SlideShare uma empresa Scribd logo
Disciplina:Física
   Série: 3º E.M
Introdução

 O olho é um órgão do nosso corpo extremamente complexo.
 Com ele podemos focalizar um objeto, controlar a
 quantidade de luz que entra e produzir uma imagem nítida
 de um objeto. Sob esse aspecto o olho humano pode ser
 comparado a uma câmara fotográfica, pois ambos possuem
 abertura para a passagem de luz, uma lente (cristalino) e um
 anteparo(retina), onde a imagem é recebida e registrada.
O Olho Humano


 O globo ocular tem a forma de duas calotas esféricas. A
 parte da frente do olho é uma membrana transparente
 chamada córnea. A outra é opaca, sendo formada de três
 camadas: a esclera, que é a mais externa e dá sustentação
 ao olho; a coroide, que é a intermediária, irrigada por vasos
 sanguíneos; e a retina, que é a interna.
O Olho Humano
 A íris:  É aquela parte circular que dá a cor do olho, ela tem
  uma abertura central, a PUPILA, por onde entra a luz. O
  diâmetro da pupila varia automaticamente com a
  intensidade da luz do ambiente. Em ambientes com grande
  luminosidade ela é estreita e pode atingir um diâmetro de até
  1,5mm, fazendo com que entre menos luz no globo ocular.
  Em ambientes mais escuros ela se dilata atingindo diâmetro
  de até 10mm, fazendo com que entre mais luz.
 Cristalino: É uma lente gelatinosa, elástica e convergente(biconvexa)
      que ajusta(focaliza) a imagem sobre a retina. A distância focal do
      cristalino é modificada por movimentos de músculos, os músculos
      ciliares, permitindo ajustar a visão para objetos próximos ou distantes.
      Isso se chama acomodação visual.




Quando     os    músculos   ciliares estão   Quando os músculos ciliares se contraem,
relaxados o cristalino se apresenta o mais   o cristalino se torna mais convexo. Para
achatado, focalizando somente objetos        focalizar objetos próximos.(Ponto Próximo)
que estão a grandes distâncias. (Ponto
remoto)
 Retina: É uma estrutura com várias camadas de células nervosas(cones e
       bastonetes) super sensíveis à energia da luz capazes de transformar os
       raios luminosos em impulsos nervosos. Na região de onde sai o nervo
       óptico, chamado ponto cego não há receptores de luz, portanto a visão é
       impossível. Entretanto, em outra área da retina, chamada fóvea, há
       grande concentração de cones, sendo assim , tem máxima sensibilidade á
       luz e é o local onde a imagem se forma com maior nitidez.
         Esse impulso nervoso gerado é levado ao cérebro, mais precisamente
       no córtex occipital através do nervo óptico, esse estimulo será
       transformado na imagem do objeto.
 Os bastonetes são células que captam
imagens em lugares pouco iluminados. Não
distinguem cores, e as imagens fornecidas
não são muito nítidas.
 Os cones funcionam em ambientes mais
iluminados, fornecendo imagens coloridas e
mais nítidas. Nós vemos imagens coloridas
porque temos três tipos de cones na retina:
os que reagem melhor à luz vermelha, os
que reagem ao amarelo e verde e os que
reagem ao azul e violeta. As cores que
percebemos dependem da combinação
dos sinais nervosos enviados pelos três tipos
de cones.
 Humor    Aquoso: Trata-se de uma substância semi-líquida,
 transparente, semelhante a uma gelatina incolor. Esta
 substância preenche a câmara anterior do olho e pela sua
 pressão interna, faz com que a córnea se torne protuberante

 Humor Vítreo: É uma substância totalmente transparente,
 semelhante ao humor aquoso, ocupa o espaço entre o
 cristalino e a retina.
Resumo da formação da
imagem no olho humano:
 Para iniciar a visão é necessário uma fonte de luz, a luz emite
  partículas chamadas fótons, que batem e são devolvidas
  pelos objetos sólidos em todas as direções, e ao atingir o olho,
  essa reflexão do objeto atravessa a córnea e chega à íris,
  que regula a quantidade de luz recebida por meio de uma
  abertura chamada pupila. Passada a pupila, a imagem
  chega ao cristalino e é focada sobre a retina. A lente do olho
  produz uma imagem invertida e o cérebro a converte para a
  posição correta. Na retina, mais de cem milhões de células
  fotorreceptoras transformam as ondas luminosas em impulsos
  eletroquímicos,      que     são       decodificados       pelo
  cérebro.Formando então a imagem real.
Defeitos Visuais

