SlideShare uma empresa Scribd logo
A definição mais difundida é dada pela OMS:
Saúde é um estado de completo bem-estar físico, mental
e social, e não apenas a ausência de doenças.
 Definição mais atual:
 A medida em que um indivíduo ou grupo é capaz, por
 um lado, de realizar aspirações e satisfazer
 necessidades e, por outro, de lidar com o meio
 ambiente.

 A saúde é, portanto, vista como:
 um recurso para a vida diária, não o objetivo dela; abranger os
 recursos sociais e pessoais, bem como as capacidades físicas, é
 um conceito positivo.
DETERMINANTES DA SAÚDE
Incluem o ambiente social e econômico, o ambiente físico e as
características e comportamentos individuais da pessoa.Em
geral, o contexto em que um indivíduo vive é de grande
importância na sua qualidade de vida e em seu estado de saúde.
É o número de anos que se calcula que
um recém-nascido pode viver caso as
taxas de mortalidade registradas da
população residente, no ano de seu
nascimento, permaneçam as mesmas
ao longo de sua vida. A mesma fórmula
é utilizada para o cálculo de sobrevida
de uma pessoa aos 60 anos, por
exemplo.
EXPECTATIVA DE VIDA NO MUNDO




            fonte: http://www.infoescola.com/demografia/expectativa-de-vida/
Segundo dados do IBGE, a expectativa de vida ao nascer, em nível
mundial, para 2008 foi estimada em 67,2 anos. De acordo com esse
relatório, no Brasil, a expectativa de vida ao nascer (2008) é de 72, 8
anos (sendo 76,7 anos para as mulheres e 69,1 anos para os
homens).

   O Brasil ocupa a 87ª posição entre os países, quanto a
expectativa de vida ao nascer. O país com maior expectativa de vida
é o Japão (82,6 anos), e o país no qual a expectativa é menor (39,60)
é a Suazelândia, país localizado no interior da África, entre
Moçambique (penúltimo país no ranking, no qual a expectativa é de
42,10 anos) e a África do Sul (expectativa de 49, 30 anos).
Vários fatores exercem influência direta na
expectativa de vida da população de um país:
saneamento básico, ambiental, alimentação, índice de
violência, poluição, serviços de saúde, educação, lazer,
entre outros.

O aumento da expectativa de vida está diretamente
associado à melhoria das condições de vida da
população.
 CONDIÇÕES : saneamento básico, alimentação, moradia,
 vestimentas, assistência médica e hospitalar, vacinas,
 remédios, lazer, ambiente não poluído, segurança , entre
 outros.
TIPOS DE DOENÇAS MAIS COMUNS NO BRASIL:

 Nos grandes centros urbanos:
a falta de exercícios físicos, o estresse, a poluição, a alimentação
rápida e rica em gordura e açúcar e o consumo excessivo de
bebidas alcoólicas e tabaco estão causando diversas doenças nos
brasileiros. Advindos destes problemas, são mais comuns, nos
grandes centros urbanos, doenças como o câncer, o diabetes e
doenças cardiovasculares.

 Na zona rural e nas periferias das grandes cidades: doenças
infecciosas e parasitárias, em função das péssimas condições de
higiene. A falta de água tratada e o deficiente sistema de esgoto
nas regiões norte e nordeste do Brasil tem sido a causa de várias
doenças, como, por exemplo: cólera, malária, diarréia
hanseníase e verminoses.
DOENÇAS NEGLIGENCIADAS
São aquelas que afetam diretamente as populações mais pobres dos países
menos desenvolvidos, não sendo, portanto, mercado lucrativo para as
empresas farmacêuticas.
EXEMPLOS: DOENÇA DE CHAGAS, MALÁRIA, FILARIOSE, DENGUE, FEBRE
AMARELA, TUBERCULOSE, HANSENÍASE.


DOENÇAS EMERGENTES
 São doenças que surgiram em decorrência das mudanças no comportamento
 humano e nas alterações provocadas pelo Homem nos ambientes naturais.
 EXEMPLOS: SARS(síndrome, respiratória aguda grave), DOENÇA DA VACA
 LOUCA (encefalopatia espongiforme bovina) e a GRIPE AVIÁRIA (causada pelo
 vírus H5N1).

 Algumas bactérias tornaram-se resistentes, como          Mycobacterium -
 tuberculose e Staphylococcus – vários tipos de infecção.
 Pressão demográfica e expansão humana – Síndromes hemorrágicas, como as
 causadas pelo vírus Ebola.
PNUD – PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O
DESENVOLVIMENTO
MEDIDAS DO DESENVOLVIMENTO DE UMA REGIÃO: de 0 a 1
 São considerados:

 Indicadores de expectativa de vida
 Taxa de natalidade
 Taxa de mortalidade
 Grau de escolaridade
 Condições médico-sanitárias
 Rendimento econômico

  BRASIL (2009) : IDH 0,813

      75º lugar, em um ranking de 182 países
São doenças causadas
       por diferentes vermes
       parasitas     que      se
       instalam no organismo
       do hospedeiro. Em
       geral, eles se alojam
       nos intestinos, mas
       podem          abrigar-se
       também em órgãos,
ascaridíase   (lombrigas),   teníase
       como
(solitária),      o ancilostomíase
                         fígado,
       pulmões e cérebro.
(amarelão),        esquistossomose
(barriga d água), bicho-geográfico,
filariose (elefantíase).
Sintomas
Os principais sintomas das verminoses são dores abdominais, náuseas, vômitos,
diarreia, falta de apetite, perda de peso, anemia, problemas respiratórios e, em
certas situações, comprometimento cerebral. No caso específico das lombrigas, a
proliferação desses vermes pode formar um novelo compacto e obstruir o intestino
ou mesmo a garganta, provocando asfixia e morte.

