SlideShare uma empresa Scribd logo
T E X T O D O D I A
"Mas, se não podem conter-se,
casem-se. Porque é melhor casar
do que abrasar-se."
(1 Co 7.9)
SÍNTESE
O casamento deve ser no Senhor,
bem planejado e realizado de
forma segura para amenizar as
dificuldades de uma vida a dois.
1 Coríntios 7.1-14
1 Ora, quanto às coisas que me escrevestes, bom seria que o homem não tocasse
em mulher.
2 Mas, por causa da prostituição, cada um tenha a sua própria mulher, e cada uma
tenha o seu próprio marido.
3 O marido pague à mulher a devida benevolência, e da mesma sorte a mulher, ao
marido.
4 A mulher não tem poder sobre o seu próprio corpo, mas tem-no o marido; e
também, da mesma maneira, o marido não tem poder sobre o seu próprio corpo,
mas tem-no a mulher.
5 Não vos defraudeis um ao outro, senão por consentimento mútuo, por algum
tempo, para vos aplicardes à oração; e, depois, ajuntai-vos outra vez, para que
Satanás vos não tente pela vossa incontinência.
6 Digo, porém, isso como que por permissão e não por mandamento.
Leitura bíblica
1 Coríntios 7.1-14
7 Porque quereria que todos os homens fossem como eu mesmo; mas cada um
tem de Deus o seu próprio dom, um de uma maneira, e outro de outra.
8 Digo, porém, aos solteiros e às viúvas, que lhes é bom se ficarem como eu.
9 Mas, se não podem conter-se, casem-se. Porque é melhor casar do que
abrasar-se.
10 Todavia, aos casados, mando, não eu, mas o Senhor, que a mulher se não
aparte do marido.
11 Se, porém, se apartar, que fique sem casar ou que se reconcilie com o marido;
e que o marido não deixe a mulher.
12 Mas, aos outros, digo eu, não o Senhor: se algum irmão tem mulher descrente,
e ela consente em habitar com ele, não a deixe.
Leitura bíblica
1 Coríntios 7.1-14
13 E se alguma mulher tem marido descrente, e ele consente em habitar com ela,
não o deixe.
14 Porque o marido descrente é santificado pela mulher, e a mulher descrente é
santificada pelo marido. Doutra sorte, os vossos filhos seriam imundos; mas,
agora, são santos.
Leitura bíblica
INTRODUÇÃO
• Os membros da igreja em Corinto tinham muitas dúvidas
a respeito de várias coisas, inclusive a respeito do
casamento e da castidade.
• Graças aos questionamentos deles, nós temos
registradas no cânon bíblico várias orientações.
• Paulo recomenda o casamento como um projeto de
Deus e algo bom.
• Entretanto, ele inclui algumas regras para que o
matrimônio seja benéfico para a vida espiritual do casal e
das famílias envolvidas.
INTRODUÇÃO
TÓPICO I
O CASAMENTO É BOM
1. O relacionamento sexual é para o casamento
heterossexual e monogâmico (v.1);
2. Paulo recomenda o casamento (vv. 2, 6-9); e
3. A prática da abstinência sexual e do celibato é
para que tem o dom específico.
I - O CASAMENTO É BOM
• Os padrões morais da igreja eram bem diferentes
do estilo de vida da cidade de Corinto. Por isso,
surgem algumas dúvidas acerca do casamento.
• Pensamento grego com tendências gnósticas (
corpo mau e o espírito bom) causavam 2 extremos:
1) Fazer o que bem entender com o próprio corpo,
uma vez que a crença era de que o espírito não seria
afetado;
2) Mortificar os desejos do corpo, uma vez que a
crença era de que o corpo era matéria má.
1. O relacionamento sexual é para o casamento
heterossexual e monogâmico (v.1)
• Paulo estava respondendo a um
questionamento da igreja em relação ao
segundo comportamento:
1. O relacionamento sexual é para o casamento
heterossexual e monogâmico (v.1)
O cristão pode se abster do
relacionamento sexual no casamento?
• “Bom seria que o homem não tocasse em mulher”
– contextualizar com a época da igreja e
urgência da pregação do Evangelho.
• No entanto, complementa a sua resposta:
"Mas, por causa da prostituição, cada um tenha a sua
própria mulher, e cada uma tenha o seu próprio marido".
• Uma moça se identificar como moradora de
Corinto = motivo para considerá-la prostituta.
2. Paulo recomenda o casamento (vv. 2, 6-9)
• A prática da prostituição em Corinto = perigo
para os que queriam ficar solteiros e para os
casais que estavam se abstendo do
relacionamento sexual.
• Então, Paulo recomenda o casamento e o
relacionamento sexual dos cônjuges (procriação
e o prazer de ambos).
2. Paulo recomenda o casamento (vv. 2, 6-9)
• A prática da abstinência sexual como forma de controle
dos desejos sexuais tanto para solteiros como
casados. Imagine o problema!
• Tanto o casamento como o celibato são opções legítimas
para o cristão.
• Celibato - poucas pessoas tem essa capacidade/dom
divino para permanecer solteiros ou viúvos.
• Quanto aos casados, ele adverte contra os sacrifícios
tolos, que não agregam nada à vida espiritual.
3. A prática da abstinência sexual e
do celibato é para que tem o dom específico
TÓPICO II
A INDISSOLUBILIDADE DO
CASAMENTO
1. O ideal original do casamento (vv.10,11);
2. Casamento com descrente antes da
conversão (vv.12-16); e
3. O divórcio não faz parte do plano original de
Deus.
II - A INDISSOLUBILIDADE DO CASAMENTO
• O ideal é que o casal se una, constitua uma família
e seja feliz para sempre (Gn 2.24; Mt 19.6).
• Paulo é categórico ao afirmar: "Aos casados,
mando". Ele apresenta o casamento cristão como um
contrato indissolúvel.
• Paulo falava para um público onde a prostituição
era aceita pela maioria.
• Em outro contexto, Jesus aborda sobre o divórcio.
