SlideShare uma empresa Scribd logo
Rumo à universidade
Prof. Marcos Antônio
Vermes de corpo achatado
 PLATY= CHATO, ACHATADO
 HELMINTHOS= VERMES
 Cerca de 20 mil espécies;
 Aproximadamente 20% são parasitas;
 Simetria bilateral;
 Triblásticos;
 Sistema digestório incompleto-boca, cavidade
gastrovascular e excreção por células-flamas;
Características básicas
Classe
Turbelária
 Espécies de
vida livre
 A maioria é
marinha, mas
há espécies
dulcícolas e
terrestres
 Ex: planária
Classificação dos Platelmintos
Classe
Trematoda
 Espécies
ectoparasitas e
endoparasitas
 A maioria possui
ventosas para
fixação
 Ex: esquistossomo
Classe
Cestoda
 Espécies
endoparasitas
intestinais
 Não possuem
cavidade
digestiva e se
alimentam dos
nutrientes do
hospedeiro
 Ex: tênias
Formas de reprodução
REPRODUÇÃO SEXUADA, PLANÁRIA
Reprodução da Planária
 Assexuada:
 regeneração (fragmentação
espontânea)
Classe Trematoda (trematódeos):
. Ex.: Esquistossomo (Schistossoma mansoni).
. Ectoparasita causador da esquistossomose ou barriga-d’água.
. Dióicos com dimorfismo sexual.
fêmea
macho
Ovo do esquistossomo
Schistosoma mansoni
Ventosa Oral
Ventosa Ventral
♀
♂
♂
♀
– Formato Raro:
“Cilíndrico”• Classe Trematoda
Schistosoma mansoni – causador da
esquistossomose (“barriga d’água”)
Esquistossomose
Principais verminoses humanas
Classe Cestoda (cestódeos):
. Ex.: Tênias ou solitárias Taenia solium e Taenia saginata.
. Sistema digestório ausente/endoparasitas.
. Monóicas com autofecundação.
. cabeça + estróbilo (muitos proglotes).
Principais verminoses humanas
Teníase
a) Agente Etiológico: Taenia solium e Taenia saginata.
b) Hospedeiro intermediário: o porco na Taenia solium e o boi na
Taenia saginata.
c) Hospedeiro definitivo: o homem.
1. Eliminação das proglótides gravídicas e ovos pelas fezes do
homem.
2. Ingestão das fezes contaminadas pelo porco e boi. No intestino
dos hospedeiros intermediários os ovos liberam larvas com 6
espinhos – as Oncosferas ou Hexacantas.
3. As Oncosferas perfuram o intestino do porco ou boi, atingem a
circulação sangüínea e se instalam na musculatura
do animal.
4. Nos músculos se modificam, constituindo os Cisticercos, os
quais têm forma esférica contendo líquido e um Escólex
invertido no seu interior.
5. Ingestão da carne de porco ou boi mal cozidas, contendo
Cisticercos pelo homem.
6. No homem, os Cisticercos atingem o intestino, o Escólex se
torna extrovertido e fixa-se à parede intestinal, originando o
verme adulto.
Principais verminoses humanas
Cisticercose
 Doença não transmissível, de extrema gravidade,
decorrente da ingestão do ovo embrionado da tênia,
pelo homem.
 O cisticerco se aloja na musculatura, cérebro, pulmão
e globo ocular do homem.
 Quando o homem esporadicamente ingere o ovo
embrionado, este evolui até a forma de cisticerco, porém no
mesmo hospedeiro, nunca se desenvolverá até a forma
adulta.
Memorize
1. Teníase: ingestão do cisticerco na carne contaminada do
porco ou boi, pelo homem. Evolução do cisticerco para o
verme adulto.
2. Cisticercose: ingestão esporádica do ovo embrionado,
geralmente contido em vegetais contaminados, pelo
homem. O ovo evolui até cisticerco, mas nunca chega a
forma adulta do verme.
Vermes de corpo cilíndrico
Nematelmintos ou Asquelmintos
“verme fio” “verme saco”
 Lombriga, ancilóstomo e filária.
 Cerca de 90.000 espécies. Talvez 10 vezes mais?
 Encontrados na água, no solo e como parasitas de
animais e vegetais. Uma colher de solo fértil chega a
conter milhões de nematelmintos.
 Corpo cilíndrico, com extremidades afiladas e não
segmentado.
 Simetria bilateral.
Novidade evolutiva
 Pseudoceloma.
 Sistema digestório completo (boca e ânus).
 Curiosidade: nenhum de seus representantes possui
células com cílios ou flagelos. Nem mesmo o
espermatozoide, que se locomove por meio de
pseudópodes.
Doenças causadas por
nematelmintos
 Causador – Ascaris lumbricoides ( lombriga)
 Considerada a parasitose mais prevalente no mundo
Ascaridíase
Sintomas
 Ação espoliadora, subnutrição;
 Urticária, convulsões, reações alérgicas;
 Obstrução intestinal;
 Desconforto abdominal;
 Infecção pulmonar, tosse e febre.
Principais verminoses humanas
ANCILOSTOMIASE OU AMARELÃO
Ancylostoma duodenale
Necator americanus
OMS + 1,3 bilhão de pessoas no planeta, 65 mil óbitos (anemia)
Regiões tropicais e subtropicais
Monteiro Lobato - personagem Jeca Tatu
4 a 3 mil ovos/dia (fêmea)  larvas infectantes
Água ou alimentos contaminados
Verduras mal lavadas
Dentes fixadores
 Anemia devido à
espoliação sanguínea.
 Dermatites.
 Dor abdominal
Sintomas
Elefantíase ou Filariose
 Causador – Wuchereria bancrofti
 Transmissor – mosquito Culex
 120 milhões de infectados
 Hipertrofia de membros superiores, membros inferiores,
mamas e testículos.
Sintomas
Principais verminoses humanas