Diagnóstico
O exame de fezes é fundamental para identificar o tipo de verme causador da
doença. Às vezes, pode ser necessário realizar um exame de sangue para avaliar a
extensão da enfermidade.

Tratamento
Existem vermífugos específicos para o tratamento das verminoses. Alguns deles são
polivalentes, isto é, agem contra diversos tipos de vermes.

Prevenção
Saneamento básico, educação sanitária e hábitos simples de higiene pessoal e
familiar são elementos fundamentais para prevenir as verminoses.
                                                                                                     /
                                            http://drauziovarella.com.br/doencas-e-sintomas/verminoses
DOENÇA: AMARELÃO
VERME : Ancylostoma duodenale
DOENÇA: AMARELÃO
     VERME : Ancylostoma duodenale

Os vermes adultos vivem no intestino delgado do homem. Depois do acasalamento, os
ovos são expulsos com as fezes (a fêmea do Ancylostoma duodenale põe até 30 mil ovos
por dia).

Em condições favoráveis (solo quente e úmido), as larvas se desenvolvem dentro dos
ovos. Depois, eles eclodem e elas vão para o solo.

Quando os indivíduos andam descalços nestas áreas, as larvas penetram na pele,
migram para os capilares linfáticos da derme e, em seguida, passam para os capilares
sanguíneos, sendo levadas pela circulação até o coração e, finalmente, aos pulmões.

Depois, perfuram os capilares pulmonares e a parede dos alvéolos, migram pelos
bronquíolos e chegam à faringe. Em seguida, descem pelo esôfago e alcançam o
intestino delgado, onde se tornam adultas.
DOENÇA: Ascaridíase / Lombriga
VERME : Ascaris lumbricoides
DOENÇA: Ascaridíase (Lombriga)
        VERME : Ascaris lumbricoides
Uma pessoa contaminada elimina ovos de lombriga junto com suas fezes.

Ao ingerir água ou alimentos contaminado, cada ovo se rompe e libera uma larva dentro do
intestino humano.

Cada larva penetra no revestimento intestinal e cai na corrente sanguínea, atingindo fígado,
coração e pulmões, onde sofre algumas mudanças de cutícula e aumenta de tamanho.

Permanece nos alvéolos pulmonares podendo causar sintomas semelhantes ao de
pneumonia. Ao abandonar os alvéolos cada larva passa para os brônquios, traquéia, laringe
(onde provocam tosse com o movimento que executam) e faringe.

Em seguida, são deglutidas e atingem o intestino delgado, onde crescem e se transformam
em vermes adultos.
DOENÇA: Barriga d´água / Esquistossomose
VERME : Schistosoma mansoni
DOENÇA: Barriga d´água / Esquistossomose
VERME : Schistosoma mansoni

 Uma pessoa contaminada defeca em locais próximos a lagoas ou represas onde
 existam caramujos ( Biomphalaria ).

  Na água, os ovos liberam larvas chamadas miracídios,que nadam e penetram no
 corpo dos caramujos.

 Os caramujos atuam como hospedeiros intermediários porque neles ocorre a
 fase de reprodução assexuada dos miracídios. Assim, os caramujos eliminam na
 água milhares de larvas, chamadas cercárias.

  Se uma pessoa sadia nada ou coloca os pés da água contaminada, sente coceira,
 provocada pelas cercárias, que penetram pela sua pele e se instalam nas veias
 do mesentério intestinal, onde tornam-se adultas, reproduzindo-se
 sexuadamente. Por isso, o homem é considerado seu hospedeiro definitivo.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Slides infanto completo
Slides infanto completoSlides infanto completo
Slides infanto completo
Alinebrauna Brauna
 
Aula 2 Puberdade, hormônios e reprodução
Aula 2 Puberdade, hormônios e reproduçãoAula 2 Puberdade, hormônios e reprodução
Aula 2 Puberdade, hormônios e reprodução
Ana Filadelfi
 
Saúde Mental
Saúde MentalSaúde Mental
Saúde Mental
Rosemar Prota
 
Meio ambiente powerpoint
Meio ambiente powerpointMeio ambiente powerpoint
Meio ambiente powerpoint
Margarida Santos
 
Aula SUSTENTABILIDADE
Aula SUSTENTABILIDADEAula SUSTENTABILIDADE
Aula SUSTENTABILIDADE
DAIANE AZOLINI
 
Meio ambiente
Meio ambienteMeio ambiente
Meio ambiente
Edvaldo S. Júnior
 
Puberdade
PuberdadePuberdade
Impactos do homem sobre o meio ambiente
Impactos do homem sobre o meio ambienteImpactos do homem sobre o meio ambiente
Impactos do homem sobre o meio ambiente
laiszanatta
 