1. O ideal original do casamento (vv.10,11)
• Jesus trata sobre o divórcio em Mt 19.3-10:
• Ele foi questionado pelos fariseus adeptos das ideias da escola
do rabino Hilel, que defendiam o direito de o marido dar carta
de divórcio por qualquer motivo;
• o divórcio era uma forma de proteção, pois se repudiada pelo
marido, a mulher não poderia mais se casar e, assim, ficaria
exposta à miséria e à prostituição.
• ao ser questionado sobre essa liberalidade, Jesus afirma que ela
surgiu devido à dureza do coração;
• ratifica a dissolução do casamento por causa de prostituição,
como uma exceção.
1. O ideal original do casamento (vv.10,11)
• A exceção de Paulo para o divórcio é no caso em que
apenas um dos cônjuges se converta ao cristianismo.
• Regra = se o casal não conseguisse viver pacificamente
sua diversidade religiosa (vv.15,16; 27, 28, 39).
• Preservação do casamento, caso o cônjuge não cristão
concorde com sua decisão por Cristo (vv.12-14).
• No sentido inverso do judaísmo (impureza mancha as
coisas puras), o apóstolo defende que o cônjuge cristão
santifica o cônjuge não cristão.
2. Casamento com descrente
antes da conversão (vv.12-16)
• Devido a cultura da cidade, as instruções específicas a
respeito do casamento e do divórcio eram urgentes.
• Como já visto, Jesus deixou bem claro que no plano
original de Deus para a família o divórcio não estava
previsto.
• Na Lei de Moisés, o divórcio foi permitido devido à
dureza do coração (Mc 10.5).
• Paulo recomenda a preservação do casamento: "Estás
ligado à mulher? Não busques separar-te" (7.27a).
• Como fica o caso de um casamento abusivo e
opressivo? O que fazer?
3. O divórcio não faz parte do plano original de Deus
TÓPICO III
O CASAMENTO NÃO DEVE SER
USADO COMO FUGA
a) O casamento não pode ser usado como fuga
para a solidão;
b) O casamento não pode ser usado como fuga
da tentação sexual; e
c) O casamento não pode ser usado como fuga
das dificuldades da vida.
III - O CASAMENTO NÃO DEVE SER USADO COMO FUGA
• O casamento não é garantia de ausência de
solidão.
• Há pessoas que se sentem solitários em sua
família e criam expectativas de resolver esse
problema com o casamento – reproduz o
ambiente.
• Os solteiros e viúvos devem ter isso em mente
ao planejar um casamento, antes ...
1. O casamento não pode ser usado como
fuga para a solidão
• Para a felicidade do casal deve existir boa
intimidade emocional entre os cônjuges.
• Se sentir seguro de que haverá possibilidades
de um bom diálogo nos momentos de maior
fragilidade.
• A indiferença é o pior dos comportamentos
para um casal.
1. O casamento não pode ser usado como
fuga para a solidão
• Paulo não foi displicente nos versículos 2 e 9.
• O casamento não é uma decisão a ser tomada de
qualquer maneira, e a escolha deve ser bem feita e o
momento deve ser bem adequado.
• Jovens e viúvos - tomar a decisão pelo casamento
somente após ter segurança de que é a melhor
decisão a ser tomada e não por ter dificuldades com a
tentação sexual.
• O casamento é para ser feliz e fazer o outro feliz.
2. O casamento não pode ser usado como fuga
da tentação sexual
• O casamento também não é garantia de plena
satisfação sexual.
• Por isso, a recomendação de Paulo em 1 Co
7.3-5, dentre outras.
• Dependendo da situação, Paulo afirma que é
melhor ficar solteiro e celibatário.
2. O casamento não pode ser usado como fuga
da tentação sexual
• A vida tem suas dificuldades, angústias e
sofrimentos e varia de pessoa para pessoa (Jo
16.33).
• O casamento não deve ser meio de fuga.
• As principais motivações na escolha do cônjuge
apontadas em pesquisas:
a) a transgeracionalidade;
b) a busca por similaridades; e
c) a busca por complementaridades.
3. O casamento não pode ser usado como fuga
das dificuldades da vida
Transgeracionalidade - modelos aprendidos na
família de origem e no ambiente sociocultural.
Similaridades - as características pessoais na
pessoa escolhida no sentido de reforçar suas
imagens.
complementariedade – o que se pretende é a
satisfação completa de suas necessidades, uma
projeção no parceiro de determinados aspectos com
deficiência na própria personalidade.
3. O casamento não pode ser usado como fuga
das dificuldades da vida
• De forma geral, essas motivações não são
excludentes e as pessoas priorizam as
características que lhe são mais importantes.
• Para o cristão, os princípios gerados a partir do
Evangelho devem ser priorizados e ajustados
às principais motivações.
3. O casamento não pode ser usado como fuga
das dificuldades da vida
CONSIDERAÇÕES
FINAIS
1. O casamento é bom e abençoado por Deus e o
celibato é somente para pessoas que têm o dom para
permanecer neste estado.
2. O princípio original do casamento é pela duração até
que a morte separe os cônjuges. Todavia, devido à
dureza do coração, muitos casais não chegam até o
final juntos.
3. Por isso, o casamento não poder ser usado para fugir
da solidão, da tentação sexual ou das dificuldades da
vida, ele deve ser bem planejado e seguir os princípios
bíblicos e cristãos.
CONSIDERAÇÕES FINAIS
REFERÊNCIAS
CONTATOS
Pr. Natalino das Neves
natalinoteologo@gmail.com
(41) 98409 8094
www.natalinodasneves.blogspot.com.br
Natalino das neves; natalino das neves II; e
Pastor Natalino das Neves (página)
@Natalinoneves
natalinodasneves

