SlideShare uma empresa Scribd logo
Disponibilização: Segunda-feira, 8 de Fevereiro de 2010   Diário da Justiça Eletrônico - Caderno Judicial - 1ª Instância - Interior - Parte III   São Paulo, Ano III - Edição 649   1755

conceitos absolutos, dificilmente atingíveis, no processo ou fora dele”. (GRINOVER, Ada Pellegrini, A iniciativa instrutória do juiz
no processo penal acusatório, Revista Forense, Rio de Janeiro, v. 347).O aplicador do direito utiliza-se dos estímulos sensoriais
captados por outros indivíduos, bem como de elementos materiais trazidos pelos contendores, para a construção da verdade
jurídica, o mais consentânea quanto possível com os fatos da vida.Entretanto, mesmo diante do conjunto probatório coligido no
feito, há determinadas situações nas quais ao órgão julgador remanesce dúvida a respeito de determinado elemento constitutivo
da figura delituosa descrita na denúncia.Dificuldade ainda maior se apresenta quando mencionada hesitação recai sobre a
própria caracterização do fato criminoso ou sobre a autoria delitiva, isto é, sobre a existência da ação típica, antijurídica e
culpável ou sobre sua imputação a determinado agente.Ante estas situações, os ordenamentos jurídicos penais tem adotado
posição uniforme, pela aplicação do princípio do in dubio pro reo, como corolário do princípio da presunção de inocência. Os
princípios da presunção de inocência e do in dubio pro reo não se confundem, nem são sinônimos. Pode-se, no entanto,
estabelecer que o princípio in dubio pro reo é uma decorrência do princípio da presunção de inocência, bem como do princípio
do favor rei que proclama que “no conflito entre o jus puniendi do Estado, por um lado, e o jus libertatis do acusado, por outro
lado, a balança deve inclinar-se a favor deste último se se quiser assistir ao triunfo da liberdade.” (BETIOL apud TOURINHO
FILHO, Fernando da Costa,. Processo Penal, 25ª ed., São Paulo, Saraiva, 2003, v. 1.2003, pág. 71). “O in dubio pro reo é o
mesmo princípio do favor rei: na dúvida deve-se agir em favor do réu, ou seja, um princípio daí derivado o favor innocentiae,
quer dizer a favor da inocência do réu, desde que não tenha sido provada sua culpabilidade, ou, ainda, que as provas trazidas
aos autos não tenham o requisito de certeza para condenar. O princípio do in dúbio pro reo, que data dos romanos se lastreia na
conhecida parêmia “Adore non probante, reus absolvitur”. Se o autor não provar, o réu é absolvido. Os fatos, na realidade, ou
são ou não são. O mistério, a ignorância e a dúvida são nos homens imperfeições no apreender e interpretar a realidade. Assim,
nem sempre o juiz tem segurança, certeza, a dúvida, no processo penal, leva à absolvição por insuficiência de provas. Não é a
falta de provas, que é a prova negativa; é a prova incerta, não precisa, falha. O non liquet é a saida para evitar erros judiciários”
(SZNICK, Valdir, Liberdade, prisão cautelar e temporária, Leud, 1994, pág. 68).O princípio da presunção de inocência encontra
variações em sua definição, alguns o chamam de princípio do estado de inocência, sendo que a expressão mais utilizada
atualmente é princípio da presunção constitucional de não-culpabilidade. A Convenção Americana de Direitos Humanos (Pacto
de San José da Costa Rica), no Art. 8°, item 2, contempla o aludido mandamento, prescrevendo que “toda pessoa acusada de
um delito tem direito a que se presuma sua inocência, enquanto não for legalmente comprovada sua culpa”.A Constituição da
República, em disposição semelhante, preceitua, no Art. 5°, inciso LVII, que “ninguém será considerado culpado até o trânsito
em julgado de sentença penal condenatória”.É forçoso reconhecer que a insuficiência de elementos de convicção aptos a
demonstrar a materialidade ou a autoria deve resultar na prolação de sentença penal absolutória, visto que a condenação
