SlideShare uma empresa Scribd logo
TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO
COMARCA DE SÃO PAULO
FORO CENTRAL - FAZENDA PÚBLICA/ACIDENTES
3ª VARA DE FAZENDA PÚBLICA
Viaduto Dona Paulina, 80, 5º andar - sala 509/511/516 - Centro
CEP: 01501-010 - São Paulo - SP
Telefone: 3242-2333r2106 - E-mail: sp3faz@tjsp.jus.br
0020655-77.2013.8.26.0053 - lauda 1
SENTENÇA
Processo nº: 0020655-77.2013.8.26.0053
Classe - Assunto Procedimento Ordinário - Reajustes de Remuneração, Proventos ou
Pensão
Requerente: Breno de Oliveira Castilho
Requerido: São Paulo Previdência - SPPREV
Justiça Gratuita
Juiz(a) de Direito: Dr(a). Luiz Fernando Rodrigues Guerra
Vistos.
BRENO DE OLIVEIRA CASTILHO, menor impúbere, representado por seu
genitor, ajuíza ação civil que segue o procedimento comum ordinário contra SÃO PAULO
PREVIDÊNCIA - SPPREV.
Em síntese, alega que foi outorgada pensão por morte em favor dele, que ostentava
a condição de neto de servidor estadual, com fundamento no artigo 152, § 6º, da Lei Estadual n°
180/78. Sem qualquer notificação prévia, a ré suspendeu os pagamentos da pensão outorgada, sob
o fundamento de que o referido dispositivo legal estaria com a eficácia suspensa desde a
superveniência da Lei n° 9.717/98, que não prevê tal condição de beneficiário ao neto do servidor
no âmbito do Regime Geral da Previdência Social. Segundo defende a ré, o sistema de previdência
estadual ou municipal deve se balizar pelo sistema federal de previdência social, na forma do
disposto no artigo 201, inciso V, da Constituição Federal.
Ao final, pugna pela procedência do feito, com a declaração da invalidade da
decisão administrativa, com pagamentos de valores sonegados e indenização por danos morais no
importe de 50 salários mínimos nacionais.
Devidamente citada, a ré ofereceu resposta sob a forma de contestação. No mérito,
Seimpresso,paraconferênciaacesseositehttps://esaj.tjsp.jus.br/esaj,informeoprocesso0020655-77.2013.8.26.0053eocódigo1H0000002MXEZ.
EstedocumentofoiassinadodigitalmenteporLUIZFERNANDORODRIGUESGUERRA.
fls. 1
TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO
COMARCA DE SÃO PAULO
FORO CENTRAL - FAZENDA PÚBLICA/ACIDENTES
3ª VARA DE FAZENDA PÚBLICA
Viaduto Dona Paulina, 80, 5º andar - sala 509/511/516 - Centro
CEP: 01501-010 - São Paulo - SP
Telefone: 3242-2333r2106 - E-mail: sp3faz@tjsp.jus.br
0020655-77.2013.8.26.0053 - lauda 2
defendeu a improcedência dos pedidos, sob os fundamentos de que a pensão outorgada ao autor
mostra-se ilegal, pois outorgada em descordo com o sistema previdenciário federal, que não prevê
como dependentes os netos dos servidores. Ainda, pugnou pelo afastamento do pedido de
indenização por danos morais.
É o relatório.
FUNDAMENTO e DECIDO.
Considerando que a matéria tratada nos autos possui conteúdo exclusivamente
jurídico, o feito comporta julgamento no estado, na forma do artigo 330, inciso I, do Código de
Processo Civil.
No mérito, os pedidos formulados pelo autor merecem ser julgados parcialmente
procedentes.
Em síntese, a ré alega que foi outorgada pensão por morte em favor do autor, que
ostentava a condição de neto de servidor estadual falecido, com fundamento na Lei Complementar
Estadual n° 180/78. Questiona a legalidade de tal outorga, já que o referido dispositivo legal
estaria com a eficácia suspensa desde a superveniência da Lei n° 9.717/98, que não prevê tal
condição de beneficiária ao neto no âmbito do Regime Geral da Previdência Social. Segundo
defende, o sistema de previdência estadual ou municipal deve se balizar pelo sistema federal de
previdência social, na forma do disposto no artigo 201, inciso V, da Constituição Federal.
Primeiramente, é de se reconhecer a existência de duas questões fundamentais
dentro do estudo da presente lide, quais sejam: a ilegalidade da pensão por morte outorgada ao
autor e, uma vez, reconhecida tal invalidade, a possibilidade da Administração promover a
cassação da pensão outorgada ao arrepio da ordem jurídica.
Sem embargo, entendemos que as questões merecem resposta negativa.
Ao contrário do que busca fazer crer a ré, não há como se reconhecer a ilegalidade
Seimpresso,paraconferênciaacesseositehttps://esaj.tjsp.jus.br/esaj,informeoprocesso0020655-77.2013.8.26.0053eocódigo1H0000002MXEZ.
EstedocumentofoiassinadodigitalmenteporLUIZFERNANDORODRIGUESGUERRA.
fls. 2
TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO
COMARCA DE SÃO PAULO
FORO CENTRAL - FAZENDA PÚBLICA/ACIDENTES
3ª VARA DE FAZENDA PÚBLICA
Viaduto Dona Paulina, 80, 5º andar - sala 509/511/516 - Centro
CEP: 01501-010 - São Paulo - SP
Telefone: 3242-2333r2106 - E-mail: sp3faz@tjsp.jus.br
0020655-77.2013.8.26.0053 - lauda 3
na outorga da pensão, com fundamento na antiga redação da Lei Complementar Estadual n°
180/78, pois o regime de previdência é de ser tido por especial em confronto com o regime geral
da previdência social e o regime geral de previdência estadual.
Não bastasse, entendo que a tese defendida pela autoridade coatora segue na
tentativa de dar interpretação extensiva ao artigo 201, caput, da Constituição Federal, já que não
obstante estar prevista a paridade ampla entre os critérios e requisitos fixados para o regime da
previdência social, a Lei n° 9.717/98 prevê sistema de simetria quanto aos benefícios
