SlideShare uma empresa Scribd logo
Sistema
Cardiovascular
Escola Técnica Estadual Carlos de Campos – 2º semestre 2014
UTI – Prof.ª Cleuza
3º enfermagem B
Flávia Sayuri, 04
Juliana Cristina, 07
Kátia Teresa, 08
Michele Soares, 12
Sara Vital, 16
Vanessa Melo, 19
Vinicius Lopes, 20
Sistema Cardiovascular – Anatomia e fisiologia
 A função básica do sistema cardiovascular é a de levar
material nutritivo e oxigênio às células.
 É um sistema fechado, sem comunicação com o exterior,
constituído por tubos (vasos), e por uma bomba
percussora (coração) que tem como função impulsionar
o sangue por toda a rede vascular.
Sistema Cardiovascular – Anatomia e fisiologia
Coração
Pericárdio;
Epicárdio;
Miocárdio;
Endocárdio.
Sistema Cardiovascular – Anatomia e fisiologia
Coração
 Átrios;
 Ventrículos.
Sistema Cardiovascular – Anatomia e fisiologia
Vasos sanguíneos
Formam uma rede de tubos que transportam sangue do
coração em direção aos tecidos do corpo e de volta ao
coração.
Sistema
arterial
Sistema
venoso
Sistema Cardiovascular – Anatomia e fisiologia
Vasos sanguíneos
Circulação pulmonar
(pequena circulação)
Circulação sistêmica
(grande circulação)
Arteriosclerose
• É caracterizada pelo depósito de gordura, cálcio e outros
elementos na parede das artérias, reduzindo seu calibre;
• É necessário haver uma obstrução de cerca de 75% do
calibre da artéria, para que surjam os primeiros sintomas
isquêmicos.
Arteriosclerose
• O quadro clínico apresentado pelo paciente vai depender
de qual artéria está mais significativamente obstruída;
• Coronárias (artérias do coração): Angina durante o
esforço ou o Enfarte na evolução aguda.
Arteriosclerose
• Carótidas (artérias do pescoço): Perturbações visuais,
paralisias transitórias e desmaios na evolução crônica ou
o AVE na evolução aguda;
Prognóstico
• O endurecimento das artérias não pode ser revertido.
Entretanto, as mudanças no estilo de vida e o tratamento
de níveis altos de colesterol podem impedir que o
processo piore ou reduzir seu avanço.
Complicações possíveis
• Aneurisma da aorta abdominal;
• Doença da artéria coronariana;
• Doença renal;
• Isquemia arterial mesentérica;
• Doença arterial periférica;
• Estenose da artéria renal;
• AVC.
Fatores de risco
• Estudos epidemiológicos mostraram que a arteriosclerose
incide com maior frequência e intensidade em indivíduos
que têm algumas características, que foram denominadas
"fatores de risco"
Fatores de risco
• Idade: Predominante na faixa de 50 a 70 anos.
• Sexo: Predominante no sexo masculino.
• Hiperlipidemia: Indivíduos que têm altos níveis de
gorduras circulantes no sangue depositam este excesso na
circulação.
Fatores de risco
• Tabagismo: Fumantes têm um risco nove vezes maior de
desenvolver a arteriosclerose que o não fumante;
• Hipertensão: Prova alterações na superfície interna das
artérias, facilitando a penetração das gorduras na parede
arterial;
• Sedentarismo: A atividade física reduz os níveis de
colesterol e favorece a circulação;
Fatores de risco
• Histórico familiar: Assim como a idade e o sexo, não
podemos mudar nossa herança genética. Há famílias que,
por diversos desvios metabólicos, estão mais sujeitos à
doença.
Tratamento
• Medicamentos: anticoagulantes, diuréticos,
betabloqueadores, nitratos e estatinas;
• Cirurgias: Angioplastia e colocação de stent;
• Cirurgia cardíaca minimamente invasiva.
Tratamento
• Ponte de safena;
Cuidados gerais de enfermagem na
administração dos medicamentos
• Certificar-se que a medicação e dose estão corretas;
• Atentar a via de administração da droga;
• Não administrar vasodilatadores de efeitos vasculares
pulmonares se a PO2 for muito baixa.
Cuidados gerais de enfermagem na
administração dos medicamentos
• Suspender gradualmente a terapia vasodilatadora, para
evitar falência ventricular esquerda aguda;
• Realizar balanço hídrico;
• Aferir pressão arterial antes de administrar medicações
vasoativas.
Cuidados gerais de enfermagem na
administração dos medicamentos
• Não administrar vasodilatadores em casos de hipotensão;
• Checar a FC antes de administrar digitálicos, se menor
que 60 bpm consultar o médico da unidade;
• Perguntar para o paciente se ele tem alergia a algum
medicamento.
Cuidados gerais de enfermagem na
administração dos medicamentos
• Não administrar trombolíticos quando há suspeitas de
dissecção da aorta ou doença hemorrágica conhecida;
• Quando possível, perguntar ao paciente se possui reação
alérgica a alguma medicação;
• Não administrar medicação a que o paciente tenha
sensibilidade.
Cuidados gerais de enfermagem na
administração dos medicamentos
• Atentar para possíveis reações adversas;
• Avaliar a eficácia do tratamento medicamentoso;
• Checar a medicação administrada.
Cuidados de
Enfermagem
• Realizar uma verificação da dor que inclua as
características, aparecimento, duração, frequência e
intensidade;
• Favorecer períodos de descanso / sono adequados que
facilitem o alívio da dor;
Cuidados de Enfermagem
• Vigiar a oxigenação e colocar em ação medidas que
promovam uma oxigenação adequada dos órgãos vitais;
• Controlar a ingestão de líquidos em intervalos regulares;
• Realizar medição da diurese.
Cuidados de Enfermagem
• Monitorar o ritmo e FC;
• Controlar o estado respiratório para avaliar se há sintomas
de insuficiência cardíaca;
• Controlar a ingestão de líquidos em intervalos regulares.
Bibliografia
• Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia
Vascular:
http://www.sbacv.com.br/index.php/publico/arterioscleros
e.html
• Cuidado de Enfermagem na Unidade Coronariana Com
Enfoque no Autocuidado de Pacientes Pós Infarto Agudo
do Miocárdio. De Fernanda Bressan, Laura de Cássia
Jorge e Tiago Rakoski Zientarski
• http://www.auladeanatomia.com/cardiovascular/coracao.h
tm
•
• http://www.auladeanatomia.com/cardiovascular/angiologi
a.htm
•
• http://slideplayer.com.br/slide/387751/
•
• http://www.auladeanatomia.com/cardiovascular/vasos.ht
m

