SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 33
“Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas as
coisas convêm; todas as coisas me são lícitas, mas eu
não me deixarei dominar por nenhuma” (1 Co 6.12).
T E X T O D O D I A
O corpo do cristão é templo do Espírito Santo, lugar
de encontro e de uso exclusivo à adoração a Deus.
S Í N T E S E
1 Coríntios 6.12-15
12 - Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas as coisas
convêm; todas as coisas me são lícitas, mas eu não me
deixarei dominar por nenhuma.
13 - Os manjares são para o ventre, e o ventre, para os
manjares; Deus, porém, aniquilará tanto um como os outros.
Mas o corpo não é para a prostituição, senão para o Senhor,
e o Senhor para o corpo.
14 - Ora, Deus, que também ressuscitou o Senhor, nos
ressuscitará a nós pelo seu poder.
15 - Não sabeis vós que os vossos corpos são membros de
Cristo? Tomarei, pois, os membros de Cristo e fá-los-ei
membros de uma meretriz? Não, por certo.
Leitura bíblica
1 Coríntios 6.16-20
16 - Ou não sabeis que o que se ajunta com a meretriz faz-se
um corpo com ela? Porque serão, disse, dois numa só carne.
17 - Mas o que se ajunta com o Senhor é um mesmo espírito.
18 - Fugi da prostituição. Todo pecado que o homem comete
é fora do corpo; mas o que se prostitui peca contra o seu
próprio corpo.
19 - Ou não sabeis que o nosso corpo é o templo do Espírito
Santo, que habita em vós, proveniente de Deus, e que não
sois de vós mesmos?
20 - Porque fostes comprados por bom preço; glorificai, pois,
a Deus no vosso corpo e no vosso espírito, os quais
pertencem a Deus.
Leitura bíblica
• O sexo foi criado para ser bênção na vida do
ser humano (perpetuação da espécie e prazer).
• Na 1ª Co, Paulo traz sérias recomendações
com relação ao uso do corpo e do prazer.
• Para entendermos o motivo se faz necessário
conhecer o contexto (cidade e comunidades
de Corinto).
• Assim, será possível compreender porque
Paulo adverte a comunidade cristã quanto à
imoralidade sexual.
INTRODUÇÃO
I – O CONTEXTO DA
PRIMEIRA EPÍSTOLA AOS
CORÍNTIOS
Pr. Natalino das Neves
www.natalinodasneves.blogspot.com.br
(41) 98409 8094
• A cidade de Corinto de uma grande devastação
em 146 a.C. ela se tornou, um século depois,
em uma cidade-colônia, a metrópole da
província romana de Acaia.
• Na época de Paulo ela era sinônima de: riqueza,
luxo, alcoolismo, corrupção e frouxidão moral.
• Uma população com mais de 400 mil habitantes
de raça indefinida e heterogênea.
• Os primeiros colonizadores romanos eram
homens livres, na sua maioria, aventureiros
gregos e burgueses romanos.
1. Um panorama da cidade de Corinto
• Cidade portuária (dois grandes portos) com
grande prosperidade comercial.
• No entanto, dois terços da população eram de
escravos e trabalhadores.
• Na religião se destacava o grande Templo de
Afrodite, a deusa do amor, onde os féis eram
atendidos por várias prostitutas cultuais.
• Eram celebradas grandes festas tidas como
sagradas com carnes sacrificadas a ídolos,
representantes do Império Romano.
1. Um panorama da cidade de Corinto
• Sinagoga judaica, formada na sua maioria por
judeus que foram expulsos de Roma pelo
decreto do Imperador Cláudio em 54 d. C.
• Havia conflito internos entre cristãos e judeus,
mas nas epístolas aos coríntios se destaca os
conflitos com os costumes de uma cidade
cosmopolita do primeiro século (religiosos,
corpo, casamento, viuvez, celibato, virgindade,
entre outros).
• Existia uma grande valorização a sabedoria
filosófica, conhecimento considerado como
fonte de libertação humana.
2. A comunidade judaica e cristã de Corinto
• Paulo procurava conscientizar os cristãos de
coríntios que eles não podiam reproduzir as
desigualdades, as injustiças e as
