SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 41
REINO DAS PLANTAS
Profª: Cristiane Bassani Medeiros
CARACTERISTICAS GERAIS
 São pluricelulares e eucariontes;
 São autotróficos por fotossíntese;
 Utilizam energia luminosa, água e gás carbônico;
 Produzem glicose e liberam o gás oxigênio;
 As plantas são agrupadas em diferentes grupos de
acordo com características em comum.
 As plantas conquistaram quase todos os ambientes da
superfície da Terra.
CLASSIFICAÇÃO DAS PLANTAS
Vistas em
conjunto, como
nesta foto,
parecem todas
iguais. Como as
plantas podem ser
classificadas?
BRIÓFITAS
BRIÓFITAS
 Do grego: bryon: ‘musgo’; e phyton: ‘planta’;
 Primeiros vegetais terrestres;
 São plantas de pequeno porte (máx. 30 cm);
 Vivem preferencialmente em locais úmidos e sombreados;
 Dependem da água para reprodução;
 Não tem vasos condutores (seiva por difusão – célula a célula);
 Sem flores, frutos ou sementes;
 Ex.: musgos e hepáticas.
Estes organismos não possuem vasos
condutores de seiva, nem estruturas rígidas de
sustentação, justificando seu pequeno porte. Assim,
o transporte de substâncias se dá por difusão e ocorre de
forma lenta. Para os musgos tem-se as seguintes
estruturas:
Rizoides - filamentos que fixam a planta no ambiente
em que ela vive e absorvem a água e os sais minerais
disponíveis nesse ambiente;
Cauloide - pequena haste de onde partem os filoides;
Filoides -estruturas clorofiladas e capazes de fazer
fotossíntese.
A parte permanente das briófitas é o gametófito. O
esporófito depende deste último para sua nutrição, e não
perdura por muito tempo. As briófitas dependem da água
para a reprodução sexuada
1
4
3
2
REPRODUÇÃO
(1)Os esporos, ao cair no solo, podem originar plantas
masculinas e femininas (gametócitos);
(2)Na presença de água, a planta masculina libera os
anterozoides;
(3)Os anterozoides podem encontrar a oosfera;
(4)Ocorrendo a fecundação, uma nova planta (esporófito)
é formada sobre a planta feminina. A fase assexuada
das briófitas ocorre nos esporófitos.
PTERIDÓFITAS
PTERIDÓFITAS
Do grego: pteridon: ‘feto’; e phyton: ‘planta’;
Plantas vasculares;
Plantas de porte médio;
Vivem em locais úmidos e sombreados;
Sem flores, frutos ou sementes;
Primeiro grupo a possuir raiz, caule (subterrâneo do tipo
rizoma) e folhas;
Ex.: Samambaias e avencas.
Chama-se rizoma o tipo de caule semelhante a uma
raiz, é em geral subterrâneo ou localizado bem próximo ao
solo, quase imperceptível, com desenvolvimento
horizontal. Mas, em algumas pteridófitas, como os xaxins,
o caule é aéreo.
REPRODUÇÃO
Na fase de reprodução, a samambaia apresenta alguns pontos
escuros na superfície inferior das folhas, chamados de soros.
Quando amadurecem, eles podem cair em solo úmido e
germinar, dando início à fase sexuada do ciclo reprodutivo.
1
4
3
2
REPRODUÇÃO
(1)Liberação dos esporos de dentro dos soros;
(2)Se caírem em um substrato adequado, os esporos
germinam, dando origem ao prótalo (gametófito);
(3)No prótalo, ocorre a produção de gametas femininos e
masculinos. A união desses gametas origina o embrião;
(4)O desenvolvimento do embrião dá origem a uma nova
planta (esporófito).
GMINOSPERMAS
GMINOSPERMAS
 Do grego: gymnos: ‘nu’; e sperma: ‘semente’;
 São vasculares;
 São plantas de grande porte;
 Vivem preferencialmente em regiões de clima frio e temperado;
 Dotados de raízes, caule, folhas, FLORES SECAS e SEMENTES
NUAS, sem flores e frutos;
 Não dependem da água para reprodução;
 Ex.: araucárias, pinheiros e sequoias.
As gimnospermas possuem raízes, caule e folhas.
Possuem também ramos reprodutivos com folhas
modificadas chamadas estróbilos. Em muitas
gimnospermas, como os pinheiros e as sequóias, os
estróbilos são bem desenvolvidos e conhecidos como
cones - o que lhes confere a classificação no grupo das
coníferas.
Ciclo reprodutivo das Gimnospermas
1
3
2
4
REPRODUÇÃO
(1)Os grãos de pólen produzidos pelos estróbilos
masculinos chegam até os estróbilos femininos
transportados pelo vento.
(2)Com a fecundação, ocorre a formação das sementes.
(3)A semente, ao cair no solo, pode germinar.
(4)Ocorrendo a germinação, uma nova planta é originada.
ANGIOSPERMAS
ANGIOSPERMAS
 Do grego: angeion: ‘urna’; e sperma: ‘semente’;
 São plantas de diversos tamanhos, com ampla distribuição
geográfica;
 São vasculares;
 Não dependem da água para reprodução;
 Dotadas de raízes, caule, folhas, sementes, flores e FRUTOS;
 Podem ser herbáceas (trigo), arbustivas (cafeeiro) ou arbóreas (ipê);
As angiospermas produzem raiz, caule, folha,
flor, semente e fruto. Considerando essas estruturas,
perceba que, em relação às gimnospermas, as
angiospermas apresentam duas "novidades": as flores e
os frutos.
As flores podem ser vistosas tanto pelo colorido
quanto pela forma; muitas vezes também exalam odor
agradável e produzem um líquido açucarado - o néctar -
que serve de alimento para as abelhas e outros animais.
1
6
5
4
3
2
REPRODUÇÃO
(1)Polinização: Vento, insetos, aves e morcegos
transportam o grão de pólen de uma flor a outra ou da
parte masculina para a parte feminina da mesma flor.
(2)Formação do tubo polínico: possibilita que o gameta
masculino encontre com o gameta feminino.
(3)Fecundação: é a união da oosfera (gameta feminino)
com o núcleo espermático (gameta masculino).
REPRODUÇÃO
(4) Formação de frutos: A união dos gametas masculino e
feminino origina as sementes. O ovário da flor
desenvolve-se, formando o fruto.
(5) Dispersão das sementes: Os frutos podem, por
exemplo, ser comido por animais e as sementes podem
ser eliminadas, juntamente com as fezes, em outros
locais.
(6) Germinação das sementes: A maioria dos frutos
maduros desprende-se da planta e libera as sementes.
Essas caem no solo e podem germinar, dando origem a
uma nova planta.
As plantas carnívoras são fruto da evolução de certas espécies que
buscaram uma forma de sobreviver nos solos pobres em nutrientes
orgânicos. Essas plantas passaram a retirar do ambiente o complemento
alimentar que a terra na lhes fornecia. As primeiras plantas carnívoras que
surgiram na terra desenvolveram métodos para aprisionar e digerir animais
e, assim , utilizar suas proteínas – ricas em nitrogênio - como fonte de
nutrientes. Estima-se que isso tenha ocorrido há cerca de 65 milhões de anos
época dos dinossauro!
Professor: Thiago Lima
Samambaias-gigantes
Há 290 milhões de anos samambaias-gigantes dominaram a paisagem onde
hoje é o Tocantins. Possuem caule de até 1 metro de diâmetro e 15 metros de
altura.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Reino plantae
Reino plantaeReino plantae
Reino plantae
 