previdenciários, não quanto ao rol de beneficiários.
Consequência de tal afirmação é a de que o neto dos servidores estaduais não é
atingido pela Lei n° 9.717/98 justamente porque tal legislação tratou da paridade entre os
benefícios previdenciários, não excluindo a possibilidade da outorga da pensão por morte em favor
daquele.
Portanto, os netos dos servidores estaduais mantiveram a condição de dependente
para fins de percebimento de pensão por morte até o advento da Lei Complementar Estadual n°
1.012/07.
Nesse panorama, não entendo como justo se afirmar que a pensão outorgada ao
autor possa ser tida como ilegal, já que outorgada com fundamento em autorização legal
perfeitamente válida, já que vigente na plenitude.
Não bastasse a superação da alegação de invalidade da pensão outorgada,
pressuposto para a revisão do ato administrativo tido por nulo, entendo que a Administração
decaiu do direito específico, de sorte que fica inviabilizada a revisão administrativa do ato
concessivo do direito.
A ré fundamenta sua atuação na Lei Estadual n° 10.177/98, que prevê, em seu
artigo 10, o prazo de dez anos para a revisão dos atos administrativos tidos por inválidos.
Todavia, sem embargo, entendemos que a existência de tal prazo elástico em
Seimpresso,paraconferênciaacesseositehttps://esaj.tjsp.jus.br/esaj,informeoprocesso0020655-77.2013.8.26.0053eocódigo1H0000002MXEZ.
EstedocumentofoiassinadodigitalmenteporLUIZFERNANDORODRIGUESGUERRA.
fls. 3
TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO
COMARCA DE SÃO PAULO
FORO CENTRAL - FAZENDA PÚBLICA/ACIDENTES
3ª VARA DE FAZENDA PÚBLICA
Viaduto Dona Paulina, 80, 5º andar - sala 509/511/516 - Centro
CEP: 01501-010 - São Paulo - SP
Telefone: 3242-2333r2106 - E-mail: sp3faz@tjsp.jus.br
0020655-77.2013.8.26.0053 - lauda 4
confronto com o Decreto-lei n° 20.910/32 mostra-se ilegal já que é flagrante a incompetência do
Estado para disciplinar sobre prazos decadenciais. E isso porque a decadência é área diretamente
disciplinada pelo Direito Civil, que, por sua vez, somente concebe legislação de âmbito federal, já
que inserida como de competência privativa da União (artigo 22, inciso I, da Constituição
Federal). Nesse diapasão, de rigor o reconhecimento da inconstitucionalidade do artigo 10 da Lei
Estadual n° 10.177/98 por vício de iniciativa.
Uma vez afastada a legislação estadual referida, pergunta-se: qual prazo deve ser
considerado para fins de decadência.
A solução dupla aponta para o prazo de cinco anos, na forma do artigo 1º do
Decreto-lei n° 20.910/32 e do artigo 103 da Lei Federal n° 8.213/98, com redação dada pela Lei n°
9.711/98, até por uma questão de lógica e justiça do sistema previdenciário.
Por derradeiro, é de se reconhecer que tal tese também vem encontrando respaldo
em no Tribunal de Justiça de São Paulo, conforme jugado:
Ementa: PRESCRIÇÃO Ação para desconstituir pensão e reaver valores
indevidamente pagos. Prazo quinquenal. Aplicação, por analogia, do art. 1º do
Decreto nº 20.910/32. Precedentes. Extinção do processo mantida, ainda que por
fundamento diverso. Recurso não provido. (Apelação n°
0000078-78.2013.8.26.0053, 6ª Câmara de Direito Público, Rel. Des. EVARISTO
DOS SANTOS, j. em 8.4.2013)
Reconhecida a invalidade da decisão que importou na suspensão dos pagamentos
de benefícios ao autor, impõe-se o reconhecimento do direito à repetição de indébito, com a
incidência de juros de mora e de correção monetária.
Porém, o pedido de indenização por danos morais mostra-se inepto, já que não
vem lastreado em qualquer prova de fato. Não bastasse, não entendo que do ato administrativo
tenha emergido efetivo dano moral, mas mero desconforto cotidiano, incapaz de fundamentar o
pleito específico.
Nestes termos, JULGO PARCIALMENTE PROCEDENTE os pedidos
formulados pelo autor, com fundamento no artigo 269, inciso I, do Código de Processo Civil, para
Seimpresso,paraconferênciaacesseositehttps://esaj.tjsp.jus.br/esaj,informeoprocesso0020655-77.2013.8.26.0053eocódigo1H0000002MXEZ.
EstedocumentofoiassinadodigitalmenteporLUIZFERNANDORODRIGUESGUERRA.
fls. 4
TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO
COMARCA DE SÃO PAULO
FORO CENTRAL - FAZENDA PÚBLICA/ACIDENTES
3ª VARA DE FAZENDA PÚBLICA
Viaduto Dona Paulina, 80, 5º andar - sala 509/511/516 - Centro
CEP: 01501-010 - São Paulo - SP
Telefone: 3242-2333r2106 - E-mail: sp3faz@tjsp.jus.br
0020655-77.2013.8.26.0053 - lauda 5
tornar definitiva a medida liminar concedida nos autos e para determinar a restituição dos valores
de pensão sonegados ao autor, com a incidência de juros de mora de 12% ao ano e correção
monetária pela tabela prática para atualização de débitos judiciais (INPC) do Tribunal de Justiça
de São Paulo.
Por força da sucumbência recíproca, deixo de condenar quaisquer dos litigantes
em custas processuais e em honorários advocatícios.
P.R.I.C.
São Paulo, 04 de julho de 2013.
LUIZ FERNANDO RODRIGUES GUERRA
Juiz de Direito
DOCUMENTO ASSINADO DIGITALMENTE NOS TERMOS DA LEI 11.419/2006, CONFORME
IMPRESSÃO À MARGEM DIREITA
Seimpresso,paraconferênciaacesseositehttps://esaj.tjsp.jus.br/esaj,informeoprocesso0020655-77.2013.8.26.0053eocódigo1H0000002MXEZ.
EstedocumentofoiassinadodigitalmenteporLUIZFERNANDORODRIGUESGUERRA.
fls. 5

