SlideShare uma empresa Scribd logo
Giardia lamblia Prof° Marcos Gontijo da Silva
OBJETIVO :    Estudar  a  classificação,  morfologia, biologia, ações patogênicas, diagnóstico, epidemiologia,  profilaxia  e tratamento.
Giardia lamblia Classificação Filo     Sarcomastigophora Ordem     Diplomonadida Família     Hexamitidae Gênero     Giardia Espécie     Giardia lamblia
Giardia lamblia Giardia lamblia:  Giardia duodenalis, Giardia intestinalis Lamblia intestinalis É encontrada em todo o mundo, mas parece incidir mais em regiões  de clima temperado e em zonas tropicais.  A incidência aumenta, nas crianças,  até  a puberdade  e cai  depois para taxas muito menores.  Além do homem,  parasita  animais domésticos (cães e gatos) e  diversos animais silvestres,  aves e répteis  ( reservatórios).  Na água os cistos podem conservar sua vitalidade durante dois meses ou mais.
Giardia lamblia MORFOLOGIA    Trofozoíto    Cisto
Giardia lamblia  - dois cistos em fezes     Giardia lamblia -  trofozoítos corados por técnicas diferentes.
Giardia lamblia HÁBITAT    Intestino delgado    Duodeno e jejuno
Giardia lamblia REPRODUÇÃO    Divisão binária longitudinal CICLO BIOLÓGICO    Tipo monoxênico
Giardia lamblia
Giardia lamblia TRANSMISSÃO    Ingestão  de  cistos  maduros  presentes  na água e alimentos  (verduras  cruas  e frutas mal  lavadas ou alimentos  contaminados  por  moscas  ou  baratas (patas).    Locais de aglomeração humana (creches, orfanatos, enfermarias pediátricas, etc.). De pessoa a pessoa. Por contato com animais domésticos infectados. Através de contatos homossexuais.
Giardia lamblia PERÍODO DE INCUBAÇÃO : Nos casos sintomáticos, o período  de incubação costuma ser de 1 a 3 semanas, mas pode prolongar-se até seis semanas.
Giardia lamblia PATOGENIA  ( maior susseptibilidade :  menores de 5 anos, pacientes com hipogamaglobulinemia e deficiência de IgA).    Lesão da mucosa (atapetamento)    sindrome de má absorção     B12, A, D, E, K, Ferro, gorduras, etc.     Diarréia com esteatorréia    A maioria assintomática    Quando sintomática      Desconforto abdominal, cólicas, inflamação catarral do duodeno, diarréia aquosa com odor fétido
Giardia lamblia DIAGNÓSTICO    Clínico Crianças de 8 meses a 10-12 anos    Diarréia com esteatorréia    Irritabilidade, insônia    Nâuseas e vômitos, dor abdominal    Anorexia, perda de peso * Adultos     maioria assintomáticos
Giardia lamblia    LABORATORIAL    PARASITOLÓGICO *  Direto     Faust, Hematoxilina  férrica, etc.    IMUNOLÓGICO *  Elisa, Imunofluorescência indireta,  Imunocromatografia de fase sólida.
Giardia lamblia EPIDEMIOLOGIA    É encontrada em todo o mundo, com alta prevalência em  crianças de 1 a 12 anos (com maior incidência até 3 anos), principalmente as de baixo nível sócio-econômico;    Água adquire grande importância como veículo de transmissão;    Cistos de grande resistência;    Frequentemente encontrada em ambientes coletivos  (creches, orfanatos, enfermarias, domicílios, etc.);    Portadores assintomáticos (manipuladores de alimentos);    Cistos são disseminados por ventos (poeira) e por moscas (podem veicular cistos a longas distâncias – mais de 5 Km);
Giardia lamblia PROFILAXIA *  Ligada a educação e engenharia sanitária *  Higiene pessoal *  Proteção dos alimentos *  Ampliação dos serviços de água e esgoto  domiciliar *  Tratamento dos assintomáticos positivos
Giardia lamblia VACINA:     A vacina contra a  Giardia lamblia   para uso em humanos está bastante adiantada porém em fase de pesquisa. Já  contra  a giardíase canina foi lançada recentemente (2002) a Giardia Vax (vacina inativada), muito segura e eficaz.
Giardia lamblia    TRATAMENTO *  Metronidazol *  Tinidazol *  Ordidazol *  Secnidazol *  Albendazol (400mg/dia - 5 dias) crianças acima de 2 anos
