SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 41
Roteiros para o ensino e a pesquisa
de gêneros textuais e hipertextuais
Prof. Thiago Eugênio
ARGUMENTO
Este minicurso tem por objetivo apresentar um estudo sobre os Gêneros
Textuais, a partir de uma perspectiva bakhtiniana. Serão analisados
gêneros hipertextuais como memes, twites, "textões", postagens e comentários
em redes sociais em diálogo com textos produzidos nos suportes impressos. Os exercícios de análise
serão realizados tanto pelo enfoque pedagógico, voltado para o ensino, quanto pela abordagem
teórica, voltada para a pesquisa científica.
CENAS
•CENA 1 – A teoria bakhtiniana e os desdobramentos
pedagógicos.
•CENA 2 – A apropriação dos gêneros discursivos por autores
brasileiros: Koch e Elias (2012), Travaglia (2007), Marcuschi (2007),
Santos et. al. (2015) e Costa (2012).
•CENA 1 – A internet e os gêneros textuais/hipertextuais.
CENA 1
A teoria bakhtiniana e os desdobramentos
pedagógicos.
• As fases dos estudos linguísticos;
• O signo em Saussure e Bakhtin;
• Dialogismo;
• As atividades humanas e o uso da linguagem;
Fases dos estudos da linguagem
5
Antiguidade Clássica
Concepção teológica da
linguagem e estudos sobre
as origens e as regras
universais do
funcionamento lógico da
língua.
Gramática Tradicional
Século XIX
Comparação (Linguística
Comparada) e
desenvolvimento e
evolução histórica da língua
através dos tempos.
Linguística
Histórica/Filologia
Início do séc. XX
Linguagem como
sistemas e os problemas
de funcionamento
desses sistemas.
Linguística Estruturalista
• Gramática tradicional – Ordenação lógica dos elementos linguísticos.
• Linguística histórica/filologia – “OLIMPÍADA”: Olympias (grego): “a cidade de Olímpia”. Aos
pés do Monte Olimpo, a cidade tem esse nome como uma homenagem ao local que era
considerado a morada dos deuses. Ados (grego) – equiv. Adis (latim): “relativo a”. O termo
“olimpíada” tem sua origem do grego, assimilando uma desinência/terminação (‘ad’) com
usos equivalentes no grego e no latim, e significa “relativo a”. Originalmente, “olimpíada”
significa “espaço de tempo entre as edições dos jogos realizados em Olímpia”, que por acaso
era de quatro anos. Passou a unidade de medida de tempo para os gregos, inclusive. E virou
sinônimo dos próprios Jogos, mais modernamente.
• Linguística estruturalista – arbitrariedade do signo linguístico: “O-LIM-PÍ-A-DA”, que pode ser
fragmentado em elementos menores, fonemas e morfemas.
Signo Linguístico e Signo Ideológico
Saussure
(1857 – 1913)
Bakhtin
(1895 – 1975)
O signo é carregado
de sentidos que
dizem respeito a
uma posição social,
histórica e cultural.
Langue X Parole
“Bakhtin enfatiza precisamente a fala, a parole, a enunciação, e afirma a natureza social, não
individual: a parole está indissoluvelmente ligada às condições de comunicação, que estão
sempre ligadas às estruturas sociais” (Weedwood, 2002. p. 152).
Na teoria bakhtiniana ou dialógica, o nosso discurso é resultado de condições sociais e
históricas, o que faz com que nunca possamos “falar sozinhos”.
Abordagem dialógica da linguagem
“Os enunciados estão sempre ligados a uma atividade humana, desempenhada por um
sujeito que tem um lugar na sociedade e na história” (Faria e Silva, p. 51).
“Conta só mais uma mentira!”
“O sentido último ou tema da
palavra é dado em cada
interação específica”
“O DIALOGISMO se dá pela
interação entre interlocutores
diretos e pela relação entre
vozes (ou discursos) presentes,
de forma explícita ou não, nos
enunciados”
Atividades humanas e uso da linguagem
“O emprego da língua efetua-se em forma de enunciados (orais e escritos)
concretos e únicos, proferidos pelos integrantes desse ou daquele campo da
atividade humana. Esses enunciados refletem as condições específicas e as
finalidades de cada referido campo não só por seu conteúdo (temático) e pelo estilo
da linguagem, ou seja, pela seleção dos recursos lexicais, fraseológicos e gramaticais
da língua mas, acima de tudo, por sua construção composicional” (Bakhtin, 2011, p.
261).
Enunciado concreto
“Enunciado concreto é um todo formado pela parte material (verbal ou visual) e
pelos contextos de produção, circulação e recepção. Isso significa que o processo e
o produto da enunciação são constitutivos do enunciado” (Silva, 2013, p. 49).
Folha de S. Paulo, 19/11/2017
Principais obras de Bakhtin
Dialogismo Gêneros do discurso Polifonia
Microlinguística e Macrolinguística
Weedwood (2002)
Desdobramentos Pedagógicos
1) Ensino da língua com fundamentação teórica e substrato científico;
2) Democratização do ensino.
1) Sociolinguística – variedades linguísticas, preconceito linguístico, conceito
de “erro”.
-> resistência no reconhecimento da legitimidade de variedades
linguísticas
2) Teoria dos gêneros - aspectos sócio-históricos e interativos que definem o
funcionamento do texto e resultam de seu contexto de produção e recepção