apenas poderá decorrer de provas suficientes à configuração da figura delituosa, bem como do nexo de imputação subjetiva.O
Art. 386, inciso V, do Código de Processo Penal, com redação dada pela Lei 11.690, de 2008, consubstancia referida orientação,
ao estatuir que “o juiz absolverá o réu, mencionando a causa na parte dispositiva, desde que reconheça: V - não existir prova de
ter o réu concorrido para a infração penal”. Neste sentido ensina Theodomiro Dias Neto ao alertar que o “dever de apuração da
verdade não fundamenta somente medidas jurídicas orientadas à condenação do culpado. É necessário ainda que se tomem
precauções’ para proteger o inocente de acusações e condenações injustas. Em face da possibilidade sempre aberta do erro, os
princípios humanistas de presunção de inocência e in dubio pro reo são pilastras de um procedimento penal orientados aos
valores do Estado de Direito. Assume-se assim a possibilidade de absolvição do culpado face ao interesse maior de evitar a
condenação do inocente...”: (NETO, Theodomiro Dias, O Direito ao silêncio: Tratamento nos Direitos Alemão e Norte-Americano,
in Revista Brasileira de Ciências Criminais n° 1-9, IBCCrim, editora Revista dos Tribunais, pág. 180). Sendo a liberdade direito
fundamental do ser humano, imprescindível à realização dos demais direitos garantidos pela Carta da República, somente pode
ser cerceada quando ao Juiz seja possível, a partir da prova dos autos, convencer-se de que o réu seja o autor do delito, e que
este realmente ocorreu tal como descrito na inicial acusatória. Nestes termos, a dúvida deve importar na manutenção do status
libertatis do indivíduo, não sendo lícito, ao órgão julgador, imputar a determinado indivíduo os gravames oriundos da condenação
criminal com base em suposições insuficientemente comprovadas.Assim entende a jurisprudência: “Tudo aquilo que oferece
duas conclusões lógicas não permite ao Juiz Criminal a contrária ao réu, porque a condenação é fruto de prova induvidosa, já
que o Estado não tem maior interesse na verificação da culpabilidade do que na verificação da inocência, como precedentemente
afirmou Carrara.” (Revista dos Tribunais, vol. 524, pág. 449; rel. Lúcio Urbano).No mesmo sentido, julgado do Tribunal de
Justiça de São Paulo: ... A contradição da prova impõe decreto absolutório. (...) Melhor a absolvição. Provimento para absolver
com fundamento no art. 386,VI, do Código de Processo Penal, com expedição de alvará de soltura. (Apelação Criminal
4557913300, Relator Péricles Piza, 1ª Câmara de Direito Criminal, 28/06/2005).Ressalte-se que, em matéria penal, é tarefa da
acusação, demonstrar, de modo contundente, a materialidade e a autoria do crime, cabendo ao réu, apenas, esquivar-se das
imputações sobre ele lançadas. Assim, diante da ausência de material probatório suficiente para convencer o Juiz a respeito da
ocorrência de determinado fato punível ou de quem seja o seu autor, resolve-se o processo em favor do acusado.No caso
vertente, as provas colacionadas ao longo da instrução criminal não tem o condão de alicerçar, suficientemente, convicção no
sentido do envolvimento dos agentes no delito que lhes são imputados.Em suma, diante da contradição das provas colhidas nos
autos, resolve-se o processo em favor dos réus.Ante o exposto, julgo IMPROCEDENTES as pretensões punitivas deduzida em
Juízo contra ELAINE DO CARMO, qualificada em fls. 25, e ROBERTO MARCOLINO, qualificado em fls. 31, como incursos nas
penas do Art. 155, §4º, incisos II e IV, do Código Penal, para ABOLVÊ-LOS com fundamento no Art. 386, inciso V, do Código de
Processo Penal. Publique-se, registre-se e intimem-se. ADV. JOÃO RICARDO DE CAMARGO OAB/SP 115.263, GUILHERME
HENRIQUES OAB/SP 289.089, HELENA POPPER OAB/RJ 127.347, BRUNA TOIGO OAB/SP 288.927

