SlideShare uma empresa Scribd logo
Colégio Alberto Ferreira Rezende

Física: 2º B

Sistema de
Ampliação da Visão
: Lentes
• LENTES CONVERGENTES

• LENTES DIVERGENTES
Professora: Claudia
"A ciência humana de maneira nenhuma nega a existência de Deus.
Quando considero quantas e quão maravilhosas coisas o homem
compreende, pesquisa e consegue realizar, então reconheço
claramente que o espírito humano é obra de Deus, e a mais
notável."

Galileu Galilei
O que é uma lente?

Podemos dizer que a lente é um dos componentes ópticos mais utilizados para a
formação de imagens em diversos sistemas ópticos(visão). As lentes têm por
finalidade modificar o percurso dos raios de luz que nelas incidem. Elas mudam
a trajetória dos raios por meio da refração(mudança de direção). Sendo
assim, podemos classificar as lentes em convergente e divergente.
Lentes Convergentes
Em uma lente esférica com comportamento convergente, a luz que incide paralelamente entre si
é refratada, tomando direções que convergem(direciona-se) a um único ponto.

Figura 1: Lente biconvexa (com bordas finas)

Figura 2: lente bicôncava (com bordas espessas)

Tanto lentes de bordas finas como de bordas espessas podem ser convergentes, dependendo do
seu índice de refração em relação ao do meio externo.
Exemplo de lentes convergentes :
Lupa
A lupa é um instrumento óptico munido de uma lente com capacidade de criar imagens
virtuais ampliadas. É utilizada para observar com mais detalhe pequenos objetos ou
superfícies. Também denominada microscópio simples - é constituída de uma única
lente convergente. O que o olho passa a enxergar é uma imagem virtual do objeto.
Apesar dessa ampliação, a lupa não serve para a observação de objetos muito
pequenos como células, bactérias e insetos pequenos, pois nesses casos se faz
necessário um aumento muito grande com uso de microscópio.
Lente da Lupa
Uma lupa é constituída por uma
lente convergente com distância
focal na ordem de
centímetros, capaz de conjugar
uma imagem virtual, direta e
maior que o objeto.
No entanto, este instrumento se
mostra eficiente apenas quando
o objeto observado estiver
colocado entre o foco principal
objeto e o centro óptico.
Lentes Divergentes
Em uma lente divergente, a luz que incide paralelamente entre si é refratada, tomando direções
que divergem a partir de um único ponto.
O caso mais comum é o que a lente tem índice de refração maior que o índice de refração do
meio externo. Nesse caso, um exemplo de lente com comportamento divergente é o de uma
lente bicôncava (com bordas espessas):

Lente com comportamento divergente é
o de uma lente biconvexa (com bordas finas)
Lentes Divergentes: correções com
Óculos
Na miopia, a luz de objetos distantes é focada na frente da retina. A miopia ocorre normalmente
quando o globo ocular é muito longo, entretanto, às vezes é causada pelo foco excessivo no
sistema de lente. O resultado é que se pode ver objetos próximos com nitidez, mas os objetos mais
distantes ficam embaçados. A miopia pode ser corrigida usando-se uma lente côncava para divergir
ou estender a luz de forma que, quando passar pelo sistema de lente, seja focada na retina.

se você tiver miopia, a imagem é focada
antes de chegar a sua retina (acima).