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

2021 2º trimestre jovem - lição 06
2021   2º trimestre jovem - lição 062021   2º trimestre jovem - lição 06
2021 2º trimestre jovem - lição 06
Joel Silva
 
Lição 11 hebreus
Lição 11   hebreusLição 11   hebreus
Lição 11 hebreus
Escola Bíblica Sem Fronteiras
 
LBA Lição 8 - A bondade que confere vida
LBA Lição 8 - A bondade que confere vidaLBA Lição 8 - A bondade que confere vida
LBA Lição 8 - A bondade que confere vida
Natalino das Neves Neves
 
Lição 13 hebreus
Lição 13   hebreusLição 13   hebreus
Lição 13 hebreus
Escola Bíblica Sem Fronteiras
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTOPRELEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
Pastor Natalino Das Neves
 
2021 2º trimestre jovem - lição 03
2021   2º trimestre jovem - lição 032021   2º trimestre jovem - lição 03
2021 2º trimestre jovem - lição 03
Joel Silva
 
Lição 14 hebreus (Final)
Lição 14   hebreus (Final)Lição 14   hebreus (Final)
Lição 14 hebreus (Final)
Escola Bíblica Sem Fronteiras
 
Os Tudo De Paulo De Tarso
Os Tudo De Paulo De TarsoOs Tudo De Paulo De Tarso
Os Tudo De Paulo De Tarso
Grupo Espírita Cristão
 
Lição 9 - Mortos para o pecado
Lição 9 - Mortos para o pecadoLição 9 - Mortos para o pecado
Lição 9 - Mortos para o pecado
Natalino das Neves Neves
 
Ebd 1° trimestre 2017 lição 7 Benignidade: um Escudo Protetor contra as Por...
Ebd  1° trimestre 2017 lição 7  Benignidade: um Escudo Protetor contra as Por...Ebd  1° trimestre 2017 lição 7  Benignidade: um Escudo Protetor contra as Por...
Ebd 1° trimestre 2017 lição 7 Benignidade: um Escudo Protetor contra as Por...
GIDEONE Moura Santos Ferreira
 
Colossences 1 (parte 2)
Colossences 1 (parte 2)Colossences 1 (parte 2)
Colossences 1 (parte 2)
Joel Silva
 
Colossences 1 (parte 1)
Colossences 1 (parte 1)Colossences 1 (parte 1)
Colossences 1 (parte 1)
Joel Silva
 
Eis que venho sem demora - Lição 03 - Esmirna - A Igreja Perseguida
Eis que venho sem demora - Lição 03 - Esmirna - A Igreja PerseguidaEis que venho sem demora - Lição 03 - Esmirna - A Igreja Perseguida
Eis que venho sem demora - Lição 03 - Esmirna - A Igreja Perseguida
Sergio Silva
 
Lição 11 final
Lição 11   finalLição 11   final

Mais procurados (14)

2021 2º trimestre jovem - lição 06
2021   2º trimestre jovem - lição 062021   2º trimestre jovem - lição 06
2021 2º trimestre jovem - lição 06
 
Lição 11 hebreus
Lição 11   hebreusLição 11   hebreus
Lição 11 hebreus
 
LBA Lição 8 - A bondade que confere vida
LBA Lição 8 - A bondade que confere vidaLBA Lição 8 - A bondade que confere vida
LBA Lição 8 - A bondade que confere vida
 
Lição 13 hebreus
Lição 13   hebreusLição 13   hebreus
Lição 13 hebreus
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTOPRELEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
 
2021 2º trimestre jovem - lição 03
2021   2º trimestre jovem - lição 032021   2º trimestre jovem - lição 03
2021 2º trimestre jovem - lição 03
 
Lição 14 hebreus (Final)
Lição 14   hebreus (Final)Lição 14   hebreus (Final)
Lição 14 hebreus (Final)
 
Os Tudo De Paulo De Tarso
Os Tudo De Paulo De TarsoOs Tudo De Paulo De Tarso
Os Tudo De Paulo De Tarso
 
Lição 9 - Mortos para o pecado
Lição 9 - Mortos para o pecadoLição 9 - Mortos para o pecado
Lição 9 - Mortos para o pecado
 
Ebd 1° trimestre 2017 lição 7 Benignidade: um Escudo Protetor contra as Por...
Ebd  1° trimestre 2017 lição 7  Benignidade: um Escudo Protetor contra as Por...Ebd  1° trimestre 2017 lição 7  Benignidade: um Escudo Protetor contra as Por...
Ebd 1° trimestre 2017 lição 7 Benignidade: um Escudo Protetor contra as Por...
 
Colossences 1 (parte 2)
Colossences 1 (parte 2)Colossences 1 (parte 2)
Colossences 1 (parte 2)
 
Colossences 1 (parte 1)
Colossences 1 (parte 1)Colossences 1 (parte 1)
Colossences 1 (parte 1)
 
Eis que venho sem demora - Lição 03 - Esmirna - A Igreja Perseguida
Eis que venho sem demora - Lição 03 - Esmirna - A Igreja PerseguidaEis que venho sem demora - Lição 03 - Esmirna - A Igreja Perseguida
Eis que venho sem demora - Lição 03 - Esmirna - A Igreja Perseguida
 
Lição 11 final
Lição 11   finalLição 11   final
Lição 11 final
 

Semelhante a LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)

Lição 8 - Relacionamento sexual segundo a perspectiva cristã
Lição 8 - Relacionamento sexual segundo a perspectiva cristãLição 8 - Relacionamento sexual segundo a perspectiva cristã
Lição 8 - Relacionamento sexual segundo a perspectiva cristã
Éder Tomé
 