     PROC. 373/09 PROCESSO CRIME JUSTIÇA PÚBLICA X ANDERSON SANTOS PINHEIRO DE JESUS e PETERSON ALVES
DOS SANTOS Fls. 117/117vº: Ante a tempestividade, recebo os Embargos. Não há omissão na sentença. Na fundamentação da
r. sentença ficou claro que apenas o roubo praticado contra a vítima Matheus foi procedente. Ademais, na dosimetria da pena, só
foi considerado único roubo, não havendo nenhuma menção ao concurso material de crimes. Além disso, no dispositivo constou
expressamente que o pedido inicial foi julgado parcialmente procedente.Assim, não há omissões. O embargante pretende, em
verdade, o efeito modificativo da sentença, o que é vedado na seara dos embargos. Ante o exposto, no mérito REJEITO OS
EMBARGOS. P.R.I.ADV. RICARDO CORSINE OAB/SP 228.755, RICARDO JOSÉ PEREIRA OAB/SP 137.655

   PROC. 624/09 PROCESSO CRIME JUSTIÇA PÚBLICA X CICERO LIRA FEITOSA O defensor do réu deverá providenciar
à apresentação de memoriais, dentro do prazo legal.ADV. NELSON MINORU OKA OAB/SP 110.462

    PROC. 633/09 PROCESSO CRIME JUSTIÇA PÚBLICA X WAGNER DONATO DA SILVA Fls. 199/200: Vistos. O pedido de
liberdade provisória é de ser indeferido. De fato, há prova da existência do crime, conforme se vê no auto de prisão em flagrante


                              Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo - Lei Federal nº 11.419/06, art. 4º

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Hc 135504 medida de seguranca votovista
Hc 135504 medida de seguranca votovistaHc 135504 medida de seguranca votovista
Hc 135504 medida de seguranca votovista
ALEXANDRE MATZENBACHER
 
Direitoprocessualpenal
DireitoprocessualpenalDireitoprocessualpenal
Direitoprocessualpenal
Tacy Nascimento
 
Lei de execução penal
Lei de execução penalLei de execução penal
Lei de execução penal
Dimensson Costa Santos
 
Excelentíssimo senhor doutor juiz de direito da xx
Excelentíssimo senhor doutor juiz de direito da xxExcelentíssimo senhor doutor juiz de direito da xx
Excelentíssimo senhor doutor juiz de direito da xx
aalizinha
 
Ao supremo tribunal federal habeas corpus henrique pizzolato e outros (1) ass...
Ao supremo tribunal federal habeas corpus henrique pizzolato e outros (1) ass...Ao supremo tribunal federal habeas corpus henrique pizzolato e outros (1) ass...
Ao supremo tribunal federal habeas corpus henrique pizzolato e outros (1) ass...
Mauricio Thomaz
 
Material de apoio do intensivo processo penal
Material de apoio do intensivo   processo penalMaterial de apoio do intensivo   processo penal
Material de apoio do intensivo processo penal
saramorgana
 
Prova ilícita
Prova ilícitaProva ilícita
Prova ilícita
121212jvjv
 
Trabalho de penal
Trabalho de penalTrabalho de penal
Trabalho de penal
barbaraguimaraes29
 
Aula 02 formalidades da prisão
Aula 02 formalidades da prisãoAula 02 formalidades da prisão
Aula 02 formalidades da prisão
Prof. Rogerio Cunha
 
MPF declina de competência para o Mppe decidir sobre denúncia contra antiga c...
MPF declina de competência para o Mppe decidir sobre denúncia contra antiga c...MPF declina de competência para o Mppe decidir sobre denúncia contra antiga c...
MPF declina de competência para o Mppe decidir sobre denúncia contra antiga c...
Jamildo Melo
 
Teoria Geral das Provas (Direito Processual Civil II - NCPC)
Teoria Geral das Provas (Direito Processual Civil II - NCPC)Teoria Geral das Provas (Direito Processual Civil II - NCPC)
Teoria Geral das Provas (Direito Processual Civil II - NCPC)
Helíssia Coimbra
 
Espécies de Pena
Espécies de PenaEspécies de Pena
Espécies de Pena
Antonio Pereira
 
Apelação do MPF da rejeição da denúncia
Apelação do MPF da rejeição da denúnciaApelação do MPF da rejeição da denúncia
Apelação do MPF da rejeição da denúncia
Marcelo Auler
 
Princípio do contraditório e da ampla defesa
Princípio do contraditório e da ampla defesaPrincípio do contraditório e da ampla defesa
Princípio do contraditório e da ampla defesa
Sandra Portela
 
Revista direito v.1 n.1, 2014 (5)
Revista direito v.1 n.1, 2014 (5)Revista direito v.1 n.1, 2014 (5)
Revista direito v.1 n.1, 2014 (5)
RosimeireAyer
 
Ampla defesa e plenitude de defesa palestra aluno marcelo travessa guedes
Ampla defesa e plenitude de defesa   palestra aluno marcelo travessa guedesAmpla defesa e plenitude de defesa   palestra aluno marcelo travessa guedes
Ampla defesa e plenitude de defesa palestra aluno marcelo travessa guedes
José Rogério de Sousa Mendes Júnior
 
299c16
299c16299c16
Revista Jurídica (Notadez) #400 - Síntese
Revista Jurídica (Notadez) #400 - SínteseRevista Jurídica (Notadez) #400 - Síntese
Revista Jurídica (Notadez) #400 - Síntese
Editora Síntese
 