As drogas e seus efeitos
As drogas e seus efeitosAs drogas e seus efeitos
As drogas e seus efeitos
Alinebrauna Brauna
 
Drogas
DrogasDrogas
8 ano puberdade e adolescência
8 ano puberdade e adolescência8 ano puberdade e adolescência
8 ano puberdade e adolescência
Giselle Marques Goes
 
DST / IST - Infecções Sexualmente Transmissíves
DST / IST - Infecções Sexualmente TransmissívesDST / IST - Infecções Sexualmente Transmissíves
DST / IST - Infecções Sexualmente Transmissíves
Pibid Biologia Cejad
 
O que é qualidade de vida
O que é qualidade de vidaO que é qualidade de vida
O que é qualidade de vida
Fernanda Nascimento Nascimento
 
Alimentação Saudável
Alimentação SaudávelAlimentação Saudável
Alimentação Saudável
LiraIngrid
 
Genética
GenéticaGenética
Genética
Rebeca Vale
 
Transtornos alimentares
Transtornos alimentaresTranstornos alimentares
Transtornos alimentares
Caio Maximino
 
Aula 01 dst
Aula 01  dstAula 01  dst
Aula 01 dst
Alinebrauna Brauna
 
Depressão
DepressãoDepressão
Depressão
UNIME
 
Biodiversidade
BiodiversidadeBiodiversidade
Biodiversidade
PIBID Joel Job
 
Higiene e Saúde
Higiene e SaúdeHigiene e Saúde
Higiene e Saúde
Paulo Coelho
 

Mais procurados (20)

Slides infanto completo
Slides infanto completoSlides infanto completo
Slides infanto completo
 
Aula 2 Puberdade, hormônios e reprodução
Aula 2 Puberdade, hormônios e reproduçãoAula 2 Puberdade, hormônios e reprodução
Aula 2 Puberdade, hormônios e reprodução
 
Saúde Mental
Saúde MentalSaúde Mental
Saúde Mental
 
Meio ambiente powerpoint
Meio ambiente powerpointMeio ambiente powerpoint
Meio ambiente powerpoint
 
Aula SUSTENTABILIDADE
Aula SUSTENTABILIDADEAula SUSTENTABILIDADE
Aula SUSTENTABILIDADE
 
Meio ambiente
Meio ambienteMeio ambiente
Meio ambiente
 
Puberdade
PuberdadePuberdade
Puberdade
 
Impactos do homem sobre o meio ambiente
Impactos do homem sobre o meio ambienteImpactos do homem sobre o meio ambiente
Impactos do homem sobre o meio ambiente
 
As drogas e seus efeitos
As drogas e seus efeitosAs drogas e seus efeitos
As drogas e seus efeitos
 
Drogas
DrogasDrogas
Drogas
 
8 ano puberdade e adolescência
8 ano puberdade e adolescência8 ano puberdade e adolescência
8 ano puberdade e adolescência
 
DST / IST - Infecções Sexualmente Transmissíves
DST / IST - Infecções Sexualmente TransmissívesDST / IST - Infecções Sexualmente Transmissíves
DST / IST - Infecções Sexualmente Transmissíves
 
O que é qualidade de vida
O que é qualidade de vidaO que é qualidade de vida
O que é qualidade de vida
 
Alimentação Saudável
Alimentação SaudávelAlimentação Saudável
Alimentação Saudável
 
Genética
GenéticaGenética
Genética
 
Transtornos alimentares
Transtornos alimentaresTranstornos alimentares
Transtornos alimentares
 
Aula 01 dst
Aula 01  dstAula 01  dst
Aula 01 dst
 
Depressão
DepressãoDepressão
Depressão
 
Biodiversidade
BiodiversidadeBiodiversidade
Biodiversidade
 
Higiene e Saúde
Higiene e SaúdeHigiene e Saúde
Higiene e Saúde
 

Destaque

Medidas de acção para a promoção da saúde
Medidas de acção para a promoção da saúdeMedidas de acção para a promoção da saúde
Medidas de acção para a promoção da saúde
Patrícia Santos
 
1.2.determinantes da saúde
1.2.determinantes da saúde1.2.determinantes da saúde
1.2.determinantes da saúde
Maria Rocha R
 
Determinantes do nível de saúde individual e de saúde comunitária - estilos ...
Determinantes  do nível de saúde individual e de saúde comunitária - estilos ...Determinantes  do nível de saúde individual e de saúde comunitária - estilos ...
Determinantes do nível de saúde individual e de saúde comunitária - estilos ...
Cristina Couto Varela
 
Saude e qualidade de vida
Saude e qualidade de vidaSaude e qualidade de vida
Saude e qualidade de vida
Marcia Oliveira
 
Promoção da saude
Promoção da saudePromoção da saude
Promoção da saude
Catalin Danu
 
1.3.promoção da saúde
1.3.promoção da saúde1.3.promoção da saúde
1.3.promoção da saúde
Maria Rocha R
 
Medidas de Promoção da Saúde
Medidas de Promoção da SaúdeMedidas de Promoção da Saúde
Medidas de Promoção da Saúde
Gabriela Bruno
 
