SlideShare uma empresa Scribd logo
Várzea Grande – MT, 2014/2
Centro Universitário – UNIVAG
GPA. Ciências Agrárias, Biológicas e Engenharias.
ENGENHARIA CIVIL
Laboratório de Química Geral
DETERMINAÇÃO DE DENSIDADE DE AMOSTRA SÓLIDA E LÍQUIDA
Nome Completo Assinatura
1 David Gomes Tonholo
2 Daylson Bandeira Maciel
3 Gilvan Dias da Cunha Junior
4 Igor Fernandes Cardoso
5 Jadiel Papini de Fialho de Godoi
6 João Paulo de Oliveira Costa
7 Juliano Kimura
2
SUMÁRIO
1 Densidade 03
2 Massa Especifica 03
3 Materiais Utilizados 04
4 Determinação da Densidade de Amostras Solida 04
5 Determinação da Densidade de Amostras Liquida 06
6 Influência da Temperatura na Densidade 07
7 Comparação entre Médias 08
8 Erro Relativo ou Erro Percentual 08
3
1. DENSIDADE
Densidade como conceito é uma das propriedades dos sólidos, dos líquidos e inclu-
sive a medida do grau de compactação de um material, sua densidade. Esta é uma medi-
da de quanto material se encontra comprimido num espaço determinado, em termos
mais técnicos, densidade é a quantidade de massa por unidade de volume.
Dessa forma, essa define como a relação que existe entre o volume e a massa de um
objeto ou substância. É uma propriedade física que é característica das substâncias puras
e é considerada uma propriedade intensiva, já que é independente ao tamanho da mos-
tra. A densidade é uma propriedade física importante e pode ser utilizada para distinguir
um material puro de um impuro (ou de ligas desse metal), pois a densidade dos materi-
ais que não são puros (misturas) é uma função da sua composição.
 Densidade = Massa = m (gramas)
Volume V (cm³)
2. MASSA ESPECIFICA
Esta grandeza, característica específica de cada substância, é conhecida também pe-
lo nome de densidade absoluta. Vamos representá-la aqui pela letra grega μ (mi). É de-
finida pela relação entre a massa e o volume da substância considerada. Se a
massa é expressa em gramas (g) e o volume em cm³, a massa específica, no sistema
prático, é expressa em g/cm³ (gramas por centímetro cúbico). No SI (Sistema Internaci-
onal de Unidade), a massa é dada em quilogramas e o volume em m3, portanto a massa
específica é expressa em kg/m³.
μ = massa (kg)
Volume (m³)
4
3. MATERIAIS UTILIZADOS
 Balança analítica de precisão (BEL engineering)
 Béquer 10ml
 Erlenmeyer;
 Espátulas;
 Pipetas Volumétricas;
 Provetas;
 Água destilada;
 Álcool etílico;
 Óleo de soja;
 Objetos Metálicos
 Relógio de vidro;
4. DETERMINAÇÃO DA DENSIDADE DE AMOSTRAS SOLIDA
Para que seja possível identificar qualquer elemento, substância ou mistura que
compõe determinado sólido é preciso verificar a quantidade de massa que á amostra
ocupa no espaço. O cálculo da densidade torna possível a identificação desses dados
para que então possa se comparar com as informações da literatura. Para sólidos irregu-
lares o método físico de deslocamento volumétrico é a forma mais precisa verificar o
volume que determinada amostra ocupa no espaço.
Material 01 – Prego
m=4,07g ρ=4,07/0,4
Δv = 0,4 cm³ ρ=10,175g/cm³
Material 02 – Parafuso do Conector
m=5,27g ρ=5,27/0,5
Δv = 0,5 cm³ ρ=10,54g/cm³
5
Material 03 – Clipe
m=0,68g ρ=0,68/0,1
Δv = 0,1 cm³ ρ=6,8g/cm³
Material 04 – Porca
m=3,21g ρ=3,21/0,5
Δv = 0,5 cm³ ρ=6,42g/cm³
Os procedimentos a seguir foram utilizados para calcular a densidade dos quatro
materiais acima.
 Primeiro passo: foram colocados 8 ml de água destilada na proveta de 10 ml, pa-
ra aferir o volume deslocado do material solido
 Segundo passo: foi medida a massa de cada material seco na balança analítica
 Terceiro passo: Calcular a densidade de cada material
6
5. DETERMINAÇÃO DA DENSIDADE DE AMOSTRAS LIQUIDA
A densidade dos líquidos pode ser determinada analogamente à densidade dos sóli-
dos, medindo-se a sua massa e determinando-se o seu volume. Entretanto, no caso dos
líquidos, uma alteração relativamente pequena na temperatura pode afetar considera-
velmente o valor da densidade, enquanto que a alteração de pressão tem que ser relati-
vamente alta para que o valor da densidade seja afetado.
Material 01 – Água
m=9,95g ρ=9,95/10
v = 10 cm³ ρ=0,995g/cm³
T = 28°C
ρH2O 28°C= 0,99622g/cm³
Material 02 – Álcool