Um óculos com lente côncava empurra o
foco para a área de foco para visão nítida.
Lentes divergentes corretiva
Miopia
quando uma pessoa procura um médico
oftalmologista queixando-se de estar
vendo os objetos distantes borrados, são
receitados óculos que tenham lentes com
graus divergentes. Exemplo na figura ao
lado.
Então, quanto maior é o grau das lentes
divergentes, maior é a dificuldade que a
pessoa possui para enxergar objetos de
longe e mais distantes da retina as
imagens se formam.
As lentes divergentes são mais espessas
nas bordas do que no centro, o que
lembra os fundos de garrafas. Dessa
forma, vem daí a expressão: “fundo de
garrafa” para os óculos com dioptrias
negativas maiores.
Lentes Convergentes corretiva
Hipermetropia
Hipermetropia é um problema visual
caracterizado pela dificuldade de ver
objetos próximos. Essa dificuldade ocorre
porque a imagem é formada atrás da
retina em vez de diretamente nela. Ela
pode ser causada pelo tamanho pequeno
do globo ocular ou pelo poder de foco
limitado
A maioria dos casos de dificuldade em
enxergar de perto pode ser corrigido com
lentes convergentes, elas curvam a luz
para o centro e movem o ponto focal para
frente, para que a luz fique focada na
retina ao invés de atrás da retina.
Lentes Divergentes e Convergentes :
Telescópios
Um telescópio é um equipamento incrível que tem a
capacidade de fazer com que objetos distantes
pareçam muito mais próximos.
a lente objetiva (em refratores) ou o espelho primário
(nos refletores) captam muita luz de um objeto
distante e trazem essa luz, ou imagem, para um ponto
ou foco;
uma lente ocular "pega" a luz do foco da objetiva ou
do espelho primário e a amplia para que ocupe uma
grande porção da retina. Esse é o mesmo princípio
que a lente de aumento usa: ela pega uma imagem
pequena no papel e a espalha pela retina do olho para
que pareça maior.
Lentes Convergente: Microscópio
Um microscópio é um instrumento
óptico composto
por um tubo
delimitado nas suas extremidades por
lentes
esféricas
convergentes,
formando uma associação de lentes
separadas.
A lente mais próxima do objeto
observado é chamada objetiva, e é uma
lente com distância focal na ordem de
milímetros. A lente próxima ao
observador é chamada ocular, e é uma
lente com distância focal na ordem de
centímetros.
Lentes Convergentes
Microscópio
O funcionamento é bastante simples.
A Lente objetiva fornece uma imagem
real, invertida e maior que o objeto.
Esta imagem funciona como objeto
para a lente ocular, que funciona
como uma lupa, fornecendo uma
imagem final virtual, direta e maior.
Ou seja, o objeto é aumentado
duplamente, fazendo com que
objetos muito pequenos sejam
melhores observados. Aumentando
uma
imagem,
em
,aproximadamente, 2.000 vezes da
original.
Equipe:
o Clewerton Gabriel

o Silas Ferreira
o Gabriel Henrique
Bibliografia
• Howstuffworks ? Como tudo funciona
Entre em:
http://www.hsw.uol.com.br/
• SóFísica
Entre em:
http://www.sofisica.com.br/conteudos/Otica

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

ÓPTICA
ÓPTICAÓPTICA
ÓPTICA
DaiCorreia
 
Ciências 9º Ano (Física): estudo dos movimentos: Conceitos Básicos de Cinemática
Ciências 9º Ano (Física): estudo dos movimentos: Conceitos Básicos de CinemáticaCiências 9º Ano (Física): estudo dos movimentos: Conceitos Básicos de Cinemática
Ciências 9º Ano (Física): estudo dos movimentos: Conceitos Básicos de Cinemática
Ronaldo Santana
 
Física optica
Física opticaFísica optica
Física optica
Adrianne Mendonça
 
Óptica introdução
Óptica introduçãoÓptica introdução
Óptica introdução
O mundo da FÍSICA
 
Espelhos
Espelhos Espelhos
Espelhos
Piedade Alves
 
Física - Lançamento Vertical
Física - Lançamento VerticalFísica - Lançamento Vertical
Física - Lançamento Vertical
Yahn Amaral
 
Cinemática introdução
Cinemática introduçãoCinemática introdução
Cinemática introdução
O mundo da FÍSICA
 
Energia Cinética e Potencial
Energia Cinética e PotencialEnergia Cinética e Potencial
Energia Cinética e Potencial
Denise Marinho
 
Aula de LUZ - FÍSICA (Ensino Fundamental - Ciências)
Aula de LUZ - FÍSICA (Ensino Fundamental - Ciências)Aula de LUZ - FÍSICA (Ensino Fundamental - Ciências)
Aula de LUZ - FÍSICA (Ensino Fundamental - Ciências)
Ronaldo Santana
 
