SlideShare uma empresa Scribd logo
AUTOS N.038.09.023970-6
RÉU: EZEQUIEL ZIANENSKI




         Vistos.

        Ezequiel Zianenski, brasileiro, morador de rua, foi denunciado como incurso nas
sanções do art.155, §4º, I e IV do Código Penal, porque segundo a denúncia em 23.6.09, por
volta das 23 horas, juntamente com um adolescente, foi até a biblioteca Municipal de Joinville,
centro, onde arrombou a janela lateral de acesso e subtraiu um CPU, livros e outros pertences.

       Acompanhou a denúncia o auto de prisão em flagrante, anteriormente homologado,
onde constaram os termos de apreensão e de declarações.

       Concedida liberdade provisória, recebida a denúncia, o réu compareceu
espontaneamente em Juízo quando foi citado, apresentando resposta por meio de defensor.

        Não sendo caso de absolvição sumária, em audiência foram inquiridas duas testemunhas
e interrogado o réu. Nada sendo requerido em diligências, em sede de alegações finais a
acusação pugnou pela condenação e a defesa pela absolvição.

         É o relatório.

         Decido:

       No caso em tela, não obstante a materialidade do crime perpetrado tenha restado
indelevelmente demonstrada pelo Termo de Apreensão de fl.9 e Termo de Entrega de fl.11 e
pela prova indireta, quanto à autoria resta alguma dúvida, ainda que mínima.

       O réu no interrogatório judicial, ao negar os fatos, disse (fls.95-7) "que na ocasião o
depoente estava na correria, isto é usando droga na região central; que em determinado
momento cruzou com quatro sujeitos próximo a biblioteca sendo que eles carregavam algo;
que continuou na correria usando droga; que foi até o Paiol; que quando a droga acabou saiu
e foi buscar mais; que então acabou vendo novamente os sujeitos com a caixa e acabou
envolvido; que quando a polícia fez a abordagem o rapaz que era menor de idade que estava
no grupo passou segurando a caixa e foi abordado".

         De outro viso, nem uma das duas testemunhas ouvidas em Juízo presenciaram a
subtração. O vigilante Sérgio apenas declarou que chegou no local depois dos fatos, viu o
arrombamento e verificou a subtração, sendo informado que a polícia teria prendido os agentes
(fl.93). Já o policial Alan afirmou que receberam a ocorrência do furto e em rondas avistaram o
réu com outros sujeitos e que eles, ao perceberem a presença da polícia, largaram uma caixa
contendo o CPU. Porém, não soube dizer quem de todos segurava a caixa (fl.94).

Endereço: Av. Hermann August Lepper,resta certoao Centreventos, é que - CEP 89.221-902, Joinville-SC - E-mail:
          Com efeito, o que 980, em frente nos autos Saguaçú o réu foi flagrado juntamente                       de outros
jvecri2@tjsc.jus.br
rapazes com uma caixa contendo a CPU. Mas nenhuma das pessoas oitivadas em Juízo viu o
momento da subtração e o réu nega veementemente o furto, justificando estar numa noite
confusa de consumo de drogas.

        Quanto ao depoimento do adolescente na fase policial, apontando o réu como autor do
furto, não houve produção desta prova em Juízo. Ou seja, não pode ser ela aproveitada, uma
vez que sem ressonância na fase judicial.

       Conforme dispõe o art. 155, do CPP: "O juiz formará sua convicção pela livre
apreciação da prova produzida em contraditório judicial, não podendo fundamentar sua
decisão exclusivamente nos elementos informativos colhidos na investigação, ressalvadas as
provas cautelares, não repetíveis e antecipadas. Parágrafo único. Somente quanto ao estado
das pessoas serão observadas as restrições estabelecidas na lei civil."

        É claro, pois pacífico, que a prova indiciária pode ser utilizada como fundamento para
uma condenação. Precisa ela porém obrigatoriamente de sustentação harmônica em Juízo, cujo
sistema é acusatório. Este o momento certo para garantirem-se os direitos previstos na
Constituição Federal da ampla defesa e do contraditório, não aplicáveis na fase das
investigações inquisitoriais.

       Com este dispositivo firma-se o que a jurisprudência já firmava, ou seja, não é possível
fundamentar a sentença exclusivamente nos elementos do inquérito, salvo cautelares, não
repetíveis e antecipadas.

           Como dito, nenhuma das pessoas ouvidas em Juízo presenciou a subtração.

       Neste ponto, respeitante à análise da prova, este Juízo vem interpretando o disposto no
art.156 do CPP de forma restritiva, uma vez que se trata de norma originária de instituto
processual civil, onde o princípio da igualdade rege o ônus da prova. A bem da verdade em
seara penal não há como se aplicar o instituto, irrestritamente.