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Insuficiência cardíaca
Insuficiência cardíacaInsuficiência cardíaca
Insuficiência cardíaca
dapab
 
Aula arritmias e interpretação de ECG
Aula arritmias e interpretação de ECGAula arritmias e interpretação de ECG
Aula arritmias e interpretação de ECG
Wesley Rogerio
 
Choque
Choque Choque
Choque
resenfe2013
 
Crise hipertensiva
Crise hipertensivaCrise hipertensiva
Crise hipertensiva
resenfe2013
 
Infarto agudo do miocárdio
Infarto agudo do miocárdioInfarto agudo do miocárdio
Infarto agudo do miocárdio
jaquerpereira
 
Aula 3 arritmias
Aula 3  arritmiasAula 3  arritmias
Aula 3 arritmias
profsempre
 
Arritmias..
Arritmias..Arritmias..
Arritmias..
ericksena
 
Instrumentais Cirúrgicos AULA 6
Instrumentais Cirúrgicos AULA 6Instrumentais Cirúrgicos AULA 6
Instrumentais Cirúrgicos AULA 6
Aline Bandeira
 
Trombose venosa profunda
Trombose venosa profundaTrombose venosa profunda
Trombose venosa profunda
Laboratório Sérgio Franco
 
INSUFICIENCIA CARDÍACA CONGESTIVA
INSUFICIENCIA CARDÍACA CONGESTIVAINSUFICIENCIA CARDÍACA CONGESTIVA
INSUFICIENCIA CARDÍACA CONGESTIVA
Paulo Alambert
 
Noções de eletrocardiografia
Noções de eletrocardiografiaNoções de eletrocardiografia
Noções de eletrocardiografia
resenfe2013
 
Pericardite
PericarditePericardite
Pericardite
resenfe2013
 
Arritimias cardíacas
Arritimias cardíacasArritimias cardíacas
Arritimias cardíacas
dapab
 
Insuficiência cardíaca congestiva
Insuficiência cardíaca congestivaInsuficiência cardíaca congestiva
Insuficiência cardíaca congestiva
profsempre
 
