SlideShare uma empresa Scribd logo
QUÍMICA GERAL EXPERIMENTAL
RELATÓRIO DA AULA PRÁTICA
“ELEMENTOS, COMPOSTOS E MISTURAS”
Docente: Leonardo Moreira
Discentes: Alessandra Mendonça Siqueira e Queler Xavier Ferreira.
1- INTRODUÇÃO:
A Química trata das propriedades da matéria e das transformações que esta sofre.
Define-se “propriedades da matéria” como sendo as suas diferentes características.
As propriedades são usadas para “descrever” a matéria. Ao descrevermos uma pessoa,
por exemplo, referimo-nos às suas propriedades: sua altura, aparência, disposição,
habilidades, qualidades e defeitos. Da mesma forma, todas as espécies de matéria apresentam
propriedades, e do mesmo modo que alguém pode ser identificado pela relação de suas
propriedades, qualquer espécie de matéria pode ser determinada através de suas
características.
Substâncias e misturas são identificadas e diferenciadas analisando-se as suas
propriedades.
Através dos relatos experimentais presentes neste, algumas destas propriedades,
importantes para a identificação de uma “substância”, são demonstradas de forma prática.
2- OBJETIVOS
Diferenciar elementos através da comparação de suas propriedades organolépticas;
Determinar a densidade por deslocamento de uma amostra;
Identificar substâncias solúveis e insolúveis em determinado meio;
Analisar a separação dos componentes de uma mistura por diferença de solubilidade e por
solubilidade seletiva
3- REFERENCIAL TEÓRICO
3.1- Elemento Químico: É uma substancia fundamental (conjunto de átomos) que não pode
ser quimicamente transformada ou quebrada em algo mais simples, isto é, são as
substancias mais simples existentes na natureza. O2 é um exemplo.
3.2- Compostos (ou Substancias Químicas):
“Um composto é uma substância (...) que consiste de dois ou mais elementos diferentes
com seus átomos presentes em uma proporção definida. A água, por exemplo, é um
composto de hidrogênio e oxigênio, com dois átomos de hidrogênio para cada átomo de
oxigênio. Qualquer que seja a fonte de água a composição é a mesma: de fato, uma
substância com uma razão diferente entre átomos não seria água!” (ATKINS, 2001)
São exemplos de compostos:
Cloreto de sódio (NaCl)
Dióxido de carbono – Gás carbônico – (CO2)
Álcool comum (C2H5OH)
3.3- Substancias Puras Simples e Compostas
3.3.1- Substancia pura – qualquer porção de matéria formada por unidades estruturais
(átomos ou moléculas) iguais entre si e que apresentam características físicas e químicas tais como,
composição, densidade e cor definidas e constantes. Gás Helio (He), gás oxigênio (O2), gás ozônio
(O3) são exemplos.
3.3.2- Mistura – “Uma mistura é uma combinação de duas ou mais substâncias em que
estas conservam as suas identidades características.” (ATKINS, 2001)
Mistura é a reunião de duas ou mais substâncias que não reagem entre si, sem que ocorram
alterações nelas, mantendo-se, portanto, as características e propriedades das substâncias envolvidas.
As misturas são formuladas para se alcançar algum objetivo, como obter uma propriedade,
por exemplo, dureza, flexibilidade, elasticidade, tenacidade. Muitas ligas, misturas de metais, são
formuladas para se obter maior dureza e resistência à corrosão. Um medicamento, dependendo de sua
aplicação, é formulado com determinados ingredientes para conseguir tal efeito biológico.
3.4- Misturas homogêneas (são também chamadas de soluções) são aquelas que apresentam
uma única fase, já as heterogêneas apresentam duas ou mais fases.
3.5- Volume - O volume de uma porção de matéria expressa o quanto de espaço e ocupado por
ela. O volume de um corpo e determinado multiplicando-se seu comprimento por sua
altura e por sua largura.
3.6- Densidade: Encontrada através da divisão entre a massa de uma substancia e o volume
por ela ocupado. A densidade de um objeto ou de uma amostra de certo material ou
substancia e o resultado da divisão da sua massa pelo seu volume, sendo a massa dada em
g e o volume em cm3.
3.7- Propriedades Gerais da Matéria: São as propriedades da matéria observadas em
qualquer corpo, independente da substancia que e feito. Podem ser: extensão, inércia,
Impenetrabilidade, compressibilidade, elasticidade, divisibilidade e indestrutibilidade.
3.8- Propriedades especificas da matéria: São as propriedades que variam conforme as
substancias de que a matéria é feita.
3.8.1- Organolépticas:
 Cor: a matéria pode ser colorida ou incolor. Esta propriedade e percebida pela visão;
 Brilho: a capacidade de uma substancia de refletir a luz e a que determina o seu brilho
Percebemos o brilho pela visão;
 Sabor: uma substancia pode ser insípida (sem sabor) ou sápida (com sabor). Esta propriedade
e percebida pelo paladar;
 Odor: a matéria pode ser inodora (sem cheiro) ou odorífera (com cheiro). Esta propriedade e
percebida pelo olfato;
 Forma e estado físico: percebidos pelo tato;
3.8.2- Dureza: Definida pela resistência que a superfície oferece quando riscada por outro
material. Um material é considerado mais duro que o outro quando consegue riscar esse
outro deixando um sulco.
3.8.3- Maleabilidade: propriedade que permite a matéria ser moldada. Existem materiais
maleáveis e não-maleáveis. Exs.:cobre, prata, ouro.
3.8.4- Ductibilidade: Propriedade que permite transformar materiais em fios. Exs.:cobre, prata,
ouro.
3.9- Polaridade das moléculas
Moléculas onde ocorrem o aparecimento de pólos, ou seja, de uma diferença de
eletronegatividade que implica no aparecimento de cargas iguais, positivas ou negativas, separadas
por uma distancia constituindo um dipolo, são denominadas moléculas polares, as que não possuem