           Do magistério de Aury Lopes Junior, extrai-se: 'Como explicamos em outra
oportunidade, a partir do momento em que o imputado é presumidamente inocente, não lhe
incumbe provar absolutamente nada. Existe uma presunção que deve ser destruída pelo
acusador, sem que o réu (e muito menos o juiz) tenha qualquer dever de contribuir nessa
desconstrução (direito do silêncio – nemo tenetur detegere).FERRAJOLI, esclarece que a
acusação tem carga de descobrir hipóteses e provas, e a defesa tem o direito (não dever) de
contradizer com contra-hipóteses e contra-provas. O juiz, que deve ter como hábito
profissional a imparcialidade e a dúvida, tem a tarefa de analisar todas as hipóteses,
aceitando a acusatória somente se estiver provada e, não a aceitando, se desmentida ou, ainda
que não desmentida, não restar suficientemente comprovada.                           É importante recordar que,
no processo penal, não há distribuição de cargas probatórias: a carga da prova está
inteiramente nas mãos do acusador, não só porque a primeira afirmação é feita por ele na
peça acusatória (denúncia ou queixa), mas também porque o réu está protegido pela
presunção da inocência.Erro crasso pode ser percebido quase que diariamente nos foros
brasileiros: sentenças e acórdãos fazendo uma absurda distribuição de cargas no processo
Endereço: tratando a questão da mesma ao Centreventos, no processo civil. Não rarasE-mail: as sentenças
penal, Av. Hermann August Lepper, 980, em frente forma que Saguaçú - CEP 89.221-902, Joinville-SC - são
jvecri2@tjsc.jus.br
condenatórias fundamentadas na “falta de provas na tese defensiva”, como se o réu tivesse
que provar sua versão negativa de autoria ou da presença de uma excludente' (LOPES
JÚNIOR, Aury. Direito Processual Penal e sua Conformidade Constitucional, Vol. 1, p. 494-5,
2ª edição, Lumen Juris Editora).

       Não cabe ao réu comprovar assim que não realizou a subtração ou então tentar provar
sua versão, de que apenas se encontrou após com as pessoas que teriam arrombado e apanhado
o CPU, mas sim à acusação, de comprovar o tipo de injusto e a culpabilidade, com a necessária
prova da autoria. E esta não conseguiu, uma vez que, como já dito, dos depoimentos colhidos,
única prova produzida, não se extraiu nada que pudesse infirmar a versão do réu.

        Ressalte-se que a condenação em um processo criminal não se pode basear na grande
probabilidade da autoria, materialidade e demais elementos necessários a configuração do
crime. Isto porque neste caso o princípio do livre convencimento não mais estaria presente, mas
sim o "princípio do livre arbítrio".

        Malatesta já ensinou que "O direito da sociedade só se afirma racionalmente como
direito de punir o verdadeiro réu; e para o espírito humano só é verdadeiro o que é certo; por
isso, absolvendo em caso de dúvida razoável, presta-se homenagem ao direito do acusado, e
não se oprime o da sociedade. A pena que atingisse um inocente perturbaria a tranqüilidade
social, mais do que teria abalado o crime particular que se pretendesse punir; porquanto todos
se sentiriam na possibilidade de serem, por sua vez, vítimas de um erro judiciário. Lançai na
consciência social a dúvida, por pequena que seja, de aberração da pena, e esta não será mais
segurança dos honestos, mas grande perturbação daquela mesma tranqüilidade para cujo
restabelecimento foi constituída; não será mais a defensora do direito, e sim a força imane que
pode, por sua vez, esmagar o direito inébil"(in: Lógica das Provas. Ed. Saraiva, p.14-5).

           Cumpre portanto absolver o réu das imputações que lhe foram feitas.

       Finalmente, a título apenas de registro, não poderia este Juízo fechar os olhos à grave
situação de vida do réu.

       Conforme declarou no interrogatório, "faz dois meses e dez dias que está sem usar
droga pois está em tratamento; que está morando no instituto laços de solidariedade; que teve
um problema sério de saúde em razão da droga; que foi levado ao hospital e sofreu uma
cirurgia; que depois de liberado do hospital voltou a usar droga; que quando estava quase
morrendo foi acolhido pela pastora Neusa e encaminhado ao instituto; que o tempo passou e
quanto a família a única pessoa que lembra é da mãe e mais ninguém; que faz três anos que
não tem contato com ela."

          Como se viu, na época dos fatos, era o réu morador de rua e pelo que consta fazia
bastante uso de crack. Perambulava assim pela insegura região central de Joinville, no escuro
da noite, consumindo psicotrópicos e sujeito aos fatídicos flagelos que esse meio traz, tão
graves que pessoas com alguma estabilidade emocional e social não imaginam que possam
existir. De sua família lembra apenas da mãe, com quem não tem contato há anos. Após o
desenfreado consumo de droga sofreu cirurgia, voltou às ruas e ao vício e quase morreu. Foi
Endereço: Av. Hermann August Lepper, 980, emsendo levado ao Saguaçú - CEP 89.221-902,Solidariedade.
ajudado por uma alma caridosa, frente ao Centreventos, Instituto Laços de Joinville-SC - E-mail:
jvecri2@tjsc.jus.br
E hoje, durante a audiência, banho tomado, face limpa, vestindo simples e bem cuidadas
roupas, acompanhado de psicóloga do Instituto, num dos únicos momentos de convicção em
seu interrogatório, conforme colacionado acima, levantou a cabeça e declarou com a voz firme
que faz dois meses e dez dias que está sem usar droga, pois está em tratamento.