-> há uma lacuna na formação de professores quanto a
compreensão do conceito e à orientação para o trabalho no ensino da língua:
O que é gênero? Quantos e quais são os gêneros? Com que gêneros se deve
trabalhar no ensino de português? Como ensinar tomando como diretriz os
gêneros?
Contexto Histórico
(meados do século XX)
Desdobramento pedagógico
no ensino de LP
O dialogismo nas redes sociais
Eu sou rica!
Hoje é dia de rock, bebê!
Alô, alô graças a Deus!
Já acabou, Jéssica?
Se isso é estar na pior... Porra!
Não sou capaz de opinar.
Senhora? Senhora?
Você pode substituir...
CENA 2
A apropriação dos gêneros discursivos por
autores brasileiros: Koch e Elias (2012),
Travaglia (2007), Marcuschi (2007) e Santos
et. al. (2015) e Costa (2012).
• Os gêneros discursivos e a Linguística do Texto;
• Os gêneros textuais nos PCN;
• Parâmetros para a categorização dos gêneros textuais;
• O trabalho pedagógico com os gêneros textuais.
O que é gênero?
Quantos e quais são os gêneros?
Com que gêneros se deve trabalhar no ensino de português?
Como ensinar tomando como diretriz os gêneros?
Gênero: uma questão de categorização.
•Épico
•Lírico
•Dramático
•Epidítico
Antiguidade
Clássica
• Soneto (composição)
• Realista (filiação)
• Autobiografia
(organização
enunciativa)
Tradição
Literária
•Função
•Enunciação
•Organização
textual
•Comunicação
Semiótica
Análise do Discurso
Linguística Textual
Dialogismo > Gêneros
“O discurso de um orador, o curso de um professor, o monólogo de
um ator, as reflexões em voz alta de um homem só – são monólogos
somente em sua forma exterior, mas, em sua estrutura interna,
semântica e estilística, eles são, com efeito, essencialmente
dialógicos”. Volochinov
“Vê-se que, para definir essa noção, ora leva-se em conta, de modo preferencial, a
ancoragem social do discurso, ora sua natureza comunicacional, ora as
regularidades composicionais dos textos, ora as características formais dos
textos produzidos” (Maingueneau e Charaudeau, 2008, p. 251).
GÊNERO DISCURSIVO GÊNERO TEXTUAL
Gêneros do Discurso
“Cada enunciado particular é individual, mas cada
campo de utilização da língua elabora seus tipos
relativamente estáveis de enunciados, os quais
denominamos GÊNEROS DO DISCURSO”
(Bakhtin, 2011, p. 262),
Parâmetros Curriculares Nacionais
• Texto como unidade de ensino (não como pretexto!)
• Práticas de linguagem:
Leitura Produção
Análise
Linguística
LÍNGUA
EM
USO
O texto como unidade de ensino
“ o ensino de textos precisa englobar aspectos variados,
como o suporte onde circula, o gênero textual a que
pertence, a tipologia textual predominante,
considerando elementos verbais e não verbais
constituintes desse texto, além da interação entre
interlocutores”
Santos et. al. (2015)
Para o trabalho com os gêneros textuais,
cabe à escola:
1. Levar o aluno a compreender e produzir gêneros na escola e fora dela,
transformando-os, simplificando-os e enfatizando determinadas dimensões de
sua composição.
2. Colocar o aluno em situações de comunicação o mais próximo possível das
verdadeiras, para que possam dominá-las como realmente são.
IMPORTANTE
Quanto mais claramente o objeto do trabalho é descrito e explicado, mais ele se
torna acessível aos alunos não só nas práticas de aprendizagem da língua, como em
situações concretas de interação pela linguagem.
Ensino de Gramática Prática de Análise Linguística
Concepção de língua como sistema, estrutura inflexível e
invariável.
Concepção de língua como ação interlocutiva situada, sujeita
às interferências dos falantes.
Fragmentação entre os eixos de ensino: as aulas de gramática
não se relacionam necessariamente com as de leitura e
produção textual.
Integração entre os eixos de ensino: a análise linguística é
ferramenta para a leitura e produção de textos.
Metodologia transmissiva, baseada na exposição dedutiva (do
geral para o particular, isto é, das regras para o exemplo) +
treinamento.
Metodologia reflexiva, baseada na indução (observação dos
casos particulares para a conclusão das regularidades/regras).
Privilégio das habilidades metalinguísticas. Trabalho paralelo com habilidades metalinguísticas (reflexão
voltada para a descrição) e epilinguísticas (reflexão sobre o
uso).
Ênfase nos conteúdos gramaticais como objetos de ensino,
abordando isoladamente e em sequência mais ou menos fixa.
Ênfase nos usos como objetos de ensino (habilidades de letura
e escrita), que remetem a vários outros objetos de ensino
(estruturais, textuais, discursivos, normativos), apresentados e
retomados sempre que necessário.
Centralidade na norma padrão. Centralidade nos efeitos de sentido.
Ausência de relação com as especificidades dos gêneros, uma
vez que a análise é mais de cunho estrutural e, quando
normativa, desconsidera o funcionamento desses gêneros no
contexto de interação verbal.
Fusão com os gêneros, à medida que contempla justamente a
intersecção das condições de produção dos textos e as
escolhas linguísticas.