Infarto Agudo do Miocárdio
Infarto Agudo do MiocárdioInfarto Agudo do Miocárdio
Infarto Agudo do Miocárdio
Danielle Alexia
 
Insuficiência cardíaca 2017
Insuficiência cardíaca 2017Insuficiência cardíaca 2017
Insuficiência cardíaca 2017
pauloalambert
 
INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO TRATAMENTO FARMACOLÓGICO
INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO TRATAMENTO FARMACOLÓGICOINFARTO AGUDO DO MIOCARDIO TRATAMENTO FARMACOLÓGICO
INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO TRATAMENTO FARMACOLÓGICO
Douglas Tedesco
 
Iam
IamIam
Infarto agudo do miocárdio (IAM)
Infarto agudo do miocárdio   (IAM)Infarto agudo do miocárdio   (IAM)
Infarto agudo do miocárdio (IAM)
Shirley Rodrigues
 
Tromboembolismo Pulmonar
Tromboembolismo PulmonarTromboembolismo Pulmonar
Tromboembolismo Pulmonar
Flávia Salame
 

Mais procurados (20)

Insuficiência cardíaca
Insuficiência cardíacaInsuficiência cardíaca
Insuficiência cardíaca
 
Aula arritmias e interpretação de ECG
Aula arritmias e interpretação de ECGAula arritmias e interpretação de ECG
Aula arritmias e interpretação de ECG
 
Choque
Choque Choque
Choque
 
Crise hipertensiva
Crise hipertensivaCrise hipertensiva
Crise hipertensiva
 
Infarto agudo do miocárdio
Infarto agudo do miocárdioInfarto agudo do miocárdio
Infarto agudo do miocárdio
 
Aula 3 arritmias
Aula 3  arritmiasAula 3  arritmias
Aula 3 arritmias
 
Arritmias..
Arritmias..Arritmias..
Arritmias..
 
Instrumentais Cirúrgicos AULA 6
Instrumentais Cirúrgicos AULA 6Instrumentais Cirúrgicos AULA 6
Instrumentais Cirúrgicos AULA 6
 
Trombose venosa profunda
Trombose venosa profundaTrombose venosa profunda
Trombose venosa profunda
 
INSUFICIENCIA CARDÍACA CONGESTIVA
INSUFICIENCIA CARDÍACA CONGESTIVAINSUFICIENCIA CARDÍACA CONGESTIVA
INSUFICIENCIA CARDÍACA CONGESTIVA
 
Noções de eletrocardiografia
Noções de eletrocardiografiaNoções de eletrocardiografia
Noções de eletrocardiografia
 
Pericardite
PericarditePericardite
Pericardite
 
Arritimias cardíacas
Arritimias cardíacasArritimias cardíacas
Arritimias cardíacas
 
Insuficiência cardíaca congestiva
Insuficiência cardíaca congestivaInsuficiência cardíaca congestiva
Insuficiência cardíaca congestiva
 
Infarto Agudo do Miocárdio
Infarto Agudo do MiocárdioInfarto Agudo do Miocárdio
Infarto Agudo do Miocárdio
 
Insuficiência cardíaca 2017
Insuficiência cardíaca 2017Insuficiência cardíaca 2017
Insuficiência cardíaca 2017
 
INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO TRATAMENTO FARMACOLÓGICO
INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO TRATAMENTO FARMACOLÓGICOINFARTO AGUDO DO MIOCARDIO TRATAMENTO FARMACOLÓGICO
INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO TRATAMENTO FARMACOLÓGICO
 
Iam
IamIam
Iam
 
Infarto agudo do miocárdio (IAM)
Infarto agudo do miocárdio   (IAM)Infarto agudo do miocárdio   (IAM)
Infarto agudo do miocárdio (IAM)
 
Tromboembolismo Pulmonar
Tromboembolismo PulmonarTromboembolismo Pulmonar
Tromboembolismo Pulmonar
 

Destaque

Grupo 3 (Aterosclerose)
Grupo 3 (Aterosclerose)Grupo 3 (Aterosclerose)
Grupo 3 (Aterosclerose)
AngeloGoncalves102
 
Trabalho de ciências – Aterosclerose
Trabalho de ciências – AteroscleroseTrabalho de ciências – Aterosclerose
Trabalho de ciências – Aterosclerose
Isadora Mengarda
 