promiscuidades que dominavam a cidade.
• Em 1 Co 12.13 Paulo recomenta a utopia
igualitária cristã:
“A sabedoria da cruz pregada por Paulo, a opção não
pela elite e poderosos, mas pelo Crucificado, pelos
pobres e desprotegidos, pelos desprezados e sem
projeção na sociedade corintiana”.
2. A comunidade judaica e cristã de Corinto
• O apóstolo Paulo escreveu, pelo menos, quatro
epístolas aos coríntios (cartas perdidas: 1 Co
5.9; 2.4; 7.8).
• A 1ª epístola canônica foi escrita por volta de
55/56 a. C. Com exceção de Éfeso, Corinto foi a
cidade em que Paulo permaneceu mais tempo
(18 meses: At 18.1-17).
• As epístolas de Paulo, em geral, eram escritas
para tirar dúvidas e orientar pastoralmente as
recentes comunidades cristãs entre os gentios.
3. As epístolas de Paulo à
comunidade cristã em Corinto
• Quando estava em Éfeso, o apóstolo fica ciente
de alguns problemas na igreja de Corinto.
• Estavam ocorrendo tensões entre judeus e
gregos (1 Cor 1,18-31; 12 e 13), livres e
escravos (1 Cor 7,21-23), questões
doutrinárias sobre ressurreição, casamento,
dons espirituais, questões morais e éticas,
entre outras.
• Isso faz das epístolas aos coríntios uma grande
fonte de doutrinas sistemáticas que chegou até
nós.
3. As epístolas de Paulo à
comunidade cristã em Corinto
Qual a sua contribuição para que a igreja de hoje
não reproduza as desigualdades, as injustiças e
as promiscuidades da sociedade secular?
A igreja precisa influenciar a sociedade e não se
deixar influenciar por ela.
APLICAÇÃO PRÁTICA
II – A LIBERDADE EM
CRISTO NÃO PODER SER
CONFUNDIDA COM
LIBERTINAGEM
Pr. Natalino das Neves
www.natalinodasneves.blogspot.com.br
(41) 98409 8094
• Alguns cristãos achavam que podiam fazer
tudo o que quisessem, em nome da liberdade
em Cristo.
• Retenção de antigas licenciosidades.
• Assim, se tornavam escravos da paixão, que
dominavam suas vontades e ações.
• Outro extremo era a influência gnóstica: o que
se faz com o corpo, que é matéria má, não tem
efeito sobre a vida espiritual.
• No séc. III surge o maniqueísmo (gnosticismo +
zoroastrismo, hinduísmo e judaísmo).
1. Fazer tudo o que se deseja não é liberdade,
mas escravidão (1 Co 6.12)
• O corpo em pecado poderia ser redimido por
meio de penitências corporais, como jejuns,
flagelos, mortificações (comer, beber e dormir),
entre outras formas de castigar o corpo com
intuído de dominá-lo e purificá-lo.
• Uma interpretação equivocada que levou muitos
a utilizar a castidade e a virgindade como meios
para purificar o corpo e a alma.
• Dois extremos que revelam a escravidão que
viviam em função de suas doutrinas heréticas.
1. Fazer tudo o que se deseja não é liberdade,
mas escravidão (1 Co 6.12)
• A argumentação do apóstolo é a sacralidade
do corpo humano daquele que está em Cristo.
• Reforça que Cristo morreu na cruz para resgate
do ser integral (parte material e espiritual).
• Corpo objeto profano ou para glorificação a Deus.
• Para Paulo, a liberdade real tem somente aquele
que está “em Cristo” (86 X nas epístolas, sem
considerar expressões análogas como “nele” e
“no qual”).
2. Livre é aquele que “está em Cristo” (1 Co 5.17)
• Para ele o estar “em Cristo” remodela a vida
humana em todas as suas esferas e aspectos,
o novo convertido passa ser a imagem do
próprio Cristo (2 Co 5.17).
• A nova criatura “em Cristo” vive a sua vida de
um modo inteiramente novo e em oposição às
pessoas “sem Cristo”.
2. Livre é aquele que “está em Cristo” (1 Co 5.17)
• Em Romanos, Paulo utiliza uma expressão para
caracterizar o oposto de “estar em Cristo”:
“estar em Adão”.
• Aos coríntios, Paulo afirma que da mesma forma
como em Adão todos morrem, em Cristo todos
serão vivificados (1 Co 15.22).
• Todos os seres humanos estão “em Adão”, até
que passam a estar “em Cristo”.