Unidades privilegiadas: a palavra, a frase, o período. Unidade privilegiada: o texto.
Preferência pelos exercícios estruturais, de identificação e
classificação de unidades/funções morfossintáticas e correção.
Preferência por questões abertas e atividades de pesquisa, que
exigem comparação e reflexão sobre adequação e efeitos de
sentido.
Os gêneros textuais na Olimpíada de
Língua Portuguesa
Qual é o gênero? Como categorizar?
Paulo,
Parabéns!
Você passou no vestibular!
Um abraço!
Sua mãe, Maria.
Como ensinar tomando como diretriz os
gêneros?
Atividades pré-textuais Atividades textuais Atividades pós-textuais
- Comentar sobre o
conteúdo temático;
- Apresentar outros textos
sobre a mesma temática;
- Apresentar outros textos
do mesmo gênero,
destacando características
recorrentes;
- Levantar hipóteses com
base no título e na
“mancha gráfica”.
- Identificar os elementos
que caracterizam o gênero
textual em questão;
- Propor atividades que
explorem cada uma dos
parâmetros:
1 – Conteúdo;
2 – Superfície Linguística;
3 – Estrutura Composicional;
4 – Função sociocomunicativa;
5 – Condições de produção.
- Explorar a
intertextualidade;
- Propor atividades de
retextualização;
- Propor pesquisas sobre
as referências presentes
no texto;
- Parafrasear oralmente o
texto.
CENA 3
A internet e os gêneros
textuais/hipertextuais.
• O hipertexto;
• O meme e a performatividade linguística;
• O trabalho pedagógico com memes e postagens.
Hipertexto: uma nova textualidade
BABO, Maria Augusta. O hipertexto como nova forma de escrita. IN. SUSSEKIND,
Flora. (org.). Historiografia literária e técnicas de escrita: do manuscrito ao
hipertexto. Rio de Janeiro: Vieira e Lent, 2004.
• “esta [ a comunicação na rede] cria efeitos de presença, pela aceleração
do tempo e consequente aproximação de lugares e ainda pela
participação ativa dos interlocutores” .
• “A internet baseia-se sobretudo neste caráter dialogal, reticular e
simultâneo de comunicação, arrastando a escrita neste
movimento”.
• “Não se limita a ser um suporte técnico da escrita, o hipertexto tornou-se
uma prática de escrita, abrangendo, justamente por lhes dar uma
configuração nova, limite da narrativa e do livro como limite de uma certa
racionalidade de escrita. (...) O hipertexto enquanto nova concepção de
escrita encontra as teorias do texto nesse pondo extremo que é o
cruzamento de heterogeneidades semióticas”.
O “meme” e as textualidades digitais
“Memes são aqueles vídeos, fotomontagens ou frases que aparecem de repente,
como uma brincadeira, e se espalham num velocidade absurda, sofrendo mutações
e ganhando novos contextos e significados” (Barbosa, 2017, p. 10)
Livro
O gene Egoísta
(1976)
Richard Dawkins
Site
Memepool
(1988)
Viral
X
Meme
Disseminação de informações pela
internet em que a piada é
retrabalhada ou customizada.
“Diluindo a função do autor, o regime hipertextual nem por isso
instaura um outro, o leitor. Antes abre o espaço e o tempo a um
jogo em que cada decisor arrisca a sua própria condição”.
#MEUAMIGOSECRETO
Vestibular da Unicamp (2017)
“ Ser bakhtiniano é conversar com o
enunciado concreto, e não analisa-lo
como um objeto inanimado. Porque
ele fala...”
Adriana Pucci Penteado de Faria e Silva
UFBA
Referências
• BABO, Maria Augusta. O hipertexto como nova forma de escrita. IN. SUSSEKIND, Flora. (org.). Historiografia literária e técnicas
de escrita: do manuscrito ao hipertexto. Rio de Janeiro: Vieira e Lent, 2004.
• BARBOSA, Kleyson. Os 198 maiores memes brasileiros que você respeita. São Paulo: Abril, 2017.
• BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. 6ª ed. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2011.
• COSTA, Sérgio Roberto. Dicionário de Gêneros Textuais. 3ª ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2012.
• CHARAUDEAU, Patrick; MAINGUENEAU, Dominique. Dicionário de Análise do Discurso. São Paulo: Contexto, 2008.
• KOCH, Ingedore; ELIAS, Vanda Maria. Ler e escrever: estratégias para a produção textual. São Paulo: Contexto, 2012.
• MARCUSCHI, Luiz Antônio. Gêneros Textuais: definição e funcionalidades. Disponível em:
https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/322091/mod_resource/content/1/MARCUSCHI%20G%C3%AAneros%20textuais.pdf
• OLIVEIRA, Luciano Amaral (org.). Estudos do discurso: perspectivas teóricas. São Paulo: Parábola, 2013.
• SANTOS, Leonor Werneck. et. Al. Análise e produção de textos. São Paulo: Contexto, 2015.
• TRAVAGLIA, Luiz Carlos. A caracterização de categorias de texto: tipos, gêneros e espécies. Disponível em:
http://seer.fclar.unesp.br/alfa/article/view/1426/1127
• WEEDWOOD, Bárbara. História concisa da Linguística. São Paulo: Parábola, 2002.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Gêneros de discurso e gêneros de texto ppt
Gêneros de discurso e gêneros de texto pptGêneros de discurso e gêneros de texto ppt
Gêneros de discurso e gêneros de texto pptpnaicdertsis
 