Lição 6ª Conselhos para casados e solteiros
Lição 6ª Conselhos para casados e solteirosLição 6ª Conselhos para casados e solteiros
Lição 6ª Conselhos para casados e solteiros
Igreja Presbiteriana Zona Sul
 
curso 2.pptx
curso 2.pptxcurso 2.pptx
curso 2.pptx
ClaudioDeyseRocha1
 
CASADOS E FELIZES i5ABR23.ppt
CASADOS E FELIZES i5ABR23.pptCASADOS E FELIZES i5ABR23.ppt
CASADOS E FELIZES i5ABR23.ppt
MarceloDeLimaGracino
 
Lição o divórcio
Lição   o divórcioLição   o divórcio
Lição o divórcio
Elenildosilva
 
Lição o divórcio
Lição   o divórcioLição   o divórcio
Lição o divórcio
Elenildosilva
 
Lição o divórcio
Lição   o divórcioLição   o divórcio
Lição o divórcio
Elenildosilva
 
LBA LIÇÃO 8 - ÉTICA CRISTA E SEXUALIDADE
LBA LIÇÃO 8 - ÉTICA CRISTA E SEXUALIDADELBA LIÇÃO 8 - ÉTICA CRISTA E SEXUALIDADE
LBA LIÇÃO 8 - ÉTICA CRISTA E SEXUALIDADE
Natalino das Neves Neves
 
Relacionamento Sexual Segundo a Perspectiva Cristã_2019 LBJ 2 TRI Lição 8
Relacionamento Sexual Segundo a Perspectiva Cristã_2019 LBJ 2 TRI Lição 8Relacionamento Sexual Segundo a Perspectiva Cristã_2019 LBJ 2 TRI Lição 8
Relacionamento Sexual Segundo a Perspectiva Cristã_2019 LBJ 2 TRI Lição 8
Natalino das Neves Neves
 
Lição 7
Lição 7Lição 7
Lição 7
cledsondrumms
 
Lição 3 As Bases do Casamento Cristão- professores
Lição 3  As Bases do Casamento Cristão- professoresLição 3  As Bases do Casamento Cristão- professores
Lição 3 As Bases do Casamento Cristão- professores
João Paulo Silva Mendes
 
2013 2 tri - lição 7 - o divórcio
2013   2 tri - lição 7 - o divórcio2013   2 tri - lição 7 - o divórcio
2013 2 tri - lição 7 - o divórcio
Natalino das Neves Neves
 
LIÇÃO Nº 8 – ÉTICA CRISTÃ E SEXUALIDADE
LIÇÃO Nº 8 – ÉTICA CRISTÃ E SEXUALIDADELIÇÃO Nº 8 – ÉTICA CRISTÃ E SEXUALIDADE
LIÇÃO Nº 8 – ÉTICA CRISTÃ E SEXUALIDADE
Hamilton Souza
 
4 22 22 06 15 divórcio
4 22 22 06 15 divórcio4 22 22 06 15 divórcio
4 22 22 06 15 divórcio
Estudos Bíblicos
 
O lar cristão divórcio viúvez 2o casamento
O lar cristão   divórcio viúvez 2o casamentoO lar cristão   divórcio viúvez 2o casamento
O lar cristão divórcio viúvez 2o casamento
Estudos Bíblicos
 
Lição 4 - Orientações Bíblicas sobre a Intimidade do casal
Lição 4 - Orientações Bíblicas sobre a Intimidade do casalLição 4 - Orientações Bíblicas sobre a Intimidade do casal
Lição 4 - Orientações Bíblicas sobre a Intimidade do casal
Éder Tomé
 
Jovens estudo 5 - Namoro e Casamento
Jovens estudo 5 - Namoro e CasamentoJovens estudo 5 - Namoro e Casamento
Jovens estudo 5 - Namoro e Casamento
uriank
 
Toaz.info apostila-curso-casais-pronta-pr c158df0a23f9d968c62ed8914157b8d4
Toaz.info apostila-curso-casais-pronta-pr c158df0a23f9d968c62ed8914157b8d4Toaz.info apostila-curso-casais-pronta-pr c158df0a23f9d968c62ed8914157b8d4
Toaz.info apostila-curso-casais-pronta-pr c158df0a23f9d968c62ed8914157b8d4
JooAlbertoSoaresdaSi
 
Apostila curso-casais-pronta-pdf-free
Apostila curso-casais-pronta-pdf-freeApostila curso-casais-pronta-pdf-free
Apostila curso-casais-pronta-pdf-free
JooAlbertoSoaresdaSi
 
As bases do casamento cristão
As bases do casamento cristãoAs bases do casamento cristão
As bases do casamento cristão
Moisés Sampaio
 

Semelhante a LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7) (20)

Lição 8 - Relacionamento sexual segundo a perspectiva cristã
Lição 8 - Relacionamento sexual segundo a perspectiva cristãLição 8 - Relacionamento sexual segundo a perspectiva cristã
Lição 8 - Relacionamento sexual segundo a perspectiva cristã
 
Lição 6ª Conselhos para casados e solteiros
Lição 6ª Conselhos para casados e solteirosLição 6ª Conselhos para casados e solteiros
Lição 6ª Conselhos para casados e solteiros
 
curso 2.pptx
curso 2.pptxcurso 2.pptx
curso 2.pptx
 
CASADOS E FELIZES i5ABR23.ppt
CASADOS E FELIZES i5ABR23.pptCASADOS E FELIZES i5ABR23.ppt
CASADOS E FELIZES i5ABR23.ppt
 
Lição o divórcio
Lição   o divórcioLição   o divórcio
Lição o divórcio
 
Lição o divórcio
Lição   o divórcioLição   o divórcio
Lição o divórcio
 
Lição o divórcio
Lição   o divórcioLição   o divórcio
Lição o divórcio
 
LBA LIÇÃO 8 - ÉTICA CRISTA E SEXUALIDADE
LBA LIÇÃO 8 - ÉTICA CRISTA E SEXUALIDADELBA LIÇÃO 8 - ÉTICA CRISTA E SEXUALIDADE
LBA LIÇÃO 8 - ÉTICA CRISTA E SEXUALIDADE
 
