SlideShare uma empresa Scribd logo
ESTERILIZAÇÃO POR PERÓXIDO DE
HIDROGÊNIO

Etec Carlos de Campos
2º Semestre − 2013
Centro Cirúrgico – Professora Márcia
Kátia Teresa, nº06
Michele Marega, nº12
Sara Vital, nº17
Vinicius Lopes, nº25
1º enf. B
ESTERILIZAÇÃO


Processo que promove a completa eliminação e
destruição de todas as formas de microrganismos;
ESTERILIZAÇÃO
Por meios físicos como Calor Seco e Vapor
Saturado sob pressão, sendo o ultimo mais usado;
 Por meios químicos com Óxido de Etileno e
Peróxido de Hidrogênio.

MODO DE AÇÃO
Lesão dos ácidos nucleicos (DNA e/ou RNA);
 Enfraquece o microrganismo desnaturando as
proteínas;
 Inibição do metabolismo;
 Ruptura da membrana celular.

PERÓXIDO DE HIDROGÊNIO
É um líquido incolor à temperatura ambiente, cuja
fórmula química é H2O2;
 É um oxidante poderoso e eficaz, com a vantagem
de ser ambientalmente correto;
 Também é conhecido como “Água Oxigenada” no
popular.

PERÓXIDO DE HIDROGÊNIO


Possui diversas aplicações em várias áreas como:
Agricultura;
Alimentos e Bebidas;
Água para consumo;
Cosméticos.
ESTERILIZAÇÃO POR PERÓXIDO DE
HIDROGÊNIO


É o método de esterilização usando como principal
agente o peróxido de hidrogênio na forma de
Plasma;
O PLASMA
O Plasma é conhecido como o “Quarto Estado da
Matéria”;
 É um estado gasoso aquecido em altas
temperaturas fazendo as moléculas se romperem
formando átomos livres.

O PLASMA


Não podemos dizer que o Plasma é um estado
igual ao gasoso pois o mesmo há algumas
propriedades que diferenciam do gasoso como:



O Plasma é um condutor elétrico;
Gera campos magnéticos graças aos seus
elétrons livres


O PLASMA E SUAS CURIOSIDADES

•
•
•

o

Está presente em:
Auroras boreais;
Na superfície do sol;
No núcleo das estrelas.

Acredita-se que o Plasma está presente em 99,9%
de tudo que existe no universo.
ESTERILIZAÇÃO POR PERÓXIDO DE
HIDROGÊNIO


O Processo ocorre entre 30 e 70 minutos de
acordo com o tipo de ciclo escolhido podendo
variar de acordo com o modelo do aparelho usado.
Sterrad NX
30 Litros

Cassete

Sterrad 100S
100 Litros
ETAPAS DO CICLO DE ESTERILIZAÇÃO


A primeira fase é o vácuo. O ar é removido da
câmara chegando à 0,3 mm/HG;



Geralmente na primeira fase o ciclo é cancelado
por problemas de carga e/ou de presença de
matéria orgânica.
ETAPAS DO CICLO DE ESTERILIZAÇÃO


Na segunda fase o Peróxido de Hidrogênio é
injetado na câmara no estado liquido e
rapidamente se torna gasoso nas condições do
vácuo;
ETAPAS DO CICLO DE ESTERILIZAÇÃO


É na terceira fase onde o Peróxido de Hidrogênio
passa do estado gasoso para o Plasma através de
uma bomba do equipamento que emite ondas
magnéticas assim permitindo a transição.
ETAPAS DO CICLO DE ESTERILIZAÇÃO


Na penúltima fase acontece a esterilização quando
o Plasma age nos produtos a serem esterilizados;



Com uma duração de cerca de seis minutos o
Plasma age sobre os microrganismos formando os
radicais livres.
ETAPAS DO CICLO DE ESTERILIZAÇÃO


A ultima fase da esterilização é a normalização da
câmara nivelando a pressão interna com a externa
levando cerca de cinco minutos.
ETAPAS DO CICLO DE ESTERILIZAÇÃO


Após as etapas a maquina emite um relatório
indicativo das etapas do ciclo que é lido e
arquivado para eventuais comprovações;
CUIDADOS ESPECIAIS


O método Plasma é incompatível com celulose, ou
seja, não será levado a câmara embalagens que
use papeis.
Tyvek
CUIDADOS ESPECIAIS
O artigo a ser esterilizado necessita de limpeza
prévia;
 O produto é corrosivo, portanto necessita de
cuidados no manuseio;
 Não deve ser usada em artigos de cobre, zinco,
alumínio e bronze.

CANCELAMENTO DO PROCESSO


Ocorrem por medida de segurança quando:



Há falha de equipamento;
Sujidade no material;
Umidade na câmara;
Balanceamento Inadequado de carga;




CANCELAMENTO DO PROCESSO

Ciclos e cancelamentos da esterilização apresentados em valor numéricos
de um Hospital Público da cidade de Fortaleza -CE, em Abril de 2001 a
Janeiro de 2002.
CANCELAMENTO DO PROCESSO

Fatores que determinaram os cancelamentos da esterilização num
hospital público da cidade de Fortaleza - CE, no período de Abril de
2001 à Janeiro de 2012 .
FATORES DETERMINANTES PARA O
CANCELAMENTO

Fatores determinantes dos cancelamentos dos ciclos e as ações
direcionadas para a resolução do problema, Fortaleza – CE, 2002.
ASP - STERRAD


Os equipamentos que esterilizam por este método
são fabricados pela ASP (Advanced Sterilization
Products) com o nome Sterrad;
TIPOS DE EQUIPAMENTOS E MATERIAIS
ESTERILIZADOS
O método por Plasma de Peróxido de Hidrogênio é indicado para:


Artigos termossensíveis;



Cateteres com no mínimo 1 mm de
diâmetro interno, até 2 metros;



Artigos metálicos e perfuro cortantes;



Equipamentos elétricos e com motor;



Endoscópios Rígidos;



Equipamentos Pneumáticos.