Aterosclerose
AteroscleroseAterosclerose
Aterosclerose
Patrícia Prates
 
Aterosclerose
AteroscleroseAterosclerose
Aterosclerose
Kethely Mayara
 
Grupos de medicamentos
Grupos de medicamentosGrupos de medicamentos
Grupos de medicamentos
Francisco José
 
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de caso
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de casoAssistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de caso
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de caso
resenfe2013
 
Aterosclerose
AteroscleroseAterosclerose
Aterosclerose
Chesterjai Carlos
 
O que é o Colesterol
O que é o ColesterolO que é o Colesterol
O que é o Colesterol
resgatesalta
 
USF Physis - Boletim Informativo de Dezembro 2014
USF Physis - Boletim Informativo de Dezembro 2014USF Physis - Boletim Informativo de Dezembro 2014
USF Physis - Boletim Informativo de Dezembro 2014
resgatesalta
 
Cuidados de enfermeria. Naira Diaz. Enfermera UNAB.
Cuidados de enfermeria. Naira Diaz. Enfermera UNAB.Cuidados de enfermeria. Naira Diaz. Enfermera UNAB.
Cuidados de enfermeria. Naira Diaz. Enfermera UNAB.
nairadiaz
 
Aterosclerose e IC
Aterosclerose e ICAterosclerose e IC
Aterosclerose e IC
CBPortfolio
 
2009.2 1ª Aterosclerose Ci+Alunos
2009.2 1ª Aterosclerose Ci+Alunos2009.2 1ª Aterosclerose Ci+Alunos
2009.2 1ª Aterosclerose Ci+Alunos
sarahpr
 
Abdomen agudo
Abdomen agudoAbdomen agudo
Abdomen agudo
barbiesport
 
Trombosis mesenterica
Trombosis mesentericaTrombosis mesenterica
Trombosis mesenterica
Fernando Arce
 
Farmacologia cardiovascular. enfermeria
Farmacologia cardiovascular. enfermeriaFarmacologia cardiovascular. enfermeria
Farmacologia cardiovascular. enfermeria
Orlando Campuzano
 
Texto cardiovascular
Texto cardiovascularTexto cardiovascular
Texto cardiovascular
Celia
 
Embolia slaide
Embolia slaideEmbolia slaide
Embolia slaide
Lia Lia
 
Aterosclerose
AteroscleroseAterosclerose
Aterosclerose
PhoenixSportFitness
 
CASO CLINICO. ISQUEMIA MESENTERICA
CASO CLINICO. ISQUEMIA MESENTERICACASO CLINICO. ISQUEMIA MESENTERICA
CASO CLINICO. ISQUEMIA MESENTERICA
Blas Bernardi
 
Farmacologia em pacientes especiais
Farmacologia em pacientes especiaisFarmacologia em pacientes especiais
Farmacologia em pacientes especiais
Larissa Ramalho
 

Destaque (20)

Grupo 3 (Aterosclerose)
Grupo 3 (Aterosclerose)Grupo 3 (Aterosclerose)
Grupo 3 (Aterosclerose)
 
Trabalho de ciências – Aterosclerose
Trabalho de ciências – AteroscleroseTrabalho de ciências – Aterosclerose
Trabalho de ciências – Aterosclerose
 
Aterosclerose
AteroscleroseAterosclerose
Aterosclerose
 
Aterosclerose
AteroscleroseAterosclerose
Aterosclerose
 
Grupos de medicamentos
Grupos de medicamentosGrupos de medicamentos
Grupos de medicamentos
 
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de caso
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de casoAssistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de caso
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de caso
 
Aterosclerose
AteroscleroseAterosclerose
Aterosclerose
 
O que é o Colesterol
O que é o ColesterolO que é o Colesterol
O que é o Colesterol
 
USF Physis - Boletim Informativo de Dezembro 2014
USF Physis - Boletim Informativo de Dezembro 2014USF Physis - Boletim Informativo de Dezembro 2014
USF Physis - Boletim Informativo de Dezembro 2014
 
Cuidados de enfermeria. Naira Diaz. Enfermera UNAB.
Cuidados de enfermeria. Naira Diaz. Enfermera UNAB.Cuidados de enfermeria. Naira Diaz. Enfermera UNAB.
Cuidados de enfermeria. Naira Diaz. Enfermera UNAB.
 