Relacionamento Sexual Segundo a Perspectiva Cristã_2019 LBJ 2 TRI Lição 8
Relacionamento Sexual Segundo a Perspectiva Cristã_2019 LBJ 2 TRI Lição 8Relacionamento Sexual Segundo a Perspectiva Cristã_2019 LBJ 2 TRI Lição 8
Relacionamento Sexual Segundo a Perspectiva Cristã_2019 LBJ 2 TRI Lição 8
 
Lição 7
Lição 7Lição 7
Lição 7
 
Lição 3 As Bases do Casamento Cristão- professores
Lição 3  As Bases do Casamento Cristão- professoresLição 3  As Bases do Casamento Cristão- professores
Lição 3 As Bases do Casamento Cristão- professores
 
2013 2 tri - lição 7 - o divórcio
2013   2 tri - lição 7 - o divórcio2013   2 tri - lição 7 - o divórcio
2013 2 tri - lição 7 - o divórcio
 
LIÇÃO Nº 8 – ÉTICA CRISTÃ E SEXUALIDADE
LIÇÃO Nº 8 – ÉTICA CRISTÃ E SEXUALIDADELIÇÃO Nº 8 – ÉTICA CRISTÃ E SEXUALIDADE
LIÇÃO Nº 8 – ÉTICA CRISTÃ E SEXUALIDADE
 
4 22 22 06 15 divórcio
4 22 22 06 15 divórcio4 22 22 06 15 divórcio
4 22 22 06 15 divórcio
 
O lar cristão divórcio viúvez 2o casamento
O lar cristão   divórcio viúvez 2o casamentoO lar cristão   divórcio viúvez 2o casamento
O lar cristão divórcio viúvez 2o casamento
 
Lição 4 - Orientações Bíblicas sobre a Intimidade do casal
Lição 4 - Orientações Bíblicas sobre a Intimidade do casalLição 4 - Orientações Bíblicas sobre a Intimidade do casal
Lição 4 - Orientações Bíblicas sobre a Intimidade do casal
 
Jovens estudo 5 - Namoro e Casamento
Jovens estudo 5 - Namoro e CasamentoJovens estudo 5 - Namoro e Casamento
Jovens estudo 5 - Namoro e Casamento
 
Toaz.info apostila-curso-casais-pronta-pr c158df0a23f9d968c62ed8914157b8d4
Toaz.info apostila-curso-casais-pronta-pr c158df0a23f9d968c62ed8914157b8d4Toaz.info apostila-curso-casais-pronta-pr c158df0a23f9d968c62ed8914157b8d4
Toaz.info apostila-curso-casais-pronta-pr c158df0a23f9d968c62ed8914157b8d4
 
Apostila curso-casais-pronta-pdf-free
Apostila curso-casais-pronta-pdf-freeApostila curso-casais-pronta-pdf-free
Apostila curso-casais-pronta-pdf-free
 
As bases do casamento cristão
As bases do casamento cristãoAs bases do casamento cristão
As bases do casamento cristão
 

Mais de Pastor Natalino Das Neves

LIÇÃO 10 - SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTO
LIÇÃO 10 -  SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTOLIÇÃO 10 -  SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTO
LIÇÃO 10 - SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTO
Pastor Natalino Das Neves
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE OS IRMÃOS
PRELEÇÃO_LIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE OS IRMÃOSPRELEÇÃO_LIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE OS IRMÃOS
PRELEÇÃO_LIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE OS IRMÃOS
Pastor Natalino Das Neves
 
PROJEÇÃO_LIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE OS IRMÃOS
PROJEÇÃO_LIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE OS IRMÃOSPROJEÇÃO_LIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE OS IRMÃOS
PROJEÇÃO_LIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE OS IRMÃOS
Pastor Natalino Das Neves
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTOPRELEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
Pastor Natalino Das Neves
 
PROJEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTOPROJEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
Pastor Natalino Das Neves
 
PROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTOPROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
Pastor Natalino Das Neves
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTOPRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
Pastor Natalino Das Neves
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOSPRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
Pastor Natalino Das Neves
 
PROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOSPROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
Pastor Natalino Das Neves
 
PROJEÇÃO_JOVENS_Lição 5 - O Caráter da Pregação de Paulo
PROJEÇÃO_JOVENS_Lição 5 - O Caráter da Pregação de PauloPROJEÇÃO_JOVENS_Lição 5 - O Caráter da Pregação de Paulo
PROJEÇÃO_JOVENS_Lição 5 - O Caráter da Pregação de Paulo
Pastor Natalino Das Neves
 
PRELEÇÃO_Lição 5 - O Caráter da Pregação de Paulo
PRELEÇÃO_Lição 5 - O Caráter da Pregação de PauloPRELEÇÃO_Lição 5 - O Caráter da Pregação de Paulo
PRELEÇÃO_Lição 5 - O Caráter da Pregação de Paulo
Pastor Natalino Das Neves
 
PROJEÇÃO_Lições Bíblicas de Jovens_Lição 4 - A Sabedoria Divina
PROJEÇÃO_Lições Bíblicas de Jovens_Lição 4 - A Sabedoria DivinaPROJEÇÃO_Lições Bíblicas de Jovens_Lição 4 - A Sabedoria Divina
PROJEÇÃO_Lições Bíblicas de Jovens_Lição 4 - A Sabedoria Divina
Pastor Natalino Das Neves
 
PRELEÇÃO_Lições Bíblicas de Jovens_Lição 4 - A Sabedoria Divina
PRELEÇÃO_Lições Bíblicas de Jovens_Lição 4 - A Sabedoria DivinaPRELEÇÃO_Lições Bíblicas de Jovens_Lição 4 - A Sabedoria Divina
PRELEÇÃO_Lições Bíblicas de Jovens_Lição 4 - A Sabedoria Divina
Pastor Natalino Das Neves
 