1.1 determinantes sociais-da-saude
1.1 determinantes sociais-da-saude1.1 determinantes sociais-da-saude
1.1 determinantes sociais-da-saude
Tereza Cristina
 
Qualidade de Vida
Qualidade de VidaQualidade de Vida
Qualidade de Vida
Primeiraestrela
 
Medidas de ação para a promoção da saúde
Medidas de ação para a promoção da saúdeMedidas de ação para a promoção da saúde
Medidas de ação para a promoção da saúde
novaisdias
 
Saúde individual e comunitária indicadores do estado de saúde da população
Saúde individual e comunitária indicadores do estado de saúde da populaçãoSaúde individual e comunitária indicadores do estado de saúde da população
Saúde individual e comunitária indicadores do estado de saúde da população
Patrícia Santos
 
Slide de saúde
Slide de saúdeSlide de saúde
Slide de saúde
camilladossantos4001
 
HáBitos De Vida SaudáVeis
HáBitos De Vida SaudáVeisHáBitos De Vida SaudáVeis
HáBitos De Vida SaudáVeis
Deugu
 
Saúde coletiva - POLÍTICA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA SAÚDE
Saúde coletiva - POLÍTICA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA SAÚDESaúde coletiva - POLÍTICA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA SAÚDE
Saúde coletiva - POLÍTICA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA SAÚDE
Andressa Carmo
 
Estilo de Vida Saudavel
Estilo de Vida SaudavelEstilo de Vida Saudavel
Estilo de Vida Saudavel
Tatiana Acioli
 
Trabalhos associados a um estilo de vida saudável
Trabalhos associados a um estilo de vida saudávelTrabalhos associados a um estilo de vida saudável
Trabalhos associados a um estilo de vida saudável
Adriana Duarte
 
Política nacional de promoção da saúde trabalho pronto
Política nacional de promoção da saúde trabalho prontoPolítica nacional de promoção da saúde trabalho pronto
Política nacional de promoção da saúde trabalho pronto
samuelcostaful
 
Estilos de vida saudáveis
Estilos de vida saudáveisEstilos de vida saudáveis
Estilos de vida saudáveis
jdjoana
 
Promoção da saúde
Promoção da saúdePromoção da saúde
Promoção da saúde
marco :)
 
Saúde individual e comunitaria
Saúde individual e comunitariaSaúde individual e comunitaria
Saúde individual e comunitaria
Nuno Pinto
 

Destaque (20)

Medidas de acção para a promoção da saúde
Medidas de acção para a promoção da saúdeMedidas de acção para a promoção da saúde
Medidas de acção para a promoção da saúde
 
1.2.determinantes da saúde
1.2.determinantes da saúde1.2.determinantes da saúde
1.2.determinantes da saúde
 
Determinantes do nível de saúde individual e de saúde comunitária - estilos ...
Determinantes  do nível de saúde individual e de saúde comunitária - estilos ...Determinantes  do nível de saúde individual e de saúde comunitária - estilos ...
Determinantes do nível de saúde individual e de saúde comunitária - estilos ...
 
Saude e qualidade de vida
Saude e qualidade de vidaSaude e qualidade de vida
Saude e qualidade de vida
 
Promoção da saude
Promoção da saudePromoção da saude
Promoção da saude
 
1.3.promoção da saúde
1.3.promoção da saúde1.3.promoção da saúde
1.3.promoção da saúde
 
Medidas de Promoção da Saúde
Medidas de Promoção da SaúdeMedidas de Promoção da Saúde
Medidas de Promoção da Saúde
 
1.1 determinantes sociais-da-saude
1.1 determinantes sociais-da-saude1.1 determinantes sociais-da-saude
1.1 determinantes sociais-da-saude
 
Qualidade de Vida
Qualidade de VidaQualidade de Vida
Qualidade de Vida
 
Medidas de ação para a promoção da saúde
Medidas de ação para a promoção da saúdeMedidas de ação para a promoção da saúde
Medidas de ação para a promoção da saúde
 
Saúde individual e comunitária indicadores do estado de saúde da população
Saúde individual e comunitária indicadores do estado de saúde da populaçãoSaúde individual e comunitária indicadores do estado de saúde da população
Saúde individual e comunitária indicadores do estado de saúde da população
 
Slide de saúde
Slide de saúdeSlide de saúde
Slide de saúde
 
HáBitos De Vida SaudáVeis
HáBitos De Vida SaudáVeisHáBitos De Vida SaudáVeis
HáBitos De Vida SaudáVeis
 
Saúde coletiva - POLÍTICA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA SAÚDE
Saúde coletiva - POLÍTICA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA SAÚDESaúde coletiva - POLÍTICA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA SAÚDE
Saúde coletiva - POLÍTICA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA SAÚDE
 
Estilo de Vida Saudavel
Estilo de Vida SaudavelEstilo de Vida Saudavel
Estilo de Vida Saudavel
 
Trabalhos associados a um estilo de vida saudável
Trabalhos associados a um estilo de vida saudávelTrabalhos associados a um estilo de vida saudável
Trabalhos associados a um estilo de vida saudável
 
Política nacional de promoção da saúde trabalho pronto
Política nacional de promoção da saúde trabalho prontoPolítica nacional de promoção da saúde trabalho pronto
Política nacional de promoção da saúde trabalho pronto
 