m=7,79g ρ=7,79/10
v = 10 cm³ ρ=0,779g/cm³
T = 28°C
ρ Álcool 28°C= 0,8007g/cm³
Material 03 – Óleo de soja
m=8,99g ρ=8,99/10
v = 10 cm³ ρ=0,899g/cm³
T = 29°C
ρ Óleo 28°C= 0,891g/cm³
Os procedimentos a seguir foram utilizados para calcular a densidade dos quatro
materiais acima.
 Primeiro passo: Medir a temperatura da amostra liquida no béquer, e colocar
10ml da pipeta volumétrica
 Segundo passo: Colocar a amostra do liquido no erlenmeyer e aferir sua massa
na balança analítica
 Terceiro passo: Calcular a densidade de cada material
7
6. INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA (°C) NA DENSIDADE
Observamos que uma substância qualquer, quando aquecida, se dilata, isto é, seu
volume torna-se maior. Lembre-se do que acontece com o termômetro, para medir tem-
peraturas. O mercúrio, quando aquecido, aumenta de volume, subindo na escala. Apesar
desse aumento de volume, a massa da substância permanece a mesma (lembre-se de que
a massa é uma grandeza constante). Vimos que a densidade absoluta é a relação entre
massa e volume. Mantendo a massa constante e fazendo o volume variar, estamos, au-
tomaticamente, provocando uma variação na densidade da substância. A conclusão,
portanto, é que a densidade absoluta varia com a temperatura. Como mostra o gráfico
abaixo representa a densidade em função da temperatura.
Imagem adaptada: http://www.portalaction.com.br/en/node/1138
8
7. COMPARAÇÃO ENTRE MÉDIAS
MATERIAL DENSIDADE TE-
ORICA (g/cm³)
DENSIDADE DA
AMOSTRA
(g/cm³)
COMENTÁRIOS
PREGO 7,86 10,175
A densidade do prego esta ele-
vada por causa de sua oxidação
PARAFUSO
DO CONEC-
TOR
10,54 _
Essa densidade esta mais próxi-
ma do chumbo, mas não pode
ser por que ele é toxico e bioa-
cumulativo
CLIPE 7,13 6,8
Pelo valor mais próximo da den-
sidade teoria pode se afirmar é
feito de zinco
PORCA 7,86 6,42
Sua densidade não foi mais
aproximada por causa de sua
oxidação
ÁGUA 0,99622 0,995
As suas densidades foram prati-
camente as mesmas devido a sua
temperatura
ÁLCOOL 0,8007 0,779
A densidade da amostra foi me-
nor por causa da alta volatilidade
do álcool
ÓLEO DE SO-
JA
0,891 0,899
Suas densidades são praticamen-
te equivalentes por causa da sua
temperatura
8. ERRO RELATIVO OU ERRO PERCENTUAL
AMOSTRA
DOS
MATERIAS
Er( )
ERRO PER-
CENTUAL
( Er > 0,1% )
COMENTÁRIOS
PARAFUSO _ _
O erro não foi calculado
por causa da densidade
teórica mais próxima,
que era do chumbo, pois
este é toxico e bioacumu-
lativo
9
PREGO Er( –
) 29,45
O erro relativo está muito
acima do previsto, dessa
maneira, é um equivoco
afirmar pelo valor da
densidade teórica que o
prego é feito de ferro,
pois pelo conhecimento
do cotidiano pode se
afirmar que este é feito
desse minério.
CLIPE Er( –
) 4,62
O erro percentual ainda
esta acima do indicado,
mas pode se afirmar pela
densidade teórica que
este é feito de zinco
PORCA
Er( –
) 18,32
O erro percentual ainda
esta acima do indicado,
mas pode se afirmar pela
densidade teórica que
este é feito de Ferro
ÁGUA Er( –
) 0,122
O erro percentual da água
está mais próximo de
erro indicado
ÁLCOOL
Er( –
)
2,71 O seu erro percentual não
foi próximo, por causa da
sua alta volatilidade.
ÓLEO
Er( –
)
0,89 O erro percentual esta
próximo ao erro relativo
10
REFERENCIAS
 530 Carvalho, Luiz Fernando Fiatte.
C331 Curso de formação de operadores de refinaria: física aplicada, mecânica
dos fluidos / Luis Fernando Fiatte Carvalho. – Curitiba: PETROBRAS:
UnicenP, 2002.
34 p. : il. color. ; 30 cm.
Financiado pelas UN: REPAR, REGAP, REPLAN, REFAP, RPBC,
RECAP, SIX, REVAP.
1. Física. 2. Hidrostática. 3. Hidrodinâmica. I. Título.
 A Determinação da Densidade de Sólidos e Líquidos - Janaína César
Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Química
Marco-Aurélio De Paoli
http://objetoseducacionais2.mec.gov.br/bitstream/handle/mec/11544/articleI.pdf?sequen
ce=3
 DETERMINAÇÃO DA DENSIDADE DE SÓLIDOS E LÍQUIDOS PELO
PRINCÍPIO DE ARQUIMEDES*
Maria Nazareth Stolf Montanheiro
Departamento de Física – UNIMEP
Piracicaba – SP
 Kotz, John C.
Quimica geral e reações químicas, vol. 1 / John C. Kotz, Paul M. Treichel, Gabriela
C. Weaver
Titulo Original: Chemistry & Chemical reactivity .. ed. amereicana