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Virus e viroses
Virus e virosesVirus e viroses
Virus e viroses
Elizabete Costa
 
Protozoários e protozooses
Protozoários e protozoosesProtozoários e protozooses
Protozoários e protozooses
Guilherme Orlandi Goulart
 
Filo Nematoda (Power Point)
Filo Nematoda (Power Point)Filo Nematoda (Power Point)
Filo Nematoda (Power Point)
Bio
 
Nematelmintos
NematelmintosNematelmintos
Nematelmintos
profatatiana
 
Parasitas
ParasitasParasitas
Parasitas
Leonardo Souza
 
Teniase e cisticercose
Teniase e cisticercoseTeniase e cisticercose
Teniase e cisticercose
feraps
 
Biologia - Platelmintos
Biologia - PlatelmintosBiologia - Platelmintos
Biologia - Platelmintos
Carson Souza
 
Giardia
GiardiaGiardia
Anelídeos (Power Point)
Anelídeos (Power Point)Anelídeos (Power Point)
Anelídeos (Power Point)
Bio
 
Filo dos cordados
Filo dos cordadosFilo dos cordados
Filo dos cordados
Iuri Fretta Wiggers
 
Nematódeos
NematódeosNematódeos
Nematódeos
Roberta Almeida
 
Introdução ao reino animal
Introdução ao reino animalIntrodução ao reino animal
Introdução ao reino animal
Professora Raquel
 
Filo Cordados (Power Point)
Filo Cordados (Power Point)Filo Cordados (Power Point)
Filo Cordados (Power Point)
Bio
 
Nematelmintos
NematelmintosNematelmintos
Nematelmintos
Gustavo Costa
 
Aula de Parasitologia do dia: 22.09.16
Aula de Parasitologia do dia: 22.09.16Aula de Parasitologia do dia: 22.09.16
Aula de Parasitologia do dia: 22.09.16
Jaqueline Almeida
 
Aula 1 caracteristicas gerais dos animais
Aula 1   caracteristicas gerais dos animaisAula 1   caracteristicas gerais dos animais
Aula 1 caracteristicas gerais dos animais
Grupo UNIASSELVI
 