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ellis Regina e Roberto Sobrinho
Ellis Regina e Roberto SobrinhoEllis Regina e Roberto Sobrinho
Ellis Regina e Roberto Sobrinho
Vinicius Canova Pires
 
Resp 1749850
Resp 1749850Resp 1749850
STJ - Não incidência do Fator previdenciário em aposentadoria para professor.
STJ - Não incidência do Fator previdenciário em aposentadoria para professor.STJ - Não incidência do Fator previdenciário em aposentadoria para professor.
STJ - Não incidência do Fator previdenciário em aposentadoria para professor.
Fabio Motta
 
Atestado2
Atestado2Atestado2
Atestado2
erickosma
 
Acórdão não aplicação fator previdenciário aposentadoria especial enquadram...
Acórdão   não aplicação fator previdenciário aposentadoria especial enquadram...Acórdão   não aplicação fator previdenciário aposentadoria especial enquadram...
Acórdão não aplicação fator previdenciário aposentadoria especial enquadram...
Waldemar Ramos Junior
 
Adunimontes inconst. lei 100 - resposta estado 2-
Adunimontes    inconst. lei 100 - resposta estado  2-Adunimontes    inconst. lei 100 - resposta estado  2-
Adunimontes inconst. lei 100 - resposta estado 2-
adunimontes
 
LIMINAR LIMPEZA SOCIAL NO FACEBOOK
LIMINAR LIMPEZA SOCIAL NO FACEBOOKLIMINAR LIMPEZA SOCIAL NO FACEBOOK
LIMINAR LIMPEZA SOCIAL NO FACEBOOK
Guy Valerio Barros dos Santos
 
Ofício de TRF4 sobre prisão de Lula
Ofício de TRF4 sobre prisão de LulaOfício de TRF4 sobre prisão de Lula
Ofício de TRF4 sobre prisão de Lula
Leo Martins
 
Kiko Teixeira, condenado em 2ª Instância recorre ao STJ e PGR pede a manutenç...
Kiko Teixeira, condenado em 2ª Instância recorre ao STJ e PGR pede a manutenç...Kiko Teixeira, condenado em 2ª Instância recorre ao STJ e PGR pede a manutenç...
Kiko Teixeira, condenado em 2ª Instância recorre ao STJ e PGR pede a manutenç...
Luís Carlos Nunes
 
Senten+âºa f prev_jef_floripa_-_paggiarin[1]
Senten+âºa f prev_jef_floripa_-_paggiarin[1]Senten+âºa f prev_jef_floripa_-_paggiarin[1]
Senten+âºa f prev_jef_floripa_-_paggiarin[1]
Fabio Motta
 
Aposentadoria Professor sem Fator Previdenciário - Sentença com Antecipação d...
Aposentadoria Professor sem Fator Previdenciário - Sentença com Antecipação d...Aposentadoria Professor sem Fator Previdenciário - Sentença com Antecipação d...
Aposentadoria Professor sem Fator Previdenciário - Sentença com Antecipação d...
Fabio Motta
 
Stj professor agravo regimental
Stj professor agravo regimentalStj professor agravo regimental
Stj professor agravo regimental
Fabio Motta
 
Sentença que determinou o cancelamento de cobrança de valores recebidos a t...
Sentença que determinou o cancelamento de cobrança de valores recebidos a t...Sentença que determinou o cancelamento de cobrança de valores recebidos a t...
Sentença que determinou o cancelamento de cobrança de valores recebidos a t...
Waldemar Ramos Junior
 