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Relatório Potenciometria
Relatório PotenciometriaRelatório Potenciometria
Relatório Potenciometria
LuaneGS
 
Relatório de química
Relatório de químicaRelatório de química
Relatório de química
ADSONTORREZANE
 
ENSAIO DE DETERMINAÇÃO DE MASSA ESPECÍFICA POR MEIO DO FRASCO CHAPMAN
ENSAIO DE DETERMINAÇÃO DE MASSA ESPECÍFICA POR MEIO DO FRASCO CHAPMANENSAIO DE DETERMINAÇÃO DE MASSA ESPECÍFICA POR MEIO DO FRASCO CHAPMAN
ENSAIO DE DETERMINAÇÃO DE MASSA ESPECÍFICA POR MEIO DO FRASCO CHAPMAN
Rayane Anchieta
 
Relatório 7: Viscosímetro de Stokes
Relatório 7: Viscosímetro de StokesRelatório 7: Viscosímetro de Stokes
Relatório 7: Viscosímetro de Stokes
Fausto Pagan
 
Rela iodo
Rela iodoRela iodo
75755565 relatorio-8-determinacao-do-ferro-numa-agua-natural-por-espectrofoto...
75755565 relatorio-8-determinacao-do-ferro-numa-agua-natural-por-espectrofoto...75755565 relatorio-8-determinacao-do-ferro-numa-agua-natural-por-espectrofoto...
75755565 relatorio-8-determinacao-do-ferro-numa-agua-natural-por-espectrofoto...
AlaydeSimedo
 
Relatório de Refratometria
Relatório de RefratometriaRelatório de Refratometria
Relatório de Refratometria
Railane Freitas
 
Quimica Experimental - Relatorio REAÇÕES COM METAIS
Quimica Experimental - Relatorio REAÇÕES COM METAISQuimica Experimental - Relatorio REAÇÕES COM METAIS
Quimica Experimental - Relatorio REAÇÕES COM METAIS
Jessica Amaral
 
Relatorio de fisica.
Relatorio de fisica.Relatorio de fisica.
Relatorio de fisica.
Andreson Mattos
 
Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.
Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.
Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.
Dhion Meyg Fernandes
 
Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4
Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4
Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4
Ivys Antônio
 
Relatório aceleração da gravidade queda livre
Relatório aceleração da gravidade   queda livreRelatório aceleração da gravidade   queda livre
Relatório aceleração da gravidade queda livre
Thaís Franco
 
Relatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do Vinagre
Relatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do VinagreRelatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do Vinagre
Relatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do Vinagre
Dhion Meyg Fernandes
 
Seminário potenciometria
Seminário potenciometriaSeminário potenciometria
Seminário potenciometria
Carla Simon
 
Equilíbrio de fases em sistema simples (1)
Equilíbrio de fases em sistema simples (1)Equilíbrio de fases em sistema simples (1)
Equilíbrio de fases em sistema simples (1)
Raineldes Cruz
 
Relatorio - uv vis - Métodos Instrumentais
Relatorio - uv vis -  Métodos Instrumentais Relatorio - uv vis -  Métodos Instrumentais
Relatorio - uv vis - Métodos Instrumentais
Juliana Teófilo
 
Condutometria relatorio
Condutometria   relatorioCondutometria   relatorio
Condutometria relatorio
marcelazmarques
 
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DOS METAIS ALCALINOS E OBTENÇÃO DO HIDROG...
 RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DOS METAIS ALCALINOS E OBTENÇÃO DO HIDROG... RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DOS METAIS ALCALINOS E OBTENÇÃO DO HIDROG...
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DOS METAIS ALCALINOS E OBTENÇÃO DO HIDROG...
Ezequias Guimaraes
 
Preparação e Diluição de Soluções
Preparação e Diluição de SoluçõesPreparação e Diluição de Soluções
Preparação e Diluição de Soluções
Ruben Almeida
 
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DO ALUMÍNIO METÁLICO E DO CLORETO DE ALUMÍNIO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DO ALUMÍNIO METÁLICO E DO CLORETO DE ALUMÍNIORELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DO ALUMÍNIO METÁLICO E DO CLORETO DE ALUMÍNIO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DO ALUMÍNIO METÁLICO E DO CLORETO DE ALUMÍNIO
Ezequias Guimaraes
 

Mais procurados (20)

Relatório Potenciometria
Relatório PotenciometriaRelatório Potenciometria
Relatório Potenciometria
 
Relatório de química
Relatório de químicaRelatório de química
Relatório de química
 
ENSAIO DE DETERMINAÇÃO DE MASSA ESPECÍFICA POR MEIO DO FRASCO CHAPMAN
ENSAIO DE DETERMINAÇÃO DE MASSA ESPECÍFICA POR MEIO DO FRASCO CHAPMANENSAIO DE DETERMINAÇÃO DE MASSA ESPECÍFICA POR MEIO DO FRASCO CHAPMAN
ENSAIO DE DETERMINAÇÃO DE MASSA ESPECÍFICA POR MEIO DO FRASCO CHAPMAN
 
Relatório 7: Viscosímetro de Stokes
Relatório 7: Viscosímetro de StokesRelatório 7: Viscosímetro de Stokes
Relatório 7: Viscosímetro de Stokes
 
Rela iodo
Rela iodoRela iodo
Rela iodo
 
75755565 relatorio-8-determinacao-do-ferro-numa-agua-natural-por-espectrofoto...
75755565 relatorio-8-determinacao-do-ferro-numa-agua-natural-por-espectrofoto...75755565 relatorio-8-determinacao-do-ferro-numa-agua-natural-por-espectrofoto...
75755565 relatorio-8-determinacao-do-ferro-numa-agua-natural-por-espectrofoto...
 
Relatório de Refratometria
Relatório de RefratometriaRelatório de Refratometria
Relatório de Refratometria
 
Quimica Experimental - Relatorio REAÇÕES COM METAIS
Quimica Experimental - Relatorio REAÇÕES COM METAISQuimica Experimental - Relatorio REAÇÕES COM METAIS
Quimica Experimental - Relatorio REAÇÕES COM METAIS
 
Relatorio de fisica.
Relatorio de fisica.Relatorio de fisica.
Relatorio de fisica.
 
Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.
Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.
Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.
 
Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4
Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4
Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4
 
Relatório aceleração da gravidade queda livre
Relatório aceleração da gravidade   queda livreRelatório aceleração da gravidade   queda livre
Relatório aceleração da gravidade queda livre
 
Relatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do Vinagre
Relatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do VinagreRelatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do Vinagre
Relatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do Vinagre
 
Seminário potenciometria
Seminário potenciometriaSeminário potenciometria
Seminário potenciometria
 
Equilíbrio de fases em sistema simples (1)
Equilíbrio de fases em sistema simples (1)Equilíbrio de fases em sistema simples (1)
Equilíbrio de fases em sistema simples (1)
 
Relatorio - uv vis - Métodos Instrumentais
Relatorio - uv vis -  Métodos Instrumentais Relatorio - uv vis -  Métodos Instrumentais
Relatorio - uv vis - Métodos Instrumentais
 
Condutometria relatorio
Condutometria   relatorioCondutometria   relatorio
Condutometria relatorio
 
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DOS METAIS ALCALINOS E OBTENÇÃO DO HIDROG...
 RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DOS METAIS ALCALINOS E OBTENÇÃO DO HIDROG... RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DOS METAIS ALCALINOS E OBTENÇÃO DO HIDROG...
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DOS METAIS ALCALINOS E OBTENÇÃO DO HIDROG...
 
Preparação e Diluição de Soluções
Preparação e Diluição de SoluçõesPreparação e Diluição de Soluções
Preparação e Diluição de Soluções
 
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DO ALUMÍNIO METÁLICO E DO CLORETO DE ALUMÍNIO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DO ALUMÍNIO METÁLICO E DO CLORETO DE ALUMÍNIORELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DO ALUMÍNIO METÁLICO E DO CLORETO DE ALUMÍNIO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DO ALUMÍNIO METÁLICO E DO CLORETO DE ALUMÍNIO
 

Semelhante a Relatório Densidade de amostras desconhecidas

Article i (1)
Article i (1)Article i (1)
Article i (1)
mlenajsilva
 
Densidade liquidos
Densidade liquidosDensidade liquidos
Densidade liquidos
Ana Paula Vieira
 
ae_faq7_18_mat_densidade.pptx
ae_faq7_18_mat_densidade.pptxae_faq7_18_mat_densidade.pptx
ae_faq7_18_mat_densidade.pptx
LianaPinto2
 
Determinação da densidade por picnometro experiencia 5 20091
Determinação da densidade por picnometro experiencia 5 20091Determinação da densidade por picnometro experiencia 5 20091
Determinação da densidade por picnometro experiencia 5 20091
sergioviroli
 
Precisão e Exatidão de Vidrarias
Precisão e Exatidão de VidrariasPrecisão e Exatidão de Vidrarias
Precisão e Exatidão de Vidrarias
weberab
 
1º moderna 2016 _ aula 2
1º moderna 2016 _  aula 21º moderna 2016 _  aula 2
1º moderna 2016 _ aula 2
Professora Analynne Almeida
 
Pp Al 1.3
Pp Al 1.3Pp Al 1.3
Experimento sobre densidade
Experimento sobre densidadeExperimento sobre densidade
Experimento sobre densidade
Heitor Rodrigues
 
Relatório
RelatórioRelatório
Relatório
RelatórioRelatório
Cad c1 1ano_1opcao_gab_tarefa_quimica
Cad c1 1ano_1opcao_gab_tarefa_quimicaCad c1 1ano_1opcao_gab_tarefa_quimica
Cad c1 1ano_1opcao_gab_tarefa_quimica
Lilian Serra
 
Slide - Aula teórica densidade
Slide - Aula teórica densidadeSlide - Aula teórica densidade
Slide - Aula teórica densidade
Dibiela
 
Propriedades Específicas dos Materiais
Propriedades Específicas dos MateriaisPropriedades Específicas dos Materiais
Propriedades Específicas dos Materiais
Vínicius Gabriel
 
Texto m2
Texto m2Texto m2
Texto m2
Tita Santos
 
50379032 calculos-ppm (2)
50379032 calculos-ppm (2)50379032 calculos-ppm (2)
50379032 calculos-ppm (2)
Sebastião Jorge Barroso de Souza
 
Densidade
DensidadeDensidade
Densidade
ggmota93
 
Matéria e Energia I
Matéria e Energia I Matéria e Energia I
Matéria e Energia I
LeonildoGarciadeCast
 
Apostila estruturas de contencao revisao
Apostila estruturas de contencao revisaoApostila estruturas de contencao revisao
Apostila estruturas de contencao revisao
Rafael Maciel
 
E book nr-13 operação de unidades de processos e vasos de pressão
E book nr-13 operação de unidades de processos e vasos de pressãoE book nr-13 operação de unidades de processos e vasos de pressão
E book nr-13 operação de unidades de processos e vasos de pressão
roberto farias farias
 
Síntese do sulfato de tetra-aminocobre (II) mono-hidratado
Síntese do sulfato de tetra-aminocobre (II) mono-hidratadoSíntese do sulfato de tetra-aminocobre (II) mono-hidratado
Síntese do sulfato de tetra-aminocobre (II) mono-hidratado
Rodrigo Miguel
 

Semelhante a Relatório Densidade de amostras desconhecidas (20)

Article i (1)
Article i (1)Article i (1)
Article i (1)
 
Densidade liquidos
Densidade liquidosDensidade liquidos
Densidade liquidos
 
ae_faq7_18_mat_densidade.pptx
ae_faq7_18_mat_densidade.pptxae_faq7_18_mat_densidade.pptx
ae_faq7_18_mat_densidade.pptx
 
Determinação da densidade por picnometro experiencia 5 20091
Determinação da densidade por picnometro experiencia 5 20091Determinação da densidade por picnometro experiencia 5 20091
Determinação da densidade por picnometro experiencia 5 20091
 
