SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 31
ProtozoáriosProtozoários
Professora: RosanaProfessora: Rosana
Características gerais dos protozoários
• Unicelulares, heterotróficos e eucarióticos
• Vivem na água doce, água salgada, regiões
lodosas e terra úmida.
• Algumas espécies são parasitas.
• Há também espécies que mantêm relações de
troca de benefícios com outros seres vivos.
Nutrição, digestão e excreção
• A nutrição da maioria dos protozoários ocorre por
englobamento de partículas de matéria orgânica disponíveis
no meio ou por predação ativa de outros microorganismos,
inclusive outros protozoários.
• Quando a partícula de alimento é interiorizada na célula,
forma-se um fagossomo, que ao receber enzimas vindas dos
lisossomos transforma-se no vacúolo digestivo no qual
ocorrerá o processo de digestão intracelular.
• Os resíduos produtos da digestão são eliminados pelo vacúolo
residual. A atividade metabólica dos protozoários origina
substâncias tóxicas que precisam ser eliminadas.
• No paramécio a região onde ocorre a eliminação dos resíduos
é denominada citoprocto.
Fagossomo
Vacúolo
digestório
citoprotco
Paramécio
Sulco oral
Cílios
Protozoário de água doce
Osmorregulação: nos protozoários de
água doce o excesso de água que entra
é eliminado pelo vacúolo contrátil ou
pulsátil.
Classificação dos protozoários
• Filo Rhizopoda
• Filo Actinopoda
• Filo Foraminifera
• Filo Apicomplexa
• Filo Zoomastigophora
• Filo Cilliophora
Filo Rhizopoda (locomoção por pseudópodes) vivem
em água doce ou no mar, sobre fundos e a vegetação
submersa, alguns são parasitas.
Arcella
Arcella
Difflugia
Difflugia
Entamoeba
proteus
Entamoeba proteus
Filo Actinopoda (apresentam pseudópodesFilo Actinopoda (apresentam pseudópodes
afilados)afilados)
Radiolários - são exclusivamente marinhosRadiolários - são exclusivamente marinhos
HeliozoáriosHeliozoários – maioria vive na água doce– maioria vive na água doce
axópodes
Filo Foraminifera - apresentam esqueleto
perfurado, externo à célula (quitinoso ou
carbonato de cálcio) a maioria vive no mar
Pseudópodes
projetam-se
pelos furos da
carapaça
Filo Apicomplexa ( não apresentam
estruturas locomotoras) todas as espécies
são parasitas
Hemácias infectadas
por plasmódio Toxoplasma
gondii
Filo Zoomastigophora (possuem flagelos
que permitem a natação)
Trypanosoma cruzi
Peranema
Leishmania
Codosiga
Filo Cilliophora ( possuem cílios para
locomoção) a maioria é de vida livre
Vorticella
Paramecium Stentor
Reprodução de protozoários
Reprodução assexuada
• Divisão binária – a célula cresce até certo tamanho e
divide-se ao meio, originando dois novos indivíduos.
• Divisão múltipla – a célula multiplica seu núcleo
diversas vezes por mitose antes de fragmentar-se em
inúmeras pequenas células.
Reprodução de protozoários
• Reprodução sexuada – quase todas as espécies de
protozoários apresentam processos sexuais de
reprodução.
• No tipo mais comum de reprodução sexuada, os dois
indivíduos de sexos diferentes fundem-se e formam
um zigoto, que posteriormente passa por meiose a
constituir novos indivíduos, geneticamente
recombinados.
Conjugação em paramécio
A reprodução sexuada por conjugação
consiste no pareamento de dois
paramécios, com fusão das
membranas e em seguida troca de
material genético dos micronúcleos.
Depois os paramécios se separam e
se reproduzem assexuadamente por
cissiparidade.
Doenças causadas por protozoários
• Amebíase
• Leishmaniose visceral
(calazar)
• Malária
• Doença de Chagas
• Toxoplasmose
• Tricomoníase
• Giardíase
• Leishmaniose tegumentar
(úlcera-de-Bauru)
• Doença do sono
• Pneumonia
Amebíase
• Protozoário causador: Entamoeba histolytica
• Como se contrai: esses parasitas são eliminados com as fezes. Quando
uma pessoa defeca, as fezes, deixadas nas proximidades de córregos, valas
de irrigação ou lagoas, contaminam suas águas. Num quintal pequeno, se a
fossa for construída a poucos metros de distância da cisterna, as fezes
contaminadas por amebas podem contaminar a água. Moscas e baratas, ao
se alimentar de fezes de pessoas infectadas, também transmitem a
parasitose a outras pessoas, defecando sobre os alimentos ou utensílios.
