SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 136
O ser verdadeiramente
livre é aquele que
consegue realizar os seus
projetos – Jean Paul Sartre
Os números mostram...
68,1% Problemas de
comunicação
59,6% Escopo não definido
adequadamente
54,9% Não cumprimento dos
prazos
Os problemas mais
frequentes em projetos
Mais da metade dos projetos possuem
problema com o seu cronograma
Se projetos são cada vez mais
importantes, porque
atrasamostanto
A ausência de planejamento e método para o seu
desenvolvimento resultam em cronogramas irreais
Principais causas:
Falta de consideração de
recursos
Ausência de
reservas de
contingência
Estrutura de
Planejamento
inexistente
Falta de interpretação
das modificações do
cronograma
Definição de escopo
imprecisa
Gerenciamento do tempo em Projeto
O gerenciamento de tempo do projeto engloba os processos
necessários para assegurar a conclusão do projeto no prazo previsto.
André Cruz
PMP – MCTS –Prince 2
Não somente o gerenciamento de tempo, mas todas as áreas de
gerenciamento de projetos, possuem no ESCOPO do projeto a
base para seu planejamento.
Mas em tempo, principalmente no momento de definição das
atividades, essa influência é determinante.
É preciso saber o que será entregue para podemos planejar
quando será entregue.
Gerenciamento do Tempo do Projeto
A influência do Escopo
Planejar o Gerenciamento do Cronograma
Escolher a abordagem (o como) do gerenciamento
de tempo.
Definir as atividades
Decomposição dos pacotes de trabalho nas
atividades do cronograma
sequênciar as atividades
Se eu tivesse 100 atividades e 100 pessoas
terminaria o projeto em 1 dia?
Estimar os prazos
Quais são as estimativas de prazo? Elas
fazem sentido?
Desenvolver o cronograma
Agora sim podemos ir para a ferramenta de
cronograma...
Controlar o cronograma
Controlar, controlar e controlar...
Gerenciamento de Tempo
PMBOK®
Estimar os recursos
Quem e o quê faz o que....
Planejar o Gerenciamento do Cronograma
Escolher a abordagem (o como) do gerenciamento
de tempo.
Gerenciamento de Tempo
PMBOK®
Planejar o Gerenciamento do Cronograma
PMBOK®
O principal benefício do processo é o
fornecimento de orientação e instruções sobre
como o cronograma será gerenciado ao longo de
todo o projeto
“ “
Entradas
Planejar o Gerenciamento de Tempo
Escolher a abordagem (o como) do gerenciamento de tempo.
Plano de Gerenciamento
do cronogramaOpinião especializada
Reuniões
Ativos de Processos
Organizacionais
Fatores Ambientais da
Empresa
Termo de Abertura Técnicas Analíticas
Plano de Gerenciamento
do projeto
Entradas
Planejar o Gerenciamento de Tempo
Escolher a abordagem (o como) do gerenciamento de tempo.
Ativos de Processos
Organizacionais
Fatores Ambientais da
Empresa
Termo de Abertura
Plano de Gerenciamento
do projeto
O Plano de Gerenciamento do Projeto possui os
demais planos (risco, prazo, qualidade e etc.) que
auxiliam na definição da melhor abordagem para
gerenciamento do cronograma sem perder a visão do
todo.
Entradas
Planejar o Gerenciamento de Tempo
Escolher a abordagem (o como) do gerenciamento de tempo.
Ativos de Processos
Organizacionais
Fatores Ambientais da
Empresa
Termo de Abertura
Plano de Gerenciamento
do projeto
O termo de abertura fornece o contexto necessário
para planejamento do escopo e pode também fornecer
informações de alto nível sobre cronograma, como
por exemplo a restrição de prazo (data desejada
para término do projeto)
Entradas
Planejar o Gerenciamento de Tempo
Escolher a abordagem (o como) do gerenciamento de tempo.
Ativos de Processos
Organizacionais
Fatores Ambientais da
Empresa
Termo de Abertura
Plano de Gerenciamento
do projeto
Fatores ambientais, em gerenciamento de projetos, é
tudo aquilo que pode influenciar o projeto e que está
relacionado ao seu ambiente e contexto.
Artefatos visíveis
Em alguns casos, Itens que o Líder do Projeto e sua
equipe não possuem gestão como, por exemplo,
normas do BACEN.
Um bom exemplo de fator ambiental é a estrutura
organizacional. Por exemplo, em uma estrutura
funcional, esforços de gerenciamento de projetos
possuem menos chances de gerarem bons resultados
devido à falta de poder do gerente de projetos.
Entradas
Planejar o Gerenciamento de Tempo
Escolher a abordagem (o como) do gerenciamento de tempo.
Ativos de Processos
Organizacionais
Fatores Ambientais da
Empresa
Termo de Abertura
Plano de Gerenciamento
do projeto
Exemplos de Ativos de Processo Organizacionais:
• Planos
• Processos
• Políticas
• Procedimentos
• Bases de Conhecimento Específicas
• Lições Aprendidas
• Base histórica de informações sobre projetos
• Templates
• Metodologia.
Ferramentas e Técnicas
Planejar o Gerenciamento de Tempo
Escolher a abordagem (o como) do gerenciamento de tempo.
Opinião especializada
Reuniões
Técnicas Analíticas
Opiniões fornecidas por pessoa ou grupo externo ou
interno ao projeto, de dentro ou de fora da organização
que possam auxiliar na composição do plano.
Opinião fornecida baseada em especialização em
uma área de aplicação, área de conhecimento,
disciplina , setor econômico e etc.
Ferramentas e Técnicas
Planejar o Gerenciamento de Tempo
Escolher a abordagem (o como) do gerenciamento de tempo.
Opinião especializada
Reuniões
Técnicas Analíticas
Analisar, com base em informações disponíveis,
opinião especializada e time de projeto, as melhores
escolhas em relação à:
• Metodologia para elaboração do cronograma
• Formas de estimativa
• Software de Gerenciamento de Projetos
• Métodos de avaliação de desempenho do
cronograma
• ...
Ferramentas e Técnicas
Planejar o Gerenciamento de Tempo
Escolher a abordagem (o como) do gerenciamento de tempo.
Opinião especializada
Reuniões
Técnicas Analíticas
Reuniões do projeto que podem envolver líder do
projeto, PMO, membros selecionados da equipe do
projeto e demais partes interessadas conforme a
necessidade.
Saídas
Planejar o Gerenciamento de Tempo
Escolher a abordagem (o como) do gerenciamento de tempo.
• Metodologia para elaboração do cronograma
• Formas de estimativa
• Software de Gerenciamento de Projetos
• Métodos de avaliação de desempenho do cronograma
• Frequência de atualização do cronograma
• Qual percentual de desvio será considerado um atraso
importante ou crítico?
• Como as mudanças no cronograma serão gerenciadas
ao longo do ciclo de vida do projeto?
Plano de Gerenciamento
do Cronograma
Antes de partirmos para a ferramenta de cronograma, existe todo
um processo que antecede esta ação. Devemos sempre pensar
em COMO fazer o cronograma antes de FAZER o cronograma.
Planejar o Gerenciamento de Tempo
Escolher a abordagem (o como) do gerenciamento de tempo.
Planejar o Gerenciamento do Cronograma
Escolher a abordagem (o como) do gerenciamento
de tempo.
Definir as atividades
Decomposição dos pacotes de trabalho nas
atividades do cronograma
Gerenciamento de Tempo
PMBOK®
Definir Atividades
PMBOK®
O principal benefício do processo é a divisão dos
pacotes de trabalho em atividades que fornecem
uma base para estimar, programar, executar,
monitorar e controlar os trabalhos do projeto.
“ “
Definir as atividades
Decomposição dos pacotes de trabalho nas atividades do cronograma
Já vimos que não começamos o cronograma pela
ferramenta de cronograma. É preciso planejar a
abordagem do cronograma e, sobretudo, termos
uma compreensão do escopo do projeto.
É fundamental para isto a EAP.
Definir as atividades
Decomposição dos pacotes de trabalho nas atividades do cronograma
1
Projeto
1.1
Entrega 1
1.2
Entrega 2
1.1.1
Pacote
1.3
Entrega 3
1.1.2
Pacote
1.1.2
Pacote
1.2.1
Pacote
1.2.2
Pacote
1.3.1
Pacote
1.3.2
Pacote
Vamos relembrar ?
A EAP é a ALMA
do projeto servindo
como base para as
demais áreas de
conhecimento
Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas
Definir as atividades
Decomposição dos pacotes de trabalho nas atividades do cronograma
Plano de Gerenciamento do
Cronograma
Linha de Base de Escopo
Fatores Ambientais
Ativos de Processos
Organizacionais
Decomposição
Planejamento em Ondas
Sucessivas
Opinião especializada
Lista de Atividades
Lista de Marcos
Atributos das Atividades
Entradas
Definir as atividades
Decomposição dos pacotes de trabalho nas atividades do cronograma
Linha de Base de
Escopo
Precisamos do documento de objetivo do projeto,
sua EAP e a descrição dos itens que a compõem
para determinarmos as atividades do projeto.
EAP
Estrutura Analítica do
Projeto
+
Especificação de
Escopo
+
Dicionário
da
EAP
Ferramentas e Técnicas
Definir as atividades
Decomposição dos pacotes de trabalho nas atividades do cronograma
Decomposição
Planejamento em Ondas
Sucessivas
Devemos abrir os pacotes de trabalho definidos na EAP em
atividades, definindo assim as ações necessárias para se
cumprir cada uma das entregas do projeto.
Em Escopo decompomos o próprio escopo na EAP
(estrutura analítica do projeto) já em Tempo, decompomos os
pacotes da EAP nas atividades.
Ferramentas e Técnicas
Definir as atividades
Decomposição dos pacotes de trabalho nas atividades do cronograma
Decomposição
Planejamento em
Ondas Sucessivas
Técnica de planejamento iterativo em que o trabalho a ser
realizado no curto prazo é planejado com detalhe , ao
passo que o trabalho futuro é planejado com um nível
mais alto. É um tipo de elaboração progressiva.
Exemplo: Parte do projeto tem seus pacotes de trabalho
decompostos em atividades e outra parte do projeto
aguarda para que mais detalhes sejam obtidos até que o
todo seja decomposto.
Elaboração Progressiva:
O grau de detalhe aumenta e as estimativas são refinadas
conforme mais tempo se trabalha no projeto.
Saídas
Definir as atividades
Decomposição dos pacotes de trabalho nas atividades do cronograma
Lista abrangente de todas as atividades necessárias para
conclusão dos pacotes de trabalho e consequentemente
as suas entregas.
Lista de Atividades
Lista de Marcos
Atributos das Atividades
Saídas
Definir as atividades
Decomposição dos pacotes de trabalho nas atividades do cronograma
Precisão Gerencial x Definição das atividades
• Cabe ao líder do projeto determinar o nível de
detalhamento das atividades
• Quanto maior o detalhamento, maior será a precisão
gerencial
• Quanto maior o detalhamento, maior será o esforço de
gerenciamento e de comunicação para controle das
atividades
• É recomendável que sejam detalhadas atividades
relacionadas com as entregas com importância crucial
para o projeto.
Lista de Atividades
Lista de Marcos
Atributos das Atividades
Saídas
Definir as atividades
Decomposição dos pacotes de trabalho nas atividades do cronograma
Recomendações para detalhamento das atividades
Nível suficiente para:
• Se fazer a estimativa de duração, trabalho e custo
• Para se definir as interdependências entre as
atividades
• Para fazer a alocação da atividade para um recurso
• Até que a duração das atividades não exceda o
período de reporte definido no plano de comunicação
• Que a duração das atividades esteja entre 1% e 10% da
duração do projeto.
Lista de Atividades
Lista de Marcos
Atributos das Atividades
Saídas
Definir as atividades
Decomposição dos pacotes de trabalho nas atividades do cronograma
Os atributos das atividades ampliam a descrição das
mesmas através da identificação de múltiplos componentes
associados a cada atividade. Lembra do Dicionário da
EAP? Os atributos são o dicionário da atividade.
Lista de Atividades
Lista de Marcos
Atributos das Atividades
Saídas
Definir as atividades
Decomposição dos pacotes de trabalho nas atividades do cronograma
Lista de principais eventos do cronograma como:
• O início do projeto
• O início do faturamento
• A conclusão de uma fase, entrega ou pacote de
trabalho
• Marcos obrigatórios, como entrega de um relatório ao
BACEN ou entregas contratuais.
• ...
Lista de Atividades
Lista de Marcos
Atributos das Atividades
Saídas
Definir as atividades
Decomposição dos pacotes de trabalho nas atividades do cronograma
Marcos são semelhantes às atividades normais do
cronograma, com a mesma estrutura e atributos, mas não
possuem duração ou recurso alocado visto que marcos
representam um momento do tempo.
Lista de Atividades
Lista de Marcos
Atributos das Atividades
Definir as atividades
Decomposição dos pacotes de trabalho nas atividades do cronograma
Se a sua Estrutura Analítica do Projeto (EAP)
não foi feita de forma adequada, qual é o grau
de assertividade da sua lista de atividades?
Definir as atividades
Decomposição dos pacotes de trabalho nas atividades do cronograma
Quando da definição de atividades, pacotes e
marcos, recomenda-se a utilização de formas
diferentes de descrevê-los.
• Pacote de Trabalho – Substantivo
• Atividade – Verbo no presente (indica ação)
• Marco – Verbo no passado, voz passiva ou substantivo.
Definir as atividades
Decomposição dos pacotes de trabalho nas atividades do cronograma
Quando da definição de atividades, pacotes e
marcos, recomenda-se a utilização de formas
diferentes de descrevê-los.
• Pacote de Trabalho – Alvenaria
• Atividade – Executar Alvenaria Quarto 1
• Marco – Alvenaria do Quarto 1 concluída.
Agora é
com
VOCÊ!
Sequênciar as atividades
PMBOK®
Definir a sequência lógica do trabalho a fim de
obter o mais alto nível de eficiência em face de
todas as restrições do projeto.
“ “
Planejar o Gerenciamento do Cronograma
Escolher a abordagem (o como) do gerenciamento
de tempo.
Definir as atividades
Decomposição dos pacotes de trabalho nas
atividades do cronograma
Sequênciar as atividades
Se eu tivesse 100 atividades e 100 pessoas terminaria o projeto em
1 dia?
Gerenciamento de Tempo
PMBOK®
Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas
Plano de Gerenciamento do
Cronograma
Fatores Ambientais
Ativos de Processos
Organizacionais
Sequênciar as atividades
Se eu tivesse 100 atividades e 100 pessoas terminaria o projeto em 1 dia?
Lista de Atividades
Lista de Marcos
Atributos das Atividades
Especificação de Escopo
Diagrama de rede do
projeto
Atualização nos documentos do
projeto
Antecipações e Esperas
Determinação da Dependência
Método de Diagrama de
Precedência (MDP)
Entradas
• Informações sobre o escopo do produto que
podem influenciar a sequência das atividades
• Entregas
• Premissas e Restrições
Sequênciar as atividades
Se eu tivesse 100 atividades e 100 pessoas terminaria o projeto em 1 dia?
Especificação de Escopo
Ferramentas e Técnicas
Método de construção de diagramas de rede de
projeto que utiliza caixas (nós) para representar as
atividades, conectando-as por setas que
representam as dependências.
Sequênciar as atividades
Se eu tivesse 100 atividades e 100 pessoas terminaria o projeto em 1 dia?
Antecipações e Esperas
Determinação da Dependência
Método de Diagrama de
Precedência (MDP)
Ferramentas e Técnicas
Atividade A Atividade B Atividade C
Atividade D Atividade E Atividade F
Início Fim
Atividade (nó)
Dependência
Sequênciar as atividades
Se eu tivesse 100 atividades e 100 pessoas terminaria o projeto em 1 dia?
Método de Diagrama de
Precedência (MDP)
Ferramentas e Técnicas
Sequênciar as atividades
Se eu tivesse 100 atividades e 100 pessoas terminaria o projeto em 1 dia?
Antecipações e Esperas
Determinação da Dependência
Método de Diagrama de
Precedência (MDP)
Atividade A Atividade B
Término para início (TI) - ~ 95% das atividades de um
cronograma possuem este relacionamento.
Para a atividade sucessora ser iniciada, a atividade
predecessora deve ser concluída
Predecessora Sucessora
Ferramentas e Técnicas
Sequênciar as atividades
Se eu tivesse 100 atividades e 100 pessoas terminaria o projeto em 1 dia?
Antecipações e Esperas
Determinação da Dependência
Método de Diagrama de
Precedência (MDP)
Término para término (TT)
Neste tipo de relacionamento uma atividade sucessora (C)
não pode ser concluída até que a atividade
predecessora (F) seja concluída
Atividades não necessitam ser concluídas
necessariamente no mesmo dia.
Atividade C
Atividade F
Ferramentas e Técnicas
Sequênciar as atividades
Se eu tivesse 100 atividades e 100 pessoas terminaria o projeto em 1 dia?
Antecipações e Esperas
Determinação da Dependência
Método de Diagrama de
Precedência (MDP)
Início para início (II)
Neste tipo de relacionamento uma atividade sucessora (E)
não pode ser iniciada até que a atividade predecessora
(D) também tenha sido iniciada.
Normalmente atividades em paralelo, porém o início de
uma depende do início de sua predecessora.