carga são as apolares.
3.10- Separação de substâncias: Os quadros a seguir mostram os processos de separação de
substâncias de acordo com sua natureza:
4- MATERIAIS E REAGENTES
Balança digital
Proveta de 10,0 ml
Tubo de ensaio
Espátula
Becker de 50 ml
Papel filtro
Funil
Pipeta
Pêra
Zinco
Água
Etanol
Cloreto de Sódio
Naftaleno
Enxofre
Iodo
Acetona
HCl 2 mol/L
Clorofórmio
5- PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL
5.1- Experimento I:
As substâncias (1) água, (2) NaCl, (3) Etanol e (4) Naftaleno foram colocados em tubos de ensaio
distintos e foram observadas suas características organolépticas.
5.2- Resultados:
5.2.1– Propriedades organolépticas
1. Água: líquida, inodora e transparente.
2. NaCl (cloreto de sódio): sólido, granuloso (cristais não muito refinados com formação de
grumos), inodoro e branco.
3. Etanol: líquido, transparente, odor característico de bebida alcoólica
4. Naftaleno: sólido, granuloso (grânulos maiores do que os do NaCl), transparente, semelhante
a cristais, odor característico de naftalina (usado para dar cheiro as roupas).
5.3- Experimento II:
Com o auxílio de uma balança foram registradas as massas de três (03) amostras de zinco
fornecidas, cada amostra foi então colocada em um tubo de ensaio contendo água em quantidade
suficiente para mantê-la submersa e posteriormente calculou-se o volume do objeto através da
diferença entre os volumes do conteúdo de água no tubo antes e depois de colocada a mostra. E
posteriormente calculadas suas respectivas densidades, massa específica real, erro absoluto e erro
percentual, possibilitando posterior análise comparativa determinante do grau de pureza das
amostras.
Cálculo de Densidade:
d =
Definimos a massa especifica dessa substância através da razão entre a massa (m) de uma porção
compacta e homogênea dessa substância e o volume (V) ocupado por ela. Matematicamente
expressamos a massa específica da seguinte forma:
μ=m
V
Erro absoluto: Diferença entre o valor exato de um número x e seu valor aproximado x
obtido a partir de um procedimento numérico.
Erro percentual: é o erro relativo em termos percentuais, ou seja:
Epx= E rx ×100%
5.4- Resultados:
5.4.1- Densidade por deslocamento.
A verificação da densidade foi realizada com amostras de barras de zinco.
Amostra 1 Amostra 2 Amostra 3
Massa (g) 10,10 11,33 12,09
Volume inicial (mL) 7 7,1 7,1
Volume final (mL) 8,4 8,6 8,6
Volume do objeto (mL) 1,4 1,5 1,5
Densidade 7,21 7,55 7,55
Massa específica real 8,62 8,62 8,62
Erro absoluto (densidade menos
massa específica real)
7,21-8,62=
-1,41
7,55-8,62=
-1,07
7,55-8,62=
-1,07
Erro percentual (percentual em
relação a massa específica real)
(-1,41x100)/8,62=
-16,35
(-1,5x100)/8,62=
-12,41
(-1,5x100)/8,62=
-12,41
5.5- Experimento III:
Com o auxílio de uma espátula foram adicionados alguns mg de Cloreto de sódio, Naftaleno,
Enxofre, Iodo e Acetona; em três tubos de ensaio distintos contendo o solvente Água e três contendo
Etanol para análise de solubilidade.
5.6- Resultados:
5.6.1- Solubilidade
Prévio Experimental Observações
Substância Água Etanol Água Etanol
Cloreto de sódio S S S S
Naftaleno I S I I Água: sobrenadante e etanol:
precipitado
Enxofre I S I I Água: sobrenadante e etanol:
precipitado e solução amarelada
Iodo I S I S Soluções finais de cor âmbar
sendo que, com água, houve
formação de precipitado.
Acetona S S S S
S: solúvel, I: Insolúvel
5.7- Experimento IV:
Separação de NaCl e Carbonato de Cálcio em água; por diferença de solubilidade e;
Separação de Iodo em Clorofórmio e água por solubilidade seletiva; com observação das fases da
mistura, com base em suas diferentes densidades.
5.8- Resultados:
5.8.1- Separação dos componentes de uma mistura.
5.8.2– Separação baseada na diferença de solubilidade.
Para a mistura foi adicionado NaCl, que é solúvel em água e Carbonato de cálcio (CaCO3)
deixando a mistura com aspecto leitoso. A separação ocorreu primeiramente com a filtração sendo o
Carbonato de cálcio o composto que ficou retido na filtração. O filtrado foi então evaporado restando
como resíduo de NaCl. Quando foi adicionado HCl ao sólido (carbonato de cálcio), ocorreu formação
de bolhas e conseqüente liberação de gás.
5.8.3– Separação baseada na solubilidade seletiva.
O iodo é solúvel em clorofórmio e pouco solúvel em água, a densidade do clorofórmio
é maior do que a água, formou-se então uma solução bifásica com a parte inferior contendo o soluto
iodo com a cor violeta bem acentuado de aspecto coloidal. A fase aquosa ficará gradativamente
límpida devido a retira do iodo pelo clorofórmio.
6 - DISCUSSÃO:
Durante a realização do experimento IV, no subitem 5.8.2, observou-se a liberação de um gás, que de
acordo com a reação da prática, corresponde ao gás carbônico.
2HCl + CaCO3 => CaCl2 + H2O + CO2
7- CONCLUSÃO
Os experimentos descritos neste relatório possibilitaram a observação das diferenças entre as
substancias através das propriedades específicas da matéria ao analisar suas características
organolépticas, bem como definir se uma substância está ou não pura. Também foi possível observar
a solubilidade de determinadas substâncias em solventes específicos, através de suas características
eletronegativas e a separação de duas ou mais substâncias por solubilidade e solubilidade seletiva.
Bibliografia:
De Boni, Luis Alcides Brandini. Introdução Clássica a Química Geral. Porto Alegre, Ed. Tchê
Química Cons. Educ. LTDA, 2007.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Relatório de Cromatografia
Relatório de CromatografiaRelatório de Cromatografia
Relatório de Cromatografia
Mario Monteiro
 