Outra forma de transmissão é através do contato das patas sujas de fezes.
Pode-se ainda contrair a ameba comendo frutas e verduras cruas, que
foram regadas com água contaminada ou adubadas com terra misturada a
fezes humanas infectadas. A ameba pode ficar agarrada
nas verduras durante três semanas, mesmo expostas à chuva, ao frio e ao
calor. Muito frequente é a contaminação pelas mãos sujas de pessoas que
lidam com os alimentos.
• Sintomas
• dores abdominais;
• febre baixa;
• ataque de diarréia, seguido de períodos de prisão de ventre, disenteria aguda com fezes
sanguinolentas etc.
Somente através do exame de fezes, as pessoas ficam sabendo se têm ameba ou outros
parasitas.
• Como evitar:
• Exigir das autoridades saneamento básico para que as fezes não contaminem o solo e a
água.
• proteger todos os alimentos contra moscas e baratas;
• conservar os alimentos e utensílios cobertos ou dentro de armários;
• proteger as águas das minas, cisternas, poços, lagoas, açudes e valas de irrigação, não
permitindo que sejam contaminadas por fezes humanas;
• regar as verduras sempre com água limpa, não aproveitando nunca a água utilizada em
casa ou água de banho;
• lavar bastante as verduras em água corrente, principalmente as que são comidas cruas;
• lavar as mãos com sabão e água corrente, todas as vezes que usar o banheiro;
• lavar muito bem as mãos antes de iniciar a preparação dos alimentos ou antes de iniciar
a limpeza de alguns utensílios – lavagem de filtro, por exemplo.
Leishmaniose visceral
• É uma protozoose causada pela Leishmania chagasi, que é
transmitida pelos mesmos mosquitos vetores da leishmaniose
tegumentar, ou seja, do gênero Lutzomya (antigamente,
Phlebotomus).
Provoca febre, ascite (barriga d'água), hepatomegalia (grande
fígado), esplenomegalia (aumento do baço), emagrecimento,
complicações cardíacas e circulatórias.
É muito mais grave que a leishmaniose tegumentar, mas
felizmente é muito mais rara, na proporção de 1 para 20
casos notificados em nosso país. As medidas profiláticas são
as mesmas da leishmaniose tegumentar.
Leishmaniose Tegumentar
• É uma doença infecciosa causada por um protozoário, a
Leishmania braziliensis, transmitida pela picada das fêmeas
de mosquitos flebotomídeos, principalmente do gênero
Lutzomya, conhecidas popularmente como "birigüi",
"mosquito-palha", "corcudinha", etc.
• Geralmente, a doença não leva o paciente à morte, mas causa
lesões cutâneas e nasofaríngeas deformantes e dolorosas,
dificultando a própria alimentação e diminuindo a capacidade
para o trabalho.
• É primariamente uma zoonose, própria de roedores
silvestres, podendo ser transmitida ao homem, hospedeiro
acidental.
• Sintomas
Os primeiros sintomas surgem após um período que varia de
10 dias a 3 meses.
A penetração dos parasitas determina uma lesão cutânea na
região da picada, que se caracteriza por uma ferida de
aspecto pápulo-eritematoso ou furunculóide ou pápulo-
ulcerado, que fecha muito vagarosamente. Podem aparecer
dezenas de feridas que deixam cicatrizes muito marcantes no
rosto, braços e pernas.
Depois de anos, se não tratada a doença, há
comprometimento da mucosa oronasal e faringeana, e o nariz
e a boca podem ficar desfigurados ou destruídos. A
deformação do nariz origina o que é conhecido como "nariz-
de-tapir" ou "focinho-de-anta".
• Profilaxia
No combate à leishmaniose tegumentar ou "úlcera-de-bauru", recomenda-
se o uso de telagem nas habitações, mosquiteiros e repelentes que afastam
os mosquitos; construção de casas longe das orlas das matas, pois o vôo dos
mosquitos tem curto alcance; uso de inseticidas para exterminar os vetores;
os animais doentes ou suspeitos devem ser levados a um centro de controle
de zoonoses ou, em última condição, eliminados. As tentativas para obter-
se imunidade duradoura pela vacinação preventiva são promissoras.
• Tratamento
O tratamento é feito com tártaro emético e antimoniato de N-
metilglucamina (menos tóxico e mais ativo), por via intramuscular ou
endovenosa. Para um tratamento eficiente, é sempre recomendável
procurar os centros médicos, o mais cedo possível.
Doença de Chagas
• Agente etiológico é o protozoário flagelado Trypanosoma
cruzi, habitualmente transmitido ao homem pelas fezes do
inseto hematófago conhecido popularmente como barbeiro,
procotó, chupança, percevejo-do-mato, gaudércio, etc.
• A transmissão pode ser feita também pela transfusão
sanguínea, placenta e pelo aleitamento materno.
A disseminação da doença está profundamente relacionada
com as condições de vida da população, principalmente de
habitação, e com as oportunidades econômicas e sociais que
lhe são oferecidas.
• Sintomas
Na fase aguda, ocorrem febre moderada, hepatomegalia discreta (grande
fígado), inflamação dos gânglios linfáticos, miocardia aguda, meningoencefalite
(dores na meninges), etc. É comum a diminuição dos sintomas.
Na fase crônica, ocorre o comprometimento do coração e do sistema digestivo. A
duração depende de vários fatores, desde idade e estado nutricional do paciente
até os intrínsecos dos parasitas. Os sintomas mais importantes são a cadiomegalia
(coração grande), o megaesôfago (esôfago grande) e o megacólon (cólon grande).
Profilaxia
• Nas regiões endêmicas, a primeira medida de combate à tripanossomíase
americana seria a aplicação de inseticidas nos buracos e frestas das casas, onde se
abrigam os vetores. No entanto, a solução definitiva seria a construção de
habitações decentes, higiênicas.
• Outra medida profilática importante é o combate aos reservatórios naturais
(animais nos quais são encontrados os protozoários parasitas) e precaução com as
doações de sangue.
Malária
• Malária ou paludismo é uma doença infecciosa aguda ou crônica
causada por protozoários parasitas do gênero Plasmodium,
transmitidos pela picada do mosquito Anopheles.
• A malária mata 2 milhões de pessoas por ano, uma taxa só
comparável à da SIDA/AIDS, e afeta mais de 500 milhões de
pessoas todos os anos. É a principal parasitose tropical e uma das
mais frequentes causas de morte em crianças nesses países: (mata
um milhão de crianças com menos de 5 anos a cada ano). Segundo
a OMS, a malária mata uma criança africana a cada 30 segundos, e
muitas crianças que sobrevivem a casos severos sofrem danos
cerebrais graves e têm dificuldades de aprendizagem.
Malária
Transmissão
• Fêmea de Anopheles alimentando-se de sangue humano.
• A malária é transmitida pela picada das fêmeas de mosquitos do gênero
Anopheles. A transmissão geralmente ocorre em regiões rurais e semi-
rurais, mas pode ocorrer em áreas urbanas, principalmente em suas
periferias. Em cidades situadas em locais cuja altitude seja superior a 1500
metros, no entanto, o risco de aquisição de malária é pequeno. Os
mosquitos têm maior atividade durante o período da noite, do crepúsculo ao
amanhecer. Contaminam-se ao picar os portadores da doença, tornando-se
o principal vetor de transmissão desta para outras pessoas. O risco maior
de aquisição de malária é no interior das habitações, embora a transmissão
também possa ocorrer ao ar livre.
• O mosquito Anopheles só sobrevive em áreas que apresentem médias das
temperaturas mínimas superiores a 15ºC, e só atinge número suficiente de
indivíduos para a transmissão da doença em regiões onde as temperaturas
médias sejam cerca de 20-30ºC, e umidade alta. Só os mosquitos fêmeas
picam o homem e alimentam-se de sangue. Os machos vivem de seivas de
plantas. As larvas se desenvolvem em águas paradas, e a prevalência
máxima ocorre durante as estações com chuva abundante.
Prevenção
• A melhor medida é a erradicação do mosquito Anopheles.
Ultimamente, o uso de inseticidas potentes mas tóxicos,
proibidos no ocidente, tem aumentado porque os riscos da
malária são muito superiores aos do inseticida. O uso de
redes contra mosquitos é eficaz na proteção durante o sono,
quando ocorre a grande maioria das infecções. Os cremes
repelentes de insetos também são eficazes, mas mais caros
que as redes.
• A roupa deve cobrir a pele nua o mais completamente
possível de dia. O mosquito não tem tanta tendência para
picar o rosto ou as mãos, onde os vasos sanguíneos são
menos acessíveis, quanto as pernas, os braços ou o pescoço
os vasos sanguíneos são mais acessíveis .