Endoscópio
VANTAGENS
Não apresenta resíduo tóxico;
 Ciclos mais rápidos;
 O Plasma remove os resquícios de Peróxido de
Hidrogênio dos materiais e artigos esterilizados;
 Não causa a degradação significante dos materiais;
 Segurança para o meio ambiente, pacientes e
trabalhadores.

DESVANTAGENS
Alto custo do equipamento;
 Câmara pequena;
 Incompatível com celulose.

BIBLIOGRAFIA
Esterilização por plasma de Peróxido de
Hidrogênio: Relato de Experiência de Maria Lígia,
Eula Regina e Cristina Atten;
 http://www.brasilescola.com/quimica/plasmaoutroestado-materia.htm;
 http://www.endocirurgica.com.br/produtos_dados.a
sp?codigo=50;
 http://www.endocirurgica.com.br/produtos_dados.a
sp?codigo=51
 http://www.nascecme.com.br/index.php?mdl=faqs&i
d=88

BIBLIOGRAFIA
http://www.sterradsterilityguide.com/
 http://www.baumer.com.br/Hospitalar/Portugues/det
Noticia.php?codnoticia=144


Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Esterilização e desinfecção
Esterilização e desinfecção Esterilização e desinfecção
Esterilização e desinfecção
dapab
 
Aula biossegurança
Aula biossegurançaAula biossegurança
Aula biossegurança
Renatbar
 
Treinamento de CME
Treinamento de CMETreinamento de CME
Treinamento de CME
Gilson Betta Sevilha
 
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Amanda Moura
 
Processo de esterilização
Processo de esterilizaçãoProcesso de esterilização
Processo de esterilização
Amanda Amate
 
Semiologia slide pronto 19112012 (1)
Semiologia slide pronto 19112012 (1)Semiologia slide pronto 19112012 (1)
Semiologia slide pronto 19112012 (1)
Karina Pereira
 
Clínica Cirúrgica e Centro Cirúrgico
Clínica Cirúrgica e Centro CirúrgicoClínica Cirúrgica e Centro Cirúrgico
Clínica Cirúrgica e Centro Cirúrgico
Sou Enfermagem
 
Cuidados a criança durante hospitalização
Cuidados a criança durante hospitalizaçãoCuidados a criança durante hospitalização
Cuidados a criança durante hospitalização
HIAGO SANTOS
 
Uti
UtiUti
Assepsia e antissepsia
Assepsia e antissepsiaAssepsia e antissepsia
Assepsia e antissepsia
Fernando de Oliveira Dutra
 
higiene e conforto do paciente
higiene e conforto do pacientehigiene e conforto do paciente
higiene e conforto do paciente
Viviane da Silva
 
Aula 09 oxigênioterapia
Aula 09  oxigênioterapiaAula 09  oxigênioterapia
Aula 09 oxigênioterapia
Rodrigo Abreu
 
Cuidados de Enfermagem pre e pos operatorios
Cuidados de Enfermagem pre e pos operatoriosCuidados de Enfermagem pre e pos operatorios
Cuidados de Enfermagem pre e pos operatorios
Eduardo Bernardino
 
Central de Material e esterelização
 Central de Material e esterelização Central de Material e esterelização
Central de Material e esterelização
Gilson Betta Sevilha
 
Isolamento
IsolamentoIsolamento
Isolamento
Rodrigo Abreu
 
Período Pós Operatório AULA 7
Período Pós Operatório AULA 7Período Pós Operatório AULA 7
Período Pós Operatório AULA 7
Aline Bandeira
 
Aula 1 esterilização preparatorio aprova
Aula 1   esterilização preparatorio aprovaAula 1   esterilização preparatorio aprova
Aula 1 esterilização preparatorio aprova
Marlon Vaughan
 
Biosegurança nas ações de enfermagem
Biosegurança nas ações de enfermagemBiosegurança nas ações de enfermagem
Biosegurança nas ações de enfermagem
Gabriela Montargil
 
Preparação da sala cirúrgica
Preparação da sala cirúrgicaPreparação da sala cirúrgica
Preparação da sala cirúrgica
Paulo Filho Caldas
 
Aula 2 saúde e doença
Aula 2   saúde e doençaAula 2   saúde e doença
Aula 2 saúde e doença
Jesiele Spindler
 

Mais procurados (20)

Esterilização e desinfecção
Esterilização e desinfecção Esterilização e desinfecção
Esterilização e desinfecção
 
Aula biossegurança
Aula biossegurançaAula biossegurança
Aula biossegurança
 
Treinamento de CME
Treinamento de CMETreinamento de CME
Treinamento de CME
 
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
 
Processo de esterilização
Processo de esterilizaçãoProcesso de esterilização
Processo de esterilização
 
Semiologia slide pronto 19112012 (1)
Semiologia slide pronto 19112012 (1)Semiologia slide pronto 19112012 (1)
Semiologia slide pronto 19112012 (1)
 
Clínica Cirúrgica e Centro Cirúrgico
Clínica Cirúrgica e Centro CirúrgicoClínica Cirúrgica e Centro Cirúrgico
Clínica Cirúrgica e Centro Cirúrgico
 