Giardia lamblia METRONIDAZOL (Flagil)     15 a 20 mg/kg durante 7 a 10 dias consecutivos, para  crianças, via oral. A dose para adultos é de 250mg, 2 vezes ao dia .
Giardia lamblia Tinidazol (Fasygin)     Dose única de 2g para  adulto e 1 g para  crianças,  sob a  forma líquida;  este produto também é apresentado sob a forma de supusitórios, com bons  resultados; deve-se repetir a dose uma semana depois.
Giardia lamblia FURAZOLIDONA (Giarlan)     8 A 10mg por  kg  de  peso  por  dia (máximo de 400  mg/dia)  durante  7  dias,  para crianças. Para adultos, a dose é 400mg em 24 horas, em 2 ou 4 vezes por  dia, durante 7 dias.
Giardia lamblia SECNIDAZOL(Secnidal)     A dose para adultos é de 2g, em dose única de  4 comprimidos, de preferência à noite tomados  em  uma  das  refeições. Crianças com menos de 5 anos:  125mg, duas vezes em 24 horas, por 5 dias.
CASO CLÍNICO Paciente R.S.C., mestiça, 1 ano de idade, apresentando um quadro  clínico de desnutrição, diarréia com esteatorréia, dor abdominal, anorexia, perda de peso. Mãe  leva  a  criança  para a consulta com um pediátra em um Posto de Saúde do P.S.F. Relatou morar em uma casa de taipa,  com  3  cômodos,  na  periferia  de  Sobral, com 10 ocupantes, casa sem banheiro, piso de terra, sem  tratamento dos dejetos, alimentos expostos, o lixo é jogado a ceu aberto, sem esgôto.  A  água  para  consumo era obtida de um poço próximo de sua casa. Condições  sócio-econômicas:  renda  familiar  menos  de  1 salário mínimo, alimentação deficiente.
01)  Explique  por  que  é  alta  a  incidência  de  infecção por  Giardia lamblia  em crianças de até 3 anos ? 02) Qual a relação entre a presença de moscas  e  baratas  na  transmissão da  giardíase ? 03) Como a carência nutricional poderá influir na prevalência da giardíase ? 04) Qual a influência da água e alimentos crus na transmissão da giardíase ? 05)  Relacione os principais meios profiláticos para a giardíase. 06)  Paciente adulto, assintomático, com exame positivo para Giardíase, deverá ser tratado ?  Explique por que ?
Trichomonas vaginales
Causa a doença – Tricomoníase  Não apresenta forma cística Trofozoíto forma infectante  São anaeróbios
Transmissão Contato sexual; Parto – 5 % dos casos; Moças virgens – Fômites, piscinas, toalete, vasos sanitários;
Trichomonas vaginalis -  trofozoítos.
Patogenia e sinais e sintomas Infecta somente o trato urogenital; Em mulheres; Assintomático Sintomáticos – Influência da flora normal; O período de incubação varia de 3 a 20 dias; Infecta primariamente o epitélio do trato genital; Corrimento aquoso, esverdeado com odor fétido; Leucócitos, piócitos, parasita; Irritação, coceira; Desconforto nos genitais (Dispareunia de intróito; Dor ao urinar (Disúria); Freqüência miccional (polaciúria); Podem apresentar pontos hemorrágicos;
Em homens Assintomáticos; Podem apresentar uretrite com fluxo leitoso, desconforto ao urinar, prostatite;  Patogenia e sinais e sintomas
Imunidade Não possui imunidade permanente; Os títulos de anticorpos desaparecem em 6 meses; IgG - infecção crônica; IgA – Diminui ligeiramente;
Diagnóstico Parasitológico (exame microscópico de esfregaços) No homem – Coleta da secreção uretral ou sêmen; Mulher – Não deve realizar higiene vaginal entre o período de 18 a 24 horas; Não deve fazer uso de medicamentos tricomonicidas (geléias e cremes) Imunológicos Elisa – Em casos assintomáticos
Epidemiologia Maior prevalência entre grupos socioeconômicos baixos; O organismo não apresenta forma cística – suscetível a dessecação e altas temperaturas; O parasita pode sobreviver na urina por 3 horas; 6 horas no sêmen; 24 horas em toalhas molhadas; Mais freqüente em mulheres;
Profilaxia As mesmas para as doenças sexualmente transmissíveis; Diagnóstico precoce; Triagem de mulheres sexualmente ativas.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Leishmaniose
LeishmanioseLeishmaniose
Leishmaniose
Caroline Landim
 
