SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 14
Baixar para ler offline
É a energia transferida de um corpo para
outro graças a diferença de temperatura
entre eles.




Medida!
 Grau de agitação das moléculas
 Energia Média das moléculas
As diferentes sensações térmicas que temos de corpos em um mesmo
ambiente, recebendo a mesma quantidade de calor, num mesmo intervalo de
tempo, são explicadas pela natureza de cada material.


Isso significa que, para que para elevar em 1°C a temperatura de 1g, cada
material necessita de uma quantidade diferente de calor, definida como calor
específico do material.




O calor específico é uma característica da substância e não do corpo. Assim, cada
substância tem o seu calor específico, diferentes blocos de chumbo têm o mesmo
calor específico, pois são de mesma substância.
Calor específico de
algumas substâncias
Quem aumenta primeiro a temperatura em 1°C: 1 litro
de leite ou 2 litros de leite? E qual esfria primeiro?

                           Para elevar em 1°C a temperatura de 2 litros de
                           leite é necessária uma quantidade de calor
                           maior que para elevar em 1°C a temperatura de
                           1litro do mesmo material.


  Ou seja: corpos diferentes necessitam de diferentes quantidade de
  calor para elevar a sua temperatura em 1°C.

  Portanto, 1litro de leite aquece primeiro e esfria primeiro também.


           A capacidade térmica é uma característica do corpo e não da substância.
 Assim, diferentes blocos de chumbo têm diferentes capacidades térmicas, apesar de
 serem de mesma substância (chumbo).
Quando um corpo recebe ou cede calor, podem ocorrer dois fenômenos:

                       Variação de temperatura
                       Mudança de estado físico

       No primeiro caso, dizemos que se trata de calor sensível e, no
segundo, calor latente.



        Ao colocar no fogo uma barra de ferro, logo verificamos que ela
se aquece, isto é, sofre uma elevação na sua temperatura. Se, entretanto
fizermos o mesmo com um bloco de gelo a 0 ºC, verificasse que ele se
derrete, isto é, se transforma em líquido, mas sua temperatura não se
modifica.
C
                   c               C  c.m
                      m

                      Q
                   C                     Q  C.
                      
                     Logo:


                             Q  m.c.
         A unidade de quantidade de calor é o joule (J). Entretanto por razões
históricas, existe outra unidade, a caloria (cal), cuja relação é:
                      1 cal = 4.186 J e 1 kcal = 1.000 cal
Exemplo:

1. (UFRGS) Um corpo de 2 Kg recebe 8000 J de calor e
   sofre uma variação de temperatura de 100ºC. O valor
   do calor específico desse corpo, em J/Kg.ºC, é:

Resolução:

              Q  m.c.
              8000( J )  2(kg ).c.100(C )
                    8000( J )
              c
                 2(kg ).100(C )
                  8000( J )
              c
                 200(kg .C )
                       J
              c  40
                     kg.C
Enquanto o corpo (substância pura) muda de fase, a sua temperatura
                      permanece constante!
A quantidade de calor que devemos dar (ou retirar) de um corpo
     para alterar sua fase depende da massa do corpo e
            da substância de que é feito o corpo.




                       Q  m.L
Dois corpos de temperaturas diferentes trocam calor entre si
quando colocados em contato. Por exemplo, se você tocar uma vidraça,
pode passar calor de sua mão para ela; sua mão, portanto, esfria porque
perdeu calor e consequentemente teve a temperatura diminuída. Por outro
lado, a parte da vidraça que você tocou recebeu calor e
consequentemente sua temperatura aumentou.