Fator previdenciário procedente
Fator previdenciário procedenteFator previdenciário procedente
Fator previdenciário procedente
Fabio Motta
 
STJ divulga decisão que mantém Kiko inelegível
STJ divulga decisão que mantém Kiko inelegívelSTJ divulga decisão que mantém Kiko inelegível
STJ divulga decisão que mantém Kiko inelegível
Luís Carlos Nunes
 
Recurso Especial - 1.378.094
Recurso Especial - 1.378.094Recurso Especial - 1.378.094
Recurso Especial - 1.378.094
Ministério Público de Santa Catarina
 
Processo judicial eletrônico 1º grau - liminar
Processo judicial eletrônico 1º grau - liminarProcesso judicial eletrônico 1º grau - liminar
Processo judicial eletrônico 1º grau - liminar
Elielson Lima
 
Agravo em Recurso Especial - 404.992
Agravo em Recurso Especial - 404.992Agravo em Recurso Especial - 404.992
Agravo em Recurso Especial - 404.992
Ministério Público de Santa Catarina
 
Despacho de Moro sobre Lula
Despacho de Moro sobre LulaDespacho de Moro sobre Lula
Despacho de Moro sobre Lula
Leo Martins
 

Mais procurados (19)

Ellis Regina e Roberto Sobrinho
Ellis Regina e Roberto SobrinhoEllis Regina e Roberto Sobrinho
Ellis Regina e Roberto Sobrinho
 
Resp 1749850
Resp 1749850Resp 1749850
Resp 1749850
 
STJ - Não incidência do Fator previdenciário em aposentadoria para professor.
STJ - Não incidência do Fator previdenciário em aposentadoria para professor.STJ - Não incidência do Fator previdenciário em aposentadoria para professor.
STJ - Não incidência do Fator previdenciário em aposentadoria para professor.
 
Atestado2
Atestado2Atestado2
Atestado2
 
Acórdão não aplicação fator previdenciário aposentadoria especial enquadram...
Acórdão   não aplicação fator previdenciário aposentadoria especial enquadram...Acórdão   não aplicação fator previdenciário aposentadoria especial enquadram...
Acórdão não aplicação fator previdenciário aposentadoria especial enquadram...
 
Adunimontes inconst. lei 100 - resposta estado 2-
Adunimontes    inconst. lei 100 - resposta estado  2-Adunimontes    inconst. lei 100 - resposta estado  2-
Adunimontes inconst. lei 100 - resposta estado 2-
 
LIMINAR LIMPEZA SOCIAL NO FACEBOOK
LIMINAR LIMPEZA SOCIAL NO FACEBOOKLIMINAR LIMPEZA SOCIAL NO FACEBOOK
LIMINAR LIMPEZA SOCIAL NO FACEBOOK
 
Ofício de TRF4 sobre prisão de Lula
Ofício de TRF4 sobre prisão de LulaOfício de TRF4 sobre prisão de Lula
Ofício de TRF4 sobre prisão de Lula
 
Kiko Teixeira, condenado em 2ª Instância recorre ao STJ e PGR pede a manutenç...
Kiko Teixeira, condenado em 2ª Instância recorre ao STJ e PGR pede a manutenç...Kiko Teixeira, condenado em 2ª Instância recorre ao STJ e PGR pede a manutenç...
Kiko Teixeira, condenado em 2ª Instância recorre ao STJ e PGR pede a manutenç...
 
Senten+âºa f prev_jef_floripa_-_paggiarin[1]
Senten+âºa f prev_jef_floripa_-_paggiarin[1]Senten+âºa f prev_jef_floripa_-_paggiarin[1]
Senten+âºa f prev_jef_floripa_-_paggiarin[1]
 
Aposentadoria Professor sem Fator Previdenciário - Sentença com Antecipação d...
Aposentadoria Professor sem Fator Previdenciário - Sentença com Antecipação d...Aposentadoria Professor sem Fator Previdenciário - Sentença com Antecipação d...
Aposentadoria Professor sem Fator Previdenciário - Sentença com Antecipação d...
 
Stj professor agravo regimental
Stj professor agravo regimentalStj professor agravo regimental
Stj professor agravo regimental
 
Sentença que determinou o cancelamento de cobrança de valores recebidos a t...
Sentença que determinou o cancelamento de cobrança de valores recebidos a t...Sentença que determinou o cancelamento de cobrança de valores recebidos a t...
Sentença que determinou o cancelamento de cobrança de valores recebidos a t...
 