Decisão ação penal maurício (
Decisão   ação penal maurício (Decisão   ação penal maurício (
Decisão ação penal maurício (
Cleuber Carlos Nascimento
 

Mais procurados (19)

Hc 135504 medida de seguranca votovista
Hc 135504 medida de seguranca votovistaHc 135504 medida de seguranca votovista
Hc 135504 medida de seguranca votovista
 
Direitoprocessualpenal
DireitoprocessualpenalDireitoprocessualpenal
Direitoprocessualpenal
 
Lei de execução penal
Lei de execução penalLei de execução penal
Lei de execução penal
 
Excelentíssimo senhor doutor juiz de direito da xx
Excelentíssimo senhor doutor juiz de direito da xxExcelentíssimo senhor doutor juiz de direito da xx
Excelentíssimo senhor doutor juiz de direito da xx
 
Ao supremo tribunal federal habeas corpus henrique pizzolato e outros (1) ass...
Ao supremo tribunal federal habeas corpus henrique pizzolato e outros (1) ass...Ao supremo tribunal federal habeas corpus henrique pizzolato e outros (1) ass...
Ao supremo tribunal federal habeas corpus henrique pizzolato e outros (1) ass...
 
Material de apoio do intensivo processo penal
Material de apoio do intensivo   processo penalMaterial de apoio do intensivo   processo penal
Material de apoio do intensivo processo penal
 
Prova ilícita
Prova ilícitaProva ilícita
Prova ilícita
 
Trabalho de penal
Trabalho de penalTrabalho de penal
Trabalho de penal
 
Aula 02 formalidades da prisão
Aula 02 formalidades da prisãoAula 02 formalidades da prisão
Aula 02 formalidades da prisão
 
MPF declina de competência para o Mppe decidir sobre denúncia contra antiga c...
MPF declina de competência para o Mppe decidir sobre denúncia contra antiga c...MPF declina de competência para o Mppe decidir sobre denúncia contra antiga c...
MPF declina de competência para o Mppe decidir sobre denúncia contra antiga c...
 
Teoria Geral das Provas (Direito Processual Civil II - NCPC)
Teoria Geral das Provas (Direito Processual Civil II - NCPC)Teoria Geral das Provas (Direito Processual Civil II - NCPC)
Teoria Geral das Provas (Direito Processual Civil II - NCPC)
 
Espécies de Pena
Espécies de PenaEspécies de Pena
Espécies de Pena
 
Apelação do MPF da rejeição da denúncia
Apelação do MPF da rejeição da denúnciaApelação do MPF da rejeição da denúncia
Apelação do MPF da rejeição da denúncia
 
Princípio do contraditório e da ampla defesa
Princípio do contraditório e da ampla defesaPrincípio do contraditório e da ampla defesa
Princípio do contraditório e da ampla defesa
 
Revista direito v.1 n.1, 2014 (5)
Revista direito v.1 n.1, 2014 (5)Revista direito v.1 n.1, 2014 (5)
Revista direito v.1 n.1, 2014 (5)
 
Ampla defesa e plenitude de defesa palestra aluno marcelo travessa guedes
Ampla defesa e plenitude de defesa   palestra aluno marcelo travessa guedesAmpla defesa e plenitude de defesa   palestra aluno marcelo travessa guedes
Ampla defesa e plenitude de defesa palestra aluno marcelo travessa guedes
 
299c16
299c16299c16
299c16
 
Revista Jurídica (Notadez) #400 - Síntese
Revista Jurídica (Notadez) #400 - SínteseRevista Jurídica (Notadez) #400 - Síntese
Revista Jurídica (Notadez) #400 - Síntese
 
Decisão ação penal maurício (
Decisão   ação penal maurício (Decisão   ação penal maurício (
Decisão ação penal maurício (
 

Semelhante a In dubio pro reu2

Habeas corpus de Henrique Alves: 0805054-39.2017.4.05.0000
Habeas corpus de Henrique Alves: 0805054-39.2017.4.05.0000Habeas corpus de Henrique Alves: 0805054-39.2017.4.05.0000
Habeas corpus de Henrique Alves: 0805054-39.2017.4.05.0000
Portal NE10
 
Excelentíssimo senhor desembargador presidente do tribunal de justiça do esta...
Excelentíssimo senhor desembargador presidente do tribunal de justiça do esta...Excelentíssimo senhor desembargador presidente do tribunal de justiça do esta...
Excelentíssimo senhor desembargador presidente do tribunal de justiça do esta...
Cesar Augusto Venancio Silva
 