Cuidados a criança durante hospitalização
Cuidados a criança durante hospitalizaçãoCuidados a criança durante hospitalização
Cuidados a criança durante hospitalização
 
Uti
UtiUti
Uti
 
Assepsia e antissepsia
Assepsia e antissepsiaAssepsia e antissepsia
Assepsia e antissepsia
 
higiene e conforto do paciente
higiene e conforto do pacientehigiene e conforto do paciente
higiene e conforto do paciente
 
Aula 09 oxigênioterapia
Aula 09  oxigênioterapiaAula 09  oxigênioterapia
Aula 09 oxigênioterapia
 
Cuidados de Enfermagem pre e pos operatorios
Cuidados de Enfermagem pre e pos operatoriosCuidados de Enfermagem pre e pos operatorios
Cuidados de Enfermagem pre e pos operatorios
 
Central de Material e esterelização
 Central de Material e esterelização Central de Material e esterelização
Central de Material e esterelização
 
Isolamento
IsolamentoIsolamento
Isolamento
 
Período Pós Operatório AULA 7
Período Pós Operatório AULA 7Período Pós Operatório AULA 7
Período Pós Operatório AULA 7
 
Aula 1 esterilização preparatorio aprova
Aula 1   esterilização preparatorio aprovaAula 1   esterilização preparatorio aprova
Aula 1 esterilização preparatorio aprova
 
Biosegurança nas ações de enfermagem
Biosegurança nas ações de enfermagemBiosegurança nas ações de enfermagem
Biosegurança nas ações de enfermagem
 
Preparação da sala cirúrgica
Preparação da sala cirúrgicaPreparação da sala cirúrgica
Preparação da sala cirúrgica
 
Aula 2 saúde e doença
Aula 2   saúde e doençaAula 2   saúde e doença
Aula 2 saúde e doença
 

Destaque

áCido peracético
áCido peracéticoáCido peracético
áCido peracético
sandro valente
 
Limpeza e preparo de materiais para esterilização - Central de Material Ester...
Limpeza e preparo de materiais para esterilização - Central de Material Ester...Limpeza e preparo de materiais para esterilização - Central de Material Ester...
Limpeza e preparo de materiais para esterilização - Central de Material Ester...
Teresa Oliveira
 
Prevenção e Controlo da Infeção: Esterilização
Prevenção e Controlo da Infeção: EsterilizaçãoPrevenção e Controlo da Infeção: Esterilização
Prevenção e Controlo da Infeção: Esterilização
I.Braz Slideshares
 
A 5 esterilização e desinfecção
A 5 esterilização e desinfecçãoA 5 esterilização e desinfecção
A 5 esterilização e desinfecção
Rômulo S. Dias
 
Esterilizar
EsterilizarEsterilizar
Esterilizar
guestf58886
 
Embalagens
EmbalagensEmbalagens
Embalagens
cmecc
 
Materiais médicos hospitalares 2
Materiais médicos hospitalares 2Materiais médicos hospitalares 2
Materiais médicos hospitalares 2
cristianoafranca
 
Como funciona-autoclave
Como funciona-autoclaveComo funciona-autoclave
Como funciona-autoclave
Elias Figueiredo
 
Classificação de risco agentes biológicos
Classificação de risco   agentes biológicosClassificação de risco   agentes biológicos
Classificação de risco agentes biológicos
Lucas Almeida Sá
 
Afogamento
AfogamentoAfogamento
Afogamento
Wallace Silva
 
EQUIPAMENTOS E MATERIAIS HOSPITALARES 2
EQUIPAMENTOS E MATERIAIS HOSPITALARES 2EQUIPAMENTOS E MATERIAIS HOSPITALARES 2
EQUIPAMENTOS E MATERIAIS HOSPITALARES 2
Bilson António José Carlos
 
Manual Higiene e Desinfecção Hospitalar
Manual Higiene e Desinfecção HospitalarManual Higiene e Desinfecção Hospitalar
Manual Higiene e Desinfecção Hospitalar
General Clean
 
Autoclave
AutoclaveAutoclave
Autoclave
tammy1986
 
Manual de Limpeza e Desinfecção – ANVISA
Manual de Limpeza e Desinfecção – ANVISAManual de Limpeza e Desinfecção – ANVISA
Manual de Limpeza e Desinfecção – ANVISA
redeamb
 
Estados físicos da matéria prof Ivanise Meyer
Estados físicos da matéria prof Ivanise MeyerEstados físicos da matéria prof Ivanise Meyer
Estados físicos da matéria prof Ivanise Meyer
Ivanise Meyer
 
Connecting Energies
Connecting EnergiesConnecting Energies
Connecting Energies
Gestoria MS
 
2º Congresso de Tricologia do Estado de Goiás
2º Congresso de Tricologia do Estado de Goiás2º Congresso de Tricologia do Estado de Goiás
2º Congresso de Tricologia do Estado de Goiás
Francine Welch
 
Desinfecção química automatizada e manual - No Caminho da Enfermagem - Lucas ...
Desinfecção química automatizada e manual - No Caminho da Enfermagem - Lucas ...Desinfecção química automatizada e manual - No Caminho da Enfermagem - Lucas ...
Desinfecção química automatizada e manual - No Caminho da Enfermagem - Lucas ...
Lucas Fontes
 
Controle de infecção em endoscopia 2010 (2ª parte)
Controle de infecção em endoscopia 2010 (2ª parte)Controle de infecção em endoscopia 2010 (2ª parte)
Controle de infecção em endoscopia 2010 (2ª parte)
CCIH - HSL
 