Fator previdenciário procedente
Fator previdenciário procedenteFator previdenciário procedente
Fator previdenciário procedente
 
STJ divulga decisão que mantém Kiko inelegível
STJ divulga decisão que mantém Kiko inelegívelSTJ divulga decisão que mantém Kiko inelegível
STJ divulga decisão que mantém Kiko inelegível
 
Recurso Especial - 1.378.094
Recurso Especial - 1.378.094Recurso Especial - 1.378.094
Recurso Especial - 1.378.094
 
Processo judicial eletrônico 1º grau - liminar
Processo judicial eletrônico 1º grau - liminarProcesso judicial eletrônico 1º grau - liminar
Processo judicial eletrônico 1º grau - liminar
 
Agravo em Recurso Especial - 404.992
Agravo em Recurso Especial - 404.992Agravo em Recurso Especial - 404.992
Agravo em Recurso Especial - 404.992
 
Despacho de Moro sobre Lula
Despacho de Moro sobre LulaDespacho de Moro sobre Lula
Despacho de Moro sobre Lula
 

Semelhante a Sentença parcial procedente 0020655-77.2013.8.26.0053

Sentença da revisão de beneficio
Sentença da revisão de beneficioSentença da revisão de beneficio
Sentença da revisão de beneficio
Advocacia Toigo
 
Desaposentação tutela antecipada
Desaposentação tutela antecipadaDesaposentação tutela antecipada
Desaposentação tutela antecipada
Fabio Motta
 
Sentença com resolução de mérito (1)
Sentença com resolução de mérito (1)Sentença com resolução de mérito (1)
Sentença com resolução de mérito (1)
Fabio Motta
 
Sentença Desaposentação com Tutela Antecipada
Sentença Desaposentação com Tutela AntecipadaSentença Desaposentação com Tutela Antecipada
Sentença Desaposentação com Tutela Antecipada
Fabio Motta
 
STJ nega recurso a Ivo Cassol em ação popular
STJ nega recurso a Ivo Cassol em ação popular STJ nega recurso a Ivo Cassol em ação popular
STJ nega recurso a Ivo Cassol em ação popular
Rondoniadinamica Jornal Eletrônico
 
Sentençaleidaentrega
SentençaleidaentregaSentençaleidaentrega
Sentençaleidaentrega
efoadv
 
1308ec22b2e54b21a8fc592157d4f9a0 (1)
1308ec22b2e54b21a8fc592157d4f9a0 (1)1308ec22b2e54b21a8fc592157d4f9a0 (1)
1308ec22b2e54b21a8fc592157d4f9a0 (1)
Fabio Motta
 
LIMBO PREVIDENCIÁRIO_ROT-3-08_2021_5_14_0000.pdf
LIMBO PREVIDENCIÁRIO_ROT-3-08_2021_5_14_0000.pdfLIMBO PREVIDENCIÁRIO_ROT-3-08_2021_5_14_0000.pdf
LIMBO PREVIDENCIÁRIO_ROT-3-08_2021_5_14_0000.pdf
MarciaKellyAndradeMa
 
Sentença procedência -Desaposentação 25/06/2013 - santa catarina (1)
Sentença   procedência -Desaposentação 25/06/2013 - santa catarina (1)Sentença   procedência -Desaposentação 25/06/2013 - santa catarina (1)
Sentença procedência -Desaposentação 25/06/2013 - santa catarina (1)
fabiomotta747
 
Sentenã‡a
Sentenã‡aSentenã‡a
Sentenã‡a
Fabio Motta
 
Agravo Instrumento junto ao Tribunal de Justiça de Minas Gerais
Agravo Instrumento junto ao Tribunal de Justiça de Minas GeraisAgravo Instrumento junto ao Tribunal de Justiça de Minas Gerais
Agravo Instrumento junto ao Tribunal de Justiça de Minas Gerais
Marcelo Auler
 
Agravo de Instrumento Ajuizado no Tribunal de Justiça de MG
Agravo de Instrumento Ajuizado no Tribunal de Justiça de MGAgravo de Instrumento Ajuizado no Tribunal de Justiça de MG
Agravo de Instrumento Ajuizado no Tribunal de Justiça de MG
Marcelo Auler
 
Adin Precatórios
Adin  PrecatóriosAdin  Precatórios
Acordao 19766-2010-7
Acordao 19766-2010-7Acordao 19766-2010-7
Acordao 19766-2010-7
Antonio Correia
 
A recusa do ministro Moraes contraria o entendimento do STF
A recusa do ministro Moraes contraria o entendimento do STFA recusa do ministro Moraes contraria o entendimento do STF
A recusa do ministro Moraes contraria o entendimento do STF
Marcelo Auler
 
Paginador
PaginadorPaginador
Paginador
Fabio Motta
 
Acórdão recente julgado favorável para desaposentação
Acórdão   recente julgado favorável para desaposentaçãoAcórdão   recente julgado favorável para desaposentação
Acórdão recente julgado favorável para desaposentação
Waldemar Ramos Junior
 
31 com-presunção-de-contribuições
31 com-presunção-de-contribuições31 com-presunção-de-contribuições
31 com-presunção-de-contribuições
lucia_helena1968
 
948515c69809e48e6645a7b80681576c (1)
948515c69809e48e6645a7b80681576c (1)948515c69809e48e6645a7b80681576c (1)
948515c69809e48e6645a7b80681576c (1)
Fabio Motta
 
Desaposentação acórdão em agravo legal
Desaposentação acórdão em agravo legalDesaposentação acórdão em agravo legal
Desaposentação acórdão em agravo legal
Fabio Motta
 

Semelhante a Sentença parcial procedente 0020655-77.2013.8.26.0053 (20)

Sentença da revisão de beneficio
Sentença da revisão de beneficioSentença da revisão de beneficio
Sentença da revisão de beneficio
 
Desaposentação tutela antecipada
Desaposentação tutela antecipadaDesaposentação tutela antecipada
Desaposentação tutela antecipada
 