Precisão e Exatidão de Vidrarias
Precisão e Exatidão de VidrariasPrecisão e Exatidão de Vidrarias
Precisão e Exatidão de Vidrarias
 
1º moderna 2016 _ aula 2
1º moderna 2016 _  aula 21º moderna 2016 _  aula 2
1º moderna 2016 _ aula 2
 
Pp Al 1.3
Pp Al 1.3Pp Al 1.3
Pp Al 1.3
 
Experimento sobre densidade
Experimento sobre densidadeExperimento sobre densidade
Experimento sobre densidade
 
Relatório
RelatórioRelatório
Relatório
 
Relatório
RelatórioRelatório
Relatório
 
Cad c1 1ano_1opcao_gab_tarefa_quimica
Cad c1 1ano_1opcao_gab_tarefa_quimicaCad c1 1ano_1opcao_gab_tarefa_quimica
Cad c1 1ano_1opcao_gab_tarefa_quimica
 
Slide - Aula teórica densidade
Slide - Aula teórica densidadeSlide - Aula teórica densidade
Slide - Aula teórica densidade
 
Propriedades Específicas dos Materiais
Propriedades Específicas dos MateriaisPropriedades Específicas dos Materiais
Propriedades Específicas dos Materiais
 
Texto m2
Texto m2Texto m2
Texto m2
 
50379032 calculos-ppm (2)
50379032 calculos-ppm (2)50379032 calculos-ppm (2)
50379032 calculos-ppm (2)
 
Densidade
DensidadeDensidade
Densidade
 
Matéria e Energia I
Matéria e Energia I Matéria e Energia I
Matéria e Energia I
 
Apostila estruturas de contencao revisao
Apostila estruturas de contencao revisaoApostila estruturas de contencao revisao
Apostila estruturas de contencao revisao
 
E book nr-13 operação de unidades de processos e vasos de pressão
E book nr-13 operação de unidades de processos e vasos de pressãoE book nr-13 operação de unidades de processos e vasos de pressão
E book nr-13 operação de unidades de processos e vasos de pressão
 
Síntese do sulfato de tetra-aminocobre (II) mono-hidratado
Síntese do sulfato de tetra-aminocobre (II) mono-hidratadoSíntese do sulfato de tetra-aminocobre (II) mono-hidratado
Síntese do sulfato de tetra-aminocobre (II) mono-hidratado
 

Mais de Lowrrayny Franchesca

Livro Mecânica dos fluídos segunda edição - Franco Brunetti
Livro Mecânica dos fluídos segunda edição - Franco BrunettiLivro Mecânica dos fluídos segunda edição - Franco Brunetti
Livro Mecânica dos fluídos segunda edição - Franco Brunetti
Lowrrayny Franchesca
 
Young e freedman ( resolução todos os volumes)
Young e freedman ( resolução todos os volumes)Young e freedman ( resolução todos os volumes)
Young e freedman ( resolução todos os volumes)
Lowrrayny Franchesca
 
Tipler para cientistas e engenheiros resolução 6 edição
Tipler para cientistas e engenheiros resolução 6 ediçãoTipler para cientistas e engenheiros resolução 6 edição
Tipler para cientistas e engenheiros resolução 6 edição
Lowrrayny Franchesca
 
Fisica 3 young e freedman 12ª edição (resolução)
Fisica 3   young e freedman 12ª edição (resolução)Fisica 3   young e freedman 12ª edição (resolução)
Fisica 3 young e freedman 12ª edição (resolução)
Lowrrayny Franchesca
 
Artigo ensaios de impacto envolvendo corpos de prova à base de aglomerante
Artigo   ensaios de impacto envolvendo corpos de prova à base de aglomerante Artigo   ensaios de impacto envolvendo corpos de prova à base de aglomerante
Artigo ensaios de impacto envolvendo corpos de prova à base de aglomerante
Lowrrayny Franchesca
 
Projeto Unificado lV História pykrete
Projeto Unificado lV História pykreteProjeto Unificado lV História pykrete
Projeto Unificado lV História pykrete
Lowrrayny Franchesca
 
Apresentação Treliça
Apresentação Treliça Apresentação Treliça
Apresentação Treliça
Lowrrayny Franchesca
 
Laudo Técnico ( Gasolina )
Laudo Técnico ( Gasolina ) Laudo Técnico ( Gasolina )
Laudo Técnico ( Gasolina )
Lowrrayny Franchesca
 
Relatório Densidade de amostras desconhecidas
Relatório Densidade de amostras desconhecidas Relatório Densidade de amostras desconhecidas
Relatório Densidade de amostras desconhecidas
Lowrrayny Franchesca
 
Projeto unificado ll , 3ª etapa ajustes -
Projeto unificado ll , 3ª etapa   ajustes -Projeto unificado ll , 3ª etapa   ajustes -
Projeto unificado ll , 3ª etapa ajustes -
Lowrrayny Franchesca
 
Projeto unificado ll , 1ª etapa (a história das catapultas )
Projeto unificado ll , 1ª etapa (a história das catapultas )Projeto unificado ll , 1ª etapa (a história das catapultas )
Projeto unificado ll , 1ª etapa (a história das catapultas )
Lowrrayny Franchesca
 
Trabalho variaveis macroeconomicas
Trabalho variaveis macroeconomicasTrabalho variaveis macroeconomicas
Trabalho variaveis macroeconomicas
Lowrrayny Franchesca
 
Gasto e consumo das famílias brasileiras nos últimos dez anos
Gasto e consumo das famílias brasileiras nos últimos dez anosGasto e consumo das famílias brasileiras nos últimos dez anos
Gasto e consumo das famílias brasileiras nos últimos dez anos
Lowrrayny Franchesca
 