        Não é possível portanto ignorar que a ajuda e retirada do réu do meio marginal que
viveu foi exclusivamente pelo viés da saúde, mental e física. Neste aspecto o lançamento
estigmatizante de uma sentença condenatória sobre sua cabeça afastaria todas as tentativas de
socorro que vieram ao seu encontro e ceifaria sua esperança de quem sabe algum dia conseguir
voltar a ter uma vida regular, honrada e limpa.

        Já é ora do Estado perceber que não se combate a violência urbana com o chicote da
pena. Antes de comparecer para penalizar e mandar para o cárcere o Estado, que se pretende
Democrático de Direito, precisa aprender, e este é seu constitucional fundamento, a garantir a
dignidade da pessoa humana (art.1ª, III, da CF), com todo o peso histórico e evolutivo que isto
significa. Antes de comparecer assim como o Leviatã de Hobes, para alcançar pessoas e
mandá-las para o cárcere, o Estado deve concretizar sua missão constitucional, proporcionando
aos seus o bem estar, saúde, educação, lazer, moradia e demais direitos individuais e sociais
previstos na Constituição, cláusulas pétreas, de eternidade.

       Quiçá as outras tantas milhares de pessoas que se encontram na situação do réu
tivessem a oportunidade que ele ora está tendo junto à Instituição referida. Quiçá o direito
devesse ser usado pelos Órgãos do Estado para fazer levar a sério a Constituição e seus
comandos.

       Até lá, no caso dos autos, para o réu o direito penal punitivo e impiedoso não se fará
presente. Antes de tudo, presente estará o direito penal garantidor dos direitos das pessoas em
face do poder punitivo do Estado, o direito constitucional penal.

         EX POSITIS:

        JULGO IMPROCEDENTE a denúncia, para ABSOLVER o réu Eziquiel Zianenski, já
qualificado, da imputação que lhe foi feita na exordial acusatória, com base no art.386, V, do
CPP.

         Sem custas.

         Fixo a remuneração da defensora dativa nomeada à fl.91 em 15 URH.

         Em caso de recurso, observe-se o disposto no art.596, do CPP.

         Publique-se.
         Registre-se.
         Intimem-se.

Endereço: Av. Hermann August Lepper, 980, em frente ao Solidariedade, registrando os encômios deste
          Oficie-se ao Instituto Laços de Centreventos, Saguaçú - CEP 89.221-902, Joinville-SC - E-mail:   Juízo com
jvecri2@tjsc.jus.br
o dignificante trabalho que vêm desempenhando para com o réu, que sirva de exemplo.

       Transitada em julgado, expeça-se a certidão de URH e arquivem-se os autos, com as
baixas de estilo.

          Joinville, 29 de julho de 2010.


                                                          João Marcos Buch
                                                            Juiz de Direito




Endereço: Av. Hermann August Lepper, 980, em frente ao Centreventos, Saguaçú - CEP 89.221-902, Joinville-SC - E-mail:
jvecri2@tjsc.jus.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Excelentíssimo senhor desembargador presidente do tribunal de justiça do esta...
Excelentíssimo senhor desembargador presidente do tribunal de justiça do esta...Excelentíssimo senhor desembargador presidente do tribunal de justiça do esta...
Excelentíssimo senhor desembargador presidente do tribunal de justiça do esta...
Cesar Augusto Venancio Silva
 
Limites da livre apreciação da prova
Limites da livre apreciação da provaLimites da livre apreciação da prova
Limites da livre apreciação da prova
Américo Magalhães
 
Walter 290806 impunidade1
Walter 290806 impunidade1Walter 290806 impunidade1
Walter 290806 impunidade1
jojinho
 
Prova ilícita
Prova ilícitaProva ilícita
Prova ilícita
121212jvjv
 

Mais procurados (17)

TJ/GO - Sexo Grupal
TJ/GO - Sexo GrupalTJ/GO - Sexo Grupal
TJ/GO - Sexo Grupal
 
In dubio pro reu2
In dubio pro reu2In dubio pro reu2
In dubio pro reu2
 
Excelentíssimo senhor desembargador presidente do tribunal de justiça do esta...
Excelentíssimo senhor desembargador presidente do tribunal de justiça do esta...Excelentíssimo senhor desembargador presidente do tribunal de justiça do esta...
Excelentíssimo senhor desembargador presidente do tribunal de justiça do esta...
 
Habeas corpus pede salvo-conduto para evitar prisão de lula
Habeas corpus pede salvo-conduto para evitar prisão de lulaHabeas corpus pede salvo-conduto para evitar prisão de lula
Habeas corpus pede salvo-conduto para evitar prisão de lula
 
Prova testemunhal - Direito Processual Civil
Prova testemunhal - Direito Processual CivilProva testemunhal - Direito Processual Civil
Prova testemunhal - Direito Processual Civil
 
Graça[1]
Graça[1]Graça[1]
Graça[1]
 
Limites da livre apreciação da prova
Limites da livre apreciação da provaLimites da livre apreciação da prova
Limites da livre apreciação da prova
 
Resumo de pratica simulada penal iii
Resumo de pratica simulada penal  iiiResumo de pratica simulada penal  iii
Resumo de pratica simulada penal iii
 