Gêneros Textuais - Fala e Escrita
Gêneros Textuais - Fala e EscritaGêneros Textuais - Fala e Escrita
Gêneros Textuais - Fala e EscritaIanka Targino
 
Marilia gêneros textuais marcuschi
Marilia gêneros textuais marcuschiMarilia gêneros textuais marcuschi
Marilia gêneros textuais marcuschiMarília Nessralla
 
Diversidade textual livro
Diversidade textual livroDiversidade textual livro
Diversidade textual livroFabiana Esteves
 
Gêneros textuais no ensino de língua - Marcuschi
Gêneros textuais no ensino de língua - MarcuschiGêneros textuais no ensino de língua - Marcuschi
Gêneros textuais no ensino de língua - MarcuschiGabriela Pileggi
 
Generostextuais 1227649741760018-9
Generostextuais 1227649741760018-9Generostextuais 1227649741760018-9
Generostextuais 1227649741760018-9Éric Santos
 
Slide prod. e compreens. escrita (quase)
Slide prod. e compreens. escrita (quase)Slide prod. e compreens. escrita (quase)
Slide prod. e compreens. escrita (quase)Ana Camila
 
Figuras de-linguagem
Figuras de-linguagemFiguras de-linguagem
Figuras de-linguagemPedro Barros
 
Gêneros textuais e o ensino da língua
Gêneros textuais e o ensino da línguaGêneros textuais e o ensino da língua
Gêneros textuais e o ensino da línguaHilda Cordeiro
 
Gêneros e Tipos Textuais 2
Gêneros e Tipos Textuais 2Gêneros e Tipos Textuais 2
Gêneros e Tipos Textuais 2nixsonmachado
 
Proposta de agrupamento de gêneros - Unidade 5
Proposta de agrupamento de gêneros - Unidade 5Proposta de agrupamento de gêneros - Unidade 5
Proposta de agrupamento de gêneros - Unidade 5Bete Feliciano
 

Mais procurados (19)

Generos textuais
Generos textuais Generos textuais
Generos textuais
 
Gêneros de discurso e gêneros de texto ppt
Gêneros de discurso e gêneros de texto pptGêneros de discurso e gêneros de texto ppt
Gêneros de discurso e gêneros de texto ppt
 
Gêneros Textuais - Fala e Escrita
Gêneros Textuais - Fala e EscritaGêneros Textuais - Fala e Escrita
Gêneros Textuais - Fala e Escrita
 
Gêneros textuais anos inicias
Gêneros textuais   anos iniciasGêneros textuais   anos inicias
Gêneros textuais anos inicias
 
Gêneros textuais e ensino
Gêneros textuais e ensinoGêneros textuais e ensino
Gêneros textuais e ensino
 
Tipos e gêneros textuais slides
Tipos e gêneros textuais slidesTipos e gêneros textuais slides
Tipos e gêneros textuais slides
 
Marilia gêneros textuais marcuschi
Marilia gêneros textuais marcuschiMarilia gêneros textuais marcuschi
Marilia gêneros textuais marcuschi
 
Diversidade textual livro
Diversidade textual livroDiversidade textual livro
Diversidade textual livro
 
Gêneros Textuais
Gêneros TextuaisGêneros Textuais
Gêneros Textuais
 
Gêneros textuais no ensino de língua - Marcuschi
Gêneros textuais no ensino de língua - MarcuschiGêneros textuais no ensino de língua - Marcuschi
Gêneros textuais no ensino de língua - Marcuschi
 
Tp3
Tp3Tp3
Tp3
 
Generostextuais 1227649741760018-9
Generostextuais 1227649741760018-9Generostextuais 1227649741760018-9
Generostextuais 1227649741760018-9
 
Os gêneros do discurso
Os gêneros do discursoOs gêneros do discurso
Os gêneros do discurso
 
Slide prod. e compreens. escrita (quase)
Slide prod. e compreens. escrita (quase)Slide prod. e compreens. escrita (quase)
Slide prod. e compreens. escrita (quase)
 
Figuras de-linguagem
Figuras de-linguagemFiguras de-linguagem
Figuras de-linguagem
 
Gêneros textuais e o ensino da língua
Gêneros textuais e o ensino da línguaGêneros textuais e o ensino da língua
Gêneros textuais e o ensino da língua
 
Gêneros e Tipos Textuais 2
Gêneros e Tipos Textuais 2Gêneros e Tipos Textuais 2
Gêneros e Tipos Textuais 2
 
Proposta de agrupamento de gêneros - Unidade 5
Proposta de agrupamento de gêneros - Unidade 5Proposta de agrupamento de gêneros - Unidade 5
Proposta de agrupamento de gêneros - Unidade 5
 
B praticas deleitura
B praticas deleituraB praticas deleitura
B praticas deleitura
 

Semelhante a Roteiros para o ensino e a pesquisa de gêneros textuais e hipertextuais

PNAIC - Porque ensinar gêneros textuais na escola
PNAIC - Porque ensinar gêneros textuais na escolaPNAIC - Porque ensinar gêneros textuais na escola
PNAIC - Porque ensinar gêneros textuais na escolaElieneDias
 
Unidade 5 a diversidade textual em sala de aula final
Unidade 5 a diversidade textual em sala de aula  finalUnidade 5 a diversidade textual em sala de aula  final
Unidade 5 a diversidade textual em sala de aula finalNaysa Taboada
 
Unidade 5 a diversidade textual em sala de aula final
Unidade 5 a diversidade textual em sala de aula  finalUnidade 5 a diversidade textual em sala de aula  final
Unidade 5 a diversidade textual em sala de aula finalNaysa Taboada
 
LETRAMENTO, GÊNERO E DISCURSO: CENAS DE CONVERSA(S) COM MALU MATENCIO
LETRAMENTO, GÊNERO E DISCURSO:CENAS DE CONVERSA(S)COM MALU MATENCIOLETRAMENTO, GÊNERO E DISCURSO:CENAS DE CONVERSA(S)COM MALU MATENCIO
LETRAMENTO, GÊNERO E DISCURSO: CENAS DE CONVERSA(S) COM MALU MATENCIOAmábile Piacentine
 
Análise de gêneros do discurso na teoria bakhtiniana
Análise de gêneros do discurso na teoria bakhtinianaAnálise de gêneros do discurso na teoria bakhtiniana
Análise de gêneros do discurso na teoria bakhtinianaAmábile Piacentine
 
un-5-anos-1-2-e-3.ppt
un-5-anos-1-2-e-3.pptun-5-anos-1-2-e-3.ppt
un-5-anos-1-2-e-3.pptCludia366017
 
Estudos da linguagem
Estudos da linguagemEstudos da linguagem
Estudos da linguagemDllubia
 