Estilos de vida saudáveis
Estilos de vida saudáveisEstilos de vida saudáveis
Estilos de vida saudáveis
 
Promoção da saúde
Promoção da saúdePromoção da saúde
Promoção da saúde
 
Saúde individual e comunitaria
Saúde individual e comunitariaSaúde individual e comunitaria
Saúde individual e comunitaria
 

Semelhante a Saúde e qualidade de vida

doenças
  doenças  doenças
Slide 06 out 2019
Slide 06 out 2019Slide 06 out 2019
Slide 06 out 2019
Érica Moreira Nascimento
 
Doenças tropicais
Doenças tropicaisDoenças tropicais
Doenças tropicais
URCA
 
Esquistossomose
EsquistossomoseEsquistossomose
Esquistossomose
3a2011
 
Aula de Parasitologia Médica sobre Esquistossomose
Aula de Parasitologia Médica sobre EsquistossomoseAula de Parasitologia Médica sobre Esquistossomose
Aula de Parasitologia Médica sobre Esquistossomose
Jaqueline Almeida
 
AMEBIASE E GIARDIASE (AULA 1).ppt
AMEBIASE E GIARDIASE (AULA 1).pptAMEBIASE E GIARDIASE (AULA 1).ppt
AMEBIASE E GIARDIASE (AULA 1).ppt
dirleyvalderez1
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
professorbevilacqua
 
Epidemiol..
Epidemiol..Epidemiol..
Epidemiol..
Thúlio Bezerra
 
Epidemiol..
Epidemiol..Epidemiol..
Epidemiol..
Thúlio Bezerra
 
PARASITOLOGIA.pdf
PARASITOLOGIA.pdfPARASITOLOGIA.pdf
PARASITOLOGIA.pdf
pablocristianodemora
 
Doenças transmitidas por vetores.pptx
Doenças transmitidas por vetores.pptxDoenças transmitidas por vetores.pptx
Doenças transmitidas por vetores.pptx
LauraMarques72
 
Microbiologia 26.11.2022.pptx
Microbiologia 26.11.2022.pptxMicrobiologia 26.11.2022.pptx
Microbiologia 26.11.2022.pptx
KarolynNunes
 
Aula 9 - Doenças Transmitidas Por Vetores.pdf
Aula 9 - Doenças Transmitidas Por Vetores.pdfAula 9 - Doenças Transmitidas Por Vetores.pdf
Aula 9 - Doenças Transmitidas Por Vetores.pdf
Giza Carla Nitz
 
Doencas emergentes e reemergentes 2008-novo
Doencas emergentes e reemergentes 2008-novoDoencas emergentes e reemergentes 2008-novo
Doencas emergentes e reemergentes 2008-novo
bhbiohorrores
 
CN - INDICADORES DO ESTADO DE SAUDE
CN - INDICADORES DO ESTADO DE SAUDECN - INDICADORES DO ESTADO DE SAUDE
CN - INDICADORES DO ESTADO DE SAUDE
Luís Ferreira
 
Especialidade de animais nocivos
Especialidade de animais nocivosEspecialidade de animais nocivos
Especialidade de animais nocivos
Ed Wilson Santos
 
O conceito de saúde única. Os efeitos da fragmentação do habitat na Guiné-B...
O conceito de saúde única. Os efeitos da fragmentação do habitat na Guiné-B...O conceito de saúde única. Os efeitos da fragmentação do habitat na Guiné-B...
O conceito de saúde única. Os efeitos da fragmentação do habitat na Guiné-B...
Rui Sá
 
Parasitologia. O que é, parasitas e formas de transmissão
Parasitologia. O que é, parasitas e formas de transmissãoParasitologia. O que é, parasitas e formas de transmissão
Parasitologia. O que é, parasitas e formas de transmissão
IsadoraPereira32
 
Parasitologia.pptx
Parasitologia.pptxParasitologia.pptx
Parasitologia.pptx
IsadoraPereira32
 
Ancilostomose
AncilostomoseAncilostomose
Ancilostomose
crishmuler
 

Semelhante a Saúde e qualidade de vida (20)

doenças
  doenças  doenças
doenças
 
Slide 06 out 2019
Slide 06 out 2019Slide 06 out 2019
Slide 06 out 2019
 
Doenças tropicais
Doenças tropicaisDoenças tropicais
Doenças tropicais
 
Esquistossomose
EsquistossomoseEsquistossomose
Esquistossomose
 
Aula de Parasitologia Médica sobre Esquistossomose
Aula de Parasitologia Médica sobre EsquistossomoseAula de Parasitologia Médica sobre Esquistossomose
Aula de Parasitologia Médica sobre Esquistossomose
 
AMEBIASE E GIARDIASE (AULA 1).ppt
AMEBIASE E GIARDIASE (AULA 1).pptAMEBIASE E GIARDIASE (AULA 1).ppt
AMEBIASE E GIARDIASE (AULA 1).ppt
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
 
Epidemiol..
Epidemiol..Epidemiol..
Epidemiol..
 
Epidemiol..
Epidemiol..Epidemiol..
Epidemiol..
 