 Em um olho normal, a imagem dos objetos projeta-se sempre
  sobre a retina. Quando isso não ocorre, essa imagem deixa
  de ser nítida. Para corrigir esse efeito indesejável, utilizam-se
  lentes corretoras, de acordo com os distúrbios visuais
  apresentados pelo olho. Os principais distúrbios visuais são:
  Miopia, Hipermetropia e Astigmatismo
 A miopia é um defeito da visão que consiste em um alongamento
       do globo ocular ou em uma excessiva vergência do cristalino. Desse
       modo, a imagem de um objeto muito distante se forma antes da
       retina e, portanto, não é nítida. O míope não enxerga bem de longe.




No olho míope, a imagem do objeto (bola) Atualmente empregam-se diversas técnicas
forma-se na frente da retina. O observador para a correção da miopia. Em todas elas
tem uma imagem borrada da bola.            utilizam-se lentes divergentes. Na figura
                                           estão representadas: lente de óculos, lente
                                           de contato e lentes provenientes de
                                           Implantes intraoculares.
 A hipermetropia é um defeito da visão que consiste em um
 encurtamento do globo ocular ou em uma fraca vergência do
 cristalino. Desse modo, a imagem de um objeto no infinito, estando
 relaxados os músculos ciliares, se forma atrás da retina e, portanto,
 não é nítida.




                                        A imagem da bola no olho hipermetrope forma-
                                        se atrás da retina, causando uma visão pouco
                                                  nítida dos objetos próximos.




                     Atualmente são diversas as técnicas utilizadas
                     para a correção da hipermetropia. Em todas elas, no entanto,
                     utilizam-se lentes convergentes. Na figura estão representadas: lente
                     de óculos, lente de contato e lentes provenientes de implantes
                     intraoculares
 O indivíduo com astigmatismo vê os objetos tanto próximos
  quanto distantes de maneira distorcida, borrada, sem nitidez.
  Esse distúrbio é causado pelo formato irregular da córnea ou
  da lente do olho, produzindo uma imagem em vários focos
  que se encontram em eixos distintos. A correção é feita com
  uso de óculos cujas lentes são cilíndricas e podem ser
  convergentes ou divergentes.
Curiosidade:
Óptica - O olho humano

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Visão
VisãoVisão
V.1 órgãos dos sentidos.
V.1 órgãos dos sentidos.V.1 órgãos dos sentidos.
V.1 órgãos dos sentidos.
Rebeca Vale
 
8ano - Aula 12 - circuito elétrico.pptx
8ano -  Aula 12 -  circuito elétrico.pptx8ano -  Aula 12 -  circuito elétrico.pptx
8ano - Aula 12 - circuito elétrico.pptx
maria leir leir
 
Microscopia
MicroscopiaMicroscopia
Microscopia
Catir
 
Leis De Newton
Leis De NewtonLeis De Newton
Leis De Newton
Miky Mine
 
Óptica introdução
Óptica introduçãoÓptica introdução
Óptica introdução
O mundo da FÍSICA
 
Óptica Geométrica - Estudo das lentes esféricas
Óptica Geométrica - Estudo das lentes esféricasÓptica Geométrica - Estudo das lentes esféricas
Óptica Geométrica - Estudo das lentes esféricas
Marco Antonio Sanches
 
Refração da luz
Refração da luzRefração da luz
Refração da luz
fisicaatual
 
Ondulatoria
OndulatoriaOndulatoria
Ondulatoria
Rildo Borges
 
Princípios da Propagação da Luz
Princípios da Propagação da LuzPrincípios da Propagação da Luz
Princípios da Propagação da Luz
CEAMB - Colégio Estadual Antonio Motta Bittencourt
 
Células
CélulasCélulas
Células
Cláudia Moura
 
Aula de Fotossíntese (Power Point)
Aula de Fotossíntese (Power Point)Aula de Fotossíntese (Power Point)
Aula de Fotossíntese (Power Point)
Bio
 