• “Em Cristo”, porém, descreve a posição da
pessoa remida, livre da tirania do pecado (1 Co
10.13).
3. O oposto de estar em Cristo
Jovem, antes de tomar qualquer ação ou atitude,
você tem analisado se realmente convém a um
cristão salvo fazer?
Fazer tudo o que quer e quando quiser não
significa liberdade. Liberdade é não fazer
determinada coisa quando se sabe que é livre e,
por Cristo, faz a opção de não fazê-lo.
APLICAÇÃO PRÁTICA
III – O CRISTÃO NÃO PODE
SUBMETER SEU CORPO À
PROMISCUIDADE
Pr. Natalino das Neves
www.natalinodasneves.blogspot.com.br
(41) 98409 8094
• Os gregos desenvolveram uma antropologia
especialmente platônica, que era dicotomista
(ser humano em duas partes: a) corpo, parte
inferior e mal; b) alma, parte superior e boa.
• Por outro lado, a concepção hebraica
considerava o ser humano em sua totalidade.
• O apóstolo Paulo, apesar de inserido
profundamente na cultura grega, preservou a
força da antropologia semítica que via o ser
humano como um todo.
1. Corpo. Alma e espírito
na cultura do Novo Testamento
• No Novo Testamento, por influência paulina,
prevaleceu o ponto de vista judaico.
• Na visão paulina, o ser humano obtém o
Espírito divino somente por meio da fé (Gl
3.2,5,14,26,28; 1 Co 6.11).
• Por isso a oposição ferrenha em carne e
espírito, descrita por Paulo em 1 Co 2.10.
1. Corpo. Alma e espírito
na cultura do Novo Testamento
• Em 1 Co 6.19, Paulo adverte “Ou não sabeis que
o nosso corpo é o templo do Espírito Santo, que
habita em vós, proveniente de Deus, e que não
sois de vós mesmos?”
• Ele utiliza, de forma simbólica, o corpo como
representante do templo.
• Imaginário que os destinatários tinham do
templo de Jerusalém, com toda a sua
representatividade.
• Um lugar de encontro com Deus, para uso
exclusivo de adoração a Deus.
2. A comunidade como corpo do Espírito Santo
• Simbologia do templo = santificando-se e
oferecendo seus corpos como sacrifícios
vivos para o louvor e glória de Deus (Rm 12.1-
2).
• Se o campo de atuação do Espírito de Deus é
a comunidade, esta precisa viver em espírito,
pois não recebeu um espírito de escravidão,
mas espírito de adoção de filhos (Rm 8.12-17).
2. A comunidade como corpo do Espírito Santo
• A igreja em Corinto não ficou alheia às
práticas imorais da cidade.
• Paulo se vê obrigado a repreender até um caso
de relacionamento sexual entre madrasta e
seu afilhado (1 Co 5.1).
• Nem todas as pessoas que frequentam as
igrejas estão verdadeiramente libertas.
• Paulo adverte sobre o perigo das relações
sexuais imorais entrarem na igreja.
3. A imoralidade sexual e a igreja
• Em uma relação extraconjugal ou imoral, o
cristão cede o corpo, que é para o Senhor e o
Senhor para ele, à prostituição e profana o
próprio corpo (1 Co 6.13,15; 7.4).
• Para preservar o corpo como templo do Espírito
Santo o cristão deve evitar tudo que pode
conduzi-lo à imoralidade sexual.
3. A imoralidade sexual e a igreja
Jovem, quando o desejo da carne quiser dominá-
lo, lembre-se de bom preço pelo qual você foi
comprado (1 Co 6.20)!
Assim como o templo era tratado como o lugar
de encontro com Deus, para uso exclusivo de
adoração a Deus, o corpo do cristão deve ser
dedicado à Deus.
APLICAÇÃO PRÁTICA
1. O estilo de vida da cidade de Corinto era
regrada de grande promiscuidade sexual e
estava influenciando o comportamento dos
membros da comunidade cristã;
2. A verdadeira liberdade em Cristo é ser livre
para fazer o que quiser, mas optar pela vida
santificada à Deus; E
3. O ser humano deve ser visto de forma integral:
partes espiritual e material.
CONSIDERAÇÕES FINAIS
REFERÊNCIAS
Pr. Natalino das Neves
www.natalinodasneves.blogspot.com.br
natalino6612@gmail.com
Natalino.neves@ig.com.br
(41) 98409 8094 (WhatsApp/TIM)
Contatos:

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Boletim informativo outubro 2012
Boletim informativo   outubro 2012Boletim informativo   outubro 2012
Boletim informativo outubro 2012
fespiritacrista
 

Mais procurados (20)

Romanos 6
Romanos   6Romanos   6
Romanos 6
 
Colossenses - Cap. 03 parte 01
Colossenses - Cap. 03 parte 01Colossenses - Cap. 03 parte 01
Colossenses - Cap. 03 parte 01
 
Lição 11 hebreus
Lição 11   hebreusLição 11   hebreus
Lição 11 hebreus
 
Lição 14 hebreus (Final)
Lição 14   hebreus (Final)Lição 14   hebreus (Final)
Lição 14 hebreus (Final)
 
A Luta Contra o Pecado
A Luta Contra o PecadoA Luta Contra o Pecado
A Luta Contra o Pecado
 
Colossences 3 (parte 1)
Colossences 3 (parte 1)Colossences 3 (parte 1)
Colossences 3 (parte 1)
 
LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)
LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)
LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)
 
Boletim informativo outubro 2012
Boletim informativo   outubro 2012Boletim informativo   outubro 2012
Boletim informativo outubro 2012
 
Lição 13 hebreus
Lição 13   hebreusLição 13   hebreus
Lição 13 hebreus
 
Colossences 4
Colossences 4Colossences 4
Colossences 4
 
Casamento e Divórcio - Adaptado do Cap. 24 da Confissão de Fé de Westminster
Casamento e Divórcio - Adaptado do Cap. 24 da Confissão de Fé de WestminsterCasamento e Divórcio - Adaptado do Cap. 24 da Confissão de Fé de Westminster
Casamento e Divórcio - Adaptado do Cap. 24 da Confissão de Fé de Westminster
 
Aula 4 - Jesus, o grande Salvador
Aula 4  - Jesus, o grande SalvadorAula 4  - Jesus, o grande Salvador
Aula 4 - Jesus, o grande Salvador
 
Divórcio e novo casamento revista ultimato
Divórcio e novo casamento revista ultimatoDivórcio e novo casamento revista ultimato
Divórcio e novo casamento revista ultimato
 
LIÇÃO 06 - A VERDADEIRA FÉ NÃO FAZ ACEPÇÃO DE PESSOAS
LIÇÃO 06 - A VERDADEIRA FÉ NÃO FAZ ACEPÇÃO DE PESSOASLIÇÃO 06 - A VERDADEIRA FÉ NÃO FAZ ACEPÇÃO DE PESSOAS
LIÇÃO 06 - A VERDADEIRA FÉ NÃO FAZ ACEPÇÃO DE PESSOAS
 
79tao perto e_tao_distante
79tao perto e_tao_distante79tao perto e_tao_distante
79tao perto e_tao_distante
 
O divórcio, a lei e jesus
O divórcio, a lei e jesusO divórcio, a lei e jesus
O divórcio, a lei e jesus
 
O andar do cristão
O andar do cristãoO andar do cristão
O andar do cristão
 
Divórcio e novo casamento uma visão realista e biblica
Divórcio e novo casamento uma visão realista e biblicaDivórcio e novo casamento uma visão realista e biblica
Divórcio e novo casamento uma visão realista e biblica
 
Nao adulterarás b
Nao adulterarás bNao adulterarás b
Nao adulterarás b
 
Lição 6 hebreus
Lição 6   hebreusLição 6   hebreus
Lição 6 hebreus
 

Semelhante a Prostituição. a Perversão da Sexualidade_2019 LBJ 2 TRI Lição 7

Lição 2 - A Mordomia do Corpo
Lição 2 - A Mordomia do CorpoLição 2 - A Mordomia do Corpo
Lição 2 - A Mordomia do Corpo
Hamilton Souza
 
36 colossenses
36 colossenses36 colossenses
36 colossenses
PIB Penha
 
Tessalônica n dias de Paulo_Resumo_Liç_332012
Tessalônica n dias de Paulo_Resumo_Liç_332012Tessalônica n dias de Paulo_Resumo_Liç_332012
Tessalônica n dias de Paulo_Resumo_Liç_332012
Gerson G. Ramos
 
2 coríntios autobiografia de uma pessoa no espirito - witness lee
2 coríntios   autobiografia de uma pessoa no espirito - witness lee2 coríntios   autobiografia de uma pessoa no espirito - witness lee
2 coríntios autobiografia de uma pessoa no espirito - witness lee
Cleiton Tenório
 
Huberto rohden a metafísica do cristianismo
Huberto rohden   a metafísica do cristianismoHuberto rohden   a metafísica do cristianismo
Huberto rohden a metafísica do cristianismo
Universalismo Cultura
 

Semelhante a Prostituição. a Perversão da Sexualidade_2019 LBJ 2 TRI Lição 7 (20)

Lição 7 - Prostituição, a perversão da sexualidade
Lição 7 - Prostituição, a perversão da sexualidadeLição 7 - Prostituição, a perversão da sexualidade
Lição 7 - Prostituição, a perversão da sexualidade
 
LIÇÃO 10 - SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTO
LIÇÃO 10 -  SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTOLIÇÃO 10 -  SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTO
LIÇÃO 10 - SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTO
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 10 - SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 10 -  SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTOPRELEÇÃO_LIÇÃO 10 -  SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 10 - SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTO
 
