SlideShare uma empresa Scribd logo
MARCUSCHI, L. A. Gêneros textuais: definição
 e funcionalidade. In: Dionísio et al. Gêneros
     textuais e ensino. 2ed. 2002. p. 19-36


               Esquema elaborado por Simone Garofalo para
               a disciplina da Professora Reinildes Dias -
               LIG905 C - Multiletramentos: leitura e escrita
               em LE e aplicações pedagógicas (2012/01) –
               POLIN/FALE/UFMG




                                                                1
1. Gêneros textuais como práticas sócio-históricas

 ●   Características:
           –   Gêneros textuais são fenômenos históricos, profundamente
                 vinculados à vida cultural e social.
           –   São entidades sócio-discursivas e formas de ação social
                 incontornáveis em qualquer situação comunicativa.
           –   Não são instrumentos estanques e enrijecedores da ação
                 criativa.
           –   Caracterizam-se como eventos textuais altamente maleáveis,
                 dinâmicos e plásticos.
           –   Surgem emparelhados a necessidades e atividades sócio-
                 culturais, bem como na relação com inovações
                 tecnológicas.


                                                                            2
1. Gêneros textuais como práticas sócio-históricas

 ●   Histórico:
           –   Numa primeira fase, povos de cultura essencialmente oral
                 desenvolveram um conjunto limitado de gêneros.
           –   Após a invenção da escrita alfabética (séc. VII a.C.),
                 multiplicam-se os gêneros, surgindo os típicos da escrita.
           –   A partir do século XV, os gêneros expandem-se com o
                 florescimento da cultura impressa para, na fase
                 intermediária de industrialização iniciada no século
                 XVIII, dar início a uma grande ampliação.
           –   Hoje, na cultura eletrônica, presenciamos uma explosão de
                 novos gêneros e novas formas de comunicação, tanto na
                 oralidade como na escrita.


                                                                              3
1. Gêneros textuais como práticas sócio-históricas

 ●   Os gêneros textuais:
           –   surgem, situam-se e integram-se funcionalmente nas culturas
                 em que se desenvolvem.
           –   caracterizam-se muito mais por suas funções comunicativas,
                 cognitivas e institucionais do que por suas peculiaridades
                 linguísticas e estruturais.
           –   são quase inúmeros em diversidade de formas, obtêm
                 denominações nem sempre unívocas e, assim como
                 surgem, podem desaparecer.




                                                                              4
2. Novos gêneros e velhas bases

●   Os grandes suportes tecnológicos da comunicação, por terem uma
    presença marcante e grande centralidade nas atividades
    comunicativas da realidade social que ajudam a criar, vão por sua vez
    propiciando e abrigando gêneros novos bastante característicos.
●   Esses novos gêneros não são inovações absolutas, sem uma
    ancoragem em outros gêneros já existentes.
●   Bakhtin falava na "transmutação" dos gêneros e na assimilação de um
    gênero por outro gerando novos.
●   A tecnologia favorece o surgimento de formas inovadoras, mas não
    absolutamente novas.




                                                                            5
2. Novos gêneros e velhas bases

●   Esses gêneros que emergiram no último século no contexto das mais
    diversas mídias criam formas comunicativas próprias com um certo
    hibridismo que desafia as relações entre oralidade e escrita e
    inviabiliza de forma definitiva a velha visão dicotômica ainda
    presente em muitos manuais de ensino de língua.
●   Em muitos casos são as formas que determinam o gênero e, em
    outros tantos serão as funções. Contudo, haverá casos em que será o
    próprio suporte ou o ambiente em que os textos aparecem que
    determinam o gênero presente.
●   Podemos dizer que as expressões "mesmo texto" e "mesmo gênero"
    não são automaticamente equivalentes, desde que não estejam no
    mesmo suporte.



                                                                          6
3. Definição de tipo e gênero textual

●   Concepção de língua:
         –   Partimos do pressuposto básico de que é impossível se
               comunicar verbalmente a não ser por algum gênero, assim
               como é impossível se comunicar verbalmente a não ser por
               algum texto.
         –   A comunicação verbal só é possível por algum gênero
               textual.
         –   Noção de língua como atividade social, histórica e cognitiva.
         –   Privilegia a natureza funcional e interativa e não o aspecto
                formal e estrutural da língua.
         –   A língua é tida como uma forma de ação social e histórica.
         –   Hipótese sócio-interativa da língua.

                                                                             7
3. Definição de tipo e gênero textual

●   Definição de tipo textual:
          –   Usamos a expressão tipo textual para designar uma espécie de
                construção teórica definida pela natureza linguística de sua
                composição {aspectos lexicais, sintáticos, tempos verbais,
                relações lógicas}.
          –   Em geral, os tipos textuais abrangem cerca de meia dúzia de
                categorias conhecidas como: narração, argumentação,
                exposição, descrição, injunção.




                                                                               8
3. Definição de tipo e gênero textual

●   Definição de gênero textual:
          –   Usamos a expressão gênero textual como uma noção
                propositalmente vaga para referir os textos materializados
                que encontramos em nossa vida diária e que apresentam
                características sócio-comunicativas definidas por
                conteúdos, propriedades funcionais, estilo e composição
                característica.
          –   Se os tipos textuais são apenas meia dúzia, os gêneros são
                inúmeros.
          –   Alguns exemplos de gêneros textuais seriam: telefonema,
                sermão, carta comercial, carta pessoal, romance, bilhete,
                reportagem jornalística, aula expositiva, horóscopo, etc.