Aula de física movimento, repouso, velocidade média
Aula de física  movimento, repouso, velocidade médiaAula de física  movimento, repouso, velocidade média
Aula de física movimento, repouso, velocidade média
luam1969
 
Biofísica da visão
Biofísica da visãoBiofísica da visão
Biofísica da visão
x.x Costa
 
Fenômenos ópticos
Fenômenos ópticosFenômenos ópticos
Fenômenos ópticos
Hortência Pereira
 
Luz
LuzLuz
O olho humano
O olho humanoO olho humano
O olho humano
Colégio Nahim Ahmad
 
Defeitos da visão humana
Defeitos da visão humanaDefeitos da visão humana
Defeitos da visão humana
Aryleudo De Oliveira
 
Camada de ozonio
Camada de ozonioCamada de ozonio
Camada de ozonio
Facos - Cnec
 
Máquinas térmicas
Máquinas térmicasMáquinas térmicas
Máquinas térmicas
Edinei Chagas
 

Mais procurados (20)

Visão
VisãoVisão
Visão
 
V.1 órgãos dos sentidos.
V.1 órgãos dos sentidos.V.1 órgãos dos sentidos.
V.1 órgãos dos sentidos.
 
8ano - Aula 12 - circuito elétrico.pptx
8ano -  Aula 12 -  circuito elétrico.pptx8ano -  Aula 12 -  circuito elétrico.pptx
8ano - Aula 12 - circuito elétrico.pptx
 
Microscopia
MicroscopiaMicroscopia
Microscopia
 
Leis De Newton
Leis De NewtonLeis De Newton
Leis De Newton
 
Óptica introdução
Óptica introduçãoÓptica introdução
Óptica introdução
 
Óptica Geométrica - Estudo das lentes esféricas
Óptica Geométrica - Estudo das lentes esféricasÓptica Geométrica - Estudo das lentes esféricas
Óptica Geométrica - Estudo das lentes esféricas
 
Refração da luz
Refração da luzRefração da luz
Refração da luz
 
Ondulatoria
OndulatoriaOndulatoria
Ondulatoria
 
Princípios da Propagação da Luz
Princípios da Propagação da LuzPrincípios da Propagação da Luz
Princípios da Propagação da Luz
 
Células
CélulasCélulas
Células
 
Aula de Fotossíntese (Power Point)
Aula de Fotossíntese (Power Point)Aula de Fotossíntese (Power Point)
Aula de Fotossíntese (Power Point)
 
Aula de física movimento, repouso, velocidade média
Aula de física  movimento, repouso, velocidade médiaAula de física  movimento, repouso, velocidade média
Aula de física movimento, repouso, velocidade média
 
Biofísica da visão
Biofísica da visãoBiofísica da visão
Biofísica da visão
 
Fenômenos ópticos
Fenômenos ópticosFenômenos ópticos
Fenômenos ópticos
 
Luz
LuzLuz
Luz
 
O olho humano
O olho humanoO olho humano
O olho humano
 
Defeitos da visão humana
Defeitos da visão humanaDefeitos da visão humana
Defeitos da visão humana
 
Camada de ozonio
Camada de ozonioCamada de ozonio
Camada de ozonio
 
Máquinas térmicas
Máquinas térmicasMáquinas térmicas
Máquinas térmicas
 

Destaque

O olho humano
O olho humanoO olho humano
O olho humano
luis costa
 
Olho e visão
Olho e visãoOlho e visão
Olho e visão
Xupiscovisk
 
Visao humana
Visao humana Visao humana
Visao humana
Alessandra Pereira
 
A visão humana
A visão humanaA visão humana
A visão humana
AlexanderLights
 
Apresentação sistema auditivo
Apresentação sistema auditivoApresentação sistema auditivo
Apresentação sistema auditivo
Vanessa Paiva
 
Audição
AudiçãoAudição
Audição
Cláudia Augusto
 
Olho e Visão
Olho e VisãoOlho e Visão
Olho e Visão
Yan Soares da Silvaa
 

Destaque (7)