Sentença com resolução de mérito (1)
Sentença com resolução de mérito (1)Sentença com resolução de mérito (1)
Sentença com resolução de mérito (1)
 
Sentença Desaposentação com Tutela Antecipada
Sentença Desaposentação com Tutela AntecipadaSentença Desaposentação com Tutela Antecipada
Sentença Desaposentação com Tutela Antecipada
 
STJ nega recurso a Ivo Cassol em ação popular
STJ nega recurso a Ivo Cassol em ação popular STJ nega recurso a Ivo Cassol em ação popular
STJ nega recurso a Ivo Cassol em ação popular
 
Sentençaleidaentrega
SentençaleidaentregaSentençaleidaentrega
Sentençaleidaentrega
 
1308ec22b2e54b21a8fc592157d4f9a0 (1)
1308ec22b2e54b21a8fc592157d4f9a0 (1)1308ec22b2e54b21a8fc592157d4f9a0 (1)
1308ec22b2e54b21a8fc592157d4f9a0 (1)
 
LIMBO PREVIDENCIÁRIO_ROT-3-08_2021_5_14_0000.pdf
LIMBO PREVIDENCIÁRIO_ROT-3-08_2021_5_14_0000.pdfLIMBO PREVIDENCIÁRIO_ROT-3-08_2021_5_14_0000.pdf
LIMBO PREVIDENCIÁRIO_ROT-3-08_2021_5_14_0000.pdf
 
Sentença procedência -Desaposentação 25/06/2013 - santa catarina (1)
Sentença   procedência -Desaposentação 25/06/2013 - santa catarina (1)Sentença   procedência -Desaposentação 25/06/2013 - santa catarina (1)
Sentença procedência -Desaposentação 25/06/2013 - santa catarina (1)
 
Sentenã‡a
Sentenã‡aSentenã‡a
Sentenã‡a
 
Agravo Instrumento junto ao Tribunal de Justiça de Minas Gerais
Agravo Instrumento junto ao Tribunal de Justiça de Minas GeraisAgravo Instrumento junto ao Tribunal de Justiça de Minas Gerais
Agravo Instrumento junto ao Tribunal de Justiça de Minas Gerais
 
Agravo de Instrumento Ajuizado no Tribunal de Justiça de MG
Agravo de Instrumento Ajuizado no Tribunal de Justiça de MGAgravo de Instrumento Ajuizado no Tribunal de Justiça de MG
Agravo de Instrumento Ajuizado no Tribunal de Justiça de MG
 
Adin Precatórios
Adin  PrecatóriosAdin  Precatórios
Adin Precatórios
 
Acordao 19766-2010-7
Acordao 19766-2010-7Acordao 19766-2010-7
Acordao 19766-2010-7
 
A recusa do ministro Moraes contraria o entendimento do STF
A recusa do ministro Moraes contraria o entendimento do STFA recusa do ministro Moraes contraria o entendimento do STF
A recusa do ministro Moraes contraria o entendimento do STF
 
Paginador
PaginadorPaginador
Paginador
 
Acórdão recente julgado favorável para desaposentação
Acórdão   recente julgado favorável para desaposentaçãoAcórdão   recente julgado favorável para desaposentação
Acórdão recente julgado favorável para desaposentação
 
31 com-presunção-de-contribuições
31 com-presunção-de-contribuições31 com-presunção-de-contribuições
31 com-presunção-de-contribuições
 
948515c69809e48e6645a7b80681576c (1)
948515c69809e48e6645a7b80681576c (1)948515c69809e48e6645a7b80681576c (1)
948515c69809e48e6645a7b80681576c (1)
 
Desaposentação acórdão em agravo legal
Desaposentação acórdão em agravo legalDesaposentação acórdão em agravo legal
Desaposentação acórdão em agravo legal
 