Gimnospermas e Angiospermas
Gimnospermas e AngiospermasGimnospermas e Angiospermas
Gimnospermas e Angiospermas
 
V.5 Angiospermas - flor, fruto e semente
V.5 Angiospermas - flor, fruto e sementeV.5 Angiospermas - flor, fruto e semente
V.5 Angiospermas - flor, fruto e semente
 
Reino plantae primeira aula
Reino plantae primeira aulaReino plantae primeira aula
Reino plantae primeira aula
 
Reino Animal
Reino AnimalReino Animal
Reino Animal
 
Evolução biológica
Evolução biológicaEvolução biológica
Evolução biológica
 
Reino Plantae Power Point
Reino Plantae Power PointReino Plantae Power Point
Reino Plantae Power Point
 
V.1 Plantas
V.1 PlantasV.1 Plantas
V.1 Plantas
 
Reino das Plantas
Reino das PlantasReino das Plantas
Reino das Plantas
 
Ecossistemas
EcossistemasEcossistemas
Ecossistemas
 
Briófitas
BriófitasBriófitas
Briófitas
 
Angiospermas
AngiospermasAngiospermas
Angiospermas
 
Relações ecológicas entre seres vivos
Relações ecológicas entre seres vivosRelações ecológicas entre seres vivos
Relações ecológicas entre seres vivos
 