Aula 3 - Transformação de energia
Aula 3 - Transformação de energiaAula 3 - Transformação de energia
Aula 3 - Transformação de energia
João Paulo Luna
 
Reflexao e refracao
Reflexao e refracaoReflexao e refracao
Reflexao e refracao
PauloMaiaCampos
 
Aula ilusões de óptica
Aula  ilusões de ópticaAula  ilusões de óptica
Aula ilusões de óptica
Anamariamotta
 
Impulso e Quantidade de Movimento
Impulso e Quantidade de MovimentoImpulso e Quantidade de Movimento
Impulso e Quantidade de Movimento
Marco Antonio Sanches
 
Densidade
DensidadeDensidade
Matéria e energia (Aula 1 e 2)
Matéria e energia (Aula 1 e 2) Matéria e energia (Aula 1 e 2)
Matéria e energia (Aula 1 e 2)
João Paulo Luna
 
Trabalho e Energia Slide
Trabalho e Energia SlideTrabalho e Energia Slide
Trabalho e Energia Slide
Vlamir Gama Rocha
 
Lentes
LentesLentes
Lentes
Rildo Borges
 
Mudança de fase
Mudança de faseMudança de fase
Mudança de fase
Gleyton Gomes
 
A lua
A luaA lua
A lua
Escola
 
Ondas 9° ano cec
Ondas 9° ano cecOndas 9° ano cec
Ondas 9° ano cec
Sergio Madureira
 

Mais procurados (20)

ÓPTICA
ÓPTICAÓPTICA
ÓPTICA
 
Ciências 9º Ano (Física): estudo dos movimentos: Conceitos Básicos de Cinemática
Ciências 9º Ano (Física): estudo dos movimentos: Conceitos Básicos de CinemáticaCiências 9º Ano (Física): estudo dos movimentos: Conceitos Básicos de Cinemática
Ciências 9º Ano (Física): estudo dos movimentos: Conceitos Básicos de Cinemática
 
Física optica
Física opticaFísica optica
Física optica
 
Óptica introdução
Óptica introduçãoÓptica introdução
Óptica introdução
 
Espelhos
Espelhos Espelhos
Espelhos
 
Física - Lançamento Vertical
Física - Lançamento VerticalFísica - Lançamento Vertical
Física - Lançamento Vertical
 
Cinemática introdução
Cinemática introduçãoCinemática introdução
Cinemática introdução
 
Energia Cinética e Potencial
Energia Cinética e PotencialEnergia Cinética e Potencial
Energia Cinética e Potencial
 
Aula de LUZ - FÍSICA (Ensino Fundamental - Ciências)
Aula de LUZ - FÍSICA (Ensino Fundamental - Ciências)Aula de LUZ - FÍSICA (Ensino Fundamental - Ciências)
Aula de LUZ - FÍSICA (Ensino Fundamental - Ciências)
 
Aula 3 - Transformação de energia
Aula 3 - Transformação de energiaAula 3 - Transformação de energia
Aula 3 - Transformação de energia
 
Reflexao e refracao
Reflexao e refracaoReflexao e refracao
Reflexao e refracao
 
Aula ilusões de óptica
Aula  ilusões de ópticaAula  ilusões de óptica
Aula ilusões de óptica
 
Impulso e Quantidade de Movimento
Impulso e Quantidade de MovimentoImpulso e Quantidade de Movimento
Impulso e Quantidade de Movimento
 
Densidade
DensidadeDensidade
Densidade
 
Matéria e energia (Aula 1 e 2)
Matéria e energia (Aula 1 e 2) Matéria e energia (Aula 1 e 2)
Matéria e energia (Aula 1 e 2)
 
Trabalho e Energia Slide
Trabalho e Energia SlideTrabalho e Energia Slide
Trabalho e Energia Slide
 
Lentes
LentesLentes
Lentes
 
Mudança de fase
Mudança de faseMudança de fase
Mudança de fase
 
A lua
A luaA lua
A lua
 
Ondas 9° ano cec
Ondas 9° ano cecOndas 9° ano cec
Ondas 9° ano cec
 

Semelhante a Lentes convergentes e divergentes

Óptica - O olho humano
Óptica - O olho humanoÓptica - O olho humano
Óptica - O olho humano
Gabriela G.
 