Sentença parcial procedente 0020655-77.2013.8.26.0053

  • 1. TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO COMARCA DE SÃO PAULO FORO CENTRAL - FAZENDA PÚBLICA/ACIDENTES 3ª VARA DE FAZENDA PÚBLICA Viaduto Dona Paulina, 80, 5º andar - sala 509/511/516 - Centro CEP: 01501-010 - São Paulo - SP Telefone: 3242-2333r2106 - E-mail: sp3faz@tjsp.jus.br 0020655-77.2013.8.26.0053 - lauda 1 SENTENÇA Processo nº: 0020655-77.2013.8.26.0053 Classe - Assunto Procedimento Ordinário - Reajustes de Remuneração, Proventos ou Pensão Requerente: Breno de Oliveira Castilho Requerido: São Paulo Previdência - SPPREV Justiça Gratuita Juiz(a) de Direito: Dr(a). Luiz Fernando Rodrigues Guerra Vistos. BRENO DE OLIVEIRA CASTILHO, menor impúbere, representado por seu genitor, ajuíza ação civil que segue o procedimento comum ordinário contra SÃO PAULO PREVIDÊNCIA - SPPREV. Em síntese, alega que foi outorgada pensão por morte em favor dele, que ostentava a condição de neto de servidor estadual, com fundamento no artigo 152, § 6º, da Lei Estadual n° 180/78. Sem qualquer notificação prévia, a ré suspendeu os pagamentos da pensão outorgada, sob o fundamento de que o referido dispositivo legal estaria com a eficácia suspensa desde a superveniência da Lei n° 9.717/98, que não prevê tal condição de beneficiário ao neto do servidor no âmbito do Regime Geral da Previdência Social. Segundo defende a ré, o sistema de previdência estadual ou municipal deve se balizar pelo sistema federal de previdência social, na forma do disposto no artigo 201, inciso V, da Constituição Federal. Ao final, pugna pela procedência do feito, com a declaração da invalidade da decisão administrativa, com pagamentos de valores sonegados e indenização por danos morais no importe de 50 salários mínimos nacionais. Devidamente citada, a ré ofereceu resposta sob a forma de contestação. No mérito, Seimpresso,paraconferênciaacesseositehttps://esaj.tjsp.jus.br/esaj,informeoprocesso0020655-77.2013.8.26.0053eocódigo1H0000002MXEZ. EstedocumentofoiassinadodigitalmenteporLUIZFERNANDORODRIGUESGUERRA. fls. 1
  • 2. TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO COMARCA DE SÃO PAULO FORO CENTRAL - FAZENDA PÚBLICA/ACIDENTES 3ª VARA DE FAZENDA PÚBLICA Viaduto Dona Paulina, 80, 5º andar - sala 509/511/516 - Centro CEP: 01501-010 - São Paulo - SP Telefone: 3242-2333r2106 - E-mail: sp3faz@tjsp.jus.br 0020655-77.2013.8.26.0053 - lauda 2 defendeu a improcedência dos pedidos, sob os fundamentos de que a pensão outorgada ao autor mostra-se ilegal, pois outorgada em descordo com o sistema previdenciário federal, que não prevê como dependentes os netos dos servidores. Ainda, pugnou pelo afastamento do pedido de indenização por danos morais. É o relatório. FUNDAMENTO e DECIDO. Considerando que a matéria tratada nos autos possui conteúdo exclusivamente jurídico, o feito comporta julgamento no estado, na forma do artigo 330, inciso I, do Código de Processo Civil. No mérito, os pedidos formulados pelo autor merecem ser julgados parcialmente procedentes. Em síntese, a ré alega que foi outorgada pensão por morte em favor do autor, que ostentava a condição de neto de servidor estadual falecido, com fundamento na Lei Complementar Estadual n° 180/78. Questiona a legalidade de tal outorga, já que o referido dispositivo legal estaria com a eficácia suspensa desde a superveniência da Lei n° 9.717/98, que não prevê tal condição de beneficiária ao neto no âmbito do Regime Geral da Previdência Social. Segundo defende, o sistema de previdência estadual ou municipal deve se balizar pelo sistema federal de previdência social, na forma do disposto no artigo 201, inciso V, da Constituição Federal. Primeiramente, é de se reconhecer a existência de duas questões fundamentais dentro do estudo da presente lide, quais sejam: a ilegalidade da pensão por morte outorgada ao autor e, uma vez, reconhecida tal invalidade, a possibilidade da Administração promover a cassação da pensão outorgada ao arrepio da ordem jurídica. Sem embargo, entendemos que as questões merecem resposta negativa. Ao contrário do que busca fazer crer a ré, não há como se reconhecer a ilegalidade Seimpresso,paraconferênciaacesseositehttps://esaj.tjsp.jus.br/esaj,informeoprocesso0020655-77.2013.8.26.0053eocódigo1H0000002MXEZ. EstedocumentofoiassinadodigitalmenteporLUIZFERNANDORODRIGUESGUERRA. fls. 2
  • 3. TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO COMARCA DE SÃO PAULO FORO CENTRAL - FAZENDA PÚBLICA/ACIDENTES 3ª VARA DE FAZENDA PÚBLICA Viaduto Dona Paulina, 80, 5º andar - sala 509/511/516 - Centro CEP: 01501-010 - São Paulo - SP Telefone: 3242-2333r2106 - E-mail: sp3faz@tjsp.jus.br 0020655-77.2013.8.26.0053 - lauda 3 na outorga da pensão, com fundamento na antiga redação da Lei Complementar Estadual n° 180/78, pois o regime de previdência é de ser tido por especial em confronto com o regime geral da previdência social e o regime geral de previdência estadual. Não bastasse, entendo que a tese defendida pela autoridade coatora segue na tentativa de dar interpretação extensiva ao artigo 201, caput, da Constituição Federal, já que não obstante estar prevista a paridade ampla entre os critérios e requisitos fixados para o regime da previdência social, a Lei n° 9.717/98 prevê sistema de