                                                                             9
3. Definição de tipo e gênero textual

●   Quadro sinóptico:




                                                 10
3. Definição de tipo e gênero textual
●   Definição de domínio discursivo:
          –   Usamos a expressão domínio discursivo para designar uma
                esfera ou instância de produção discursiva ou de
                atividade humana.
          –   Esses domínios não são textos nem discursos, mas propiciam
                o surgimento de discursos bastante específicos.
          –   Do ponto de vista dos domínios, falamos em discurso
                jurídico, discurso jornalístico, discurso religioso etc., já
                que as atividades jurídica, jornalística ou religiosa não
                abrangem um gênero em particular, mas dão origem a
                vários deles.
          –   Constituem práticas discursivas nas quais podemos identificar
               um conjunto de gêneros textuais que, às vezes, lhe são
               próprios (em certos casos exclusivos) como práticas ou
               rotinas comunicativas institucionalizadas.
                                                                               11
3. Definição de tipo e gênero textual

●   Deve-se ter o cuidado de não confundir texto e discurso como se
    fossem a mesma coisa.
●   Pode-se dizer que texto é uma entidade concreta realizada
    materialmente e corporificada em algum gênero textual.
●   Discurso é aquilo que um texto produz ao se manifestar em alguma
    instância discursiva.
●   Assim, o discurso se realiza nos textos.
●   Em outros termos: os textos realizam discursos em situações
    institucionais, históricas, sociais e ideológicas.
●   Os textos são acontecimentos discursivos para os quais convergem
    ações linguísticas, sociais e cognitivas, segundo Robert de Beaugrande
    (1997).

                                                                             12
3. Definição de tipo e gênero textual

●   Definições dadas: muito mais operacional do que formal.
●   Para a noção de tipo textual predomina a identificação de sequências
    linguísticas típicas como norteadoras.
●   Já para a noção de gênero textual predominam os critérios de ação
    prática, circulação sócio-histórica, funcionalidade, conteúdo temático,
    estilo e composicionalidade, sendo que os domínios discursivos são as
    grandes esferas da atividade humana em que os textos circulam.
●   Importante é perceber que os gêneros não são entidades formais, mas
    sim entidades comunicativas.
●   Gêneros são formas verbais de ação social relativamente estáveis
    realizadas em textos situados em comunidades de práticas sociais e em
    domínios discursivos específicos.


                                                                              13
4. Algumas observações sobre os tipos textuais

●    Pode ocorrer que o mesmo gênero realize dois ou mais tipos. Assim,
     um texto é em geral tipologicamente variado (heterogêneo).
●    Um tipo textual é dado por um conjunto de traços que formam uma
     sequência e não um texto.
●    Pode-se dizer que o segredo da coesão textual está precisamente na
     habilidade demonstrada em fazer essa "costura" ou tessitura das
     sequências tipológicas como uma armação de base, ou seja, uma malha
     infraestrutural do texto. Como tais, os gêneros são uma espécie de
     armadura comunicativa geral preenchida por sequências tipológicas de
     base que podem ser bastante heterogêneas mas relacionadas entre si.
●    Quando se nomeia um certo texto como "narrativo", "descritivo" ou
     "argumentativo", não se está nomeando o gênero e sim o predomínio
     de um tipo de sequência de base.


                                                                            14
4. Algumas observações sobre os tipos textuais

●    Características predominantes dos tipos textuais:
           –   Narrativos → sequência temporal.
           –   Descritivos → sequências de localização.
           –   Expositivos → sequências analíticas ou então explicitamente
                 explicativas.
           –   Argumentativos → sequências contrastivas explícitas.
           –   Injuntivos → sequências imperativas.




                                                                             15
5. Observações sobre os gêneros textuais

●   Bakhtin (1997) dizia que os gêneros eram tipos "relativamente
    estáveis" de enunciados elaborados pelas mais diversas esferas da
    atividade humana.
●   Sendo os gêneros fenômenos sócio-históricos e culturalmente
    sensíveis, não há como fazer uma lista fechada de todos os gêneros.
●   Quando dominamos um gênero textual, não dominamos uma forma
    linguística e sim uma forma de realizar linguisticamente objetivos
    específicos em situações sociais particulares.
●   Como afirmou Bronckart (1999), "a apropriação dos gêneros é um
    mecanismo fundamental de socialização, de inserção prática nas
    atividades comunicativas humanas"




                                                                          16
6. Gêneros textuais e ensino

●   Um maior conhecimento do funcionamento dos gêneros textuais é
    importante tanto para a produção como para a compreensão.
●   É esta ideia básica dos PCN quando sugerem que o trabalho com o
    texto deve ser feito na base dos gêneros, sejam eles orais ou escritos.
●   Seria bom ter em mente a questão da relação oralidade e escrita no
    contexto dos gêneros textuais, pois os gêneros distribuem-se pelas duas
    modalidades num contínuo, desde os mais informais aos mais formais e
    em todos os contextos e situações da vida cotidiana.
●   Gêneros textuais → artefatos linguísticos concretos.
●   Pode-se dizer que os gêneros textuais fundam-se em critérios externos
    (sócio-comunicativos e discursivos), enquanto os tipos textuais
    fundam-se em critérios internos (linguísticas e formais).


                                                                              17
6. Gêneros textuais e ensino

●   Não há só a questão da produção adequada do gênero, mas também um
    uso adequado.
●   Não é uma questão de etiqueta social apenas, mas é um caso de
    adequação tipológica, que diz respeito à relação que deveria haver, na
    produção de cada gênero textual, entre os seguintes aspectos:
          –   natureza da informação ou do conteúdo veiculado;
          –   nível de linguagem (formal, informal, dialetal, culta, etc.);
          –   tipo de situação em que o gênero se situa (pública, privada,
                 corriqueira, solene, etc.);
          –   relação entre os participantes (conhecidos, desconhecidos,
                 nível social, formação, etc);
          –   natureza dos objetivos das atividades desenvolvidas.