Solubilidade e Miscibilidade
Solubilidade e MiscibilidadeSolubilidade e Miscibilidade
Solubilidade e Miscibilidade
Alex Junior
 
Relatório - Volumetria de Precipitação
Relatório - Volumetria de PrecipitaçãoRelatório - Volumetria de Precipitação
Relatório - Volumetria de Precipitação
Dhion Meyg Fernandes
 
Relatório de química
Relatório de químicaRelatório de química
Relatório de química
ADSONTORREZANE
 
Relatório Potenciometria
Relatório PotenciometriaRelatório Potenciometria
Relatório Potenciometria
LuaneGS
 
Teste de Chama
Teste de ChamaTeste de Chama
Teste de Chama
Ezequias Guimaraes
 
Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.
Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.
Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.
Dhion Meyg Fernandes
 
Relatorio de Química analítica Qualitativa cátions grupo II
Relatorio de Química analítica Qualitativa cátions grupo IIRelatorio de Química analítica Qualitativa cátions grupo II
Relatorio de Química analítica Qualitativa cátions grupo II
Erica Souza
 
Padronização de HCl e teor de NaOH
Padronização de HCl e teor de NaOHPadronização de HCl e teor de NaOH
Padronização de HCl e teor de NaOH
Rodrigo Henrique
 
Relatório precipitação das proteínas
Relatório precipitação das proteínasRelatório precipitação das proteínas
Relatório precipitação das proteínas
Ilana Moura
 
Relatorio 5
Relatorio 5Relatorio 5
Relatório de cromatografia- organica - aula 8
Relatório de cromatografia- organica - aula 8Relatório de cromatografia- organica - aula 8
Relatório de cromatografia- organica - aula 8
Karen Pirovano
 
Relatório sobre-fermentação-alcoólica
Relatório sobre-fermentação-alcoólicaRelatório sobre-fermentação-alcoólica
Relatório sobre-fermentação-alcoólica
Aldo Henrique
 