Limpeza, desinfecção e esterilização de artigos como medidas de prevenção e c...
Limpeza, desinfecção e esterilização de artigos como medidas de prevenção e c...Limpeza, desinfecção e esterilização de artigos como medidas de prevenção e c...
Limpeza, desinfecção e esterilização de artigos como medidas de prevenção e c...
Conceicao Cavalcante
 

Destaque (20)

áCido peracético
áCido peracéticoáCido peracético
áCido peracético
 
Limpeza e preparo de materiais para esterilização - Central de Material Ester...
Limpeza e preparo de materiais para esterilização - Central de Material Ester...Limpeza e preparo de materiais para esterilização - Central de Material Ester...
Limpeza e preparo de materiais para esterilização - Central de Material Ester...
 
Prevenção e Controlo da Infeção: Esterilização
Prevenção e Controlo da Infeção: EsterilizaçãoPrevenção e Controlo da Infeção: Esterilização
Prevenção e Controlo da Infeção: Esterilização
 
A 5 esterilização e desinfecção
A 5 esterilização e desinfecçãoA 5 esterilização e desinfecção
A 5 esterilização e desinfecção
 
Esterilizar
EsterilizarEsterilizar
Esterilizar
 
Embalagens
EmbalagensEmbalagens
Embalagens
 
Materiais médicos hospitalares 2
Materiais médicos hospitalares 2Materiais médicos hospitalares 2
Materiais médicos hospitalares 2
 
Como funciona-autoclave
Como funciona-autoclaveComo funciona-autoclave
Como funciona-autoclave
 
Classificação de risco agentes biológicos
Classificação de risco   agentes biológicosClassificação de risco   agentes biológicos
Classificação de risco agentes biológicos
 
Afogamento
AfogamentoAfogamento
Afogamento
 
EQUIPAMENTOS E MATERIAIS HOSPITALARES 2
EQUIPAMENTOS E MATERIAIS HOSPITALARES 2EQUIPAMENTOS E MATERIAIS HOSPITALARES 2
EQUIPAMENTOS E MATERIAIS HOSPITALARES 2
 
Manual Higiene e Desinfecção Hospitalar
Manual Higiene e Desinfecção HospitalarManual Higiene e Desinfecção Hospitalar
Manual Higiene e Desinfecção Hospitalar
 
Autoclave
AutoclaveAutoclave
Autoclave
 
Manual de Limpeza e Desinfecção – ANVISA
Manual de Limpeza e Desinfecção – ANVISAManual de Limpeza e Desinfecção – ANVISA
Manual de Limpeza e Desinfecção – ANVISA
 
Estados físicos da matéria prof Ivanise Meyer
Estados físicos da matéria prof Ivanise MeyerEstados físicos da matéria prof Ivanise Meyer
Estados físicos da matéria prof Ivanise Meyer
 
Connecting Energies
Connecting EnergiesConnecting Energies
Connecting Energies
 
2º Congresso de Tricologia do Estado de Goiás
2º Congresso de Tricologia do Estado de Goiás2º Congresso de Tricologia do Estado de Goiás
2º Congresso de Tricologia do Estado de Goiás
 
Desinfecção química automatizada e manual - No Caminho da Enfermagem - Lucas ...
Desinfecção química automatizada e manual - No Caminho da Enfermagem - Lucas ...Desinfecção química automatizada e manual - No Caminho da Enfermagem - Lucas ...
Desinfecção química automatizada e manual - No Caminho da Enfermagem - Lucas ...
 
Controle de infecção em endoscopia 2010 (2ª parte)
Controle de infecção em endoscopia 2010 (2ª parte)Controle de infecção em endoscopia 2010 (2ª parte)
Controle de infecção em endoscopia 2010 (2ª parte)
 
Limpeza, desinfecção e esterilização de artigos como medidas de prevenção e c...
Limpeza, desinfecção e esterilização de artigos como medidas de prevenção e c...Limpeza, desinfecção e esterilização de artigos como medidas de prevenção e c...
Limpeza, desinfecção e esterilização de artigos como medidas de prevenção e c...
 

Semelhante a Esterilização por Peróxido de Hidrogênio [ETEC-CARLOS DE CAMPOS]

Serviços SOS equipa
Serviços SOS equipaServiços SOS equipa
Serviços SOS equipa
eduardoprofissonalbrasil
 
2012 05-r1
2012 05-r12012 05-r1
2012 05-r1
Bruno Rodrigues
 
Controle De Microorganismos
Controle De MicroorganismosControle De Microorganismos
Controle De Microorganismos
Kelton Silva Sena
 
Aula 5 - ESTERILIZAÇÃO E GARANTIA DE ESTERILIDADE.pptx
Aula 5 - ESTERILIZAÇÃO E GARANTIA DE ESTERILIDADE.pptxAula 5 - ESTERILIZAÇÃO E GARANTIA DE ESTERILIDADE.pptx
Aula 5 - ESTERILIZAÇÃO E GARANTIA DE ESTERILIDADE.pptx
TabathaLopes1
 
Esterilizacaoesterelização
EsterilizacaoesterelizaçãoEsterilizacaoesterelização
Esterilizacaoesterelização
Willian França
 
Aula 24 - CC e CME II (Slide).pptx
Aula 24 - CC e CME II (Slide).pptxAula 24 - CC e CME II (Slide).pptx
Aula 24 - CC e CME II (Slide).pptx
Felipe Ribeiro
 