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Biologia - Platelmintos
Biologia - PlatelmintosBiologia - Platelmintos
Biologia - Platelmintos
Carson Souza
 
Briofitas
BriofitasBriofitas
Briofitas
jcrrios
 

Mais procurados (20)

Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
 
Biologia - Platelmintos
Biologia - PlatelmintosBiologia - Platelmintos
Biologia - Platelmintos
 
Briófitas
BriófitasBriófitas
Briófitas
 
Fungos
FungosFungos
Fungos
 
Reino Fungi
Reino FungiReino Fungi
Reino Fungi
 
Nematelmintos
NematelmintosNematelmintos
Nematelmintos
 
Briofitas
BriofitasBriofitas
Briofitas
 
Reino fungi
Reino fungiReino fungi
Reino fungi
 
Fungos
FungosFungos
Fungos
 
Reino das plantas
Reino das plantasReino das plantas
Reino das plantas
 
Protistas
ProtistasProtistas
Protistas
 
REINO FUNGI
REINO FUNGIREINO FUNGI
REINO FUNGI
 
Introdução às algas
Introdução às algas Introdução às algas
Introdução às algas
 
Reino fungi
Reino fungiReino fungi
Reino fungi
 
Anatomia vegetal
Anatomia vegetalAnatomia vegetal
Anatomia vegetal
 
Bactérias
BactériasBactérias
Bactérias
 
Tecidos vegetais
Tecidos vegetaisTecidos vegetais
Tecidos vegetais
 
Algas aula
Algas aulaAlgas aula
Algas aula
 
Bacterias
BacteriasBacterias
Bacterias
 
Poriferos e cnidarios
Poriferos e cnidariosPoriferos e cnidarios
Poriferos e cnidarios
 

Destaque

Protozoários de água doce
Protozoários de água doceProtozoários de água doce
Protozoários de água doce
ANDREA_SA
 
Actividade experimental protozoarios
Actividade experimental protozoariosActividade experimental protozoarios
Actividade experimental protozoarios
Carlos Moutinho
 
Protozoários de água doce
Protozoários de água doceProtozoários de água doce
Protozoários de água doce
ANDREA_SA
 
Grupos de protozoários
Grupos de protozoáriosGrupos de protozoários
Grupos de protozoários
Isabella Silva
 
Aula de protozoários 08052010
Aula de protozoários 08052010Aula de protozoários 08052010
Aula de protozoários 08052010
guest9a7bfd
 

Destaque (20)

Protozoários de água doce
Protozoários de água doceProtozoários de água doce
Protozoários de água doce
 
Trabalho AP | Protozoários | Biologia 12º Ano
Trabalho AP | Protozoários | Biologia 12º AnoTrabalho AP | Protozoários | Biologia 12º Ano
Trabalho AP | Protozoários | Biologia 12º Ano
 
Actividade experimental protozoarios
Actividade experimental protozoariosActividade experimental protozoarios
Actividade experimental protozoarios
 
Vermes
VermesVermes
Vermes
 
Protozoários de água doce
Protozoários de água doceProtozoários de água doce
Protozoários de água doce
 
Microbio reino protista_doenças_protozoários
Microbio reino protista_doenças_protozoáriosMicrobio reino protista_doenças_protozoários
Microbio reino protista_doenças_protozoários
 
Parasitologia
ParasitologiaParasitologia
Parasitologia
 
Doenças causadas por protozoários
Doenças causadas por protozoáriosDoenças causadas por protozoários
Doenças causadas por protozoários
 
Protozoários
ProtozoáriosProtozoários
Protozoários
 
Grupos de protozoários
Grupos de protozoáriosGrupos de protozoários
Grupos de protozoários
 
Catálogo para protozoarios
Catálogo para protozoariosCatálogo para protozoarios
Catálogo para protozoarios
 
Protozoários
ProtozoáriosProtozoários
Protozoários
 
Aula de protozoários 08052010
Aula de protozoários 08052010Aula de protozoários 08052010
Aula de protozoários 08052010
 
Protozoários.
Protozoários.Protozoários.
Protozoários.
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
 
A segunda lei de mendel e linkage
A segunda lei de mendel e linkageA segunda lei de mendel e linkage
A segunda lei de mendel e linkage
 
A vitak
A vitakA vitak
A vitak
 
Microalgas
MicroalgasMicroalgas
Microalgas
 
Estudo dos protozoários (versão para aula)
Estudo dos protozoários (versão para aula)Estudo dos protozoários (versão para aula)
Estudo dos protozoários (versão para aula)
 
Guia de microalgas
Guia de microalgasGuia de microalgas
Guia de microalgas
 

Semelhante a 1ª protozoarios

7º ano cap 7 reino protoctistas
7º ano cap 7  reino protoctistas7º ano cap 7  reino protoctistas
7º ano cap 7 reino protoctistas
ISJ
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
ISJ
 
Correção do estudo dirigido protozoários
Correção do estudo dirigido protozoáriosCorreção do estudo dirigido protozoários
Correção do estudo dirigido protozoários
Raquel Freiry
 
Capítulo 03 reinos monera, fungo e protista
Capítulo 03   reinos monera, fungo e protistaCapítulo 03   reinos monera, fungo e protista
Capítulo 03 reinos monera, fungo e protista
Igor Brant
 
Bacterioses
BacteriosesBacterioses
Bacterioses
celss
 

Semelhante a 1ª protozoarios (20)

7º ano cap 7 reino protoctistas
7º ano cap 7  reino protoctistas7º ano cap 7  reino protoctistas
7º ano cap 7 reino protoctistas
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
 
Protozoarios
ProtozoariosProtozoarios
Protozoarios
 
Protozooses
ProtozoosesProtozooses
Protozooses
 
Protozoários e Algas
Protozoários e AlgasProtozoários e Algas
Protozoários e Algas
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
 
Reino monera, protista
Reino monera, protistaReino monera, protista
Reino monera, protista
 
aula inicial sobre oque é Microbiologia
aula inicial sobre oque é  Microbiologiaaula inicial sobre oque é  Microbiologia
aula inicial sobre oque é Microbiologia
 
Correção do estudo dirigido protozoários
Correção do estudo dirigido protozoáriosCorreção do estudo dirigido protozoários
Correção do estudo dirigido protozoários
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
 
Doenças transmitidas por mosquitos
Doenças transmitidas por mosquitosDoenças transmitidas por mosquitos
Doenças transmitidas por mosquitos
 
Protistas
ProtistasProtistas
Protistas
 
Aula reino-protista
Aula reino-protistaAula reino-protista
Aula reino-protista
 
Fungos
FungosFungos
Fungos
 
Amebíase
AmebíaseAmebíase
Amebíase
 
Capítulo 03 reinos monera, fungo e protista
Capítulo 03   reinos monera, fungo e protistaCapítulo 03   reinos monera, fungo e protista
Capítulo 03 reinos monera, fungo e protista
 
Bacterioses
BacteriosesBacterioses
Bacterioses
 
Protozooses
ProtozoosesProtozooses
Protozooses
 
Aula n° 2
Aula n° 2  Aula n° 2
Aula n° 2
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
 

1ª protozoarios

  • 2. Características gerais dos protozoários • Unicelulares, heterotróficos e eucarióticos • Vivem na água doce, água salgada, regiões lodosas e terra úmida. • Algumas espécies são parasitas. • Há também espécies que mantêm relações de troca de benefícios com outros seres vivos.
  • 3. Nutrição, digestão e excreção • A nutrição da maioria dos protozoários ocorre por englobamento de partículas de matéria orgânica disponíveis no meio ou por predação ativa de outros microorganismos, inclusive outros protozoários. • Quando a partícula de alimento é interiorizada na célula, forma-se um fagossomo, que ao receber enzimas vindas dos lisossomos transforma-se no vacúolo digestivo no qual ocorrerá o processo de digestão intracelular. • Os resíduos produtos da digestão são eliminados pelo vacúolo residual. A atividade metabólica dos protozoários origina substâncias tóxicas que precisam ser eliminadas. • No paramécio a região onde ocorre a eliminação dos resíduos é denominada citoprocto.
  • 5. Protozoário de água doce Osmorregulação: nos protozoários de água doce o excesso de água que entra é eliminado pelo vacúolo contrátil ou pulsátil.
  • 6. Classificação dos protozoários • Filo Rhizopoda • Filo Actinopoda • Filo Foraminifera • Filo Apicomplexa • Filo Zoomastigophora • Filo Cilliophora
  • 7. Filo Rhizopoda (locomoção por pseudópodes) vivem em água doce ou no mar, sobre fundos e a vegetação submersa, alguns são parasitas. Arcella Arcella Difflugia Difflugia Entamoeba proteus Entamoeba proteus
  • 8. Filo Actinopoda (apresentam pseudópodesFilo Actinopoda (apresentam pseudópodes afilados)afilados) Radiolários - são exclusivamente marinhosRadiolários - são exclusivamente marinhos HeliozoáriosHeliozoários – maioria vive na água doce– maioria vive na água doce axópodes
  • 9. Filo Foraminifera - apresentam esqueleto perfurado, externo à célula (quitinoso ou carbonato de cálcio) a maioria vive no mar Pseudópodes projetam-se pelos furos da carapaça
  • 10. Filo Apicomplexa ( não apresentam estruturas locomotoras) todas as espécies são parasitas Hemácias infectadas por plasmódio Toxoplasma gondii
  • 11. Filo Zoomastigophora (possuem flagelos que permitem a natação) Trypanosoma cruzi Peranema Leishmania Codosiga
  • 12. Filo Cilliophora ( possuem cílios para locomoção) a maioria é de vida livre Vorticella Paramecium Stentor
  • 13. Reprodução de protozoários Reprodução assexuada • Divisão binária – a célula cresce até certo tamanho e divide-se ao meio, originando dois novos indivíduos. • Divisão múltipla – a célula multiplica seu núcleo diversas vezes por mitose antes de fragmentar-se em inúmeras pequenas células.
  • 14. Reprodução de protozoários • Reprodução sexuada – quase todas as espécies de protozoários apresentam processos sexuais de reprodução. • No tipo mais comum de reprodução sexuada, os dois indivíduos de sexos diferentes fundem-se e formam um zigoto, que posteriormente passa por meiose a constituir novos indivíduos, geneticamente recombinados.
  • 15. Conjugação em paramécio A reprodução sexuada por conjugação consiste no pareamento de dois paramécios, com fusão das membranas e em seguida troca de material genético dos micronúcleos. Depois os paramécios se separam e se reproduzem assexuadamente por cissiparidade.
  • 16. Doenças causadas por protozoários • Amebíase • Leishmaniose visceral (calazar) • Malária • Doença de Chagas • Toxoplasmose • Tricomoníase • Giardíase • Leishmaniose tegumentar (úlcera-de-Bauru) • Doença do sono • Pneumonia
  • 17. Amebíase • Protozoário causador: Entamoeba histolytica • Como se contrai: esses parasitas são eliminados com as fezes. Quando uma pessoa defeca, as fezes, deixadas nas proximidades de córregos, valas de irrigação ou lagoas, contaminam suas águas. Num quintal pequeno, se a fossa for construída a poucos metros de distância da cisterna, as fezes contaminadas por amebas podem contaminar a água. Moscas e baratas, ao se alimentar de fezes de pessoas infectadas, também transmitem a parasitose a outras pessoas, defecando sobre os alimentos ou utensílios. Outra forma de transmissão é através do contato das patas sujas de fezes. Pode-se ainda contrair a ameba comendo frutas e verduras cruas, que foram regadas com água contaminada ou adubadas com terra misturada a fezes humanas infectadas. A ameba pode ficar agarrada nas verduras durante três semanas, mesmo expostas à chuva, ao frio e ao calor. Muito frequente é a contaminação pelas mãos sujas de pessoas que lidam com os alimentos.
  • 18.
  • 19. • Sintomas • dores abdominais; • febre baixa; • ataque de diarréia, seguido de períodos de prisão de ventre, disenteria aguda com fezes sanguinolentas etc. Somente através do exame de fezes, as pessoas ficam sabendo se têm ameba ou outros parasitas. • Como evitar: • Exigir das autoridades saneamento básico para que as fezes não contaminem o solo e a água. • proteger todos os alimentos contra moscas e baratas; • conservar os alimentos e utensílios cobertos ou dentro de armários; • proteger as águas das minas, cisternas, poços, lagoas, açudes e valas de irrigação, não permitindo que sejam contaminadas por fezes humanas; • regar as verduras sempre com água limpa, não aproveitando nunca a água utilizada em casa ou água de banho; • lavar bastante as verduras em água corrente, principalmente as que são comidas cruas; • lavar as mãos com sabão e água corrente, todas as vezes que usar o banheiro; • lavar muito bem as mãos antes de iniciar a preparação dos alimentos ou antes de iniciar a limpeza de alguns utensílios – lavagem de filtro, por exemplo.
  • 20. Leishmaniose visceral • É uma protozoose causada pela Leishmania chagasi, que é transmitida pelos mesmos mosquitos vetores da leishmaniose tegumentar, ou seja, do gênero Lutzomya (antigamente, Phlebotomus). Provoca febre, ascite (barriga d'água), hepatomegalia (grande fígado), esplenomegalia (aumento do baço), emagrecimento, complicações cardíacas e circulatórias. É muito mais grave que a leishmaniose tegumentar, mas felizmente é muito mais rara, na proporção de 1 para 20 casos notificados em nosso país. As medidas profiláticas são as mesmas da leishmaniose tegumentar.
  • 21. Leishmaniose Tegumentar • É uma doença infecciosa causada por um protozoário, a Leishmania braziliensis, transmitida pela picada das fêmeas de mosquitos flebotomídeos, principalmente do gênero Lutzomya, conhecidas popularmente como "birigüi", "mosquito-palha", "corcudinha", etc. • Geralmente, a doença não leva o paciente à morte, mas causa lesões cutâneas e nasofaríngeas deformantes e dolorosas, dificultando a própria alimentação e diminuindo a capacidade para o trabalho. • É primariamente uma zoonose, própria de roedores silvestres, podendo ser transmitida ao homem, hospedeiro acidental.
  • 22. • Sintomas Os primeiros sintomas surgem após um período que varia de 10 dias a 3 meses. A penetração dos parasitas determina uma lesão cutânea na região da picada, que se caracteriza por uma ferida de aspecto pápulo-eritematoso ou furunculóide ou pápulo- ulcerado, que fecha muito vagarosamente. Podem aparecer dezenas de feridas que deixam cicatrizes muito marcantes no rosto, braços e pernas. Depois de anos, se não tratada a doença, há comprometimento da mucosa oronasal e faringeana, e o nariz e a boca podem ficar desfigurados ou destruídos. A deformação do nariz origina o que é conhecido como "nariz- de-tapir" ou "focinho-de-anta".
  • 23. • Profilaxia No combate à leishmaniose tegumentar ou "úlcera-de-bauru", recomenda- se o uso de telagem nas habitações, mosquiteiros e repelentes que afastam os mosquitos; construção de casas longe das orlas das matas, pois o vôo dos mosquitos tem curto alcance; uso de inseticidas para exterminar os vetores; os animais doentes ou suspeitos devem ser levados a um centro de controle de zoonoses ou, em última condição, eliminados. As tentativas para obter- se imunidade duradoura pela vacinação preventiva são promissoras. • Tratamento O tratamento é feito com tártaro emético e antimoniato de N- metilglucamina (menos tóxico e mais ativo), por via intramuscular ou endovenosa. Para um tratamento eficiente, é sempre recomendável procurar os centros médicos, o mais cedo possível.