Briofitas
BriofitasBriofitas
Briofitas
 
Reprodução das plantas
Reprodução das plantasReprodução das plantas
Reprodução das plantas
 
Briofitas E Pteridofitas
Briofitas E PteridofitasBriofitas E Pteridofitas
Briofitas E Pteridofitas
 
Reprodução
ReproduçãoReprodução
Reprodução
 
Aula de briófitas, pteridófitas, gimnospermas e angiospermas
Aula de briófitas, pteridófitas, gimnospermas e angiospermasAula de briófitas, pteridófitas, gimnospermas e angiospermas
Aula de briófitas, pteridófitas, gimnospermas e angiospermas
 
Ecologia - Introdução
Ecologia - IntroduçãoEcologia - Introdução
Ecologia - Introdução
 
Reino plantae
Reino plantaeReino plantae
Reino plantae
 

Semelhante a 7 ano classificação das plantas

reino-plantae-metaphyta.ppt
reino-plantae-metaphyta.pptreino-plantae-metaphyta.ppt
reino-plantae-metaphyta.pptIsamaraRochaLima
 
Botanica geral i grupos vegetais ppt
Botanica geral i  grupos vegetais pptBotanica geral i  grupos vegetais ppt
Botanica geral i grupos vegetais pptAndre Luiz Nascimento
 
Apostila botânica-pronta.107.193
Apostila botânica-pronta.107.193Apostila botânica-pronta.107.193
Apostila botânica-pronta.107.193Isabella Silva
 
Auladebrifitaspteridfitasgimnospermaseangiospermas 110507212433-phpapp02
Auladebrifitaspteridfitasgimnospermaseangiospermas 110507212433-phpapp02Auladebrifitaspteridfitasgimnospermaseangiospermas 110507212433-phpapp02
Auladebrifitaspteridfitasgimnospermaseangiospermas 110507212433-phpapp02Andrea Kich
 
Curso Pré Vestibular Sistema Objetivo - Colégio Batista de Mantena.Aula sobre...
Curso Pré Vestibular Sistema Objetivo - Colégio Batista de Mantena.Aula sobre...Curso Pré Vestibular Sistema Objetivo - Colégio Batista de Mantena.Aula sobre...
Curso Pré Vestibular Sistema Objetivo - Colégio Batista de Mantena.Aula sobre...Colégio Batista de Mantena
 
Frente 3 módulo 2 Reprodução nas briófitas e pteridófitas
Frente 3 módulo 2 Reprodução nas briófitas e pteridófitasFrente 3 módulo 2 Reprodução nas briófitas e pteridófitas
Frente 3 módulo 2 Reprodução nas briófitas e pteridófitasColégio Batista de Mantena
 

Semelhante a 7 ano classificação das plantas (20)

Reino das plantas
Reino das plantasReino das plantas
Reino das plantas
 
Reinodasplantas 130731180649-phpapp01
Reinodasplantas 130731180649-phpapp01Reinodasplantas 130731180649-phpapp01
Reinodasplantas 130731180649-phpapp01
 
Reinodasplantas 130731180649-phpapp01
Reinodasplantas 130731180649-phpapp01Reinodasplantas 130731180649-phpapp01
Reinodasplantas 130731180649-phpapp01
 
Pri, Max, Delly, JéH
Pri, Max, Delly, JéHPri, Max, Delly, JéH
Pri, Max, Delly, JéH
 
Plantas vasculares 1
Plantas  vasculares 1Plantas  vasculares 1
Plantas vasculares 1
 
reino-plantae-metaphyta.ppt
reino-plantae-metaphyta.pptreino-plantae-metaphyta.ppt
reino-plantae-metaphyta.ppt
 
Plantas
PlantasPlantas
Plantas
 
Plantas
PlantasPlantas
Plantas
 
Botanica geral i grupos vegetais ppt
Botanica geral i  grupos vegetais pptBotanica geral i  grupos vegetais ppt
Botanica geral i grupos vegetais ppt
 
Reino Vegetal.pptx
Reino Vegetal.pptxReino Vegetal.pptx
Reino Vegetal.pptx
 
Aulas sobre plantas
Aulas sobre plantasAulas sobre plantas
Aulas sobre plantas
 
reino-vegetal.pptx
reino-vegetal.pptxreino-vegetal.pptx
reino-vegetal.pptx
 
Reino plantae
Reino plantaeReino plantae
Reino plantae
 
Apostila botânica-pronta.107.193
Apostila botânica-pronta.107.193Apostila botânica-pronta.107.193
Apostila botânica-pronta.107.193
 
Reino plantae
Reino plantaeReino plantae
Reino plantae
 
Auladebrifitaspteridfitasgimnospermaseangiospermas 110507212433-phpapp02
Auladebrifitaspteridfitasgimnospermaseangiospermas 110507212433-phpapp02Auladebrifitaspteridfitasgimnospermaseangiospermas 110507212433-phpapp02
Auladebrifitaspteridfitasgimnospermaseangiospermas 110507212433-phpapp02
 
Curso Pré Vestibular Sistema Objetivo - Colégio Batista de Mantena.Aula sobre...
Curso Pré Vestibular Sistema Objetivo - Colégio Batista de Mantena.Aula sobre...Curso Pré Vestibular Sistema Objetivo - Colégio Batista de Mantena.Aula sobre...
Curso Pré Vestibular Sistema Objetivo - Colégio Batista de Mantena.Aula sobre...
 
Frente 3 módulo 2 Reprodução nas briófitas e pteridófitas
Frente 3 módulo 2 Reprodução nas briófitas e pteridófitasFrente 3 módulo 2 Reprodução nas briófitas e pteridófitas
Frente 3 módulo 2 Reprodução nas briófitas e pteridófitas
 
Reino plantae
Reino plantaeReino plantae
Reino plantae
 
reino plantae
reino plantaereino plantae
reino plantae
 

Mais de crisbassanimedeiros

Mais de crisbassanimedeiros (16)

9 ano propriedades da matéria
9 ano propriedades da matéria9 ano propriedades da matéria
9 ano propriedades da matéria
 
9 ano mudanças de estado físico
9 ano mudanças de estado físico9 ano mudanças de estado físico
9 ano mudanças de estado físico
 
8 ano sistema digestório
8 ano sistema digestório8 ano sistema digestório
8 ano sistema digestório
 
8 ano principais tipos de tecidos
8 ano principais tipos de tecidos8 ano principais tipos de tecidos
8 ano principais tipos de tecidos
 
8 ano células
8 ano células8 ano células
8 ano células
 
9 ano leis de newton
9 ano leis de newton9 ano leis de newton
9 ano leis de newton
 
8 ano sistema reprodutor masculino e feminino
8 ano sistema reprodutor masculino e feminino8 ano sistema reprodutor masculino e feminino
8 ano sistema reprodutor masculino e feminino
 
8 ano principais tipos de tecidos
8 ano principais tipos de tecidos8 ano principais tipos de tecidos
8 ano principais tipos de tecidos
 
7 ano relações ecológicas seres vivos e o sol
7 ano relações ecológicas seres vivos e o sol7 ano relações ecológicas seres vivos e o sol
7 ano relações ecológicas seres vivos e o sol
 
7 ano invertebrados
7 ano invertebrados7 ano invertebrados
7 ano invertebrados
 
7 ano classificação dos seres vivos
7 ano classificação dos seres vivos7 ano classificação dos seres vivos
7 ano classificação dos seres vivos
 
6 ano atmosfera
6 ano atmosfera6 ano atmosfera
6 ano atmosfera
 
6 ano o universo e o sistema solar
6 ano o universo e o sistema solar6 ano o universo e o sistema solar
6 ano o universo e o sistema solar
 
3 ano relações ecológicas
3 ano relações ecológicas3 ano relações ecológicas
3 ano relações ecológicas
 
2 ano cordados peixes_anfíbios
2 ano cordados peixes_anfíbios2 ano cordados peixes_anfíbios
2 ano cordados peixes_anfíbios
 
1 ano desenvolvimento embrionário e anexos embrionários
1 ano desenvolvimento embrionário e anexos embrionários1 ano desenvolvimento embrionário e anexos embrionários
1 ano desenvolvimento embrionário e anexos embrionários
 

Último

Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leiteprofesfrancleite
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...WelitaDiaz1
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfAnaAugustaLagesZuqui
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja Mary Alvarenga
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSPedroMatos469278
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMary Alvarenga
 
Teatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioTeatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioWyngDaFelyzitahLamba
 
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfMESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfprofesfrancleite
 
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.ppt
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.pptnocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.ppt
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.pptElifabio Sobreira Pereira
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................mariagrave
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASricardo644666
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptxnelsontobontrujillo
 
São Damião, missionário entre os leprosos de Molokai, Havaí.pptx
São Damião, missionário entre os leprosos de Molokai, Havaí.pptxSão Damião, missionário entre os leprosos de Molokai, Havaí.pptx
São Damião, missionário entre os leprosos de Molokai, Havaí.pptxMartin M Flynn
 
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União EuropeiaApresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União EuropeiaCentro Jacques Delors
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxprofbrunogeo95
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na Áfricajuekfuek
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresAna Isabel Correia
 

Último (20)

Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
 
Teatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioTeatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundario
 
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfMESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
 
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.ppt
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.pptnocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.ppt
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.ppt
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
São Damião, missionário entre os leprosos de Molokai, Havaí.pptx
São Damião, missionário entre os leprosos de Molokai, Havaí.pptxSão Damião, missionário entre os leprosos de Molokai, Havaí.pptx
São Damião, missionário entre os leprosos de Molokai, Havaí.pptx
 
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União EuropeiaApresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 

7 ano classificação das plantas

  • 1. REINO DAS PLANTAS Profª: Cristiane Bassani Medeiros
  • 2. CARACTERISTICAS GERAIS  São pluricelulares e eucariontes;  São autotróficos por fotossíntese;  Utilizam energia luminosa, água e gás carbônico;  Produzem glicose e liberam o gás oxigênio;  As plantas são agrupadas em diferentes grupos de acordo com características em comum.
  • 3.
  • 4.
  • 5.  As plantas conquistaram quase todos os ambientes da superfície da Terra.
  • 6. CLASSIFICAÇÃO DAS PLANTAS Vistas em conjunto, como nesta foto, parecem todas iguais. Como as plantas podem ser classificadas?
  • 7.
  • 9. BRIÓFITAS  Do grego: bryon: ‘musgo’; e phyton: ‘planta’;  Primeiros vegetais terrestres;  São plantas de pequeno porte (máx. 30 cm);  Vivem preferencialmente em locais úmidos e sombreados;  Dependem da água para reprodução;  Não tem vasos condutores (seiva por difusão – célula a célula);  Sem flores, frutos ou sementes;  Ex.: musgos e hepáticas.
  • 10.
  • 11.
  • 12. Estes organismos não possuem vasos condutores de seiva, nem estruturas rígidas de sustentação, justificando seu pequeno porte. Assim, o transporte de substâncias se dá por difusão e ocorre de forma lenta. Para os musgos tem-se as seguintes estruturas: Rizoides - filamentos que fixam a planta no ambiente em que ela vive e absorvem a água e os sais minerais disponíveis nesse ambiente; Cauloide - pequena haste de onde partem os filoides; Filoides -estruturas clorofiladas e capazes de fazer fotossíntese.
  • 13. A parte permanente das briófitas é o gametófito. O esporófito depende deste último para sua nutrição, e não perdura por muito tempo. As briófitas dependem da água para a reprodução sexuada
  • 15. REPRODUÇÃO (1)Os esporos, ao cair no solo, podem originar plantas masculinas e femininas (gametócitos); (2)Na presença de água, a planta masculina libera os anterozoides; (3)Os anterozoides podem encontrar a oosfera; (4)Ocorrendo a fecundação, uma nova planta (esporófito) é formada sobre a planta feminina. A fase assexuada das briófitas ocorre nos esporófitos.
