SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 51
A
Óptica
da
Visão...
... quantos
megapixels
tem o olho
• Nosso olho não funciona exatamente como uma câmera, mas dá
para dizer que a resolução máxima que ele alcança é próxima de
250 megapixels
• A câmera digital cria arquivos de imagem compostos de milhões
de pontos. Cada ponto é um pixel e, para a câmera registrá-lo no
seu "negativo" – o CCD (dispositivo de carga acoplada) –, entra
em ação o photosite, o componente fotossensível das câmeras
digitais. Ou seja: uma câmera que usa 1 milhão de photosites
registra 1 milhão de pixels, ou 1 megapixel.
• No olho humano, o papel do photosite é desempenhado por
cones e bastonetes, dois tipos de células fotossensíveis
distribuídos ao longo da retina. Nos dois olhos temos cerca de
250 milhões dessas células e, portanto, podemos captar 250
milhões de pontos luminosos. Ou 250 megapixels.
• Mas, na prática, a coisa não é tão simples. "A visão em alta
resolução forma-se apenas na fóvea, região que corresponde a
um centésimo da área da retina“
• CONES  Células responsáveis pelas cores e pelos detalhes.
• 3 tipos:Cada um deles é sensível a um determinado faixa de
comprimentos de onda do espectro luminoso, mais
precisamente ao picos situados a 419 nm (azul-violeta), 531 nm
(verde) e 559 nm (verde-amarelo).
• A classificação dos cones em "vermelho", "verde" e "azul" (RGB)
é uma simplificação usada por comodidade.
• BASTONETES  São mais sensíveis a luz que os cones, fornecem
ao cérebro as informações em preto e branco, detectam melhor
os contrastes.
CatodoA
B
C
D
Revestimento
condutivo
Ânodo
Tela de
fósforo
E
F
Feixe de
elétrons
Máscara
de sombra
Olho Emétrope
Defeitos da
Visão
Miopia
Hipermetropia
Astigmatismo
Presbiopia
3
2
1
4
Miopia
Miopia
Hipermetropia
Hipermetropia
Astigmatismo
Astigmatismo
Presbiopia
Daltonismo
• O daltônico não consegue distinguir algumas cores das outras,
sendo mais comum não distinguir vermelho do verde
• Por que ocorre? Devido ausência ou menor número de alguns
tipos de CONES ou por uma perda de função parcial ou total
destes.
Daltonismo - Teste
Cirurgia Corretiva...
O que é Lasik?
• A técnica Lasik é um procedimento cirúrgico que corrige erros
refrativos (miopia, astigmatismo, hipermetropia) mudando a
forma da córnea e conseqüentemente o modo que a luz é focada
internamente. A cirurgia demora em média de 08 a 10 minutos,
em cada olho.
Lentes Esféricas
O que é uma lente esférica?
• Dispositivo feito de material
homogêneo e transparente no
qual uma das superfícies é plana
( ) e a outra esférica ou
as duas superfícies são
esféricas.
• Serão chamadas lentes
quando sua espessura for
desprezível em relação ao seu
raio de curvatura que é o raio
da(s) circunferências que as
geraram
Bordos
Finos
Bordos
Grossos
Tipos de Lentes
Tipos de Lentes
• A origem do referencial está no centro óptico da lente
• O eixo das abscissas coincide com o eixo principal e tem sentido
contrário ao da luz incidente para os objetos e a favor da luz incidente
para as imagens. Assim, observe na figura acima que imagens reais (à
direita da lente) e objetos reais (à esquerda da lente) tem abscissas
positivas e que imagens virtuais (à esquerda da lente) tem abscissas
negativas.
• O eixo das ordenadas é orientado para cima. Assim, i e o tem mesmo
sinal se a imagem for direita em relação ao objeto e sinais opostos se a
imagem for invertida em relação ao objeto.
Lente convergente f > 0 Lente divergente f < 0
Imagem real P’ > 0 Imagem virtual P’ < 0
Imagem direita (i e o tem mesmo sinal)  A > 0
Imagem invertida em relação ao objeto (i e o tem sinais
contrários) A < 0
• Define-se Vergência ou Convergência (C) de uma lente como
sendo o inverso de sua distância focal f
• Quando a distância focal estiver em metros (m), a unidade
de C é a dioptria (di), sendo, 1 di = 1/m ou 1 di = m-1.
• Lentes convergentes tem C > 0 pois sua distância focal é