1Trabalho_MapasDeRisco_Final Instituto federal.pdf
1Trabalho_MapasDeRisco_Final Instituto federal.pdf1Trabalho_MapasDeRisco_Final Instituto federal.pdf
1Trabalho_MapasDeRisco_Final Instituto federal.pdf
tgbcarvalho2009
 
Cme
CmeCme
Anuário de Patentes USP 2016
Anuário de Patentes USP 2016Anuário de Patentes USP 2016
Anuário de Patentes USP 2016
USP
 
Aula 6_Controle de poluição de fontes fixas e móveis Equipamentos de Controle...
Aula 6_Controle de poluição de fontes fixas e móveis Equipamentos de Controle...Aula 6_Controle de poluição de fontes fixas e móveis Equipamentos de Controle...
Aula 6_Controle de poluição de fontes fixas e móveis Equipamentos de Controle...
DboraAlvim1
 
Apost405 2006 final
Apost405 2006 finalApost405 2006 final
Apost405 2006 final
gagasinho
 
01.Introducao Salvamento Ambiente Confinado.pdf
01.Introducao Salvamento Ambiente Confinado.pdf01.Introducao Salvamento Ambiente Confinado.pdf
01.Introducao Salvamento Ambiente Confinado.pdf
fernando lourenco silva
 
AULA_01_TECNOLOGIA CLORO-ÁLCALIS_p2.ppt
AULA_01_TECNOLOGIA CLORO-ÁLCALIS_p2.pptAULA_01_TECNOLOGIA CLORO-ÁLCALIS_p2.ppt
AULA_01_TECNOLOGIA CLORO-ÁLCALIS_p2.ppt
otacio candido
 
Manual Carboxiterapia Sycor - KLD
Manual Carboxiterapia Sycor - KLDManual Carboxiterapia Sycor - KLD
Manual Carboxiterapia Sycor - KLD
AmericanFisio
 
Controle microbiano
Controle microbianoControle microbiano
Controle microbiano
Arthur Magri
 
Esterilizacao peroxido hidrogenio VHP
Esterilizacao peroxido hidrogenio VHPEsterilizacao peroxido hidrogenio VHP
Esterilizacao peroxido hidrogenio VHP
Eduardo Almeida Lopes
 
Ft bio higiene_no_laboratório_trabalho_de_grupo (7)
Ft bio higiene_no_laboratório_trabalho_de_grupo (7)Ft bio higiene_no_laboratório_trabalho_de_grupo (7)
Ft bio higiene_no_laboratório_trabalho_de_grupo (7)
alexandrelourador
 
Estudo dirigido
Estudo dirigidoEstudo dirigido
Estudo dirigido
José Lino de Queiroz
 
Desafio da utilização do formaldeído no reuso de
Desafio da utilização do formaldeído no reuso deDesafio da utilização do formaldeído no reuso de
Desafio da utilização do formaldeído no reuso de
Fernando Bustamante
 
Aula 06 - Limpeza e esterilização.pdf
Aula 06 - Limpeza e esterilização.pdfAula 06 - Limpeza e esterilização.pdf
Aula 06 - Limpeza e esterilização.pdf
MayaraOliveira228
 

Semelhante a Esterilização por Peróxido de Hidrogênio [ETEC-CARLOS DE CAMPOS] (20)

Serviços SOS equipa
Serviços SOS equipaServiços SOS equipa
Serviços SOS equipa
 
2012 05-r1
2012 05-r12012 05-r1
2012 05-r1
 
Controle De Microorganismos
Controle De MicroorganismosControle De Microorganismos
Controle De Microorganismos
 
Aula 5 - ESTERILIZAÇÃO E GARANTIA DE ESTERILIDADE.pptx
Aula 5 - ESTERILIZAÇÃO E GARANTIA DE ESTERILIDADE.pptxAula 5 - ESTERILIZAÇÃO E GARANTIA DE ESTERILIDADE.pptx
Aula 5 - ESTERILIZAÇÃO E GARANTIA DE ESTERILIDADE.pptx
 
Esterilizacaoesterelização
EsterilizacaoesterelizaçãoEsterilizacaoesterelização
Esterilizacaoesterelização
 
Aula 24 - CC e CME II (Slide).pptx
Aula 24 - CC e CME II (Slide).pptxAula 24 - CC e CME II (Slide).pptx
Aula 24 - CC e CME II (Slide).pptx
 
1Trabalho_MapasDeRisco_Final Instituto federal.pdf
1Trabalho_MapasDeRisco_Final Instituto federal.pdf1Trabalho_MapasDeRisco_Final Instituto federal.pdf
1Trabalho_MapasDeRisco_Final Instituto federal.pdf
 
Cme
CmeCme
Cme
 
Anuário de Patentes USP 2016
Anuário de Patentes USP 2016Anuário de Patentes USP 2016
Anuário de Patentes USP 2016
 
Aula 6_Controle de poluição de fontes fixas e móveis Equipamentos de Controle...
Aula 6_Controle de poluição de fontes fixas e móveis Equipamentos de Controle...Aula 6_Controle de poluição de fontes fixas e móveis Equipamentos de Controle...
Aula 6_Controle de poluição de fontes fixas e móveis Equipamentos de Controle...
 