Em um sistema termicamente isolado:

...A quantidade de calor trocada entre os corpos é tal que a soma da
quantidade de calor (ΔQ) recebida com a quantidade de calor cedida é
nula...:

          ΔQrecebida + ΔQcedida = 0      ΔQrecebida = - ΔQcedida

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (19)

Calorimetria
CalorimetriaCalorimetria
Calorimetria
 
Calorimetria
CalorimetriaCalorimetria
Calorimetria
 
Calorimetria:Quantidade e trocas de calor
Calorimetria:Quantidade e trocas de calorCalorimetria:Quantidade e trocas de calor
Calorimetria:Quantidade e trocas de calor
 
Aula de calorimetria
Aula de calorimetriaAula de calorimetria
Aula de calorimetria
 
Calorimetria
CalorimetriaCalorimetria
Calorimetria
 
Calorimetria
CalorimetriaCalorimetria
Calorimetria
 
Mudanças de fase
Mudanças de faseMudanças de fase
Mudanças de fase
 
44380 72-1339869334752
44380 72-133986933475244380 72-1339869334752
44380 72-1339869334752
 
Calorimetria (2017)
Calorimetria (2017)Calorimetria (2017)
Calorimetria (2017)
 
Calorimetria
CalorimetriaCalorimetria
Calorimetria
 
Calor sensivel e calor latente
Calor sensivel e calor latenteCalor sensivel e calor latente
Calor sensivel e calor latente
 
Trocas de calor
Trocas de calorTrocas de calor
Trocas de calor
 
Calorimetria ead
Calorimetria  eadCalorimetria  ead
Calorimetria ead
 
Calorimetria
CalorimetriaCalorimetria
Calorimetria
 
Calorimetria Trabalho
Calorimetria TrabalhoCalorimetria Trabalho
Calorimetria Trabalho
 
Aula 6 calorimetria 2
Aula 6   calorimetria 2Aula 6   calorimetria 2
Aula 6 calorimetria 2
 
Calorimetria, Estados da Matéria e Diagramas de Fase © Slideshow by Jair LP
Calorimetria, Estados da Matéria e Diagramas de Fase © Slideshow by Jair LP Calorimetria, Estados da Matéria e Diagramas de Fase © Slideshow by Jair LP
Calorimetria, Estados da Matéria e Diagramas de Fase © Slideshow by Jair LP
 
Calorimetria
CalorimetriaCalorimetria
Calorimetria
 
Relatorio sobre calorimetria (3)
Relatorio sobre calorimetria (3)Relatorio sobre calorimetria (3)
Relatorio sobre calorimetria (3)
 

Destaque (10)

Mudança de fase
Mudança de faseMudança de fase
Mudança de fase
 
Termodinâmica
TermodinâmicaTermodinâmica
Termodinâmica
 
Termodinamica 2011
Termodinamica 2011Termodinamica 2011
Termodinamica 2011
 
1.ª lei da termodinâmica
1.ª lei da termodinâmica 1.ª lei da termodinâmica
1.ª lei da termodinâmica
 
Calorimetria
CalorimetriaCalorimetria
Calorimetria
 
Revisão geral-de-termologia
Revisão geral-de-termologiaRevisão geral-de-termologia
Revisão geral-de-termologia
 
Termodinamica
TermodinamicaTermodinamica
Termodinamica
 
Transmissão de calor
Transmissão de calorTransmissão de calor
Transmissão de calor
 
Calor e frio
Calor e frioCalor e frio
Calor e frio
 
Chevallier - El leviatán
Chevallier - El leviatánChevallier - El leviatán
Chevallier - El leviatán
 

Semelhante a Calor e transferência térmica

Termodinâmica joanesantana
Termodinâmica joanesantanaTermodinâmica joanesantana
Termodinâmica joanesantanaJoane Santana
 
RESPOSTA QUESTIONÁRIO RELAT´ÓRIO PRÁTICA 4 CALOR ESPECÍFICOOOOOOOOOOOOOOOOOOO...
RESPOSTA QUESTIONÁRIO RELAT´ÓRIO PRÁTICA 4 CALOR ESPECÍFICOOOOOOOOOOOOOOOOOOO...RESPOSTA QUESTIONÁRIO RELAT´ÓRIO PRÁTICA 4 CALOR ESPECÍFICOOOOOOOOOOOOOOOOOOO...
RESPOSTA QUESTIONÁRIO RELAT´ÓRIO PRÁTICA 4 CALOR ESPECÍFICOOOOOOOOOOOOOOOOOOO...Santos Raimundo
 