                                                                              18
6. Gêneros textuais e ensino

●   No ensino pode-se tratar dos gêneros levando os alunos a produzirem
    ou analisarem eventos linguísticos os mais diversos, tanto escritos
    como orais, e identificarem as características de gênero em cada um.
●   É um exercício que, além de instrutivo, também permite praticar a
    produção textual.




                                                                           19
7. Observações finais

●   Pode-se dizer que o trabalho com gêneros textuais é uma extraordinária
    oportunidade de se lidar com a língua em seus mais diversos usos
    autênticos no dia-a-dia.
●   E há muitos gêneros produzidos de maneira sistemática e com grande
    incidência na vida diária, merecedores de nossa atenção. Inclusive e
    talvez de maneira fundamental, os que aparecem nas diversas mídias
    hoje existentes, sem excluir a mídia virtual, tão bem conhecida dos
    internautas ou navegadores da Internet.
●   A relevância maior de tratar os gêneros textuais acha-se de modo todo
    especial no ensino de língua, já que se ensina a produzir textos e não a
    produzir enunciados soltos.




                                                                               20
7. Observações finais

●   Uma análise dos manuais de ensino de língua portuguesa mostra que há
    uma relativa variedade de gêneros textuais presentes nessas obras.
    Contudo, uma observação mais atenta e qualificada revela que a essa
    variedade não corresponde uma realidade analítica.
●   São poucos os casos de tratamento dos gêneros de maneira sistemática.
    Lentamente, surgem novas perspectivas e novas abordagens que
    incluem até mesmo aspectos da oralidade.
●   É de se indagar se há gêneros textuais ideais para o ensino de língua.
    Tudo indica que a resposta seja não. Mas é provável que se possam
    identificar gêneros com dificuldades progressivas, do nível menos
    formal ao mais formal, do mais privado ao mais público e assim por
    diante. Tem-se a oportunidade de observar tanto a oralidade como a
    escrita em seus usos culturais mais autênticos sem forçar a criação de
    gêneros que circulam apenas no universo escolar.

                                                                             21

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Bronckart - os gêneros e tipos de discurso
Bronckart - os gêneros e tipos de discursoBronckart - os gêneros e tipos de discurso
Bronckart - os gêneros e tipos de discurso
Raquel Salcedo Gomes
 
E book - gêneros textuais - com-pub
E book - gêneros textuais - com-pubE book - gêneros textuais - com-pub
E book - gêneros textuais - com-pub
Hilsa Mota
 
Gêneros textuais no ensino de língua - Marcuschi
Gêneros textuais no ensino de língua - MarcuschiGêneros textuais no ensino de língua - Marcuschi
Gêneros textuais no ensino de língua - Marcuschi
Gabriela Pileggi
 
Generostextuais 1227649741760018-9
Generostextuais 1227649741760018-9Generostextuais 1227649741760018-9
Generostextuais 1227649741760018-9
Éric Santos
 
Gêneros Textuais: teoria e prática
Gêneros Textuais: teoria e práticaGêneros Textuais: teoria e prática
Gêneros Textuais: teoria e prática
Universidade de Santiago de Compostela
 
Gt tae
Gt taeGt tae
Gêneros textuais - Marcuschi (Thiago Hermont)
Gêneros textuais - Marcuschi (Thiago Hermont)Gêneros textuais - Marcuschi (Thiago Hermont)
Gêneros textuais - Marcuschi (Thiago Hermont)
thiagohermont
 
Gêneros textuais e o ensino da língua
Gêneros textuais e o ensino da línguaGêneros textuais e o ensino da língua
Gêneros textuais e o ensino da língua
Hilda Cordeiro
 
Gêneros textuais e ensino
Gêneros textuais e ensinoGêneros textuais e ensino
Gêneros textuais e ensino
Olivaldo Ferreira
 
Gêneros discursivos, formas de textualização e tipologia
Gêneros discursivos, formas de textualização e tipologiaGêneros discursivos, formas de textualização e tipologia
Gêneros discursivos, formas de textualização e tipologia
Adail Sobral
 
Gêneros de discurso e gêneros de texto ppt
Gêneros de discurso e gêneros de texto pptGêneros de discurso e gêneros de texto ppt
Gêneros de discurso e gêneros de texto ppt
pnaicdertsis
 
Generos textuais (1)
Generos textuais (1)Generos textuais (1)
Generos textuais (1)
vinivs
 
Ltt faramacia - Genero textuais
Ltt   faramacia - Genero textuaisLtt   faramacia - Genero textuais
Ltt faramacia - Genero textuais
nenhuma
 
Gêneros Textuais - Fala e Escrita
Gêneros Textuais - Fala e EscritaGêneros Textuais - Fala e Escrita
Gêneros Textuais - Fala e Escrita
Ianka Targino
 
Discurso
DiscursoDiscurso
Discurso
Roberta Scheibe
 
Generos e tipos textuais considerações necessárias marcushi
Generos e tipos textuais considerações necessárias marcushiGeneros e tipos textuais considerações necessárias marcushi
Generos e tipos textuais considerações necessárias marcushi
ofpedagogica
 
Gêneros textuais e
Gêneros textuais eGêneros textuais e
Gêneros textuais e
Jose Robson Santiago
 
Os gêneros do discurso
Os gêneros do discursoOs gêneros do discurso
Os gêneros do discurso
Nicolas Pelicioni
 
Tipos textuais e gêneros textuais
Tipos textuais e gêneros textuaisTipos textuais e gêneros textuais
Tipos textuais e gêneros textuais
Vera Pinho
 
Generos textuais
Generos textuais Generos textuais
Generos textuais
Adauto Martins
 

Mais procurados (20)

Bronckart - os gêneros e tipos de discurso
Bronckart - os gêneros e tipos de discursoBronckart - os gêneros e tipos de discurso
Bronckart - os gêneros e tipos de discurso
 
E book - gêneros textuais - com-pub
E book - gêneros textuais - com-pubE book - gêneros textuais - com-pub
E book - gêneros textuais - com-pub
 