Apost405 2006 final
Apost405 2006 finalApost405 2006 final
Apost405 2006 final
 
01.Introducao Salvamento Ambiente Confinado.pdf
01.Introducao Salvamento Ambiente Confinado.pdf01.Introducao Salvamento Ambiente Confinado.pdf
01.Introducao Salvamento Ambiente Confinado.pdf
 
AULA_01_TECNOLOGIA CLORO-ÁLCALIS_p2.ppt
AULA_01_TECNOLOGIA CLORO-ÁLCALIS_p2.pptAULA_01_TECNOLOGIA CLORO-ÁLCALIS_p2.ppt
AULA_01_TECNOLOGIA CLORO-ÁLCALIS_p2.ppt
 
Manual Carboxiterapia Sycor - KLD
Manual Carboxiterapia Sycor - KLDManual Carboxiterapia Sycor - KLD
Manual Carboxiterapia Sycor - KLD
 
Controle microbiano
Controle microbianoControle microbiano
Controle microbiano
 
Esterilizacao peroxido hidrogenio VHP
Esterilizacao peroxido hidrogenio VHPEsterilizacao peroxido hidrogenio VHP
Esterilizacao peroxido hidrogenio VHP
 
Ft bio higiene_no_laboratório_trabalho_de_grupo (7)
Ft bio higiene_no_laboratório_trabalho_de_grupo (7)Ft bio higiene_no_laboratório_trabalho_de_grupo (7)
Ft bio higiene_no_laboratório_trabalho_de_grupo (7)
 
Estudo dirigido
Estudo dirigidoEstudo dirigido
Estudo dirigido
 
Desafio da utilização do formaldeído no reuso de
Desafio da utilização do formaldeído no reuso deDesafio da utilização do formaldeído no reuso de
Desafio da utilização do formaldeído no reuso de
 
Aula 06 - Limpeza e esterilização.pdf
Aula 06 - Limpeza e esterilização.pdfAula 06 - Limpeza e esterilização.pdf
Aula 06 - Limpeza e esterilização.pdf
 

Mais de Vinicius Lopes

Parkinson
ParkinsonParkinson
Parkinson
Vinicius Lopes
 
Gestão Da Qualidade [ETEC KK]
Gestão Da Qualidade [ETEC KK]Gestão Da Qualidade [ETEC KK]
Gestão Da Qualidade [ETEC KK]
Vinicius Lopes
 
Malária [ETEC KK]
Malária [ETEC KK]Malária [ETEC KK]
Malária [ETEC KK]
Vinicius Lopes
 
Aterosclerose [ETEC KK]
Aterosclerose [ETEC KK]Aterosclerose [ETEC KK]
Aterosclerose [ETEC KK]
Vinicius Lopes
 
Infestação de Insetos e Ratos
Infestação de Insetos e RatosInfestação de Insetos e Ratos
Infestação de Insetos e Ratos
Vinicius Lopes
 
Doenças Prevalentes da Infância [ETEC CARLOS DE CAMPOS]
Doenças Prevalentes da Infância [ETEC CARLOS DE CAMPOS]Doenças Prevalentes da Infância [ETEC CARLOS DE CAMPOS]
Doenças Prevalentes da Infância [ETEC CARLOS DE CAMPOS]
Vinicius Lopes
 
Sistemas Operacionais [ETEC DE ITAQUERA]
Sistemas Operacionais [ETEC DE ITAQUERA]Sistemas Operacionais [ETEC DE ITAQUERA]
Sistemas Operacionais [ETEC DE ITAQUERA]
Vinicius Lopes
 
Intranet [ETEC DE ITAQUERA]
Intranet [ETEC DE ITAQUERA]Intranet [ETEC DE ITAQUERA]
Intranet [ETEC DE ITAQUERA]
Vinicius Lopes
 
Colecistite Aguda [ETEC-CARLOS DE CAMPOS]
Colecistite Aguda [ETEC-CARLOS DE CAMPOS]Colecistite Aguda [ETEC-CARLOS DE CAMPOS]
Colecistite Aguda [ETEC-CARLOS DE CAMPOS]
Vinicius Lopes
 

Mais de Vinicius Lopes (9)

Parkinson
ParkinsonParkinson
Parkinson
 
Gestão Da Qualidade [ETEC KK]
Gestão Da Qualidade [ETEC KK]Gestão Da Qualidade [ETEC KK]
Gestão Da Qualidade [ETEC KK]
 
Malária [ETEC KK]
Malária [ETEC KK]Malária [ETEC KK]
Malária [ETEC KK]
 
Aterosclerose [ETEC KK]
Aterosclerose [ETEC KK]Aterosclerose [ETEC KK]
Aterosclerose [ETEC KK]
 
Infestação de Insetos e Ratos
Infestação de Insetos e RatosInfestação de Insetos e Ratos
Infestação de Insetos e Ratos
 
Doenças Prevalentes da Infância [ETEC CARLOS DE CAMPOS]
Doenças Prevalentes da Infância [ETEC CARLOS DE CAMPOS]Doenças Prevalentes da Infância [ETEC CARLOS DE CAMPOS]
Doenças Prevalentes da Infância [ETEC CARLOS DE CAMPOS]
 
Sistemas Operacionais [ETEC DE ITAQUERA]
Sistemas Operacionais [ETEC DE ITAQUERA]Sistemas Operacionais [ETEC DE ITAQUERA]
Sistemas Operacionais [ETEC DE ITAQUERA]
 
Intranet [ETEC DE ITAQUERA]
Intranet [ETEC DE ITAQUERA]Intranet [ETEC DE ITAQUERA]
Intranet [ETEC DE ITAQUERA]
 