Decisão sobre habeas corpus STF
Decisão sobre habeas corpus STFDecisão sobre habeas corpus STF
Decisão sobre habeas corpus STF
politicaleiaja
 
1 conceito de processo penal principios
1 conceito de processo penal   principios1 conceito de processo penal   principios
1 conceito de processo penal principios
Lucia Isabel
 
Exceção de incompetência ação pena contra Lula
Exceção de incompetência ação pena contra Lula Exceção de incompetência ação pena contra Lula
Exceção de incompetência ação pena contra Lula
Editora 247
 
Operação Turbulência: STF concede liberdade a acusados
Operação Turbulência: STF concede liberdade a acusadosOperação Turbulência: STF concede liberdade a acusados
Operação Turbulência: STF concede liberdade a acusados
Portal NE10
 
Graça Defensoria Pública
Graça Defensoria PúblicaGraça Defensoria Pública
Graça Defensoria Pública
Rafsonsx
 
Gilmar Mendes manda soltar Paulo Preto, ex-diretor da Dersa
Gilmar Mendes manda soltar Paulo Preto, ex-diretor da DersaGilmar Mendes manda soltar Paulo Preto, ex-diretor da Dersa
Gilmar Mendes manda soltar Paulo Preto, ex-diretor da Dersa
R7dados
 
02. memoriais
02. memoriais02. memoriais
02. memoriais
Binho Freitas
 
3437 13089-1-pb
3437 13089-1-pb3437 13089-1-pb
3437 13089-1-pb
Joao Carlos Barbosa
 
Med. Caut. Hc 100959 Stf
Med. Caut. Hc 100959 StfMed. Caut. Hc 100959 Stf
Med. Caut. Hc 100959 Stf
ALEXANDRE MATZENBACHER
 
STF - Prisão preventiva - Excepcionalidade
STF - Prisão preventiva - ExcepcionalidadeSTF - Prisão preventiva - Excepcionalidade
STF - Prisão preventiva - Excepcionalidade
Luiz F T Siqueira
 
Defesa denuncia novo abuso: Moro produz provas contra Lula no lugar da força-...
Defesa denuncia novo abuso: Moro produz provas contra Lula no lugar da força-...Defesa denuncia novo abuso: Moro produz provas contra Lula no lugar da força-...
Defesa denuncia novo abuso: Moro produz provas contra Lula no lugar da força-...
Nossa Política
 
Caso Ricardinho - MPSC apresenta alegações finais
Caso Ricardinho - MPSC apresenta alegações finaisCaso Ricardinho - MPSC apresenta alegações finais
Caso Ricardinho - MPSC apresenta alegações finais
Ministério Público de Santa Catarina
 
Resumo 1. 5. princípios constitucionais processuais
Resumo   1. 5. princípios constitucionais processuaisResumo   1. 5. princípios constitucionais processuais
Resumo 1. 5. princípios constitucionais processuais
vanessachamma
 
Conflito de competencia
Conflito de competenciaConflito de competencia
Conflito de competencia
Elano Lima
 
Resumo 1-5-princpiosconstitucionaisprocessuais-110830155145-phpapp01
Resumo 1-5-princpiosconstitucionaisprocessuais-110830155145-phpapp01Resumo 1-5-princpiosconstitucionaisprocessuais-110830155145-phpapp01
Resumo 1-5-princpiosconstitucionaisprocessuais-110830155145-phpapp01
Henrique Araújo
 
Introdução_PP.pdf Direito Processual Constitucional
Introdução_PP.pdf Direito Processual ConstitucionalIntrodução_PP.pdf Direito Processual Constitucional
Introdução_PP.pdf Direito Processual Constitucional
AlexandreArruda33
 
Lei maria-penha
Lei maria-penhaLei maria-penha
Lei maria-penha
Luiz Capuano
 
A nova interpretação do princípio da proibição da prova ilícita
A nova interpretação do princípio da proibição da prova ilícitaA nova interpretação do princípio da proibição da prova ilícita
A nova interpretação do princípio da proibição da prova ilícita
Pedro Trassantes
 

Semelhante a In dubio pro reu2 (20)

Habeas corpus de Henrique Alves: 0805054-39.2017.4.05.0000
Habeas corpus de Henrique Alves: 0805054-39.2017.4.05.0000Habeas corpus de Henrique Alves: 0805054-39.2017.4.05.0000
Habeas corpus de Henrique Alves: 0805054-39.2017.4.05.0000
 
Excelentíssimo senhor desembargador presidente do tribunal de justiça do esta...
Excelentíssimo senhor desembargador presidente do tribunal de justiça do esta...Excelentíssimo senhor desembargador presidente do tribunal de justiça do esta...
Excelentíssimo senhor desembargador presidente do tribunal de justiça do esta...
 