Trabalho emas ciclos biogeoquímicos
Trabalho emas   ciclos biogeoquímicosTrabalho emas   ciclos biogeoquímicos
Trabalho emas ciclos biogeoquímicos
Lowrrayny Franchesca
 
Um engenheiro civil e o seu papel de gerente na obra de engenharia
Um engenheiro civil e o seu papel de gerente na obra de engenhariaUm engenheiro civil e o seu papel de gerente na obra de engenharia
Um engenheiro civil e o seu papel de gerente na obra de engenharia
Lowrrayny Franchesca
 
Administração pública e privada
Administração pública e privadaAdministração pública e privada
Administração pública e privada
Lowrrayny Franchesca
 
Projeto unificado l , 5ª etapa ( croqui e planilhas )
Projeto unificado l , 5ª etapa ( croqui e planilhas )Projeto unificado l , 5ª etapa ( croqui e planilhas )
Projeto unificado l , 5ª etapa ( croqui e planilhas )
Lowrrayny Franchesca
 
Projeto unificado l , 2ª etapa ( croqui e planilhas )
Projeto unificado l , 2ª etapa ( croqui e planilhas )Projeto unificado l , 2ª etapa ( croqui e planilhas )
Projeto unificado l , 2ª etapa ( croqui e planilhas )
Lowrrayny Franchesca
 
Projeto unificado l , 1ª etapa ( resistência do material utilizado )
Projeto unificado l , 1ª etapa ( resistência do material utilizado )Projeto unificado l , 1ª etapa ( resistência do material utilizado )
Projeto unificado l , 1ª etapa ( resistência do material utilizado )
Lowrrayny Franchesca
 
Projeto unificado l , 1ª etapa ( tipos de pontes existentes )
Projeto unificado l , 1ª etapa ( tipos de pontes existentes )Projeto unificado l , 1ª etapa ( tipos de pontes existentes )
Projeto unificado l , 1ª etapa ( tipos de pontes existentes )
Lowrrayny Franchesca
 

Mais de Lowrrayny Franchesca (20)

Livro Mecânica dos fluídos segunda edição - Franco Brunetti
Livro Mecânica dos fluídos segunda edição - Franco BrunettiLivro Mecânica dos fluídos segunda edição - Franco Brunetti
Livro Mecânica dos fluídos segunda edição - Franco Brunetti
 
Young e freedman ( resolução todos os volumes)
Young e freedman ( resolução todos os volumes)Young e freedman ( resolução todos os volumes)
Young e freedman ( resolução todos os volumes)
 
Tipler para cientistas e engenheiros resolução 6 edição
Tipler para cientistas e engenheiros resolução 6 ediçãoTipler para cientistas e engenheiros resolução 6 edição
Tipler para cientistas e engenheiros resolução 6 edição
 
Fisica 3 young e freedman 12ª edição (resolução)
Fisica 3   young e freedman 12ª edição (resolução)Fisica 3   young e freedman 12ª edição (resolução)
Fisica 3 young e freedman 12ª edição (resolução)
 
Artigo ensaios de impacto envolvendo corpos de prova à base de aglomerante
Artigo   ensaios de impacto envolvendo corpos de prova à base de aglomerante Artigo   ensaios de impacto envolvendo corpos de prova à base de aglomerante
Artigo ensaios de impacto envolvendo corpos de prova à base de aglomerante
 
Projeto Unificado lV História pykrete
Projeto Unificado lV História pykreteProjeto Unificado lV História pykrete
Projeto Unificado lV História pykrete
 
Apresentação Treliça
Apresentação Treliça Apresentação Treliça
Apresentação Treliça
 
Laudo Técnico ( Gasolina )
Laudo Técnico ( Gasolina ) Laudo Técnico ( Gasolina )
Laudo Técnico ( Gasolina )
 
Relatório Densidade de amostras desconhecidas
Relatório Densidade de amostras desconhecidas Relatório Densidade de amostras desconhecidas
Relatório Densidade de amostras desconhecidas
 
Projeto unificado ll , 3ª etapa ajustes -
Projeto unificado ll , 3ª etapa   ajustes -Projeto unificado ll , 3ª etapa   ajustes -
Projeto unificado ll , 3ª etapa ajustes -
 
Projeto unificado ll , 1ª etapa (a história das catapultas )
Projeto unificado ll , 1ª etapa (a história das catapultas )Projeto unificado ll , 1ª etapa (a história das catapultas )
Projeto unificado ll , 1ª etapa (a história das catapultas )
 
Trabalho variaveis macroeconomicas
Trabalho variaveis macroeconomicasTrabalho variaveis macroeconomicas
Trabalho variaveis macroeconomicas
 
Gasto e consumo das famílias brasileiras nos últimos dez anos
Gasto e consumo das famílias brasileiras nos últimos dez anosGasto e consumo das famílias brasileiras nos últimos dez anos
Gasto e consumo das famílias brasileiras nos últimos dez anos
 
Trabalho emas ciclos biogeoquímicos
Trabalho emas   ciclos biogeoquímicosTrabalho emas   ciclos biogeoquímicos
Trabalho emas ciclos biogeoquímicos
 
Um engenheiro civil e o seu papel de gerente na obra de engenharia
Um engenheiro civil e o seu papel de gerente na obra de engenhariaUm engenheiro civil e o seu papel de gerente na obra de engenharia
Um engenheiro civil e o seu papel de gerente na obra de engenharia
 
Administração pública e privada
Administração pública e privadaAdministração pública e privada
Administração pública e privada
 