Gêneros textuais no ensino de língua - Marcuschi
Gêneros textuais no ensino de língua - MarcuschiGêneros textuais no ensino de língua - Marcuschi
Gêneros textuais no ensino de língua - Marcuschi
 
Generostextuais 1227649741760018-9
Generostextuais 1227649741760018-9Generostextuais 1227649741760018-9
Generostextuais 1227649741760018-9
 
Gêneros Textuais: teoria e prática
Gêneros Textuais: teoria e práticaGêneros Textuais: teoria e prática
Gêneros Textuais: teoria e prática
 
Gt tae
Gt taeGt tae
Gt tae
 
Gêneros textuais - Marcuschi (Thiago Hermont)
Gêneros textuais - Marcuschi (Thiago Hermont)Gêneros textuais - Marcuschi (Thiago Hermont)
Gêneros textuais - Marcuschi (Thiago Hermont)
 
Gêneros textuais e o ensino da língua
Gêneros textuais e o ensino da línguaGêneros textuais e o ensino da língua
Gêneros textuais e o ensino da língua
 
Gêneros textuais e ensino
Gêneros textuais e ensinoGêneros textuais e ensino
Gêneros textuais e ensino
 
Gêneros discursivos, formas de textualização e tipologia
Gêneros discursivos, formas de textualização e tipologiaGêneros discursivos, formas de textualização e tipologia
Gêneros discursivos, formas de textualização e tipologia
 
Gêneros de discurso e gêneros de texto ppt
Gêneros de discurso e gêneros de texto pptGêneros de discurso e gêneros de texto ppt
Gêneros de discurso e gêneros de texto ppt
 
Generos textuais (1)
Generos textuais (1)Generos textuais (1)
Generos textuais (1)
 
Ltt faramacia - Genero textuais
Ltt   faramacia - Genero textuaisLtt   faramacia - Genero textuais
Ltt faramacia - Genero textuais
 
Gêneros Textuais - Fala e Escrita
Gêneros Textuais - Fala e EscritaGêneros Textuais - Fala e Escrita
Gêneros Textuais - Fala e Escrita
 
Discurso
DiscursoDiscurso
Discurso
 
Generos e tipos textuais considerações necessárias marcushi
Generos e tipos textuais considerações necessárias marcushiGeneros e tipos textuais considerações necessárias marcushi
Generos e tipos textuais considerações necessárias marcushi
 
Gêneros textuais e
Gêneros textuais eGêneros textuais e
Gêneros textuais e
 
Os gêneros do discurso
Os gêneros do discursoOs gêneros do discurso
Os gêneros do discurso
 
Tipos textuais e gêneros textuais
Tipos textuais e gêneros textuaisTipos textuais e gêneros textuais
Tipos textuais e gêneros textuais
 
Generos textuais
Generos textuais Generos textuais
Generos textuais
 

Destaque

Gêneros do discurso e tipologia textual
Gêneros do discurso e tipologia textualGêneros do discurso e tipologia textual
Gêneros do discurso e tipologia textual
Fabricio Souza
 
Tipos de textos narrativos
Tipos de textos narrativosTipos de textos narrativos
Tipos de textos narrativos
MundoDeLaNarrativa
 
Produção e revisão de textos
Produção e revisão de textosProdução e revisão de textos
Produção e revisão de textos
Marilene Rangel Rangel
 
Apostila de portadores de texto. gêneros textuais(1)
Apostila de portadores de texto. gêneros textuais(1)Apostila de portadores de texto. gêneros textuais(1)
Apostila de portadores de texto. gêneros textuais(1)
Jairtes Lima
 
Generos e tipos textuais ppt
Generos e tipos textuais pptGeneros e tipos textuais ppt
Generos e tipos textuais ppt
pnaicdertsis
 
Oficina de produção de texto
Oficina de produção de textoOficina de produção de texto
Oficina de produção de texto
Elia Rejany
 
Gêneros Textuais
Gêneros TextuaisGêneros Textuais
Gêneros Textuais
Edna Brito
 
Apostila gêneros textuais 4º ano
Apostila gêneros textuais  4º anoApostila gêneros textuais  4º ano
Apostila gêneros textuais 4º ano
Roseanne Funchal Olivieira
 

Destaque (8)

Gêneros do discurso e tipologia textual
Gêneros do discurso e tipologia textualGêneros do discurso e tipologia textual
Gêneros do discurso e tipologia textual
 
Tipos de textos narrativos
Tipos de textos narrativosTipos de textos narrativos
Tipos de textos narrativos
 
Produção e revisão de textos
Produção e revisão de textosProdução e revisão de textos
Produção e revisão de textos
 
Apostila de portadores de texto. gêneros textuais(1)
Apostila de portadores de texto. gêneros textuais(1)Apostila de portadores de texto. gêneros textuais(1)
Apostila de portadores de texto. gêneros textuais(1)
 
Generos e tipos textuais ppt
Generos e tipos textuais pptGeneros e tipos textuais ppt
Generos e tipos textuais ppt
 
Oficina de produção de texto
Oficina de produção de textoOficina de produção de texto
Oficina de produção de texto
 
Gêneros Textuais
Gêneros TextuaisGêneros Textuais
Gêneros Textuais
 
Apostila gêneros textuais 4º ano
Apostila gêneros textuais  4º anoApostila gêneros textuais  4º ano
Apostila gêneros textuais 4º ano
 

Semelhante a Simone marcuschi

Slide ivan generos2
Slide ivan generos2Slide ivan generos2
Slide ivan generos2
Conceicao Daumas
 