Esquema de estudo sobre leitura e produçaõ de textos e as novas ti csl
Esquema de estudo sobre leitura e produçaõ de textos e as novas ti cslEsquema de estudo sobre leitura e produçaõ de textos e as novas ti csl
Esquema de estudo sobre leitura e produçaõ de textos e as novas ti cslEveline Sol
 
concepção sociointeracionista no ensino
concepção sociointeracionista no ensinoconcepção sociointeracionista no ensino
concepção sociointeracionista no ensinoNadia Biavati
 
Resumo da Disciplina Prática Profissional: Linguística Aplicada
Resumo da Disciplina Prática Profissional: Linguística AplicadaResumo da Disciplina Prática Profissional: Linguística Aplicada
Resumo da Disciplina Prática Profissional: Linguística AplicadaEspaço da Criatividade Encantado
 
Generos textuais luís antônio marcuschi - Unidade 5
Generos textuais luís antônio marcuschi - Unidade 5Generos textuais luís antônio marcuschi - Unidade 5
Generos textuais luís antônio marcuschi - Unidade 5Bete Feliciano
 
Gêneros do discurso o que os pcns dizem e o que a prática escolar revela
Gêneros do discurso o que os pcns dizem e o que a prática escolar revelaGêneros do discurso o que os pcns dizem e o que a prática escolar revela
Gêneros do discurso o que os pcns dizem e o que a prática escolar revelaFrancimeire Cesario
 
Formaçãoprofessoringlês out-regional barreiro
Formaçãoprofessoringlês out-regional barreiroFormaçãoprofessoringlês out-regional barreiro
Formaçãoprofessoringlês out-regional barreiroFALE - UFMG
 
Apresentacao Conhecimentos Lgsti Jacqueline
Apresentacao Conhecimentos Lgsti JacquelineApresentacao Conhecimentos Lgsti Jacqueline
Apresentacao Conhecimentos Lgsti Jacquelinetelasnorte1
 
Introdução à linguística - linguagem, língua e linguística
Introdução à linguística - linguagem, língua e linguísticaIntrodução à linguística - linguagem, língua e linguística
Introdução à linguística - linguagem, língua e linguísticaMaria Glalcy Fequetia Dalcim
 
1 Funcionalismo linguístico explicação.pdf
1 Funcionalismo linguístico explicação.pdf1 Funcionalismo linguístico explicação.pdf
1 Funcionalismo linguístico explicação.pdfLuciane Lucyk
 

Semelhante a Roteiros para o ensino e a pesquisa de gêneros textuais e hipertextuais (20)

PNAIC - Porque ensinar gêneros textuais na escola
PNAIC - Porque ensinar gêneros textuais na escolaPNAIC - Porque ensinar gêneros textuais na escola
PNAIC - Porque ensinar gêneros textuais na escola
 
Unidade 5 a diversidade textual em sala de aula final
Unidade 5 a diversidade textual em sala de aula  finalUnidade 5 a diversidade textual em sala de aula  final
Unidade 5 a diversidade textual em sala de aula final
 
Unidade 5 a diversidade textual em sala de aula final
Unidade 5 a diversidade textual em sala de aula  finalUnidade 5 a diversidade textual em sala de aula  final
Unidade 5 a diversidade textual em sala de aula final
 
LETRAMENTO, GÊNERO E DISCURSO: CENAS DE CONVERSA(S) COM MALU MATENCIO
LETRAMENTO, GÊNERO E DISCURSO:CENAS DE CONVERSA(S)COM MALU MATENCIOLETRAMENTO, GÊNERO E DISCURSO:CENAS DE CONVERSA(S)COM MALU MATENCIO
LETRAMENTO, GÊNERO E DISCURSO: CENAS DE CONVERSA(S) COM MALU MATENCIO
 
Análise de gêneros do discurso na teoria bakhtiniana
Análise de gêneros do discurso na teoria bakhtinianaAnálise de gêneros do discurso na teoria bakhtiniana
Análise de gêneros do discurso na teoria bakhtiniana
 
un-5-anos-1-2-e-3.ppt
un-5-anos-1-2-e-3.pptun-5-anos-1-2-e-3.ppt
un-5-anos-1-2-e-3.ppt
 
Estudos da linguagem
Estudos da linguagemEstudos da linguagem
Estudos da linguagem
 
Esquema de estudo sobre leitura e produçaõ de textos e as novas ti csl
Esquema de estudo sobre leitura e produçaõ de textos e as novas ti cslEsquema de estudo sobre leitura e produçaõ de textos e as novas ti csl
Esquema de estudo sobre leitura e produçaõ de textos e as novas ti csl
 
concepção sociointeracionista no ensino
concepção sociointeracionista no ensinoconcepção sociointeracionista no ensino
concepção sociointeracionista no ensino
 
un-5-anos-1-2-e-3.ppt
un-5-anos-1-2-e-3.pptun-5-anos-1-2-e-3.ppt
un-5-anos-1-2-e-3.ppt
 
Resumo da Disciplina Prática Profissional: Linguística Aplicada
Resumo da Disciplina Prática Profissional: Linguística AplicadaResumo da Disciplina Prática Profissional: Linguística Aplicada
Resumo da Disciplina Prática Profissional: Linguística Aplicada
 
Palestrabronckart Inplatraduzido[1]
Palestrabronckart Inplatraduzido[1]Palestrabronckart Inplatraduzido[1]
Palestrabronckart Inplatraduzido[1]
 
Generos textuais luís antônio marcuschi - Unidade 5
Generos textuais luís antônio marcuschi - Unidade 5Generos textuais luís antônio marcuschi - Unidade 5
Generos textuais luís antônio marcuschi - Unidade 5
 
Gêneros do discurso o que os pcns dizem e o que a prática escolar revela
Gêneros do discurso o que os pcns dizem e o que a prática escolar revelaGêneros do discurso o que os pcns dizem e o que a prática escolar revela
Gêneros do discurso o que os pcns dizem e o que a prática escolar revela
 