  • 24. Doença de Chagas • Agente etiológico é o protozoário flagelado Trypanosoma cruzi, habitualmente transmitido ao homem pelas fezes do inseto hematófago conhecido popularmente como barbeiro, procotó, chupança, percevejo-do-mato, gaudércio, etc. • A transmissão pode ser feita também pela transfusão sanguínea, placenta e pelo aleitamento materno. A disseminação da doença está profundamente relacionada com as condições de vida da população, principalmente de habitação, e com as oportunidades econômicas e sociais que lhe são oferecidas.
  • 25. • Sintomas Na fase aguda, ocorrem febre moderada, hepatomegalia discreta (grande fígado), inflamação dos gânglios linfáticos, miocardia aguda, meningoencefalite (dores na meninges), etc. É comum a diminuição dos sintomas. Na fase crônica, ocorre o comprometimento do coração e do sistema digestivo. A duração depende de vários fatores, desde idade e estado nutricional do paciente até os intrínsecos dos parasitas. Os sintomas mais importantes são a cadiomegalia (coração grande), o megaesôfago (esôfago grande) e o megacólon (cólon grande). Profilaxia • Nas regiões endêmicas, a primeira medida de combate à tripanossomíase americana seria a aplicação de inseticidas nos buracos e frestas das casas, onde se abrigam os vetores. No entanto, a solução definitiva seria a construção de habitações decentes, higiênicas. • Outra medida profilática importante é o combate aos reservatórios naturais (animais nos quais são encontrados os protozoários parasitas) e precaução com as doações de sangue.
  • 26.
  • 27.
  • 28. Malária • Malária ou paludismo é uma doença infecciosa aguda ou crônica causada por protozoários parasitas do gênero Plasmodium, transmitidos pela picada do mosquito Anopheles. • A malária mata 2 milhões de pessoas por ano, uma taxa só comparável à da SIDA/AIDS, e afeta mais de 500 milhões de pessoas todos os anos. É a principal parasitose tropical e uma das mais frequentes causas de morte em crianças nesses países: (mata um milhão de crianças com menos de 5 anos a cada ano). Segundo a OMS, a malária mata uma criança africana a cada 30 segundos, e muitas crianças que sobrevivem a casos severos sofrem danos cerebrais graves e têm dificuldades de aprendizagem.
  • 29. Malária Transmissão • Fêmea de Anopheles alimentando-se de sangue humano. • A malária é transmitida pela picada das fêmeas de mosquitos do gênero Anopheles. A transmissão geralmente ocorre em regiões rurais e semi- rurais, mas pode ocorrer em áreas urbanas, principalmente em suas periferias. Em cidades situadas em locais cuja altitude seja superior a 1500 metros, no entanto, o risco de aquisição de malária é pequeno. Os mosquitos têm maior atividade durante o período da noite, do crepúsculo ao amanhecer. Contaminam-se ao picar os portadores da doença, tornando-se o principal vetor de transmissão desta para outras pessoas. O risco maior de aquisição de malária é no interior das habitações, embora a transmissão também possa ocorrer ao ar livre. • O mosquito Anopheles só sobrevive em áreas que apresentem médias das temperaturas mínimas superiores a 15ºC, e só atinge número suficiente de indivíduos para a transmissão da doença em regiões onde as temperaturas médias sejam cerca de 20-30ºC, e umidade alta. Só os mosquitos fêmeas picam o homem e alimentam-se de sangue. Os machos vivem de seivas de plantas. As larvas se desenvolvem em águas paradas, e a prevalência máxima ocorre durante as estações com chuva abundante.
  • 30.
  • 31. Prevenção • A melhor medida é a erradicação do mosquito Anopheles. Ultimamente, o uso de inseticidas potentes mas tóxicos, proibidos no ocidente, tem aumentado porque os riscos da malária são muito superiores aos do inseticida. O uso de redes contra mosquitos é eficaz na proteção durante o sono, quando ocorre a grande maioria das infecções. Os cremes repelentes de insetos também são eficazes, mas mais caros que as redes. • A roupa deve cobrir a pele nua o mais completamente possível de dia. O mosquito não tem tanta tendência para picar o rosto ou as mãos, onde os vasos sanguíneos são menos acessíveis, quanto as pernas, os braços ou o pescoço os vasos sanguíneos são mais acessíveis .