LIÇÃO 10 - SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTO
LIÇÃO 10 -  SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTOLIÇÃO 10 -  SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTO
LIÇÃO 10 - SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTO
 
Slide li c ao 2 - 3t - 2019 - a mordomia do corpo para face
Slide li c ao 2 - 3t - 2019 - a mordomia do corpo para faceSlide li c ao 2 - 3t - 2019 - a mordomia do corpo para face
Slide li c ao 2 - 3t - 2019 - a mordomia do corpo para face
 
Aula 4 gálatas e efésios
Aula 4   gálatas e efésiosAula 4   gálatas e efésios
Aula 4 gálatas e efésios
 
Lição 2 - A Mordomia do Corpo
Lição 2 - A Mordomia do CorpoLição 2 - A Mordomia do Corpo
Lição 2 - A Mordomia do Corpo
 
IBADEP BASICO - EPISTOLAS PAULINAS E GERAIS AULA2 - 1 e 2 CORINTIOS
IBADEP BASICO -  EPISTOLAS PAULINAS E GERAIS  AULA2 - 1 e 2 CORINTIOSIBADEP BASICO -  EPISTOLAS PAULINAS E GERAIS  AULA2 - 1 e 2 CORINTIOS
IBADEP BASICO - EPISTOLAS PAULINAS E GERAIS AULA2 - 1 e 2 CORINTIOS
 
Resumo Das Lições do II Trimestre E.B.D
Resumo Das Lições do II Trimestre E.B.DResumo Das Lições do II Trimestre E.B.D
Resumo Das Lições do II Trimestre E.B.D
 
6 galatas.pptx
6 galatas.pptx6 galatas.pptx
6 galatas.pptx
 
Aula 2 1 Coríntios
Aula 2   1 CoríntiosAula 2   1 Coríntios
Aula 2 1 Coríntios
 
Cristologia posição da iasd
Cristologia  posição da iasdCristologia  posição da iasd
Cristologia posição da iasd
 
36 colossenses
36 colossenses36 colossenses
36 colossenses
 
2 coríntios autobiografia de uma pessoa no espírito
2 coríntios   autobiografia de uma pessoa no espírito2 coríntios   autobiografia de uma pessoa no espírito
2 coríntios autobiografia de uma pessoa no espírito
 
Tessalônica n dias de Paulo_Resumo_Liç_332012
Tessalônica n dias de Paulo_Resumo_Liç_332012Tessalônica n dias de Paulo_Resumo_Liç_332012
Tessalônica n dias de Paulo_Resumo_Liç_332012
 
Lição 2 - A Mordomia do Corpo
Lição 2 - A Mordomia do CorpoLição 2 - A Mordomia do Corpo
Lição 2 - A Mordomia do Corpo
 
2 coríntios autobiografia de uma pessoa no espirito - witness lee
2 coríntios   autobiografia de uma pessoa no espirito - witness lee2 coríntios   autobiografia de uma pessoa no espirito - witness lee
2 coríntios autobiografia de uma pessoa no espirito - witness lee
 
Estudo da 1ª carta de paulo a corintios
Estudo da 1ª carta de paulo a corintiosEstudo da 1ª carta de paulo a corintios
Estudo da 1ª carta de paulo a corintios
 
Huberto rohden a metafísica do cristianismo
Huberto rohden   a metafísica do cristianismoHuberto rohden   a metafísica do cristianismo
Huberto rohden a metafísica do cristianismo
 
LBJ 2017 3 TRI LIÇÃO 10 - O perigo do materialismo
LBJ 2017 3 TRI LIÇÃO 10 - O perigo do materialismoLBJ 2017 3 TRI LIÇÃO 10 - O perigo do materialismo
LBJ 2017 3 TRI LIÇÃO 10 - O perigo do materialismo
 

Mais de Natalino das Neves Neves

Mais de Natalino das Neves Neves (20)

LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)
LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)
LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)
 
LIÇÃO 12 - Da circuncisão e dos alimentos sacrificados aos ídolos (1 Co 7-8)
LIÇÃO 12 - Da circuncisão e dos alimentos sacrificados aos ídolos (1 Co 7-8)LIÇÃO 12 - Da circuncisão e dos alimentos sacrificados aos ídolos (1 Co 7-8)
LIÇÃO 12 - Da circuncisão e dos alimentos sacrificados aos ídolos (1 Co 7-8)
 
LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)
LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)
LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)
 
LIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE IRMÃOS
LIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE IRMÃOSLIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE IRMÃOS
LIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE IRMÃOS
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTOPRELEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
 
PROJEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTOPROJEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
 
PROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTOPROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTOPRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOSPRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
 
PROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOSPROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
 