Formaçãoprofessoringlês out-regional barreiro
Formaçãoprofessoringlês out-regional barreiroFormaçãoprofessoringlês out-regional barreiro
Formaçãoprofessoringlês out-regional barreiro
 
Apresentacao Conhecimentos Lgsti Jacqueline
Apresentacao Conhecimentos Lgsti JacquelineApresentacao Conhecimentos Lgsti Jacqueline
Apresentacao Conhecimentos Lgsti Jacqueline
 
Introdução à linguística - linguagem, língua e linguística
Introdução à linguística - linguagem, língua e linguísticaIntrodução à linguística - linguagem, língua e linguística
Introdução à linguística - linguagem, língua e linguística
 
Introdução à Linguística
Introdução à LinguísticaIntrodução à Linguística
Introdução à Linguística
 
Sociolinguística
SociolinguísticaSociolinguística
Sociolinguística
 
1 Funcionalismo linguístico explicação.pdf
1 Funcionalismo linguístico explicação.pdf1 Funcionalismo linguístico explicação.pdf
1 Funcionalismo linguístico explicação.pdf
 

Último

Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...Eró Cunha
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMary Alvarenga
 
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da CapivaraPré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivararambomarcos
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfManuais Formação
 
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxSlides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...marioeugenio8
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024azulassessoria9
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfKelly Mendes
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)Centro Jacques Delors
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdfCarinaSofiaDiasBoteq
 
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São PauloCurrículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Pauloririg29454
 
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfMESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfprofesfrancleite
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxCarolineWaitman
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxprofbrunogeo95
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................mariagrave
 

Último (20)

Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
 
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da CapivaraPré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxSlides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São PauloCurrículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
 
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfMESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 