positiva e lentes divergentes, pelo mesmo motivo tem C < 0.
Fato X
Fake
Se usar demais os óculos o grau
aumenta e vicia?
Se não usar os óculos você vai
acabar com um fundo de garrafa
no rosto?
Os óculos não modificam os olhos como
estrutura, apenas alteram as imagens por eles percebidas.
Portanto, usar não vicia ou faz aumentar ou diminuir o grau
refrativo. Ocorre que, como as imagens estão mais nítidas e
não há esforço visual, há mais conforto e assim estabelece-
se a necessidade, não o vício, do uso da correção visual mais
constantemente. Outro aspecto a ser comentado é que em
crianças com erros refrativos importantes a ausência de
correção visual, com óculos, poderá comprometer o
desenvolvimento normal da visão, chamada
AMBLIOPIA, irreversível se descoberta tardiamente.
Depois de pegar um vento, meu
filho teve uma dor de cabeça forte
e entortou os olhos?
MEIA VERDADE!
A forte dor de cabeça pode ter alguma relação com o início do
desvio ocular. Em crianças maiores de 5 ou 6 anos de idade,
adolescentes e adultos qualquer ocorrência de estrabismo
tem, como provável causa, processo expansivo intracraniano
inflamatório, vascular, tumoral, infeccioso ou traumático e,
portanto, deve ter estas etiologias exaustivamente
pesquisadas e excluídas antes de ser tratada a conseqüência,
que é o estrabismo. Além disso, outras patologias graves
podem cursar com perda do paralelismo ocular como doenças
da tireóide, patologias musculares - Miastenia gravis, doenças
da retina ou que comprometam a qualidade da visão, etc.
Guardar os óculos dentro do carro
pode estragá-los?
VERDADE!
Como os tratamentos aplicados às lentes corretivas dos
óculos – anti-reflexo, anti UV, fotossensível, colorações
– são termossensíveis, submeter tais lentes às altas
temperaturas do interior de um carro estacionado ao
Sol pode deteriorar e inutilizar os óculos.
Olhar para o Sol cega?
VERDADE!
Olhar diretamente para o Sol ofusca a visão e se a
exposição for prolongada pode causar lesão irreversível
da retina. Vale lembrar que os feixes de laser artístico
utilizados em shows também podem causar lesão
definitiva na retina se forem mirados diretamente nos
olhos.
Ler no escuro faz mal?
MITO!
Apenas reduz a velocidade de leitura e a capacidade de
atenção, diminuindo naturalmente o interesse pela
atividade e desencadeando sono.
Usar óculos de outra pessoa faz mal?
VERDADE!
Os óculos são um utensílio individual e intransferível,
assim como escova de dente e dentadura. Cada pessoa
deve ter e usar apenas os seus. São confeccionados
seguindo uma receita médica com um propósito e
medidas personalizadas. Por isso usar óculos
comprados prontos em feiras ou no comércio em geral,
bem como óculos de outras pessoas pode causar dores
de cabeça, tonturas, enjôo e fadiga.
Colírio sempre faz bem?
MITO!
Colírio é apenas mais uma forma de apresentação de
uma medicação, assim com comprimido ou xarope e,
como toda medicação, tem indicações e contra-
indicações específicas, devendo ser usado apenas se
prescrito por um médico.
Ler muito pode desenvolver
miopia?
MITO!
Não há comprovação científica para tanto. Parece que o
raciocínio é o inverso, ou seja, os míopes têm maior
interesse pelas atividades de perto, incluindo a leitura,
se comparados a indivíduos hipermétropes.
Os óculos vencem de ano em ano?
MEIO MITO, MEIO VERDADE!
As lentes corretivas não são como alimentos ou
medicamentos que podem fazer mal depois de expirado
o prazo de validade. No entanto, as lentes de óculos
sofrem alterações físicas, com o seu uso e desgaste, além
dos olhos necessitarem de exames periódicos para
assegurarem uma saúde preventiva. É prudente realizar
exames oftalmológicos semestralmente, em crianças e
adolescentes já usuários de correção visual, e
anualmente, nos adultos, seja ou não usuário de óculos, e
nas demais crianças e adolescentes.
Óptica da Visão e Lentes