Luz
LuzLuz
Resumo final da luz
Resumo final da luzResumo final da luz
Resumo final da luz
8ºC
 
Aula 1 - Óptica Geométrica IV.pptx
Aula 1 - Óptica Geométrica IV.pptxAula 1 - Óptica Geométrica IV.pptx
Aula 1 - Óptica Geométrica IV.pptx
JosBenedito13
 
Biofísica da Visãƒo
Biofísica da Visãƒo Biofísica da Visãƒo
Biofísica da Visãƒo
Marcelo Silva
 
A Luz Powerpoint
A Luz PowerpointA Luz Powerpoint
A Luz Powerpoint
8ºC
 
olho humano - caracterísicas básica do olho humano
olho humano -  caracterísicas básica do olho humanoolho humano -  caracterísicas básica do olho humano
olho humano - caracterísicas básica do olho humano
hinacioaulas
 
Lentes & defeitos da visão.
Lentes & defeitos da visão.Lentes & defeitos da visão.
Lentes & defeitos da visão.
ThaisRocha05
 
Aula 6-optica-da-visao.pptx
Aula 6-optica-da-visao.pptxAula 6-optica-da-visao.pptx
Aula 6-optica-da-visao.pptx
MuriloMartins47
 
Biofísica da visão
Biofísica da visãoBiofísica da visão
Biofísica da visão
Livia Siqueira Martins Fagundes
 
Óptica da visão professor waldir montenegro
Óptica da visão professor  waldir montenegroÓptica da visão professor  waldir montenegro
Óptica da visão professor waldir montenegro
Waldir Montenegro
 
Óptica da visão
Óptica da visãoÓptica da visão
Óptica da visão
Marco Antonio Sanches
 
Trabalho de óptica (unip)
Trabalho de óptica (unip)Trabalho de óptica (unip)
Trabalho de óptica (unip)
Alberto Campos
 
Instrumentos
InstrumentosInstrumentos
Instrumentos
perezgabriel_
 
Cie51b
Cie51bCie51b
Apotila 1º MEGA AULÃO - 2012
Apotila 1º MEGA AULÃO - 2012Apotila 1º MEGA AULÃO - 2012
Apotila 1º MEGA AULÃO - 2012
Esquadrão Do Conhecimento
 
A luz
A luzA luz
4º trabalho cn - 7º c - carina
4º   trabalho  cn - 7º c - carina4º   trabalho  cn - 7º c - carina
4º trabalho cn - 7º c - carina
duartejanuario
 
4º trabalho cn - 7º c - carina
4º   trabalho  cn - 7º c - carina4º   trabalho  cn - 7º c - carina
4º trabalho cn - 7º c - carina
duartejanuario
 
Instrumentos óticos
Instrumentos óticosInstrumentos óticos
Instrumentos óticos
UERGS
 

Semelhante a Lentes convergentes e divergentes (20)

Óptica - O olho humano
Óptica - O olho humanoÓptica - O olho humano
Óptica - O olho humano
 
Luz
LuzLuz
Luz
 
Resumo final da luz
Resumo final da luzResumo final da luz
Resumo final da luz
 
Aula 1 - Óptica Geométrica IV.pptx
Aula 1 - Óptica Geométrica IV.pptxAula 1 - Óptica Geométrica IV.pptx
Aula 1 - Óptica Geométrica IV.pptx
 
Biofísica da Visãƒo
Biofísica da Visãƒo Biofísica da Visãƒo
Biofísica da Visãƒo
 
A Luz Powerpoint
A Luz PowerpointA Luz Powerpoint
A Luz Powerpoint
 
olho humano - caracterísicas básica do olho humano
olho humano -  caracterísicas básica do olho humanoolho humano -  caracterísicas básica do olho humano
olho humano - caracterísicas básica do olho humano
 
Lentes & defeitos da visão.
Lentes & defeitos da visão.Lentes & defeitos da visão.
Lentes & defeitos da visão.
 