Fisica 002 calorimetria
Fisica   002 calorimetriaFisica   002 calorimetria
Fisica 002 calorimetriacon_seguir
 
Calorimetria.pptx
Calorimetria.pptxCalorimetria.pptx
Calorimetria.pptxpaulo72321
 
TRANSFERENCIA DE CALOR E CALORIMETRIA.pptx
TRANSFERENCIA DE CALOR E CALORIMETRIA.pptxTRANSFERENCIA DE CALOR E CALORIMETRIA.pptx
TRANSFERENCIA DE CALOR E CALORIMETRIA.pptxPriscilaCorra23
 
13 Calorimetria
13 Calorimetria13 Calorimetria
13 CalorimetriaEletrons
 
"Explorando a Termologia: Calor e Temperatura".pptx
"Explorando a Termologia: Calor e Temperatura".pptx"Explorando a Termologia: Calor e Temperatura".pptx
"Explorando a Termologia: Calor e Temperatura".pptxMarcosViniciusSa
 
Termometria apostila
Termometria apostilaTermometria apostila
Termometria apostilantebrusque
 
7- Calorimet,nbkjhbkhj,jmnb.kjkjbria.pptx
7- Calorimet,nbkjhbkhj,jmnb.kjkjbria.pptx7- Calorimet,nbkjhbkhj,jmnb.kjkjbria.pptx
7- Calorimet,nbkjhbkhj,jmnb.kjkjbria.pptxGIOVANIBARRETO4
 
_Calorimetria_diagrama de fases_gas ideal_termodinamica.pdf
_Calorimetria_diagrama de fases_gas ideal_termodinamica.pdf_Calorimetria_diagrama de fases_gas ideal_termodinamica.pdf
_Calorimetria_diagrama de fases_gas ideal_termodinamica.pdfLviaMartins33
 

Semelhante a Calor e transferência térmica (20)

Calorimetria
CalorimetriaCalorimetria
Calorimetria
 
Termodinâmica joanesantana
Termodinâmica joanesantanaTermodinâmica joanesantana
Termodinâmica joanesantana
 
RESPOSTA QUESTIONÁRIO RELAT´ÓRIO PRÁTICA 4 CALOR ESPECÍFICOOOOOOOOOOOOOOOOOOO...
RESPOSTA QUESTIONÁRIO RELAT´ÓRIO PRÁTICA 4 CALOR ESPECÍFICOOOOOOOOOOOOOOOOOOO...RESPOSTA QUESTIONÁRIO RELAT´ÓRIO PRÁTICA 4 CALOR ESPECÍFICOOOOOOOOOOOOOOOOOOO...
RESPOSTA QUESTIONÁRIO RELAT´ÓRIO PRÁTICA 4 CALOR ESPECÍFICOOOOOOOOOOOOOOOOOOO...
 
Fisica 002 calorimetria
Fisica   002 calorimetriaFisica   002 calorimetria
Fisica 002 calorimetria
 
Calorimetria
CalorimetriaCalorimetria
Calorimetria
 
Calorimetria
CalorimetriaCalorimetria
Calorimetria
 
Calorimetria.pptx
Calorimetria.pptxCalorimetria.pptx
Calorimetria.pptx
 
Física - Calorimetria
Física - CalorimetriaFísica - Calorimetria
Física - Calorimetria
 
TRANSFERENCIA DE CALOR E CALORIMETRIA.pptx
TRANSFERENCIA DE CALOR E CALORIMETRIA.pptxTRANSFERENCIA DE CALOR E CALORIMETRIA.pptx
TRANSFERENCIA DE CALOR E CALORIMETRIA.pptx
 