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na Igreja
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na IgrejaPRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na Igreja
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na Igreja
Pastor Natalino Das Neves
 
PROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na Igreja
PROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na IgrejaPROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na Igreja
PROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na Igreja
Pastor Natalino Das Neves
 
Preleção_JOVENS_Lição 2 - Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Preleção_JOVENS_Lição 2 - Ação de Graças pela Igreja de CorintoPreleção_JOVENS_Lição 2 - Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Preleção_JOVENS_Lição 2 - Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Pastor Natalino Das Neves
 
Projeção_JOVENS_Lição 2 - Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Projeção_JOVENS_Lição 2 - Ação de Graças pela Igreja de CorintoProjeção_JOVENS_Lição 2 - Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Projeção_JOVENS_Lição 2 - Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Pastor Natalino Das Neves
 
PROJEÇÃO_JOVENS_Lição 1 - A Primeira Carta de Paulo à igreja de Corinto
PROJEÇÃO_JOVENS_Lição 1 - A Primeira Carta de Paulo à igreja de CorintoPROJEÇÃO_JOVENS_Lição 1 - A Primeira Carta de Paulo à igreja de Corinto
PROJEÇÃO_JOVENS_Lição 1 - A Primeira Carta de Paulo à igreja de Corinto
Pastor Natalino Das Neves
 
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 1 - A Primeira Carta de Paulo à igreja de Corinto
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 1 - A Primeira Carta de Paulo à igreja de CorintoPRELEÇÃO_JOVENS_Lição 1 - A Primeira Carta de Paulo à igreja de Corinto
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 1 - A Primeira Carta de Paulo à igreja de Corinto
Pastor Natalino Das Neves
 

Mais de Pastor Natalino Das Neves (19)

LIÇÃO 10 - SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTO
LIÇÃO 10 -  SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTOLIÇÃO 10 -  SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTO
LIÇÃO 10 - SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTO
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE OS IRMÃOS
PRELEÇÃO_LIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE OS IRMÃOSPRELEÇÃO_LIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE OS IRMÃOS
PRELEÇÃO_LIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE OS IRMÃOS
 
PROJEÇÃO_LIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE OS IRMÃOS
PROJEÇÃO_LIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE OS IRMÃOSPROJEÇÃO_LIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE OS IRMÃOS
PROJEÇÃO_LIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE OS IRMÃOS
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTOPRELEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
 
PROJEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTOPROJEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
 
PROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTOPROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTOPRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOSPRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
 
PROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOSPROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
 
PROJEÇÃO_JOVENS_Lição 5 - O Caráter da Pregação de Paulo
PROJEÇÃO_JOVENS_Lição 5 - O Caráter da Pregação de PauloPROJEÇÃO_JOVENS_Lição 5 - O Caráter da Pregação de Paulo
PROJEÇÃO_JOVENS_Lição 5 - O Caráter da Pregação de Paulo
 
PRELEÇÃO_Lição 5 - O Caráter da Pregação de Paulo
PRELEÇÃO_Lição 5 - O Caráter da Pregação de PauloPRELEÇÃO_Lição 5 - O Caráter da Pregação de Paulo
PRELEÇÃO_Lição 5 - O Caráter da Pregação de Paulo
 
PROJEÇÃO_Lições Bíblicas de Jovens_Lição 4 - A Sabedoria Divina
PROJEÇÃO_Lições Bíblicas de Jovens_Lição 4 - A Sabedoria DivinaPROJEÇÃO_Lições Bíblicas de Jovens_Lição 4 - A Sabedoria Divina
PROJEÇÃO_Lições Bíblicas de Jovens_Lição 4 - A Sabedoria Divina
 
PRELEÇÃO_Lições Bíblicas de Jovens_Lição 4 - A Sabedoria Divina
PRELEÇÃO_Lições Bíblicas de Jovens_Lição 4 - A Sabedoria DivinaPRELEÇÃO_Lições Bíblicas de Jovens_Lição 4 - A Sabedoria Divina
PRELEÇÃO_Lições Bíblicas de Jovens_Lição 4 - A Sabedoria Divina
 
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na Igreja
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na IgrejaPRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na Igreja
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na Igreja
 
PROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na Igreja
PROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na IgrejaPROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na Igreja
PROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na Igreja
 
Preleção_JOVENS_Lição 2 - Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Preleção_JOVENS_Lição 2 - Ação de Graças pela Igreja de CorintoPreleção_JOVENS_Lição 2 - Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Preleção_JOVENS_Lição 2 - Ação de Graças pela Igreja de Corinto
 
Projeção_JOVENS_Lição 2 - Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Projeção_JOVENS_Lição 2 - Ação de Graças pela Igreja de CorintoProjeção_JOVENS_Lição 2 - Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Projeção_JOVENS_Lição 2 - Ação de Graças pela Igreja de Corinto
 
PROJEÇÃO_JOVENS_Lição 1 - A Primeira Carta de Paulo à igreja de Corinto
PROJEÇÃO_JOVENS_Lição 1 - A Primeira Carta de Paulo à igreja de CorintoPROJEÇÃO_JOVENS_Lição 1 - A Primeira Carta de Paulo à igreja de Corinto
PROJEÇÃO_JOVENS_Lição 1 - A Primeira Carta de Paulo à igreja de Corinto
 
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 1 - A Primeira Carta de Paulo à igreja de Corinto
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 1 - A Primeira Carta de Paulo à igreja de CorintoPRELEÇÃO_JOVENS_Lição 1 - A Primeira Carta de Paulo à igreja de Corinto
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 1 - A Primeira Carta de Paulo à igreja de Corinto
 

Último

O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
WELITONNOGUEIRA3
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Celso Napoleon
 
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
ESCRIBA DE CRISTO
 
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Lourhana
 
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
ESCRIBA DE CRISTO
 
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptxA CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
JonasRibeiro61
 