DETERMINAÇÃO DA CONCENTRAÇÃO POR ESPECTOFOTOMETRIA
DETERMINAÇÃO DA CONCENTRAÇÃO POR ESPECTOFOTOMETRIADETERMINAÇÃO DA CONCENTRAÇÃO POR ESPECTOFOTOMETRIA
DETERMINAÇÃO DA CONCENTRAÇÃO POR ESPECTOFOTOMETRIA
Taline Góes
 
Reações Ácido-Base para Separação de Compostos Orgânicos
Reações Ácido-Base para Separação de Compostos OrgânicosReações Ácido-Base para Separação de Compostos Orgânicos
Reações Ácido-Base para Separação de Compostos Orgânicos
Luís Rita
 
Precisão e Exatidão de Vidrarias
Precisão e Exatidão de VidrariasPrecisão e Exatidão de Vidrarias
Precisão e Exatidão de Vidrarias
weberab
 
Relatório de Química Processo de Separação das Misturas 001
Relatório de Química Processo de Separação das Misturas 001Relatório de Química Processo de Separação das Misturas 001
Relatório de Química Processo de Separação das Misturas 001
Đean Moore
 
Equilibrio de precipitação
Equilibrio de precipitaçãoEquilibrio de precipitação
Equilibrio de precipitação
Adrianne Mendonça
 
Relatório aceleração da gravidade queda livre
Relatório aceleração da gravidade   queda livreRelatório aceleração da gravidade   queda livre
Relatório aceleração da gravidade queda livre
Thaís Franco
 
Relatorio de fisica.
Relatorio de fisica.Relatorio de fisica.
Relatorio de fisica.
Andreson Mattos
 

Mais procurados (20)

Relatório de Cromatografia
Relatório de CromatografiaRelatório de Cromatografia
Relatório de Cromatografia
 
Solubilidade e Miscibilidade
Solubilidade e MiscibilidadeSolubilidade e Miscibilidade
Solubilidade e Miscibilidade
 
Relatório - Volumetria de Precipitação
Relatório - Volumetria de PrecipitaçãoRelatório - Volumetria de Precipitação
Relatório - Volumetria de Precipitação
 
Relatório de química
Relatório de químicaRelatório de química
Relatório de química
 
Relatório Potenciometria
Relatório PotenciometriaRelatório Potenciometria
Relatório Potenciometria
 
Teste de Chama
Teste de ChamaTeste de Chama
Teste de Chama
 
Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.
Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.
Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.
 
Relatorio de Química analítica Qualitativa cátions grupo II
Relatorio de Química analítica Qualitativa cátions grupo IIRelatorio de Química analítica Qualitativa cátions grupo II
Relatorio de Química analítica Qualitativa cátions grupo II
 
Padronização de HCl e teor de NaOH
Padronização de HCl e teor de NaOHPadronização de HCl e teor de NaOH
Padronização de HCl e teor de NaOH
 
Relatório precipitação das proteínas
Relatório precipitação das proteínasRelatório precipitação das proteínas
Relatório precipitação das proteínas
 
Relatorio 5
Relatorio 5Relatorio 5
Relatorio 5
 
Relatório de cromatografia- organica - aula 8
Relatório de cromatografia- organica - aula 8Relatório de cromatografia- organica - aula 8
Relatório de cromatografia- organica - aula 8
 
Relatório sobre-fermentação-alcoólica
Relatório sobre-fermentação-alcoólicaRelatório sobre-fermentação-alcoólica
Relatório sobre-fermentação-alcoólica
 
DETERMINAÇÃO DA CONCENTRAÇÃO POR ESPECTOFOTOMETRIA
DETERMINAÇÃO DA CONCENTRAÇÃO POR ESPECTOFOTOMETRIADETERMINAÇÃO DA CONCENTRAÇÃO POR ESPECTOFOTOMETRIA
DETERMINAÇÃO DA CONCENTRAÇÃO POR ESPECTOFOTOMETRIA
 
Reações Ácido-Base para Separação de Compostos Orgânicos
Reações Ácido-Base para Separação de Compostos OrgânicosReações Ácido-Base para Separação de Compostos Orgânicos
Reações Ácido-Base para Separação de Compostos Orgânicos
 
Precisão e Exatidão de Vidrarias
Precisão e Exatidão de VidrariasPrecisão e Exatidão de Vidrarias
Precisão e Exatidão de Vidrarias
 
Relatório de Química Processo de Separação das Misturas 001
Relatório de Química Processo de Separação das Misturas 001Relatório de Química Processo de Separação das Misturas 001
Relatório de Química Processo de Separação das Misturas 001
 
Equilibrio de precipitação
Equilibrio de precipitaçãoEquilibrio de precipitação
Equilibrio de precipitação
 
Relatório aceleração da gravidade queda livre
Relatório aceleração da gravidade   queda livreRelatório aceleração da gravidade   queda livre
Relatório aceleração da gravidade queda livre
 
Relatorio de fisica.
Relatorio de fisica.Relatorio de fisica.
Relatorio de fisica.
 

Semelhante a Relatório aula pratica química geral experimental

Apostila de-quimica-2015
Apostila de-quimica-2015Apostila de-quimica-2015
Apostila de-quimica-2015
Solange Ferreira
 
Apostila de-quimica
Apostila de-quimicaApostila de-quimica
Apostila de-quimica
mountanee
 
Apostila de-quimica
Apostila de-quimicaApostila de-quimica
Apostila de-quimica
Waldiana Ferreira
 
APOSTILA DE QUIMICA 9 ANO não sei quem é o autor
APOSTILA DE QUIMICA 9 ANO não sei quem é o autorAPOSTILA DE QUIMICA 9 ANO não sei quem é o autor
APOSTILA DE QUIMICA 9 ANO não sei quem é o autor
RamalhoVasconcelos2
 
Apostila de quimica_9ano
Apostila de quimica_9anoApostila de quimica_9ano
Apostila de quimica_9ano
joogolombori
 
Apostila de-quimica 9º ano
Apostila de-quimica 9º anoApostila de-quimica 9º ano
Apostila de-quimica 9º ano
Henrique Plinio Santos Rios
 
Química Geral - Aula 1 - Introdução.pdf
Química Geral - Aula 1 - Introdução.pdfQuímica Geral - Aula 1 - Introdução.pdf
Química Geral - Aula 1 - Introdução.pdf
phvs120
 
AnexosMenas_2014.pdf
AnexosMenas_2014.pdfAnexosMenas_2014.pdf
AnexosMenas_2014.pdf
Maria Rocha
 
Aulas de Química Carlinho - Slides.‏
Aulas de Química Carlinho - Slides.‏Aulas de Química Carlinho - Slides.‏
Aulas de Química Carlinho - Slides.‏
Daniele Lino
 
Matéria, constituição, propriedades e transformações
Matéria, constituição, propriedades e transformaçõesMatéria, constituição, propriedades e transformações
Matéria, constituição, propriedades e transformações
SMEdeItabaianinha
 
Eja.doc
Eja.docEja.doc
Eja.doc
UFS
 
Biofísica soluções
Biofísica soluçõesBiofísica soluções
Biofísica soluções
Carol Francisco
 
Atomistica
AtomisticaAtomistica
Atomistica
Adrianne Mendonça
 
Alunos...
Alunos...Alunos...
Alunos...
daiaprof
 
Propriedades específicas da matéria
Propriedades específicas  da matériaPropriedades específicas  da matéria
Propriedades específicas da matéria
Pedro Araújo
 
Conceitos BáSicos Attitude 2008
Conceitos BáSicos   Attitude   2008Conceitos BáSicos   Attitude   2008
Conceitos BáSicos Attitude 2008
Flávio Carmo da Silva
 
Aula
Aula  Aula
CVida 2016-2017 Estrutura atomica1.pdf
CVida 2016-2017  Estrutura atomica1.pdfCVida 2016-2017  Estrutura atomica1.pdf
CVida 2016-2017 Estrutura atomica1.pdf
ProfYasminBlanco
 
Matéria e suas propriedades
Matéria e suas propriedadesMatéria e suas propriedades
Matéria e suas propriedades
Bio Sem Limites
 
"Somos Físicos" Soluções Químicas
"Somos Físicos" Soluções Químicas"Somos Físicos" Soluções Químicas
"Somos Físicos" Soluções Químicas
Vania Lima "Somos Físicos"
 

Semelhante a Relatório aula pratica química geral experimental (20)

Apostila de-quimica-2015
Apostila de-quimica-2015Apostila de-quimica-2015
Apostila de-quimica-2015
 
Apostila de-quimica
Apostila de-quimicaApostila de-quimica
Apostila de-quimica
 
Apostila de-quimica
Apostila de-quimicaApostila de-quimica
Apostila de-quimica
 
APOSTILA DE QUIMICA 9 ANO não sei quem é o autor
APOSTILA DE QUIMICA 9 ANO não sei quem é o autorAPOSTILA DE QUIMICA 9 ANO não sei quem é o autor
APOSTILA DE QUIMICA 9 ANO não sei quem é o autor
 
Apostila de quimica_9ano
Apostila de quimica_9anoApostila de quimica_9ano
Apostila de quimica_9ano
 
Apostila de-quimica 9º ano
Apostila de-quimica 9º anoApostila de-quimica 9º ano
Apostila de-quimica 9º ano
 
Química Geral - Aula 1 - Introdução.pdf
Química Geral - Aula 1 - Introdução.pdfQuímica Geral - Aula 1 - Introdução.pdf
Química Geral - Aula 1 - Introdução.pdf
 
AnexosMenas_2014.pdf
AnexosMenas_2014.pdfAnexosMenas_2014.pdf
AnexosMenas_2014.pdf
 
Aulas de Química Carlinho - Slides.‏
Aulas de Química Carlinho - Slides.‏Aulas de Química Carlinho - Slides.‏
Aulas de Química Carlinho - Slides.‏
 
Matéria, constituição, propriedades e transformações
Matéria, constituição, propriedades e transformaçõesMatéria, constituição, propriedades e transformações
Matéria, constituição, propriedades e transformações
 
Eja.doc
Eja.docEja.doc
Eja.doc
 
Biofísica soluções
Biofísica soluçõesBiofísica soluções
Biofísica soluções
 
Atomistica
AtomisticaAtomistica
Atomistica
 
Alunos...
Alunos...Alunos...
Alunos...
 
Propriedades específicas da matéria
Propriedades específicas  da matériaPropriedades específicas  da matéria
Propriedades específicas da matéria
 
Conceitos BáSicos Attitude 2008
Conceitos BáSicos   Attitude   2008Conceitos BáSicos   Attitude   2008
Conceitos BáSicos Attitude 2008
 
Aula
Aula  Aula
Aula
 
CVida 2016-2017 Estrutura atomica1.pdf
CVida 2016-2017  Estrutura atomica1.pdfCVida 2016-2017  Estrutura atomica1.pdf
CVida 2016-2017 Estrutura atomica1.pdf
 
Matéria e suas propriedades
Matéria e suas propriedadesMatéria e suas propriedades
Matéria e suas propriedades
 
"Somos Físicos" Soluções Químicas
"Somos Físicos" Soluções Químicas"Somos Físicos" Soluções Químicas
"Somos Físicos" Soluções Químicas
 

Último

A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
Luiz Henrique Pimentel Novais Silva
 
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptxDESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
Klaisn
 
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do TrabalhoApostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
CatieleAlmeida1
 
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
AmaroAlmeidaChimbala
 
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdfHistória da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
JandersonGeorgeGuima
 
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptxSíndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
marjoguedes1
 
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
sula31
 

Último (8)

A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
 
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
 
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptxDESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
 
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do TrabalhoApostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
 
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
 
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdfHistória da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
 
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptxSíndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
 
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
 

Relatório aula pratica química geral experimental

  • 1. QUÍMICA GERAL EXPERIMENTAL RELATÓRIO DA AULA PRÁTICA “ELEMENTOS, COMPOSTOS E MISTURAS” Docente: Leonardo Moreira Discentes: Alessandra Mendonça Siqueira e Queler Xavier Ferreira.
  • 2. 1- INTRODUÇÃO: A Química trata das propriedades da matéria e das transformações que esta sofre. Define-se “propriedades da matéria” como sendo as suas diferentes características. As propriedades são usadas para “descrever” a matéria. Ao descrevermos uma pessoa, por exemplo, referimo-nos às suas propriedades: sua altura, aparência, disposição, habilidades, qualidades e defeitos. Da mesma forma, todas as espécies de matéria apresentam propriedades, e do mesmo modo que alguém pode ser identificado pela relação de suas propriedades, qualquer espécie de matéria pode ser determinada através de suas características. Substâncias e misturas são identificadas e diferenciadas analisando-se as suas propriedades. Através dos relatos experimentais presentes neste, algumas destas propriedades, importantes para a identificação de uma “substância”, são demonstradas de forma prática. 2- OBJETIVOS Diferenciar elementos através da comparação de suas propriedades organolépticas; Determinar a densidade por deslocamento de uma amostra; Identificar substâncias solúveis e insolúveis em determinado meio; Analisar a separação dos componentes de uma mistura por diferença de solubilidade e por solubilidade seletiva 3- REFERENCIAL TEÓRICO 3.1- Elemento Químico: É uma substancia fundamental (conjunto de átomos) que não pode ser quimicamente transformada ou quebrada em algo mais simples, isto é, são as substancias mais simples existentes na natureza. O2 é um exemplo. 3.2- Compostos (ou Substancias Químicas): “Um composto é uma substância (...) que consiste de dois ou mais elementos diferentes com seus átomos presentes em uma proporção definida. A água, por exemplo, é um composto de hidrogênio e oxigênio, com dois átomos de hidrogênio para cada átomo de oxigênio. Qualquer que seja a fonte de água a composição é a mesma: de fato, uma substância com uma razão diferente entre átomos não seria água!” (ATKINS, 2001) São exemplos de compostos: Cloreto de sódio (NaCl) Dióxido de carbono – Gás carbônico – (CO2) Álcool comum (C2H5OH) 3.3- Substancias Puras Simples e Compostas 3.3.1- Substancia pura – qualquer porção de matéria formada por unidades estruturais (átomos ou moléculas) iguais entre si e que apresentam características físicas e químicas tais como, composição, densidade e cor definidas e constantes. Gás Helio (He), gás oxigênio (O2), gás ozônio (O3) são exemplos.
  • 3. 3.3.2- Mistura – “Uma mistura é uma combinação de duas ou mais substâncias em que estas conservam as suas identidades características.” (ATKINS, 2001) Mistura é a reunião de duas ou mais substâncias que não reagem entre si, sem que ocorram alterações nelas, mantendo-se, portanto, as características e propriedades das substâncias envolvidas. As misturas são formuladas para se alcançar algum objetivo, como obter uma propriedade, por exemplo, dureza, flexibilidade, elasticidade, tenacidade. Muitas ligas, misturas de metais, são formuladas para se obter maior dureza e resistência à corrosão. Um medicamento, dependendo de sua aplicação, é formulado com determinados ingredientes para conseguir tal efeito biológico. 3.4- Misturas homogêneas (são também chamadas de soluções) são aquelas que apresentam uma única fase, já as heterogêneas apresentam duas ou mais fases. 3.5- Volume - O volume de uma porção de matéria expressa o quanto de espaço e ocupado por ela. O volume de um corpo e determinado multiplicando-se seu comprimento por sua altura e por sua largura. 3.6- Densidade: Encontrada através da divisão entre a massa de uma substancia e o volume por ela ocupado. A densidade de um objeto ou de uma amostra de certo material ou substancia e o resultado da divisão da sua massa pelo seu volume, sendo a massa dada em g e o volume em cm3. 3.7- Propriedades Gerais da Matéria: São as propriedades da matéria observadas em qualquer corpo, independente da substancia que e feito. Podem ser: extensão, inércia, Impenetrabilidade, compressibilidade, elasticidade, divisibilidade e indestrutibilidade. 3.8- Propriedades especificas da matéria: São as propriedades que variam conforme as substancias de que a matéria é feita. 3.8.1- Organolépticas:  Cor: a matéria pode ser colorida ou incolor. Esta propriedade e percebida pela visão;  Brilho: a capacidade de uma substancia de refletir a luz e a que determina o seu brilho Percebemos o brilho pela visão;  Sabor: uma substancia pode ser insípida (sem sabor) ou sápida (com sabor). Esta propriedade e percebida pelo paladar;  Odor: a matéria pode ser inodora (sem cheiro) ou odorífera (com cheiro). Esta propriedade e percebida pelo olfato;  Forma e estado físico: percebidos pelo tato; 3.8.2- Dureza: Definida pela resistência que a superfície oferece quando riscada por outro material. Um material é considerado mais duro que o outro quando consegue riscar esse outro deixando um sulco. 3.8.3- Maleabilidade: propriedade que permite a matéria ser moldada. Existem materiais maleáveis e não-maleáveis. Exs.:cobre, prata, ouro. 3.8.4- Ductibilidade: Propriedade que permite transformar materiais em fios. Exs.:cobre, prata, ouro. 3.9- Polaridade das moléculas Moléculas onde ocorrem o aparecimento de pólos, ou seja, de uma diferença de eletronegatividade que implica no aparecimento de cargas iguais, positivas ou negativas, separadas
  • 4. por uma distancia constituindo um dipolo, são denominadas moléculas polares, as que não possuem carga são as apolares. 3.10- Separação de substâncias: Os quadros a seguir mostram os processos de separação de substâncias de acordo com sua natureza:
  • 5. 4- MATERIAIS E REAGENTES Balança digital Proveta de 10,0 ml Tubo de ensaio Espátula Becker de 50 ml Papel filtro Funil Pipeta
  • 6. Pêra Zinco Água Etanol Cloreto de Sódio Naftaleno Enxofre Iodo Acetona HCl 2 mol/L Clorofórmio 5- PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL 5.1- Experimento I: As substâncias (1) água, (2) NaCl, (3) Etanol e (4) Naftaleno foram colocados em tubos de ensaio distintos e foram observadas suas características organolépticas. 5.2- Resultados: 5.2.1– Propriedades organolépticas 1. Água: líquida, inodora e transparente. 2. NaCl (cloreto de sódio): sólido, granuloso (cristais não muito refinados com formação de grumos), inodoro e branco. 3. Etanol: líquido, transparente, odor característico de bebida alcoólica 4. Naftaleno: sólido, granuloso (grânulos maiores do que os do NaCl), transparente, semelhante a cristais, odor característico de naftalina (usado para dar cheiro as roupas). 5.3- Experimento II: Com o auxílio de uma balança foram registradas as massas de três (03) amostras de zinco fornecidas, cada amostra foi então colocada em um tubo de ensaio contendo água em quantidade suficiente para mantê-la submersa e posteriormente calculou-se o volume do objeto através da diferença entre os volumes do conteúdo de água no tubo antes e depois de colocada a mostra. E posteriormente calculadas suas respectivas densidades, massa específica real, erro absoluto e erro
  • 7. percentual, possibilitando posterior análise comparativa determinante do grau de pureza das amostras. Cálculo de Densidade: d = Definimos a massa especifica dessa substância através da razão entre a massa (m) de uma porção compacta e homogênea dessa substância e o volume (V) ocupado por ela. Matematicamente expressamos a massa específica da seguinte forma: μ=m V Erro absoluto: Diferença entre o valor exato de um número x e seu valor aproximado x obtido a partir de um procedimento numérico. Erro percentual: é o erro relativo em termos percentuais, ou seja: Epx= E rx ×100% 5.4- Resultados: 5.4.1- Densidade por deslocamento. A verificação da densidade foi realizada com amostras de barras de zinco. Amostra 1 Amostra 2 Amostra 3 Massa (g) 10,10 11,33 12,09 Volume inicial (mL) 7 7,1 7,1 Volume final (mL) 8,4 8,6 8,6 Volume do objeto (mL) 1,4 1,5 1,5 Densidade 7,21 7,55 7,55 Massa específica real 8,62 8,62 8,62 Erro absoluto (densidade menos massa específica real) 7,21-8,62= -1,41 7,55-8,62= -1,07 7,55-8,62= -1,07 Erro percentual (percentual em relação a massa específica real) (-1,41x100)/8,62= -16,35 (-1,5x100)/8,62= -12,41 (-1,5x100)/8,62= -12,41 5.5- Experimento III: Com o auxílio de uma espátula foram adicionados alguns mg de Cloreto de sódio, Naftaleno, Enxofre, Iodo e Acetona; em três tubos de ensaio distintos contendo o solvente Água e três contendo Etanol para análise de solubilidade. 5.6- Resultados: 5.6.1- Solubilidade
  • 8. Prévio Experimental Observações Substância Água Etanol Água Etanol Cloreto de sódio S S S S Naftaleno I S I I Água: sobrenadante e etanol: precipitado Enxofre I S I I Água: sobrenadante e etanol: precipitado e solução amarelada Iodo I S I S Soluções finais de cor âmbar sendo que, com água, houve formação de precipitado. Acetona S S S S S: solúvel, I: Insolúvel 5.7- Experimento IV: Separação de NaCl e Carbonato de Cálcio em água; por diferença de solubilidade e; Separação de Iodo em Clorofórmio e água por solubilidade seletiva; com observação das fases da mistura, com base em suas diferentes densidades. 5.8- Resultados: 5.8.1- Separação dos componentes de uma mistura. 5.8.2– Separação baseada na diferença de solubilidade. Para a mistura foi adicionado NaCl, que é solúvel em água e Carbonato de cálcio (CaCO3) deixando a mistura com aspecto leitoso. A separação ocorreu primeiramente com a filtração sendo o Carbonato de cálcio o composto que ficou retido na filtração. O filtrado foi então evaporado restando como resíduo de NaCl. Quando foi adicionado HCl ao sólido (carbonato de cálcio), ocorreu formação de bolhas e conseqüente liberação de gás. 5.8.3– Separação baseada na solubilidade seletiva. O iodo é solúvel em clorofórmio e pouco solúvel em água, a densidade do clorofórmio é maior do que a água, formou-se então uma solução bifásica com a parte inferior contendo o soluto iodo com a cor violeta bem acentuado de aspecto coloidal. A fase aquosa ficará gradativamente límpida devido a retira do iodo pelo clorofórmio. 6 - DISCUSSÃO: Durante a realização do experimento IV, no subitem 5.8.2, observou-se a liberação de um gás, que de acordo com a reação da prática, corresponde ao gás carbônico. 2HCl + CaCO3 => CaCl2 + H2O + CO2 7- CONCLUSÃO Os experimentos descritos neste relatório possibilitaram a observação das diferenças entre as substancias através das propriedades específicas da matéria ao analisar suas características organolépticas, bem como definir se uma substância está ou não pura. Também foi possível observar a solubilidade de determinadas substâncias em solventes específicos, através de suas características eletronegativas e a separação de duas ou mais substâncias por solubilidade e solubilidade seletiva. Bibliografia: De Boni, Luis Alcides Brandini. Introdução Clássica a Química Geral. Porto Alegre, Ed. Tchê Química Cons. Educ. LTDA, 2007.