Aterosclerose e IC
Aterosclerose e ICAterosclerose e IC
Aterosclerose e IC
 
2009.2 1ª Aterosclerose Ci+Alunos
2009.2 1ª Aterosclerose Ci+Alunos2009.2 1ª Aterosclerose Ci+Alunos
2009.2 1ª Aterosclerose Ci+Alunos
 
Abdomen agudo
Abdomen agudoAbdomen agudo
Abdomen agudo
 
Trombosis mesenterica
Trombosis mesentericaTrombosis mesenterica
Trombosis mesenterica
 
Farmacologia cardiovascular. enfermeria
Farmacologia cardiovascular. enfermeriaFarmacologia cardiovascular. enfermeria
Farmacologia cardiovascular. enfermeria
 
Texto cardiovascular
Texto cardiovascularTexto cardiovascular
Texto cardiovascular
 
Embolia slaide
Embolia slaideEmbolia slaide
Embolia slaide
 
Aterosclerose
AteroscleroseAterosclerose
Aterosclerose
 
CASO CLINICO. ISQUEMIA MESENTERICA
CASO CLINICO. ISQUEMIA MESENTERICACASO CLINICO. ISQUEMIA MESENTERICA
CASO CLINICO. ISQUEMIA MESENTERICA
 
Farmacologia em pacientes especiais
Farmacologia em pacientes especiaisFarmacologia em pacientes especiais
Farmacologia em pacientes especiais
 

Semelhante a Aterosclerose [ETEC KK]

clnicamdicaiiparte1-161122162100 (1).pdf
clnicamdicaiiparte1-161122162100 (1).pdfclnicamdicaiiparte1-161122162100 (1).pdf
clnicamdicaiiparte1-161122162100 (1).pdf
MarcelAzevedo5
 
Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)
Will Nunes
 
Estudo de caso apresentação
Estudo de caso apresentaçãoEstudo de caso apresentação
Estudo de caso apresentação
vanessa270433
 
Cardiologia
CardiologiaCardiologia
Cardiologia
Tiago Leal
 
Aferição de pressão arterial
Aferição de pressão arterialAferição de pressão arterial
Aferição de pressão arterial
Mariana Remiro
 
O sistema cardiovascular no homem
O sistema cardiovascular no homemO sistema cardiovascular no homem
O sistema cardiovascular no homem
mariana fonseca
 
Iam infarto miocardio -
Iam   infarto miocardio -Iam   infarto miocardio -
Iam infarto miocardio -
Denilsi Gonçalves
 
Sistema cardiovascular O conjunto dos sistemas vasculares
Sistema cardiovascular O conjunto dos sistemas vasculares Sistema cardiovascular O conjunto dos sistemas vasculares
Sistema cardiovascular O conjunto dos sistemas vasculares
Tecoluca Luiz
 
Reposição volêmica em terapia intensiva 2014
Reposição volêmica em terapia intensiva 2014Reposição volêmica em terapia intensiva 2014
Reposição volêmica em terapia intensiva 2014
Yuri Assis
 
Assistência de enfermagem_ao_paciente_hipertenso
Assistência de enfermagem_ao_paciente_hipertensoAssistência de enfermagem_ao_paciente_hipertenso
Assistência de enfermagem_ao_paciente_hipertenso
Júlia Silva
 
Cuidado de enfermagem em doenças crônicas com foco na hipertensão
Cuidado de enfermagem em doenças crônicas com foco na hipertensãoCuidado de enfermagem em doenças crônicas com foco na hipertensão
Cuidado de enfermagem em doenças crônicas com foco na hipertensão
Fabrício Bragança
 
Hipertensao Arterial Caso Clínico Professor Robson
Hipertensao Arterial   Caso Clínico    Professor RobsonHipertensao Arterial   Caso Clínico    Professor Robson
Hipertensao Arterial Caso Clínico Professor Robson
Professor Robson
 
Miocardiopatias
MiocardiopatiasMiocardiopatias
Miocardiopatias
Eric Costa
 
Hipertensao arterial2
Hipertensao arterial2Hipertensao arterial2
Hipertensao arterial2
catianelameida
 

Semelhante a Aterosclerose [ETEC KK] (14)

clnicamdicaiiparte1-161122162100 (1).pdf
clnicamdicaiiparte1-161122162100 (1).pdfclnicamdicaiiparte1-161122162100 (1).pdf
clnicamdicaiiparte1-161122162100 (1).pdf
 
Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)
 
