SlideShare uma empresa Scribd logo
PROTOZOOSES
 Doenças causadas por
     protozoários
AMEBÍASE
 Disenteria amebiana
 Sarcodíneo Entamoeba histolytica – ameba
 Vivem no intestino causando lesões de
 difícil cicatrização e fortes diarréias
Contágio

   Ingestão de água ou alimentos contaminados por
    cistos de E. histolytica




         cisto                       trofozoíto
 Aquisição de cistos
  – passa pelo estômago e chega ao intestino
    delgado do novo hospedeiro: ação de
    enzimas proteolíticas causa a destruição da
    parede do cisto e a liberação dos núcleos do
    seu interior.


  – Cada núcleo se divide por fissão binária


  – No intestino delgado, a atividade metabólica
    da E. histolytica gera como resíduos toxinas
    que irão destruir o epitélio intestinal
 Alta capacidade de sobrevivência fora do
 intestino – cisto (parede cística – proteica)



 Intestino – Trofozoítos
 Fezes – cistos
Profilaxia
 Saneamento básico
 Ferver água ou filtrá-la
 Lavar os alimentos
 Higiene pessoal
Prevalência da Amebíase por
      Entamoeba histolytica

 Zonas tropicais e subdesenvolvidas
 precária condição socio-econômica e de
  higiene
 Incidência na África, Ásia, América Latina
 5-50% pop. mundial têm amebíase, sendo
  que 10% apresentam sintomas clínicos
DOENÇA DE CHAGAS
         Cardiomegalia
 Flagelado Trypanosoma cruzi
 Contaminação pelo Triatoma infestans
 (barbeiro, chupança, percevejo)
 Barbeiro se contamina (tatu ou outro
 animal silvestre)
 Barbeiro hábito noturno
 Casa de taipa
 Após picar a pessoa – hematofagia ele
 defeca.
 Eliminação, em suas fezes e urina, o parasito
 em sua forma alongada (tripomastigotas
 metacíclicos).




 Através de mucosas ou por ferimentos na pele,
 estes infectam células do hospedeiro, como as
 do coração.
 No interior destas, o parasito ganha forma
 arredondada (amastigotas), multiplicando-
 se por divisão binária.
 Quando as células estão repletas de
 parasitos, eles novamente mudam de
 forma (tripomastigotas sanguícola), e com
 a ruptura da célula hospedeira
 disseminam-se pela corrente sanguínea,
 sendo capazes de infectar novos tecidos
 e órgãos.
 Se o indivíduo ou animal infectado é
 picado pelo barbeiro, os parasitos em seu
 sangue podem ser transmitidos ao inseto.
 No intestino deste, mudam mais uma vez
 de forma (epimastigotas), multiplicam-se e
 tornam-se, novamente, formas
 infectantes, que são eliminadas junto com
 as fezes e a urina do inseto. Fecha-se,
 assim, o ciclo.
Outras formas de transmissão
 Transfusional
 Vertical
 Via oral
 Leite materno
 Transplante de órgãos
Sintomas
 Fase aguda:
  –   Febre,
  –   mal-estar,
  –   falta de apetite,
  –   dor ganglionar,
  –   inchaço ocular
  –   aumento do fígado e baço
 Fase Crônica:
  – destruição da musculatura dos órgãos
    atingidos (principalmente a do coração e do
    cérebro), provocando o aumento destes, de
    forma irreversível.
Profilaxia
 Não há cura
 Doença endêmica Nordeste e norte de
  MG
 Combate ao barbeiro
 Cuidado na transfusão de sangue
MALÁRIA

   italiana “ mau Aire”, que significa “ mau ar”, visto que
  antigamente se acreditava que a doença era causada
pelas emanações e miasmas dos pântanos, principalmente
                        africanos.