Atividade D
Atividade E
Ferramentas e Técnicas
Sequênciar as atividades
Se eu tivesse 100 atividades e 100 pessoas terminaria o projeto em 1 dia?
Antecipações e Esperas
Determinação da Dependência
Método de Diagrama de
Precedência (MDP)
Início para término (IT)
Neste tipo de relacionamento uma atividade sucessora (H)
não pode ser concluída até que atividade predecessora
(G) tenha sido iniciada.
Relacionamento menos comum.
Atividade G
Atividade H
Ferramentas e Técnicas
Sequênciar as atividades
Se eu tivesse 100 atividades e 100 pessoas terminaria o projeto em 1 dia?
Antecipações e Esperas
Determinação da
Dependência
Método de Diagrama de
Precedência (MDP)
Ferramentas e Técnicas
Sequênciar as atividades
Se eu tivesse 100 atividades e 100 pessoas terminaria o projeto em 1 dia?
Antecipações e Esperas
Determinação da
Dependência
Método de Diagrama de
Precedência (MDP)
Dependência Obrigatória
Exigidas legal ou contratualmente, ou inerentes à natureza do
trabalho.
Dependência Arbitrária
Estabelecida, geralmente, pelo time do projeto.
Dependências Externas
Relacionamento entre atividades do projeto e atividades externas ao
projeto
Dependências Internas
Envolvem um relação de precedência entre as atividades do projeto
e estão geralmente sob controle da equipe do projeto.
Durante o controle de cronograma, principalmente quando for
preciso recuperar prazos, as dependências a serem revisadas
serão, na maior parte do tempo as relações...
Internas e Arbitrárias.
Sequênciar as atividades
Se eu tivesse 100 atividades e 100 pessoas terminaria o projeto em 1 dia?
Ferramentas e Técnicas
Sequênciar as atividades
Se eu tivesse 100 atividades e 100 pessoas terminaria o projeto em 1 dia?
Antecipações e
Esperas
Determinação da Dependência
Método de Diagrama de
Precedência (MDP)
A
B
Antecipação
É a sobreposição entre atividades dependentes com a
intenção de diminuir o prazo final do projeto.
Exemplo: TI - 60%. Quando a atividade A alcançar 60%
de completude a atividade B poderá ser iniciada
TI -60%
Ferramentas e Técnicas
Sequênciar as atividades
Se eu tivesse 100 atividades e 100 pessoas terminaria o projeto em 1 dia?
Antecipações e
Esperas
Determinação da Dependência
Método de Diagrama de
Precedência (MDP)
A
B
Espera (Atraso
Espera entre atividades dependentes aplicada geralmente
por uma necessidade técnica.
Exemplo: TI + 15 dias. Quando a atividade A for
concluída, a atividade B deverá aguardar 15 dias para
ser iniciada.
TI + 15 dias
Saídas
Atividade A Atividade B Atividade C
Atividade D Atividade E Atividade F
Início Fim
Atividade (nó)
Dependência
Sequênciar as atividades
Se eu tivesse 100 atividades e 100 pessoas terminaria o projeto em 1 dia?
Diagrama de rede do projeto
Saídas
Sequênciar as atividades
Se eu tivesse 100 atividades e 100 pessoas terminaria o projeto em 1 dia?
Atualização nos
documentos do projeto
• Lista de atividades
• Atributos das atividades
• ...
Agora é
com
VOCÊ!
Planejar o Gerenciamento do Cronograma
Escolher a abordagem (o como) do gerenciamento
de tempo.
Definir as atividades
Decomposição dos pacotes de trabalho nas
atividades do cronograma
Sequênciar as atividades
Se eu tivesse 100 atividades e 100 pessoas
terminaria o projeto em 1 dia?
Gerenciamento de Tempo
PMBOK®
Estimar os recursos
Quem e o quê faz o que....
Estimar recursos
PMBOK®
O processo de estimativa dos tipos e quantidades
de material, recursos humanos, equipamentos ou
suprimentos que serão necessários para realizar
cada atividade
“ “
Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas
Lista de Atividades
Atributos das Atividades
Plano de Gerenciamento
do Cronograma
Calendário de Recursos
Registro de Riscos
Estimativa de Custos
Fatores Ambientes da Empresa
Ativos de Processos
Organizacionais
Estimar os recursos
Quem e o quê faz o que...
Opinião Especializada
Análise de Alternativas
Dados Publicados sobre
estimativas
Estimativa Bottom-up
Software de Gerenciamento de
Projetos
Requisitos de Recursos
das Atividades
Estimativa de Analítica de
Recursos
Atualizações nos
documentos do projeto
Entradas
Calendário de Recursos
Registro de Riscos
Estimativa de Custos
Estimar os recursos
Quem e o quê faz o que...
Documento que fornece a disponibilidade dos recursos
informando: Alocação do recurso em outros projetos,
períodos de férias e etc.
Seg Ter Qua Qui Sex Sab Dom Seg Ter Qua
Trabalho apenas em dias úteis
Trabalho aos sábados
Entradas
Calendário de Recursos
Registro de Riscos
Estimativa de Custos
Estimar os recursos
Quem e o quê faz o que...
Riscos irão influenciar todo o projeto. Uma resposta, por
exemplo, que envolve a instalação de um gerador poderá
alterar o escopo (gerador), o cronograma (prazo para
instalação), aquisições (compra do gerador) e etc...
Entradas
Calendário de Recursos
Registro de Riscos
Estimativa de Custos
Estimar os recursos
Quem e o quê faz o que...
A escolha dos recursos a serem utilizados deverão observar
os seus custos e o orçamento do projeto (posso pagar por
este recurso?)
Ferramentas e Técnicas
Estimar os recursos
Quem e o quê faz o que...
Procurar a melhor forma, ou uma nova forma de se fazer o
trabalho do projeto – CRIAR OPÇÕES
Análise de Alternativas
Dados Publicados sobre
estimativas
Estimativa Bottom-up
Software de Gerenciamento de
Projetos
Ferramentas e Técnicas
Estimar os recursos
Quem e o quê faz o que...
Várias organizações publicam rotineiramente índices de
produção atualizados e custos unitários de recursos de
seus projetos. Imagine que seja possível acessar ao
arquivo de lições aprendidas de outras empresas.
Análise de Alternativas
Dados Publicados
sobre estimativas
Estimativa Bottom-up
Software de Gerenciamento de
Projetos
Ferramentas e Técnicas
Estimar os recursos
Quem e o quê faz o que...
Análise de Alternativas
Dados Publicados sobre
estimativas
Estimativa Bottom-up
Software de Gerenciamento de
Projetos
Ferramentas e Técnicas
Estimar os recursos
Quem e o quê faz o que...
Análise de Alternativas
Dados Publicados sobre
estimativas
Estimativa Bottom-up
Software de
Gerenciamento de
Projetos
Ferramenta que pode auxiliar no planejamento,
organização e gerenciamento dos recursos e no
desenvolvimento de estimativas dos mesmos.
Note que só agora falamos de ferramenta.
Saídas
Estimar os recursos
Quem e o quê faz o que...
Agora estão definidos os tipos e quantidades de
recursos exigidos para cada atividade do projetoRequisitos de
Recursos das
Atividades
Estimativa de Analítica de
Recursos
Saídas
Estimar os recursos
Quem e o quê faz o que...
Estrutura analítica de Recursos (EAR) é uma
representação hierárquica dos recursos por tipo e
categoria.
Requisitos de Recursos
das Atividades
Estimativa de
Analítica de Recursos
Saídas
Estimar os recursos
Quem e o quê faz o que...
Requisitos de Recursos
das Atividades
Estimativa de
Analítica de Recursos
EAR
Pessoal Equipamento Veículo Escritório
Engenheiro
Sênior
Júnior
Betoneira
Guincho
Compressor
Leve
Pesado
Notebooks
Mobiliário
Ao estimar os recursos humanos, principalmente ao tentar
recuperar prazos cuidado com a
Lei dos Rendimentos Decrescentes
Chega um momento no qual, mesmo
aumentando a quantidade de recursos, a
duração das atividades não diminui e até
chega a aumentar.
Estimar os recursos
Quem e o quê faz o que...
Agora é
com
VOCÊ!
Planejar o Gerenciamento do Cronograma
Escolher a abordagem (o como) do gerenciamento
de tempo.
Definir as atividades
Decomposição dos pacotes de trabalho nas
atividades do cronograma
sequênciar as atividades
Se eu tivesse 100 atividades e 100 pessoas
terminaria o projeto em 1 dia?
Estimar os prazos
Quais são as estimativas de prazo? Elas
fazem sentido?
Desenvolver o cronograma
Agora sim podemos ir para a ferramenta de
cronograma...
Controlar o cronograma
Controlar, controlar e controlar...
Gerenciamento de Tempo
PMBOK®
Estimar os recursos
Quem e o quê faz o que....
Planejar o Gerenciamento do Cronograma
Escolher a abordagem (o como) do gerenciamento
de tempo.
Definir as atividades
Decomposição dos pacotes de trabalho nas
atividades do cronograma
sequênciar as atividades
Se eu tivesse 100 atividades e 100 pessoas
terminaria o projeto em 1 dia?
Estimar os prazos
Quais são as estimativas de
prazo? Elas fazem sentido?
Gerenciamento de Tempo
PMBOK®
Estimar os recursos
Quem e o quê faz o que....
Estimar a duração das atividades
PMBOK®
Estimar o número de períodos de trabalho que
são necessários para terminar atividades
específicas com os recursos estimados
“ “
Melhor estima a duração de uma atividade quem realiza
a atividade. No entanto, o Líder do projeto é o
responsável por aprovar estas estimativas.
Atenção
Estimar os prazos
Quais são as estimativas de prazo? Elas fazem sentido?
Entradas
Estimar os prazos
Quais são as estimativas de prazo? Elas fazem sentido?
Lista de Atividades
Atributos das Atividades
Plano de Gerenciamento
do Cronograma
Calendário de Recursos
Registro de Riscos
Fatores Ambientes da Empresa
Ativos de Processos
Organizacionais
Requisitos de Recursos
das Atividades
Estimativa de Analítica de
Recursos
Especificação de Escopo
Ferramentas e Técnicas
Estimar os prazos
Quais são as estimativas de prazo? Elas fazem sentido?
Opinião Especializada
Estimativas:
• Análoga
• Paramétrica
• 3 Pontos
Análise de Reservas
Técnicas de tomada de
decisão em grupo
Ferramentas e Técnicas
Estimar os prazos
Quais são as estimativas de prazo? Elas fazem sentido?
Estimativas:
• Análoga
• Paramétrica
• 3 Pontos
Análise de Reservas
Técnicas de tomada de
decisão em grupo
Ferramentas e Técnicas
Estimar os prazos
Quais são as estimativas de prazo? Elas fazem sentido?
Estimativas:
• Análoga
• Paramétrica
• 3 Pontos
Análise de Reservas
Análoga
Baseada em conhecimento e experiências passadas – É
mais rápida, mais barata e menos precisa. Utilizada em
momentos onde não se conhece muito do projeto
Técnicas de tomada de
decisão em grupo
Ferramentas e Técnicas
Estimar os prazos
Quais são as estimativas de prazo? Elas fazem sentido?
Estimativas:
• Análoga
• Paramétrica
• 3 Pontos
Análise de Reservas
Paramétrica
Um algoritmo é usado para calcular o custo e a duração
com base em dados históricos e parâmetros de projeto.
Produz saídas como:
Se o recurso designado é capaz de instalar 25 metros
de cabo por hora, a duração total necessária para
instalação de 1000 metros é de 40 horas (1000 metros
divididos por 25 metros por hora).
Costuma ser mais precisa que a análoga.
Técnicas de tomada de
decisão em grupo
Você ao fornecer uma estimativa de prazo ou um cronograma, pudesse
informar que:
• O projeto irá durar 8 meses ± 2 semanas  de 7,5 meses até 8,5
meses.
• Probabilidade de 15% do projeto exceder 20 dias do deadline.
As estimativas em forma de intervalos e probabilidades é a melhor forma
de se fornecer uma estimativa.
Imagine se....
Ferramentas e Técnicas
Estimar os prazos
Quais são as estimativas de prazo? Elas fazem sentido?
Estimativas:
• Análoga
• Paramétrica
• 3 Pontos
Análise de Reservas
3 Pontos
Estatísticos afirmam que a chance de uma estimativa
única (1 ponto), possui apenas 5% de chance de se
comprovar.
Já quando se pensa em 3 pontos – Cenário mais
provável, otimista e pessimista – esta chance, por si só,
aumenta para 25%.
Técnicas de tomada de
decisão em grupo
Ferramentas e Técnicas
Estimar os prazos
Quais são as estimativas de prazo? Elas fazem sentido?
Estimativas:
• Análoga
• Paramétrica
• 3 Pontos
Análise de Reservas
3 Pontos
Quando utilizamos 3 pontos, fazemos uma média
ponderada destes mesmos 3 pontos. Para realizar esta
média, é utilizada o Program Evaluation and Review
Technique (PERT)
Duração Estimada=
𝑡𝑂+ 4𝑡𝑀 +𝑡𝑃
6
Onde:
tO = Estimativa otimista
tM = Estimativa mais provável
tP = Estimativa pessimista
Técnicas de tomada de
decisão em grupo
Ferramentas e Técnicas
Estimar os prazos
Quais são as estimativas de prazo? Elas fazem sentido?
Estimativas:
• Análoga
• Paramétrica
• 3 Pontos
Análise de Reservas
3 Pontos
Para refinarmos a estimativa, podemos calcular o
desvio padrão. Desta forma será possível verificar a
variação em relação à média, ou seja, o quanto uma
média pode variar “para cima” ou “para baixo”
Desvio padrão =
𝑡𝑃−𝑡𝑂
6
Onde:
tP = Estimativa pessimista
t0 = Estimativa otimista
Técnicas de tomada de
decisão em grupo
Ferramentas e Técnicas
Estimar os prazos
Quais são as estimativas de prazo? Elas fazem sentido?
Estimativas:
• Análoga
• Paramétrica
• 3 Pontos
Análise de Reservas
3 Pontos
Desvios padrões podem ser medidos através de variações
chamadas sigmas.
Cada sigma responde o quão assertivo é um intervalo em
relação à média – Regra dos “68-95-99,7”
Onde:
1 sigma – 68% de chance de um valor dentro do intervalo
ocorra.
2 sigmas – 95,5% de chance de um valor dentro do intervalo
ocorra.
3 sigmas – 99,7% de chance de um valor dentro do intervalo
ocorra.
Técnicas de tomada de
decisão em grupo
Ferramentas e Técnicas
Estimar os prazos
Quais são as estimativas de prazo? Elas fazem sentido?
Estimativas:
• Análoga
• Paramétrica
• 3 Pontos
Análise de Reservas
Desvio padrão =
𝑡𝑃−𝑡𝑂
6
PERT=
𝑡𝑂+ 4𝑡𝑀 +𝑡𝑃
6
PERT = 𝑝𝑒𝑟𝑡_𝑎𝑡𝑖𝑣𝑖𝑑𝑎𝑑𝑒𝑠
projeto
Desvio padrão = 𝑣𝑎𝑟𝑖â𝑛𝑐𝑖𝑎𝑠
projeto
Variância = DesvioPadrão²
Técnicas de tomada de
decisão em grupo
Ferramentas e Técnicas
Estimar os prazos
Quais são as estimativas de prazo? Elas fazem sentido?
Estimativas:
• Análoga
• Paramétrica
• 3 Pontos
Análise de Reservas
Técnicas de tomada de
decisão em grupo
Mapas Mentais – Organiza o pensamento e as ideias
geradas em reuniões na sequência do pensamento.
Diagramas de Afinidade – Permitem que um grande volume
de ideias seja classificado em grupos, para revisão e análise.
Análise de Decisão Multicritério – Utilizam matriz de
decisão para priorizar e selecionar requisitos e ideias. Pode
levar em consideração nível de incerteza e riscos para
categorização de requisitos.
Técnica Delphi – Método de consulta de requisitos de forma
anônima.
Ferramentas e Técnicas
Estimar os prazos
Quais são as estimativas de prazo? Elas fazem sentido?
Estimativas:
• Análoga
• Paramétrica
• 3 Pontos
Análise de Reservas
Técnicas de tomada de
decisão em grupo
As estimativas de duração podem considerar reservas para
riscos conhecidos no momento de sua determinação e
aqueles que, até este momento, não são conhecidos.
“Líderes de Projeto devem focar sua atenção em evitar
problemas e não em resolvê-los.”
Adaptado de Rita Mulcahy.
Saídas
Estimar os prazos
Quais são as estimativas de prazo? Elas fazem sentido?
Estimativas de
duração das
atividades
Agora já sabemos qual é a duração estimada do projeto e
suas faixas de resultados possíveis.
• O projeto poderá durar 2 semanas ± 2 dias  de 8 a
12 dias.
• Probabilidade de 15% do projeto exceder 20 dias do
deadline.
Agora é
com
VOCÊ!
Planejar o Gerenciamento do Cronograma
Escolher a abordagem (o como) do gerenciamento
de tempo.
Definir as atividades
Decomposição dos pacotes de trabalho nas
atividades do cronograma
sequênciar as atividades
Se eu tivesse 100 atividades e 100 pessoas
terminaria o projeto em 1 dia?
Estimar os prazos
Quais são as estimativas de prazo? Elas
fazem sentido?
Desenvolver o cronograma
Agora sim podemos ir para a
ferramenta de cronograma...
Gerenciamento de Tempo
PMBOK®
Estimar os recursos
Quem e o quê faz o que....
Desenvolver o cronograma
PMBOK®
Análise da sequência das atividades, suas
durações, recursos necessários e restrições do
cronograma visando criar o modelo do
cronograma do projeto
“ “
Entradas
Lista de Atividades
Atributos das Atividades
Plano de Gerenciamento
do Cronograma
Calendário de Recursos
Registro de Riscos
Fatores Ambientes da Empresa
Ativos de Processos
Organizacionais
Requisitos de Recursos
das Atividades
Estimativa de Analítica de
Recursos
Especificação de Escopo
Desenvolver o cronograma
Agora sim podemos ir para a ferramenta de cronograma...
Diagrama de rede do projeto
Estimativas de duração das atividades
Designação de pessoal do
projeto
Ferramentas e Técnicas
Emprego de várias técnicas para a criação do
cronograma tais como caminho crítico, análise “e se?”
além da própria análise do diagrama de rede do
cronograma
Desenvolver o cronograma
Agora sim podemos ir para a ferramenta de cronograma...
Análise de rede do
cronograma
Método de caminho crítico
Método de corrente crítica
Técnicas de Otimização de
recursos
Técnicas de criação de modelos
Antecipações e Esperas