Estudo de caso apresentação
Estudo de caso apresentaçãoEstudo de caso apresentação
Estudo de caso apresentação
 
Cardiologia
CardiologiaCardiologia
Cardiologia
 
Aferição de pressão arterial
Aferição de pressão arterialAferição de pressão arterial
Aferição de pressão arterial
 
O sistema cardiovascular no homem
O sistema cardiovascular no homemO sistema cardiovascular no homem
O sistema cardiovascular no homem
 
Iam infarto miocardio -
Iam   infarto miocardio -Iam   infarto miocardio -
Iam infarto miocardio -
 
Sistema cardiovascular O conjunto dos sistemas vasculares
Sistema cardiovascular O conjunto dos sistemas vasculares Sistema cardiovascular O conjunto dos sistemas vasculares
Sistema cardiovascular O conjunto dos sistemas vasculares
 
Reposição volêmica em terapia intensiva 2014
Reposição volêmica em terapia intensiva 2014Reposição volêmica em terapia intensiva 2014
Reposição volêmica em terapia intensiva 2014
 
Assistência de enfermagem_ao_paciente_hipertenso
Assistência de enfermagem_ao_paciente_hipertensoAssistência de enfermagem_ao_paciente_hipertenso
Assistência de enfermagem_ao_paciente_hipertenso
 
Cuidado de enfermagem em doenças crônicas com foco na hipertensão
Cuidado de enfermagem em doenças crônicas com foco na hipertensãoCuidado de enfermagem em doenças crônicas com foco na hipertensão
Cuidado de enfermagem em doenças crônicas com foco na hipertensão
 
Hipertensao Arterial Caso Clínico Professor Robson
Hipertensao Arterial   Caso Clínico    Professor RobsonHipertensao Arterial   Caso Clínico    Professor Robson
Hipertensao Arterial Caso Clínico Professor Robson
 
Miocardiopatias
MiocardiopatiasMiocardiopatias
Miocardiopatias
 
Hipertensao arterial2
Hipertensao arterial2Hipertensao arterial2
Hipertensao arterial2
 

Mais de Vinicius Lopes

Parkinson
ParkinsonParkinson
Parkinson
Vinicius Lopes
 
Gestão Da Qualidade [ETEC KK]
Gestão Da Qualidade [ETEC KK]Gestão Da Qualidade [ETEC KK]
Gestão Da Qualidade [ETEC KK]
Vinicius Lopes
 
Malária [ETEC KK]
Malária [ETEC KK]Malária [ETEC KK]
Malária [ETEC KK]
Vinicius Lopes
 
Infestação de Insetos e Ratos
Infestação de Insetos e RatosInfestação de Insetos e Ratos
Infestação de Insetos e Ratos
Vinicius Lopes
 
Doenças Prevalentes da Infância [ETEC CARLOS DE CAMPOS]
Doenças Prevalentes da Infância [ETEC CARLOS DE CAMPOS]Doenças Prevalentes da Infância [ETEC CARLOS DE CAMPOS]
Doenças Prevalentes da Infância [ETEC CARLOS DE CAMPOS]
Vinicius Lopes
 
Sistemas Operacionais [ETEC DE ITAQUERA]
Sistemas Operacionais [ETEC DE ITAQUERA]Sistemas Operacionais [ETEC DE ITAQUERA]
Sistemas Operacionais [ETEC DE ITAQUERA]
Vinicius Lopes
 
Intranet [ETEC DE ITAQUERA]
Intranet [ETEC DE ITAQUERA]Intranet [ETEC DE ITAQUERA]
Intranet [ETEC DE ITAQUERA]
Vinicius Lopes
 
Esterilização por Peróxido de Hidrogênio [ETEC-CARLOS DE CAMPOS]
Esterilização por Peróxido de Hidrogênio [ETEC-CARLOS DE CAMPOS]Esterilização por Peróxido de Hidrogênio [ETEC-CARLOS DE CAMPOS]
Esterilização por Peróxido de Hidrogênio [ETEC-CARLOS DE CAMPOS]
Vinicius Lopes
 
Colecistite Aguda [ETEC-CARLOS DE CAMPOS]
Colecistite Aguda [ETEC-CARLOS DE CAMPOS]Colecistite Aguda [ETEC-CARLOS DE CAMPOS]
Colecistite Aguda [ETEC-CARLOS DE CAMPOS]
Vinicius Lopes
 