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Leis De Kepler
Leis De KeplerLeis De Kepler
Leis De KeplerISJ
 
Matéria 9° ano
Matéria   9° anoMatéria   9° ano
Matéria 9° anoadriana
 
OS CINCO SENTIDOS HUMANOS
OS CINCO SENTIDOS HUMANOSOS CINCO SENTIDOS HUMANOS
OS CINCO SENTIDOS HUMANOSMargarete433
 
Instrumentos Ópticos
Instrumentos ÓpticosInstrumentos Ópticos
Instrumentos ÓpticosSamara Brito
 
Aula 1 O corpo humano
Aula 1 O corpo humanoAula 1 O corpo humano
Aula 1 O corpo humanoAna Filadelfi
 
Ciências 9º Ano (Física): estudo dos movimentos: Conceitos Básicos de Cinemática
Ciências 9º Ano (Física): estudo dos movimentos: Conceitos Básicos de CinemáticaCiências 9º Ano (Física): estudo dos movimentos: Conceitos Básicos de Cinemática
Ciências 9º Ano (Física): estudo dos movimentos: Conceitos Básicos de CinemáticaRonaldo Santana
 
O Sistema Solar - 6º Ano (2017)
O Sistema Solar - 6º Ano (2017)O Sistema Solar - 6º Ano (2017)
O Sistema Solar - 6º Ano (2017)Nefer19
 
DILATAÇÃO TÉRMICA
DILATAÇÃO TÉRMICADILATAÇÃO TÉRMICA
DILATAÇÃO TÉRMICAnenhuma
 
Princípios da Óptica Geométrica
Princípios da Óptica GeométricaPrincípios da Óptica Geométrica
Princípios da Óptica Geométricalaizdiniz
 
Gravitação Universal
Gravitação UniversalGravitação Universal
Gravitação UniversalPibid Física
 
Introdução a Física
Introdução a FísicaIntrodução a Física
Introdução a Físicafismatromulo
 
Estrutura da matéria prof Ivanise Meyer
Estrutura da matéria  prof Ivanise MeyerEstrutura da matéria  prof Ivanise Meyer
Estrutura da matéria prof Ivanise MeyerIvanise Meyer
 

Mais procurados (20)

Leis De Kepler
Leis De KeplerLeis De Kepler
Leis De Kepler
 
Matéria 9° ano
Matéria   9° anoMatéria   9° ano
Matéria 9° ano
 
9 ano cinemática_aula
9 ano cinemática_aula9 ano cinemática_aula
9 ano cinemática_aula
 
Ótica da visão e lentes
Ótica da visão e lentesÓtica da visão e lentes
Ótica da visão e lentes
 
OS CINCO SENTIDOS HUMANOS
OS CINCO SENTIDOS HUMANOSOS CINCO SENTIDOS HUMANOS
OS CINCO SENTIDOS HUMANOS
 
Fases lua
Fases luaFases lua
Fases lua
 
CâMara De OrifíCio Escuro
CâMara De OrifíCio EscuroCâMara De OrifíCio Escuro
CâMara De OrifíCio Escuro
 
Instrumentos Ópticos
Instrumentos ÓpticosInstrumentos Ópticos
Instrumentos Ópticos
 
Luz e Cor
Luz e CorLuz e Cor
Luz e Cor
 
Aula 1 O corpo humano
Aula 1 O corpo humanoAula 1 O corpo humano
Aula 1 O corpo humano
 
Ciências 9º Ano (Física): estudo dos movimentos: Conceitos Básicos de Cinemática
Ciências 9º Ano (Física): estudo dos movimentos: Conceitos Básicos de CinemáticaCiências 9º Ano (Física): estudo dos movimentos: Conceitos Básicos de Cinemática
Ciências 9º Ano (Física): estudo dos movimentos: Conceitos Básicos de Cinemática
 
Fenômenos ópticos 9° ano
Fenômenos ópticos 9° anoFenômenos ópticos 9° ano
Fenômenos ópticos 9° ano
 
Reflexão e Espelhos Planos
Reflexão e Espelhos PlanosReflexão e Espelhos Planos
Reflexão e Espelhos Planos
 
Tipos de Energia
Tipos de EnergiaTipos de Energia
Tipos de Energia
 
O Sistema Solar - 6º Ano (2017)
O Sistema Solar - 6º Ano (2017)O Sistema Solar - 6º Ano (2017)
O Sistema Solar - 6º Ano (2017)
 