 Impaludismo ou maleita
 Esporozoário plasmodium
 Picada das fêmeas –   Anopheles
   (mosquito prego) - (hematófagas).
 Secreção salivar veículo – esporozoítos
 Vão ao fígado (após 21 dias) – trofozoítos
 Invadem hemácias do sangue
  (esporulação) – merozoítos
 Hemácias se rompem liberando-os na
  circulação
 Ataque a outras hemácias e liberação de
  toxinas
 Tempo médio de 48 horas / 72 horas –
  febre terçã ou quartã
 Alguns nas hemácias transformam-se em
 gametócitos (masc ou fem)

 Contaminam o mosquito


 No estômago do mosquitos os gametas
 se encontram – zigoto – ovocisto instalado
 na parede – esporozoítos – saliva –
 reinício do ciclo.
Sintomas                      Sintomas em
                                        fases graves da
   Febre alta (40º);                   doença:
   Suores abundantes;
   Calafrios;                           •Insuficiência renal;
   Dores de cabeça;                     •Ataques epilépticos;
   Falta de apetite;                    •Confusão mental.
   Náuseas e vômitos;
   Anemia;
   Icterícia (coloração amarela na pele e olhos);
   Cansaço;
   Dores abdominais e corporais;
   Diarréia;
Profilaxia
 Não existe vacina
 Drogas antimaláricas
  –   interrupção da esquizogonia sanguínea;
  –   destruição de formas latentes do parasito;
  –   interrupção da transmissão do parasito, pelo
      uso de drogas que impedem o
      desenvolvimento de formas sexuadas dos
      parasitos (gametócitos).
 Combate a proliferação do mosquito
 Endêmica
ÚLCERA DE BAURU
Leishmaniose cutânea
Flagelado Leishmania
 brasiliensis
Mosquito palha ou birigui
 (Lutzomyia)
 – (Phlebotomus)
 Pica a pessoa sadia com os protozoários
 Atingem pele e mucosa e lesões muito
 graves.
Profilaxia
 Endêmico na região interior do estado e
  litoral de São Paulo
 Combate ao mosquito
TOXOPLASMOSE
               Toxoplasma gondii
 Esporozoário –
 Normalmente benigno
 Problema em mulheres grávidas
  –   Má formação do feto
  –   Deficiência mental
  –   Cegueira
  –   morte
Transmissão
 Contato com fezes, saliva ou urina de
  gatos, cachorros e POMBAS. (cistos do
  protozoário)
 Leite e carne contaminadas
 Relações sexuais
OUTRAS PROTOZOOSES
  Doença         Agente         Sintomas        Forma de
                Causador                        contágio
Doença do   Trypanosoma       Sonolência e    Picada do
sono        gambiensis        torpor devido   mosquito tsé-tsé
                              lesões do SNC
Tricomoníase Trichomonas      Corrimentos e   Relações
             vaginalis        infecções       sexuais ou
                              vaginais e      sanitários
                              uretrais
Giardíase   Giardia lamblia   Diarréias com   Alimentos
                              dores           contaminados
                              abdominais      ou água
A- ingestão de cistos (fezes de gatos) – imunossuprimidos são mais debilitados

B- favorece pois sem medo dos gatos são presas fáceis

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Doenças causadas por protozoários e vermes
Doenças causadas por protozoários e vermesDoenças causadas por protozoários e vermes
Doenças causadas por protozoários e vermes
ingridavilez
 
ProtozoáRios DoençAs
ProtozoáRios DoençAsProtozoáRios DoençAs
ProtozoáRios DoençAs
guest8fc71c
 
Amebíase
AmebíaseAmebíase
Protozoarios
ProtozoariosProtozoarios
Protozoarios
Marta810319
 
Parasitoses
ParasitosesParasitoses
Parasitoses
Débora Neves
 
Reino protista (protozoarios)
Reino protista (protozoarios)Reino protista (protozoarios)
Reino protista (protozoarios)
Nome Sobrenome
 
Protozoários
ProtozoáriosProtozoários
Protozoários
andreepinto
 
Protozooses
ProtozoosesProtozooses
Aula n° 2
Aula n° 2  Aula n° 2
Aula n° 2
Gildo Crispim
 
Protozooses
Protozooses Protozooses
Protozooses
CristinaBrandao
 
Microbio reino protista_doenças_protozoários
Microbio reino protista_doenças_protozoáriosMicrobio reino protista_doenças_protozoários
Microbio reino protista_doenças_protozoários
EdnaMMA
 