Aula 6-optica-da-visao.pptx
Aula 6-optica-da-visao.pptxAula 6-optica-da-visao.pptx
Aula 6-optica-da-visao.pptx
 
Biofísica da visão
Biofísica da visãoBiofísica da visão
Biofísica da visão
 
Óptica da visão professor waldir montenegro
Óptica da visão professor  waldir montenegroÓptica da visão professor  waldir montenegro
Óptica da visão professor waldir montenegro
 
Óptica da visão
Óptica da visãoÓptica da visão
Óptica da visão
 
Trabalho de óptica (unip)
Trabalho de óptica (unip)Trabalho de óptica (unip)
Trabalho de óptica (unip)
 
Instrumentos
InstrumentosInstrumentos
Instrumentos
 
Cie51b
Cie51bCie51b
Cie51b
 
Apotila 1º MEGA AULÃO - 2012
Apotila 1º MEGA AULÃO - 2012Apotila 1º MEGA AULÃO - 2012
Apotila 1º MEGA AULÃO - 2012
 
A luz
A luzA luz
A luz
 
4º trabalho cn - 7º c - carina
4º   trabalho  cn - 7º c - carina4º   trabalho  cn - 7º c - carina
4º trabalho cn - 7º c - carina
 
4º trabalho cn - 7º c - carina
4º   trabalho  cn - 7º c - carina4º   trabalho  cn - 7º c - carina
4º trabalho cn - 7º c - carina
 
Instrumentos óticos
Instrumentos óticosInstrumentos óticos
Instrumentos óticos
 

Último

EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
antonio carlos
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa CivilSeminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
EduardoLealSilva
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
VictorEmanoel37
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Falcão Brasil
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Luzia Gabriele
 

Último (20)

EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa CivilSeminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
 