Roteiros para o ensino e a pesquisa de gêneros textuais e hipertextuais

  • 1. Roteiros para o ensino e a pesquisa de gêneros textuais e hipertextuais Prof. Thiago Eugênio
  • 2. ARGUMENTO Este minicurso tem por objetivo apresentar um estudo sobre os Gêneros Textuais, a partir de uma perspectiva bakhtiniana. Serão analisados gêneros hipertextuais como memes, twites, "textões", postagens e comentários em redes sociais em diálogo com textos produzidos nos suportes impressos. Os exercícios de análise serão realizados tanto pelo enfoque pedagógico, voltado para o ensino, quanto pela abordagem teórica, voltada para a pesquisa científica.
  • 3. CENAS •CENA 1 – A teoria bakhtiniana e os desdobramentos pedagógicos. •CENA 2 – A apropriação dos gêneros discursivos por autores brasileiros: Koch e Elias (2012), Travaglia (2007), Marcuschi (2007), Santos et. al. (2015) e Costa (2012). •CENA 1 – A internet e os gêneros textuais/hipertextuais.
  • 4. CENA 1 A teoria bakhtiniana e os desdobramentos pedagógicos. • As fases dos estudos linguísticos; • O signo em Saussure e Bakhtin; • Dialogismo; • As atividades humanas e o uso da linguagem;
  • 5. Fases dos estudos da linguagem 5 Antiguidade Clássica Concepção teológica da linguagem e estudos sobre as origens e as regras universais do funcionamento lógico da língua. Gramática Tradicional Século XIX Comparação (Linguística Comparada) e desenvolvimento e evolução histórica da língua através dos tempos. Linguística Histórica/Filologia Início do séc. XX Linguagem como sistemas e os problemas de funcionamento desses sistemas. Linguística Estruturalista
  • 6. • Gramática tradicional – Ordenação lógica dos elementos linguísticos. • Linguística histórica/filologia – “OLIMPÍADA”: Olympias (grego): “a cidade de Olímpia”. Aos pés do Monte Olimpo, a cidade tem esse nome como uma homenagem ao local que era considerado a morada dos deuses. Ados (grego) – equiv. Adis (latim): “relativo a”. O termo “olimpíada” tem sua origem do grego, assimilando uma desinência/terminação (‘ad’) com usos equivalentes no grego e no latim, e significa “relativo a”. Originalmente, “olimpíada” significa “espaço de tempo entre as edições dos jogos realizados em Olímpia”, que por acaso era de quatro anos. Passou a unidade de medida de tempo para os gregos, inclusive. E virou sinônimo dos próprios Jogos, mais modernamente. • Linguística estruturalista – arbitrariedade do signo linguístico: “O-LIM-PÍ-A-DA”, que pode ser fragmentado em elementos menores, fonemas e morfemas.
  • 7. Signo Linguístico e Signo Ideológico Saussure (1857 – 1913) Bakhtin (1895 – 1975) O signo é carregado de sentidos que dizem respeito a uma posição social, histórica e cultural.
  • 8. Langue X Parole “Bakhtin enfatiza precisamente a fala, a parole, a enunciação, e afirma a natureza social, não individual: a parole está indissoluvelmente ligada às condições de comunicação, que estão sempre ligadas às estruturas sociais” (Weedwood, 2002. p. 152). Na teoria bakhtiniana ou dialógica, o nosso discurso é resultado de condições sociais e históricas, o que faz com que nunca possamos “falar sozinhos”. Abordagem dialógica da linguagem “Os enunciados estão sempre ligados a uma atividade humana, desempenhada por um sujeito que tem um lugar na sociedade e na história” (Faria e Silva, p. 51).
  • 9. “Conta só mais uma mentira!” “O sentido último ou tema da palavra é dado em cada interação específica” “O DIALOGISMO se dá pela interação entre interlocutores diretos e pela relação entre vozes (ou discursos) presentes, de forma explícita ou não, nos enunciados”
  • 10.
  • 11.
  • 12. Atividades humanas e uso da linguagem “O emprego da língua efetua-se em forma de enunciados (orais e escritos) concretos e únicos, proferidos pelos integrantes desse ou daquele campo da atividade humana. Esses enunciados refletem as condições específicas e as finalidades de cada referido campo não só por seu conteúdo (temático) e pelo estilo da linguagem, ou seja, pela seleção dos recursos lexicais, fraseológicos e gramaticais da língua mas, acima de tudo, por sua construção composicional” (Bakhtin, 2011, p. 261).
  • 13.
  • 14. Enunciado concreto “Enunciado concreto é um todo formado pela parte material (verbal ou visual) e pelos contextos de produção, circulação e recepção. Isso significa que o processo e o produto da enunciação são constitutivos do enunciado” (Silva, 2013, p. 49). Folha de S. Paulo, 19/11/2017
  • 15. Principais obras de Bakhtin Dialogismo Gêneros do discurso Polifonia
  • 17. Desdobramentos Pedagógicos 1) Ensino da língua com fundamentação teórica e substrato científico; 2) Democratização do ensino. 1) Sociolinguística – variedades linguísticas, preconceito linguístico, conceito de “erro”. -> resistência no reconhecimento da legitimidade de variedades linguísticas 2) Teoria dos gêneros - aspectos sócio-históricos e interativos que definem o funcionamento do texto e resultam de seu contexto de produção e recepção -> há uma lacuna na formação de professores quanto a compreensão do conceito e à orientação para o trabalho no ensino da língua: O que é gênero? Quantos e quais são os gêneros? Com que gêneros se deve trabalhar no ensino de português? Como ensinar tomando como diretriz os gêneros? Contexto Histórico (meados do século XX) Desdobramento pedagógico no ensino de LP
  • 18. O dialogismo nas redes sociais Eu sou rica! Hoje é dia de rock, bebê! Alô, alô graças a Deus! Já acabou, Jéssica? Se isso é estar na pior... Porra! Não sou capaz de opinar. Senhora? Senhora? Você pode substituir...
  • 19. CENA 2 A apropriação dos gêneros discursivos por autores brasileiros: Koch e Elias (2012), Travaglia (2007), Marcuschi (2007) e Santos et. al. (2015) e Costa (2012). • Os gêneros discursivos e a Linguística do Texto; • Os gêneros textuais nos PCN; • Parâmetros para a categorização dos gêneros textuais; • O trabalho pedagógico com os gêneros textuais.
  • 20. O que é gênero? Quantos e quais são os gêneros? Com que gêneros se deve trabalhar no ensino de português? Como ensinar tomando como diretriz os gêneros?
  • 21. Gênero: uma questão de categorização. •Épico •Lírico •Dramático •Epidítico Antiguidade Clássica • Soneto (composição) • Realista (filiação) • Autobiografia (organização enunciativa) Tradição Literária •Função •Enunciação •Organização textual •Comunicação Semiótica Análise do Discurso Linguística Textual
  • 22. Dialogismo > Gêneros “O discurso de um orador, o curso de um professor, o monólogo de um ator, as reflexões em voz alta de um homem só – são monólogos somente em sua forma exterior, mas, em sua estrutura interna, semântica e estilística, eles são, com efeito, essencialmente dialógicos”. Volochinov “Vê-se que, para definir essa noção, ora leva-se em conta, de modo preferencial, a ancoragem social do discurso, ora sua natureza comunicacional, ora as regularidades composicionais dos textos, ora as características formais dos textos produzidos” (Maingueneau e Charaudeau, 2008, p. 251). GÊNERO DISCURSIVO GÊNERO TEXTUAL
  • 23. Gêneros do Discurso “Cada enunciado particular é individual, mas cada campo de utilização da língua elabora seus tipos relativamente estáveis de enunciados, os quais denominamos GÊNEROS DO DISCURSO” (Bakhtin, 2011, p. 262),
  • 24. Parâmetros Curriculares Nacionais • Texto como unidade de ensino (não como pretexto!) • Práticas de linguagem: Leitura Produção Análise Linguística LÍNGUA EM USO