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULOPROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
 
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULOPRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
 
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINAPROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
 
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINAPRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
 
PROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na Igreja
PROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na IgrejaPROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na Igreja
PROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na Igreja
 
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na Igreja
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na IgrejaPRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na Igreja
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na Igreja
 
Preleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Preleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de CorintoPreleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Preleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
 
Projeção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Projeção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de CorintoProjeção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Projeção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
 
2021 2 tri_lbj_licao_1_prelecao
2021 2 tri_lbj_licao_1_prelecao2021 2 tri_lbj_licao_1_prelecao
2021 2 tri_lbj_licao_1_prelecao
 
2021 2 tri_lbj_licao_1_projecao
2021 2 tri_lbj_licao_1_projecao2021 2 tri_lbj_licao_1_projecao
2021 2 tri_lbj_licao_1_projecao
 

Último

Último (20)

Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 

Prostituição. a Perversão da Sexualidade_2019 LBJ 2 TRI Lição 7

  • 1.
  • 2.
  • 3. “Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas as coisas convêm; todas as coisas me são lícitas, mas eu não me deixarei dominar por nenhuma” (1 Co 6.12). T E X T O D O D I A
  • 4. O corpo do cristão é templo do Espírito Santo, lugar de encontro e de uso exclusivo à adoração a Deus. S Í N T E S E
  • 5. 1 Coríntios 6.12-15 12 - Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas as coisas convêm; todas as coisas me são lícitas, mas eu não me deixarei dominar por nenhuma. 13 - Os manjares são para o ventre, e o ventre, para os manjares; Deus, porém, aniquilará tanto um como os outros. Mas o corpo não é para a prostituição, senão para o Senhor, e o Senhor para o corpo. 14 - Ora, Deus, que também ressuscitou o Senhor, nos ressuscitará a nós pelo seu poder. 15 - Não sabeis vós que os vossos corpos são membros de Cristo? Tomarei, pois, os membros de Cristo e fá-los-ei membros de uma meretriz? Não, por certo. Leitura bíblica
  • 6. 1 Coríntios 6.16-20 16 - Ou não sabeis que o que se ajunta com a meretriz faz-se um corpo com ela? Porque serão, disse, dois numa só carne. 17 - Mas o que se ajunta com o Senhor é um mesmo espírito. 18 - Fugi da prostituição. Todo pecado que o homem comete é fora do corpo; mas o que se prostitui peca contra o seu próprio corpo. 19 - Ou não sabeis que o nosso corpo é o templo do Espírito Santo, que habita em vós, proveniente de Deus, e que não sois de vós mesmos? 20 - Porque fostes comprados por bom preço; glorificai, pois, a Deus no vosso corpo e no vosso espírito, os quais pertencem a Deus. Leitura bíblica
  • 7. • O sexo foi criado para ser bênção na vida do ser humano (perpetuação da espécie e prazer). • Na 1ª Co, Paulo traz sérias recomendações com relação ao uso do corpo e do prazer. • Para entendermos o motivo se faz necessário conhecer o contexto (cidade e comunidades de Corinto). • Assim, será possível compreender porque Paulo adverte a comunidade cristã quanto à imoralidade sexual. INTRODUÇÃO
  • 8. I – O CONTEXTO DA PRIMEIRA EPÍSTOLA AOS CORÍNTIOS Pr. Natalino das Neves www.natalinodasneves.blogspot.com.br (41) 98409 8094
  • 9. • A cidade de Corinto de uma grande devastação em 146 a.C. ela se tornou, um século depois, em uma cidade-colônia, a metrópole da província romana de Acaia. • Na época de Paulo ela era sinônima de: riqueza, luxo, alcoolismo, corrupção e frouxidão moral. • Uma população com mais de 400 mil habitantes de raça indefinida e heterogênea. • Os primeiros colonizadores romanos eram homens livres, na sua maioria, aventureiros gregos e burgueses romanos. 1. Um panorama da cidade de Corinto