Lentes convergentes e divergentes

  • 1. Colégio Alberto Ferreira Rezende Física: 2º B Sistema de Ampliação da Visão : Lentes • LENTES CONVERGENTES • LENTES DIVERGENTES Professora: Claudia
  • 2. "A ciência humana de maneira nenhuma nega a existência de Deus. Quando considero quantas e quão maravilhosas coisas o homem compreende, pesquisa e consegue realizar, então reconheço claramente que o espírito humano é obra de Deus, e a mais notável." Galileu Galilei
  • 3. O que é uma lente? Podemos dizer que a lente é um dos componentes ópticos mais utilizados para a formação de imagens em diversos sistemas ópticos(visão). As lentes têm por finalidade modificar o percurso dos raios de luz que nelas incidem. Elas mudam a trajetória dos raios por meio da refração(mudança de direção). Sendo assim, podemos classificar as lentes em convergente e divergente.
  • 4. Lentes Convergentes Em uma lente esférica com comportamento convergente, a luz que incide paralelamente entre si é refratada, tomando direções que convergem(direciona-se) a um único ponto. Figura 1: Lente biconvexa (com bordas finas) Figura 2: lente bicôncava (com bordas espessas) Tanto lentes de bordas finas como de bordas espessas podem ser convergentes, dependendo do seu índice de refração em relação ao do meio externo.
  • 5. Exemplo de lentes convergentes : Lupa A lupa é um instrumento óptico munido de uma lente com capacidade de criar imagens virtuais ampliadas. É utilizada para observar com mais detalhe pequenos objetos ou superfícies. Também denominada microscópio simples - é constituída de uma única lente convergente. O que o olho passa a enxergar é uma imagem virtual do objeto. Apesar dessa ampliação, a lupa não serve para a observação de objetos muito pequenos como células, bactérias e insetos pequenos, pois nesses casos se faz necessário um aumento muito grande com uso de microscópio.
  • 6. Lente da Lupa Uma lupa é constituída por uma lente convergente com distância focal na ordem de centímetros, capaz de conjugar uma imagem virtual, direta e maior que o objeto. No entanto, este instrumento se mostra eficiente apenas quando o objeto observado estiver colocado entre o foco principal objeto e o centro óptico.
  • 7. Lentes Divergentes Em uma lente divergente, a luz que incide paralelamente entre si é refratada, tomando direções que divergem a partir de um único ponto. O caso mais comum é o que a lente tem índice de refração maior que o índice de refração do meio externo. Nesse caso, um exemplo de lente com comportamento divergente é o de uma lente bicôncava (com bordas espessas): Lente com comportamento divergente é o de uma lente biconvexa (com bordas finas)
  • 8. Lentes Divergentes: correções com Óculos Na miopia, a luz de objetos distantes é focada na frente da retina. A miopia ocorre normalmente quando o globo ocular é muito longo, entretanto, às vezes é causada pelo foco excessivo no sistema de lente. O resultado é que se pode ver objetos próximos com nitidez, mas os objetos mais distantes ficam embaçados. A miopia pode ser corrigida usando-se uma lente côncava para divergir ou estender a luz de forma que, quando passar pelo sistema de lente, seja focada na retina. se você tiver miopia, a imagem é focada antes de chegar a sua retina (acima). Um óculos com lente côncava empurra o foco para a área de foco para visão nítida.
  • 9. Lentes divergentes corretiva Miopia quando uma pessoa procura um médico oftalmologista queixando-se de estar vendo os objetos distantes borrados, são receitados óculos que tenham lentes com graus divergentes. Exemplo na figura ao lado. Então, quanto maior é o grau das lentes divergentes, maior é a dificuldade que a pessoa possui para enxergar objetos de longe e mais distantes da retina as imagens se formam. As lentes divergentes são mais espessas nas bordas do que no centro, o que lembra os fundos de garrafas. Dessa forma, vem daí a expressão: “fundo de garrafa” para os óculos com dioptrias negativas maiores.
  • 10. Lentes Convergentes corretiva Hipermetropia Hipermetropia é um problema visual caracterizado pela dificuldade de ver objetos próximos. Essa dificuldade ocorre porque a imagem é formada atrás da retina em vez de diretamente nela. Ela pode ser causada pelo tamanho pequeno do globo ocular ou pelo poder de foco limitado A maioria dos casos de dificuldade em enxergar de perto pode ser corrigido com lentes convergentes, elas curvam a luz para o centro e movem o ponto focal para frente, para que a luz fique focada na retina ao invés de atrás da retina.
  • 11. Lentes Divergentes e Convergentes : Telescópios Um telescópio é um equipamento incrível que tem a capacidade de fazer com que objetos distantes pareçam muito mais próximos. a lente objetiva (em refratores) ou o espelho primário (nos refletores) captam muita luz de um objeto distante e trazem essa luz, ou imagem, para um ponto ou foco; uma lente ocular "pega" a luz do foco da objetiva ou do espelho primário e a amplia para que ocupe uma grande porção da retina. Esse é o mesmo princípio que a lente de aumento usa: ela pega uma imagem pequena no papel e a espalha pela retina do olho para que pareça maior.
  • 12. Lentes Convergente: Microscópio Um microscópio é um instrumento óptico composto por um tubo delimitado nas suas extremidades por lentes esféricas convergentes, formando uma associação de lentes separadas. A lente mais próxima do objeto observado é chamada objetiva, e é uma lente com distância focal na ordem de milímetros. A lente próxima ao observador é chamada ocular, e é uma lente com distância focal na ordem de centímetros.
  • 13. Lentes Convergentes Microscópio O funcionamento é bastante simples. A Lente objetiva fornece uma imagem real, invertida e maior que o objeto. Esta imagem funciona como objeto para a lente ocular, que funciona como uma lupa, fornecendo uma imagem final virtual, direta e maior. Ou seja, o objeto é aumentado duplamente, fazendo com que objetos muito pequenos sejam melhores observados. Aumentando uma imagem, em ,aproximadamente, 2.000 vezes da original.
  • 14. Equipe: o Clewerton Gabriel o Silas Ferreira o Gabriel Henrique
  • 15. Bibliografia • Howstuffworks ? Como tudo funciona Entre em: http://www.hsw.uol.com.br/ • SóFísica Entre em: http://www.sofisica.com.br/conteudos/Otica