simetria quanto aos benefícios previdenciários, não quanto ao rol de beneficiários. Consequência de tal afirmação é a de que o neto dos servidores estaduais não é atingido pela Lei n° 9.717/98 justamente porque tal legislação tratou da paridade entre os benefícios previdenciários, não excluindo a possibilidade da outorga da pensão por morte em favor daquele. Portanto, os netos dos servidores estaduais mantiveram a condição de dependente para fins de percebimento de pensão por morte até o advento da Lei Complementar Estadual n° 1.012/07. Nesse panorama, não entendo como justo se afirmar que a pensão outorgada ao autor possa ser tida como ilegal, já que outorgada com fundamento em autorização legal perfeitamente válida, já que vigente na plenitude. Não bastasse a superação da alegação de invalidade da pensão outorgada, pressuposto para a revisão do ato administrativo tido por nulo, entendo que a Administração decaiu do direito específico, de sorte que fica inviabilizada a revisão administrativa do ato concessivo do direito. A ré fundamenta sua atuação na Lei Estadual n° 10.177/98, que prevê, em seu artigo 10, o prazo de dez anos para a revisão dos atos administrativos tidos por inválidos. Todavia, sem embargo, entendemos que a existência de tal prazo elástico em Seimpresso,paraconferênciaacesseositehttps://esaj.tjsp.jus.br/esaj,informeoprocesso0020655-77.2013.8.26.0053eocódigo1H0000002MXEZ. EstedocumentofoiassinadodigitalmenteporLUIZFERNANDORODRIGUESGUERRA. fls. 3
  • 4. TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO COMARCA DE SÃO PAULO FORO CENTRAL - FAZENDA PÚBLICA/ACIDENTES 3ª VARA DE FAZENDA PÚBLICA Viaduto Dona Paulina, 80, 5º andar - sala 509/511/516 - Centro CEP: 01501-010 - São Paulo - SP Telefone: 3242-2333r2106 - E-mail: sp3faz@tjsp.jus.br 0020655-77.2013.8.26.0053 - lauda 4 confronto com o Decreto-lei n° 20.910/32 mostra-se ilegal já que é flagrante a incompetência do Estado para disciplinar sobre prazos decadenciais. E isso porque a decadência é área diretamente disciplinada pelo Direito Civil, que, por sua vez, somente concebe legislação de âmbito federal, já que inserida como de competência privativa da União (artigo 22, inciso I, da Constituição Federal). Nesse diapasão, de rigor o reconhecimento da inconstitucionalidade do artigo 10 da Lei Estadual n° 10.177/98 por vício de iniciativa. Uma vez afastada a legislação estadual referida, pergunta-se: qual prazo deve ser considerado para fins de decadência. A solução dupla aponta para o prazo de cinco anos, na forma do artigo 1º do Decreto-lei n° 20.910/32 e do artigo 103 da Lei Federal n° 8.213/98, com redação dada pela Lei n° 9.711/98, até por uma questão de lógica e justiça do sistema previdenciário. Por derradeiro, é de se reconhecer que tal tese também vem encontrando respaldo em no Tribunal de Justiça de São Paulo, conforme jugado: Ementa: PRESCRIÇÃO Ação para desconstituir pensão e reaver valores indevidamente pagos. Prazo quinquenal. Aplicação, por analogia, do art. 1º do Decreto nº 20.910/32. Precedentes. Extinção do processo mantida, ainda que por fundamento diverso. Recurso não provido. (Apelação n° 0000078-78.2013.8.26.0053, 6ª Câmara de Direito Público, Rel. Des. EVARISTO DOS SANTOS, j. em 8.4.2013) Reconhecida a invalidade da decisão que importou na suspensão dos pagamentos de benefícios ao autor, impõe-se o reconhecimento do direito à repetição de indébito, com a incidência de juros de mora e de correção monetária. Porém, o pedido de indenização por danos morais mostra-se inepto, já que não vem lastreado em qualquer prova de fato. Não bastasse, não entendo que do ato administrativo tenha emergido efetivo dano moral, mas mero desconforto cotidiano, incapaz de fundamentar o pleito específico. Nestes termos, JULGO PARCIALMENTE PROCEDENTE os pedidos formulados pelo autor, com fundamento no artigo 269, inciso I, do Código de Processo Civil, para Seimpresso,paraconferênciaacesseositehttps://esaj.tjsp.jus.br/esaj,informeoprocesso0020655-77.2013.8.26.0053eocódigo1H0000002MXEZ. EstedocumentofoiassinadodigitalmenteporLUIZFERNANDORODRIGUESGUERRA. fls. 4
  • 5. TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO COMARCA DE SÃO PAULO FORO CENTRAL - FAZENDA PÚBLICA/ACIDENTES 3ª VARA DE FAZENDA PÚBLICA Viaduto Dona Paulina, 80, 5º andar - sala 509/511/516 - Centro CEP: 01501-010 - São Paulo - SP Telefone: 3242-2333r2106 - E-mail: sp3faz@tjsp.jus.br 0020655-77.2013.8.26.0053 - lauda 5 tornar definitiva a medida liminar concedida nos autos e para determinar a restituição dos valores de pensão sonegados ao autor, com a incidência de juros de mora de 12% ao ano e correção monetária pela tabela prática para atualização de débitos judiciais (INPC) do Tribunal de Justiça de São Paulo. Por força da sucumbência recíproca, deixo de condenar quaisquer dos litigantes em custas processuais e em honorários advocatícios. P.R.I.C. São Paulo, 04 de julho de 2013. LUIZ FERNANDO RODRIGUES GUERRA Juiz de Direito DOCUMENTO ASSINADO DIGITALMENTE NOS TERMOS DA LEI 11.419/2006, CONFORME IMPRESSÃO À MARGEM DIREITA Seimpresso,paraconferênciaacesseositehttps://esaj.tjsp.jus.br/esaj,informeoprocesso0020655-77.2013.8.26.0053eocódigo1H0000002MXEZ. EstedocumentofoiassinadodigitalmenteporLUIZFERNANDORODRIGUESGUERRA. fls. 5