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução AnimicaEscola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
AlessandroSanches8
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
ESCRIBA DE CRISTO
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Celso Napoleon
 
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos AgricultoresOração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Nilson Almeida
 
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
ayronleonardo
 

Último (16)

O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
 
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
 
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
 
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
 
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptxA CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
 
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução AnimicaEscola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
 
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
 
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos AgricultoresOração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
 
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
 
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
 

LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)

  • 1.
  • 2.
  • 3. T E X T O D O D I A "Mas, se não podem conter-se, casem-se. Porque é melhor casar do que abrasar-se." (1 Co 7.9)
  • 4. SÍNTESE O casamento deve ser no Senhor, bem planejado e realizado de forma segura para amenizar as dificuldades de uma vida a dois.
  • 5. 1 Coríntios 7.1-14 1 Ora, quanto às coisas que me escrevestes, bom seria que o homem não tocasse em mulher. 2 Mas, por causa da prostituição, cada um tenha a sua própria mulher, e cada uma tenha o seu próprio marido. 3 O marido pague à mulher a devida benevolência, e da mesma sorte a mulher, ao marido. 4 A mulher não tem poder sobre o seu próprio corpo, mas tem-no o marido; e também, da mesma maneira, o marido não tem poder sobre o seu próprio corpo, mas tem-no a mulher. 5 Não vos defraudeis um ao outro, senão por consentimento mútuo, por algum tempo, para vos aplicardes à oração; e, depois, ajuntai-vos outra vez, para que Satanás vos não tente pela vossa incontinência. 6 Digo, porém, isso como que por permissão e não por mandamento. Leitura bíblica
  • 6. 1 Coríntios 7.1-14 7 Porque quereria que todos os homens fossem como eu mesmo; mas cada um tem de Deus o seu próprio dom, um de uma maneira, e outro de outra. 8 Digo, porém, aos solteiros e às viúvas, que lhes é bom se ficarem como eu. 9 Mas, se não podem conter-se, casem-se. Porque é melhor casar do que abrasar-se. 10 Todavia, aos casados, mando, não eu, mas o Senhor, que a mulher se não aparte do marido. 11 Se, porém, se apartar, que fique sem casar ou que se reconcilie com o marido; e que o marido não deixe a mulher. 12 Mas, aos outros, digo eu, não o Senhor: se algum irmão tem mulher descrente, e ela consente em habitar com ele, não a deixe. Leitura bíblica
  • 7. 1 Coríntios 7.1-14 13 E se alguma mulher tem marido descrente, e ele consente em habitar com ela, não o deixe. 14 Porque o marido descrente é santificado pela mulher, e a mulher descrente é santificada pelo marido. Doutra sorte, os vossos filhos seriam imundos; mas, agora, são santos. Leitura bíblica
  • 9. • Os membros da igreja em Corinto tinham muitas dúvidas a respeito de várias coisas, inclusive a respeito do casamento e da castidade. • Graças aos questionamentos deles, nós temos registradas no cânon bíblico várias orientações. • Paulo recomenda o casamento como um projeto de Deus e algo bom. • Entretanto, ele inclui algumas regras para que o matrimônio seja benéfico para a vida espiritual do casal e das famílias envolvidas. INTRODUÇÃO
  • 11. 1. O relacionamento sexual é para o casamento heterossexual e monogâmico (v.1); 2. Paulo recomenda o casamento (vv. 2, 6-9); e 3. A prática da abstinência sexual e do celibato é para que tem o dom específico. I - O CASAMENTO É BOM
  • 12. • Os padrões morais da igreja eram bem diferentes do estilo de vida da cidade de Corinto. Por isso, surgem algumas dúvidas acerca do casamento. • Pensamento grego com tendências gnósticas ( corpo mau e o espírito bom) causavam 2 extremos: 1) Fazer o que bem entender com o próprio corpo, uma vez que a crença era de que o espírito não seria afetado; 2) Mortificar os desejos do corpo, uma vez que a crença era de que o corpo era matéria má. 1. O relacionamento sexual é para o casamento heterossexual e monogâmico (v.1)
  • 13. • Paulo estava respondendo a um questionamento da igreja em relação ao segundo comportamento: 1. O relacionamento sexual é para o casamento heterossexual e monogâmico (v.1) O cristão pode se abster do relacionamento sexual no casamento?
  • 14. • “Bom seria que o homem não tocasse em mulher” – contextualizar com a época da igreja e urgência da pregação do Evangelho. • No entanto, complementa a sua resposta: "Mas, por causa da prostituição, cada um tenha a sua própria mulher, e cada uma tenha o seu próprio marido". • Uma moça se identificar como moradora de Corinto = motivo para considerá-la prostituta. 2. Paulo recomenda o casamento (vv. 2, 6-9)
  • 15. • A prática da prostituição em Corinto = perigo para os que queriam ficar solteiros e para os casais que estavam se abstendo do relacionamento sexual. • Então, Paulo recomenda o casamento e o relacionamento sexual dos cônjuges (procriação e o prazer de ambos). 2. Paulo recomenda o casamento (vv. 2, 6-9)
  • 16. • A prática da abstinência sexual como forma de controle dos desejos sexuais tanto para solteiros como casados. Imagine o problema! • Tanto o casamento como o celibato são opções legítimas para o cristão. • Celibato - poucas pessoas tem essa capacidade/dom divino para permanecer solteiros ou viúvos. • Quanto aos casados, ele adverte contra os sacrifícios tolos, que não agregam nada à vida espiritual. 3. A prática da abstinência sexual e do celibato é para que tem o dom específico