Plasmodium
PlasmodiumPlasmodium
Plasmodium
WAGNER OLIVEIRA
 
Aula n° 4 leishmaniose
Aula n° 4   leishmanioseAula n° 4   leishmaniose
Aula n° 4 leishmaniose
Gildo Crispim
 
Tricomoníase - Parasitologia
Tricomoníase - ParasitologiaTricomoníase - Parasitologia
Tricomoníase - Parasitologia
Talita Oliveira
 
Parasitologia: Amebíase
Parasitologia: AmebíaseParasitologia: Amebíase
Parasitologia: Amebíase
Gustavo Ribeiro De Almeida Alves
 
Trichuris trichiura - PDF/PPT
Trichuris trichiura - PDF/PPTTrichuris trichiura - PDF/PPT
Trichuris trichiura - PDF/PPT
Guellity Marcel
 
Toxoplasmose
ToxoplasmoseToxoplasmose
Toxoplasmose
Priscyla Karla
 
Aula 6 Teniase E Cisticercose
Aula 6   Teniase E CisticercoseAula 6   Teniase E Cisticercose
Aula 6 Teniase E Cisticercose
ITPAC PORTO
 
Trichuris trichiura
Trichuris trichiuraTrichuris trichiura
Trichuris trichiura
Fernanda Marinho
 
Aula de enterobius vermicularis
Aula de  enterobius vermicularisAula de  enterobius vermicularis
Aula de enterobius vermicularis
Rossana Martins
 
Introdução a Parasitologia
Introdução a ParasitologiaIntrodução a Parasitologia
Introdução a Parasitologia
Safia Naser
 
Parasitologia - Tricomonas
Parasitologia - TricomonasParasitologia - Tricomonas
Parasitologia - Tricomonas
pHrOzEn HeLL
 
Ancilostomose
AncilostomoseAncilostomose
Ancilostomose
crishmuler
 
Toxoplasmose
ToxoplasmoseToxoplasmose
Toxoplasmose
Fêe Oliveira
 
Leishmaniose tegumentar e visceral
Leishmaniose tegumentar e visceral Leishmaniose tegumentar e visceral
Leishmaniose tegumentar e visceral
Lauriete Damaris Jesus Freitas
 
Leishmaniose
LeishmanioseLeishmaniose
Leishmaniose
Ediones Costa
 
Seminário sobre Helmintos
Seminário sobre HelmintosSeminário sobre Helmintos
Seminário sobre Helmintos
Ágatha Mayara
 
AMEBIASE E GIARDIASE (AULA 1).ppt
AMEBIASE E GIARDIASE (AULA 1).pptAMEBIASE E GIARDIASE (AULA 1).ppt
AMEBIASE E GIARDIASE (AULA 1).ppt
dirleyvalderez1
 
Giardíase
GiardíaseGiardíase
Giardíase
bfcamolesi13
 
Strongyloides stercoralis
Strongyloides stercoralisStrongyloides stercoralis
Strongyloides stercoralis
Beatriz Henkels
 

Mais procurados (20)

Leishmaniose
LeishmanioseLeishmaniose
Leishmaniose
 
Plasmodium
PlasmodiumPlasmodium
Plasmodium
 
Aula n° 4 leishmaniose
Aula n° 4   leishmanioseAula n° 4   leishmaniose
Aula n° 4 leishmaniose
 
Tricomoníase - Parasitologia
Tricomoníase - ParasitologiaTricomoníase - Parasitologia
Tricomoníase - Parasitologia
 
Parasitologia: Amebíase
Parasitologia: AmebíaseParasitologia: Amebíase
Parasitologia: Amebíase
 
Trichuris trichiura - PDF/PPT
Trichuris trichiura - PDF/PPTTrichuris trichiura - PDF/PPT
Trichuris trichiura - PDF/PPT
 
Toxoplasmose
ToxoplasmoseToxoplasmose
Toxoplasmose
 
Aula 6 Teniase E Cisticercose
Aula 6   Teniase E CisticercoseAula 6   Teniase E Cisticercose
Aula 6 Teniase E Cisticercose
 
Trichuris trichiura
Trichuris trichiuraTrichuris trichiura
Trichuris trichiura
 
Aula de enterobius vermicularis
Aula de  enterobius vermicularisAula de  enterobius vermicularis
Aula de enterobius vermicularis
 
Introdução a Parasitologia
Introdução a ParasitologiaIntrodução a Parasitologia
Introdução a Parasitologia
 
Parasitologia - Tricomonas
Parasitologia - TricomonasParasitologia - Tricomonas
Parasitologia - Tricomonas
 
Ancilostomose
AncilostomoseAncilostomose
Ancilostomose
 
Toxoplasmose
ToxoplasmoseToxoplasmose
Toxoplasmose
 
Leishmaniose tegumentar e visceral
Leishmaniose tegumentar e visceral Leishmaniose tegumentar e visceral
Leishmaniose tegumentar e visceral
 
Leishmaniose
LeishmanioseLeishmaniose
Leishmaniose
 
Seminário sobre Helmintos
Seminário sobre HelmintosSeminário sobre Helmintos
Seminário sobre Helmintos
 
AMEBIASE E GIARDIASE (AULA 1).ppt
AMEBIASE E GIARDIASE (AULA 1).pptAMEBIASE E GIARDIASE (AULA 1).ppt
AMEBIASE E GIARDIASE (AULA 1).ppt
 
Giardíase
GiardíaseGiardíase
Giardíase
 
Strongyloides stercoralis
Strongyloides stercoralisStrongyloides stercoralis
Strongyloides stercoralis
 

Destaque

Moral etica e bioetica
Moral etica e bioeticaMoral etica e bioetica
Moral etica e bioetica
Susana Cardoso
 
Estado De Enfermedad
Estado De EnfermedadEstado De Enfermedad
Estado De Enfermedad
ayquinax
 
Proceso infecciooso
Proceso infeccioosoProceso infecciooso
Proceso infecciooso
Erika Lm
 
Giardiasis
GiardiasisGiardiasis
Giardiasis
Jhonatan Osorio
 
Cadena epidemiológica e historia natural de la giardiasis (dr.pablo)
Cadena epidemiológica e historia natural de la giardiasis (dr.pablo)Cadena epidemiológica e historia natural de la giardiasis (dr.pablo)
Cadena epidemiológica e historia natural de la giardiasis (dr.pablo)
programaadolescente
 
Infecciones parasitarias en niños
Infecciones parasitarias en niñosInfecciones parasitarias en niños
Infecciones parasitarias en niños
Nancy Ortiz Ruiz
 
Giardiasis
GiardiasisGiardiasis
Giardia lamblia ii periodo 2012 (i parcial)
Giardia lamblia ii periodo 2012 (i parcial)Giardia lamblia ii periodo 2012 (i parcial)
Giardia lamblia ii periodo 2012 (i parcial)
University Harvard
 
Giardia lamblia microbiologia
Giardia lamblia microbiologiaGiardia lamblia microbiologia
Giardia lamblia microbiologia
Arturo Lozano Valadez
 
17. giardia lamblia
17. giardia lamblia17. giardia lamblia
17. giardia lamblia
Lizz Santiago
 
Caso clínico de Giardia
Caso clínico de GiardiaCaso clínico de Giardia
Caso clínico de Giardia
Diana Sánchez
 
1 proceso infeccioso
1 proceso infeccioso 1 proceso infeccioso
1 proceso infeccioso
Tania Acevedo-Villar
 
Parasitosis intestinales
Parasitosis intestinalesParasitosis intestinales
Parasitosis intestinales
Dra. Claudia Rodriguez
 

Destaque (13)

Moral etica e bioetica
Moral etica e bioeticaMoral etica e bioetica
Moral etica e bioetica
 
Estado De Enfermedad
Estado De EnfermedadEstado De Enfermedad
Estado De Enfermedad
 
Proceso infecciooso
Proceso infeccioosoProceso infecciooso
Proceso infecciooso
 
Giardiasis
GiardiasisGiardiasis
Giardiasis
 
Cadena epidemiológica e historia natural de la giardiasis (dr.pablo)
Cadena epidemiológica e historia natural de la giardiasis (dr.pablo)Cadena epidemiológica e historia natural de la giardiasis (dr.pablo)
Cadena epidemiológica e historia natural de la giardiasis (dr.pablo)
 
Infecciones parasitarias en niños
Infecciones parasitarias en niñosInfecciones parasitarias en niños
Infecciones parasitarias en niños
 
Giardiasis
GiardiasisGiardiasis
Giardiasis
 
Giardia lamblia ii periodo 2012 (i parcial)
Giardia lamblia ii periodo 2012 (i parcial)Giardia lamblia ii periodo 2012 (i parcial)
Giardia lamblia ii periodo 2012 (i parcial)
 
Giardia lamblia microbiologia
Giardia lamblia microbiologiaGiardia lamblia microbiologia
Giardia lamblia microbiologia
 
17. giardia lamblia
17. giardia lamblia17. giardia lamblia
17. giardia lamblia
 
Caso clínico de Giardia
Caso clínico de GiardiaCaso clínico de Giardia
Caso clínico de Giardia
 
1 proceso infeccioso
1 proceso infeccioso 1 proceso infeccioso
1 proceso infeccioso
 
Parasitosis intestinales
Parasitosis intestinalesParasitosis intestinales
Parasitosis intestinales
 

Semelhante a Aula 3 Giardia Lamblia

Aula 02. Giardíase.pdf
Aula 02. Giardíase.pdfAula 02. Giardíase.pdf
Aula 02. Giardíase.pdf
Unicesumar
 
Parasitoses
ParasitosesParasitoses
Parasitoses
salgadokk
 
Helmintos-2014.pdf
Helmintos-2014.pdfHelmintos-2014.pdf
Helmintos-2014.pdf
Arielle Freitas
 
Apresentação 2
Apresentação 2Apresentação 2
Apresentação 2
Luciano Sousa
 
Leptospirose
LeptospiroseLeptospirose
Leptospirose
Nathy Oliveira
 
Leptospirose
LeptospiroseLeptospirose
Leptospirose
Nathy Oliveira
 
Curso de bacharelado em enfermagem
Curso de bacharelado em enfermagemCurso de bacharelado em enfermagem
Curso de bacharelado em enfermagem
Nathy Oliveira
 
Aula 5 Ancylostomidae E Larva Migrans Cutanea
Aula 5   Ancylostomidae E Larva Migrans CutaneaAula 5   Ancylostomidae E Larva Migrans Cutanea
Aula 5 Ancylostomidae E Larva Migrans Cutanea
ITPAC PORTO
 
Resumo parasitoses e diarreia aguda
Resumo parasitoses e diarreia agudaResumo parasitoses e diarreia aguda
Resumo parasitoses e diarreia aguda
Lívia Zadra
 
Doenças diarréicas agudas
Doenças diarréicas agudasDoenças diarréicas agudas
Doenças diarréicas agudas
gisa_legal
 
parasitoses
parasitosesparasitoses
parasitoses
Tedson Murillo
 
Amebíase e toxoplasmose
Amebíase e toxoplasmoseAmebíase e toxoplasmose
Amebíase e toxoplasmose
Murderdoll_Natty
 
Sobre Gíardia lamblia e seus tipos por Armando Gaspar
Sobre Gíardia lamblia e seus tipos por Armando GasparSobre Gíardia lamblia e seus tipos por Armando Gaspar
Sobre Gíardia lamblia e seus tipos por Armando Gaspar
Armando Gaspar
 
Gíardia lamblia
Gíardia lambliaGíardia lamblia
Gíardia lamblia
Armando Gaspar
 
Centro de educação profissional - CEL
Centro de educação profissional - CELCentro de educação profissional - CEL
Centro de educação profissional - CEL
Jandresson Soares de Araújo
 
Seminário Parasito das Cavidades - ATIVIDADE 5 - Modelo.pptx
Seminário Parasito das Cavidades - ATIVIDADE 5 - Modelo.pptxSeminário Parasito das Cavidades - ATIVIDADE 5 - Modelo.pptx
Seminário Parasito das Cavidades - ATIVIDADE 5 - Modelo.pptx
MateusGonalves85
 
Cartilha Giardíase.pptx
Cartilha Giardíase.pptxCartilha Giardíase.pptx
Cartilha Giardíase.pptx
PedroHenriqueUchoaPe
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
ProfDeboraCursinho
 
Saneamento
SaneamentoSaneamento
Saneamento
Adriano Antonholi
 
Giardiase e parasitozes em forma geraler
Giardiase e parasitozes em forma geralerGiardiase e parasitozes em forma geraler
Giardiase e parasitozes em forma geraler
thiago barbosa da silva
 

Semelhante a Aula 3 Giardia Lamblia (20)

Aula 02. Giardíase.pdf
Aula 02. Giardíase.pdfAula 02. Giardíase.pdf
Aula 02. Giardíase.pdf
 
Parasitoses
ParasitosesParasitoses
Parasitoses
 
Helmintos-2014.pdf
Helmintos-2014.pdfHelmintos-2014.pdf
Helmintos-2014.pdf
 
Apresentação 2
Apresentação 2Apresentação 2
Apresentação 2
 
Leptospirose
LeptospiroseLeptospirose
Leptospirose
 
Leptospirose
LeptospiroseLeptospirose
Leptospirose
 
Curso de bacharelado em enfermagem
Curso de bacharelado em enfermagemCurso de bacharelado em enfermagem
Curso de bacharelado em enfermagem
 
Aula 5 Ancylostomidae E Larva Migrans Cutanea
Aula 5   Ancylostomidae E Larva Migrans CutaneaAula 5   Ancylostomidae E Larva Migrans Cutanea
Aula 5 Ancylostomidae E Larva Migrans Cutanea
 
Resumo parasitoses e diarreia aguda
Resumo parasitoses e diarreia agudaResumo parasitoses e diarreia aguda
Resumo parasitoses e diarreia aguda
 
Doenças diarréicas agudas
Doenças diarréicas agudasDoenças diarréicas agudas
Doenças diarréicas agudas
 
parasitoses
parasitosesparasitoses
parasitoses
 
Amebíase e toxoplasmose
Amebíase e toxoplasmoseAmebíase e toxoplasmose
Amebíase e toxoplasmose
 
Sobre Gíardia lamblia e seus tipos por Armando Gaspar
Sobre Gíardia lamblia e seus tipos por Armando GasparSobre Gíardia lamblia e seus tipos por Armando Gaspar
Sobre Gíardia lamblia e seus tipos por Armando Gaspar
 
Gíardia lamblia
Gíardia lambliaGíardia lamblia
Gíardia lamblia
 
Centro de educação profissional - CEL
Centro de educação profissional - CELCentro de educação profissional - CEL
Centro de educação profissional - CEL
 
Seminário Parasito das Cavidades - ATIVIDADE 5 - Modelo.pptx
Seminário Parasito das Cavidades - ATIVIDADE 5 - Modelo.pptxSeminário Parasito das Cavidades - ATIVIDADE 5 - Modelo.pptx
Seminário Parasito das Cavidades - ATIVIDADE 5 - Modelo.pptx
 
Cartilha Giardíase.pptx
Cartilha Giardíase.pptxCartilha Giardíase.pptx
Cartilha Giardíase.pptx
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
 
Saneamento
SaneamentoSaneamento
Saneamento
 
Giardiase e parasitozes em forma geraler
Giardiase e parasitozes em forma geralerGiardiase e parasitozes em forma geraler
Giardiase e parasitozes em forma geraler
 

Mais de ITPAC PORTO

Trab Pronto D Tuberculose
Trab Pronto D TuberculoseTrab Pronto D Tuberculose
Trab Pronto D Tuberculose
ITPAC PORTO
 
Pre Natal
Pre NatalPre Natal
Pre Natal
ITPAC PORTO
 
HanseníAse Pronto
HanseníAse ProntoHanseníAse Pronto
HanseníAse Pronto
ITPAC PORTO
 
Doença de Chagas
Doença de ChagasDoença de Chagas
Doença de Chagas
ITPAC PORTO
 
Aula 2 Amebiase
Aula 2   AmebiaseAula 2   Amebiase
Aula 2 Amebiase
ITPAC PORTO
 
Aula 8 Schistosoma Mansoni 2007 Ok
Aula 8   Schistosoma Mansoni 2007 OkAula 8   Schistosoma Mansoni 2007 Ok
Aula 8 Schistosoma Mansoni 2007 Ok
ITPAC PORTO
 
Ascaris Lumbricoides, Trichuris, Enterobios
Ascaris Lumbricoides, Trichuris, EnterobiosAscaris Lumbricoides, Trichuris, Enterobios
Ascaris Lumbricoides, Trichuris, Enterobios
ITPAC PORTO
 
ISC V - ITPAC PORTO
ISC V - ITPAC PORTOISC V - ITPAC PORTO
ISC V - ITPAC PORTO
ITPAC PORTO
 

Mais de ITPAC PORTO (9)

Zoodermatoses
ZoodermatosesZoodermatoses
Zoodermatoses
 
Trab Pronto D Tuberculose
Trab Pronto D TuberculoseTrab Pronto D Tuberculose
Trab Pronto D Tuberculose
 
Pre Natal
Pre NatalPre Natal
Pre Natal
 
HanseníAse Pronto
HanseníAse ProntoHanseníAse Pronto
HanseníAse Pronto
 
Doença de Chagas
Doença de ChagasDoença de Chagas
Doença de Chagas
 
Aula 2 Amebiase
Aula 2   AmebiaseAula 2   Amebiase
Aula 2 Amebiase
 
Aula 8 Schistosoma Mansoni 2007 Ok
Aula 8   Schistosoma Mansoni 2007 OkAula 8   Schistosoma Mansoni 2007 Ok
Aula 8 Schistosoma Mansoni 2007 Ok
 
Ascaris Lumbricoides, Trichuris, Enterobios
Ascaris Lumbricoides, Trichuris, EnterobiosAscaris Lumbricoides, Trichuris, Enterobios
Ascaris Lumbricoides, Trichuris, Enterobios
 
ISC V - ITPAC PORTO
ISC V - ITPAC PORTOISC V - ITPAC PORTO
ISC V - ITPAC PORTO
 

Último

Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
Manuais Formação
 
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdfIntendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Falcão Brasil
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdfRelatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Falcão Brasil
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
Estuda.com
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
luggio9854
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Luzia Gabriele
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
Marcelo Botura
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
 
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdfIntendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdfRelatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
VIAGEM AO PASSADO -
VIAGEM AO PASSADO                        -VIAGEM AO PASSADO                        -
VIAGEM AO PASSADO -
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 

Aula 3 Giardia Lamblia

  • 1. Giardia lamblia Prof° Marcos Gontijo da Silva
  • 2. OBJETIVO :  Estudar a classificação, morfologia, biologia, ações patogênicas, diagnóstico, epidemiologia, profilaxia e tratamento.
  • 3. Giardia lamblia Classificação Filo  Sarcomastigophora Ordem  Diplomonadida Família  Hexamitidae Gênero  Giardia Espécie  Giardia lamblia
  • 4. Giardia lamblia Giardia lamblia: Giardia duodenalis, Giardia intestinalis Lamblia intestinalis É encontrada em todo o mundo, mas parece incidir mais em regiões de clima temperado e em zonas tropicais. A incidência aumenta, nas crianças, até a puberdade e cai depois para taxas muito menores. Além do homem, parasita animais domésticos (cães e gatos) e diversos animais silvestres, aves e répteis ( reservatórios). Na água os cistos podem conservar sua vitalidade durante dois meses ou mais.
  • 5. Giardia lamblia MORFOLOGIA  Trofozoíto  Cisto
  • 6. Giardia lamblia - dois cistos em fezes   Giardia lamblia - trofozoítos corados por técnicas diferentes.
  • 7. Giardia lamblia HÁBITAT  Intestino delgado  Duodeno e jejuno
  • 8. Giardia lamblia REPRODUÇÃO  Divisão binária longitudinal CICLO BIOLÓGICO  Tipo monoxênico
  • 10. Giardia lamblia TRANSMISSÃO  Ingestão de cistos maduros presentes na água e alimentos (verduras cruas e frutas mal lavadas ou alimentos contaminados por moscas ou baratas (patas).  Locais de aglomeração humana (creches, orfanatos, enfermarias pediátricas, etc.). De pessoa a pessoa. Por contato com animais domésticos infectados. Através de contatos homossexuais.
  • 11. Giardia lamblia PERÍODO DE INCUBAÇÃO : Nos casos sintomáticos, o período de incubação costuma ser de 1 a 3 semanas, mas pode prolongar-se até seis semanas.
  • 12. Giardia lamblia PATOGENIA ( maior susseptibilidade : menores de 5 anos, pacientes com hipogamaglobulinemia e deficiência de IgA).  Lesão da mucosa (atapetamento)  sindrome de má absorção  B12, A, D, E, K, Ferro, gorduras, etc.  Diarréia com esteatorréia  A maioria assintomática  Quando sintomática  Desconforto abdominal, cólicas, inflamação catarral do duodeno, diarréia aquosa com odor fétido
  • 13. Giardia lamblia DIAGNÓSTICO  Clínico Crianças de 8 meses a 10-12 anos  Diarréia com esteatorréia  Irritabilidade, insônia  Nâuseas e vômitos, dor abdominal  Anorexia, perda de peso * Adultos  maioria assintomáticos
  • 14. Giardia lamblia  LABORATORIAL  PARASITOLÓGICO * Direto  Faust, Hematoxilina férrica, etc.  IMUNOLÓGICO * Elisa, Imunofluorescência indireta, Imunocromatografia de fase sólida.
  • 15. Giardia lamblia EPIDEMIOLOGIA  É encontrada em todo o mundo, com alta prevalência em crianças de 1 a 12 anos (com maior incidência até 3 anos), principalmente as de baixo nível sócio-econômico;  Água adquire grande importância como veículo de transmissão;  Cistos de grande resistência;  Frequentemente encontrada em ambientes coletivos (creches, orfanatos, enfermarias, domicílios, etc.);  Portadores assintomáticos (manipuladores de alimentos);  Cistos são disseminados por ventos (poeira) e por moscas (podem veicular cistos a longas distâncias – mais de 5 Km);
  • 16. Giardia lamblia PROFILAXIA * Ligada a educação e engenharia sanitária * Higiene pessoal * Proteção dos alimentos * Ampliação dos serviços de água e esgoto domiciliar * Tratamento dos assintomáticos positivos
  • 17. Giardia lamblia VACINA:  A vacina contra a Giardia lamblia para uso em humanos está bastante adiantada porém em fase de pesquisa. Já contra a giardíase canina foi lançada recentemente (2002) a Giardia Vax (vacina inativada), muito segura e eficaz.
  • 18. Giardia lamblia  TRATAMENTO * Metronidazol * Tinidazol * Ordidazol * Secnidazol * Albendazol (400mg/dia - 5 dias) crianças acima de 2 anos
  • 19. Giardia lamblia METRONIDAZOL (Flagil)  15 a 20 mg/kg durante 7 a 10 dias consecutivos, para crianças, via oral. A dose para adultos é de 250mg, 2 vezes ao dia .
  • 20. Giardia lamblia Tinidazol (Fasygin)  Dose única de 2g para adulto e 1 g para crianças, sob a forma líquida; este produto também é apresentado sob a forma de supusitórios, com bons resultados; deve-se repetir a dose uma semana depois.
  • 21. Giardia lamblia FURAZOLIDONA (Giarlan)  8 A 10mg por kg de peso por dia (máximo de 400 mg/dia) durante 7 dias, para crianças. Para adultos, a dose é 400mg em 24 horas, em 2 ou 4 vezes por dia, durante 7 dias.
  • 22. Giardia lamblia SECNIDAZOL(Secnidal)  A dose para adultos é de 2g, em dose única de 4 comprimidos, de preferência à noite tomados em uma das refeições. Crianças com menos de 5 anos: 125mg, duas vezes em 24 horas, por 5 dias.
  • 23. CASO CLÍNICO Paciente R.S.C., mestiça, 1 ano de idade, apresentando um quadro clínico de desnutrição, diarréia com esteatorréia, dor abdominal, anorexia, perda de peso. Mãe leva a criança para a consulta com um pediátra em um Posto de Saúde do P.S.F. Relatou morar em uma casa de taipa, com 3 cômodos, na periferia de Sobral, com 10 ocupantes, casa sem banheiro, piso de terra, sem tratamento dos dejetos, alimentos expostos, o lixo é jogado a ceu aberto, sem esgôto. A água para consumo era obtida de um poço próximo de sua casa. Condições sócio-econômicas: renda familiar menos de 1 salário mínimo, alimentação deficiente.
  • 24. 01) Explique por que é alta a incidência de infecção por Giardia lamblia em crianças de até 3 anos ? 02) Qual a relação entre a presença de moscas e baratas na transmissão da giardíase ? 03) Como a carência nutricional poderá influir na prevalência da giardíase ? 04) Qual a influência da água e alimentos crus na transmissão da giardíase ? 05) Relacione os principais meios profiláticos para a giardíase. 06) Paciente adulto, assintomático, com exame positivo para Giardíase, deverá ser tratado ? Explique por que ?
  • 26. Causa a doença – Tricomoníase Não apresenta forma cística Trofozoíto forma infectante São anaeróbios
  • 27. Transmissão Contato sexual; Parto – 5 % dos casos; Moças virgens – Fômites, piscinas, toalete, vasos sanitários;
  • 28. Trichomonas vaginalis - trofozoítos.
  • 29. Patogenia e sinais e sintomas Infecta somente o trato urogenital; Em mulheres; Assintomático Sintomáticos – Influência da flora normal; O período de incubação varia de 3 a 20 dias; Infecta primariamente o epitélio do trato genital; Corrimento aquoso, esverdeado com odor fétido; Leucócitos, piócitos, parasita; Irritação, coceira; Desconforto nos genitais (Dispareunia de intróito; Dor ao urinar (Disúria); Freqüência miccional (polaciúria); Podem apresentar pontos hemorrágicos;
  • 30. Em homens Assintomáticos; Podem apresentar uretrite com fluxo leitoso, desconforto ao urinar, prostatite; Patogenia e sinais e sintomas
  • 31. Imunidade Não possui imunidade permanente; Os títulos de anticorpos desaparecem em 6 meses; IgG - infecção crônica; IgA – Diminui ligeiramente;
  • 32. Diagnóstico Parasitológico (exame microscópico de esfregaços) No homem – Coleta da secreção uretral ou sêmen; Mulher – Não deve realizar higiene vaginal entre o período de 18 a 24 horas; Não deve fazer uso de medicamentos tricomonicidas (geléias e cremes) Imunológicos Elisa – Em casos assintomáticos
  • 33. Epidemiologia Maior prevalência entre grupos socioeconômicos baixos; O organismo não apresenta forma cística – suscetível a dessecação e altas temperaturas; O parasita pode sobreviver na urina por 3 horas; 6 horas no sêmen; 24 horas em toalhas molhadas; Mais freqüente em mulheres;
  • 34. Profilaxia As mesmas para as doenças sexualmente transmissíveis; Diagnóstico precoce; Triagem de mulheres sexualmente ativas.