DILATAÇÃO TÉRMICA
DILATAÇÃO TÉRMICADILATAÇÃO TÉRMICA
DILATAÇÃO TÉRMICA
 
Princípios da Óptica Geométrica
Princípios da Óptica GeométricaPrincípios da Óptica Geométrica
Princípios da Óptica Geométrica
 
Gravitação Universal
Gravitação UniversalGravitação Universal
Gravitação Universal
 
Introdução a Física
Introdução a FísicaIntrodução a Física
Introdução a Física
 
Estrutura da matéria prof Ivanise Meyer
Estrutura da matéria  prof Ivanise MeyerEstrutura da matéria  prof Ivanise Meyer
Estrutura da matéria prof Ivanise Meyer
 

Destaque

óPtica da visão olho humano
óPtica da visão   olho humanoóPtica da visão   olho humano
óPtica da visão olho humanozaidanmn
 
Apresentação insumos surfaçagem
Apresentação insumos surfaçagemApresentação insumos surfaçagem
Apresentação insumos surfaçagemGSArt Web Solutions
 
Técnico optica nível i
Técnico optica nível iTécnico optica nível i
Técnico optica nível ifelias2000
 
Olhos Sãos Pela Ginástica Ocular
Olhos Sãos Pela Ginástica OcularOlhos Sãos Pela Ginástica Ocular
Olhos Sãos Pela Ginástica OcularOSJ10
 
Os nossos olhos e defeitos
Os nossos olhos e defeitosOs nossos olhos e defeitos
Os nossos olhos e defeitosRussinha-9
 
Problemas de Visão e Lentes
Problemas de Visão e LentesProblemas de Visão e Lentes
Problemas de Visão e LentesJ0anaG0mes
 
Miopia, hipermetropia e astigmatismo
Miopia, hipermetropia e astigmatismoMiopia, hipermetropia e astigmatismo
Miopia, hipermetropia e astigmatismofredmacedo2000
 
Anatomia e Fisiologia do Globo Ocular
Anatomia e Fisiologia do Globo OcularAnatomia e Fisiologia do Globo Ocular
Anatomia e Fisiologia do Globo OcularBruno Pinto
 
Óptica Oftálmica - Princípios Básicos
Óptica Oftálmica - Princípios BásicosÓptica Oftálmica - Princípios Básicos
Óptica Oftálmica - Princípios BásicosAntonio Martins
 
Óculos - Uma visão da lente após o recorte para encaixe na armação
Óculos - Uma visão da lente após o recorte para encaixe na armaçãoÓculos - Uma visão da lente após o recorte para encaixe na armação
Óculos - Uma visão da lente após o recorte para encaixe na armaçãoAlex Dias
 
Descentração lentes esféricas
Descentração lentes esféricasDescentração lentes esféricas
Descentração lentes esféricasAlex Dias
 
Lentes Oftálmicas Tipologias e Materiais
Lentes Oftálmicas Tipologias e MateriaisLentes Oftálmicas Tipologias e Materiais
Lentes Oftálmicas Tipologias e MateriaisBruno Pinto
 

Destaque (20)

óPtica da visão olho humano
óPtica da visão   olho humanoóPtica da visão   olho humano
óPtica da visão olho humano
 
Apresentação insumos surfaçagem
Apresentação insumos surfaçagemApresentação insumos surfaçagem
Apresentação insumos surfaçagem
 
Técnico optica nível i
Técnico optica nível iTécnico optica nível i
Técnico optica nível i
 
Olhos Sãos Pela Ginástica Ocular
Olhos Sãos Pela Ginástica OcularOlhos Sãos Pela Ginástica Ocular
Olhos Sãos Pela Ginástica Ocular
 
Os nossos olhos e defeitos
Os nossos olhos e defeitosOs nossos olhos e defeitos
Os nossos olhos e defeitos
 
Defeitos da Visão
Defeitos da VisãoDefeitos da Visão
Defeitos da Visão
 
Problemas de Visão e Lentes
Problemas de Visão e LentesProblemas de Visão e Lentes
Problemas de Visão e Lentes
 
óPtica da visão
óPtica da visãoóPtica da visão
óPtica da visão
 
Óptica da visão
Óptica da visãoÓptica da visão
Óptica da visão
 
Técnicas refrativas
Técnicas refrativasTécnicas refrativas
Técnicas refrativas
 
Miopia, hipermetropia e astigmatismo
Miopia, hipermetropia e astigmatismoMiopia, hipermetropia e astigmatismo
Miopia, hipermetropia e astigmatismo
 
Anatomia globo ocular
Anatomia globo ocularAnatomia globo ocular
Anatomia globo ocular
 
Anatomia e Fisiologia do Globo Ocular
Anatomia e Fisiologia do Globo OcularAnatomia e Fisiologia do Globo Ocular
Anatomia e Fisiologia do Globo Ocular
 
Óptica Oftálmica - Princípios Básicos
Óptica Oftálmica - Princípios BásicosÓptica Oftálmica - Princípios Básicos
Óptica Oftálmica - Princípios Básicos
 
Óculos - Uma visão da lente após o recorte para encaixe na armação
Óculos - Uma visão da lente após o recorte para encaixe na armaçãoÓculos - Uma visão da lente após o recorte para encaixe na armação
Óculos - Uma visão da lente após o recorte para encaixe na armação
 
Surfaçagem
SurfaçagemSurfaçagem
Surfaçagem
 
Multifocal
MultifocalMultifocal
Multifocal
 
Descentração lentes esféricas
Descentração lentes esféricasDescentração lentes esféricas
Descentração lentes esféricas
 
Lentes Oftálmicas Tipologias e Materiais
Lentes Oftálmicas Tipologias e MateriaisLentes Oftálmicas Tipologias e Materiais
Lentes Oftálmicas Tipologias e Materiais
 
Lentes multifocais
Lentes multifocaisLentes multifocais
Lentes multifocais
 

Semelhante a Óptica da Visão e Lentes

Aula 1 - Óptica Geométrica IV.pptx
Aula 1 - Óptica Geométrica IV.pptxAula 1 - Óptica Geométrica IV.pptx
Aula 1 - Óptica Geométrica IV.pptxJosBenedito13
 
A Importância da Consulta Oftalmológica
A Importância da Consulta OftalmológicaA Importância da Consulta Oftalmológica
A Importância da Consulta OftalmológicaRicardo Gurgel
 
Trabalho de óptica (unip)
Trabalho de óptica (unip)Trabalho de óptica (unip)
Trabalho de óptica (unip)Alberto Campos
 
Biofísica da Visãƒo
Biofísica da Visãƒo Biofísica da Visãƒo
Biofísica da Visãƒo Marcelo Silva
 
Lentes marista parte 2
Lentes marista parte 2Lentes marista parte 2
Lentes marista parte 2Yasmin Amorim
 
Lentes & defeitos da visão.
Lentes & defeitos da visão.Lentes & defeitos da visão.
Lentes & defeitos da visão.ThaisRocha05
 
Biofísica do olho humano
Biofísica do olho humanoBiofísica do olho humano
Biofísica do olho humanoDiogo Alves
 
Óptica da visão - Olho Humano
Óptica da visão - Olho HumanoÓptica da visão - Olho Humano
Óptica da visão - Olho Humanozaidanmn
 
Trabalho de física médica que fala sobre o olho humano e a sua importância bi...
Trabalho de física médica que fala sobre o olho humano e a sua importância bi...Trabalho de física médica que fala sobre o olho humano e a sua importância bi...
Trabalho de física médica que fala sobre o olho humano e a sua importância bi...Pedro Gonçalves Parson
 
Biofísica da Visão
Biofísica da VisãoBiofísica da Visão
Biofísica da VisãoSarah Noleto
 
Desvio ocular,diplopia afacia dismetria
Desvio ocular,diplopia afacia dismetriaDesvio ocular,diplopia afacia dismetria
Desvio ocular,diplopia afacia dismetriavanessa souza
 
Óptica visão prof ivanise meyer
Óptica visão prof ivanise meyerÓptica visão prof ivanise meyer
Óptica visão prof ivanise meyerIvanise Meyer
 
Defeitos da visao_instrumentos_opticos
Defeitos da visao_instrumentos_opticosDefeitos da visao_instrumentos_opticos
Defeitos da visao_instrumentos_opticosparamore146
 

Semelhante a Óptica da Visão e Lentes (20)

Aula 1 - Óptica Geométrica IV.pptx
Aula 1 - Óptica Geométrica IV.pptxAula 1 - Óptica Geométrica IV.pptx
Aula 1 - Óptica Geométrica IV.pptx
 
ORGÃOS E SENTIDOS.pdf
ORGÃOS E SENTIDOS.pdfORGÃOS E SENTIDOS.pdf
ORGÃOS E SENTIDOS.pdf
 
A Importância da Consulta Oftalmológica
A Importância da Consulta OftalmológicaA Importância da Consulta Oftalmológica
A Importância da Consulta Oftalmológica
 