Mais de Vinicius Lopes (9)

Parkinson
ParkinsonParkinson
Parkinson
 
Gestão Da Qualidade [ETEC KK]
Gestão Da Qualidade [ETEC KK]Gestão Da Qualidade [ETEC KK]
Gestão Da Qualidade [ETEC KK]
 
Malária [ETEC KK]
Malária [ETEC KK]Malária [ETEC KK]
Malária [ETEC KK]
 
Infestação de Insetos e Ratos
Infestação de Insetos e RatosInfestação de Insetos e Ratos
Infestação de Insetos e Ratos
 
Doenças Prevalentes da Infância [ETEC CARLOS DE CAMPOS]
Doenças Prevalentes da Infância [ETEC CARLOS DE CAMPOS]Doenças Prevalentes da Infância [ETEC CARLOS DE CAMPOS]
Doenças Prevalentes da Infância [ETEC CARLOS DE CAMPOS]
 
Sistemas Operacionais [ETEC DE ITAQUERA]
Sistemas Operacionais [ETEC DE ITAQUERA]Sistemas Operacionais [ETEC DE ITAQUERA]
Sistemas Operacionais [ETEC DE ITAQUERA]
 
Intranet [ETEC DE ITAQUERA]
Intranet [ETEC DE ITAQUERA]Intranet [ETEC DE ITAQUERA]
Intranet [ETEC DE ITAQUERA]
 
Esterilização por Peróxido de Hidrogênio [ETEC-CARLOS DE CAMPOS]
Esterilização por Peróxido de Hidrogênio [ETEC-CARLOS DE CAMPOS]Esterilização por Peróxido de Hidrogênio [ETEC-CARLOS DE CAMPOS]
Esterilização por Peróxido de Hidrogênio [ETEC-CARLOS DE CAMPOS]
 
Colecistite Aguda [ETEC-CARLOS DE CAMPOS]
Colecistite Aguda [ETEC-CARLOS DE CAMPOS]Colecistite Aguda [ETEC-CARLOS DE CAMPOS]
Colecistite Aguda [ETEC-CARLOS DE CAMPOS]
 

Aterosclerose [ETEC KK]