  • 25. O texto como unidade de ensino “ o ensino de textos precisa englobar aspectos variados, como o suporte onde circula, o gênero textual a que pertence, a tipologia textual predominante, considerando elementos verbais e não verbais constituintes desse texto, além da interação entre interlocutores” Santos et. al. (2015)
  • 26. Para o trabalho com os gêneros textuais, cabe à escola: 1. Levar o aluno a compreender e produzir gêneros na escola e fora dela, transformando-os, simplificando-os e enfatizando determinadas dimensões de sua composição. 2. Colocar o aluno em situações de comunicação o mais próximo possível das verdadeiras, para que possam dominá-las como realmente são. IMPORTANTE Quanto mais claramente o objeto do trabalho é descrito e explicado, mais ele se torna acessível aos alunos não só nas práticas de aprendizagem da língua, como em situações concretas de interação pela linguagem.
  • 27. Ensino de Gramática Prática de Análise Linguística Concepção de língua como sistema, estrutura inflexível e invariável. Concepção de língua como ação interlocutiva situada, sujeita às interferências dos falantes. Fragmentação entre os eixos de ensino: as aulas de gramática não se relacionam necessariamente com as de leitura e produção textual. Integração entre os eixos de ensino: a análise linguística é ferramenta para a leitura e produção de textos. Metodologia transmissiva, baseada na exposição dedutiva (do geral para o particular, isto é, das regras para o exemplo) + treinamento. Metodologia reflexiva, baseada na indução (observação dos casos particulares para a conclusão das regularidades/regras). Privilégio das habilidades metalinguísticas. Trabalho paralelo com habilidades metalinguísticas (reflexão voltada para a descrição) e epilinguísticas (reflexão sobre o uso). Ênfase nos conteúdos gramaticais como objetos de ensino, abordando isoladamente e em sequência mais ou menos fixa. Ênfase nos usos como objetos de ensino (habilidades de letura e escrita), que remetem a vários outros objetos de ensino (estruturais, textuais, discursivos, normativos), apresentados e retomados sempre que necessário. Centralidade na norma padrão. Centralidade nos efeitos de sentido. Ausência de relação com as especificidades dos gêneros, uma vez que a análise é mais de cunho estrutural e, quando normativa, desconsidera o funcionamento desses gêneros no contexto de interação verbal. Fusão com os gêneros, à medida que contempla justamente a intersecção das condições de produção dos textos e as escolhas linguísticas. Unidades privilegiadas: a palavra, a frase, o período. Unidade privilegiada: o texto. Preferência pelos exercícios estruturais, de identificação e classificação de unidades/funções morfossintáticas e correção. Preferência por questões abertas e atividades de pesquisa, que exigem comparação e reflexão sobre adequação e efeitos de sentido.
  • 28. Os gêneros textuais na Olimpíada de Língua Portuguesa
  • 29. Qual é o gênero? Como categorizar? Paulo, Parabéns! Você passou no vestibular! Um abraço! Sua mãe, Maria.
  • 30. Como ensinar tomando como diretriz os gêneros? Atividades pré-textuais Atividades textuais Atividades pós-textuais - Comentar sobre o conteúdo temático; - Apresentar outros textos sobre a mesma temática; - Apresentar outros textos do mesmo gênero, destacando características recorrentes; - Levantar hipóteses com base no título e na “mancha gráfica”. - Identificar os elementos que caracterizam o gênero textual em questão; - Propor atividades que explorem cada uma dos parâmetros: 1 – Conteúdo; 2 – Superfície Linguística; 3 – Estrutura Composicional; 4 – Função sociocomunicativa; 5 – Condições de produção. - Explorar a intertextualidade; - Propor atividades de retextualização; - Propor pesquisas sobre as referências presentes no texto; - Parafrasear oralmente o texto.
  • 31. CENA 3 A internet e os gêneros textuais/hipertextuais. • O hipertexto; • O meme e a performatividade linguística; • O trabalho pedagógico com memes e postagens.
  • 32. Hipertexto: uma nova textualidade BABO, Maria Augusta. O hipertexto como nova forma de escrita. IN. SUSSEKIND, Flora. (org.). Historiografia literária e técnicas de escrita: do manuscrito ao hipertexto. Rio de Janeiro: Vieira e Lent, 2004. • “esta [ a comunicação na rede] cria efeitos de presença, pela aceleração do tempo e consequente aproximação de lugares e ainda pela participação ativa dos interlocutores” . • “A internet baseia-se sobretudo neste caráter dialogal, reticular e simultâneo de comunicação, arrastando a escrita neste movimento”. • “Não se limita a ser um suporte técnico da escrita, o hipertexto tornou-se uma prática de escrita, abrangendo, justamente por lhes dar uma configuração nova, limite da narrativa e do livro como limite de uma certa racionalidade de escrita. (...) O hipertexto enquanto nova concepção de escrita encontra as teorias do texto nesse pondo extremo que é o cruzamento de heterogeneidades semióticas”.
  • 33. O “meme” e as textualidades digitais “Memes são aqueles vídeos, fotomontagens ou frases que aparecem de repente, como uma brincadeira, e se espalham num velocidade absurda, sofrendo mutações e ganhando novos contextos e significados” (Barbosa, 2017, p. 10) Livro O gene Egoísta (1976) Richard Dawkins Site Memepool (1988) Viral X Meme Disseminação de informações pela internet em que a piada é retrabalhada ou customizada.
  • 34. “Diluindo a função do autor, o regime hipertextual nem por isso instaura um outro, o leitor. Antes abre o espaço e o tempo a um jogo em que cada decisor arrisca a sua própria condição”. #MEUAMIGOSECRETO
  • 36.
  • 37.
  • 38.
  • 39.
  • 40. “ Ser bakhtiniano é conversar com o enunciado concreto, e não analisa-lo como um objeto inanimado. Porque ele fala...” Adriana Pucci Penteado de Faria e Silva UFBA
  • 41. Referências • BABO, Maria Augusta. O hipertexto como nova forma de escrita. IN. SUSSEKIND, Flora. (org.). Historiografia literária e técnicas de escrita: do manuscrito ao hipertexto. Rio de Janeiro: Vieira e Lent, 2004. • BARBOSA, Kleyson. Os 198 maiores memes brasileiros que você respeita. São Paulo: Abril, 2017. • BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. 6ª ed. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2011. • COSTA, Sérgio Roberto. Dicionário de Gêneros Textuais. 3ª ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2012. • CHARAUDEAU, Patrick; MAINGUENEAU, Dominique. Dicionário de Análise do Discurso. São Paulo: Contexto, 2008. • KOCH, Ingedore; ELIAS, Vanda Maria. Ler e escrever: estratégias para a produção textual. São Paulo: Contexto, 2012. • MARCUSCHI, Luiz Antônio. Gêneros Textuais: definição e funcionalidades. Disponível em: https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/322091/mod_resource/content/1/MARCUSCHI%20G%C3%AAneros%20textuais.pdf • OLIVEIRA, Luciano Amaral (org.). Estudos do discurso: perspectivas teóricas. São Paulo: Parábola, 2013. • SANTOS, Leonor Werneck. et. Al. Análise e produção de textos. São Paulo: Contexto, 2015. • TRAVAGLIA, Luiz Carlos. A caracterização de categorias de texto: tipos, gêneros e espécies. Disponível em: http://seer.fclar.unesp.br/alfa/article/view/1426/1127 • WEEDWOOD, Bárbara. História concisa da Linguística. São Paulo: Parábola, 2002.