Grupo 06 generos textuais grupo 06
Grupo 06 generos textuais  grupo 06Grupo 06 generos textuais  grupo 06
Grupo 06 generos textuais grupo 06
silvia-9616
 
www.raiosdesabedoria.blogpot.com
www.raiosdesabedoria.blogpot.comwww.raiosdesabedoria.blogpot.com
www.raiosdesabedoria.blogpot.com
silvania-dias
 
Slides de taelp 2
Slides de taelp 2Slides de taelp 2
Slides de taelp 2
silvania-dias
 
Slides de taelp 2
Slides de taelp 2Slides de taelp 2
Slides de taelp 2
silvania-dias
 
raios de sabedoria
raios de sabedoriaraios de sabedoria
raios de sabedoria
silvania-dias
 
http://www.raiosdesabedoria.blogspot.com
http://www.raiosdesabedoria.blogspot.comhttp://www.raiosdesabedoria.blogspot.com
http://www.raiosdesabedoria.blogspot.com
silvania-dias
 
Slides de taelp 2
Slides de taelp 2Slides de taelp 2
Slides de taelp 2
silvania-dias
 
www.raiosdesabedoria.blogspot.com
www.raiosdesabedoria.blogspot.comwww.raiosdesabedoria.blogspot.com
www.raiosdesabedoria.blogspot.com
silvania-dias
 
Slide ivan generos
Slide ivan generosSlide ivan generos
Slide ivan generos
Conceicao Daumas
 
Slide ivan generos
Slide ivan generosSlide ivan generos
Slide ivan generos
Conceicao Daumas
 
un-5-anos-1-2-e-3.ppt
un-5-anos-1-2-e-3.pptun-5-anos-1-2-e-3.ppt
un-5-anos-1-2-e-3.ppt
PsiclogaNlidaBez
 
PNAIC - Porque ensinar gêneros textuais na escola
PNAIC - Porque ensinar gêneros textuais na escolaPNAIC - Porque ensinar gêneros textuais na escola
PNAIC - Porque ensinar gêneros textuais na escola
ElieneDias
 
Slide prod. e compreens. escrita (quase)
Slide prod. e compreens. escrita (quase)Slide prod. e compreens. escrita (quase)
Slide prod. e compreens. escrita (quase)
Ana Camila
 
Bakhtin simone
Bakhtin simoneBakhtin simone
Bakhtin simone
FALE - UFMG
 
Unidade 5 - parte 2
Unidade 5 - parte 2Unidade 5 - parte 2
Unidade 5 - parte 2
Bete Feliciano
 
Gêneros Textuais
Gêneros TextuaisGêneros Textuais
Gêneros Textuais
Karina Fernandes
 
Bakhtin generos textuais e ensino de lingua portuguesa
Bakhtin   generos textuais e ensino de lingua portuguesaBakhtin   generos textuais e ensino de lingua portuguesa
Bakhtin generos textuais e ensino de lingua portuguesa
UNIPLETRAS
 
O banner como gênero discursivo uma leitura a luz das teorias bakhtinianas
O banner como gênero discursivo uma leitura a luz das teorias bakhtinianasO banner como gênero discursivo uma leitura a luz das teorias bakhtinianas
O banner como gênero discursivo uma leitura a luz das teorias bakhtinianas
Atitude Digital
 
Slides
SlidesSlides

Semelhante a Simone marcuschi (20)

Slide ivan generos2
Slide ivan generos2Slide ivan generos2
Slide ivan generos2
 
Grupo 06 generos textuais grupo 06
Grupo 06 generos textuais  grupo 06Grupo 06 generos textuais  grupo 06
Grupo 06 generos textuais grupo 06
 
www.raiosdesabedoria.blogpot.com
www.raiosdesabedoria.blogpot.comwww.raiosdesabedoria.blogpot.com
www.raiosdesabedoria.blogpot.com
 
Slides de taelp 2
Slides de taelp 2Slides de taelp 2
Slides de taelp 2
 
Slides de taelp 2
Slides de taelp 2Slides de taelp 2
Slides de taelp 2
 
raios de sabedoria
raios de sabedoriaraios de sabedoria
raios de sabedoria
 
http://www.raiosdesabedoria.blogspot.com
http://www.raiosdesabedoria.blogspot.comhttp://www.raiosdesabedoria.blogspot.com
http://www.raiosdesabedoria.blogspot.com
 
Slides de taelp 2
Slides de taelp 2Slides de taelp 2
Slides de taelp 2
 
www.raiosdesabedoria.blogspot.com
www.raiosdesabedoria.blogspot.comwww.raiosdesabedoria.blogspot.com
www.raiosdesabedoria.blogspot.com
 
Slide ivan generos
Slide ivan generosSlide ivan generos
Slide ivan generos
 
Slide ivan generos
Slide ivan generosSlide ivan generos
Slide ivan generos
 
un-5-anos-1-2-e-3.ppt
un-5-anos-1-2-e-3.pptun-5-anos-1-2-e-3.ppt
un-5-anos-1-2-e-3.ppt
 
PNAIC - Porque ensinar gêneros textuais na escola
PNAIC - Porque ensinar gêneros textuais na escolaPNAIC - Porque ensinar gêneros textuais na escola
PNAIC - Porque ensinar gêneros textuais na escola
 
Slide prod. e compreens. escrita (quase)
Slide prod. e compreens. escrita (quase)Slide prod. e compreens. escrita (quase)
Slide prod. e compreens. escrita (quase)
 
Bakhtin simone
Bakhtin simoneBakhtin simone
Bakhtin simone
 
Unidade 5 - parte 2
Unidade 5 - parte 2Unidade 5 - parte 2
Unidade 5 - parte 2
 
Gêneros Textuais
Gêneros TextuaisGêneros Textuais
Gêneros Textuais
 
Bakhtin generos textuais e ensino de lingua portuguesa
Bakhtin   generos textuais e ensino de lingua portuguesaBakhtin   generos textuais e ensino de lingua portuguesa
Bakhtin generos textuais e ensino de lingua portuguesa
 