  • 1. Sistema Cardiovascular Escola Técnica Estadual Carlos de Campos – 2º semestre 2014 UTI – Prof.ª Cleuza 3º enfermagem B Flávia Sayuri, 04 Juliana Cristina, 07 Kátia Teresa, 08 Michele Soares, 12 Sara Vital, 16 Vanessa Melo, 19 Vinicius Lopes, 20
  • 2. Sistema Cardiovascular – Anatomia e fisiologia  A função básica do sistema cardiovascular é a de levar material nutritivo e oxigênio às células.  É um sistema fechado, sem comunicação com o exterior, constituído por tubos (vasos), e por uma bomba percussora (coração) que tem como função impulsionar o sangue por toda a rede vascular.
  • 3. Sistema Cardiovascular – Anatomia e fisiologia Coração Pericárdio; Epicárdio; Miocárdio; Endocárdio.
  • 4. Sistema Cardiovascular – Anatomia e fisiologia Coração  Átrios;  Ventrículos.
  • 5. Sistema Cardiovascular – Anatomia e fisiologia Vasos sanguíneos Formam uma rede de tubos que transportam sangue do coração em direção aos tecidos do corpo e de volta ao coração. Sistema arterial Sistema venoso
  • 6. Sistema Cardiovascular – Anatomia e fisiologia Vasos sanguíneos Circulação pulmonar (pequena circulação) Circulação sistêmica (grande circulação)
  • 7. Arteriosclerose • É caracterizada pelo depósito de gordura, cálcio e outros elementos na parede das artérias, reduzindo seu calibre; • É necessário haver uma obstrução de cerca de 75% do calibre da artéria, para que surjam os primeiros sintomas isquêmicos.
  • 8. Arteriosclerose • O quadro clínico apresentado pelo paciente vai depender de qual artéria está mais significativamente obstruída; • Coronárias (artérias do coração): Angina durante o esforço ou o Enfarte na evolução aguda.
  • 9. Arteriosclerose • Carótidas (artérias do pescoço): Perturbações visuais, paralisias transitórias e desmaios na evolução crônica ou o AVE na evolução aguda;
  • 10. Prognóstico • O endurecimento das artérias não pode ser revertido. Entretanto, as mudanças no estilo de vida e o tratamento de níveis altos de colesterol podem impedir que o processo piore ou reduzir seu avanço.
  • 11. Complicações possíveis • Aneurisma da aorta abdominal; • Doença da artéria coronariana; • Doença renal; • Isquemia arterial mesentérica; • Doença arterial periférica; • Estenose da artéria renal; • AVC.
  • 12. Fatores de risco • Estudos epidemiológicos mostraram que a arteriosclerose incide com maior frequência e intensidade em indivíduos que têm algumas características, que foram denominadas "fatores de risco"
  • 13. Fatores de risco • Idade: Predominante na faixa de 50 a 70 anos. • Sexo: Predominante no sexo masculino. • Hiperlipidemia: Indivíduos que têm altos níveis de gorduras circulantes no sangue depositam este excesso na circulação.
  • 14. Fatores de risco • Tabagismo: Fumantes têm um risco nove vezes maior de desenvolver a arteriosclerose que o não fumante; • Hipertensão: Prova alterações na superfície interna das artérias, facilitando a penetração das gorduras na parede arterial; • Sedentarismo: A atividade física reduz os níveis de colesterol e favorece a circulação;
  • 15. Fatores de risco • Histórico familiar: Assim como a idade e o sexo, não podemos mudar nossa herança genética. Há famílias que, por diversos desvios metabólicos, estão mais sujeitos à doença.
  • 16. Tratamento • Medicamentos: anticoagulantes, diuréticos, betabloqueadores, nitratos e estatinas; • Cirurgias: Angioplastia e colocação de stent; • Cirurgia cardíaca minimamente invasiva.
  • 18. Cuidados gerais de enfermagem na administração dos medicamentos • Certificar-se que a medicação e dose estão corretas; • Atentar a via de administração da droga; • Não administrar vasodilatadores de efeitos vasculares pulmonares se a PO2 for muito baixa.
  • 19. Cuidados gerais de enfermagem na administração dos medicamentos • Suspender gradualmente a terapia vasodilatadora, para evitar falência ventricular esquerda aguda; • Realizar balanço hídrico; • Aferir pressão arterial antes de administrar medicações vasoativas.
  • 20. Cuidados gerais de enfermagem na administração dos medicamentos • Não administrar vasodilatadores em casos de hipotensão; • Checar a FC antes de administrar digitálicos, se menor que 60 bpm consultar o médico da unidade; • Perguntar para o paciente se ele tem alergia a algum medicamento.
  • 21. Cuidados gerais de enfermagem na administração dos medicamentos • Não administrar trombolíticos quando há suspeitas de dissecção da aorta ou doença hemorrágica conhecida; • Quando possível, perguntar ao paciente se possui reação alérgica a alguma medicação; • Não administrar medicação a que o paciente tenha sensibilidade.
  • 22. Cuidados gerais de enfermagem na administração dos medicamentos • Atentar para possíveis reações adversas; • Avaliar a eficácia do tratamento medicamentoso; • Checar a medicação administrada.
  • 23. Cuidados de Enfermagem • Realizar uma verificação da dor que inclua as características, aparecimento, duração, frequência e intensidade; • Favorecer períodos de descanso / sono adequados que facilitem o alívio da dor;
  • 24. Cuidados de Enfermagem • Vigiar a oxigenação e colocar em ação medidas que promovam uma oxigenação adequada dos órgãos vitais; • Controlar a ingestão de líquidos em intervalos regulares; • Realizar medição da diurese.
  • 25. Cuidados de Enfermagem • Monitorar o ritmo e FC; • Controlar o estado respiratório para avaliar se há sintomas de insuficiência cardíaca; • Controlar a ingestão de líquidos em intervalos regulares.
  • 26. Bibliografia • Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia Vascular: http://www.sbacv.com.br/index.php/publico/arterioscleros e.html • Cuidado de Enfermagem na Unidade Coronariana Com Enfoque no Autocuidado de Pacientes Pós Infarto Agudo do Miocárdio. De Fernanda Bressan, Laura de Cássia Jorge e Tiago Rakoski Zientarski
  • 27. • http://www.auladeanatomia.com/cardiovascular/coracao.h tm • • http://www.auladeanatomia.com/cardiovascular/angiologi a.htm • • http://slideplayer.com.br/slide/387751/ • • http://www.auladeanatomia.com/cardiovascular/vasos.ht m