Platelmintos
PlatelmintosPlatelmintos
Platelmintos
GabrielaMansur
 
Artrópodes
ArtrópodesArtrópodes
Artrópodes
Killer Max
 
Cnidários ( Power Point ) 1
Cnidários ( Power Point ) 1Cnidários ( Power Point ) 1
Cnidários ( Power Point ) 1
Bio
 
Protozoarios
ProtozoariosProtozoarios

Mais procurados (20)

Virus e viroses
Virus e virosesVirus e viroses
Virus e viroses
 
Protozoários e protozooses
Protozoários e protozoosesProtozoários e protozooses
Protozoários e protozooses
 
Filo Nematoda (Power Point)
Filo Nematoda (Power Point)Filo Nematoda (Power Point)
Filo Nematoda (Power Point)
 
Nematelmintos
NematelmintosNematelmintos
Nematelmintos
 
Parasitas
ParasitasParasitas
Parasitas
 
Teniase e cisticercose
Teniase e cisticercoseTeniase e cisticercose
Teniase e cisticercose
 
Biologia - Platelmintos
Biologia - PlatelmintosBiologia - Platelmintos
Biologia - Platelmintos
 
Giardia
GiardiaGiardia
Giardia
 
Anelídeos (Power Point)
Anelídeos (Power Point)Anelídeos (Power Point)
Anelídeos (Power Point)
 
Filo dos cordados
Filo dos cordadosFilo dos cordados
Filo dos cordados
 
Nematódeos
NematódeosNematódeos
Nematódeos
 
Introdução ao reino animal
Introdução ao reino animalIntrodução ao reino animal
Introdução ao reino animal
 
Filo Cordados (Power Point)
Filo Cordados (Power Point)Filo Cordados (Power Point)
Filo Cordados (Power Point)
 
Nematelmintos
NematelmintosNematelmintos
Nematelmintos
 
Aula de Parasitologia do dia: 22.09.16
Aula de Parasitologia do dia: 22.09.16Aula de Parasitologia do dia: 22.09.16
Aula de Parasitologia do dia: 22.09.16
 
Aula 1 caracteristicas gerais dos animais
Aula 1   caracteristicas gerais dos animaisAula 1   caracteristicas gerais dos animais
Aula 1 caracteristicas gerais dos animais
 
Platelmintos
PlatelmintosPlatelmintos
Platelmintos
 
Artrópodes
ArtrópodesArtrópodes
Artrópodes
 
Cnidários ( Power Point ) 1
Cnidários ( Power Point ) 1Cnidários ( Power Point ) 1
Cnidários ( Power Point ) 1
 
Protozoarios
ProtozoariosProtozoarios
Protozoarios
 

Semelhante a Principais verminoses humanas

Aula invertebrados
Aula invertebradosAula invertebrados
Aula invertebrados
Andre Luiz Nascimento
 
Zoo 1 de poríferos a nematelmintos
Zoo 1    de poríferos a nematelmintosZoo 1    de poríferos a nematelmintos
Zoo 1 de poríferos a nematelmintos
aulasdotubao
 
Filo platelminto
Filo platelmintoFilo platelminto
Filo platelminto
Danie Gongui
 
Reino animalia (metazoa)
Reino animalia (metazoa)Reino animalia (metazoa)
Reino animalia (metazoa)
Jocimara Monsani
 
Reino animal invertebrados
Reino animal   invertebradosReino animal   invertebrados
Reino animal invertebrados
Caroline Angeli Sancio
 
Parte II Reino Animal - vermes
Parte II   Reino Animal - vermesParte II   Reino Animal - vermes
Parte II Reino Animal - vermes
Ribeirocan
 
Parte II Reino animal - Vermes
Parte II   Reino animal - VermesParte II   Reino animal - Vermes
Parte II Reino animal - Vermes
Ribeirocan
 
Platyhelminthes
PlatyhelminthesPlatyhelminthes
Platyhelminthes
Marcos Santos
 
Plano de aula 10
Plano de aula 10Plano de aula 10
Plano de aula 10
familiaestagio
 
Platelmintos+Nematodeos+Moluscos+Anelideos
Platelmintos+Nematodeos+Moluscos+AnelideosPlatelmintos+Nematodeos+Moluscos+Anelideos
Platelmintos+Nematodeos+Moluscos+Anelideos
Vitor Maciel
 
Animais invertebrados (mazza)
Animais invertebrados (mazza)Animais invertebrados (mazza)
Animais invertebrados (mazza)
Romualdo Caetano Barros
 
Platelmintos & Nematódeos
Platelmintos & NematódeosPlatelmintos & Nematódeos
Platelmintos & Nematódeos
Leandro Mota
 
principais verminoses dos seres humanos.pptx
principais verminoses dos seres humanos.pptxprincipais verminoses dos seres humanos.pptx
principais verminoses dos seres humanos.pptx
AdrianoCosta696471
 
Reino animal
Reino animalReino animal
Reino animal
aulasdotubao
 
Filo Platyhelminthes - Platelmintos
Filo Platyhelminthes - PlatelmintosFilo Platyhelminthes - Platelmintos
Filo Platyhelminthes - Platelmintos
Carla Brígida
 
Invertebrados platelmintos e nematelmintos
Invertebrados   platelmintos e nematelmintosInvertebrados   platelmintos e nematelmintos
Invertebrados platelmintos e nematelmintos
NAPNE
 
Slides de ciencias sobre Reino Animal pdf
Slides de ciencias sobre Reino Animal pdfSlides de ciencias sobre Reino Animal pdf
Slides de ciencias sobre Reino Animal pdf
edicleia gois
 
Amarelão
AmarelãoAmarelão
Amarelão
3a2011
 
Bloco_17_e_18_Platelmintos_e_Nematelmintos.ppt
Bloco_17_e_18_Platelmintos_e_Nematelmintos.pptBloco_17_e_18_Platelmintos_e_Nematelmintos.ppt
Bloco_17_e_18_Platelmintos_e_Nematelmintos.ppt
PatriciaZanoli
 
Poriferos
PoriferosPoriferos
Poriferos
eebniltonkucker
 

Semelhante a Principais verminoses humanas (20)

Aula invertebrados
Aula invertebradosAula invertebrados
Aula invertebrados
 
Zoo 1 de poríferos a nematelmintos
Zoo 1    de poríferos a nematelmintosZoo 1    de poríferos a nematelmintos
Zoo 1 de poríferos a nematelmintos
 
Filo platelminto
Filo platelmintoFilo platelminto
Filo platelminto
 
Reino animalia (metazoa)
Reino animalia (metazoa)Reino animalia (metazoa)
Reino animalia (metazoa)
 
Reino animal invertebrados
Reino animal   invertebradosReino animal   invertebrados
Reino animal invertebrados
 
Parte II Reino Animal - vermes
Parte II   Reino Animal - vermesParte II   Reino Animal - vermes
Parte II Reino Animal - vermes
 
Parte II Reino animal - Vermes
Parte II   Reino animal - VermesParte II   Reino animal - Vermes
Parte II Reino animal - Vermes
 
Platyhelminthes
PlatyhelminthesPlatyhelminthes
Platyhelminthes
 
Plano de aula 10
Plano de aula 10Plano de aula 10
Plano de aula 10
 
Platelmintos+Nematodeos+Moluscos+Anelideos
Platelmintos+Nematodeos+Moluscos+AnelideosPlatelmintos+Nematodeos+Moluscos+Anelideos
Platelmintos+Nematodeos+Moluscos+Anelideos
 
Animais invertebrados (mazza)
Animais invertebrados (mazza)Animais invertebrados (mazza)
Animais invertebrados (mazza)
 
Platelmintos & Nematódeos
Platelmintos & NematódeosPlatelmintos & Nematódeos
Platelmintos & Nematódeos
 
principais verminoses dos seres humanos.pptx
principais verminoses dos seres humanos.pptxprincipais verminoses dos seres humanos.pptx
principais verminoses dos seres humanos.pptx
 
Reino animal
Reino animalReino animal
Reino animal
 
Filo Platyhelminthes - Platelmintos
Filo Platyhelminthes - PlatelmintosFilo Platyhelminthes - Platelmintos
Filo Platyhelminthes - Platelmintos
 
Invertebrados platelmintos e nematelmintos
Invertebrados   platelmintos e nematelmintosInvertebrados   platelmintos e nematelmintos
Invertebrados platelmintos e nematelmintos
 
Slides de ciencias sobre Reino Animal pdf
Slides de ciencias sobre Reino Animal pdfSlides de ciencias sobre Reino Animal pdf
Slides de ciencias sobre Reino Animal pdf
 
Amarelão
AmarelãoAmarelão
Amarelão
 
Bloco_17_e_18_Platelmintos_e_Nematelmintos.ppt
Bloco_17_e_18_Platelmintos_e_Nematelmintos.pptBloco_17_e_18_Platelmintos_e_Nematelmintos.ppt
Bloco_17_e_18_Platelmintos_e_Nematelmintos.ppt
 
Poriferos
PoriferosPoriferos
Poriferos
 

Mais de Marcos Santos

Orientações para trabalho científico escolar
Orientações para trabalho científico escolarOrientações para trabalho científico escolar
Orientações para trabalho científico escolar
Marcos Santos
 
Spaece 2015 aula 1 terra e universo e vida e ambiente
Spaece 2015 aula 1 terra e universo e vida e ambienteSpaece 2015 aula 1 terra e universo e vida e ambiente
Spaece 2015 aula 1 terra e universo e vida e ambiente
Marcos Santos
 
150 anos de paróquia caminhando com a juventude
150 anos de paróquia caminhando com a juventude150 anos de paróquia caminhando com a juventude
150 anos de paróquia caminhando com a juventude
Marcos Santos
 
Moluscos e anelídeos
Moluscos e anelídeosMoluscos e anelídeos
Moluscos e anelídeos
Marcos Santos
 
Conceitos em ecologia e ecossistemas
Conceitos em ecologia e ecossistemasConceitos em ecologia e ecossistemas
Conceitos em ecologia e ecossistemas
Marcos Santos
 
Bactérias simples
Bactérias simplesBactérias simples
Bactérias simples
Marcos Santos
 
Angiospermas Prof. Marcos Santos
Angiospermas Prof. Marcos SantosAngiospermas Prof. Marcos Santos
Angiospermas Prof. Marcos Santos
Marcos Santos
 
Mamíferos 2º ano
Mamíferos 2º anoMamíferos 2º ano
Mamíferos 2º ano
Marcos Santos
 
Revisão 1º ano 2013.2
Revisão 1º ano 2013.2Revisão 1º ano 2013.2
Revisão 1º ano 2013.2
Marcos Santos
 
Revisão 2º ano - 4º PERÍODO - 2013
Revisão 2º ano - 4º PERÍODO - 2013Revisão 2º ano - 4º PERÍODO - 2013
Revisão 2º ano - 4º PERÍODO - 2013
Marcos Santos
 
áLbum de fotografias 1º a
áLbum de fotografias 1º aáLbum de fotografias 1º a
áLbum de fotografias 1º a
Marcos Santos
 
Fungos 2º ano
Fungos 2º anoFungos 2º ano
Fungos 2º ano
Marcos Santos
 
Algas aula
Algas aulaAlgas aula
Algas aula
Marcos Santos
 
Biologia introdução
Biologia introduçãoBiologia introdução
Biologia introdução
Marcos Santos
 

Mais de Marcos Santos (15)

Orientações para trabalho científico escolar
Orientações para trabalho científico escolarOrientações para trabalho científico escolar
Orientações para trabalho científico escolar
 
Spaece 2015 aula 1 terra e universo e vida e ambiente
Spaece 2015 aula 1 terra e universo e vida e ambienteSpaece 2015 aula 1 terra e universo e vida e ambiente
Spaece 2015 aula 1 terra e universo e vida e ambiente
 
150 anos de paróquia caminhando com a juventude
150 anos de paróquia caminhando com a juventude150 anos de paróquia caminhando com a juventude
150 anos de paróquia caminhando com a juventude
 
Moluscos e anelídeos
Moluscos e anelídeosMoluscos e anelídeos
Moluscos e anelídeos
 
Conceitos em ecologia e ecossistemas
Conceitos em ecologia e ecossistemasConceitos em ecologia e ecossistemas
Conceitos em ecologia e ecossistemas
 
Viroses
VirosesViroses
Viroses
 
Bactérias simples
Bactérias simplesBactérias simples
Bactérias simples
 
Angiospermas Prof. Marcos Santos
Angiospermas Prof. Marcos SantosAngiospermas Prof. Marcos Santos
Angiospermas Prof. Marcos Santos
 
Mamíferos 2º ano
Mamíferos 2º anoMamíferos 2º ano
Mamíferos 2º ano
 
Revisão 1º ano 2013.2
Revisão 1º ano 2013.2Revisão 1º ano 2013.2
Revisão 1º ano 2013.2
 
Revisão 2º ano - 4º PERÍODO - 2013
Revisão 2º ano - 4º PERÍODO - 2013Revisão 2º ano - 4º PERÍODO - 2013
Revisão 2º ano - 4º PERÍODO - 2013
 
áLbum de fotografias 1º a
áLbum de fotografias 1º aáLbum de fotografias 1º a
áLbum de fotografias 1º a
 
Fungos 2º ano
Fungos 2º anoFungos 2º ano
Fungos 2º ano
 
Algas aula
Algas aulaAlgas aula
Algas aula
 
Biologia introdução
Biologia introduçãoBiologia introdução
Biologia introdução
 

Último

Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa CivilSeminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
EduardoLealSilva
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
mozalgebrista
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.pptNR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
Vanessa F. Rezende
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Falcão Brasil
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFVRegistros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Yan Kayk da Cruz Ferreira
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
Mary Alvarenga
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CristviaFerreira
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 

Último (20)

Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa CivilSeminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.pptNR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFVRegistros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 

Principais verminoses humanas

  • 1. Rumo à universidade Prof. Marcos Antônio
  • 2. Vermes de corpo achatado
  • 3.  PLATY= CHATO, ACHATADO  HELMINTHOS= VERMES  Cerca de 20 mil espécies;  Aproximadamente 20% são parasitas;  Simetria bilateral;  Triblásticos;  Sistema digestório incompleto-boca, cavidade gastrovascular e excreção por células-flamas; Características básicas
  • 4. Classe Turbelária  Espécies de vida livre  A maioria é marinha, mas há espécies dulcícolas e terrestres  Ex: planária Classificação dos Platelmintos Classe Trematoda  Espécies ectoparasitas e endoparasitas  A maioria possui ventosas para fixação  Ex: esquistossomo Classe Cestoda  Espécies endoparasitas intestinais  Não possuem cavidade digestiva e se alimentam dos nutrientes do hospedeiro  Ex: tênias
  • 6. Reprodução da Planária  Assexuada:  regeneração (fragmentação espontânea)
  • 7. Classe Trematoda (trematódeos): . Ex.: Esquistossomo (Schistossoma mansoni). . Ectoparasita causador da esquistossomose ou barriga-d’água. . Dióicos com dimorfismo sexual. fêmea macho Ovo do esquistossomo
  • 8. Schistosoma mansoni Ventosa Oral Ventosa Ventral ♀ ♂ ♂ ♀ – Formato Raro: “Cilíndrico”• Classe Trematoda
  • 9. Schistosoma mansoni – causador da esquistossomose (“barriga d’água”) Esquistossomose
  • 11. Classe Cestoda (cestódeos): . Ex.: Tênias ou solitárias Taenia solium e Taenia saginata. . Sistema digestório ausente/endoparasitas. . Monóicas com autofecundação. . cabeça + estróbilo (muitos proglotes).
  • 13. Teníase a) Agente Etiológico: Taenia solium e Taenia saginata. b) Hospedeiro intermediário: o porco na Taenia solium e o boi na Taenia saginata. c) Hospedeiro definitivo: o homem. 1. Eliminação das proglótides gravídicas e ovos pelas fezes do homem. 2. Ingestão das fezes contaminadas pelo porco e boi. No intestino dos hospedeiros intermediários os ovos liberam larvas com 6 espinhos – as Oncosferas ou Hexacantas. 3. As Oncosferas perfuram o intestino do porco ou boi, atingem a circulação sangüínea e se instalam na musculatura do animal.
  • 14. 4. Nos músculos se modificam, constituindo os Cisticercos, os quais têm forma esférica contendo líquido e um Escólex invertido no seu interior. 5. Ingestão da carne de porco ou boi mal cozidas, contendo Cisticercos pelo homem. 6. No homem, os Cisticercos atingem o intestino, o Escólex se torna extrovertido e fixa-se à parede intestinal, originando o verme adulto.
  • 16. Cisticercose  Doença não transmissível, de extrema gravidade, decorrente da ingestão do ovo embrionado da tênia, pelo homem.  O cisticerco se aloja na musculatura, cérebro, pulmão e globo ocular do homem.  Quando o homem esporadicamente ingere o ovo embrionado, este evolui até a forma de cisticerco, porém no mesmo hospedeiro, nunca se desenvolverá até a forma adulta.
  • 17. Memorize 1. Teníase: ingestão do cisticerco na carne contaminada do porco ou boi, pelo homem. Evolução do cisticerco para o verme adulto. 2. Cisticercose: ingestão esporádica do ovo embrionado, geralmente contido em vegetais contaminados, pelo homem. O ovo evolui até cisticerco, mas nunca chega a forma adulta do verme.
  • 18. Vermes de corpo cilíndrico
  • 19. Nematelmintos ou Asquelmintos “verme fio” “verme saco”  Lombriga, ancilóstomo e filária.  Cerca de 90.000 espécies. Talvez 10 vezes mais?  Encontrados na água, no solo e como parasitas de animais e vegetais. Uma colher de solo fértil chega a conter milhões de nematelmintos.  Corpo cilíndrico, com extremidades afiladas e não segmentado.  Simetria bilateral.
  • 20. Novidade evolutiva  Pseudoceloma.  Sistema digestório completo (boca e ânus).  Curiosidade: nenhum de seus representantes possui células com cílios ou flagelos. Nem mesmo o espermatozoide, que se locomove por meio de pseudópodes.
  • 22.  Causador – Ascaris lumbricoides ( lombriga)  Considerada a parasitose mais prevalente no mundo Ascaridíase
  • 23. Sintomas  Ação espoliadora, subnutrição;  Urticária, convulsões, reações alérgicas;  Obstrução intestinal;  Desconforto abdominal;  Infecção pulmonar, tosse e febre.
  • 25. ANCILOSTOMIASE OU AMARELÃO Ancylostoma duodenale Necator americanus OMS + 1,3 bilhão de pessoas no planeta, 65 mil óbitos (anemia) Regiões tropicais e subtropicais Monteiro Lobato - personagem Jeca Tatu 4 a 3 mil ovos/dia (fêmea)  larvas infectantes Água ou alimentos contaminados Verduras mal lavadas Dentes fixadores
  • 26.  Anemia devido à espoliação sanguínea.  Dermatites.  Dor abdominal Sintomas
  • 27. Elefantíase ou Filariose  Causador – Wuchereria bancrofti  Transmissor – mosquito Culex  120 milhões de infectados
  • 28.  Hipertrofia de membros superiores, membros inferiores, mamas e testículos. Sintomas