Trabalho de óptica (unip)
Trabalho de óptica (unip)Trabalho de óptica (unip)
Trabalho de óptica (unip)
 
Biofísica da Visãƒo
Biofísica da Visãƒo Biofísica da Visãƒo
Biofísica da Visãƒo
 
Lentes marista parte 2
Lentes marista parte 2Lentes marista parte 2
Lentes marista parte 2
 
Lentes & defeitos da visão.
Lentes & defeitos da visão.Lentes & defeitos da visão.
Lentes & defeitos da visão.
 
Biofísica do olho humano
Biofísica do olho humanoBiofísica do olho humano
Biofísica do olho humano
 
Óptica da visão - Olho Humano
Óptica da visão - Olho HumanoÓptica da visão - Olho Humano
Óptica da visão - Olho Humano
 
ametropias.ppt
ametropias.pptametropias.ppt
ametropias.ppt
 
Olho e Visão
Olho e VisãoOlho e Visão
Olho e Visão
 
Problemas de visão
Problemas de visão Problemas de visão
Problemas de visão
 
Problemas de visão
Problemas de visãoProblemas de visão
Problemas de visão
 
Trabalho de física médica que fala sobre o olho humano e a sua importância bi...
Trabalho de física médica que fala sobre o olho humano e a sua importância bi...Trabalho de física médica que fala sobre o olho humano e a sua importância bi...
Trabalho de física médica que fala sobre o olho humano e a sua importância bi...
 
Problemas de visão
Problemas de visão Problemas de visão
Problemas de visão
 
Óptica da visão - apostila
Óptica da visão - apostilaÓptica da visão - apostila
Óptica da visão - apostila
 
Biofísica da Visão
Biofísica da VisãoBiofísica da Visão
Biofísica da Visão
 
Desvio ocular,diplopia afacia dismetria
Desvio ocular,diplopia afacia dismetriaDesvio ocular,diplopia afacia dismetria
Desvio ocular,diplopia afacia dismetria
 
Óptica visão prof ivanise meyer
Óptica visão prof ivanise meyerÓptica visão prof ivanise meyer
Óptica visão prof ivanise meyer
 
Defeitos da visao_instrumentos_opticos
Defeitos da visao_instrumentos_opticosDefeitos da visao_instrumentos_opticos
Defeitos da visao_instrumentos_opticos
 

Mais de Wellington Sampaio (20)

Cartilha Inércia e a Primeira Lei de Newton
Cartilha Inércia e a Primeira Lei de NewtonCartilha Inércia e a Primeira Lei de Newton
Cartilha Inércia e a Primeira Lei de Newton
 
Astrobiologia
AstrobiologiaAstrobiologia
Astrobiologia
 
Nos ombros dos gigantes mágicos
Nos ombros dos gigantes mágicosNos ombros dos gigantes mágicos
Nos ombros dos gigantes mágicos
 
Via Láctea
Via LácteaVia Láctea
Via Láctea
 
Almanaque socioambiental 2008
Almanaque socioambiental 2008Almanaque socioambiental 2008
Almanaque socioambiental 2008
 
Lista 1 termometria - dilatação
Lista 1   termometria - dilataçãoLista 1   termometria - dilatação
Lista 1 termometria - dilatação
 
Fenômenos Ondulatórios
Fenômenos OndulatóriosFenômenos Ondulatórios
Fenômenos Ondulatórios
 
Espelhos
EspelhosEspelhos
Espelhos
 
Fenômenos Ópticos
Fenômenos ÓpticosFenômenos Ópticos
Fenômenos Ópticos
 
Exercícios 8° ano REC
Exercícios 8° ano RECExercícios 8° ano REC
Exercícios 8° ano REC
 
Mudança de fase
Mudança de faseMudança de fase
Mudança de fase
 
Lista de Exercícios
Lista de ExercíciosLista de Exercícios
Lista de Exercícios
 
Lista de exercícios 8° ano 2° sem
Lista de exercícios 8° ano 2° semLista de exercícios 8° ano 2° sem
Lista de exercícios 8° ano 2° sem
 
Sociedade de consumo
Sociedade de consumoSociedade de consumo
Sociedade de consumo
 
Circuitos elétricos
Circuitos elétricosCircuitos elétricos
Circuitos elétricos
 
Potencial elétrico
Potencial elétricoPotencial elétrico
Potencial elétrico
 
Calorimetria
CalorimetriaCalorimetria
Calorimetria
 
Para Sara, Raquel, Lia e para todas as crianças
Para Sara, Raquel, Lia e para todas as criançasPara Sara, Raquel, Lia e para todas as crianças
Para Sara, Raquel, Lia e para todas as crianças
 
Eletricidade
EletricidadeEletricidade
Eletricidade
 
Campo e potencial elétrico
Campo e potencial elétricoCampo e potencial elétrico
Campo e potencial elétrico
 

Último

Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfEyshilaKelly1
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOBiatrizGomes1
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxThye Oliver
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 

Último (20)

Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 

Óptica da Visão e Lentes

  • 2.
  • 3. • Nosso olho não funciona exatamente como uma câmera, mas dá para dizer que a resolução máxima que ele alcança é próxima de 250 megapixels • A câmera digital cria arquivos de imagem compostos de milhões de pontos. Cada ponto é um pixel e, para a câmera registrá-lo no seu "negativo" – o CCD (dispositivo de carga acoplada) –, entra em ação o photosite, o componente fotossensível das câmeras digitais. Ou seja: uma câmera que usa 1 milhão de photosites registra 1 milhão de pixels, ou 1 megapixel. • No olho humano, o papel do photosite é desempenhado por cones e bastonetes, dois tipos de células fotossensíveis distribuídos ao longo da retina. Nos dois olhos temos cerca de 250 milhões dessas células e, portanto, podemos captar 250 milhões de pontos luminosos. Ou 250 megapixels.
  • 4. • Mas, na prática, a coisa não é tão simples. "A visão em alta resolução forma-se apenas na fóvea, região que corresponde a um centésimo da área da retina“ • CONES  Células responsáveis pelas cores e pelos detalhes. • 3 tipos:Cada um deles é sensível a um determinado faixa de comprimentos de onda do espectro luminoso, mais precisamente ao picos situados a 419 nm (azul-violeta), 531 nm (verde) e 559 nm (verde-amarelo). • A classificação dos cones em "vermelho", "verde" e "azul" (RGB) é uma simplificação usada por comodidade. • BASTONETES  São mais sensíveis a luz que os cones, fornecem ao cérebro as informações em preto e branco, detectam melhor os contrastes.
  • 15. Daltonismo • O daltônico não consegue distinguir algumas cores das outras, sendo mais comum não distinguir vermelho do verde • Por que ocorre? Devido ausência ou menor número de alguns tipos de CONES ou por uma perda de função parcial ou total destes.
  • 17. Cirurgia Corretiva... O que é Lasik? • A técnica Lasik é um procedimento cirúrgico que corrige erros refrativos (miopia, astigmatismo, hipermetropia) mudando a forma da córnea e conseqüentemente o modo que a luz é focada internamente. A cirurgia demora em média de 08 a 10 minutos, em cada olho.
  • 18. Lentes Esféricas O que é uma lente esférica? • Dispositivo feito de material homogêneo e transparente no qual uma das superfícies é plana ( ) e a outra esférica ou as duas superfícies são esféricas. • Serão chamadas lentes quando sua espessura for desprezível em relação ao seu raio de curvatura que é o raio da(s) circunferências que as geraram
  • 21.
  • 22. • A origem do referencial está no centro óptico da lente • O eixo das abscissas coincide com o eixo principal e tem sentido contrário ao da luz incidente para os objetos e a favor da luz incidente para as imagens. Assim, observe na figura acima que imagens reais (à direita da lente) e objetos reais (à esquerda da lente) tem abscissas positivas e que imagens virtuais (à esquerda da lente) tem abscissas negativas. • O eixo das ordenadas é orientado para cima. Assim, i e o tem mesmo sinal se a imagem for direita em relação ao objeto e sinais opostos se a imagem for invertida em relação ao objeto.