Decisão sobre habeas corpus STF
Decisão sobre habeas corpus STFDecisão sobre habeas corpus STF
Decisão sobre habeas corpus STF
 
1 conceito de processo penal principios
1 conceito de processo penal   principios1 conceito de processo penal   principios
1 conceito de processo penal principios
 
Exceção de incompetência ação pena contra Lula
Exceção de incompetência ação pena contra Lula Exceção de incompetência ação pena contra Lula
Exceção de incompetência ação pena contra Lula
 
Operação Turbulência: STF concede liberdade a acusados
Operação Turbulência: STF concede liberdade a acusadosOperação Turbulência: STF concede liberdade a acusados
Operação Turbulência: STF concede liberdade a acusados
 
Graça Defensoria Pública
Graça Defensoria PúblicaGraça Defensoria Pública
Graça Defensoria Pública
 
Gilmar Mendes manda soltar Paulo Preto, ex-diretor da Dersa
Gilmar Mendes manda soltar Paulo Preto, ex-diretor da DersaGilmar Mendes manda soltar Paulo Preto, ex-diretor da Dersa
Gilmar Mendes manda soltar Paulo Preto, ex-diretor da Dersa
 
02. memoriais
02. memoriais02. memoriais
02. memoriais
 
3437 13089-1-pb
3437 13089-1-pb3437 13089-1-pb
3437 13089-1-pb
 
Med. Caut. Hc 100959 Stf
Med. Caut. Hc 100959 StfMed. Caut. Hc 100959 Stf
Med. Caut. Hc 100959 Stf
 
STF - Prisão preventiva - Excepcionalidade
STF - Prisão preventiva - ExcepcionalidadeSTF - Prisão preventiva - Excepcionalidade
STF - Prisão preventiva - Excepcionalidade
 
Defesa denuncia novo abuso: Moro produz provas contra Lula no lugar da força-...
Defesa denuncia novo abuso: Moro produz provas contra Lula no lugar da força-...Defesa denuncia novo abuso: Moro produz provas contra Lula no lugar da força-...
Defesa denuncia novo abuso: Moro produz provas contra Lula no lugar da força-...
 
Caso Ricardinho - MPSC apresenta alegações finais
Caso Ricardinho - MPSC apresenta alegações finaisCaso Ricardinho - MPSC apresenta alegações finais
Caso Ricardinho - MPSC apresenta alegações finais
 
Resumo 1. 5. princípios constitucionais processuais
Resumo   1. 5. princípios constitucionais processuaisResumo   1. 5. princípios constitucionais processuais
Resumo 1. 5. princípios constitucionais processuais
 
Conflito de competencia
Conflito de competenciaConflito de competencia
Conflito de competencia
 
Resumo 1-5-princpiosconstitucionaisprocessuais-110830155145-phpapp01
Resumo 1-5-princpiosconstitucionaisprocessuais-110830155145-phpapp01Resumo 1-5-princpiosconstitucionaisprocessuais-110830155145-phpapp01
Resumo 1-5-princpiosconstitucionaisprocessuais-110830155145-phpapp01
 
Introdução_PP.pdf Direito Processual Constitucional
Introdução_PP.pdf Direito Processual ConstitucionalIntrodução_PP.pdf Direito Processual Constitucional
Introdução_PP.pdf Direito Processual Constitucional
 
Lei maria-penha
Lei maria-penhaLei maria-penha
Lei maria-penha
 
A nova interpretação do princípio da proibição da prova ilícita
A nova interpretação do princípio da proibição da prova ilícitaA nova interpretação do princípio da proibição da prova ilícita
A nova interpretação do princípio da proibição da prova ilícita
 

In dubio pro reu2

  • 1. Disponibilização: Segunda-feira, 8 de Fevereiro de 2010 Diário da Justiça Eletrônico - Caderno Judicial - 1ª Instância - Interior - Parte III São Paulo, Ano III - Edição 649 1755 conceitos absolutos, dificilmente atingíveis, no processo ou fora dele”. (GRINOVER, Ada Pellegrini, A iniciativa instrutória do juiz no processo penal acusatório, Revista Forense, Rio de Janeiro, v. 347).O aplicador do direito utiliza-se dos estímulos sensoriais captados por outros indivíduos, bem como de elementos materiais trazidos pelos contendores, para a construção da verdade jurídica, o mais consentânea quanto possível com os fatos da vida.Entretanto, mesmo diante do conjunto probatório coligido no feito, há determinadas situações nas quais ao órgão julgador remanesce dúvida a respeito de determinado elemento constitutivo da figura delituosa descrita na denúncia.Dificuldade ainda maior se apresenta quando mencionada hesitação recai sobre a própria caracterização do fato criminoso ou sobre a autoria delitiva, isto é, sobre a existência da ação típica, antijurídica e culpável ou sobre sua imputação a determinado agente.Ante estas situações, os ordenamentos jurídicos penais tem adotado posição uniforme, pela aplicação do princípio do in dubio pro reo, como corolário do princípio da presunção de inocência. Os princípios da presunção de inocência e do in dubio pro reo não se confundem, nem são sinônimos. Pode-se, no entanto, estabelecer que o princípio in dubio pro reo é uma decorrência do princípio da presunção de inocência, bem como do princípio do favor rei que proclama que “no conflito entre o jus puniendi do Estado, por um lado, e o jus libertatis do acusado, por outro lado, a balança deve inclinar-se a favor deste último se se quiser assistir ao triunfo da liberdade.” (BETIOL apud TOURINHO FILHO, Fernando da Costa,. Processo Penal, 25ª ed., São Paulo, Saraiva, 2003, v. 1.2003, pág. 71). “O in dubio pro reo é o mesmo princípio do favor rei: na dúvida deve-se agir em favor do réu, ou seja, um princípio daí derivado o favor innocentiae, quer dizer a favor da inocência do réu, desde que não tenha sido provada sua culpabilidade, ou, ainda, que as provas trazidas aos autos não tenham o requisito de certeza para condenar. O princípio do in dúbio pro reo, que data dos romanos se lastreia na conhecida parêmia “Adore non probante, reus absolvitur”. Se o autor não provar, o réu é absolvido. Os fatos, na realidade, ou são ou não são. O mistério, a ignorância e a dúvida são nos homens imperfeições no apreender e interpretar a realidade. Assim, nem sempre o juiz tem segurança, certeza, a dúvida, no processo penal, leva à absolvição por insuficiência de provas. Não é a falta de provas, que é a prova negativa; é a prova incerta, não precisa, falha. O non liquet é a saida para evitar erros judiciários” (SZNICK, Valdir, Liberdade, prisão cautelar e temporária, Leud, 1994, pág. 68).O princípio da presunção de inocência encontra variações em sua definição, alguns o chamam de princípio do estado de inocência, sendo que a expressão mais utilizada atualmente é princípio da presunção constitucional de não-culpabilidade. A Convenção Americana de Direitos Humanos (Pacto de San José da Costa Rica), no Art. 8°, item 2, contempla o aludido mandamento, prescrevendo que “toda pessoa acusada de um delito tem direito a que se presuma sua inocência, enquanto não for legalmente comprovada sua culpa”.A Constituição da República, em disposição semelhante, preceitua, no Art. 5°, inciso LVII, que “ninguém será considerado culpado até o trânsito em julgado de sentença penal condenatória”.É forçoso reconhecer que a insuficiência de elementos de convicção aptos a demonstrar a materialidade ou a autoria deve resultar na prolação de sentença penal absolutória, visto que a condenação apenas poderá decorrer de provas suficientes à configuração da figura delituosa, bem como do nexo de imputação subjetiva.O Art. 386, inciso V, do Código de Processo Penal, com redação dada pela Lei 11.690, de 2008, consubstancia referida orientação, ao estatuir que “o juiz absolverá o réu, mencionando a causa na parte dispositiva, desde que reconheça: V - não existir prova de ter o réu concorrido para a infração penal”. Neste sentido ensina Theodomiro Dias Neto ao alertar que o “dever de apuração da verdade não fundamenta somente medidas jurídicas orientadas à condenação do culpado. É necessário ainda que se tomem precauções’ para proteger