Compressão do cronograma
Ferramenta de cronograma
Ferramentas e Técnicas
Método utilizado para estimar a duração mínima do
projeto e determinar o grau de flexibilidade nos
caminhos lógicos da rede do cronograma
Desenvolver o cronograma
Agora sim podemos ir para a ferramenta de cronograma...
Análise de rede do cronograma
Método de caminho
crítico
Método de corrente crítica
Técnicas de Otimização de
recursos
Técnicas de criação de modelos
Antecipações e Esperas
Compressão do cronograma
Ferramenta de cronograma
Desenvolver o cronograma
Agora vamos falar de datas...
Análise de rede do cronograma
Método de caminho crítico
Método de corrente crítica
Técnica de otimização de recursos
Técnica de desenvolvimento de
modelos
Antecipação e esperas
Compressão do cronograma
Ferramenta de cronograma
Linha de base do cronograma
Cronograma do projeto
Dados do cronograma
Calendário do projeto
Atualizações no plano de gerenciamento
do projetos
Atualização nos documentos do projeto
Ferramentas e Técnicas Saídas
• Desenvolver o cronograma
Agora vamos falar de datas...
Análise de rede do cronograma
Emprego de várias técnicas para a criação do cronograma tais como
caminho crítico, análise “e se?” além da própria análise do diagrama de
rede do cronograma.
Método de caminho crítico
Método utilizado para estimar a duração mínima do projeto e
determinar o grau de flexibilidade nos caminhos lógicos da rede do
cronograma
Método de corrente crítica
Método que permite de cronograma que permite a criação de buffers ao
longo de qualquer caminho da rede. Leva em consideração a restrição
de recursos, o que pode resultar em cronogramas mais espaçados.
Consiste na determinação das datas de inicio mais cedo e mais tarde e datas de término
mais cedo e mais tarde para que seja possível calcular a duração do projeto e o seu
caminho crítico
Atividade A Atividade B Atividade C
Atividade D Atividade E Atividade F
Inicio Fim
Desenvolver o cronograma
Agora sim podemos ir para a ferramenta de cronograma...
Consiste na determinação das datas de inicio mais cedo e mais tarde e datas de término
mais cedo e mais tarde para que seja possível calcular a duração do projeto, seu
caminho crítico e folgas.
IMC Duração TMC
Nome da Atividade
IMT Folga Total TMT
IMC Início Mais Cedo
IMT Início Mais Tarde
TMC Término Mais Cedo
TMT Término Mais Tarde
Com o auxílio do diagrama de rede e das durações estimadas
é possível calcular as datas mais cedo e mais tarde cada uma
em sentido diferente do diagrama de rede
IDA – Cálculo das datas mais cedo
VOLTA – Cálculo das datas
mais tarde
Desenvolver o cronograma
Agora sim podemos ir para a ferramenta de cronograma...
Com a rede abaixo e as durações informadas , começamos fazendo a conta na IDA
IMC 2 TMC
B
IMT TMTInicio
Fim
IMC Duração TMC
Nome da Atividade
IMT Folga Total TMT
IMC 2 TMC
C
IMT TMT
IMC 2 TMC
D
IMT TMT
IMC 2 TMC
G
IMT TMT
IMC 6 TMC
A
IMT TMT
IMC 2 TMC
E
IMT TMT
IMC 2 TMC
F
IMT TMT
Desenvolver o cronograma
Agora sim podemos ir para a ferramenta de cronograma...
Com a rede abaixo e as durações informadas , começamos fazendo a conta na IDA. A
convenção é que se inicia a conta de “0”.
2
B
Inicio
Fim
IMC Duração TMC
Nome da Atividade
IMT Folga Total TMT
4
C
6
D
7
G
6
A
2
E
5
F
Desenvolver o cronograma
Agora sim podemos ir para a ferramenta de cronograma...
Com a rede abaixo e as durações informadas , começamos fazendo a conta na IDA. A
convenção é que se inicia a conta de “0”.
0 2 2
B
IMT TMTInicio
Fim
IMC Duração TMC
Nome da Atividade
IMT Folga Total TMT
2 4 6
C
IMT TMT
12 6 18
D
IMT TMT
0 7 7
G
IMT TMT
0 6 6
A
IMT TMT
6 2 8
E
IMT TMT
7 5 12
F
IMT TMT
Desenvolver o cronograma
Agora sim podemos ir para a ferramenta de cronograma...
Neste momento já é possível determinarmos o caminho crítico do projeto e sua duração
total = 18 dias. As atividades G-F-D representam o caminho crítico, ou seja, o caminho de
maior duração
0 2 2
B
IMT TMTInicio
Fim
IMC Duração TMC
Nome da Atividade
IMT Folga Total TMT
2 4 6
C
IMT TMT
12 6 18
D
IMT TMT
0 7 7
G
IMT TMT
0 6 6
A
IMT TMT
6 2 8
E
IMT TMT
7 5 12
F
IMT TMT
Desenvolver o cronograma
Agora sim podemos ir para a ferramenta de cronograma...
Para determinarmos a Folga Total (Tempo que uma atividade pode atrasar sem impactar a
data final do projeto) aplicamos agora o caminho de volta utilizando maior valor encontrado
(18)
0 2 2
B
6 6 8Inicio
Fim
IMC Duração TMC
Nome da Atividade
IMT Folga Total TMT
2 4 6
C
8 6 12
12 6 18
D
12 0 18
0 7 7
G
7 0 7
0 6 6
A
10 10 16
6 2 8
E
16 10 18
7 5 12
F
7 0 12
FOLGA TOTAL
TMT – TMC ou
IMT - IMC
18-18 = 0
18-8 = 10
Desenvolver o cronograma
Agora sim podemos ir para a ferramenta de cronograma...
Para determinarmos a Folga Total (Tempo que uma atividade pode atrasar sem impactar a
data final do projeto) aplicamos agora o caminho de volta utilizando maior valor encontrado
(18)
0 2 2
B
Inicio
Fim
IMC Duração TMC
Nome da Atividade
IMT Folga Total TMT
2 4 6
C
12 6 18
D
0 7 7
G
0 6 6
A
6 2 8
E
7 5 12
F
FOLGA TOTAL
TMT – TMC ou
IMT - IMC
Desenvolver o cronograma
Agora sim podemos ir para a ferramenta de cronograma...
A confirmação do caminho crítico é indicada na folga do caminho G-D-F que é igual a 0.
0 2 2
B
6 6 8Inicio
Fim
IMC Duração TMC
Nome da Atividade
IMT Folga Total TMT
2 4 6
C
8 6 12
12 6 18
D
12 0 18
0 7 7
G
7 0 7
0 6 6
A
10 10 16
6 2 8
E
16 10 18
7 5 12
F
7 0 12
FOLGA TOTAL
=TMT – TMC ou
=IMT - IMC
18-18 = 0
18-8 = 10
12-12= 07-7= 0
Desenvolver o cronograma
Agora sim podemos ir para a ferramenta de cronograma...
Já as atividades foram do caminho crítico podem atrasar 6 dias (B-C) e 10 dias (A-E)
que ainda não assim não atrasarão o projeto.
0 2 2
B
6 6 8Inicio
Fim
IMC Duração TMC
Nome da Atividade
IMT Folga Total TMT
2 4 6
C
8 6 12
12 6 18
D
12 0 18
0 7 7
G
7 0 7
0 6 6
A
10 10 16
6 2 8
E
16 10 18
7 5 12
F
7 0 12
FOLGA TOTAL
=TMT – TMC ou
=IMT - IMC
18-18 = 0
18-8 = 10
12-12= 07-7= 0
Desenvolver o cronograma
Agora sim podemos ir para a ferramenta de cronograma...
Entendendo melhor os tipos de folga
Folga total – É o tempo que uma atividade pode atrasar sem comprometer o prazo do projeto
Folga Livre – É o tempo que uma atividade pode atrasar sem impactar a sua atividade sucessora.
Folga do Projeto – É o tempo que um projeto pode atrasar sem a perda de uma data imposta
TMT – TMC
ou
IMT - IMC
FOLGA TOTAL
0 2 2
B
6 6 8
2 4 6
C
8 6 12
6 2 8
E
16 10 18
FOLGA LIVRE
TMC – IMC
Desenvolver o cronograma
Agora sim podemos ir para a ferramenta de cronograma...
Entendendo melhor os tipos de folga
Folga do Projeto – É o tempo que um projeto pode atrasar sem a perda de uma data imposta
Cronograma
(linha de base)
Dead-line
Folga do
Projeto
Desenvolver o cronograma
Agora sim podemos ir para a ferramenta de cronograma...
Ferramentas e Técnicas
Desenvolver o cronograma
Agora sim podemos ir para a ferramenta de cronograma...
Análise de rede do cronograma
Método de caminho crítico
Método de corrente
crítica
Técnicas de Otimização de
recursos
Técnicas de criação de modelos
Antecipações e Esperas
Compressão do cronograma
Ferramenta de cronograma
Leva em consideração recursos limitados criando buffers
(reservas) de prazo ao longo da rede do cronograma. Parte do
método de Caminho Crítico e depois considera os impactos dos
recursos no próprio caminho crítico e folgas, gerando um caminho
crítico determinado pela limitação de recursos.
Se no CPM o foco é no gerenciamento da Folga Total, neste
método o foco está na gestão dos buffers de forma a proteger
a corrente crítica do projeto.
Inicio
Atividade A
Atividade C
Atividade G
Atividade B
Buffer de
Alimentação
Atividade D Atividade F
Buffer do
Projeto
Buffer de
Alimentação
Fim
Desenvolver o cronograma
Método de Corrente Crítica
Deve estar claro:
o Método de Caminho Crítico não considera qualquer
restrição de recursos.
Por considerar recursos, cronogramas desenvolvidos com o
método de Corrente Crítica podem gerar
cronogramas mais espaçados e com datas extremamente
arrojadas.
Atenção
Desenvolver o cronograma
Agora sim podemos ir para a ferramenta de cronograma...
Ferramentas e Técnicas
Desenvolver o cronograma
Agora sim podemos ir para a ferramenta de cronograma...
Análise de rede do cronograma
Método de caminho crítico
Método de corrente crítica
Técnicas de Otimização de
recursos
Técnicas de criação de modelos
Antecipações e Esperas
Compressão do cronograma
Ferramenta de cronograma
Nivelamento
Estabilização - Criar limites de trabalho que devem ser
obedecidos ao longo da rede do cronograma – o caminho
crítico não é mudado.
Ferramentas e Técnicas
Desenvolver o cronograma
Agora sim podemos ir para a ferramenta de cronograma...
Análise de rede do cronograma
Método de caminho crítico
Método de corrente crítica
Técnicas de Otimização de
recursos
Técnicas de criação de
modelos
Antecipações e Esperas
Compressão do cronograma
Ferramenta de cronograma
Análise “E se ?”- Pensar em riscos criando cenários diversos
e verificando o impacto destes cenários casos estes se tornem
realidade.
Simulação - Envolve cálculo de múltiplas durações de projeto
com diferentes conjuntos de hipótese. Pode fazer uso da
análise de Monte Carlo para cálculo das distribuições de
probabilidade.
Estimativa
Pessimista
Estimativa
Otimista
Estimativa
Mais provável
Probabilidade
1
Probabilidade
2
Probabilidade
3
Ferramentas e Técnicas
Desenvolver o cronograma
Agora sim podemos ir para a ferramenta de cronograma...
Análise de rede do cronograma
Método de caminho crítico
Método de corrente crítica
Técnicas de Otimização de
recursos
Técnicas de criação de modelos
Antecipações e Esperas
Compressão do cronograma
Ferramenta de cronograma
As antecipações e esperas inseridas no diagrama de rede do
cronograma podem sofrer alterações, resultado de revisões.
Ferramentas e Técnicas
Desenvolver o cronograma
Agora sim podemos ir para a ferramenta de cronograma...
Análise de rede do cronograma
Método de caminho crítico
Método de corrente crítica
Técnicas de Otimização de
recursos
Técnicas de criação de modelos
Antecipações e Esperas
Compressão do
cronograma
Ferramenta de cronograma
Paralelismo - Altera a sequência do cronograma para que
atividades anteriormente sequenciais passem a acontecer
de forma paralela.
Inicio
Atividade A Atividade B
Antes do Paralelismo
Inicio
Atividade A
Atividade B
O paralelismo deve observar o tipo de
dependência. De preferência, o
paralelismo deve ser realizado
em atividades que tiveram sua
dependência arbitrada pelo time.
Desenvolver o cronograma
Agora sim podemos ir para a ferramenta de cronograma...
Ferramentas e Técnicas
Desenvolver o cronograma
Agora sim podemos ir para a ferramenta de cronograma...
Análise de rede do cronograma
Método de caminho crítico
Método de corrente crítica
Técnicas de Otimização de
recursos
Técnicas de criação de modelos
Antecipações e Esperas
Compressão do
cronograma
Ferramenta de cronograma
Compressão - Reduz a duração do cronograma do projeto
usando o menor custo incremental através da
adição de recursos (financeiros, horas extras, pessoal)
Resulta em aumento de custos e riscos.
Ferramentas e Técnicas
Desenvolver o cronograma
Agora sim podemos ir para a ferramenta de cronograma...
Análise de rede do cronograma
Método de caminho crítico
Método de corrente crítica
Técnicas de Otimização de
recursos
Técnicas de criação de modelos
Antecipações e Esperas
Compressão do cronograma
Ferramenta de
cronograma
Agora sim a ferramenta!
Saídas
Desenvolver o cronograma
Agora sim podemos ir para a ferramenta de cronograma...
Linha de base do
cronograma
Cronograma do projeto
Dados do cronograma
Versão aprovada do cronograma que será alterada
apenas pelo processo de controle de mudanças.
Utilizado para o controle dos prazos
Calendário do projeto
Atualizações no plano de
gerenciamento do projeto
Saídas
Desenvolver o cronograma
Agora sim podemos ir para a ferramenta de cronograma...
Linha de base do cronograma
Cronograma do projeto
Dados do cronograma
• Gantt
• Diagrama de marcos
• Diagramas de rede
Calendário do projeto
Atualizações no plano de
gerenciamento do projeto
Saídas
Desenvolver o cronograma
Agora sim podemos ir para a ferramenta de cronograma...
Linha de base do cronograma
Cronograma do projeto
Dados do cronograma
• Premissas adotadas durante o desenvolvimento do
cronograma
• Principais marcos
• Faixas de tolerância para aplicação de faróis de
controle. Ex. Amarelo (desvio > 3%)
• Informações sobre as reservas de cronograma
Calendário do projeto
Atualizações no plano de
gerenciamento do projeto
Saídas
Desenvolver o cronograma
Agora sim podemos ir para a ferramenta de cronograma...
Linha de base do cronograma
Cronograma do projeto
Dados do cronograma
• Dias úteis
• Feriados
• Períodos de trabalho e de exceção
• ...
Calendário do projeto
Atualizações no plano de
gerenciamento do projeto
Saídas
Desenvolver o cronograma
Agora sim podemos ir para a ferramenta de cronograma...
Linha de base do cronograma
Cronograma do projeto
Dados do cronograma
Linha de base do cronograma é uma atualização do
plano (exemplo).
Calendário do projeto
Atualizações no plano de
gerenciamento do projeto
Date
Save the
Agora é
com
VOCÊ!
Planejar o Gerenciamento do Cronograma
Escolher a abordagem (o como) do gerenciamento
de tempo.
Definir as atividades
Decomposição dos pacotes de trabalho nas
atividades do cronograma
sequênciar as atividades
Se eu tivesse 100 atividades e 100 pessoas
terminaria o projeto em 1 dia?
Estimar os prazos
Quais são as estimativas de prazo? Elas
fazem sentido?
Desenvolver o cronograma
Agora sim podemos ir para a ferramenta de
cronograma...
Gerenciamento de Tempo
PMBOK®
Estimar os recursos
Quem e o quê faz o que....
Controlar o cronograma
Controlar, controlar e
controlar...
Controlar o Cronograma
PMBOK®
Monitoramento do andamento das atividades do
projeto para atualização no seu progresso e
gerenciamento de mudanças feitas na linha de
base do cronograma
“ “
Análise de Desempenho
Software de Gerenciamento
de projetos
Técnicas de Otimização de
recursos
Técnicas de desenvolvimento
de modelos
Antecipações e esperas
Compressão do cronograma
Ferramenta de cronograma
Controlar o cronograma
Controlar, controlar e controlar...
Plano de Gerenciamento
do projeto
Cronograma do projeto
Dados de desempenho
do trabalho
Calendário do projeto
Dados do cronograma
Ativos de processos
organizacionais
Informações sobre o
desempenho do trabalho
Previsões de cronograma
Solicitações de mudança
Atualizações no plano de
gerenciamento do projeto
Atualização nos documentos do
projeto
Atualização nos ativos de
processos organizacionais
Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas
Dados de Desempenho do trabalho – Saída do processo 4.3 – Orientar e
Gerenciar o trabalho do projeto e consistem em informações
sobre o progresso do projeto
Controlar o cronograma
Controlar, controlar e controlar...
Análise do Desempenho
Podem ser utilizadas para a análise:
• Análise de Tendências
• Método de Caminho Crítico
• Método de Corrente Crítica
• Gerenciamento do Valor Agregado
Controlar o cronograma
Controlar, controlar e controlar...
Informações sobre o desempenho do trabalho
Dado trabalhado – indicadores de desempenho de tempo como o VPR (variação
de prazo) e IDP (índice de desempenho de prazo) entre outros.
Previsões de cronograma
Solicitações de Mudança
Atualizações no Plano de Gerenciamento de Projetos
• Linha de Base do Cronograma alteradas por conta das mudanças aprovadas
• Plano de Gerenciamento de Cronograma
• Linha de Base de Custos
• ...
Controlar o cronograma
Controlar, controlar e controlar...
Solicitações de Mudança
Lembre-se que, quando identificado um desvio de
cronograma, o primeiro esforço do GP e do time deve ser
em acomodar o desvio dentro das linhas base sem
necessidade de solicitar uma mudança.
Controlar o cronograma
Controlar, controlar e controlar...
Atualização dos Ativos de Processos Organizacionais
• Causa das Variações
• Ação corretiva escolhida e suas razões
• Outros tipos de lições aprendidas
Controlar o cronograma
Controlar, controlar e controlar...
Gerenciamento de Prazos
André Cruz, PMP, MCTS e Prince 2
E-mail: andreluizcruz2@gmail.com
Twitter: @AndreLuizCruz
Linkedin:andrecruzpm
Instagram:@acruz01
O ser verdadeiramente
livre é aquele que
consegue realizar os seus
projetos – Jean Paul Sartre

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Gerenciamento de projetos aula 6 (tempo)
Gerenciamento de projetos   aula 6 (tempo)Gerenciamento de projetos   aula 6 (tempo)
Gerenciamento de projetos aula 6 (tempo)
Paulo Junior
 
Modulo 2 - Execução de programas e projectos do desporto (GPPD)
Modulo 2 - Execução de programas e projectos do desporto (GPPD)Modulo 2 - Execução de programas e projectos do desporto (GPPD)
Modulo 2 - Execução de programas e projectos do desporto (GPPD)
Ana Marques
 
Diagrama de Rede e Cronograma
Diagrama de Rede e CronogramaDiagrama de Rede e Cronograma
Diagrama de Rede e Cronograma
Marcelo Coutinho
 
[Plano de desenvolvimento] manual de gerenciamento de projetos
[Plano de desenvolvimento] manual de gerenciamento de projetos[Plano de desenvolvimento] manual de gerenciamento de projetos
[Plano de desenvolvimento] manual de gerenciamento de projetos
Lenice Bassetto
 

Mais procurados (20)

Gerenciamento de projetos aula 6 (tempo)
Gerenciamento de projetos   aula 6 (tempo)Gerenciamento de projetos   aula 6 (tempo)
Gerenciamento de projetos aula 6 (tempo)
 
Introdução ao Gerenciamento de Projetos com MS Project
Introdução ao Gerenciamento de Projetos com MS ProjectIntrodução ao Gerenciamento de Projetos com MS Project
Introdução ao Gerenciamento de Projetos com MS Project
 
Gerência de Projetos
Gerência de ProjetosGerência de Projetos
Gerência de Projetos
 
10 sinais básicos que demostram que você realmente não conhece o MS Project
10 sinais básicos que demostram que você realmente não conhece o MS Project10 sinais básicos que demostram que você realmente não conhece o MS Project
10 sinais básicos que demostram que você realmente não conhece o MS Project
 
Gestão da qualidade 2
Gestão da qualidade 2Gestão da qualidade 2
Gestão da qualidade 2
 
Redes de Pert
Redes de PertRedes de Pert
Redes de Pert
 
Ferramentas de gestão do tempo no Spider Project
Ferramentas de gestão do tempo no Spider ProjectFerramentas de gestão do tempo no Spider Project
Ferramentas de gestão do tempo no Spider Project
 
Gerenciamento de projetos Aula05 -exercício cpm-parte1
Gerenciamento de projetos Aula05 -exercício cpm-parte1Gerenciamento de projetos Aula05 -exercício cpm-parte1
Gerenciamento de projetos Aula05 -exercício cpm-parte1
 
Modulo 2 - Execução de programas e projectos do desporto (GPPD)
Modulo 2 - Execução de programas e projectos do desporto (GPPD)Modulo 2 - Execução de programas e projectos do desporto (GPPD)
Modulo 2 - Execução de programas e projectos do desporto (GPPD)
 
Pdca
PdcaPdca
Pdca
 
Gerenciamento de tempo
Gerenciamento de tempoGerenciamento de tempo
Gerenciamento de tempo
 
Diagrama de Rede e Cronograma
Diagrama de Rede e CronogramaDiagrama de Rede e Cronograma
Diagrama de Rede e Cronograma
 
Curso de gestão de projetos & ms project
Curso de gestão de projetos & ms projectCurso de gestão de projetos & ms project
Curso de gestão de projetos & ms project
 
Introdução ao Microsoft Project 2010
Introdução ao Microsoft Project 2010Introdução ao Microsoft Project 2010
Introdução ao Microsoft Project 2010
 
Metricas indicadores planejamento_controle
Metricas indicadores planejamento_controleMetricas indicadores planejamento_controle
Metricas indicadores planejamento_controle
 
Como gerenciar o planejamento de projetos utilizando a abordagem apresentada ...
Como gerenciar o planejamento de projetos utilizando a abordagem apresentada ...Como gerenciar o planejamento de projetos utilizando a abordagem apresentada ...
Como gerenciar o planejamento de projetos utilizando a abordagem apresentada ...
 
[Plano de desenvolvimento] manual de gerenciamento de projetos
[Plano de desenvolvimento] manual de gerenciamento de projetos[Plano de desenvolvimento] manual de gerenciamento de projetos
[Plano de desenvolvimento] manual de gerenciamento de projetos
 
Curso de Microsoft Project 2010 - Completo
Curso de Microsoft Project 2010 - CompletoCurso de Microsoft Project 2010 - Completo
Curso de Microsoft Project 2010 - Completo
 
Técnicas para o Desenvolvimento de Cronogramas
Técnicas para o Desenvolvimento de CronogramasTécnicas para o Desenvolvimento de Cronogramas
Técnicas para o Desenvolvimento de Cronogramas
 
Apresentação pmo
Apresentação pmoApresentação pmo
Apresentação pmo
 

Destaque

Destaque (7)

Processo de Criação e Desenvolvimento com Design Thinking
Processo de Criação e Desenvolvimento com Design ThinkingProcesso de Criação e Desenvolvimento com Design Thinking
Processo de Criação e Desenvolvimento com Design Thinking
 
Workshop de Jornada do Usuário - The Developer's Conference São Paulo 2016
Workshop de Jornada do Usuário - The Developer's Conference São Paulo 2016Workshop de Jornada do Usuário - The Developer's Conference São Paulo 2016
Workshop de Jornada do Usuário - The Developer's Conference São Paulo 2016
 
São Paulo Tech Week - Melhorando o Mundo Através do Design
São Paulo Tech Week - Melhorando o Mundo Através do DesignSão Paulo Tech Week - Melhorando o Mundo Através do Design
São Paulo Tech Week - Melhorando o Mundo Através do Design
 
Como montar e facilitar um workshop de Design Sprint - Coletivo Mola
Como montar e facilitar um workshop de Design Sprint - Coletivo MolaComo montar e facilitar um workshop de Design Sprint - Coletivo Mola
Como montar e facilitar um workshop de Design Sprint - Coletivo Mola
 
Design thinking & lean startup
Design thinking & lean startupDesign thinking & lean startup
Design thinking & lean startup
 
Design Thinking for Startups - Are You Design Driven?
Design Thinking for Startups - Are You Design Driven?Design Thinking for Startups - Are You Design Driven?
Design Thinking for Startups - Are You Design Driven?
 
Design Thinking With Persona
Design Thinking With PersonaDesign Thinking With Persona
Design Thinking With Persona
 

Semelhante a Preparatório PMP -Gerenciamento de Prazos

Gerenciamento de Projetos - Rotaract Club
Gerenciamento de Projetos - Rotaract ClubGerenciamento de Projetos - Rotaract Club
Gerenciamento de Projetos - Rotaract Club
Lukinha Gabriel
 

Semelhante a Preparatório PMP -Gerenciamento de Prazos (20)

(Transformar) Sessão 04 Gestão de Projetos Sociais
(Transformar) Sessão 04 Gestão de Projetos Sociais(Transformar) Sessão 04 Gestão de Projetos Sociais
(Transformar) Sessão 04 Gestão de Projetos Sociais
 
TEMPO (1).pptx
TEMPO (1).pptxTEMPO (1).pptx
TEMPO (1).pptx
 
pag 31 - Curso-Gerenciamento-.pptx
pag 31 - Curso-Gerenciamento-.pptxpag 31 - Curso-Gerenciamento-.pptx
pag 31 - Curso-Gerenciamento-.pptx
 
Aula 2 - Gestão de Projetos.pptx
Aula 2 - Gestão de Projetos.pptxAula 2 - Gestão de Projetos.pptx
Aula 2 - Gestão de Projetos.pptx
 
PMO - Project Management Office
PMO - Project Management OfficePMO - Project Management Office
PMO - Project Management Office
 
Gerenciamento de Projetos - Rotaract Club
Gerenciamento de Projetos - Rotaract ClubGerenciamento de Projetos - Rotaract Club
Gerenciamento de Projetos - Rotaract Club
 
Gestão de Projetos e Empreendedorismo (19/03/2014)
Gestão de Projetos e Empreendedorismo (19/03/2014)Gestão de Projetos e Empreendedorismo (19/03/2014)
Gestão de Projetos e Empreendedorismo (19/03/2014)
 
Gerenciamento de integracao
Gerenciamento de integracaoGerenciamento de integracao
Gerenciamento de integracao
 
Gestão de Projetos - Aula 10 (TAD-NB4)
Gestão de Projetos - Aula 10 (TAD-NB4)Gestão de Projetos - Aula 10 (TAD-NB4)
Gestão de Projetos - Aula 10 (TAD-NB4)
 
Gestão de Projetos - Aula 5 (TAD-NB4)
Gestão de Projetos - Aula 5 (TAD-NB4)Gestão de Projetos - Aula 5 (TAD-NB4)
Gestão de Projetos - Aula 5 (TAD-NB4)
 
Gestão de projetos básico
Gestão de projetos básicoGestão de projetos básico
Gestão de projetos básico
 
Gestão de projetos básico
Gestão de projetos básicoGestão de projetos básico
Gestão de projetos básico
 
Curso Microsoft Project 2010 / 2013
Curso Microsoft Project 2010 / 2013Curso Microsoft Project 2010 / 2013
Curso Microsoft Project 2010 / 2013
 
Gerenciamento do escopo - Ano 2013 - PMBOK 5 edição
Gerenciamento do escopo - Ano 2013 - PMBOK 5 ediçãoGerenciamento do escopo - Ano 2013 - PMBOK 5 edição
Gerenciamento do escopo - Ano 2013 - PMBOK 5 edição
 
Boas práticas de gerenciamento de projetos como estratégia para alcançar a in...
Boas práticas de gerenciamento de projetos como estratégia para alcançar a in...Boas práticas de gerenciamento de projetos como estratégia para alcançar a in...
Boas práticas de gerenciamento de projetos como estratégia para alcançar a in...
 
Gerenciamento de Projetos - Visão Executivo
Gerenciamento de Projetos - Visão ExecutivoGerenciamento de Projetos - Visão Executivo
Gerenciamento de Projetos - Visão Executivo
 
Gestão de Projetos - Aula 4 (TAD-MA4 e TAD-NA4)
Gestão de Projetos - Aula 4 (TAD-MA4 e TAD-NA4)Gestão de Projetos - Aula 4 (TAD-MA4 e TAD-NA4)
Gestão de Projetos - Aula 4 (TAD-MA4 e TAD-NA4)
 
Gerenciamento de Projetos
Gerenciamento de ProjetosGerenciamento de Projetos
Gerenciamento de Projetos
 
Gestão de Projetos e Empreendedorismo (26/03/2014)
Gestão de Projetos e Empreendedorismo (26/03/2014)Gestão de Projetos e Empreendedorismo (26/03/2014)
Gestão de Projetos e Empreendedorismo (26/03/2014)
 
AULA SOBRE ELABORACAO_DE_PROJECTOS, .pdf
AULA SOBRE ELABORACAO_DE_PROJECTOS, .pdfAULA SOBRE ELABORACAO_DE_PROJECTOS, .pdf
AULA SOBRE ELABORACAO_DE_PROJECTOS, .pdf
 

Último

018627000101011 (13).pdfdddddddddddddddddddddddddddddd
018627000101011 (13).pdfdddddddddddddddddddddddddddddd018627000101011 (13).pdfdddddddddddddddddddddddddddddd
018627000101011 (13).pdfdddddddddddddddddddddddddddddd
Renandantas16
 
Aula teórica 2 - Gametogênese feminina.pdf
Aula teórica 2 - Gametogênese feminina.pdfAula teórica 2 - Gametogênese feminina.pdf
Aula teórica 2 - Gametogênese feminina.pdf
lucianatorresdemelo
 
sistema de transporte brasil - 7 ano.pptx
sistema de transporte brasil - 7 ano.pptxsistema de transporte brasil - 7 ano.pptx
sistema de transporte brasil - 7 ano.pptx
CarladeOliveira25
 

Último (12)

018627000101011 (13).pdfdddddddddddddddddddddddddddddd
018627000101011 (13).pdfdddddddddddddddddddddddddddddd018627000101011 (13).pdfdddddddddddddddddddddddddddddd
018627000101011 (13).pdfdddddddddddddddddddddddddddddd
 
Digitalização do varejo | Como a logística pode ajudar na melhor experiência ...
Digitalização do varejo | Como a logística pode ajudar na melhor experiência ...Digitalização do varejo | Como a logística pode ajudar na melhor experiência ...
Digitalização do varejo | Como a logística pode ajudar na melhor experiência ...
 
Digitalização de varejo | Importe ou morra.
Digitalização de varejo | Importe ou morra.Digitalização de varejo | Importe ou morra.
Digitalização de varejo | Importe ou morra.
 
Opções estratégicas de competitividade.pdf
Opções estratégicas de competitividade.pdfOpções estratégicas de competitividade.pdf
Opções estratégicas de competitividade.pdf
 
MERCADO LIVRE DE ENERGIA - QUALIDADE NO USO DA ENERGIA
MERCADO LIVRE DE ENERGIA - QUALIDADE NO USO DA ENERGIAMERCADO LIVRE DE ENERGIA - QUALIDADE NO USO DA ENERGIA
MERCADO LIVRE DE ENERGIA - QUALIDADE NO USO DA ENERGIA
 
Digitalização do varejo | A importância do engajamento e fidelização de clien...
Digitalização do varejo | A importância do engajamento e fidelização de clien...Digitalização do varejo | A importância do engajamento e fidelização de clien...
Digitalização do varejo | A importância do engajamento e fidelização de clien...
 
Cavaleiros do Futebol: Equipamentos e Moda para Campeões.pptx
Cavaleiros do Futebol: Equipamentos e Moda para Campeões.pptxCavaleiros do Futebol: Equipamentos e Moda para Campeões.pptx
Cavaleiros do Futebol: Equipamentos e Moda para Campeões.pptx
 
Profissional de Vendas - Funcao e Competencias.pptx
Profissional de Vendas - Funcao e Competencias.pptxProfissional de Vendas - Funcao e Competencias.pptx
Profissional de Vendas - Funcao e Competencias.pptx
 
Aula teórica 2 - Gametogênese feminina.pdf
Aula teórica 2 - Gametogênese feminina.pdfAula teórica 2 - Gametogênese feminina.pdf
Aula teórica 2 - Gametogênese feminina.pdf
 
Digitalização do varejo | Tecnologia na gestão do negócio: como alavancar a e...
Digitalização do varejo | Tecnologia na gestão do negócio: como alavancar a e...Digitalização do varejo | Tecnologia na gestão do negócio: como alavancar a e...
Digitalização do varejo | Tecnologia na gestão do negócio: como alavancar a e...
 
Digitalização do varejo| Clienting no varejo: dados e tendências sobre relaci...
Digitalização do varejo| Clienting no varejo: dados e tendências sobre relaci...Digitalização do varejo| Clienting no varejo: dados e tendências sobre relaci...
Digitalização do varejo| Clienting no varejo: dados e tendências sobre relaci...
 
sistema de transporte brasil - 7 ano.pptx
sistema de transporte brasil - 7 ano.pptxsistema de transporte brasil - 7 ano.pptx
sistema de transporte brasil - 7 ano.pptx
 

Preparatório PMP -Gerenciamento de Prazos

  • 1. O ser verdadeiramente livre é aquele que consegue realizar os seus projetos – Jean Paul Sartre
  • 2. Os números mostram... 68,1% Problemas de comunicação 59,6% Escopo não definido adequadamente 54,9% Não cumprimento dos prazos Os problemas mais frequentes em projetos Mais da metade dos projetos possuem problema com o seu cronograma
  • 3. Se projetos são cada vez mais importantes, porque atrasamostanto
  • 4. A ausência de planejamento e método para o seu desenvolvimento resultam em cronogramas irreais Principais causas: Falta de consideração de recursos Ausência de reservas de contingência Estrutura de Planejamento inexistente Falta de interpretação das modificações do cronograma Definição de escopo imprecisa
  • 5. Gerenciamento do tempo em Projeto O gerenciamento de tempo do projeto engloba os processos necessários para assegurar a conclusão do projeto no prazo previsto. André Cruz PMP – MCTS –Prince 2
  • 6. Não somente o gerenciamento de tempo, mas todas as áreas de gerenciamento de projetos, possuem no ESCOPO do projeto a base para seu planejamento. Mas em tempo, principalmente no momento de definição das atividades, essa influência é determinante. É preciso saber o que será entregue para podemos planejar quando será entregue. Gerenciamento do Tempo do Projeto A influência do Escopo
  • 7. Planejar o Gerenciamento do Cronograma Escolher a abordagem (o como) do gerenciamento de tempo. Definir as atividades Decomposição dos pacotes de trabalho nas atividades do cronograma sequênciar as atividades Se eu tivesse 100 atividades e 100 pessoas terminaria o projeto em 1 dia? Estimar os prazos Quais são as estimativas de prazo? Elas fazem sentido? Desenvolver o cronograma Agora sim podemos ir para a ferramenta de cronograma... Controlar o cronograma Controlar, controlar e controlar... Gerenciamento de Tempo PMBOK® Estimar os recursos Quem e o quê faz o que....
  • 8. Planejar o Gerenciamento do Cronograma Escolher a abordagem (o como) do gerenciamento de tempo. Gerenciamento de Tempo PMBOK®
  • 9. Planejar o Gerenciamento do Cronograma PMBOK® O principal benefício do processo é o fornecimento de orientação e instruções sobre como o cronograma será gerenciado ao longo de todo o projeto “ “
  • 10. Entradas Planejar o Gerenciamento de Tempo Escolher a abordagem (o como) do gerenciamento de tempo. Plano de Gerenciamento do cronogramaOpinião especializada Reuniões Ativos de Processos Organizacionais Fatores Ambientais da Empresa Termo de Abertura Técnicas Analíticas Plano de Gerenciamento do projeto
  • 11. Entradas Planejar o Gerenciamento de Tempo Escolher a abordagem (o como) do gerenciamento de tempo. Ativos de Processos Organizacionais Fatores Ambientais da Empresa Termo de Abertura Plano de Gerenciamento do projeto O Plano de Gerenciamento do Projeto possui os demais planos (risco, prazo, qualidade e etc.) que auxiliam na definição da melhor abordagem para gerenciamento do cronograma sem perder a visão do todo.
  • 12. Entradas Planejar o Gerenciamento de Tempo Escolher a abordagem (o como) do gerenciamento de tempo. Ativos de Processos Organizacionais Fatores Ambientais da Empresa Termo de Abertura Plano de Gerenciamento do projeto O termo de abertura fornece o contexto necessário para planejamento do escopo e pode também fornecer informações de alto nível sobre cronograma, como por exemplo a restrição de prazo (data desejada para término do projeto)
  • 13. Entradas Planejar o Gerenciamento de Tempo Escolher a abordagem (o como) do gerenciamento de tempo. Ativos de Processos Organizacionais Fatores Ambientais da Empresa Termo de Abertura Plano de Gerenciamento do projeto Fatores ambientais, em gerenciamento de projetos, é tudo aquilo que pode influenciar o projeto e que está relacionado ao seu ambiente e contexto. Artefatos visíveis Em alguns casos, Itens que o Líder do Projeto e sua equipe não possuem gestão como, por exemplo, normas do BACEN. Um bom exemplo de fator ambiental é a estrutura organizacional. Por exemplo, em uma estrutura funcional, esforços de gerenciamento de projetos possuem menos chances de gerarem bons resultados devido à falta de poder do gerente de projetos.
  • 14. Entradas Planejar o Gerenciamento de Tempo Escolher a abordagem (o como) do gerenciamento de tempo. Ativos de Processos Organizacionais Fatores Ambientais da Empresa Termo de Abertura Plano de Gerenciamento do projeto Exemplos de Ativos de Processo Organizacionais: • Planos • Processos • Políticas • Procedimentos • Bases de Conhecimento Específicas • Lições Aprendidas • Base histórica de informações sobre projetos • Templates • Metodologia.
  • 15. Ferramentas e Técnicas Planejar o Gerenciamento de Tempo Escolher a abordagem (o como) do gerenciamento de tempo. Opinião especializada Reuniões Técnicas Analíticas Opiniões fornecidas por pessoa ou grupo externo ou interno ao projeto, de dentro ou de fora da organização que possam auxiliar na composição do plano. Opinião fornecida baseada em especialização em uma área de aplicação, área de conhecimento, disciplina , setor econômico e etc.
  • 16. Ferramentas e Técnicas Planejar o Gerenciamento de Tempo Escolher a abordagem (o como) do gerenciamento de tempo. Opinião especializada Reuniões Técnicas Analíticas Analisar, com base em informações disponíveis, opinião especializada e time de projeto, as melhores escolhas em relação à: • Metodologia para elaboração do cronograma • Formas de estimativa • Software de Gerenciamento de Projetos • Métodos de avaliação de desempenho do cronograma • ...
  • 17. Ferramentas e Técnicas Planejar o Gerenciamento de Tempo Escolher a abordagem (o como) do gerenciamento de tempo. Opinião especializada Reuniões Técnicas Analíticas Reuniões do projeto que podem envolver líder do projeto, PMO, membros selecionados da equipe do projeto e demais partes interessadas conforme a necessidade.
  • 18. Saídas Planejar o Gerenciamento de Tempo Escolher a abordagem (o como) do gerenciamento de tempo. • Metodologia para elaboração do cronograma • Formas de estimativa • Software de Gerenciamento de Projetos • Métodos de avaliação de desempenho do cronograma • Frequência de atualização do cronograma • Qual percentual de desvio será considerado um atraso importante ou crítico? • Como as mudanças no cronograma serão gerenciadas ao longo do ciclo de vida do projeto? Plano de Gerenciamento do Cronograma
  • 19. Antes de partirmos para a ferramenta de cronograma, existe todo um processo que antecede esta ação. Devemos sempre pensar em COMO fazer o cronograma antes de FAZER o cronograma. Planejar o Gerenciamento de Tempo Escolher a abordagem (o como) do gerenciamento de tempo.
  • 20.
  • 21. Planejar o Gerenciamento do Cronograma Escolher a abordagem (o como) do gerenciamento de tempo. Definir as atividades Decomposição dos pacotes de trabalho nas atividades do cronograma Gerenciamento de Tempo PMBOK®
  • 22. Definir Atividades PMBOK® O principal benefício do processo é a divisão dos pacotes de trabalho em atividades que fornecem uma base para estimar, programar, executar, monitorar e controlar os trabalhos do projeto. “ “
  • 23. Definir as atividades Decomposição dos pacotes de trabalho nas atividades do cronograma Já vimos que não começamos o cronograma pela ferramenta de cronograma. É preciso planejar a abordagem do cronograma e, sobretudo, termos uma compreensão do escopo do projeto. É fundamental para isto a EAP.
  • 24. Definir as atividades Decomposição dos pacotes de trabalho nas atividades do cronograma 1 Projeto 1.1 Entrega 1 1.2 Entrega 2 1.1.1 Pacote 1.3 Entrega 3 1.1.2 Pacote 1.1.2 Pacote 1.2.1 Pacote 1.2.2 Pacote 1.3.1 Pacote 1.3.2 Pacote Vamos relembrar ? A EAP é a ALMA do projeto servindo como base para as demais áreas de conhecimento
  • 25. Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas Definir as atividades Decomposição dos pacotes de trabalho nas atividades do cronograma Plano de Gerenciamento do Cronograma Linha de Base de Escopo Fatores Ambientais Ativos de Processos Organizacionais Decomposição Planejamento em Ondas Sucessivas Opinião especializada Lista de Atividades Lista de Marcos Atributos das Atividades
  • 26. Entradas Definir as atividades Decomposição dos pacotes de trabalho nas atividades do cronograma Linha de Base de Escopo Precisamos do documento de objetivo do projeto, sua EAP e a descrição dos itens que a compõem para determinarmos as atividades do projeto. EAP Estrutura Analítica do Projeto + Especificação de Escopo + Dicionário da EAP
  • 27. Ferramentas e Técnicas Definir as atividades Decomposição dos pacotes de trabalho nas atividades do cronograma Decomposição Planejamento em Ondas Sucessivas Devemos abrir os pacotes de trabalho definidos na EAP em atividades, definindo assim as ações necessárias para se cumprir cada uma das entregas do projeto. Em Escopo decompomos o próprio escopo na EAP (estrutura analítica do projeto) já em Tempo, decompomos os pacotes da EAP nas atividades.
  • 28. Ferramentas e Técnicas Definir as atividades Decomposição dos pacotes de trabalho nas atividades do cronograma Decomposição Planejamento em Ondas Sucessivas Técnica de planejamento iterativo em que o trabalho a ser realizado no curto prazo é planejado com detalhe , ao passo que o trabalho futuro é planejado com um nível mais alto. É um tipo de elaboração progressiva. Exemplo: Parte do projeto tem seus pacotes de trabalho decompostos em atividades e outra parte do projeto aguarda para que mais detalhes sejam obtidos até que o todo seja decomposto. Elaboração Progressiva: O grau de detalhe aumenta e as estimativas são refinadas conforme mais tempo se trabalha no projeto.
  • 29. Saídas Definir as atividades Decomposição dos pacotes de trabalho nas atividades do cronograma Lista abrangente de todas as atividades necessárias para conclusão dos pacotes de trabalho e consequentemente as suas entregas. Lista de Atividades Lista de Marcos Atributos das Atividades
  • 30. Saídas Definir as atividades Decomposição dos pacotes de trabalho nas atividades do cronograma Precisão Gerencial x Definição das atividades • Cabe ao líder do projeto determinar o nível de detalhamento das atividades • Quanto maior o detalhamento, maior será a precisão gerencial • Quanto maior o detalhamento, maior será o esforço de gerenciamento e de comunicação para controle das atividades • É recomendável que sejam detalhadas atividades relacionadas com as entregas com importância crucial para o projeto. Lista de Atividades Lista de Marcos Atributos das Atividades
  • 31. Saídas Definir as atividades Decomposição dos pacotes de trabalho nas atividades do cronograma Recomendações para detalhamento das atividades Nível suficiente para: • Se fazer a estimativa de duração, trabalho e custo • Para se definir as interdependências entre as atividades • Para fazer a alocação da atividade para um recurso • Até que a duração das atividades não exceda o período de reporte definido no plano de comunicação • Que a duração das atividades esteja entre 1% e 10% da duração do projeto. Lista de Atividades Lista de Marcos Atributos das Atividades
  • 32. Saídas Definir as atividades Decomposição dos pacotes de trabalho nas atividades do cronograma Os atributos das atividades ampliam a descrição das mesmas através da identificação de múltiplos componentes associados a cada atividade. Lembra do Dicionário da EAP? Os atributos são o dicionário da atividade. Lista de Atividades Lista de Marcos Atributos das Atividades
  • 33. Saídas Definir as atividades Decomposição dos pacotes de trabalho nas atividades do cronograma Lista de principais eventos do cronograma como: • O início do projeto • O início do faturamento • A conclusão de uma fase, entrega ou pacote de trabalho • Marcos obrigatórios, como entrega de um relatório ao BACEN ou entregas contratuais. • ... Lista de Atividades Lista de Marcos Atributos das Atividades
  • 34. Saídas Definir as atividades Decomposição dos pacotes de trabalho nas atividades do cronograma Marcos são semelhantes às atividades normais do cronograma, com a mesma estrutura e atributos, mas não possuem duração ou recurso alocado visto que marcos representam um momento do tempo. Lista de Atividades Lista de Marcos Atributos das Atividades
  • 35. Definir as atividades Decomposição dos pacotes de trabalho nas atividades do cronograma Se a sua Estrutura Analítica do Projeto (EAP) não foi feita de forma adequada, qual é o grau de assertividade da sua lista de atividades?
  • 36. Definir as atividades Decomposição dos pacotes de trabalho nas atividades do cronograma Quando da definição de atividades, pacotes e marcos, recomenda-se a utilização de formas diferentes de descrevê-los. • Pacote de Trabalho – Substantivo • Atividade – Verbo no presente (indica ação) • Marco – Verbo no passado, voz passiva ou substantivo.
  • 37. Definir as atividades Decomposição dos pacotes de trabalho nas atividades do cronograma Quando da definição de atividades, pacotes e marcos, recomenda-se a utilização de formas diferentes de descrevê-los. • Pacote de Trabalho – Alvenaria • Atividade – Executar Alvenaria Quarto 1 • Marco – Alvenaria do Quarto 1 concluída.
  • 39. Sequênciar as atividades PMBOK® Definir a sequência lógica do trabalho a fim de obter o mais alto nível de eficiência em face de todas as restrições do projeto. “ “
  • 40. Planejar o Gerenciamento do Cronograma Escolher a abordagem (o como) do gerenciamento de tempo. Definir as atividades Decomposição dos pacotes de trabalho nas atividades do cronograma Sequênciar as atividades Se eu tivesse 100 atividades e 100 pessoas terminaria o projeto em 1 dia? Gerenciamento de Tempo PMBOK®
  • 41. Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas Plano de Gerenciamento do Cronograma Fatores Ambientais Ativos de Processos Organizacionais Sequênciar as atividades Se eu tivesse 100 atividades e 100 pessoas terminaria o projeto em 1 dia? Lista de Atividades Lista de Marcos Atributos das Atividades Especificação de Escopo Diagrama de rede do projeto Atualização nos documentos do projeto Antecipações e Esperas Determinação da Dependência Método de Diagrama de Precedência (MDP)
  • 42.
  • 43. Entradas • Informações sobre o escopo do produto que podem influenciar a sequência das atividades • Entregas • Premissas e Restrições Sequênciar as atividades Se eu tivesse 100 atividades e 100 pessoas terminaria o projeto em 1 dia? Especificação de Escopo
  • 44. Ferramentas e Técnicas Método de construção de diagramas de rede de projeto que utiliza caixas (nós) para representar as atividades, conectando-as por setas que representam as dependências. Sequênciar as atividades Se eu tivesse 100 atividades e 100 pessoas terminaria o projeto em 1 dia? Antecipações e Esperas Determinação da Dependência Método de Diagrama de Precedência (MDP)
  • 45. Ferramentas e Técnicas Atividade A Atividade B Atividade C Atividade D Atividade E Atividade F Início Fim Atividade (nó) Dependência Sequênciar as atividades Se eu tivesse 100 atividades e 100 pessoas terminaria o projeto em 1 dia? Método de Diagrama de Precedência (MDP)
  • 46. Ferramentas e Técnicas Sequênciar as atividades Se eu tivesse 100 atividades e 100 pessoas terminaria o projeto em 1 dia? Antecipações e Esperas Determinação da Dependência Método de Diagrama de Precedência (MDP) Atividade A Atividade B Término para início (TI) - ~ 95% das atividades de um cronograma possuem este relacionamento. Para a atividade sucessora ser iniciada, a atividade predecessora deve ser concluída Predecessora Sucessora
  • 47. Ferramentas e Técnicas Sequênciar as atividades Se eu tivesse 100 atividades e 100 pessoas terminaria o projeto em 1 dia? Antecipações e Esperas Determinação da Dependência Método de Diagrama de Precedência (MDP) Término para término (TT) Neste tipo de relacionamento uma atividade sucessora (C) não pode ser concluída até que a atividade predecessora (F) seja concluída Atividades não necessitam ser concluídas necessariamente no mesmo dia. Atividade C Atividade F
  • 48. Ferramentas e Técnicas Sequênciar as atividades Se eu tivesse 100 atividades e 100 pessoas terminaria o projeto em 1 dia? Antecipações e Esperas Determinação da Dependência Método de Diagrama de Precedência (MDP) Início para início (II) Neste tipo de relacionamento uma atividade sucessora (E) não pode ser iniciada até que a atividade predecessora (D) também tenha sido iniciada. Normalmente atividades em paralelo, porém o início de uma depende do início de sua predecessora. Atividade D Atividade E
  • 49. Ferramentas e Técnicas Sequênciar as atividades Se eu tivesse 100 atividades e 100 pessoas terminaria o projeto em 1 dia? Antecipações e Esperas Determinação da Dependência Método de Diagrama de Precedência (MDP) Início para término (IT) Neste tipo de relacionamento uma atividade sucessora (H) não pode ser concluída até que atividade predecessora (G) tenha sido iniciada. Relacionamento menos comum. Atividade G Atividade H
  • 50. Ferramentas e Técnicas Sequênciar as atividades Se eu tivesse 100 atividades e 100 pessoas terminaria o projeto em 1 dia? Antecipações e Esperas Determinação da Dependência Método de Diagrama de Precedência (MDP)
  • 51. Ferramentas e Técnicas Sequênciar as atividades Se eu tivesse 100 atividades e 100 pessoas terminaria o projeto em 1 dia? Antecipações e Esperas Determinação da Dependência Método de Diagrama de Precedência (MDP) Dependência Obrigatória Exigidas legal ou contratualmente, ou inerentes à natureza do trabalho. Dependência Arbitrária Estabelecida, geralmente, pelo time do projeto. Dependências Externas Relacionamento entre atividades do projeto e atividades externas ao projeto Dependências Internas Envolvem um relação de precedência entre as atividades do projeto e estão geralmente sob controle da equipe do projeto.
  • 52. Durante o controle de cronograma, principalmente quando for preciso recuperar prazos, as dependências a serem revisadas serão, na maior parte do tempo as relações... Internas e Arbitrárias. Sequênciar as atividades Se eu tivesse 100 atividades e 100 pessoas terminaria o projeto em 1 dia?
  • 53. Ferramentas e Técnicas Sequênciar as atividades Se eu tivesse 100 atividades e 100 pessoas terminaria o projeto em 1 dia? Antecipações e Esperas Determinação da Dependência Método de Diagrama de Precedência (MDP) A B Antecipação É a sobreposição entre atividades dependentes com a intenção de diminuir o prazo final do projeto. Exemplo: TI - 60%. Quando a atividade A alcançar 60% de completude a atividade B poderá ser iniciada TI -60%
  • 54. Ferramentas e Técnicas Sequênciar as atividades Se eu tivesse 100 atividades e 100 pessoas terminaria o projeto em 1 dia? Antecipações e Esperas Determinação da Dependência Método de Diagrama de Precedência (MDP) A B Espera (Atraso Espera entre atividades dependentes aplicada geralmente por uma necessidade técnica. Exemplo: TI + 15 dias. Quando a atividade A for concluída, a atividade B deverá aguardar 15 dias para ser iniciada. TI + 15 dias
  • 55. Saídas Atividade A Atividade B Atividade C Atividade D Atividade E Atividade F Início Fim Atividade (nó) Dependência Sequênciar as atividades Se eu tivesse 100 atividades e 100 pessoas terminaria o projeto em 1 dia? Diagrama de rede do projeto
  • 56. Saídas Sequênciar as atividades Se eu tivesse 100 atividades e 100 pessoas terminaria o projeto em 1 dia? Atualização nos documentos do projeto • Lista de atividades • Atributos das atividades • ...
  • 58. Planejar o Gerenciamento do Cronograma Escolher a abordagem (o como) do gerenciamento de tempo. Definir as atividades Decomposição dos pacotes de trabalho nas atividades do cronograma Sequênciar as atividades Se eu tivesse 100 atividades e 100 pessoas terminaria o projeto em 1 dia? Gerenciamento de Tempo PMBOK® Estimar os recursos Quem e o quê faz o que....
  • 59. Estimar recursos PMBOK® O processo de estimativa dos tipos e quantidades de material, recursos humanos, equipamentos ou suprimentos que serão necessários para realizar cada atividade “ “
  • 60. Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas Lista de Atividades Atributos das Atividades Plano de Gerenciamento do Cronograma Calendário de Recursos Registro de Riscos Estimativa de Custos Fatores Ambientes da Empresa Ativos de Processos Organizacionais Estimar os recursos Quem e o quê faz o que... Opinião Especializada Análise de Alternativas Dados Publicados sobre estimativas Estimativa Bottom-up Software de Gerenciamento de Projetos Requisitos de Recursos das Atividades Estimativa de Analítica de Recursos Atualizações nos documentos do projeto
  • 61. Entradas Calendário de Recursos Registro de Riscos Estimativa de Custos Estimar os recursos Quem e o quê faz o que... Documento que fornece a disponibilidade dos recursos informando: Alocação do recurso em outros projetos, períodos de férias e etc. Seg Ter Qua Qui Sex Sab Dom Seg Ter Qua Trabalho apenas em dias úteis Trabalho aos sábados
  • 62. Entradas Calendário de Recursos Registro de Riscos Estimativa de Custos Estimar os recursos Quem e o quê faz o que... Riscos irão influenciar todo o projeto. Uma resposta, por exemplo, que envolve a instalação de um gerador poderá alterar o escopo (gerador), o cronograma (prazo para instalação), aquisições (compra do gerador) e etc...
  • 63. Entradas Calendário de Recursos Registro de Riscos Estimativa de Custos Estimar os recursos Quem e o quê faz o que... A escolha dos recursos a serem utilizados deverão observar os seus custos e o orçamento do projeto (posso pagar por este recurso?)
  • 64. Ferramentas e Técnicas Estimar os recursos Quem e o quê faz o que... Procurar a melhor forma, ou uma nova forma de se fazer o trabalho do projeto – CRIAR OPÇÕES Análise de Alternativas Dados Publicados sobre estimativas Estimativa Bottom-up Software de Gerenciamento de Projetos
  • 65. Ferramentas e Técnicas Estimar os recursos Quem e o quê faz o que... Várias organizações publicam rotineiramente índices de produção atualizados e custos unitários de recursos de seus projetos. Imagine que seja possível acessar ao arquivo de lições aprendidas de outras empresas. Análise de Alternativas Dados Publicados sobre estimativas Estimativa Bottom-up Software de Gerenciamento de Projetos
  • 66. Ferramentas e Técnicas Estimar os recursos Quem e o quê faz o que... Análise de Alternativas Dados Publicados sobre estimativas Estimativa Bottom-up Software de Gerenciamento de Projetos
  • 67. Ferramentas e Técnicas Estimar os recursos Quem e o quê faz o que... Análise de Alternativas Dados Publicados sobre estimativas Estimativa Bottom-up Software de Gerenciamento de Projetos Ferramenta que pode auxiliar no planejamento, organização e gerenciamento dos recursos e no desenvolvimento de estimativas dos mesmos. Note que só agora falamos de ferramenta.
  • 68. Saídas Estimar os recursos Quem e o quê faz o que... Agora estão definidos os tipos e quantidades de recursos exigidos para cada atividade do projetoRequisitos de Recursos das Atividades Estimativa de Analítica de Recursos
  • 69. Saídas Estimar os recursos Quem e o quê faz o que... Estrutura analítica de Recursos (EAR) é uma representação hierárquica dos recursos por tipo e categoria. Requisitos de Recursos das Atividades Estimativa de Analítica de Recursos
  • 70. Saídas Estimar os recursos Quem e o quê faz o que... Requisitos de Recursos das Atividades Estimativa de Analítica de Recursos EAR Pessoal Equipamento Veículo Escritório Engenheiro Sênior Júnior Betoneira Guincho Compressor Leve Pesado Notebooks Mobiliário
  • 71. Ao estimar os recursos humanos, principalmente ao tentar recuperar prazos cuidado com a Lei dos Rendimentos Decrescentes Chega um momento no qual, mesmo aumentando a quantidade de recursos, a duração das atividades não diminui e até chega a aumentar. Estimar os recursos Quem e o quê faz o que...
  • 73. Planejar o Gerenciamento do Cronograma Escolher a abordagem (o como) do gerenciamento de tempo. Definir as atividades Decomposição dos pacotes de trabalho nas atividades do cronograma sequênciar as atividades Se eu tivesse 100 atividades e 100 pessoas terminaria o projeto em 1 dia? Estimar os prazos Quais são as estimativas de prazo? Elas fazem sentido? Desenvolver o cronograma Agora sim podemos ir para a ferramenta de cronograma... Controlar o cronograma Controlar, controlar e controlar... Gerenciamento de Tempo PMBOK® Estimar os recursos Quem e o quê faz o que....
  • 74. Planejar o Gerenciamento do Cronograma Escolher a abordagem (o como) do gerenciamento de tempo. Definir as atividades Decomposição dos pacotes de trabalho nas atividades do cronograma sequênciar as atividades Se eu tivesse 100 atividades e 100 pessoas terminaria o projeto em 1 dia? Estimar os prazos Quais são as estimativas de prazo? Elas fazem sentido? Gerenciamento de Tempo PMBOK® Estimar os recursos Quem e o quê faz o que....