Uma polêmica sobre a teoria geral do processo
Uma polêmica sobre a teoria geral do processoUma polêmica sobre a teoria geral do processo
Uma polêmica sobre a teoria geral do processo
 
processo civil III
processo civil IIIprocesso civil III
processo civil III
 
PT pede que STF proíba ou regulamente Condução Coercitiva
PT pede que STF proíba ou regulamente Condução CoercitivaPT pede que STF proíba ou regulamente Condução Coercitiva
PT pede que STF proíba ou regulamente Condução Coercitiva
 
Habeas lula stj flores
Habeas lula stj floresHabeas lula stj flores
Habeas lula stj flores
 
Walter 290806 impunidade1
Walter 290806 impunidade1Walter 290806 impunidade1
Walter 290806 impunidade1
 
Impeachment ministros stf mauricio 12
Impeachment ministros  stf mauricio 12Impeachment ministros  stf mauricio 12
Impeachment ministros stf mauricio 12
 
Nulidade
NulidadeNulidade
Nulidade
 
Revista direito v.1 n.1, 2014 (5)
Revista direito v.1 n.1, 2014 (5)Revista direito v.1 n.1, 2014 (5)
Revista direito v.1 n.1, 2014 (5)
 
Prova ilícita
Prova ilícitaProva ilícita
Prova ilícita
 

Destaque (20)

Sorte
SorteSorte
Sorte
 
Objetosdeaprendizagem Mariavieira
Objetosdeaprendizagem MariavieiraObjetosdeaprendizagem Mariavieira
Objetosdeaprendizagem Mariavieira
 
Tendencia en la oferta laboral, Inv
Tendencia en la oferta laboral, InvTendencia en la oferta laboral, Inv
Tendencia en la oferta laboral, Inv
 
Presentación1
Presentación1Presentación1
Presentación1
 
Compu
CompuCompu
Compu
 
Deus está com você
Deus está com vocêDeus está com você
Deus está com você
 
Esplendidamente hermoso
Esplendidamente hermosoEsplendidamente hermoso
Esplendidamente hermoso
 
Amigo não tem defeito
Amigo não tem defeitoAmigo não tem defeito
Amigo não tem defeito
 
Analisis de contenido
Analisis de contenidoAnalisis de contenido
Analisis de contenido
 
O subconsciente
O subconscienteO subconsciente
O subconsciente
 
Mulheres Com Mais De 40
Mulheres Com Mais De 40Mulheres Com Mais De 40
Mulheres Com Mais De 40
 
Teste da gripe
Teste da gripeTeste da gripe
Teste da gripe
 
Aitor i Miguel
Aitor i MiguelAitor i Miguel
Aitor i Miguel
 
Jordi mireia
Jordi mireiaJordi mireia
Jordi mireia
 
Trabajo femap
Trabajo femapTrabajo femap
Trabajo femap
 
Senador
SenadorSenador
Senador
 
Aniversario De LucíA E Hugo
Aniversario De LucíA E HugoAniversario De LucíA E Hugo
Aniversario De LucíA E Hugo
 
A Verdadeira Idade
A Verdadeira IdadeA Verdadeira Idade
A Verdadeira Idade
 
RedGate .NET Reflector no dia-a-dia de um programador
RedGate .NET Reflector no dia-a-dia de um programadorRedGate .NET Reflector no dia-a-dia de um programador
RedGate .NET Reflector no dia-a-dia de um programador
 
slides aula
slides aulaslides aula
slides aula
 

Semelhante a Sentença joinville princípio acusatório

Graça Defensoria Pública
Graça Defensoria PúblicaGraça Defensoria Pública
Graça Defensoria Pública
Rafsonsx
 
Ejef estupro de vulnerável ruptura de hímen e palavra da vítima d+
Ejef   estupro de vulnerável ruptura de hímen e palavra da vítima d+Ejef   estupro de vulnerável ruptura de hímen e palavra da vítima d+
Ejef estupro de vulnerável ruptura de hímen e palavra da vítima d+
Jesse Reis
 
Walter 290806 impunidade1
Walter 290806 impunidade1Walter 290806 impunidade1
Walter 290806 impunidade1
jojinho
 
Aplicação da pena palestra
Aplicação da pena   palestraAplicação da pena   palestra
Aplicação da pena palestra
Fernanda Susin
 
Blog Fazer Direito Clamor PúBlico
Blog Fazer Direito Clamor PúBlicoBlog Fazer Direito Clamor PúBlico
Blog Fazer Direito Clamor PúBlico
ivanmilmann
 
1 conceito de processo penal principios
1 conceito de processo penal   principios1 conceito de processo penal   principios
1 conceito de processo penal principios
Lucia Isabel
 

Semelhante a Sentença joinville princípio acusatório (20)

Graça Defensoria Pública
Graça Defensoria PúblicaGraça Defensoria Pública
Graça Defensoria Pública
 
Jessica mayra
Jessica mayraJessica mayra
Jessica mayra
 
Sentença pronúncia valdecir fabiani
Sentença pronúncia valdecir fabianiSentença pronúncia valdecir fabiani
Sentença pronúncia valdecir fabiani
 