  • 23. Lente convergente f > 0 Lente divergente f < 0 Imagem real P’ > 0 Imagem virtual P’ < 0 Imagem direita (i e o tem mesmo sinal)  A > 0 Imagem invertida em relação ao objeto (i e o tem sinais contrários) A < 0 • Define-se Vergência ou Convergência (C) de uma lente como sendo o inverso de sua distância focal f • Quando a distância focal estiver em metros (m), a unidade de C é a dioptria (di), sendo, 1 di = 1/m ou 1 di = m-1. • Lentes convergentes tem C > 0 pois sua distância focal é positiva e lentes divergentes, pelo mesmo motivo tem C < 0.
  • 24.
  • 25.
  • 26.
  • 27.
  • 28.
  • 29.
  • 31. Se usar demais os óculos o grau aumenta e vicia?
  • 32.
  • 33. Se não usar os óculos você vai acabar com um fundo de garrafa no rosto?
  • 34. Os óculos não modificam os olhos como estrutura, apenas alteram as imagens por eles percebidas. Portanto, usar não vicia ou faz aumentar ou diminuir o grau refrativo. Ocorre que, como as imagens estão mais nítidas e não há esforço visual, há mais conforto e assim estabelece- se a necessidade, não o vício, do uso da correção visual mais constantemente. Outro aspecto a ser comentado é que em crianças com erros refrativos importantes a ausência de correção visual, com óculos, poderá comprometer o desenvolvimento normal da visão, chamada AMBLIOPIA, irreversível se descoberta tardiamente.
  • 35. Depois de pegar um vento, meu filho teve uma dor de cabeça forte e entortou os olhos?
  • 36. MEIA VERDADE! A forte dor de cabeça pode ter alguma relação com o início do desvio ocular. Em crianças maiores de 5 ou 6 anos de idade, adolescentes e adultos qualquer ocorrência de estrabismo tem, como provável causa, processo expansivo intracraniano inflamatório, vascular, tumoral, infeccioso ou traumático e, portanto, deve ter estas etiologias exaustivamente pesquisadas e excluídas antes de ser tratada a conseqüência, que é o estrabismo. Além disso, outras patologias graves podem cursar com perda do paralelismo ocular como doenças da tireóide, patologias musculares - Miastenia gravis, doenças da retina ou que comprometam a qualidade da visão, etc.
  • 37. Guardar os óculos dentro do carro pode estragá-los?
  • 38. VERDADE! Como os tratamentos aplicados às lentes corretivas dos óculos – anti-reflexo, anti UV, fotossensível, colorações – são termossensíveis, submeter tais lentes às altas temperaturas do interior de um carro estacionado ao Sol pode deteriorar e inutilizar os óculos.
  • 39. Olhar para o Sol cega?
  • 40. VERDADE! Olhar diretamente para o Sol ofusca a visão e se a exposição for prolongada pode causar lesão irreversível da retina. Vale lembrar que os feixes de laser artístico utilizados em shows também podem causar lesão definitiva na retina se forem mirados diretamente nos olhos.
  • 41. Ler no escuro faz mal?
  • 42. MITO! Apenas reduz a velocidade de leitura e a capacidade de atenção, diminuindo naturalmente o interesse pela atividade e desencadeando sono.
  • 43. Usar óculos de outra pessoa faz mal?
  • 44. VERDADE! Os óculos são um utensílio individual e intransferível, assim como escova de dente e dentadura. Cada pessoa deve ter e usar apenas os seus. São confeccionados seguindo uma receita médica com um propósito e medidas personalizadas. Por isso usar óculos comprados prontos em feiras ou no comércio em geral, bem como óculos de outras pessoas pode causar dores de cabeça, tonturas, enjôo e fadiga.
  • 46. MITO! Colírio é apenas mais uma forma de apresentação de uma medicação, assim com comprimido ou xarope e, como toda medicação, tem indicações e contra- indicações específicas, devendo ser usado apenas se prescrito por um médico.
  • 47. Ler muito pode desenvolver miopia?
  • 48. MITO! Não há comprovação científica para tanto. Parece que o raciocínio é o inverso, ou seja, os míopes têm maior interesse pelas atividades de perto, incluindo a leitura, se comparados a indivíduos hipermétropes.
  • 49. Os óculos vencem de ano em ano?
  • 50. MEIO MITO, MEIO VERDADE! As lentes corretivas não são como alimentos ou medicamentos que podem fazer mal depois de expirado o prazo de validade. No entanto, as lentes de óculos sofrem alterações físicas, com o seu uso e desgaste, além dos olhos necessitarem de exames periódicos para assegurarem uma saúde preventiva. É prudente realizar exames oftalmológicos semestralmente, em crianças e adolescentes já usuários de correção visual, e anualmente, nos adultos, seja ou não usuário de óculos, e nas demais crianças e adolescentes.