Calorimetria I
Calorimetria ICalorimetria I
Calorimetria I
 
Calorimetria.pptx
Calorimetria.pptxCalorimetria.pptx
Calorimetria.pptx
 
13 Calorimetria
13 Calorimetria13 Calorimetria
13 Calorimetria
 
"Explorando a Termologia: Calor e Temperatura".pptx
"Explorando a Termologia: Calor e Temperatura".pptx"Explorando a Termologia: Calor e Temperatura".pptx
"Explorando a Termologia: Calor e Temperatura".pptx
 
Termometria apostila
Termometria apostilaTermometria apostila
Termometria apostila
 
Calorimetria
CalorimetriaCalorimetria
Calorimetria
 
Calorimetria
CalorimetriaCalorimetria
Calorimetria
 
Calorimetria aula 1
Calorimetria   aula 1Calorimetria   aula 1
Calorimetria aula 1
 
02 calorimetria
02 calorimetria02 calorimetria
02 calorimetria
 
7- Calorimet,nbkjhbkhj,jmnb.kjkjbria.pptx
7- Calorimet,nbkjhbkhj,jmnb.kjkjbria.pptx7- Calorimet,nbkjhbkhj,jmnb.kjkjbria.pptx
7- Calorimet,nbkjhbkhj,jmnb.kjkjbria.pptx
 
_Calorimetria_diagrama de fases_gas ideal_termodinamica.pdf
_Calorimetria_diagrama de fases_gas ideal_termodinamica.pdf_Calorimetria_diagrama de fases_gas ideal_termodinamica.pdf
_Calorimetria_diagrama de fases_gas ideal_termodinamica.pdf
 

Mais de Wellington Sampaio (20)

Cartilha Inércia e a Primeira Lei de Newton
Cartilha Inércia e a Primeira Lei de NewtonCartilha Inércia e a Primeira Lei de Newton
Cartilha Inércia e a Primeira Lei de Newton
 
Astrobiologia
AstrobiologiaAstrobiologia
Astrobiologia
 
Nos ombros dos gigantes mágicos
Nos ombros dos gigantes mágicosNos ombros dos gigantes mágicos
Nos ombros dos gigantes mágicos
 
Via Láctea
Via LácteaVia Láctea
Via Láctea
 
Almanaque socioambiental 2008
Almanaque socioambiental 2008Almanaque socioambiental 2008
Almanaque socioambiental 2008
 
Lista 1 termometria - dilatação
Lista 1   termometria - dilataçãoLista 1   termometria - dilatação
Lista 1 termometria - dilatação
 
Fenômenos Ondulatórios
Fenômenos OndulatóriosFenômenos Ondulatórios
Fenômenos Ondulatórios
 
Espelhos
EspelhosEspelhos
Espelhos
 
Óptica da Visão e Lentes
Óptica da Visão e LentesÓptica da Visão e Lentes
Óptica da Visão e Lentes
 
Fenômenos Ópticos
Fenômenos ÓpticosFenômenos Ópticos
Fenômenos Ópticos
 
Exercícios 8° ano REC
Exercícios 8° ano RECExercícios 8° ano REC
Exercícios 8° ano REC
 
Lista de Exercícios
Lista de ExercíciosLista de Exercícios
Lista de Exercícios
 
Lista de exercícios 8° ano 2° sem
Lista de exercícios 8° ano 2° semLista de exercícios 8° ano 2° sem
Lista de exercícios 8° ano 2° sem
 
Sociedade de consumo
Sociedade de consumoSociedade de consumo
Sociedade de consumo
 
Circuitos elétricos
Circuitos elétricosCircuitos elétricos
Circuitos elétricos
 
Potencial elétrico
Potencial elétricoPotencial elétrico
Potencial elétrico
 
Para Sara, Raquel, Lia e para todas as crianças
Para Sara, Raquel, Lia e para todas as criançasPara Sara, Raquel, Lia e para todas as crianças
Para Sara, Raquel, Lia e para todas as crianças
 
Eletricidade
EletricidadeEletricidade
Eletricidade
 
Campo e potencial elétrico
Campo e potencial elétricoCampo e potencial elétrico
Campo e potencial elétrico
 