  • 75. Estimar a duração das atividades PMBOK® Estimar o número de períodos de trabalho que são necessários para terminar atividades específicas com os recursos estimados “ “
  • 76. Melhor estima a duração de uma atividade quem realiza a atividade. No entanto, o Líder do projeto é o responsável por aprovar estas estimativas. Atenção Estimar os prazos Quais são as estimativas de prazo? Elas fazem sentido?
  • 77. Entradas Estimar os prazos Quais são as estimativas de prazo? Elas fazem sentido? Lista de Atividades Atributos das Atividades Plano de Gerenciamento do Cronograma Calendário de Recursos Registro de Riscos Fatores Ambientes da Empresa Ativos de Processos Organizacionais Requisitos de Recursos das Atividades Estimativa de Analítica de Recursos Especificação de Escopo
  • 78. Ferramentas e Técnicas Estimar os prazos Quais são as estimativas de prazo? Elas fazem sentido? Opinião Especializada Estimativas: • Análoga • Paramétrica • 3 Pontos Análise de Reservas Técnicas de tomada de decisão em grupo
  • 79. Ferramentas e Técnicas Estimar os prazos Quais são as estimativas de prazo? Elas fazem sentido? Estimativas: • Análoga • Paramétrica • 3 Pontos Análise de Reservas Técnicas de tomada de decisão em grupo
  • 80. Ferramentas e Técnicas Estimar os prazos Quais são as estimativas de prazo? Elas fazem sentido? Estimativas: • Análoga • Paramétrica • 3 Pontos Análise de Reservas Análoga Baseada em conhecimento e experiências passadas – É mais rápida, mais barata e menos precisa. Utilizada em momentos onde não se conhece muito do projeto Técnicas de tomada de decisão em grupo
  • 81. Ferramentas e Técnicas Estimar os prazos Quais são as estimativas de prazo? Elas fazem sentido? Estimativas: • Análoga • Paramétrica • 3 Pontos Análise de Reservas Paramétrica Um algoritmo é usado para calcular o custo e a duração com base em dados históricos e parâmetros de projeto. Produz saídas como: Se o recurso designado é capaz de instalar 25 metros de cabo por hora, a duração total necessária para instalação de 1000 metros é de 40 horas (1000 metros divididos por 25 metros por hora). Costuma ser mais precisa que a análoga. Técnicas de tomada de decisão em grupo
  • 82. Você ao fornecer uma estimativa de prazo ou um cronograma, pudesse informar que: • O projeto irá durar 8 meses ± 2 semanas  de 7,5 meses até 8,5 meses. • Probabilidade de 15% do projeto exceder 20 dias do deadline. As estimativas em forma de intervalos e probabilidades é a melhor forma de se fornecer uma estimativa. Imagine se....
  • 83. Ferramentas e Técnicas Estimar os prazos Quais são as estimativas de prazo? Elas fazem sentido? Estimativas: • Análoga • Paramétrica • 3 Pontos Análise de Reservas 3 Pontos Estatísticos afirmam que a chance de uma estimativa única (1 ponto), possui apenas 5% de chance de se comprovar. Já quando se pensa em 3 pontos – Cenário mais provável, otimista e pessimista – esta chance, por si só, aumenta para 25%. Técnicas de tomada de decisão em grupo
  • 84. Ferramentas e Técnicas Estimar os prazos Quais são as estimativas de prazo? Elas fazem sentido? Estimativas: • Análoga • Paramétrica • 3 Pontos Análise de Reservas 3 Pontos Quando utilizamos 3 pontos, fazemos uma média ponderada destes mesmos 3 pontos. Para realizar esta média, é utilizada o Program Evaluation and Review Technique (PERT) Duração Estimada= 𝑡𝑂+ 4𝑡𝑀 +𝑡𝑃 6 Onde: tO = Estimativa otimista tM = Estimativa mais provável tP = Estimativa pessimista Técnicas de tomada de decisão em grupo
  • 85. Ferramentas e Técnicas Estimar os prazos Quais são as estimativas de prazo? Elas fazem sentido? Estimativas: • Análoga • Paramétrica • 3 Pontos Análise de Reservas 3 Pontos Para refinarmos a estimativa, podemos calcular o desvio padrão. Desta forma será possível verificar a variação em relação à média, ou seja, o quanto uma média pode variar “para cima” ou “para baixo” Desvio padrão = 𝑡𝑃−𝑡𝑂 6 Onde: tP = Estimativa pessimista t0 = Estimativa otimista Técnicas de tomada de decisão em grupo
  • 86. Ferramentas e Técnicas Estimar os prazos Quais são as estimativas de prazo? Elas fazem sentido? Estimativas: • Análoga • Paramétrica • 3 Pontos Análise de Reservas 3 Pontos Desvios padrões podem ser medidos através de variações chamadas sigmas. Cada sigma responde o quão assertivo é um intervalo em relação à média – Regra dos “68-95-99,7” Onde: 1 sigma – 68% de chance de um valor dentro do intervalo ocorra. 2 sigmas – 95,5% de chance de um valor dentro do intervalo ocorra. 3 sigmas – 99,7% de chance de um valor dentro do intervalo ocorra. Técnicas de tomada de decisão em grupo
  • 87. Ferramentas e Técnicas Estimar os prazos Quais são as estimativas de prazo? Elas fazem sentido? Estimativas: • Análoga • Paramétrica • 3 Pontos Análise de Reservas Desvio padrão = 𝑡𝑃−𝑡𝑂 6 PERT= 𝑡𝑂+ 4𝑡𝑀 +𝑡𝑃 6 PERT = 𝑝𝑒𝑟𝑡_𝑎𝑡𝑖𝑣𝑖𝑑𝑎𝑑𝑒𝑠 projeto Desvio padrão = 𝑣𝑎𝑟𝑖â𝑛𝑐𝑖𝑎𝑠 projeto Variância = DesvioPadrão² Técnicas de tomada de decisão em grupo
  • 88. Ferramentas e Técnicas Estimar os prazos Quais são as estimativas de prazo? Elas fazem sentido? Estimativas: • Análoga • Paramétrica • 3 Pontos Análise de Reservas Técnicas de tomada de decisão em grupo Mapas Mentais – Organiza o pensamento e as ideias geradas em reuniões na sequência do pensamento. Diagramas de Afinidade – Permitem que um grande volume de ideias seja classificado em grupos, para revisão e análise. Análise de Decisão Multicritério – Utilizam matriz de decisão para priorizar e selecionar requisitos e ideias. Pode levar em consideração nível de incerteza e riscos para categorização de requisitos. Técnica Delphi – Método de consulta de requisitos de forma anônima.
  • 89. Ferramentas e Técnicas Estimar os prazos Quais são as estimativas de prazo? Elas fazem sentido? Estimativas: • Análoga • Paramétrica • 3 Pontos Análise de Reservas Técnicas de tomada de decisão em grupo As estimativas de duração podem considerar reservas para riscos conhecidos no momento de sua determinação e aqueles que, até este momento, não são conhecidos. “Líderes de Projeto devem focar sua atenção em evitar problemas e não em resolvê-los.” Adaptado de Rita Mulcahy.
  • 90. Saídas Estimar os prazos Quais são as estimativas de prazo? Elas fazem sentido? Estimativas de duração das atividades Agora já sabemos qual é a duração estimada do projeto e suas faixas de resultados possíveis. • O projeto poderá durar 2 semanas ± 2 dias  de 8 a 12 dias. • Probabilidade de 15% do projeto exceder 20 dias do deadline.
  • 92. Planejar o Gerenciamento do Cronograma Escolher a abordagem (o como) do gerenciamento de tempo. Definir as atividades Decomposição dos pacotes de trabalho nas atividades do cronograma sequênciar as atividades Se eu tivesse 100 atividades e 100 pessoas terminaria o projeto em 1 dia? Estimar os prazos Quais são as estimativas de prazo? Elas fazem sentido? Desenvolver o cronograma Agora sim podemos ir para a ferramenta de cronograma... Gerenciamento de Tempo PMBOK® Estimar os recursos Quem e o quê faz o que....
  • 93. Desenvolver o cronograma PMBOK® Análise da sequência das atividades, suas durações, recursos necessários e restrições do cronograma visando criar o modelo do cronograma do projeto “ “
  • 94. Entradas Lista de Atividades Atributos das Atividades Plano de Gerenciamento do Cronograma Calendário de Recursos Registro de Riscos Fatores Ambientes da Empresa Ativos de Processos Organizacionais Requisitos de Recursos das Atividades Estimativa de Analítica de Recursos Especificação de Escopo Desenvolver o cronograma Agora sim podemos ir para a ferramenta de cronograma... Diagrama de rede do projeto Estimativas de duração das atividades Designação de pessoal do projeto
  • 95. Ferramentas e Técnicas Emprego de várias técnicas para a criação do cronograma tais como caminho crítico, análise “e se?” além da própria análise do diagrama de rede do cronograma Desenvolver o cronograma Agora sim podemos ir para a ferramenta de cronograma... Análise de rede do cronograma Método de caminho crítico Método de corrente crítica Técnicas de Otimização de recursos Técnicas de criação de modelos Antecipações e Esperas Compressão do cronograma Ferramenta de cronograma
  • 96. Ferramentas e Técnicas Método utilizado para estimar a duração mínima do projeto e determinar o grau de flexibilidade nos caminhos lógicos da rede do cronograma Desenvolver o cronograma Agora sim podemos ir para a ferramenta de cronograma... Análise de rede do cronograma Método de caminho crítico Método de corrente crítica Técnicas de Otimização de recursos Técnicas de criação de modelos Antecipações e Esperas Compressão do cronograma Ferramenta de cronograma
  • 97. Desenvolver o cronograma Agora vamos falar de datas... Análise de rede do cronograma Método de caminho crítico Método de corrente crítica Técnica de otimização de recursos Técnica de desenvolvimento de modelos Antecipação e esperas Compressão do cronograma Ferramenta de cronograma Linha de base do cronograma Cronograma do projeto Dados do cronograma Calendário do projeto Atualizações no plano de gerenciamento do projetos Atualização nos documentos do projeto Ferramentas e Técnicas Saídas
  • 98. • Desenvolver o cronograma Agora vamos falar de datas... Análise de rede do cronograma Emprego de várias técnicas para a criação do cronograma tais como caminho crítico, análise “e se?” além da própria análise do diagrama de rede do cronograma. Método de caminho crítico Método utilizado para estimar a duração mínima do projeto e determinar o grau de flexibilidade nos caminhos lógicos da rede do cronograma Método de corrente crítica Método que permite de cronograma que permite a criação de buffers ao longo de qualquer caminho da rede. Leva em consideração a restrição de recursos, o que pode resultar em cronogramas mais espaçados.
  • 99. Consiste na determinação das datas de inicio mais cedo e mais tarde e datas de término mais cedo e mais tarde para que seja possível calcular a duração do projeto e o seu caminho crítico Atividade A Atividade B Atividade C Atividade D Atividade E Atividade F Inicio Fim Desenvolver o cronograma Agora sim podemos ir para a ferramenta de cronograma...
  • 100. Consiste na determinação das datas de inicio mais cedo e mais tarde e datas de término mais cedo e mais tarde para que seja possível calcular a duração do projeto, seu caminho crítico e folgas. IMC Duração TMC Nome da Atividade IMT Folga Total TMT IMC Início Mais Cedo IMT Início Mais Tarde TMC Término Mais Cedo TMT Término Mais Tarde Com o auxílio do diagrama de rede e das durações estimadas é possível calcular as datas mais cedo e mais tarde cada uma em sentido diferente do diagrama de rede IDA – Cálculo das datas mais cedo VOLTA – Cálculo das datas mais tarde Desenvolver o cronograma Agora sim podemos ir para a ferramenta de cronograma...
  • 101. Com a rede abaixo e as durações informadas , começamos fazendo a conta na IDA IMC 2 TMC B IMT TMTInicio Fim IMC Duração TMC Nome da Atividade IMT Folga Total TMT IMC 2 TMC C IMT TMT IMC 2 TMC D IMT TMT IMC 2 TMC G IMT TMT IMC 6 TMC A IMT TMT IMC 2 TMC E IMT TMT IMC 2 TMC F IMT TMT Desenvolver o cronograma Agora sim podemos ir para a ferramenta de cronograma...
  • 102. Com a rede abaixo e as durações informadas , começamos fazendo a conta na IDA. A convenção é que se inicia a conta de “0”. 2 B Inicio Fim IMC Duração TMC Nome da Atividade IMT Folga Total TMT 4 C 6 D 7 G 6 A 2 E 5 F Desenvolver o cronograma Agora sim podemos ir para a ferramenta de cronograma...
  • 103. Com a rede abaixo e as durações informadas , começamos fazendo a conta na IDA. A convenção é que se inicia a conta de “0”. 0 2 2 B IMT TMTInicio Fim IMC Duração TMC Nome da Atividade IMT Folga Total TMT 2 4 6 C IMT TMT 12 6 18 D IMT TMT 0 7 7 G IMT TMT 0 6 6 A IMT TMT 6 2 8 E IMT TMT 7 5 12 F IMT TMT Desenvolver o cronograma Agora sim podemos ir para a ferramenta de cronograma...
  • 104. Neste momento já é possível determinarmos o caminho crítico do projeto e sua duração total = 18 dias. As atividades G-F-D representam o caminho crítico, ou seja, o caminho de maior duração 0 2 2 B IMT TMTInicio Fim IMC Duração TMC Nome da Atividade IMT Folga Total TMT 2 4 6 C IMT TMT 12 6 18 D IMT TMT 0 7 7 G IMT TMT 0 6 6 A IMT TMT 6 2 8 E IMT TMT 7 5 12 F IMT TMT Desenvolver o cronograma Agora sim podemos ir para a ferramenta de cronograma...
  • 105. Para determinarmos a Folga Total (Tempo que uma atividade pode atrasar sem impactar a data final do projeto) aplicamos agora o caminho de volta utilizando maior valor encontrado (18) 0 2 2 B 6 6 8Inicio Fim IMC Duração TMC Nome da Atividade IMT Folga Total TMT 2 4 6 C 8 6 12 12 6 18 D 12 0 18 0 7 7 G 7 0 7 0 6 6 A 10 10 16 6 2 8 E 16 10 18 7 5 12 F 7 0 12 FOLGA TOTAL TMT – TMC ou IMT - IMC 18-18 = 0 18-8 = 10 Desenvolver o cronograma Agora sim podemos ir para a ferramenta de cronograma...
  • 106. Para determinarmos a Folga Total (Tempo que uma atividade pode atrasar sem impactar a data final do projeto) aplicamos agora o caminho de volta utilizando maior valor encontrado (18) 0 2 2 B Inicio Fim IMC Duração TMC Nome da Atividade IMT Folga Total TMT 2 4 6 C 12 6 18 D 0 7 7 G 0 6 6 A 6 2 8 E 7 5 12 F FOLGA TOTAL TMT – TMC ou IMT - IMC Desenvolver o cronograma Agora sim podemos ir para a ferramenta de cronograma...
  • 107. A confirmação do caminho crítico é indicada na folga do caminho G-D-F que é igual a 0. 0 2 2 B 6 6 8Inicio Fim IMC Duração TMC Nome da Atividade IMT Folga Total TMT 2 4 6 C 8 6 12 12 6 18 D 12 0 18 0 7 7 G 7 0 7 0 6 6 A 10 10 16 6 2 8 E 16 10 18 7 5 12 F 7 0 12 FOLGA TOTAL =TMT – TMC ou =IMT - IMC 18-18 = 0 18-8 = 10 12-12= 07-7= 0 Desenvolver o cronograma Agora sim podemos ir para a ferramenta de cronograma...
  • 108. Já as atividades foram do caminho crítico podem atrasar 6 dias (B-C) e 10 dias (A-E) que ainda não assim não atrasarão o projeto. 0 2 2 B 6 6 8Inicio Fim IMC Duração TMC Nome da Atividade IMT Folga Total TMT 2 4 6 C 8 6 12 12 6 18 D 12 0 18 0 7 7 G 7 0 7 0 6 6 A 10 10 16 6 2 8 E 16 10 18 7 5 12 F 7 0 12 FOLGA TOTAL =TMT – TMC ou =IMT - IMC 18-18 = 0 18-8 = 10 12-12= 07-7= 0 Desenvolver o cronograma Agora sim podemos ir para a ferramenta de cronograma...
  • 109. Entendendo melhor os tipos de folga Folga total – É o tempo que uma atividade pode atrasar sem comprometer o prazo do projeto Folga Livre – É o tempo que uma atividade pode atrasar sem impactar a sua atividade sucessora. Folga do Projeto – É o tempo que um projeto pode atrasar sem a perda de uma data imposta TMT – TMC ou IMT - IMC FOLGA TOTAL 0 2 2 B 6 6 8 2 4 6 C 8 6 12 6 2 8 E 16 10 18 FOLGA LIVRE TMC – IMC Desenvolver o cronograma Agora sim podemos ir para a ferramenta de cronograma...
  • 110. Entendendo melhor os tipos de folga Folga do Projeto – É o tempo que um projeto pode atrasar sem a perda de uma data imposta Cronograma (linha de base) Dead-line Folga do Projeto Desenvolver o cronograma Agora sim podemos ir para a ferramenta de cronograma...
  • 111. Ferramentas e Técnicas Desenvolver o cronograma Agora sim podemos ir para a ferramenta de cronograma... Análise de rede do cronograma Método de caminho crítico Método de corrente crítica Técnicas de Otimização de recursos Técnicas de criação de modelos Antecipações e Esperas Compressão do cronograma Ferramenta de cronograma Leva em consideração recursos limitados criando buffers (reservas) de prazo ao longo da rede do cronograma. Parte do método de Caminho Crítico e depois considera os impactos dos recursos no próprio caminho crítico e folgas, gerando um caminho crítico determinado pela limitação de recursos. Se no CPM o foco é no gerenciamento da Folga Total, neste método o foco está na gestão dos buffers de forma a proteger a corrente crítica do projeto.
  • 112. Inicio Atividade A Atividade C Atividade G Atividade B Buffer de Alimentação Atividade D Atividade F Buffer do Projeto Buffer de Alimentação Fim Desenvolver o cronograma Método de Corrente Crítica
  • 113. Deve estar claro: o Método de Caminho Crítico não considera qualquer restrição de recursos. Por considerar recursos, cronogramas desenvolvidos com o método de Corrente Crítica podem gerar cronogramas mais espaçados e com datas extremamente arrojadas. Atenção Desenvolver o cronograma Agora sim podemos ir para a ferramenta de cronograma...
  • 114. Ferramentas e Técnicas Desenvolver o cronograma Agora sim podemos ir para a ferramenta de cronograma... Análise de rede do cronograma Método de caminho crítico Método de corrente crítica Técnicas de Otimização de recursos Técnicas de criação de modelos Antecipações e Esperas Compressão do cronograma Ferramenta de cronograma Nivelamento Estabilização - Criar limites de trabalho que devem ser obedecidos ao longo da rede do cronograma – o caminho crítico não é mudado.
  • 115. Ferramentas e Técnicas Desenvolver o cronograma Agora sim podemos ir para a ferramenta de cronograma... Análise de rede do cronograma Método de caminho crítico Método de corrente crítica Técnicas de Otimização de recursos Técnicas de criação de modelos Antecipações e Esperas Compressão do cronograma Ferramenta de cronograma Análise “E se ?”- Pensar em riscos criando cenários diversos e verificando o impacto destes cenários casos estes se tornem realidade. Simulação - Envolve cálculo de múltiplas durações de projeto com diferentes conjuntos de hipótese. Pode fazer uso da análise de Monte Carlo para cálculo das distribuições de probabilidade. Estimativa Pessimista Estimativa Otimista Estimativa Mais provável Probabilidade 1 Probabilidade 2 Probabilidade 3
  • 116. Ferramentas e Técnicas Desenvolver o cronograma Agora sim podemos ir para a ferramenta de cronograma... Análise de rede do cronograma Método de caminho crítico Método de corrente crítica Técnicas de Otimização de recursos Técnicas de criação de modelos Antecipações e Esperas Compressão do cronograma Ferramenta de cronograma As antecipações e esperas inseridas no diagrama de rede do cronograma podem sofrer alterações, resultado de revisões.
  • 117. Ferramentas e Técnicas Desenvolver o cronograma Agora sim podemos ir para a ferramenta de cronograma... Análise de rede do cronograma Método de caminho crítico Método de corrente crítica Técnicas de Otimização de recursos Técnicas de criação de modelos Antecipações e Esperas Compressão do cronograma Ferramenta de cronograma Paralelismo - Altera a sequência do cronograma para que atividades anteriormente sequenciais passem a acontecer de forma paralela. Inicio Atividade A Atividade B Antes do Paralelismo Inicio Atividade A Atividade B
  • 118. O paralelismo deve observar o tipo de dependência. De preferência, o paralelismo deve ser realizado em atividades que tiveram sua dependência arbitrada pelo time. Desenvolver o cronograma Agora sim podemos ir para a ferramenta de cronograma...
  • 119. Ferramentas e Técnicas Desenvolver o cronograma Agora sim podemos ir para a ferramenta de cronograma... Análise de rede do cronograma Método de caminho crítico Método de corrente crítica Técnicas de Otimização de recursos Técnicas de criação de modelos Antecipações e Esperas Compressão do cronograma Ferramenta de cronograma Compressão - Reduz a duração do cronograma do projeto usando o menor custo incremental através da adição de recursos (financeiros, horas extras, pessoal) Resulta em aumento de custos e riscos.
  • 120. Ferramentas e Técnicas Desenvolver o cronograma Agora sim podemos ir para a ferramenta de cronograma... Análise de rede do cronograma Método de caminho crítico Método de corrente crítica Técnicas de Otimização de recursos Técnicas de criação de modelos Antecipações e Esperas Compressão do cronograma Ferramenta de cronograma Agora sim a ferramenta!
  • 121. Saídas Desenvolver o cronograma Agora sim podemos ir para a ferramenta de cronograma... Linha de base do cronograma Cronograma do projeto Dados do cronograma Versão aprovada do cronograma que será alterada apenas pelo processo de controle de mudanças. Utilizado para o controle dos prazos Calendário do projeto Atualizações no plano de gerenciamento do projeto
  • 122. Saídas Desenvolver o cronograma Agora sim podemos ir para a ferramenta de cronograma... Linha de base do cronograma Cronograma do projeto Dados do cronograma • Gantt • Diagrama de marcos • Diagramas de rede Calendário do projeto Atualizações no plano de gerenciamento do projeto
  • 123. Saídas Desenvolver o cronograma Agora sim podemos ir para a ferramenta de cronograma... Linha de base do cronograma Cronograma do projeto Dados do cronograma • Premissas adotadas durante o desenvolvimento do cronograma • Principais marcos • Faixas de tolerância para aplicação de faróis de controle. Ex. Amarelo (desvio > 3%) • Informações sobre as reservas de cronograma Calendário do projeto Atualizações no plano de gerenciamento do projeto
  • 124. Saídas Desenvolver o cronograma Agora sim podemos ir para a ferramenta de cronograma... Linha de base do cronograma Cronograma do projeto Dados do cronograma • Dias úteis • Feriados • Períodos de trabalho e de exceção • ... Calendário do projeto Atualizações no plano de gerenciamento do projeto
  • 125. Saídas Desenvolver o cronograma Agora sim podemos ir para a ferramenta de cronograma... Linha de base do cronograma Cronograma do projeto Dados do cronograma Linha de base do cronograma é uma atualização do plano (exemplo). Calendário do projeto Atualizações no plano de gerenciamento do projeto Date Save the
  • 127. Planejar o Gerenciamento do Cronograma Escolher a abordagem (o como) do gerenciamento de tempo. Definir as atividades Decomposição dos pacotes de trabalho nas atividades do cronograma sequênciar as atividades Se eu tivesse 100 atividades e 100 pessoas terminaria o projeto em 1 dia? Estimar os prazos Quais são as estimativas de prazo? Elas fazem sentido? Desenvolver o cronograma Agora sim podemos ir para a ferramenta de cronograma... Gerenciamento de Tempo PMBOK® Estimar os recursos Quem e o quê faz o que.... Controlar o cronograma Controlar, controlar e controlar...
  • 128. Controlar o Cronograma PMBOK® Monitoramento do andamento das atividades do projeto para atualização no seu progresso e gerenciamento de mudanças feitas na linha de base do cronograma “ “
  • 129. Análise de Desempenho Software de Gerenciamento de projetos Técnicas de Otimização de recursos Técnicas de desenvolvimento de modelos Antecipações e esperas Compressão do cronograma Ferramenta de cronograma Controlar o cronograma Controlar, controlar e controlar... Plano de Gerenciamento do projeto Cronograma do projeto Dados de desempenho do trabalho Calendário do projeto Dados do cronograma Ativos de processos organizacionais Informações sobre o desempenho do trabalho Previsões de cronograma Solicitações de mudança Atualizações no plano de gerenciamento do projeto Atualização nos documentos do projeto Atualização nos ativos de processos organizacionais Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas
  • 130. Dados de Desempenho do trabalho – Saída do processo 4.3 – Orientar e Gerenciar o trabalho do projeto e consistem em informações sobre o progresso do projeto Controlar o cronograma Controlar, controlar e controlar...
  • 131. Análise do Desempenho Podem ser utilizadas para a análise: • Análise de Tendências • Método de Caminho Crítico • Método de Corrente Crítica • Gerenciamento do Valor Agregado Controlar o cronograma Controlar, controlar e controlar...
  • 132. Informações sobre o desempenho do trabalho Dado trabalhado – indicadores de desempenho de tempo como o VPR (variação de prazo) e IDP (índice de desempenho de prazo) entre outros. Previsões de cronograma Solicitações de Mudança Atualizações no Plano de Gerenciamento de Projetos • Linha de Base do Cronograma alteradas por conta das mudanças aprovadas • Plano de Gerenciamento de Cronograma • Linha de Base de Custos • ... Controlar o cronograma Controlar, controlar e controlar...
  • 133. Solicitações de Mudança Lembre-se que, quando identificado um desvio de cronograma, o primeiro esforço do GP e do time deve ser em acomodar o desvio dentro das linhas base sem necessidade de solicitar uma mudança. Controlar o cronograma Controlar, controlar e controlar...
  • 134. Atualização dos Ativos de Processos Organizacionais • Causa das Variações • Ação corretiva escolhida e suas razões • Outros tipos de lições aprendidas Controlar o cronograma Controlar, controlar e controlar...
  • 135. Gerenciamento de Prazos André Cruz, PMP, MCTS e Prince 2 E-mail: andreluizcruz2@gmail.com Twitter: @AndreLuizCruz Linkedin:andrecruzpm Instagram:@acruz01
  • 136. O ser verdadeiramente livre é aquele que consegue realizar os seus projetos – Jean Paul Sartre