PARASITOLOGIA.pdf
PARASITOLOGIA.pdfPARASITOLOGIA.pdf
PARASITOLOGIA.pdf
 
Doenças transmitidas por vetores.pptx
Doenças transmitidas por vetores.pptxDoenças transmitidas por vetores.pptx
Doenças transmitidas por vetores.pptx
 
Microbiologia 26.11.2022.pptx
Microbiologia 26.11.2022.pptxMicrobiologia 26.11.2022.pptx
Microbiologia 26.11.2022.pptx
 
Aula 9 - Doenças Transmitidas Por Vetores.pdf
Aula 9 - Doenças Transmitidas Por Vetores.pdfAula 9 - Doenças Transmitidas Por Vetores.pdf
Aula 9 - Doenças Transmitidas Por Vetores.pdf
 
Doencas emergentes e reemergentes 2008-novo
Doencas emergentes e reemergentes 2008-novoDoencas emergentes e reemergentes 2008-novo
Doencas emergentes e reemergentes 2008-novo
 
CN - INDICADORES DO ESTADO DE SAUDE
CN - INDICADORES DO ESTADO DE SAUDECN - INDICADORES DO ESTADO DE SAUDE
CN - INDICADORES DO ESTADO DE SAUDE
 
Especialidade de animais nocivos
Especialidade de animais nocivosEspecialidade de animais nocivos
Especialidade de animais nocivos
 
O conceito de saúde única. Os efeitos da fragmentação do habitat na Guiné-B...
O conceito de saúde única. Os efeitos da fragmentação do habitat na Guiné-B...O conceito de saúde única. Os efeitos da fragmentação do habitat na Guiné-B...
O conceito de saúde única. Os efeitos da fragmentação do habitat na Guiné-B...
 
Parasitologia. O que é, parasitas e formas de transmissão
Parasitologia. O que é, parasitas e formas de transmissãoParasitologia. O que é, parasitas e formas de transmissão
Parasitologia. O que é, parasitas e formas de transmissão
 
Parasitologia.pptx
Parasitologia.pptxParasitologia.pptx
Parasitologia.pptx
 
Ancilostomose
AncilostomoseAncilostomose
Ancilostomose
 

Mais de mainamgar

Avaliação orientações teórico -metodológicas
Avaliação   orientações teórico -metodológicasAvaliação   orientações teórico -metodológicas
Avaliação orientações teórico -metodológicas
mainamgar
 
Eliminação adiada
Eliminação adiadaEliminação adiada
Eliminação adiada
mainamgar
 
Núcleo celular
Núcleo celularNúcleo celular
Núcleo celular
mainamgar
 
Organelas celulares
Organelas celularesOrganelas celulares
Organelas celulares
mainamgar
 
Exemplos de células
Exemplos de célulasExemplos de células
Exemplos de células
mainamgar
 
A primeira lei de mendel
A primeira lei de mendelA primeira lei de mendel
A primeira lei de mendel
mainamgar
 
Conceitos em genética
Conceitos em genéticaConceitos em genética
Conceitos em genética
mainamgar
 
Citologia introdução-histórico
Citologia   introdução-históricoCitologia   introdução-histórico
Citologia introdução-histórico
mainamgar
 
Biotecnologia III
Biotecnologia IIIBiotecnologia III
Biotecnologia III
mainamgar
 
Biotecnologia II
Biotecnologia IIBiotecnologia II
Biotecnologia II
mainamgar
 
Biotecnologia I
Biotecnologia IBiotecnologia I
Biotecnologia I
mainamgar
 
Princípios da educação inclusiva
Princípios da educação inclusivaPrincípios da educação inclusiva
Princípios da educação inclusiva
mainamgar
 
Reprodução humana
Reprodução humanaReprodução humana
Reprodução humana
mainamgar
 
Poluição do ar
Poluição do arPoluição do ar
Poluição do ar
mainamgar
 
Parasitismo
ParasitismoParasitismo
Parasitismo
mainamgar
 
Interações biológicas nos ecossistemas (2)
Interações biológicas nos ecossistemas (2)Interações biológicas nos ecossistemas (2)
Interações biológicas nos ecossistemas (2)
mainamgar
 
Ciclos biogeoquímicos
Ciclos biogeoquímicosCiclos biogeoquímicos
Ciclos biogeoquímicos
mainamgar
 
Biologia introdução
Biologia introduçãoBiologia introdução
Biologia introdução
mainamgar
 
Energia e matéria nos ecossistemas
Energia e matéria nos ecossistemasEnergia e matéria nos ecossistemas
Energia e matéria nos ecossistemas
mainamgar
 

Mais de mainamgar (19)

Avaliação orientações teórico -metodológicas
Avaliação   orientações teórico -metodológicasAvaliação   orientações teórico -metodológicas
Avaliação orientações teórico -metodológicas
 
Eliminação adiada
Eliminação adiadaEliminação adiada
Eliminação adiada
 
Núcleo celular
Núcleo celularNúcleo celular
Núcleo celular
 
Organelas celulares
Organelas celularesOrganelas celulares
Organelas celulares
 
Exemplos de células
Exemplos de célulasExemplos de células
Exemplos de células
 
A primeira lei de mendel
A primeira lei de mendelA primeira lei de mendel
A primeira lei de mendel
 