Ejef estupro de vulnerável ruptura de hímen e palavra da vítima d+
Ejef   estupro de vulnerável ruptura de hímen e palavra da vítima d+Ejef   estupro de vulnerável ruptura de hímen e palavra da vítima d+
Ejef estupro de vulnerável ruptura de hímen e palavra da vítima d+
 
Walter 290806 impunidade1
Walter 290806 impunidade1Walter 290806 impunidade1
Walter 290806 impunidade1
 
100 Dicas sobre processo penal para OAB
100 Dicas sobre processo penal para OAB100 Dicas sobre processo penal para OAB
100 Dicas sobre processo penal para OAB
 
Crimes dolosos contra a vida Uneal.pptx
Crimes dolosos contra a vida Uneal.pptxCrimes dolosos contra a vida Uneal.pptx
Crimes dolosos contra a vida Uneal.pptx
 
"BAR BODEGA: UM CRIME DE IMPRENSA" – UMA BREVE ANÁLISE JURÍDICO-LITERÁRIA
"BAR BODEGA: UM CRIME DE IMPRENSA" – UMA BREVE ANÁLISE JURÍDICO-LITERÁRIA"BAR BODEGA: UM CRIME DE IMPRENSA" – UMA BREVE ANÁLISE JURÍDICO-LITERÁRIA
"BAR BODEGA: UM CRIME DE IMPRENSA" – UMA BREVE ANÁLISE JURÍDICO-LITERÁRIA
 
Caso Ricardinho - MPSC apresenta alegações finais
Caso Ricardinho - MPSC apresenta alegações finaisCaso Ricardinho - MPSC apresenta alegações finais
Caso Ricardinho - MPSC apresenta alegações finais
 
Hc contra o stf
Hc contra o stfHc contra o stf
Hc contra o stf
 
Presunção ler
Presunção lerPresunção ler
Presunção ler
 
In dubiu
In dubiuIn dubiu
In dubiu
 
In dubio pro reu
In dubio pro reuIn dubio pro reu
In dubio pro reu
 
DPP - Aula 7 - da prova
DPP - Aula 7 - da provaDPP - Aula 7 - da prova
DPP - Aula 7 - da prova
 
A Psicopatia no Ordenamento Jurídico Brasileiro
A Psicopatia no Ordenamento Jurídico BrasileiroA Psicopatia no Ordenamento Jurídico Brasileiro
A Psicopatia no Ordenamento Jurídico Brasileiro
 
Aplicação da pena palestra
Aplicação da pena   palestraAplicação da pena   palestra
Aplicação da pena palestra
 
Blog Fazer Direito Clamor PúBlico
Blog Fazer Direito Clamor PúBlicoBlog Fazer Direito Clamor PúBlico
Blog Fazer Direito Clamor PúBlico
 
1 conceito de processo penal principios
1 conceito de processo penal   principios1 conceito de processo penal   principios
1 conceito de processo penal principios
 
Habeas lula outubro 2018 a
Habeas lula outubro 2018 aHabeas lula outubro 2018 a
Habeas lula outubro 2018 a
 
Casos concretos direito processual penal respondidos
Casos concretos direito processual penal respondidosCasos concretos direito processual penal respondidos
Casos concretos direito processual penal respondidos
 

Mais de ALEXANDRE MATZENBACHER

Guerner 2094 habeas corpus_nº_203905[1]
Guerner 2094 habeas corpus_nº_203905[1]Guerner 2094 habeas corpus_nº_203905[1]
Guerner 2094 habeas corpus_nº_203905[1]
ALEXANDRE MATZENBACHER
 
Sentença atipicidade 3vara criminal 310311
Sentença atipicidade 3vara criminal 310311Sentença atipicidade 3vara criminal 310311
Sentença atipicidade 3vara criminal 310311
ALEXANDRE MATZENBACHER
 
Hc 135504 medida de seguranca votovista
Hc 135504 medida de seguranca votovistaHc 135504 medida de seguranca votovista
Hc 135504 medida de seguranca votovista
ALEXANDRE MATZENBACHER
 
Hc 96818 continuidade delitiva art. 213
Hc 96818 continuidade delitiva art. 213Hc 96818 continuidade delitiva art. 213
Hc 96818 continuidade delitiva art. 213
ALEXANDRE MATZENBACHER
 
Stca interdicao sao_lucas_10_de_junho_de_2010
Stca interdicao sao_lucas_10_de_junho_de_2010Stca interdicao sao_lucas_10_de_junho_de_2010
Stca interdicao sao_lucas_10_de_junho_de_2010
ALEXANDRE MATZENBACHER
 

Mais de ALEXANDRE MATZENBACHER (20)

Mapa violencia2011
Mapa violencia2011Mapa violencia2011
Mapa violencia2011
 
Guerner 2094 habeas corpus_nº_203905[1]
Guerner 2094 habeas corpus_nº_203905[1]Guerner 2094 habeas corpus_nº_203905[1]
Guerner 2094 habeas corpus_nº_203905[1]
 
Sentença atipicidade 3vara criminal 310311
Sentença atipicidade 3vara criminal 310311Sentença atipicidade 3vara criminal 310311
Sentença atipicidade 3vara criminal 310311
 