  • 18. 1. O ideal original do casamento (vv.10,11); 2. Casamento com descrente antes da conversão (vv.12-16); e 3. O divórcio não faz parte do plano original de Deus. II - A INDISSOLUBILIDADE DO CASAMENTO
  • 19. • O ideal é que o casal se una, constitua uma família e seja feliz para sempre (Gn 2.24; Mt 19.6). • Paulo é categórico ao afirmar: "Aos casados, mando". Ele apresenta o casamento cristão como um contrato indissolúvel. • Paulo falava para um público onde a prostituição era aceita pela maioria. • Em outro contexto, Jesus aborda sobre o divórcio. 1. O ideal original do casamento (vv.10,11)
  • 20. • Jesus trata sobre o divórcio em Mt 19.3-10: • Ele foi questionado pelos fariseus adeptos das ideias da escola do rabino Hilel, que defendiam o direito de o marido dar carta de divórcio por qualquer motivo; • o divórcio era uma forma de proteção, pois se repudiada pelo marido, a mulher não poderia mais se casar e, assim, ficaria exposta à miséria e à prostituição. • ao ser questionado sobre essa liberalidade, Jesus afirma que ela surgiu devido à dureza do coração; • ratifica a dissolução do casamento por causa de prostituição, como uma exceção. 1. O ideal original do casamento (vv.10,11)
  • 21. • A exceção de Paulo para o divórcio é no caso em que apenas um dos cônjuges se converta ao cristianismo. • Regra = se o casal não conseguisse viver pacificamente sua diversidade religiosa (vv.15,16; 27, 28, 39). • Preservação do casamento, caso o cônjuge não cristão concorde com sua decisão por Cristo (vv.12-14). • No sentido inverso do judaísmo (impureza mancha as coisas puras), o apóstolo defende que o cônjuge cristão santifica o cônjuge não cristão. 2. Casamento com descrente antes da conversão (vv.12-16)
  • 22. • Devido a cultura da cidade, as instruções específicas a respeito do casamento e do divórcio eram urgentes. • Como já visto, Jesus deixou bem claro que no plano original de Deus para a família o divórcio não estava previsto. • Na Lei de Moisés, o divórcio foi permitido devido à dureza do coração (Mc 10.5). • Paulo recomenda a preservação do casamento: "Estás ligado à mulher? Não busques separar-te" (7.27a). • Como fica o caso de um casamento abusivo e opressivo? O que fazer? 3. O divórcio não faz parte do plano original de Deus
  • 23. TÓPICO III O CASAMENTO NÃO DEVE SER USADO COMO FUGA
  • 24. a) O casamento não pode ser usado como fuga para a solidão; b) O casamento não pode ser usado como fuga da tentação sexual; e c) O casamento não pode ser usado como fuga das dificuldades da vida. III - O CASAMENTO NÃO DEVE SER USADO COMO FUGA
  • 25. • O casamento não é garantia de ausência de solidão. • Há pessoas que se sentem solitários em sua família e criam expectativas de resolver esse problema com o casamento – reproduz o ambiente. • Os solteiros e viúvos devem ter isso em mente ao planejar um casamento, antes ... 1. O casamento não pode ser usado como fuga para a solidão
  • 26. • Para a felicidade do casal deve existir boa intimidade emocional entre os cônjuges. • Se sentir seguro de que haverá possibilidades de um bom diálogo nos momentos de maior fragilidade. • A indiferença é o pior dos comportamentos para um casal. 1. O casamento não pode ser usado como fuga para a solidão
  • 27. • Paulo não foi displicente nos versículos 2 e 9. • O casamento não é uma decisão a ser tomada de qualquer maneira, e a escolha deve ser bem feita e o momento deve ser bem adequado. • Jovens e viúvos - tomar a decisão pelo casamento somente após ter segurança de que é a melhor decisão a ser tomada e não por ter dificuldades com a tentação sexual. • O casamento é para ser feliz e fazer o outro feliz. 2. O casamento não pode ser usado como fuga da tentação sexual
  • 28. • O casamento também não é garantia de plena satisfação sexual. • Por isso, a recomendação de Paulo em 1 Co 7.3-5, dentre outras. • Dependendo da situação, Paulo afirma que é melhor ficar solteiro e celibatário. 2. O casamento não pode ser usado como fuga da tentação sexual
  • 29. • A vida tem suas dificuldades, angústias e sofrimentos e varia de pessoa para pessoa (Jo 16.33). • O casamento não deve ser meio de fuga. • As principais motivações na escolha do cônjuge apontadas em pesquisas: a) a transgeracionalidade; b) a busca por similaridades; e c) a busca por complementaridades. 3. O casamento não pode ser usado como fuga das dificuldades da vida
  • 30. Transgeracionalidade - modelos aprendidos na família de origem e no ambiente sociocultural. Similaridades - as características pessoais na pessoa escolhida no sentido de reforçar suas imagens. complementariedade – o que se pretende é a satisfação completa de suas necessidades, uma projeção no parceiro de determinados aspectos com deficiência na própria personalidade. 3. O casamento não pode ser usado como fuga das dificuldades da vida
  • 31. • De forma geral, essas motivações não são excludentes e as pessoas priorizam as características que lhe são mais importantes. • Para o cristão, os princípios gerados a partir do Evangelho devem ser priorizados e ajustados às principais motivações. 3. O casamento não pode ser usado como fuga das dificuldades da vida
  • 33. 1. O casamento é bom e abençoado por Deus e o celibato é somente para pessoas que têm o dom para permanecer neste estado. 2. O princípio original do casamento é pela duração até que a morte separe os cônjuges. Todavia, devido à dureza do coração, muitos casais não chegam até o final juntos. 3. Por isso, o casamento não poder ser usado para fugir da solidão, da tentação sexual ou das dificuldades da vida, ele deve ser bem planejado e seguir os princípios bíblicos e cristãos. CONSIDERAÇÕES FINAIS
  • 35. CONTATOS Pr. Natalino das Neves natalinoteologo@gmail.com (41) 98409 8094 www.natalinodasneves.blogspot.com.br Natalino das neves; natalino das neves II; e Pastor Natalino das Neves (página) @Natalinoneves natalinodasneves