Conceitos em genética
Conceitos em genéticaConceitos em genética
Conceitos em genética
 
Citologia introdução-histórico
Citologia   introdução-históricoCitologia   introdução-histórico
Citologia introdução-histórico
 
Biotecnologia III
Biotecnologia IIIBiotecnologia III
Biotecnologia III
 
Biotecnologia II
Biotecnologia IIBiotecnologia II
Biotecnologia II
 
Biotecnologia I
Biotecnologia IBiotecnologia I
Biotecnologia I
 
Princípios da educação inclusiva
Princípios da educação inclusivaPrincípios da educação inclusiva
Princípios da educação inclusiva
 
Reprodução humana
Reprodução humanaReprodução humana
Reprodução humana
 
Poluição do ar
Poluição do arPoluição do ar
Poluição do ar
 
Parasitismo
ParasitismoParasitismo
Parasitismo
 
Interações biológicas nos ecossistemas (2)
Interações biológicas nos ecossistemas (2)Interações biológicas nos ecossistemas (2)
Interações biológicas nos ecossistemas (2)
 
Ciclos biogeoquímicos
Ciclos biogeoquímicosCiclos biogeoquímicos
Ciclos biogeoquímicos
 
Biologia introdução
Biologia introduçãoBiologia introdução
Biologia introdução
 
Energia e matéria nos ecossistemas
Energia e matéria nos ecossistemasEnergia e matéria nos ecossistemas
Energia e matéria nos ecossistemas
 