o inocente de acusações e condenações injustas. Em face da possibilidade sempre aberta do erro, os princípios humanistas de presunção de inocência e in dubio pro reo são pilastras de um procedimento penal orientados aos valores do Estado de Direito. Assume-se assim a possibilidade de absolvição do culpado face ao interesse maior de evitar a condenação do inocente...”: (NETO, Theodomiro Dias, O Direito ao silêncio: Tratamento nos Direitos Alemão e Norte-Americano, in Revista Brasileira de Ciências Criminais n° 1-9, IBCCrim, editora Revista dos Tribunais, pág. 180). Sendo a liberdade direito fundamental do ser humano, imprescindível à realização dos demais direitos garantidos pela Carta da República, somente pode ser cerceada quando ao Juiz seja possível, a partir da prova dos autos, convencer-se de que o réu seja o autor do delito, e que este realmente ocorreu tal como descrito na inicial acusatória. Nestes termos, a dúvida deve importar na manutenção do status libertatis do indivíduo, não sendo lícito, ao órgão julgador, imputar a determinado indivíduo os gravames oriundos da condenação criminal com base em suposições insuficientemente comprovadas.Assim entende a jurisprudência: “Tudo aquilo que oferece duas conclusões lógicas não permite ao Juiz Criminal a contrária ao réu, porque a condenação é fruto de prova induvidosa, já que o Estado não tem maior interesse na verificação da culpabilidade do que na verificação da inocência, como precedentemente afirmou Carrara.” (Revista dos Tribunais, vol. 524, pág. 449; rel. Lúcio Urbano).No mesmo sentido, julgado do Tribunal de Justiça de São Paulo: ... A contradição da prova impõe decreto absolutório. (...) Melhor a absolvição. Provimento para absolver com fundamento no art. 386,VI, do Código de Processo Penal, com expedição de alvará de soltura. (Apelação Criminal 4557913300, Relator Péricles Piza, 1ª Câmara de Direito Criminal, 28/06/2005).Ressalte-se que, em matéria penal, é tarefa da acusação, demonstrar, de modo contundente, a materialidade e a autoria do crime, cabendo ao réu, apenas, esquivar-se das imputações sobre ele lançadas. Assim, diante da ausência de material probatório suficiente para convencer o Juiz a respeito da ocorrência de determinado fato punível ou de quem seja o seu autor, resolve-se o processo em favor do acusado.No caso vertente, as provas colacionadas ao longo da instrução criminal não tem o condão de alicerçar, suficientemente, convicção no sentido do envolvimento dos agentes no delito que lhes são imputados.Em suma, diante da contradição das provas colhidas nos autos, resolve-se o processo em favor dos réus.Ante o exposto, julgo IMPROCEDENTES as pretensões punitivas deduzida em Juízo contra ELAINE DO CARMO, qualificada em fls. 25, e ROBERTO MARCOLINO, qualificado em fls. 31, como incursos nas penas do Art. 155, §4º, incisos II e IV, do Código Penal, para ABOLVÊ-LOS com fundamento no Art. 386, inciso V, do Código de Processo Penal. Publique-se, registre-se e intimem-se. ADV. JOÃO RICARDO DE CAMARGO OAB/SP 115.263, GUILHERME HENRIQUES OAB/SP 289.089, HELENA POPPER OAB/RJ 127.347, BRUNA TOIGO OAB/SP 288.927 PROC. 373/09 PROCESSO CRIME JUSTIÇA PÚBLICA X ANDERSON SANTOS PINHEIRO DE JESUS e PETERSON ALVES DOS SANTOS Fls. 117/117vº: Ante a tempestividade, recebo os Embargos. Não há omissão na sentença. Na fundamentação da r. sentença ficou claro que apenas o roubo praticado contra a vítima Matheus foi procedente. Ademais, na dosimetria da pena, só foi considerado único roubo, não havendo nenhuma menção ao concurso material de crimes. Além disso, no dispositivo constou expressamente que o pedido inicial foi julgado parcialmente procedente.Assim, não há omissões. O embargante pretende, em verdade, o efeito modificativo da sentença, o que é vedado na seara dos embargos. Ante o exposto, no mérito REJEITO OS EMBARGOS. P.R.I.ADV. RICARDO CORSINE OAB/SP 228.755, RICARDO JOSÉ PEREIRA OAB/SP 137.655 PROC. 624/09 PROCESSO CRIME JUSTIÇA PÚBLICA X CICERO LIRA FEITOSA O defensor do réu deverá providenciar à apresentação de memoriais, dentro do prazo legal.ADV. NELSON MINORU OKA OAB/SP 110.462 PROC. 633/09 PROCESSO CRIME JUSTIÇA PÚBLICA X WAGNER DONATO DA SILVA Fls. 199/200: Vistos. O pedido de liberdade provisória é de ser indeferido. De fato, há prova da existência do crime, conforme se vê no auto de prisão em flagrante Publicação Oficial do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo - Lei Federal nº 11.419/06, art. 4º