Colecistite Aguda [ETEC-CARLOS DE CAMPOS]
Colecistite Aguda [ETEC-CARLOS DE CAMPOS]Colecistite Aguda [ETEC-CARLOS DE CAMPOS]
Colecistite Aguda [ETEC-CARLOS DE CAMPOS]
 

Último

ALOP-2020 revista de tratamiento odontopediatria.pdf
ALOP-2020 revista de tratamiento odontopediatria.pdfALOP-2020 revista de tratamiento odontopediatria.pdf
ALOP-2020 revista de tratamiento odontopediatria.pdf
DentiKi
 
Diagnóstico de línga pela Medicina Tradicional Chinesa
Diagnóstico de línga pela Medicina Tradicional ChinesaDiagnóstico de línga pela Medicina Tradicional Chinesa
Diagnóstico de línga pela Medicina Tradicional Chinesa
Misael Rabelo de Martins Custódio
 
NUTRIÇÃO E DIETETICA APLICADA A ENFERMAGEM grau tecnico.pptx
NUTRIÇÃO E DIETETICA APLICADA A ENFERMAGEM grau tecnico.pptxNUTRIÇÃO E DIETETICA APLICADA A ENFERMAGEM grau tecnico.pptx
NUTRIÇÃO E DIETETICA APLICADA A ENFERMAGEM grau tecnico.pptx
RAILANELIMAGOMES
 
CORP SSMA PROC 01 Análise preliminar de riscos - APR revisada.docx
CORP SSMA PROC 01 Análise preliminar de riscos - APR revisada.docxCORP SSMA PROC 01 Análise preliminar de riscos - APR revisada.docx
CORP SSMA PROC 01 Análise preliminar de riscos - APR revisada.docx
bentosst
 
Rejuvenescimento da Pele- Dicas e Tratamentos
Rejuvenescimento da Pele- Dicas e TratamentosRejuvenescimento da Pele- Dicas e Tratamentos
Rejuvenescimento da Pele- Dicas e Tratamentos
Werberth Ladislau Rodrigues da Silveira
 
anomalias dentárias imaginologia odontologia
anomalias dentárias imaginologia odontologiaanomalias dentárias imaginologia odontologia
anomalias dentárias imaginologia odontologia
SmeladeOliveira1
 

Último (6)

ALOP-2020 revista de tratamiento odontopediatria.pdf
ALOP-2020 revista de tratamiento odontopediatria.pdfALOP-2020 revista de tratamiento odontopediatria.pdf
ALOP-2020 revista de tratamiento odontopediatria.pdf
 
Diagnóstico de línga pela Medicina Tradicional Chinesa
Diagnóstico de línga pela Medicina Tradicional ChinesaDiagnóstico de línga pela Medicina Tradicional Chinesa
Diagnóstico de línga pela Medicina Tradicional Chinesa
 
NUTRIÇÃO E DIETETICA APLICADA A ENFERMAGEM grau tecnico.pptx
NUTRIÇÃO E DIETETICA APLICADA A ENFERMAGEM grau tecnico.pptxNUTRIÇÃO E DIETETICA APLICADA A ENFERMAGEM grau tecnico.pptx
NUTRIÇÃO E DIETETICA APLICADA A ENFERMAGEM grau tecnico.pptx
 
CORP SSMA PROC 01 Análise preliminar de riscos - APR revisada.docx
CORP SSMA PROC 01 Análise preliminar de riscos - APR revisada.docxCORP SSMA PROC 01 Análise preliminar de riscos - APR revisada.docx
CORP SSMA PROC 01 Análise preliminar de riscos - APR revisada.docx
 
Rejuvenescimento da Pele- Dicas e Tratamentos
Rejuvenescimento da Pele- Dicas e TratamentosRejuvenescimento da Pele- Dicas e Tratamentos
Rejuvenescimento da Pele- Dicas e Tratamentos
 
anomalias dentárias imaginologia odontologia
anomalias dentárias imaginologia odontologiaanomalias dentárias imaginologia odontologia
anomalias dentárias imaginologia odontologia
 

Esterilização por Peróxido de Hidrogênio [ETEC-CARLOS DE CAMPOS]