Saúde e qualidade de vida

  • 1.
  • 2. A definição mais difundida é dada pela OMS: Saúde é um estado de completo bem-estar físico, mental e social, e não apenas a ausência de doenças. Definição mais atual: A medida em que um indivíduo ou grupo é capaz, por um lado, de realizar aspirações e satisfazer necessidades e, por outro, de lidar com o meio ambiente. A saúde é, portanto, vista como: um recurso para a vida diária, não o objetivo dela; abranger os recursos sociais e pessoais, bem como as capacidades físicas, é um conceito positivo.
  • 3. DETERMINANTES DA SAÚDE Incluem o ambiente social e econômico, o ambiente físico e as características e comportamentos individuais da pessoa.Em geral, o contexto em que um indivíduo vive é de grande importância na sua qualidade de vida e em seu estado de saúde.
  • 4. É o número de anos que se calcula que um recém-nascido pode viver caso as taxas de mortalidade registradas da população residente, no ano de seu nascimento, permaneçam as mesmas ao longo de sua vida. A mesma fórmula é utilizada para o cálculo de sobrevida de uma pessoa aos 60 anos, por exemplo.
  • 5. EXPECTATIVA DE VIDA NO MUNDO fonte: http://www.infoescola.com/demografia/expectativa-de-vida/
  • 6. Segundo dados do IBGE, a expectativa de vida ao nascer, em nível mundial, para 2008 foi estimada em 67,2 anos. De acordo com esse relatório, no Brasil, a expectativa de vida ao nascer (2008) é de 72, 8 anos (sendo 76,7 anos para as mulheres e 69,1 anos para os homens). O Brasil ocupa a 87ª posição entre os países, quanto a expectativa de vida ao nascer. O país com maior expectativa de vida é o Japão (82,6 anos), e o país no qual a expectativa é menor (39,60) é a Suazelândia, país localizado no interior da África, entre Moçambique (penúltimo país no ranking, no qual a expectativa é de 42,10 anos) e a África do Sul (expectativa de 49, 30 anos).
  • 7. Vários fatores exercem influência direta na expectativa de vida da população de um país: saneamento básico, ambiental, alimentação, índice de violência, poluição, serviços de saúde, educação, lazer, entre outros. O aumento da expectativa de vida está diretamente associado à melhoria das condições de vida da população. CONDIÇÕES : saneamento básico, alimentação, moradia, vestimentas, assistência médica e hospitalar, vacinas, remédios, lazer, ambiente não poluído, segurança , entre outros.
  • 8. TIPOS DE DOENÇAS MAIS COMUNS NO BRASIL:  Nos grandes centros urbanos: a falta de exercícios físicos, o estresse, a poluição, a alimentação rápida e rica em gordura e açúcar e o consumo excessivo de bebidas alcoólicas e tabaco estão causando diversas doenças nos brasileiros. Advindos destes problemas, são mais comuns, nos grandes centros urbanos, doenças como o câncer, o diabetes e doenças cardiovasculares.  Na zona rural e nas periferias das grandes cidades: doenças infecciosas e parasitárias, em função das péssimas condições de higiene. A falta de água tratada e o deficiente sistema de esgoto nas regiões norte e nordeste do Brasil tem sido a causa de várias doenças, como, por exemplo: cólera, malária, diarréia hanseníase e verminoses.
  • 9. DOENÇAS NEGLIGENCIADAS São aquelas que afetam diretamente as populações mais pobres dos países menos desenvolvidos, não sendo, portanto, mercado lucrativo para as empresas farmacêuticas. EXEMPLOS: DOENÇA DE CHAGAS, MALÁRIA, FILARIOSE, DENGUE, FEBRE AMARELA, TUBERCULOSE, HANSENÍASE. DOENÇAS EMERGENTES São doenças que surgiram em decorrência das mudanças no comportamento humano e nas alterações provocadas pelo Homem nos ambientes naturais. EXEMPLOS: SARS(síndrome, respiratória aguda grave), DOENÇA DA VACA LOUCA (encefalopatia espongiforme bovina) e a GRIPE AVIÁRIA (causada pelo vírus H5N1). Algumas bactérias tornaram-se resistentes, como Mycobacterium - tuberculose e Staphylococcus – vários tipos de infecção. Pressão demográfica e expansão humana – Síndromes hemorrágicas, como as causadas pelo vírus Ebola.
  • 10. PNUD – PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO MEDIDAS DO DESENVOLVIMENTO DE UMA REGIÃO: de 0 a 1 São considerados: Indicadores de expectativa de vida Taxa de natalidade Taxa de mortalidade Grau de escolaridade Condições médico-sanitárias Rendimento econômico BRASIL (2009) : IDH 0,813  75º lugar, em um ranking de 182 países
  • 11. São doenças causadas por diferentes vermes parasitas que se instalam no organismo do hospedeiro. Em geral, eles se alojam nos intestinos, mas podem abrigar-se também em órgãos, ascaridíase (lombrigas), teníase como (solitária), o ancilostomíase fígado, pulmões e cérebro. (amarelão), esquistossomose (barriga d água), bicho-geográfico, filariose (elefantíase).
  • 12. Sintomas Os principais sintomas das verminoses são dores abdominais, náuseas, vômitos, diarreia, falta de apetite, perda de peso, anemia, problemas respiratórios e, em certas situações, comprometimento cerebral. No caso específico das lombrigas, a proliferação desses vermes pode formar um novelo compacto e obstruir o intestino ou mesmo a garganta, provocando asfixia e morte. Diagnóstico O exame de fezes é fundamental para identificar o tipo de verme causador da doença. Às vezes, pode ser necessário realizar um exame de sangue para avaliar a extensão da enfermidade. Tratamento Existem vermífugos específicos para o tratamento das verminoses. Alguns deles são polivalentes, isto é, agem contra diversos tipos de vermes. Prevenção Saneamento básico, educação sanitária e hábitos simples de higiene pessoal e familiar são elementos fundamentais para prevenir as verminoses. / http://drauziovarella.com.br/doencas-e-sintomas/verminoses
  • 13. DOENÇA: AMARELÃO VERME : Ancylostoma duodenale
  • 14. DOENÇA: AMARELÃO VERME : Ancylostoma duodenale Os vermes adultos vivem no intestino delgado do homem. Depois do acasalamento, os ovos são expulsos com as fezes (a fêmea do Ancylostoma duodenale põe até 30 mil ovos por dia). Em condições favoráveis (solo quente e úmido), as larvas se desenvolvem dentro dos ovos. Depois, eles eclodem e elas vão para o solo. Quando os indivíduos andam descalços nestas áreas, as larvas penetram na pele, migram para os capilares linfáticos da derme e, em seguida, passam para os capilares sanguíneos, sendo levadas pela circulação até o coração e, finalmente, aos pulmões. Depois, perfuram os capilares pulmonares e a parede dos alvéolos, migram pelos bronquíolos e chegam à faringe. Em seguida, descem pelo esôfago e alcançam o intestino delgado, onde se tornam adultas.
  • 15. DOENÇA: Ascaridíase / Lombriga VERME : Ascaris lumbricoides
  • 16. DOENÇA: Ascaridíase (Lombriga) VERME : Ascaris lumbricoides Uma pessoa contaminada elimina ovos de lombriga junto com suas fezes. Ao ingerir água ou alimentos contaminado, cada ovo se rompe e libera uma larva dentro do intestino humano. Cada larva penetra no revestimento intestinal e cai na corrente sanguínea, atingindo fígado, coração e pulmões, onde sofre algumas mudanças de cutícula e aumenta de tamanho. Permanece nos alvéolos pulmonares podendo causar sintomas semelhantes ao de pneumonia. Ao abandonar os alvéolos cada larva passa para os brônquios, traquéia, laringe (onde provocam tosse com o movimento que executam) e faringe. Em seguida, são deglutidas e atingem o intestino delgado, onde crescem e se transformam em vermes adultos.
  • 17. DOENÇA: Barriga d´água / Esquistossomose VERME : Schistosoma mansoni
  • 18. DOENÇA: Barriga d´água / Esquistossomose VERME : Schistosoma mansoni Uma pessoa contaminada defeca em locais próximos a lagoas ou represas onde existam caramujos ( Biomphalaria ). Na água, os ovos liberam larvas chamadas miracídios,que nadam e penetram no corpo dos caramujos. Os caramujos atuam como hospedeiros intermediários porque neles ocorre a fase de reprodução assexuada dos miracídios. Assim, os caramujos eliminam na água milhares de larvas, chamadas cercárias. Se uma pessoa sadia nada ou coloca os pés da água contaminada, sente coceira, provocada pelas cercárias, que penetram pela sua pele e se instalam nas veias do mesentério intestinal, onde tornam-se adultas, reproduzindo-se sexuadamente. Por isso, o homem é considerado seu hospedeiro definitivo.