O olho humano
O olho humanoO olho humano
O olho humano
 
Olho e visão
Olho e visãoOlho e visão
Olho e visão
 
Visao humana
Visao humana Visao humana
Visao humana
 
A visão humana
A visão humanaA visão humana
A visão humana
 
Apresentação sistema auditivo
Apresentação sistema auditivoApresentação sistema auditivo
Apresentação sistema auditivo
 
Audição
AudiçãoAudição
Audição
 
Olho e Visão
Olho e VisãoOlho e Visão
Olho e Visão
 

Semelhante a Óptica - O olho humano

olho humano - caracterísicas básica do olho humano
olho humano -  caracterísicas básica do olho humanoolho humano -  caracterísicas básica do olho humano
olho humano - caracterísicas básica do olho humano
hinacioaulas
 
Trabalho de óptica (unip)
Trabalho de óptica (unip)Trabalho de óptica (unip)
Trabalho de óptica (unip)
Alberto Campos
 
O olho humano, 9º ano
O olho humano, 9º anoO olho humano, 9º ano
O olho humano, 9º ano
samuelmaiaalves
 
ametropias.ppt
ametropias.pptametropias.ppt
ametropias.ppt
SadyDanyelevczDeBrit
 
Óptica Física - Miopia (problemas de visão)
Óptica Física - Miopia (problemas de visão)Óptica Física - Miopia (problemas de visão)
Óptica Física - Miopia (problemas de visão)
Moises Maciel
 
Trabalho de física médica que fala sobre o olho humano e a sua importância bi...
Trabalho de física médica que fala sobre o olho humano e a sua importância bi...Trabalho de física médica que fala sobre o olho humano e a sua importância bi...
Trabalho de física médica que fala sobre o olho humano e a sua importância bi...
Pedro Gonçalves Parson
 
O Olho Oumano
O Olho Oumano O Olho Oumano
O Olho Oumano
Samara Luz
 
Aula 6-optica-da-visao.pptx
Aula 6-optica-da-visao.pptxAula 6-optica-da-visao.pptx
Aula 6-optica-da-visao.pptx
MuriloMartins47
 
Anatomia ocular.pdf
Anatomia ocular.pdfAnatomia ocular.pdf
Anatomia ocular.pdf
asnsdt
 
Óptica da visão - apostila
Óptica da visão - apostilaÓptica da visão - apostila
Óptica da visão - apostila
Marco Antonio Sanches
 
Lentes marista parte 2
Lentes marista parte 2Lentes marista parte 2
Lentes marista parte 2
Yasmin Amorim
 
O Olho Humano. slideshare 1
O Olho Humano. slideshare 1O Olho Humano. slideshare 1
O Olho Humano. slideshare 1
Herman Ramos
 
Biofísica da Visão
Biofísica da VisãoBiofísica da Visão
Biofísica da Visão
Sarah Noleto
 
óptica da visão
óptica da visãoóptica da visão
óptica da visão
rosana_maia
 
O Olho Humano
O Olho HumanoO Olho Humano
O Olho Humano
mordospagnol
 
Biofísica da visão
Biofísica da visãoBiofísica da visão
Biofísica da visão
grazy luz
 
Lentes convergentes e divergentes
Lentes convergentes e divergentesLentes convergentes e divergentes
Lentes convergentes e divergentes
Felipe Dias Guimarães
 
Defeitos visão
Defeitos visãoDefeitos visão
Defeitos visão
ja_mendes
 
1 disturbios da visao
1 disturbios da  visao1 disturbios da  visao
1 disturbios da visao
Latife Frota
 
Visao
VisaoVisao

Semelhante a Óptica - O olho humano (20)

olho humano - caracterísicas básica do olho humano
olho humano -  caracterísicas básica do olho humanoolho humano -  caracterísicas básica do olho humano
olho humano - caracterísicas básica do olho humano
 
Trabalho de óptica (unip)
Trabalho de óptica (unip)Trabalho de óptica (unip)
Trabalho de óptica (unip)
 
O olho humano, 9º ano
O olho humano, 9º anoO olho humano, 9º ano
O olho humano, 9º ano
 
ametropias.ppt
ametropias.pptametropias.ppt
ametropias.ppt
 
Óptica Física - Miopia (problemas de visão)
Óptica Física - Miopia (problemas de visão)Óptica Física - Miopia (problemas de visão)
Óptica Física - Miopia (problemas de visão)
 
Trabalho de física médica que fala sobre o olho humano e a sua importância bi...
Trabalho de física médica que fala sobre o olho humano e a sua importância bi...Trabalho de física médica que fala sobre o olho humano e a sua importância bi...
Trabalho de física médica que fala sobre o olho humano e a sua importância bi...
 