Notas do Editor

  1. No relacionamento Término para Término as duas atividades podem, mas não devem terminar necessariamente no mesmo momento ou no mesmo dia, o relacionamento apenas faz a restrição de que uma atividade sucessora (B) só possa ser concluída ou ser dada como concluída depois que sua atividade predecessora (A) tenha sido concluída.
  2. Neste tipo de relacionamento uma atividade sucessora (B) não pode ser iniciada até que a atividade predecessora (A) também tenha sido iniciada. São normalmente atividades que serão em paralelo, porém o início de uma depende do início de sua predecessora..
  3. Neste tipo de relacionamento uma atividade sucessora (B) não pode ser concluída até que atividade predecessora (A) tenha sido iniciada. Este relacionamento normalmente é o mais difícil de entender, pois confunde a mente pensar que uma atividade (B) só termina depois que a atividade (A) anterior começa, parte-se sempre do pressuposto que a atividade predecessora, ou seja, a que vem antes seja iniciada também antes da atividade sucessora, o que não pode não ser sempre verdade. xemplo: Imagine que haverá uma palestra num auditório e todas as pessoas estão aguardando sua entrada para a palestra na sala ao lado do auditório. Nesta mesma sala será servido o coffee break com doces e salgados. A Preparação do coffee break inicia bem antes da palestra e só pode ser concluída (B) depois que a palestra já tenha sido iniciada, ou seja, só será possível terminar de montar toda a mesa quando todas as pessoas deixarem a sala de espera e se dirigirem ao auditório. Com a palestra iniciada e a sala vazia, a preparação da mesa de doces e salgados para o coffee break pode ser concluída.