  • 17. PTERIDÓFITAS Do grego: pteridon: ‘feto’; e phyton: ‘planta’; Plantas vasculares; Plantas de porte médio; Vivem em locais úmidos e sombreados; Sem flores, frutos ou sementes; Primeiro grupo a possuir raiz, caule (subterrâneo do tipo rizoma) e folhas; Ex.: Samambaias e avencas.
  • 18.
  • 19. Chama-se rizoma o tipo de caule semelhante a uma raiz, é em geral subterrâneo ou localizado bem próximo ao solo, quase imperceptível, com desenvolvimento horizontal. Mas, em algumas pteridófitas, como os xaxins, o caule é aéreo.
  • 20. REPRODUÇÃO Na fase de reprodução, a samambaia apresenta alguns pontos escuros na superfície inferior das folhas, chamados de soros. Quando amadurecem, eles podem cair em solo úmido e germinar, dando início à fase sexuada do ciclo reprodutivo.
  • 22. REPRODUÇÃO (1)Liberação dos esporos de dentro dos soros; (2)Se caírem em um substrato adequado, os esporos germinam, dando origem ao prótalo (gametófito); (3)No prótalo, ocorre a produção de gametas femininos e masculinos. A união desses gametas origina o embrião; (4)O desenvolvimento do embrião dá origem a uma nova planta (esporófito).
  • 24. GMINOSPERMAS  Do grego: gymnos: ‘nu’; e sperma: ‘semente’;  São vasculares;  São plantas de grande porte;  Vivem preferencialmente em regiões de clima frio e temperado;  Dotados de raízes, caule, folhas, FLORES SECAS e SEMENTES NUAS, sem flores e frutos;  Não dependem da água para reprodução;  Ex.: araucárias, pinheiros e sequoias.
  • 25.
  • 26.
  • 27. As gimnospermas possuem raízes, caule e folhas. Possuem também ramos reprodutivos com folhas modificadas chamadas estróbilos. Em muitas gimnospermas, como os pinheiros e as sequóias, os estróbilos são bem desenvolvidos e conhecidos como cones - o que lhes confere a classificação no grupo das coníferas.
  • 28. Ciclo reprodutivo das Gimnospermas 1 3 2 4
  • 29. REPRODUÇÃO (1)Os grãos de pólen produzidos pelos estróbilos masculinos chegam até os estróbilos femininos transportados pelo vento. (2)Com a fecundação, ocorre a formação das sementes. (3)A semente, ao cair no solo, pode germinar. (4)Ocorrendo a germinação, uma nova planta é originada.
  • 31. ANGIOSPERMAS  Do grego: angeion: ‘urna’; e sperma: ‘semente’;  São plantas de diversos tamanhos, com ampla distribuição geográfica;  São vasculares;  Não dependem da água para reprodução;  Dotadas de raízes, caule, folhas, sementes, flores e FRUTOS;  Podem ser herbáceas (trigo), arbustivas (cafeeiro) ou arbóreas (ipê);
  • 32.
  • 33. As angiospermas produzem raiz, caule, folha, flor, semente e fruto. Considerando essas estruturas, perceba que, em relação às gimnospermas, as angiospermas apresentam duas "novidades": as flores e os frutos.
  • 34. As flores podem ser vistosas tanto pelo colorido quanto pela forma; muitas vezes também exalam odor agradável e produzem um líquido açucarado - o néctar - que serve de alimento para as abelhas e outros animais.
  • 36. REPRODUÇÃO (1)Polinização: Vento, insetos, aves e morcegos transportam o grão de pólen de uma flor a outra ou da parte masculina para a parte feminina da mesma flor. (2)Formação do tubo polínico: possibilita que o gameta masculino encontre com o gameta feminino. (3)Fecundação: é a união da oosfera (gameta feminino) com o núcleo espermático (gameta masculino).
  • 37. REPRODUÇÃO (4) Formação de frutos: A união dos gametas masculino e feminino origina as sementes. O ovário da flor desenvolve-se, formando o fruto. (5) Dispersão das sementes: Os frutos podem, por exemplo, ser comido por animais e as sementes podem ser eliminadas, juntamente com as fezes, em outros locais. (6) Germinação das sementes: A maioria dos frutos maduros desprende-se da planta e libera as sementes. Essas caem no solo e podem germinar, dando origem a uma nova planta.
  • 38.
  • 39. As plantas carnívoras são fruto da evolução de certas espécies que buscaram uma forma de sobreviver nos solos pobres em nutrientes orgânicos. Essas plantas passaram a retirar do ambiente o complemento alimentar que a terra na lhes fornecia. As primeiras plantas carnívoras que surgiram na terra desenvolveram métodos para aprisionar e digerir animais e, assim , utilizar suas proteínas – ricas em nitrogênio - como fonte de nutrientes. Estima-se que isso tenha ocorrido há cerca de 65 milhões de anos época dos dinossauro!
  • 40.
  • 41. Professor: Thiago Lima Samambaias-gigantes Há 290 milhões de anos samambaias-gigantes dominaram a paisagem onde hoje é o Tocantins. Possuem caule de até 1 metro de diâmetro e 15 metros de altura.