Projeto unificado l , 5ª etapa ( croqui e planilhas )
Projeto unificado l , 5ª etapa ( croqui e planilhas )Projeto unificado l , 5ª etapa ( croqui e planilhas )
Projeto unificado l , 5ª etapa ( croqui e planilhas )
 
Projeto unificado l , 2ª etapa ( croqui e planilhas )
Projeto unificado l , 2ª etapa ( croqui e planilhas )Projeto unificado l , 2ª etapa ( croqui e planilhas )
Projeto unificado l , 2ª etapa ( croqui e planilhas )
 
Projeto unificado l , 1ª etapa ( resistência do material utilizado )
Projeto unificado l , 1ª etapa ( resistência do material utilizado )Projeto unificado l , 1ª etapa ( resistência do material utilizado )
Projeto unificado l , 1ª etapa ( resistência do material utilizado )
 
Projeto unificado l , 1ª etapa ( tipos de pontes existentes )
Projeto unificado l , 1ª etapa ( tipos de pontes existentes )Projeto unificado l , 1ª etapa ( tipos de pontes existentes )
Projeto unificado l , 1ª etapa ( tipos de pontes existentes )
 

Último

O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AntonioVieira539017
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
djincognito
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
Suzy De Abreu Santana
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 

Último (20)

O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 

Relatório Densidade de amostras desconhecidas

  • 1. Várzea Grande – MT, 2014/2 Centro Universitário – UNIVAG GPA. Ciências Agrárias, Biológicas e Engenharias. ENGENHARIA CIVIL Laboratório de Química Geral DETERMINAÇÃO DE DENSIDADE DE AMOSTRA SÓLIDA E LÍQUIDA Nome Completo Assinatura 1 David Gomes Tonholo 2 Daylson Bandeira Maciel 3 Gilvan Dias da Cunha Junior 4 Igor Fernandes Cardoso 5 Jadiel Papini de Fialho de Godoi 6 João Paulo de Oliveira Costa 7 Juliano Kimura
  • 2. 2 SUMÁRIO 1 Densidade 03 2 Massa Especifica 03 3 Materiais Utilizados 04 4 Determinação da Densidade de Amostras Solida 04 5 Determinação da Densidade de Amostras Liquida 06 6 Influência da Temperatura na Densidade 07 7 Comparação entre Médias 08 8 Erro Relativo ou Erro Percentual 08
  • 3. 3 1. DENSIDADE Densidade como conceito é uma das propriedades dos sólidos, dos líquidos e inclu- sive a medida do grau de compactação de um material, sua densidade. Esta é uma medi- da de quanto material se encontra comprimido num espaço determinado, em termos mais técnicos, densidade é a quantidade de massa por unidade de volume. Dessa forma, essa define como a relação que existe entre o volume e a massa de um objeto ou substância. É uma propriedade física que é característica das substâncias puras e é considerada uma propriedade intensiva, já que é independente ao tamanho da mos- tra. A densidade é uma propriedade física importante e pode ser utilizada para distinguir um material puro de um impuro (ou de ligas desse metal), pois a densidade dos materi- ais que não são puros (misturas) é uma função da sua composição.  Densidade = Massa = m (gramas) Volume V (cm³) 2. MASSA ESPECIFICA Esta grandeza, característica específica de cada substância, é conhecida também pe- lo nome de densidade absoluta. Vamos representá-la aqui pela letra grega μ (mi). É de- finida pela relação entre a massa e o volume da substância considerada. Se a massa é expressa em gramas (g) e o volume em cm³, a massa específica, no sistema prático, é expressa em g/cm³ (gramas por centímetro cúbico). No SI (Sistema Internaci- onal de Unidade), a massa é dada em quilogramas e o volume em m3, portanto a massa específica é expressa em kg/m³. μ = massa (kg) Volume (m³)
  • 4. 4 3. MATERIAIS UTILIZADOS  Balança analítica de precisão (BEL engineering)  Béquer 10ml  Erlenmeyer;  Espátulas;  Pipetas Volumétricas;  Provetas;  Água destilada;  Álcool etílico;  Óleo de soja;  Objetos Metálicos  Relógio de vidro; 4. DETERMINAÇÃO DA DENSIDADE DE AMOSTRAS SOLIDA Para que seja possível identificar qualquer elemento, substância ou mistura que compõe determinado sólido é preciso verificar a quantidade de massa que á amostra ocupa no espaço. O cálculo da densidade torna possível a identificação desses dados para que então possa se comparar com as informações da literatura. Para sólidos irregu- lares o método físico de deslocamento volumétrico é a forma mais precisa verificar o volume que determinada amostra ocupa no espaço. Material 01 – Prego m=4,07g ρ=4,07/0,4 Δv = 0,4 cm³ ρ=10,175g/cm³ Material 02 – Parafuso do Conector m=5,27g ρ=5,27/0,5 Δv = 0,5 cm³ ρ=10,54g/cm³
  • 5. 5 Material 03 – Clipe m=0,68g ρ=0,68/0,1 Δv = 0,1 cm³ ρ=6,8g/cm³ Material 04 – Porca m=3,21g ρ=3,21/0,5 Δv = 0,5 cm³ ρ=6,42g/cm³ Os procedimentos a seguir foram utilizados para calcular a densidade dos quatro materiais acima.  Primeiro passo: foram colocados 8 ml de água destilada na proveta de 10 ml, pa- ra aferir o volume deslocado do material solido  Segundo passo: foi medida a massa de cada material seco na balança analítica  Terceiro passo: Calcular a densidade de cada material
  • 6. 6 5. DETERMINAÇÃO DA DENSIDADE DE AMOSTRAS LIQUIDA A densidade dos líquidos pode ser determinada analogamente à densidade dos sóli- dos, medindo-se a sua massa e determinando-se o seu volume. Entretanto, no caso dos líquidos, uma alteração relativamente pequena na temperatura pode afetar considera- velmente o valor da densidade, enquanto que a alteração de pressão tem que ser relati- vamente alta para que o valor da densidade seja afetado. Material 01 – Água m=9,95g ρ=9,95/10 v = 10 cm³ ρ=0,995g/cm³ T = 28°C ρH2O 28°C= 0,99622g/cm³ Material 02 – Álcool m=7,79g ρ=7,79/10 v = 10 cm³ ρ=0,779g/cm³ T = 28°C ρ Álcool 28°C= 0,8007g/cm³ Material 03 – Óleo de soja m=8,99g ρ=8,99/10 v = 10 cm³ ρ=0,899g/cm³ T = 29°C ρ Óleo 28°C= 0,891g/cm³ Os procedimentos a seguir foram utilizados para calcular a densidade dos quatro materiais acima.  Primeiro passo: Medir a temperatura da amostra liquida no béquer, e colocar 10ml da pipeta volumétrica  Segundo passo: Colocar a amostra do liquido no erlenmeyer e aferir sua massa na balança analítica  Terceiro passo: Calcular a densidade de cada material
  • 7. 7 6. INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA (°C) NA DENSIDADE Observamos que uma substância qualquer, quando aquecida, se dilata, isto é, seu volume torna-se maior. Lembre-se do que acontece com o termômetro, para medir tem- peraturas. O mercúrio, quando aquecido, aumenta de volume, subindo na escala. Apesar desse aumento de volume, a massa da substância permanece a mesma (lembre-se de que a massa é uma grandeza constante). Vimos que a densidade absoluta é a relação entre massa e volume. Mantendo a massa constante e fazendo o volume variar, estamos, au- tomaticamente, provocando uma variação na densidade da substância. A conclusão, portanto, é que a densidade absoluta varia com a temperatura. Como mostra o gráfico abaixo representa a densidade em função da temperatura. Imagem adaptada: http://www.portalaction.com.br/en/node/1138
  • 8. 8 7. COMPARAÇÃO ENTRE MÉDIAS MATERIAL DENSIDADE TE- ORICA (g/cm³) DENSIDADE DA AMOSTRA (g/cm³) COMENTÁRIOS PREGO 7,86 10,175 A densidade do prego esta ele- vada por causa de sua oxidação PARAFUSO DO CONEC- TOR 10,54 _ Essa densidade esta mais próxi- ma do chumbo, mas não pode ser por que ele é toxico e bioa- cumulativo CLIPE 7,13 6,8 Pelo valor mais próximo da den- sidade teoria pode se afirmar é feito de zinco PORCA 7,86 6,42 Sua densidade não foi mais aproximada por causa de sua oxidação ÁGUA 0,99622 0,995 As suas densidades foram prati- camente as mesmas devido a sua temperatura ÁLCOOL 0,8007 0,779 A densidade da amostra foi me- nor por causa da alta volatilidade do álcool ÓLEO DE SO- JA 0,891 0,899 Suas densidades são praticamen- te equivalentes por causa da sua temperatura 8. ERRO RELATIVO OU ERRO PERCENTUAL AMOSTRA DOS MATERIAS Er( ) ERRO PER- CENTUAL ( Er > 0,1% ) COMENTÁRIOS PARAFUSO _ _ O erro não foi calculado por causa da densidade teórica mais próxima, que era do chumbo, pois este é toxico e bioacumu- lativo
  • 9. 9 PREGO Er( – ) 29,45 O erro relativo está muito acima do previsto, dessa maneira, é um equivoco afirmar pelo valor da densidade teórica que o prego é feito de ferro, pois pelo conhecimento do cotidiano pode se afirmar que este é feito desse minério. CLIPE Er( – ) 4,62 O erro percentual ainda esta acima do indicado, mas pode se afirmar pela densidade teórica que este é feito de zinco PORCA Er( – ) 18,32 O erro percentual ainda esta acima do indicado, mas pode se afirmar pela densidade teórica que este é feito de Ferro ÁGUA Er( – ) 0,122 O erro percentual da água está mais próximo de erro indicado ÁLCOOL Er( – ) 2,71 O seu erro percentual não foi próximo, por causa da sua alta volatilidade. ÓLEO Er( – ) 0,89 O erro percentual esta próximo ao erro relativo
  • 10. 10 REFERENCIAS  530 Carvalho, Luiz Fernando Fiatte. C331 Curso de formação de operadores de refinaria: física aplicada, mecânica dos fluidos / Luis Fernando Fiatte Carvalho. – Curitiba: PETROBRAS: UnicenP, 2002. 34 p. : il. color. ; 30 cm. Financiado pelas UN: REPAR, REGAP, REPLAN, REFAP, RPBC, RECAP, SIX, REVAP. 1. Física. 2. Hidrostática. 3. Hidrodinâmica. I. Título.  A Determinação da Densidade de Sólidos e Líquidos - Janaína César Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Química Marco-Aurélio De Paoli http://objetoseducacionais2.mec.gov.br/bitstream/handle/mec/11544/articleI.pdf?sequen ce=3  DETERMINAÇÃO DA DENSIDADE DE SÓLIDOS E LÍQUIDOS PELO PRINCÍPIO DE ARQUIMEDES* Maria Nazareth Stolf Montanheiro Departamento de Física – UNIMEP Piracicaba – SP  Kotz, John C. Quimica geral e reações químicas, vol. 1 / John C. Kotz, Paul M. Treichel, Gabriela C. Weaver Titulo Original: Chemistry & Chemical reactivity .. ed. amereicana