  • 10. • Cidade portuária (dois grandes portos) com grande prosperidade comercial. • No entanto, dois terços da população eram de escravos e trabalhadores. • Na religião se destacava o grande Templo de Afrodite, a deusa do amor, onde os féis eram atendidos por várias prostitutas cultuais. • Eram celebradas grandes festas tidas como sagradas com carnes sacrificadas a ídolos, representantes do Império Romano. 1. Um panorama da cidade de Corinto
  • 11. • Sinagoga judaica, formada na sua maioria por judeus que foram expulsos de Roma pelo decreto do Imperador Cláudio em 54 d. C. • Havia conflito internos entre cristãos e judeus, mas nas epístolas aos coríntios se destaca os conflitos com os costumes de uma cidade cosmopolita do primeiro século (religiosos, corpo, casamento, viuvez, celibato, virgindade, entre outros). • Existia uma grande valorização a sabedoria filosófica, conhecimento considerado como fonte de libertação humana. 2. A comunidade judaica e cristã de Corinto
  • 12. • Paulo procurava conscientizar os cristãos de coríntios que eles não podiam reproduzir as desigualdades, as injustiças e as promiscuidades que dominavam a cidade. • Em 1 Co 12.13 Paulo recomenta a utopia igualitária cristã: “A sabedoria da cruz pregada por Paulo, a opção não pela elite e poderosos, mas pelo Crucificado, pelos pobres e desprotegidos, pelos desprezados e sem projeção na sociedade corintiana”. 2. A comunidade judaica e cristã de Corinto
  • 13. • O apóstolo Paulo escreveu, pelo menos, quatro epístolas aos coríntios (cartas perdidas: 1 Co 5.9; 2.4; 7.8). • A 1ª epístola canônica foi escrita por volta de 55/56 a. C. Com exceção de Éfeso, Corinto foi a cidade em que Paulo permaneceu mais tempo (18 meses: At 18.1-17). • As epístolas de Paulo, em geral, eram escritas para tirar dúvidas e orientar pastoralmente as recentes comunidades cristãs entre os gentios. 3. As epístolas de Paulo à comunidade cristã em Corinto
  • 14. • Quando estava em Éfeso, o apóstolo fica ciente de alguns problemas na igreja de Corinto. • Estavam ocorrendo tensões entre judeus e gregos (1 Cor 1,18-31; 12 e 13), livres e escravos (1 Cor 7,21-23), questões doutrinárias sobre ressurreição, casamento, dons espirituais, questões morais e éticas, entre outras. • Isso faz das epístolas aos coríntios uma grande fonte de doutrinas sistemáticas que chegou até nós. 3. As epístolas de Paulo à comunidade cristã em Corinto
  • 15. Qual a sua contribuição para que a igreja de hoje não reproduza as desigualdades, as injustiças e as promiscuidades da sociedade secular? A igreja precisa influenciar a sociedade e não se deixar influenciar por ela. APLICAÇÃO PRÁTICA
  • 16. II – A LIBERDADE EM CRISTO NÃO PODER SER CONFUNDIDA COM LIBERTINAGEM Pr. Natalino das Neves www.natalinodasneves.blogspot.com.br (41) 98409 8094
  • 17. • Alguns cristãos achavam que podiam fazer tudo o que quisessem, em nome da liberdade em Cristo. • Retenção de antigas licenciosidades. • Assim, se tornavam escravos da paixão, que dominavam suas vontades e ações. • Outro extremo era a influência gnóstica: o que se faz com o corpo, que é matéria má, não tem efeito sobre a vida espiritual. • No séc. III surge o maniqueísmo (gnosticismo + zoroastrismo, hinduísmo e judaísmo). 1. Fazer tudo o que se deseja não é liberdade, mas escravidão (1 Co 6.12)
  • 18. • O corpo em pecado poderia ser redimido por meio de penitências corporais, como jejuns, flagelos, mortificações (comer, beber e dormir), entre outras formas de castigar o corpo com intuído de dominá-lo e purificá-lo. • Uma interpretação equivocada que levou muitos a utilizar a castidade e a virgindade como meios para purificar o corpo e a alma. • Dois extremos que revelam a escravidão que viviam em função de suas doutrinas heréticas. 1. Fazer tudo o que se deseja não é liberdade, mas escravidão (1 Co 6.12)
  • 19. • A argumentação do apóstolo é a sacralidade do corpo humano daquele que está em Cristo. • Reforça que Cristo morreu na cruz para resgate do ser integral (parte material e espiritual). • Corpo objeto profano ou para glorificação a Deus. • Para Paulo, a liberdade real tem somente aquele que está “em Cristo” (86 X nas epístolas, sem considerar expressões análogas como “nele” e “no qual”). 2. Livre é aquele que “está em Cristo” (1 Co 5.17)