1ª protozoarios
 1ª protozoarios 1ª protozoarios
1ª protozoarios
Ana Paula A. Piacentini
 
Reino protista: protozoarios
Reino protista: protozoariosReino protista: protozoarios
Reino protista: protozoarios
Ernesto Silva
 
Protozoários
ProtozoáriosProtozoários
Verminoses
VerminosesVerminoses
Verminoses
emanuel
 
Teníase
 Teníase Teníase
Teníase
Patynogueira
 
Mabi
MabiMabi
Principais verminoses humanas
Principais verminoses humanasPrincipais verminoses humanas
Principais verminoses humanas
Marcos Santos
 
Verminoses
VerminosesVerminoses

Mais procurados (20)

Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
 
Doenças causadas por protozoários e vermes
Doenças causadas por protozoários e vermesDoenças causadas por protozoários e vermes
Doenças causadas por protozoários e vermes
 
ProtozoáRios DoençAs
ProtozoáRios DoençAsProtozoáRios DoençAs
ProtozoáRios DoençAs
 
Amebíase
AmebíaseAmebíase
Amebíase
 
Protozoarios
ProtozoariosProtozoarios
Protozoarios
 
Parasitoses
ParasitosesParasitoses
Parasitoses
 
Reino protista (protozoarios)
Reino protista (protozoarios)Reino protista (protozoarios)
Reino protista (protozoarios)
 
Protozoários
ProtozoáriosProtozoários
Protozoários
 
Protozooses
ProtozoosesProtozooses
Protozooses
 
Aula n° 2
Aula n° 2  Aula n° 2
Aula n° 2
 
Protozooses
Protozooses Protozooses
Protozooses
 
Microbio reino protista_doenças_protozoários
Microbio reino protista_doenças_protozoáriosMicrobio reino protista_doenças_protozoários
Microbio reino protista_doenças_protozoários
 
1ª protozoarios
 1ª protozoarios 1ª protozoarios
1ª protozoarios
 
Reino protista: protozoarios
Reino protista: protozoariosReino protista: protozoarios
Reino protista: protozoarios
 
Protozoários
ProtozoáriosProtozoários
Protozoários
 
Verminoses
VerminosesVerminoses
Verminoses
 
Teníase
 Teníase Teníase
Teníase
 
Mabi
MabiMabi
Mabi
 
Principais verminoses humanas
Principais verminoses humanasPrincipais verminoses humanas
Principais verminoses humanas
 
Verminoses
VerminosesVerminoses
Verminoses
 

Destaque

Amebíase
AmebíaseAmebíase
Amebíase
Nome Sobrenome
 
Aula 3 Giardia Lamblia
Aula 3   Giardia LambliaAula 3   Giardia Lamblia
Aula 3 Giardia Lamblia
ITPAC PORTO
 
Giardiase
GiardiaseGiardiase
Parasitologia - Giardia lamblia
Parasitologia - Giardia lambliaParasitologia - Giardia lamblia
Parasitologia - Giardia lamblia
pHrOzEn HeLL
 
Giardia
GiardiaGiardia
Amebíase
AmebíaseAmebíase
Amebíase
crishmuler
 
Giardíase
GiardíaseGiardíase
Giardíase
bfcamolesi13
 
Geardíase
GeardíaseGeardíase
Geardíase
rodrigomartins_03
 
Aula 2 Amebiase
Aula 2   AmebiaseAula 2   Amebiase
Aula 2 Amebiase
ITPAC PORTO
 
Parasitologia - Ameba
Parasitologia - AmebaParasitologia - Ameba
Parasitologia - Ameba
pHrOzEn HeLL
 
Prevalencia De Enteroparasitas
Prevalencia De EnteroparasitasPrevalencia De Enteroparasitas
Prevalencia De Enteroparasitas
Kelton Silva Sena
 
Amebáse ana carolina
Amebáse ana carolinaAmebáse ana carolina
Amebáse ana carolina
partediversificada
 
B1 protozoários
B1   protozoáriosB1   protozoários
B1 protozoários
Alexandre Pusaudse
 
Giardíase
Giardíase   Giardíase
Giardíase
partediversificada
 
Bases Ii Aula 1 IntroduçãO à Parasitologia 24082009
Bases Ii   Aula 1   IntroduçãO à Parasitologia   24082009Bases Ii   Aula 1   IntroduçãO à Parasitologia   24082009
Bases Ii Aula 1 IntroduçãO à Parasitologia 24082009
nynynha
 
Introdução a Parasitologia
Introdução a ParasitologiaIntrodução a Parasitologia
Introdução a Parasitologia
Safia Naser
 
Planejamento em 2012
Planejamento em 2012Planejamento em 2012
Planejamento em 2012
Wellington Oliveira
 
Síndromes - GENÉTICA
Síndromes - GENÉTICASíndromes - GENÉTICA
Síndromes - GENÉTICA
Jean Ikeda
 
ApresentaçãO Trichomonas Tenax
ApresentaçãO Trichomonas TenaxApresentaçãO Trichomonas Tenax
ApresentaçãO Trichomonas Tenax
Odonto
 
Reinos monera, proctista e fungi
Reinos monera, proctista e fungiReinos monera, proctista e fungi
Reinos monera, proctista e fungi
denilsonbio
 

Destaque (20)

Amebíase
AmebíaseAmebíase
Amebíase
 
Aula 3 Giardia Lamblia
Aula 3   Giardia LambliaAula 3   Giardia Lamblia
Aula 3 Giardia Lamblia
 
Giardiase
GiardiaseGiardiase
Giardiase
 
Parasitologia - Giardia lamblia
Parasitologia - Giardia lambliaParasitologia - Giardia lamblia
Parasitologia - Giardia lamblia
 
Giardia
GiardiaGiardia
Giardia
 
Amebíase
AmebíaseAmebíase
Amebíase
 
Giardíase
GiardíaseGiardíase
Giardíase
 
Geardíase
GeardíaseGeardíase
Geardíase
 
Aula 2 Amebiase
Aula 2   AmebiaseAula 2   Amebiase
Aula 2 Amebiase
 
Parasitologia - Ameba
Parasitologia - AmebaParasitologia - Ameba
Parasitologia - Ameba
 
Prevalencia De Enteroparasitas
Prevalencia De EnteroparasitasPrevalencia De Enteroparasitas
Prevalencia De Enteroparasitas
 
Amebáse ana carolina
Amebáse ana carolinaAmebáse ana carolina
Amebáse ana carolina
 
B1 protozoários
B1   protozoáriosB1   protozoários
B1 protozoários
 
Giardíase
Giardíase   Giardíase
Giardíase
 
Bases Ii Aula 1 IntroduçãO à Parasitologia 24082009
Bases Ii   Aula 1   IntroduçãO à Parasitologia   24082009Bases Ii   Aula 1   IntroduçãO à Parasitologia   24082009
Bases Ii Aula 1 IntroduçãO à Parasitologia 24082009
 
Introdução a Parasitologia
Introdução a ParasitologiaIntrodução a Parasitologia
Introdução a Parasitologia
 
Planejamento em 2012
Planejamento em 2012Planejamento em 2012
Planejamento em 2012
 
Síndromes - GENÉTICA
Síndromes - GENÉTICASíndromes - GENÉTICA
Síndromes - GENÉTICA
 
ApresentaçãO Trichomonas Tenax
ApresentaçãO Trichomonas TenaxApresentaçãO Trichomonas Tenax
ApresentaçãO Trichomonas Tenax
 
Reinos monera, proctista e fungi
Reinos monera, proctista e fungiReinos monera, proctista e fungi
Reinos monera, proctista e fungi
 

Semelhante a Protozooses

Reino monera, protista
Reino monera, protistaReino monera, protista
Reino monera, protista
Fatima Comiotto
 
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Reino Protista
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Reino ProtistaSlides da aula de Biologia (Renato) sobre Reino Protista
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Reino Protista
Turma Olímpica
 
2.protozooses3m
2.protozooses3m2.protozooses3m
2.protozooses3m
Rodrigo
 
2.protozooses3m
2.protozooses3m2.protozooses3m
2.protozooses3m
Rodrigo
 
Protozooses
ProtozoosesProtozooses
Protozooses
Bianca Borges
 
Aula 21 protozoários parasitas
Aula 21   protozoários parasitasAula 21   protozoários parasitas
Aula 21 protozoários parasitas
Jonatas Carlos
 
Platelmintos
PlatelmintosPlatelmintos
Platelmintos
bioblocmb
 
Doenças Pré-Vestibulinho - Prof. James Martins
Doenças Pré-Vestibulinho - Prof. James MartinsDoenças Pré-Vestibulinho - Prof. James Martins
Doenças Pré-Vestibulinho - Prof. James Martins
James Martins
 
Reino Protoctista
Reino ProtoctistaReino Protoctista
Reino Protoctista
infoeducp2
 
Parasitologia
ParasitologiaParasitologia
Parasitologia
Jefferson LIMA
 
Protozoários
ProtozoáriosProtozoários
Protozoários
Marcos Albuquerque
 
Protozoários
ProtozoáriosProtozoários
Protozoários
Marcos Albuquerque
 
Platelmintos
PlatelmintosPlatelmintos
Platelmintos
profatatiana
 
Aula Amebíase.pptx
Aula Amebíase.pptxAula Amebíase.pptx
Aula Amebíase.pptx
JoaraSilva1
 
Protozoarios
ProtozoariosProtozoarios
Protozoarios
Anita Burgan
 
Seminário métodos e técnicas do ensino
Seminário  métodos e técnicas do ensinoSeminário  métodos e técnicas do ensino
Seminário métodos e técnicas do ensino
Laíz Coutinho
 
Aula Helmintoses.ppt para prevenir........
Aula Helmintoses.ppt para prevenir........Aula Helmintoses.ppt para prevenir........
Aula Helmintoses.ppt para prevenir........
LedaMariadaSilva1
 
Aula 8 Schistosoma Mansoni 2007 Ok
Aula 8   Schistosoma Mansoni 2007 OkAula 8   Schistosoma Mansoni 2007 Ok
Aula 8 Schistosoma Mansoni 2007 Ok
ITPAC PORTO
 
Proto
ProtoProto
Proto
Jandii
 
AULA 4 - PARASITOLOGIA (HELMINTOS E PROTOZOÁRIOS).pptx
AULA 4 - PARASITOLOGIA (HELMINTOS E PROTOZOÁRIOS).pptxAULA 4 - PARASITOLOGIA (HELMINTOS E PROTOZOÁRIOS).pptx
AULA 4 - PARASITOLOGIA (HELMINTOS E PROTOZOÁRIOS).pptx
JordniaMatias2
 

Semelhante a Protozooses (20)

Reino monera, protista
Reino monera, protistaReino monera, protista
Reino monera, protista
 
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Reino Protista
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Reino ProtistaSlides da aula de Biologia (Renato) sobre Reino Protista
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Reino Protista
 
2.protozooses3m
2.protozooses3m2.protozooses3m
2.protozooses3m
 
2.protozooses3m
2.protozooses3m2.protozooses3m
2.protozooses3m
 
Protozooses
ProtozoosesProtozooses
Protozooses
 
Aula 21 protozoários parasitas
Aula 21   protozoários parasitasAula 21   protozoários parasitas
Aula 21 protozoários parasitas
 
Platelmintos
PlatelmintosPlatelmintos
Platelmintos
 
Doenças Pré-Vestibulinho - Prof. James Martins
Doenças Pré-Vestibulinho - Prof. James MartinsDoenças Pré-Vestibulinho - Prof. James Martins
Doenças Pré-Vestibulinho - Prof. James Martins
 
Reino Protoctista
Reino ProtoctistaReino Protoctista
Reino Protoctista
 
Parasitologia
ParasitologiaParasitologia
Parasitologia
 
Protozoários
ProtozoáriosProtozoários
Protozoários
 
Protozoários
ProtozoáriosProtozoários
Protozoários
 
Platelmintos
PlatelmintosPlatelmintos
Platelmintos
 
Aula Amebíase.pptx
Aula Amebíase.pptxAula Amebíase.pptx
Aula Amebíase.pptx
 
Protozoarios
ProtozoariosProtozoarios
Protozoarios
 
Seminário métodos e técnicas do ensino
Seminário  métodos e técnicas do ensinoSeminário  métodos e técnicas do ensino
Seminário métodos e técnicas do ensino
 
Aula Helmintoses.ppt para prevenir........
Aula Helmintoses.ppt para prevenir........Aula Helmintoses.ppt para prevenir........
Aula Helmintoses.ppt para prevenir........
 
Aula 8 Schistosoma Mansoni 2007 Ok
Aula 8   Schistosoma Mansoni 2007 OkAula 8   Schistosoma Mansoni 2007 Ok
Aula 8 Schistosoma Mansoni 2007 Ok
 
Proto
ProtoProto
Proto
 
AULA 4 - PARASITOLOGIA (HELMINTOS E PROTOZOÁRIOS).pptx
AULA 4 - PARASITOLOGIA (HELMINTOS E PROTOZOÁRIOS).pptxAULA 4 - PARASITOLOGIA (HELMINTOS E PROTOZOÁRIOS).pptx
AULA 4 - PARASITOLOGIA (HELMINTOS E PROTOZOÁRIOS).pptx
 

Mais de Wellington Oliveira

Herança sexual
Herança sexualHerança sexual
Herança sexual
Wellington Oliveira
 
Herança sexual
Herança sexualHerança sexual
Herança sexual
Wellington Oliveira
 
Simulado enem
Simulado enemSimulado enem
Simulado enem
Wellington Oliveira
 
3 cordados
3 cordados3 cordados
Genética
GenéticaGenética
Virus
VirusVirus
Transcrição
TranscriçãoTranscrição
Transcrição
Wellington Oliveira
 
1 tradução
1 tradução1 tradução
1 tradução
Wellington Oliveira
 
Agora abril
Agora abrilAgora abril
Agora abril
Wellington Oliveira
 
Agora abril
Agora abrilAgora abril
Agora abril
Wellington Oliveira
 
11 05-2012 portinari-brocas + vigas
11 05-2012 portinari-brocas + vigas11 05-2012 portinari-brocas + vigas
11 05-2012 portinari-brocas + vigas
Wellington Oliveira
 
1 água sais carboidratos e lipídeos
1 água sais carboidratos e lipídeos1 água sais carboidratos e lipídeos
1 água sais carboidratos e lipídeos
Wellington Oliveira
 
Livro 01 incidencia nos vestibulares
Livro 01   incidencia nos vestibularesLivro 01   incidencia nos vestibulares
Livro 01 incidencia nos vestibulares
Wellington Oliveira
 
Livro 01 incidencia nos vestibulares
Livro 01   incidencia nos vestibularesLivro 01   incidencia nos vestibulares
Livro 01 incidencia nos vestibulares
Wellington Oliveira
 
Meal fase ii - 2012
Meal   fase ii - 2012Meal   fase ii - 2012
Meal fase ii - 2012
Wellington Oliveira
 
áGua sais carboidratos e lipídeos
áGua sais carboidratos e lipídeosáGua sais carboidratos e lipídeos
áGua sais carboidratos e lipídeos
Wellington Oliveira
 
Sistema hormonal
Sistema hormonalSistema hormonal
Sistema hormonal
Wellington Oliveira
 
Sistema hormonal
Sistema hormonalSistema hormonal
Sistema hormonal
Wellington Oliveira
 
Junior achievement
Junior achievementJunior achievement
Junior achievement
Wellington Oliveira
 
Horário semana 5 a 9 de dezembro
Horário semana 5 a 9 de dezembroHorário semana 5 a 9 de dezembro
Horário semana 5 a 9 de dezembro
Wellington Oliveira
 

Mais de Wellington Oliveira (20)

Herança sexual
Herança sexualHerança sexual
Herança sexual
 
Herança sexual
Herança sexualHerança sexual
Herança sexual
 
Simulado enem
Simulado enemSimulado enem
Simulado enem
 
3 cordados
3 cordados3 cordados
3 cordados
 
Genética
GenéticaGenética
Genética
 
Virus
VirusVirus
Virus
 
Transcrição
TranscriçãoTranscrição
Transcrição
 
1 tradução
1 tradução1 tradução
1 tradução
 
Agora abril
Agora abrilAgora abril
Agora abril
 
Agora abril
Agora abrilAgora abril
Agora abril
 
11 05-2012 portinari-brocas + vigas
11 05-2012 portinari-brocas + vigas11 05-2012 portinari-brocas + vigas
11 05-2012 portinari-brocas + vigas
 
1 água sais carboidratos e lipídeos
1 água sais carboidratos e lipídeos1 água sais carboidratos e lipídeos
1 água sais carboidratos e lipídeos
 
Livro 01 incidencia nos vestibulares
Livro 01   incidencia nos vestibularesLivro 01   incidencia nos vestibulares
Livro 01 incidencia nos vestibulares
 
Livro 01 incidencia nos vestibulares
Livro 01   incidencia nos vestibularesLivro 01   incidencia nos vestibulares
Livro 01 incidencia nos vestibulares
 
Meal fase ii - 2012
Meal   fase ii - 2012Meal   fase ii - 2012
Meal fase ii - 2012
 
áGua sais carboidratos e lipídeos
áGua sais carboidratos e lipídeosáGua sais carboidratos e lipídeos
áGua sais carboidratos e lipídeos
 
Sistema hormonal
Sistema hormonalSistema hormonal
Sistema hormonal
 
Sistema hormonal
Sistema hormonalSistema hormonal
Sistema hormonal
 
Junior achievement
Junior achievementJunior achievement
Junior achievement
 
Horário semana 5 a 9 de dezembro
Horário semana 5 a 9 de dezembroHorário semana 5 a 9 de dezembro
Horário semana 5 a 9 de dezembro
 

Protozooses

  • 1. PROTOZOOSES Doenças causadas por protozoários
  • 2. AMEBÍASE  Disenteria amebiana  Sarcodíneo Entamoeba histolytica – ameba  Vivem no intestino causando lesões de difícil cicatrização e fortes diarréias
  • 3. Contágio  Ingestão de água ou alimentos contaminados por cistos de E. histolytica cisto trofozoíto
  • 4.  Aquisição de cistos – passa pelo estômago e chega ao intestino delgado do novo hospedeiro: ação de enzimas proteolíticas causa a destruição da parede do cisto e a liberação dos núcleos do seu interior. – Cada núcleo se divide por fissão binária – No intestino delgado, a atividade metabólica da E. histolytica gera como resíduos toxinas que irão destruir o epitélio intestinal
  • 5.  Alta capacidade de sobrevivência fora do intestino – cisto (parede cística – proteica)  Intestino – Trofozoítos  Fezes – cistos
  • 6. Profilaxia  Saneamento básico  Ferver água ou filtrá-la  Lavar os alimentos  Higiene pessoal
  • 7. Prevalência da Amebíase por Entamoeba histolytica  Zonas tropicais e subdesenvolvidas  precária condição socio-econômica e de higiene  Incidência na África, Ásia, América Latina  5-50% pop. mundial têm amebíase, sendo que 10% apresentam sintomas clínicos
  • 8. DOENÇA DE CHAGAS Cardiomegalia  Flagelado Trypanosoma cruzi  Contaminação pelo Triatoma infestans (barbeiro, chupança, percevejo)
  • 9.  Barbeiro se contamina (tatu ou outro animal silvestre)  Barbeiro hábito noturno  Casa de taipa
  • 10.  Após picar a pessoa – hematofagia ele defeca.
  • 11.  Eliminação, em suas fezes e urina, o parasito em sua forma alongada (tripomastigotas metacíclicos).  Através de mucosas ou por ferimentos na pele, estes infectam células do hospedeiro, como as do coração.
  • 12.  No interior destas, o parasito ganha forma arredondada (amastigotas), multiplicando- se por divisão binária.
  • 13.  Quando as células estão repletas de parasitos, eles novamente mudam de forma (tripomastigotas sanguícola), e com a ruptura da célula hospedeira disseminam-se pela corrente sanguínea, sendo capazes de infectar novos tecidos e órgãos.
  • 14.  Se o indivíduo ou animal infectado é picado pelo barbeiro, os parasitos em seu sangue podem ser transmitidos ao inseto. No intestino deste, mudam mais uma vez de forma (epimastigotas), multiplicam-se e tornam-se, novamente, formas infectantes, que são eliminadas junto com as fezes e a urina do inseto. Fecha-se, assim, o ciclo.
  • 15. Outras formas de transmissão  Transfusional  Vertical  Via oral  Leite materno  Transplante de órgãos
  • 16. Sintomas  Fase aguda: – Febre, – mal-estar, – falta de apetite, – dor ganglionar, – inchaço ocular – aumento do fígado e baço  Fase Crônica: – destruição da musculatura dos órgãos atingidos (principalmente a do coração e do cérebro), provocando o aumento destes, de forma irreversível.
  • 17. Profilaxia  Não há cura  Doença endêmica Nordeste e norte de MG  Combate ao barbeiro  Cuidado na transfusão de sangue
  • 18. MALÁRIA italiana “ mau Aire”, que significa “ mau ar”, visto que antigamente se acreditava que a doença era causada pelas emanações e miasmas dos pântanos, principalmente africanos.  Impaludismo ou maleita  Esporozoário plasmodium  Picada das fêmeas – Anopheles (mosquito prego) - (hematófagas).
  • 19.  Secreção salivar veículo – esporozoítos  Vão ao fígado (após 21 dias) – trofozoítos  Invadem hemácias do sangue (esporulação) – merozoítos  Hemácias se rompem liberando-os na circulação  Ataque a outras hemácias e liberação de toxinas  Tempo médio de 48 horas / 72 horas – febre terçã ou quartã
  • 20.  Alguns nas hemácias transformam-se em gametócitos (masc ou fem)  Contaminam o mosquito  No estômago do mosquitos os gametas se encontram – zigoto – ovocisto instalado na parede – esporozoítos – saliva – reinício do ciclo.
  • 21.
  • 22. Sintomas Sintomas em fases graves da  Febre alta (40º); doença:  Suores abundantes;  Calafrios; •Insuficiência renal;  Dores de cabeça; •Ataques epilépticos;  Falta de apetite; •Confusão mental.  Náuseas e vômitos;  Anemia;  Icterícia (coloração amarela na pele e olhos);  Cansaço;  Dores abdominais e corporais;  Diarréia;
  • 23.
  • 24. Profilaxia  Não existe vacina  Drogas antimaláricas – interrupção da esquizogonia sanguínea; – destruição de formas latentes do parasito; – interrupção da transmissão do parasito, pelo uso de drogas que impedem o desenvolvimento de formas sexuadas dos parasitos (gametócitos).  Combate a proliferação do mosquito  Endêmica
  • 25. ÚLCERA DE BAURU Leishmaniose cutânea Flagelado Leishmania brasiliensis Mosquito palha ou birigui (Lutzomyia) – (Phlebotomus)
  • 26.  Pica a pessoa sadia com os protozoários  Atingem pele e mucosa e lesões muito graves.
  • 27. Profilaxia  Endêmico na região interior do estado e litoral de São Paulo  Combate ao mosquito
  • 28. TOXOPLASMOSE Toxoplasma gondii  Esporozoário –  Normalmente benigno  Problema em mulheres grávidas – Má formação do feto – Deficiência mental – Cegueira – morte
  • 29. Transmissão  Contato com fezes, saliva ou urina de gatos, cachorros e POMBAS. (cistos do protozoário)  Leite e carne contaminadas  Relações sexuais
  • 30. OUTRAS PROTOZOOSES Doença Agente Sintomas Forma de Causador contágio Doença do Trypanosoma Sonolência e Picada do sono gambiensis torpor devido mosquito tsé-tsé lesões do SNC Tricomoníase Trichomonas Corrimentos e Relações vaginalis infecções sexuais ou vaginais e sanitários uretrais Giardíase Giardia lamblia Diarréias com Alimentos dores contaminados abdominais ou água
  • 31. A- ingestão de cistos (fezes de gatos) – imunossuprimidos são mais debilitados B- favorece pois sem medo dos gatos são presas fáceis