O Olho Oumano
O Olho Oumano O Olho Oumano
O Olho Oumano
 
Aula 6-optica-da-visao.pptx
Aula 6-optica-da-visao.pptxAula 6-optica-da-visao.pptx
Aula 6-optica-da-visao.pptx
 
Anatomia ocular.pdf
Anatomia ocular.pdfAnatomia ocular.pdf
Anatomia ocular.pdf
 
Óptica da visão - apostila
Óptica da visão - apostilaÓptica da visão - apostila
Óptica da visão - apostila
 
Lentes marista parte 2
Lentes marista parte 2Lentes marista parte 2
Lentes marista parte 2
 
O Olho Humano. slideshare 1
O Olho Humano. slideshare 1O Olho Humano. slideshare 1
O Olho Humano. slideshare 1
 
Biofísica da Visão
Biofísica da VisãoBiofísica da Visão
Biofísica da Visão
 
óptica da visão
óptica da visãoóptica da visão
óptica da visão
 
O Olho Humano
O Olho HumanoO Olho Humano
O Olho Humano
 
Biofísica da visão
Biofísica da visãoBiofísica da visão
Biofísica da visão
 
Lentes convergentes e divergentes
Lentes convergentes e divergentesLentes convergentes e divergentes
Lentes convergentes e divergentes
 
Defeitos visão
Defeitos visãoDefeitos visão
Defeitos visão
 
1 disturbios da visao
1 disturbios da  visao1 disturbios da  visao
1 disturbios da visao
 
Visao
VisaoVisao
Visao
 

Último

DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
ConservoConstrues
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Militao Ricardo
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FredFringeFringeDola
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
MarcoAurlioResende
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
Ailton Barcelos
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
ThiagoRORISDASILVA1
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Centro Jacques Delors
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 

Último (20)

DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 

Óptica - O olho humano

  • 1. Disciplina:Física Série: 3º E.M
  • 2. Introdução  O olho é um órgão do nosso corpo extremamente complexo. Com ele podemos focalizar um objeto, controlar a quantidade de luz que entra e produzir uma imagem nítida de um objeto. Sob esse aspecto o olho humano pode ser comparado a uma câmara fotográfica, pois ambos possuem abertura para a passagem de luz, uma lente (cristalino) e um anteparo(retina), onde a imagem é recebida e registrada.
  • 3. O Olho Humano  O globo ocular tem a forma de duas calotas esféricas. A parte da frente do olho é uma membrana transparente chamada córnea. A outra é opaca, sendo formada de três camadas: a esclera, que é a mais externa e dá sustentação ao olho; a coroide, que é a intermediária, irrigada por vasos sanguíneos; e a retina, que é a interna.
  • 5.  A íris:  É aquela parte circular que dá a cor do olho, ela tem uma abertura central, a PUPILA, por onde entra a luz. O diâmetro da pupila varia automaticamente com a intensidade da luz do ambiente. Em ambientes com grande luminosidade ela é estreita e pode atingir um diâmetro de até 1,5mm, fazendo com que entre menos luz no globo ocular. Em ambientes mais escuros ela se dilata atingindo diâmetro de até 10mm, fazendo com que entre mais luz.
  • 6.  Cristalino: É uma lente gelatinosa, elástica e convergente(biconvexa) que ajusta(focaliza) a imagem sobre a retina. A distância focal do cristalino é modificada por movimentos de músculos, os músculos ciliares, permitindo ajustar a visão para objetos próximos ou distantes. Isso se chama acomodação visual. Quando os músculos ciliares estão Quando os músculos ciliares se contraem, relaxados o cristalino se apresenta o mais o cristalino se torna mais convexo. Para achatado, focalizando somente objetos focalizar objetos próximos.(Ponto Próximo) que estão a grandes distâncias. (Ponto remoto)
  • 7.  Retina: É uma estrutura com várias camadas de células nervosas(cones e bastonetes) super sensíveis à energia da luz capazes de transformar os raios luminosos em impulsos nervosos. Na região de onde sai o nervo óptico, chamado ponto cego não há receptores de luz, portanto a visão é impossível. Entretanto, em outra área da retina, chamada fóvea, há grande concentração de cones, sendo assim , tem máxima sensibilidade á luz e é o local onde a imagem se forma com maior nitidez. Esse impulso nervoso gerado é levado ao cérebro, mais precisamente no córtex occipital através do nervo óptico, esse estimulo será transformado na imagem do objeto.  Os bastonetes são células que captam imagens em lugares pouco iluminados. Não distinguem cores, e as imagens fornecidas não são muito nítidas.  Os cones funcionam em ambientes mais iluminados, fornecendo imagens coloridas e mais nítidas. Nós vemos imagens coloridas porque temos três tipos de cones na retina: os que reagem melhor à luz vermelha, os que reagem ao amarelo e verde e os que reagem ao azul e violeta. As cores que percebemos dependem da combinação dos sinais nervosos enviados pelos três tipos de cones.
  • 8.  Humor Aquoso: Trata-se de uma substância semi-líquida, transparente, semelhante a uma gelatina incolor. Esta substância preenche a câmara anterior do olho e pela sua pressão interna, faz com que a córnea se torne protuberante  Humor Vítreo: É uma substância totalmente transparente, semelhante ao humor aquoso, ocupa o espaço entre o cristalino e a retina.
  • 9. Resumo da formação da imagem no olho humano:  Para iniciar a visão é necessário uma fonte de luz, a luz emite partículas chamadas fótons, que batem e são devolvidas pelos objetos sólidos em todas as direções, e ao atingir o olho, essa reflexão do objeto atravessa a córnea e chega à íris, que regula a quantidade de luz recebida por meio de uma abertura chamada pupila. Passada a pupila, a imagem chega ao cristalino e é focada sobre a retina. A lente do olho produz uma imagem invertida e o cérebro a converte para a posição correta. Na retina, mais de cem milhões de células fotorreceptoras transformam as ondas luminosas em impulsos eletroquímicos, que são decodificados pelo cérebro.Formando então a imagem real.
  • 10.
  • 11. Defeitos Visuais  Em um olho normal, a imagem dos objetos projeta-se sempre sobre a retina. Quando isso não ocorre, essa imagem deixa de ser nítida. Para corrigir esse efeito indesejável, utilizam-se lentes corretoras, de acordo com os distúrbios visuais apresentados pelo olho. Os principais distúrbios visuais são: Miopia, Hipermetropia e Astigmatismo
  • 12.  A miopia é um defeito da visão que consiste em um alongamento do globo ocular ou em uma excessiva vergência do cristalino. Desse modo, a imagem de um objeto muito distante se forma antes da retina e, portanto, não é nítida. O míope não enxerga bem de longe. No olho míope, a imagem do objeto (bola) Atualmente empregam-se diversas técnicas forma-se na frente da retina. O observador para a correção da miopia. Em todas elas tem uma imagem borrada da bola. utilizam-se lentes divergentes. Na figura estão representadas: lente de óculos, lente de contato e lentes provenientes de Implantes intraoculares.
  • 13.  A hipermetropia é um defeito da visão que consiste em um encurtamento do globo ocular ou em uma fraca vergência do cristalino. Desse modo, a imagem de um objeto no infinito, estando relaxados os músculos ciliares, se forma atrás da retina e, portanto, não é nítida. A imagem da bola no olho hipermetrope forma- se atrás da retina, causando uma visão pouco nítida dos objetos próximos. Atualmente são diversas as técnicas utilizadas para a correção da hipermetropia. Em todas elas, no entanto, utilizam-se lentes convergentes. Na figura estão representadas: lente de óculos, lente de contato e lentes provenientes de implantes intraoculares
  • 14.  O indivíduo com astigmatismo vê os objetos tanto próximos quanto distantes de maneira distorcida, borrada, sem nitidez. Esse distúrbio é causado pelo formato irregular da córnea ou da lente do olho, produzindo uma imagem em vários focos que se encontram em eixos distintos. A correção é feita com uso de óculos cujas lentes são cilíndricas e podem ser convergentes ou divergentes.