O banner como gênero discursivo uma leitura a luz das teorias bakhtinianas
O banner como gênero discursivo uma leitura a luz das teorias bakhtinianasO banner como gênero discursivo uma leitura a luz das teorias bakhtinianas
O banner como gênero discursivo uma leitura a luz das teorias bakhtinianas
 
Slides
SlidesSlides
Slides
 

Mais de FALE - UFMG

High up: inglês para o ensino médio. PNLD
High up: inglês para o ensino médio. PNLDHigh up: inglês para o ensino médio. PNLD
High up: inglês para o ensino médio. PNLD
FALE - UFMG
 
Multimodality
MultimodalityMultimodality
Multimodality
FALE - UFMG
 
Formação do professor de inglês -Clipi - reinildes dias
Formação do professor de inglês -Clipi - reinildes diasFormação do professor de inglês -Clipi - reinildes dias
Formação do professor de inglês -Clipi - reinildes dias
FALE - UFMG
 
Portal for the English Teacher - Recife 2013 f
Portal for the English Teacher - Recife 2013 fPortal for the English Teacher - Recife 2013 f
Portal for the English Teacher - Recife 2013 f
FALE - UFMG
 
Poster ivclafpl portal
Poster ivclafpl portalPoster ivclafpl portal
Poster ivclafpl portal
FALE - UFMG
 
Setofslides images
Setofslides imagesSetofslides images
Setofslides images
FALE - UFMG
 
Ecards
EcardsEcards
Ecards
FALE - UFMG
 
Cap2 bull-anstey
Cap2 bull-ansteyCap2 bull-anstey
Cap2 bull-anstey
FALE - UFMG
 
Writing the visual
 Writing the visual Writing the visual
Writing the visual
FALE - UFMG
 
Landscape for learning
Landscape for learningLandscape for learning
Landscape for learning
FALE - UFMG
 
TPR - Silent Way
TPR - Silent WayTPR - Silent Way
TPR - Silent Way
FALE - UFMG
 
Nivia aniele
Nivia anieleNivia aniele
Nivia aniele
FALE - UFMG
 
Ficha multiliteracies
Ficha multiliteraciesFicha multiliteracies
Ficha multiliteracies
FALE - UFMG
 
Chap4 gomes-erika
Chap4 gomes-erikaChap4 gomes-erika
Chap4 gomes-erika
FALE - UFMG
 
Friday april20 f
Friday april20 fFriday april20 f
Friday april20 f
FALE - UFMG
 
Kress thiago
Kress thiagoKress thiago
Kress thiago
FALE - UFMG
 
Kress erika
Kress erikaKress erika
Kress erika
FALE - UFMG
 
Bakhtin erika
Bakhtin erikaBakhtin erika
Bakhtin erika
FALE - UFMG
 
Letras 2012
Letras 2012Letras 2012
Letras 2012
FALE - UFMG
 

Mais de FALE - UFMG (20)

High up: inglês para o ensino médio. PNLD
High up: inglês para o ensino médio. PNLDHigh up: inglês para o ensino médio. PNLD
High up: inglês para o ensino médio. PNLD
 
Multimodality
MultimodalityMultimodality
Multimodality
 
Formação do professor de inglês -Clipi - reinildes dias
Formação do professor de inglês -Clipi - reinildes diasFormação do professor de inglês -Clipi - reinildes dias
Formação do professor de inglês -Clipi - reinildes dias
 
Portal for the English Teacher - Recife 2013 f
Portal for the English Teacher - Recife 2013 fPortal for the English Teacher - Recife 2013 f
Portal for the English Teacher - Recife 2013 f
 
Poster ivclafpl portal
Poster ivclafpl portalPoster ivclafpl portal
Poster ivclafpl portal
 
Setofslides images
Setofslides imagesSetofslides images
Setofslides images
 
Ecards
EcardsEcards
Ecards
 
Cap2 bull-anstey
Cap2 bull-ansteyCap2 bull-anstey
Cap2 bull-anstey
 
Writing the visual
 Writing the visual Writing the visual
Writing the visual
 
Web2
Web2Web2
Web2
 
Landscape for learning
Landscape for learningLandscape for learning
Landscape for learning
 
TPR - Silent Way
TPR - Silent WayTPR - Silent Way
TPR - Silent Way
 
Nivia aniele
Nivia anieleNivia aniele
Nivia aniele
 
Ficha multiliteracies
Ficha multiliteraciesFicha multiliteracies
Ficha multiliteracies
 
Chap4 gomes-erika
Chap4 gomes-erikaChap4 gomes-erika
Chap4 gomes-erika
 
Friday april20 f
Friday april20 fFriday april20 f
Friday april20 f
 
Kress thiago
Kress thiagoKress thiago
Kress thiago
 
Kress erika
Kress erikaKress erika
Kress erika
 
Bakhtin erika
Bakhtin erikaBakhtin erika
Bakhtin erika
 
Letras 2012
Letras 2012Letras 2012
Letras 2012
 

Último

Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 

Último (20)

Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 

Simone marcuschi

  • 1. MARCUSCHI, L. A. Gêneros textuais: definição e funcionalidade. In: Dionísio et al. Gêneros textuais e ensino. 2ed. 2002. p. 19-36 Esquema elaborado por Simone Garofalo para a disciplina da Professora Reinildes Dias - LIG905 C - Multiletramentos: leitura e escrita em LE e aplicações pedagógicas (2012/01) – POLIN/FALE/UFMG 1
  • 2. 1. Gêneros textuais como práticas sócio-históricas ● Características: – Gêneros textuais são fenômenos históricos, profundamente vinculados à vida cultural e social. – São entidades sócio-discursivas e formas de ação social incontornáveis em qualquer situação comunicativa. – Não são instrumentos estanques e enrijecedores da ação criativa. – Caracterizam-se como eventos textuais altamente maleáveis, dinâmicos e plásticos. – Surgem emparelhados a necessidades e atividades sócio- culturais, bem como na relação com inovações tecnológicas. 2
  • 3. 1. Gêneros textuais como práticas sócio-históricas ● Histórico: – Numa primeira fase, povos de cultura essencialmente oral desenvolveram um conjunto limitado de gêneros. – Após a invenção da escrita alfabética (séc. VII a.C.), multiplicam-se os gêneros, surgindo os típicos da escrita. – A partir do século XV, os gêneros expandem-se com o florescimento da cultura impressa para, na fase intermediária de industrialização iniciada no século XVIII, dar início a uma grande ampliação. – Hoje, na cultura eletrônica, presenciamos uma explosão de novos gêneros e novas formas de comunicação, tanto na oralidade como na escrita. 3
  • 4. 1. Gêneros textuais como práticas sócio-históricas ● Os gêneros textuais: – surgem, situam-se e integram-se funcionalmente nas culturas em que se desenvolvem. – caracterizam-se muito mais por suas funções comunicativas, cognitivas e institucionais do que por suas peculiaridades linguísticas e estruturais. – são quase inúmeros em diversidade de formas, obtêm denominações nem sempre unívocas e, assim como surgem, podem desaparecer. 4
  • 5. 2. Novos gêneros e velhas bases ● Os grandes suportes tecnológicos da comunicação, por terem uma presença marcante e grande centralidade nas atividades comunicativas da realidade social que ajudam a criar, vão por sua vez propiciando e abrigando gêneros novos bastante característicos. ● Esses novos gêneros não são inovações absolutas, sem uma ancoragem em outros gêneros já existentes. ● Bakhtin falava na "transmutação" dos gêneros e na assimilação de um gênero por outro gerando novos. ● A tecnologia favorece o surgimento de formas inovadoras, mas não absolutamente novas. 5
  • 6. 2. Novos gêneros e velhas bases ● Esses gêneros que emergiram no último século no contexto das mais diversas mídias criam formas comunicativas próprias com um certo hibridismo que desafia as relações entre oralidade e escrita e inviabiliza de forma definitiva a velha visão dicotômica ainda presente em muitos manuais de ensino de língua. ● Em muitos casos são as formas que determinam o gênero e, em outros tantos serão as funções. Contudo, haverá casos em que será o próprio suporte ou o ambiente em que os textos aparecem que determinam o gênero presente. ● Podemos dizer que as expressões "mesmo texto" e "mesmo gênero" não são automaticamente equivalentes, desde que não estejam no mesmo suporte. 6
  • 7. 3. Definição de tipo e gênero textual ● Concepção de língua: – Partimos do pressuposto básico de que é impossível se comunicar verbalmente a não ser por algum gênero, assim como é impossível se comunicar verbalmente a não ser por algum texto. – A comunicação verbal só é possível por algum gênero textual. – Noção de língua como atividade social, histórica e cognitiva. – Privilegia a natureza funcional e interativa e não o aspecto formal e estrutural da língua. – A língua é tida como uma forma de ação social e histórica. – Hipótese sócio-interativa da língua. 7
  • 8. 3. Definição de tipo e gênero textual ● Definição de tipo textual: – Usamos a expressão tipo textual para designar uma espécie de construção teórica definida pela natureza linguística de sua composição {aspectos lexicais, sintáticos, tempos verbais, relações lógicas}. – Em geral, os tipos textuais abrangem cerca de meia dúzia de categorias conhecidas como: narração, argumentação, exposição, descrição, injunção. 8
  • 9. 3. Definição de tipo e gênero textual ● Definição de gênero textual: – Usamos a expressão gênero textual como uma noção propositalmente vaga para referir os textos materializados que encontramos em nossa vida diária e que apresentam características sócio-comunicativas definidas por conteúdos, propriedades funcionais, estilo e composição característica. – Se os tipos textuais são apenas meia dúzia, os gêneros são inúmeros. – Alguns exemplos de gêneros textuais seriam: telefonema, sermão, carta comercial, carta pessoal, romance, bilhete, reportagem jornalística, aula expositiva, horóscopo, etc. 9
  • 10. 3. Definição de tipo e gênero textual ● Quadro sinóptico: 10
  • 11. 3. Definição de tipo e gênero textual ● Definição de domínio discursivo: – Usamos a expressão domínio discursivo para designar uma esfera ou instância de produção discursiva ou de atividade humana. – Esses domínios não são textos nem discursos, mas propiciam o surgimento de discursos bastante específicos. – Do ponto de vista dos domínios, falamos em discurso jurídico, discurso jornalístico, discurso religioso etc., já que as atividades jurídica, jornalística ou religiosa não abrangem um gênero em particular, mas dão origem a vários deles. – Constituem práticas discursivas nas quais podemos identificar um conjunto de gêneros textuais que, às vezes, lhe são próprios (em certos casos exclusivos) como práticas ou rotinas comunicativas institucionalizadas. 11
  • 12. 3. Definição de tipo e gênero textual ● Deve-se ter o cuidado de não confundir texto e discurso como se fossem a mesma coisa. ● Pode-se dizer que texto é uma entidade concreta realizada materialmente e corporificada em algum gênero textual. ● Discurso é aquilo que um texto produz ao se manifestar em alguma instância discursiva. ● Assim, o discurso se realiza nos textos. ● Em outros termos: os textos realizam discursos em situações institucionais, históricas, sociais e ideológicas. ● Os textos são acontecimentos discursivos para os quais convergem ações linguísticas, sociais e cognitivas, segundo Robert de Beaugrande (1997). 12