Hc stj 113275
Hc stj 113275Hc stj 113275
Hc stj 113275
 
Hc 85961
Hc 85961Hc 85961
Hc 85961
 
Hc 135504 medida de seguranca votovista
Hc 135504 medida de seguranca votovistaHc 135504 medida de seguranca votovista
Hc 135504 medida de seguranca votovista
 
Hc 135504 medida de seguranca relator
Hc 135504 medida de seguranca relatorHc 135504 medida de seguranca relator
Hc 135504 medida de seguranca relator
 
Hc 96818 continuidade delitiva art. 213
Hc 96818 continuidade delitiva art. 213Hc 96818 continuidade delitiva art. 213
Hc 96818 continuidade delitiva art. 213
 
Acórdão excesso de linguagem stj
Acórdão excesso de linguagem stjAcórdão excesso de linguagem stj
Acórdão excesso de linguagem stj
 
Sumário
SumárioSumário
Sumário
 
Programacao 16 ibccrim
Programacao 16 ibccrimProgramacao 16 ibccrim
Programacao 16 ibccrim
 
Stj hc maria da penha
Stj hc maria da penhaStj hc maria da penha
Stj hc maria da penha
 
Hc arma desmuniciada
Hc arma desmuniciadaHc arma desmuniciada
Hc arma desmuniciada
 
Hc arma desmuniciada
Hc arma desmuniciadaHc arma desmuniciada
Hc arma desmuniciada
 
Hc arma desmuniciada
Hc arma desmuniciadaHc arma desmuniciada
Hc arma desmuniciada
 
Rhc arma desmuniciada lesividade
Rhc arma desmuniciada lesividadeRhc arma desmuniciada lesividade
Rhc arma desmuniciada lesividade
 
R esp precariedade prova emprestada
R esp precariedade prova emprestadaR esp precariedade prova emprestada
R esp precariedade prova emprestada
 
Stj hc carregador
Stj hc carregadorStj hc carregador
Stj hc carregador
 
Atc
AtcAtc
Atc
 
Stca interdicao sao_lucas_10_de_junho_de_2010
Stca interdicao sao_lucas_10_de_junho_de_2010Stca interdicao sao_lucas_10_de_junho_de_2010
Stca interdicao sao_lucas_10_de_junho_de_2010
 

Último

INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
ESCRIBA DE CRISTO
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
carlaOliveira438
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Pastor Robson Colaço
 
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
edjailmax
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
rarakey779
 

Último (20)

Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
 
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxAULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
 
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é preciso
 
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimentoApresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
 
hereditariedade é variabilidade genetic
hereditariedade é variabilidade  genetichereditariedade é variabilidade  genetic
hereditariedade é variabilidade genetic
 
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorRecurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 

Sentença joinville princípio acusatório

  • 1. AUTOS N.038.09.023970-6 RÉU: EZEQUIEL ZIANENSKI Vistos. Ezequiel Zianenski, brasileiro, morador de rua, foi denunciado como incurso nas sanções do art.155, §4º, I e IV do Código Penal, porque segundo a denúncia em 23.6.09, por volta das 23 horas, juntamente com um adolescente, foi até a biblioteca Municipal de Joinville, centro, onde arrombou a janela lateral de acesso e subtraiu um CPU, livros e outros pertences. Acompanhou a denúncia o auto de prisão em flagrante, anteriormente homologado, onde constaram os termos de apreensão e de declarações. Concedida liberdade provisória, recebida a denúncia, o réu compareceu espontaneamente em Juízo quando foi citado, apresentando resposta por meio de defensor. Não sendo caso de absolvição sumária, em audiência foram inquiridas duas testemunhas e interrogado o réu. Nada sendo requerido em diligências, em sede de alegações finais a acusação pugnou pela condenação e a defesa pela absolvição. É o relatório. Decido: No caso em tela, não obstante a materialidade do crime perpetrado tenha restado indelevelmente demonstrada pelo Termo de Apreensão de fl.9 e Termo de Entrega de fl.11 e pela prova indireta, quanto à autoria resta alguma dúvida, ainda que mínima. O réu no interrogatório judicial, ao negar os fatos, disse (fls.95-7) "que na ocasião o depoente estava na correria, isto é usando droga na região central; que em determinado momento cruzou com quatro sujeitos próximo a biblioteca sendo que eles carregavam algo; que continuou na correria usando droga; que foi até o Paiol; que quando a droga acabou saiu e foi buscar mais; que então acabou vendo novamente os sujeitos com a caixa e acabou envolvido; que quando a polícia fez a abordagem o rapaz que era menor de idade que estava no grupo passou segurando a caixa e foi abordado". De outro viso, nem uma das duas testemunhas ouvidas em Juízo presenciaram a subtração. O vigilante Sérgio apenas declarou que chegou no local depois dos fatos, viu o arrombamento e verificou a subtração, sendo informado que a polícia teria prendido os agentes (fl.93). Já o policial Alan afirmou que receberam a ocorrência do furto e em rondas avistaram o réu com outros sujeitos e que eles, ao perceberem a presença da polícia, largaram uma caixa contendo o CPU. Porém, não soube dizer quem de todos segurava a caixa (fl.94). Endereço: Av. Hermann August Lepper,resta certoao Centreventos, é que - CEP 89.221-902, Joinville-SC - E-mail: Com efeito, o que 980, em frente nos autos Saguaçú o réu foi flagrado juntamente de outros jvecri2@tjsc.jus.br
  • 2. rapazes com uma caixa contendo a CPU. Mas nenhuma das pessoas oitivadas em Juízo viu o momento da subtração e o réu nega veementemente o furto, justificando estar numa noite confusa de consumo de drogas. Quanto ao depoimento do adolescente na fase policial, apontando o réu como autor do furto, não houve produção desta prova em Juízo. Ou seja, não pode ser ela aproveitada, uma vez que sem ressonância na fase judicial. Conforme dispõe o art. 155, do CPP: "O juiz formará sua convicção pela livre apreciação da prova produzida em contraditório judicial, não podendo fundamentar sua decisão exclusivamente nos elementos informativos colhidos na investigação, ressalvadas as provas cautelares, não repetíveis e antecipadas. Parágrafo único. Somente quanto ao estado das pessoas serão observadas as restrições estabelecidas na lei civil." É claro, pois pacífico, que a prova indiciária pode ser utilizada como fundamento para uma condenação. Precisa ela porém obrigatoriamente de sustentação harmônica em Juízo, cujo sistema é acusatório. Este o momento certo para garantirem-se os direitos previstos na Constituição Federal da ampla defesa e do contraditório, não aplicáveis na fase das investigações inquisitoriais. Com este dispositivo firma-se o que a jurisprudência já firmava, ou seja, não é possível fundamentar a sentença exclusivamente nos elementos do inquérito, salvo cautelares, não repetíveis e antecipadas. Como dito, nenhuma das pessoas ouvidas em Juízo presenciou a subtração. Neste ponto, respeitante à análise da prova, este Juízo vem interpretando o disposto no art.156 do CPP de forma restritiva, uma vez que se trata de norma originária de instituto processual civil, onde o princípio da igualdade rege o ônus da prova. A bem da verdade em seara penal não há como se aplicar o instituto, irrestritamente. Do magistério de Aury Lopes Junior, extrai-se: 'Como explicamos em outra oportunidade, a partir do momento em que o imputado é presumidamente inocente, não lhe incumbe provar absolutamente nada. Existe uma presunção que deve ser destruída pelo acusador, sem que o réu (e muito menos o juiz) tenha qualquer dever de contribuir nessa desconstrução (direito do silêncio – nemo tenetur detegere).FERRAJOLI, esclarece que a acusação tem carga de descobrir hipóteses e provas, e a defesa tem o direito (não dever) de contradizer com contra-hipóteses e contra-provas. O juiz, que deve ter como hábito profissional a imparcialidade e a dúvida, tem a tarefa de analisar todas as hipóteses, aceitando a acusatória somente se estiver provada e, não a aceitando, se desmentida ou, ainda que não desmentida, não restar suficientemente comprovada. É importante recordar que, no processo penal, não há distribuição de cargas probatórias: a carga da prova está inteiramente nas mãos do acusador, não só porque a primeira afirmação é feita por ele na peça acusatória (denúncia ou queixa), mas também porque o réu está protegido pela presunção da inocência.Erro crasso pode ser percebido quase que diariamente nos foros brasileiros: sentenças e acórdãos fazendo uma absurda distribuição de cargas no processo Endereço: tratando a questão da mesma ao Centreventos, no processo civil. Não rarasE-mail: as sentenças penal, Av. Hermann August Lepper, 980, em frente forma que Saguaçú - CEP 89.221-902, Joinville-SC - são jvecri2@tjsc.jus.br
  • 3. condenatórias fundamentadas na “falta de provas na tese defensiva”, como se o réu tivesse que provar sua versão negativa de autoria ou da presença de uma excludente' (LOPES JÚNIOR, Aury. Direito Processual Penal e sua Conformidade Constitucional, Vol. 1, p. 494-5, 2ª edição, Lumen Juris Editora). Não cabe ao réu comprovar assim que não realizou a subtração ou então tentar provar sua versão, de que apenas se encontrou após com as pessoas que teriam arrombado e apanhado o CPU, mas sim à acusação, de comprovar o tipo de injusto e a culpabilidade, com a necessária prova da autoria. E esta não conseguiu, uma vez que, como já dito, dos depoimentos colhidos, única prova produzida, não se extraiu nada que pudesse infirmar a versão do réu. Ressalte-se que a condenação em um processo criminal não se pode basear na grande probabilidade da autoria, materialidade e demais elementos necessários a configuração do crime. Isto porque neste caso o princípio do livre convencimento não mais estaria presente, mas sim o "princípio do livre arbítrio". Malatesta já ensinou que "O direito da sociedade só se afirma racionalmente como direito de punir o verdadeiro réu; e para o espírito humano só é verdadeiro o que é certo; por isso, absolvendo em caso de dúvida razoável, presta-se homenagem ao direito do acusado, e não se oprime o da sociedade. A pena que atingisse um inocente perturbaria a tranqüilidade social, mais do que teria abalado o crime particular que se pretendesse punir; porquanto todos se sentiriam na possibilidade de serem, por sua vez, vítimas de um erro judiciário. Lançai na consciência social a dúvida, por pequena que seja, de aberração da pena, e esta não será mais segurança dos honestos, mas grande perturbação daquela mesma tranqüilidade para cujo restabelecimento foi constituída; não será mais a defensora do direito, e sim a força imane que pode, por sua vez, esmagar o direito inébil"(in: Lógica das Provas. Ed. Saraiva, p.14-5). Cumpre portanto absolver o réu das imputações que lhe foram feitas. Finalmente, a título apenas de registro, não poderia este Juízo fechar os olhos à grave situação de vida do réu. Conforme declarou no interrogatório, "faz dois meses e dez dias que está sem usar droga pois está em tratamento; que está morando no instituto laços de solidariedade; que teve um problema sério de saúde em razão da droga; que foi levado ao hospital e sofreu uma cirurgia; que depois de liberado do hospital voltou a usar droga; que quando estava quase morrendo foi acolhido pela pastora Neusa e encaminhado ao instituto; que o tempo passou e quanto a família a única pessoa que lembra é da mãe e mais ninguém; que faz três anos que não tem contato com ela." Como se viu, na época dos fatos, era o réu morador de rua e pelo que consta fazia bastante uso de crack. Perambulava assim pela insegura região central de Joinville, no escuro da noite, consumindo psicotrópicos e sujeito aos fatídicos flagelos que esse meio traz, tão graves que pessoas com alguma estabilidade emocional e social não imaginam que possam existir. De sua família lembra apenas da mãe, com quem não tem contato há anos. Após o desenfreado consumo de droga sofreu cirurgia, voltou às ruas e ao vício e quase morreu. Foi Endereço: Av. Hermann August Lepper, 980, emsendo levado ao Saguaçú - CEP 89.221-902,Solidariedade. ajudado por uma alma caridosa, frente ao Centreventos, Instituto Laços de Joinville-SC - E-mail: jvecri2@tjsc.jus.br
  • 4. E hoje, durante a audiência, banho tomado, face limpa, vestindo simples e bem cuidadas roupas, acompanhado de psicóloga do Instituto, num dos únicos momentos de convicção em seu interrogatório, conforme colacionado acima, levantou a cabeça e declarou com a voz firme que faz dois meses e dez dias que está sem usar droga, pois está em tratamento. Não é possível portanto ignorar que a ajuda e retirada do réu do meio marginal que viveu foi exclusivamente pelo viés da saúde, mental e física. Neste aspecto o lançamento estigmatizante de uma sentença condenatória sobre sua cabeça afastaria todas as tentativas de socorro que vieram ao seu encontro e ceifaria sua esperança de quem sabe algum dia conseguir voltar a ter uma vida regular, honrada e limpa. Já é ora do Estado perceber que não se combate a violência urbana com o chicote da pena. Antes de comparecer para penalizar e mandar para o cárcere o Estado, que se pretende Democrático de Direito, precisa aprender, e este é seu constitucional fundamento, a garantir a dignidade da pessoa humana (art.1ª, III, da CF), com todo o peso histórico e evolutivo que isto significa. Antes de comparecer assim como o Leviatã de Hobes, para alcançar pessoas e mandá-las para o cárcere, o Estado deve concretizar sua missão constitucional, proporcionando aos seus o bem estar, saúde, educação, lazer, moradia e demais direitos individuais e sociais previstos na Constituição, cláusulas pétreas, de eternidade. Quiçá as outras tantas milhares de pessoas que se encontram na situação do réu tivessem a oportunidade que ele ora está tendo junto à Instituição referida. Quiçá o direito devesse ser usado pelos Órgãos do Estado para fazer levar a sério a Constituição e seus comandos. Até lá, no caso dos autos, para o réu o direito penal punitivo e impiedoso não se fará presente. Antes de tudo, presente estará o direito penal garantidor dos direitos das pessoas em face do poder punitivo do Estado, o direito constitucional penal. EX POSITIS: JULGO IMPROCEDENTE a denúncia, para ABSOLVER o réu Eziquiel Zianenski, já qualificado, da imputação que lhe foi feita na exordial acusatória, com base no art.386, V, do CPP. Sem custas. Fixo a remuneração da defensora dativa nomeada à fl.91 em 15 URH. Em caso de recurso, observe-se o disposto no art.596, do CPP. Publique-se. Registre-se. Intimem-se. Endereço: Av. Hermann August Lepper, 980, em frente ao Solidariedade, registrando os encômios deste Oficie-se ao Instituto Laços de Centreventos, Saguaçú - CEP 89.221-902, Joinville-SC - E-mail: Juízo com jvecri2@tjsc.jus.br
  • 5. o dignificante trabalho que vêm desempenhando para com o réu, que sirva de exemplo. Transitada em julgado, expeça-se a certidão de URH e arquivem-se os autos, com as baixas de estilo. Joinville, 29 de julho de 2010. João Marcos Buch Juiz de Direito Endereço: Av. Hermann August Lepper, 980, em frente ao Centreventos, Saguaçú - CEP 89.221-902, Joinville-SC - E-mail: jvecri2@tjsc.jus.br