Mecânica e termometria 8° ano
Mecânica e termometria 8° anoMecânica e termometria 8° ano
Mecânica e termometria 8° ano
 

Último

Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.HildegardeAngel
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfdio7ff
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptxErivaldoLima15
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 

Último (20)

Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
 
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 

Calor e transferência térmica

  • 1.
  • 2. É a energia transferida de um corpo para outro graças a diferença de temperatura entre eles. Medida!  Grau de agitação das moléculas  Energia Média das moléculas
  • 3. As diferentes sensações térmicas que temos de corpos em um mesmo ambiente, recebendo a mesma quantidade de calor, num mesmo intervalo de tempo, são explicadas pela natureza de cada material. Isso significa que, para que para elevar em 1°C a temperatura de 1g, cada material necessita de uma quantidade diferente de calor, definida como calor específico do material. O calor específico é uma característica da substância e não do corpo. Assim, cada substância tem o seu calor específico, diferentes blocos de chumbo têm o mesmo calor específico, pois são de mesma substância.
  • 5. Quem aumenta primeiro a temperatura em 1°C: 1 litro de leite ou 2 litros de leite? E qual esfria primeiro? Para elevar em 1°C a temperatura de 2 litros de leite é necessária uma quantidade de calor maior que para elevar em 1°C a temperatura de 1litro do mesmo material. Ou seja: corpos diferentes necessitam de diferentes quantidade de calor para elevar a sua temperatura em 1°C. Portanto, 1litro de leite aquece primeiro e esfria primeiro também. A capacidade térmica é uma característica do corpo e não da substância. Assim, diferentes blocos de chumbo têm diferentes capacidades térmicas, apesar de serem de mesma substância (chumbo).
  • 6. Quando um corpo recebe ou cede calor, podem ocorrer dois fenômenos:  Variação de temperatura  Mudança de estado físico No primeiro caso, dizemos que se trata de calor sensível e, no segundo, calor latente. Ao colocar no fogo uma barra de ferro, logo verificamos que ela se aquece, isto é, sofre uma elevação na sua temperatura. Se, entretanto fizermos o mesmo com um bloco de gelo a 0 ºC, verificasse que ele se derrete, isto é, se transforma em líquido, mas sua temperatura não se modifica.
  • 7. C c  C  c.m m Q C  Q  C.  Logo: Q  m.c. A unidade de quantidade de calor é o joule (J). Entretanto por razões históricas, existe outra unidade, a caloria (cal), cuja relação é: 1 cal = 4.186 J e 1 kcal = 1.000 cal
  • 8. Exemplo: 1. (UFRGS) Um corpo de 2 Kg recebe 8000 J de calor e sofre uma variação de temperatura de 100ºC. O valor do calor específico desse corpo, em J/Kg.ºC, é: Resolução: Q  m.c. 8000( J )  2(kg ).c.100(C ) 8000( J ) c 2(kg ).100(C ) 8000( J ) c 200(kg .C ) J c  40 kg.C
  • 9. Enquanto o corpo (substância pura) muda de fase, a sua temperatura permanece constante!
  • 10.
  • 11. A quantidade de calor que devemos dar (ou retirar) de um corpo para alterar sua fase depende da massa do corpo e da substância de que é feito o corpo. Q  m.L
  • 12.
  • 13.
  • 14. Dois corpos de temperaturas diferentes trocam calor entre si quando colocados em contato. Por exemplo, se você tocar uma vidraça, pode passar calor de sua mão para ela; sua mão, portanto, esfria porque perdeu calor e consequentemente teve a temperatura diminuída. Por outro lado, a parte da vidraça que você tocou recebeu calor e consequentemente sua temperatura aumentou. Em um sistema termicamente isolado: ...A quantidade de calor trocada entre os corpos é tal que a soma da quantidade de calor (ΔQ) recebida com a quantidade de calor cedida é nula...: ΔQrecebida + ΔQcedida = 0 ΔQrecebida = - ΔQcedida