SlideShare uma empresa Scribd logo
Reinos “Bárbaros”
e
Feudalismo.
IDADE MÉDIA OCIDENTAL
POVOS “BÁRBAROS”.
1ano-aulaslide-feudalismo-110603215952-phpapp01.pdf
OS “BÁRBAROS”.
 Povos originários da Ásia (hunos),
 Leste europeu (eslavos).
 Norte da Europa (Germânicos)
 Germânicos eram subdivididos em: Visigodos,
Ostrogodos, Burgúndios, Vikings, Vândalos, Suevos,
Lombardos, Francos, etc...
 Formaram reinos instáveis de curta duração;
 Eram rivais: disputavam entre si os mesmos
territórios;
1ano-aulaslide-feudalismo-110603215952-phpapp01.pdf
Cultura Germânica: Organização social.
 Estrutura Familiar bastante
sólida;
 Prezavam por valores: honra,
fidelidade conjugal, lealdade...
 Não possuíam um código de
leis escrito.
 Decisões jurídicas: Duelos ou
Ordálios.
Cultura Germânica: Economia.
 Predominava a atividade agrícola;
 Produziam principalmente cereais,
(aveia e o trigo) e trabalhavam
também com a pecuária.
 Alguns viviam da pilhagem
(saques);
Cultura Germânica: Religião.
 Politeísta;
 Adoração fundamentada nas
forças da natureza.
 Não construíam templos: Rituais
realizados em ao ar-livre.
 Ofereciam como sacrifício animais
e até humanos.
Reino dos Francos:
 Conseguiu unificar um vasto território e manter um governo estável;
 Atuais Alemanha, Itália e França.
 Fortalecimento do reino pela aliança com a Igreja Católica.
 DINASTIA MEROVÍNGIA:
• Clóvis (481-511): primeiro monarca a converter ao cristianismo após a
queda de Roma.
 Carlos Martel (714-741), venceu os árabes na Batalha de Poitiers,
em 732, impedindo a expansão dos árabes da Espanha para a
França. Seu sucessor foi seu filho, Pepino, o Breve, em 751. Pepino criou
a Dinastia Carolíngia.
Dinastia Carolíngia.
 Auge: reinado de Carlos Magno (768-814).
 Conhecido como o “Imperador do Ocidente”.
 Também chamado de Império Carolíngio.
 Campanhas militares apoiadas pela Igreja Católica possibilitaram a expansão
territorial e a difusão do Cristianismo (conversão dos demais povos bárbaros).
• A sagração de Carlos Magno por Leão III simbolizou a instauração do Império do
Ocidente como sucessor do Antigo Império Romano.
 SACRO IMPÉRIO ROMANO.
 Europa unificada sob um império Universal e Cristão.
1ano-aulaslide-feudalismo-110603215952-phpapp01.pdf
Sistema político,
econômico e social que
predominou na Idade
Média (séc. V ao XV) e
que baseava-se em
relações servis de
produção.
FEUDALISMO:
ALTA IDADE MÉDIA: SÉC. V ao SÉC. X
BAIXA IDADE MÉDIA: SÉC. XI ao SÉC. XV
Origens do Feudalismo.
 As invasões bárbaras ao Império Romano.
 Bárbaros: povos que viviam além das fronteiras do
Império Romano. Não tinham cultura romana.
 Situação agravou-se no século IV, quando os
germanos migraram para o interior do Império
Romano, fugindo dos Hunos.
 Desintegração total do Império
Romano:
 476 d.C.
Feudalismo = Imp. Romano + Bárbaros
 Contribuição dos romanos:
 Vila Romana: Senhores romanos
abandonaram as cidades e foram
para os seus latifúndios no
campo (dando origem aos feudos
medievais).
 Colonato: muitas pessoas foram
buscar proteção e trabalho nas
terras dos grandes senhores,
para utilizar esta terra, deveriam
ceder metade do que produziam
ao proprietário.
 Contribuição dos bárbaros:
 Atividade Agropastoril:
Atividade básica destes povos.
 Comitatus: Guerreiros juravam
defender seu chefe, este os
equipava.
 Beneficium: recompensa que os
chefes militares davam aos seus
guerreiros após obterem alguma
conquista.
 Direito consuetudinário: leis não
precisam necessariamente estar
num papel ou serem sancionadas
ou promulgadas. Os costumes
transformam-se nas leis.
Feudalismo:
Organização Econômica.
 Imensa propriedade rural governada pelo senhor feudal.
 TERRA = prestígio, status, fonte de riqueza.
 Economia amonetária e de subsistência.
 Divisões do Feudo:
 Manso senhorial: ficava o Castelo e eram terras de uso
exclusivo do senhor.
 Manso servil: terras utilizadas pelos servos.
 Terras comunais: Bosques, pastos e lagos, eram usadas
por todos.
MANSO SENHORIAL
MANSO SERVIL
MANSO COMUNAL
Organização Social...
 Sociedade Estamental, onde cada grupo tinha
sua função específica.
 CLERO:
 representantes da Igreja, enorme prestígio.
 NOBREZA:
 Responsáveis pela segurança, composta
principalmente pelos Senhores Feudais.
 SERVOS:
 Maioria da população, trabalhavam e produziam
riqueza.
Organização Social...
CLERO
NOBREZA
SERVOS
OBRIGAÇÕES PAGAS PELOS
SERVOS...
 Corvéia: Trabalho gratuito dos servos, na
agricultura, construções (pontes, fortificações)...
 Banalidades: imposto pago pela utilização da
infra-estrutura do feudo (moinho, forno, celeiro...).
 Talha: porcentagem (quase sempre a metade)
entregue ao senhor pela produção no manso
servil.
 Mão-morta: imposto pago pela morte do chefe da
família, se caso continuassem utilizando as terras.
 Capitação: imposto anual pago individualmente
ao senhor feudal.
 Os servos também eram obrigados a prestar
serviço militar em caso de guerras e dar
hospitalidade ao seu senhor.
VIDA BOA, ERA A VIDA DA
NOBREZA...
 Igreja Católica reforçava: o papel da nobreza é a
proteção material da sociedade.
 Relações Suserania e Vassalagem:
 Suserano: era o nobre que doava um “beneficium”
(feudo) a um outro nobre.
 Vassalo: Era o nobre que recebia o benefício e
fazia um juramento de fidelidade ao suserano.
E a função da Igreja Católica??
 “O senhor feudal tinha o poder local, o rei na
prática, tinha poderes limitados, já a Igreja tinha o
poder universal”.
 Proprietária de 1/3 das terras da Europa.
 Influenciava a vida e o comportamento das
pessoas.
Deus era o centro do Universo, Deus era
a explicação para todas as coisas.
Viviam no TEOCENTRISMO!!
Organização da Igreja Católica...
 Clero dividido em:
 Clero Secular: vivam em contato com os fiéis.
 Clero Regular: vivam em conventos e mosteiros.
 Ao clero regular, coube a conservação de
importantes manuscritos gregos e latinos,
preservando a cultura da Antiguidade Clássica.
 Praticam o canto gregoriano.
 A Igreja monopolizava a educação e a cultura.
Organização da Igreja Católica...
 Os monges responsáveis pela cópia a mão de
livros era chamada de copistas.
 Universidades: surgiram na baixa idade média
(séc. XI ao XV). Mestres e estudantes em torno
de uma cidade específica, destacava-se pelo
ensino de determinada disciplina.
 Oxford na Inglaterra e Coimbra em Portugal são
instituições deste período.
MONGE COPISTA NA IDADE MÉDIA.
A INQUISIÇÃO MEDIEVAL...
 Tribunal da Inquisição: instrumento utilizado pela Igreja para
impor seus valores e suas idéias ao conjunto da sociedade,
normatizando o comportamento social.
 o Tribunal do Santo Ofício (séc. XII), já perseguia, matava e
torturava hereges.
 Em 1252: é institucionalizado o Tribunal da Inquisição, pelo
Papa Inocêncio IV na bula Ad extirparda.
 Auto-de-fé: cerimônia pública que comprovava perante a
todos o poder da Igreja.
 Na Península Ibérica: os judeus foram os alvos preferenciais,
principalmente pela questão econômica.
INQUISIÇÃO MEDIEVAL
ESTILOS ARQUITETÔNICOS:
ROMÂNICO
Floresceu entre os séculos XI e XIII.
Caracteriza-se por traços simples e austeros: grossos pilares,
tetos e arcos em abóbada, janelas estreitas e muros
reforçados.
Interior de uma Igreja em Estilo Românico
GÓTICO
Desenvolveu-se entre os séculos XII e XVI e predominou em países
como França, Inglaterra e Alemanha. Distingue-se do românico por
sua leveza, elegância e traços verticais. Nas construções góticas as
janelas, ornamentadas com vitrais coloridos, permitiam boa
iluminação interior, as paredes tornaram-se mais finas e as altas e
angulosas abóbadas eram apoiadas em longos pilares.
Interior de uma Igreja em Estilo Gótico
CULTURA:
 Pintura:
 Concentrou-se na representação humanizada de santos e
divindades. Destacam-se os italianos Giotto e Cimabue.
 Música:
 Música Sacra: com o canto gregoriano (melodia simples e suave
cantada em uníssono por várias vozes.
 Música Popular: Trovadores e Menestréis
 Literatura:
 Poesia épica exaltando a ação dos cavaleiros em prol da
cristandade
 Poesia lírica exaltando o amor cortês dos cavaleiros em relação
ás suas damas
 Ciência e Filosofia:
 Roger Bacon introduziu a observação da natureza e a
experimentação como método básico do conhecimento científico.
 Santo Agostinho e São Tomás de Aquino tinham como
interesse harmonizar a fé cristã com a razão.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a 1ano-aulaslide-feudalismo-110603215952-phpapp01.pdf

Povos Bárbaros e Feudalismo
Povos Bárbaros e FeudalismoPovos Bárbaros e Feudalismo
Povos Bárbaros e Feudalismo
REYSDS
 
A IDADE MÉDIA
A IDADE MÉDIAA IDADE MÉDIA
Idade Media
Idade MediaIdade Media
Idade media - Feudalismo.pptx
Idade media - Feudalismo.pptxIdade media - Feudalismo.pptx
Idade media - Feudalismo.pptx
Daniel Alves Bronstrup
 
3º ano resumão - feudalismo
3º ano resumão - feudalismo3º ano resumão - feudalismo
3º ano resumão - feudalismo
Daniel Alves Bronstrup
 
Alta Idade Média
Alta Idade Média Alta Idade Média
Alta Idade Média
Janayna Lira
 
Bárbaros e feudalismo (1)
Bárbaros e feudalismo (1)Bárbaros e feudalismo (1)
Bárbaros e feudalismo (1)
secretaria estadual de educação
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
Elaine Bogo Pavani
 
O Feudalismo Prof Medeiros 2015
O Feudalismo Prof Medeiros 2015O Feudalismo Prof Medeiros 2015
O Feudalismo Prof Medeiros 2015
João Medeiros
 
A constituição do mundo medieval
A constituição do mundo medieval  A constituição do mundo medieval
A constituição do mundo medieval
Mary Alvarenga
 
Idade Média
Idade Média Idade Média
Idade Média
Sidney de Campos
 
Ficha história
Ficha históriaFicha história
Ficha história
Ana Barreiros
 
Idade Média
Idade MédiaIdade Média
Idade Média
Douglas Barraqui
 
A queda do império romano do ocidente
A queda do império romano do ocidenteA queda do império romano do ocidente
A queda do império romano do ocidente
Nelia Salles Nantes
 
A Europa cristã nos séculos VI a IX
A Europa cristã nos séculos VI a IXA Europa cristã nos séculos VI a IX
A Europa cristã nos séculos VI a IX
Patrícia Morais
 
Quotidiano na idade média
Quotidiano na idade médiaQuotidiano na idade média
Quotidiano na idade média
Anabela Sobral
 
Bárbaros feudalismo - igreja feudal
Bárbaros   feudalismo - igreja feudalBárbaros   feudalismo - igreja feudal
Bárbaros feudalismo - igreja feudal
Rodrigo HistóriaGeografia
 
Historiando sob diversos olhares
Historiando sob diversos olharesHistoriando sob diversos olhares
Historiando sob diversos olhares
janahlira
 
Historiando sob diversos olhares
Historiando sob diversos olharesHistoriando sob diversos olhares
Historiando sob diversos olhares
janahlira
 
Feudalismo trabalho michelle, carol e curioni
Feudalismo   trabalho  michelle, carol e curioniFeudalismo   trabalho  michelle, carol e curioni
Feudalismo trabalho michelle, carol e curioni
Patrícia Lima
 

Semelhante a 1ano-aulaslide-feudalismo-110603215952-phpapp01.pdf (20)

Povos Bárbaros e Feudalismo
Povos Bárbaros e FeudalismoPovos Bárbaros e Feudalismo
Povos Bárbaros e Feudalismo
 
A IDADE MÉDIA
A IDADE MÉDIAA IDADE MÉDIA
A IDADE MÉDIA
 
Idade Media
Idade MediaIdade Media
Idade Media
 
Idade media - Feudalismo.pptx
Idade media - Feudalismo.pptxIdade media - Feudalismo.pptx
Idade media - Feudalismo.pptx
 
3º ano resumão - feudalismo
3º ano resumão - feudalismo3º ano resumão - feudalismo
3º ano resumão - feudalismo
 
Alta Idade Média
Alta Idade Média Alta Idade Média
Alta Idade Média
 
Bárbaros e feudalismo (1)
Bárbaros e feudalismo (1)Bárbaros e feudalismo (1)
Bárbaros e feudalismo (1)
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
 
O Feudalismo Prof Medeiros 2015
O Feudalismo Prof Medeiros 2015O Feudalismo Prof Medeiros 2015
O Feudalismo Prof Medeiros 2015
 
A constituição do mundo medieval
A constituição do mundo medieval  A constituição do mundo medieval
A constituição do mundo medieval
 
Idade Média
Idade Média Idade Média
Idade Média
 
Ficha história
Ficha históriaFicha história
Ficha história
 
Idade Média
Idade MédiaIdade Média
Idade Média
 
A queda do império romano do ocidente
A queda do império romano do ocidenteA queda do império romano do ocidente
A queda do império romano do ocidente
 
A Europa cristã nos séculos VI a IX
A Europa cristã nos séculos VI a IXA Europa cristã nos séculos VI a IX
A Europa cristã nos séculos VI a IX
 
Quotidiano na idade média
Quotidiano na idade médiaQuotidiano na idade média
Quotidiano na idade média
 
Bárbaros feudalismo - igreja feudal
Bárbaros   feudalismo - igreja feudalBárbaros   feudalismo - igreja feudal
Bárbaros feudalismo - igreja feudal
 
Historiando sob diversos olhares
Historiando sob diversos olharesHistoriando sob diversos olhares
Historiando sob diversos olhares
 
Historiando sob diversos olhares
Historiando sob diversos olharesHistoriando sob diversos olhares
Historiando sob diversos olhares
 
Feudalismo trabalho michelle, carol e curioni
Feudalismo   trabalho  michelle, carol e curioniFeudalismo   trabalho  michelle, carol e curioni
Feudalismo trabalho michelle, carol e curioni
 

Mais de HelderCastro22

LINHA_DO_TEMPO.pptLINHA_DO_TEMPO.pptLINHA_DO_TEMPO.ppt
LINHA_DO_TEMPO.pptLINHA_DO_TEMPO.pptLINHA_DO_TEMPO.pptLINHA_DO_TEMPO.pptLINHA_DO_TEMPO.pptLINHA_DO_TEMPO.ppt
LINHA_DO_TEMPO.pptLINHA_DO_TEMPO.pptLINHA_DO_TEMPO.ppt
HelderCastro22
 
Os francos 1.pdfOs francos 1.pdfOs francos 1.pdf
Os francos 1.pdfOs francos 1.pdfOs francos 1.pdfOs francos 1.pdfOs francos 1.pdfOs francos 1.pdf
Os francos 1.pdfOs francos 1.pdfOs francos 1.pdf
HelderCastro22
 
Império Árabe.pdf Império Árabe.pdf Império Árabe.pdf
Império Árabe.pdf Império Árabe.pdf Império Árabe.pdfImpério Árabe.pdf Império Árabe.pdf Império Árabe.pdf
Império Árabe.pdf Império Árabe.pdf Império Árabe.pdf
HelderCastro22
 
BRASIL PRÉ-COLONIALBRASIL PRÉ-COLONIAL _ pdf.pdf
BRASIL PRÉ-COLONIALBRASIL PRÉ-COLONIAL _ pdf.pdfBRASIL PRÉ-COLONIALBRASIL PRÉ-COLONIAL _ pdf.pdf
BRASIL PRÉ-COLONIALBRASIL PRÉ-COLONIAL _ pdf.pdf
HelderCastro22
 
166472 (1).pptx
166472 (1).pptx166472 (1).pptx
166472 (1).pptx
HelderCastro22
 
a-interiorizacao-do-brasil-8o-ano (2).ppt
a-interiorizacao-do-brasil-8o-ano (2).ppta-interiorizacao-do-brasil-8o-ano (2).ppt
a-interiorizacao-do-brasil-8o-ano (2).ppt
HelderCastro22
 
Crise do império Romano.pdf
Crise do império Romano.pdfCrise do império Romano.pdf
Crise do império Romano.pdf
HelderCastro22
 
_RENASCIMENTO.ppt
_RENASCIMENTO.ppt_RENASCIMENTO.ppt
_RENASCIMENTO.ppt
HelderCastro22
 
a-interiorizacao-do-brasil-8o-ano (1).ppt
a-interiorizacao-do-brasil-8o-ano (1).ppta-interiorizacao-do-brasil-8o-ano (1).ppt
a-interiorizacao-do-brasil-8o-ano (1).ppt
HelderCastro22
 
1ª_Avaliação_Edros_2023_-_7º_ano_-_Prova.pdf
1ª_Avaliação_Edros_2023_-_7º_ano_-_Prova.pdf1ª_Avaliação_Edros_2023_-_7º_ano_-_Prova.pdf
1ª_Avaliação_Edros_2023_-_7º_ano_-_Prova.pdf
HelderCastro22
 
arevoltapernambucanade1817-130920181307-phpapp01.pdf
arevoltapernambucanade1817-130920181307-phpapp01.pdfarevoltapernambucanade1817-130920181307-phpapp01.pdf
arevoltapernambucanade1817-130920181307-phpapp01.pdf
HelderCastro22
 
Movimentos emancipacionistas.pdf
Movimentos emancipacionistas.pdfMovimentos emancipacionistas.pdf
Movimentos emancipacionistas.pdf
HelderCastro22
 
brasiljoanino-indep1808-1822-150824010731-lva1-app6891.pdf
brasiljoanino-indep1808-1822-150824010731-lva1-app6891.pdfbrasiljoanino-indep1808-1822-150824010731-lva1-app6891.pdf
brasiljoanino-indep1808-1822-150824010731-lva1-app6891.pdf
HelderCastro22
 
O Mundo Islâmico Ontem e Hoje.ppt
O Mundo Islâmico Ontem e Hoje.pptO Mundo Islâmico Ontem e Hoje.ppt
O Mundo Islâmico Ontem e Hoje.ppt
HelderCastro22
 
_O Brasil Holandes.pptx
_O Brasil Holandes.pptx_O Brasil Holandes.pptx
_O Brasil Holandes.pptx
HelderCastro22
 
2 Reinado.ppt
2 Reinado.ppt2 Reinado.ppt
2 Reinado.ppt
HelderCastro22
 

Mais de HelderCastro22 (16)

LINHA_DO_TEMPO.pptLINHA_DO_TEMPO.pptLINHA_DO_TEMPO.ppt
LINHA_DO_TEMPO.pptLINHA_DO_TEMPO.pptLINHA_DO_TEMPO.pptLINHA_DO_TEMPO.pptLINHA_DO_TEMPO.pptLINHA_DO_TEMPO.ppt
LINHA_DO_TEMPO.pptLINHA_DO_TEMPO.pptLINHA_DO_TEMPO.ppt
 
Os francos 1.pdfOs francos 1.pdfOs francos 1.pdf
Os francos 1.pdfOs francos 1.pdfOs francos 1.pdfOs francos 1.pdfOs francos 1.pdfOs francos 1.pdf
Os francos 1.pdfOs francos 1.pdfOs francos 1.pdf
 
Império Árabe.pdf Império Árabe.pdf Império Árabe.pdf
Império Árabe.pdf Império Árabe.pdf Império Árabe.pdfImpério Árabe.pdf Império Árabe.pdf Império Árabe.pdf
Império Árabe.pdf Império Árabe.pdf Império Árabe.pdf
 
BRASIL PRÉ-COLONIALBRASIL PRÉ-COLONIAL _ pdf.pdf
BRASIL PRÉ-COLONIALBRASIL PRÉ-COLONIAL _ pdf.pdfBRASIL PRÉ-COLONIALBRASIL PRÉ-COLONIAL _ pdf.pdf
BRASIL PRÉ-COLONIALBRASIL PRÉ-COLONIAL _ pdf.pdf
 
166472 (1).pptx
166472 (1).pptx166472 (1).pptx
166472 (1).pptx
 
a-interiorizacao-do-brasil-8o-ano (2).ppt
a-interiorizacao-do-brasil-8o-ano (2).ppta-interiorizacao-do-brasil-8o-ano (2).ppt
a-interiorizacao-do-brasil-8o-ano (2).ppt
 
Crise do império Romano.pdf
Crise do império Romano.pdfCrise do império Romano.pdf
Crise do império Romano.pdf
 
_RENASCIMENTO.ppt
_RENASCIMENTO.ppt_RENASCIMENTO.ppt
_RENASCIMENTO.ppt
 
a-interiorizacao-do-brasil-8o-ano (1).ppt
a-interiorizacao-do-brasil-8o-ano (1).ppta-interiorizacao-do-brasil-8o-ano (1).ppt
a-interiorizacao-do-brasil-8o-ano (1).ppt
 
1ª_Avaliação_Edros_2023_-_7º_ano_-_Prova.pdf
1ª_Avaliação_Edros_2023_-_7º_ano_-_Prova.pdf1ª_Avaliação_Edros_2023_-_7º_ano_-_Prova.pdf
1ª_Avaliação_Edros_2023_-_7º_ano_-_Prova.pdf
 
arevoltapernambucanade1817-130920181307-phpapp01.pdf
arevoltapernambucanade1817-130920181307-phpapp01.pdfarevoltapernambucanade1817-130920181307-phpapp01.pdf
arevoltapernambucanade1817-130920181307-phpapp01.pdf
 
Movimentos emancipacionistas.pdf
Movimentos emancipacionistas.pdfMovimentos emancipacionistas.pdf
Movimentos emancipacionistas.pdf
 
brasiljoanino-indep1808-1822-150824010731-lva1-app6891.pdf
brasiljoanino-indep1808-1822-150824010731-lva1-app6891.pdfbrasiljoanino-indep1808-1822-150824010731-lva1-app6891.pdf
brasiljoanino-indep1808-1822-150824010731-lva1-app6891.pdf
 
O Mundo Islâmico Ontem e Hoje.ppt
O Mundo Islâmico Ontem e Hoje.pptO Mundo Islâmico Ontem e Hoje.ppt
O Mundo Islâmico Ontem e Hoje.ppt
 
_O Brasil Holandes.pptx
_O Brasil Holandes.pptx_O Brasil Holandes.pptx
_O Brasil Holandes.pptx
 
2 Reinado.ppt
2 Reinado.ppt2 Reinado.ppt
2 Reinado.ppt
 

Último

EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
AntHropológicas Visual PPGA-UFPE
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 

1ano-aulaslide-feudalismo-110603215952-phpapp01.pdf

  • 4. OS “BÁRBAROS”.  Povos originários da Ásia (hunos),  Leste europeu (eslavos).  Norte da Europa (Germânicos)  Germânicos eram subdivididos em: Visigodos, Ostrogodos, Burgúndios, Vikings, Vândalos, Suevos, Lombardos, Francos, etc...  Formaram reinos instáveis de curta duração;  Eram rivais: disputavam entre si os mesmos territórios;
  • 6. Cultura Germânica: Organização social.  Estrutura Familiar bastante sólida;  Prezavam por valores: honra, fidelidade conjugal, lealdade...  Não possuíam um código de leis escrito.  Decisões jurídicas: Duelos ou Ordálios.
  • 7. Cultura Germânica: Economia.  Predominava a atividade agrícola;  Produziam principalmente cereais, (aveia e o trigo) e trabalhavam também com a pecuária.  Alguns viviam da pilhagem (saques);
  • 8. Cultura Germânica: Religião.  Politeísta;  Adoração fundamentada nas forças da natureza.  Não construíam templos: Rituais realizados em ao ar-livre.  Ofereciam como sacrifício animais e até humanos.
  • 9. Reino dos Francos:  Conseguiu unificar um vasto território e manter um governo estável;  Atuais Alemanha, Itália e França.  Fortalecimento do reino pela aliança com a Igreja Católica.  DINASTIA MEROVÍNGIA: • Clóvis (481-511): primeiro monarca a converter ao cristianismo após a queda de Roma.  Carlos Martel (714-741), venceu os árabes na Batalha de Poitiers, em 732, impedindo a expansão dos árabes da Espanha para a França. Seu sucessor foi seu filho, Pepino, o Breve, em 751. Pepino criou a Dinastia Carolíngia.
  • 10. Dinastia Carolíngia.  Auge: reinado de Carlos Magno (768-814).  Conhecido como o “Imperador do Ocidente”.  Também chamado de Império Carolíngio.  Campanhas militares apoiadas pela Igreja Católica possibilitaram a expansão territorial e a difusão do Cristianismo (conversão dos demais povos bárbaros). • A sagração de Carlos Magno por Leão III simbolizou a instauração do Império do Ocidente como sucessor do Antigo Império Romano.  SACRO IMPÉRIO ROMANO.  Europa unificada sob um império Universal e Cristão.
  • 12. Sistema político, econômico e social que predominou na Idade Média (séc. V ao XV) e que baseava-se em relações servis de produção. FEUDALISMO: ALTA IDADE MÉDIA: SÉC. V ao SÉC. X BAIXA IDADE MÉDIA: SÉC. XI ao SÉC. XV
  • 13. Origens do Feudalismo.  As invasões bárbaras ao Império Romano.  Bárbaros: povos que viviam além das fronteiras do Império Romano. Não tinham cultura romana.  Situação agravou-se no século IV, quando os germanos migraram para o interior do Império Romano, fugindo dos Hunos.  Desintegração total do Império Romano:  476 d.C.
  • 14. Feudalismo = Imp. Romano + Bárbaros  Contribuição dos romanos:  Vila Romana: Senhores romanos abandonaram as cidades e foram para os seus latifúndios no campo (dando origem aos feudos medievais).  Colonato: muitas pessoas foram buscar proteção e trabalho nas terras dos grandes senhores, para utilizar esta terra, deveriam ceder metade do que produziam ao proprietário.  Contribuição dos bárbaros:  Atividade Agropastoril: Atividade básica destes povos.  Comitatus: Guerreiros juravam defender seu chefe, este os equipava.  Beneficium: recompensa que os chefes militares davam aos seus guerreiros após obterem alguma conquista.  Direito consuetudinário: leis não precisam necessariamente estar num papel ou serem sancionadas ou promulgadas. Os costumes transformam-se nas leis.
  • 15. Feudalismo: Organização Econômica.  Imensa propriedade rural governada pelo senhor feudal.  TERRA = prestígio, status, fonte de riqueza.  Economia amonetária e de subsistência.  Divisões do Feudo:  Manso senhorial: ficava o Castelo e eram terras de uso exclusivo do senhor.  Manso servil: terras utilizadas pelos servos.  Terras comunais: Bosques, pastos e lagos, eram usadas por todos.
  • 17. Organização Social...  Sociedade Estamental, onde cada grupo tinha sua função específica.  CLERO:  representantes da Igreja, enorme prestígio.  NOBREZA:  Responsáveis pela segurança, composta principalmente pelos Senhores Feudais.  SERVOS:  Maioria da população, trabalhavam e produziam riqueza.
  • 19. OBRIGAÇÕES PAGAS PELOS SERVOS...  Corvéia: Trabalho gratuito dos servos, na agricultura, construções (pontes, fortificações)...  Banalidades: imposto pago pela utilização da infra-estrutura do feudo (moinho, forno, celeiro...).  Talha: porcentagem (quase sempre a metade) entregue ao senhor pela produção no manso servil.  Mão-morta: imposto pago pela morte do chefe da família, se caso continuassem utilizando as terras.  Capitação: imposto anual pago individualmente ao senhor feudal.  Os servos também eram obrigados a prestar serviço militar em caso de guerras e dar hospitalidade ao seu senhor.
  • 20. VIDA BOA, ERA A VIDA DA NOBREZA...  Igreja Católica reforçava: o papel da nobreza é a proteção material da sociedade.  Relações Suserania e Vassalagem:  Suserano: era o nobre que doava um “beneficium” (feudo) a um outro nobre.  Vassalo: Era o nobre que recebia o benefício e fazia um juramento de fidelidade ao suserano.
  • 21. E a função da Igreja Católica??  “O senhor feudal tinha o poder local, o rei na prática, tinha poderes limitados, já a Igreja tinha o poder universal”.  Proprietária de 1/3 das terras da Europa.  Influenciava a vida e o comportamento das pessoas.
  • 22. Deus era o centro do Universo, Deus era a explicação para todas as coisas. Viviam no TEOCENTRISMO!!
  • 23. Organização da Igreja Católica...  Clero dividido em:  Clero Secular: vivam em contato com os fiéis.  Clero Regular: vivam em conventos e mosteiros.  Ao clero regular, coube a conservação de importantes manuscritos gregos e latinos, preservando a cultura da Antiguidade Clássica.  Praticam o canto gregoriano.  A Igreja monopolizava a educação e a cultura.
  • 24. Organização da Igreja Católica...  Os monges responsáveis pela cópia a mão de livros era chamada de copistas.  Universidades: surgiram na baixa idade média (séc. XI ao XV). Mestres e estudantes em torno de uma cidade específica, destacava-se pelo ensino de determinada disciplina.  Oxford na Inglaterra e Coimbra em Portugal são instituições deste período.
  • 25. MONGE COPISTA NA IDADE MÉDIA.
  • 26. A INQUISIÇÃO MEDIEVAL...  Tribunal da Inquisição: instrumento utilizado pela Igreja para impor seus valores e suas idéias ao conjunto da sociedade, normatizando o comportamento social.  o Tribunal do Santo Ofício (séc. XII), já perseguia, matava e torturava hereges.  Em 1252: é institucionalizado o Tribunal da Inquisição, pelo Papa Inocêncio IV na bula Ad extirparda.  Auto-de-fé: cerimônia pública que comprovava perante a todos o poder da Igreja.  Na Península Ibérica: os judeus foram os alvos preferenciais, principalmente pela questão econômica.
  • 28. ESTILOS ARQUITETÔNICOS: ROMÂNICO Floresceu entre os séculos XI e XIII. Caracteriza-se por traços simples e austeros: grossos pilares, tetos e arcos em abóbada, janelas estreitas e muros reforçados.
  • 29. Interior de uma Igreja em Estilo Românico
  • 30. GÓTICO Desenvolveu-se entre os séculos XII e XVI e predominou em países como França, Inglaterra e Alemanha. Distingue-se do românico por sua leveza, elegância e traços verticais. Nas construções góticas as janelas, ornamentadas com vitrais coloridos, permitiam boa iluminação interior, as paredes tornaram-se mais finas e as altas e angulosas abóbadas eram apoiadas em longos pilares.
  • 31. Interior de uma Igreja em Estilo Gótico
  • 32. CULTURA:  Pintura:  Concentrou-se na representação humanizada de santos e divindades. Destacam-se os italianos Giotto e Cimabue.  Música:  Música Sacra: com o canto gregoriano (melodia simples e suave cantada em uníssono por várias vozes.  Música Popular: Trovadores e Menestréis  Literatura:  Poesia épica exaltando a ação dos cavaleiros em prol da cristandade  Poesia lírica exaltando o amor cortês dos cavaleiros em relação ás suas damas  Ciência e Filosofia:  Roger Bacon introduziu a observação da natureza e a experimentação como método básico do conhecimento científico.  Santo Agostinho e São Tomás de Aquino tinham como interesse harmonizar a fé cristã com a razão.