  • 1. ESTERILIZAÇÃO POR PERÓXIDO DE HIDROGÊNIO Etec Carlos de Campos 2º Semestre − 2013 Centro Cirúrgico – Professora Márcia Kátia Teresa, nº06 Michele Marega, nº12 Sara Vital, nº17 Vinicius Lopes, nº25 1º enf. B
  • 2. ESTERILIZAÇÃO  Processo que promove a completa eliminação e destruição de todas as formas de microrganismos;
  • 3. ESTERILIZAÇÃO Por meios físicos como Calor Seco e Vapor Saturado sob pressão, sendo o ultimo mais usado;  Por meios químicos com Óxido de Etileno e Peróxido de Hidrogênio. 
  • 4. MODO DE AÇÃO Lesão dos ácidos nucleicos (DNA e/ou RNA);  Enfraquece o microrganismo desnaturando as proteínas;  Inibição do metabolismo;  Ruptura da membrana celular. 
  • 5. PERÓXIDO DE HIDROGÊNIO É um líquido incolor à temperatura ambiente, cuja fórmula química é H2O2;  É um oxidante poderoso e eficaz, com a vantagem de ser ambientalmente correto;  Também é conhecido como “Água Oxigenada” no popular. 
  • 6. PERÓXIDO DE HIDROGÊNIO  Possui diversas aplicações em várias áreas como: Agricultura; Alimentos e Bebidas; Água para consumo; Cosméticos.
  • 7. ESTERILIZAÇÃO POR PERÓXIDO DE HIDROGÊNIO  É o método de esterilização usando como principal agente o peróxido de hidrogênio na forma de Plasma;
  • 8. O PLASMA O Plasma é conhecido como o “Quarto Estado da Matéria”;  É um estado gasoso aquecido em altas temperaturas fazendo as moléculas se romperem formando átomos livres. 
  • 9. O PLASMA  Não podemos dizer que o Plasma é um estado igual ao gasoso pois o mesmo há algumas propriedades que diferenciam do gasoso como:  O Plasma é um condutor elétrico; Gera campos magnéticos graças aos seus elétrons livres 
  • 10. O PLASMA E SUAS CURIOSIDADES  • • • o Está presente em: Auroras boreais; Na superfície do sol; No núcleo das estrelas. Acredita-se que o Plasma está presente em 99,9% de tudo que existe no universo.
  • 11. ESTERILIZAÇÃO POR PERÓXIDO DE HIDROGÊNIO  O Processo ocorre entre 30 e 70 minutos de acordo com o tipo de ciclo escolhido podendo variar de acordo com o modelo do aparelho usado. Sterrad NX 30 Litros Cassete Sterrad 100S 100 Litros
  • 12. ETAPAS DO CICLO DE ESTERILIZAÇÃO  A primeira fase é o vácuo. O ar é removido da câmara chegando à 0,3 mm/HG;  Geralmente na primeira fase o ciclo é cancelado por problemas de carga e/ou de presença de matéria orgânica.
  • 13. ETAPAS DO CICLO DE ESTERILIZAÇÃO  Na segunda fase o Peróxido de Hidrogênio é injetado na câmara no estado liquido e rapidamente se torna gasoso nas condições do vácuo;
  • 14. ETAPAS DO CICLO DE ESTERILIZAÇÃO  É na terceira fase onde o Peróxido de Hidrogênio passa do estado gasoso para o Plasma através de uma bomba do equipamento que emite ondas magnéticas assim permitindo a transição.
  • 15. ETAPAS DO CICLO DE ESTERILIZAÇÃO  Na penúltima fase acontece a esterilização quando o Plasma age nos produtos a serem esterilizados;  Com uma duração de cerca de seis minutos o Plasma age sobre os microrganismos formando os radicais livres.
  • 16. ETAPAS DO CICLO DE ESTERILIZAÇÃO  A ultima fase da esterilização é a normalização da câmara nivelando a pressão interna com a externa levando cerca de cinco minutos.
  • 17. ETAPAS DO CICLO DE ESTERILIZAÇÃO  Após as etapas a maquina emite um relatório indicativo das etapas do ciclo que é lido e arquivado para eventuais comprovações;
  • 18. CUIDADOS ESPECIAIS  O método Plasma é incompatível com celulose, ou seja, não será levado a câmara embalagens que use papeis.
  • 19. Tyvek
  • 20. CUIDADOS ESPECIAIS O artigo a ser esterilizado necessita de limpeza prévia;  O produto é corrosivo, portanto necessita de cuidados no manuseio;  Não deve ser usada em artigos de cobre, zinco, alumínio e bronze. 
  • 21. CANCELAMENTO DO PROCESSO  Ocorrem por medida de segurança quando:  Há falha de equipamento; Sujidade no material; Umidade na câmara; Balanceamento Inadequado de carga;   
  • 22. CANCELAMENTO DO PROCESSO Ciclos e cancelamentos da esterilização apresentados em valor numéricos de um Hospital Público da cidade de Fortaleza -CE, em Abril de 2001 a Janeiro de 2002.
  • 23. CANCELAMENTO DO PROCESSO Fatores que determinaram os cancelamentos da esterilização num hospital público da cidade de Fortaleza - CE, no período de Abril de 2001 à Janeiro de 2012 .
  • 24. FATORES DETERMINANTES PARA O CANCELAMENTO Fatores determinantes dos cancelamentos dos ciclos e as ações direcionadas para a resolução do problema, Fortaleza – CE, 2002.
  • 25. ASP - STERRAD  Os equipamentos que esterilizam por este método são fabricados pela ASP (Advanced Sterilization Products) com o nome Sterrad;
  • 26. TIPOS DE EQUIPAMENTOS E MATERIAIS ESTERILIZADOS O método por Plasma de Peróxido de Hidrogênio é indicado para:  Artigos termossensíveis;  Cateteres com no mínimo 1 mm de diâmetro interno, até 2 metros;  Artigos metálicos e perfuro cortantes;  Equipamentos elétricos e com motor;  Endoscópios Rígidos;  Equipamentos Pneumáticos. Endoscópio
  • 27. VANTAGENS Não apresenta resíduo tóxico;  Ciclos mais rápidos;  O Plasma remove os resquícios de Peróxido de Hidrogênio dos materiais e artigos esterilizados;  Não causa a degradação significante dos materiais;  Segurança para o meio ambiente, pacientes e trabalhadores. 
  • 28. DESVANTAGENS Alto custo do equipamento;  Câmara pequena;  Incompatível com celulose. 
  • 29. BIBLIOGRAFIA Esterilização por plasma de Peróxido de Hidrogênio: Relato de Experiência de Maria Lígia, Eula Regina e Cristina Atten;  http://www.brasilescola.com/quimica/plasmaoutroestado-materia.htm;  http://www.endocirurgica.com.br/produtos_dados.a sp?codigo=50;  http://www.endocirurgica.com.br/produtos_dados.a sp?codigo=51  http://www.nascecme.com.br/index.php?mdl=faqs&i d=88 