  • 20. • Para ele o estar “em Cristo” remodela a vida humana em todas as suas esferas e aspectos, o novo convertido passa ser a imagem do próprio Cristo (2 Co 5.17). • A nova criatura “em Cristo” vive a sua vida de um modo inteiramente novo e em oposição às pessoas “sem Cristo”. 2. Livre é aquele que “está em Cristo” (1 Co 5.17)
  • 21. • Em Romanos, Paulo utiliza uma expressão para caracterizar o oposto de “estar em Cristo”: “estar em Adão”. • Aos coríntios, Paulo afirma que da mesma forma como em Adão todos morrem, em Cristo todos serão vivificados (1 Co 15.22). • Todos os seres humanos estão “em Adão”, até que passam a estar “em Cristo”. • “Em Cristo”, porém, descreve a posição da pessoa remida, livre da tirania do pecado (1 Co 10.13). 3. O oposto de estar em Cristo
  • 22. Jovem, antes de tomar qualquer ação ou atitude, você tem analisado se realmente convém a um cristão salvo fazer? Fazer tudo o que quer e quando quiser não significa liberdade. Liberdade é não fazer determinada coisa quando se sabe que é livre e, por Cristo, faz a opção de não fazê-lo. APLICAÇÃO PRÁTICA
  • 23. III – O CRISTÃO NÃO PODE SUBMETER SEU CORPO À PROMISCUIDADE Pr. Natalino das Neves www.natalinodasneves.blogspot.com.br (41) 98409 8094
  • 24. • Os gregos desenvolveram uma antropologia especialmente platônica, que era dicotomista (ser humano em duas partes: a) corpo, parte inferior e mal; b) alma, parte superior e boa. • Por outro lado, a concepção hebraica considerava o ser humano em sua totalidade. • O apóstolo Paulo, apesar de inserido profundamente na cultura grega, preservou a força da antropologia semítica que via o ser humano como um todo. 1. Corpo. Alma e espírito na cultura do Novo Testamento
  • 25. • No Novo Testamento, por influência paulina, prevaleceu o ponto de vista judaico. • Na visão paulina, o ser humano obtém o Espírito divino somente por meio da fé (Gl 3.2,5,14,26,28; 1 Co 6.11). • Por isso a oposição ferrenha em carne e espírito, descrita por Paulo em 1 Co 2.10. 1. Corpo. Alma e espírito na cultura do Novo Testamento
  • 26. • Em 1 Co 6.19, Paulo adverte “Ou não sabeis que o nosso corpo é o templo do Espírito Santo, que habita em vós, proveniente de Deus, e que não sois de vós mesmos?” • Ele utiliza, de forma simbólica, o corpo como representante do templo. • Imaginário que os destinatários tinham do templo de Jerusalém, com toda a sua representatividade. • Um lugar de encontro com Deus, para uso exclusivo de adoração a Deus. 2. A comunidade como corpo do Espírito Santo
  • 27. • Simbologia do templo = santificando-se e oferecendo seus corpos como sacrifícios vivos para o louvor e glória de Deus (Rm 12.1- 2). • Se o campo de atuação do Espírito de Deus é a comunidade, esta precisa viver em espírito, pois não recebeu um espírito de escravidão, mas espírito de adoção de filhos (Rm 8.12-17). 2. A comunidade como corpo do Espírito Santo
  • 28. • A igreja em Corinto não ficou alheia às práticas imorais da cidade. • Paulo se vê obrigado a repreender até um caso de relacionamento sexual entre madrasta e seu afilhado (1 Co 5.1). • Nem todas as pessoas que frequentam as igrejas estão verdadeiramente libertas. • Paulo adverte sobre o perigo das relações sexuais imorais entrarem na igreja. 3. A imoralidade sexual e a igreja
  • 29. • Em uma relação extraconjugal ou imoral, o cristão cede o corpo, que é para o Senhor e o Senhor para ele, à prostituição e profana o próprio corpo (1 Co 6.13,15; 7.4). • Para preservar o corpo como templo do Espírito Santo o cristão deve evitar tudo que pode conduzi-lo à imoralidade sexual. 3. A imoralidade sexual e a igreja
  • 30. Jovem, quando o desejo da carne quiser dominá- lo, lembre-se de bom preço pelo qual você foi comprado (1 Co 6.20)! Assim como o templo era tratado como o lugar de encontro com Deus, para uso exclusivo de adoração a Deus, o corpo do cristão deve ser dedicado à Deus. APLICAÇÃO PRÁTICA
  • 31. 1. O estilo de vida da cidade de Corinto era regrada de grande promiscuidade sexual e estava influenciando o comportamento dos membros da comunidade cristã; 2. A verdadeira liberdade em Cristo é ser livre para fazer o que quiser, mas optar pela vida santificada à Deus; E 3. O ser humano deve ser visto de forma integral: partes espiritual e material. CONSIDERAÇÕES FINAIS
  • 33. Pr. Natalino das Neves www.natalinodasneves.blogspot.com.br natalino6612@gmail.com Natalino.neves@ig.com.br (41) 98409 8094 (WhatsApp/TIM) Contatos: