
Influências Indígenas na Cultura BrasileiraInfluências Indígenas na Cultura Brasileira
Influências Indígenas na Cultura Brasileira
Gisele Finatti Baraglio
 
Indios do brasil
Indios do brasilIndios do brasil
Indios do brasil
nefthales
 
Capítulo 3: OS POVOS INDÍGENAS NO BRASIL
Capítulo 3: OS POVOS INDÍGENAS NO BRASILCapítulo 3: OS POVOS INDÍGENAS NO BRASIL
Capítulo 3: OS POVOS INDÍGENAS NO BRASIL
Marcela Marangon Ribeiro
 
íNdios guaranis
íNdios guaranisíNdios guaranis
íNdios guaranis
viajante2
 
Sistemas construtivos tradicionais no brasil - arquitetura indígena.
Sistemas construtivos tradicionais no brasil - arquitetura indígena.Sistemas construtivos tradicionais no brasil - arquitetura indígena.
Sistemas construtivos tradicionais no brasil - arquitetura indígena.
Lila Donato
 
Astecas, maias e incas
Astecas, maias e incasAstecas, maias e incas
Astecas, maias e incas
Maria Gomes
 
Astecas,Incas e Maias
Astecas,Incas e MaiasAstecas,Incas e Maias
Astecas,Incas e Maias
Wesley Santos
 
Incas, maias e astecas
Incas, maias e astecasIncas, maias e astecas
Incas, maias e astecas
Guilherme De Martini
 

Destaque (20)

Povos indigenas brasil
Povos indigenas brasilPovos indigenas brasil
Povos indigenas brasil
 
Índios brasileiros
Índios brasileirosÍndios brasileiros
Índios brasileiros
 
ÍNDIOS DO BRASIL
ÍNDIOS DO BRASILÍNDIOS DO BRASIL
ÍNDIOS DO BRASIL
 
Índios- Cultura indígena
Índios- Cultura indígenaÍndios- Cultura indígena
Índios- Cultura indígena
 
Índios no Brasil
Índios no BrasilÍndios no Brasil
Índios no Brasil
 
Cultura indígena
Cultura indígenaCultura indígena
Cultura indígena
 
POVOS INDIGENAS BRASILEIROS
POVOS INDIGENAS BRASILEIROSPOVOS INDIGENAS BRASILEIROS
POVOS INDIGENAS BRASILEIROS
 
Povos indígenas.
Povos indígenas.Povos indígenas.
Povos indígenas.
 
íNdios
íNdiosíNdios
íNdios
 
Hábitos indígenas que influenciaram os nossos costumes
Hábitos indígenas que influenciaram os nossos costumesHábitos indígenas que influenciaram os nossos costumes
Hábitos indígenas que influenciaram os nossos costumes
 
Cultura indígena
Cultura indígenaCultura indígena
Cultura indígena
 
Rituais de morte e passagem sociedades indigenas
Rituais de morte e passagem sociedades indigenasRituais de morte e passagem sociedades indigenas
Rituais de morte e passagem sociedades indigenas
 
Influências Indígenas na Cultura Brasileira
Influências Indígenas na Cultura BrasileiraInfluências Indígenas na Cultura Brasileira
Influências Indígenas na Cultura Brasileira
 
Indios do brasil
Indios do brasilIndios do brasil
Indios do brasil
 
Capítulo 3: OS POVOS INDÍGENAS NO BRASIL
Capítulo 3: OS POVOS INDÍGENAS NO BRASILCapítulo 3: OS POVOS INDÍGENAS NO BRASIL
Capítulo 3: OS POVOS INDÍGENAS NO BRASIL
 
íNdios guaranis
íNdios guaranisíNdios guaranis
íNdios guaranis
 
Sistemas construtivos tradicionais no brasil - arquitetura indígena.
Sistemas construtivos tradicionais no brasil - arquitetura indígena.Sistemas construtivos tradicionais no brasil - arquitetura indígena.
Sistemas construtivos tradicionais no brasil - arquitetura indígena.
 
Astecas, maias e incas
Astecas, maias e incasAstecas, maias e incas
Astecas, maias e incas
 
Astecas,Incas e Maias
Astecas,Incas e MaiasAstecas,Incas e Maias
Astecas,Incas e Maias
 
Incas, maias e astecas
Incas, maias e astecasIncas, maias e astecas
Incas, maias e astecas
 

Semelhante a Povos indigenas brasil 2

Dia do indío professor ismael
Dia do indío professor ismaelDia do indío professor ismael
Dia do indío professor ismael
Educamais
 
sld_1 (1).pdf
sld_1 (1).pdfsld_1 (1).pdf
sld_1 (1).pdf
SammuelFabricio1
 
INDÍGENAS- povos brasileiros, ameríndios
INDÍGENAS- povos brasileiros, ameríndiosINDÍGENAS- povos brasileiros, ameríndios
INDÍGENAS- povos brasileiros, ameríndios
ADRIANIGOMES1
 
íNdios do brasil
íNdios do brasilíNdios do brasil
íNdios do brasil
Mariangela Santos
 
íNdios do brasil aula 1º ano
íNdios do brasil   aula 1º anoíNdios do brasil   aula 1º ano
íNdios do brasil aula 1º ano
seixasmarianas
 
O ìndios brasileiros Lucas Soares 6° ano
O ìndios brasileiros Lucas Soares 6° anoO ìndios brasileiros Lucas Soares 6° ano
O ìndios brasileiros Lucas Soares 6° ano
Glaucoestudioclick
 
A história da educação no brasil
A história da educação no brasilA história da educação no brasil
A história da educação no brasil
Marcia Alves de Oliveira
 
Trabalho de história
Trabalho de históriaTrabalho de história
Trabalho de história
Alessandra Miranda
 
Seminario_indio_e_o_Portugues.pptx
Seminario_indio_e_o_Portugues.pptxSeminario_indio_e_o_Portugues.pptx
Seminario_indio_e_o_Portugues.pptx
AdriaLeneBarbosaSilv
 
Indios
IndiosIndios
O impacto da conquista da américa
O impacto da conquista da américaO impacto da conquista da américa
O impacto da conquista da américa
Carlos Teles de Menezes Junior
 
íNdio brasileiro ana beatriz
íNdio brasileiro   ana beatrizíNdio brasileiro   ana beatriz
íNdio brasileiro ana beatriz
leopalasjh
 
Oficina de Geociências
Oficina de GeociênciasOficina de Geociências
Oficina de Geociências
Escola Silene de Andrade
 
índio brasileiro ana carolina da silva e eva yara
índio brasileiro   ana carolina da silva e eva yaraíndio brasileiro   ana carolina da silva e eva yara
índio brasileiro ana carolina da silva e eva yara
leopalasjh
 
Plano de aula 1º ano [salvo automaticamente]
Plano de aula 1º ano [salvo automaticamente]Plano de aula 1º ano [salvo automaticamente]
Plano de aula 1º ano [salvo automaticamente]
Jefferson Nascimento
 
Os filhos da terra os ìndios do brasil
Os filhos da terra os ìndios do brasilOs filhos da terra os ìndios do brasil
Os filhos da terra os ìndios do brasil
Odairdesouza
 
HISTÓRIA, POVOS INDÍGENAS E EDUCAÇÃO: (RE) CONHECENDO E DISCUTINDO A DIVERSID...
HISTÓRIA, POVOS INDÍGENAS E EDUCAÇÃO: (RE) CONHECENDO E DISCUTINDO A DIVERSID...HISTÓRIA, POVOS INDÍGENAS E EDUCAÇÃO: (RE) CONHECENDO E DISCUTINDO A DIVERSID...
HISTÓRIA, POVOS INDÍGENAS E EDUCAÇÃO: (RE) CONHECENDO E DISCUTINDO A DIVERSID...
Fábio Fernandes
 
íNdio brasileiro isabella lannes e milena calixto.
íNdio brasileiro   isabella lannes e milena calixto. íNdio brasileiro   isabella lannes e milena calixto.
íNdio brasileiro isabella lannes e milena calixto.
leopalasjh
 
íNdios brasileiro eduardo
íNdios brasileiro   eduardoíNdios brasileiro   eduardo
íNdios brasileiro eduardo
leopalasjh
 
América
AméricaAmérica
América
RODRIGO Cicéro
 

Semelhante a Povos indigenas brasil 2 (20)

Dia do indío professor ismael
Dia do indío professor ismaelDia do indío professor ismael
Dia do indío professor ismael
 
sld_1 (1).pdf
sld_1 (1).pdfsld_1 (1).pdf
sld_1 (1).pdf
 
INDÍGENAS- povos brasileiros, ameríndios
INDÍGENAS- povos brasileiros, ameríndiosINDÍGENAS- povos brasileiros, ameríndios
INDÍGENAS- povos brasileiros, ameríndios
 
íNdios do brasil
íNdios do brasilíNdios do brasil
íNdios do brasil
 
íNdios do brasil aula 1º ano
íNdios do brasil   aula 1º anoíNdios do brasil   aula 1º ano
íNdios do brasil aula 1º ano
 
O ìndios brasileiros Lucas Soares 6° ano
O ìndios brasileiros Lucas Soares 6° anoO ìndios brasileiros Lucas Soares 6° ano
O ìndios brasileiros Lucas Soares 6° ano
 
A história da educação no brasil
A história da educação no brasilA história da educação no brasil
A história da educação no brasil
 
Trabalho de história
Trabalho de históriaTrabalho de história
Trabalho de história
 
Seminario_indio_e_o_Portugues.pptx
Seminario_indio_e_o_Portugues.pptxSeminario_indio_e_o_Portugues.pptx
Seminario_indio_e_o_Portugues.pptx
 
Indios
IndiosIndios
Indios
 
O impacto da conquista da américa
O impacto da conquista da américaO impacto da conquista da américa
O impacto da conquista da américa
 
íNdio brasileiro ana beatriz
íNdio brasileiro   ana beatrizíNdio brasileiro   ana beatriz
íNdio brasileiro ana beatriz
 
Oficina de Geociências
Oficina de GeociênciasOficina de Geociências
Oficina de Geociências
 
índio brasileiro ana carolina da silva e eva yara
índio brasileiro   ana carolina da silva e eva yaraíndio brasileiro   ana carolina da silva e eva yara
índio brasileiro ana carolina da silva e eva yara
 
Plano de aula 1º ano [salvo automaticamente]
Plano de aula 1º ano [salvo automaticamente]Plano de aula 1º ano [salvo automaticamente]
Plano de aula 1º ano [salvo automaticamente]
 
Os filhos da terra os ìndios do brasil
Os filhos da terra os ìndios do brasilOs filhos da terra os ìndios do brasil
Os filhos da terra os ìndios do brasil
 
HISTÓRIA, POVOS INDÍGENAS E EDUCAÇÃO: (RE) CONHECENDO E DISCUTINDO A DIVERSID...
HISTÓRIA, POVOS INDÍGENAS E EDUCAÇÃO: (RE) CONHECENDO E DISCUTINDO A DIVERSID...HISTÓRIA, POVOS INDÍGENAS E EDUCAÇÃO: (RE) CONHECENDO E DISCUTINDO A DIVERSID...
HISTÓRIA, POVOS INDÍGENAS E EDUCAÇÃO: (RE) CONHECENDO E DISCUTINDO A DIVERSID...
 
íNdio brasileiro isabella lannes e milena calixto.
íNdio brasileiro   isabella lannes e milena calixto. íNdio brasileiro   isabella lannes e milena calixto.
íNdio brasileiro isabella lannes e milena calixto.
 
íNdios brasileiro eduardo
íNdios brasileiro   eduardoíNdios brasileiro   eduardo
íNdios brasileiro eduardo
 
América
AméricaAmérica
América
 

Mais de Profgalao

Sociedade asteca (1)
Sociedade asteca (1)Sociedade asteca (1)
Sociedade asteca (1)
Profgalao
 
Sociedade maia 7b
Sociedade maia 7bSociedade maia 7b
Sociedade maia 7b
Profgalao
 
Sociedade maia 7b (2)
Sociedade maia 7b (2)Sociedade maia 7b (2)
Sociedade maia 7b (2)
Profgalao
 
Sociedade maia 7 b
Sociedade maia 7 bSociedade maia 7 b
Sociedade maia 7 b
Profgalao
 
Indíos norte americanos
Indíos norte americanosIndíos norte americanos
Indíos norte americanos
Profgalao
 
A sociedade maia 7b
A sociedade maia 7bA sociedade maia 7b
A sociedade maia 7b
Profgalao
 
Sociedade inca
Sociedade incaSociedade inca
Sociedade inca
Profgalao
 

Mais de Profgalao (7)

Sociedade asteca (1)
Sociedade asteca (1)Sociedade asteca (1)
Sociedade asteca (1)
 
Sociedade maia 7b
Sociedade maia 7bSociedade maia 7b
Sociedade maia 7b
 
Sociedade maia 7b (2)
Sociedade maia 7b (2)Sociedade maia 7b (2)
Sociedade maia 7b (2)
 
Sociedade maia 7 b
Sociedade maia 7 bSociedade maia 7 b
Sociedade maia 7 b
 
Indíos norte americanos
Indíos norte americanosIndíos norte americanos
Indíos norte americanos
 
A sociedade maia 7b
A sociedade maia 7bA sociedade maia 7b
A sociedade maia 7b
 
Sociedade inca
Sociedade incaSociedade inca
Sociedade inca
 

Último

A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
WilianeBarbosa2
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
MarceloMonteiro213738
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Marília Pacheco
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
Manuais Formação
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
FernandaOliveira758273
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
ElinarioCosta
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
AntonioLobosco3
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 

Último (20)

A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 

Povos indigenas brasil 2

  • 1. Grupo: Luana- 20 Laura- 17 Andressa- 01 Isabele- 38 Maria Elisa- 26 7°A
  • 2. Introdução Historiadores afirmam que antes da chegada dos europeus à América havia aproximadamente 100 milhões de índios no continente. Só em território brasileiro, esse número chegava 5 milhões de nativos, aproximadamente. Estes índios brasileiros estavam divididos em tribos, de acordo com o tronco lingüístico ao qual pertenciam: tupi-guaranis (região do litoral), macro-jê ou tapuias (região do Planalto Central), aruaques (Amazônia) e caraíbas (Amazônia).
  • 3. Cultura Há grande diversidade cultural entre os povos indígenas no Brasil, mas há também características comuns: • A habitação coletiva, .Em cada habitação morava de setenta a oitenta casais com suas famílias que, à noite, acendiam fogueiras e dormiam em redes. • A vida cerimonial como base da cultura de cada grupo, com as festas que reúnem pessoas de outras aldeias, os ritos de passagem dos adolescentes de ambos os sexos, os rituais de cura e outros • O amplo conhecimento da produção de bebidas fermentadas a partir de tubérculos, raízes, folhas, sementes e frutos • A arte como parte da vida diária, encontrada nos potes, nas redes e esteiras, nos bancos para homens e mulheres, e na pintura corporal, sempre presente nos homens • A educação das crianças era compartilhada por todos os habitantes da aldeia. • Quanto à família, esta podia ser monogâmica(uma só mulher) ou poligâmica(muitas mulheres) • Deixaram forte herança na culinária brasileira
  • 4. Conflito Estimativas da população indígena na época do descobrimento apontam que existiam no território Brasileiro, mais de mil povos, sendo cinco milhões de indígenas.Outras estimativas variam entre 2 milhões e meio de indígenas em 1500 a até 6 milhões. Durante o século XIX, com os avanços em epidemiologia, casos documentados começaram a aparecer, de brasileiros usando epidemias de varíola como arma biológica contra os índios. Um caso "clássico", segundo antropólogo Mércio Pereira Gomes, é o da vila de Caxias, no Sul do Maranhão, por volta de 1816. Fazendeiros, para conseguir mais terras, resolveram "presentear" os índios timbira com roupas de pessoas infectadas pela doença (que normalmente são queimadas para evitar contaminação). Os índios levaram as roupas para as aldeias e logo os fazendeiros tinham muito mais terra livre para a criação de gado. Casos similares ocorreram por toda América do Sul.As "doenças do homem branco" ainda afetam tribos indígenas no Amazonas.
  • 5. O encontro com os europeus A imagem do índio se modificou ao longo da História brasileira. Nos primeiros séculos, o índio era retratado como um selvagem, um "quase- animal" que deveria ser domesticado ou derrotado. No século XIX houve uma reviravolta, por meio do "indianismo romântico". O índio passou a ser tratado como o "bom selvagem". Essa concepção adentrou o século XX, trazendo a ideia de que o índio era dono de uma moral intangível, sendo ele uma vítima indefesa da crueldade europeia, sendo seu destino combater os europeus ou se submeter a eles. Nessa concepção, os índios viviam em harmonia nas Américas, até que chegaram os portugueses e semearam guerras, destruíram pessoas, culturas e plantas. Esse discurso até hoje produz eco nos meios popular e escolar brasileiros. Porém, nas últimas décadas, as novas produções históricas têm dado visibilidade a uma outra análise da questão indígena. Sem negar a violência com que muitos europeus trataram os indígenas, a História têm passado a tratar o índio não como uma vítima passiva da colonização europeia, mas também como um agente que interferiu e teve papel fundamental nesse processo.
  • 6. Religião Indígena Cada nação indígena possuía crenças e rituais religiosos diferenciados. Porém, todas as tribos acreditavam nas forças da natureza e nos espíritos dos antepassados. Para estes deuses e espíritos, faziam rituais, cerimônias e festas. O pajé era o responsável por transmitir estes conhecimentos aos habitantes da tribo. Algumas tribos chegavam a enterrar o corpo dos índios em grandes vasos de cerâmica, onde além do cadáver ficavam os objetos pessoais. Isto mostra que estas tribos acreditavam numa vida após a morte.Eles acreditavam em vários deuses : • Do Céu; • Da Terra; • Do inferno; • Da Água doce e salgada; • Das Florestas; • E do Amor.
  • 7. Canibalismo Algumas tribos eram canibais como, por exemplo, os tupinambás que habitavam o litoral da região sudeste do Brasil. A antropofagia era praticada, pois acreditavam que ao comerem carne humana do inimigo estariam incorporando a sabedoria, valentia e conhecimentos. Desta forma, não se alimentavam da carne de pessoas fracas ou covardes. A prática do canibalismo era feira em rituais simbólicos.
  • 8. A organização social dos índios Entre os indígenas não há classes sociais como a do homem branco. Todos têm os mesmo direitos e recebem o mesmo tratamento. A terra, por exemplo, pertence a todos e quando um índio caça, costuma dividir com os habitantes de sua tribo. Apenas os instrumentos de trabalho (machado, arcos, flechas, arpões) são de propriedade individual. O trabalho na tribo é realizado por todos, porém possui uma divisão por sexo e idade. As mulheres são responsáveis pela comida, crianças, colheita e plantio. Já os homens da tribo ficam encarregados do trabalho mais pesado: caça, pesca, guerra e derrubada das árvores.
  • 9. Reservas indígenas Ver artigo principal: Lista de povos indígenas do Brasil Marechal Cândido Rondon A definição de áreas de proteção às comunidades indígenas foram lideradas por Orlando Villas Bôas que em 1941 lançou a expedição chamada Roncador-Xingu. Em 1961 foi criada a primeira reserva, o Parque Indígena do Xingu com forte atuação de Villas Bôas, seus irmãos Leonardo, Cláudio, Marechal Rondon, Darcy Ribeiro, entre outros, para que a natureza, os povos nativos da região, suas culturas e costumes fossem preservados. O modelo de criação das reservas indígenas mostrou-se como um dos únicos meios para que a cultura, os povos pré-coloniais remanescentes e mesmo a natureza sejam preservados nessas reservas. Em 1967 foi criada a Fundação Nacional do Índio(FUNAI), que passou a definir políticas de proteção às comunidades indígenas brasileiras. Parque Indígena do Xingu, uma das reservas indígenas brasileiras.
  • 10. A demarcação de reservas indígenas é muitas vezes cercada de críticas favoráveis e desfavoráveis por vários setores da mídia e pela população afetada . O modelo das reservas indígenas demarcadas pela FUNAI difere no modelo norte-americano onde as terras passam a pertencer aos povos indígenas. No Brasil as reservas indígenas demarcadas pela FUNAI pertencem ao governo brasileiro para usufruto vitalício dos índios, não havendo portanto como associá-las a uma perda de soberania. Uma crítica comum sobre as reservas indígenas brasileiras considera a atuação de ONGs nacionais e internacionais junto às comunidades indígenas sem que se tenha o conhecimento preciso da natureza da atuação dessas organizações. Nesse sentido controles mais rígidos sobre a atuação das ONGs junto às comunidades indígenas estão sendo estudados.