  • 13. 3. Definição de tipo e gênero textual ● Definições dadas: muito mais operacional do que formal. ● Para a noção de tipo textual predomina a identificação de sequências linguísticas típicas como norteadoras. ● Já para a noção de gênero textual predominam os critérios de ação prática, circulação sócio-histórica, funcionalidade, conteúdo temático, estilo e composicionalidade, sendo que os domínios discursivos são as grandes esferas da atividade humana em que os textos circulam. ● Importante é perceber que os gêneros não são entidades formais, mas sim entidades comunicativas. ● Gêneros são formas verbais de ação social relativamente estáveis realizadas em textos situados em comunidades de práticas sociais e em domínios discursivos específicos. 13
  • 14. 4. Algumas observações sobre os tipos textuais ● Pode ocorrer que o mesmo gênero realize dois ou mais tipos. Assim, um texto é em geral tipologicamente variado (heterogêneo). ● Um tipo textual é dado por um conjunto de traços que formam uma sequência e não um texto. ● Pode-se dizer que o segredo da coesão textual está precisamente na habilidade demonstrada em fazer essa "costura" ou tessitura das sequências tipológicas como uma armação de base, ou seja, uma malha infraestrutural do texto. Como tais, os gêneros são uma espécie de armadura comunicativa geral preenchida por sequências tipológicas de base que podem ser bastante heterogêneas mas relacionadas entre si. ● Quando se nomeia um certo texto como "narrativo", "descritivo" ou "argumentativo", não se está nomeando o gênero e sim o predomínio de um tipo de sequência de base. 14
  • 15. 4. Algumas observações sobre os tipos textuais ● Características predominantes dos tipos textuais: – Narrativos → sequência temporal. – Descritivos → sequências de localização. – Expositivos → sequências analíticas ou então explicitamente explicativas. – Argumentativos → sequências contrastivas explícitas. – Injuntivos → sequências imperativas. 15
  • 16. 5. Observações sobre os gêneros textuais ● Bakhtin (1997) dizia que os gêneros eram tipos "relativamente estáveis" de enunciados elaborados pelas mais diversas esferas da atividade humana. ● Sendo os gêneros fenômenos sócio-históricos e culturalmente sensíveis, não há como fazer uma lista fechada de todos os gêneros. ● Quando dominamos um gênero textual, não dominamos uma forma linguística e sim uma forma de realizar linguisticamente objetivos específicos em situações sociais particulares. ● Como afirmou Bronckart (1999), "a apropriação dos gêneros é um mecanismo fundamental de socialização, de inserção prática nas atividades comunicativas humanas" 16
  • 17. 6. Gêneros textuais e ensino ● Um maior conhecimento do funcionamento dos gêneros textuais é importante tanto para a produção como para a compreensão. ● É esta ideia básica dos PCN quando sugerem que o trabalho com o texto deve ser feito na base dos gêneros, sejam eles orais ou escritos. ● Seria bom ter em mente a questão da relação oralidade e escrita no contexto dos gêneros textuais, pois os gêneros distribuem-se pelas duas modalidades num contínuo, desde os mais informais aos mais formais e em todos os contextos e situações da vida cotidiana. ● Gêneros textuais → artefatos linguísticos concretos. ● Pode-se dizer que os gêneros textuais fundam-se em critérios externos (sócio-comunicativos e discursivos), enquanto os tipos textuais fundam-se em critérios internos (linguísticas e formais). 17
  • 18. 6. Gêneros textuais e ensino ● Não há só a questão da produção adequada do gênero, mas também um uso adequado. ● Não é uma questão de etiqueta social apenas, mas é um caso de adequação tipológica, que diz respeito à relação que deveria haver, na produção de cada gênero textual, entre os seguintes aspectos: – natureza da informação ou do conteúdo veiculado; – nível de linguagem (formal, informal, dialetal, culta, etc.); – tipo de situação em que o gênero se situa (pública, privada, corriqueira, solene, etc.); – relação entre os participantes (conhecidos, desconhecidos, nível social, formação, etc); – natureza dos objetivos das atividades desenvolvidas. 18
  • 19. 6. Gêneros textuais e ensino ● No ensino pode-se tratar dos gêneros levando os alunos a produzirem ou analisarem eventos linguísticos os mais diversos, tanto escritos como orais, e identificarem as características de gênero em cada um. ● É um exercício que, além de instrutivo, também permite praticar a produção textual. 19
  • 20. 7. Observações finais ● Pode-se dizer que o trabalho com gêneros textuais é uma extraordinária oportunidade de se lidar com a língua em seus mais diversos usos autênticos no dia-a-dia. ● E há muitos gêneros produzidos de maneira sistemática e com grande incidência na vida diária, merecedores de nossa atenção. Inclusive e talvez de maneira fundamental, os que aparecem nas diversas mídias hoje existentes, sem excluir a mídia virtual, tão bem conhecida dos internautas ou navegadores da Internet. ● A relevância maior de tratar os gêneros textuais acha-se de modo todo especial no ensino de língua, já que se ensina a produzir textos e não a produzir enunciados soltos. 20
  • 21. 7. Observações finais ● Uma análise dos manuais de ensino de língua portuguesa mostra que há uma relativa variedade de gêneros textuais presentes nessas obras. Contudo, uma observação mais atenta e qualificada revela que a essa variedade não corresponde uma realidade analítica. ● São poucos os casos de tratamento dos gêneros de maneira sistemática. Lentamente, surgem novas perspectivas e novas abordagens que incluem até mesmo aspectos da oralidade. ● É de se indagar se há gêneros textuais ideais para o ensino de língua. Tudo indica que a resposta seja não. Mas é provável que se possam identificar gêneros com dificuldades progressivas, do nível menos formal ao mais formal, do mais privado ao mais público e assim por diante. Tem-se a oportunidade de observar tanto a oralidade como a escrita em seus usos culturais mais autênticos sem forçar a criação de gêneros que circulam apenas no universo escolar. 21